Acessibilidade e Ergonomia

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acessibilidade e Ergonomia"

Transcrição

1 Arqta. Dra Maria Elisabete Lopes Arqt a. Dr a. Maria Elisabete Lopes

2 ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance para utilização, com SEGURANÇA E AUTONOMIA (...) por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida. É o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente. Ergonomics Research Society (1949) A finalidade da ergonomia é de entender os efeitos de todos os fatores ambientais que incidem sobre o homem

3 Pessoas com deficiência Restrição Física, mental ou sensorial de natureza permanente ou transitória que limita a capacidade de exercer uma ou mais atividades essenciais, causada ou agravada pelo ambiente econômico e social. Tipos de deficiência Física ambulatorial parcial e total - usuários de cadeira de rodas, muletas, bengalas, andadores etc Sensorial visual /auditiva e fala (parcial ou total) -cego, surdo, dislexo, mudo, dislalia, gago Orgânica doenças crônicas Múltipla mais que uma deficiência associadas

4 Pessoas com mobilidade reduzida e dificuldade de comunicação Pessoas com limitações físicas, sensoriais, cognitivas, restrições na transmissão e processamento de informações ou comunicação, percepção, compreensão e utilização do ambiente.

5 Pessoa Idosa Declínio gradual da capacidade física, sensorial e cognitiva Diminuição da estatura Perda de força física Tempo de reação a estímulos Processamento da informação Limitações compatíveis com aquelas identificadas nas pessoas com deficiência e com mobilidade reduzida soluções universais

6 Diversidade humana

7 DESENHO UNIVERSAL DESENHO UNIVERSAL Desenho universal - concepção de espaços, artefatos e produtos que visam atender simultaneamente todas as pessoas, com diferentes características antropométricas e sensoriais, de forma autônoma, segura e confortável, constituindose nos elementos ou soluções que compõem a acessibilidade.

8 ou NBR 9050:2004 Acessibilidade em edificações NBR 13994:2000 Elevadores de Passageiros elevadores para transporte de pessoa portadora de deficiência NBR Transporte- Trem de longo percurso NBR Transporte Trem Metropolitano NBR Transporte- ônibus e trólebus NBR Transporte aéreo Em andamento: Piso tátil Acessibilidade em escolas para crianças Acessibilidade digital Transporte - aquaviário - USPLEGAL Informativos técnicos

9 Área de transferência Ângulos para otimização da força Empunhadura

10 Espaço e Circulação

11 Modulo de referência Módulo de Referência de uma Pessoa em Cadeira de Rodas Pessoas em cadeira de rodas são maioria dos casos a referência básica para definição de dimensionamento dos espaços de circulação, alcance manual e visual.

12 Área de Aproximação Área de Transferência 1.20m 0.80 Módulo de Referência de Uma pessoa em cadeira de rodas

13 Antropometria Dinâmica Ângulos de aplicação da Força Alcance e Posicionamento Tarefa a ser executada Pessoas com maior grau de comprometimento muscular necessitam otimizar o uso e a aplicação da força valendo-se de ângulos e posicionamentos mais favoráveis

14 Antropometria medidas físicas do corpo humano Estática Produtos e equipamentos exijam poucos movimentos Funcional Dinâmica Medidas associadas a análise da tarefa, onde o alcance da mão pode ter valores diferentes dependendo da ação (apertar, girar, agarrar) Utilizada para determinar alcance e faixa de movimentos. Considera movimentos isolados

15 Ângulo de força - Empunhadura 30 30

16 Ângulo de força - Empunhadura Ângulo de força Empunhadura 30 30

17 Corrimão

18 Empunhadura - Força

19 Alcance manual Fora do alcance manual Arqta Maria Elisabete Lopes

20 Instalações sanitárias

21 46cm Quantidade- 5% de cada peça sanitária por sexo Localização- dentro da rota acessível Características do espaço- área de manobra, transferência, alcance manual e visual Sinalização- direcional e posicional 51cm 38cm

22 Instalações sanitárias

23 Tipos de transferências É a área mínima necessária para que uma pessoa utilizando cadeiras de rodas possa estacionar e posicionar-se ao lado do objeto para o qual deseja transferir-se. O ideal é que o espaço permita as mais variadas posições para transferência, dando ao usuário maior número de opções..24 PAPELEIRA PAPELEIRA PAPELEIRA Paralela OBLÍQUA Perpendicular

