Tecnologias para produção de mudas de pequenas frutas e frutas nativas. Márcia Wulff Schuch Prof Titular Fruticultura FAEM/UFPel P PP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologias para produção de mudas de pequenas frutas e frutas nativas. Márcia Wulff Schuch Prof Titular Fruticultura FAEM/UFPel P PP"

Transcrição

1 Tecnologias para produção de mudas de pequenas frutas e frutas nativas Márcia Wulff Schuch Prof Titular Fruticultura FAEM/UFPel P PP

2 Introdução o Pequenas frutas e Frutas nativas Alto potencial econômico x Dificuldade de propagação o Micropropagação e minipropagação o Jardins clonais o Sistemas de cultivo sem solo

3 Propagação vegetativa Estaquia (estacas lenhosas e herbáceas) Bastante utilizada em mudas comerciais Ramos coletados de plantas adultas a campo Desvantagens: o Produção de ramos limitada. o Plantas destinadas a produção de frutos. o Sujeitas às adversidades climáticas. o Maior risco de contaminação por pragas e doenças. Microestaquia: são estacas retiradas de plantas micropropagadas Miniestaquia: diferencia da microestaquia quanto a origem do material para a formação do minijardim clonal

4 Micropropagação Fluxo de produção constante; Plantas uniformes; Maior produção em menor tempo e espaço físico; Qualidade genética; Qualidade sanitária.

5 Rejuvenescimento Plantas c/ potencial vegetativo e de enraizamento

6 Em espécies lenhosas tem sido considerada a técnica mais eficiente p/ o rejuvenescimento. Alto custo... Processo inicial micropropagação Seqüência microestaquia

7 (PELIZZA, 2009) Microcepa Microestaca Enraizamento

8 Microestaquia Vantagens Maior grau de juvenilidade. Menor aplicação de hormônios de enraizamento. Aumento do grau de iniciação e crescimento radicular. Mudas de melhor qualidade. Pesquisas com a microestaquia de mirtileiro tem mostrado que esse método de propagação é eficiente. Enraizamento superiores a 80%.

9 O que é um jardim clonal??? Área destinada a manutenção de plantas fornecedoras de material propagativo para produção de mudas (clones).

10 Jardim clonal Microestaquia e miniestaquia Possibilitou Jardins clonais de campo para viveiros Microjardim clonal em viveiro Evoluiu Microjardins clonais em sistema de cultivo sem solo Microjardim clonal em sistema de cultivo sem solo Vantagens Facilidade no manejo nutricional das plantas Maior produtividade e enraizamento das microestacas Elimina problemas sazonais Controle fitossanitário Redução do custo de produção da muda

11 Jardim clonal de pequenas frutas e frutas nativas em sistema de cultivo sem solo Pequenas frutas e frutas nativas tem uma excelente adaptação ao sistema de cultivo sem solo. Possibilita o cultivo de jardins clonais nesse tipo de sistema. Com plantas matrizes manejadas exclusivamente como fornecedoras de material propagativo. Com essas condições de cultivo, tem-se: Grande produção de microestacas e miniestacas herbáceas durante todo ano Produção de muda em qualquer época Qualidade fisiológica e fitossanitária Tornar a produção de mudas mais eficiente

12 Desenvolvimento de um jardim clonal Para ter um jardim clonal em cultivo sem solo é necessário saber: Comportamento da planta matriz ao manejo de sucessivas coletas. Influência da época do ano. Capacidade de enraizamento das microestacas e/ou miniestacas produzidas. Solução nutritiva.

13 Cultivo sem solo Qual a diferença entre solo e substrato? Substrato características importantes: - Suporte - Fornecer boa distribuição das raízes - Permitir trocas gasosas

14 Representação esquemática da propagação vegetativa de frutíferas em sistemas de cultivo sem solo. 1: miniestacas ou microestacas; 2: enraizamento de miniestacas ou microestacas em recipientes fechados contendo vermiculita; 5: cultivo em sistema hidropônico NFT; 6: o cultivo em sistema de cultivo sem solo, contendo substrato areia. (PEREIRA, 2011)

15 As vantagens do cultivo sem solo são: precocidade de produção, economia de água e fertilizantes; melhores condições para o desenvolvimento das plantas; melhor controle de doenças. E a combinação deste sistema com formas mais eficientes de propagação vegetativa, produzem mudas de qualidade.

16 SISTEMAS DE CULTIVO SEM SOLO EM ESPÉCIES FRUTÍFERAS Desenvolvimento de soluções nutritivas adequadas (SCHUCH e PEIL, 2012) Araçazeiro (Psidium cattleianum) (AFFONSO, 2010) Mirtileiro (Vaccinium ashei) (NASCIMENTO, 2011) e (AFFONSO, 2014) Pitangueira (Eugenia uniflora L.) (CARVALHO, 2012) e (OZELAME, 2016) Amoreira-preta e Framboeseira (Rubus spp e Rubus idaeus) (SOMMER, 2015) Framboeseira (Rubus idaeus) (FAGUNDES, 2016)

17 Mirtileiro (Vaccinium ashei) (NASCIMENTO, 2011)

18 Instalação do experimento Aos 90 dias de cultivo

19 Mudas de mirtilo cultivadas em sistema de embalagem e sem solo. (NASCIMENTO, 2011)

20 A B C Mudas de mirtilo da cultivar Woodard do sistema embalagem (A), do sistema sem solo (B) e comparação de mudas da cultivar Bluebelle cultivadas em sistema embalagem e sem solo (C). (NASCIMENTO, 2011)

21 Instalação do experimento Aos 150 dias de cultivo (NASCIMENTO, 2011)

22 BB BG GG DE Comparação entre as cultivares: Bluebelle, Bluegem, Georgiagem e Delite, aos 150 de cultivo em sistema hidropônico NFT. (NASCIMENTO, 2011)

23 Microjardim clonal de mirtileiro do transplante até 30 dias após a 2ª coleta. (AFFONSO, 2014)

24 (AFFONSO, 2014) Microestacas foram imersa por 5 seg em solução de AIB na concentração de 1000 mg L-¹ As microestacas foram padronizadas com tamanho de 3,0 a 5,0 cm, três gemas e duas meias folhas. Após o estaqueamento, os recipientes com as microestacas foram acondicionados em casa de vegetação com temperatura controlada a 25±2ºC. Estaqueamento em embalagem plástica articulada, com vermiculita de granulometria fina.

