REDE DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE 9 3 DE ÁGUA OPERADA PELA COGERH

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REDE DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE 9 3 DE ÁGUA OPERADA PELA COGERH"

Transcrição

1 7Angicos Gangorra Diamante Jaburu I Sto. Antº Poço Verde Frios 8 10 REDE DE MONITORAMENTO Castro 5 DA QUALIDADE 9 3 DE ÁGUA OPERADA PELA COGERH Realejo Flor do Campo Martinópole Colina Ayres de Souza Arrebita Araras Bonito Farias de Sousa Sucesso Carnaubal Jaburu II Trici Tucunduba Espirito Parambu Santo B. Hidrográfica Premuoca São Vicente Várzea da S. Pedro Volta Acaraú Quandú Timbaúba Mirim Mundaú Sobral Trapiá III Forquilha Patos Caxitoré Carão Barra Velha Cupim Forquilha II Benguê 1- Alto Jaguaribe 2- Salgado 3- Banabuiú 4- M. Jaguaribe Pç. da Pedra 5- Baixo Jaguaribe 6- Acaraú 7- Coreaú 8- Curu 9- Parnaíba 10- Metropolitana 11- Litoral Aracatiaçu JerimumPentecoste Gavião Tejuçuoca Riachão Sta. Maria Desterro Penedo Gal. Pacoti Aracatiaçu Sampaio Trapiá I Amanary Acarape S. Mateus Edson S. Domingos do Meio Souza Pacajus Queiroz ` Salão Caracas Hipólito Vieirão Mons. Tabosa Cap. S. José I Trapiá II Mor S. José II Várzea do Boi Serafim Dias Favelas 1 Quincoé Fogareiro Trussu 1 Rivaldo de Carvalho Patu Muquém Pompeu Sobrinho Quixeramobim Jatobá Rch. do Sangue Jenipapeiro N. Floresta 2Gomes Ubaldinho St. Novos Cauhipe Cedro Banabuiú Do Coronel Olho Estrema Valério D'água Cachoeira Canoas Manoel Balbino Prazeres Thomás Osterne Quixabinha Atalho Pedras Brancas 4Adauto Bezerra J. Távora Cipoada Ema Orós Lima Campos Tatajuba Pç. do Barro Potiretama Madeiro Stº. Antº. de Russas Canafístula Legenda Capacidade dos Açudes > 500 milhões de m³ 100 a 500 milhões de 10 a 100 milhões de 1 a 10 milhões de Cloretos (mg/l)

2 REDE DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA OPERADA PELA COGERH CONVÊNIO: COGERH/SEMACE FORTALEZA -CE JANEIRO/2002 2

3 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DOS RECURSOS HÍDRICOS COMPANHIA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DIRETORIA DE OPERAÇÕES E MONITORAMENTO DEPARTAMENTO DE MONITORAMENTO GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ: Tasso Ribeiro Jereissate SECRETARIO DOS RECURSOS HÍDRICOS: Hypérides Pereira de Macêdo PRESIDENTE DA COGERH: Francisco Lopes Viana DIRETOR DE OPERAÇÕES E MONITORAMENTO: Rogério de Abreu Menescal GERENTE DE MONITORAMENTO: Walt Disney Paulino CRÉDITOS Walt Disney Paulino Concepção da rede de monitoramento COGERH Rogério Herlon Furtado Freire Revisão bibliográfica COGERH Magda Maria Marinho Almeida Colaboração SEMACE 3

4 INDÍCE CONSIDERAÇÕES GERAIS... 4 MONITORAMENTO QUALITATIVO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS... 5 EVOLUÇÃO DO MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA IMPLEMENTADO PELA COGERH... 6 A REDE DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA (RMQA) IMPLEMENTADA PELA COGERH... 8 PERSPECTIVAS FUTURAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS REDE DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA OPERADA PELA COGERH CONSIDERAÇÕES GERAIS A escassez de água, embora não determinante, sempre esteve associada à luta pela sobrevivência da população do semi-árido nordestino brasileiro, onde o regime hidrológico é, na sua maior parte, caracterizado por um balanço hídrico negativo. A criticidade desta situação torna-se ainda maior quando da ocorrência de períodos secos prolongados. De uma maneira geral, pode-se afirmar também, que o comprometimento da qualidade das águas dos recursos hídricos do Estado do Ceará, está ligado principalmente à falta de infraestrutura básica de saneamento (inexistência ou precariedade do sistema de coleta e destinação final adequados dos sistemas de tratamento dos resíduos sólidos e líquidos) das cidades ribeirinhas e a processos de erosão e assoreamento. As fontes de poluição em geral são difusas, provenientes principalmente de aglomerados urbanos existentes nas áreas de preservação dos corpos d água. O metabolismo diferenciado dos ecossistemas aquáticos localizados nesta região também deve ser levado em consideração, já que possuem, naturalmente, maior produtividade primária e concentração de sais dissolvidos, especialmente quando o foco é direcionado aos lagos artificiais, genericamente conhecidos como açudes. Este tipo de ecossistema lêntico está muito presente no imaginário do povo nordestino, constituindo-se, na maioria das vezes, em única fonte de água. Por razões históricas e culturais, os aspectos relacionados à quantidade do recurso água sempre foram priorizados pelas políticas estaduais de recursos hídricos, refletidas no considerável desenvolvimento dos instrumentos de gestão quantitativa aplicados no Estado e que, reconhecidamente, servem de modelo para outras políticas públicas de gestão no Brasil. A despeito desta realidade, os aspectos qualitativos ainda dependem da análise incipiente de dados sem consistência histórica, originados de trabalhos acadêmicos isolados e programas de monitoramento não sistemáticos já implantados no Estado. Com a crescente necessidade e cobrança por parte da sociedade, principal beneficiada com o fornecimento do produto água, tem-se tentado estabelecer, recentemente, metodologias de monitoramento qualitativo capazes de subsi- 4

