MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE"

Transcrição

1 MAPEAMENTO DA ACESSIBILIDADE DO MOBILIÁRIO PÚBLICO DE CAMPINA GRANDE Autoria: Laudicéia Araújo Santana (orientadora) FACISA/IFPB RESUMO AMPLIADO O tema da pesquisa foi a acessibilidade urbana entendida como a possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia de edificações, espaço, mobiliário, equipamento e elementos urbanos (NBR 9050, 2004). A acessibilidade visa garantir a todas as pessoas que vivem na cidade o direito assegurado na Constituição de 1988 de ir e vir independente das suas condições físicas. Muitas vezes os espaços urbanos são planejados tendo como referencia o homem padrão sem levar em consideração às pessoas com deficiência física, os idosos e as gestantes. Verifica-se, no entanto uma crescente preocupação das entidades de defesa dos direitos dos deficientes físicos em assegurar também a esses indivíduos o direito à cidade, e essa preocupação tem conseguido se transformar em legislações que orientam os gestores a tornarem as cidades um espaço que seja comum a todos que nela vivem com a eliminação de barreiras naturais ou arquitetônicas que impeçam o livre acesso a todos os espaços. O problema de pesquisa surgiu das seguintes indagações: Existe em Campina Grande esta preocupação em garantir a acessibilidade a todas as pessoas? É possível identificar no centro da cidade a preocupação com a eliminação de barreiras arquitetônicas que permitam a inclusão social? O entorno urbano possui uma arquitetura

2 que permite a livre circulação de pessoas com deficiência física e/ou com limitações temporárias? Existe sinalização de livre acesso obedecendo aos parâmetros da sinalização internacional? A legislação municipal adéqua-se a legislação federal no que diz respeito a permitir a acessibilidade a todas as pessoas no espaço urbano? A pesquisa teve como objetivo geral mapear a acessibilidade do mobiliário urbano de Campina Grande e os objetivos específicos foram os seguintes: Levantar o nível de acessibilidade do mobiliário urbano da cidade de Campina Grande; identificar as barreiras arquitetônicas que impedem à acessibilidade; investigar a adequação da legislação municipal as leis federais que asseguram a acessibilidade universal e elaborar um diagnóstico sobre a acessibilidade no espaço urbano da cidade de Campina Grande. A metodologia utilizada foi de caráter descritivo-exploratório, através da observação, do registro, da análise e da correlação de dados. Foram considerados nesta pesquisa 18 ruas/avenidas e 09 prédios de acesso público no centro da cidade de Campina Grande. Como principais instrumentos para coleta de dados, foram utilizadas técnicas clássicas da chamada Análise Ergonômica, em sua modalidade Direita, ou seja, aquela onde o levantamento dos dados se dá diretamente no local onde estes ocorrem. (LIMA, 2003, p.40 apud LIMA 2007, p.04). A pesquisa de campo analisou as condições dos espaços selecionados a partir dos seguintes critérios: 1)piso tátil; 2)acessos; 3)portas; 4)escadas; 5)rampas; 6) elevadores e 7) banheiros, utilizando três categorias de enquadramento: Atende a norma; atende parcialmente e não atende. Nos logradouros públicos a observação deu-se em relação às calçadas utilizando os seguintes critérios: 1) Bem conservadas; 2) Danificadas; 3) Mal dimensionadas; 4) Possuem rampa; 5) Obstáculos ao passeio e 6) possuem sinalização adequada dos obstáculos quando existentes. Foi utilizado também o recurso da fotografia para registrar a observação e basear as análises realizadas posteriormente. Em 38,9% das ruas pesquisadas as calçadas encontram-se em bom estado de conservação, como parte da Rua Maciel Pinheiro (lado esquerdo da rua no sentido Floriano Peixoto/Sete de setembro no trecho do cruzamento com a Floriano Peixoto até cruzamento com a Barão do Abiaí). Já em 61,1% das ruas/avenidas pesquisadas encontraram-se calçadas danificadas com pedras soltas (Av. Presidente João Pessoa), caixa de inspeção danificada (Rua Maciel Pinheiro), calçadas irregulares (Rua Treze de

3 Maio), o que impede a livre circulação de pessoas que apresentem alguma limitação na sua mobilidade. Em relação ao dimensionamento das calçadas identificou-se em trechos das ruas Monsenhor Sales e Cavalcante Belo que ambas não têm a largura do passeio exigida pela NBR 9050 e um dos lados da calçada não tem dimensões para um cadeirante ter acesso, a largura máxima encontrada foi de 60 cm e a NBR 9050 determina que quando existirem obstáculos isolados com extensão máxima de 40 cm as dimensões mínimas do passeio deve ser de 80 cm e caso esses obstáculos isolados estejam acima de 40 cm essa dimensão deveria ter 90 cm. No que se refere a obstáculos ao passeio e sinalização destes, identificou-se que existe sinalização apenas em relação ás rampas de acesso, no entanto, a existência das mesmas não assegura a acessibilidade, já que junto às mesmas encontrou-se calçadas danificas (Praça Newton Rique cruzamento da Rua João Pessoa) o que significa que o cadeirante, por exemplo, irá utilizar a rampa para ter acesso a calçada, mas depois não terá condições de seguir o seu trajeto sozinho precisando do auxílio de terceiros, o que fere os princípios da acessibilidade. Em relação aos obstáculos como orelhões, bancos, postes de iluminação não se identificou, como exigido pela NBR 9050, piso tátil de alerta, o caso mais grave é o da Rua Prefeito Cristiano Lauritzen, na antiga rodoviária do lado direito no sentido Barão do Abiaí/ Rua Tavares Cavalcante, nesse trecho não há sinalização adequada de obstáculos como orelhão e árvores. Em relação aos prédios a variável piso tátil não foi encontrada em 08 prédios o que corresponde a 88,9% dos pesquisados, estando em desacordo com a NBR 9050; em relação aos acessos 33,3 % não atende a Norma e 66,7% atende parcialmente, não sendo encontrado nenhum prédio que atende a NBR 9050 na sua totalidade.no que se refere a variável portas 11,1% dos prédios atende a norma, 77,8% atende parcialmente e 11,1% não atende, o que significa que em sua maioria os prédios pesquisados apresentam alguma restrição ao acesso livre de pessoas que tenham alguma restrição na sua mobilidade.já em relação a variável escadas 11,1% atende a norma, 44,4% atende parcialmente e 44,4% não atende, quando somadas as variáveis atende parcialmente e não atende percebe-se que a maioria 88,8% dos prédios que possuem escadas estas encontram-se em desacordo com a NBR 9050, significando que as mesmas apresentam

