Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional"

Transcrição

1 Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

2 Semi-árido Brasileiro - População Eixo Norte PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMI-ÁRIDO E DA BACIA DO SÃO FRANCISCO Rio São Francisco 7% 9% 20% 19% 25% 12% 8% Eixo Leste AÇÕES Revitalização de Bacias São Francisco Combate à Desertificação - PAN Interligação de Bacias Hidrográficas Segurança Hídrica para População Difusa Segurança Hídrica para População Urbana Regularização e Ações Fundiárias Semi-árido % Distribuição da População

3 RISCO DE SECA NO NORDESTE > 80% 40 a 80% < 40% Polígono das Secas

4 ÁGUA SUBTERRÂNEA NO NORDESTE Embasamento Geológico 11,8 m³/s (7,8 m³/s) 4 m³/s 0,7 m³/s Cristalino Sedimentar Bacia do São Francisco Rios do Semi-Árido

5 DISTRIBUIÇÃO DA POPULAÇÃO NO POLÍGONO DAS SECAS Volume de água doce per capita assegurado Volume de água doce per capita assegurado (vazão firme) no Polígono das Secas: (vazão firme) no Polígono das Secas: Bacia do São Francisco m³/hab/ano Bacia do São Francisco m³/hab/ano Bacia do Parnaíba m³/hab/ano Bacia do Parnaíba m³/hab/ano Bacias do NE Setentrional 450 m³/hab/ano Bacias do NE Setentrional 450 m³/hab/ano PARNAIBA 2,8 SOBRADINHO 9,1 N 5,5 E 7,1 TF 5,5 S SÃO FRANCISCO 5,3 7,5 6,9

6 Feijão Perdas de produção (%) / / /99 5 Secas CE+PB+RN Outros

7 NAVEGABILIDADE E IRRIGAÇÃO Itaparica Paulo Afonso RIO SÃO FRANCISCO 70% DAS RESERVAS HÍDRICAS RENOVÁVEIS DO POLÍGONO DAS SECAS Três Marias Sobradinho Xingó Trecho em que não se prevê conflito com a navegação. Trecho Navegável em que poderá haver conflito futuro entre irrigação ampliada e navegação nos meses secos Previsão do Plano Decenal da Bacia - ANA Vazão média do rio na foz m³/s Vazão firme na foz (garantia de 100%) m³/s Vazão mínima após Sobradinho (70%) m³/s Vazão consumida atual (5%) - 91 m³/s Vazão disponibilizada pelo plano (20%) m³/s Vazão consumida otimista em m³/s Vazão disponível excedente em m³/s Vazão média para o oceano - (87%) m³/s Previsão da Captação de Água para o Projeto - ANA Vazão firme do Projeto - 26,0 m³/s Vazão máxima com Sobradinho cheio - 114,3 m³/s Vazão máxima para PB/CE/RN - 89,0 m³/s Vazão média interanual - 61,3 m³/s

8 EVOLUÇÃO DO PROJETO Item Vazão * 180 m³/s * 63,5 m³/s * 26 m³/s * Revitalização São Francisco Inexistente Projeto de 2 anos Programa do PPA para 20 anos Vazão CE/PB/RN * 150 m³/s * 41,5 m³/s * 20 * + 21,1 m³/s Uso difuso / social Não previsto 12 m³/s 22 m³/s Ação fundiária Não previsto Não previsto INCRA- municípios Desapropriação Faixa de obra m Faixa de obra m Faixa de até 5 Km Gestão da água Não considerada Lei e ANA Plano de Bacia

9 A SITUAÇÃO DA AÇUDAGEM A NO NORDESTE SETENTRIONAL de perdas Ganho adicional por açudagem comprometido: a distribuição da água reduz a disponibilidade das bacias Perdas elevadas inevitáveis para assegurar água com garantia para o futuro - secas imprevisíveis freqüentes Conflitos de gestão crescentes, com o aumento da população urbana atendida - prejuízo para a população rural Estímulo da emigração da área rural para as metrópoles por falta de empregos e inibição da atividade econômica Ganho sinérgico pela operação integrada dos açudes - projeto de segurança hídrica

10 AÇUDES ESTRATÉGICOS: INTEGRAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA HÍDRICAH Rio Jaguaribe Rio Apodi Rio Piranhas Eixo Norte Rio Paraíba Rio Brígida Eixo Leste Rio Moxotó

