SANDRA MARINA GONÇALVES BEZERRA PREVALÊNCIA DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM PACIENTES ACAMADOS E CUIDADOS DISPENSADOS NO DOMICÍLIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SANDRA MARINA GONÇALVES BEZERRA PREVALÊNCIA DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM PACIENTES ACAMADOS E CUIDADOS DISPENSADOS NO DOMICÍLIO"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ENFERMAGEM SANDRA MARINA GONÇALVES BEZERRA PREVALÊNCIA DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM PACIENTES ACAMADOS E CUIDADOS DISPENSADOS NO DOMICÍLIO TERESINA 2010

2 SANDRA MARINA GONÇALVES BEZERRA PREVALÊNCIA DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM PACIENTES ACAMADOS E CUIDADOS DISPENSADOS NO DOMICÍLIO Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem, da Universidade Federal do Piauí, como parte dos requisitos necessários para obtenção do título de Mestre em Enfermagem. Orientadora: Profª. Drª. Maria Helena Barros Araújo Luz Área de concentração: A enfermagem no contexto social brasileiro Linha de pesquisa: Processo de cuidar em saúde e enfermagem TERESINA 2010

3 FICHA CATALOGRÁFICA Serviço de Processamento Técnico da Universidade Federal do Piauí Biblioteca Comunitária Jornalista Carlos Castello Branco B574p Bezerra, Sandra Marina Gonçalves. Prevalência de úlceras por pressão em pacientes acamados e cuidados dispensados no domicílio [manuscrito] / Sandra Marina Gonçalves Bezerra f. Impresso por computador (printout). Dissertação (mestrado) Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Piauí, Orientadora: Profª. Drª. Maria Helena Barros Araújo Luz 1. Enfermagem Domiciliar. 2. Enfermagem Cuidado. 3. Úlcera Por Pressão Prevalência. I. Título. CDD SANDRA MARINA GONÇALVES BEZERRA

4 PREVALÊNCIA DE ÚLCERAS POR PRESSÃO EM PACIENTES ACAMADOS E CUIDADOS DISPENSADOS NO DOMICÍLIO Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem, da Universidade Federal do Piauí, como parte requisitos necessários para obtenção do título de Mestre em Enfermagem. Aprovado em / /2010 Profª. Drª. Maria Helena Barros Araújo Luz Presidente Universidade Federal do Piauí - UFPI Profª. Drª. Maria Helena Larcher Caliri 1º Examinadora Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - Universidade de São Paulo Profª. Drª. Telma Maria Evangelista de Araújo 2º Examinadora Universidade Federal do Piauí - UFPI Suplente Profª. Dra. Lidya Tolstenko Nogueira Universidade Federal do Piauí-UFPI

5 A Deus, Pai todo Poderoso, pela imensa bondade e presença constante na minha vida. Sou e sempre serei grata por guiar meus passos. Aos professores Doutores do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Piauí pela garra, coragem e força de vontade em prol da ciência e do aprendizado, deixando família e amigos para fazerem mestrado e doutorado em outro estado, e por proporcionar através deste título, agregados a determinação e empenho a implantação do Programa de Mestrado da Universidade Federal do Piauí. Aos meus filhos, Guilherme e Gustavo, pela compreensão nos momentos de ausência para concluir essa dissertação. Amo vocês!!!

