Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 1"

Transcrição

1 IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PARA DOCENTES E NÃO DOCENTES, A PROMOVER PELO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS DOS CONCELHOS DO BARREIRO E MOITA, POR FORMADORES INTERNOS E PELA EQUIPA DE SAÚDE ESCOLAR Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 1

2 De acordo com as necessidades de formação manifestadas pelos grupos disciplinares/ciclos de ensino, a auscultação efetuada às Coordenadoras dos e Operacionais, assim como ao município e atendendo ao disposto no Art.º 33, alínea d) da republicação do Decreto-Lei n.º75/2008, de 22 de Abril, referida em anexo do Decreto-Lei n.º137/2012 de 2 de julho de 2012 e Art.º 16 do Decreto-Lei n.º270/2009, de 30 de setembro, apresentam-se no quadro seguinte as propostas de formação e atualização para o pessoal docente e não docente do Agrupamento de Escolas da Moita. Destinatários Formação Objetivos As TIC no desenvolvimento das actividades na educação pré-escolar Pré-Escolar Docentes: 1.º Ciclo Docentes: 1.º Ciclo Docentes: 1.º Ciclo Pré- Escolar, 1.º, 2.ºe 3.º, SPO e Operacionais Encarregados de Educação, 1.º,2.º e 3.º Expressões no desenvolvimento das orientações curriculares Ciências experimentais Inteligência emocional Integração de crianças com NEE/diferenciação pedagógica Metas Curriculares e novo Programa de Matemática Metas Curriculares e novo Programa de Português As artes no 1º ciclo Educação Especial (hiperatividade, dislexia, disgrafia, autismo) Team Teaching (formação contínua, na modalidade de círculo de estudos) Operacionalizar as TIC no contexto da sala de aula. Aplicar as TIC no desenvolvimento das orientações curriculares. Perspectivar a globalização no Jardim de Infância. Promover o aprofundamento de conhecimentos científicos dos educadores de infância no domínio das ciências experimentais. Favorecer práticas pedagógicas fundamentadas, numa perspectiva de continuidade entre a educação pré escolar e o 1º ciclo do ensino básico. Educar com inteligência emocional. Sensibilizar/reflectir e interpretar os sentimentos para atuar. Obter mais informação para conviver e actuar na escola, com crianças com NEE. Conhecer as Metas Curriculares de Matemática nos vários domínios de referência, objetivos e descritores; Identificar alterações ao nível dos conteúdos a lecionar; Promover estratégias de planificação de atividades de acordo com as Metas Curriculares e com o Novo Programa de Matemática do Ensino Básico; Criar e explorar materiais didáticos. Analisar as principais alterações apresentadas pelas Metas Curriculares de Português nomeadamente os descritores e objetivos para os vários domínios de referência; Realizar exercícios práticos de planificação nos diversos domínios das Metas Curriculares de Português. Criar e explorar materiais didáticos. Promover a articulação entre a Expressão Musical e a Expressão Plástica. Conhecer várias síndromes existentes e como motivar os alunos que os possuem. Adquirir estratégias/técnicas de ensino para as problemáticas de alunos com NEE. Rentabilizar o trabalho colaborativo que já se faz nas escolas, no âmbito dos grupos disciplinares. Fomentar o trabalho de grupo, a participação ativa e a tomada de consciência de todo o processo formativo envolvido, implicando o questionamento e a mudança das práticas profissionais. Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 2

