PODA E CONDUÇÃO DA FIGUEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PODA E CONDUÇÃO DA FIGUEIRA"

Transcrição

1 PODA E CONDUÇÃO DA FIGUEIRA Nilton Nagib Jorge Chalfun 1 Enilson Abrahão 2 Ângelo Albérico Alvarenga 3 Murilo Albuquerque Regina 4 Rafael Pio 5 1 INTRODUÇÃO A figueira é uma frutífera com grande expansão mundial, pois, apesar de ser considerada uma espécie de clima temperado, apresenta boa adaptação a uma grande variabilidade de climas, desde regiões frias até aquelas mais quentes. O sul do estado de Minas Gerais possui boas condições para o cultivo desta fruteira. Por isso, constitui uma grande alternativa para os fruticultores da região, tendo como destaque principal a produção de figos verdes para a indústria. 2 PROPAGAÇÃO DA FIGUEIRA A estaquia é o principal método utilizado para a produção de mudas de figueira, embora também possam ser empregados outros métodos. As estacas podem ser enraizadas previamente em viveiros ou plantadas diretamente no campo, sendo esta última a forma mais utilizada. O plantio 1 Professor de Fruticultura do Departamento de Agricultura/UFLA. 2 Pesquisador EMBRAPA/EPAMIG Lavras, MG. 3 Pesquisador EPAMIG/CTSM Lavras, MG. 4 Pesquisador EPAMIG/FECD- Caldas,MG. 5 Aluno de Pós-Graduação Fitotecnia/UFLA

2 6 diretamente no campo, embora ainda seja o método mais utilizado, apresenta como inconveniente baixo índice de pegamento, que é também bastante desuniforme de um ano para o outro. Este método permite o uso do material retirado pela poda, preparando-se as estacas com comprimento de aproximadamente 30 a 40 cm e com 1,5 a 3,0 cm de diâmetro, o que permite a formação de mudas vigorosas. O plantio da estaca na cova é feito no sentido vertical, deixando-se 1 a 2 gemas acima do nível do solo, realizando, após, uma amontoa que a cobrirá totalmente com terra solta. Figura 1 Plantio da estaca de figueira na cova 3 PODA DE FORMAÇÃO A poda engloba todos os tipos de intervenções efetuadas na planta, com o propósito de condicioná-la para uma produtividade rápida, elevada e mais constante ao longo dos anos. Nos primeiros 3 anos após o plantio, busca-se formar uma estrutura adequada para inserção dos ramos produtivos. A esta técnica denomina-se poda de formação. Porém, mesmo

3 7 durante este período inicial, a figueira já produz. Desse modo, torna-se difícil distinguir a poda de formação da de frutificação. No início da brotação, deve-se selecionar o melhor broto, pelas desbrotas das demais brotações quando atingirem 5 a 10 cm de comprimento. A muda será então conduzida em haste única, até atingir 40 a 50 cm de comprimento, sendo despontada ainda no verão, ou mais tardar no inverno seguinte (julho/agosto), por ocasião da poda. Figura 2 Formação da haste única da figueira Despontando a haste principal da estaca (40 a 50 cm de altura), surgirão brotações laterais que constituirão a base ou esqueleto da planta. Esses brotos, ao atingirem cerca de 5 a 10 cm de comprimento, serão selecionados, permanecendo apenas três ramos, bem localizados, vigorosos e distribuídos, formando entre si um ângulo de 120. Desse modo, no próximo inverno, se terá a base da planta, formada pelo ramo principal com três brotos, que, a partir de agora, serão denominados pernadas. A primeira poda de inverno, um ano após o plantio, consistirá no corte dos três ramos, ou pernadas, a 10 cm de seu ponto de inserção no tronco. Ao iniciar-se a brotação nas pernadas, é feita uma desbrota permanecendo apenas dois brotos bem localizados e distribuídos em cada uma das pernadas. Nesta fase, a planta terá, no total, seis ramos crescendo, continuando as desbrotadas das possíveis brotações que surgirem. No

4 8 período de inverno (julho/agosto) do próximo ano, estes seis ramos devem ser podados a 5 cm cada. Ficará assim uma estrutura formada por uma haste principal e três pernadas, dotadas de duas hastes cada, constituindo a base da planta (Figura 3). Figura 3 Formação da estrutura principal da figueira 4 PODA DE CONDUÇÃO OU FRUTIFICAÇÃO A figueira é uma árvore caducifólia bastante ramificada. Podendo atingir até 10 metros de altura, mas raramente ultrapassa a 3 metros, devido ao sistema de sucessivas podas drásticas realizadas no período de inverno

5 9 (julho/agosto). Em geral, a vida útil produtiva está em torno de 30 anos, variando conforme o manejo dado à planta. Para obtenção de um pomar produtivo, o ficicultor deverá executar adequadamente diversas práticas culturais. A poda pode ser executada durante o inverno (poda hibernal ou em seco) e durante o período de crescimento vegetativo (poda em verde). A poda hibernal é mais comumente utilizada na cultura da figueira, sendo realizada no final do inverno, próximo à época da brotação. Como a figueira produz em ramos do ano, ou seja, a produção ocorre nos ramos novos emitidos no mesmo ciclo em que produzem, a principal particularidade da poda desta espécie é a realização de poda drástica nos ramos emitidos no ciclo anterior, que ficam com 5 a 10 cm de comprimento. Há dois sistemas de poda: o sistema tradicional e o sistema com desponte. a) Sistema tradicional ou convencional Após a formação da estrutura principal da planta (esqueleto), anualmente deve ser realizada a poda de frutificação, quando as plantas estiverem em repouso. Esta operação consiste na retirada dos ramos que já frutificaram. Os ramos são podados drasticamente 5 a 10 cm, deixando-se apenas a estrutura inicial da planta. Posteriormente, após a brotação, são escolhidos 1 a 2 brotos em boa posição por galho podado, de modo que os ramos cresçam verticalmente, formando um círculo em volta do tronco. Os demais brotos que aparecem são totalmente eliminados. A maioria das espécies de figueira tolera bem a poda drástica, a qual também tem benefícios no controle da broca-de-figueira (Figura 4).

