ATIVIDADES DO CIA/ GTAA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATIVIDADES DO CIA/ GTAA"

Transcrição

1 ATIVIDADES DO CIA/ GTAA

2 MEMBROS DO GRUPO DE TRABALHO ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA Coordenação: Prof.ª Dra. Angelina Dias Leão Costa Representante do Laboratório de Acessibilidade/ Departamento de Arquitetura e Urbanismo Membros: Profa. Msc. Cláudia Regina Cabral Galvão Coord. de projetos inclusivos Campus I Prof. Dr. Antônio Gualberto Filho Representante da Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários Prof.ª Solange de Sousa Coord.. De projetos inclusivos no Campus III, Bananeiras Prof. Marcelo Diniz Representante do Prefeitura Universitária/ UFPB Prof. Renato Fonseca Livramento Representante de projetos inclusivos no Campus IV Mariana Maia Representante da comunidade acadêmica de pessoas com deficiência física

3 MEMBROS DO GRUPO DE TRABALHO ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA Estudantes bolsistas e voluntários: Camila Correia de Oliveira Graduanda em Arquitetura e Urbanismo Bolsista CIA/ LACESSE Rodrigo das Santos Laurentino Graduando em Arquitetura e Urbanismo Bolsista CIA/ LACESSE. Leilane Bento de Araújo Meneses Graduanda em Terapia Ocupacional e bolsista CIA/ PRAPE Samuel do Nascimento Régis Graduando em Design de Produtos UFPB/ Campus IV Rio Tinto Poliane da Silva Ferreira Graduanda de Bacharelado em Agroindústria - UFPB/ Campus III Bananeiras

4 AÇÕES PROPOSTAS X AÇÕES PRIORIZADAS O GT-AA, no dia 14 de maio de 2014, propôs três ações como prioritárias para esse ano, são elas: - PROPOSIÇÃO DE PROJETO PARA NOVO ESPAÇO SEDE DO COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE - ESPAÇO ACESSÍVEL; - ELABORAÇÃO DO MANUAL DE ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE (FÍSICO ESPACIAL) DA UFPB; - ELABORAÇÃO DE RETRATO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DOS CAMPI DA UFPB.

5 PROPOSIÇÃO DE PROJETO PARA NOVO ESPAÇO SEDE DO COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE - ESPAÇO ACESSÍVEL Ação ficou sobre a responsabilidade do Prefeitura Universitária; Primeira proposição seria que a sede ocuparia um lugar na biblioteca central, mas a disponibilização desse lugar não foi viável; Como solução, foi disponibilizada uma sala na Reitoria, sendo o local de importância fundamental devido a vinculação do comitê ao gabinete da Reitora. ELABORAÇÃO DO MANUAL DE ORIENTAÇÃO E MOBILIDADE (FÍSICO ESPACIAL) DA UFPB Tarefa executada por todos os membros do GT-AA; Definiu-se os usuários dos Campi como público alvo desse manual, e que seu conteúdo traria uma apresentação do CIA; Estabeleceu-se a necessidade de pesquisa bibliográfica, cujo início do levantamento ficou sob responsabilidade da Professora Solange Sousa, que reuniu, mas não chega apresentar uma proposta, sendo esta a última ação em relação a essa publicação, essa ação deverá ser retomada em 2015.

6 ELABORAÇÃO DOS RETRATOS DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DOS CAMPI DA UFPB OBJETIVO GERAL Montar um retrato das condições de acessibilidade dos Campi da Universidade Federal da Paraíba que se divide em: Campus I, na cidade de João Pessoa, o núcleo de Direito em Santa Rita, o Campus II, na cidade de Areia, o Campus III, na cidade de Bananeiras, o Campus IV, nas cidades de Mamanguape e Rio Tinto e o campus V em Mangabeira. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Realizar um levantamento bibliográfico com a finalidade de reunir conhecimento sobre os principais temas relacionados à acessibilidade. Levantar dados através de projetos, mapas e em campo, a fim de adquirir um conhecimento geral das áreas dos campi. Determinar instrumentos de avaliação mais apropriados para a realidade geral dos campi. Analisar os dados recolhidos apontando os principais problemas encontrados.

