XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016"

Transcrição

1 PAINEL Aspectos Regulatórios da Área de Agrotóxicos: Processo de Reavaliação de Herbicidas no Brasil Avaliação e Reavaliação de Herbicidas: como funciona e o que o MAPA pode fazer. XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Curitiba/PR, 23 de agosto de 2016

2 RESUMO Legislação Federal de Agrotóxicos Sistema de Registro de Agrotóxicos Reavaliação de Agrotóxicos

3 Base Legal

4 LEGISLAÇÃO FEDERAL DE AGROTÓXICOS Lei 7.802/89 Lei 9.974/00 DECRETO 4.074/02 INSTRUÇÕES NORMATIVAS DECRETO 5.981/06 DECRETO 6.913/09 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE IBAMA MINISTÉRIO DA SAÚDE ANVISA LEGISLAÇÃO ESTADUAL

5

6 Inserir o número do ato (ex: 4074), o ano (ex: 2002) e o tipo de ato (ex: Decreto) e clicar em Pesquisar

7 Histórico da Legislação 1934 Agricultura 1976 Agricultura Saúde 1989 Agricultura Saúde Meio Ambiente

8 O que é um agrotóxico? Produto químico? Defensivo agrícola? Veneno utilizado na lavoura?

9 Inciso I do Art. 2º da Lei 7.802/89 I agrotóxicos e afins: a) os produtos e os agentes de processos físicos, químicos ou biológicos, destinados ao uso nos setores de produção, no armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, nas pastagens, na proteção de florestas, nativas ou implantadas, e de outros ecossistemas e também de ambientes urbanos, cuja finalidade seja alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-las da ação danosa de seres vivos considerados nocivos. b) substâncias e produtos, empregados como desfolhantes, dessecantes, estimuladores e inibidores de crescimento

10 Concessão de Registro - Competências Artigos 5º do Decreto 4074/2002 MAPA: - Produção, armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas; - Florestas plantadas; - Pastagens - Atendidas as diretrizes e exigências dos Ministérios da Saúde e do Meio Ambiente

11 Tipos de Registro Pesquisa e experimentação - RET Produção Produtos Técnicos: uso industrial exclusivo Produtos Técnicos PT (ingredientes ativos novos ou não) Produtos Técnicos Equivalentes PTE Comercialização e Utilização Produtos Formulados: uso comercial Produtos Formulados Produtos Formulados com base em PTE genéricos

12 Registro de agrotóxicos Registro por marca comercial; Registro por cultura; Doses testadas para o controle de cada alvo biológico; Responsabilidade da Empresa registrante (eficiência e riscos).

13 Competências de Análise da CGAA RET e REX; Novos Registros; Alterações técnicas - inclusões de uso diversas (cultura, alvo, etc.); Credenciamento de entidades: Testes agronômicos com agrotóxicos; Julgamento de processos administrativos de Fiscalização em 2ª Instância; Outros processos.

14 Registro Informações sobre Produtos Gerais Composição (Qualitativa / Quantitativa) Descrição do processo de Fabricação Propriedades Físicas e Químicas Métodos Analíticos (Controle de Qualidade/Resíduos Compatibilidade com outros Produtos Testes e informações agronômicas, toxicológicas e ambientais

15 Registro Informações sobre Produtos Agronômicas Boas Práticas Agrícolas Cultura e alvo biológico Dose e nº de aplicações Volume de calda e Modo de aplicação Compatibilidade com Testes de Resíduos Intervalo de Segurança e LMR EPA Parecer Técnico de Eficiência e Praticabiliadade Agronômica

16 Registro Informações sobre Produtos Toxicológicas (ANVISA) IAT Informe de Avaliação Toxicológica Ambientais (IBAMA) PPA Informe do Potencial de Periculosidade Ambiental

17 FLUXOGRAMA DE REGISTRO AGROTÓXICOS PARA USO AGRÍCOLA RET REGISTRO ESPECIAL TEMPORÁRIO Pesquisa e Experimentação Protocolo de registro definitivo Avaliação da Periculosidade Ambiental Avaliação Agronômica órgão registrante Aprovação de bula e rótulo REGISTRO Cadastro Estadual Avaliação Toxicológica

18

19 REAVALIAÇÃO DE AGROTÓXICOS

20 REAVALIAÇÃO DE AGROTÓXICOS 4º do Art. 3º da Lei nº 7.802/89 e o Art. 19 do Decreto nº 4.074/02; Art. 5º da Lei nº 7.802/89 regulamentado pelos Artigos 32 a 36 do Decreto nº 4.074/02; Instrução Normativa Conjunta nº 02, de 27 de setembro de 2006; Instruções Normativas, Portarias, Resoluções específicas

21 REAVALIAÇÃO DE AGROTÓXICOS Reavaliação Toxicológica ANVISA/MS Ingredientes Ativos em reavaliação: 2,4-D, ABAMECTINA, CARBOFURANO, GLIFOSATO, LACTOFEM, PARAQUATE, e TIRAM Reavaliação Ambiental IBAMA/MMA Ingredientes Ativos em reavaliação: IMIDACLOPRID, TIAMETOXAM, CLOTIANIDINA e FIPRONIL Reavaliação Agronômica MAPA Portaria nº 84, de 16/08/2016.