5 diar posteriores medidas de mitigação e controle dos impactos negativos sobre a qualidade da água armazenada nos corpos d água do Estado resultantes de fontes de poluição pontuais e difusas ao longo das respectivas bacias hidrográficas. O comprometimento dos recursos hídricos do Estado adquire caráter ainda mais dramático quando se considera a natureza intermitente da maioria dos seus rios e, consequentemente, suas pequenas capacidades assimilativas. No caso dos reservatórios, a necessidade de conhecer-se a magnitude e natureza dos impactos antrópicos negativos sobre a qualidade de suas águas tornase ainda mais crucial e urgente, já que o regime lêntico é propulsor de fenômenos como a eutrofização e a salinização (Freire e Paulino, 2001a). A avaliação da qualidade da água, bem como sua evolução no tempo-espaço, só será possível através da implementação de programas sistemáticos de monitoramento, resultando em séries históricas que, futuramente, possam ser analisadas a fim de estabelecer-se padrões de distribuição sazonais e espaciais para indicadores bióticos e abióticos. O conhecimento destas variações poderá ser manipulada e utilizada para a previsão da qualidade da água durante o ano hidrológico, além de subsidiar parâmetros de operação dos reservatórios (Freire, 2000). MONITORAMENTO QUALITATIVO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Segundo Magalhães Jr. (2000), o monitoramento deve ser visto como um processo essencial à implementação dos instrumentos de gestão das águas, já que permite a obtenção de informações estratégicas, acompanhamento das medidas efetivadas, atualização dos bancos de dados e o direcionamento das decisões. Este mesmo autor ressalta que uma sólida base de dados é imprescindível aos instrumentos de gestão, sob pena de tentar-se gerenciar o que não se conhece. É essencial que o design, estrutura, implementação e interpretação dos dados relativos aos sistemas monitorados sejam conduzidos com referência ao uso final da informação para propósitos específicos (UNEP, WHO, 1996; PORTO, 1991). Segundo Porto (1991), a definição dos objetivos de um programa de monitoramento geralmente está associada à avaliação da qualidade da água e sua adequação para os usos requeridos/propostos e à indicação da necessidade da implementação de projetos especiais relativos à identificação anterior de problemas específicos. A partir destes dois cenários, os programas de monitoramento podem ser classificados, de acordo com o uso que se pretende dar aos dados gerados, como de planejamento ou de controle (Porto, 1991). Straskraba e Tundisi (2000) delimitaram que de acordo com o horizonte temporal, pode-se distinguir três tipos de gerenciamento: i) gerenciamento corretivo: caracterizado pela implementação de ações corretivas que visam melhorar as condições existentes em um curto espaço de tempo; ii) gerenciamento preventivo: direcionado para a prevenção do aparecimento de problemas dentro de um horizonte de médio prazo; iii) gerenciamento auto-sustentado: baseado em medidas de longo prazo focalizadas para a garantia de disponibilidade do recurso água para as gerações futuras. Estes mesmos autores recomendam que os horizontes de médio e longo prazo sejam priorizados. 5

6 Straskraba et al. (1993) afirmam que o gerenciamento da qualidade da água de reservatórios é uma questão complexa em razão da natureza dinâmica destes ecossistemas, os quais sofrem interferência do homem através de inúmeras atividades impactantes, fenômenos naturais e, ainda, com a variabilidade dos procedimentos de operação, os quais influenciam fortemente os processos físicos, químicos e biológicos que norteiam seu metabolismo. Segundo Straskraba et al. (1993), não é possível desenvolver métodos ambientalmente sensíveis em conjunção com métodos de engenharia negligentes, os quais ainda dominam, na maior parte do globo, as práticas de gerenciamento de reservatórios. Os procedimentos de gerenciamento baseados no conhecimento das características limnológicas do corpo d água e na aplicação de métodos de controle baseados na sustentabilidade biológica, em vez da utilização de produtos químicos, geralmente tóxicos, devem ser priorizados. O gerenciamento sustentado dos recursos hídricos baseia-se na adoção de um conjunto de práticas destinadas a garantir as demandas atuais sem comprometer as necessidades das gerações futuras. Segundo Straskraba e Tundisi (2000), medidas para atingir esse grau de desenvolvimento estão diretamente relacionadas ao equacionamento de interações complexas envolvendo problemas de natureza biogeofísica, social e econômica, geralmente com a adoção de ações de longa duração. O gerenciamento da qualidade da água, segundo Bernhardt (1990 apud Straskraba, 1996), deve levar em consideração as seguintes atividades dentro da bacia hidrográfica:! Disposição de águas residuárias de origem doméstica e industrial;! Escoamento superficial proveniente de terras cultivadas ou de áreas sujeitas à erosão;! Escoamento superficial proveniente de áreas submetidas à poluição atmosférica;! Compostos orgânicos tóxicos resultantes da aplicação de pesticidas na agricultura e silvicultura;! Poluição por compostos orgânicos persistentes utilizados como catalisadores industriais, ou por compostos farmacêuticos de atividade desconhecida proveniente de rejeitos hospitalares, etc. Silveira et al. (apud Magalhães Jr., 2000) afirmam que a adequada implementação de um programa de gerenciamento das águas depende de investimentos na coleta de dados e informações hidrológicas (redes de monitoramento) e no conhecimento dos usuários da água. Os aspectos quantitativos e qualitativos nunca deverão estar dissociados em uma rede de monitoramento. No caso dos aspectos qualitativos, a implementação de um programa de monitoramento propiciará o conhecimento e a identificação de relações causa-efeito entre os usos e atividades humanas e seus impactos sobre a qualidade da água, tornando-se um dos componentes mais importantes para uma gestão ambiental integrada (SQA, 1999 apud Magalhães Jr., 2000). EVOLUÇÃO DO MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA IMPLEMENTADO PELA COGERH A Companhia de Gestão de Recursos Hídricos do Estado do Ceará COGERH, como órgão responsável pelo gerenciamento dos recursos hídricos superficiais do Estado, necessita respaldar 6

7 suas ações de controle da qualidade da água em informações geradas a partir do Monitoramento sistemático que avalie o atual "estado de qualidade" destes corpos d água e subsidiem previsões e medidas de controle para garantir a oferta futura. Em atendimento às suas atribuições, a COGERH, ao longo de sua existência, tem tentado elaborar e implantar um monitoramento capaz de atender a demanda de informações necessárias à gestão destes recursos destinados a usos múltiplos (Paulino, 1998; Paulino et al., 1999; CO- GERH/SEMACE, 2001). Além disso, todas as tentativas de aprimoramento feitas até agora têm levado em consideração aspectos econômicos, capacidade técnica instalada, articulação com outros órgãos estaduais e parcerias com instituições de pesquisa e ensino. Desta forma, procura-se estimular a troca de informações e a divulgação mais precisa dos dados coletados. A consideração destes aspectos evita uma superestimação das necessidades, despesas adicionais com análise de parâmetros inespecíficos e perda de dados por falta de tratamento e interpretação adequados. Neste sentido, desde 1999, a COGERH vem aprimorando uma metodologia de monitoramento qualitativo compatível com a realidade de recursos humanos e financeiros disponíveis. Segundo Coimbra (1991), o projeto de uma rede de monitoramento da qualidade de água (RMQA) deve ser precedido de uma clara definição de objetivos a serem atingidos quando da sua implementação. Sem esta definição, o projeto estará fadado a gerar dados sem qualquer significado e completamente distorcidos, podendo, inclusive, conduzir a decisões errôneas. A experiência adquirida permitiu o planejamento de uma rede de monitoramento da qualidade de água, que encontra-se operando desde maio/2001, com objetivos claramente delimitado, os quais são os seguintes:! produção de informações que orientem as atividades envolvidas nos processos produtivos que tenham a água bruta como insumo e não exijam resultados em tempo real, avaliem o estado de conservação dos corpos d água, tornem possível prever a qualidade de água e subsidiar novos empreendimentos e usuários;! produção de informações que venham servir de subsídio à elaboração de uma proposta definitiva de enquadramento dos corpos d água gerenciados, objetivando a manutenção ou melhoria da qualidade de água aos usos pré-estabelecidos;! preencher a lacuna com relação à carência de dados sobre a qualidade das águas da região, condição básica para a tomada de decisões; De acordo com os objetivos citados, a freqüência de amostragem e interesse estratégico de cada local, é que a RMQA foi compartimentada como descrito abaixo: I) Monitoramento Indicativo dos níveis de salinidade dos principais açudes do Estado do Ceará; ii) Monitoramento da qualidade da água ofertada pelos principais açudes e vales perenizados do Estado do Ceará; iii) Monitoramento intensivo da qualidade da água ofertada pelos principais açudes das bacias metropolitanas e pelas transferências hídricas para abastecimento da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF); iv) Monitoramento da bacia hidráulica dos principais açudes das bacias metropolitanas. 7

