Análise de Resíduos de Pesticidas Geisa Resende Novembro/2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Resíduos de Pesticidas Geisa Resende Novembro/2011"

Transcrição

1 Análise de Resíduos de Pesticidas Geisa Resende Novembro/2011

2 Agenda 1. Definição de Resíduos de Pesticidas / Agrotóxicos 2. Estudos de Resíduos 3. Métodos Analíticos: Validação; LOQ / LOD; 4. Expressão dos Resultados de Resíduos 5. LMR / Tolerância de Importação 6. LMRs Harmonizados

3 Resíduos de Pesticidas / Agrotóxicos O que é um Resíduo de Pesticidas? Combinação do ingrediente ativo e seus metabólitos contidos em alimentos para seres humanos, alimentos para animais e / ou água potável, após tratamento com Defensivos Agrícolas (Agrotóxicos). Oriundo de informações obtidas a partir de estudos de metabolismo em: Ratos Culturas alvo Culturas de rotação Produtos Processados Animais da pecuária page 3 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

4 Definição de Resíduos Qual é o propósito da Definição de Resíduos? Definir e monitorar os Limites Máximos de Resíduos (LMR) Para realizar a Avaliação do Risco da Dieta Alimentar (Dietary Risk Assessment) através do composto principal e seus metabolitos toxicologicamente significativos (acima de 10% de significância nos Estudos de metabolismo) page 4 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

5 Definição de Resíduos Pontos Chaves / Críticos Utilizada para: Determinação dos LMRs e Monitoramento / Avaliação de Risco; Não há regras para harmonização, decisões são tomadas caso-a-caso; Ocorrem desarmonias (USA/EU/LATAM); É o fundamento básico para o pacote de Estudos relacionados a Segurança Alimentar; É o elemento chave para Avaliação de Risco na Dieta; Mudanças na Definição de Resíduos podem ser muito problemáticas. page 5 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

6 Definição de Resíduos Processo de Determinação GAPs/ Material Radiomarcado Metabolismo em Plantas 3 Grupos de Culturas Avaliação de Risco Definição de Resíduos Metabolismo Animal Cabra/Galinha Ensaios de Resíduos Definição de Resíduos Proposta Estudos de Alimentação animal page 6 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

7 Definição de Resíduos Processo de Determinação GAPs/ Material Radiomarcado Toxicologia Metabolismo em Planta 3 Grupos de Cultura Avaliação de Risco Definição de Resíduos Metabolismo Animal Cabra/Galinha Metabolismo em Rato Ensaios de Resíduos Definição de Resíduos Proposta Estudo de Alimentação Animal page 7 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

8 Definição de Resíduos Processo de Determinação GAPs Material Radiomarcado Toxicologia 14 C Hidrolise (Processamento) Estudos de Culturas Rotacionais confinados Metabolismo em Plantas 3 Grupos de Culturas Avaliação de Risco Definição de Resíduos Metabolismo Animal Cabra/Galinha Metabolismo em Rato Culturas Rotacionais udos de Processamento Ensaios de Campo Ensaios de Resíduos Definição de Resíduos Proposta Estudo de Alimentação Animal page 8 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

9 Estudos na área de Segurança Alimentar Estudos de Resíduos: São realizados em culturas-alvo e / ou grupos de culturas (minor crops); Quantifica os Resíduos remanescentes em condições de campo; Usado para estabelecer o LMR, baseado nas condições mais críticas de uso do produto (GAP crítico); Fornece dados para a Avaliação de Risco da Dieta. page 9 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

10 Métodos Analíticos Desenvolvimento de Métodos Geração de Dados para Avaliação de Risco e Determinação de Limite Máximo de Resíduos Métodos Específicos ou Multi Resíduos com Técnica confirmatória Desenvolvido pelas Multi Nacionais englobando o composto principal e os metabólitos relevantes. Estudos de monitoramento e checagem de LMR (Enforcement) Método Multi Resíduos podendo ser reproduzido em qualquer Laboratório com capacidade técnica de análise de Resíduos page 10 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

11 Métodos Analíticos Métodos para Análise de Resíduos: São aplicáveis à todos os pesticidas usados nas colheitas comestíveis, pecuária alimentos processados e produtos animais (ex.: carne, leite, ovos) provenientes de animais que podem consumir culturas tratadas. São utilizados para: gerar os dados para estabelecer os LMR / Avaliação de Risco na Dieta; determinar os fatores de transformação nos estudos de amostras processadas; monitoramento e fiscalização do LMR; condução de estudos de estabilidade de amostras congeladas (storage stability studies) page 11 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

12 Métodos Analíticos Validação de Métodos: O objetivo da validação do método analítico é demonstrar que o procedimento, produz resultados confiáveis à finalidade; Critérios considerados na validação de métodos analíticos para análise de Resíduos são: Recuperação (exatidão) ( %) Seletividade (especificidade) (nível de interferente <30% do LOQ) Linearidade na faixa de trabalho (coeficiente de correlação 0,99) Precisão / Repetibilidade (coeficiente de variação) ( CV 20%) Limite de Detecção (LOD) Limite de Quantificação (LOQ) page 12 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

13 Métodos Analíticos Limite de Detecção LOD É a menor concentração de um analito, em uma amostra, que pode ser detectado mas não necessariamente quantificado como um valor absoluto e preciso. Limite de Quantificação - LOQ É a menor concentração de um analito, em uma amostra, que pode ser determinado com precisão / consistência atendendo aos critérios da validação. O LOQ deve atender a proposta / aplicação a que o método se propõe e/ou deve seguir os critérios abaixo estabelecidos pela RDC 216 da ANVISA page 13 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

