PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA"

Transcrição

1 Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP HISTÓRIA DA PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA PRODUÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA - Método de estaquia - Europa: filoxera (praga do sistema radicular Vitis vinifera) - Substituição pelo método da enxertia - Porta-enxertos resistentes: videiras americanas/híbridos - Atualmente: * porta-enxertos: estaquia * enxertia: técnica da garfagem ( fenda cheia ) * mudas prontas Agosto Ripária do Traviú: (V.riparia X (V.rupestris x V.cordifolia)): - Mais difundido em SP (Niagara); - Boa adaptação a diferentes tipos de solos; - Bom enraizamento de estacas, pouco vigor; - Suscetível antracnose PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS 420-A (V.berlandieri X V. riparia): - Vigor médio, produção limitada - Incompatível com Redglobe (muito vigorosa); - Não tolera solos ácidos; PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS - Resistência a filoxera e nematóides IAC 766 Campinas (Ripária do Traviú x V. caribaea): - Vigor médio, bom enraizamento de estacas; - Boa afinidade com Niagara e uvas sem sementes IAC 572 Jales (V.caribaea X (V. ripária x V.rupestris): - Vigoroso, ótimo enraizamento; - Adapta-se bem a diferentes tipos de solos; - Afinidade para Itália e Niagara. Kober 5BB (V.berlandieri X V. riparia): - Vigor médio, - Não tolera solos ácidos; - Resistência a seca - Itália/Rubi/Benitaka/Brasil: engrossamento tronco acima enxertia IAC 313 Tropical (Golia x Vitis cinerea): - Vigoroso, bom enraizamento; PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS - Adapta-se bem a diferentes tipos de solos (ácidos); - Afinidade: Itália, Rubi, Benitaka, Redglobe, IAC Máximo. OBTENÇÃO DOS PORTA-ENXERTOS - Estaquia de ramos lenhosos - Preparo das estacas: * plantas matrizes (selecionadas / livres de vírus) * ramos coletados durante a fase de repouso da planta * maduros (coloração marrom) * cm de comprimento (+/- 3 a 5 gemas, 6 mm de diâmetro) * corte da base (bem próximo a última gema) * corte superior (inclinado e distante da gema)

2 COLETA DAS ESTACAS OBTENÇ OBTENÇÃO DOS PORTAPORTA-ENXERTOS - PLANTAS MATRIZES - MÊS DE JUNHO/JULHO - Ambiente de enraizamento: * canteiros de terra ou areia * diretamente no campo * diretamente em sacos plásticos (substrato) CANTEIROS DE TERRA PARA ENRAIZAR AS ESTACAS Estacas em canteiros (40-60 dias) enterrar 2/3 do seu comprimento ENRAIZAMENTO DOS PORTA-ENXERTOS DIRETO NO CAMPO ENXERTIA DA VARIEDADE COPA - Enxertia de inverno ( seca ): CAMPO * junho a agosto do próximo ano * altura de enxertia: +/- 20 cm * seleciona-se 2/3 brotações vigorosas do p.e. (1 como pulmão ) * garfagem (fenda cheia): garfo com 2 gemas (diâmetro semelhante ao p.e) * amarrio da combinação (fitilho plástico) * cobertura do enxerto com parafilm

3 CORTE DO PORTA-ENXERTO CORTE DO PORTA-ENXERTO CORTE DO ENXERTO (garfo formato de cunha) AMARRIO DA COMPINAÇÃO COPA / P.E (Parafilm) ENXERTIA DA VARIEDADE COPA ENRAIZAMENTO E ENXERTIA DOS PORTA-ENXERTOS EM SACOS PLÁSTICOS - Enxertia de verão ( verde ): CAMPO * 2º semestre * repor as falhas da enxertia seca * substituir a variedade copa * formação do parreiral * garfagem (fenda cheia) * borbulhia em T invertido

4 BROTAÇÃO E CRESCIMENTO DO ENXERTO PLANTIO DAS MUDAS PRONTAS EM CAMPO MUDA PRONTA (levar para campo) Enxertia de mesa: - O garfo da cultivar copa é enxertado numa estaca de porta-enxerto (que pode estar enraizado ou não) sobre uma mesa. Vantagens: - alto rendimento (nº de enxertos/dia) - rapidez na formação das mudas 1. Manejo das plantas matrizes - estacas dos porta-enxertos - borbulhas da variedade copa - monitoramento para controle de viroses, fitossanitário, adubações equilibradas (garantir máximo acúmulo de reservas) Desvantagens: - alto custo da muda PODA PLANTA MATRIZ DO PORTA-ENXERTO 2. Poda e preparo das estacas dos porta-enxertos e copa: - plantas matrizes são podadas no inverno - estacas são levadas para um balcão, cortadas (0,6-1,0 m) e conservadas em câmara fria (45-60 dias) para não brotar.

5 PODA PLANTA MATRIZ DO ENXERTO BROTAÇ BROTAÇÃO DAS PLANTAS MATRIZES PORTAPORTA-ENXERTO (variedade copa) MATERIAL PARA SER PREPARADO GEMAS INCHADAS PLANTAS MATRIZES ENXERTO (COPA) MATERIAL CORTADO É LEVADO PARA CÂMARA FRIA 3. Enxertia - Máquina do tipo Omega

6 PREPARO DO ENXERTO RETIRADA DAS ESTACAS DE PORTAPORTA-ENXERTOS E BORBULHAS (CÂMARA FRIA) MÁQUINA DE ENXERTIA (TIPO OMEGA OMEGA ) PREPARAÇ PREPARAÇÃO PARA ENXERTIA CORTE ENXERTO CORTE PORTAPORTA-ENXERTO

7 JUNÇÃO ENXERTO/PORTA-ENXERTO DEMONSTRAÇÃO DOS CORTES 4. Parafinagem - do enxerto (parafina enriquecida com hormônios e fungicidas) com o objetivo de favorecer a cicatrização e não desidratar 5. Câmara de forçagem (ou de aquecimento) - estacas enxertadas são colocadas em caixas plásticas ou de madeira (ambiente com Tº-30ºC / UR-80%) para facilitar a cicatrização (30-40 dias). COLOCAÇÃO DAS ESTACAS ENXERTADAS EM CANTEIROS PARA ENRAIZAMENTO BROTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENXERTO

8 PRÓXIMO INVERNO RETIRADA DAS MUDAS ENRAIZADAS 6. Tratamento das raízes (fungicida) REDUÇÃO DA PARTE AÉRA A (DEIXANDO 1 GEMA) COMERCIALIZAÇÃO DAS MUDAS EM CAIXAS COMERCIALIZAÇÃO DAS MUDAS EM CAIXAS PLANTIO DAS MUDAS EM CAMPO

9 PortaPorta-enxerto ALICATE DE ENXERTIA (TIPO OMEGA OMEGA ) DISPONÍ DISPONÍVEL NO MERCADO Enxerto CORTE PORTAPORTA-ENXERTO JUNÇ JUNÇÃO ENXERTO/PORTAENXERTO/PORTA-ENXERTO CORTE ENXERTO - ENRAIZAMENTO -TRANSPLANTIO - MUDA PRONTA CONDUÇ CONDUÇÃO DOS PORTAPORTA-ENXERTOS EM SISTEMA MINIMINI-LATADA PRODUÇ PRODUÇÃO DE MUDAS - TECNOLOGIA CATI -

10 ENXERTIA POR BORBULHIA EM PLACA RAMOS PORTAPORTA-BORBULHAS SÃO RETIRADOS NO VERÃO VÁRIAS ENXERTIAS AO LONGO DOS RAMOS DOS PORTAPORTA-ENXERTOS DESENVOLVIMENTO DO ENXERTO / DESMAMA/ ENRAIZAMENTO (AREIA) COM IBA / TRANSPLANTIO / MUDA PRONTA Obrigada!!! BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA

ENXERTIA DE PLANTAS FRUTÍFERAS

ENXERTIA DE PLANTAS FRUTÍFERAS ENXERTIA DE PLANTAS FRUTÍFERAS Prof. Angelo P. Jacomino Fruticultura - LPV 0448 2017 1 - Introdução Multiplicação Sexuada X Assexuada SEXUADA: - Facilidade; - Baixo custo. ASSEXUADA: - Características

Leia mais

Circular. Técnica. Produção de Mudas de Videira em Regiões Tropicais e Subtropicais do Brasil. Autor. Introdução. Principais porta-enxertos

Circular. Técnica. Produção de Mudas de Videira em Regiões Tropicais e Subtropicais do Brasil. Autor. Introdução. Principais porta-enxertos ISSN 1808-6810 46 Produção de Mudas de Videira em Regiões Tropicais e Subtropicais do Brasil Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Setembro, 2003 Autor Jair Costa Nachtigal Eng. Agrôn., Estação Experimental

Leia mais

III Plano Diretor da. Ocidental. da Cultura do Cupuaçuzeiro 2004-2007. Aparecida das Graças Claret de Souza Editora-Técnica

III Plano Diretor da. Ocidental. da Cultura do Cupuaçuzeiro 2004-2007. Aparecida das Graças Claret de Souza Editora-Técnica III Plano Diretor da Boas PráticasAmazônia Agrícolas Embrapa da Cultura do Cupuaçuzeiro Ocidental 2004-2007 Aparecida das Graças Claret de Souza Editora-Técnica Boas Práticas Agrícolas

Leia mais

Plantio dos porta-enxertos em 14 de Novembro de 2000

Plantio dos porta-enxertos em 14 de Novembro de 2000 Plantio dos porta-enxertos em 14 de Novembro de 2000 O solo virgem, livre de doenças, em uma área a mais de 400 m de pomares, é muito bem preparado e todos os nutrientes necessários para um ótimo desenvolvimento

Leia mais

MÉTODOS DE ENXERTIA PARA A GRAVIOLEIRA EM RIO BRANCO-ACRE

MÉTODOS DE ENXERTIA PARA A GRAVIOLEIRA EM RIO BRANCO-ACRE ISSN 0104-9038 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agroflorestal do Acre Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR-364, km 14 (Rio Branco/Porto Velho), Caixa Postal 392,

Leia mais

Aula 10 REPRODUÇÃO DAS PLANTAS. META Estudar os processos de propagação de plantas. OBJETIVOS

Aula 10 REPRODUÇÃO DAS PLANTAS. META Estudar os processos de propagação de plantas. OBJETIVOS REPRODUÇÃO DAS PLANTAS Aula 10 META Estudar os processos de propagação de plantas. OBJETIVOS entender os processos de propagação de plantas através da reprodução sexuada e assexuada. Conhecimento dos conceitos

Leia mais

Aspectos Gerais da Cultura da Uva Fina de Mesa

Aspectos Gerais da Cultura da Uva Fina de Mesa IIª Semana Integrada de Cursos CFO/CFOC - Adapar Dia 03/07/2015 - CDT, Iapar Londrina Aspectos Gerais da Cultura da Uva Fina de Mesa Eng Agr Elcio Félix Rampazzo Emater Londrina. elciorampazzo@emater.pr.gov.br

Leia mais

Implantação dos vinhedos. culturais na cultura da videira. Formação dos vinhedos. operações 1 o ano

Implantação dos vinhedos. culturais na cultura da videira. Formação dos vinhedos. operações 1 o ano Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal Implantação, condução e tratos culturais na cultura da videira Formação dos vinhedos operações

Leia mais

Questões Resolvidas Prova de Fruticultura Temperada

Questões Resolvidas Prova de Fruticultura Temperada Questões Resolvidas Prova de Fruticultura Temperada 1) O que diferencia as fruteiras de clima temperado daquelas de clima tropical e subtropical? As fruteiras de clima temperado possuem apenas um fluxo

Leia mais

IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical

IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA. Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical IRRIGAÇÃO EM VINHEDOS NO OESTE PAULISTA Marco Antônio F. Conceição Embrapa Uva e Vinho Estação Experimental de Viticultura Tropical Produção de Uvas no Brasil Produção de Uvas no Brasil 16% 12% 57% 52%