6 10 Figura 4 Condução da figueira no sistema tradicional ou convencional Com o objetivo de acelerar ou retardar a época da colheita, a poda pode ser feita de maio a novembro, respectivamente, conforme as condições climáticas e o desenvolvimento da planta. A planta podada nestes períodos poderá ter sua atividade afetada, porém havendo vantagens econômicas. Dependendo das condições climáticas e tratos, a colheita tem início cerca de 4 a 5 meses após a poda de frutificação. b) Sistema com desponte Uma variante do sistema de poda de frutificação é o sistema com desponte. Esta prática vem sendo utilizada comumente por produtores de Minas Gerais para a produção de figos verdes destinados à indústria. Embora faltem algumas informações sobre o efeito destes despontes na qualidade dos frutos e crescimento da planta, os resultados têm sido promissores. O sistema de desponte consiste em efetuar primeiramente a poda drástica normal no final do período de inverno, deixando-se apenas a

7 11 estrutura inicial da planta, que neste caso, é formada apenas pela haste única (40 a 60 cm) e as três pernadas (5 a 10 cm). São escolhidos 1 a 2 brotos em boa posição por galho podado, de modo que os ramos cresçam verticalmente. Eles são despontados quando atingirem oito pares de folhas (16 folhas). Este desponte estimula a brotação das gemas apicais do ramo despontado, de modo que são emitidos, após as desbrotas, outros dois ramos. Estes novos ramos serão despontados quando atingirem 3 pares de folhas (6 folhas). Esta última operação é repetida até meados de abril, num total de 4 a 6 despontes por ciclo. Estes despontes têm como principal efeito a emissão de novo ramos produtivos, escalonando e ampliando o período de safra e a produtividade. Por ser um tecido herbáceo, os despontes são feitos manualmente. O desponte dos ramos também é feito em pomares para figo de mesa. Cada planta, devido ao desponte, pode produzir de 1,5 a 2,5 kg de figos verdes para a indústria, denominados figos de ponteiro (Figura 5). Figura 5 Condução da figueira no sistema com desponte

8 12 5 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA CHALFUN, N. N. J.; HOFFMANN, A.; PASQUAL, M. Fruticultura de clima temperado. Lavras: UFLA/FAEPE, p. FACHINELLO, J. C.; HOFFMANN, A.; NACHTICAL, J. C.; KERSTEN, E.; FONTES, G. R. L. Propagação de plantas frutíferas de clima temperado. Pelotas: UFEPEL, p. FACHINELLO, J. C.; NACHTICAL, J. C.; KERSTEN, E. Fruticultura: fundamentos e práticas. Pelotas: UFEPEL, p. INFORME AGROPECUÁRIO: Figueira. Belo Horizonte: EPAMIG, v. 18, n p. PASQUAL, M.; CHALFUN, N. N. J.; RAMOS, J. D.; VALE, M. R. do; SILVA, C. R. R. e. Fruticultura Comercial: propagação de plantas frutíferas. Lavras: UFLA/FAEPE, p. SILVA, V. J. da; SOUZA, T. D. Cultura da figueira (Ficus carica L.). São Sebastião do Paraíso: Cooparaíso, p. (Edições Técnicas Cooparaíso Série Fruticultura).

n junho

n junho 1 n. 97 - junho - 2010 Poda da figueira 1 Ângelo Albérico Alvarenga 2 Paulo Márcio Norberto 3 Enilson Abrahão 4 Edwaldo dos Santos Penoni 5 Vicente Luiz de Carvalho 6 Sérgio Geraldo de Resende 7 Mauro

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE CULTIVARES DE PESSEGUEIRO, VIDEIRA E FIGUEIRA PARA O SUL DO ESTADO DE MINAS GERAIS

RECOMENDAÇÕES DE CULTIVARES DE PESSEGUEIRO, VIDEIRA E FIGUEIRA PARA O SUL DO ESTADO DE MINAS GERAIS RECOMENDAÇÕES DE CULTIVARES DE PESSEGUEIRO, VIDEIRA E FIGUEIRA PARA O SUL DO ESTADO DE MINAS GERAIS Nilton Nagib Jorge Chalfun 1 Luís Eduardo Corrêa Antunes 2 Rafael Pio 3 1 INTRODUÇÃO O Brasil possui

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Produção de mudas de figo em hidroponia Palavras-chave: Fruticultura, Estacas, Enraizamento, Propagação. Campus: Bambuí Tipo de Bolsa: PIBITI Financiador: CNPq Bolsista (as): William

Leia mais

Plantio dos porta-enxertos em 14 de Novembro de 2000

Plantio dos porta-enxertos em 14 de Novembro de 2000 Plantio dos porta-enxertos em 14 de Novembro de 2000 O solo virgem, livre de doenças, em uma área a mais de 400 m de pomares, é muito bem preparado e todos os nutrientes necessários para um ótimo desenvolvimento

Leia mais

MANEJO DE PODA DE CITRUS

MANEJO DE PODA DE CITRUS FARM ATAC Assistência Técnica Auditoria e Consultoria MANEJO DE PODA DE CITRUS Ramiro de Souza Lima Neto Ramiro.farm@netsite.com.br www.farmatac.com.br Tel.: (17) 3343-4601 8125-6418 Bebedouro - SP FARM

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP HISTÓRIA DA PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA - Método de estaquia - Europa: filoxera (praga do

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMEIXEIRA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMEIXEIRA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMEIXEIRA Nilton Nagib Jorge Chalfun 1 Rafael Pio 3 José Darlan Ramos 2 1 INTRODUÇÃO A ameixeira é uma das frutíferas de clima temperado mais importantes do mundo. As plantas suportam

Leia mais

Olivicultura - Informe Agropecuário

Olivicultura - Informe Agropecuário Olivicultura - Informe Agropecuário Agropecuária em Temas Informe Agropecuário 1 OLIVEIRA, Adelson Francisco de; RIO RINCÓN, Carmen del. A oliveira e sua propagação. Informe Agropecuário. Produção e certificação