14 Métodos Analíticos Expressão dos Resultados das Análises de Resíduos Resíduos Encontrado (Y) Resíduos Reportado Y < LOD ND LOD Y < LOQ < LOQ Y LOQ Y ND = Não Detectado page 14 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

15 Limite Máximo de Resíduos É o Limite Máximo de Resíduos (LMR) legalmente aprovado em alimentos (incluindo alimentos derivados de animais), Após o uso de um defensivo agrícola de acordo com as Boas Práticas Agrícolas (BPA - GAP) Estabelecido por: autoridades regulatórias nacionais e órgãos independentes de experts (ex.: Codex/JMPR) Tolerância de Importação é um LMR estabelecido com base em GAP de outro país! page 15 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

16 Limite Máximo de Resíduos Por que os LMRs são importantes? Defensivos agrícolas podem deixar resíduos; Regulamentam / aprovam os Resíduos em alimentos; São limites seguros para o consumidor; São aplicados às normas de comércio internacional; LMRs harmonizados facilitam o comércio mundial. page 16 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

17 Limite Máximo de Resíduos Sinonímias utilizadas Globalmente: Limite Máximos de Resíduos (LMR); Nível Máximo de Resíduos (NMR); Tolerância USA / EPA; Resíduos Máximo Permitido (RMP Federação Russa); t-lmr ( Limite Máximo de Resíduos temporário na EU); CXL LMR Codex page 17 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

18 Limite Máximo de Resíduos LMR são: Estabelecidos para o i.a. na cultura ou grupo de cultura; Unidade de medida, ex: mg a.i./kg (ppm) page 18 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

19 Limite Máximo de Resíduos Como são estabelecidos? São calculados com base nos resíduos gerados de acordo com um GAP específico, sendo: na dose máxima de aplicação; máximo numero de aplicações; menor intervalo entre as aplicações; menor intervalo entre a ultima aplicação e a colheita. Dados de Resíduos Estabelecimento do LMR page 19 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

20 Limite Máximo de Resíduos Por que se faz necessário uma Tolerância de Importação (TI)? A cultura não cresce no país que Importa; O defensivo não é registrado no país que Importa; Resíduos do defensivo (LMR) são mais altos no país que Exporta do que o mesmo defensivo no país que Importa. page 20 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

21 Limite Máximo de Resíduos Banco de Dados de LMRs: USDA FAS Os LMRs dos compostos registrados no EPA podem ser comparados com LMRs estabelecidos em outros países; EU Os LMRs estão harmonizados na União Européia e são aplicados a 27 países membros; CODEX page 21 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

22 LMRs harmonizados globalmente possibilitam comercio Global Europa Fed. Russa NAFTA Asia Africa America Sul Aus/NZ page 22 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

23 LMRs harmonizados globalmente Exceder um LMR é uma violação da regulamentação e do comércio! Temos como consequências: rejeição / devolução da produção; Intermediários / transportadores não são pagos; contratos de fornecimento são cancelados; possíveis ações regulatórias (entre países); criação de condições adicionais para comercio, ex.: análise de resíduos; publicidade negativa page 23 Análise de Resíduos de Agrotóxicos November 8, 2011

24 Obrigada! Geisa Resende Gerente de Laboratório de Segurança Alimentar

Validação: o que é? MOTIVOS PARA VALIDAR O MÉTODO: MOTIVOS PARA VALIDAR O MÉTODO: PROGRAMA DE SEGURANÇA DE QUALIDADE ANALÍTICA

Validação: o que é? MOTIVOS PARA VALIDAR O MÉTODO: MOTIVOS PARA VALIDAR O MÉTODO: PROGRAMA DE SEGURANÇA DE QUALIDADE ANALÍTICA Validação: o que é? Processo que busca assegurar a obtenção de resultados confiáveis, válidos, pelo uso de determinado método analítico. É um item essencial do PROGRAMA DE SEGURANÇA DE QUALIDADE ANALÍTICA

Leia mais

26/03/2015 VALIDAÇÃO CONTROLE FÍSICO-QUÍMICO DA QUALIDADE RDC 899/2003. Por que validar? OBJETIVO DA VALIDAÇÃO:

26/03/2015 VALIDAÇÃO CONTROLE FÍSICO-QUÍMICO DA QUALIDADE RDC 899/2003. Por que validar? OBJETIVO DA VALIDAÇÃO: VALIDAÇÃO CONTROLE FÍSICO-QUÍMICO DA QUALIDADE RDC 899/2003 VALIDAÇÃO: ato documentado que atesta que qualquer procedimento, processo, equipamento, material, operação ou sistema realmente conduza aos resultados

Leia mais

Seleção de um Método Analítico. Validação e protocolos em análises químicas. Validação de Métodos Analíticos

Seleção de um Método Analítico. Validação e protocolos em análises químicas. Validação de Métodos Analíticos Seleção de um Método Analítico Capítulo 1 SKOOG, D.A.; HOLLER, F.J.; NIEMAN, T.A. Princípios de Análise Instrumental. 5 a edição, Ed. Bookman, Porto Alegre, 2002. Validação e protocolos em análises químicas

Leia mais

Registro de Agrotóxicos no Brasil

Registro de Agrotóxicos no Brasil Produtos Fitossanitários Registro de Agrotóxicos no Brasil HELEN CALAÇA 02/08/2016 O que é um agrotóxico? Produtos correlatos Impurezas FORMULAÇÃO INGREDIENTE ATIVO Produto Formulado Produto Comercial