24 FONTE: ADA

25 Instalações sanitárias

26 Instalações sanitárias

27 Equilíbrio

28 Adaptações erradas Soluções deficientes

29

30 Instalações sanitárias ÁREA DE GIRO raio = 1,50m ÁREA DE TRANSFERÊNCIA

31 Chuveiro

32 Chuveiro

33 Bancos 1.20m

34 Piscina Arqta Maria Elisabete Lopes

35 Piscina

36

37 Espelho ESPELHO i=10º TORNEIRA ELETRÔNICA ÁREA A SER PROTEGIDA

38 Lavatórios

39 mictórios

40 Acessórios Alcance Manual

41 Manuseio

42 Corrimão Formato circular entre 3 e 4,5cm Firmemente fixado Dupla altura Extremidades recurvadas ou embutidas Ultrapassar o,30m no início e final das rampas ou escadas

43 Design e Posicionamento Fora dos padrões de ergonomia

44 Corrimão

45 Espaço sem obstáculos para que a pessoa que utiliza cadeira de rodas possa manobrar, deslocar-se, aproximar-se e utilizar o mobiliário ou o elemento com autonomia e segurança Área de Aproximação Sem área de aproximação o alcance fica prejudicado

46 Uso do equipamento Fonte: Burjato(2004)- Pq. Vila Lobos

47 Atividade do ambiente x acessibilidade ÁREA DE SERVIÇO COZINHA ESCRITÓRIO

48 Balcões - Mesas

49 Alcance - Força - Atividade Alcance visual Alcance manual Manipulação

50 Arqt a. Dr a. Maria Elisabete Lopes

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera

/estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050. Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera /estudo preliminar análise da norma de acessibilidade ABNT NBR 9050 Gustavo Alves Rocha Zago Izabela Dalla Libera O objetivo desta norma é estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem observados

Leia mais

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR

PROJETO. Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR PROJETO Vaso sanitário e lavatório Medidas das áreas de aproximação Banheiros e Vestiário VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR VISTA SUPERIOR Área para estacionamento da cadeira, para posteior transferência.

Leia mais

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013

Aula 04 Normas e Estratégias de Acessibilidade A NBR9050 Setembro, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA

PROJETO DE NORMA BRASILEIRA PROJETO DE NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and the urban environment Palavras-chave: Descriptors:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA QUESTIONÁRIO DE ACESSIBILIDADE PARA AS PROCURADORIAS DA REPÚBLICA Procuradoria: Considerando a implantação

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING

MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO DE ACESSIBILIDADE PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA NO ITABORAÍ PLAZA SHOPPING MEMORIAL DESCRITIVO O Shopping Itaboraí, localizado na Rodovia BR-101, Km 295,5 Rio Aldeia

Leia mais

Curso de Acessibilidade

Curso de Acessibilidade O - PROGRAMA E OBJETIVO 1. O QUE É ACESSIBILIDADE Quem são as pessoas com deficiência e as pessoas com mobilidade reduzida. A evolução do homem padrão e a arquitetura inclusiva. Conceito e as práticas

Leia mais

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica)

Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) E-EQI-01 Anexo 1 Checklist de Acessibilidade, baseado em Aragão (2004) PCD: pessoas com deficiência Assinalar como V (Verdadeiro), F (Falso) ou NSA (Não Se Aplica) 1. Vias de Acesso As vias de acesso no

Leia mais

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente

Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente Regras de acessibilidade ao meio físico para o deficiente 151 Com a intenção de mostrar ao empresariado opções simples de adaptação do ambiente de trabalho para o deficiente físico, sugerimos em seguida

Leia mais

Todos Juntos por um Brasil maisacessível

Todos Juntos por um Brasil maisacessível Todos Juntos por um Brasil maisacessível Aspectos Técnicos Edificações Públicas Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) Núcleo de Atuação Especial em Acessibilidade 1 Uma rampa? Um banheiro com

Leia mais

Laudo de Acessibilidade

Laudo de Acessibilidade Laudo de Acessibilidade Vistoriado por Arq. Eduardo Ronchetti de Castro CREA 5061914195/D Considerações legais elaboradas por Dr. Luis Carlos Cocola Kassab - OAB/SP 197.829 Rua Marechal Deodoro, 1226 Sala

Leia mais

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT

NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT NORMAS DE ACESSIBILIDADE - Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT 4.2 Pessoas em cadeira de rodas (P.C.R.) 4.2.1 Cadeira de rodas A figura 2 apresenta dimensões referenciais para cadeiras de rodas

Leia mais

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade

ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade ANÁLISE INDIVIDUAL DE PRODUTOS Relatório de Acessibilidade 1. Conceito/objetivo do produto: O relatório destina-se a informar e orientar as condições de acesso e utilização de equipamentos e instalações