7 PROGRAMAÇÃO DAS VISITAS CAMPUS VISITADO/ CIDADE DATAS RESPONSÁVEIS ACOMPANHANTES Campus V - Mangabeira 12/07/14 Camila Oliveira/ Rodrigo Laurentino Campus I - Santa Rita 07/08/14 Camila Oliveira/ Rodrigo Laurentino Campus IV - Rio Tinto 08/09/14 Camila Oliveira/ Rodrigo Laurentino Campus IV - Mamanguape 21/10/14 Camila Oliveira/ Rodrigo Laurentino Gualberto Renato Renato Campus III Bananeiras 07/11/14 Camila Oliveira Andreza Campus II Areia 12/11/14 Rodrigo Laurentino Andreza Campus I - Santa Rita 21/11/14 Camila Oliveira/ Rodrigo Laurentino

8 LOCALIZAÇÃO DOS CAMPI Figura 1: Mapa do Estado da Paraíba com a localização dos municípios onde estão situados os Campi da UFPB: 1 João Pessoa; 2 Santa Rita; 3 Rio Tinto; 4 Mamanguape; 5 Bananeiras; 6 Areia. Fonte: <http://pt.wikipedia.org/wiki/para%c3%adba> Acesso em dez (modificado). DISTÂNCIA SANTA RITA RIO TINTO MAMANGUAPE AREIA BANANEIRAS JOÃO PESSOA 12,7 km 52 km 62 km 130 km 14 km 1 Tabela 2: Distância dos municípios onde estão situados os Campi da UFPB em relação a João Pessoa.

9 RESULTADO RETRATO DOS CAMPI DA UFPB CAMPUS I SANTA RITA CAMPUS II AREIA CAMPUS III BANANEIRAS CAMPUS IV MAMANGUAPE CAMPUS IV RIO TINTO CAMPUS V MANGABEIRA Fonte: acervo CIA/ LACESSE, 2014

10 PRINCIPAIS PROBLEMAS ENCONTRADOS - CAMPUS I Corrimões descontínuos e de alturas diferentes da estabelecida pela norma 90/50. Detecta-se a ausência de piso tátil de sinalização. Após o portão de entrada para pedestres encontra-se a presença de uma rampa que possui 8,97% de inclinação. Na escada há diferença de altura entre os degraus. 4 vagas especiais, vagas, todas em dimensões ideais porém, 2 encontram-se desconectadas dos blocos de aulas, localizando-se a 35 metros do passeio. Fonte: acervo CIA/ LACESSE, 2014

11 PRINCIPAIS PROBLEMAS ENCONTRADOS - CAMPUS II Areia - CCA Estacionamento locado nas calçadas existentes. Terreno íngreme;. Presença de grandes obstáculos ao longo do percurso. Quando a calçada existe, ele possui uma série de problemas como: superfície irregular, ausência de piso tátil de alerta e direcional ou rebaixamento do meio fio. Não há faixa elevada ou sinalização para a travessia de acesso ao restaurante universitário. Presença de rampas que não atendem ao que é estabelecido pela norma. Fonte: acervo CIA/ LACESSE, 2014

12 Bananeiras- CCHSA Terreno íngreme. Presença de grandes obstáculos ao longo do percurso. Quando a calçada existe, ele possui uma série de problemas como: superfície irregular, ausência de piso tátil de alerta e direcional ou rebaixamento do meio fio. Presença de rampas que não atendem ao que é estabelecido pela norma. Grande distância entre as edificações. Piso em paralelepípedo. Fonte: acervo CIA/ LACESSE, 2014

13 PRINCIPAIS PROBLEMAS ENCONTRADOS - CAMPUS IV CCAE Corredores dos blocos de aula são estreitos. Ausência de piso tátil direcional, ou de alerta Passeios interrompidos. Gramado nas juntas de dilatação no piso da praça; Rampas inadequadas; Topografia irregular; Fonte: acervo CIA/ LACESSE, 2014

14 CCAE Tampas de caixa de inspeção ou de visita deterioradas; Ausência de piso tátil direcional, ou de alerta; Passeios estreitos e descontínuos; Rampas inadequadas; diversos desníveis; Topografia irregular Fonte: acervo CIA/ LACESSE, 2014

15 CTDR Fonte: acervo CIA/ LACESSE, 2014

16 RESULTADO RETRATO DOS CAMPI DA UFPB Para o ano de 2015, o GT-AA tomou a decisão de apontar os Campi de Bananeiras e Areia como um dos Campus a ser realizado um diagnóstico mais aprofundado, por ambas apresentarem mais pontos críticos em relações aos outros, dado com o objetivo de futuramente submetê-lo a uma adequação as normas de acessibilidade.