22 REAVALIAÇÃO AGRONÔMICA MAPA HERBICIDAS?????

23 Demais Informações Manual de registro atualizado disponível na página eletrônica do MAPA, em informações técnicas; Histórico dos registros emitidos desde 2005, atualizado mensalmente, em informações técnicas; Orientação, Norma e Anexos para registro de Produtos Fitossanitários com o Uso Aprovado para a Agricultura Orgânica; LMR atualizado no Agrofit aberto- (dados do Codex e da Anvisa)

24 OBRIGADO Engº Agrº Júlio Sérgio de Britto Coordenador Geral de Agrotóxicos e Afins

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016

PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA. XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 PAINEL Produtos (princípios ativos) reavaliados pela ANVISA, IBAMA e MAPA XXXV Ciclo de Reuniões da CSM/PR Foz do Iguaçú/PR, 24 de agosto de 2016 RESUMO Legislação Federal de Agrotóxicos Necessidade do

Leia mais

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009

Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas. Exigências legais do MAPA. Jaguariúna SP junho de 2009 Vantagens do registro de produtos biológicos de controle de pragas Exigências legais do MAPA Jaguariúna SP junho de 2009 REGULAMENTAÇÃO Histórico da Legislação 1934: Decreto que aprova o Regulamento de

Leia mais

Registro de Agrotóxicos no Brasil

Registro de Agrotóxicos no Brasil Produtos Fitossanitários Registro de Agrotóxicos no Brasil HELEN CALAÇA 02/08/2016 O que é um agrotóxico? Produtos correlatos Impurezas FORMULAÇÃO INGREDIENTE ATIVO Produto Formulado Produto Comercial

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes.

NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. NOTA TÉCNICA 04/2016 Esclarecimentos sobre capina química em ambiente urbano de intersecção com outros ambientes. Gerência Geral de Toxicologia - GGTOX Gerência de Saneantes - GESAN Diretoria de Autorização

Leia mais

Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos

Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS VEIS - IBAMA Avaliação ambiental e a atuação do IBAMA no registro de agrotóxicos Reunião da Câmara Temática de Insumos Agropecuários

Leia mais

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins

Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Registro e Fiscalização de Agrotóxicos e Afins Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Departamento de Fiscalização de Insumos Agrícolas Secretaria de Defesa Agropecuária Luís Eduardo Pacifici Rangel

Leia mais

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Seminário Legislação de Agrotóxicos, Receituário Agronomico, Comercialização e Uso - Aspectos Técnicos e Legais Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Engº Agrº Júlio Sérgio

Leia mais

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins

Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins Insumos Naturais: conceitos de registro e controle de qualidade. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins A Origem do Controle Parte do processo evolutivo da agricultura. Primeiros

Leia mais

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6.

1. PÁTIO DE LAVAGEM 2. RESERVATÓRIO DE DECANTAÇÃO 3. CONJUNTO MOTOBOMBA 4. OZONIZADOR (1g de ozônio/hora) 5. RESERVATORIO DE OXIDAÇÃO (500 L PVC) 6. Defensivos Agrícolas, Produtos Fitossanitários, Agrotóxicos ou Pesticidas? FCA / UNESP Campus de Botucatu DPV Defesa Fitossanitária raetano@fca.unesp.br TERMINOLOGIA Agrotóxicos: Lei dos Agrotóxicos 7.802/89

Leia mais

1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO

1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios para utilização e preenchimento das planilhas de controle da comercialização de agrotóxicos (desinfestantes de uso profissional e fitossanitários), seus componentes

Leia mais

Fiscalização de Agrotóxicos e Afins no Estado de São Paulo

Fiscalização de Agrotóxicos e Afins no Estado de São Paulo Fiscalização de Agrotóxicos e Afins no Estado de São Paulo Jaguariúna, SP Junho de 2009 Davi Carvalho de Souza Engenheiro Agrônomo Fiscal Federal Agropecuário BRASIL LEGISLAÇÃO FEDERAL DE AGROTÓXICOS Lei

Leia mais

O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins

O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins O Paradoxo do Controle fitossanitário: conceito legal e prático. Luís Eduardo Pacifici Rangel Coordenação-Geral de Agrotóxicos e Afins A Origem do Controle Parte do processo evolutivo da agricultura. Primeiros

Leia mais

MISTURAS DE DEFENSIVOS

MISTURAS DE DEFENSIVOS MISTURAS DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS EM TANQUE Ac. Albert Kenji Hirose Ac. André Hiroshi Kobayashi Ac. Fausto Nimer Terrabuio Ac. Gustavo Takeshi Hacimoto INTRODUÇÃO Misturas em tanque associações de dois

Leia mais

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e

II - marcas comerciais registradas que utilizam o ingrediente ativo, os números de seus registros e seus respectivos titulares; e INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 17, DE 29 DE MAIO DE 2009 O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, no uso das atribuições que lhe confere o inciso V, art.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL NOS CASOS DE DANOS CAUSADOS POR AGROTÓXICOS.