Leia mais

AQUISIÇÃO E PLANTIO DE MUDAS FRUTÍFERAS

AQUISIÇÃO E PLANTIO DE MUDAS FRUTÍFERAS AQUISIÇÃO E PLANTIO DE MUDAS FRUTÍFERAS Nilton Nagib Jorge Chalfun 1 Rafael Pio 2 1 INTRODUÇÃO O plantio de espécies frutíferas é uma boa opção de diversificação para as propriedades agrícolas, pois além

Leia mais

DIFERENTES SUBSTRATOS, AMBIENTE E PRESENÇA DA GEMA APICAL NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE FIGUEIRA

DIFERENTES SUBSTRATOS, AMBIENTE E PRESENÇA DA GEMA APICAL NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE FIGUEIRA DIFERENTES SUBSTRATOS, AMBIENTE E PRESENÇA DA GEMA APICAL NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE FIGUEIRA DIFFERENTS SUBSTRATES, ENVIRONMENT AND THE PRESENCE OF APICAL BUD FOR ROOTING OF CUTTINGS FROM FIG TREE

Leia mais

Novas atualidades no uso de Podas. Gabriel Reis Lacerda - Eng Agr. Fundação Procafé André Luíz A. Garcia Eng Agr. Fundação Procafé

Novas atualidades no uso de Podas. Gabriel Reis Lacerda - Eng Agr. Fundação Procafé André Luíz A. Garcia Eng Agr. Fundação Procafé Novas atualidades no uso de Podas Gabriel Reis Lacerda - Eng Agr. Fundação Procafé André Luíz A. Garcia Eng Agr. Fundação Procafé Influência da área vertical das plantas após podas 1ª- alta 2ª baixa 3ª-

Leia mais

NÚMERO DE RAMOS NA PRODUÇÃO DE FIGOS VERDES Roxo de Valinhos NO OESTE DO PARANÁ 1

NÚMERO DE RAMOS NA PRODUÇÃO DE FIGOS VERDES Roxo de Valinhos NO OESTE DO PARANÁ 1 1029 COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA NÚMERO DE RAMOS NA PRODUÇÃO DE FIGOS VERDES Roxo de Valinhos NO OESTE DO PARANÁ 1 IDIANA MARINA DALASTRA 2, RAFAEL PIO 3, MARCELO ANGELO CAMPAGNOLO 4, GRACIELA MAIARA DALASTRA

Leia mais

Comunicado 133 Técnico ISSN Dezembro, 2005 Pelotas, RS

Comunicado 133 Técnico ISSN Dezembro, 2005 Pelotas, RS Comunicado 33 Técnico ISSN 506-985 Dezembro, 2005 Pelotas, RS Enraizamento de estacas de mirtilo provenientes de ramos lenhosos. Ângela Diniz Campos, Luis Eduardo Corrêa Antunes; Alexandre Couto Rodrigues2;

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB Rafaelle da Silva Soares 1 ; Leonardo Cury da Silva 2 ; Paulo

Leia mais

Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA

Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA PRODUÇÃO DE MUDAS DE LOURO E SEU PLANTIO Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA issao@apta.sp.gov.br Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr.,PhD.,

Leia mais

Resumo de aulas sobre a Cultura da Figueira Ficus carica L.

Resumo de aulas sobre a Cultura da Figueira Ficus carica L. Resumo de aulas sobre a Cultura da Figueira Ficus carica L. 1. INTRODUÇÃO Centro de origem Sul da Arábia Século V Costa dos mares Mediterrâneo, Atlântico, África e Sul da França. Introduzida Flórida em

Leia mais

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L.

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L. MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Jatropha curcas L. Maria Regina G. Ungaro, Centro de Grãos e Fibras, IAC, ungaro@iac.sp.gov.br Amadeu Regitano Neto, Centro de Grãos e Fibras, IAC, regitano@iac.sp.gov.br

Leia mais

Pinus Patula Pinus Nigra Pinus Caribaea Produção de Pinus. Pinus elliotti

Pinus Patula Pinus Nigra Pinus Caribaea Produção de Pinus. Pinus elliotti Pinus Patula Pinus Nigra Pinus Caribaea Produção de Pinus Pinus elliotti Pinus Pinaster Pinus Taeda - P. elliottii e P. taeda- introduzidas dos Estados Unidos, visto que as atividades com florestas plantadas

Leia mais

Anexo I. Área do Conhecimento: Fitomelhoramento: Programa:

Anexo I. Área do Conhecimento: Fitomelhoramento: Programa: Área do Conhecimento: Fitomelhoramento: Programa: Anexo I I-Leis de Mendel; II-Sistemas Reprodutivos; III-Seleção Assistida por Marcadores; IV-Princípios de Genética Quantitativa (ação gênica, herdabilidade);

Leia mais

Olericultura. A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea

Olericultura. A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea 1 de 5 10/16/aaaa 11:56 Olericultura A Cultura da Abobrinha (Cucurbita pepo) Família Cucurbitácea Nome Cultura da Abobrinha Produto Informação Tecnológica Data Julho - 2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Leia mais

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal, ESALQ/USP scmello@esalq.usp.br 19-34294190 r. 204 Diagnose foliar Interpretação: Material genético

Leia mais

Efeito do acondicionamento de estacas de figo na produção de mudas em diferentes épocas

Efeito do acondicionamento de estacas de figo na produção de mudas em diferentes épocas Abril a Junho de 2017 205 Efeito do acondicionamento de estacas de figo na produção de mudas em diferentes épocas Marcelo Romero Ramos da Silva 1 ; Ana Paula Boldrin 2 e Lucas Aparecido Pereira Ignácio

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Agronomia Professores: José Luiz Petri petri@gegnet.com.br; petri@epagri.sc.gov.br Período/ Fase: V

Leia mais

Objetivos da poda PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS. O que é poda? FERAS. O que podar? Conceito de Poda. Por que podar?

