COMO REGULARIZAR PERFUMES, COSMÉTICOS E PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL NO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMO REGULARIZAR PERFUMES, COSMÉTICOS E PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL NO BRASIL"

Transcrição

1 1 Associação dos Distribuidores e Importadores de Perfumes, Cosméticos e Similares Rua Tabapuã, 649 Cj 74 São Paulo SP - CEP Brasil Tel/Fax: (0XX) COMO REGULARIZAR PERFUMES, COSMÉTICOS E PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL NO BRASIL Por Sergio H. Nascimento Coordenador de Assuntos Regulatórios da ADIPEC (Revisado pela ASSEVISA e ATVS) 1. Legislação Sanitária Brasileira De acordo com a Lei No promulgada em 23 de Setembro de 1976, perfumes, cosméticos, s de higiene pessoal e outros similares necessitam ser registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA, agência reguladora do Ministério da Saúde e que normatiza a produção, a importação e o comércio de perfumes, cosméticos, s de higiene pessoal, alimentos, medicamentos, dispositivos médicos (correlatos), etc. Esta lei em particular e suas atualizações posteriores estabelecem o critério para a composição dos s (ingredientes permitidos e restritos), instruções para a rotulagem, dossiês de s, e demais providências relacionadas. Vale ressaltar que a partir do ano 2000, a Lei acima foi sendo regulamentada através de Resoluções da própria ANVISA, estabelecendo regras específicas para o setor de Cosméticos em tudo semelhantes às diretivas da Comunidade Econômica Européia, quer seja no teor quer seja na abrangência. Tais regras têm sido previamente discutidas e aprovadas no âmbito do Mercosul e adotadas no Brasil. Pela Resolução RDC No. 343/2005 publicada em 13 de Dezembro de 2005, os cosméticos e os s de higiene pessoal foram classificados de acordo com o seu grau de risco de uso e as definições de perfumes, cosméticos e s de higiene pessoal foram alteradas para: preparações constituídas por substâncias naturais ou sintéticas, de uso externo nas diversas partes do corpo humano, pele, sistema capilar, unhas, lábios, órgãos genitais externos, dentes e membranas mucosas da cavidade oral, com o objetivo exclusivo ou principal de limpá-los, perfumá-los, alterar sua aparência e ou corrigir odores corporais e ou protegê-los ou mantê-los em bom estado. 2. Dos Produtos Grau de Risco 1 Produtos classificados como grau de risco 1 (ou Categoria 1) são s cujas formulações cumprem com a definição adotada na RDC 343/05 para Cosméticos e cujas propriedades e características não demandam informações detalhadas quanto ao seu modo de usar e suas restrições de uso, devido às características e composição simples do. Exemplos: Xampus e Condicionadores simples, espuma de barbear e loções pós barba, s para maquiagem, cremes

2 e loções corporais com finalidade de hidratação e refrescância sem vitaminas e filtros solares, s sem apregoar ação anti na rotulagem (anti-caspa, anti-rugas, anti-envelhecimento, etc.). Produtos classificados como Categoria 1 não são registrados na ANVISA. Eles são Notificados através de um dossiê simples contendo informações básicas sobre o (composição, dados físico-químicos, dados microbiológicos, Certificado de Venda Livre, etc.), sem o pagamento de qualquer taxa para a ANVISA. Geralmente, tais s podem ser comercializados após um mês do protocolamento do dossiê de Notificação (via internet). Isto quer dizer que tais s podem ser importados assim que o distribuidor local, responsável pela sua Notificação, protocole a mesma no site da ANVISA. Todavia, se por alguma razão a ANVISA analisar o processo de Notificação, e encontrar alguma informação contraditória ou passível de classificar o como Categoria 2, o distribuidor / importador é solicitado a esclarecer as informações em questão podendo a Notificação não ser aceita. Ressaltamos que a ANVISA também tem realizado monitoramentos nos processos via eletrônica, ou seja, se encontrado algum erro ou classificação errada do, a notificação pode ser cancelada pela ANVISA. Não existe a análise prévia, mas sim monitoramentos, tanto pelas vigilâncias locais como pela própria GGCOS (eletronicamente). Importante ressaltar que os s de Grau 1 não podem ter filtros solares com finalidade de foto proteção da pele, porém os filtros solares podem ser utilizados para proteger a formulação (foto protetor do ). A empresa importadora deve estar atenta aos pareceres emitidos pela CATEC (Câmara Técnica de Cosméticos) disponíveis no site da ANVISA, pois alguns desses pareceres determinam que apenas a presença de determinada substância já é o suficiente para classificar o como grau de risco 2 (exemplos: presença de Vitamina A, Vitamina C, Cânfora, Salicilato de Metila, etc.) 3. Dos Produtos Grau de Risco 2 Produtos classificados como grau de risco 2 (ou Categoria 2) são s de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes cuja formulação cumpre com a definição adotada na RDC 343/05 e possuem indicações específicas (Exemplo: Xampu Anti-Caspa, Creme Anti-Rugas, Cremes com Protetor Solar, Cremes para a Área dos Olhos, Cosméticos Infantis, etc.) cujas características exigem comprovação de segurança e/ou eficácia, bem como informações e cuidados, modo e restrições de uso. Produtos classificados como Categoria 2 devem ser obrigatoriamente registrados na ANVISA. Juntamente com os dados do existe o pagamento pelo importador de taxa de registro que varia de acordo com o porte da empresa, isto é, quanto maior a empresa, maior a taxa. e O tempo de análise e para a concessão do registro é de dias caso, o processo não receba nenhum pedido de informação complementar. Contrariamente às Notificações os s submetidos a registro, precisam aguardar a publicação deste registro no Diário Oficial da União para se poder iniciar o processo de importação e posterior comercialização. 4. Dos Ingredientes Restritivos É importante ressaltar que, de acordo com a legislação sanitária Brasileira para perfumes e cosméticos existem listas de ingredientes denominadas de Restritivas (ingredientes que não devem constar da formulação exceto nas condições e restrições estabelecidas conforme previsto na legislação vigente), listas de Filtros Ultravioletas (substâncias que podem ser adicionadas à formulação para filtrar certos raios ultravioletas para proteger a pele de efeitos danosos causados por estes raios) e listas Negativas (substâncias de uso proibido em perfumes, cosméticos e s de higiene pessoal constante da legislação vigente). Estas listas estão disponíveis no site da ANVISA. 2

3 5. Do Prazo de Validade de Notificações e Registro. 3 Notificações e Registros são válidos por 5 (cinco) anos e após este período de tempo devem ser renovados através de um processo similar, 6 meses antes da data de validade, através de uma petição de revalidação desde que não tenham sofrido mudança de formulação, com novo pagamento de taxa no caso dos s registrados. Caso a Notificação ou o Registro não sejam renovados/revalidados, eles serão automaticamente cancelados pela ANVISA. 6. Do Dossie do Produto Ainda de acordo com o artigo 13 da RDC No.343/05, o fabricante local e/ou o importador devem possuir todas as informações que comprovem a qualidade, a segurança e a eficácia do fabricado localmente e/ou importado. Os benefícios apregoados na rotulagem devem ser sustentados por literatura técnica pertinente ou pelos respectivos testes efetuados com o. Todos esses documentos constituem o Dossiê de Produto, uma coleção de documentos técnicos sobre o em particular, que deve ser apresentado à ANVISA durante a inspeção da Vigilância Sanitária para fins de renovação da Autorização de Funcionamento do importador. Esta inspeção pode se dar uma vez por ano ou a qualquer momento, e é efetuada pelas Autoridades Sanitárias locais, que além dos aspectos ligados ao importador, verificam a existência dos documentos do Dossiê, tanto aqueles fornecidos pelo fabricante como aqueles de responsabilidade do próprio importador, como rotulagem de comercialização, entre outros. Em geral, os documentos apresentados à ANVISA durante o processo de Notificação e/ou Registro são fotocópias dos documentos existentes no Dossiê de Produto. DOCUMENTOS PARA PREPARAR O DOSSIÊ DE NOTIFICAÇÃO / REGISTRO NO BRASIL De acordo com a RDC 211/2005 publicada em 14 de Julho de 2005, os documentos listados abaixo são mandatórios para Notificação e/ou Registro e para fins de inspeção sanitária. DOCUMENTO 1) Fórmula Quali- Quantitativa (Consularizada no país de origem vide Nota 10 abaixo) DOSSIÊ DE PRODUTO (NA EMPRESA A DISPOSIÇÃO DA AUTORIDADE COMPETENTE) Sim (Original) APRESENTAR PARA AUTORIZAÇÃO DE COMERCIALIZAÇÃ O DO PRODUTO (NOTIFICAÇÃO OU REGISTRO) cópia autenticada OBSERVAÇÕES DA ADIPEC 1. Ingredientes na fórmula devem ser apresentados na linguagem INCI. 2. Ingredientes botânicos devem ser listados de acordo com a nomenclatura INCI e na sua ausência no Sistema Binomial Linée (geralmente é requisitado para extratos botânicos de países orientais) 3. Todos os ingredientes devem ser listados percentualmente através do sistema métrico decimal.

4 4 2) Função dos Ingredientes da Fórmula Sim 1. Cada ingrediente deve ser identificado pela sua função na fórmula (Exemplo: corante, umectante, essência, emoliente, solvente, etc.). 3) Bibliografia dos Ingredientes da fórmula Sim Não (para 1. Para todos os ingredientes. Quando os ingredientes proprietários e extratos botânicos não são os convencionais (listados no INCI), a ANVISA exige bibliografia internacional ou referência técnica publicada em enciclopédias de Química ou qualquer outra publicação técnica / científica de renome. 2. Nos casos de novos ingredientes cosméticos deverão ser apresentados os dados de segurança de uso dos mesmos. 3. Em alguns casos uma monografia poderá ser solicitada pelas autoridades de saúde. Todavia trata-se de uma situação muito especial que somente ocorre quando o ingrediente em questão não figura na nomenclatura INCI. 4) Especificações Técnicas organolépticas e físico-químicas de matérias primas 5) Especificações microbiológicas Não 1. Para cada matéria prima usada na fórmula, deve-se ter um resumo de suas principais propriedades físicoquímicas (Exemplo: ph, peso molecular, densidade, odor, cor, etc.). Não há necessidade de se incluir no dossiê o MSDS (Material Safety Data Sheet). 2. Não se exige a declaração dos nomes comerciais dos fabricantes das matérias primas, quando listados no INCI. 3. Com relação as matérias primas de origem animal suscetíveis de transmitir BSE, o fabricante do a ser importado, deverá fornecer os documentos respectivos dos fabricantes das matérias primas que comprovem sua liberação pelas Autoridades Sanitárias do país de origem, devidamente consularizados no próprio consulado Brasileiro do país de origem de seus fabricantes. Sim Não 1. Quando aplicável.

5 5 de matérias primas 6) Especificações técnicas organolépticas e físico-químicas do acabado 7) Especificações microbiológicas do acabado 8) Processo de fabricação 9) Especificações técnicas do material de embalagem Não 1 Um resumo das principais especificações físico-químicas do acabado (Exemplo: ph, densidade, viscosidade, etc.) e de suas propriedades organolépticas (odor, cor, aparência, etc.). 1. Quando aplicável, um resumo das especificações microbiológicas do acabado deve ser submetido às autoridades sanitárias. 1) Uma descrição resumida do processo de fabricação, ou seja, apenas um resumo das principais etapas do processo de produção. Pode ser um simples diagrama de blocos sem a necessidade de se incluir os parâmetros do processo (Temperatura, pressão, etc.). 1. Descrição resumida dos materiais utilizados na embalagem primária e secundária, incluindo-se as dimensões, formato e materiais. 10) Dados de estabilidade 11) Sistema de codificação de lote 12) Projeto de arte de etiqueta ou rotulagem 13) Dados comprobatórios dos benefícios atribuídos ao (comprovação de eficácia) Sim (completo) Sim (resumo dos dados) Não Sim apenas para Categoria 2 quanto aos claims específicos de rotulagem 1. Um resumo da metodologia (protocolo de execução do teste) e dos resultados dos testes de estabilidade que garantam a validade/durabilidade do. 1. Descrição geral de como identificar o código do lote 1. Fotocópia da arte final da rotulagem contendo informações de dados e advertências referentes ao conforme a legislação vigente. 1. Relatório de teste comprovando a veracidade dos benefícios apregoados na rotulagem do. 2. Em geral solicitado apenas para s com benefícios / claims específicos (Exemplo: Creme anti- Ruga, Xampu Anti-Caspa, não comedogênico, etc.). 14) Dados de segurança de uso (comprovação de segurança) Sim apenas nos casos de s da Categoria 2 estabelecidos pela CATEC. 1. Um resumo do teste de segurança em uso do demonstrando que o mesmo é seguro para usos em humanos. 2. O teste de segurança pode ser de realizado pelo próprio fabricante ou por terceiros, desde que sigam

6 15) Finalidade do 16) Certificado de Venda Livre CVL (Consularizado no país de origem) 17) Registro / Autorização de Empresa / Certificado de Inscrição do Estabelecimento Categoria 1 e 2). O original deve ser mantido no dossiê de.. Por ocasião da Notificação e/ou Registro deve-se apresentar fotocópia autenticada. protocolos de teste internacionalmente aceitos. 3. Para s de baixo risco basta a empresa ter em seu dossiê de um relatório de teste de irritação dérmica cumulativa. 1. Descrição da finalidade do quando não estiver implícito no nome do mesmo. 1. O CVL deve ser obtido junto ao Ministério da Saúde ou órgão sanitário respectivo, no país de origem, ou então através de Associações representativas da indústria de cosméticos quando credenciadas por aquele órgão sanitário local do país de origem do. 2. Atenção: o nome do utilizado no CVL deverá ser obrigatoriamente o mesmo utilizado na Notificação/Registro. Sim Não 1. Conforme a Legislação vigente geralmente fornecido pela Autoridade Sanitária do país de origem. 6

Requisitos Técnicos para Regularização de Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes

Requisitos Técnicos para Regularização de Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Gerência Geral de Cosméticos Requisitos Técnicos para Regularização de Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes 1 DEFINIÇÃO DE COSMÉTICOS RDC 211/2005 Anexo 1 REFERÊNCIAS LEGAIS 6 Outras legislações

Leia mais

Entendendo o que é o Dossiê de Produtos

Entendendo o que é o Dossiê de Produtos Entendendo o que é o Dossiê de Produtos Alberto Keidi Kurebayashi Protocolo Consultoria Personal e Health Care Todas as empresas e profissionais que atuam no setor cosmético, sejam indústrias fabricantes

Leia mais

Regulamentação e Implantação da Cosmetovigilância no Brasil

Regulamentação e Implantação da Cosmetovigilância no Brasil Ministério da Saúde Gerência-Geral de Cosméticos Regulamentação e Implantação da Cosmetovigilância no Brasil Brasília, 27 de julho de 2006 Tassiana Fronza Gerência Geral de Cosméticos MISSÃO DA ANVISA

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 343, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2005.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 343, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2005. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 343, DE 13 DE DEZEMBRO

Leia mais

REQUISITOS TECNICOS PARA REGISTRAR PRODUTOS DE HPPC NA ANVISA

REQUISITOS TECNICOS PARA REGISTRAR PRODUTOS DE HPPC NA ANVISA REQUISITOS TECNICOS PARA REGISTRAR PRODUTOS DE HPPC NA ANVISA FIPASE / ABC / INGTEC RIBEIRÃO PRETO 14 DE JUNHO 2012 Angel Lizárraga Diretor Executivo Aumentar a Auto-Estima Sin Maquillaje x Con Maquillaje

Leia mais

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira

Introdução à cosmetologia. Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Introdução à cosmetologia Prof. Msc. Mayara Peron Pereira Cosmetologia Conceitos e definições Ciência que serve de suporte à fabricação de produtos voltados à arte do cuidado e melhoria das condições estéticas

Leia mais

REGISTRO DE PRODUTOS COSMÉTICOS

REGISTRO DE PRODUTOS COSMÉTICOS Gerência-Geral de Cosméticos REGISTRO DE PRODUTOS COSMÉTICOS Juliana Araujo Costa Curitiba, junho de 2013 1 PRODUTOS COSMÉTICOS Maquiagens Esmaltes Dentifrícios e enxaguatórios Produtos para barba Cremes

Leia mais

RDC Nº 4, de 30 de Janeiro de 2014. Dra Maria Inês Harris mariaines@harris.com.br

RDC Nº 4, de 30 de Janeiro de 2014. Dra Maria Inês Harris mariaines@harris.com.br RDC Nº 4, de 30 de Janeiro de 2014 Dra Maria Inês Harris mariaines@harris.com.br Disposições Gerais Dispõe sobre os REQUISITOS TÉCNICOS para a REGULARIZAÇÃO de produtos de HPPC. Objetivos da RDC 4/2014

Leia mais

Anvisa - Legislação - Resoluções

Anvisa - Legislação - Resoluções Page 1 of 7 Legislação Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. Resolução nº 335, de 22 de julho de 1999 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de

Leia mais

REGISTRO DE PRODUTOS COSMÉTICOS

REGISTRO DE PRODUTOS COSMÉTICOS Gerência-Geral de Cosméticos REGISTRO DE PRODUTOS COSMÉTICOS Christiane da Silva Coelho São Paulo, junho de 2013 1 PRODUTOS COSMÉTICOS Maquiagens Esmaltes Dentifrícios e enxaguatórios Produtos para barba

Leia mais

considerando a necessidade de implementar ações que venham contribuir para a melhoria da qualidade da assistência à saúde;

considerando a necessidade de implementar ações que venham contribuir para a melhoria da qualidade da assistência à saúde; Resolução - RDC nº 132, de 29 de maio de 2003 D.O.U de 02/06/2003 Dispõe sobre o registro de medicamentos específicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 04, DE 30 DE JANEIRO DE 2014

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 04, DE 30 DE JANEIRO DE 2014 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 04, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

Passo a Passo para Novas Notificações de Produtos Cosméticos Grau 1

Passo a Passo para Novas Notificações de Produtos Cosméticos Grau 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Passo a Passo para Novas Notificações de Produtos Cosméticos Grau 1 Gerência Geral de Cosméticos www.anvisa.gov.br Brasília, dezembro de 2005 Agência Nacional de

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 JANEIRO DE 2014

RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 JANEIRO DE 2014 RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre os requisitos técnicos para a regularização de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Legislação sanitária aplicada a produtos cosméticos Ministrante: Rubens Brambilla R. Brambilla & Associados Consultoria Ltda Contatos: rbrambilla@hotmail.com

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Seção I Objetivo

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Seção I Objetivo RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 7, 10 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre os requisitos técnicos para a regularização de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes e dá outras providências.

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 07, DE 10 DE FEVEREIRO

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC Nº 07, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2015 DOU DE 11/02/2015

RESOLUÇÃO RDC Nº 07, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2015 DOU DE 11/02/2015 RESOLUÇÃO RDC Nº 07, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2015 DOU DE 11/02/2015 Dispõe sobre os requisitos técnicos para a regularização de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes e dá outras providências.

Leia mais

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s):

Os 1 Item(ns) da lista de documentos que não foram cumprido(s): Agência Nacional de Vigilância Sanitária Unidade de Atendimento e Protocolo - UNIAP Listagem de Encaminhamento de Documentação em Caráter Precário Data: 14.11.05 EMPRESA: ANCHIETA INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos administrativos para concessão da Certificação de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 DOU de 15/08/2013 [Página 50] Dispõe sobre os procedimentos administrativos

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Orientações para Elaboração de Dossiê de Produto Cosmético Gerência Geral de Cosméticos

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Orientações para Elaboração de Dossiê de Produto Cosmético Gerência Geral de Cosméticos Agência Nacional de Vigilância Sanitária Orientações para Elaboração de Dossiê de Produto Cosmético Gerência Geral de Cosméticos Brasília, abril de 2008 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Diretor-Presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO - RDC Nº 40, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Define os requisitos do cadastro de produtos médicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe conferem

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. RESOLUÇÃO RDC nº 185/2001

MANUAL DO USUÁRIO. RESOLUÇÃO RDC nº 185/2001 Agência Nacional de Vigilância Sanitária MANUAL DO USUÁRIO da RESOLUÇÃO RDC nº 185/2001 Orientações sobre Registro, Cadastramento, Alteração, Revalidação e Cancelamento do Registro de Produtos Médicos

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 DE JANEIRO DE 2014

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 DE JANEIRO DE 2014 Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre os requisitos técnicos para a regularização de produtos de higiene pessoal, cosméticos

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC Nº 133, DE 29 DE MAIO DE 2003

RESOLUÇÃO RDC Nº 133, DE 29 DE MAIO DE 2003 RESOLUÇÃO RDC Nº 133, DE 29 DE MAIO DE 2003 Dispõe sobre o registro de Medicamento Similar e dá outras providências. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 26, de 21 de maio de 2009. D.O.U de 22/05/09 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Normas de Rotulagem Para Produtos Cosméticos

Normas de Rotulagem Para Produtos Cosméticos Ministério da Saúde Gerência-Geral de Cosméticos Normas de Rotulagem Para Produtos Cosméticos Érica França Costa DE OLHO NA ROTULAGEM Registro e Notificação de Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e

Leia mais

ROTULAGEM DE PRODUTOS COSMÉTICOS

ROTULAGEM DE PRODUTOS COSMÉTICOS Gerência Geral de Cosméticos ROTULAGEM DE PRODUTOS COSMÉTICOS NORMAS DE ROTULAGEM REFERÊNCIAS LEGAIS DECRETO 79.094/77 (Art. 4º e 93-111) DECRETO 83.239/79 (Altera os Art. 17, 93, 94 e 96 do Decreto 79.094/77)

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Cosméticos Infantis O Brasil é um dos maiores mercados mundiais de cosméticos infantis. A utilização de produtos de higiene pessoal, como xampus, condicionadores

Leia mais

MEDICAMENTOS SIMILARES

MEDICAMENTOS SIMILARES MEDICAMENTOS SIMILARES Fica assegurado o direito de registro de medicamentos similares a outros já registrados, desde que satisfaçam as exigências estabelecidas nesta Lei. (Art. 21 da Lei 6360/76) MEDICAMENTOS

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A PRODUTOS ALIMENTARES GOURMET BRASIL ABRIL de 2015 Matriz Cultural do Mercado O Brasil é grande consumidor de produtos gourmet, porém existe logicamente um processo seletivo destes

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC Nº 7, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO RDC Nº 7, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2015 RESOLUÇÃO RDC Nº 7, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2015 Dispõe sobre os requisitos técnicos para a regularização de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes e dá outras providências. A Diretoria Colegiada

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 211, DE 14 DE JULHO DE 2005.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 211, DE 14 DE JULHO DE 2005. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 211, DE 14 DE JULHO DE 2005. O Diretor-Presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do artigo

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Ministério da Saúde Gerência Geral de Cosméticos AVANÇOS NO CONTROLE SANITÁRIO DE COSMÉTICOS Brasília, 9 de dezembro embro de 2011 Josineire Melo Costa Sallum Gerente Geral de Cosméticos REGULARIZAÇÃO

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED

CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED CONSULTA PÚBLICA Nº 01/2012/FUNED A FUNDAÇÃO EZEQUIEL DIAS, instituída pela Lei 5.594 de 06 de novembro de 1970, regulamentada pelo Decreto nº 45.712, de 30 de agosto de 2011, por intermédio de sua Presidência,

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA Nº 7, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2015

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA Nº 7, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2015 CONTEÚDO RDC 7/2015... 02 CAP. I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 02 CAP. II OUTRAS OBRIGATORIEDADES SOBRE ROTULAGEM... 05 CAP. III DOS PROCEDIMENTOS PARA REGULARIZAÇÃO... 05 CAP. IV DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 132, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 02/10/2003

RESOLUÇÃO - RDC Nº 132, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 02/10/2003 RESOLUÇÃO - RDC Nº 132, DE 29 DE MAIO DE 2003(*) Republicada no D.O.U de 02/10/2003 Dispõe sobre o registro de medicamentos específicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária,

Leia mais

adota, "ad referendum", a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e determina a sua publicação:

adota, ad referendum, a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e determina a sua publicação: RESOLUÇÃO - RDC Nº 211, DE 14 DE JULHO DE 2005. Estabelece a Definição e a Classificação de Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes, conforme Anexo I e II desta Resolução e dá outras definições.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012 Institui o protocolo eletrônico para emissão de Certificado de Registro de Medicamento e Certidão de Registro para

Leia mais

REGISTRO DE MEDICAMENTOS

REGISTRO DE MEDICAMENTOS REGISTRO DE MEDICAMENTOS Deborah Masano Cavaloti Manira Georges Soufia 1 Como a Anvisa avalia o registro de medicamentos novos no Brasil Brasília, 20 de janeiro de 2005 No Brasil, os medicamentos são registrados

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária REGISTRO DE MEDICAMENTOS

Agência Nacional de Vigilância Sanitária REGISTRO DE MEDICAMENTOS REGISTRO DE MEDICAMENTOS GERÊNCIA GERAL DE MEDICAMENTOS - SETORES A Gerência Geral de Medicamentos está em fase de reestruturação, portanto as divisões setoriais são provisórias; Gerência de Pesquisas,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS DE HIGIENE PESSONAL, COSMÉTICOS E PERFUMES

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS DE HIGIENE PESSONAL, COSMÉTICOS E PERFUMES MERCOSUL/GMC/RES. Nº 07/05 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS DE HIGIENE PESSONAL, COSMÉTICOS E PERFUMES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções

Leia mais

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde

Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde Perspectivas legais de alegações de propriedades funcionais e ou de saúde 4º Simpósio de Segurança Alimentar Gramado/RS, 29 e 30/05/2012 Antonia Maria de Aquino GPESP/GGALI/ANVISA Missão da Anvisa Promover

Leia mais

1. Trata-se de esclarecimento acerca da validade de Equipamento de Proteção, Individual - EPI e da validade do Certificado de Aprovação CA.

1. Trata-se de esclarecimento acerca da validade de Equipamento de Proteção, Individual - EPI e da validade do Certificado de Aprovação CA. MTE bfinistedo do Trabalho e Emprego Secretaria de Inspeção do Trabalho Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho Coordenação-Geral de Normalização e Programas NOTA TÉCNICA N2 01 cm, /2015/CGNOR/DSST/SIT

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 24, de 13 de maio de 2014 D.O.U de 20/05/2014

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 24, de 13 de maio de 2014 D.O.U de 20/05/2014 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 24, de 13 de maio de 2014 D.O.U de 20/05/2014 Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições

Leia mais

Promover a Saúde Pública Produtos Cosméticos

Promover a Saúde Pública Produtos Cosméticos Produtos Cosméticos O que é um Produto Cosmético? É qualquer substância ou mistura, destinada a ser posta em contato com as diversas partes superficiais do corpo humano (pele, cabelo, unhas, lábios, etc.)

Leia mais

Resolução nº 577 de 25 de julho de 2013

Resolução nº 577 de 25 de julho de 2013 Resolução nº 577 de 25 de julho de 2013 Ementa: Dispõe sobre a direção técnica ou responsabilidade técnica de empresas ou estabelecimentos que dispensam, comercializam, fornecem e distribuem produtos farmacêuticos,

Leia mais

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48

BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 BIBLIOTECA ARTIGO Nº 48 MUITO BARULHO POR NADA - COMO COMPLICAR A EXPLICAÇÃO Autores - Marcos Lobo De Freitas Levy e Silvia V. Fridman A ANVISA prevê a elaboração de uma nova resolução para permitir a

Leia mais

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL

Sistema Integrado de Licenciamento - SIL Sistema Integrado de Licenciamento - SIL CERTIFICADO DE LICENCIAMENTO INTEGRADO SECRETARIA ESTADUAL DE GESTÃO PÚBLICA Prefeitura do Município de Tatuí Governo do Estado de São Paulo É importante saber

Leia mais

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO

O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO O FOCO DA QUALIDADE NOS PROCESSOS DE TERCEIRIZAÇÃO Grande parte das indústrias farmacêuticas, cosméticos e de veterinários, utilizam processos de terceirização, para otimizar suas produções, para casos

Leia mais

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS.

Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS. Desdobramentos do Programa de Monitoramento Estadual da Qualidade de Cosméticos 2006 Ações da GVMC/SVS/MG CATEC ANVISA/MS Outubro/2006 Teresinha de Fátima Póvoa Diretora da GVMC/SVS/MG Programação Pactuada

Leia mais

Importação de Produtos para Saúde

Importação de Produtos para Saúde Importação de Produtos para Saúde Gerência de Inspeção de Produtos e Autorização de Empresas em Portos, Aeroportos Fronteiras e Recintos Alfandegados GIPAF Mônica Cristina A. F. Duarte Organograma - ANVISA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Cosméticos, Produtos de Higiene e Saneantes COORDENAÇÃO DE INSUMOS FARMACÊUTICOS, SANEANTES E COSMÉTICOS GERÊNCIA GERAL DE INSPEÇÃO

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC No- 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013

RESOLUÇÃO - RDC No- 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 RESOLUÇÃO - RDC No- 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos administrativos para concessão da Certificação de Boas Práticas de Fabricação e da Certificação de Boas Práticas de Distribuição

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 17, DE 02 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 05/03/2007

RESOLUÇÃO-RDC Nº 17, DE 02 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 05/03/2007 RESOLUÇÃO-RDC Nº 17, DE 02 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 05/03/2007 Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 11 do Regulamento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013.

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA. Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ - SESA SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA Nota Técnica nº 08/13 DVVSA/CEVS/SESA 29 de agosto 2013. BOAS PRÁTICAS PARA COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS A Secretaria do

Leia mais

Gerência de Produtos Diagnósticos de Uso in vitro

Gerência de Produtos Diagnósticos de Uso in vitro Gerência de Produtos Diagnósticos de Uso in vitro Brasília, 23 de maio de 2012 Augusto Bencke Geyer Valter Pereira de Oliveira Mônica Cristina A. F. Duarte* Coordenação e Redação Marcella Melo Vergne de

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE PROTETORES SOLARES EM COSMÉTICOS (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 26/02)

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE PROTETORES SOLARES EM COSMÉTICOS (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 26/02) MERCOSUL/XXXVI SGT Nº 11/P. RES. Nº 01/10 Rev. 1 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE PROTETORES SOLARES EM COSMÉTICOS (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 26/02) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º - O artigo 104 do Decreto Estadual nº 31.455, de 20 de fevereiro de 1987, passa a vigorar com a seguinte redação: DECRETO Nº 2, DE 8 DE JANEIRO DE 2015. Altera e acresce dispositivos ao Decreto nº 31.455, de 1987, que regulamenta os arts. 30 e 31 da Lei nº 6.320, de 20 de dezembro de 1983, que dispõem sobre alimentos

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 56 de 13 de setembro de 2006. D.O.U de 14/09/2006. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

Manual de Solicitação da Autorização de Importação Específica

Manual de Solicitação da Autorização de Importação Específica 2014 Manual de Solicitação da Autorização de Importação Específica Autorização de Importação Específica destinada a órgãos de repressão a entorpecentes, entidades importadoras de controle de dopagem, laboratórios

Leia mais

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo.

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo. ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de acesso expandido, uso compassivo e fornecimento de medicamento pósestudo. Apresentação: Biól. Andréia Rocha RELEMBRANDO

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS Drogarias; Ervanária, posto de medicamento, dispensário de medicamentos; Distribuidora com fracionamento de cosmético, perfume, produtos de higiene; Distribuidora

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98)

REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98) MERCOSUL/XLIII SGT N 11/P. RES. N /15 REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS SANEANTES A BASE DE HIPOCLORITOS ADITIVADOS (REVOGACAO DA RES. GMC Nº 57/98) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de

Leia mais

Programação para 2011

Programação para 2011 Visadoc Assessoria em Vigilância Sanitária e Regulatória Curso de Assuntos Regulatórios e Registro de Produtos - Aplicados à Vigilância Sanitária Por que participar? O Curso de Assuntos Regulatórios e

Leia mais

Procedimentos Simplificados para Registro de Medicamentos CLONES

Procedimentos Simplificados para Registro de Medicamentos CLONES SUMED Procedimentos Simplificados para Registro de Medicamentos CLONES IV Symposium Sindusfarma IPS/FIP-Anvisa Novas Fronteiras Farmacêuticas nas ciências, tecnologia, regulamentação e sistema de qualidade

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL

INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM ANIMAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA BRÉSCIA SECRETARIA DA AGRICULTURA SERVIÇO DE INSPEÇÃO MUNICIPAL - SIM INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO PARA REGISTRO DE PRODUTOS E RÓTULOS DE ORIGEM

Leia mais

Avaliação da qualidade das informações obtidas na internet relacionadas à segurança de uso de cosméticos.

Avaliação da qualidade das informações obtidas na internet relacionadas à segurança de uso de cosméticos. Avaliação da qualidade das informações obtidas na internet relacionadas à segurança de cosméticos. Ariane Pinheiro Cruz 1, Aline Claudia de Mello 2, Hellen Karine Stulzer 3,Talize Foppa 4, Marcos Antônio

Leia mais

Regulamentação das águas no Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA)

Regulamentação das águas no Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Regulamentação das águas no Brasil (ANVISA) Elisabete Gonçalves Dutra Gerencia Geral de Alimentos LEI Nº 9.782, DE 26 DE JANEIRO DE 1999 Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional

Leia mais

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos

Anvisa - Alimentos - Informes Técnicos Página 1 de 7 English Español Institucional Anvisa Publica Serviços Áreas de Atuação Legislação Buscar Informes Técnicos Informe Técnico nº. 36, de 27 de junho de 2008 Orientações sobre a declaração da

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Aprova o regulamento

Leia mais

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU? Atualizado: 17 / 09 / 2013 - FAQ - AI 1. Diário Oficial da União (DOU) 1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

Leia mais

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO SABONETE LÍQUIDO NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Fornecedor: SABONETE LÍQUIDO NEUTRO Bluecare do Brasil Indústria e Comércio Ltda. CNPJ.: 94.003.753/0001-02 Endereço: Rua

Leia mais

O IMPACTO DA COSMETOVIGILÂNCIA

O IMPACTO DA COSMETOVIGILÂNCIA O IMPACTO DA GARANTIR QUALIDADE, SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES JUNTO AO CONSUMIDOR. OBJETIVO DA CRITÉRIOS DE SEGURANÇA NECESSÁRIOS AOS PRODUTOS COSMÉTICOS

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006.

RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006. RESOLUÇÃO - RDC Nº. 176, DE 21 DE SETEMBRO DE 2006. Aprova o Regulamento Técnico Contratação de Terceirização para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br. Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 44, de 18 de junho de 2014 D.O.U de 20/06/2014 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013

RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO DE 2013 ITEM 10 DOCUMENTAÇÕES E REGISTROS Palestrante: Carlos Cezar Martins RDC Nº 48, DE 25 DE OUTUBRO Carlos Cezar Martins DE 2013 Farmacêutico com especialização em Qualidade

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL

CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 50/02 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº

Leia mais

Políticas de Regulação de Produtos Biotecnológicos

Políticas de Regulação de Produtos Biotecnológicos Diretoria Dirceu Raposo de Melo Gerência Geral de Medicamentos Gerência de Avaliação de Segurança e Eficácia Políticas de Regulação de Produtos Biotecnológicos Daniela Marreco Cerqueira CPBIH/GESEF/GGMED/ANVISA

Leia mais

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015.

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Assunto: Orientações sobre os procedimentos para solicitação de alterações na lista de alimentos alergênicos. I. Introdução. A Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 42/2010 Brasília, 30 de novembro de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de

Leia mais

adota a seguinte Resolução da Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução da Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC Nº 30 de 1º de junho de 2012. Aprova o Regulamento Técnico Mercosul sobre Protetores Solares em Cosméticos e dá outras providências. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretora-Presidente Substituta, determino a sua publicação:

Adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretora-Presidente Substituta, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 14, de 16 de março de 2011. D.O.U de 21/03/2011 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA MINISTERIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO- MAPA OFÍCIO CIRCULAR DIPOA/SDA Nº 14/2010 Brasília, 19 de abril de 2010. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal - DIPOA

Leia mais

ALERTA AOS CONSUMIDORES: Fique atento com os suplementos alimentares!

ALERTA AOS CONSUMIDORES: Fique atento com os suplementos alimentares! ALERTA AOS CONSUMIDORES: Fique atento com os suplementos alimentares! Pílula natural para emagrecimento, Quer perder peso agora?, Produto anticatabólico, Promove o ganho de massa muscular, Combate o envelhecimento

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO NA REGULARIZAÇÃO DE PRODUTOS HPPC

SIMPLIFICAÇÃO NA REGULARIZAÇÃO DE PRODUTOS HPPC FONTE: ABIHPEC SIMPLIFICAÇÃO NA REGULARIZAÇÃO DE PRODUTOS HPPC FOI PUBLICADO NESTA QUARTA-FEIRA (11 DE FEVEREIRO) EM DOU A RESOLUÇÃO RDC N 7 DE 10 DE FEVEREIRO DE 2015 (ANEXA) QUE DISPÕE SOBRE OS REQUISITOS

Leia mais

ccmed@sms.prefpoa.com.br COM O ENVIO DO PREENCHIMENTO DO ANEXO 1.

ccmed@sms.prefpoa.com.br COM O ENVIO DO PREENCHIMENTO DO ANEXO 1. CADASTRO DE MARCAS DE MEDICAMENTOS HUMANOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE/PMPA A PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / PMPA, ATRAVÉS DA ÁREA DE AQUISIÇÕES E MATERIAIS DA SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

Regulamentação Anvisa/MS em Produtos para Saúde Aplicada a Equipamentos Terapêuticos e de Diagnóstico a Laser

Regulamentação Anvisa/MS em Produtos para Saúde Aplicada a Equipamentos Terapêuticos e de Diagnóstico a Laser Regulamentação Anvisa/MS em Produtos para Saúde Aplicada a Equipamentos Terapêuticos e de Diagnóstico a Laser Gerência Geral de Tecnologia de Produtos para Saúde GGTP Gerência de Tecnologia de Equipamentos

Leia mais