Expansão do crédito imobiliário ajuda o País no longo prazo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Expansão do crédito imobiliário ajuda o País no longo prazo"

Transcrição

1 Capa Marcos Garcia de Oliveira Jornalista Expansão do crédito imobiliário ajuda o País no longo prazo O efeito multiplicador do financiamento imobiliário sobre a economia brasileira foi o tema central de seminário internacional promovido pela Abecip, do qual participaram lideranças empresariais, altos executivos da área creditícia e imobiliária, consultores e economistas especializados, além do secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Marcio Holland O aumento da oferta de crédito para construção ou aquisição de imóveis impacta o consumo das famílias e alimenta o desenvolvimento econômico e social do País. Esses investimentos contribuem para elevar a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) por vários anos, gerando demanda por serviços e produtos ao longo de toda a sua vida útil. Afinal, cada real investido gera quase duas vezes o seu valor para efeito de PIB. Esses dados, ressaltados por participantes do seminário internacional promovido pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) no final de agosto, sobre o tema O Efeito Multiplicador do Crédito Imobiliário, reforçam, na opinião do presidente da entidade, Octavio de Lazari Junior, a necessidade de se aprimorar cada vez mais o setor, mantendo-se o foco no avanço da legislação, na qualificação profissional e nos instrumentos de captação de recursos. O setor imobiliário já representa 7,5% do PIB e tem uma larga avenida a percorrer, com uma demanda de 1,3 milhão de unidades por ano, disse Lazari na abertura do encontro (em novembro, o porcentual foi reestimado pelo BC em 8,1% do PIB). Avanços como a concentração do ônus na matrícula do imóvel estão ocorrendo e a compra de uma casa será em breve questão de dias, como é hoje na aquisição de um automóvel, enfatizou. Além disso, a proposta de criação de covered bonds também está avançando, assim como o processo de qualificação profissional e outras iniciativas destinadas a dotar o mercado de sustentabilidade. A visão de Lazari foi compartilhada pelo chefe do Departamento de Normas do Sistema Financeira do Banco Central, Sérgio Odilon dos Anjos, para quem os benefícios sociais e econômicos da expansão do crédito imobiliário, para serem alcançados, dependem da preservação da sustentabilidade desse mercado. Daí a importância de avanços regulatórios como Basiléia 3, que aumentou a capacidade das instituições financeiras de absorverem choques, com padrões uniformes de originação e cuidados especiais na análise de crédito, comentou. Para ele, hoje temos LTV de 70% (porcentual financiado sobre o valor do imóvel) e prazo médio de financiamento de 25 a 30 anos, com inadimplência bastante baixa, e nosso mercado pode ser considerado em conformidade com os melhores padrões internacionais. (LTV é o porcentual do preço dos imóveis financiado pelo SFH ou pelo SFI). Odilon assegurou o apoio do BC a todas as iniciativas destinadas a propiciar mais eficiência ao setor e segurança às operações. Estamos analisando a questão da portabilidade dos empréstimos visando a garantir que, sem ação predatória, se aumente a eficiência das operações financeiras e a competitividade, melhorando serviços e custos para as famílias. Da mesma forma, analisamos os covered bonds, pois ainda que a urgência de novas fontes de recursos 8 - SFI

2 Lazari Jr., da Abecip: larga avenida a percorrer Presença maciça no seminário da Abecip tenha diminuído, entendemos como positivo todo o debate sobre o tema, uma vez que esses títulos são indutores de boas práticas no crédito imobiliário. Salários em alta O cenário macroeconômico brasileiro foi tratado pelos economistas Fabiana D Atri, coordenadora do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco, e Cláudio Adilson Gonçalez, diretor- -presidente da MCM Consultores Associados. Para Fabiana, as perspectivas para o mercado de imóveis continuam sendo muito positivas e, de certo modo, estão blindadas em relação ao cenário macroeconômico. A relação entre o crédito imobiliário e o PIB deve evoluir dos atuais 7,5% para algo como 13,5%, em O nível salarial atingido nos últimos anos permitirá preservar o crescimento do consumo, estimulando a mobilidade social e a demanda sustentada das famílias por bens e serviços. A elevação salarial no Brasil, segundo a economista do Bradesco, superou a registrada nas principais economias do mundo e é resultado do baixo crescimento demográfico. A oferta de empregos cresceu mais do que a População Economicamente Ativa (PEA), levando a uma elevação de 95% dos salários no período entre 2006 e 2011, enfatizou. No entanto, ressalvou, o crescimento salarial impõe um novo desafio à indústria instalada no País, que já enfrenta problemas de competitividade e não está preparada para o aumento de custos. Além disso, o setor tem de enfrentar o fato de que a demanda global se acomodou em ritmo mais fraco após a crise de A economia brasileira, segundo Fabiana, está diante de desafios importantes em relação ao mercado de trabalho, ao ambiente externo, ao desempenho futuro da indústria, à necessidade de aumento da produtividade e ao risco de reversão da confiança quanto ao comportamento da economia como um todo. O crescimento do PIB brasileiro foi estimado em torno de 2,3%, em 2013, e 2,5%, em Para a inflação, previu um índice próximo de 6%, em 2013, e de 5%, neste ano. Espaço para a expansão imobiliária Já o presidente da MCM Consultores Associados, Cláudio Adilson Gonçalez, conquanto cauteloso quanto o desempenho econômico do País nos próximos anos (veja matéria na página 14), é otimista acerca da perspectivas do mercado imobiliário, destacando seus efeitos positivos sobre a economia. Mesmo após o crescimento dos últimos anos, ressaltou, o mercado imobiliário nacional ainda tem amplo espaço para se expandir, com grande demanda potencial. Serão demandadas, previu, cerca de 1,2 milhão de unidades por ano pelo menos até 2025 apenas para atender à dinâmica demográfica, sem considerar o déficit habitacional atual e a reposição dos estoques de imóveis. Os preços, enfatizou o economista, continuarão em alta, embora em ritmo mais moderado. Não houve bolha SFI - 9