25 Tabela 3. Médias de sobrevivência das plantas matrizes de mirtileiro das cultivares Aliceblue e Woodard durante as coletas de microestacas em microjardins clonais sem solo e em subtrato organomineral. (AFFONSO, 2014) Coletas Sobrevivência (%) 1 (setembro/2011) 96,35 A * 2 (novembro/2011) 92,70 AB 3 (janeiro/2012) 92,18 AB 4 (março/2012) 85,93 BC 5 (junho/2012) 85,41 BC 6 (setembro/2012) 85,41 BC 7 (novembro/2012) 84,89 BC 8 (janeiro/2013) 84,89 BC 9 (março/2013) 79,16 C 10 (junho/2013) 79,16 C 11 (setembro/2013) 79,16 C Média geral 85,93 CV (%) 9,87 *Médias seguidas da mesma letra não diferem estatisticamente entre si pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade de erro.

26 Propagação assexuada de Araçazeiro (A) microcepas, (B) padrão de microestaca utilizada, (C) estaqueamento das microestacas em vermiculita, (D) recipiente transparente fechado (AFFONSO, 2010)

27 Araçazeiro cultivados aos 120 dias: (A) sistema de embalagem e (B) sem solo, (1) sem brotações secundárias e (2) com brotações secundárias. (AFFONSO, 2010) (A) Microestaca de araçazeiro enraizada (B) Sistemas de cultivo sem solo e em embalagem. (AFFONSO, 2010)

28 Microcepas de araçazeiro antes da quarta coleta (AFFONSO, 2010) (A) Microcepa de araçazeiro antes de ser transferida para o sistema de cultivo sem solo (B) microcepas no sistema de cultivo sem solo (AFFONSO, 2010)

29 Miniestaquia de pitangueira (A) Enraizamento de miniestacas (B) material herbáceo (esquerda) e lenhoso (direita). (CARVALHO, 2012) (A) Esquerda miniestacas herbáceas com ápice, direita sem ápice. (B) avaliação aos 60 dias. (CARVALHO, 2012)

30 (OZELAME, 2016)

31 (OZELAME, 2016)

32 (OZELAME, 2016)

33 (OZELAME, 2016)

34 (OZELAME, 2016)

35 Montagem do experimento (OZELAME, 2016)

36

37 Sistemas de cultivos (A) semi-hidropônico e com (B) substrato organomineral com plantas matrizes minipropagadas de pitangueira no terceiro mês de cultivo. (OZELAME, 2016)

38 (OZELAME, 2016)

39 (OZELAME, 2016)

40

41 Propagação de amoreira-preta e framboeseira Propagação Estacas de raízes; Micropropagação; Enraizamento in vitro; Enraizamento ex vitro. (SOMMER, 2015)

42 Enraizamento ex vitro Explantes retirados dos frascos; Bases imersas em AIB; Transferência para o substrato. (SOMMER, 2015)

43 O enraizamento ex vitro de microestacas de amoreirapreta Xavante e Tupy e de framboeseira Heritage e Fall Gold pode ser realizado sem a necessidade de imersão em solução de AIB; O uso do substrato vermiculita expandida de granulometria média associada à fibra de coco, é aconselhável. (SOMMER, 2015)

44 Amoreira-preta em sistema de cultivo sem solo (SOMMER, 2015)

45 Framboeseira em sistema de cultivo sem solo (SOMMER, 2015)

46 Estabelecimento in vitro de framboeseira (FAGUNDES, 2014)

47 Estabelecimento in vitro de framboeseira Explantes de framboeseira inoculados in vitro, em estágio de oxidação, contaminação fúngica, contaminação bacteriana, sobrevivente e estabelecido. (FAGUNDES, 2016). Explantes sobreviventes de framboeseira Golden Bliss, Polana, Schönemann e Bababerry, após 45 dias de inoculação em meio de cultura contendo 4 g L -1 de carvão ativado. (FAGUNDES, 2016).

48 Considerações finais A manutenção de jardins clonais em sistemas de cultivo sem solo é uma alternativa promissora, aumenta a qualidade e a produtividade de mudas, à longo prazo, pode reduzir os custos de produção.

49 Agradecimentos

50 Tecnologias para produção de mudas de pequenas frutas e frutas nativas Márcia Wulff Schuch

SUBSTRATOS ALTERNATIVOS AO ÁGAR NO ENRAIZAMENTO IN VITRO DE FRAMBOESEIRA E AMOREIRA-PRETA

SUBSTRATOS ALTERNATIVOS AO ÁGAR NO ENRAIZAMENTO IN VITRO DE FRAMBOESEIRA E AMOREIRA-PRETA SUBSTRATOS ALTERNATIVOS AO ÁGAR NO ENRAIZAMENTO IN VITRO DE FRAMBOESEIRA E AMOREIRA-PRETA Juliana Padilha da Silva 1 ; Mariana Larrondo Bicca 1 ; Laura Reisdörfer Sommer 1 ; Zeni Fonseca Pinto Tomaz 1

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA Propagação vegetativa em espécies florestais: Enxertia Estaquia Microestaquia Enxertia União de partes de uma planta em outra, de forma que as duas partes de plantas diferentes passem

Leia mais

Microjardim clonal de mirtileiro em sistemas de cultivo sem solo 1

Microjardim clonal de mirtileiro em sistemas de cultivo sem solo 1 1037 http://dx.doi.org/10.1590/0100-2945-240/14 Microjardim clonal de mirtileiro em sistemas de cultivo sem solo 1 LUANA BORGES AFFONSO 2, Roberta Marins Nogueira Peil 3, Márcia Wulff Schuch 4, Thaís Helena

Leia mais

PRODUÇÃO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS EM JARDIM CLONAL E VIGOR E SOBREVIVÊNCIA DAS MINICEPAS E MICROCEPAS DE ERVA-MATE 1

PRODUÇÃO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS EM JARDIM CLONAL E VIGOR E SOBREVIVÊNCIA DAS MINICEPAS E MICROCEPAS DE ERVA-MATE 1 PRODUÇÃO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS EM JARDIM CLONAL E VIGOR E SOBREVIVÊNCIA DAS MINICEPAS E MICROCEPAS DE ERVA-MATE 1 QUADROS, Kenia Michele de 2 ; COMIRAN, Mariane 3 ; BISOGNIN, Dilson Antônio 4 ;

Leia mais

CRESCIMENTO E CONTEÚDO DE NUTRIENTES MINERAIS EM MUDAS DE MIRTILEIRO EM SISTEMA CONVENCIONAL E SEMI-HIDROPÔNICO 1

CRESCIMENTO E CONTEÚDO DE NUTRIENTES MINERAIS EM MUDAS DE MIRTILEIRO EM SISTEMA CONVENCIONAL E SEMI-HIDROPÔNICO 1 CRESCIMENTO E CONTEÚDO DE NUTRIENTES MINERAIS EM MUDAS DE MIRTILEIRO EM SISTEMA CONVENCIONAL E SEMI-HIDROPÔNICO 1 DANIELE CAMARGO NASCIMENTO 2, MÁRCIA WULFF SCHUCH 3, ROBERTA MARINS NOGUEIRA PEIL 4 RESUMO

Leia mais

ENXERTIA DE PLANTAS FRUTÍFERAS

ENXERTIA DE PLANTAS FRUTÍFERAS ENXERTIA DE PLANTAS FRUTÍFERAS Prof. Angelo P. Jacomino Fruticultura - LPV 0448 2017 1 - Introdução Multiplicação Sexuada X Assexuada SEXUADA: - Facilidade; - Baixo custo. ASSEXUADA: - Características

Leia mais

Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB Mariana Almeida Franca. Curitiba: f. il.

Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB Mariana Almeida Franca. Curitiba: f. il. F814 Franca, Mariana Almeida Micropropagação de cana-de-açúcar cultivar RB966928. Mariana Almeida Franca. Curitiba: 2016. 64 f. il. Orientador: João Carlos Bespalhok Filho Dissertação (Mestrado) Universidade

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES DOSES DE AIB PLANTADAS EM TUBETE

SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES DOSES DE AIB PLANTADAS EM TUBETE 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA Ivar Wendling 1 A propagação vegetativa consiste em multiplicar assexuadamente partes de plantas (células, tecidos, órgãos ou propágulos), originando indivíduos geralmente idênticos

Leia mais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais PROPAGAÇÃO Ação de multiplicar ou dar continuidade a uma forma de vida, permitindo o cultivo e a preservação de espécies importância estabelecimento dos cultivos e hortos garantia da identidade das espécies

Leia mais

ENRAIZAMENTO IN VITRO E ACLIMATIZAÇAO EM VERMICULITA DE PIMENTA- DO-REINO (Piper nigrum L.)

ENRAIZAMENTO IN VITRO E ACLIMATIZAÇAO EM VERMICULITA DE PIMENTA- DO-REINO (Piper nigrum L.) ENRAIZAMENTO IN VITRO E ACLIMATIZAÇAO EM VERMICULITA DE PIMENTA- DO-REINO (Piper nigrum L.) AMARAL, Leila Márcia Souza ; LEMOS, Oriel Filgueira de ; MELO, Elane Cristina Amoras, ALVES, Sérgio Augusto Oliveira,

Leia mais

INSTALAÇÃO E MANEJO DE MINIJARDIM E MICROJARDIM CLONAL DE ERVA-MATE EM SISTEMA DE CULTIVO SEM SOLO 1

INSTALAÇÃO E MANEJO DE MINIJARDIM E MICROJARDIM CLONAL DE ERVA-MATE EM SISTEMA DE CULTIVO SEM SOLO 1 INSTALAÇÃO E MANEJO DE MINIJARDIM E MICROJARDIM CLONAL DE ERVA-MATE EM SISTEMA DE CULTIVO SEM SOLO 1 QUADROS, Kenia Michele de 2 ; COMIRAN, Mariane 3 ; BISOGNIN, Dilson Antônio 4 ; FISCHER, Hardi 5 ; RAUBER,

Leia mais

Jana Koefender, Juliane Nicolodi Camera, Diego Pascoal Golle, Roberta Cattaneo Horn, Péricles Dalazeri Junho de 2017.

Jana Koefender, Juliane Nicolodi Camera, Diego Pascoal Golle, Roberta Cattaneo Horn, Péricles Dalazeri Junho de 2017. CIRCULAR TÉCNICA Cultura da mandioca Jana Koefender, Juliane Nicolodi Camera, Diego Pascoal Golle, Roberta Cattaneo Horn, Péricles Dalazeri Junho de 2017. C496 Circular Técnica: propagação rápida de mandioca

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ABACATEIRO (Persea sp.), POR ESTAQUIA(1)

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ABACATEIRO (Persea sp.), POR ESTAQUIA(1) PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ABACATEIRO (Persea sp.), POR ESTAQUIA(1) Samar Velho da Silveira(2) Paulo Vítor Dutra de Souza(3) Otto Carlos KoIler(4) (1) Estudo financiado pela FINEP. (2) Eng. Agr., aluno do

Leia mais

AULA 4. Auxinas. Rejuvenescimento Formas de Aplicação Substratos Condições do ambiente de enraizamento Casa de vegetação

AULA 4. Auxinas. Rejuvenescimento Formas de Aplicação Substratos Condições do ambiente de enraizamento Casa de vegetação AULA 4 Auxinas Rejuvenescimento Formas de Aplicação Substratos Condições do ambiente de enraizamento Casa de vegetação Katia Christina Zuffellato-Ribas REJUVENESCIMENTO JUVENILIDADE (REVERSÃO DA MATURIDADE

Leia mais

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo

Título da Pesquisa: Palavras-chave: Campus: Tipo Bolsa Financiador Bolsista (as): Professor Orientador: Área de Conhecimento: Resumo Título da Pesquisa: Produção de mudas de figo em hidroponia Palavras-chave: Fruticultura, Estacas, Enraizamento, Propagação. Campus: Bambuí Tipo de Bolsa: PIBITI Financiador: CNPq Bolsista (as): William

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS José Amarildo da Fonseca jafonsec@esalq.usp.br Objetivos Quantidade Custo Qualidade Prazo Histórico Histórico Histórico Produção de Mudas Florestais Objetivo (demanda) Tipos

Leia mais

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental

Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Anais do Seminário de Bolsistas de Pós-Graduação da Embrapa Amazônia Ocidental Propagação Vegetativa de Piper hispidum Sw.

Leia mais

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB

ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB ENRAIZAMENTO DE ESTACAS SEMI-LENHOSAS DE CEREJEIRA-DO-RIO- GRANDE (EUGENIA INVOLUCRATA DC.) TRATADAS COM ANTIOXIDANTE, FLOROGLUCINOL E AIB Rafaelle da Silva Soares 1 ; Leonardo Cury da Silva 2 ; Paulo

Leia mais

DINÂMICA DO ENRAIZAMENTO DE MICROESTACAS E MINIESTACAS DE CLONES DE Eucalyptus grandis 1

DINÂMICA DO ENRAIZAMENTO DE MICROESTACAS E MINIESTACAS DE CLONES DE Eucalyptus grandis 1 Dinâmica do Enraizamento de estacas e estacas... DINÂMICA DO EAIZAMENTO DE MICROESTACAS E MINIESTACAS DE CLONES DE Eucalyptus grandis Miranda Titon, Aloisio Xavier e Wagner Campos Otoni RESUMO - O presente

Leia mais

EFEITO DA BENZILAMINOPURINA (BAP) NA MICROPROPAGAÇÃO DA VARIEDADE CURIMENZINHA (BGM 611) DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz)