11 Esquema das Obras Típicas Reservatório Canal Bombas Aqueduto Túnel Galeria Açude Captação Seção do Canal 25 5 m

12 ESQUEMA DO EIXO NORTE Fortaleza PERNAMBUCO EIXO NORTE Sobradinho Jaguaribe São Francisco P1 P2 P3 H1 H2 Apodi Entremontes 400 km Piranhas PLANTA P2 P3 180 m 85 m H1 H2 LEGENDA EBE UHE P1 São Francisco Rios Integração PERFIL Açudes

13 ESQUEMA DO EIXO LESTE BACIA DO SÃO FRANCISCO 200 km Pernambuco Paraíba São Francisco P1 P2 P3 P4 P5 P6 Agreste PLANTA Poço da Cruz P6 P4 P5 300 m LEGENDA Itaparica P2 P3 210 m DIVISOR EBE Rios Integração P1 PERFIL PE PB Açudes UHE

14 A SITUAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA DO PROJETO EIXO NORTE EIXO LESTE CE/PB/RN 41,1 m³/s 33,8 7,3 Limite da Bacia Pernambuco 5,2 20,2 m³/s 7,5 7,5 Projeto 61,3 m³/s EN 41,3 20, m³/s (firme) m³/s (média) EL Rio São Francisco Previsão dos usos com outorga condicionada - vazão média

15 Projetos de Integração de Bacias no Brasil Projetos de Integração de Bacias no Brasil % 78% 20 0 Paraíba do Sul Piracicaba São Francisco - uso externo 2% Vazão do Rio no Ponto de Desvio Percentual da Vazão Transferida do Rio

16 INFORMAÇÕES ECONÔMICAS RESULTADOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Taxa Interna de Retorno do Projeto = 22% Relação Benefício/Custo = 1,7 Retenção da migração por geração de empregos - 1 milhão de habitantes Melhor gestão da água como bem econômico - novo modelo de gestão estadual Indução do investimento privado pela maior garantia do suprimento de água Aumento dos investimentos sociais dos Estados pela maior arrecadação de impostos Benefício à pequena produção rural na faixa do canal e nas várzeas dos rios receptores Garantia de suprimento para usos prioritários, mesmo em caso de seca extrema

17 RIO SÃO FRANCISCO

18 RIO SALGADO

19 Várzeas na Bacia do Rio Salgado - CE

20 Pequenas Propriedades Irrigadas ADA Eixo Norte

21 MODELO DE GESTÃO DO EMPREENDIMENTO GOVERNO FEDERAL ANA MI ESTADOS OUTORGA APOIO À GESTÃO NAS BACIAS RECEPTORAS CONSELHO GESTOR CONSTRUÇÃO OBRAS CONCESSIONÁRIA Contratos EMPRESAS GESTORAS DA ÁGUA BANCO

22 JUSTIFICATIVA Viabiliza o suprimento hídrico garantido para área mais ocupada do Polígono das Secas: 37% da População Atenderá às áreas de menor disponibilidade hídrica regional per capita Açudes estratégicos da região já construídos - sem possibilidade de aumento significativo da disponibilidade hídrica dos rios intermitentes Necessidade de otimizar a gestão da oferta hídrica com redução das perdas operacionais dos açudes - sinergia hídrica O rio São Francisco é a fonte perene de grande volume mais próxima - menor investimento da sociedade O rio São Francisco já foi regularizado no ponto de captação - não há impacto de novas barragens, nem interferência com a navegabilidade do médio São Francisco A transferência hídrica média entre bacias é relativamente modesta: 2,5% da vazão regularizada do São Francisco, só ocorrendo a médio prazo nesse montante Os benefícios sociais e econômicos são relevantes: não há outro projeto similar com abrangência equivalente no Nordeste Viabiliza o desenvolvimento sustentável em áreas com potencial produtivo e competitividade econômica no que tange à inserção regional na economia moderna

23 FIM

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com Projeto de do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Modelo Institucional para a Gestão das Águas do São Francisco Projeto de do Rio São

Leia mais

PLANO SÃO FRANCISCO COMPONENTES DO PLANO

PLANO SÃO FRANCISCO COMPONENTES DO PLANO PLANO SÃO FRANCISCO COMPONENTES DO PLANO REVITALIZAÇÃO NAVEGAÇÃO COMPETITIVA NO NO MÉDIO CURSO IRRIGAÇÃO COM TECNOLOGIA MODERNA INTEGRAÇÃO DO DO SÃO SÃO FRANCISCO COM RIOS INTERMITENTES REFORÇO HÍDRICO

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc.