8 Para viabilização da execução da referida RMQA, foi firmada parceria, através de convênio, com a Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE. As razões que levaram à celebração do referido convênio foi o fato da COGERH ter sido criada com a finalidade de gerenciar a oferta dos recursos hídricos constantes dos corpos d água, tendo entre outras atribuições, desenvolver ações que contribuam para a preservação da qualidade das águas, bem como informá-la aos usuários pagadores. Por outro lado, a SEMACE, como órgão responsável pelo controle ambiental do Estado, tendo como uma de suas principais missões diagnosticar os impactos negativos sobre os recursos hídricos resultantes de fontes de poluição pontuais e difusas distribuídas ao longo de suas bacias hidrográficas, além das atividades ordinárias de fiscalização de ações, que de alguma forma, possam alterar a qualidade ambiental dos ecossistemas aquáticos e terrestres, é responsável pelo licenciamento de empreedimentos, após análise preliminar de Relatórios e Estudos de Impacto Ambiental por equipe técnica multidisciplinar. Dentre outras atribuições, a SEMA- CE, através do poder de polícia que lhe é conferido, pode atuar no embargo de atividades de diversas naturezas que porventura possam comprometer a qualidade atual e futura do meio ambiente. Diante do exposto, o convênio firmado reveste-se de grande significado, já que agrega interesses comuns que visam, principalmente, assegurar a melhoria da qualidade de vida das gerações atuais e futuras. Na COGERH, o setor responsável pela operação da RMQA é o Departamento de Monitoramento que tem como missão: Produzir informações quanti-qualitativas referentes aos corpos d água gerenciados pela COGERH, com vistas à promoção do seu uso racional e sustentado. O Departamento de Monitoramento conta com o apoio logístico de cinco gerências interioranas para a coleta de amostras de água. A REDE DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA (RMQA) IMPLEMENTADA PELA COGERH Basicamente, o que caracteriza fisicamente uma RMQA são os seguintes aspectos:! Locais a serem monitorados;! Freqüência de amostragem;! Parâmetros a serem medidos. A RMQA implementada pela COGERH é dinâmica, uma vez que a medida que amplia-se o número de corpos d água gerenciados, ocorre também a expansão da rede. A aquisição de experiência na operação da RMQA e o domínio de todas as etapas envolvidas, indo desde a coleta de amostras até a difusão de informações produzidas, permitirá, também, a ampliação da rede. A RMQA foi projetada, hierarquicamente, de forma a abranger todos os aspectos da qualidade de água que venham a ser importantes para o gerenciamento dos recursos hídricos, sendo que os locais e frequências de amostragem foram definidos a partir da importância estratégica de cada corpo d água gerenciado. Desta forma, a RMQA contempla-os com algum tipo de monitoramento, sendo os corpos d água responsáveis pelo abasteciemnto da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) objeto de estudo mais detalhado. 8

9 A seguir, são apresentados detalhes relativos à cada modalidade de monitoramento que compõe a rede de monitoramento da qualidade de água (RMQA) implantada pela COGERH. i) Monitoramento Indicativo dos níveis de salinidade dos principais açudes do Estado do Ceará A magnitude da concentração de sais dissolvidos na água pode influenciar direta ou indiretamente alguns de seus usos múltiplos, chegando até, em casos extremos, a inviabilizá-los. Águas com alta condutividade elétrica podem causar a salinização de solos onde se pratica cultura irrigada, reduzir a produtividade em projetos de piscicultura, interferir com processos industriais, além de causar objeção aos seus consumidores por conferir gosto salgado, podendo, em alguns casos, causarem problemas de hipertensão arterial, etc. Esta modalidade de monitoramento destina-se, portanto, a avaliar os níveis de salinidade de todo os açudes gerenciados pela COGERH. A evolução do processo de salinização destes ecossistemas lênticos será investigada e diagnosticada pela análise da concentração de íons cloreto, além de medidas de condutividade elétrica in situ através da utilização de sonda multiparamétrica capaz de disponibilizar, simultaneamente, dados de ph, oxigênio dissolvido, temperatura da água e turbidez. A utilização deste íon como parâmetro indicador de salinidade deve-se ao seu comportamento conservativo, já comprovado em trabalhos de pesquisa anteriores realizados em vários açudes do Estado (Freire, 2000; Datsenko e Leitão, 1994; D assumpção e Amorim, 1996). Além disso, a própria COGERH dispõe, em seu banco de dados, de análises de consistência ratificando significativos valores para o coeficiente de correlação linear resultantes do emparelhamento entre estas duas variáveis. A natureza conservativa do íon cloreto nas águas dos açudes do Estado foi confirmada em todas as bacias hidrográficas estaduais. A execução desta modalidade de monitoramento justifica-se amplamente pelo fato de que a quase totalidade dos corpos d água estaduais estarem submetidos a condições fisioclimáticas indutoras de um regime hidrológico caracterizado por um balanço hídrico negativo, resultando em um processo de salinização gradual por concentração evaporativa. A despeito disso, a magnitude do processo de salinização dos reservatórios do Estado é função também do seu regime de operação, o qual influencia diretamente a concentração de sais dissolvidos através do balanço de massa. A proximidade de alguns reservatórios à costa também é fator decisivo para a determinação da magnitude do processo de salinização em decorrência do transporte de aerossóis marinhos, (Miranda e Souza Filho, 1997). A série histórica que está sendo criada com o monitoramento indicativo do nível de salinidade permitirá a produção de informações que, agregadas a outras, tais como regime pluviométrico, tipos de solo, regras de operação, efeito de aerossóis, etc., tornará possível prever o nível de salinidade em açudes já existentes e naquelas ainda em fase de planejamento. As campanhas de amostragem têm periodicidade trimestral, sendo apresentado na Tabela 1 os meses de realização das campanhas. 9