6 AGRADECIMENTOS A Universidade Federal do Piauí (UFPI), em nome do Magnífico Reitor Luís Santos Júnior, pela oportunidade de concretizar este sonho a partir da criação do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem desta instituição. Às professoras doutoras do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem da UFPI: Benevina Vilar Teixeira Nunes, Claudete Ferreira Monteiro, Lidya Tolstenko Nogueira, Inez Sampaio Nery, Maria Eliete Moura, Maria Helena Barros Araújo Luz, Maria do Livramento Fortes Figueiredo, Silvana Santiago da Rocha e Telma Maria Evangelista de Araújo. Essa conquista só foi possível, graças ao empenho e determinação de cada uma de vocês. A Fundação Municipal de Saúde de Teresina, em nome do Presidente Firmino da Silveira Filho pela oportunidade de realizar a pesquisa. A Coordenadoria Regional Centro Norte, em nome da Ms. Cláudia Glauciene, agradeço aos supervisores, enfermeiros e agentes comunitários de Saúde, pela oportunidade de ir comigo aos domicílios, facilitando o acesso e contribuindo com esse estudo. A Coordenadoria Regional de Saúde Sul, em nome do coordenador Francisco Pádua, pelo apoio, entendimento da importância desta pesquisa e liberação para participação de eventos científicos. A Faculdade de Saúde, Ciências Humanas e Tecnológicas do Piauí (NOVAFAPI), em nome da coordenadora do curso de enfermagem Ms. Adriana da Cunha Parente, pelo incentivo e apoio durante todo o curso. Aos pacientes acamados cadastrados na Estratégia Saúde da Família de Teresina pela oportunidade de realizar a pesquisa e aprendizado em cada situação vivenciada. Ao José do Egito, funcionário da Fundação Municipal de Saúde (FMS), juntamente com sua esposa, que mesmo sem me conhecerem, ajudaram de maneira impar na realização desse sonho. A Universidade Estadual do Maranhão - Caxias, em nome do coordenador do curso de enfermagem José de Ribamar Ross, extensivo a todos os professores e alunos,

7 Aos meus pais Altamirando Mendes Bezerra e Luzia Gonçalves Bezerra (in memorion), pela referência, ensinamentos e estímulo. A todos os meus familiares, em especial, Ana Lúcia, Polyana e Ana Paula, pela vibração e torcida durante toda a etapa da seleção até a conclusão desse curso. Ao meu irmão, Jorge Bezerra, sei que você é um guerreiro e vai vencer mais esta batalha. Ao Antônio Vieira, pelo estímulo ao estudo e ao meu crescimento profissional. Ao meu sobrinho Pablo do Carmo, pela paciência, carinho e apoio. A Tânia Nôleto, minha amiga-irmã, só posso dizer: obrigada pelos tantos momentos compartilhados de choros e alegrias! A Alessandra Caminha amiga-irmã e Márvio Chaves, pelo apoio e ajuda. Vocês fizeram a diferença nessa conquista. A Cláudia Benício, pelo muito que me ensinou sobre feridas desde que nos conhecemos. A Francisca Cortez e Ilana Bárbara, pelo grupo de estudos e força para a seleção do mestrado. À amiga Ms. Ayla Calixto por dispor de seu tempo precioso na contribuição deste estudo. Obrigada!!!, A Ms. Enoia Dantas e L pela amizade e contribuições neste estudo. Aos amigos Emir Martins e Neide Martins pelo apoio, paciência e amizade. A Ana Lina do Nascimento, pela ajuda valorosa em todo esse percurso. As colegas de curso, Laurimary Caminha, Eronice Ribeiro, Maria Amélia Costa, Edileuza Moura, Jaqueline Silva, Andréa do Valle, Leidinar Nascimento, Fabrícia Prudêncio, Tânia Melo, Enoia Dantas, Eliane Rocha, Isabel Cavalcante, Conceição de Maria Nascimento (Concita) e Lúcia Almeida. Todas vocês foram importantes e contribuíram para momentos de aprendizado e confraternização. A mestranda Cristiane Rabelo, pelos momentos compartilhados no tratamento de feridas e apoio na finalização dessa dissertação. A Jesus Mousinho pelo incentivo, confiança e amizade.