3 no mercado imobiliário e o valor do preço médio dos imóveis é condizente com o nível de renda, afirmou. Os preços do metro quadrado no mercado paulistano, por exemplo, assemelham-se aos das principais capitais do mundo. O efeito multiplicador do crédito imobiliário foi assim descrito: Além da demanda derivada, tais como estímulos para a indústria de móveis, contratação de serviços de energia, comunicações, segurança, manutenção, o novo imóvel gerará serviços habitacionais (computados no PIB) por toda sua vida útil. Melhor dizendo, um imóvel construído hoje contribuirá para aumentar a taxa de crescimento do PIB por vários anos, gerando riquezas equivalentes a duas vezes o valor investido. E os benefícios desse tipo de investimento vão além: a cada milhão de unidades construídas são gerados quase 2 milhões de novos postos de trabalho. E a expansão da oferta de crédito imobiliário provoca também o aumento da formalização do mercado de trabalho, reduzindo a construção informal. Outro efeito positivo, afirmou Cláudio Adilson, está no fato de que o setor da construção vem absorvendo mão de obra mais qualificada, o que estimula a busca de educação pelos brasileiros. Entre 2002 e 2011, passou de 10% para 19% o porcentual de trabalhadores dessa indústria com 11 anos a 14 anos de estudo. No mesmo período, a faixa de funcionários com seis anos a 10 anos de estudo aumentou de 27% para 33%, enquanto a participação de trabalhadores com menos de cinco anos de escolaridade foi reduzida de 48% para 32%. Mais estudo, e uma substancial elevação da renda média desses trabalhadores. A remuneração real da mão de obra do segmento subiu acima dos salários médios da economia como um todo, reduzindo a diferença entre o rendimento na construção e a média de todos os setores, explicou. Mais agilidade O objetivo do seminário foi avalisar o conjunto de esforços destinados a alavancar o crédito imobiliário, como se discutiu no seminário da Abecip. O tema foi o novo cenário para processos e gestão dos empréstimos para construção e aquisição de imóveis. Para o presidente da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo (Arisp), Flauzilino Araújo dos Santos, estão em curso inúmeras ações destinadas a simplificar e desburocratizar o processo de registro de imóveis, a exemplo da uniformização da linguagem eletrônica entre cartórios e bancos. É o caso do extrato de contrato em formato XML (Extensible Markup Language), já normatizado pela Corregedoria Geral da Justiça de São Paulo, que segundo ele, reduz o prazo para registro do documento para cinco dias úteis. Já o diretor do Cadastro Positivo da Serasa Experian, Laércio de Oliveira Pinto, falou sobre os benefícios da legislação de outubro de 2012, permitindo o compartilhamento pelas instituições financeiras, desde agosto de 2013, dos dados sobre os bons pagadores do sistema de crédito. O cadastro positivo, disse, proporciona a criação de melhor ambiente de crédito, onde todos são beneficiados: o consumidor, com crédito mais acessível e mais opções de escolha; os concedentes, que têm melhor gerenciamento de risco e podem ofertar empréstimos a maior número Sérgio Odilon, do BC: avanços com Basiléia 3 de consumidores; e a economia, com a redução do endividamento e maior oferta de crédito. Para ele, considerando a experiência mundial, o impacto na carteira de crédito brasileira será maciço. Ao permitir uma visão completa sobre todo o histórico de crédito do tomador e o nível de sua exposição no mercado, o compartilhamento das informações positivas pode facilitar a inclusão financeira de 26 milhões de consumidores informais, disse. Há uma expectativa de aumento de 27% nas taxas de aceitação, mantido o mesmo nível de inadimplência, e de geração de R$ 400 bilhões em novos créditos. E há ainda a expectativa de 45% de redução nas taxas de inadimplência, se for mantida a mesma taxa de aceitação, com redução de R$ 42 bilhões em perdas. Esse quadro, na visão do diretor da Serasa Expe SFI