Leia mais

Cartilha de Acessibilidade

Cartilha de Acessibilidade Cartilha de Acessibilidade Acessibilidade em Terminais e Pontos de Parada Rodoviários e Estações Ferroviárias do Sistema de Transporte Interestadual e Internacional de Passageiros Realização ANTT - Agência

Leia mais

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. Considerando o previsto na Constituição da República

Leia mais

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida

Prefeitura da Cidade de São Paulo Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida MANUAL DE INSTRUÇÕES TÉCNICAS DE ACESSIBILIDADE PARA APOIO AO PROJETO ARQUITETÔNICO Manual de instruções técnicas de acessibilidade para apoio ao projeto arquitetônico PRINCÍPIOS BÁSICOS DIRETRIZES CHECK

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião. LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP)

Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião. LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP) CÓDIGO: DC 1.3/14 REVISÃO: 01 PÁGINA: 1 de 9 Normas e Leis para Ocupação de Auditórios e Locais de Reunião LEI Nº 11.228, DE 25 DE JUNHO DE 1992 (São Paulo/SP) (LUIZA ERUNDINA DE SOUZA, Prefeita do Município

Leia mais

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I

PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I PUC- RIO CENTRO UNIVERSITÁRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ARQ 1028 DESENHO DE ARQUITETURA I Circulações Verticais São meios não mecânicos e mecânicos que permitem a ligação entre planos de níveis

Leia mais

Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso. respeite o direito de ir e vir de cada um

Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso. respeite o direito de ir e vir de cada um Sem ACESSIBILIDADE não tem inclusão! Cartilha de bolso respeite o direito de ir e vir de cada um Fique sabendo: De acordo com o último senso realizado em 2010, 23,5% da população brasileira tem algum tipo

Leia mais

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PLANO DE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA O Plano de Acessibilidade Arquitetônica é parte integrante da Política de Inclusão do Instituto Federal Farroupilha, em consonância

Leia mais

IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS

IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS IX CONGRESSO CATARINENSE DE MUNICÍPIOS Acessibilidade e a Pessoa com Deficiência M.Sc. Eng.º GILMAR BORGES RABELO - Assessor de Mobilidade Urbana da Superintendência da Pessoa com Deficiência e Mobilidade

Leia mais

CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE: UM ESTUDO DAS CLÍNICAS DE FISIOTERAPIA DO MUNICÍPIO DE TUBARÃO/SC

CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE: UM ESTUDO DAS CLÍNICAS DE FISIOTERAPIA DO MUNICÍPIO DE TUBARÃO/SC CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE: UM ESTUDO DAS CLÍNICAS DE FISIOTERAPIA DO MUNICÍPIO DE TUBARÃO/SC Rodrigo Ghizzo*, Alexandre Zabot ** * Acadêmico da 8ª fase do curso de Fisioterapia, de Conclusão de Curso

Leia mais

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO

CATEGORIA A7 OUTROS SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE APOIO IDENTIFICAÇÃO Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02.

ABNT NBR 14022 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros EMENDA 1 20.02. NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14022 EMENDA 1 20.02.2009 Válida a partir de 20.03.2009 Acessibilidade em veículos de características urbanas para o transporte coletivo de passageiros Accessibility in vehicles

Leia mais

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( )

Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Acessibilidade nos Ambientes Escolares EMEI ( ) EMEF ( ) Nome: Endereço: Data: / 2.005 Vistoriado por: Características da Edificação : LEGISLAÇÃO DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 NBR 9050/2004;

Leia mais

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS Acessibilidade, responsabilidade de todos Conquista consciente, com responsabilidade O QUE É ACESSIBILIDADE? Acessibilidade, responsabilidade de todos Todos temos

Leia mais

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

CATEGORIA C5 EVENTOS PROGRAMADOS IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

CATEGORIA A2 MEIOS DE ACESSO AO MUNICÍPIO IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: ( 1 ) A.2.3.1. Aeroporto ( 2 ) A.2.3.2. Campo de pouso

CATEGORIA A2 MEIOS DE ACESSO AO MUNICÍPIO IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: ( 1 ) A.2.3.1. Aeroporto ( 2 ) A.2.3.2. Campo de pouso Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015

X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015 X Conferência Nacional de Assistência Social INFORME CNAS Nº 03/2015 Recomendações aos Conselhos para garantir a acessibilidade nas Conferências de Assistência Social Ranieri Braga - Informes Conselho