Leia mais

Regulamentação da Lei nº , de 2016

Regulamentação da Lei nº , de 2016 PROPOSTAS DE RESOLUÇÕES-RDC PARA REGULAMENTAÇÃO DA LEI Nº 13.305, DE 4 DE JULHO DE 2016. GERÊNCIA-GERAL DE ALIMENTOS 20 DE SETEMBRO DE 2016 INFORMAÇÕES GERAIS: Regulamentação da Lei nº 13.305, de 2016

Leia mais

QUI 154/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Introdução a Química Analítica Instrumental Parte 2

QUI 154/150 Química Analítica V Análise Instrumental. Aula 1 Introdução a Química Analítica Instrumental Parte 2 Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Instituto de Ciências Exatas Depto. de Química QUI 154/150 Química Analítica V Análise Instrumental Aula 1 Introdução a Química Analítica Instrumental Parte

Leia mais

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009 Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas Exigências legais do MAPA Jaguariúna SP junho de 2009 REGULAMENTAÇÃO Histórico da Legislação 1934: Decreto que aprova o Regulamento de

Leia mais

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016

XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016 PAINEL Aspectos Regulatórios da Área de Agrotóxicos: Processo de Reavaliação de Herbicidas no Brasil Avaliação e Reavaliação de Herbicidas: como funciona e o que o MAPA pode fazer. XXX Congresso Brasileiro

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

A importância do Codex Alimentarius para. de Alimentos

A importância do Codex Alimentarius para. de Alimentos I a Reunião Anual de Vigilância Sanitária de Alimentos 2007 A importância do Codex Alimentarius para a Vigilância Sanitária de Alimentos CODEX ALIMENTARIUS mb PROGRAMA CONJUNTO FAO/OMS SOBRE NORMAS ALIMENTARES

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA VALIDAÇÃO BIOANALÍTICA. Farmácia Universidade Federal de Goiás

IMPORTÂNCIA DA VALIDAÇÃO BIOANALÍTICA. Farmácia Universidade Federal de Goiás IMPORTÂNCIA DA VALIDAÇÃO BIOANALÍTICA Hermínia Cristiny Pereira Ribeiro Oliveira a, Sara Carolina da Silva Nascimento a, Marcelo Rodrigues Martins b, Stela Ramirez de Oliveira* a,b a Instituto de Ciências

Leia mais

Não conformidades de Resíduos de Medicamentos de uso permitido nas criações e drogas proibidas

Não conformidades de Resíduos de Medicamentos de uso permitido nas criações e drogas proibidas Evelise Oliveira Telles VPS 518 - Higiene e Segurança Alimentar Não conformidades de Resíduos de Medicamentos de uso permitido nas criações e drogas proibidas fonte: apresentação do Fiscal Agropecuário

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES PARA RESÍDUOS DE MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES PARA RESÍDUOS DE MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS MERCOSUL/GMC/RES 45/98 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES PARA RESÍDUOS DE MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções

Leia mais

Codex Alimentarius. 5º módulo.

Codex Alimentarius. 5º módulo. Codex Alimentarius 5º módulo CCAB Comitê do Codex Alimentarius do Brasil CCAB CCAB foi criado em 1980; Coordenação e a Secretaria Executiva responsabilidade do INMETRO; Ponto de Contato MRE. Membros do

Leia mais

Análise de Alimentos. Prof. Tânia Maria Leite da Silveira

Análise de Alimentos. Prof. Tânia Maria Leite da Silveira Análise de Alimentos Prof. Tânia Maria Leite da Silveira Análise de alimentos Indústria de alimentos: controle da qualidade, fabricação e armazenamento do produto acabado; Universidades e institutos de

Leia mais

Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas. Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin

Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas. Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin SUMÁRIO Introdução Importância dos agroquímicos para o setor de HF Resíduos de fungicidas

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE ANÁLISE DE RESÍDUO DE AGROTÓXICOS PELA GMESP

ORIENTAÇÃO SOBRE ANÁLISE DE RESÍDUO DE AGROTÓXICOS PELA GMESP ORIENTAÇÃO SOBRE ANÁLISE DE RESÍDUO DE AGROTÓXICOS PELA GMESP 17/02/2016 O uso de agrotóxicos em plantas medicinais e a presença de seus resíduos em fitoterápicos é assunto de discussão constante e preocupação

Leia mais

DETERMINAÇÃO DOS LIMITES DE DETECÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DO MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DUREZA TOTAL EM MATRIZ ÁGUA

DETERMINAÇÃO DOS LIMITES DE DETECÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DO MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DUREZA TOTAL EM MATRIZ ÁGUA DETERMINAÇÃO DOS LIMITES DE DETECÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DO MÉTODO TITULOMÉTRICO DE DUREZA TOTAL EM MATRIZ ÁGUA Vania Regina Kosloski 1, Deisy Maria Memlak 2, Joceane Pigatto, 3 Lilian Regina Barosky Carezia

Leia mais

Lauro de Sena Laurentino - SEAPQ - LAFIQ - DEQUA - Bio-Manguinhos Cláudio Dutra de Figueira - SEPFI LAFIQ DEQUA - Bio-Manguinhos

Lauro de Sena Laurentino - SEAPQ - LAFIQ - DEQUA - Bio-Manguinhos Cláudio Dutra de Figueira - SEPFI LAFIQ DEQUA - Bio-Manguinhos Desenvolvimento e Validação do método de determinação de Fósforo no Polissacarídeo Meningocócico A (PSA) e no Polirribosil Ribitol Fosfato (PRRP) POR ICP-OES Lauro de Sena Laurentino - SEAPQ - LAFIQ -