Objetivos da poda PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS. O que é poda? FERAS. O que podar? Conceito de Poda. Por que podar? Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS FERAS O que é poda? Piracicaba - SP Agosto - 2011 Conceito de Poda O que podar? Ramos Poda

Leia mais

PODA VERDE COMO ALTERNATIVA PARA AUMENTO DA FRUTIFICAÇÃO EM PEREIRA

PODA VERDE COMO ALTERNATIVA PARA AUMENTO DA FRUTIFICAÇÃO EM PEREIRA PODA VERDE COMO ALTERNATIVA PARA AUMENTO DA FRUTIFICAÇÃO EM PEREIRA José Luiz Marcon Filho 1 ; Leo Rufato 2 ; Aike Anneliese Kretzschmar 3 ; Gilmar Ardunino Marodin 4 ; Alecir Farias Lopes 5 ; Rafael Daboit

Leia mais

Seleção de cultivares Bourbon visando à produção de cafés especiais

Seleção de cultivares Bourbon visando à produção de cafés especiais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Seleção de cultivares Bourbon visando à produção de cafés especiais Antonio Alfredo de Figueiredo Rodrigues (1), Gladyston Rodrigues

Leia mais

Como identificar o Cancro europeu das pomáceas

Como identificar o Cancro europeu das pomáceas Como identificar o Cancro europeu das pomáceas O cancro europeu das pomáceas, também conhecido como cancro de néctria, é uma importante doença da macieira na maioria dos países onde ela ocorre. É causada

Leia mais

MÉTODOS DE ENXERTIA PARA A GRAVIOLEIRA EM RIO BRANCO-ACRE

MÉTODOS DE ENXERTIA PARA A GRAVIOLEIRA EM RIO BRANCO-ACRE ISSN 0104-9038 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal do Acre Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR-364, km 14 (Rio Branco/Porto Velho), Caixa Postal 392,

Leia mais

Tecnologias para produção de mudas de pequenas frutas e frutas nativas. Márcia Wulff Schuch Prof Titular Fruticultura FAEM/UFPel P PP

Tecnologias para produção de mudas de pequenas frutas e frutas nativas. Márcia Wulff Schuch Prof Titular Fruticultura FAEM/UFPel P PP Tecnologias para produção de mudas de pequenas frutas e frutas nativas Márcia Wulff Schuch Prof Titular Fruticultura FAEM/UFPel P PP Introdução o Pequenas frutas e Frutas nativas Alto potencial econômico

Leia mais

A Cultura do Medronheiro Arbutus unedo L.

A Cultura do Medronheiro Arbutus unedo L. A Cultura do Medronheiro Arbutus unedo L. Centro Cultural Gil Vicente / Sardoal Manuel Sequeira Direção Regional de Agricultura e Pescas do Centro Delegação de Castelo Branco Foto: Internet MSequeira -

Leia mais

Jornadas Técnicas da Amêndoa

Jornadas Técnicas da Amêndoa Jornadas Técnicas da Amêndoa TEMA: SISTEMAS DE CONDUÇÃO E PODA Augusto Ventura Assunção engenheiro agrónomo Técnico da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte - DRAPN Divisão de Apoio ao Setor

Leia mais

COMUNICAÇÃO PROPAGAÇÃO DE ESTACAS APICAIS DE FIGUEIRA: DIFERENTES AMBIENTES, ÁCIDO INDOLBUTÍRICO E TIPO DE ESTACA

COMUNICAÇÃO PROPAGAÇÃO DE ESTACAS APICAIS DE FIGUEIRA: DIFERENTES AMBIENTES, ÁCIDO INDOLBUTÍRICO E TIPO DE ESTACA COMUNICAÇÃO Propagação de estacas apicais de figueira: Diferentes ambientes... 1021 PROPAGAÇÃO DE ESTACAS APICAIS DE FIGUEIRA: DIFERENTES AMBIENTES, ÁCIDO INDOLBUTÍRICO E TIPO DE ESTACA Propagation of

Leia mais

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL Daiane Silva Lattuada 1 ; Paulo Vitor Dutra de Souza 2 ; Mateus Pereira Gonzatto 1 ; Sérgio Francisco Schwarz 2 1 Eng. Agrônomo, mestrando no

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA Propagação vegetativa em espécies florestais: Enxertia Estaquia Microestaquia Enxertia União de partes de uma planta em outra, de forma que as duas partes de plantas diferentes passem

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 I SIMPÓSIO SIO DE CITRICULTURA IRRIGADA MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 MANEJO DAS IRRIGAÇÕES - Maximizar a produção e a qualidade,

Leia mais

Resposta das bananeiras BRS Platina e PA 9401 à irrigação no segundo ciclo nas condições do Norte de Minas

Resposta das bananeiras BRS Platina e PA 9401 à irrigação no segundo ciclo nas condições do Norte de Minas Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013. Belo Horizonte Resposta das bananeiras BRS Platina e PA 9401 à irrigação no segundo ciclo nas condições do Norte de Minas Miquéias Gomes dos

Leia mais

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Propagação Vegetativa de Piper hispidum Sw.

Leia mais

QUEBRA DE DORMÊNCIA DE GEMAS EM MACIEIRA COM PRODUTOS ALTERNATIVOS NO ALTO VALE DO ITAJAÍ

QUEBRA DE DORMÊNCIA DE GEMAS EM MACIEIRA COM PRODUTOS ALTERNATIVOS NO ALTO VALE DO ITAJAÍ QUEBRA DE DORMÊNCIA DE GEMAS EM MACIEIRA COM PRODUTOS ALTERNATIVOS NO ALTO VALE DO ITAJAÍ Rodrigo HELMANN 1 ; Cláudio KESKE 2 ; Marcelo FOSTER 3 ; Josué Andreas VIEIRA 4 ; 1 Bolsista PIBITI/CNPq; 2 Orientador

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA BATATA, VARIEDADE ASTERIX, EM RESPOSTA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ-SC

PRODUTIVIDADE DA BATATA, VARIEDADE ASTERIX, EM RESPOSTA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ-SC PRODUTIVIDADE DA BATATA, VARIEDADE ASTERIX, EM RESPOSTA A DIFERENTES DOSES DE NITROGÊNIO NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ-SC Francieli WEBER 1, Guilherme VITORIA 2, Rodrigo SALVADOR 2, Herberto Jose LOPES

Leia mais

CEDRO AUSTRALIANO CEDRO AUSTRALIANO DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR?