Leia mais

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14

L A B O R A T Ó R I O A D A P T S E Escola de Arquitetura da UFMG. ROTEIRO DE INSPEÇÃO DA ACESSIBILIDADE Guia Acessível BH / RIZOMA CONSULTING14 INTRODUÇÃO Este material tem o objetivo de avaliar a acessibilidade mínima de estabelecimentos comerciais e de serviço ao público. Ele avalia basicamente a acessibilidade física do local e as condições

Leia mais

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal

NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14022 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência em ônibus e trólebus, para atendimento urbano e intermunicipal Sede: Rio de

Leia mais

CARTILHA DE ACESSIBILIDADE DO MUNICÍPIO DE SINOP/ MT

CARTILHA DE ACESSIBILIDADE DO MUNICÍPIO DE SINOP/ MT CARTILHA DE ACESSIBILIDADE DO MUNICÍPIO DE SINOP/ MT DEFINIÇÃO ACESSIBILIDADE é a possibilidade e condição de alcance para utilização, com segurança e autonomia, de espaços e mobiliário, equipamentos urbanos,

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

Tecnologias Assistivas

Tecnologias Assistivas Tecnologias Assistivas Novembro/2011 Elisa Tuler de Albergaria Departamento de Ciência da Computação INCLUSÃO NAS ESCOLAS: Oficinas do fazer e do pensar COM a diferença - 2011 Acessibilidade Acessibilidade

Leia mais

Manual de acessibilidade para agências bancárias

Manual de acessibilidade para agências bancárias Manual de acessibilidade para agências bancárias Especificações técnicas para adequações na acessibilidade para pessoas com deficiência e/ou com mobilidade reduzida Índice 2 M a n u a l d e A c e s s i

Leia mais

APRESENTAÇÃO CRÉDITOS. Osvaldo Abrão de Souza. Rosana Puga de Moraes Martinez Diretora-Presidente da SPA-MS

APRESENTAÇÃO CRÉDITOS. Osvaldo Abrão de Souza. Rosana Puga de Moraes Martinez Diretora-Presidente da SPA-MS CRÉDITOS APRESENTAÇÃO Prof a. Rosana Puga de Moraes Martinez Diretora presidente da SPA-MS Henrique Rossi Otto Vice-presidente da SPA-MS e Arquiteto e Urbanista Equipe Técnica: Mayara Souza da Cunha Coordenadora

Leia mais

Critérios e especificações técnicas para avaliação de acessibilidade em edificações, mobiliário e espaços.

Critérios e especificações técnicas para avaliação de acessibilidade em edificações, mobiliário e espaços. Critérios e especificações técnicas para avaliação de acessibilidade em edificações, mobiliário e espaços. Referência: Norma ABNT 9050/2004 APRESENTAÇÃO O presente Guia Prático de Acessibilidade foi elaborado

Leia mais

ACESSIBILIDADE MOBILIDADE ACESSÍVEL NA CIDADE DE SÃO PAULO EDIFICAÇÕES VIAS PÚBLICAS LEIS E NORMAS

ACESSIBILIDADE MOBILIDADE ACESSÍVEL NA CIDADE DE SÃO PAULO EDIFICAÇÕES VIAS PÚBLICAS LEIS E NORMAS MOBILIDADE ACESSÍVEL NA CIDADE DE SÃO PAULO EDIFICAÇÕES VIAS PÚBLICAS LEIS E NORMAS ACESSIBILIDADE SECRETARIA ESPECIAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E MOBILIDADE REDUZIDA c2 CPA - Comissão Permanente de Acessibilidade

Leia mais

Fonte: Universidade Federal do Paraná. Sistema de Bibliotecas. Biblioteca Central. Departamento de Bibliotecas e Documentação

Fonte: Universidade Federal do Paraná. Sistema de Bibliotecas. Biblioteca Central. Departamento de Bibliotecas e Documentação Sigla Código Nome da Biblioteca Banheiros adaptados Bebedouros e lavabos adaptados Entrada/Saída com dimensionamento Banheiros com leiautes adaptados (lavatórios, espelhos, barras de apoio, vasos, papeleiras,

Leia mais

Acessibilidade: VOCÊ ESTÁ SENSÍVEL A ESSE TEMA? POR MARA GABRILLI

Acessibilidade: VOCÊ ESTÁ SENSÍVEL A ESSE TEMA? POR MARA GABRILLI Acessibilidade: VOCÊ ESTÁ SENSÍVEL A ESSE TEMA? POR MARA GABRILLI Quem é MARA GABRILLI... reabilitação, estudo, trabalho, inclusão... Quando eu ajudo a melhorar a vida de alguém, a minha vida melhora junto.