8 Aos funcionários e estagiários do Departamento de Enfermagem da UFPI, em especial Valdira Soares, Jose Ribamar Júnior, Reginaldo Lopes, Mônica, Rafaela pelos muitos momentos compartilhados. A Marianna Silva dos Santos, pelo carinho, amizade e apoio em diversos momentos. A Fernando Guedes, pela ajuda valorosa na formatação do texto e tabelas. A Maria de Jesus e Nildes Boavista, exemplo de amor, fé, força e garra. Aprendi muito com você. A José Maria, Aércio, Denya e Nilza Santos pela amizade compartilhada Ao Dr. Carlos Araújo (in memorion) e Nilena Monteiro pelo estímulo e torcida. A Pedro Mendes e Doris Veloso Mendes, amigos maravilhosos, pelo apoio constante. A Manoel e Ianni Andrade, pelo carinho, confiança e amizade. Aos meus alunos e ex alunos, Clarissa, Elis Marina, Maria Rosa, Catiane, Domélia, Fernando, Martinho, Josenildo, Frida, Neide, Nayara Fernanda, Ayslam e Jairo Edielson, Mirtes, Weslany, Juliana Grazyle, Karoline, Jeane, Alanna Serra, Layane Reis, Emanuelly Pessoa e a todos que se sensibilizaram com o problema das feridas crônicas e úlceras por pressão realizando projetos e trabalhos de conclusão de curso com essa temática. A todas as pessoas que contribuíram direta e indiretamente para a realização deste sonho, o meu agradecimento sincero.

9 AGRADECIMENTOS ESPECIAIS A minha estimada orientadora e amiga, Profª. Drª. Maria Helena Barros Araújo Luz, pela sua imensa paciência, inteligência, sabedoria, exemplo de pessoa humana e condução desta pesquisa. Obrigada pela compreensão necessária em momentos difíceis da minha vida. A Profª Drª. Maria Helena Larcher Caliri, pela acessibilidade, competência e contribuição a este estudo. À professora Drª. Telma Maria Evangelista de Araújo pela ajuda desde o projeto até a finalização desta pesquisa. Obrigada!! À professora Drª. Lidya Tolstenko Nogueira, pela leitura primorosa e valiosas sugestões para o aperfeiçoamentos desta pesquisa. Ao Profº. Ms. João Batista Mendes Teles, pela competência, paciência e ajuda imprescindível nas análises de cálculos e tabelas desta pesquisa. Sempre lhes serei grata!

10 Aprendi que os sonhos transformam a vida numa grande aventura. Eles não determinam o lugar aonde você vai chegar, mas produzem a força necessária para arrancá-lo do lugar em que você está. Augusto Cury

11 APRESENTAÇÃO

12 A dissertação apresentada aborda a prevalência de úlcera por pressão em pacientes acamados e os cuidados verificados no domicílio. Este estudo é originário das vivências em diversas áreas de atuação na enfermagem. Minha vida profissional teve início em um hospital municipal na cidade de Macarani no estado da Bahia, em 1995, logo após a conclusão do curso de graduação. Essa foi a primeira experiência administrativa, na qual organizei um hospital recém inaugurado de pequeno porte. Após nove meses, fui para São Paulo fazer especialização em administração hospitalar e trabalhei por seis anos na Real Benemérita Sociedade Portuguesa de Beneficência, conhecido como Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo, que foi uma verdadeira e valiosa escola. Nos primeiros seis meses, trabalhei como enfermeira assistencial nas unidades de internação, período em que conheci a Comissão de Curativo (COC), a qual, sempre que necessário, chamava a enfermeira para avaliar as feridas e estomias e ficava encantada com os resultados e a organização do serviço. Logo em seguida, passei a fazer parte do grupo de estudos de infecção hospitalar, na mesma instituição, que estava em fase inicial, mas que não se fortaleceu por motivos diversos. Em 1997, deixei a unidade de internação e fui trabalhar na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde fiquei durante quase cinco anos. Tive a oportunidade de passar pelas UTIs especializadas em cardiologia, neurologia, pediatria, neonatologia e unidade do choque que atendias as mais diversas especialidades. Em todas elas era frequente o número de pacientes com úlcera por pressão (UPP). Introduzimos medidas simples de mudança de decúbito, hidratação da pele e uso de colchão perfilado (caixa de ovo) e percebeu-se uma redução dos casos de UPP. Na época, ainda não tinha espírito de pesquisadora e não foram realizados nenhum trabalho científico a respeito desta redução. Em 2000, fiz especialização em Terapia Intensiva na Escola Paulista de Medicina - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), onde estagiei na UTI do Hospital Alemão Osvaldo Cruz, experiência muito gratificante, principalmente em relação a qualidade do cuidado de enfermagem dispensado ao paciente e, em 2001, mudei para Teresina, capital do Piauí, acompanhando o meu esposo e filhos.