3 1.º, 2.º e 3.º 1.º, 2.º e 3.º Docentes: 1.º,2.º e 3.º Docentes: 1.º, 2.ºe 3.º, SPO Docentes: 1.º, 2.º e 3.º, e Operacionais Docentes: 2.º e 3.º Docentes: 1.º 2.º e 3.º (Grupos: 200, 210, 220 e 300) (Grupos: 200, 210, 220 e 300) (Grupos: 210, 220, 320, 330 e 350) (Grupos: 210, 220, 320 e330 e 350) Competências digitais (PowerPoint, criação de Páginas Web, Blogs e Excel) O Regime Jurídico na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (Formação interna) Utilização dos Quadros Interativos em espaço aula Educação sexual em meio escolar Gestão de conflitos em contexto escolar A Plataforma Moodle para ensinar e aprender Português Língua não Materna Oficinas de escrita Didática Específica da LE (atualização) Identificação de dificuldades de aprendizagem Avaliação do rendimento escolar (atualização) Desenvolver competências no domínio das novas tecnologias, permitindo a sua implementação na prática letiva. Atualizar conhecimentos e competências tecnológicas dos docentes. Dar a conhecer as alterações introduzidas no regime disciplinar pela nova legislação que enquadra o regime jurídico dos trabalhadores com vínculo de emprego público. Integração transdisciplinar das TIC. Desenvolver competências básicas na utilização dos Quadros Interactivos, rentabilizando os equipamentos existentes. Adquirir e atualizar conhecimentos nesta área. Identificar estratégias e técnicas eficazes para resolução de problemas em sala de aula. Integração transdiciplinar das TIC. Desenvolver competências básicas na utilização do Moodle para atividades letivas (disponibilização de conteúdos, documentos, imagens, vídeos, áudio, animações), realização de tarefas online (fóruns de discussão, chat, entrega de trabalhos online, testes, inquéritos, glossários, texto em colaboração, portfólio, tec.) e funcionalidades de avaliação (grelha de classificação de trabalhos). Adquirir conhecimentos e desenvolver estratégias/atividades que respondam às dificuldades sentidas na lecionação a alunos de outras nacionalidades. Reciclar conhecimentos e competências de motivação dos alunos para escrita. Expandir o conhecimento de técnicas e metodologias do ensino das Línguas Estrangeiras II. Incentivar à inovação, experimentação, implementação e adaptação de novas estratégias do ensino das Línguas Estrangeiras II. Adquirir conhecimentos que permitam a concretização desse processo. Adquirir técnicas diversificadas no domínio da avaliação. Desenvolver competências e conhecimentos na área da avaliação dos alunos. Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 3

4 (Grupos: 200,210, 220 e 300) Docentes: 2.º e 3.º (Grupos: 200,210, 220, 300, 320, 330 e 350) Docentes: 2.º e 3.º (Grupos: 200,210, 220, 300, 320, 330 e 350) (Grupos: 200,210, 220, 300, 320, 330 e 350) Docentes: 2.º,3.º Ciclos e (Grupos: 220, 300, 320 e 330) (Grupos: 200,210, 220, 300, 320, 330 e 350) O Novo Programa de Língua Portuguesa/Português A utilização do Portfolio nas aulas de Língua Avaliação de competências (operacionalização da oralidade) Estratégias em LM/LE para combater o insucesso e abandono escolar A avaliação de desempenho docente (na perspetiva do avaliado e do avaliador) Literacia digital Como pesquisar na Internet e explorar o seu potencial em contexto de sala de aula Leitura extensiva em Língua Portuguesa/ Português e nas línguas estrangeiras Aprofundar conhecimentos sobre o NPPEB. Adequar a estratégia Portfolio ao ensino da Língua. Adquirir técnicas diversificadas no domínio da avaliação da oralidade / audição e expressão. Desenvolver estratégias e técnicas eficazes para combater o insucesso e abandono escolar. Adquirir conhecimentos que permitam a concretização de todo este processo. Atualizar conhecimentos e competências tecnológicas dos docentes. Reciclar conhecimentos e competências para motivar os alunos para a leitura extensiva. (Grupos: 220, 330 e 340) Conceção e elaboração de apresentações interativas para as línguas estrangeiras Adquirir conhecimentos para elaborar apresentações interativas. Docentes: 2.º e 3.º (Grupos: 200, 210, 220) Docentes: 2º, 3º Ciclo e (Grupo 260 e 620) Docentes: 2º, 3º Ciclo e (Grupo 260 e 620) Docentes: 2º, 3º Ciclo e (Grupo 260 e 620) Alunos com NEE Danças tradicionais Esgrima e Boccia Corfebol Golfe Desportos de Combate Adquirir técnicas de ensino para as problemáticas de alunos com NEE. Valorizar as danças tradicionais no contexto da cultura formativa, informativa e identitária do património popular, no que concerne à área da formação artística Dança e Expressões. Permitir a aquisição de destrezas variadas através destas modalidades, incentivando os alunos NEE à prática desportiva com o objectivo de maior inclusão. Permitir a aquisição dos objectivos específicos da Educação Física, através de outras modalidades, criando um enriquecimento de destrezas e um aumento da motivação. Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 4