EFEITO DA BENZILAMINOPURINA (BAP) NA MICROPROPAGAÇÃO DA VARIEDADE CURIMENZINHA (BGM 611) DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) EFEITO DA BENZILAMINOPURINA (BAP) NA MICROPROPAGAÇÃO DA VARIEDADE CURIMENZINHA (BGM 611) DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) Mariane de Jesus da Silva de Carvalho 1, Antônio da Silva Souza 2, Karen

Leia mais

Comunicado 133 Técnico ISSN Dezembro, 2005 Pelotas, RS

Comunicado 133 Técnico ISSN Dezembro, 2005 Pelotas, RS Comunicado 33 Técnico ISSN 506-985 Dezembro, 2005 Pelotas, RS Enraizamento de estacas de mirtilo provenientes de ramos lenhosos. Ângela Diniz Campos, Luis Eduardo Corrêa Antunes; Alexandre Couto Rodrigues2;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-graduação em Agronomia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-graduação em Agronomia 12 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-graduação em Agronomia Tese Propagação de mirtileiro através de micro e miniestaquia Tânia Regina Pelizza Pelotas, 2009. Tânia Regina Pelizza Propagação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS unesp DISCIPLINA: TEMA: AUTORES: EDIÇÃO: 03 UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS Departamento de Produção Vegetal Silvicultura Produção de Mudas Florestais

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP HISTÓRIA DA PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA - Método de estaquia - Europa: filoxera (praga do

Leia mais

Aclimatização de Mudas de Flores. Prof. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues LPV ESALQ - USP

Aclimatização de Mudas de Flores. Prof. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues LPV ESALQ - USP Aclimatização de Mudas de Flores Prof. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues LPV ESALQ - USP Produção em grande escala, pequeno espaço, durante o ano todo Cultivo in vitro Propagação de espécies de difícil propagação

Leia mais

Qualidade de luz e fitorreguladores na multiplicação e enraizamento in vitro da amoreira-preta Xavante

Qualidade de luz e fitorreguladores na multiplicação e enraizamento in vitro da amoreira-preta Xavante Ciência 1392 Rural, Santa Maria, v.42, n.8, p.1392-1396, ago, 2012 Pasa et al. ISSN 0103-8478 Qualidade de luz e fitorreguladores na multiplicação e enraizamento in vitro da amoreira-preta Xavante Light

Leia mais

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS A AMPLIAÇÃO DOS CULTIVOS CLONAIS E DA DEMANDA POR MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS IvarWendling Engenheiro Florestal Pesquisador da Embrapa Florestas Chefede P&D Santa Maria, 27/05/2011 SUMÁRIO -A Embrapa

Leia mais

Palavras-chave: Eucalyptus sp., fósforo-agrícola. enraizamento. substrato, miniestaquia.

Palavras-chave: Eucalyptus sp., fósforo-agrícola. enraizamento. substrato, miniestaquia. PRUDUÇÃO INICIAL DE MUDAS CLONADAS DE EUCALIPTO Mennes Vieira da Silva 1 ; Wilson Itamar Maruyama 2 1 Bolsista UEMS UEMS/UUC; E-mail: mennesvs@yahoo.com.br 2 Professor Orientador UEMS/UUC; E-mail: wilsonmaruyama@yahoo.com.br

Leia mais

USO DE AIB EM ESTACAS DE HIBISCO (Hibiscus rosa-sinensis L.) UTILIZANDO DIFERENTES RECIPIENTES

USO DE AIB EM ESTACAS DE HIBISCO (Hibiscus rosa-sinensis L.) UTILIZANDO DIFERENTES RECIPIENTES USO DE AIB EM ESTACAS DE HIBISCO (Hibiscus rosa-sinensis L.) UTILIZANDO DIFERENTES RECIPIENTES Ariana V. SILVA 1 ; Juliano F. RANGEL 2 ; Otavio D. GIUNTI 3 ; Amanda MORAES 4 ; Amanda P. HONÓRIO 5 ; Victor

Leia mais

Produção de Mudas de Abacaxizeiro Pérola Utilizando a Técnica do Estiolamento In Vitro

Produção de Mudas de Abacaxizeiro Pérola Utilizando a Técnica do Estiolamento In Vitro 61 Produção de Mudas de Abacaxizeiro Pérola Utilizando a Técnica do Estiolamento In Vitro Aparecida Gomes de Araujo¹, Milena M. de J. Ribeiro 2, Zilna B. de R. Quirino 3, Ana da S. Lédo 4, Jaci L. Vilanova-Neta

Leia mais

ESTABELECIMENTO IN VITRO

ESTABELECIMENTO IN VITRO ESTABELECIMENTO IN VITRO DE CANA-DE-AÇÚCAR. Paulo Sérgio Gomes da Rocha 1 ; Antonio Sergio do Amaral 1 ; Amito José Teixeira 1, Mayara Luana Coser Zonin 2 ; Sergio Delmar dos Anjos 3. INTRODUÇÃO O estabelecimento

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA João Paulo Tadeu Dias 1 ; Elizabeth Orika Ono 2 A cultura da amoreira-preta (Rubus sp.) surge como opção para a diversificação do cultivo de frutas, pois apresenta rusticidade

Leia mais

Floricultura e Plantas Ornamentais

Floricultura e Plantas Ornamentais Métodos de Propagação em Ornamentais: TRADICIONAL Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues MÉTODOS PROPAGATIVOS VEGETATIVOS: ENXERTIA, ESTAQUIA, MERGULHIA E ALPORQUIA. Vantagens:

Leia mais

20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental ANAIS. 21 a 23 de setembro

20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação da Embrapa Amazônia Oriental ANAIS. 21 a 23 de setembro 20º Seminário de Iniciação Científica e 4º Seminário de Pós-graduação ANAIS 21 a 23 de setembro 2016 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB)

PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO (AIB) ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROPAGAÇÃO DE ESTACAS DE AMOREIRA UTILIZANDO DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO

Leia mais

Presença de folhas no enraizamento de estacas de amoreira-preta

Presença de folhas no enraizamento de estacas de amoreira-preta Ciência Rural, Santa Maria, v.44, n.3, Presença p.467-472, de mar, folhas 2014 no enraizamento de estacas de amoreira-preta. ISSN 0103-8478 467 Presença de folhas no enraizamento de estacas de amoreira-preta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Agronomia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Agronomia UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Agronomia Tese Multiplicação de mirtileiro (Vaccinium spp.) por estaquia Nara Cristina Ristow Pelotas, 2009 Nara Cristina Ristow Engenheira