13 O estímulo de trabalhar com feridas e especialmente úlceras por pressão iniciou-se desde a UTI e depois, realizando atendimento domiciliar. Na ocasião percebi um número elevado de pacientes com UPP em estágio avançados por falta de orientações sobre cuidados adequados relacionado principalmente a falta de mobilização adequada no leito. A motivação para a pesquisa com pacientes acamados em domicílio foi reforçada quando fui diretora geral de um hospital Público em Teresina e me inquietava com a quantidade de cuidadores leigos, que iam buscar material para realizar curativos em casa. Ficava preocupada com essa dispensação sem treinamento prévio e sem a avaliação periódica do enfermeiro, o que altera a qualidade de vida dos doentes e cuidadores, além dos custos elevados aos cofres públicos. A partir daí, surgiu o interesse de pesquisar a situação de pacientes acamados no domicílio para identificar dados de prevalência e verificar os cuidados dispensados no domicílio. Acredito que os gestores das instituições hospitalares devem ter essa preocupação, mediante a política de desospitalização em que a alta precoce é estimulada e os pacientes com lesões complexas e profundas são cuidados por familiares no domicílio, sem treinamento adequado, aumentando a morbidade e mortalidade desses pacientes. Em 2008, ao ingressar no Programa de Pós-Graduação Mestrado em Enfermagem da Universidade Federal do Piauí, tive a oportunidade de ampliar os estudos na temática úlcera por pressão, participando de diversos eventos científicos regionais, nacionais e internacionais realizados no Brasil, apresentando trabalhos científicos para aprofundar e divulgar conhecimentos e poder contribuir com a redução de casos, sensibilizando graduandos, enfermeiros e cuidando no domicílio de pacientes com UPP. O acesso ao Programa de Pós graduação Mestrado em enfermagem possibilitou a construção deste estudo o qual foi construído em cinco seções, intituladas: introdução, referencial temático, metodologia, apresentação e discussão dos resultados e conclusão.

14 RESUMO A úlcera por pressão (UPP) sempre foi um problema para os serviços de saúde, especialmente para as equipes de enfermagem, devido à prevalência elevada e às particularidades no tratamento. É considerada como um problema de saúde pública, na medida em que aumenta o tempo de hospitalização, a ocorrência de infecções hospitalares e em alguns casos requer intervenções cirúrgicas. São classificadas em estágios que variam de I ao IV de acordo a profundidade da lesão. O presente estudo foi realizado com pacientes acamados no domicílio, cadastrados na Estratégia Saúde da Família da Coordenadoria Regional de Saúde Centro-Norte de Teresina-PI e teve como objetivos: avaliar a prevalência de UPP em pacientes acamados e com imobilidade prolongada, caracterizar o perfil sóciodemográfico e clínico desses pacientes; identificar os escores de risco para UPP utilizando a Escala de Braden; caracterizar as UPP quanto à localização anatômica, estágio de desenvolvimento e verificar os cuidados dispensadas no domicílio. Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo, cuja amostra foi de 102 pacientes. A obtenção dos dados deu-se por meio de entrevista, observação direta e exame físico mediado por um formulário para registro dos dados posteriormente tabulados e analisados utilizando o SPSS. O protocolo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Piauí sob nº Os resultados mostram prevalência de 23,52% de UPP entre os pacientes acamados no domicílio cujo perfil sócio-demográfico apresenta: 79,41% na faixa etária de 60 anos ou mais; 51,96% do sexo feminino; 40,20% viúvos; 61,76% considerados pardos; 49,02% não alfabetizados; 72,55% provenientes do interior do Piauí ou de outros estados 58,82% com renda individual de um salário mínimo; 58,82% residiam com 4 a 6 pessoas na família e 78,43% em residência própria. Quanto a presença de comorbidades e motivo de encontrar-se acamado 32,35% apresentavam doenças do aparelho circulatório seguido por causas externas relacionadas acidentes e violências. Os escores da Escala de Braden apontaram que: 70,67% tinham risco de desenvolver UPP. Após realizados teste quiquadrado (x 2 ) de Pearson com o valor de p 0,005, só foi encontrada associação entre presença de UPP e idade que teve valor de p= 0,000. significância estatística dos subescores da escala de Braden: percepção sensorial, umidade, atividade, nutrição e fricção e cisalhamento com valores de p 0,005. Não ouve significância estatística com o subescore mobilidade com valor de p = 0,20. Em relação a localização anatômica das UPP, 79,41% situava-se na região sacrococcígea e 62,50% encontravam-se em estágio IV. As medidas de cuidados dispensadas no domicílio foram: mudança de decúbito, banho diário e uso de hidratante e terapia tópica como pomadas a base de neomicina e dexametazona fornecidas pelo serviço de saúde e óleo de girassol para tratamento de UPP em estágio IV. Considrando as características dos pacientes: a maioria idosos, hipertensos, vítimas de acidente vascular encefálico ou sequelados de doenças neurológicas, faz-se necessário a articulação dos níveis de atenção a saúde para possibilitar a esta população atendimento multiprofissional, com redes de apoio integrada coma família, comunidade e serviços de saúde, melhorando a qualidade de vida desses pacientes. Palavras- Chave : Prevalência. Úlcera por pressão, Enfermagem. Enfermagem em Saúde Comunitária