4 alguma restrição ao livre acesso de pessoas que possuem restrições de movimento de forma permanente ou temporária. Em um dos prédios pesquisados (Correios) não existe rampa de acesso na entrada principal, por isso em relação a essa variável considerou-se apenas 08 prédios para a análise se atendia ou não as determinações da NBR 9050 e identificou-se que 62,5% dos prédios pesquisados não atende a norma e 37,5% atende parcialmente. Esses dados revelam a não observância da existência de rampas de acesso ou quando existem não atendem aos parâmetros exigidos. No Museu Assis Chateaubriand além de não existir rampa não existe elevador o que inviabiliza por completo o acesso de forma independente, sem precisar da ajuda de terceiros, por parte de cadeirantes, pessoas idosas, ou que estejam utilizando de forma temporária ou permanente andador, muletas ou bengalas. Nessa variável, elevador, utilizou-se também só 08 prédios sendo que 12,5% não atende a norma, 37,5% atende parcialmente e 50% atende a Norma. Esta variável foi a única que atingiu 50% de atendimento aos parâmetros da NBR Com a variável banheiro também não foi possível pesquisar nos 09 prédios, já que em 04 prédios não foi permitida o acesso dos pesquisadores aos mesmos, no caso dos Edifícios João Rique e Engenheiro Roberto Palomo por não existirem banheiros de uso coletivo, no Museu Assis Chateaubriand não foi permitida o acesso e nos Correios os banheiros atendem apenas aos funcionários. Dos 05 prédios em que foi possível fazer a pesquisa 80% não atende a norma e 20% atende parcialmente não existindo nenhum que atenda a NBR 9050 nas suas determinações quanto à largura da porta, acesso a cadeirante e existência de barras de segurança. Com a conclusão da pesquisa percebeu-se que nem sempre a existência de um marco legal adequado garante a sua aplicação e o respeito ao direito das pessoas que possuem alguma limitação como assegurado na legislação municipal e federal em vigor. O livre direito de ir e vir e o acesso irrestrito aos prédios de uso público em Campina Grande não estão garantidos, o que limita a capacidade destas pessoas de se movimentarem livremente sem a ajuda de terceiros, limita a ida destas ao comércio como em algumas lojas que tem degrau na entrada ou ao shopping popular impede o acesso a Biblioteca Municipal e ao Museu de Artes espaços que deveriam a priori ser de acesso irrestrito. Esses limites demonstram que o espaço urbano ainda tem sido pensado para a pessoa

5 padrão aquela que não apresenta dificuldades de locomoção no seu cotidiano. A pesquisa sugere aos órgãos competentes uma fiscalização em relação ao cumprimento da NBR 9050; a exigência de adequação das calçadas do centro da cidade aos parâmetros determinados pela Norma para garantir o livre passeio e a sinalização adequada dos obstáculos existentes; edição de uma cartilha explicativa da NBR 9050, orientando quanto aos parâmetros a serem utilizados. Palavras-chave: Acessibilidade. Legislação. Direitos.

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias

Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Recomendações sobre Acessibilidade em Instalações Portuárias Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ GTT Náutico, 12 de novembro de 2014 Marco Legal de Acessibilidade Lei 10.048 Lei 10.098 Decreto

Leia mais

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹

Acessibilidade, conforme a Lei /00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Acessibilidade, conforme a Lei 10. 098/00: Uma Avaliação da Real Situação do Instituto Federal de Alagoas Campus Marechal Deodoro¹ Roberta de Sousa Novais², Thaylane Eloise Gomes dos Santos², Givaldo Oliveira

Leia mais

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado;

- A sinalização com piso tátil não seguia o Projeto de Padronização de Calçadas da Prefeitura de Belo Horizonte, o que deve ser regularizado; LAUDO DE 3 DE JULHO DE 2013 1. CALÇADAS Não havia sinalização com piso tátil de alerta junto às entradas de alguns dos estacionamentos, em desacordo com a NBR 9050, bem como não havia sinalização sonora

Leia mais

DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR RENATA MELLO ARQUITETA DA DIVERSIDADE

DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR RENATA MELLO ARQUITETA DA DIVERSIDADE DESENHO UNIVERSAL 7 PRINCÍPIOS PARA PROJETAR ARQUITETA DA DIVERSIDADE REFLEXÃO USUÁRIOS COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? COMO SENTEM A ARQUITETURA DE HOJE? 1.CONFORTÁVEL??? ELEMENTO: LONGO PERCURSO LAVATÓRIO