10 Tabela 1 Meses de realização da campanha do monitoramento indicativo do nível de salinidade JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ X X X X Para execução desta modalidade de monitoramento, a COGERH conta com o apoio de cinco gerências distribuídas pelo interior do Estado, além do Departamento de Monitoramento, localizado na sede da Companhia. As gerências, localizadas nas cidades de Crateús, Limoeiro do Norte, Sobral, Crato e Pentecoste, estão responsáveis pela coleta, armazenamento e transporte das amostras até a sede da COGERH, em Fortaleza. Desta forma, cada gerência cobre um determinado número de açudes (Tabela 2), delimitando uma área de atuação específica (Figura 1). GERÊNCIA SOBRAL GERÊNCIA PENTECOSTE DEPARTAMENTO DEPT O. MONITORAMENTO MENTO GERÊNCIA CRATEÚS GERÊNCIA LIMOEIRO GERÊNCIA CRATO Figura 1- Área de atuação de cada gerência cobrindo os pontos monitorados pela COGERH. 10

11 Tabela 2 - Distribuição dos açudes monitorados entre as seis gerências da COGERH. Gerência Nº de açudes Limoeiro do Norte 19 Sobral 18 Pentecoste 20 Crato 23 Crateús 22 DEP. MONITORAMENTO MENTO 15 Total (açudes/dias) 117 Vale ressaltar que a COGERH já realiza, desde dezembro de 1999, o monitoramento indicativo dos níveis de salinidade baseado na evolução das concentrações de íons cloretos e nos valores do parâmetro condutividade elétrica. As informações resultantes são divulgadas na forma de boletins, informes técnicos ou relatórios com periodicidade variável. Uma das informações produzidas são os boletins periódicos apresentando o mapa da concentração de íons cloreto. Este mapa é representado pelos limites do Estado do Ceará, onde as concentrações de íons cloreto são representadas por triângulos de diferentes tamanhos e colorações. As cores são correspondentes à uma determinada faixa de concentração, e o tamanho diferenciado para os triângulos diz respeito à capacidade de armazenamento dos açudes monitorados (Figura 2). 11

12 7Angicos Gangorra Tucunduba Martinópole Premuoca São Vicente Poço Verde Várzea da S. Pedro Diamante Volta Acaraú Quandú Timbaúba Mirim Mundaú Sobral St. Novos Trapiá III Forquilha Patos Cauhipe Aracatiaçu JerimumPentecoste Jaburu I Ayres de Gavião Souza Tejuçuoca Riachão Arrebita Sta. Maria Desterro Penedo Gal. Pacoti Aracatiaçu Sampaio Trapiá I Amanary Araras Acarape S. Mateus Edson S. Domingos do Meio Souza Pacajus Bonito Queiroz Salão Caracas Hipólito Farias de Sousa Castro Sto. Antº Caxitoré Frios Trussu 1 ` 10 Pompeu Sobrinho 2Gomes 4Adauto Bezerra 5 Pç. do Barro Carão Mons. Stº. Antº. de Russas Tabosa Sucesso Cedro Fogareiro Vieirão Pedras Brancas Barra Realejo Carnaubal Quixeramobim Cipoada Velha S. José I Cupim Banabuiú Flor do Campo Jaburu II Trapiá II Patu Jatobá Forquilha II Cap. 1 Rch. do Sangue Potiretama Colina Mor S. José II Ema Várzea do Boi Serafim Jenipapeiro Dias Canafístula Trici Favelas N. Floresta Madeiro Quincoé Espirito Parambu J. Távora Santo Rivaldo de Orós Carvalho Lima Campos Tatajuba Legenda B. Hidrográfica Benguê Muquém 1- Alto Jaguaribe Ubaldinho Capacidade dos Açudes 2- Salgado Do Coronel 3- Banabuiú Olho Estrema Valério > 500 milhões de m³ D'água 4- M. Jaguaribe Cachoeira Pç. da Pedra Canoas 5- Baixo Jaguaribe Manoel 100 a 500 milhões de 6- Acaraú Balbino Prazeres Thomás 10 a 100 milhões de 7- Coreaú Osterne 8- Curu 1 a 10 milhões de 9- Parnaíba Quixabinha 10- Metropolitana Atalho 11- Litoral Cloretos (mg/l) Figura 2 - Mapa da concentração de íons cloreto referentes aos açudes monitorados pela COGERH dentro do subprojeto 1 do Programa de Monitoramento da Qualidade da Água. Campanha: Abril/2001. (Fonte: COGERH/SEMACE, 2001). Além do mapa da concentração de íons cloreto, o boletim fornece informações acerca da localização, capacidade de armazenamento (m³), cota (m) e volume (%) do açude na data da coleta, Condutividade Elétrica e Classe para Irrigação (C1, C2, etc.). ii) Monitoramento da qualidade da água ofertada pelos principais açudes e vales perenizados do Estado do Ceará Esta modalidade de monitoramento teve início em agosto/2001, sendo monitorados, com periodicidade semestral, os vales perenizados dos rios Jaguaribe (baixo, médio e alto Jaguaribe), Banabuiú, Curu e Acaraú, num total de oito pontos, além de 17 pontos em reservatórios com capacidade superior a 100hm³, conforme pode ser observado na Tabela 3. 12

13 Tabela 3 Locais do monitoramento dos principais açudes e vales perenizados Bacia Hidrográfica Local Gerencia Rio Parnaíba Tomada de água do aç. Flor do Campo Crateús Rio Parnaíba Tomada de água do aç. Jaburu II Crateús Alto Jaguaribe Tomada de água do açude Orós Crato Alto Jaguaribe Tomada de água do açude Trussu Crato Salgado Tomada de água do aç. Atalho Crato Médio Jaguaribe Rio Jaguaribe seção Jaguaribe Limoeiro Médio Jaguaribe Rio Jaguaribe seção Botica 1 Limoeiro Rio Banabuiú Tomada de água do açude Banabuiú Limoeiro Rio Banabuiú Rio Banabuiú seção Botica 2 Limoeiro Rio Banabuiú Riacho Seco seção Espinho Limoeiro Rio Banabuiú Bacia Hidraúlicao do aç. Pedras Brancas Limoeiro Baixo Jaguaribe Canal do Trabalhador Jus. EB Itaiçaba Monitoramento Rio Banabuiú Bacia Hidraúlicao do aç. Fogareiro Monitoramento Rio Banabuiú Bacia Hidraúlicao do aç. Cedro Monitoramento Metropolitanas Bacia Hidráulica do aç. Pompeu Sobrinho Monitoramento Rio Curu Tomada de água do aç. General Sampaio Pentecoste Rio Curu Tomada de água do aç. Pentecoste Pentecoste Rio Curu Tomada de água do aç. Caxitoré Pentecoste Rio Curu Rio Curu seção Paraipaba Pentecoste Rio Acaraú Tomada de água do aç. Araras Sobral Rio Acaraú Tomada de água do aç. Edson Queiroz Sobral Rio Acaraú Tomada de água do aç. Ayres de Sousa Sobral Rio Acaraú Rio Acaraú seção Sobral Sobral Rio Acaraú Rio Acaraú seção Morrinhos Sobral Rio Parnaíba Tomada de água do aç. Jaburu I Sobral Os meses da realização desta modalidade de monitoramento é apresentado na Tabela 4. Tabela 4 Meses de realização da campanha do monitoramento dos principais açude e vales perenizados JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ X X Nos açudes citados, o ponto de amostragem localizar-se-á nas proximidades das respectivas barragens, sendo que nos oito pontos referentes aos vales perenizados as amostragens deverão ser realizadas em seções de rios previamente selecionadas. As amostras coletadas serão submetidas à análise físico-química completa, Demanda Bioquímica de Oxigênio, Coliformes Fecais e Clorofila a. As informações resultantes da interpretação dos dados obtidos poderão ser divulgadas sob a forma de boletins detalhados para os diversos usos a que se destinam essas águas, além de poder-se representar a concentração de íons cloreto, da mesma forma como para o subprojeto 1, através do mapa de cores já mostrado. A análise físico-química completa contemplam os parâmetros apresentados na Tabela 5. 13