CEDRO AUSTRALIANO CEDRO AUSTRALIANO DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR? DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR? Com o surgimento de novos materiais genéticos no mercado, existem dúvidas sobre qual é a melhor opção para o plantio de cedro australiano. Elaboramos este documento

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA João Paulo Tadeu Dias 1 ; Elizabeth Orika Ono 2 A cultura da amoreira-preta (Rubus sp.) surge como opção para a diversificação do cultivo de frutas, pois apresenta rusticidade

Leia mais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais PROPAGAÇÃO Ação de multiplicar ou dar continuidade a uma forma de vida, permitindo o cultivo e a preservação de espécies importância estabelecimento dos cultivos e hortos garantia da identidade das espécies

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ESTACAS DE DRACENA EM DIFERENTES AMBIENTES COM E SEM HORMÔNIO AIB

AVALIAÇÃO DE ESTACAS DE DRACENA EM DIFERENTES AMBIENTES COM E SEM HORMÔNIO AIB AVALIAÇÃO DE ESTACAS DE DRACENA EM DIFERENTES AMBIENTES COM E SEM HORMÔNIO AIB Bruno F. VIEIRA 1 ; Felipe LONARDONI 2 ; Marcell T. M. da SILVA 3 ; José M. F. CAMILO 4 ; Ariana V. SILVA 5 ; Juliano F. RANGEL

Leia mais

PROPAGAÇÃO DA FIGUEIRA ROXO DE VALINHOS POR ALPORQUIA 1

PROPAGAÇÃO DA FIGUEIRA ROXO DE VALINHOS POR ALPORQUIA 1 285 COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA PROPAGAÇÃO DA FIGUEIRA ROXO DE VALINHOS POR ALPORQUIA 1 SIMONE DANELUZ 2, RAFAEL PIO 3, EDVAN ALVES CHAGAS 4, WILSON BARBOSA 5, TATIANE OHLAND 2, TAILENE ELISA KOTZ 2 RESUMO

Leia mais

PODA EM UVAIEIRA (Eugenia uvalha CAMB.)

PODA EM UVAIEIRA (Eugenia uvalha CAMB.) PODA EM UVAIEIRA (Eugenia uvalha CAMB.) V.R. Sampaio* RESUMO: Uvaieiras com quatro anos de idade foram submetidas a podas no mês de agosto de 1984, consistindo a observação em três tratamentos: a) Controle,

Leia mais

VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS

VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR SOB IRRIGAÇÃO NO NORTE DE MINAS GERAIS Geraldo Magela da Silva (1), Geraldo Antônio Resende Macêdo (2), Édio Luiz da Costa (3), Heloísa Mattana Saturnino (3), Fúlvio Rodriguez

Leia mais

Tabela 1. Dados comparativos da safra anterior em relação à atual.

Tabela 1. Dados comparativos da safra anterior em relação à atual. 11º Levantamento da Safra Baiana de Grãos De acordo com o décimo primeiro levantamento (realizado entre os dias 24 a 28 de julho de 2017), estima-se que nessa safra sejam colhidas 8.032,3 mil toneladas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS unesp DISCIPLINA: TEMA: PROFESSORES: UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS Departamento de Produção Vegetal Silvicultura Desrama Artificial Sérgio Valiengo

Leia mais

Poda experimental de Schinus terebinthifolius Raddi (pimenta-rosa) em área de Cerrado

Poda experimental de Schinus terebinthifolius Raddi (pimenta-rosa) em área de Cerrado NOTA TÉCNICA DE PESQUISA Poda experimental de Schinus terebinthifolius Raddi (pimenta-rosa) em área de Cerrado Annete Bonnet, Gustavo Ribas Curcio, Edberto Moura, Deborah Santos, Roberto Ogata 2016 Foto:

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina FIT444 Cultura de Seringueira, Cacau e Guaraná

Programa Analítico de Disciplina FIT444 Cultura de Seringueira, Cacau e Guaraná Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Fitotecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 1 Carga horária

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

WORKSHOP EMBRAPA - APRE

WORKSHOP EMBRAPA - APRE WORKSHOP EMBRAPA - APRE MANEJO PARA USO MÚLTIPLO A ÁRVORE DE PINUS DO FUTURO Vinicius de Moura Santos Engº de Pesquisa e Desenvolvimento ArborGen: Líder em melhoramento genético florestal Global HQ Summerville,

Leia mais

PRATICAS DE MANEJO DE QUEBRA DE DORMÊNCIA EM FRUTAS DE SEMENTE JOSÉ LUIZ PETRI

PRATICAS DE MANEJO DE QUEBRA DE DORMÊNCIA EM FRUTAS DE SEMENTE JOSÉ LUIZ PETRI PRATICAS DE MANEJO DE QUEBRA DE DORMÊNCIA EM FRUTAS DE SEMENTE JOSÉ LUIZ PETRI 0,2% 6,1% 53% Regiões Brasileiras Produtoras de Maçã Fraiburgo/SC (650HF) 40,7% São Joaquim/SC (935HF) Vacaria/RS (770HF)

Leia mais

Avaliação agronómica de variedades de tomate

Avaliação agronómica de variedades de tomate CAPÍTULO 18 Avaliação agronómica de variedades de tomate Hipólito Alberto Malia Carvalho Carlos Ecole Werito Fernandes de Melo Francisco Vilela Resende 18.1 Descrição da cultura O tomate (Solanum lycopersicum

Leia mais

Cultivo de Crisântemo

Cultivo de Crisântemo Cultivo de Crisântemo Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues Classificação botânica Crisântemo Família: Compositae (Asteraceae) Gênero: Dendranthema (Chrysanthemum) Espécie:

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 158. Maio 1988

CIRCULAR TÉCNICA N o 158. Maio 1988 IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 158 Maio 1988 IMPLEMENTOS PARA O PREPARO DE SOLO EM REFORMA DE POVOAMENTOS DE EUCALIPTO,

Leia mais

Exigências edafoclimáticas de fruteiras

Exigências edafoclimáticas de fruteiras Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Exigências edafoclimáticas de fruteiras Emanuel Maia emanuel@unir.br www.emanuel.acagea.net Apresentação Introdução Classificação climática

Leia mais

On line. Manejo da copa para a produção de uvas de mesa no Semiárido. Introdução. Autora ISSN

On line. Manejo da copa para a produção de uvas de mesa no Semiárido. Introdução. Autora ISSN ISSN 1808-9976 Manejo da copa para a produção de uvas de mesa no Semiárido 95 Petrolina, PE Novembro, 2011 Autora Patrícia Coelho de Souza Leão Engenheira-agrônoma, D.Sc., pesquisadora da Embrapa Semiárido,

Leia mais

SOUTOS NOTÁVEIS DA TERRA FRIA. Poda de Castanheiros

SOUTOS NOTÁVEIS DA TERRA FRIA. Poda de Castanheiros SOUTOS NOTÁVEIS DA TERRA FRIA Poda de Castanheiros 1 Ficha Técnica Título: Soutos Notáveis da Terra Fria - Poda de Castanheiros Autores: - Estrutura Local de Apoio Montesinho-Nogueira (ELA MN): Direção

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

C y = -0,000003x 2 + 0,0037x + 2,89 R 2 = 0,86

C y = -0,000003x 2 + 0,0037x + 2,89 R 2 = 0,86 Original Article PROPAGAÇÃO A IGUEIRA POR ESTAQUIA TRATAAS COM AIB PROPAGATION O IG BY CUTTINGS TREATE WITH IBA João Paulo Campos de ARAÚJO 2 ; Rafael PIO 3 ; João Alexio SCARPARE ILHO 4 ; rancisco de

Leia mais

Crescimento vegetativo e incidência de cercosporiose em cafeeiros sob diferentes sistemas de manejo

Crescimento vegetativo e incidência de cercosporiose em cafeeiros sob diferentes sistemas de manejo Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Crescimento vegetativo e incidência de cercosporiose em cafeeiros sob diferentes sistemas de manejo Guilherme Conceição Gonçalves

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXI PARA PRODUÇÃO DE MUDAS POR SECÇÃO DE CAULE NAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE RIO BRANCO-ACRE

RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXI PARA PRODUÇÃO DE MUDAS POR SECÇÃO DE CAULE NAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS DE RIO BRANCO-ACRE Ministério da Agricultura, do abastecimento e da Reforma Agrária Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EMBRAPA Centro de Pesquisa Agroflorestal do Acre CPAF-Acre Rio Branco, AC BR-364, km 14 (Rodovia

Leia mais

POLIPLOIDIA EM AMOREIRA BRANCA NATIVA DO SUL DO BRASIL Rubus imperialis VISA O MELHORAMENTO VEGETAL DA ESPÉCIE

POLIPLOIDIA EM AMOREIRA BRANCA NATIVA DO SUL DO BRASIL Rubus imperialis VISA O MELHORAMENTO VEGETAL DA ESPÉCIE POLIPLOIDIA EM AMOREIRA BRANCA NATIVA DO SUL DO BRASIL Rubus imperialis VISA O MELHORAMENTO VEGETAL DA ESPÉCIE Larissa Costa MELLO 1, Maria do Carmo Bassols RASEIRA 2, Marco Antonio DALBÓ 3, Clenilso Sehnen

Leia mais

Comunicado 125 Técnico Maniva-semente: como selecionar e conservar Introdução Quantidade de material necessário para plantio

Comunicado 125 Técnico Maniva-semente: como selecionar e conservar Introdução Quantidade de material necessário para plantio Comunicado Técnico ISSN 125 1517-4077 Dezembro, 2012 Macapá, AP Maniva-semente: como selecionar e conservar Valeria Saldanha Bezerra 1 Introdução A mandioca é um dos principais cultivos presentes na agricultura

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

A PODA DAS ÁRVORES PODA DRÁSTICA

A PODA DAS ÁRVORES PODA DRÁSTICA A PODA DAS ÁRVORES Pode ser entendida como a retirada de partes de uma planta e também pode servir para a eliminação de ramos mortos, doentes ou indesejáveis, seja por sua posição inadequada, seja por

Leia mais

fli-sede C P t-'flj

fli-sede C P t-'flj 15304 CRATU 1984 FL-PP-15304 C P t-'flj Cõiirr-i in. JBRASLBRA DE P6QUEA AGROPrCUARA - êmbrapa ao Ministério da Agricultura UNIDADE DE EXECUÇÃO DE PESQUISA DE ÂMBITO ESTADLJACDE ÁLTAMIRA - UEPAE/ALTAMIRA..

Leia mais

COMUNICAÇÃO. PROPAGAÇÃO DE FIGUEIRA (Ficus carica L.) POR MEIO DE ESTACAS RETIRADAS DURANTE O PERÍODO VEGETATIVO

COMUNICAÇÃO. PROPAGAÇÃO DE FIGUEIRA (Ficus carica L.) POR MEIO DE ESTACAS RETIRADAS DURANTE O PERÍODO VEGETATIVO 914 COMUNICAÇÃO PROPAGAÇÃO DE FIGUEIRA (Ficus carica L.) POR MEIO DE ESTACAS RETIRADAS DURANTE O PERÍODO VEGETATIVO Propagation of fig tree (Ficus carica L.) by cuttings obtained during vegetative period

Leia mais

Evento: VII SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA

Evento: VII SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO DE UM POMAR DE NOGUEIRA PECÃ (CARYA ILLINOINENSIS) EM FUNÇÃO DAS HORAS DE FRIO 1 DEVELOPMENT OF AN ORCHARD OF WALNUT PECAN (CARYA ILLINOINENSIS) IN FUNCTION OF HOURS OF COLD Joana Camargo

Leia mais

Jana Koefender, Juliane Nicolodi Camera, Diego Pascoal Golle, Roberta Cattaneo Horn, Péricles Dalazeri Junho de 2017.