Leia mais

PROJETO DE APARTAMENTO ACESSÍVEL

PROJETO DE APARTAMENTO ACESSÍVEL PROJETO DE APARTAMENTO ACESSÍVEL Danielle Almeida danielle.almeida@terra.com.br Marina Corain mncorain@gmail.com 5. sem. Design de Interiores Disciplina: Desenho Universal Prof.: Helena Degreas Perfil

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE - LIC 71.3.8 - Índice 1. Elementos de Arquitetura 1.1 Passeio 1.2 Vagas de estacionamento - demarcação 1.3 Vagas de estacionamento - sinalização 1.4 Rampas 1.5 Escadas e seus componentes 1.6 Aproximação

Leia mais

A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS

A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS A QUESTÃO DA ACESSIBILIDADE NA ELETROBRAS HOLDING: O PAPEL DA ERGONOMIA COMO ARTICULADORA DE AÇÕES INTEGRADAS Vinicius Costa Cavalheiro Machado Divisão de Administração das Instalações Prediais DAAA/Eletrobras

Leia mais

INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO

INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE APOIO TÉCNICO E ESPECIALIZADO DIVISÃO DE ACESSIBILIDADES E AJUDAS TÉCNICAS INQUÉRITO ACESSIBILIDADE NOS ESTABELECIMENTOS

Leia mais

O VASO SANITÁRIO E AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA.

O VASO SANITÁRIO E AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. O VASO SANITÁRIO E AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA. Luiz Antonio Miguel Ferreira 1 Juliana Alves Biazoli 2 1. Introdução. A acessibilidade é um tema que vem sendo discutido cada vez mais pela sociedade, em

Leia mais

NOTA TÉCNICA 25/2015 REQUISITOS LEGAIS UNIDADE 1. Roberta Muriel

NOTA TÉCNICA 25/2015 REQUISITOS LEGAIS UNIDADE 1. Roberta Muriel NOTA TÉCNICA 25/2015 REQUISITOS UNIDADE 1 Roberta Muriel Objetivo: Orientar sobre como cada requisito deve ser tratado pela IES e pelos avaliadores. A IES deve: Manifestar-se e apresentar informações sobre

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM

ACESSIBILIDADE. Bairro CEP Município: UF. I.Largura da faixa pavimentada da calçada - NÃO FOI ENCONTRADA LARGURA MENOR DE 120 CM Fls: 1 / 9 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto:

3. Alguns itens imprescindíveis na elaboração do projeto: 1. Introdução A acessibilidade é um direito de todos. Promover espaços, onde todas as pessoas possam usufruir com igualdade, liberdade e autonomia, é um compromisso de cada cidadão. Esta cartilha tem o

Leia mais

Acessibilidade para Hotéis

Acessibilidade para Hotéis Acessibilidade para Hotéis Muito se tem falado e comentado sobre acessibilidade em hotéis, mas o empresariado ainda não está sensibilizado e convencido da sua necessidade. Este vê a adequação ou mesmo

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE

RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE RECOMENDAÇÕES PARA A ACESSIBILIDADE EM ETAPAS DA 2 CONFERÊNCIA NACIONAL DE JUVENTUDE Este documento foi organizado pela Comissão Organizadora Nacional (CON) da 2 Conferência Nacional de Políticas Públicas

Leia mais

LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIÂNIA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE LEI: GABINETE DO PREFEITO LEI N 65, DE 9,5DE JANEIRO DE 1997. "Dispõe sobre adaptações no Transporte Coletivo Urbano e garante o acesso de pessoas portadoras de deficiência, do idoso e dá outras providências".

Leia mais

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento

ACESSIBILIDADE. Lista de Verificação Deficiência Motora. Órgão/Empresa: Fls: 1 / 18. Dados do Empreendimento. Data: Endereço: NR Complemento Fls: 1 / 18 Dados do Empreendimento Órgão/Empresa: Data: Endereço: NR Complemento Bairro CEP Município: UF Tipo de Utilização: Público Privado Representante Legal: Responsável pelas Informações: [nome/função/matrícula]

Leia mais

78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito

78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito 78ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito Acessibilidade Viviane Fernandes Lima Manaus, 28 de junho de 2012. 1. DADOS E CONCEITOS 2. INCLUSÃO SOCIAL

Leia mais

Fluxograma das áreas de uso público do sistema de trem urbano ou metropolitano - Exemplo

Fluxograma das áreas de uso público do sistema de trem urbano ou metropolitano - Exemplo 5 Configuração das áreas de uso público do sistema de trem urbano ou metropolitano aprov modif alteração/modificação/inclusão/exclusão 5.1 5.1 Condições gerais As áreas de uso público da estação devem

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal 1

Acessibilidade e Desenho Universal 1 Acessibilidade e Desenho Universal 1 Adriana Romeiro de Almeida Prado 2 É papel do planejador intervir nos espaços para criação de ambientes que desafiam e para eliminação dos ambientes que intimidam.