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO. Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Professor Afonso Henriques Moreira Santos, D.Sc. Bacia do Rio São Francisco Reservatório de Furnas Bacia do São Francisco TRÊS MARIAS ITAPARICA SOBRADINHO MOXOTÓ PAULO

Leia mais

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO

Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Rio São Francisco ERROS DA TRANSPOSIÇÃO Bacia do São Francisco Irrigação na bacia do rio Potencial irrigável cerca de 1 milhão de hectares Efetivamente irrigados cerca de 340 mil hectares e em constante

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco.

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar os objetivos do Projeto Cisternas e da Transposição do rio São Francisco. Assunto 5: O PROJETO CISTERNAS E A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

X SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE. - Mesa Redonda MODELO INSTITUCIONAL PARA A GESTÃO DAS ÁGUAS DO SÃO FRANCISCO

X SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE. - Mesa Redonda MODELO INSTITUCIONAL PARA A GESTÃO DAS ÁGUAS DO SÃO FRANCISCO X SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE - Mesa Redonda MODELO INSTITUCIONAL PARA A GESTÃO DAS ÁGUAS DO SÃO FRANCISCO Fortaleza, 19 de novembro de 2010 DESCRIÇÃO DO PROJETO Eixo Norte Projeto de Integração

Leia mais

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO 71 TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO César Nunes de Castro 58 Parte considerável da região Nordeste brasileira convive historicamente com o problema da seca. Especificamente a região conhecida como semiárido,

Leia mais

Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL. Ministro Francisco Teixeira

Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL. Ministro Francisco Teixeira Comissão de Serviços de Infraestrutura SENADO FEDERAL Ministro Francisco Teixeira 20/11/2013 PLANO NACIONAL DE SEGURANÇA HÍDRICA Brasília-DF, novembro de 2013 FUNDAMENTOS 1. Objetivo da Infraestrutura

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com Projeto de do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de do Rio São Francisco com BACIAS RECEPTORAS EIO NORTE BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO

Leia mais

ÁGUAS DO RIO TOCANTINS PODEM SER USADAS PARA ABASTECER O SÃO FRANCISCO. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

ÁGUAS DO RIO TOCANTINS PODEM SER USADAS PARA ABASTECER O SÃO FRANCISCO. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Discurso pronunciado pelo Deputado GONZAGA PATRIOTA PSB/PE Na Sessão do dia 24/11/2014. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, ÁGUAS DO RIO TOCANTINS PODEM SER USADAS PARA ABASTECER O SÃO FRANCISCO.

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira

Hidrografia no Brasil. Luciano Teixeira Hidrografia no Brasil Luciano Teixeira Hidrografia Brasil Características da Hidrografia Brasileira Pobre em lagos Drenagem Exorréica Predomínio de foz em estuário Predomínio de rios de planaltos Bacias

Leia mais

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR

MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR MEIO AMBIENTE RECURSOS HÍDRICOS BEM CUIDAR PARA PERENIZAR Introdução Em 2000 havia no mundo mais de 1 bilhão de pessoas sem suficiente disponibilidade de água para consumo doméstico e se estima que, em

Leia mais

Recursos Hídricos - Uma abordagem de desenvolvimento para o semiárido nordestino

Recursos Hídricos - Uma abordagem de desenvolvimento para o semiárido nordestino Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades Recursos Hídricos - Uma abordagem de desenvolvimento para o semiárido nordestino Eduardo Kaplan Barbosa Programa de Mestrado

Leia mais

ESTRUTURA E FINALIDADES DO PROJETO

ESTRUTURA E FINALIDADES DO PROJETO Projeto São Francisco: garantia hídrica como elemento dinamizador do semi-árido nordestino João Reis Santana Filho Secretário nacional de Infra-Estrutura Hídrica. E-mail: joaosantana@integracao.gov.br

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS E HIDROGEOGRÁFICAS ÀS REFLEXÕES SOBRE A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO

CONTRIBUIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS E HIDROGEOGRÁFICAS ÀS REFLEXÕES SOBRE A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO CONTRIBUIÇÕES GEOMORFOLÓGICAS E HIDROGEOGRÁFICAS ÀS REFLEXÕES SOBRE A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Fernando Souza Damasco 1 ; Caio Araujo Varela 2 fernandodamasco@hotmail.com 1 Universidade Federal