17 OUTRAS AÇÕES O GT- AA teve participação ativa na campanha intitulada Acessibilidade: abra sua mente e remova barreiras, que aconteceu no dia 24 de novembro, de 2014, contou com a participação de diversos laboratórios, como o LACESSE e LAVITA e órgãos da UFPB, como a PRAPE e o CIA. Fonte: acervo LACESSE, 2014

RETRATO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DOS CAMPI DA UFPB

RETRATO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DOS CAMPI DA UFPB RETRATO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DOS CAMPI DA UFPB OLIVEIRA, Camila Correia de (1); LAURENTINO, Rodrigo dos Santos (2) COSTA, Angelina Dias Leão (3) (1) Universidade Federal da Paraíba, Aluna de

Leia mais

CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA

CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA COSTA 1, Angelina Dias Leão SARMENTO 2, Bruna Ramalho FARIAS 3, Savina Brito de Centro de Tecnologia / Departamento de Arquitetura / PROBEX RESUMO

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Porto Alegre, 1º de junho de 2015 Construção de um Plano Municipal de Acessibilidade Acessibilidade Desenho Universal Rota Acessível

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE

MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE Autoria: Laudicéia Araújo Santana (orientadora) FACISA/IFPB E-mail: laudiceia.araujo@hotmail.com RESUMO AMPLIADO O tema da pesquisa

Leia mais

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Acessibilidade, conforme a Lei 10. 098/00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Roberta de Sousa Novais², Thaylane Eloise Gomes dos Santos², Givaldo Oliveira

Leia mais

PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Bruna Ramalho Sarmento¹ Aluizia Márcia Fonseca de Lima² Colaboradores³

Leia mais

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL

PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL DATA HORÁRIO CURSO VAGAS OBJETIVO MINISTRANTE CARGA HORÁRIA LOCAL BLOCO / SALA 24/out 19h ABERTURA 700 14h - 21h30 Espaço Interativo Livre A importância de compreender

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1

PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1 PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1 Lúcio Zorzan 2, Djiovani Dalben 3, Lucas Gustavo Freiberger 4. 1 Pesquisa desenvolvida no Curso de Engenharia Civil da UNIJUI

Leia mais

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá Dispõe sobre a constituição e funcionamento do Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá. CAPÍTULO I DO CENTRO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

Guia de acessibilidade

Guia de acessibilidade Piso tátil Resumo do guia de calçadas de Campo Grande, para dar maior apoio e informação aos nossos clientes, sobre elaboração e execução das calçadas conforme a legislação da capital, atendendo as condições

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

Ref.: Recomendações à Congregação da EFLCH/UNIFESP feitas até a data pela Comissão de Espaço Físico, Infraestrutura, Acessibilidade e Inclusão

Ref.: Recomendações à Congregação da EFLCH/UNIFESP feitas até a data pela Comissão de Espaço Físico, Infraestrutura, Acessibilidade e Inclusão São Paulo, 28 de maio de 2012 Ref.: Recomendações à Congregação da EFLCH/UNIFESP feitas até a data pela Comissão de Espaço Físico, Infraestrutura, Acessibilidade e Inclusão Caros Membros da Congregação,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 21/ 2009 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR MUNICÍPIO DE LONDRINA CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Situado ao norte do estado do Paraná Município foi criado em dezembro de 1934 e acaba de

Leia mais

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES Boletim nº2 GT Acessibilidade SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES A Norma Brasileira de Acessibilidade ABNT NBR 9050, desde sua primeira edição em 01/09/1985, estabelece

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas

I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO CURSO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NOTURNO OBSERVATÓRIO DE AÇÕES AFIRMATIVAS I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas O processo de inclusão e

Leia mais

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

AULA 3. (Continuação) Parte II EDI 64 ARQUITETURA E U. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AULA 3 REPRESENTAÇÃO GRÁFICA URBANISMO_ 2015 EDI 64 ARQUITETURA E U (Continuação) Parte II Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille ESQUADRIAS/ABERTURAS PORTAS Representar a(s) folha(s) da esquadria procurando

Leia mais

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ Fábio Cosme Pandolfo 1 Tiago Cássio Pandolfo 2 Dorival L. dos Santos Junior 3 Gabriel Francisco Alves 4 Maria Conceição

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade Lista de verificação Algumas soluções implementadas em praias acessíveis, que poderão inspirar soluções a implementar nas zonas balneares Ponto 1 Chegada

Leia mais

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES PASSOS, Edina Angelo 1, OLIVEIRA, Aline Damasceno 2, OLIVEIRA, Laisa da Costa 3, SILVA John Hebert 4, COSTA, Fernanda Nepomuceno 5.