5 Docentes: 3.º Ciclo, (Grupo 500) Docentes: 3.º Ciclo e (Grupo 550) Docentes: 3.º Ciclo e (Grupo 550) Docentes: 3.º Ciclo e (Grupo 550) Docentes: (grupo 400) Docentes: (grupo 400) Docentes: Docentes: Docentes: Docentes: Metas curriculares de Matemática A: novo rumo novos desafios (Formador interno: Prof. Paulo Dias) Conhecimento distribuído com a Web 2.0 Seminários e workshops sobre Partilha de boas práticas e experiências em Informática Educacional. Formação em: Visual Basic, HTML, PHP, JavaScript, CSS, C++,JAVA, C#, redes de computadores, arquitetura de computadores e sistemas operativos. Economia histórica O mundo após a queda do Muro de Berlim A Utilização das TIC na lecionação das temáticas filosóficas: Power Point; Excell A Temática dos Valores na Atualidade A Ciência e a Técnica; os novos problemas colocados e as suas implicações para o futuro (Bioética; Novas Tecnologias da Informação e Comunicação; A Eutanásia; A Clonagem Estratégias para a Implementação de Trabalho Prático no Contexto da Aula de Filosofia Identificar as aprendizagens essenciais a realizar pelos alunos em Matemática A; Identificar os desempenhos que traduzem conhecimentos a adquirir e as capacidades que se querem ver desenvolvidas na área disciplinar da Matemática; Identificar metodologias e formas de apoio à planificação e à organização do ensino, incluindo a produção de materiais didáticos, que se constituam como referencial para a avaliação interna e externa; Incrementar formas de trabalho colaborativo. Aprendizagem de diversas ferramentas, tais como: Blogues, Slideshare, Fóruns, GoogleDocs, VoiceThread e Webnod. Partilhar experiências e boas práticas de ensino. Dotar os docentes das diversas disciplinas de Informática dos cursos CEF e Profissionais destes conhecimentos específicos. Criar um espaço de reflexão e discussão à volta das questões que são colocadas ao mundo atual, particularmente, para o último quarto de século e sobre as matérias económicas. Criar um espaço de reflexão e discussão à volta das questões que são colocadas ao mundo atual, particularmente, para o último quarto de século. Capacitar os professores na utilização das novas tecnologias e sua implementação na prática lectiva, assim como desenvolver competências neste domínio. Desenvolver competências no âmbito da utilização do PowerPoint e do Excel na prática lectiva. Criar um espaço de reflexão acerca da temática dos valores na atualidade, os novos problemas que se colocam ao homem moderno, como enfrentálos, que respostas possíveis ao nível das posições filosóficas da atualidade,. Dotar os professores de elementos atualizados e cientificamente corretos sobre estas temáticas, assim como refletir sobre as suas implicações valorativas na atualidade. Desenvolver nos professores competências para o desenvolvimento de uma pedagogia com características mais práticas, assentando as suas estratégias mais no desenvolvimento de competências do que na aquisição de conhecimentos. Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 5