RESPONSABILIDADE CIVIL NOS CASOS DE DANOS CAUSADOS POR AGROTÓXICOS. RESPONSABILIDADE CIVIL NOS CASOS DE DANOS CAUSADOS POR AGROTÓXICOS. Fernando do Rego BARROS FILHO Karime Pereira Bednasky AGNE Patrick Ronielly dos Santos RESUMO: A responsabilidade civil se faz necessária

Leia mais

Situação atual das CSFI no Brasil

Situação atual das CSFI no Brasil Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Toxicologia Situação atual das CSFI no Brasil Carlos Alexandre O. Gomes (GPOS/COPOS) Juliano dos Santos Malty (GEAST) DEFININDO QUALIDADE American

Leia mais

CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOSSANIDADE

CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOSSANIDADE unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS DE JABOTICABAL FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE FITOSSANIDADE Ecotoxicologia dos Agrotóxicos e Saúde Ocupacional 1a. Aula - Conceitos

Leia mais

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos

Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Reavaliação toxicológica de agrotóxicos realizada pela Anvisa: atualização dos procedimentos Camila Queiroz Moreira Coordenação de Reavaliação Gerência de Pós-registro Gerência Geral de Toxicologia 23

Leia mais

Proposições Legislativas que alteram a Lei nº 7.802, de 1989 Lei dos Agrotóxicos. Marcus Peixoto Consultor Legislativo

Proposições Legislativas que alteram a Lei nº 7.802, de 1989 Lei dos Agrotóxicos. Marcus Peixoto Consultor Legislativo Proposições Legislativas que alteram a Lei nº 7.802, de 1989 Lei dos Agrotóxicos Marcus Peixoto Consultor Legislativo Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989 Conhecida como Lei dos Agrotóxicos, dispõe sobre:

Leia mais

Legislação de Agrotóxicos, Receituário Agronômico, Comercialização e Uso

Legislação de Agrotóxicos, Receituário Agronômico, Comercialização e Uso Legislação de Agrotóxicos, Receituário Agronômico, Comercialização e Uso Aspectos Técnicos e Legais Passo Fundo, 24 de Julho de 2015 Eng. Agr. Bernardo Luiz Palma Presidente da AEAPF Conselheiro da CEAGRO

Leia mais

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos

25/06/2015 PRODUTOS FITOSSANITÁRIOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO. Sinonímias: Agrotóxicos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Câmpus de Jaboticabal Depto. Fitossanidade Tecnologia de Aplicação Introdução Cultivo de plantas graníferas (culturas anuais) na safra 2014/15: Área de 57,21 milhões de ha

Leia mais

LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL

LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL Júlio César Garcia Fiscal Federal Agropecuário LASO/LANAGRO/MG José Maurício Pereira Fiscal Federal Agropecuário UTRA/LRV/SDFA/MG Piracicaba/SP

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 2 DE ABRIL DE 2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 2 DE ABRIL DE 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 5, DE 2 DE ABRIL DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal

A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal A Proteção de Dados Como Incentivo à Inovação na Defesa Vegetal José Eduardo Vieira de Moraes ANDEF Associação Nacional de Defesa Vegetal São Paulo, 25 de agosto de 2014 Desafios Por que Precisamos das

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Paulo Teixeira) Altera a Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989, para banir os agrotóxicos e componentes que especifica, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

LISTA PRELIMINAR DOS TEMAS DA AGENDA REGULATÓRIA (54 temas/102 subtemas)

LISTA PRELIMINAR DOS TEMAS DA AGENDA REGULATÓRIA (54 temas/102 subtemas) CONTROLE ADMINISTRATIVO ALIMENTOS LISTA PRELIMINAR DOS TEMAS DA AGENDA REGULATÓRIA 2015-2016 (54 temas/102 subtemas) Temas Migrados da AR 2013-2014 Processos em Andamento - Fora da AR 2013/2014 Novos Temas

Leia mais

DEFENSIVOS PARA GRAMADOS

DEFENSIVOS PARA GRAMADOS LEGISLAÇÃO E REGISTRO DE DEFENSIVOS PARA GRAMADOS Prof. Dr. Carlos Gilberto Raetano FCA/UNESP Campus de Botucatu Depto. Produção Vegetal Defesa Fitossanitária Raetano@fca.unesp.br LEGISLAÇÃO - AGROTÓXICOS

Leia mais

Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil. Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016

Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil. Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016 Atual Cenário da Avaliação de Risco para Polinizadores no Brasil Fórum de Especialistas CGEE 15/09/2016 Karina Cham Analista Ambiental Carlos Tonelli Analista Ambiental Programação Papel do Ibama no Registro

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consulta Pública n 284, de 13 de janeiro de 2017 D.O.U de 16/01/2017