Leia mais

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ

ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ ACESSIBILIDADE DESTINADA A TODOS DO CAMPUS 1 DA FACULDADE PANAMERICANA DE JI-PARANÁ Fábio Cosme Pandolfo 1 Tiago Cássio Pandolfo 2 Dorival L. dos Santos Junior 3 Gabriel Francisco Alves 4 Maria Conceição

Leia mais

Guia de acessibilidade

Guia de acessibilidade Piso tátil Resumo do guia de calçadas de Campo Grande, para dar maior apoio e informação aos nossos clientes, sobre elaboração e execução das calçadas conforme a legislação da capital, atendendo as condições

Leia mais

ATIVIDADES DO CIA/ GTAA

ATIVIDADES DO CIA/ GTAA ATIVIDADES DO CIA/ GTAA - 2014 MEMBROS DO GRUPO DE TRABALHO ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA Coordenação: Prof.ª Dra. Angelina Dias Leão Costa Representante do Laboratório de Acessibilidade/ Departamento de

Leia mais

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado

Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Acessibilidade na gestão da cidade Arq. Adriana Romeiro de Almeida Prado Porto Alegre, 1º de junho de 2015 Construção de um Plano Municipal de Acessibilidade Acessibilidade Desenho Universal Rota Acessível

Leia mais

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio

Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Extermínio INTRODUÇÃO HISTÓRICA Tratamento da sociedade com as questões das pessoas com deficiência: Exclusão Social Assistencialismo Integração Inclusão Social Extermínio Segregação / Paternalismo Adaptação ao meio

Leia mais

6.2 ACESSOS - Condições gerais

6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2 ACESSOS - Condições gerais 6.2.1 Nas edificações e equipamentos urbanos todas as entradas devem ser acessíveis, bem como as rotas de interligação às principais funções do edifício. 6.2.2 Na adaptação

Leia mais

PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PERCEPÇÃO ESPACIAL DE DEFICIENTES VISUAIS: MAQUETE TÁTIL COMO AUXÍLIO PARA LOCOMOÇÃO NO CAMPUS I DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Bruna Ramalho Sarmento¹ Aluizia Márcia Fonseca de Lima² Colaboradores³

Leia mais

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE

PROJETO COMPLEMENTAR DE ACESSIBILIDADE (PCA1 RELATÓRIO DE ACESSIBILIDADE SERVIÇO PUBLICO FEDERAL Avenida Senador Salgado Filho, 1840 - Lagoa Nova - Natal-RN CEP: 59056-000 Tel.: (Oxx84) 4006-7200 Fax: (Oxx84)4006-7203 - E-mail: fiscalizacao@crea-rn.org.br PROJETO COMPLEMENTAR

Leia mais

APRECIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS DE UMA UNIDADE DE EDUCAÇÃO TÉCNICA

APRECIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS DE UMA UNIDADE DE EDUCAÇÃO TÉCNICA APRECIAÇÃO DE CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE A EDIFICAÇÕES, MOBILIÁRIO, ESPAÇOS E EQUIPAMENTOS DE UMA UNIDADE DE EDUCAÇÃO TÉCNICA Jefferson Fernandes da Franca; Washington Dionísio Sobrinho; Emilia Fernandes

Leia mais

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $

XXVI$ENANGRAD$ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ $ XXVIENANGRAD A QUALIDADE DOS ESPAÇOS DE CIRCULAÇÃO URBANA - CALÇADAS - LOCALIZADAS NO ENTORNO DOS EQUIPAMENTOS PÚBLICOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS/SP Amanda Chiles Pereira Marcos Antonio

Leia mais

Arquiteta Silvana Cambiaghi

Arquiteta Silvana Cambiaghi Novo ambiente regulatório nos projetos de arquitetura Revisão da NBR 9050:2015 Lei Brasileira da Inclusão nº. 13.146/2015 Arquiteta Silvana Cambiaghi ACESSIBILIDADE Possibilidade e condição de alcance,

Leia mais

CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA

CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA CAMINHOS ACESSÍVEIS NA UFPB: PROJETANDO A ROTA PRIORITÁRIA COSTA 1, Angelina Dias Leão SARMENTO 2, Bruna Ramalho FARIAS 3, Savina Brito de Centro de Tecnologia / Departamento de Arquitetura / PROBEX RESUMO

Leia mais

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1

PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 PASSEIOS PÚBLICOS: CUIDADOS NA CONSTRUÇÃO E PAVIMENTAÇÃO 1 Júlia Regina Magni 2, Bruna Thays Uhde 3, Tarcisio Dorn De Oliveira 4. 1 Trabalho desenvolvido na disciplina de Urbanismo do curso de Engenharia

Leia mais

4 Acessibilidade a Edificações

4 Acessibilidade a Edificações 4 Acessibilidade a Edificações 4.1 Introdução A norma brasileira NBR 9050 (2004) fixa critérios exigíveis para o projeto e detalhamento de espaços físicos destinados a portadores de necessidades especiais.