15 ABSTRACT Pressure ulcers (PU) have always been a problem for healthcare services, particularly for nursing teams because of the high prevalence and the particularities of the treatment. PU are considered a public health problem, as it increases hospital length of stay, the occurrence of hospital infections, and, in some cases, requires surgical interventions. PU are categorized in stages ranging from I to IV according to the depth of the wound. The present study was performed with bedridden patients. The present study was performed with patients bedridden at home, who were registered with the Family Health Strategy of the Central-North Regional Health Department of Teresina, Piauí state. The study objectives were: to evaluate the presence of PU in bedridden patients with prolonged immobility, to characterize the sociodemographic and clinical profile of these patients; to identify the PU risk scores using the Braden Scale; to characterize the PU in terms of their anatomic location, stage of development, and indentify the care that is developed at the domicile. This is a descriptive study using a quantitative approach, with a sample of 102 patients. Data collection was performed through interviews, direct observation and a physical exam using by a form to register the data, which were later stored in tables and analyzed using SPSS. The protocol was approved by the Research Ethics Committee at Universidade Federal do Piauí under document number Results show a PU prevalence of 23.52% among patients bedridden at home, with the following sociodemographic profile: 79.41% aged 60 years or more; 51.96% women; 40.20% widowed; 61.76% considered pardos (brown); 49.02% illiterate; 72.55% original from the interior of Piauí or other states; 58.82% with income of one minimum salary; 58.82% lived with 4 to 6 people in their family; and 78.43% owned their home. As for the presence of comorbidities and the reason for their being bedridden, 32.35% had circulatory system diseases followed by external causes related with accidents and violence. The Braden Scale scores showed that: 70.67% were at risk for developing PU. After performing the Pearson s chi-square test (x 2 ), with p 0.005, the only association that was found was between the presence of PU and the patients age, with p= Statistical significance was found for the following Braden Scale subscores: sensorial perception, moistness, activity, nutrition, and friction and shearing with p As for the anatomic location of the PU, 79.41% were in the sacrococcygeal region and 62.50% were stage IV. The care practices performed at the domicile were: changing positions, daily personal hygiene (shower or bath) and the use of moisturizers and topical medication, such as neomycin and dexamethasone pastes provided by the health center and sunflower oil to treat stage IV PU. Considering the patients characteristics: most were of old age, with hypertension, cerebrovascular accident victims or with complications from neurologic diseases, it is necessary to articulate healthcare levels to provide this population with multiprofessional care, counting on support networks that integrate family, community and health services, thus improving these patients quality of life. Keywords: Prevalence. Pressure Ulcer, Nursing. Community Health Nursing.