Agência Nacional de Vigilância Sanitária.  Consulta Pública n 284, de 13 de janeiro de 2017 D.O.U de 16/01/2017 Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 284, de 13 de janeiro de 2017 D.O.U de 16/01/2017 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Registro de Agrotóxicos e Afins

Registro de Agrotóxicos e Afins MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Registro de Agrotóxicos e Afins 5ª ª Reunião do GT/CONAMA-agrotóxicos Brasília, 29 de

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS- IBAMA

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS- IBAMA DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS- IBAMA "Debate: a intoxicação de profissionais e estudantes da Escola Municipal de São José do Pontal, localizada na zona rural do Município de Rio Verde, estado de Goiás,

Leia mais

DECRETO 4.074, DE 4 DE JANEIRO DE

DECRETO 4.074, DE 4 DE JANEIRO DE DECRETO N o 4.074, DE 4 DE JANEIRO DE 2002 Regulamenta a Lei n o 7.802, de 11 de julho de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Covatti Filho)

PROJETO DE LEI Nº, DE (Do Sr. Covatti Filho) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015. (Do Sr. Covatti Filho) Dispõe sobre a Política Nacional de Defensivos Fitossanitários e de Produtos de Controle Ambiental, seus Componentes e Afins, bem como sobre a pesquisa,

Leia mais

Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas. Edivandro Seron

Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas. Edivandro Seron Recolhimento e Destinação de Embalagens de Sementes Tratadas Edivandro Seron Foz do Iguaçu, 25 de agosto de 2016 Aplicação da Legislação Lei nº 7.802 de 11 de julho de 1989 Decreto nº 4.074 de 4 de janeiro

Leia mais

ATA DA REUNIÃO TÉCNICA NACIONAL SOBRE PESQUISA COM AGROTÓXICOS

ATA DA REUNIÃO TÉCNICA NACIONAL SOBRE PESQUISA COM AGROTÓXICOS ATA DA REUNIÃO TÉCNICA NACIONAL SOBRE PESQUISA COM AGROTÓXICOS Entre os dias vinte e nove e trinta e um do mês de outubro de dois mil e doze, no auditório Paraná do Hotel Nacional Inn, no Município de

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 45, DE 2 DE OUTUBRO DE 2013 (*)

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 45, DE 2 DE OUTUBRO DE 2013 (*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 45, DE 2 DE OUTUBRO DE 2013 (*) (Republicado

Leia mais

Seção Judiciária do Distrito Federal Processo n

Seção Judiciária do Distrito Federal Processo n JUSTIÇA FEDERAL 21ª VARA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO DISTRITO FEDERAL MANDADO DE SEGURANÇA SENTENÇA: 455/2008 PROCESSO n.: 2007.34.00.042525-4 IMPETRANTE: Arysta Lifescience do Brasil Indústria Química

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI Nº, DE 2016 (Do Sr. Carlos Bezerra) Dispõe sobre cosméticos orgânicos e altera a Lei nº 9.782, de 26 de janeiro de 1999, para tornar competência da Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS

CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS CURSO DE DISTRIBUIÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE PRODUTOS FITOFARMACÊUTICOS MODULO - II.2 Sistemas regulamentares dos Produtos Fitofarmacêutico Fevereiro 2015 1. Homologação dos Produtos Fitofarmacêuticos

Leia mais

Situação Atual da Reavaliação Ambiental de Agrotóxicos

Situação Atual da Reavaliação Ambiental de Agrotóxicos Situação Atual da Reavaliação Ambiental de Agrotóxicos Colmeia Viva, 01/09/16 Flávia Viana-Silva Colaboração: Equipe Reavaliação Risco Especificamente falando de substâncias tóxicas: Risco é a probabilidade

Leia mais

REGISTRO ESPECIAL TEMPORÁRIO- RET

REGISTRO ESPECIAL TEMPORÁRIO- RET REGISTRO ESPECIAL TEMPORÁRIO- RET REUNIÃO TÉCNICA SOBRE PESQUISA COM AGROTÓXICO CURITIBA, 30 DE JULHO DE 2015 P Á T R I A E D U C A D O R A FASES DA PESQUISA Art. 6º A pesquisa e a experimentação serão

Leia mais

Análise de Resíduos de Pesticidas Geisa Resende Novembro/2011

Análise de Resíduos de Pesticidas Geisa Resende Novembro/2011 Análise de Resíduos de Pesticidas Geisa Resende Novembro/2011 Agenda 1. Definição de Resíduos de Pesticidas / Agrotóxicos 2. Estudos de Resíduos 3. Métodos Analíticos: Validação; LOQ / LOD; 4. Expressão

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Toxicologia. Situação atual das CSFI no Brasil

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Toxicologia. Situação atual das CSFI no Brasil Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência Geral de Toxicologia Situação atual das CSFI no Brasil Extrapolação de LMR LMR do IA Inclusão em Rótulo e Bula Grupo Cultura Representativa do Grupo Cultura

Leia mais

Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas. Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin

Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas. Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin Resíduos de Fungicidas em Hortaliças e Frutas Jessica Aparecida Ferrarezi Lucas Andrade Luís Felipe da Silva Buzolin SUMÁRIO Introdução Importância dos agroquímicos para o setor de HF Resíduos de fungicidas