14 Tabela 5 Parâmetros contemplados pela análise físico-química completa. No. Parâmetro 1 Alcalin. Hidróxidos 2 Alcalin. Carbonatos 3 Alcalin. Bicarbonatos 4 Alumínio 5 Amônia 6 Cálcio 7 Cloretos 8 Condut. Elétrica 9 Cor 10 Dureza 11 Ferro 12 Fósforo Total 13 Magnésio 14 Manganês 15 Nitratos 16 Ortofosfato 17 Oxigênio Dissolvido 18 ph 19 Potássio 20 Sílica 21 Sódio 22 Sólidos Dissolvidos Totais 23 Sólidos em Suspensão Totais 24 Sulfatos 25 Turbidez Na Tabela 6 é apresentado a importância de cada parâmetro de acordo com o tipo de uso e de objetivo. 14

15 Tabela 6 Importância relativa de cada parâmetro analisado No Parâmetro Usos Caracterização do Corpo de água Irrig. rig. Conc. Ind. Pisc. Eutr. Pol. Salin. 1 Alcalin. Hidróxidos x x 2 Alcalin. Carbonatos x 3 Alcalin. Bicarbonatos x 4 Alumínio x 5 Amônia x x x 6 Cálcio x x 7 Cloretos x x x 8 Clorofila A x 9 Condut. Elétrica x x x 10 Cor x 11 DBO x x x 12 Dureza x x 13 Ferro x x x 14 Fosfato Total x 15 Fósforo Total x 16 Magnésio x x 17 Manganês x 18 Nitratos x x 19 Ortofosfato x 20 Oxigênio Dissolvido x x 21 ph x x x 22 Potássio x 23 Sílica x 24 Sódio x 25 Sólidos Dissolvidos Totais x 26 Sólidos em Susp. Totais x 27 Sulfatos x 28 Turbidez x 29 Coliformes Fecais x x Irrig. - Irrigação; Conc. - Empresas Concessionárias; Ind. - Indústrias; Pisc. - Piscicultura; Eutr. - Eutrofização; Pol. - Poluição e Salin. - Salinização Esta modadalidade de monitoramento, considerada piloto, poderá ser ampliada futuramente, envolvendo um maior número de açudes e trechos de rios perenizados, podendo também ter 15

16 sua freqüência de amostragem aumentada, principalmente em decorrência da identificação de outros ponto estratégicos para o gerenciamento dos recursos hídricos, por parte das gerências interioranas e do setor operacional da COGERH. iii) Monitoramento intensivo da qualidade da água ofertada pelos principais açudes das bacias metropolitanas e pelas transferências hídricas para abastecimento da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) Esta modalidade de monitoramento teve início em junho/2001. As campanhas têm periodicidade mensal, conforme pode ser observado na Tabela 7, e contemplam os reservatórios que fazem parte do Sistema de Abastecimento Integrado da Região Metropolitana de Fortaleza, além dos açudes Sítios Novos (reservatório que abastecerá o Porto do Pecém) e Castro (Tabela 8). Tabela 7 Meses de realização da campanha do monitoramento da qualidade da água ofertada pelos principais açudes das bacias Metropolitanas e pelas transferências hídricas para o abastecimento da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ X X X X X X X X X X X X Tabela 8 - Locais do monitoramento da qualidade da água ofertada pelos principais açudes das bacias Metropolitanas e pelas transferências hídricas para o abastecimento da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). No. Ponto Localização 1 Canal do Trabalhador Jusante EB Itaiçaba 2 Canal do Trabalhador chegando no açude Pacajus 3 Açude Pacajus bacia hidráulica próximo à parede 4 Barragem Ererê bacia hidráulica 5 Açude Pacoti bacia hidráulica próximo à parede 6 Açude Riachão bacia hidráulica próximo à parede 7 Açude Gavião bacia hidráulica próximo à ETA Gavião 8 DI Maracanaú Distrito Industrial de Maracanaú 9 Açude Acarape do Meio bacia hidráulica próximo à parede 10 Açude Castro bacia hidráulica próximo à parede 11 Açude Sítios Novos bacia hidráulica próximo à parede 16

17 A Figura 3 mostra a representação esquemática do Sistema Integrado de Abastecimento d água da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). FORTALEZA COCÓ COCÓ DISTRITO INDUSTRIAL MARACANAÚ RIO MARANGUAPE AÇ. GAVIÃO PACATUBA GUAIUBA A D U T O R A AÇ. RIACHÃO RIO AÇ. PACOTI EEB2 PACOTI O R L A M A R Í T I M A PALMÁCIA ACARAPE AÇ. ACARAPE DO MEIO REDENÇÃO AÇ. PACAJUS EEB1 RIO CHORÓ CHOROZINHO CANAL DO TRABALHADOR Rio Jaguaribe Figura 3 - Representação esquemática do Sistema Integrado de Abastecimento d'água da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). As amostras coletadas serão submetidas à análise de clorofila a, coliformes fecais, DBO e análise físico-química completa. É pretensão da COGERH, com o decorrer da execução desta modalidade de monitoramento e conseqüente construção de um banco de dados, a adaptação de um Índice de Qualidade de Água (I.Q.A) às condições do semi-árido, e que, portanto, possa atribuir pesos compatíveis às variáveis estudadas. Embora não tenha respaldo legal, a adoção de um índice que traduza os valores obtidos para as variáveis investigadas em estados de qualidade é um tipo de informação que pode chegar muito perto do usuário pagador. A representação esquemática do I.Q.A. para cada trecho do Sistema de Abastecimento será feita através de escalas de cores, cada uma correspondente a um estado de qualidade (Ex: Ruim, Boa, Ótima, etc). iv) Monitoramento da bacia hidráulica dos principais açudes das bacias metropolitanas. O monitoramento das bacias hidráulicas dos principais açudes das Bacias Metropolitanas justifica-se pela sua importância para a economia regional, já que a maior parte da população do Estado encontra-se nos limites destas bacias, além de serem reservatórios estratégicos para o abastecimento humano e industrial. 17