Leia mais

Avaliação das condições de ensino - UFPE

Avaliação das condições de ensino - UFPE Avaliação das condições de ensino - UFPE Editar este formulário Prezado(a) professor(a), Considerando o ensino como uma das dimensões da docência na universidade (Ensino, pesquisa, extensão, gestão), este

Leia mais

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO 6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO I. BAIRRO AMÂNCIO PIMENTA Foto 1 Declividade acentuada acesso bairro Foto 2 Via em blocos sextavados em conjunto habitacional II. BAIRRO CAMPO VINTE Foto 3 Principal via

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2016 NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA UFES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2016 NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA UFES PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2016 Proposta aprovada em Reunião Ordinária de fechamento de exercício do NAUFES realizada no dia 15 de janeiro de 2015. Vitória (ES), 15 de dezembro de 2015. Introdução UNIVERSIDADE

Leia mais

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO

DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO DESENHO ARQUITETÔNICO PROFESSORA MATEUS ARRUDA SUMARA QUERINO CIRCULAÇÃO VERTICAL A circulação vertical tem função de vencer os desníveis, possibilitando o livre acesso e circulação entre estes. ESCADAS

Leia mais

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 Júlia Regina Magni 2, Bruna Thays Uhde 3, Tarcisio Dorn De Oliveira 4. 1 Trabalho desenvolvido na disciplina de Urbanismo do curso de Engenharia

Leia mais

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 O SER HUMANO Estatística Alarmante "As quedas fatais entre idosos representam cerca de 12% de todos os óbitos na população

Leia mais

O Manual de Acessibilidade Urbana é resultado do Seminário de Acessibilidade e Desenho Universal realizado em julho de 2012.

O Manual de Acessibilidade Urbana é resultado do Seminário de Acessibilidade e Desenho Universal realizado em julho de 2012. O Manual de Acessibilidade Urbana é resultado do Seminário de Acessibilidade e Desenho Universal realizado em julho de 2012. Está sendo elaborado a pedido da Secretária da SMPD, Georgette Vidor, e da presidente

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES ÍNDICE APRESENTAÇÃO.......................................... 3 PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA........................... 4 CIRCULAÇÃO

Leia mais

AUTOAVALIAÇÃO 2015 INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS. Não acessaram. concluíram. Discentes ,3% Docentes ,2%

AUTOAVALIAÇÃO 2015 INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS. Não acessaram. concluíram. Discentes ,3% Docentes ,2% AUTOAVALIAÇÃO 205 INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS ) PARTICIPAÇÃO Aptos Não Não Concluíram % de acessaram concluíram concluintes 2.050 23 75.852 90,3% 7 7 5 95 8,2% 7 9 3 49 69,0% 2) INFRAESTRUTURA GERAL E SERVIÇOS

Leia mais

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário

Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário Carla Moraes Técnica em Edificações CTU - Colégio Técnico Universitário PREVENÇÃO SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Visam o abandono seguro da população, em caso de incêndio ou pânico, e permitir o acesso de bombeiros

Leia mais

AS EXPERIÊNCIAS NO CURSO DE CAPACITAÇÃO PRÁTICA DO USO DO GEOPROCESSAMENTO EM PROJETOS

AS EXPERIÊNCIAS NO CURSO DE CAPACITAÇÃO PRÁTICA DO USO DO GEOPROCESSAMENTO EM PROJETOS AS EXPERIÊNCIAS NO CURSO DE CAPACITAÇÃO PRÁTICA DO USO DO GEOPROCESSAMENTO EM PROJETOS RESUMO ARCANJO 1, Amanda Maria de Freitas SILVA 2, Camila Coelho SANTOS 3, Edinilza Barbosa dos REIS 4, Christiane

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO

MEMORIAL DESCRITIVO DE REFORMA DA USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO BOM SUCESSO ANEXO X MEMORIAL DESCRITIVO REFORMA DO USF CORNÉLIA DA CONCEIÇÃO - BOMSUCESSO 1. Histórico A unidade de Saúde Familiar Cornélia da Conceição do Bairro Bom Sucesso atende cerca de 70 usuários por dia, abrangendo

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS EM EDITAIS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. 1 Edital Institucional de Extensão Pró-reitoria de Extensão

ORIENTAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS EM EDITAIS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. 1 Edital Institucional de Extensão Pró-reitoria de Extensão ORIENTAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS EM EDITAIS 1 Edital Institucional de Extensão Pró-reitoria de Extensão a. Abertura de processo com o protocolo de documento oficial (memorando) encaminhado ao Gabinete contendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE EDITAL N 16/2017 PROGRAD PET CONEXÃO DE SABERES MATEMÁTICA 1 APRESENTAÇÃO 1.1 A (PROGRAD) torna pública a seleção de bolsistas para o grupo PET Conexões de Saberes em Matemática do Curso de Licenciatura

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011

RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011 COMISSÃO PROPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA- Ano: 2011 São Luis- MA 2011 1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES EXECUTADAS PELA CPA - 2011 Programa de sensibilização de discente, coordenadores