Leia mais

Audiência Pública - Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara Dos Deputados (CSSF/CD) - Procedimentos da Anvisa para registro de agrotóxicos

Audiência Pública - Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara Dos Deputados (CSSF/CD) - Procedimentos da Anvisa para registro de agrotóxicos Audiência Pública - Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara Dos Deputados (CSSF/CD) - Procedimentos da Anvisa para registro de agrotóxicos ANTECEDENTES - Proposta de Fiscalização e Controle nº

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O USO DE AGROTÓXICOS E SUAS CONSEQUÊNCIAS

REFLEXÕES SOBRE O USO DE AGROTÓXICOS E SUAS CONSEQUÊNCIAS REFLEXÕES SOBRE O USO DE AGROTÓXICOS E SUAS CONSEQUÊNCIAS Bianca Alves Lima Ribeiro Graduanda em Ciências Biológicas Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ- OUERJ/ ONU/ UN-Habitat biancalima.bio@gmail.com

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CAPÍTULO III MODELO DE BULA E RÓTULO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS CAPÍTULO III MODELO DE BULA E RÓTULO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRICOLAS COORDENAÇÃO-GERAL DE AGROTÓXICOS E AFINS MANUAL DE PROCEDIMENTOS CAPÍTULO III MODELO DE BULA E RÓTULO BULA Registrado

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO DO COMITÊ DE OLERÍCOLAS, FLORES E ORNAMENTAIS ABCSEM/ABRASEM

MEMÓRIA DA REUNIÃO DO COMITÊ DE OLERÍCOLAS, FLORES E ORNAMENTAIS ABCSEM/ABRASEM MEMÓRIA DA REUNIÃO DO COMITÊ DE OLERÍCOLAS, FLORES E ORNAMENTAIS ABCSEM/ABRASEM Data: 04 de dezembro de 2015 Horário: das 10:00h às 12:00h Local: sede da ABCSEM Participantes: Alécio / Syngenta; Adriana

Leia mais

48º Congresso Brasileiro de Olericultura

48º Congresso Brasileiro de Olericultura Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 48º Congresso Brasileiro de Olericultura Lei dos agrotóxicos e implicações em minor crops Dr. Débora Maria Rodrigues Cruz Maringá, 29 de julho de 2008

Leia mais

Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente INC 01 de Jaguariúna - SP, 05 de maio de 2010

Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente INC 01 de Jaguariúna - SP, 05 de maio de 2010 Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente INC 01 de 2010 Jaguariúna - SP, 05 de maio de 2010 Produção de Hortaliças Brasil Valor da produção: R$ 11,529 bilhões (IBGE, 2007) Produção: 17,5 milhões

Leia mais

Alimentos orgânicos: processos de certificação ISABELLE PAES LEME DE CASTRO NUTRICIONISTA UNIRIO MESTRANDA EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN/UNIRIO

Alimentos orgânicos: processos de certificação ISABELLE PAES LEME DE CASTRO NUTRICIONISTA UNIRIO MESTRANDA EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN/UNIRIO Alimentos orgânicos: processos de certificação ISABELLE PAES LEME DE CASTRO NUTRICIONISTA UNIRIO MESTRANDA EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO PPGAN/UNIRIO Produtos orgânicos Legislação Considera-se produto orgânico,

Leia mais

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas

Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - DIQUA Seminário FIESP Cooperação Brasil-Holanda: Remediação de Solo e Diretrizes para Gestão de Aguas Subterrâneas Recuperação de

Leia mais

Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil. Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental

Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil. Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental Critérios para a avaliação ambiental de agrotóxicos no Brasil Danilo Lourenço de Sousa Analista Ambiental Workshop Agrotóxicos: onde estamos? Jaguariúna, 8 de outubro de 2013 1 Registro de Agrotóxicos

Leia mais

DROGAS, SUBSTÂNCIAS, MEDICAMENTOS E PRODUTOS

DROGAS, SUBSTÂNCIAS, MEDICAMENTOS E PRODUTOS DROGAS, SUBSTÂNCIAS, MEDICAMENTOS E PRODUTOS Todos os produtos de natureza química sujeitos à vigilância sanitária são substâncias. Numa classificação básica: Átomos Elementos químicos Substâncias SUBSTÂNCIAS

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Análise de resíduos de agrotóxicos em alimentos

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Análise de resíduos de agrotóxicos em alimentos PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA Análise de resíduos de agrotóxicos em alimentos Adriana Del Isola¹ Daniela Buosi Rohlfs² ¹ Engenheira Agrônoma

Leia mais

Legislação de Biossegurança no Brasil: Cenário Atual

Legislação de Biossegurança no Brasil: Cenário Atual Legislação de Biossegurança no Brasil: Cenário Atual Mônica Cibele Amâncio, com colaboração de Maria José Sampaio* Ao contrário do que a maioria da sociedade brasileira pensa, a pesquisa com plantas geneticamente