16 RESUMÉN La úlcera para la presión (UPP) siempre fue un problema para los servicios médicos, especialmente para los equipos del oficio de enfermera, debido al alto predominio y a los particularitities en el tratamiento. Se considera como un problema de la salud pública, en la medida donde aumenta el tiempo de la hospitalización, la ocurrencia de las infecciones del hospital y en algunos casos requiere intervenciones quirúrgicas. Se clasifican en los períodos del entrenamiento que varían en el acuerdo de I al intravenoso la profundidad de lesión. Este estudio fue desarrollado con los pacientes encamados en el hogar, registrado en cadastre en la salud de la Estrategia Salud de la Familia del Coordenadoria Regional del Centro-Norte de la salud de Teresina-PI y estebe destinado a evaluar la prevalencia de UPP en los pacientes encamados y la inmovilidad prolongada, para caracterizar el perfil gestión sociodemográficas y clínicas de los pacientes, para determinar la puntuación de riesgo de UPP mediante la escala de Braden, caracterizan a la UPP de la localización anatómica, la etapa de desarrollo y comprobar la atención dispensada en el hogar. Este es un estudio exploratoriodescriptivo y cuantitativo, la muestra fue de 102 pacientes. La recopilación de datos se llevó a cabo por de entrevistas, observación directa y examen físico, mediado por un formulario para registrar los datos se tabularon y analizaron con el programa SPSS con el protocolo aprobado por el Comité de Ética de la Universidad Federal de Piauí en el apartado , Los resultados indican que la prevalencia de 23,52% de UPP entre los pacientes encamados cuyas características sociodemográficas: 79,41% de los mayores de 60 años, 51,96% mujeres, 40,20% viudos, 61,76% consideró mixtas; 49,02% de analfabetos, 72,55% en el interior de Piauí y outros Estados; 58,82% con ingresos individual de un salario mínimo, 58,82% vivía con 4 a 6 personas en la familia y 78,43% en sus propios hogares. La presencia de comorbilidades y la razón para quedarse en la cama 32,35% tenían enfermedades del sistema circulatorio, seguidas de las causas externas los accidentes y la violencia. Las puntuaciones de la Escala de Braden mostraron que: 70,67% tenían un riesgo de UPP. Teniendo en cuenta las pruebas de asociación chi-cuadrado (x 2 ) prueba con un valor de p 0,005, se encontró diferencia estadística de resultados parciales de la Escala de Braden: la percepción sensorial, la humedad, la actividad, la nutrición y la fricción y los valores de corte de p 0,005. No escuche la significación estadística con los resultados parciales de movilidad, con p = 0,20. En cuanto a la localización anatómica de la UPP, 79,41% se ubicó en la región sacrococcígea y 62,50% estaban en la etapa IV. Las medidas de la atención prestada en la casa fueron: cambio de posición, baño diario y utilice la crema hidratante y tratamiento tópico: la base para ungüentos con neomicina y dexametasona proporcionada por el servicio de salud y aceite de girasol para el tratamiento de UPP en la etapa IV. Se concluye que la prevalencia de UPP en los pacientes postrados en cama en casa era alta, la Escala de Braden fueron predictivos de la aparición de UPP, es fácil de usar, y señala una manera de normalizar la atención en la prevención y control de la UPP, sobre la base de información científica y humanístico. S Palabras clave: Prevalencia. Las úlceras por presión. Enfermería.