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas

Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas ACESSIBILIDADE EM INFORMAÇÃO E EM ARTE Quem faz a diferença? Acessibilidade e Desenho Universal em Bibliotecas Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - UFRJ Regina COHEN, DSc. Arquiteta e Doutora em Ecologia

Leia mais

0 BRASIL: altura que varia entre 70cm e 1,40m.

0 BRASIL: altura que varia entre 70cm e 1,40m. 0 CONDIÇÃO: Antigamente nanismo, atualmente baixa estatura 0 INDIVÍDUO: Antigamente anão, atualmente pessoa de baixa estatura 0 Em alguns poucos países: pessoas pequenas ( little people, em inglês), como

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Eng. Civil e de Seg. do Trab. Luis Fiorotti Presidente do Crea-ES. Dezembro 2007.

APRESENTAÇÃO. Eng. Civil e de Seg. do Trab. Luis Fiorotti Presidente do Crea-ES. Dezembro 2007. APRESENTAÇÃO O Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Espírito Santo - Crea-ES - e a Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República - SEDH desenvolveram esta

Leia mais

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE NO EQUIPAMENTO URBANO ESCOLA

INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE NO EQUIPAMENTO URBANO ESCOLA INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE NO EQUIPAMENTO URBANO ESCOLA RELATÓRIO DE ORIENTAÇÃO PARA ADAPTAÇÃO DE ESCOLAS EM PROMOÇÃO DO USO AUTÔNOMO E SEGURO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA OU MOBILIDADE REDUZIDA CRITÉRIOS

Leia mais

CARTILHA DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS URBANOS

CARTILHA DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS URBANOS CARTILHA DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS URBANOS APRESENTAÇÃO O presente documento objetiva estabelecer critérios e parâmetros técnicos a serem utilizados para elaboração dos projetos

Leia mais

Biblioteca Delmita Batista Zimmermann

Biblioteca Delmita Batista Zimmermann Capa: Walter Soares Barbosa Rocha Filho Diagramação: Mariana Hunka Patrocinador da 2ª Tiragem (5.000 exemplares): CREA/RN Patrocinador da 1ª Tiragem (5.000 exemplares): CREA/RN. 2007 M622 MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades

CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA. Lúcia Maria Mendonça Santos Ministério das Cidades CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MOBILIDADE URBANA Lúcia Maria Mendonça Santos S e m i n á r i o M o b i l i d a d e U r b a n a S u s t e n t á v e l : P r á t i c a s e T e n d ê n c

Leia mais

CATEGORIA B6 SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE LAZER IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

CATEGORIA B6 SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS DE LAZER IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ARQUITETURA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ARQUITETURA CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ARQUITETURA QUESTÃO 1 No programa gráfico AutoCAD, o comando que cria cantos arredondados em linhas e polilinhas é: a) trim b)radius c) fillet d)array e)angle QUESTÃO 2 Em relação

Leia mais

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE

PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE ESCLARECIMENTOS BÁSICOS PARA O PREENCHIMENTO DO RVH RELATIVOS À ACESSIBLIDADE GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO DO DISTRITO FEDERAL Superintendência de Planejamento, Normas e Procedimentos PROGRAMA AÇÕES FISCAIS PARA ACESSIBILIDADE PROJETO : ACESSIBILIDADE EM PASSEIOS

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Área de Aproximação à porta Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há área de manobra para cadeira de rodas? (raio mínimo=de 1,20m a 1,50m) Dimensões da área frontal à porta Dimensões

Leia mais

Acessibilidade. Dicas ANAC

Acessibilidade. Dicas ANAC Acessibilidade Dicas ANAC Acessibilidade Assistência especial Passageiros que podem solicitar assistência especial: Gestantes; Idosos a partir de 60 anos; Lactantes; Pessoas com criança de colo; Pessoas

Leia mais

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14021 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar

Leia mais

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Terceira edição 11.09.2015 Válida a partir de 11.10.2015 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Accessibility to buildings, equipament and

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO

ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO ROTEIRO BÁSICO PARA AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NAS EDIFICAÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DADOS DA EDIFICAÇÃO Órgão: Endereço: Bairro: Município: Data: Uso do imóvel: Institucional: Comercial: Residencial:

Leia mais

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos

Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos Acessibilidade e inclusão social para os cidadãos surdos e deficientes auditivos No Brasil há necessidade de conscientização e cumprimento de Decretos e Leis para a promover acessibilidade e inclusão social