Leia mais

HYPÉRIDES PEREIRA DE MACÊDO

HYPÉRIDES PEREIRA DE MACÊDO HYPÉRIDES PEREIRA DE MACÊDO A A INSERÇÃO DA IRRIGAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO LOCAL E REGIONAL E A SEGURANÇA A QUANTO ÀS S MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS TICAS A necessidade de produzir mais alimento; Obtenção de mais

Leia mais

Ministério da Integração Nacional PROJETO DE INTEGRAÇÃO DE BACIAS E PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO

Ministério da Integração Nacional PROJETO DE INTEGRAÇÃO DE BACIAS E PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO PROJETO DE INTEGRAÇÃO DE BACIAS E PROGRAMA DE REVITALIZAÇÃO 1 Sumário Sumário Histórico Bacia Hidrográfica do rio São Francisco Projeto de Integração do rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste

Leia mais

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA

INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA INTEGRAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS COM O PLANO DE BACIA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Reconhecer a água como bem econômico e dar ao usuário uma indicação de seu real valor Incentivar

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento 10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento A Tabela 85, a seguir, apresenta o Cronograma de Implantação e Orçamento detalhado para os programas propostos com o PERH/PB, objeto do capítulo anterior. Para

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO

A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO A SUSTENTABILIDADE DO USO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA FRENTE À EXPLORAÇÃO DE AREIAS EM LEITO DE RIOS DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO Ricardo Braga; Anderson Paiva; Paulo F Araújo Filho; Jaime Cabral; Arnaldo Vitorino

Leia mais

SEMINÁRIO Curso: Geografia Disciplina: Hidrogeográfia Professor: Felipe Brasil 4 Período / UNESA Bacia Hidrográfica Rio São Francisco 2 semestre de 2011 Graduandos: Alexandre Graciniano Mª de Lourdes 1

Leia mais

MODELO DE GESTÃO PARA O PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO E OS CUSTOS MÉDIOS DA ÁGUA. ESTUDO DE CASO: Eixo Leste.

MODELO DE GESTÃO PARA O PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO E OS CUSTOS MÉDIOS DA ÁGUA. ESTUDO DE CASO: Eixo Leste. MODELO DE GESTÃO PARA O PROJETO DE INTEGRAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO E OS CUSTOS MÉDIOS DA ÁGUA. ESTUDO DE CASO: Eixo Leste. Cícero Aurélio Grangeiro Lima 1 RESUMO O Projeto de Integração do rio São Francisco

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro

Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido. Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Manejo de Recursos Hídricos no Semi-árido Julho de 2004 BNDES Rio de Janeiro Vulnerabilidades do Nordeste Brasileiro Principais causas: - Instabilidade Climática: Distribuição irregular das chuvas, com

Leia mais

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL.

A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. XII Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste A OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAPIBARIBE, PERNAMBUCO- BRASIL. Marcos Antonio Barbosa da Silva Junior (UPE)

Leia mais

GUIA 2013 PARA PREFEITOS E PREFEITAS MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL

GUIA 2013 PARA PREFEITOS E PREFEITAS MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GUIA 2013 PARA PREFEITOS E PREFEITAS MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL Principais competências do Ministério da Integração Nacional: Ministro de Estado Formulação e condução da Política Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE OBRA HÍDRICA

OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE OBRA HÍDRICA ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO MEIO AMBIENTE SECTMA AGÊNCIA EXECUTIVA DE GESTÃO DAS ÁGUAS DO ESTADO DA PARAÍBA - AESA OUTORGA DE ÁGUA E LICENÇA PARA IMPLANTAÇÃO DE

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre os projetos do Governo Federal para revitalização da bacia do rio São Francisco e sua integração com as bacias dos rios

Perguntas e Respostas sobre os projetos do Governo Federal para revitalização da bacia do rio São Francisco e sua integração com as bacias dos rios Sustentável Perguntas e Respostas sobre os projetos do Governo Federal para revitalização da bacia do rio São Francisco e sua integração com as bacias dos rios intermitentes do semi-árido do Nordeste

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS -DNOCS. 54ª Reunião do Fórum Interinstitucional de Defesa da Bacia do Rio São Francisco

DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS -DNOCS. 54ª Reunião do Fórum Interinstitucional de Defesa da Bacia do Rio São Francisco DEPARTAMENTO NACIONAL DE OBRAS CONTRA AS SECAS -DNOCS DNOCS 103 ANOS. A SUSTENTABILIDADE DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ONTEM, HOJE E O AMANHÃ 54ª Reunião do Fórum Interinstitucional de Defesa da Bacia do Rio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

Maria Auxiliadora de Abreu Macêdo (Dora Abreu)

Maria Auxiliadora de Abreu Macêdo (Dora Abreu) I COBESA 14 de julho de 2010 Sessão Técnica 21 PAP001775 DESENVOLVIMENTO AGRÍCOLA E REUSO DE ESGOTOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: PROPOSTA DE UM MODELO DE AÇÕES BASEADO NA EXPERIÊNCIA ISRAELENSE Maria Auxiliadora

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

AFINAL, O QUE É A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO: OS DESAFIOS EXISTENTES

AFINAL, O QUE É A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO: OS DESAFIOS EXISTENTES AFINAL, O QUE É A TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO: OS DESAFIOS EXISTENTES Elisabete Cardoso Ferreira ellisageo@gmail.com Eixo Temático 4: conflitos de usos e gestão de recursos hídricos no litoral brasileiro

Leia mais

Integração do Rio São Francisco com as Bacias dos Rios Paraíba, Moxotó e Ipojuca (Eixo Leste)

Integração do Rio São Francisco com as Bacias dos Rios Paraíba, Moxotó e Ipojuca (Eixo Leste) Programa 1036 Integração de Bacias Hidrográficas Objetivo Integrar os recursos hídricos nas bacias com baixa disponibilidade de água, aumentando a oferta de água nessas bacias Justificativa Público Alvo

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

As águas do Rio São Francisco conduzem os engenheirandos da FEFAAP ao sertão de Pernambuco, descortinando um conjunto de obras de engenharia civil.

As águas do Rio São Francisco conduzem os engenheirandos da FEFAAP ao sertão de Pernambuco, descortinando um conjunto de obras de engenharia civil. As águas do Rio São Francisco conduzem os engenheirandos da FEFAAP ao sertão de Pernambuco, descortinando um conjunto de obras de engenharia civil. Na semana de 22 a 25 de maio de 2011 uma comitiva da

Leia mais

10 PE. Projeto de Integração do Rio São Francisco Eixo Leste Canal de Aproximação

10 PE. Projeto de Integração do Rio São Francisco Eixo Leste Canal de Aproximação 10 PE Projeto de Integração do Rio São Francisco Eixo Leste Canal de Aproximação capítulo 10 No Eixo Água e Luz para Todos, o Governo Federal investe na expansão dos sistemas de abastecimento de água

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

Transposição de Águas do Rio São Francisco Seus efeitos sobre o território potiguar: Impacto Ambiental e a População Beneficiada.

Transposição de Águas do Rio São Francisco Seus efeitos sobre o território potiguar: Impacto Ambiental e a População Beneficiada. Transposição de Águas do Rio São Francisco Seus efeitos sobre o território potiguar: Impacto Ambiental e a População Beneficiada. JOSIVAN CARDOSO MORENO DIRETOR PRESIDENTE Mossoró MAIO DE 2015 1 REFLEXO

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico

Hidrografia. Bacias hidrográficas no mundo. Relevo oceânico Hidrografia Relevo oceânico Bacias hidrográficas no mundo BACIA HIDROGRÁFICA: Corresponde à área de captação de água superficial e subsuperficial para um canal principal e seus afluentes; portanto, é uma

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

Apresentação. 2 apresentação

Apresentação. 2 apresentação Apresentação Para beneficiar a região mais seca do País, a captação de água do rio São Francisco será de cerca de 3,5% da sua vazão disponível. Em outras palavras, dos 1.850 m³/s de água do rio São Francisco,

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE O ESTADO DA ARTE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E O SEU CONTEXTO DIANTE DAS POLÍTICAS PÚBLICAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Caracterização do Rio Grande do Norte - Superfície: 53.306,8 km² 0,62% do território

Leia mais

5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial

5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial 5.1 Potencialidade, Disponibilidade e Capacidade de Armazenamento Potencial Define-se potencial fluvial como a vazão natural anual média de um rio ou aqüífero, medida ou gerada, em sua foz ou embocadura,