4 rian, cria um círculo virtuoso de crescimento sustentável para o mercado de crédito, que deverá acelerar a relação crédito imobiliário/pib. A evolução do processo de gestão e gerenciamento de risco do crédito imobiliário também foi tratada por Roberto Dagnoni, vice-presidente da Unidade de Financiamentos da Cetip. Ele enfatizou as funcionalidades de uma plataforma de gestão de garantias. Segundo Dagnoni, esse tipo de instrumento pode ajudar na necessária evolução das várias etapas do processo de concessão de empréstimos. A avaliação de garantias, por exemplo, hoje demora de 7 a 10 dias e, para reduzir esse prazo, é preciso melhorar a conexão entre os participantes dessa etapa, afirmou. O aprimoramento do processo, avançou, traz benefícios para todo o mercado, em termos de eficiência operacional, integração e segurança. Bônus demográfico O futuro do mercado imobiliário e as perspectivas do funding do segmento foram abordados por Cláudio Bernardes, presidente do Secovi SP. Disse ele que do ponto de vista da demanda, todos os setores vão flutuar de acordo com as oscilações da economia, mas sabemos que, no mercado imobiliário, ainda temos um bônus demográfico, com um número bastante grande de pessoas jovens que vão precisar de imóveis. Bernardes lembrou que a expectativa de vida da população brasileira aumenta e, com isso, as pessoas hoje ocupam os imóveis por mais tempo, exigindo a construção de novas unidades. Existe ainda a tendência de aumento do número de unidades menores, para pessoas que moram sozinhas ou famílias menores, o que também gera a necessidade de mais construções. Mas o presidente do Secovi lembrou que há gargalos do ponto de vista da oferta, como vimos em 2010, quando a falta de profissionais, equipamentos e outros insumos limitaram a produção. Para ele, a construção civil ainda enfrenta problemas como a questão do regramento legal, que entrava o processo de construção com as dificuldades criadas em áreas como o licenciamento ambiental, a lei de uso e ocupação do solo e assim por diante. O mercado deve continuar crescendo, mesmo que haja períodos episódicos de desaceleração, acrescentou. Bernardes acredita que o governo federal deverá tomar medidas em 2014 para mudar a percepção das pessoas acerca do desempenho da economia. Isso se quiser ter chance nas eleições, concluiu. O mercado do Rio de Janeiro foi abordado por João Paulo Rio Tinto de Matos, presidente da Ademi RJ. Ele lembrou que a região se beneficiou muitos, nos últimos anos, com o alinhamento político com o governo federal e com medidas como a pacificação de comunidades carentes. Houve crescimento de 4% em número de unidades e de 17% em metros quadrados construídos, em relação a 2012, com perspectiva de chegar ao final do ano com crescimento de 10% a 15%. Para o futuro, Matos afirma que as expectativas são as melhores possíveis, se o alinhamento político for mantido e se houver uma agenda de eventos bem sucedidos. Além disso, a indústria de óleo e gás também ajuda o Rio a ter demanda natural nos próximos anos. Mas, afirmou, há desafios a enfrentar, como o problema da Cláudio Bernardes, do Secovi: bônus demográfico mobilidade urbana. Os investimentos públicos têm aberto oportunidades nos subúrbios, mas é preciso investir mais, pois o caos no trânsito carioca já está próximo dos níveis de São Paulo. Para Leonardo Diniz, diretor da Associação Brasileira das Incorporadoras (Abrainc), o ambiente do mercado imobiliário tende a ser muito favorável, nos próximos anos. Mas, há gargalos a enfrentar. O licenciamento ambiental tem apresentado problemas sérios para a aprovação dos empreendimentos, assim como a insegurança jurídica, disse. Um exemplo, citou, é a frágil relação que temos hoje com o consumidor, que traz custos elevados para o incorporador, em caso da devolução do imóvel antes da assinatura do contrato. SFI - 11