17 LISTA DE TABELAS Tab. 1 Distribuição de pacientes conforme perfil sócio demográfico de acamados no domicílio. Teresina, Tab. 2 Associação dos dados sociodemográficos de pacientes acamados no domicílio com e sem presença de UPP. Teresina, Tab. 3 Distribuição dos pacientes com e sem UPP por sexo segundo o motivo de estar acamado. Teresina, Tab. 4 Distribuição dos pacientes acamados com UPP domicílio e comorbidades associadas por sexo. Teresina, Tab. 5 Mínimo, Máximo, Média, Desvio Padrão, X² e valores de p dos pacientes acamados segundo sub-escala de Braden. Teresina, ( n=102)) Tab. 6 Pacientes acamados quanto aos escores de risco mínimo, máximo, média e desvio padrão da Escala de Braden, com ou sem UPP. Teresina, Tab. 7 Distribuição de pacientes acamados em domicílio segundo à categorização dos escores da Escala de Braden e faixa etária.teresina, Tab. 8 Distribuição de pacientes acamados em domicílio quanto à categorização dos escores da Escala de Braden. Teresina, 2009 Tab. 9 Localização anatômica das UPP em pacientes acamados em domicílio por sexo. Teresina, Tab. 10 Classificação dos estágios da UPP segundo a NPUAP nos pacientes acamados no domicílio por sexo. Teresina, Tab. 11 Distribuição dos pacientes acamados em domicílio quanto a categorização dos escores da Escala de Braden. Teresina, Tab. 12 Distribuição das Terapia tópica utilizadas no tratamento da UPP considerando o estágio de desenvolvimento da lesão segundo NPUAP Tab. 13 Média e desvio padrão do tempo (anos) de pacientes acamados com e sem presença de UPP.Teresina(PI), 2009 ( n=102 pcientes)

18 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ACS AGE AVE CEP CID 10 CRS DP ESF FMS IBGE MS NPUAP RDC UBS UFPI UPP SPSS SUS χ2 p OR Agente Comunitário de Saúde Ácido Graxo Essencial Acidente Vascular Encefálico Comitê de Ética em Pesquisa Classificação Internacional de Doenças Coordenadoria Regional de Saúde Desvio Padrão Estratégia Saúde da Família Fundação Municipal de Saúde Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Ministério da Saúde National Pressure Ulcer Advisory Panel Resolução da Diretoria Colegiada Unidade Básica de Saúde Universidade Federal do Piauí Úlcera por Pressão Statistical Package for the Social Sciences Sistema Único de Saúde Qui quadrado Teste qui quadrado de Pearson Odds Ratio

19 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Contextualização do problema e objeto de estudo Questões de investigação Objetivos Justificativa e relevância do estudo 25 2 REFERENCIAL TEMÁTICO Aspectos conceituais e fisiopatológicos das úlceras por pressão Fases de cicatrização e fatores que interferem no processo de 32 cicatrização de feridas 2.3 Escalas de avaliação de risco de úlcera por pressão Tratamento clínico-cirúrgico em pacientes com UP A Contribuição da atenção domiciliar para a prevenção e tratamento da ulcera por pressão. 3 METODOLOGIA Tipo de pesquisa Local da pesquisa População do estudo/amostra Instrumento de coleta de dados Coleta de dados Análise de dados Aspectos éticos 54 4 APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS E DISCUSSÃO 55 5 CONCLUSÃO 81 REFERÊNCIAS APÊNDICE ANEXOS

20 18 INTRODUÇÃO

21 19 A úlcera por pressão (UPP) sempre foi um problema para os serviços de saúde, especialmente para as equipes de enfermagem, devido à elevada incidência e prevalência, bem como as particularidades no tratamento. É considerada como um problema de saúde pública, à medida que aumenta o tempo de hospitalização, a ocorrência de infecções hospitalares e a necessidade de desbridamentos cirúrgicos. Em alguns casos faz-se necessário a realização de enxertos de pele, o que necessita de equipe especializada. A ocorrência de elevado número de reinternações relacionadas às complicações decorrentes da UPP reduz a qualidade de vida desses pacientes e acarretam maiores custos sócio-econômicos para a família e aos serviços de saúde. A National Pressure Ulcer Advisiory Panel (NPUAP), órgão norte americano, responsável por emitir diretrizes relacionadas a prevenção, tratamento das UPP e orientar políticas públicas, educacionais e de pesquisa nesta área, define as UPP como áreas de necrose tecidual que se desenvolvem quando um tecido mole é comprimido entre uma proeminência óssea e uma superfície dura por um período prolongado de tempo (NPUAP, 2007). Segundo Fernandes e Caliri (2008), o desenvolvimento da UPP é um fenômeno complexo que envolve vários fatores associados, sendo que a imobilidade por tempo prolongado é o mais importante fator de risco para pacientes acamados. Vale ressaltar que a UPP pode também ocorrer em períodos considerados curtos, dependendo do paciente, o intervalo de duas horas, ou até menos, pode ser tempo suficiente para o desenvolvimento da lesão. Em pessoas com imobilidade prolongada ou comprometimento da sensibilidade, que permanecem na mesma posição, ocorre hipóxia tecidual por compressão dos capilares, progredindo para anóxia do tecido e morte celular (GOMES; MAGALHÃES, 2008). Os principais fatores de risco para o desenvolvimento da UPP podem ser classificados em intrínsecos, como idade, imobilidade, alteração da sensibilidade, incontinência urinária e anal, alteração do nível de consciência, desnutrição, desidratação e algumas doenças crônicas como diabetes, hipertensão e obesidade. Os fatores extrínsecos como: pressão prolongada em determinada