Jana Koefender, Juliane Nicolodi Camera, Diego Pascoal Golle, Roberta Cattaneo Horn, Péricles Dalazeri Junho de 2017. CIRCULAR TÉCNICA Cultura da mandioca Jana Koefender, Juliane Nicolodi Camera, Diego Pascoal Golle, Roberta Cattaneo Horn, Péricles Dalazeri Junho de 2017. C496 Circular Técnica: propagação rápida de mandioca

Leia mais

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA JAEVESON DA SILVA 1, JOSÉ RAIMUNDO FERREIRA FILHO 2 1 Eng. Agr., DSc., Pesquisador da Embrapa Mandioca

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MANEJO DE POMARES DE MACIEIRA E PEREIRA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MANEJO DE POMARES DE MACIEIRA E PEREIRA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MANEJO DE POMARES DE MACIEIRA E PEREIRA CÂMPUS URUPEMA Instrumentos Regulatórios (Resolução CEPE e CONSUP ou Portaria de reconhecimento do curso pelo MEC) GRADE CURRICULAR E

Leia mais

Poda seca da videira Niágara. João Dimas Garcia Maia Umberto Almeida Camargo

Poda seca da videira Niágara. João Dimas Garcia Maia Umberto Almeida Camargo Poda seca da videira Niágara João Dimas Garcia Maia Umberto Almeida Camargo Capítulo 4 - Poda seca da videira Niágara 83 Poda seca A poda consiste na remoção de partes vegetativas da videira. De acordo

Leia mais

Material e Métodos O experimento foi conduzido em um Argissolo, alocado no campo experimental do curso de Engenharia Agronômica do Instituto Federal

Material e Métodos O experimento foi conduzido em um Argissolo, alocado no campo experimental do curso de Engenharia Agronômica do Instituto Federal ATRIBUTOS BIOMÉTRICOS E PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA BATATA, VARIEDADE ÁGATA, CULTIVADA NA REGIÃO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ-SC SOB APLICAÇÃO DE DOSES DE BORO Guilherme VITÓRIA 1, Rodrigo SALVADOR 2, Francieli

Leia mais

Planejamento e Instalação de Pomares

Planejamento e Instalação de Pomares Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Ciências Agrárias Curso de Engenharia Agronômica Disciplina: Fruticultura I Planejamento e Instalação de Pomares Docente responsável: Prof. Dr. Ítalo

Leia mais

Pesquisa, conhecimento e tecnologias da Embrapa em frutas nativas brasileiras

Pesquisa, conhecimento e tecnologias da Embrapa em frutas nativas brasileiras Pesquisa, conhecimento e tecnologias da Embrapa em frutas nativas brasileiras Rodrigo Cezar Franzon Maria do Carmo Bassols Raseira Embrapa Clima Temperado, Pelotas, RS Fábio Gelape Faleiro Embrapa Cerrados,

Leia mais

Treinamento: Produção de mudas frutíferas Cód. 436

Treinamento: Produção de mudas frutíferas Cód. 436 1. ESTAQUIA É a atividade de enterrar uma parte de galho ou folha, para que este tenha possibilidade de enraizar e brotar para formar uma nova planta. 2. MERGULHIA É dar condição favorável, a um galho,

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA. Ementa:

PLANO DE ENSINO EMENTA. Ementa: PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR : PRODUÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES NATIVAS Curso:AGROECOLOGIA Série/ Período: P6 Carga Horária: 40 Horas Teórica: 25 Horas Prática:15

Leia mais

MÉTODOS PARA RESTAURAÇÃO DE FLORESTAS DE BREJO DEGRADADAS

MÉTODOS PARA RESTAURAÇÃO DE FLORESTAS DE BREJO DEGRADADAS MÉTODOS PARA RESTAURAÇÃO DE FLORESTAS DE BREJO DEGRADADAS Cláudia Mira Attanasio Eng. Agrônoma, Dra., PqC do Polo regional Centro Sul/APTA claudiattanasio@apta.sp.gov.br Luciana A. Carlini-Garcia Eng.

Leia mais

Revista Ceres ISSN: X Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Ceres ISSN: X Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil de Oliveira, Marcelo Caetano; Pio, Rafael; Ramos, José Darlan; Alvarenga, Ângelo Albérico; Andrade dos Santos, Verônica;

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DO CAFEEIRO A PARTIR DE DIFERENTES ALTURAS DE DECOTE

DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DO CAFEEIRO A PARTIR DE DIFERENTES ALTURAS DE DECOTE 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DO CAFEEIRO A PARTIR DE DIFERENTES ALTURAS DE DECOTE

Leia mais

Prazer de comer e beber bem: a essência da marca RAR.

Prazer de comer e beber bem: a essência da marca RAR. MAÇÃS INSUPERÁVEIS Prazer de comer e beber bem: a essência da marca RAR. A marca RAR é sinônimo de qualidade, sabor, tradição, inovação, procedência. Em todas as suas ações com os seus clientes, fornecedores,

Leia mais

PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR.

PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR. PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR. A marca RAR é sinônimo de qualidade, sabor, tradição, inovação, procedência. Em todas as suas ações com os seus clientes, fornecedores, consumidores

Leia mais

1. Escolhendo o local certo para o plantio.

1. Escolhendo o local certo para o plantio. Além de ser uma atitude que contribui com o meio ambiente, plantar uma árvore requer alguns cuidados. Assim, para que o plantio ocorra da maneira correta é preciso pensar no espaço disponível, no tamanho

Leia mais

GEOGRAFIA PROFºEMERSON

GEOGRAFIA PROFºEMERSON GEOGRAFIA PROFºEMERSON BIOMAS TERRESTRES FLORESTA TROPICAL Abriga mais da metade das espécies de plantas e animais do planeta Este é o bioma de maior produtividade biológica da Terra, resultado da alta

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

UINIVERSIDADE DE ÉVORA ARBORICULTURA II

UINIVERSIDADE DE ÉVORA ARBORICULTURA II UINIVERSIDADE DE ÉVORA ARBORICULTURA II Breve abordagem aos conceitos sobre poda em Macieiras Augusto António Vieira Peixe 12/2/2005 É a poda que se deve adaptar aos hábitos de crescimento e frutificação

Leia mais

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL

BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL BROTAÇÃO DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR NAS CONDIÇÕES DE CERRADO DO BRASIL-CENTRAL Adeliano Cargnin 1, João Augusto Müller 1, Fernando Daminelli Araújo Mello 1, Cláudia Martellet Fogaça 1 ( 1 Embrapa

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS APICAIS DE FIGUEIRA E DESENVOLVIMENTO INICIAL DAS PLANTAS NO CAMPO

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS APICAIS DE FIGUEIRA E DESENVOLVIMENTO INICIAL DAS PLANTAS NO CAMPO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS APICAIS DE FIGUEIRA E DESENVOLVIMENTO INICIAL DAS PLANTAS NO CAMPO ROOTING OF APICAL FIG CUTTINGS AND THEIR FIRST DEVELOPMENT AT FIELD CONDITIONS Rafael PIO José Darlan RAMOS Nilton

Leia mais

CURSO DE PODA. Terminologia

CURSO DE PODA. Terminologia CURSO DE PODA Para que a poda produza os resultados esperados, é importante que seja executada levando-se em consideração a fisiologia e a biologia da planta e seja aplicada com moderação e oportunidade.

Leia mais

SISTEMA DE TUTORAMENTO COM FITA PLÁSTICA PARA TOMATEIROS CULTIVADOS NO CAMPO

SISTEMA DE TUTORAMENTO COM FITA PLÁSTICA PARA TOMATEIROS CULTIVADOS NO CAMPO N 3, dezembro 1998, p.1-5 SISTEMA DE TUTORAMENTO COM FITA PLÁSTICA PARA TOMATEIROS CULTIVADOS NO CAMPO Claudio Lucas Capeche 1 José Ronaldo de Macedo 1 Adoildo da Silva Melo 2 Leonardo Vicente da Silva

Leia mais

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO 2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO PLANTIO NAS MARGENS DO CORREGO RESTINGA BONITO MS. 1. Apresentação O plantio de 104 mudas nas margens do córrego Restinga, localizado no perímetro

Leia mais

VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL

VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL VIABILIDADE DO TRIGO CULTIVADO NO VERÃO DO BRASIL CENTRAL Auri Fernando de Moraes 1, Alexandre Pereira Bonfá 1, Walter Quadros Ribeiro Júnior 2, Maria Lucrécia Gerosa Ramos 3, Júlio César Albrecht 2, Renato

Leia mais

Guia prático e resumido.

Guia prático e resumido. Guia prático e resumido. Da semente à colheita. Sobre as informações aqui contidas Este livro visa a disseminar conhecimento básico e simples. A utilização prática destas informações assim como os resultados

Leia mais

USO DE AIB EM ESTACAS DE HIBISCO (Hibiscus rosa-sinensis L.) UTILIZANDO DIFERENTES RECIPIENTES

USO DE AIB EM ESTACAS DE HIBISCO (Hibiscus rosa-sinensis L.) UTILIZANDO DIFERENTES RECIPIENTES USO DE AIB EM ESTACAS DE HIBISCO (Hibiscus rosa-sinensis L.) UTILIZANDO DIFERENTES RECIPIENTES Ariana V. SILVA 1 ; Juliano F. RANGEL 2 ; Otavio D. GIUNTI 3 ; Amanda MORAES 4 ; Amanda P. HONÓRIO 5 ; Victor

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE FRUTÍFERAS E ESPÉCIES NATIVAS DO CERRADO

PRODUÇÃO DE MUDAS DE FRUTÍFERAS E ESPÉCIES NATIVAS DO CERRADO PRODUÇÃO DE MUDAS DE FRUTÍFERAS E ESPÉCIES NATIVAS DO CERRADO Joyce Helena Modesto 1 ;Wilson Itamar Maruyama 2 1 Graduanda em Agronomia pela UEMS, Unidade Universitária de Cassilândia - Rod. MS 306, km

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO STIMULATE SOBRE MUDAS DE CAFÉ EM DOIS MODOS DE APLICAÇÃO. Vantuir A. Silva; J.B. Matiello; Fernanda B. Bento.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO STIMULATE SOBRE MUDAS DE CAFÉ EM DOIS MODOS DE APLICAÇÃO. Vantuir A. Silva; J.B. Matiello; Fernanda B. Bento. AVALIAÇÃO DO EFEITO DO STIMULATE SOBRE MUDAS DE CAFÉ EM DOIS MODOS DE APLICAÇÃO Vantuir A. Silva; J.B. Matiello; Fernanda B. Bento. INTRODUÇÃO O balanço hormonal das plantas está intimamente ligado aos

Leia mais

METODOLOGIA DE AMOSTRAGEM FOLIAR

METODOLOGIA DE AMOSTRAGEM FOLIAR METODOLOGIA DE AMOSTRAGEM FOLIAR ABACATEIRO: Coletar folhas completas (lâmina com o pecíolo, Figura 1) entre janeiro e março, com 5 a 7 meses de idade, que se originaram nas brotações primaveris. Devem

Leia mais

Enraizamento e crescimento inicial dos porta-enxertos de videira IAC 572 e IAC 766 em telado e no campo na região norte de Minas Gerais

Enraizamento e crescimento inicial dos porta-enxertos de videira IAC 572 e IAC 766 em telado e no campo na região norte de Minas Gerais Enraizamento e crescimento inicial dos porta-enxertos de videira IAC 572 e IAC 766 em telado e no campo na região norte de Minas Gerais Rooting and growth of grapevine IAC 572 and IAC 766 rootstocks in

Leia mais