Leia mais

Ministério da Saúde Organização Pan-americana da Saúde- OPAS

Ministério da Saúde Organização Pan-americana da Saúde- OPAS Ministério da Saúde Organização Pan-americana da Saúde- OPAS IV Fórum Regional Sobre o Desenvolvimento Institucional nas Direções de Saúde Ambiental e I Fórum Regional de Saúde e Ambiente Brasília, de

Leia mais

1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO E VIGÊNCIA

1. OBJETIVO 2. CAMPO DE APLICAÇÃO E VIGÊNCIA 1. OBJETIVO Estabelecer critérios, definições e condições gerais para concessão do CERTIFICADO DE REGISTRO PARA COMERCIALIZAÇÃO DE AGROTÓXICOS E AFINS para empresas de comercialização de agrotóxicos (fitossanitários,

Leia mais

FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO CURSO DE FORMAÇÃO SEGUNDA ETAPA CADERNO DE PROVA. CONCURSO PÚBLICO (Aplicação: 19/1/2002) CARGO: ÁREA: VEGETAL

FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO CURSO DE FORMAÇÃO SEGUNDA ETAPA CADERNO DE PROVA. CONCURSO PÚBLICO (Aplicação: 19/1/2002) CARGO: ÁREA: VEGETAL CONCURSO PÚBLICO (Aplicação: 19/1/2002) CARGO: FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SEGUNDA ETAPA CURSO DE FORMAÇÃO CADERNO DE PROVA ÁREA: VEGETAL LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES NO VERSO. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

PREZADOS (AS) SENHORES (AS):

PREZADOS (AS) SENHORES (AS): PREZADOS (AS) SENHORES (AS): PARA EFEITO DE ATUALIZAÇÃO, INFORMAMOS QUE NO MÊS DE JANEIRO/2015, FORAM PUBLICADAS AS SEGUINTES NORMAS: NBR 7503:2015 (N81307) - MA / SS / QL / SCL ESPECIFICA AS CARACTERÍSTICAS

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE PARA ADEQUAÇÃO FITOSSANITÁRIA

FÓRUM PERMANENTE PARA ADEQUAÇÃO FITOSSANITÁRIA Fórum: reunião, congresso, conferência que envolve o debate de um tema (Houaiss,, 2001) Forum latina: praça pública WAGNER BETTIOL Embrapa Meio Ambiente 1 JUSTIFICATIVA Considerando que a missão da Embrapa

Leia mais

Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial. Recife, 04 de dezembro de 2008

Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial. Recife, 04 de dezembro de 2008 Culturas de Suporte Fitossanitário Insuficiente Cenário Mundial Recife, 04 de dezembro de 2008 Lei 7.802/1989 artigo 3º Agrotóxicos só poderão ser produzidos, importados, exportados, manipulados comercializados

Leia mais

Receituário Agronômico. Aspectos legais e a fiscalização

Receituário Agronômico. Aspectos legais e a fiscalização Receituário Agronômico Aspectos legais e a fiscalização CONFEA / CREA O CONSELHO FEDERAL Órgão regulador das profissões. A ele compete baixar as Resoluções e demais normativos que dão corpo ao exercício

Leia mais

AGROTÓXICOS E O CONHECIMENTO DOS PRODUTORES DE HORATLIÇAS DO DISTRITO VERDE NAVIRAÍ-MS RESUMO

AGROTÓXICOS E O CONHECIMENTO DOS PRODUTORES DE HORATLIÇAS DO DISTRITO VERDE NAVIRAÍ-MS RESUMO AGROTÓXICOS E O CONHECIMENTO DOS PRODUTORES DE HORATLIÇAS DO DISTRITO VERDE NAVIRAÍ-MS Melina Cecília Oliveira Rizzato 1 ; Simone Cândido Ensinas 2 ; Maiara Perez Reginato 1 ; Maria Karla Koslinski Santos

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Fiscalização de atividades com organismos geneticamente modificados 15 Artigo Técnico 2 Fiscalização de Atividades

Leia mais

Mistura de agrotóxicos em tanque. Dionisio Luiz Pisa Gazziero Engenheiro Agrônomo

Mistura de agrotóxicos em tanque. Dionisio Luiz Pisa Gazziero Engenheiro Agrônomo Mistura de agrotóxicos em tanque Dionisio Luiz Pisa Gazziero Engenheiro Agrônomo Mistura em Tanque: redução de custos da aplicação; redução do volume de água; racionalização no uso de equipamentos redução

Leia mais

DECRETO Nº 4.074, DE 4 DE JANEIRO DE 2002.