6 Docentes: Docentes: Docentes: Docentes: Docentes: Docentes: Docentes: Docentes: (grupo 430) Docentes: (grupo 430) Docentes: (grupo 430) Docentes: (grupo 430) Pedagogias por competências, versus Pedagogias por conhecimentos Sistemas de informação geográfica Ordenamento do território Turismo informação e animação turística Higiene saúde e segurança no trabalho Proclira Tratamento da informação Plataformas de e-learning SNC Aplicações Informáticas na Gestão Direitos Humanos e Subdesenvolvimento O exercício da cidadania e os Direitos Humanos (em cooperação com a Associação 25 de Abril) Desenvolver nos professores competências para o desenvolvimento de uma pedagogia com características mais práticas, assentando as suas estratégias mais no desenvolvimento de competências do que na aquisição de conhecimentos. Aprofundar os conhecimentos e as competências na utilização das novas tecnologias de estudo do espaço. Fomentar a necessidade de compreensão e planeamento do território adequado ao bem estar da população. Desenvolver boas práticas nos cursos profissionais em funcionamento na escola. Dar seguimento aos projetos desta área, desenvolvidos na Escola Secundária da Moita. Aquisição de conhecimentos e competências para o tratamento de informação no que concerne aos elementos climáticos. Adquirir novas competências no domínio da utilização das tecnologias de informação e comunicação. O Sistema Normalizado de Contabilidade é o instrumento base da Disciplina de Contabilidade e, em virtude da sua recente implementação, os professores que lecionam a disciplina sentem necessidade de atualização sobre essas alterações. Aprofundar os conhecimentos nesta área. Desenvolver posições pessoais de tolerância, de respeito e solidariedade para com os outros. Desenvolver uma consciência crítica no plano ético e moral numa sociedade cada vez mais globalizada, para que se assumam posições críticas relevantes, constituintes de um quadro de valores assentes na cidadania, na liberdade e na defesa dos direitos humanos, para o que é fundamental um espaço de reflexão e de formação dos professores no sentido do desenvolvimento de competências tendentes à realização dos referidos objectivos. Compreender a essencialidade da intervenção social do cidadão, suas responsabilidades sociais e direitos. Desenvolver posições pessoais de tolerância, de respeito e solidariedade para com os outros. Desenvolver uma consciência crítica no plano ético e moral numa sociedade cada vez mais globalizada, para que se assumam posições críticas relevantes, constituintes de um quadro de valores assentes na cidadania, na liberdade e na defesa dos direitos humanos, para o que é fundamental um espaço de reflexão e de formação dos professores no sentido do desenvolvimento de competências tendentes à realização dos referidos objetivos. Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 6

7 Docentes: (Grupo 430) Docentes: (Grupo 430) Docentes: (Grupo 430) e Operacionais A Fiscalidade O consumidor e o recurso ao crédito Desafios nos novos estilos de vida Literacia dos Media Indexação de Documentos Classificação, catalogação e indexação de Documentos multimédia e documentos digitais Leituras e literacias gestão, formação e animação Liderança Promoção e Animação da Leitura Oficina de Escrita Criativa como as fazer com os alunos e professores Relações interpessoais Formação inicial-nível 1 em Contabilidade para o Sector da Educação Conhecer a legislação fiscal. Conhecer os encargos fiscais do cidadão. Conhecer os direitos e deveres dos consumidores. Conhecer as práticas de recurso ao crédito. Compreender os novos modelos de organização familiar. Conhecer novas formas de vida em sociedade. Adquirir técnicas e competências na área da literacia dos média. Adquirir competências no âmbito de indexação de fundo documental de bibliotecas escolar. Adquirir competências no âmbito de classificação, catalogação e indexação de documentos multimédia e documentos digitais de bibliotecas escolar. Adquirir competências na gestão e animação da leitura e literacia e formação de utilizadores no mesmo âmbito. Adquirir técnicas e competências na área da liderança. Adquirir técnicas e competências na área da promoção e animação da Leitura. Adquirir técnicas e competências na área da escrita criativa. Aquisição de conhecimentos ao nível do desenvolvimento pessoal e profissional, que promova a otimização do relacionamento interpessoal, através da aquisição de competências que proporcionem uma postura ativa, facilitadora e transformadora, que influencie o ambiente de trabalho e, consequentemente, os resultados da instituição. Permitir a aquisição e consolidação de competências técnicas na utilização das aplicações informáticas existentes, bem como a sua articulação com os conteúdos funcionais das áreas de intervenção: -Normas e procedimentos legais sobre execução orçamental; -Contabilidade Financeira e Patrimonial-regras de movimentação de contas; -Lançamento dos orçamentos iniciais e movimentos de abertura; -Registo de despesas e receitas-ciclo de despesa e receita; -Envio digital de informação para o Ministério da Educação e Ciência; -Análise de mapas de escrituração e de gestão interna; -Encerramento do exercício e Conta de Gerência. Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 7