Leia mais

12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS

12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS 12. SISTEMA DE GESTÃO DO PERH/PB 12.1 ASPECTOS INSTITUCIONAIS DOS PLANOS DE RECURSOS HÍDRICOS Os Planos de Recursos Hídricos estão previstos nos Artigos 6 a 8 da Lei Federal N 9.433, de 08.01.97, onde

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Distribuição relativa das águas doces no planeta

Distribuição relativa das águas doces no planeta Água no mundo Distribuição relativa das águas doces no planeta Aquífero do Guarani Aqüífero Guarani é o maior manancial de água doce subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO

INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO INVESTIMENTOS PIL, PIEE E PAC PERNAMBUCO PIL PROGRAMA DE INVESTIMENTOS EM LOGÍSTICA NOVA ETAPA DE CONCESSÕES Investimentos projetados R$ 198,4 bilhões Rodovias R$ 66,1 bi Ferrovias R$ 86,4 bi Portos R$

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO -GGH GRUPO DE ESTUDO DE GERAÇÃO HIDAÚLICA - GGH IMPACTOS NA GERAÇÃO DE ENERGIA,

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Hidrografia Brasileira

Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA BRASILEIRA 1 O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional FORTALEZA DISTÂNCIA EM KM Sobradinho - Captação EN Captação EN - Captação EL Captação - FOZ TOTAL 226,0 169,0

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

DESERTIFICAÇÃO. Informe Nacional Brasil

DESERTIFICAÇÃO. Informe Nacional Brasil DESERTIFICAÇÃO Informe Nacional Brasil O QUE É DESERTIFICAÇÃO? É a degradação ambiental e social que ocorre nas zonas áridas, semi-áridas e sub-úmidas secas por ação antrópica. Entende-se como degradação

Leia mais

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A HIDROGRAFIA BRASILEIRA O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Coordenação-Geral de Infraestrutura Urbana e Recursos Naturais Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 037/COGUN/SEAE/MF Brasília, 05

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional...e sua oportunidade na região do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional...e sua oportunidade na região do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional - PISF Ministério da Integração Nacional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas

Leia mais

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014 Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Contexto da renovação da outorga em 2004 ATORES REGIONAIS 1. Comitê PCJ 2. Consórcio PCJ 3. Conselho

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Gestão da Qualidade da Água. Monica Porto Escola Politécnica da USP

Gestão da Qualidade da Água. Monica Porto Escola Politécnica da USP Gestão da Qualidade da Água Monica Porto Escola Politécnica da USP Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos A lei 9.433, de 8.1.97, que institui a Política Nacional de Recursos Hídricos e

Leia mais

O COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO E A TRANSPOSIÇÃO: UM DEBATE HIDROSSOCIAL

O COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO E A TRANSPOSIÇÃO: UM DEBATE HIDROSSOCIAL O COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO E A TRANSPOSIÇÃO: UM DEBATE HIDROSSOCIAL ANA PAULA NOVAIS PIRES 1 ANTONIO CEZAR LEAL 2 Resumo: O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF),

Leia mais

ASPECTOS AMBIENTAIS E JURÍDICOS DA TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO

ASPECTOS AMBIENTAIS E JURÍDICOS DA TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO III Encontro da ANPPAS 23 a 26 de maio de 2006 Brasília-DF ASPECTOS AMBIENTAIS E JURÍDICOS DA TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO Bleine Queiroz Caúla e Graziella Batista de Moura (UNIFOR-CE) Resumo O Governo

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Municípios Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 14 10.605,76 237.237

Leia mais

Usina de Balbina(grande degradação ambiental)

Usina de Balbina(grande degradação ambiental) Bacia Amazônica Localizada na região norte do Brasil, é a maior bacia hidrográfica do mundo, possuindo 7 milhões de quilômetros quadrados de extensão (4 milhões em território brasileiro). O rio principal

Leia mais

HIDROGRAFIA DO BRASIL

HIDROGRAFIA DO BRASIL Hidrografia características gerais HIDROGRAFIA DO BRASIL Bacias hidrográficas Reflete as condições de umidade do clima do país Rica em rios,, mas pobre em lagos Predominância de rios de planalto,, favoráveis

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ

ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ ASSEMBLÉIA GERAL DA RELOB AS ESTRUTURAS DE GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NAS BACIAS PCJ Dalto Favero Brochi Consórcio PCJ Rio de Janeiro Novembro / 2008 LOCALIZAÇÃO DAS BACIAS PCJ CARACTERIZAÇÃO DAS BACIAS

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

O PROJETO DE INTEGRAÇÃO DE BACIAS NO NORDESTE BRASILEIRO

O PROJETO DE INTEGRAÇÃO DE BACIAS NO NORDESTE BRASILEIRO UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC FACULDADE DE FILOSOFIA CIÊNCIAS E LETRAS MATER DIVINAE GRATIE CURSO DE GEOGRAFIA E MEIO AMBIENTE BACHARELADO AMÁLYA RAQUEL MILAGRES O PROJETO DE INTEGRAÇÃO

Leia mais

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG.