18 Os reservatórios que serão monitorados são aqueles constantes na Tabela 9, que serão amostrados com periodicidade trimestral, exceto os açudes Gavião e Acarape do Meio, amostrados mensalmente, conforme a Tabela 10. Tabela 9 Açudes contemplados com o monitoramento da bacia hidráulica No. AÇUDE TOTAL PONTOS 1 Pacajus 25 2 Pacoti 30 3 Riachão 15 4 Gavião 15 5 Acarape do 10 Meio 6 Ererê 3 7 Sítios Novos 25 8 Castro 15 TOTAL 138 Tabela 10 Meses de realização das campanhas de monitoramento da bacia hidráulica dos principais açudes das bacias Metropolitanas. JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ (X) (X) X (X) (X) X (X) (X) X (X) (X) X (x) - somente Açudes Acarape do Meio e Gavião A metodologia de amostragem foi estabelecida de modo a permitir a avaliação do Estado Trófico e a evolução do processo de salinização durante o ano hidrológico. Os pontos foram plotados (com as respectivas coordenadas geográficas) nos mapas das respectivas bacias hidráulicas levando-se em consideração as zonas de entrada dos principais afluentes, os braços principais e isolados, além de procurar-se distribuir os pontos ao longo dos eixos longitudinais dos rios barrados, conforme exemplificado para o açude Acarape do Meio na Figura 4. 18

19 Figura 4 - Estações de amostragem no açude Acarape do Meio. Fonte: COGERH, 2001 (dados não publicados). A determinação do número de pontos foi feita com base no parâmetro tamanho da bacia hidráulica. Além da coleta de amostras d água para análise de clorofila a, fósforo total, fósforo solúvel reativo, nitrogênio total e íons cloreto, são realizadas sondagens in situ ao longo de todos os perfis verticais amostrados, obtendo-se dados referentes aos parâmetros ph, oxigênio dissolvido, condutividade elétrica, temperatura da água e turbidez. Estas variáveis subsidiarão uma análise integrada do ecossistema. Em campo, também são medidas a transparência da coluna d água (através de disco de Secchi) e a velocidade média do vento. As informações resultantes serão divulgadas através de gráficos de isolinhas e superfície construídos com softwares específicos (SURFER, SPRING, ARCVIEW e ORIGIN). A obtenção de dados metro a metro da coluna d água, através de sondagens in situ, permitirá a construção de gráficos mostrando o comportamento das variáveis ao longo das seções principais dos respectivos rios barrados (Figura 5). 19

20 Distância da Barragem (Km) Z (m) Figura 5 - Distribuição longitudinal do ph ao longo da seção transversal do Rio Cocó (açude Gavião). Campanha referente ao mês de junho/2001. Fonte: COGERH, 2001 (dados não publicados). De posse dos mapas das bacias hidráulicas dos açudes, será possível avaliar o comportamento espacial das variáveis investigadas através de interpolação dos valores obtidos para os respectivos pontos amostrados (Figura 6). Figura 6 - Distribuição espacial do ph na bacia hidráulica do açude Gavião. Campanha referente ao mês de junho/2001. Fonte: COGERH, 2001 (dados não publicados). Serão produzidos também mapas de cores indicando a distribuição da concentração de íons cloreto nas respectivas bacias amostradas. PERSPECTIVAS FUTURAS A necessidade de aprimoramento do atual Programa de Monitoramento executado pela COGERH, com vistas a atender a crescente cobrança por parte dos consumidores da água armazenada nos corpos d'água superficiais do Estado, resultou na elaboração de dois Programas de Monitoramento Qualitativo: i) Projeto de Monitoramento das bacias hidráulicas dos principais reservatórios do Estado do Ceará e ii) Monitoramento do nível de contaminação hídrica por pesti- 20

BOLETIM INFORMATIVO. Monitoramento Indicativo do Nível de Salinidade dos Principais Açudes do Estado do Ceará. Convênio: COGERH/SEMACE

BOLETIM INFORMATIVO. Monitoramento Indicativo do Nível de Salinidade dos Principais Açudes do Estado do Ceará. Convênio: COGERH/SEMACE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DOS RECURSOS HÍDRICOS PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA Monitoramento Indicativo do Nível de Salinidade dos Principais Açudes do Estado do Ceará BOLETIM

Leia mais

ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE

ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE (1) ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA DO AÇUDE GAVIÃO - CE Oliveira, M.S. (1) ; Leite, J.S. (1) ; Lima, V.A. (2) ; Carvalho, A.C. (2) ; Oliveira, T.G.A. (2) ; Pinheiro, J. P.S. (1) ; Leite, L.V. (1) ; Nunes,

Leia mais

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes

Anexo IX. Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED. ET Análises de Água e Efluentes Anexo I Ref. Pregão nº. 052/2011 DMED ET Análises de Água e Efluentes Página 1 de 8 Especificações Técnicas / Termos de Referências nº 219/11 e 317/11 A) DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Os serviços a serem executados

Leia mais

Reunião de Alocação Negociada de Água

Reunião de Alocação Negociada de Água Reunião de Alocação Negociada de Água Barragem Ubaldinho 25 de Julho de 2014 Cedro/CE Divisão Geopolítica da Sub-Bacia do Rio Salgado Açudes Monitorados pela COGERH e DNOCS ATALHO Brejo Santo - DNOCS CACHOEIRA

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG)

Sistema de Informações Geográficas Avaliação da Qualidade de Água por meio do IQA utilizando um Sistema de Informação Geográfica (SIG) Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental Sistema de Informações Geográficas Aplicado à Recursos Hídricos Sistema de Informações Geográficas Avaliação da

Leia mais

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA VI- - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA Lúcia Beckmann de Castro Menezes () Professora Adjunto IV do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 SALVADOR, BAHIA - QUARTA-FEIRA 12 DE MARÇO DE 2014 ANO - XCVIII - N O 21,375 RESOLUÇÃO Nº 96 DE 25 DE FEVEREIRIO DE 2014 Estabelece diretrizes e critérios gerais para a outorga do direito de uso dos recursos

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO CRH Nº 10 /09, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a obrigatoriedade de realização de Análises Físico-químicas e Bacteriológicas com parâmetros físico-químicos e bacteriológicos específicos,

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JULHO - 2010 Rosane Ferreira de Aquino Carlos Romay Pinto da Silva Cláudia Espírito Santo Jorge Reis Lustosa Eduardo Atahyde

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA Michelle Mesquita de Medeiros 1, Orlene Silva da Costa 2, Eduardo Queija