8 Assistentes Operacionais Pré Escolar 1.º, 2.º e 3.º Assistentes Operacionais Pré Escolar 1.º, 2.º e 3.º Assistentes Operacionais Pré Escolar 1.º, 2.º e 3.º Formação inicial-nível 1 em SASE (Ação Social Escolar) Formação inicial-nível 1 em Alunos Formação complementar nível 2 em GPV e CONTB (Pessoal, Vencimentos e Contabilidade) Formação GIAE Módulo de Sumários Eletrónicos A escola e a Diabetes tipo I (Formadores: Equipa de Saúde Escolar) Epilepsia (Formadores: Equipa de Saúde Escolar) Primeiros Socorros (Formadores: Equipa de Saúde Escolar) Permitir a aquisição e consolidação de competências técnicas na utilização das aplicações informáticas existentes, bem como a sua articulação com os conteúdos funcionais das áreas de intervenção: -Normas e procedimentos a considerar nas áreas de intervenção da ação social escolar; -Candidatura a subsídios e apoios económicos; -Seguro escolar; -Contabilidade ASE: registo dos movimentos contabilísticos; -Gestão de refeitórios; -Análise de mapas de escrituração e de gestão interna; -Envio digital de informação para o Ministério da Educação e Ciência; -Encerramento do Exercício e Conta de Gerência. Permitir a aquisição e consolidação de competências técnicas na utilização das aplicações informáticas existentes, bem como a sua articulação com os conteúdos funcionais das áreas de intervenção: -Análise de todas as opções do programa integradas nos módulos do 1.º Ciclo, 2.º e 3.º Ensino, Profissional, Recorrente e Cursos CEF e EFA, das quais se destaca: -Ficheiro de Alunos; -Outros ficheiros e tabelas; -Criação de turmas e inscrição dos alunos nas turmas; -Marcação e justificação de faltas; -Registo de níveis e classificações; -Exames; -Mapas,listagens e informação para o MEC. Análise detalhada de situações específicas de maior complexidade, nomeadamente na articulação entre as duas aplicações referidas. Preparação técnica de recursos humanos na gestão do Módulo de Sumários Eletrónicos. Informar e aprofundar conhecimentos sobre a Diabetes. Realizar um bom controlo da diabetes. Desenvolver competências e conhecimentos na área da diabetes, de modo a diminuir o risco de descompensações agudas. Adquirir conhecimentos sobre a epilepsia. Desenvolver competências na área da epilepsia, de modo a diminuir o risco de descompensações agudas. Aprofundar conhecimentos na área dos primeiros socorros. Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 8

9 Após proceder ao exposto no art.º 33º, alínea d) da republicação do Decreto-Lei n.º75/2008, de 22 de Abril, referida em anexo do Decreto-Lei n.º137/2012 de 2 de julho de 2012, foi aprovado pelo Diretor em reunião de direção de 5 de novembro de 2014 o plano de formação e de atualização do pessoal docente e não docente do Agrupamento de Escolas da Moita, de acordo com o exposto no art.º 20º, ponto 2, alínea b) do referido normativo. Moita, 5 de novembro de 2014 O Diretor Manuel Luís Pereira dos Santos Plano de Formação do Agrupamento de Escolas da Moita 2014/2015 Página 9

IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO A PROMOVER PELO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS DO BARREIRO E MOITA PARA DOCENTES E NÃO DOCENTES

IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO A PROMOVER PELO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS DO BARREIRO E MOITA PARA DOCENTES E NÃO DOCENTES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE FORMAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO A PROMOVER PELO CENTRO DE FORMAÇÃO DE ESCOLAS DO BARREIRO E MOITA IDENTIFICAÇÃO DE NECESSIDADES DE FORMAÇÃO A

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

Decreto-Lei n.º 22/2014 de 11 de fevereiro. Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa cód.145567

Decreto-Lei n.º 22/2014 de 11 de fevereiro. Agrupamento de Escolas Pinheiro e Rosa cód.145567 Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016 A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes é, nomeadamente,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO AGOSTINHO DA SILVA

CENTRO DE FORMAÇÃO AGOSTINHO DA SILVA AÇÕES DE FORMAÇÃO PARA REQUISIÇÃO que podem ser consideradas como trabalho a nível de estabelecimento, conforme a alínea d), do nº 3, do Artº 82º do ECD (DL 41/2012). 1. Ações com acreditação pelo CCPFC