Leia mais

Campus Zona Leste Audiência Pública Câmara Municipal de São Paulo 17 de junho de Profa. Dra. Soraya Smaili Reitora UNIFESP

Campus Zona Leste Audiência Pública Câmara Municipal de São Paulo 17 de junho de Profa. Dra. Soraya Smaili Reitora UNIFESP Campus Zona Leste Audiência Pública Câmara Municipal de São Paulo 17 de junho de 2013 Profa. Dra. Soraya Smaili Reitora UNIFESP Alguns números da UNIFESP Geografia multi-campi da Unifesp Campus inicial

Leia mais

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE Este roteiro tem por objetivo apresentar ao responsável pela vistoria remota os detalhes e ângulos básicos a serem obtidos por

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO CURSO DE LETRAS

PROJETOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO CURSO DE LETRAS PROJETOS DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO CURSO DE LETRAS Linha Pesquisa Análises textuais discursivas de e e Descriminação Projetos Resumo Pesquisa Memória e Identidade dos Cursos de Letras das Universidades

Leia mais

RELATÓRIO. Raimundo Gadelha Fontes Filho (Assessor de Suporte e Informática) Josinécia de Cássia Oliveira (Assessoria Web designer)

RELATÓRIO. Raimundo Gadelha Fontes Filho (Assessor de Suporte e Informática) Josinécia de Cássia Oliveira (Assessoria Web designer) RELATÓRIO Relatório das atividades do 1º trimestre/2016 do Setor de Suporte e Informática/UFPB. EQUIPE: Raimundo Gadelha Fontes Filho (Assessor de Suporte e Informática) Josinécia de Cássia Oliveira (Assessoria

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE SERVIÇO PUBLICO FEDERAL Avenida Senador Salgado Filho, 1840 - Lagoa Nova - Natal-RN CEP: 59056-000 Tel.: (Oxx84) 4006-7200 Fax: (Oxx84)4006-7203 - E-mail: fiscalizacao@crea-rn.org.br PROJETO COMPLEMENTAR

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA COORDENADORIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COAI COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE I O DISCENTE AVALIA AS AÇÕES DO CURSO Prezado(a)

Leia mais

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio INTRODUÇÃO HISTÓRICA Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Exclusão Social Assistencialismo Integração Inclusão Social Extermínio Segregação / Paternalismo Adaptação ao meio

Leia mais

Projeto aquisição e instalação de bicicletários na Cidade Universitária da UFRJ

Projeto aquisição e instalação de bicicletários na Cidade Universitária da UFRJ Projeto aquisição e instalação de bicicletários na Cidade Universitária da UFRJ Relatório de atividades Dezembro de 2014 Índice Ficha Técnica... 3 Apresentação... 4 1. Introdução... 5 2. Resultados das

Leia mais

DARIO LUIZ DIAS PAIXÃO ( ) -> coordenador(a) da comissão FABIANA BANDEIRA ESPÍRITO SANTO ( )

DARIO LUIZ DIAS PAIXÃO ( ) -> coordenador(a) da comissão FABIANA BANDEIRA ESPÍRITO SANTO ( ) RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO_AUTORIZAÇÃO DE GASTRONOMIA Informações gerais da avaliação: Protocolo: 201209917 Código MEC: 761080 Código da 100229 Avaliação: Ato Regulatório: Categoria Módulo: Status: Instrumento:

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO NO PERÍODO DE RECESSO 27/06/2016 A 08/07/2016

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO NO PERÍODO DE RECESSO 27/06/2016 A 08/07/2016 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO NO PERÍODO DE RECESSO 27/06/2016 A 08/07/2016 DATA SERVIÇO LOCAL 27/06 Readequação da entrada de pessoas Biblioteca (MM) 27/06 Mudança de layout de instalação elétrica

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL ESPAÇO VIVACIDADE ARTE, CULTURA E EDUCAÇÃO Autora: Cristiane Lavall O que é Trata-se de um complexo de arte, cultura e educação, denominado Espaço VivAcidade, no município de Arroio do Meio. O objetivo

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

CONDIÇÕES DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE PARA CADEIRANTES: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC

CONDIÇÕES DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE PARA CADEIRANTES: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CONDIÇÕES DE MOBILIDADE E ACESSIBILIDADE PARA CADEIRANTES: ESTUDO DE CASO NO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC A. Schmitz e J. da Silveira RESUMO Este trabalho teve como objetivo analisar

Leia mais

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande

APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande APLICANDO O CÓDIGO DE OBRAS E EDIFICAÇÕES DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS Arq. Fernando Mazzeo Grande Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Urbano 2012 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO I. PRINCIPAIS DISPOSITIVOS