5 Mercado firme Onivaldo Scalco, diretor-presidente da Cibrasec, contou que, apesar da desaceleração econômica dos últimos anos, a securitização de créditos imobiliários vem-se firmando como importante fonte de recursos para expansão do mercado. O estoque de CRI já chegou a R$ 35,4 bilhões, disse ele, mostrando que há seis anos, em 2007, esse total era de apenas R$ 2,9 bilhões. De acordo com Scalco, embora o volume de emissões de 2013 tenha diminuído em relação aos anos mais recentes, a tendência é de crescimento. Os papéis com lastro corporativo continuam sendo responsáveis pela maior parte dos lançamentos. O valor médio das emissões anuais, entre 2010 e 2013 (janeiro a julho), foi de R$ 9,4 bilhões, sendo dois terços com lastro corporativo e um terço pulverizado, explicou. E o valor médio das emissões, segundo o presidente da Cibrasec, foi R$ 191 milhões, com rentabilidade bastante satisfatória, de 3,20% ao ano acima da NTN-B, o que garante boa demanda pelos títulos. O prazo médio é de 12 anos. Outro fato relevante é a crescente participação de pessoas físicas, tanto diretamente como por meio de fundos imobiliários na aquisição dos CRIs. A participação direta de pessoas físicas passou de 10,3%, em 2010, para 30,03%, em 2012, enquanto as aquisições por fundos de investimento cresceram de 6,6% para 23,4%. Os investimentos dos bancos comerciais, por exemplo, caíram de 77,9% para 11%. Relação residências/população Em matéria de lançamentos e obras, os índices do setor residencial no Brasil são baixos, comparativamente à população, notou o diretor-superintendente da Bradesco Asset Management (Bram), Joaquim Levy, ex-secretário do Tesouro Nacional e da Fazenda do Rio de Janeiro. O investimento residencial no Brasil pode crescer dos atuais 3,4% do PIB até a média mundial de 4,9% (descontadas bolhas e crises), puxando a taxa de investimento do País para cima, pois há demanda; a demografia e a renda ajudam, afirmou Levy. Armando Castelar, do IBRE: imóvel puxa crédito O baixo investimento no País, em relação à média mundial, está associado ao déficit na construção civil, especialmente na infraestrutura. A taxa de investimento em residências e infraestrutura no Brasil está entre as mais baixas do mundo, inclusive comparando com economias maduras, embora haja bom investimento em máquinas e equipamentos, superior à média mundial, disse. Levy ressaltou ainda que a combinação de instrumentos tradicionais de financiamento e aqueles do mercado de capitais será cada vez mais importante, permitindo canalizar a poupança de vários segmentos da população. Os covered bonds, por exemplo, podem ajudar o mercado sem concorrer com outros instrumentos que têm características específicas e atendem às diversas necessidades do mercado, disse, lembrando que a disciplina fiscal será muito importante no novo cenário global. O espaço para financiamento vai depender da disciplina fiscal e da estabilidade de preços, previu. Espaço para crescer Armando Castelar Pinheiro, coordenador de Economia Aplicada do IBRE/ FGV, também acredita que o setor de construção, que se destacou entre os de maior crescimento nos últimos anos, ainda tem espaço para crescer em ritmo superior ao do PIB, deixando para trás o porcentual de 5,7% do PIB que registrou em O setor imobiliário, ressaltou, responde pela maior parte da expansão do crédito às famílias desde meados de 2007, mas o crédito imobiliário ainda é limitado como proporção do PIB. O financiamento imobiliário permanece muito concentrado nas operações de crédito direcionado e o futuro está em mecanismos de securitização, mas esta alternativa estará limitada nos próximos anos pela elevação dos juros de longo prazo, disse. Visão externa A visão internacional do mercado imobiliário brasileiro foi descrita por especialistas como Daniel Citron, CEO da Related Brasil; Julian Josephs, das universidades Georgetown e John Hopkins, dos EUA; e Ryan Gonsalves, chefe do Departa SFI

6 mento de Propostas Hipotecárias Globais do HSBC. Citron, da Related Brasil (formada por duas tradicionais companhias norte-americanas para investir no País), disse que embora o cenário econômico brasileiro tenha piorado em relação ao momento (2011) em que os sócios de sua empresa decidiram investir, a disposição deles é de continuar investindo. Quando vieram para cá, os sócios americanos viram um cenário extremamente positivo, mas o que os levou a investir aqui foi a existência de uma classe média jovem e cada vez maior, que garantia um potencial muito grande. Isso continua presente e os sócios continuam seguros de seu investimento, explicou. Josephs concordou em que continua a haver investidores imobiliários estrangeiros querendo entrar no Brasil. Interesse pelo mercado brasileiro existe, disse ele. Com a ressalva de que a crise de 2008, embora esteja sendo superada, deixou sequelas. Por exemplo, tornou os bancos mais cautelosos na hora de investir. E estão surgindo novas oportunidades nos Estados Unidos. É o caso de Washington, onde, apesar das restrições impostas pela legislação, há mais financiamento imobiliário para quem quer entrar nos Estados Unidos. Com isso se estão criando novos nichos e empreendimentos de uso misto, em diversas áreas urbanas. Para Ryan Gonsalves, que discorreu sobre a situação dos mercados imobiliários dos Estados Unidos e da Europa durante e depois da crise de 2008, a tendência é que haja uma regulação cada vez maior após os problemas registrados nessas regiões. Os reguladores estão mais atentos à capacidade de sobrevivência dos bancos e também focados em oferecer mais proteção aos consumidores, disse, lembrando que essa proteção tem impacto duplo, aumentando a regulação das instituições financeiras e protegendo os consumidores de seus próprios exageros. Nesse aspecto, afirmou, os bancos brasileiros têm posição confortável, pois atuam de forma bastante conservadora no crédito imobiliário, em termos Fazenda vê recuperação consistente da economia Márcio Holland, da Fazenda: recuperação O Brasil está entre os quatro principais receptores de crédito direto estrangeiro e vem se recuperando de modo consistente em comparação com as economias mundiais. A análise é do secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Márcio Holland, que foi o último palestrante do seminário internacional promovido pela Abecip para avaliar o efeito multiplicador do crédito imobiliário. Apresentando uma visão otimista sobre o desempenho da economia brasileira, Holland destacou, por exemplo, o crescimento expressivo da produção de bens de capital, associado à modernização do parque industrial, segundo ele um fator bastante relevante. E o mercado de trabalho segue sólido, com a criação de empregos com qualidade, disse, enfatizando a importância da criação de postos de trabalho formais. Para ele, a economia internacional ainda vive momentos difíceis, embora haja sinais de que o fundo do poço já ficou para trás. As perspectivas de crescimento da economia mundial vêm sendo frustradas, mas teremos uma recuperação lenta e com alguma incerteza, disse. Com base nos dados disponíveis em agosto, Holland previu que o segundo semestre de 2013 seria marcado por queda da inflação, aumento do poder aquisitivo e aumento do crédito, dando seguimento ao processo de recuperação do desempenho econômico. SFI - 13

7 de LTV, duração dos contratos e outros aspectos. O que deu errado nos mercados europeu e americano foram as inovações, as maneiras criativas encontradas para captar recursos, recordou Gonsalves, concluindo que, para evitar isso é necessário inovar a partir das demandas do consumidor, precisamos pensar em como ajuda-lo a atingir seus objetivos. As informações trazidas pelos especialistas estrangeiros foram citadas pelo presidente da Abecip, Octávio de Lazari Júnior, no encerramento do encontro. Segundo ele, é muito importante saber quais foram os erros cometidos para não repeti-los aqui. Como vimos neste seminário, temos uma responsabilidade muito grande no desenvolvimento do País e precisamos refletir sobre o nosso papel, que é de não deixar o crédito imobiliário se tornar um produto ruim; ao contrário, é nosso dever torná-lo cada vez melhor. Cenário mundial exige rapidez nas reformas Sem ter feito a lição de casa, o Brasil corre o risco de não se beneficiar da recuperação da economia mundial. A previsão é do economista Cláudio Adilson Gonçalez, da MCM Consultores Associados, que analisou o impacto do crédito imobiliário no crescimento econômico do País Assim, disse, o crescimento do PIB ficará em torno de 2% em 2013 e 2014, enquanto a política fiscal segue em deterioração, com o déficit em conta corrente crescendo 50% em relação a Estamos no fim da era de commodities supervalorizadas, que garantiu por vários anos (especialmente de 2004 até recentemente) elevação significativa dos termos de troca a favor do Brasil, disse. Para Gonçalez, a transferência de recursos de um setor para outro (das commodities para a manufatura) não será tranquila, pois o País não fez os ajustes necessários para a redução de custos, adequação da infraestrutura, educação e assim por diante. Ele lembrou ainda que a nova ordem internacional tem consequências diretas sobre a economia brasileira, tais como a redução do apetite externo para investimentos no Brasil e aumento do risco soberano. Por sua vez, a desvalorização do real, se de um lado provoca estímulos positivos para o setor exportador, de Cláudio Adilson, da MCM: impacto externo outro pressiona a inflação e, se for muito rápida, cria problemas de desajustes patrimoniais nas empresas, afirmou, acrescentando que haverá queda da produtividade total dos fatores de produção, na medida em que o País não está preparado para realocar rapidamente recursos dos setores em que é mais competitivo (commodities) para os setores industriais beneficiados pela moeda mais depreciada. Dessa forma, Gonçalez prevê que a inflação deve continuar crescendo e que haverá queda generalizada nos índices de confiança no País, por parte dos consumidores e dos empresários, impedindo qualquer possibilidade de reversão das baixas taxas de crescimento econômico a curto prazo. Isso torna urgente a retomada das reformas estruturais, especialmente na política fiscal, inclusive porque o mercado de trabalho deve começar a registrar os impactos negativos ainda em 2014, criando problemas para a presidente Dilma, afirmou SFI

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POUPANÇA. Octavio de Lazari Junior Presidente - ABECIP. São Paulo 07 de Março de 2013

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POUPANÇA. Octavio de Lazari Junior Presidente - ABECIP. São Paulo 07 de Março de 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POUPANÇA Octavio de Lazari Junior Presidente - ABECIP São Paulo 07 de Março de 2013 Pauta A Abecip Cenário Macro Poupança Crédito Imobiliário

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice

Coletiva de Imprensa - ABECIP. Índice Coletiva de Imprensa - ABECIP Índice 1. Ambiente Macroeconômico 2. Mercado Imobiliário 3. Financiamento Imobiliário - SBPE 4. Inadimplência 5. Ativos Financeiros 6. Poupança SBPE 7. Expectativas 2013 2

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2015 O Brasil Adota o Modelo do Covered Bond Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP A Medida Provisória 656, de 2014, aprovada

Leia mais

Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP

Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP Fortaleza CE, Brasil 4 de outubro de 2013 Pauta Descolamento recente: Renda X Preço dos Imóveis Uma Breve História o Pré estabilização o Pós estabilização Crédito

Leia mais

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC

27.03.12. Paulo Safady Simão Presidente da CBIC 27.03.12 Paulo Safady Simão Presidente da CBIC REPRESENTANTE NACIONAL E INTERNACIONAL DAS ENTIDADES EMPRESARIAIS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E DO MERCADO IMOBILIÁRIO SINDICATOS, ASSOCIAÇÕES E CÂMARAS 62

Leia mais

Workshop - Mercado Imobiliário

Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário Workshop - Mercado Imobiliário 1. O que está acontecendo com o Brasil? 2. Por que o Brasil é a bola da vez? 3. Por que o Mercado imobiliário

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

A GP no mercado imobiliário

A GP no mercado imobiliário A GP no mercado imobiliário A experiência singular acumulada pela GP Investments em diferentes segmentos do setor imobiliário confere importante diferencial competitivo para a Companhia capturar novas

Leia mais

Cenários,Tendências e Desafios da Construção Civil no Brasil

Cenários,Tendências e Desafios da Construção Civil no Brasil Cenários,Tendências e Desafios da Construção Civil no Brasil I. Cenário Atual II. III. IV. Histórico e Dados Relevantes para Viabilidade O Negócio Imobiliário - Definições e Características Cenários para

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

Seminário Crédito Imobiliário Visão do regulador e o mercado externo Banco Central do Brasil (BCB)

Seminário Crédito Imobiliário Visão do regulador e o mercado externo Banco Central do Brasil (BCB) Seminário Crédito Imobiliário Visão do regulador e o mercado externo Banco Central do Brasil (BCB) São Paulo, 20 de março de 2014 Agenda 1. Panorama do Segmento 2. Particularidades do Mercado Brasileiro

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI Revista Construção e Mercado Pini Setembro 2012 A Percepção dos Investidores Sobre as Ações das Companhias Brasileiras de Incorporação e Construção Residencial David Lawant,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini agosto 2015 GESTÃO DO ESTOQUE DE UNIDADES PRONTAS Eco, MBA R.E., Mestre em Eng. Civil, Alfredo Eduardo Abibi Filho Dir. Inc. Jal Empreendimentos

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Cenário econômico Cenário econômico Contexto Macro-econômico e Regulamentação Redução de spreads Incremento

Leia mais

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA

FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA FGTS 45 ANOS DE DESENVOLVIMENTO O BRASIL E PROMOVENDO A CIDADANIA Inês Magalhães Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Brasília, 24 de novembro de 2011 Política Nacional de Habitação

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL

CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POLÍTICA HABITACIONAL. O déficit habitacional brasileiro é da ordem de 7 milhões de unidades. A demanda por crescimento demográfico do número de famílias é da ordem de 700 MIL unidades

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais

Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais Soluções de Financiamento e Investimento para Projetos Imobiliários Residenciais I. A Conjuntura Econômica II. III. Introdução à RB Capital Soluções Imobiliárias Residenciais Conjuntura Econômica Cenários

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

O Mercado de Investimentos Imobiliários e o Cenário Sócio-Econômico Nacional

O Mercado de Investimentos Imobiliários e o Cenário Sócio-Econômico Nacional O Mercado de Investimentos Imobiliários e o Cenário Sócio-Econômico Nacional JOÃO PAULO MATOS Presidente Fiabci Rio, 1º Vice-Presidente da ADEMI e Presidente do Grupo de Trabalho Estatutário da ADEMI Segurança

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013

Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013 16 de dezembro de 2013 Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) NOVEMBRO/2013 O ICEC é um indicador da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) que visa medir o nível

Leia mais

A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo

A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo FRANQUIA A rede de franquias nº 1 em produtividade do mundo A rede de franquia com maior volume de vendas nos EUA. (Real Trends 500 2011) Primeiro sistema de franquias imobiliárias da América do Norte

Leia mais

Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015. José Aguiar Superintendente Abecip

Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015. José Aguiar Superintendente Abecip Perspectivas para o crédito imobiliário em 2015 José Aguiar Superintendente Abecip São Paulo, 29 de Outubro de 2014 AGENDA: Overview Pilares do crescimento Crédito imobiliário: situação atual E o funding?

Leia mais

PERFORMANCE DA CONSTRUÇÃO CIVIL *

PERFORMANCE DA CONSTRUÇÃO CIVIL * PERFORMANCE DA CONSTRUÇÃO CIVIL * Departamento de Economia e Construção Civil da Habicamp * Sérgio S Vargas, Vice-Presidente da Habicamp. 2007 Performance da Construção Civil + 104,00% + 12,55% (1) Vendas

Leia mais

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL

4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL SEMINARIO FIESP REINDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL: CHAVE PARA UM PROJETO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO 4º PAINEL: INVESTIMENTO PRIVADO, INVESTIMENTO PÚBLICO E MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL 26 agosto 2013 Carlos

Leia mais

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro

O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro GESTÃO DE MACROPOLÍTICAS PÚBLICAS FEDERAIS O Modelo de Desenvolvimento Brasileiro Esther Dweck Brasília Ministério do Planejamento 04 de fevereiro de 2014 O modelo de desenvolvimento brasileiro Objetivos

Leia mais

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 Melhoria do marco regulatório para o crédito Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 1 Objetivo das medidas: melhorar a produtividade e a competitividade da economia Liberação de compulsório e redução

Leia mais

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção

Dificuldade no acesso ao crédito é disseminada na construção SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 6 Junho de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Falta de crédito dificulta recuperação

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC).

Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). São Paulo, 21 de março de 2013. Discurso do presidente Alexandre Tombini na comemoração dos 30 anos da Associação Brasileira de Bancos Comerciais (ABBC). Senhoras e senhores É com grande satisfação que

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

A Construção na Ótica da Indústria de Materiais. Walter Cover 27/08/2014

A Construção na Ótica da Indústria de Materiais. Walter Cover 27/08/2014 A Construção na Ótica da Indústria de Materiais Walter Cover 27/08/2014 Representatividade ABRAMAT 10% Do PIB Nacional Cadeia da Construção 5,5 Milhões de trabalhadores formais (3,5 na construção Civil)

Leia mais

Volume de crédito segue em expansão em 2008

Volume de crédito segue em expansão em 2008 Relatório Febraban - Evolução do Crédito do Sistema Financeiro (com base na Nota do Banco Central do Brasil de 25-03-2008) Edição de 25 de março de 2008 Volume de crédito segue em expansão em 2008 O ritmo

Leia mais

A SITUAÇÃO ECONÔMICA E AS PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL

A SITUAÇÃO ECONÔMICA E AS PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL A SITUAÇÃO ECONÔMICA E AS PERSPECTIVAS PARA O MERCADO DE FINANCIAMENTO HABITACIONAL SITUAÇÃO ECONÔMICA Em que pé nós estamos? Maturidade e crescimento Início da crise Bolha imobiliária Copa do Mundo Eleição

Leia mais

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB

Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Investimento em infraestrutura: efeitos multiplicadores sobre o crescimento do PIB Brasília (DF), 06 de outubro de 2015 1 Diretoria Estratégia da Marca Gerência de Assessoramento Econômico Economia Internacional

Leia mais

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010

Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL. Outubro de 2010 Seminário Setorial de Construção Civil APIMEC SUL Outubro de 2010 Aviso Esta apresentação contém declarações prospectivas. Tais informações não são apenas fatos históricos, mas refletem as metas e as expectativas

Leia mais

Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV

Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV Bolha imobiliária: realidade ou ficção? Marcelo Barros, economista, professor da FBV Antônio Pessoa, economista, professor da FBV Las Vegas - EUA Barro Recife/PE Qual é o imóvel mais caro? Fonte: Blog

Leia mais

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação.

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação. Empírica Investimentos na mídia EXAME Janeiro 23/12/2014 Com juro alto, renda fixa é mais atrativa e Petrobras, opção A alta dos juros na semana passada por conta da instabilidade externa tornou mais atrativos

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

Ministério da Fazenda. Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Salvador - Bahia

Ministério da Fazenda. Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Salvador - Bahia Conferência Internacional de Crédito Imobiliário Salvador - Bahia Novembro 2007 1 Política Governamental e Propostas para Combate do Déficit Habitacional Crédito Imobiliário: Desenvolvendo Mecanismos de

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indicadores CNI INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Momento difícil da indústria se reflete nos investimentos Intenção de investimento para 2015 é a menor da pesquisa Em 2014, 71,8% das empresas investiram 7,9

Leia mais

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA

SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA SECOVI MINHA CASA, MINHA VIDA Miriam Belchior Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão São Paulo, 15 de julho de 2013 NOVOS MOTORES DO CRESCIMENTO Modelo brasileiro diversificou as fontes de crescimento

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente.

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. A possibilidade de diversificar o investimento e se tornar sócio dos maiores empreendimentos imobiliários do Brasil. Este material tem o objetivo

Leia mais

O MAIS COMPLETO SISTEMA DE MONITORAMENTO E ANÁLISE DO MERCADO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO!

O MAIS COMPLETO SISTEMA DE MONITORAMENTO E ANÁLISE DO MERCADO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO! O MAIS COMPLETO SISTEMA DE MONITORAMENTO E ANÁLISE DO MERCADO BRASILEIRO DA CONSTRUÇÃO! A evolução da indústria da construção civil A indústria da construção civil evoluiu, assumiu um papel importante

Leia mais

O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo. Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo

O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo. Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo O Novo Cenário do Crédito com o Cadastro Positivo Laércio de Oliveira Pinto Head Cadastro Positivo Agenda 1 Cadastro Positivo: como estamos 2 O que muda no novo cenário 3 Benefícios do Cadastro Positivo

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

Consultoria. Crise econômica - o que ainda está por vir e os impactos na hotelaria. Novembro/2015. Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.

Consultoria. Crise econômica - o que ainda está por vir e os impactos na hotelaria. Novembro/2015. Juan Jensen jensen@4econsultoria.com. Consultoria Crise econômica - o que ainda está por vir e os impactos na hotelaria Novembro/2015 Juan Jensen jensen@4econsultoria.com.br Cenário Político DilmaI: governo ruim, centralizador e diagnóstico

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

Reflexos da evasão e da inadimplência na gestão da instituição de ensino

Reflexos da evasão e da inadimplência na gestão da instituição de ensino Reflexos da evasão e da inadimplência na gestão da instituição de ensino Sergio Roschel Diretor de Finanças as e Controladoria Instituto Metodista de Ensino Superior sergio.roschel@metodista.br 1 - Cenários

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015

Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito. Banco Central do Brasil Fevereiro de 2015 Pesquisa Trimestral de Condições de Crédito Banco Central do Brasil Fevereiro de 215 Indicadores de Condições de Crédito Objetivos: Verificar o sentimento dos últimos meses sobre o mercado de crédito e

Leia mais

2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA.

2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA. Brasília, 10 de Janeiro de 2013 NOTA À IMPRENSA 2012, UMA FRUSTRAÇÃO PARA O MERCADO DA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA. Por: (*) Rafhael Carvalho Marinho O índice de preços imobiliários verifica a existência de

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

MERCADO IMOBILIÁRIO PARA ONDE CAMINHA A DEMANDA?

MERCADO IMOBILIÁRIO PARA ONDE CAMINHA A DEMANDA? MERCADO IMOBILIÁRIO PARA ONDE CAMINHA A DEMANDA? CII Comissão da Indústria Imobiliária José da Silva Aguiar Superintendente Técnico da ABECIP Data: 23/maio/2014 Pauta 1) Financiamento Imobiliário SBPE

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08

Gráfico nº 1 - Variação do Nível de Atividade 1T/08-1T/07 Elaboração Núcleo de Pesquisa Industrial da FIEA 52,08 Resumo Executivo A Sondagem Industrial procura identificar a percepção dos empresários sobre o presente e as expectativas sobre o futuro. Os dados apresentados servem como parâmetro capaz de mensurar o

Leia mais

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP

Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015. Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Perspectivas para o Setor da Construção Civil em 2015 Celso Petrucci Economista-chefe do Secovi-SP Mercado Imobiliário Brasileiro - VGL 2011-7% 2012 13% 2013 R$ 85,6 bilhões R$ 79,7 bilhões R$ 90,4 bilhões

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Construção encerra o ano em ritmo fraco

Construção encerra o ano em ritmo fraco SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 4 Número 12 Dezembro de 2013 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Dificuldade no acesso ao crédito

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários

Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário. 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Mercado de Capitais e o Investimento Imobiliário 1 Fórum de Investimentos Imobiliários Abril, 2014 Mercado Imobiliário e Mercado de Capitais Relembrando o Passado Recente Maior renda da população Evolução

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade

ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS. IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade ELABORAÇÃO DE CENÁRIOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Uma proposta de trabalho para apresentação ao SESC Serviço Social do Comércio Preparada pelo IETS Instituto de Estudos de Trabalho e Sociedade Maurício Blanco

Leia mais

Wolf Kos Trambuch Diretor da ISEC Nelson Campos Diretor da ISEC

Wolf Kos Trambuch Diretor da ISEC Nelson Campos Diretor da ISEC A EMPRESA A ISEC é uma securitizadora independente, ágil, com sólida experiência no mercado cuja missão é oferecer soluções aos que buscam recursos e/ou investimentos a partir de operações estruturadas

Leia mais