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação

Agrupamento de Escolas de Cuba. Plano de Formação Agrupamento de Escolas de Cuba Plano de Ano Letivo de 2012/2013 Índice Introdução... 3 1- Departamento curricular da educação pré-escolar... 6 2- Departamento curricular do 1º ciclo... 6 3- Departamento

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE

PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE PLANO DE FORMAÇÃO PESSOAL DOCENTE E NÃO DOCENTE 2010-2012 2 ÍNDICE 1. Nota introdutória. 3 2. Enquadramento do Plano de Formação.. 4 3. Recursos humanos, físicos e financeiros. 6 4. Objetivos gerais 7

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

PESSOAL DOCENTE AÇÕES DE FORMAÇÃO ACREDITADAS PELO CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA O CENTRO EDUCATIS

PESSOAL DOCENTE AÇÕES DE FORMAÇÃO ACREDITADAS PELO CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA PARA O CENTRO EDUCATIS TREINO DA APTIDÃO MUSCULAR EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Registo: CCPFC/ACC-61196/09 Válida até: 30-09-2012 Destinado a: Professores dos Grupos 260 e 620 AERÓBICA NA ESCOLA - METODOLOGIA BÁSICA Registo: CCPFC/ACC-61225/09

Leia mais

Plano de Formação [2012/2013] Agrupamento de Escolas Elias Garcia

Plano de Formação [2012/2013] Agrupamento de Escolas Elias Garcia Plano de Formação [2012/2013] Agrupamento de Escolas Elias Garcia Introdução A formação profissional dos atores escolares deve obedecer a uma lógica contextual, adaptativa, organizacional e orientada para

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS

SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS SIMULADORES VIRTUAIS NO ENSINO EXPERIMENTAL DAS CIÊNCIAS 1. Descrição Simuladores Virtuais no Ensino Experimental das Ciências 2. Razões justificativas da ação: Problema/Necessidade de formação identificado

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis Resumo do projecto Com a candidatura a este projecto, e envolvendo todos os departamentos, alunos e encarregados de educação, a nossa escola

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016

FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 FORMAÇÃO ACREDITADA PARA PROFESSORES 2015/2016 QUEM SOMOS A APF Associação para o Planeamento da Família, é uma Organização Não Governamental com estatuto de IPSS (Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA MOITA PLANO DE AÇÃO PARA AS TIC Equipa PTE "A exclusão digital não é ficar sem computador ou telefone celular. É continuarmos incapazes de pensar, de criar e de organizar novas

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RUY BELO PLANO DE FORMAÇÃO 1 PLANO DE FORMAÇÃO Índice Introdução 4 Pressupostos teóricos 5 Enquadramento legal 7 Âmbito da formação (objetivos) 9 Docentes Não docentes Pais e encarregados de educação Levantamento

Leia mais

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular

Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Parecer da Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual sobre a proposta de Revisão da Estrutura Curricular Introdução A APECV, utilizando vários processos de consulta aos seus associados

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RAINHA SANTA ISABEL BIBLIOTECA ESCOLAR Projeto Desenvolver a autonomia dos alunos para gerar conhecimento Tabela de articulação das diferentes literacias 3º Ciclo PLANO I - Competências

Leia mais

Ação de Formação. Aquisição da escrita e da leitura: a consciência fonológica. Turma A: Maio: 4, 11 e 25 Junho: 8

Ação de Formação. Aquisição da escrita e da leitura: a consciência fonológica. Turma A: Maio: 4, 11 e 25 Junho: 8 Ação de Formação Aquisição da escrita e da leitura: a consciência fonológica Turma A: Maio: 4, 11 e 25 Junho: 8 Turma B: Setembro: 7 Setembro: 13 Setembro: 14 Setembro: 21 Formador: Dr. António Manuel

Leia mais

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil 2013/4 Plano de melhoria da biblioteca escolar Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Índice A. Currículo literacias e aprendizagem... 5 Problemas identificados... 5 Resultados esperados...