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS ROTAS DE ACESSO ENTRE BIBLIOTECA E BLOCOS DE SALA DE AULA EM RELAÇÃO À NBR 9050 ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE

ADAPTAÇÃO DAS ROTAS DE ACESSO ENTRE BIBLIOTECA E BLOCOS DE SALA DE AULA EM RELAÇÃO À NBR 9050 ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE ADAPTAÇÃO DAS ROTAS DE ACESSO ENTRE BIBLIOTECA E BLOCOS DE SALA DE AULA EM RELAÇÃO À NBR 9050 ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE André Curcino Ribeiro de Oliveira 1, Guilherme Alves Morais 1, Roberto

Leia mais

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que?

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que? ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO CCSH Questão Geral 1.1 Como você percebe a utilização dos resultados da autoavaliação como subsídio à revisão, proposição e implementação das ações

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

SEPLAN Comitê de uso Racional dos Recursos. Sub-comitê de acessibilidade:

SEPLAN Comitê de uso Racional dos Recursos. Sub-comitê de acessibilidade: SEPLAN Comitê de uso Racional dos Recursos Marta Dischinger Ruth Nogueira Giseli Knak Denise Siqueira Gabriela Custódio Carolina Stolf Sub-comitê de acessibilidade: Bolsistas: Luiz Fernando Gonçalves,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX UNIFACEX CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL SELEÇÃO DE BOLSISTA PARA O PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTIFICA (PROIC)

CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX UNIFACEX CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL SELEÇÃO DE BOLSISTA PARA O PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTIFICA (PROIC) CENTRO UNIVERSITÁRIO FACEX UNIFACEX CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO EDITAL SELEÇÃO DE BOLSISTA PARA O PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTIFICA (PROIC) 2017-2018 EDITAL N.º 02/2017 I APRESENTAÇÃO: O Centro Universitário

Leia mais

PROGRAMA DE NECESSIDADES - CAMPUS ZONA LESTE DA UNIFESP QUADRO DE USOS E ÁREAS DESCRITAS POR FASE DE CRESCIMENTO

PROGRAMA DE NECESSIDADES - CAMPUS ZONA LESTE DA UNIFESP QUADRO DE USOS E ÁREAS DESCRITAS POR FASE DE CRESCIMENTO PROGRAMA DE NECESSIDADES - CAMPUS ZONA LESTE DA UNIFESP QUADRO DE USOS E ÁREAS DESCRITAS POR FASE DE CRESCIMENTO Os quadros aqui apresentado foram elaborados em julho de 2013 pela Pró- Reitoria de Planejamento

Leia mais

ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE

ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE Graziela Cristiane PAURA 1 Carolina Lotufo Bueno BARTHOLOMEI 2 Resumo: O design universal

Leia mais

Caracterização e objetivos do PET

Caracterização e objetivos do PET UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE EDUCAÇÂO TUTORIAL - PET EDITAL DE SELEÇÃO PARA TUTOR(A) DO GRUPO PET CIVIL (2016) A PROGRAD divulga, pelo presente edital,

Leia mais

Condições gerais da Biblioteca de Dianópolis

Condições gerais da Biblioteca de Dianópolis CÂMPUS DIANÓPOLIS UNITINS SUDESTE A avaliação interna da Unitins destacou como principais problemas identificados pelos discentes, docentes e técnicos administrativos, nas instalações físicas da universidade:

Leia mais

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos

Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos 1 Comissão de Implantação do Campus 2 USP S. Carlos Proposta de diretrizes para elaboração de Plano Diretor de Ocupação da Área 2 do Campus de São Carlos Prof. Carlos Martins, Arq. Sérgio Assumpção, Prof.

Leia mais

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL

INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL ESCOLA POLITÉCNICA DA USP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ESTRUTURAS E FUNDAÇÕES DEFESA DE TESE PROGRAMA DE DOUTORADO ENGENHARIA DE ESTRUTURAS 0313101 APRIMORAMENTO DE UM CURSO DE ENGENHARIA INTRODUÇÃO À

Leia mais

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA

Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA Profa. Dra. VANESSA H. SANTANA DALLA DÉA UFG - Números 2015 GRADUAÇÃO Deficiência No. Especificidade No. Auditiva 57 Surdos 27 Física 52 Cadeirante 4 Intelectual 19 Sínd. de Down 2 Visual 36 Cego 2 Asperger

Leia mais

A PRECARIEDADE DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE OFERECIDAS POR UMA UNIVERSIDADE ESTADUAL

A PRECARIEDADE DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE OFERECIDAS POR UMA UNIVERSIDADE ESTADUAL A PRECARIEDADE DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE OFERECIDAS POR UMA UNIVERSIDADE ESTADUAL Carlos Humberto Martins 1 William Cestari 2 RESUMO A acessibilidade é tema frequente na sociedade global contemporânea.