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos A visão sistêmica do Ciclo Hidrológico e as relações inter e intra-sistemas:

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Consultor do Banco Mundial São Paulo 4 a 6 de dezembro de 2012 1 Impactos Aumento da magnitude das vazões e da frequência de inundações; Aumento

Leia mais

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária.

Palavras-chave: Recursos hídricos; participação comunitária. Título: Recursos Hídricos: a participação social como requisito para o financiamento de projetos Tema: Recursos Hídricos Autora: Luciana Cibelle Araujo dos Santos Co-autoras: Marize Castro e Isabela dos

Leia mais

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO OBJETIVOS PRINCIPAIS DA CONCESSÃO Redução das tarifas pagas pela INFRAERO e pelos concessionários;

Leia mais

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar as principais ações. Assunto 4: O DNOCS Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - (pag. 63).

OBJETIVOS. Identificar e caracterizar as principais ações. Assunto 4: O DNOCS Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - (pag. 63). I A INTEGRAÇÃO REGIONAL NO BRASIL OBJETIVOS Identificar e caracterizar as principais ações desenvolvimento regional no Nordeste. Assunto 4: O DNOCS Departamento Nacional de Obras Contra as Secas - (pag.

Leia mais

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013

ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 Primeiro Termo Aditivo Contrato nº 003/ANA/2011 INDICADOR 4 OPERACIONALIZAÇÃO DA COBRANÇA Indicador 4B Cadastro de Usuários ESTADO DOS CADASTROS DE USUÁRIOS NAS BACIAS PCJ NO ANO DE 2013 4B - Cadastro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 13, DE 08 DE MAIO DE 2014. Estabelece as diretrizes e os critérios para requerimento e obtenção de outorga do direito de uso dos recursos hídricos por meio de caminhão-pipa em corpos de água

Leia mais

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br Belo Horizonte, 27 de março de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DO EIXO LESTE DA TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO NO ESTADO DA PARAÍBA.

ANÁLISE ESPACIAL DO EIXO LESTE DA TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO NO ESTADO DA PARAÍBA. ANÁLISE ESPACIAL DO EIXO LESTE DA TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO NO ESTADO DA PARAÍBA. Francisco Vilar de Araújo Segundo Neto 1 ; Pedro Costa Guedes Vianna 2 ; Rejane da Silva Araújo 3 ; Natieli Tenório

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA?

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? Paula CHAINHO Novas Barragens, Porto, 28 de Fevereiro PROGRAMA NACIONAL DE BARRAGENS Objectivos a) Contribuição para as metas de produção de energia com

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

Programas de Governo R$ 1,00

Programas de Governo R$ 1,00 Programa: 1009 Regimes de Previdência dos Servidores Públicos da União, Estados, Municípios e Distrito Federal 2276 Fiscalização dos Regimes Próprios e Regime previdenciário 68 33101 -Min. Previdência

Leia mais

Para as categorias e subcategorias assim definidas, o PERH/PB propõe um total de 24 programas, cujos perfis são apresentados a seguir.

Para as categorias e subcategorias assim definidas, o PERH/PB propõe um total de 24 programas, cujos perfis são apresentados a seguir. 10.2 Perfis dos Programas Para as categorias e subcategorias assim definidas, o PERH/PB propõe um total de 24 programas, cujos perfis são apresentados a seguir. PERH/PB Categoria I Desenvolvimento e Articulação

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

infraestrutura hídrica

infraestrutura hídrica infraestrutura hídrica A ENGECORPS é uma empresa de engenharia consultiva pronta a responder a todos os desafios de crescimento do país e globalização da economia. Interessada em manter-se bem colocada

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido

Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Participação da Febraban no Projeto Cisternas Programa de Formação e Mobilização para a Convivência com o Semi-Árido Projeto para construção de cisternas, Mobilização e Capacitação de famílias parceria

Leia mais