Leia mais

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas Secretaria de Defesa Agropecuária Luís Eduardo Pacifici Rangel

Leia mais

LISTA PRELIMINAR DOS TEMAS DA AGENDA REGULATÓRIA (54 temas/102 subtemas)

LISTA PRELIMINAR DOS TEMAS DA AGENDA REGULATÓRIA (54 temas/102 subtemas) CONTROLE ADMINISTRATIVO ALIMENTOS LISTA PRELIMINAR DOS TEMAS DA AGENDA REGULATÓRIA 2015-2016 (54 temas/102 subtemas) Temas Migrados da AR 2013-2014 Processos em Andamento - Fora da AR 2013/2014 Novos Temas

Leia mais

Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros

Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros Impactos do uso de Produtos Veterinários e de Alimentos para Animais na produção de alimentos seguros MARCOS VINÍCIUS DE S. LEANDRO Jr. Médico Veterinário Fiscal Federal Agropecuário Ministério da Agricultura,

Leia mais

Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias. São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia

Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias. São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia 2014 Desafios Regulatórios frente as novas Tecnologias São Paulo- SP 7 agosto 2014 Fátima D Elia Desafios Regulatórios Cenário Brasileiro: É membro Codex É membro MERCOSUL Temos 2 órgãos regulatórios:

Leia mais

VALIDAÇÃO DE MÉTODO ANALÍTICO: DETERMINAÇÃO DE CÁLCIO EM ÁGUAS MÉTODO TITULOMÉTRICO DO EDTA COMPLEXOMETRIA

VALIDAÇÃO DE MÉTODO ANALÍTICO: DETERMINAÇÃO DE CÁLCIO EM ÁGUAS MÉTODO TITULOMÉTRICO DO EDTA COMPLEXOMETRIA VALIDAÇÃO DE MÉTODO ANALÍTICO: DETERMINAÇÃO DE CÁLCIO EM ÁGUAS MÉTODO TITULOMÉTRICO DO EDTA COMPLEXOMETRIA Diego Manica 1, Erlise Loraine Dullius 2 CORSAN, Porto Alegre, Brasil, diego.manica@corsan.com.br

Leia mais

Panorama dos resíduos e contaminantes na produção de rações e carnes Visão do MAPA. Elenita Ruttscheidt Albuquerque FFA SIPOA/SFA/SC DEZEMBRO/2014

Panorama dos resíduos e contaminantes na produção de rações e carnes Visão do MAPA. Elenita Ruttscheidt Albuquerque FFA SIPOA/SFA/SC DEZEMBRO/2014 Panorama dos resíduos e contaminantes na produção de rações e carnes Visão do MAPA Elenita Ruttscheidt Albuquerque FFA SIPOA/SFA/SC DEZEMBRO/2014 SEGURANÇA DO ALIMENTO & SEGURANÇA ALIMENTAR e os PQ Missão

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia L 40/7

Jornal Oficial da União Europeia L 40/7 11.2.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 40/7 REGULAMENTO (CE) N. o 124/2009 DA COMISSÃO de 10 de Fevereiro de 2009 que define limites máximos para a presença de coccidiostáticos ou histomonostáticos

Leia mais

Workshop sobre Resíduos Químicos e Contaminantes em Carnes de Aves e Suínos Resíduos de Nicarbazina e Roxarsone

Workshop sobre Resíduos Químicos e Contaminantes em Carnes de Aves e Suínos Resíduos de Nicarbazina e Roxarsone Workshop sobre Resíduos Químicos e Contaminantes em Carnes de Aves e Suínos Resíduos de Nicarbazina e Roxarsone Gianfranco Brendolan SGB Consultoria Química Ltda. 2 Resíduos Definição: Resíduos 1 São vestígios

Leia mais

RESÍDUOS AVERMECTINAS EM PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

RESÍDUOS AVERMECTINAS EM PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL RESÍDUOS AVERMECTINAS EM PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Aline A. Rezende Rodrigues Segurança de Alimentos RESÍDUOS DE MEDICAMENTOS EM ALIMENTOS DE ORIGEM ANIMAL Programa de monitoramento e vigilância - MAPA

Leia mais

Resolução - RE nº 899, de 29 de maio de 2003 D.O.U. 02/06/2003

Resolução - RE nº 899, de 29 de maio de 2003 D.O.U. 02/06/2003 Resolução - RE nº 899, de 29 de maio de 2003 D.O.U. 02/06/2003 O Adjunto da Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição, que lhe confere a Portaria n.º 238, de

Leia mais

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Camila Queiroz Moreira Coordenação de Reavaliação Gerência de Pós-registro Gerência Geral de Toxicologia 23

Leia mais

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR O QUE SÃO RESÍDUOS QUÍMICOS? São vestígios de substâncias que podem ser encontrados nos alimentos de origem animal (carne, leite

Leia mais

Codex Alimentarius. 2º Módulo.

Codex Alimentarius. 2º Módulo. Codex Alimentarius 2º Módulo Codex e o consumidor Normas que garantem: Alimento íntegro e inócuo; informações seguras sobre alimentos. Codex e a indústria Remoção de barreiras não tarifárias; ampliação

Leia mais

O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins

O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins A Origem do Controle Parte do processo evolutivo da agricultura. Primeiros

Leia mais

MEDICAMENTOS. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Assunto: Análise de resíduos de agrotóxicos em fitoterápicos

MEDICAMENTOS. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa. Assunto: Análise de resíduos de agrotóxicos em fitoterápicos MEDICAMENTOS Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa Assunto: Análise de resíduos de agrotóxicos em fitoterápicos 2ª edição Brasília, 18 de setembro de 2017 Gerência de Medicamentos Específicos,

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Identificação e classificação de produtos perigosos: Sistema harmonizado globalmente para a classificação

Leia mais

Aula S03: Validação em Análises Ambientais

Aula S03: Validação em Análises Ambientais LABORATÓRIO DE QUÍMICA AMBIENTAL 2º período de 2013 Aula S03: Validação em Análises Ambientais Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF www.ufjf.br/baccan NA QUÍMICA (ANALÍTICA) AMBIENTAL... Sonda

Leia mais

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS MODULO - II.2 Sistemas regulamentares dos Produtos Fitofarmacêutico Fevereiro 2015 1. Homologação dos Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

ALGUNS ASPECTOS TÉCNICOS SOBRE A VALIDAÇÃO DE LIMPEZA

ALGUNS ASPECTOS TÉCNICOS SOBRE A VALIDAÇÃO DE LIMPEZA ALGUNS ASPECTOS TÉCNICOS SOBRE A VALIDAÇÃO DE LIMPEZA Luiz Carlos Peres Nos dias de hoje uma das maiores dificuldades da indústria farmacêutica é a realização da validação dos processos de limpeza. Embora

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 45, DE 2 DE OUTUBRO DE 2013 (*)

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 45, DE 2 DE OUTUBRO DE 2013 (*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 45, DE 2 DE OUTUBRO DE 2013 (*) (Republicado

Leia mais

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Comparação NBR ISO 13485 X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Agenda Objetivo do estudo Visão Geral da NBR 13485:2004 Tendências mundiais Resultados

Leia mais

O papel da DGAV na alimentação e na saúde

O papel da DGAV na alimentação e na saúde O papel da DGAV na alimentação e na saúde Fórum Nacional de Saúde Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Edifício Egas Moniz 27 junho 2014 Miguel Oliveira Cardo 2014 Acordo SPS World Trade Organization

Leia mais

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL

O PAPEL DA ANVISA NA ALIMENTOS NO BRASIL AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA O PAPEL DA ANVISA NA FISCALIZAÇÃO DA SEGURANÇA A DOS ALIMENTOS NO BRASIL III SEMINÁRIO PRO TESTE DE DEFESA DO CONSUMIDOR Alimentos: o consumidor está seguro? Gerência

Leia mais

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal José Eduardo Vieira de Moraes ANDEF Associação Nacional de Defesa Vegetal São Paulo, 25 de agosto de 2014 Desafios Por que Precisamos das

Leia mais

Defensivos agrícolas naturais na visão da Industria

Defensivos agrícolas naturais na visão da Industria Defensivos agrícolas naturais na visão da Industria Cesar Lamonega. VP, AgraQuest V Congresso Brasileiro de Defensivos Agrícolas Naturais Jaguariúna, São Paulo, Brazil May 24-26, 2001 9 Bilhões de pessoas

Leia mais

Perguntas e respostas Workshop validação de métodos analíticos

Perguntas e respostas Workshop validação de métodos analíticos Perguntas e respostas Workshop validação de métodos analíticos O objetivo de uma validação é demonstrar que o método é apropriado para a finalidade pretendida, ou seja, a determinação qualitativa, semi-quantitativa

Leia mais

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR Este programa de extensão rural foi aprovado pela Câmara Setorial da Carne Bovina do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da CEAGESP 24 de novembro de 2015 Frutas e hortaliças frescas

Leia mais

Tecnicas de Amostragens para Estudos de Resíduos Eng Agr Thiago de Oliveira

Tecnicas de Amostragens para Estudos de Resíduos Eng Agr Thiago de Oliveira Tecnicas de Amostragens para Estudos de Resíduos Eng Agr Thiago de Oliveira Agenda/ Content Amostragens e Técnicas Embalagem Armazenagem Amostragem em Citros Amostragem em Goiaba Amostragem em Morango

Leia mais

Controlo de Qualidade

Controlo de Qualidade Controlo de Qualidade Definição: toda a acção sistemática necessária para dar confiança ao resultados laboratoriais, satisfazendo a necessidades dos clínicos para melhor ajudar os utentes Visa reconhecer

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE NITRATOS EM ÁGUAS DOCE, SALINA E SALOBRA UTILIZANDO UM MÉTODO ALINHADO COM OS PRINCIPIOS DA QUIMICA VERDE

DETERMINAÇÃO DE NITRATOS EM ÁGUAS DOCE, SALINA E SALOBRA UTILIZANDO UM MÉTODO ALINHADO COM OS PRINCIPIOS DA QUIMICA VERDE DETERMINAÇÃO DE NITRATOS EM ÁGUAS DOCE, SALINA E SALOBRA UTILIZANDO UM MÉTODO ALINHADO COM OS PRINCIPIOS DA QUIMICA VERDE Ana Alice Gomes 1, Elcide Dobloni Marques Muna 2, Marcos Paulo Lavatori 3, Genilda

Leia mais

Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais. Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final

Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais. Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final Apresentação Noemi Mau Donizeti Cezari Bióloga, 40 anos de atividades de R&D na Indústria de Alimentos,

Leia mais

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Patrícia Ferrari Andreotti Coordenação de Pesquisa Clínica em Medicamentos e Produtos Biológicos - COPEC Superintendência

Leia mais

Avicultura e Suinocultura: Cenário Nacional e Mundial Desafios e Oportunidades

Avicultura e Suinocultura: Cenário Nacional e Mundial Desafios e Oportunidades FRANCISCO TURRA Presidente Executivo Avicultura e Suinocultura: Cenário Nacional e Mundial Desafios e Oportunidades Brasil é o 4º Maior Exportador Mundial de Produtos Agrícolas Exportação de produtos agrícolas

Leia mais

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO

MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO MÉTODOS DE CALIBRAÇÃO Sinais obtidos por equipamentos e instrumentos devem ser calibrados para evitar erros nas medidas. Calibração, de acordo com o INMETRO, é o conjunto de operações que estabelece, sob

Leia mais

Melhoria da Qualidade Sanitária do Trigo- Um Desafio Multisetorial! MSc Denise de Oliveira Resende Consultora Técnica/ Abitrigo

Melhoria da Qualidade Sanitária do Trigo- Um Desafio Multisetorial! MSc Denise de Oliveira Resende Consultora Técnica/ Abitrigo Melhoria da Qualidade Sanitária do Trigo- Um Desafio Multisetorial! MSc Denise de Oliveira Resende Consultora Técnica/ Abitrigo IA BRASIL (inglês) LMR BRASIL LMR Argentina Comparação LMR Argentina LMR

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS IDENTIFICAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS PERIGOSOS: SISTEMA HARMONIZADO GLOBALMENTE PARA A CLASSIFICAÇÃO E ROTULAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. Conceito Por Aramis Cardoso GHS é significa Sistema Harmonizado

Leia mais

4 Resultados e Discussão:

4 Resultados e Discussão: 4 Resultados e Discussão: Os resultados obtidos são apresentados e discutidos separadamente a seguir, de acordo com o tipo de amostra objeto de análise: 4.1 Análise de amostras para estudos toxicológicos.

Leia mais

AGROQUÍMICOS. Because you care about consumers health

AGROQUÍMICOS. Because you care about consumers health AGROQUÍMICOS Because you care about consumers health 1 PRESENÇA GLOBAL PRESENTE EM 21 PAÍSES POR MEIO DE UMA REDE COM MAIS DE 80 LABORATÓRIOS Mais de 80 laboratórios acreditados Presença em 21 países Aproximadamente

Leia mais

02/05/2016 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE ANÁLISE DE ALIMENTOS

02/05/2016 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE ANÁLISE DE ALIMENTOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Disciplina: Análise de Alimentos ANÁLISE DE ALIMENTOS É a parte da química que trata de determinações qualitativas e/ou quantitativas

Leia mais

PORTFOLIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA O SEGMENTO SEGURANÇA

PORTFOLIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA O SEGMENTO SEGURANÇA PORTFOLIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA O SEGMENTO SEGURANÇA Senac Rondônia APRESENTAÇÃO A concepção educacional do Senac visa atender à missão de "Educar para o trabalho em atividades do Comércio de Bens,

Leia mais

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 RESUMO Legislação Federal de Agrotóxicos Necessidade do

Leia mais

Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar. 15 de Março de 2007

Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar. 15 de Março de 2007 Acção de Sensibilização sobre Higiene e Segurança Alimentar 15 de Março de 2007 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 29 de Abril de 2004 Higiene dos géneros alimentícios (aplicável a partir de 1 de

Leia mais

Situação e perspectivas da soja no Bioma Pampa Arroz ou Soja: Eis a questão?

Situação e perspectivas da soja no Bioma Pampa Arroz ou Soja: Eis a questão? Situação e perspectivas da soja no Bioma Pampa Arroz ou Soja: Eis a questão? O ARROZ E A SOJA NO URUGUAI Dr. Bruno A. Lanfranco O arroz tem uma história de mais de 8 anos de desenvolvimento sem interrupções

Leia mais

Implementação e Validação de Métodos Analíticos

Implementação e Validação de Métodos Analíticos Alexandra Sofia Reynolds Mendes Laboratório Regional de Controlo da Qualidade da Água Estação da Alegria 9050-FUNCHAL E-mail: xana@iga.pt Resumo Este artigo tem como principal objectivo descrever as principais

Leia mais

Resolução CONAMA 420/09 e Gerenciamento de Áreas Contaminadas em Âmbito Nacional

Resolução CONAMA 420/09 e Gerenciamento de Áreas Contaminadas em Âmbito Nacional Resolução CONAMA 420/09 e Gerenciamento de Áreas Contaminadas em Âmbito Nacional Agosto/2011 Gerenciamento de Áreas Contaminadas Conjunto de medidas que assegurem o conhecimento das características dessas

Leia mais

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no site da Anvisa.

2 As contribuições recebidas serão públicas e permanecerão à disposição de todos no site da Anvisa. Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 253, de 23 de setembro de 2016 D.O.U de 26/09/2016 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas

Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística. Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Planejamento da pesquisa científica: incerteza e estatística Edilson Batista de Oliveira Embrapa Florestas Pesquisa em laboratórios na Embrapa Anos 70 Anos 80 Anos 90 Século 21 Precisão em Laboratórios:

Leia mais

Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira

Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira Perspetivas da Produção de Leite na Região Autónoma da Madeira Plano de Controlo Oficial do Leite na RAM (PCOL) Maria Celeste da Costa Bento Divisão de Controlo da Cadeia Agroalimentar São Vicente, 19

Leia mais

Ambiente Alimentar. Disciplina Necessidades Sociais de Alimentação

Ambiente Alimentar. Disciplina Necessidades Sociais de Alimentação Ambiente Alimentar Disciplina 0060014 - Necessidades Sociais de Alimentação Elaborado a partir de apresentações de Sabrina Daniela Lopes Viana e Lúcia Dias da Silva Guerra Fatores que influenciam na alimentação

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO INTRODUÇÃO AO CONTROLE DE LABORATÓRIO CLÍNICO Laboratório Clínico Professor Archangelo P. Fernandes www.profbio.com.br Padronização no Laboratório Clínico Etapa pré analítica Etapa analítica Etapa pós-analítica

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Tendências Regulatórias em Alimentos

Tendências Regulatórias em Alimentos VI Encontro de Profissionais da Garantia da Qualidade Campinas, 30 de maio de 2017 Tendências Regulatórias em Alimentos Laila Sofia Mouawad Gerência de Inspeção e Fiscalização de Alimentos GIALI/GGFIS/ANVISA

Leia mais

Requisitos para o Escopo do Certificado sob a Norma de Produção Agrícola

Requisitos para o Escopo do Certificado sob a Norma de Produção Agrícola Requisitos para o Escopo do sob a Norma de Produção Agrícola Fair Trade USA A. Introdução A Norma de Produção Agrícola (APS) da Fair Trade USA abrange diversos grupos de fazendas e instalações de processamento

Leia mais

Laboratório de Análise Instrumental

Laboratório de Análise Instrumental Laboratório de Análise Instrumental Prof. Renato Camargo Matos Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos http://www.ufjf.br/nupis DIA/MÊS ASSUNTO 06/03 Apresentação do curso 13/03 PRÁTICA 1: Determinação de

Leia mais

A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS

A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS A DISCIPLINA DE BIOLOGIA CELULAR NO CONTEXTO DA ENGENHARIA DE ALIMENTOS Profa Dra Maria Tercília Vilela de Azeredo Oliveira Profa. Rosana Silistino de Souza tercilia@ibilce.unesp.br; rosanass@ibilce.unesp.br

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINAS

PROGRAMA DE DISCIPLINAS U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS PROGRAMA DE DISCIPLINAS DISCIPLINAS CÓDIGO NUT 129 N O M E TOXICOLOGIA DOS ALIMENTOS CARGA HORÁRIA

Leia mais

ERROS E TRATAMENTO DE DADOS Prof. Marcelo R. Alexandre

ERROS E TRATAMENTO DE DADOS Prof. Marcelo R. Alexandre ERROS E TRATAMENTO DE DADOS Prof. Marcelo R. Alexandre ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS! Algarismos exatos Constituem os algarismos de uma leitura que estão isentos de qualquer dúvida ou estimativa.! Algarismos

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos - PARA RELATÓRIO COMPLEMENTAR

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos - PARA RELATÓRIO COMPLEMENTAR Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Toxicologia Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos - PARA RELATÓRIO COMPLEMENTAR - 2012 Brasília, 14 de novembro de 2014

Leia mais

Célia Fagundes da Cruz

Célia Fagundes da Cruz LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR Célia Fagundes da Cruz Julho/2012 SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE - SVS LABORATÓRIO CENTRAL DO ESTADO DO PARANÁ - LACEN/PR LACEN/PR: 117 anos

Leia mais

BIOQUÍMICA DO PESCADO

BIOQUÍMICA DO PESCADO BIOQUÍMICA DO PESCADO Aula 6 Profa. Elaine Cristina Santos BROMATOLOGIA A Bromatologia estuda os alimentos, sua composição química, sua ação no organismo, seu valor alimentício e calórico, suas propriedades

Leia mais

Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a própria amostra.

Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a própria amostra. II.2 INTRODUÇÃO À QUÍMICA ANALÍTICA II.2.1 Análise, determinação e medida Análise: Uma análise é um processo que fornece informações químicas ou físicas sobre os constituintes de uma amostra ou sobre a

Leia mais

III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru

III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru III Simpósio de Farmácia e Bioquímica do Hospital Estadual de Bauru Roney Caetano Gerente de Produtos QSD 17 de Outubro de 2012 Qualidade - Definições Totalidade das características que um produto ou serviço

Leia mais

Dioxinas e furanos na cadeia de produção de proteína animal

Dioxinas e furanos na cadeia de produção de proteína animal Dioxinas e furanos na cadeia de produção de proteína animal Mauro Machado 23/11/2016 www.eurofins.com 1 Tópicos Definição básica para contextualização Toxicidade e os fatores equivalentes Fontes de formação

Leia mais

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil (MAPA)

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil (MAPA) PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A ADMINISTRAÇÃO GERAL DE SUPERVISÃO DE QUALIDADE, INSPEÇÃO E QUARENTENA DA REPÚBLICA POPULAR DA

Leia mais

Química Analítica V 2S Prof. Rafael Sousa. Notas de aula:

Química Analítica V 2S Prof. Rafael Sousa. Notas de aula: Química Analítica V 2S 2012 Aula 3: 04-12-12 Estatística Aplicada à Química Analítica Prof. Rafael Sousa Departamento de Química - ICE rafael.arromba@ufjf.edu.br Notas de aula: www.ufjf.br/baccan 1 Conceito

Leia mais

7 Avaliação metrológica e potencial de aplicação da fluorescência de raios-x em amostras de um processo siderúrgico 7.1. Confiabilidade metrológica

7 Avaliação metrológica e potencial de aplicação da fluorescência de raios-x em amostras de um processo siderúrgico 7.1. Confiabilidade metrológica 7 Avaliação metrológica e potencial de aplicação da fluorescência de raios-x em amostras de um processo siderúrgico 7.1. Confiabilidade metrológica A finalidade de uma medição alem de certificar um dado

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS. NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho. Coordenador da Qualidade. Supervisora da Qualidade Versão: 1 Pág: 1/5 ELABORADO POR DE ACORDO APROVADO POR NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA Dr. Renato L. Filho Coordenador da Qualidade 22/08/2016 Dra. Débora Salles Supervisora da Qualidade 22/08/2016 Dr. Renato

Leia mais

Gerência Geral de Toxicologia

Gerência Geral de Toxicologia Gerência Geral de Toxicologia Exposição crônica aos agrotóxicos AVALIAÇÃO DO RISCO DIETÉTICO TICO Conceitos Importantes Conceito 1 Ingestão Diária Aceitável (IDA) - quantidade máxima de substância que,

Leia mais

A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados

A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados A Influência da Amostragem na Qualidade dos Dados COLHEITA DE AMOSTRAS PARA CONTROLO OFICIAL OUTUBRO 2009 ANA PAULA BICO Reg. (CE) 882/2004 1. Estabelece normas gerais para a realização de controlos oficiais

Leia mais

O MERCADO MUNDIAL DE MILHO GRÃO E OS OGM S

O MERCADO MUNDIAL DE MILHO GRÃO E OS OGM S O MERCADO MUNDIAL DE MILHO GRÃO E OS OGM S Luc ESPRIT O Mercado Mundial de Milho grão e Os OGM s Mercado mundial do milho Mercado europeu do milho Produção de milho OGM no Mundo e na Europa. Fluxos comerciais

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE

RELATÓRIO DE ANÁLISE RELATÓRIO DE ANÁLISE CEMSA Centro de Espectrometria de Massas Aplicada Ltda São Paulo, 07 de julho de 2015. CONTRATANTE: Número da Proposta: M1211-0278 Número de páginas: 06 Brazilian Secrets Hair Industria

Leia mais

Dia Mundial da Normalização

Dia Mundial da Normalização PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL Apoio a competitividade e harmonização dos acordos OTC e SPS Financiado pela União Europeia Componente CEDEAO (não UEMOA) / Mauritânia Dia Mundial da Normalização

Leia mais

NORMAS PARA INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTO DE PROCESSAMENTO MÍNIMO NO ESTADO DE SÃO PAULO

NORMAS PARA INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTO DE PROCESSAMENTO MÍNIMO NO ESTADO DE SÃO PAULO NORMAS PARA INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTO DE PROCESSAMENTO MÍNIMO NO ESTADO DE SÃO PAULO Eng o. Agr o. Paulo Fernando de Brito Defesa Sanitária Vegetal Secretaria de Agricultura e Abastecimento Coordenadoria

Leia mais

AVANÇOS E TENDÊNCIAS

AVANÇOS E TENDÊNCIAS O TRATAMENTO INDUSTRIAL DE SEMENTES (TIS) DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS: AVANÇOS E TENDÊNCIAS III Simpósio Brasileiro de Sementes de Espécies Forrageiras Foz do Iguaçu, 10 de agosto de 2017 Barbara Puchala Sumário

Leia mais

Sistema de Tipificação dos EUA: Passado, Presente e Futuro

Sistema de Tipificação dos EUA: Passado, Presente e Futuro Sistemas de Classificação de Categorias e Carcaças dos EUA: Benefícios e Desafios Sistema de Tipificação dos EUA: Passado, Presente e Futuro Dr. James G. Butler International Meat Secretariat Regional

Leia mais

Qualidade Sanitária dos Alimentos em Goiás LACEN/GO. MARLÚCIA CATÚLIO Coordenadora de Produtos e Ambiente/ Lacen-Go 25/08/2016

Qualidade Sanitária dos Alimentos em Goiás LACEN/GO. MARLÚCIA CATÚLIO Coordenadora de Produtos e Ambiente/ Lacen-Go 25/08/2016 Qualidade Sanitária dos Alimentos em Goiás LACEN/GO MARLÚCIA CATÚLIO Coordenadora de Produtos e Ambiente/ Lacen-Go 25/08/2016 LABORATÓRIO CENTRAL DE SAÚDE PÚBLICA DR. GIOVANNI CYSNEIROS MISSÃO: Participar

Leia mais

QUÍMICA ANALÍTICA. A análise qualitativa estabelece a identidade química das

QUÍMICA ANALÍTICA. A análise qualitativa estabelece a identidade química das QUÍMICA ANALÍTICA A Analítica é uma ciência de medição que consiste em um conjunto de idéias e métodos poderosos que são úteis em todos os campos da ciência e medicina. Introdução à Analítica Biologia

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 18/2007 de 17 de Maio

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA. Lei n.º 18/2007 de 17 de Maio ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 18/2007 de 17 de Maio Aprova o Regulamento de Fiscalização da Condução sob Influência do Álcool ou de Substâncias Psicotrópicas. A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Parceiro Logístico para

Parceiro Logístico para Parceiro Logístico para A logística no evento Maio de 2012 www.porlogis.pt Agenda DOCUMENTAÇÃO FACTURA/ PACKING LIST PROCURAÇÃO ADUANEIRA DOCUMENTOS ESPECIFICOS POR PRODUTOS FACTURA/ PACKING LIST CABEÇALHO

Leia mais

CÓDIGOS REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DA CONDUÇÃO SOB INFLUÊNCIA DO ÁLCOOL OU DE SUBSTÂNCIAS PSICOTRÓPICAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DA CONDUÇÃO SOB INFLUÊNCIA DO ÁLCOOL OU DE SUBSTÂNCIAS PSICOTRÓPICAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGULAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DA CONDUÇÃO SOB INFLUÊNCIA DO ÁLCOOL OU DE SUBSTÂNCIAS PSICOTRÓPICAS TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados no

Leia mais