Leia mais

UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES

UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES UFV/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO (CPA) III CICLO DA AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - 2009-2010 AGOSTO-2011 QUESTIONÁRIO AUTO-AVALIAÇÃO PROFESSORES A CPA agradece sua participação no processo de Autoavaliação

Leia mais

REGULAMENTO PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS E ARTIGOS

REGULAMENTO PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS E ARTIGOS REGULAMENTO PARA A SUBMISSÃO DE TRABALHOS E ARTIGOS Este Regulamento tem como objetivo comunicar as orientações, normas e demais informações pertinentes à submissão de trabalhos e artigos no Seminário

Leia mais

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional data Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - 2016-2020 Prof. Esper Cavalheiro Pró-Reitor de Planejamento - PROPLAN Profa. Cíntia Möller Araujo Coordenadora de Desenvolvimento Institucional e Estudos

Leia mais

PLANO DIRETOR DE ACESSIB I IL I I L D I ADE - PDAc

PLANO DIRETOR DE ACESSIB I IL I I L D I ADE - PDAc PLANO DIRETOR DE ACESSIBILIDADE - PDAc DIRETRIZES DE TRABALHO DA SEACIS A Seacis participa de todos os Programas de Governo visando garantir acessibilidade e inclusão social das pessoas com deficiência,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO ENCONTRO ANUAL DE PLANEJAMENTO 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO ENCONTRO ANUAL DE PLANEJAMENTO 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO ENCONTRO ANUAL DE PLANEJAMENTO 2015 ABRIL DE 2015 PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL Metas na LOA 2015; Atividades realizadas em 2014; Metas

Leia mais

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada.

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada. CALÇAdA cidada Essa publicação tem por objetivo divulgar o regramento de construção e manutenção das calçadas da cidade de Canoas. Apresentação Cuidar de sua calçada é um sinal de amor à cidade e de respeito

Leia mais

Comprovação de renda mensal compatível aos critérios de recebimento do benefício Bolsa Família. 6. Bairros atendidos

Comprovação de renda mensal compatível aos critérios de recebimento do benefício Bolsa Família. 6. Bairros atendidos CRAS - MARUÍPE Coordenadora: Cremilda Viana Astorga E-mail: cvastorga@correio1.vitoria.es.gov.br Fundação: 2001 Endereço: Rua Dom Pedro I, 72 Bairro: Maruípe CEP: 29043-190 Telefone: (27) 3314-5311 Horário

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

XI SEMINÁRIO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DA PUC MINAS CHAMADA PARA A SELEÇÃO DE COMUNICAÇÕES ORAIS PARA OS GRUPOS DE TRABALHO (GTs)

XI SEMINÁRIO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DA PUC MINAS CHAMADA PARA A SELEÇÃO DE COMUNICAÇÕES ORAIS PARA OS GRUPOS DE TRABALHO (GTs) XI SEMINÁRIO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DA PUC MINAS CHAMADA PARA A SELEÇÃO DE COMUNICAÇÕES ORAIS PARA OS GRUPOS DE TRABALHO (GTs) 1. OS GRUPOS DE TRABALHO (GTs) Os grupos de trabalho serão realizados no

Leia mais

Escadas. Profa Dra Sandra Martins

Escadas. Profa Dra Sandra Martins Escadas Profa Dra Sandra Martins Circulação Vertical A circulação vertical faz-se por meio de ESCADAS, RAMPAS e de EQUIPAMENTOS MECÂNICOS (elevador, monta carga e escada rolante). ESCADAS Para representação

Leia mais

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO

ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO ELEMENTOS DE ARQUITETURA E URBANISMO REPRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ARQUITETURA Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC Unidade Vitória da Conquista BA Colegiado de Engenharia Civil Prof. Philipe do Prado

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO RS Esquina Santos Dumont com Albatroz Bairro Albatroz Osório -

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO RS Esquina Santos Dumont com Albatroz Bairro Albatroz Osório - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO RS Esquina Santos Dumont com Albatroz Bairro Albatroz Osório - RS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

Infra Estrutura PRÉDIO A ARTUR GOMES PRÉDIO C CENTRAL

Infra Estrutura PRÉDIO A ARTUR GOMES PRÉDIO C CENTRAL Infra Estrutura PRÉDIO A ARTUR GOMES Portaria 1,80 Circulação Entrada 69,70 Circulação 41,58 Sanitário Feminino 10,64 Segurança 6,30 Escada 9,20 Hall 60,30 Enfermaria 15,75 Auditório 185,05 Lanchonete