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI

ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI ANEXO V PROGRAMA DE MONITORAMENTO DA UNIDADE DEMONSTRATIVA DO MANGARAI MONITORAMENTO AMBIENTAL 1 - Locais a serem monitorados. 1.1- Quatorze seções transversais de córregos e rios para analise de parâmetros

Leia mais

[415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO

[415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO [415] 11. INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO E MONITORAMENTO [416] Com o intuito de definir uma base de referência para avaliação futura da evolução da situação do sistema de saneamento no município, recomenda-se

Leia mais

O MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS REALIZADO PELA SABESP NOS MANANCIAIS DO ALTO TIETÊ-CABECEIRAS SISTEMAS PRODUTORES ALTO TIETÊ E RIO CLARO

O MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS REALIZADO PELA SABESP NOS MANANCIAIS DO ALTO TIETÊ-CABECEIRAS SISTEMAS PRODUTORES ALTO TIETÊ E RIO CLARO O MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS REALIZADO PELA SABESP NOS MANANCIAIS DO ALTO TIETÊ-CABECEIRAS SISTEMAS PRODUTORES ALTO TIETÊ E RIO CLARO Adilson Macedo (1) Graduado em Biologia pela Universidade

Leia mais

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu.

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu. 3.2.3 IGARASSU Agência Estadual de Meio Ambiente 27 Municípios: Igarassu. Constituintes principais: Recebe como principais afluentes pela margem esquerda, o riacho do Paulo, rio Conga e o rio Tabatinga

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

O Enquadramento em nível nacional

O Enquadramento em nível nacional 1º Seminário Estadual sobre Enquadramento dos Corpos d água O Enquadramento em nível nacional Marcelo Pires da Costa Gerente Superintendência de Planejamento de Recursos Hídricos Agência Nacional de Águas

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Semi-árido Brasileiro - População Eixo Norte PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMI-ÁRIDO E DA BACIA

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de Monitoramento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA

AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA AVALIAÇÃO DA FILTRAÇÃO LENTA NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA CAMPUS- SISTEMA SAMAMBAIA MACHADO*, Luciana de Souza Melo; SCALIZE, Paulo Sérgio. Escola de Engenharia Civil - Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-004 - AVALIAÇÃO DA DEMANDA DE ÁGUA X DISPONIBILIDADE HÍDRICA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DO NORTE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Ricardo Augusto Pereira Rezende (1)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

AÇÕES COMITÊ INTEGRADO DA SECA OUTUBRO DE 2013

AÇÕES COMITÊ INTEGRADO DA SECA OUTUBRO DE 2013 AÇÕES COMITÊ INTEGRADO DA SECA OUTUBRO DE 2013 ANTECIPAÇÃO DE AÇÕES E AÇÕES EMERGENCIAIS DE COMBATE A SECA NO ESTADO REUNIÃO COMITE BACIA HIDROGRÁFICA REGIÃO BAIO JAGUARIBE 04 de Outubro de 2.013 DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

TIPOLOGIA DE ACESSO À ÁGUA NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE DO BRASIL ESTUDO DE CASO DA BACIA DO RIO CURU

TIPOLOGIA DE ACESSO À ÁGUA NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE DO BRASIL ESTUDO DE CASO DA BACIA DO RIO CURU TIPOLOGIA DE ACESSO À ÁGUA NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE DO BRASIL ESTUDO DE CASO DA BACIA DO RIO CURU Renata M. LUNA, José N. B. CAMPOS, Ticiana M. de C. STUDART Renata M. LUNA Doutoranda Eng. Civil- Recursos

Leia mais

PUBLICAÇÕES CPRH / MMA - PNMA11

PUBLICAÇÕES CPRH / MMA - PNMA11 162 DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL - LITORAL NORTE 163 -.1 - Compondo uma rede hidrográfica relativamente densa e perene, as águas superficiais do Litoral Norte refletem, através de sua qualidade, o estado

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU Régis Chrystian da Silva (1) Técnico em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente pela Faculdade de

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66;

IV - Aeroportos, conforme definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; Página 1 de 5 Resoluções RESOLUÇÃO CONAMA Nº 001, de 23 de janeiro de 1986 Publicado no D. O. U de 17 /2/86. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

Regulating Services. Benefits obtained from regulation of ecosystem processes

Regulating Services. Benefits obtained from regulation of ecosystem processes Provisioning Services Products obtained from ecosystems Food Fresh water Fuel wood Fiber Biochemical's Genetic resources Regulating Services Benefits obtained from regulation of ecosystem processes Climate

Leia mais

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini

Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini Water resources management and metering regulation A gestão de recursos hídricos e a regulação da medição de água Gisela Forattini A Gestão de Recursos Hídricos H e a Regulação da Medição de Água Situação

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

Principais Problemas Hídricos da Bacia Hidrográfica Metropolitanas e os Conflitos em Potencial

Principais Problemas Hídricos da Bacia Hidrográfica Metropolitanas e os Conflitos em Potencial Caracterização das Bacias Metropolitanas A bacia Metropolitana representa um conjunto bacias das mais diversas formas e tamanho, cobrindo uma área total 15.085 km². Compreen um agrupamento 16 microbacias,

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA

ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA ELIPSE E3 REDUZ AS DESPESAS DA COGERH COM MANUTENÇÃO E CONSUMO DE ÁGUA Controle disponibilizado pela solução da Elipse Software contribuiu para que a Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos - COGERH

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES

FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES FORMULÁRIO RESUMO DOS ESTUDOS EXISTENTES ESTUDO DE QUALIDADE DAS ÁGUAS E PRINCIPAIS ATIVIDADES POLUIDORAS NA BACIA DO ALTO RIO MÃE LUZIA EM SANTA CATARINA RELATÓRIO FINAL DATA DE ELABORAÇÃO OUT/1981 MÓDULO

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO.

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO. ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA DE CHUVA ARMAZENADA, TRATAMENTOS NECESSÁRIOS E SUAS APLICAÇÕES PARA FINS NÃO POTÁVEIS PARA A CIDADE DE CATALÃO GO. Pedro de Almeida Carísio¹; Heber Martins de Paula 2 Engenharia

Leia mais

O ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO SEMI-ÁRIDO

O ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO SEMI-ÁRIDO O ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO SEMI-ÁRIDO Suetônio Mota e Ticiana Marinho de Carvalho Studart Professores do Centro de Tecnologia

Leia mais

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral

Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral Impactos Ambientais Prof. Hannah Amaral O QUE É IMPACTO AMBIENTAL Art. 1o da Resolução CONAMA n.1/86 Considera-se Impacto Ambiental qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do

Leia mais

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água.