Leia mais

Bragantia ISSN: Instituto Agronômico de Campinas Brasil

Bragantia ISSN: Instituto Agronômico de Campinas Brasil Bragantia ISSN: 0006-8705 editor@iac.sp.gov.br Instituto Agronômico de Campinas Brasil Pelizza, Tânia Regina; Damiani, Cláudia Roberta; Rufato, Andrea de Rossi; Kulkamp de Souza, André Luiz; de Farias

Leia mais

MICROESTAQUIA SERIADA IN VITRO DE ERVA-MATE 1

MICROESTAQUIA SERIADA IN VITRO DE ERVA-MATE 1 MICROESTAQUIA SERIADA IN VITRO DE ERVA-MATE 1 COMIRAN, Mariane 2 ; QUADROS, Kenia Michele de 3 ;BISOGNIN, Dilson Antônio 4 ; FISCHER, Hardi 5 ;RAUBER, Marcelo 6 ;PIMENTEL, Nathália 7 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Agronomia

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Agronomia IDADE ONTOGENÉTICA, TAMANHO DE ESTACA E CONCENTRAÇÃO DE ÁCIDO-INDOL- BUTÍRICO NA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA POR ESTAQUIA DE JABUTICABEIRA Darcieli Aparecida Cassol 1 *, Américo Wagner Júnior 2, Kelli Pirola

Leia mais

Resumo Expandido. Resumo:

Resumo Expandido. Resumo: Resumo Expandido Título da Pesquisa: Avaliação de diferentes enraizadores em mini estacas de clones de Eucalyptus urophylla no período de inverno. Palavras-chave: Enraizadores alternativos; Clonagem; Eucalyptus

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO E ACLIMATAÇÃO DE PLÂNTULAS DE MORANGUEIRO. Palavras chaves: Micropropagação. Isolamento de meristema. Explante. Mudas sadias.

MICROPROPAGAÇÃO E ACLIMATAÇÃO DE PLÂNTULAS DE MORANGUEIRO. Palavras chaves: Micropropagação. Isolamento de meristema. Explante. Mudas sadias. MICROPROPAGAÇÃO E ACLIMATAÇÃO DE PLÂNTULAS DE MORANGUEIRO Tamires Oviedo 1, Fabiana Raquel Mühl 2, Neuri Antonio Feldmann 3, Anderson Rhoden 3 Palavras chaves: Micropropagação. Isolamento de meristema.

Leia mais

Melhoramento de. vegetativa

Melhoramento de. vegetativa Aula 05 Melhoramento de espécies de propagação vegetativa Introdução Em espécies em que existe uma variabilidade intra e interespecífica como: produção de biomassa, taxa de crescimento, resistência a geadas

Leia mais

Comunicado Técnico. Estaquia e miniestaquia de Araucaria angustifolia para produção de madeira 1

Comunicado Técnico. Estaquia e miniestaquia de Araucaria angustifolia para produção de madeira 1 Comunicado Técnico Maio, 350 ISSN 1980-3982 Colombo, PR 2015 Estaquia e miniestaquia de Araucaria angustifolia para produção de madeira 1 Ivar Wendling 2 A silvicultura clonal brasileira, centrada basicamente

Leia mais

Produção de plantas para arborização urbana. Hoje O EMPREGO DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS O EMPREGO DE SUBSTRATO

Produção de plantas para arborização urbana. Hoje O EMPREGO DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS O EMPREGO DE SUBSTRATO X CBAU - 5 a 8 de novembro de 2006 Maringá / PR Oficina: O EMPREGO DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS O EMPREGO DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS PARA ARBORIZAÇÃO URBANA Atelene N. Kämpf http://chasqueweb.ufrgs.br/~atelene.kampf

Leia mais

FORMAÇÃO E MANEJO DE MINI JARDIM CLONAL

FORMAÇÃO E MANEJO DE MINI JARDIM CLONAL FORMAÇÃO E MANEJO DE MINI JARDIM CLONAL O que é clonagem? Os clones são formados através de melhoramento genético e diversos testes realizado a campo ao longo de anos. O que é Mini Jardim Clonal? Anos

Leia mais

Micropropagação de framboeseira em diferentes concentrações de ferro - NOTA -

Micropropagação de framboeseira em diferentes concentrações de ferro - NOTA - Ciência 2598 Rural, Santa Maria, v.40, n.12, p.2598-2602, dez, Oliveira 2010 et al. ISSN 0103-8478 Micropropagação de framboeseira em diferentes concentrações de ferro Adjustment of the iron concentration

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE IMERSÃO TEMPORÁRIA (SIT) NA MICROPROPAGAÇÃO DA BATATA-DOCE

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE IMERSÃO TEMPORÁRIA (SIT) NA MICROPROPAGAÇÃO DA BATATA-DOCE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE IMERSÃO TEMPORÁRIA (SIT) NA MICROPROPAGAÇÃO DA BATATA-DOCE Palestrante: Manoel Urbano Ferreira Júnior Engº Agrônomo MSc Fisiologia Vegetal IPA - 80 anos semeando conhecimento CULTURA

Leia mais

Propagação vegetativa de plantas medicinais

Propagação vegetativa de plantas medicinais Propagação vegetativa de plantas medicinais Leila Francisca Campos 1, Joseane Ferreira Turchet 2, José Emílio Zanzirolani de Oliveira 3 1. Bolsista, estudante de Agronomia do IF Câmpus Barbacena; 2. Voluntária,

Leia mais

V ENCONTRO NACIONAL SOBRE SUBSTRATO PARA PLANTAS Irrigação e Fertirrigação em ambientes protegidos Ilhéus,Bahia,12 a 15 de setembro de 2006

V ENCONTRO NACIONAL SOBRE SUBSTRATO PARA PLANTAS Irrigação e Fertirrigação em ambientes protegidos Ilhéus,Bahia,12 a 15 de setembro de 2006 V ENCONTRO NACIONAL SOBRE SUBSTRATO PARA PLANTAS Irrigação e Fertirrigação em ambientes protegidos Ilhéus,Bahia,12 a 15 de setembro de 2006 PRODUÇÃO DE MUDAS CITRICAS EM SUBSTRATO NO ESTADO DE SP: Um exemplo

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

EFEITO DO HIDROGEL EM DIFERENTES SUBSTRATOS NO ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS DE Eucalyptus

EFEITO DO HIDROGEL EM DIFERENTES SUBSTRATOS NO ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS DE Eucalyptus EFEITO DO HIDROGEL EM DIFERENTES SUBSTRATOS NO ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS DE Eucalyptus Yolanda Xavier da Cruz Neres (1) ; Glauce Taís de Oliveira Sousa Azevedo (2) ; Anderson Marcos de Souza (3) ; Gileno