Leia mais

INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Editar este formulário Caro(a) aluno(a), este é um instrumento de avalia várias dimensões de sua vivência na universidade. Sua participação é muito importante para que possamos:

Leia mais

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and

Leia mais

ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB

ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB Maria Abílio Fragoso (1); Jaqueline de Souza (1); Idairis Andrade dos Santos(2); Caio César Alves de

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA COORDENADORIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COAI COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE I O DOCENTE AVALIA AS AÇÕES DO CURSO Prezado(a)

Leia mais

Esclarecimentos relatvos ao Regulamento de Uso do Solo do Campus Pampulha da UFMG tendo em vista a possível transferência da Escola de Arquitetura

Esclarecimentos relatvos ao Regulamento de Uso do Solo do Campus Pampulha da UFMG tendo em vista a possível transferência da Escola de Arquitetura Esclarecimentos relatvos ao Regulamento de Uso do Solo do Campus Pampulha da UFMG tendo em vista a possível transferência da Escola de Arquitetura para o Campus Belo Horizonte, Abril de 2011 LOCALIZAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº020/2017 OPÇÃO DE ESCOLHA DA ÊNFASE DO CURSO DE PSICOLOGIA PARA O 2º SEMESTRE DE 2017 alterado

EDITAL Nº020/2017 OPÇÃO DE ESCOLHA DA ÊNFASE DO CURSO DE PSICOLOGIA PARA O 2º SEMESTRE DE 2017 alterado EDITAL Nº020/2017 OPÇÃO DE ESCOLHA DA ÊNFASE DO CURSO DE PSICOLOGIA PARA O 2º SEMESTRE DE 2017 alterado Mônica Gomes Abel, Secretária Geral do Centro Universitário São Camilo, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA

Edifício São Marcos REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA REGISTRO E DESCRIÇÃO DE UMA OBRA MODERNA A cidade de João Pessoa, na Paraíba, possui bastantes obras modernas importantes e interessantes, mas que não foram levantadas devidamente, para fins acadêmicos.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16/ CONSEPE. Aprova o Calendário Universitário 2017.

RESOLUÇÃO Nº 16/ CONSEPE. Aprova o Calendário Universitário 2017. Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE Rua Almino

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista Faculdade da Alta Paulista Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Faculdade de Direito da Alta Paulista Faculdade da Alta Paulista Comissão Própria de Avaliação (CPA) PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA FAP 2016 1. Introdução Desde 2004, a avaliação interna da Instituição Dom Bosco de Ensino e Cultura Ltda. está sob as normas do Sistema Nacional de Avaliação dos

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Campus Guarulhos

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Campus Guarulhos Guarulhos, 16 de abril de 2012. Aos membros da Comissão de Espaço Físico, Infraestrutura e Acessibilidade e Inclusão da EFLCH Prezados Senhores: Em atenção ao documento encaminhado por Vossas Senhorias

Leia mais

Centro de Pesquisa e Aprendizado de Línguas Estrangeiras

Centro de Pesquisa e Aprendizado de Línguas Estrangeiras Centro de Pesquisa e Aprendizado de Línguas Estrangeiras Ana Luísa Oliveira de Borba A língua é um meio de comunicação. Nesta época atual, das distâncias diminuídas através de toda sorte de tecnologias,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE SALAS 1º SEMESTRE/2017 CÂMPUS I

DISTRIBUIÇÃO DE SALAS 1º SEMESTRE/2017 CÂMPUS I PRÉDIO SALA TURNO MANHÃ TARDE NOITE 4.201 Centro de Línguas 4.212 Coordenação do Curso de Pedagogia 4.300 Coordenação do Curso de Nutrição 4.301 - - Nutrição/2017 4.302 - - Nutrição/2014 4.303 - - - 4.304

Leia mais

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 1 Objetivo ( NBR 9050 ) 1.1 Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto,

Leia mais

QUALIDADE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL DO PEDESTRE EM UM EIXO COMERCIAL. D. M. Yoshida, F. A. Alonge e R. C. Magagnin

QUALIDADE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL DO PEDESTRE EM UM EIXO COMERCIAL. D. M. Yoshida, F. A. Alonge e R. C. Magagnin QUALIDADE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL DO PEDESTRE EM UM EIXO COMERCIAL D. M. Yoshida, F. A. Alonge e R. C. Magagnin RESUMO Atualmente um grande número de deslocamentos diários nas cidades é realizado pelo

Leia mais