Leia mais

PROJETO PRAÇA DA JUVENTUDE

PROJETO PRAÇA DA JUVENTUDE PROJETO PRAÇA DA JUVENTUDE Site: http://www.esporte.gov.br/ Blog: http://pracadajuventude.wordpress.com/ E-mail: pracadajuventude@esporte.gov.br CONSULTORES ARQUITETOS / ENGENHEIROS Carlos Alonso Cardoso

Leia mais

PLANO DIRETOR DE ACESSIB I IL I I L D I ADE - PDAc

PLANO DIRETOR DE ACESSIB I IL I I L D I ADE - PDAc PLANO DIRETOR DE ACESSIBILIDADE - PDAc DIRETRIZES DE TRABALHO DA SEACIS A Seacis participa de todos os Programas de Governo visando garantir acessibilidade e inclusão social das pessoas com deficiência,

Leia mais

Como NÃO construir uma calçada acessível Ter, 13 de Outubro de :54

Como NÃO construir uma calçada acessível Ter, 13 de Outubro de :54 Basta darmos uma voltinha pela cidade para sentirmos uma certa dificuldade em passarmos livremente pelas calçadas. Se você estiver com um carrinho de bebê então já começa a ficar complicado: desvia daqui

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ACESSOS DE EDIFÍCIOS E CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Normas pertinentes NBR 9077/1993-2001 (Saídas de Emergência em

Leia mais

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR

Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR Calçada Para Todos Mobilidade Urbana LONDRINA, PR MUNICÍPIO DE LONDRINA CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Situado ao norte do estado do Paraná Município foi criado em dezembro de 1934 e acaba de

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA

DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA DIAGNÓSTICO DE GUIAS REBAIXADAS NA RUA MARTIM AFONSO NO MUNICÍPIO DE MARINGÁ/PR: ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE URBANA Leonel Silva Rocha 1, Renan Henrique Casarim de Albuquerque 2, Bruno Luiz Domingos

Leia mais

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas

Rampas. Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas Rampas Fabrícia Mitiko Ikuta e Verônica de Freitas RAMPAS: CONCEITO De acordo com a Pontifícia Universidade Católica (2009), as rampas, diferentemente das escadas, podem se constituir meios de circulação

Leia mais

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES

MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES MÉTODO DE AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES DE UNIVERSIDADES PASSOS, Edina Angelo 1, OLIVEIRA, Aline Damasceno 2, OLIVEIRA, Laisa da Costa 3, SILVA John Hebert 4, COSTA, Fernanda Nepomuceno 5.

Leia mais

Ambientes. Acessibilidade ao edifício

Ambientes. Acessibilidade ao edifício Acessibilidade ao edifício PROGRAMA ARQUITETÔNICO MÓDULO BÁSICO DATA Ciclo I - Ciclo II - Ensino Médio M1 - M2 - M3 - M4 - M5 - M6 Outubro/ 2008 Ambientes DIRETRIZES DE PROJETO Os aspectos de acessibilidade

Leia mais

Acessibilidade e Desenho Universal

Acessibilidade e Desenho Universal Acessibilidade e Desenho Universal DESENHO UNIVERSAL De acordo com as definições de Ron Mace (1991), É a criação de ambientes e produtos que podem ser usados por todas as pessoas na sua máxima extensão

Leia mais

ACESSIBILIDADE NAS CERCANIAS DE EDIFICIOS PÚBLICOS

ACESSIBILIDADE NAS CERCANIAS DE EDIFICIOS PÚBLICOS ACESSIBILIDADE NAS CERCANIAS DE EDIFICIOS PÚBLICOS Fernanda Francisco da Silva Arquiteta da Eletrobrás FURNAS Universidade Federal Fluminense - UFF fernandafranci@gmail.com Protasio Ferreira e Castro,

Leia mais

Curso de Acessibilidade

Curso de Acessibilidade O - PROGRAMA E OBJETIVO 1. O QUE É ACESSIBILIDADE Quem são as pessoas com deficiência e as pessoas com mobilidade reduzida. A evolução do homem padrão e a arquitetura inclusiva. Conceito e as práticas

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE

GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE GUIA PRÁTICO DE ACESSIBILIDADE EM EDIFICAÇÕES ÍNDICE APRESENTAÇÃO.......................................... 3 PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA OU COM MOBILIDADE REDUZIDA........................... 4 CIRCULAÇÃO

Leia mais

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA

LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL LEGISLAÇÃO URBANA DE JUIZ DE FORA Prof. Ms.

Leia mais

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES

PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E DO MUCURI CAMPUS JUSCELINO KUBITSCHEK DIAMANTINA - MG PRÉDIO DE ATENDIMENTO COMUNITÁRIO ELEVADORES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS OUTUBRO / 2013 Página 1 de 6

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE A acessibilidade tem vantagens para todos os cidadãos, para a comunidade e para o Estado, pois permite o exercício pleno da e participação ativa nos diversos domínios de atividades da sociedade.

Leia mais

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade

ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade ANEXO 2 Exemplos de boas práticas de acessibilidade Lista de verificação Algumas soluções implementadas em praias acessíveis, que poderão inspirar soluções a implementar nas zonas balneares Ponto 1 Chegada

Leia mais

ACESSIBILIDADE CIDADES

ACESSIBILIDADE CIDADES ACESSIBILIDADE CIDADES PARA AS PESSOAS ACESSIBILIDADE É o direito de ir e vir: Em locais abertos e fechados, público e privado; Com autonomia(independência) e segurança; Sozinho ou acompanhado; e Por

Leia mais

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE

ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE IMAGENS RELATIVAS À VERIFICAÇÃO DE ACESSIBILIDADE Este roteiro tem por objetivo apresentar ao responsável pela vistoria remota os detalhes e ângulos básicos a serem obtidos por

Leia mais

PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1

PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1 PASSEIOS PÚBLICOS: O ESTUDO DA ACESSIBILIDADE EM ÁREA URBANA DE HORIZONTINA 1 Lúcio Zorzan 2, Djiovani Dalben 3, Lucas Gustavo Freiberger 4. 1 Pesquisa desenvolvida no Curso de Engenharia Civil da UNIJUI

Leia mais

I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas

I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO CURSO DE EDUCAÇÃO ESPECIAL NOTURNO OBSERVATÓRIO DE AÇÕES AFIRMATIVAS I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas O processo de inclusão e