Leia mais

MICROPROPAGAÇÃO COMO SCHUCH, TÉCNICA M. W. et DE al. REJUVENESCIMENTO EM MIRTILO (Vaccinium ashei Reade) CULTIVAR CLIMAX

MICROPROPAGAÇÃO COMO SCHUCH, TÉCNICA M. W. et DE al. REJUVENESCIMENTO EM MIRTILO (Vaccinium ashei Reade) CULTIVAR CLIMAX 814 MICROPROPAGAÇÃO COMO SCHUCH, TÉCNICA M. W. et DE al. REJUVENESCIMENTO EM MIRTILO (Vaccinium ashei Reade) CULTIVAR CLIMAX Micropropagation as a rejuvenation technique in rabbiteye blueberry (Vaccinium

Leia mais

2 Eng. Agr.Dr.ª, INTEC/URCAMP, Bagé, RS; 3 Bióloga, Mestranda em Fruticultura de Clima Temperado, UFPEL.

2 Eng. Agr.Dr.ª, INTEC/URCAMP, Bagé, RS; 3 Bióloga, Mestranda em Fruticultura de Clima Temperado, UFPEL. ACLIMATAÇÃO DE MUDAS DE MORANGUEIRO (FRAGARIA X ANANASSA DUCH.) CV. OSO GRANDE PROVENIENTES DA MICROPROPAGAÇÃO IN VITRO EM DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE BENZILAMINOPURINA (BAP) E SUBSTRATOS PORTELA, Isabelita

Leia mais

Termos para indexação: Passiflora spp., propagação, produção de mudas, estaquia, hormônio.

Termos para indexação: Passiflora spp., propagação, produção de mudas, estaquia, hormônio. ENRAIZAMENTO DE ESPÉCIES SILVESTRES DE MARACUJÁ UTILIZANDO CINCO DOSES DE REGULADOR DE CRESCIMENTO AIB (ácido indolbutírico). Carolina de Faria Vaz 1 ; Marcelo Fideles Braga 1 ; Nilton Tadeu Vilela Junqueira

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística RELATÓRIO PARCIAL Analise Estatística ASSUNTO: Experimento Gel Estagiário: Elbert Viana Ferreira Junior Supervisor : Fausto Hissashi Takizawa Projeto Mutum Data: 09/2008 1 - APRESENTAÇÃO: Neste documento

Leia mais

SUBSTRATOS PARA O ENRAIZAMENTO DE MICROESTACAS DE MIRTILEIRO CULTIVAR GEORGIAGEM 1

SUBSTRATOS PARA O ENRAIZAMENTO DE MICROESTACAS DE MIRTILEIRO CULTIVAR GEORGIAGEM 1 262 SUBSTRATOS PARA O ENRAIZAMENTO DE MICROESTACAS DE MIRTILEIRO CULTIVAR GEORGIAGEM 1 NARA CRISTINA RISTOW 2, LUIS EDUARDO CORRÊA ANTUNES 3, SÍLVIA CARPENEDO 4 RESUMO - O objetivo do trabalho foi verificar

Leia mais

DIFERENTES MÉTODOS DE CULTIVO HIDROPÔNICOS E SEUS MANEJOS

DIFERENTES MÉTODOS DE CULTIVO HIDROPÔNICOS E SEUS MANEJOS DIFERENTES MÉTODOS DE CULTIVO HIDROPÔNICOS E SEUS MANEJOS Paulo Cesar de Almeida Técnico em Agropecuária CREA MG 26.995/TD PATROCINIO-MG DEFINIÇÃO DE CULTIVO HIDROPONICO O sistema de cultivo em que as

Leia mais

PERSPECTIVAS DO USO DE HÍBRIDOS ENTRE ESPÉCIES DO GÊNERO Corymbia.

PERSPECTIVAS DO USO DE HÍBRIDOS ENTRE ESPÉCIES DO GÊNERO Corymbia. PERSPECTIVAS DO USO DE HÍBRIDOS ENTRE ESPÉCIES DO GÊNERO Corymbia. Corymbia e Eucalyptus E. tesselaris, E. papuana E. citriodora, E. torelliana, E. maculata E. miniata, E. phoenicia, E. bayleiana E. deglupta,

Leia mais

AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas

AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas PROPAGAÇÃO ASSEXUADA (VEGETATIVA) MICROPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO

Leia mais

EFEITO DO AIB NO ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS DE CLONES DE Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden 1

EFEITO DO AIB NO ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS DE CLONES DE Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden 1 Trab-78- (7 páginas) PROVA GRÁFICA Efeito do AIB no Enraizamento de Miniestacas e Microestacas... EFEITO DO AIB NO ENRAIZAMENTO DE MINIESTACAS E MICROESTACAS DE CLONES DE Eucalyptus grandis W. Hill ex

Leia mais

PODA E CONDUÇÃO DA FIGUEIRA

PODA E CONDUÇÃO DA FIGUEIRA PODA E CONDUÇÃO DA FIGUEIRA Nilton Nagib Jorge Chalfun 1 Enilson Abrahão 2 Ângelo Albérico Alvarenga 3 Murilo Albuquerque Regina 4 Rafael Pio 5 1 INTRODUÇÃO A figueira é uma frutífera com grande expansão

Leia mais

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL Daiane Silva Lattuada 1 ; Paulo Vitor Dutra de Souza 2 ; Mateus Pereira Gonzatto 1 ; Sérgio Francisco Schwarz 2 1 Eng. Agrônomo, mestrando no

Leia mais

Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim).

Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim). Reprodução REPRODUÇÃO ASSEXUADA Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim). Essa planta se dissemina com muita rapidez, e isso é devido ao seu tipo de reprodução. A reprodução

Leia mais

Analista da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Caixa Postal 007, , Cruz das Almas, BA. 2

Analista da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Caixa Postal 007, , Cruz das Almas, BA.   2 ANÁLISE COMPORTAMENTAL DE UM ACESSO DE MANDIOCA (Manihot esculenta Crantz) EM RELAÇÃO A DOIS TIPOS DE MEIO DE CULTURA E DOSES DE UM FERTILIZANTE SOLÚVEL COMERCIAL Karen Cristina Fialho dos Santos 1, Antônio

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

CRESCIMENTO in vitro DE PLÂNTULAS DE ORQUÍDEAS SUBMETIDAS A DIFERENTES PROFUNDIDADES DE INOCULAÇÃO E CONSISTÊNCIA DO MEIO DE CULTURA

CRESCIMENTO in vitro DE PLÂNTULAS DE ORQUÍDEAS SUBMETIDAS A DIFERENTES PROFUNDIDADES DE INOCULAÇÃO E CONSISTÊNCIA DO MEIO DE CULTURA CRESCIMENTO in vitro DE PLÂNTULAS DE ORQUÍDEAS SUBMETIDAS A DIFERENTES PROFUNDIDADES DE INOCULAÇÃO E CONSISTÊNCIA DO MEIO DE CULTURA Jéssica A. BATISTA 1; Priscila P. BOTREL 2 ; Felipe C. FIGUEIREDO 3