Leia mais

PODA E CONDUÇÃO DA FIGUEIRA

PODA E CONDUÇÃO DA FIGUEIRA PODA E CONDUÇÃO DA FIGUEIRA Nilton Nagib Jorge Chalfun 1 Enilson Abrahão 2 Ângelo Albérico Alvarenga 3 Murilo Albuquerque Regina 4 Rafael Pio 5 1 INTRODUÇÃO A figueira é uma frutífera com grande expansão

Leia mais

Floricultura e Plantas Ornamentais

Floricultura e Plantas Ornamentais Métodos de Propagação em Ornamentais: TRADICIONAL Floricultura e Plantas Ornamentais Dr. Paulo Hercílio Viegas Rodrigues MÉTODOS PROPAGATIVOS VEGETATIVOS: ENXERTIA, ESTAQUIA, MERGULHIA E ALPORQUIA. Vantagens:

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ABACATEIRO (Persea sp.), POR ESTAQUIA(1)

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ABACATEIRO (Persea sp.), POR ESTAQUIA(1) PROPAGAÇÃO VEGETATIVA DE ABACATEIRO (Persea sp.), POR ESTAQUIA(1) Samar Velho da Silveira(2) Paulo Vítor Dutra de Souza(3) Otto Carlos KoIler(4) (1) Estudo financiado pela FINEP. (2) Eng. Agr., aluno do

Leia mais

06/11/2012 FUNGOS DE SOLO E DE MADEIRA CAUSADORES DE MORTE DE PLANTAS EM VIDEIRA. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução.

06/11/2012 FUNGOS DE SOLO E DE MADEIRA CAUSADORES DE MORTE DE PLANTAS EM VIDEIRA. Introdução. Introdução. Introdução. Introdução. 6/11/212 FUNGOS DE SOLO E DE MADEIRA CAUSADORES DE MORTE DE PLANTAS EM VIDEIRA Responsável: Dr. César Júnior Bueno Laboratório de Fitopatologia Instituto Biológico CEIB / APTA Videira Uva de Mesa - Balanço

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS E PADRÕES PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS DE MULTIPLICAÇÃO E MUDAS DE VIDEIRAS (Vitis spp)

NORMAS ESPECÍFICAS E PADRÕES PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS DE MULTIPLICAÇÃO E MUDAS DE VIDEIRAS (Vitis spp) NORMAS ESPECÍFICAS E PADRÕES PARA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE MATERIAIS DE MULTIPLICAÇÃO E MUDAS DE VIDEIRAS (Vitis spp) 1. DOS OBJETIVOS Estas normas têm por objetivo complementar as Normas

Leia mais

Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA

Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA PRODUÇÃO DE MUDAS DE LOURO E SEU PLANTIO Issáo Ishimura Eng. Agr., Dr., PqC da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Ecológica /APTA issao@apta.sp.gov.br Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr.,PhD.,

Leia mais

Técnicas de propagação de fruteiras

Técnicas de propagação de fruteiras Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Técnicas de propagação de fruteiras Emanuel Maia emanuel@unir.br www.lahorta.acagea.net Método seminífero Propagação vegetativa não é

Leia mais

Produção antecipada de mudas de videira Rubi (Vitis vinifera) através de enxertia verde 1

Produção antecipada de mudas de videira Rubi (Vitis vinifera) através de enxertia verde 1 Ciência Rural, Santa Maria, Produção v.34, antecipada n.4, p.1059-1064, de mudas jul-ago, de videira 2004 Rubi (Vitis vinifera) através de enxertia verde. ISSN 0103-8478 1059 Produção antecipada de mudas

Leia mais

ANEXO I. NORMAS PARA A PRODUÇÃO DE SEMENTES E DE MUDAS DE SERINGUEIRA (Hevea spp.) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

ANEXO I. NORMAS PARA A PRODUÇÃO DE SEMENTES E DE MUDAS DE SERINGUEIRA (Hevea spp.) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ANEXO I NORMAS PARA A PRODUÇÃO DE SEMENTES E DE MUDAS DE SERINGUEIRA (Hevea spp.) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o As Normas de que trata este Anexo têm como objetivo estabelecer as exigências

Leia mais

PRINCIPAIS VARIEDADES DE UVAS DE MESA E PORTA-ENXERTOS

PRINCIPAIS VARIEDADES DE UVAS DE MESA E PORTA-ENXERTOS PRINCIPAIS VARIEDADES DE UVAS DE MESA E PORTA-ENXERTOS Patrícia Coelho de Souza Leão INTRODUÇÃO As uvas finas de mesa englobam variedades da espécie Vitis vinifera L. de origem européia, que são sensíveis

Leia mais

Tecnologias para produção de mudas de pequenas frutas e frutas nativas. Márcia Wulff Schuch Prof Titular Fruticultura FAEM/UFPel P PP

Tecnologias para produção de mudas de pequenas frutas e frutas nativas. Márcia Wulff Schuch Prof Titular Fruticultura FAEM/UFPel P PP Tecnologias para produção de mudas de pequenas frutas e frutas nativas Márcia Wulff Schuch Prof Titular Fruticultura FAEM/UFPel P PP Introdução o Pequenas frutas e Frutas nativas Alto potencial econômico

Leia mais

Circular. Técnica. Produção de mudas de videira (Vitis spp.) por enxertia de mesa. Introdução. Autores

Circular. Técnica. Produção de mudas de videira (Vitis spp.) por enxertia de mesa. Introdução. Autores Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento ISSN 1516-5914 Produção de mudas de videira (Vitis spp.) por enxertia de mesa 74 Circular Técnica Bento Gonçalves, RS Abril, 2007 Autores Gilmar Barcelos

Leia mais

FORMAÇÃO DO CAFEZAL PRATICAS CULTURAIS

FORMAÇÃO DO CAFEZAL PRATICAS CULTURAIS UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos GRANDES CULTURAS II CULTURA DO CAFEEIRO FORMAÇÃO DO CAFEZAL PRATICAS CULTURAIS Profª Fernanda Basso Práticas Culturais Irrigação Sistemas de aspersão. Regas não