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO

PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010. Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal GRUPO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal PLANO DE ACÇÃO ANUAL 2009/2010 O Plano de Acção da Rede de Bibliotecas de Carregal do Sal é um instrumento de trabalho ao nível da organização e

Leia mais

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA

Referencial de Educação Financeira em Portugal. 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Referencial de Educação Financeira em Portugal Educação Pré-escolar, Ensino Básico e Secundário 1ª Conferência Internacional PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO FINANCEIRA Educação para a Cidadania: novo quadro

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014-2015

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014-2015 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014-2015 1 PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2014-2015 INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS ESSENCIAIS do PAA... 3 PROPOSTAS DE ATIVIDADES DOS CLUBES E EQUIPAS... 6 PROPOSTAS DE ATIVIDADES DOS

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS. Proposta de Planificação. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2013/2014 AEC PROJETOS LÚDICO EXPRESSIVOS Proposta de Planificação 1.º Ciclo do Ensino Básico PLE Proposta de Plano Anual 2013/2014 1. Introdução A atividade

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico

AEC ALE TIC. Orientações Pedagógicas. 1.º Ciclo do Ensino Básico ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2014/2015 AEC ALE TIC Orientações Pedagógicas 1.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução A atividade de enriquecimento curricular, ALE (atividades lúdico-expressivas)

Leia mais

Plano de Formação. do Agrupamento

Plano de Formação. do Agrupamento Plano de Formação do Agrupamento Ano letivo 2014/2015 1/8 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Caracterização do Agrupamento... 3 3. Identificação das necessidades de 4 4. Objetivos gerais a atingir com o Plano

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 1373/XII/4ª Recomenda ao Governo a definição de uma estratégia para o aprofundamento da cidadania e da participação democrática e política dos jovens A cidadania é, além de um

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES Preâmbulo Considerando a criação e o desenvolvimento de uma Rede de Bibliotecas Escolares, assumida como política articulada entre

Leia mais

Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade OBJETIVOS

Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade OBJETIVOS Projeto INQUIRE - Formação em Biodiversidade e Sustentabilidade OBJETIVOS Projeto INQUIRE: Formação em biodiversidade e sustentabilidade Objectivos do projeto Inquire O programa pan-europeu INQUIRE é uma

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PROJETO DE INTERVENÇÃO AO NÍVEL DA INDISCIPLINA 1- FUNDAMENTAÇÃO A Equipa Multidisciplinar foi constituída

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

APPDA-Setúbal. Educação

APPDA-Setúbal. Educação APPDA-Setúbal Educação Enquadramento Constitui desígnio do XVII Governo Constitucional promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e promover a melhoria da qualidade do ensino. Um aspeto

Leia mais

CURSO PROFIJ NIVEL II TIPO 2 OPERADOR DE INFORMÁTICA

CURSO PROFIJ NIVEL II TIPO 2 OPERADOR DE INFORMÁTICA CURSO PROFIJ NIVEL II TIPO 2 OPERADOR DE INFORMÁTICA Código de Referencial de Formação - 481038 Componente de Formação Sócio-Cultural Área de Competências Línguas, Cultura e Comunicação Cidadania e Sociedade

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO

CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO. Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO CURSO DE FORMAÇÃO FILOSOFIA PARA CRIANÇAS E JOVENS A COMUNIDADE DE INVESTIGAÇÃO Local de realização: Escola Secundária José Estêvão - AVEIRO Registo: CCPFC/ACC-76907/14, Nº Créditos: 1, Válida até: 10-02-2017

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres

Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres Agrupamento de Escolas Dr.ª Laura Ayres - Anexo III Regulamento da Educação e Formação de Adultos Artigo 1.º Definição 1. Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) criados ao abrigo das portarias

Leia mais

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0 PLANO TIC 2 0 0 9-2 0 1 0 O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] EB1/PE Santa Cruz http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pescruz eb1pescruz@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR TIC Egídia

Leia mais

Plano de Transição 2012

Plano de Transição 2012 Plano de Transição 2012 A transição entre ciclos de ensino é hoje reconhecida por todos como um dos pontos críticos dos sistemas educativos, não só em virtude de envolver a transição de alunos de uma escola

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

CET. Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial

CET. Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial CET Cursos de Especialização Tecnológica Gestão Administrativa de Recursos Humanos Secretariado de Direção e Comunicação Empresarial Técnicas de Turismo Ambiental Gestão Comercial GESTÃO ADMINISTRATIVA

Leia mais

Introdução. a cultura científica e tecnológica.