Leia mais

Multiplicação de plantas. Aspectos teóricos da propagação de plantas PARTE 1. Multiplicação de plantas. Ciclo sexuado. Composição da semente

Multiplicação de plantas. Aspectos teóricos da propagação de plantas PARTE 1. Multiplicação de plantas. Ciclo sexuado. Composição da semente Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP LPV 0448 - Fruticultura Multiplicação de plantas Para se perpetuarem as espécies se multiplicam: Aspectos teóricos da

Leia mais

Curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 8

Curso de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria, RS, Brasil 8 PROPAGAÇÃO DE DOIS TIPOS DE ESTACAS HERBÁCEAS DO PORTA- ENXERTO DE VIDEIRA PAULSEN 1103 SUBMETIDAS A DIFERENTES CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDÓLBUTÍRICO. 1 HAMANN, Jonas Janner 2 ; FRONZA, Diniz 3 ; MEYER,

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Florestas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Florestas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1679-2599 Agosto, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Florestas Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 94 Propagação Vegetativa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO STIMULATE SOBRE MUDAS DE CAFÉ EM DOIS MODOS DE APLICAÇÃO. Vantuir A. Silva; J.B. Matiello; Fernanda B. Bento.

AVALIAÇÃO DO EFEITO DO STIMULATE SOBRE MUDAS DE CAFÉ EM DOIS MODOS DE APLICAÇÃO. Vantuir A. Silva; J.B. Matiello; Fernanda B. Bento. AVALIAÇÃO DO EFEITO DO STIMULATE SOBRE MUDAS DE CAFÉ EM DOIS MODOS DE APLICAÇÃO Vantuir A. Silva; J.B. Matiello; Fernanda B. Bento. INTRODUÇÃO O balanço hormonal das plantas está intimamente ligado aos

Leia mais

Anexo I. Área do Conhecimento: Fitomelhoramento: Programa:

Anexo I. Área do Conhecimento: Fitomelhoramento: Programa: Área do Conhecimento: Fitomelhoramento: Programa: Anexo I I-Leis de Mendel; II-Sistemas Reprodutivos; III-Seleção Assistida por Marcadores; IV-Princípios de Genética Quantitativa (ação gênica, herdabilidade);

Leia mais

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO

PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA 15/01/2007 COORDENADORIA DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FITOTECNIA Km 47 da BR 110 Bairro Presidente Costa e Silva CEP: 59625-900 C. postal 137 Telefone (084)3315.1796

Leia mais

ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA

ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA ESTUDO DE DIFERENTES MÉTODOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE EUCALIPTO (Eucalyptus benthamii Maiden & Cambage) VIA PROPAGAÇÃO ASSEXUAL POR ESTAQUIA Matheus Collet Tambosi 2, Cristiano Reschke Lajús 1, Ernandes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Agronomia. Dissertação. Propagação assexuada de araçazeiro.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Agronomia. Dissertação. Propagação assexuada de araçazeiro. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Programa de Pós-Graduação em Agronomia Dissertação Propagação assexuada de araçazeiro. Luana Borges Affonso Pelotas, 2011 Luana Borges Affonso Propagação assexuada de araçazeiro.

Leia mais

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS SECREATARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO AMAZONAS E INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba

Leia mais

CLONAGEM VEGETAL. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Pernambuco. 2

CLONAGEM VEGETAL. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, Pernambuco. 2 CLONAGEM VEGETAL Cl á u d i a Ul i s s e s 1 Lilia Wi l l a d i n o 1,2 Cy n t h i a Ca v a l c a n t i d e Al b u q u e r q u e 3 Te r e z i n h a Ra n g e l Câ m a r a 1 1 Universidade Federal Rural

Leia mais

MEIO DE CULTURA, CONCENTRAÇÃO DE AIB E TEMPO DE CULTIVO NO ENRAIZAMENTO IN VITRO DE AMOREIRA-PRETA E FRAMBOESEIRA 1

MEIO DE CULTURA, CONCENTRAÇÃO DE AIB E TEMPO DE CULTIVO NO ENRAIZAMENTO IN VITRO DE AMOREIRA-PRETA E FRAMBOESEIRA 1 582 COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA MEIO DE CULTURA, CONCENTRAÇÃO DE AIB E TEMPO DE CULTIVO NO ENRAIZAMENTO IN VITRO DE AMOREIRA-PRETA E FRAMBOESEIRA 1 LUCIANE NOLASCO LEITZKE 2, CLÁUDIA ROBERTA DAMIANI 3, MÁRCIA

Leia mais

Protocolo de Micropropagação de Cana-de-açúcar

Protocolo de Micropropagação de Cana-de-açúcar ISSN 1516-8832 Protocolo de Micropropagação de Cana-de-açúcar 128 Introdução A cana-de-açúcar (Saccharum officinarum L.) tem grande importância econômica na agricultura no Brasil e, mais recentemente,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS

AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS Francisco Pinheiro de Araújo Carlos Antonio F.Santos Everaldo Rocha Porto Embrapa Semi-Árido

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES CULTIVOS CONSORCIADOS 08/04/2013

RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES CULTIVOS CONSORCIADOS 08/04/2013 RECOMENDAÇÃO DE CULTIVARES CULTIVOS CONSORCIADOS GLUPOS GÊNICOS GLUPOS GÊNICOS 1 2 3 4 5 Estima-se que mais de 50% do feijão produzido no estado de MG provém do cultivo consorciado. CULTIVOS CONSORCIADOS

Leia mais

Produção de mudas de mirtilo através de estacas lenhosas, semilenhosas e miniestacas

Produção de mudas de mirtilo através de estacas lenhosas, semilenhosas e miniestacas UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO FRUTICULTURA DE CLIMA TEMPERADO Dissertação Produção de mudas de mirtilo

Leia mais

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas

Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Produção de mudas de hortelã (Mentha arvensis L.) em função de tipos e idade de estacas Magda Araújo Brito 1 ; Valéria Gomes Momenté²; Ildon Rodrigues do Nascimento 3 1 Aluna do Curso de Engenharia de

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE CEDRO-ROSA POR MINIESTAQUIA 1

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE CEDRO-ROSA POR MINIESTAQUIA 1 Trab-7- (5 páginas) Propagação Vegetativa de Cedro-Rosa por Miniestaquia 39 PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE CEDRO-ROSA POR MINIESTAQUIA Aloisio Xavier, Glêison Augusto dos Santos, Ivar Wendling e Marcelo Lelis

Leia mais

ANEXO I. NORMAS PARA A PRODUÇÃO DE SEMENTES E DE MUDAS DE SERINGUEIRA (Hevea spp.) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ANEXO I. NORMAS PARA A PRODUÇÃO DE SEMENTES E DE MUDAS DE SERINGUEIRA (Hevea spp.) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANEXO I NORMAS PARA A PRODUÇÃO DE SEMENTES E DE MUDAS DE SERINGUEIRA (Hevea spp.) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o As Normas de que trata este Anexo têm como objetivo estabelecer as exigências

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO. Título do Trabalho: Enraizamento de estacas de frutíferas temperadas e tropicais de interesse econômico.

INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO. Título do Trabalho: Enraizamento de estacas de frutíferas temperadas e tropicais de interesse econômico. INFORMAÇÕES GERAIS DO TRABALHO Título do Trabalho: Enraizamento de estacas de frutíferas temperadas e tropicais de interesse econômico. Autor (es): Bruna de Souza Silveira e Ana Cardoso C. F. F. De Paula

Leia mais

Prof. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues CEN-001

Prof. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues CEN-001 Assepsia, estabelecimento e multiplicação in vitro Prof. Paulo Hercilio Viegas Rodrigues CEN-001 Assepsia Material Vegetal: Campo X Viveiro? Assepsia Campo... Está em contato direto com esporos de fungos,

Leia mais

Morfologia e Fisiologia das Plantas Frutíferas

Morfologia e Fisiologia das Plantas Frutíferas Morfologia e Fisiologia das Plantas Frutíferas Sistema Radicular: Raízes Pêlos absorventes Parte Aérea: Tronco Ramos Gemas Folhas Flores Frutas Estrutura Sistema Radicular a) Fixação da planta no solo;

Leia mais

O EMPREGO DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS PARA ARBORIZAÇÃO URBANA

O EMPREGO DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS PARA ARBORIZAÇÃO URBANA O EMPREGO DE SUBSTRATO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS PARA ARBORIZAÇÃO URBANA Atelene N. Kämpf http://chasqueweb.ufrgs.br/~atelene.kampf Porto Alegre, RS A produção de plantas para a arborização urbana, assim

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 7 de setembro a 1 de outubro de 1 TIPO DE RAMO E CONCENTRAÇÕES DE ÁCIDO INDOLBUTÍRICO E STIMULATE NA PROPAGAÇÃO DA LICHIEIRA RESUMO ANA CLAUDIA COSTA 1, JOSÉ DARLAN RAMOS, ANTÔNIO DECARLOS NETO 3, DANIELLA

Leia mais

EXTRATO DE TIRIRICA NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA COLETADAS NO INVERNO RESUMO

EXTRATO DE TIRIRICA NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA COLETADAS NO INVERNO RESUMO 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG EXTRATO DE TIRIRICA NO ENRAIZAMENTO DE ESTACAS DE AZALÉIA COLETADAS NO INVERNO

Leia mais

CRESCIMENTO DE PLANTAS DE MIRTILO A PARTIR DE MUDAS MICROPROPAGADAS 1

CRESCIMENTO DE PLANTAS DE MIRTILO A PARTIR DE MUDAS MICROPROPAGADAS 1 210 CRESCIMENTO DE PLANTAS DE MIRTILO A PARTIR DE MUDAS MICROPROPAGADAS 1 NARA CRISTINA RISTOW 2, LUIS EDUARDO CORRÊA ANTUNES 3, MÁRCIA WULFF SCHUCH 4, RENATO TREVISAN 5, SÍLVIA CARPENEDO 6 RESUMO Mudas

Leia mais

Aula 6 Melhoramento de Espécies com Propagação Assexuada

Aula 6 Melhoramento de Espécies com Propagação Assexuada Aula 6 Melhoramento de Espécies com Propagação Assexuada Prof. Dr. Isaias Olívio Geraldi Piracicaba, 2011 Cronograma de Aula 1. Objetivos do Melhoramento 2. Vantagens do Uso da Propagação Assexuada 3.

Leia mais

MUDAS E VIVEIROS. Aula 02 Mudas e viveiros

MUDAS E VIVEIROS. Aula 02 Mudas e viveiros MUDAS E VIVEIROS 1 1. DEFINIÇÃO: MUDA - estrutura vegetal de qualquer espécie ou cultivar, proveniente de reprodução sexuada ou assexuada convenientemente produzida e que tenha finalidade específica de

Leia mais

Substratos, concentrações de ácido indolbutírico e tipos de miniestacas no enraizamento de melaleuca (Melaleuca alternifolia Cheel)

Substratos, concentrações de ácido indolbutírico e tipos de miniestacas no enraizamento de melaleuca (Melaleuca alternifolia Cheel) 611, concentrações de ácido indolbutírico e tipos de miniestacas no enraizamento de melaleuca (Melaleuca alternifolia Cheel) OLIVEIRA, Y. 1 *; ALCANTARA, G.B. 1 ; GUEDES, I. 1 ; PINTO, F. 1 ; QUOIRIN,

Leia mais

WORKSHOP EMBRAPA - APRE

WORKSHOP EMBRAPA - APRE WORKSHOP EMBRAPA - APRE MANEJO PARA USO MÚLTIPLO A ÁRVORE DE PINUS DO FUTURO Vinicius de Moura Santos Engº de Pesquisa e Desenvolvimento ArborGen: Líder em melhoramento genético florestal Global HQ Summerville,

Leia mais

Reguladores vegetais no enraizamento de estacas lenhosas da amoreira-preta cv. Xavante

Reguladores vegetais no enraizamento de estacas lenhosas da amoreira-preta cv. Xavante Regulares vegetais no enraizamento de estacas lenhosas da amoreira-preta cv. Xavante Reguladores vegetais no enraizamento de estacas lenhosas da amoreira-preta cv. Xavante Plant regulators for rooting

Leia mais

: ( I ) SOBREVIVÊNCIA DE MINICEPAS E PRODUÇÃO DE MINIESTACAS EM FUNÇÃO DAS COLETAS E ESTAÇÕES DO ANO

: ( I ) SOBREVIVÊNCIA DE MINICEPAS E PRODUÇÃO DE MINIESTACAS EM FUNÇÃO DAS COLETAS E ESTAÇÕES DO ANO Ciência Florestal, Santa Maria, v. 22, n. 1, p. 11-21, jan.-mar., 2012 ISSN 0103-9954 MINIESTAQUIA DE Eucalyptus benthamii Eucalyptus dunnii: ( I ) SOBREVIVÊNCIA DE MINICEPAS E PRODUÇÃO DE MINIESTACAS

Leia mais