Leia mais

ESTUDO DA ACESSIBILIDADE: BIBLIOTECA E RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Marcelo Lemos Barini 1

ESTUDO DA ACESSIBILIDADE: BIBLIOTECA E RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Marcelo Lemos Barini 1 ESTUDO DA ACESSIBILIDADE: BIBLIOTECA E RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ RESUMO Marcelo Lemos Barini 1 Thiago Morais de Castro 2 Fernanda Antonio Simões 3 Bruno Luiz Domingos

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DA ESCOLA ESTADUAL RIO BRANCO NA CIDADE DE PATOS-PB

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DA ESCOLA ESTADUAL RIO BRANCO NA CIDADE DE PATOS-PB ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE DA ESCOLA ESTADUAL RIO BRANCO NA CIDADE DE PATOS-PB OLIVEIRA, Ane Francisca (1); BATISTA, Andreza (2); RODRIGUES, Joyce(3); FERNANDES, Júlio César (4) (1) Faculdades Integradas

Leia mais

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação;

3. Que esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação; RESOLUÇÃO CPA/SMPED-G/015/2008 A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua 43ª Reunião Ordinária do corrente ano, realizada em 14 de novembro de 2008, Considerando as disposições do Decreto Municipal

Leia mais

Regras de transição SMARU:

Regras de transição SMARU: REGULAÇÃO URBANA APLICABILIDADE: NBR 9050/2015 A alterações ocorridas na NBR 9050/2015 deverão ser observadas nos processos com protocolos acatados pós entrada em vigor da referida norma 11/10/2015. Todas

Leia mais

ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE

ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE ACESSIBILIDADE ARQUITETÔNICA E URBANÍSTICA: ESTUDO DE CASO E LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES EM PRESIDENTE PRUDENTE Graziela Cristiane PAURA 1 Carolina Lotufo Bueno BARTHOLOMEI 2 Resumo: O design universal

Leia mais

EA 2015 ENEM EM REVISTA ACESSIBILIDADE. Tema 1

EA 2015 ENEM EM REVISTA ACESSIBILIDADE. Tema 1 EA 2015 ENEM EM REVISTA ACESSIBILIDADE Tema 1 ACESSIBILIDADE Direito de todos, responsabilidade de cada um! Fonte:www.gazetadailha.com.br Vamos dar início à Unidade 4, que trata da questão da acessibilidade

Leia mais

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de

NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição Válida a partir de NORMA BRASILEIRA - ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 1 Objetivo ( NBR 9050 ) 1.1 Esta Norma estabelece critérios e parâmetros técnicos a serem observados quando do projeto,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº JUSTIFICATIVA

PROJETO DE LEI Nº JUSTIFICATIVA O Vereador César Augusto Ribas Moreira, Presidente da Câmara Municipal de Canoas, com assento nesta Casa Legislativa, vem, na forma regimental, apresentar o seguinte: PROJETO DE LEI Nº Dispõe sobre a destinação

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ)

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ) ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE ESPACIAL AOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DE SEROPÉDICA (RJ) 1 Isabella Cabral SANTANA, 2 Lettícia Moreira dos Santos SANTANA; 3 Samara Grigório POLICARPO; 4 Maria Danielle Passos Ribeiro

Leia mais

ACESSO A ÓRTESES E PRÓTESES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NO PROGRAMA BPC NA ESCOLA: CONEXÕES COM A INCLUSÃO EDUCACIONAL

ACESSO A ÓRTESES E PRÓTESES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NO PROGRAMA BPC NA ESCOLA: CONEXÕES COM A INCLUSÃO EDUCACIONAL ACESSO A ÓRTESES E PRÓTESES POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA NO PROGRAMA BPC NA ESCOLA: CONEXÕES COM A INCLUSÃO EDUCACIONAL Mileide Cristina Stoco de Oliveira Magda Campos Curcino Eliane Ferrari Chagas

Leia mais

Autores: CHRISTIANE CABRAL E HUGO RODRIGUES

Autores: CHRISTIANE CABRAL E HUGO RODRIGUES DEVERES DA ESCOLA NA OFERTA DE EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, COM IGUALDADE DE CONDIÇÕES E OPORTUNIDADES PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: da convenção às orientações legais e pedagógicas para uma educação inclusiva.

Leia mais

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso

portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão do uso O que é acessibilidade? Significa não apenas permitirque pessoas portadoras de necessidades especiais participem de atividades que incluem o usode produtos, serviços e informação, mas a inclusão e extensão

Leia mais

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES

SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES Boletim nº2 GT Acessibilidade SINALIZAÇÃO TÁTIL DE ALERTA NO PISO EM ESCADAS E RAMPAS E SEUS PATAMARES A Norma Brasileira de Acessibilidade ABNT NBR 9050, desde sua primeira edição em 01/09/1985, estabelece

Leia mais

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE URBANISMO - ENGENHARIA CIVIL ESPAÇO URBANO: vias de circulação (hierarquias)

Leia mais

Acessibilidade Aplicada Nova NBR 9050:2015 e Nova NBR 16537:2016

Acessibilidade Aplicada Nova NBR 9050:2015 e Nova NBR 16537:2016 Acessibilidade Aplicada Nova NBR 9050:2015 e Nova NBR 16537:2016 Introdução É possível projetar e executar edificações belas, agradáveis e aconchegantes, e que atendam às leis de acessibilidade, em especial

Leia mais

Criar a possibilidade de todos se movimentarem não é somente uma questão legal, mas que também agrega valor social à sua construtora.

Criar a possibilidade de todos se movimentarem não é somente uma questão legal, mas que também agrega valor social à sua construtora. Criar a possibilidade de todos se movimentarem não é somente uma questão legal, mas que também agrega valor social à sua construtora. Saiba como adaptar a sua obra com este e-book! 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO

Leia mais

Infraestrutura do Distrito Federal Estrutura das calçadas

Infraestrutura do Distrito Federal Estrutura das calçadas Infraestrutura do Distrito Federal Estrutura das calçadas Abril Brasília Para Pessoas Brasília, uma capital sem calçadas Caminhar, em qualquer cidade brasileira, é coisa para valente. Em Brasília, capital

Leia mais

ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB

ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB ANÁLISE QUANTO ACESSIBILIDADE DE PESSOAS CADEIRANTES EM UMA ESCOLA ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ARARA-PB Maria Abílio Fragoso (1); Jaqueline de Souza (1); Idairis Andrade dos Santos(2); Caio César Alves de

Leia mais

Ações do Ministério das Cidades para Promoção da Acessibilidade Yuri Rafael Della Giustina

Ações do Ministério das Cidades para Promoção da Acessibilidade Yuri Rafael Della Giustina SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Ações do Ministério das Cidades para Promoção da Acessibilidade Yuri Rafael Della Giustina Diretor de Políticas de Acessibilidade e Planejamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO RELATIVO À ACESSIBILIDADE EM UMA IES: DIAGNÓSTICO E PROPOSTA

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO RELATIVO À ACESSIBILIDADE EM UMA IES: DIAGNÓSTICO E PROPOSTA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO RELATIVO À ACESSIBILIDADE EM UMA IES: DIAGNÓSTICO E PROPOSTA Mônica Maria SOUTO MAIOR (1); Nelma Mirian Chagas de ARAÚJO (2) (1) IFPB, Av. 1º. de Maio, 720 Jaguaribe, João Pessoa-PB,

Leia mais

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015

SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 SINALIZAÇÃO UNIVERSAL ACESSIBILIDADE NA MOBILIDADE URBANA E A NOVA NBR 9050 : 2015 O SER HUMANO Estatística Alarmante "As quedas fatais entre idosos representam cerca de 12% de todos os óbitos na população

Leia mais

ERGONOMIA. Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira. Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou. Junho 2011

ERGONOMIA. Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira. Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou. Junho 2011 ERGONOMIA Monitora: Caroline Sampaio de Oliveira Orientador: Prof. Dr. Antonio M. N. Castelnou Junho 2011 CASTELNOU CONCEITUAÇÃO ERGONOMIA consiste no conjunto de conhecimentos que se tem a respeito do

Leia mais

Acessibilidade e Plano Municipal de Mobilidade Urbana

Acessibilidade e Plano Municipal de Mobilidade Urbana Acessibilidade e Plano Municipal de Mobilidade Urbana Parauapebas, 12 de novembro de 2014. Apoio: Realização: Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades é uma característica

Leia mais

Calçada para todos - um programa de acessibilidade para a cidade de Londrina

Calçada para todos - um programa de acessibilidade para a cidade de Londrina TRÁFEGO DE PEDESTRES AN P Calçada para todos - um programa de acessibilidade para a cidade de Londrina Cristiane Biazzono Dutra Simone de Oliveira Fernandes Vecchiatti Prefeitura do Município de Londrina;

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer

ESTADO DO CEARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE TAUÁ Administração Fazendo Acontecer LEI MUNICIPAL Nº 1425 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006. ASSEGURA DIREITOS ÀS PESSOAS DEFICIENTES E IDOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE TAUÁ, no uso de suas atribuições legais: Lei: Faço saber

Leia mais

3 Metodologia Tipo de Pesquisa

3 Metodologia Tipo de Pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de Pesquisa Para a classificação desta pesquisa foi adotada a taxonomia proposta por Vergara (2000). Segundo esta classificação, as pesquisas podem ser classificadas quanto aos

Leia mais

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000

LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 LEI N.º10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

Leia mais

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA

ROTEIRO BÁSICO PARA VISTORIA M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADORIAS DA REPÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Ações implementadas para a obtenção da acessibilidade

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL

PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL PROGRAMAÇÃO RIO BRANCO ACESSÍVEL DATA HORÁRIO CURSO VAGAS OBJETIVO MINISTRANTE CARGA HORÁRIA LOCAL BLOCO / SALA 24/out 19h ABERTURA 700 14h - 21h30 Espaço Interativo Livre A importância de compreender

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DE ESCOLAS ESTADUAIS DE ENSINO BÁSICO EM BLUMENAU/SC.

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DE ESCOLAS ESTADUAIS DE ENSINO BÁSICO EM BLUMENAU/SC. AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE DE ESCOLAS ESTADUAIS DE ENSINO BÁSICO EM BLUMENAU/SC. Marcia Cristina Sardá (1); Ana Amélia D. Vanz (2); Giuliana P. Pelissari (3) (1) Departamento de Arquitetura

Leia mais

Barreiras arquitetônicas em hospitais: a (in)adequação dos ambientes para. de pessoas portadoras de. de deficiência física ARTIGO ORIGINAL

Barreiras arquitetônicas em hospitais: a (in)adequação dos ambientes para. de pessoas portadoras de. de deficiência física ARTIGO ORIGINAL ARTIGO ORIGINAL Barreiras arquitetônicas em hospitais: a (in)adequação dos ambientes para as pessoas portadoras de deficiência física FILOMENA KOTAKA Arquiteta, doutor em saúde pública. DESAN / Fundação

Leia mais

Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014

Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014 Regime Excecional para a Reabilitação Urbana (RERU) 24 de Fevereiro, 2014 Aposta na Reabilitação Urbana O novo modelo de desenvolvimento territorial proposto na Lei de Bases da Política dos Solos, do Ordenamento

Leia mais

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016

Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Seminário de Mobilidade Urbana e Acessibilidade 23/11/2016 Lei de Uso e Ocupação do Solo Paulo Roberto Secretário de Planejamento Ponte Nova 31 99989-1636 23/11/2016 Mobilidade Urbana: é a condição em

Leia mais

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade

CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS. Acessibilidade, responsabilidade de todos. Conquista consciente, com responsabilidade CARTILHA PORTO ALEGRE ACESSÍVEL PARA TODOS Acessibilidade, responsabilidade de todos Conquista consciente, com responsabilidade O QUE É ACESSIBILIDADE? Acessibilidade, responsabilidade de todos Todos temos

Leia mais

Acessibilidade e Inclusão Social: Atuação e Prática do Profissional Bibliotecário

Acessibilidade e Inclusão Social: Atuação e Prática do Profissional Bibliotecário Acessibilidade e Inclusão Social: Atuação e Prática do Profissional Bibliotecário Aracaju e Bahia 11 e 13 de março de 2017 Leonardo Assis Bibliotecário e Historiador Mestre pelo PPGCI/ECA/USP ATUAÇÃO Participação

Leia mais

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO N 11295/2012. O Prefeito Municipal de Niterói, no uso de suas atribuições legais e, Publicado em 29 de dezembro de 2012 DECRETO N 11295/2012 Regulamenta a Lei nº 2.624, de 29 de dezembro de 2008, no que trata dos passeios públicos do Município de Niterói, instituindo a obrigatoriedade

Leia mais

Ambiente, Segurança e Saúde do Trabalho Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt

Ambiente, Segurança e Saúde do Trabalho Conselhos para Colaboradores e Parceiros da Securitas Portugal securitas.pt Pense em segurança, trabalhe em segurança As quedas, escorregadelas e os tropeçamentos são a causa de acidentes e ferimentos entre Trabalhadores. Estatísticas revelam que estes tipos de incidentes são

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

Escadas. Profa Dra Sandra Martins

Escadas. Profa Dra Sandra Martins Escadas Profa Dra Sandra Martins Circulação Vertical A circulação vertical faz-se por meio de ESCADAS, RAMPAS e de EQUIPAMENTOS MECÂNICOS (elevador, monta carga e escada rolante). ESCADAS Para representação

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA FÍSICA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

NORMATIZAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA FÍSICA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NORMATIZAÇÃO DA INFRA- ESTRUTURA FÍSICA DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Órgão regulamentador do sistema de saúde, no desempenho da ação fiscalizadora, quanto a adequação das condições do ambiente onde se processa

Leia mais

TABELA REFERENCIAL DE ESPECIFICAÇÃO - USO EXCLUSIVO DE VENDEDORES PORTOBELLO

TABELA REFERENCIAL DE ESPECIFICAÇÃO - USO EXCLUSIVO DE VENDEDORES PORTOBELLO - USO EXCLUSIVO DE VENDEDORES PORTOBELLO Página 01 de 05 AD Área de Serviço - piso 6 4 175 0,40 4 FL NR R R RR I I R R R R R R Área de Serviço - parede 3 ML R R NR R R R R R NR R R NR Residencial Banheiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR LITORAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS JOSÉ ADEMARIO ALVES DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR LITORAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS JOSÉ ADEMARIO ALVES DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR LITORAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS JOSÉ ADEMARIO ALVES DE OLIVEIRA ACESSIBILIDADE PARA CADEIRANTES NO COLÉGIO ESTADUAL JOSÉ BONIFÁCIO EM

Leia mais

Centro de Tecnologia e Sociedade

Centro de Tecnologia e Sociedade Centro de Tecnologia e Sociedade Legislação e Acessibilidade na Web Bruna Castanheira de Freitas bruna.freitas@fgv.br twitter.com/brucastanheiraf Análises Das políticas sobre acessibilidade no cenário

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE EM UM ÓRGÃO PÚBLICO NA CIDADE DE TORRES, RS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE EM UM ÓRGÃO PÚBLICO NA CIDADE DE TORRES, RS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE EM UM ÓRGÃO PÚBLICO NA CIDADE DE TORRES, RS EVALUATION OF THE ACCESSIBILITY CONDITIONS IN A PUBLIC BUILDING IN THE CITY OF TORRES, RS JOCHIMS, Carolina Eloisa

Leia mais

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos

ABNT NBR 9050 NORMA BRASILEIRA. Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 9050 Segunda edição 31.05.2004 Válida a partir de 30.06.2004 Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos Acessibility to buildings, equipment and

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS ROTAS DE ACESSO ENTRE BIBLIOTECA E BLOCOS DE SALA DE AULA EM RELAÇÃO À NBR 9050 ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE

ADAPTAÇÃO DAS ROTAS DE ACESSO ENTRE BIBLIOTECA E BLOCOS DE SALA DE AULA EM RELAÇÃO À NBR 9050 ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE ADAPTAÇÃO DAS ROTAS DE ACESSO ENTRE BIBLIOTECA E BLOCOS DE SALA DE AULA EM RELAÇÃO À NBR 9050 ESTUDO DE CASO SOBRE ACESSIBILIDADE André Curcino Ribeiro de Oliveira 1, Guilherme Alves Morais 1, Roberto

Leia mais

Legislação e Diretrizes de acessibilidade na Web. Reinaldo Ferraz W3C Brasil - CEWEB.br

Legislação e Diretrizes de acessibilidade na Web. Reinaldo Ferraz W3C Brasil - CEWEB.br Legislação e Diretrizes de acessibilidade na Web Reinaldo Ferraz W3C Brasil - CEWEB.br Constituição Federal de 1988 Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DE DISPOSITIVOS DE ACESSO A CADEIRANTES NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO ELEVADORES FOCA

MANUAL DE OPERAÇÃO DE DISPOSITIVOS DE ACESSO A CADEIRANTES NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO ELEVADORES FOCA ACESSIBILIDADE MANUAL DE OPERAÇÃO DE DISPOSITIVOS DE ACESSO A CADEIRANTES NO TRANSPORTE RODOVIÁRIO ELEVADORES FOCA Sejam bem-vindos! AB Introdução 3 Elevador FOCA Automático 4 Elevador FOCA Semi-automático

Leia mais

MARCELO PINTO GUIMARÃES 1. Marcelo Pinto Guimarães é Professor de Arquitetura, Ph.D. em Design e Coordenador do Laboratório ADAPTSE - EA UFMG.

MARCELO PINTO GUIMARÃES 1. Marcelo Pinto Guimarães é Professor de Arquitetura, Ph.D. em Design e Coordenador do Laboratório ADAPTSE - EA UFMG. MARCELO PINTO GUIMARÃES 1 Caracterização das relações entre acessibilidade universal, acessibilidade especializada, tecnologia assistiva, ajuda técnica e práticas inclusivas no ambiente escolar Os ambientes

Leia mais

AMBIENTE E ACESSIBILIDADE NO TRABALHO E NAS ATIVIDADES FISICAS. A PERSPECTIVA DE UM CADEIRANTE.

AMBIENTE E ACESSIBILIDADE NO TRABALHO E NAS ATIVIDADES FISICAS. A PERSPECTIVA DE UM CADEIRANTE. 1 AMBIENTE E ACESSIBILIDADE NO TRABALHO E NAS ATIVIDADES FISICAS. A PERSPECTIVA DE UM CADEIRANTE. Autor: XAVIER, de Rosso Rudson Coautores: PLAUTZ, Niumar Ander; STRAPASSON, Ana Claudia; MEDEIROS, Suzeli

Leia mais

LIMA, Laurize Trodo 2 ;TONÚS, Daniela 3 RESUMO

LIMA, Laurize Trodo 2 ;TONÚS, Daniela 3 RESUMO AVALIAÇÃO DA ACESSIBILIDADE DOS AMBIENTES MAIS UTILIZADOS POR CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DEFICIÊNCIA FÍSICA EM ESCOLA REGULAR DO MUNICIPIO DE SANTA MARIA, RS ¹ LIMA, Laurize Trodo 2 ;TONÚS, Daniela 3

Leia mais

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO

6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO 6.2 ANEXO II MEMORIAL FOTOGRÁFICO I. BAIRRO AMÂNCIO PIMENTA Foto 1 Declividade acentuada acesso bairro Foto 2 Via em blocos sextavados em conjunto habitacional II. BAIRRO CAMPO VINTE Foto 3 Principal via

Leia mais

SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PESSOA COM DEFICIÊNCIA É um conceito em evolução e que resulta da interação entre pessoas com deficiência e as barreiras atitudinais e ambientais que impedem sua plena e

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO RIO DE JANEIRO síntese

LEGISLAÇÃO DO RIO DE JANEIRO síntese LEGISLAÇÃO DO RIO DE JANEIRO síntese Legislação Estadual DOCUMENTO CONTEÚDO ACESSIBILIDADE EDUCAÇÃO Constituição Estadual 1989 Lei n o 678 25/10/1983 Lei n o 887 10/09/1985 Lei n o 1.117 21/01/1987 Lei

Leia mais

EDUCANDO PARA MELHORAR A ACESSIBILIDADE EM MUSEUS E GALERIAS DE ARTE

EDUCANDO PARA MELHORAR A ACESSIBILIDADE EM MUSEUS E GALERIAS DE ARTE EDUCANDO PARA MELHORAR A ACESSIBILIDADE EM MUSEUS E GALERIAS DE ARTE Gabriel Farias Carneiro¹; Maria do Carmo Caldas Dias Costa² ¹Bolsista FACEPE do Museu de Arqueologia da UNICAP, shiroto@live.com; ²Coordenadora

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO

ATELIÊ DE PROJETO 1 SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO SEMINÁRIO 2 DIMENSIONAMENTO Existe uma bibliografia completa com dimensões médias das necessidades humanas. Um dos autores mais importantes é Ernst Neufert, que fez um estudo detalhado sobre estas dimensões

Leia mais

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada.

CALÇAdA cidada. Conheça as regras para pavimentar sua calçada. CALÇAdA cidada Essa publicação tem por objetivo divulgar o regramento de construção e manutenção das calçadas da cidade de Canoas. Apresentação Cuidar de sua calçada é um sinal de amor à cidade e de respeito

Leia mais

1 Iluminação (SAT + Recepção + Acesso Coberto + WC PNE)

1 Iluminação (SAT + Recepção + Acesso Coberto + WC PNE) Introdução Este documento técnico tem por objetivo descrever os critérios utilizados nos projetos elétricos e telefônicos do Centro de Referência de Assistência Social CRAS da cidade de Cachoeira de Goiás,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Nº 21/ 2009 Pelo presente instrumento, com fundamento no artigo 5º, 6º, da Lei nº 7.347/85, de 24 de julho de 1985, de um lado, o MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Procuradora

Leia mais