Termos para indexação: nitrato, bioma Cerrado, cromatografia líquida, química da água. MONITORAMENTO DA QUALIDADE DE ÁGUA DE NASCENTES NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PRETO, SUB BACIA DO MÉDIO RIO SÃO FRANCISCO. Ana Lídia Alves Rocha 1, Lucilia Maria Parron 2, Carlos José Domingos da Cruz 3,

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE NITROGÊNIO E FÓSFORO NAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DO AÇUDE ÓROS-CE

RELAÇÃO ENTRE NITROGÊNIO E FÓSFORO NAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DO AÇUDE ÓROS-CE RELAÇÃO ENTRE NITROGÊNIO E FÓSFORO NAS ÁGUAS SUPERFICIAIS DO AÇUDE ÓROS-CE A. A. Batista 1 ; A. C. M. Meireles 2 ; E. M. de Andrade 3 ; J. R. Araújo Neto 4 ; H. A. Q. Palácio 5 RESUMO - O presente trabalho

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA BRUTA DO SISTEMA CANTAREIRA Fábio Netto Moreno 1, Beatriz Durazzo Ruiz 2, Carmen Lúcia V. Midaglia 3, Nelson Menegón Jr. 4 1 Setor de águas Interiores, CETESB, São Paulo,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização

FONTES/NASCENTES. Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização FONTES/NASCENTES Departamento de Recursos Hídricos DRH Divisão de Outorga e Fiscalização O que é uma nascente? Nascentes, fontes ou olhos de água são os locais onde se verifica o aparecimento de água por

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 118 DOE de 24/06/06 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA

CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA DE ANÁLISE ESTATÍSTICA MULTIVARIADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL CORRELAÇÃO DO USO DO SOLO E QUALIDADE DE ÁGUA UTILIZANDO FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO E TÉCNICA

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Procedência: 7ª Reunião do Grupo de Trabalho Data: 30 e 31 de janeiro de 2014 Processo: 02000.000110/2011-68 Assunto: Utilização de produtos

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2007. Dispõe sobre a emissão de outorga de direito de uso dos recursos hídricos de domínio do Estado da Bahia, assim como a sua renovação, ampliação, alteração,

Leia mais

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão

PNQS 2012 Categoria IGS. Inovação da Gestão em Saneamento. RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão PNQS 2012 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Redução de Custos com a Automação da Dosagem de Coagulante Setembro - 2012 Organograma Unidade

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DE CONVIVÊNCIA COM AS SECAS Recife/Pe, 06/07/2015

FÓRUM PERMANENTE DE CONVIVÊNCIA COM AS SECAS Recife/Pe, 06/07/2015 FÓRUM PERMANENTE DE CONVIVÊNCIA COM AS SECAS Recife/Pe, 06/07/2015 SITUAÇÃO HÍDRICA E AÇÕES EMERGENCIAIS PARA A SECA NO ESTADO DO CEARÁ Ramon Rodrigues Secretário Adjunto MAPA DE INFRAESTRUTURA HÍDRICA

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR Introdução Em 2000 havia no mundo mais de 1 bilhão de pessoas sem suficiente disponibilidade de água para consumo doméstico e se estima que, em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ

ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ ORGANIZAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE TESTES RÁPIDOS DE HIV E SÍFILIS NO CEARÁ COORDENAÇÃO ESTADUAL DE DST/AIDS COORDENAÇÃO ESTADUAL DA ATENÇÃO BÁSICA LABORATÓRIO CENTRAL - LACEN ORGANIZAÇÃO DA REDE DE

Leia mais

MONITORAMENTO DOS RECURSOS HIDRICOS DO ESTADO DE SERGIPE

MONITORAMENTO DOS RECURSOS HIDRICOS DO ESTADO DE SERGIPE MONITORAMENTO DOS RECURSOS HIDRICOS DO ESTADO DE SERGIPE Lúcia Calumby B. de Macedo 1, Edjane Matos de Abreu², Simone Lessa Marques³, Renilda Gomes de Souza 4, Lucas Cruz Fonseca 5, José do Patrocínio

Leia mais

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS DA ATIVIDADE II.1.3

CONFECÇÃO DA BASE DE DADOS DA ATIVIDADE II.1.3 PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO A VARIABILIDADE E MUNDANÇA CLIMÁTICA OTCA/GEF/PNUMA COMPONENTE II Compreensão da base

Leia mais

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim

Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim BOLETIM DIGITAL Edição 5 - Julho 2014 Informativo Eletrônico do Comitê das Bacias Hidrográficas dos Rios Guandu, da Guarda e Guandu-Mirim Estresse hídrico na Bacia do Paraíba do Sul preocupa Comitê Foto:

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 INTRODUÇÃO: RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA 2012 O objetivo deste relatório é apresentar os resultados do ano de 2012 de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê Internacional pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0.

SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. SISTEMA DE REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA RESIDUAIS DE PROCESSOS INDUSTRIAL E ESGOTO RESIDENCIAIS POR MEIO DE TRANSFORMAÇÃO TÉRMICAS FÍSICO QUÍMICA N0. 4 JACIRO JOHNSON PEREIRA JACQUIMINOUT jaciro.jacquiminout@am.senai.br

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 7 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO CETESB - Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

Leia mais

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012

PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006. Reti-ratificada em 03/08/2012 Ref.: Autos DAEE nº 49.559, prov. 1 PORTARIA DAEE nº 2292 de 14 de dezembro de 2006 Reti-ratificada em 03/08/2012 O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DO SEMAE - SÃO LEOPOLDO Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento: Recursos Humanos, Políticas Públicas e Educação Juliana Chaves Maristela Pessolano

Leia mais

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos

Global Conference Building a Sustainable World. Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável. e Eventos Preparatórios e Simultâneos Global Conference Building a Sustainable World Conferência Global Construindo o Mundo Sustentável e Eventos Preparatórios e Simultâneos Pavilhão Vermelho do Expo Center Norte Rua João Bernardo Pinto, 333

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE ARQUITETURA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM RECURSOS HÍDRICOS EDITAL DE SELEÇÃO PARA ALUNO ESPECIAL Período 2015/2 (Publicado em 06/08/2015)

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO

AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS RESUMO AVALIAÇÃO DE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUIMICAS E BIOLÓGICAS DA ÁGUA NO CAMPUS II DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Antônio Pasqualetto 1, Fernando Alcântara 2, Flávia de Sousa 2, Carlos Vieira 2, Levi Martins

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS SECRETARIA

ESTADO DO CEARÁ TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS SECRETARIA Abaiara Acarape Acarau Acopiara Aiuaba Alcantaras Altaneira Alto Santo Amontada Antonina do Norte Apuiares Aquiraz Aracati Aracoiaba Ararenda Araripe Aratuba Arneiroz Assare Aurora Baixio Banabuiu Barbalha

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 1175, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013. Dispõe sobre critérios para definição de derivações, captações e lançamentos de efluentes insignificantes, bem como serviços e outras interferências em corpos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL.

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. Marcos Antonio Barbosa da Silva Junior (UPE)

Leia mais