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

Banheiros com acessibilidade para pessoas com deficiência física e idosos

Banheiros com acessibilidade para pessoas com deficiência física e idosos como construir75.qxd 6/11/2003 12:04 Page 90 Silvana Serafino Cambiaghi silvana@nvcnet.com.br Sheila Walbe Ornstein sheilawo@usp.br Banheiros com acessibilidade para pessoas com deficiência física e idosos

Leia mais

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior)

Índice de Aferição de Acessibilidade Física Edificação (Interior) Interfere na faixa livre mínima? (faixa livre mín=0,90m) Há interferência das portas na faixa livre apenas nas áreas privativas da edificação Área de Aproximação à porta Há área de manobra para cadeira

Leia mais

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores

Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Aula 5 : Circulação Vertical Escadas, Rampas e Elevadores Escadas Escada é o elemento de composição arquitetônica cuja função é proporcionar a possibilidade de circulação vertical entre dois ou mais pisos

Leia mais

Deus. Dr. Milton Bigucci. SECOVI e ACIGABC. Sr. João Alberto. Família. Noiva. Amigos. Equipe do escritório. A todos aqui presentes.

Deus. Dr. Milton Bigucci. SECOVI e ACIGABC. Sr. João Alberto. Família. Noiva. Amigos. Equipe do escritório. A todos aqui presentes. CONVITE APRESENTAÇÃO. Eduardo Ronchetti de Castro AGRADECIMENTOS. Agradecimentos especiais: Deus. Dr. Milton Bigucci. SECOVI e ACIGABC. Sr. João Alberto. Família. Noiva. Amigos. Equipe do escritório. A

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 139, de 22 de março de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

ABNT NBR 14021 NORMA BRASILEIRA. Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano

ABNT NBR 14021 NORMA BRASILEIRA. Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14021 Segunda edição 30.06.2005 Válida a partir de 31.07.2005 Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano Transport Accessibility on urban or metropolitan

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE Esta norma aplica-se atodas as edificações de uso público e/ou mobiliário urbano, tanto em condições temporárias como em condições permanentes. É sempre necessário consultar o REGULAMENTO DO CÓDIGO NACIONAL

Leia mais

SEPLAN Comitê de uso Racional dos Recursos. Sub-comitê de acessibilidade:

SEPLAN Comitê de uso Racional dos Recursos. Sub-comitê de acessibilidade: SEPLAN Comitê de uso Racional dos Recursos Marta Dischinger Ruth Nogueira Giseli Knak Denise Siqueira Gabriela Custódio Carolina Stolf Sub-comitê de acessibilidade: Bolsistas: Luiz Fernando Gonçalves,

Leia mais

Alterações na nova NBR 9050, de 11/10/2015 (Material para estudo)

Alterações na nova NBR 9050, de 11/10/2015 (Material para estudo) Alterações na nova NBR 9050, de 11/10/2015 (Material para estudo) Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Paulo Cesar dos Santos Figueiredo Engenheiro Civil CREA 354/D

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

6 Acessos e circulação

6 Acessos e circulação 6 Acessos e circulação 6.1 Circulação - Condições gerais As determinações contidas neste capítulo deverão ser mantidas através da conservação criteriosa e continua, de forma a garantir a qualidade em seu

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NO SISTEMA METROVIÁRIO DE SÃO PAULO. O CASO DA ESTAÇÃO PALMEIRAS-BARRA FUNDA.

A IMPLEMENTAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NO SISTEMA METROVIÁRIO DE SÃO PAULO. O CASO DA ESTAÇÃO PALMEIRAS-BARRA FUNDA. A IMPLEMENTAÇÃO DA ACESSIBILIDADE NO SISTEMA METROVIÁRIO DE SÃO PAULO. O CASO DA ESTAÇÃO PALMEIRAS-BARRA FUNDA. Maria Beatriz Barbosa (1); Melissa Belato Fortes (2); Sheila Walbe Ornstein (3) (1) Arquiteta

Leia mais

DESENHO UNIVERSAL APLICADO EM PROJETOS DE AMBIENTES COMERCIAIS: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA. M. A. Rossi, M. M. Scarpelini

DESENHO UNIVERSAL APLICADO EM PROJETOS DE AMBIENTES COMERCIAIS: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA. M. A. Rossi, M. M. Scarpelini DESENHO UNIVERSAL APLICADO EM PROJETOS DE AMBIENTES COMERCIAIS: EXPERIÊNCIA DIDÁTICA M. A. Rossi, M. M. Scarpelini RESUMO Este trabalho faz abordagens nos aspectos de ensino e aprendizado voltados à disciplina

Leia mais

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Estabelece normas para facilitar o acesso dos portadores de deficiência física aos edifícios de uso público, de acordo com o estabelecido no art. 227 da Constituição

Leia mais

Educação Acessível para Todos

Educação Acessível para Todos Educação Acessível para Todos Instituto Paradigma A inclusão das crianças com deficiência nas escolas de Educação Infantil e Ensino Fundamental não constitui um debate diferente da inclusão social de todos

Leia mais

ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA EM DIFERENTES TIPOLOGIAS DE BIBLIOTECAS

ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA EM DIFERENTES TIPOLOGIAS DE BIBLIOTECAS Temática(s): Acessibilidade em Bibliotecas Tipo de Trabalho: Trabalho Técnico-Científico ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA EM DIFERENTES TIPOLOGIAS DE BIBLIOTECAS GIACUMUZZI, Gabriela (Faculdade Educacional

Leia mais

ABNT NBR 14021 NORMA BRASILEIRA. Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano

ABNT NBR 14021 NORMA BRASILEIRA. Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 14021 Segunda edição 30.06.2005 Válida a partir de 31.07.2005 Versão corrigida 31.08.2005 Transporte Acessibilidade no sistema de trem urbano ou metropolitano Transport Accessibility

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DE ACESSIBILIDADE POR CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA E OUTRAS CONDIÇÕES ESPECIAIS COMPERVE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA SOLICITAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DE ACESSIBILIDADE POR CANDIDATOS COM DEFICIÊNCIA E OUTRAS CONDIÇÕES ESPECIAIS COMPERVE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UFRN NÚCLEO PERMANENTE DE CONCURSOS COMPERVE COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO A ESTUDANTES COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS CAENE MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA (CONCURSO PÚBLICO PARA INGRESSO NO CORPO DE ENGENHEIROS DA MARINHA / CPCEM/2013) É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO NÃO CIENTÍFICA E RÉGUA ESCALÍMETRO

Leia mais

COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 97, DE 2011

COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 97, DE 2011 COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 97, DE 2011 Institui o Programa de Acessibilidade e Mobilidade Urbana, através da adoção de uma linguagem universal no transporte público. Autor: Deputado

Leia mais

GOVERNO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

GOVERNO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO 1 GOVERNO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE EDUCAÇÃO GOVERNADOR Aécio Neves da Cunha VICE-GOVERNADOR Clésio Andrade SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO Vanessa Guimarães Pinto SECRETÁRIO-ADJUNTO DE EDUCAÇÃO João

Leia mais

PROJETO DE ESPAÇOS LIVRES PÚBLICOS DE LAZER PARA TODOS

PROJETO DE ESPAÇOS LIVRES PÚBLICOS DE LAZER PARA TODOS PROJETO DE ESPAÇOS LIVRES PÚBLICOS DE LAZER PARA TODOS Vera Helena Moro Bins Ely (tutora e orientadora) Juliana Castro Souza (orientadora) Vanessa Goulart Dorneles (colaboradora) Ani Zoccoli (acadêmico)

Leia mais

NBR 14273 Acessibilidade da pessoa portadora de deficiência no transporte aéreo comercial

NBR 14273 Acessibilidade da pessoa portadora de deficiência no transporte aéreo comercial ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas JAN 1999 NBR 14273 Acessibilidade da pessoa portadora de deficiência no transporte aéreo comercial Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP

Leia mais

RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE

RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE RELATÓRIO DE VISITA ÀS ESTAÇÕES DE TREM DA SUPERVIA REALENGO BANGU CAMPO GRANDE SANTA CRUZ AVERIGUAÇÃO DO GRAU DE ACESSIBILIDADE Rio de Janeiro 12 de Março de 2010 Este relatório foi produzido por Amarildo

Leia mais

Acessibilidade à pessoa com deficiência

Acessibilidade à pessoa com deficiência Acessibilidade à pessoa com deficiência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EQI-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 81, DE 31 DE JANEIRO DE 2012. (Publicada no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/02/2012, pág. 113 e 114)

RESOLUÇÃO N.º 81, DE 31 DE JANEIRO DE 2012. (Publicada no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/02/2012, pág. 113 e 114) RESOLUÇÃO N.º 1, DE 31 DE JANEIRO DE 2012. (Publicada no Diário Oficial da União, Seção 1, de 24/02/2012, pág. 113 e 114) Dispõe sobre a criação da Comissão Temporária de Acessibilidade, adequação das

Leia mais