Leia mais

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA

PROPAGAÇÃO VEGETATIVA PROPAGAÇÃO VEGETATIVA Propagação vegetativa em espécies florestais: Enxertia Estaquia Microestaquia Enxertia União de partes de uma planta em outra, de forma que as duas partes de plantas diferentes passem

Leia mais

secundários e as raízes e radicelas definham e apodrecem. Com o sistema radicular menor, não há absorção de nutrientes e água na copa da planta.

secundários e as raízes e radicelas definham e apodrecem. Com o sistema radicular menor, não há absorção de nutrientes e água na copa da planta. MSC A Morte Súbita dos Citros (MSC) é uma doença destrutiva e representa uma ameaça potencial para a citricultura paulista e nacional porque afeta laranjeiras doces e tangerinas Cravo e Ponkan enxertadas

Leia mais

SEMENTES E MUDAS DE SERINGUEIRA. Ailton Vitor Pereira

SEMENTES E MUDAS DE SERINGUEIRA. Ailton Vitor Pereira SEMENTES E MUDAS DE SERINGUEIRA Ailton Vitor Pereira FLORAÇÃO E FRUTIFICAÇÃO Planta adulta: troca de folhas em jul-ago Floração: junto ao reenfolhamento (jul-ago) Sistema reprodutivo: alogamia e autogamia

Leia mais

AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas

AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas AULA 2 Propagação assexuada Micropropagação Macropropagação Enxertia Borbulhia Mergulhia Amontoa Alporquia Estaquia Katia Christina Zuffellato-Ribas PROPAGAÇÃO ASSEXUADA (VEGETATIVA) MICROPROPAGAÇÃO MACROPROPAGAÇÃO

Leia mais

MUDAS E VIVEIROS. Aula 02 Mudas e viveiros

MUDAS E VIVEIROS. Aula 02 Mudas e viveiros MUDAS E VIVEIROS 1 1. DEFINIÇÃO: MUDA - estrutura vegetal de qualquer espécie ou cultivar, proveniente de reprodução sexuada ou assexuada convenientemente produzida e que tenha finalidade específica de

Leia mais

Desenvolvem-se nos mais variados tipos de solo, sendo desejáveis os soltos, profundos, permeáveis, férteis e argilo-arenosos.

Desenvolvem-se nos mais variados tipos de solo, sendo desejáveis os soltos, profundos, permeáveis, férteis e argilo-arenosos. CULTURA DO CAQUIZEIRO 1 1. INTRODUÇÃO Origem: Ásia Países produtores: Japão, Itália, Nova Zelândia, Israel, Austrália e Estados Unidos. No Brasil destacam-se os Estados: São Paulo (2.500ha), Rio Grande

Leia mais

Embrapa Uva e Vinho CURSO SOBRE PRODUÇÃO INTEGRADA DE MAÇÃ João Bernardi Alexandre Hoffman

Embrapa Uva e Vinho CURSO SOBRE PRODUÇÃO INTEGRADA DE MAÇÃ João Bernardi Alexandre Hoffman Embrapa Uva e Vinho CURSO SOBRE PRODUÇÃO INTEGRADA DE MAÇÃ João Bernardi Alexandre Hoffman www.cnpuv.embrapa.br Normas PIM: PORTA-ENXERTO OBRIGATÓRIAS: Usar somente porta-enxertos (P.E.) recomendados;

Leia mais

PRODUÇÃO MUDAS E PLANTIO

PRODUÇÃO MUDAS E PLANTIO 54 7 PRODUÇÃO DE MUDAS E PLANTIO Alexandre Hoffmann José Luiz Petri Gabriel Berenhauser Leite João Bernardi INTRODUÇÃO A reprodução da macieira na natureza pode ocorrer de duas formas: por meio de sementes

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMEIXEIRA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMEIXEIRA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMEIXEIRA Nilton Nagib Jorge Chalfun 1 Rafael Pio 3 José Darlan Ramos 2 1 INTRODUÇÃO A ameixeira é uma das frutíferas de clima temperado mais importantes do mundo. As plantas suportam

Leia mais

Avanços tecnológicos na produção de uvas de mesa no semiárido brasileiro

Avanços tecnológicos na produção de uvas de mesa no semiárido brasileiro Avanços tecnológicos na produção de uvas de mesa no semiárido brasileiro Patrícia Coelho de Souza Leão Pesquisadora Embrapa Semiárido patricia@cpatsa.embrapa.br 1. Introdução Vitivinicultura em condições

Leia mais

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003

MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA. Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 I SIMPÓSIO SIO DE CITRICULTURA IRRIGADA MANEJO DE IRRIGAÇÃO REGINA CÉLIA DE MATOS PIRES FLÁVIO B. ARRUDA Instituto Agronômico (IAC) Bebedouro 2003 MANEJO DAS IRRIGAÇÕES - Maximizar a produção e a qualidade,

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

Título - Arial 44pt - Bold

Título - Arial 44pt - Bold Variedades resistentes: intersecção entre rusticidade e qualidade a experiência brasileira Título - Arial 44pt - Bold Patricia Ritschel Outras João Informações Dimas G. Maia - Arial 28pt Umberto Almeida

Leia mais

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades Sementes de SOJA A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades de alto potencial produtivo, os produtores têm

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina FIT481 Floricultura

Programa Analítico de Disciplina FIT481 Floricultura Catálogo de Graduação 016 da UFV 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Fitotecnia - Centro de Ciências Agrárias Número de créditos: 4 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária

Leia mais

Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes no Submédio do Vale do São Francisco

Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes no Submédio do Vale do São Francisco 171 Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes... Densidade de brotos e de cachos em cultivares de uvas sem sementes no Submédio do Vale do São Francisco Density of shoots and bunches

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS

AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS AVALIAÇÃO DE PLANTAS MATRIZES DE UMBUZEIRO EM CONDIÇÕES IRRIGADAS PARA FORNECIMENTO DE PROPÁGULOS VEGETATIVOS Francisco Pinheiro de Araújo Carlos Antonio F.Santos Everaldo Rocha Porto Embrapa Semi-Árido

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Casa do Produtor Rural. Propagação de. Árvores Frutíferas

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Casa do Produtor Rural. Propagação de. Árvores Frutíferas Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Casa do Produtor Rural Propagação de Árvores Frutíferas Simone Rodrigues da Silva Katia Fernanda Dias Rodrigues João Alexio Scarpare

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ENXERTIA DE Coffea arabica EM DIVERSOS MATERIAIS DE Coffea 1

AVALIAÇÃO DE ENXERTIA DE Coffea arabica EM DIVERSOS MATERIAIS DE Coffea 1 AVALIAÇÃO DE ENXERTIA DE Coffea arabica EM DIVERSOS MATERIAIS DE Coffea 1 GASPARI, C. 2 ; VACCARELI, V.N. 3 e MEDINA FILHO, H.P. 4 1 Projeto financiado pela FAPESP; 2 Eng.-Agrônoma, Centro de Café e Plantas

Leia mais

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras

Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Alternativas para a instalação de novos pomares de nogueiras Como garantir níveis de produtividade desta exigente cultura? geadas Experiencias da adaptação ecológica da cultura da nogueira a varias regiões

Leia mais

FORMAÇÃO E MANEJO DE MINI JARDIM CLONAL

FORMAÇÃO E MANEJO DE MINI JARDIM CLONAL FORMAÇÃO E MANEJO DE MINI JARDIM CLONAL O que é clonagem? Os clones são formados através de melhoramento genético e diversos testes realizado a campo ao longo de anos. O que é Mini Jardim Clonal? Anos

Leia mais

Comunicado 133 Técnico ISSN Dezembro, 2005 Pelotas, RS

Comunicado 133 Técnico ISSN Dezembro, 2005 Pelotas, RS Comunicado 33 Técnico ISSN 506-985 Dezembro, 2005 Pelotas, RS Enraizamento de estacas de mirtilo provenientes de ramos lenhosos. Ângela Diniz Campos, Luis Eduardo Corrêa Antunes; Alexandre Couto Rodrigues2;

Leia mais

V ENCONTRO NACIONAL SOBRE SUBSTRATO PARA PLANTAS Irrigação e Fertirrigação em ambientes protegidos Ilhéus,Bahia,12 a 15 de setembro de 2006

V ENCONTRO NACIONAL SOBRE SUBSTRATO PARA PLANTAS Irrigação e Fertirrigação em ambientes protegidos Ilhéus,Bahia,12 a 15 de setembro de 2006 V ENCONTRO NACIONAL SOBRE SUBSTRATO PARA PLANTAS Irrigação e Fertirrigação em ambientes protegidos Ilhéus,Bahia,12 a 15 de setembro de 2006 PRODUÇÃO DE MUDAS CITRICAS EM SUBSTRATO NO ESTADO DE SP: Um exemplo

Leia mais

Implantação e Manutenção de Canteiros. Professora Juliana

Implantação e Manutenção de Canteiros. Professora Juliana Implantação e Manutenção de Canteiros Professora Juliana Implantação de Canteiros Como começar? Estudo preliminar: Levantamento de todos os dados técnicos do ambiente: Construções, acessos, iluminação,

Leia mais

Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim).

Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim). Reprodução REPRODUÇÃO ASSEXUADA Vamos utilizar o exemplo da angiosperma da família Poaceae (o capim). Essa planta se dissemina com muita rapidez, e isso é devido ao seu tipo de reprodução. A reprodução

Leia mais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais

PROPAGAÇÃO. Plantas Medicinais PROPAGAÇÃO Ação de multiplicar ou dar continuidade a uma forma de vida, permitindo o cultivo e a preservação de espécies importância estabelecimento dos cultivos e hortos garantia da identidade das espécies

Leia mais

n junho

n junho 1 n. 97 - junho - 2010 Poda da figueira 1 Ângelo Albérico Alvarenga 2 Paulo Márcio Norberto 3 Enilson Abrahão 4 Edwaldo dos Santos Penoni 5 Vicente Luiz de Carvalho 6 Sérgio Geraldo de Resende 7 Mauro

Leia mais

Uso de Adubação Verde em Videira no Submédio São Fran is o

Uso de Adubação Verde em Videira no Submédio São Fran is o Uso de Adubação Verde em Videira no Submédio São Fran is o Clementino Marcos Batista de Faria José Monteiro Soares Patrícia Coelho Souza Leão Os solos do Vale do Submédio São Francisco são, de um modo

Leia mais

Propagação da Mangueira (Mangifera indica L.)

Propagação da Mangueira (Mangifera indica L.) ISSN 1809-5011 Propagação da Mangueira (Mangifera indica L.) 94 Introdução O sucesso de um pomar comercial de fruteiras está ligado principalmente à qualidade da muda, aos cuidados com o plantio e manejo

Leia mais

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS

PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba rosaeodora Ducke) E A PRODUÇÃO DE ÓLEO A PARTIR DE MUDAS PLANTADAS GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS SECREATARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DO AMAZONAS E INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PLANTIOS DE PAU-ROSA (Aniba

Leia mais

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL

ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL ENXERTIA HERBÁCEA EM MYRTACEAE NATIVAS DO RIO GRANDE DO SUL Daiane Silva Lattuada 1 ; Paulo Vitor Dutra de Souza 2 ; Mateus Pereira Gonzatto 1 ; Sérgio Francisco Schwarz 2 1 Eng. Agrônomo, mestrando no

Leia mais

Mudas Enxertadas com Qualidade. Resistências

Mudas Enxertadas com Qualidade. Resistências Mudas Enxertadas com Qualidade Resistências Qualidade Produtividade Pesquisador: Sebastião Márcio de Azevedo Sakata Seed Sudamerica Ltda (sebastiao.azevedo@sakata.com.br) Produtividade; Resistências a

Leia mais

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Gabriel Avelar LAGE 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO²; Iul Brinner Expedito de SOUZA³; Marcus Vinicius SANTOS 3 ; Guilherme

Leia mais

PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO

PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO PRODUCAO DE MUDAS DE ESPÉCIES FRUTIFERAS DO CERRADO Alfredo Penzo de Barros 1 ; Norton Hayd Rego 2 ; Aluisio Pereira da Luz 3 ; Aliston Flàvio de Souza 3 ; Nivaldo Liuzzi Gomes 4 ; Bruno Jacobson 5. 1

Leia mais

Dimensionamento de viveiros. Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA

Dimensionamento de viveiros. Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA Dimensionamento de viveiros Iane Barroncas Gomes Engenheira Florestal, M.Sc. IFAM-CITA Conteúdo Conteúdo: Conceito de viveiro Tipos de viveiros Planejamento da instalação de um viveiro Local ideal Estruturas

Leia mais

ANONÁCEAS: PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS

ANONÁCEAS: PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS ANONÁCEAS: PRINCIPAIS PORTA-ENXERTOS PARA PRODUÇÃO DE MUDAS Erivaldo José Scaloppi Junior Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Noroeste Paulista/APTA scaloppi@apta.sp.gov.br No Brasil, a família Annonaceae possui

Leia mais

Passo-a-passo Sementeira - Bandeja de Isopor

Passo-a-passo Sementeira - Bandeja de Isopor 44 Passo-a-passo Sementeira - Bandeja de Isopor Materiais necessários: Nesta etapa é necessário utilizar materiais de excelente qualidade, é o início de todo processo. Material necessário:.01 bandeja de

Leia mais

Avaliação de vinhos da cultivar Cabernet Sauvignon clone 15 em função de dois porta-enxertos no Nordeste do Brasil

Avaliação de vinhos da cultivar Cabernet Sauvignon clone 15 em função de dois porta-enxertos no Nordeste do Brasil Avaliação de vinhos da cultivar Cabernet Sauvignon clone 15 em função de dois 239 Avaliação de vinhos da cultivar Cabernet Sauvignon clone 15 em função de dois porta-enxertos no Nordeste do Brasil Evaluation

Leia mais

Para a instalação de pomares de

Para a instalação de pomares de Frutas do Brasil, 4 Manga Produção PROPAGAÇÃO E PADRÃO DA MUDA Manoel Teixeira de Castro Neto Getúlio Augusto Pinto da Cunha Para a instalação de pomares de grande potencial produtivo, torna-se imprescindível

Leia mais

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L.

MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE. Jatropha curcas L. MÉTODOS DE PROPAGAÇÃO E GERMINAÇÃO DE SEMENTES DE Jatropha curcas L. Maria Regina G. Ungaro, Centro de Grãos e Fibras, IAC, ungaro@iac.sp.gov.br Amadeu Regitano Neto, Centro de Grãos e Fibras, IAC, regitano@iac.sp.gov.br

Leia mais

Objetivos da poda PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS. O que é poda? FERAS. O que podar? Conceito de Poda. Por que podar?

Objetivos da poda PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS. O que é poda? FERAS. O que podar? Conceito de Poda. Por que podar? Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS FERAS O que é poda? Piracicaba - SP Agosto - 2011 Conceito de Poda O que podar? Ramos Poda

Leia mais

Informações básicas sobre os tratos culturais do maracujá

Informações básicas sobre os tratos culturais do maracujá Informações básicas sobre os tratos culturais do maracujá Clima e solo Escolha da cultivar Fábio Gelape Faleiro Posso utilizar sementes de plantios anteriores? Tecnologia do mudão Correção e preparo do

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas Cultivares da Embrapa Soja: Embrapa 48 Grupo de Maturação: Precoce/Semiprecoce; *Semeadura: a partir de 25/10 até 10/12; Substituiu a cv. BR-16; *Alto

Leia mais

On line. Manejo da copa para a produção de uvas de mesa no Semiárido. Introdução. Autora ISSN

On line. Manejo da copa para a produção de uvas de mesa no Semiárido. Introdução. Autora ISSN ISSN 1808-9976 Manejo da copa para a produção de uvas de mesa no Semiárido 95 Petrolina, PE Novembro, 2011 Autora Patrícia Coelho de Souza Leão Engenheira-agrônoma, D.Sc., pesquisadora da Embrapa Semiárido,

Leia mais

Levantamento de doenças de uva na região de Dracena-SP. Data collection of grape s diseases in the region of Dracena-SP

Levantamento de doenças de uva na região de Dracena-SP. Data collection of grape s diseases in the region of Dracena-SP Levantamento de doenças de uva na região de Dracena-SP Data collection of grape s diseases in the region of Dracena-SP DANILO WANDERLEY MENDES 1 ; JULIANO JORGE VALENTIM 1 ; MATHEUS MANTOVANI FREIRE 1

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383. Semestre de oferta da disciplina: I e II

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383. Semestre de oferta da disciplina: I e II PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Olericultura Orgânica Código da Disciplina: AGR383 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: I e II Faculdade responsável: Agronomia Matriz 120 Programa em vigência

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AMOREIRA-PRETA João Paulo Tadeu Dias 1 ; Elizabeth Orika Ono 2 A cultura da amoreira-preta (Rubus sp.) surge como opção para a diversificação do cultivo de frutas, pois apresenta rusticidade

Leia mais

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos

Embrapa Uva e Vinho. Produtos & Serviços. Missão Institucional. Infra-Estrutura e Recursos Humanos Embrapa Uva e Vinho A vitivinicultura é uma atividade que apresenta grande importância sócio-econômica em vários Estados brasileiros, com especial destaque para o Rio Grande do Sul. Por esta razão, a Embrapa

Leia mais

Produção de Uvas e Vinhos

Produção de Uvas e Vinhos Curso de Qualificação Profissional Produção de Uvas e Vinhos Professor: Fernando Domingo Zinger fernando.zinger@ifsc.edu.br Variedades de Uvas Brasil: principais regiões produtoras de uva Santa Catarina

Leia mais

Condomínio Agrícola SANTA IZABEL. A TECNOLOGIA DE MBPs

Condomínio Agrícola SANTA IZABEL. A TECNOLOGIA DE MBPs Condomínio Agrícola SANTA IZABEL II Simpósio STAB sobre plantas daninhas em cana-de-açúcar Manejo químico de plantas daninhas e a s A TECNOLOGIA DE MBPs Tendências utilizadas por produtores UNESP - 02

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca

PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS. José Amarildo da Fonseca PRODUÇÃO DE MUDAS FLORESTAIS José Amarildo da Fonseca jafonsec@esalq.usp.br Objetivos Quantidade Custo Qualidade Prazo Histórico Histórico Histórico Produção de Mudas Florestais Objetivo (demanda) Tipos

Leia mais

PROPAGAÇÃO DE Vitis spp. PELA ENXERTIA DE MESA UTILIZANDO DIFERENTES PORTA-ENXERTOS E AUXINAS 1

PROPAGAÇÃO DE Vitis spp. PELA ENXERTIA DE MESA UTILIZANDO DIFERENTES PORTA-ENXERTOS E AUXINAS 1 PROPAGAÇÃO DE Vitis spp. PELA ENXERTIA DE MESA UTILIZANDO DIFERENTES PORTA-ENXERTOS E AUXINAS 1 897 MURILLO DE ALBUQUERQUE REGINA 2, CLAUDIA RITA DE SOUZA 2 FREDERICO ALCÂNTARA NOVELLI DIAS 3 RESUMO-A

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UMA CULTURA DE HORTALIÇA KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESALQ-USP 2013

IMPLANTAÇÃO DE UMA CULTURA DE HORTALIÇA KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESALQ-USP 2013 IMPLANTAÇÃO DE UMA CULTURA DE HORTALIÇA KEIGO MINAMI DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO VEGETAL ESALQ-USP 2013 IMPLANTAÇÃO DE UMA CULTURA A IMPLANTAÇÃO DE UMA PRODUÇÃO AGRÍCOLA DEPENDE DE UMA SÉRIE DE DECISÕES.

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355. Semestre de oferta da disciplina: I e II

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355. Semestre de oferta da disciplina: I e II PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Olericultura Geral Código da Disciplina: AGR 355 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: I e II Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência a partir

Leia mais

NORMAS DE PRODUÇÃO DE MUDAS

NORMAS DE PRODUÇÃO DE MUDAS Documentos Nº 41 ISSN 0103-5797 Novembro, 2000 NORMAS DE PRODUÇÃO DE MUDAS José Cleilton Maia Chaves Antônio Teixeira Cavalcanti Júnior Diva Correia Francisco Xavier de Souza Carlos Antônio Távora Araújo

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias Departamento de Fitotecnia

Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Agrárias Departamento de Fitotecnia PRODUÇÃO DE MUDAS CERTIFICADAS DE VIDEIRA VINICOLA SAN MICHELE (RODEIO-SC) - Acadêmico de Agronomia: Alberto

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

O cultivo da videira Niágara no Brasil

O cultivo da videira Niágara no Brasil Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Uva e Vinho Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento O cultivo da videira Niágara no Brasil João Dimas Garcia Maia Umberto Almeida Camargo

Leia mais

PRODUÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA NA FRANÇA 2. Técnica de Produção de Mudas pela Enxertia de Mesa 1

PRODUÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE MUDAS DE VIDEIRA NA FRANÇA 2. Técnica de Produção de Mudas pela Enxertia de Mesa 1 590 COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA 2. Técnica de Produção de Mudas pela Enxertia de Mesa 1 MURILLO DE ALBUQUERQUE REGINA 2 RESUMO - A técnica de produção de mudas pela enxertia de mesa é o principal meio de propagação

Leia mais

CEDRO AUSTRALIANO CEDRO AUSTRALIANO DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR?

CEDRO AUSTRALIANO CEDRO AUSTRALIANO DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR? DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR? Com o surgimento de novos materiais genéticos no mercado, existem dúvidas sobre qual é a melhor opção para o plantio de cedro australiano. Elaboramos este documento

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE UVAS PARA SUCO SOBRE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS IAC EM MOCOCA-SP 1

PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE UVAS PARA SUCO SOBRE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS IAC EM MOCOCA-SP 1 382 PRODUTIVIDADE DE CULTIVARES DE UVAS PARA SUCO SOBRE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS IAC EM MOCOCA-SP 1 MAURILO MONTEIRO TERRA 2, 3, CELSO VALDEVINO POMMER 2, 3, ERASMO JOSÉ PAIOLI PIRES 2, 3, IVAN JOSÉ ANTUNES

Leia mais

FOLHA DE PROVA. Escreva um texto dissertativo sobre o processo respiratório das raízes das plantas.

FOLHA DE PROVA. Escreva um texto dissertativo sobre o processo respiratório das raízes das plantas. Tema 01: RESPIRAÇÃO E FOTORRESPIRAÇÃO A respiração é um dos processos fundamentais para a vida em nosso planeta. Obrigatoriamente, o metabolismo da planta necessita do processo de respiração. Cada órgão

Leia mais

Regiões Vitivinícolas Brasileiras e Alternativas de Produção

Regiões Vitivinícolas Brasileiras e Alternativas de Produção Regiões Vitivinícolas Brasileiras e Alternativas de Produção Umberto Almeida Camargo Vino Vitis Consultoria Ltda umberto.camargo@gmail.com Fone: (54) 3451-3512 3512 / (54)9191-7129 REGIÕES ES VITÍCOLAS

Leia mais

Jana Koefender, Juliane Nicolodi Camera, Diego Pascoal Golle, Roberta Cattaneo Horn, Péricles Dalazeri Junho de 2017.

Jana Koefender, Juliane Nicolodi Camera, Diego Pascoal Golle, Roberta Cattaneo Horn, Péricles Dalazeri Junho de 2017. CIRCULAR TÉCNICA Cultura da mandioca Jana Koefender, Juliane Nicolodi Camera, Diego Pascoal Golle, Roberta Cattaneo Horn, Péricles Dalazeri Junho de 2017. C496 Circular Técnica: propagação rápida de mandioca

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES DOSES DE AIB PLANTADAS EM TUBETE

SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES DOSES DE AIB PLANTADAS EM TUBETE 5ª Jornada Científica e Tecnológica e 2º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 06 a 09 de novembro de 2013, Inconfidentes/MG SOBREVIVÊNCIA DE ESTACAS DE ESPÉCIES ARBÓREAS EM SUBSTRATOS COM DIFERENTES

Leia mais

FENOLOGIA E PRODUÇÃO DA CULTIVAR TETRAPLÓIDE DE UVA DE MESA NIABELL SOBRE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS (1)

FENOLOGIA E PRODUÇÃO DA CULTIVAR TETRAPLÓIDE DE UVA DE MESA NIABELL SOBRE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS (1) Fenologia e produção de uva de mesa Niabell 109 FENOLOGIA E PRODUÇÃO DA CULTIVAR TETRAPLÓIDE DE UVA DE MESA NIABELL SOBRE DIFERENTES PORTA-ENXERTOS (1) MÁRIO JOSÉ PEDRO JÚNIOR (2,3) ; JOSÉ LUIZ HERNANDES

Leia mais

PLANTAR. Mudas de Manga. coleç o. edição revisada SÉRIE VERMELHA FRUTEIRAS

PLANTAR. Mudas de Manga. coleç o. edição revisada SÉRIE VERMELHA FRUTEIRAS SÉRIE VERMELHA FRUTEIRAS coleç o PLANTAR ã Mudas de Manga 2ª edição revisada Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

CULTIVARES DE CAFÉ SELECIONADAS PELO INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS 1

CULTIVARES DE CAFÉ SELECIONADAS PELO INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS 1 Genética CULTIVARES DE CAFÉ SELECIONADAS PELO INSTITUTO AGRONÔMICO DE CAMPINAS 1 Luiz Carlos Fazuoli (2,4) Herculano Penna Medina Filho (2,4) Oliveiro Guerreiro Filho (2,4) Wallace Gonçalves (2,4) Maria

Leia mais

Cultura da Alface. EEEP PROFESSOR SEBASTIÃO VASCONCELOS SOBRINHO Compromisso com o Sucesso de Nossos Jovens

Cultura da Alface. EEEP PROFESSOR SEBASTIÃO VASCONCELOS SOBRINHO Compromisso com o Sucesso de Nossos Jovens EEEP PROFESSOR SEBASTIÃO VASCONCELOS SOBRINHO Compromisso com o Sucesso de Nossos Jovens Cultura da Alface Professor: Aparecido Porto Disciplina: Olericultura Equipe: Antônio Francyel 05 Marcelo Araújo

Leia mais

Invertase neutra do citoplasma (mmol AR/ min/g MF) 29/01/03 29/03/03 29/05/03 29/07/03 29/09/03 29/11/03 Datas

Invertase neutra do citoplasma (mmol AR/ min/g MF) 29/01/03 29/03/03 29/05/03 29/07/03 29/09/03 29/11/03 Datas ATIVIDADE DE INVERTASES EM CULTIVARES-COPA x PORTA-ENXERTOS DURANTE A FORMAÇÃO DE VIDEIRAS NO VALE DO SÃO FRANCISCO Sara Raquel de Souza Luz; Bárbara França Dantas; Luciana de Sá Ribeiro; Alexandro Pereira

Leia mais

Bayer Sementes FiberMax

Bayer Sementes FiberMax Bayer Sementes FiberMax Coord. Desenvolvimento Técnico Sementes FiberMax Planta Forte Sementes ao Botão Floral Semente: É um chip que carrega as características genéticas. Indutor de Produtividade. Características

Leia mais

O Clima e o desenvolvimento dos citros

O Clima e o desenvolvimento dos citros O Clima e o desenvolvimento dos citros Flórida 2010 Glauco de Souza Rolim Centro de Ecofisiologia e Biofísica IAC rolim@iac.sp.gov.br glaucorolim@gmail.com VII Simpósio de Citricultura Irrigada,16 de setembro

Leia mais

Comunicado 79 Técnico

Comunicado 79 Técnico Comunicado 79 Técnico ISSN 1808-6802 Setembro, 2007 Bento Gonçalves, RS Produção de uva Isabel para processamento, no sistema GDC, em região tropical do Brasil João Dimas Garcia Maia 1 Umberto Almeida

Leia mais

Comunicado 95 Técnico

Comunicado 95 Técnico Comunicado 95 Técnico ISSN 188-682 Julho, 9 Bento Gonçalves, RS Efeito da irrigação por microaspersão nas condições microclimáticas de vinhedos Marco Antônio Fonseca Conceição 1 Introdução Em regiões tropicais

Leia mais

PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS

PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS PORTA-ENXERTOS E MUDAS PARA POMARES DE CITROS IMPLANTAÇÃO DO POMAR Seleção e Cuidados com mudas MUDAS DE BOA PROCEDÊNCIA VIVEIROS CREDENCIADOS MUDAS COM QUALIDADE FITOSSANITÁRIA PREFERIR MUDAS ENVASADAS

Leia mais

GRAFTING METHODS FOR THE PRODUCTION OF SEEDLINGS ACEROLA (Malphigia emarginata D.C)

GRAFTING METHODS FOR THE PRODUCTION OF SEEDLINGS ACEROLA (Malphigia emarginata D.C) MÉTODOS DE ENXERTIA NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE ACEROLA (Malphigia emarginata D.C) Eudes de Almeida Cardoso Professor Dr. Sc. do DCV/UFERSA. Mossoró - RN. E-mail: eudes@ufersa.edu.br Roseano Medeiros da Silva

Leia mais

Luiz Carlos Fazuoli. CENTRO DE CAFÉ ALCIDES CARVALHO 38 Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras

Luiz Carlos Fazuoli. CENTRO DE CAFÉ ALCIDES CARVALHO 38 Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras Luiz Carlos Fazuoli CENTRO DE CAFÉ ALCIDES CARVALHO fazuoli@iac.sp.gov.br 38 Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras Seminário: As novas variedades de café Caxambu - MG 23 de Outubro de 2012 A escolha

Leia mais