DECRETO Nº 4.074, DE 4 DE JANEIRO DE 2002. DECRETO Nº 4.074, DE 4 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 7.802, de 11 de julho de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento,

Leia mais

ANEXO CAPÍTULO II DAS ESPECIFICAÇÕES E GARANTIAS MÍNIMAS DOS PRODUTOS. Seção I Da Natureza Física

ANEXO CAPÍTULO II DAS ESPECIFICAÇÕES E GARANTIAS MÍNIMAS DOS PRODUTOS. Seção I Da Natureza Física ANEXO DEFINIÇÕES E NORMAS SOBRE AS ESPECIFICAÇÕES E AS GARANTIAS, AS TOLERÂNCIAS, O REGISTRO, A EMBALAGEM E A ROTULAGEM DOS CORRETIVOS DE ACIDEZ, CORRETIVOS DE ALCALINIDADE, CORRETIVOS DE SODICIDADE E

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº 49, DE 20 DE AGOSTO DE 2002

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº 49, DE 20 DE AGOSTO DE 2002 INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº 49, DE 20 DE AGOSTO DE 2002 OS MINISTROS DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, DA SAÚDE E DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em

Leia mais

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia

Industria Legal e Segurança Alimentar. DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Industria Legal e Segurança Alimentar DIVISA Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado da Bahia Vigilância Sanitária Objetivo: prevenção e controle de RISCOS à saúde da população e proteção

Leia mais

ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS XXXVI CICLO DE REUNIÕES CONJUNTAS DA CSM/PR SEMENTES DESAFIOS PARA O FUTURO ATUALIZAÇÕES DA LEGISLAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS 20 de junho de 2017 Foz do Iguaçu - PR Virgínia Arantes Ferreira Carpi Coordenadora

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 25, DE 14 DE SETEMBRO DE 2005,

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 25, DE 14 DE SETEMBRO DE 2005, SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 25, DE 14 DE SETEMBRO DE 2005, O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO (MAPA), O DIRETOR-PRESIDENTE

Leia mais

SINDIVEG e o setor de Defensivos Agrícolas

SINDIVEG e o setor de Defensivos Agrícolas SINDIVEG e o setor de Defensivos Agrícolas SINDIVEG Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal Fundado em 15 de maio de 1941 44 empresas associadas Representa 97,7% do Setor de Defensivos

Leia mais

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas

Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Rastreabilidade e recall no mundo das frutas e hortaliças frescas Anita de Souza Dias Gutierrez Centro de Qualidade, Pesquisa e Desenvolvimento da CEAGESP 24 de novembro de 2015 Frutas e hortaliças frescas

Leia mais

Ações do IMA_Agrotóxicos

Ações do IMA_Agrotóxicos Ações do IMA_Agrotóxicos I Rodrigo Carvalho Fernandes Fiscal Agropecuário/IMA Eng 0 Agrônomo M.Sc em Ciências Agrárias e-mail : rodrigo.carvalho@ima.mg.gov.br Telefone: (31) 3915-8733 WORSHOP CE P2R2

Leia mais

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE

DECRETO Nº 4.074, DE 04 DE JANEIRO DE UNIDADE 4 - HERBICIDOLOGIA 4.1 - Conceito 4.2 - Histórico 4.3 - Propriedades 4.4 - Classificação 4.5 - Formulação, misturas e interações 4.6 - Fatores que influem na eficiência dos herbicidas 4.1 - Conceito

Leia mais

Cadastro Técnico Federal

Cadastro Técnico Federal MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Cadastro Técnico Federal Ações de Controle do Comércio de Substâncias Destruidoras da Camada de

Leia mais

Licenciamento Ambiental. Rede Municipalista

Licenciamento Ambiental. Rede Municipalista Licenciamento Ambiental Rede Municipalista Definições Licenciamento procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos

Leia mais

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 65, de 23 de fevereiro de 2015. Assunto: Esclarecimentos sobre o uso de enzimas em alimentos e bebidas. I. Introdução. Recentemente, a ANVISA publicou a Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 25, DE 14 DE SETEMBRO DE 2005

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 25, DE 14 DE SETEMBRO DE 2005 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 567, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2010

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 567, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2010 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 567, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2010 Nota: Portaria em Consulta Pública O SECRETÁRIO SUBSTITUTO DE DEFESA AGROPECUÁRIA,

Leia mais

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Minuta de Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA

Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA. Minuta de Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos em Alimentos PARA Brasília 10 de abril de 2008 Minuta de Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA 1- O Sistema Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS

A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS A POLÍTICA DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DO CEARÁ AÇÕES E DESAFIOS Petrolina Pernambuco 09 a 11/04/2013 MARCOS TEMÁTICOS 1. Plano Estadual de Ação Conjunta em Agrotóxicos 2. Marco Legal: Revisão da Lei Estadual

Leia mais

PRODUÇÃO CONSTANTE DE ALIMENTOS X IMPACTO SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE

PRODUÇÃO CONSTANTE DE ALIMENTOS X IMPACTO SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE PRODUÇÃO CONSTANTE DE ALIMENTOS X IMPACTO SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE ADRIANA BRONDANI, PhD em Ciências Biológicas Diretora-executiva do Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB) V I I I C O N G

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 145, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015

DELIBERAÇÃO Nº 145, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 DELIBERAÇÃO Nº 145, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2015 Altera a Resolução CONTRAN nº 425, de 27 de novembro de 2012, que dispõe sobre o exame de aptidão física e mental, a avaliação psicológica e o credenciamento

Leia mais

Mistura de agrotóxicos em tanque. Dionisio Luiz Pisa Gazziero Engenheiro Agrônomo