Introdução. a cultura científica e tecnológica. Introdução A cultura científica e tecnológica é cada vez mais reconhecida como uma condição estratégica para o desenvolvimento de uma cidadania ativa, traduzindo-se numa sociedade mais qualificada e no

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Escola EB 2,3 de António Feijó

Escola EB 2,3 de António Feijó AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ANTÓNIO FEÍJO Escola EB 2,3 de António Feijó 8.º ANO PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Tecnologias de Informação e Comunicação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO Domínio Conteúdos Objetivos

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E LEGISLAÇÃO (10º Ano Turma O)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E LEGISLAÇÃO (10º Ano Turma O) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E LEGISLAÇÃO (10º Ano Turma O) PLANIFICAÇÃO ANUAL Directora do Curso Maria Teresa Pereira

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora

Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar. e no Ensino Básico Relatório-Síntese. Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino Básico Relatório-Síntese Agrupamento de Escolas n.º 1 de Évora AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE ÉVORA CÓDIGO 135537 CONCELHO DE ÉVORA DELEGAÇÃO REGIONAL

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

CATÁLOGO DE ATIVIDADES

CATÁLOGO DE ATIVIDADES 2015 CATÁLOGO DE ATIVIDADES 2 1 1 Fotografia da Capa: Architectural Concepts By Roman Vlasov com Wendy F. Strange In 3dfirstaid Visual Architecture INTRODUÇÃO A SENTIDO DIRECTO desenvolve, de forma sistemática,

Leia mais

O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas,

O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas, O 1º Ciclo do Ensino Básico é um espaço privilegiado onde se proporcionam aos alunos aprendizagens mais ativas e significativas, pois este é um dos meios de socialização e da aquisição das primeiras competências

Leia mais

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL

PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANOS INDIVIDUAIS DE TRANSIÇÃO (PIT) TRABALHO DESENVOLVIDO NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO COMUNIDADES DE PRÁTICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL PLANO INDIVIDUAL DE TRANSIÇÃO (PIT) O Decreto-Lei nº3/ 2008, de 7 de janeiro

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/2015

PLANO DE AÇÃO 2013/2015 PLANO DE AÇÃO 2013/2015 INTRODUÇÃO: Os planos de formação previstos na alínea b) do n.º 2 do artigo 20.º e na alínea d) do artigo 33.º, ambos do Decreto -Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril, devem conter,

Leia mais

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8

Ano letivo 2014/2015. Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano. Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Ano letivo 2014/2015 Planificação da disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação 8º ano Domínio: Comunicação e Colaboração CC8 Aulas Previstas Semestre 32 Subdomínio: Conhecimento e utilização

Leia mais

DGAE Direção-Geral da Administração Escolar CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA. Maio/Junho 2015

DGAE Direção-Geral da Administração Escolar CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA. Maio/Junho 2015 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA E BOLSA DE CONTRATAÇÃO DE ESCOLA Maio/Junho 2015 CONCURSO DOCENTES 2015/2016 (Decreto-Lei n.º 132/2012, de 27/06, na redação conferida pelo Decreto-Lei n.º 83- A/2014, de 23/05, retificado

Leia mais

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013

Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 Agrupamento de Escolas Santos Simões Apoios Educativos Ano Letivo 2012-2013 O apoio educativo abrange todos os ciclos, níveis de ensino e cursos do Agrupamento. No 1.º e 2.º ciclos o apoio educativo é

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO An 2-A Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário 2014 / 2015 Ano Letivo EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário * Estabelecimento de ensino integrado na rede pública. Financiado pelo Ministério da Educação ao abrigo do

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO

CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO 2014/2015 CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS NO 1º CICLO Experimentar a Brincar (Ano 6) Realização de experiências no âmbito da Biologia Escola Secundária Cacilhas-Tejo Agrupamento de Escolas Emídio Navarro EB 2,3

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais