DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR RENATA MELLO ARQUITETA DA DIVERSIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR RENATA MELLO ARQUITETA DA DIVERSIDADE"

Transcrição

1 DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR ARQUITETA DA DIVERSIDADE

2 REFLEXÃO USUÁRIOS COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE?

3 COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? 1.CONFORTÁVEL??? ELEMENTO: LONGO PERCURSO LAVATÓRIO E ESPELHO ALTOS FONTE DAS IMAGENS:

4 COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? 2.SEGURA??? FONTE DAS IMAGENS: ARQUIVO PESSOAL ELEMENTO: PISO IRREGULAR MOBILIÁRIO URBANO INADEQUADO

5 COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? 3.ACESSÍVEL??? FONTE: LÓPEZ, FERNANDO ALONSO. LOS BENEFÍCIOS DE RENUNCIAR A LAS BARRERAS / ELEMENTO: PORTA DE MOLAS PASSAGEM ESTREITA

6 COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? 4.FUNCIONAL??? ELEMENTO: ESCADA FONTE: LÓPEZ, FERNANDO ALONSO. LOS BENEFÍCIOS DE RENUNCIAR A LAS BARRERAS / 1999.

7 COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? 5.PERMITE AUTONOMIA??? FONTE: LÓPEZ, FERNANDO ALONSO. LOS BENEFÍCIOS DE RENUNCIAR A LAS BARRERAS / ELEMENTO: ESCADA

8 COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? 6.ATENDE A TODOS??? ELEMENTO: ESCADA ELEMENTO: ESCADA FONTE IMAGENS:WWW.CREATIVE.GETTYIMAGES.COM

9 POR QUE TANTOS NÃOS???

10 HOMEM PADRÃO FONTE: VITRÚVIO (SÉC I A.C.) HOMEM DE VITRÚVIO L`Uomo di Vitruvio LEONARDO DE VINCI (±1490) FONTE: OKAMOTO, JUN. PERCEPÇÃO AMBIENTAL E COMPORTAMENTO / 1997 HOMEM PADRÃO MODULOR LE CORBUSIER (1946) FONTE: ARQUIVO PESSOAL HOMEM PADRÃO ERNEST NEUFERT ATUAL

11 DIVERSIDADE DIFERENÇAS

12 FONTE IMAGENS:WWW.CREATIVE.GETTYIMAGES.COM

13 DIVERSIDADE DESAFIO

14 DIVERSIDADE GRÁVIDAS CRIANÇAS OBESOS DEFICIENTES IDOSOS TODOS QUE NÃO SEGUEM O MODELO DO HOMEM PADRÃO FONTE DAS IMAGENS:WWW.CREATIVE.GETTYIMAGES.COM ESTES SEGMENTOS JUNTOS, SOMAM 80% DA POPULAÇÃO MUNDIAL.

15 EXCLUÍDOS IBGE - CENSO DE % PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DE HABILIDADES 25 MILHÕES DE PESSOAS FÍSICA : MENTAL: VISUAL: AUDITIVA: ,5% PESSOAS ACIMA DE 60 ANOS 14,4 MILHÕES DE IDOSOS 2025 PROJEÇÃO 15% ACIMA DE 60 ANOS 32 MILHÕES DE IDOSOS EXPECTATIVA DE VIDA : MÉDIA 68,6 ANOS

16 COMO INCLUIR ATRAVÉS DA ARQUITETURA?

17 DESENHO UNIVERSAL

18 DESENHO UNIVERSAL UNIVERSAL DESIGN É O DESENHO DE PRODUTOS E AMBIENTES PARA SER USADOS POR TODAS AS PESSOAS, COM A MAIOR EXTENSÃO POSSÍVEL, SEM A NECESSIDADE DE ADAPTAÇÃO OU DESENHO ESPECIAL. UNIVERSIDADE CAROLINA DO NORTE ESTE CONCEITO COMPREENDE: TODAS AS PESSOAS, IDADES, TAMANHOS E HABILIDADES.

19 VARIEDADE DE DIMENSÕES FONTE: IIDA, ITIRO. ERGONOMIA - PROJETO E PRODUÇÃO / 1993

20 VARIEDADE DE DIMENSÕES DEFICIENTES FÍSICOS DEFICIENTE VISUAL DEFICIENTE VISUAL FONTE IMAGENS: CPA. GUIA DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES / 2002 PESSOA COM MULETA IDOSO COM ANDADOR IDOSO COM BENGALA

21 DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS (UNIVERSIDADE DA CAROLINA DO NORTE) 1- USO EQÜITATIVO O DESENHO É UTILIZÁVEL POR PESSOAS COM HABILIDADES DIVERSAS FONTE: ARQUIVO PESSOAL ESCOLA EM SÃO BERNARDO EXEMPLO: RAMPA ADJACENTE A UMA ESCADA IMPEDE A SEGREGAÇÃO DE PESSOAS COM RESTRIÇÕES DE MOBILIDADE

22 DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS (UNIVERSIDADE DA CAROLINA DO NORTE) 2- FLEXIBILIDADE DE USO DEVE ACOMODAR UM GRANDE ARRANJO DE PREFERÊNCIAS INDIVIDUAIS E HABILIDADES FONTE: ARQUIVO PESSOAL EXEMPLO: ALTERNATIVA DE LAY-OUT PARA ADEQUAR DIVERSOS TIPOS DE NECESSIDADE

23 DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS (UNIVERSIDADE DA CAROLINA DO NORTE) 2- FLEXIBILIDADE DE USO DEVE ACOMODAR UM GRANDE ARRANJO DE PREFERÊNCIAS INDIVIDUAIS E HABILIDADES FONTE: ARQUIVO PESSOAL EXEMPLO: ALTERNATIVA DE ARRANJO PARA ADEQUAR DIVERSOS TIPOS DE NECESSIDADE

24 DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS (UNIVERSIDADE DA CAROLINA DO NORTE) 3- USO SIMPLES E INTUITIVO ENTENDIMENTO FÁCIL FONTE: ARQUIVO PESSOAL CRI 2002 FONTE: PREFEITURA DE VITÓRIA SEDEC. PROJETO CALÇADA CIDADÃ / 2002 EXEMPLO: LOCALIZAÇÃO DE PLACA INFORMATIVA PROXIMO A ENTRADA PARA ORIENTAÇÃO FÁCIL DO USUÁRIO EXEMPLO: UTILIZAÇÃO DE SIMBOLOGIA INTERNACIONAL DE ACESSO E FÁCIL IDENTIFICAÇÃO PARA GARANTIR A INFORMAÇÃO

25 DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS (UNIVERSIDADE DA CAROLINA DO NORTE) 4- INFORMAÇÃO PERCEPTIVA INDEPENDENTE DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS E DAS HABILIDADES SENSORIAIS DOS USUÁRIOS PISO PODOTÁTIL ALERTA ORIENTAÇÃO EXEMPLO: UTILIZAÇÃO DE PISO DE ORIENTAÇÃO E ALERTA PARA CONDUZIR O DEFICIENTE VISUAL AO LONGO DO PERCURSO FONTE DAS IMAGENS:

26 DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS (UNIVERSIDADE DA CAROLINA DO NORTE) 5- TOLERÂNCIA AO ERRO MINIMIZANDO OS RISCOS E CONSEQUÊNCIAS DE AÇÕES ACIDENTAIS FONTE: ARQUIVO PESSOAL FONTE: ARQUIVO PESSOAL EXEMPLO: COLOCAÇÃO DE BARRAS NO LAVATÓRIO E PRÓXIMO AO VASO PARA PERMITIR MAIOR SEGURANÇA NA TRANSFERÊNCIA DO CADEIRANTE, REDUZINDO RISCO DE QUEDA EXEMPLO: COLOCAÇÃO DE ILUMINAÇÃO REFORÇADA CONFORME NECESSIDADE COMO O CASO DAS COZINHAS

27 DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS (UNIVERSIDADE DA CAROLINA DO NORTE) 6- POUCO ESFORÇO FÍSICO O USO DEVE SER CONFORTÁVEL E EFICIENTE E COM O MÍNIMO DE FADIGA; FONTE: ARQUIVO PESSOAL EXEMPLO: INSTALAÇÃO DE BANCOS AO LONGO DE CORREDORES MUITO EXTENSOS

28 DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS (UNIVERSIDADE DA CAROLINA DO NORTE) 7- TAMANHO E ESPAÇO PARA A APROXIMAÇÃO E USO O ESPAÇO PROJETADO DEVE PERMITIR A APROXIMAÇÃO, O ALCANCE, A MANIPULAÇÃO E O USO, INDEPENDENTE DO TAMANHO DO CORPO DO USUÁRIO, POSTURA OU MOBILIDADE. FONTE: NBR 9050/94 FONTE IMAGENS: A CASA QUE PROTEGE - 8 CONCURSO RUBENS MEISTER / 1999 EXEMPLO: ESPAÇO LIVRE ABAIXO DE PIAS PERMITINDO APROXIMAÇÃO E ALCANCE

29 DESENHO UNIVERSAL CONSIDERAR TAMBÉM: ECONOMIA ESTÉTICA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AS QUALIDADES CULTURAIS

30 COMO APLICAR? DESENHO UNIVERSAL

31 COMPREENDER USUÁRIO

32 APLICAÇÃO VIVENCIAR PASSEIO 2004 DEFICIENTE FÍSICO DEFICIENTE VISUAL IDOSO PASSEIO 2000 PASSEIO 2004 FONTE IMAGENS: ARQUIVO PESSOAL

33 APLICAÇÃO INCLUSÃO SIGNIFICA: ENVOLVER, FAZER PARTE, PERTENCER REPRESENTA UMA AÇÃO DA SOCIEDADE PARA ENVOLVER PARTE DESSA SOCIEDADE QUE ESTÁ EXCLUÍDA POR FALTA DE CONDIÇÕES ADEQUADAS. EUGÊNIA AUGUSTA GONZAGA FÁVERO FONTE IMAGEM: CPA. GUIA DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES / 2002

34 APLICAÇÃO FONTE :ARQUIVO PESSOAL ROTA CONTÍNUA, DESOBSTRUÍDA, SINALIZADA, QUE CONECTE ESPAÇOS INTERNOS COM EXTERNOS, PERMITINDO UMA MOBILIDADE NA CIDADE DE FORMA AUTÔNOMA E SEGURA PARA TODAS AS PESSOAS.

35 LEGISLAÇÃO NORMA BRASILEIRA NBR 9050 de 04/2004 ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS URBANOS APRESENTA PARÂMETROS TÉCNICOS: PROJETO, CONSTRUÇÃO, INSTALAÇÃO E ADEQUAÇÃO DE EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS URBANOS ÀS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE. FONTE: CPA. GUIA PARA MOBILIDADE ACESSÍVEL EM VIAS PÚBLICAS/ 2003

36 LEGISLAÇÃO DECRETO FEDERAL Nº de Regulamenta as Leis de 8 de Novembro de 2000 e de 19 de dezembro de 2000 IMPLEMENTAÇÃO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA A CONSTRUÇÃO, REFORMA OU AMPLIAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DE USO PÚBLICO OU COLETIVO, OU A MUDANÇA DE DESTINAÇÃO PARA ESTES TIPOS DE EDIFICAÇÃO DEVERÃO SER EXECUTADAS DE MODO QUE SEJAM OU SE TORNEM ACESSÍVEIS À PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA. FONTE :WWW.CREATIVE.GETTYIMAGES.COM

37

38 RENATA MELLO (11)

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

Curso de Acessibilidade

Curso de Acessibilidade O - PROGRAMA E OBJETIVO 1. O QUE É ACESSIBILIDADE Quem são as pessoas com deficiência e as pessoas com mobilidade reduzida. A evolução do homem padrão e a arquitetura inclusiva. Conceito e as práticas

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

Guia de Boas Práticas de Acessibilidade Turismo Ativo

Guia de Boas Práticas de Acessibilidade Turismo Ativo Guia de Boas Práticas de Acessibilidade Turismo Ativo Guia de Boas Práticas de Acessibilidade Turismo Ativo Trabalho desenvolvido em parceria com a Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência

Leia mais

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

Leia mais

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso O que é acessibilidade? Significa não apenas permitirque pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão

Leia mais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais

Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais Adaptação de Espaços a Portadores de Necessidades Especiais... todas as pessoas têm uma necessidade especial, alguma coisa que sintam dificuldade em fazer... Acessibilidade Utilização, com segurança e

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

Engenharia Biomédica - UFABC

Engenharia Biomédica - UFABC Engenharia de Reabilitação e Biofeedback Projeto de Dispositivos de Reabilitação e Tecnologia Assistiva Professor: Pai Chi Nan 1 História II Guerra mundial (1939-1945) Aumento de número de pessoas com

Leia mais

ERGONOMIA. Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira. Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou. Junho 2011

ERGONOMIA. Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira. Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou. Junho 2011 ERGONOMIA Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou Junho 2011 CASTELNOU CONCEITUAÇÃO ERGONOMIA consiste no conjunto de conhecimentos que se tem a respeito do

Leia mais

Deus. Dr. Milton Bigucci. SECOVI e ACIGABC. Sr. João Alberto. Família. Noiva. Amigos. Equipe do escritório. A todos aqui presentes.

Deus. Dr. Milton Bigucci. SECOVI e ACIGABC. Sr. João Alberto. Família. Noiva. Amigos. Equipe do escritório. A todos aqui presentes. CONVITE APRESENTAÇÃO. Eduardo Ronchetti de Castro AGRADECIMENTOS. Agradecimentos especiais: Deus. Dr. Milton Bigucci. SECOVI e ACIGABC. Sr. João Alberto. Família. Noiva. Amigos. Equipe do escritório. A

Leia mais

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ Fábio Cosme Pandolfo 1 Tiago Cássio Pandolfo 2 Dorival L. dos Santos Junior 3 Gabriel Francisco Alves 4 Maria Conceição

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SÃO PAULO Campus Presidente Epitácio DORMITÓRIOS - SUÍTES QUARTO + BANHEIRO ÁREA DE DESCANSO E HIGIENE Docente: Fabrícia Mitiko Ikuta Verônica de Freitas

Leia mais

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE Autoria: Laudicéia Araújo Santana (orientadora) FACISA/IFPB E-mail: laudiceia.araujo@hotmail.com RESUMO AMPLIADO O tema da pesquisa

Leia mais

ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE

ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE Graziela Cristiane PAURA 1 Carolina Lotufo Bueno BARTHOLOMEI 2 Resumo: O design universal

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 1 Objetivo ( NBR 9050 ) 1.1 Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto,

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES ÍNDICE APRESENTAÇÃO.......................................... 3 PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA........................... 4 CIRCULAÇÃO

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A QUALIDADE DOS ESPAÇOS DE CIRCULAÇÃO URBANA - CALÇADAS - LOCALIZADAS NO ENTORNO DOS EQUIPAMENTOS PÚBLICOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS/SP Amanda Chiles Pereira Marcos Antonio

Leia mais

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Acessibilidade, conforme a Lei 10. 098/00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Roberta de Sousa Novais², Thaylane Eloise Gomes dos Santos², Givaldo Oliveira

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 O SER HUMANO Estatística Alarmante "As quedas fatais entre idosos representam cerca de 12% de todos os óbitos na população

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA

DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA Leonel Silva Rocha 1, Renan Henrique Casarim de Albuquerque 2, Bruno Luiz Domingos

Leia mais

CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA

CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA COSTA 1, Angelina Dias Leão SARMENTO 2, Bruna Ramalho FARIAS 3, Savina Brito de Centro de Tecnologia / Departamento de Arquitetura / PROBEX RESUMO

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A COMUNICAÇÃO DE DEFICIENTES AUDITIVOS

TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A COMUNICAÇÃO DE DEFICIENTES AUDITIVOS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS PARA A COMUNICAÇÃO DE DEFICIENTES AUDITIVOS 1. Introdução Anderson Luís Furlan Este resumo objetiva apresentar de forma sucinta o que é, deficiência, dando enfoque a deficiência

Leia mais

Acessibilidade e Ergonomia

Acessibilidade e Ergonomia Arqta. Dra Maria Elisabete Lopes Arqt a. Dr a. Maria Elisabete Lopes ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance para utilização, com SEGURANÇA E AUTONOMIA (...) por pessoa portadora de deficiência

Leia mais

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR MUNICÍPIO DE LONDRINA CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Situado ao norte do estado do Paraná Município foi criado em dezembro de 1934 e acaba de

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

Centro de Tecnologia e Sociedade

Centro de Tecnologia e Sociedade Centro de Tecnologia e Sociedade Legislação e Acessibilidade na Web Bruna Castanheira de Freitas bruna.freitas@fgv.br twitter.com/brucastanheiraf Análises Das políticas sobre acessibilidade no cenário

Leia mais

PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Bruna Ramalho Sarmento¹ Aluizia Márcia Fonseca de Lima² Colaboradores³

Leia mais

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio INTRODUÇÃO HISTÓRICA Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Exclusão Social Assistencialismo Integração Inclusão Social Extermínio Segregação / Paternalismo Adaptação ao meio

Leia mais

Escadas. Profa Dra Sandra Martins

Escadas. Profa Dra Sandra Martins Escadas Profa Dra Sandra Martins Circulação Vertical A circulação vertical faz-se por meio de ESCADAS, RAMPAS e de EQUIPAMENTOS MECÂNICOS (elevador, monta carga e escada rolante). ESCADAS Para representação

Leia mais

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Porto Alegre, 1º de junho de 2015 Construção de um Plano Municipal de Acessibilidade Acessibilidade Desenho Universal Rota Acessível

Leia mais

Conforto Ambiental I: Ergonomia e Antropometria

Conforto Ambiental I: Ergonomia e Antropometria Conforto Ambiental I: Ergonomia e Antropometria Profª Claudete Gebara J. Callegaro Mestranda em Arquitetura e Urbanismo claucallegaro@gmail.com 1º semestre de 2013 Universidade Ibirapuera Arquitetura e

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

JARDIM UNIVERSAL ESPAÇO LIVRE PÚBLICO PARA TODOS

JARDIM UNIVERSAL ESPAÇO LIVRE PÚBLICO PARA TODOS JARDIM UNIVERSAL ESPAÇO LIVRE PÚBLICO PARA TODOS Vera Helena Moro Bins Ely, Dr. Eng. Membro da ABERGO Email: vera.binsely@gmail.com Vanessa Goulart Dorneles, Msc. Arq. Urb. Departamento de Arquitetura

Leia mais

APRECIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS DE UMA UNIDADE DE EDUCAÇÃO TÉCNICA

APRECIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS DE UMA UNIDADE DE EDUCAÇÃO TÉCNICA APRECIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS DE UMA UNIDADE DE EDUCAÇÃO TÉCNICA Jefferson Fernandes da Franca; Washington Dionísio Sobrinho; Emilia Fernandes

Leia mais

Guia de acessibilidade

Guia de acessibilidade Piso tátil Resumo do guia de calçadas de Campo Grande, para dar maior apoio e informação aos nossos clientes, sobre elaboração e execução das calçadas conforme a legislação da capital, atendendo as condições

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Análise Ergonômica do Produto Critérios: Bases Conceituais e Funções do Produto Mario S. Ferreira Abril, 2012 HOMEM X MEIO DE PRODUÇÃO X MODO DE PRODUÇÃO AMBIENTE DE TRABALHO

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE SERVIÇO PUBLICO FEDERAL Avenida Senador Salgado Filho, 1840 - Lagoa Nova - Natal-RN CEP: 59056-000 Tel.: (Oxx84) 4006-7200 Fax: (Oxx84)4006-7203 - E-mail: fiscalizacao@crea-rn.org.br PROJETO COMPLEMENTAR

Leia mais

Como NÃO construir uma calçada acessível Ter, 13 de Outubro de :54

Como NÃO construir uma calçada acessível Ter, 13 de Outubro de :54 Basta darmos uma voltinha pela cidade para sentirmos uma certa dificuldade em passarmos livremente pelas calçadas. Se você estiver com um carrinho de bebê então já começa a ficar complicado: desvia daqui

Leia mais

Alguns estudos com foco na percepção do usuário vêm sendo realizado, conforme explica Villarouco, 2009:

Alguns estudos com foco na percepção do usuário vêm sendo realizado, conforme explica Villarouco, 2009: 1 INTRODUÇÃO A Ergonomia busca o entendimento das características humanas no desenvolvimento de sistemas que são abrigados em um ambiente. A Ergonomia do Ambiente Construído está relacionada com o conforto

Leia mais

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS ANÁLISE E AVALIAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS Antonio Pedro Alves de Carvalho Imagem: omnistudio.com.br Qualidades de uma solução arquitetônica: Funcionalidade Economia Beleza Flexibilidade Expansibilidade

Leia mais

ATIVIDADES DO CIA/ GTAA

ATIVIDADES DO CIA/ GTAA ATIVIDADES DO CIA/ GTAA - 2014 MEMBROS DO GRUPO DE TRABALHO ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA Coordenação: Prof.ª Dra. Angelina Dias Leão Costa Representante do Laboratório de Acessibilidade/ Departamento de

Leia mais

PLANO DIRETOR DE ACESSIB I IL I I L D I ADE - PDAc

PLANO DIRETOR DE ACESSIB I IL I I L D I ADE - PDAc PLANO DIRETOR DE ACESSIBILIDADE - PDAc DIRETRIZES DE TRABALHO DA SEACIS A Seacis participa de todos os Programas de Governo visando garantir acessibilidade e inclusão social das pessoas com deficiência,

Leia mais

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade I Conceituação. Luiz Leão

ENGENHARIA DE USABILIDADE Unidade I Conceituação. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Introdução 1.1 Ergonomia 1.1.1 Ergonomia física e cognitiva 1.2 Usabilidade e Engenharia de Usabilidade 1.3 Interação Humano-Computador. Unidade II

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título Do Trabalho

VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO. Título Do Trabalho ASSEMAE VII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título Do Trabalho INCENTIVO À PESQUISA, REFLEXÃO E DEBATE DE TEMAS AMBIENTAIS: ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DE PROJETO ARQUITETÔNICO E VISUAL DIFERENCIADO

Leia mais

O DESENHO UNIVERSAL E A ACESSIBILIDADE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DA AMAZÔNIA PARAENSE

O DESENHO UNIVERSAL E A ACESSIBILIDADE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DA AMAZÔNIA PARAENSE O DESENHO UNIVERSAL E A ACESSIBILIDADE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO TRANSPORTE HIDROVIÁRIO DA AMAZÔNIA PARAENSE Ronielson Santos das Mercês - UEPA 1 Priscilla Negrão Perdigão- FIBRA 2 Anderson Madson Oliveira

Leia mais

D. REGIME DE ACESSIBILIDADES

D. REGIME DE ACESSIBILIDADES D. REGIME DE ACESSIBILIDADES QUE NORMAS DO REGIME LEGAL DE ACESSIBILIDADES ESTOU DISPENSADO(A) DE CUMPRIR? O RERU dispensa as operações urbanísticas por ele abrangidas da aplicação do Regime Legal de Acessibilidades

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DE ESCOLAS ESTADUAIS DE ENSINO BÁSICO EM BLUMENAU/SC.

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DE ESCOLAS ESTADUAIS DE ENSINO BÁSICO EM BLUMENAU/SC. AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DE ESCOLAS ESTADUAIS DE ENSINO BÁSICO EM BLUMENAU/SC. Marcia Cristina Sardá (1); Ana Amélia D. Vanz (2); Giuliana P. Pelissari (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA UFG - Números 2015 GRADUAÇÃO Deficiência No. Especificidade No. Auditiva 57 Surdos 27 Física 52 Cadeirante 4 Intelectual 19 Sínd. de Down 2 Visual 36 Cego 2 Asperger

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES PASSOS, Edina Angelo 1, OLIVEIRA, Aline Damasceno 2, OLIVEIRA, Laisa da Costa 3, SILVA John Hebert 4, COSTA, Fernanda Nepomuceno 5.

Leia mais

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS

ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS ACESSIBILIDADE MANUAL DE TERMINAIS RODOVIÁRIOS Índice Apresentação 06 O que precisa ser adaptado 07 O custo das adaptações 10 Sinalização 12 Piso 14 Sinalização do piso 16 Rampas 18 Como deve ser uma

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

Rita Bersch 2014 Assistiva Tecnologia e Educação

Rita Bersch 2014 Assistiva Tecnologia e Educação Tecnologia Assistiva ou Tecnologia de Reabilitação? TA Construção conceitual CAT Novembro de 2006, o Comitê de Ajudas Técnicas (CAT), estabelecido pelo Decreto nº 5.296/2004. Portaria nº 142 Secretaria

Leia mais

Diagnóstico, Projecto e Implementação

Diagnóstico, Projecto e Implementação GERA foi criado em 2005 pela Ataraxia é e o primeiro Gabinete de Engenharia de Reabilitação e Acessibilidade, especializado em deficiência visual, em Portugal. Este Gabinete visa o projecto, desenvolvimento

Leia mais

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e, Publicado em 29 de dezembro de 2012 DECRETO N 11295/2012 Regulamenta a Lei nº 2.624, de 29 de dezembro de 2008, no que trata dos passeios públicos do Município de Niterói, instituindo a obrigatoriedade

Leia mais

Acessibilidade e Plano Municipal de Mobilidade Urbana

Acessibilidade e Plano Municipal de Mobilidade Urbana Acessibilidade e Plano Municipal de Mobilidade Urbana Parauapebas, 12 de novembro de 2014. Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades é uma característica

Leia mais

Conceitos Básicos. Aula 04 13/03/2013. INF1403 Introdução a IHC. Profa. Luciana Salgado

Conceitos Básicos. Aula 04 13/03/2013. INF1403 Introdução a IHC. Profa. Luciana Salgado 1 Conceitos Básicos Aula 04 13/03/2013 2 Objetivos da Aula Recapitulação da Aula passada Critérios de Qualidade de Uso Usabilidade Acessibilidade Comunicabilidade 3 Recordação: Interface e Interação INTERFACE

Leia mais

Legislação e Diretrizes de acessibilidade na Web. Reinaldo Ferraz W3C Brasil - CEWEB.br

Legislação e Diretrizes de acessibilidade na Web. Reinaldo Ferraz W3C Brasil - CEWEB.br Legislação e Diretrizes de acessibilidade na Web Reinaldo Ferraz W3C Brasil - CEWEB.br Constituição Federal de 1988 Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL

PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL DATA HORÁRIO CURSO VAGAS OBJETIVO MINISTRANTE CARGA HORÁRIA LOCAL BLOCO / SALA 24/out 19h ABERTURA 700 14h - 21h30 Espaço Interativo Livre A importância de compreender

Leia mais

Acessibilidade: VOCÊ ESTÁ SENSÍVEL A ESSE TEMA? POR MARA GABRILLI

Acessibilidade: VOCÊ ESTÁ SENSÍVEL A ESSE TEMA? POR MARA GABRILLI Acessibilidade: VOCÊ ESTÁ SENSÍVEL A ESSE TEMA? POR MARA GABRILLI Quem é MARA GABRILLI... reabilitação, estudo, trabalho, inclusão... Quando eu ajudo a melhorar a vida de alguém, a minha vida melhora junto.

Leia mais

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas

Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas Instruções para Uso dos Guias e Especificações Técnicas 1. Introdução As orientações aqui contidas têm o objetivo de auxiliar a FRANQUEADA na instalação da AGF. Seguindo todas as orientações e tirando

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DA ESCOLA ESTADUAL RIO BRANCO NA CIDADE DE PATOS-PB

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DA ESCOLA ESTADUAL RIO BRANCO NA CIDADE DE PATOS-PB ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DA ESCOLA ESTADUAL RIO BRANCO NA CIDADE DE PATOS-PB OLIVEIRA, Ane Francisca (1); BATISTA, Andreza (2); RODRIGUES, Joyce(3); FERNANDES, Júlio César (4) (1) Faculdades Integradas

Leia mais

DESENHO BÁSICO AULA 01. Desenho Técnico. Desenho. História do Desenho Técnico. Desenho Artístico Desenho Técnico

DESENHO BÁSICO AULA 01. Desenho Técnico. Desenho. História do Desenho Técnico. Desenho Artístico Desenho Técnico desenho de planta-baixa DESENHO BÁSICO AULA 01 Introdução ao Desenho Técnico Desenho Desenho Artístico Desenho Técnico Desenho Técnico Ramos do Desenho Técnico Mecânico Desenho Não-Projetivo: peças máquinas

Leia mais

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico

Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico Concepção da Forma Arquitetônica_2 bares e restaurantes _ dimensionamento básico fonte: PANERO, Julius; ZELNIK, Martin. Las Dimensiones en los Espacios Interiores. Mexico: Gustavo Gili, 1996 [1979]. Pg

Leia mais

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada.

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada. CALÇAdA cidada Essa publicação tem por objetivo divulgar o regramento de construção e manutenção das calçadas da cidade de Canoas. Apresentação Cuidar de sua calçada é um sinal de amor à cidade e de respeito

Leia mais

PA.06/201.95/11597/00

PA.06/201.95/11597/00 EQUIPE DE APOIO TÉCNICO ESPECIALIDADE PROFISSIONAL CREA/ CAU RUBRICA Arquitetura e Urbanismo Arq. Márcia Soldera CAU 54.2403 Christine Borges Reffatti (estagiária) REV MODIFICAÇÃO DATA PROJETISTA DESENHISTA

Leia mais

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 Júlia Regina Magni 2, Bruna Thays Uhde 3, Tarcisio Dorn De Oliveira 4. 1 Trabalho desenvolvido na disciplina de Urbanismo do curso de Engenharia

Leia mais

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES Boletim nº2 GT Acessibilidade SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES A Norma Brasileira de Acessibilidade ABNT NBR 9050, desde sua primeira edição em 01/09/1985, estabelece

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: Infraestrutura Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano 2012 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. PRINCIPAIS DISPOSITIVOS

Leia mais

ARRANJO FÍSICO (LAYOUT)

ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) Definição ARRANJO FÍSICO (LAYOUT) Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O arranjo físico (ou layout) corresponde ao arranjo dos diversos postos de trabalho nos espaços

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL2000 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 1 Introdução O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido

Leia mais

ACESSIBILIDADE NAS CERCANIAS DE EDIFICIOS PÚBLICOS

ACESSIBILIDADE NAS CERCANIAS DE EDIFICIOS PÚBLICOS ACESSIBILIDADE NAS CERCANIAS DE EDIFICIOS PÚBLICOS Fernanda Francisco da Silva Arquiteta da Eletrobrás FURNAS Universidade Federal Fluminense - UFF fernandafranci@gmail.com Protasio Ferreira e Castro,

Leia mais

1. TEMA DA PESQUISA 2. OBJETIVOS DA PESQUISA 1.1 DELIMITAÇÃO DO TEMA DA PESQUISA

1. TEMA DA PESQUISA 2. OBJETIVOS DA PESQUISA 1.1 DELIMITAÇÃO DO TEMA DA PESQUISA 3 1. TEMA DA PESQUISA O tema da pesquisa é Acessibilidade no Transporte Urbano, das Leis a Inclusão Social. A palavra acessível vem do latim accessibile e é um adjetivo que significa a que se pode chegar,

Leia mais

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO Existe uma bibliografia completa com dimensões médias das necessidades humanas. Um dos autores mais importantes é Ernst Neufert, que fez um estudo detalhado sobre estas dimensões

Leia mais

A Sinalização Externa deve permitir a fácil identificação dos serviços prestados no local.

A Sinalização Externa deve permitir a fácil identificação dos serviços prestados no local. Sinalização Externa A Sinalização Externa deve permitir a fácil identificação dos serviços prestados no local. O Sistema de Sinalização Externa é composto por um conjunto de elementos tridimensionais ou

Leia mais

Tecnologia Assistiva: promoção da funcionalidade e independência da pessoa com deficiência intelectual

Tecnologia Assistiva: promoção da funcionalidade e independência da pessoa com deficiência intelectual Tecnologia Assistiva: promoção da funcionalidade e independência da pessoa com deficiência intelectual Daianne Serafim Martins Terapeuta Ocupacional - CREFITO 9510 Especialista em Educação Inclusiva Mestre

Leia mais

a acessibilidade em edifícios de habitação

a acessibilidade em edifícios de habitação a acessibilidade em edifícios de habitação Seminário Internacional Design Inclusivo - Sociedade inclusiva Câmara Municipal de Lisboa 2 e 3 de Julho de 2003 João Branco Pedro Jpedro@lnec.pt Laboratório

Leia mais

Acessibilidade aos bens culturais imóveis

Acessibilidade aos bens culturais imóveis Acessibilidade aos bens culturais imóveis Ana Carolina Araújo Pereira acarolpereira@yahoo.com.br Master em Arquitetura Instituto de Pós-graduação - IPOG Resumo A Constituição Federal de 1988 garante o

Leia mais

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários

TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil TH 030- Sistemas Prediais Hidráulico Sanitários Aula 15 Instalações Prediais de Esgoto Sanitário Profª Heloise G. Knapik 1 Instalações prediais de esgotamento

Leia mais

PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1

PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1 PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1 Lúcio Zorzan 2, Djiovani Dalben 3, Lucas Gustavo Freiberger 4. 1 Pesquisa desenvolvida no Curso de Engenharia Civil da UNIJUI

Leia mais

78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito

78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito 78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito Acessibilidade Viviane Fernandes Lima Manaus, 28 de junho de 2012. 1. DADOS E CONCEITOS 2. INCLUSÃO SOCIAL

Leia mais

REGULAMENTO CATEGORIAS

REGULAMENTO CATEGORIAS REGULAMENTO Data: 15 de Novembro Local de largada e chegada: Praça Tamandaré Entrega de chips: 07:00-08:00 na praça Tamandaré. Horário de Largada: Corrida: 08:30 Caminhada: 09:10 Distâncias: o o Corrida:

Leia mais

A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS

A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS Vinicius Costa Cavalheiro Machado Divisão de Administração das Instalações Prediais DAAA/Eletrobras

Leia mais

HABILITAÇÃO E REABILITAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA PERSPECTIVA DA SAÚDE

HABILITAÇÃO E REABILITAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA PERSPECTIVA DA SAÚDE HABILITAÇÃO E REABILITAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NA PERSPECTIVA DA SAÚDE AUTORES: Renatha de Carvalho (renathacfisio@gmail.com), Andréa de Jesus Lopes (andrealopesfisio@gmail.com. CER II

Leia mais

FISIOTERAPIA DO TRABALHO

FISIOTERAPIA DO TRABALHO FISIOTERAPIA DO TRABALHO - UFJF PNE e Fisioterapia do Trabalho Promover a inclusão das pessoas portadoras de deficiência requer um processo global em que todas as nações estejam envolvidas. A globalização

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 21/ 2009 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE JULIANA MONTAGNANI RODRIGUES ADAPTAÇÃO DO AMBIENTE DE TRABALHO PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU MOBILIDADE REDUZIDA VISANDO ACESSIBILIDADE E SEGURANÇA DO TRABALHO

Leia mais

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Lei de Uso e Ocupação do Solo Paulo Roberto Secretário de Planejamento Ponte Nova 31 99989-1636 23/11/2016 Mobilidade Urbana: é a condição em

Leia mais