Mistura de agrotóxicos em tanque. Dionisio Luiz Pisa Gazziero Engenheiro Agrônomo Mistura de agrotóxicos em tanque Dionisio Luiz Pisa Gazziero Engenheiro Agrônomo Mistura em Tanque: redução de custos da aplicação; redução do volume de água; racionalização no uso de equipamentos redução

Leia mais

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS 2011 PROGRAME-SE PARA CUMPRIR AS OBRIGAÇÕES LEGAIS DE NATUREZA AMBIENTAL EM 2011 Alguns dos principais prazos para cadastros, registros, pagamentos de taxas e outras obrigações

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS Lei 6.938/81 Política Nacional de Meio Ambiente INSTRUMENTOS CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DE ATIVIDADES

Leia mais

FACULDADE DE AGRONOMIA. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 1, de 2 de fevereiro de 2006)

FACULDADE DE AGRONOMIA. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 1, de 2 de fevereiro de 2006) FACULDADE DE AGRONOMIA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 1, de 2 de fevereiro de 2006) PRIMEIRO PERÍODO NDC113 Biologia Celular 72 60 - AGR151

Leia mais

FACULDADE DE AGRONOMIA

FACULDADE DE AGRONOMIA FACULDADE DE AGRONOMIA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 1, de 2 de fevereiro de 2006) PRIMEIRO PERÍODO NDC113 Biologia Celular 72 60 - AGR151

Leia mais

1ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D TOTAL ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D

1ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D TOTAL ª Fase. Disciplina Crédito C.H Pré-requisitos T P L C D Distribuição das disciplinas da matriz curricular do Curso de Agronomia do Campus Universitário de Alta Floresta por fase (semestre) CURSO DE AGRONOMIA 1ª Fase Citologia 3 0 1 0 0 Ecologia Geral 2 0 1

Leia mais

DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL NORMA DE EXECUÇÃO N 1, DE 5 DE ABRIL DE 2007

DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL NORMA DE EXECUÇÃO N 1, DE 5 DE ABRIL DE 2007 DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL NORMA DE EXECUÇÃO N 1, DE 5 DE ABRIL DE 2007 O DIRETOR DA DIRETORIA DE QUALIDADE AMBIENTAL - DIQUA, DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

PRINCIPAIS NORMATIVOS PERTINENTES AO SISTEMA CONFEA/CREA S. Leis, decretos, resoluções, atos do CREA/PB.

PRINCIPAIS NORMATIVOS PERTINENTES AO SISTEMA CONFEA/CREA S. Leis, decretos, resoluções, atos do CREA/PB. PRINCIPAIS NORMATIVOS PERTINENTES AO SISTEMA CONFEA/CREA S Leis, decretos, resoluções, atos do CREA/PB. LEIS Lei Nº 11000 (15/12/2004) Ementa: Altera dispositivos da Lei nº 3.268, de 30 de setembro de

Leia mais

PPHO. Profª Me. Tatiane da Silva Poló

PPHO. Profª Me. Tatiane da Silva Poló PPHO Profª Me. Tatiane da Silva Poló PPHO Procedimento Padrão de Higiene Operacional SSOP ( Standard Sanitizing Operating Procedures ) Circular nº 369/2003-DCI/DIPOA Elaboração e implantação dos sistemas

Leia mais

V-Pasqualetto-Brasil-6 DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DE GOIÁS

V-Pasqualetto-Brasil-6 DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DE GOIÁS V-Pasqualetto-Brasil-6 DESTINAÇÃO FINAL DAS EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS NO ESTADO DE GOIÁS Antônio Pasqualetto 1 Engenheiro Agrônomo formado pela UFSM, Mestre e Doutor em Fitotecnia pela Universidade

Leia mais

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS

OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS EDIÇÃO 2 - ANO 2015 OBRIGAÇÕES LEGAIS AMBIENTAIS ESFERA FEDERAL INSCRIÇÃO NO CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CTF (LEI FEDERAL 6.938/1981) Obrigatória para o registro das pessoas

Leia mais

Workshop Extensão da Vida Útil de Produtos Químicos

Workshop Extensão da Vida Útil de Produtos Químicos Workshop Extensão da Vida Útil de Produtos Químicos O estabelecimento de um programa de gestão do ciclo de vida ativa de materiais pode reduzir a geração de resíduos sólidos, o uso de matérias primas originais

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º A, DE 2002 (Do Senado Federal)

PROJETO DE LEI N.º A, DE 2002 (Do Senado Federal) AVULSO NÃO PUBLICADO PROPOSIÇÃO DE PLENÁRIO CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.299-A, DE 2002 (Do Senado Federal) PLS nº 526/1999 Ofício (SF) nº 127/2002 Altera os arts 3º e 9º da Lei nº 7.802,

Leia mais

LEI 7.802, DE 11 DE JULHO DE

LEI 7.802, DE 11 DE JULHO DE LEI N o 7.802, DE 11 DE JULHO DE 1989 Dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização,

Leia mais