22 20 região do corpo; o cisalhamento 1 ; a fricção e a umidade que alteram o ph e enfraquece a parede celular, aumentando a susceptibilidade da pele a lesões, favorecendo o surgimento da UPP (JORGE; DANTAS, 2005; DEALEY, 2008; BORGES, 2008). As úlceras por pressão podem ocorrer em pessoas de qualquer idade. Entretanto em um estudo realizado por Rogenski e Santos (2005), em pacientes internados em um hospital universitário foi encontrado maior repercussão em pacientes idosos, do sexo masculino, cuja média de idade de 70,3 anos. Esse fato se deve ao ritmo metabólico, que diminui com o passar dos anos, e ao aparecimento de uma série de alterações na pele do idoso, resultante do processo de envelhecer, acrescido pela presença de comorbidades. A idade, portanto, é fator preocupante, pois se estima que a população de idosos acima de 60 anos deverá duplicar até o ano de 2050, passando a representar 15% do total da população brasileira. Portanto o processo de envelhecimento ao qual se associam comorbidades e outros fatores como: incontinência, umidade, má nutrição, susceptibilidade a quedas e fraturas com necessidade de imobilização prolongada predispõe ao desenvolvimento de úlceras por pressão nessa faixa etária (SIRENA; MORIGUCHI, 2004). No entanto, pacientes jovens também são susceptíveis ao desenvolvimento de UPP, particularmente aqueles vítimas de acidentes e violência, submetidos a tratamento prolongado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e sequelados, com distúrbios crônicos relacionados a anóxia cerebral e lesão medular, quando perdem a sensibilidade de uma área do corpo, que associado à imobilidade prolongada, constituem fatores de risco para UPP. Percebe-se que esses pacientes, geralmente, não são alertados para esse tipo de situação e a prevenção nem sempre é realizada. A pele saudável exerce múltiplas funções e, é indispensável para o perfeito funcionamento fisiológico do organismo estando sujeita a agressão por fatores intrínsecos e extrínsecos, que poderão causar o desenvolvimento de alterações levando à sua incapacidade funcional, como por exemplo, às úlceras por pressão (MORAIS, OLIVEIRA, SOARES. 2008; BORGES, 2008, RIBEIRO, 2004). 1 Cisalhamento - Variação de forças compressivas resultantes da interação da gravidade e da fricção, produzindo uma sobrecarga mecânica intensa nas partes moles (BORGES, 2008).

23 21 A UPP demanda sobrecarga para as equipes de enfermagem da Estratégia Saúde da Família (ESF), considerando que esses profissionais, já envolvidos com atividades habituais de promoção da saúde, devem realizar curativos e estimular a manutenção da independência social e de habilidades cognitivas para o auto-cuidado, melhorando a qualidade de vida e despertando a necessidade de cuidados preventivos para o não surgimento das lesões. Em clientes acamados, ou com déficit de mobilidade, devem ser realizadas inspeção rotineira das áreas de risco quanto à presença de eritema, ressecamento, umidade e perda da integridade da pele; prescrição de medidas profiláticas; e supervisão de mudanças de decúbito ou de pontos de pressão em horários regulares. Diante da pluralidade dos fatores que provocam a UPP, faz-se necessário que o profissional enfermeiro realize uma avaliação criteriosa do paciente acamado ou com restrição de mobilidade para elaboração e desenvolvimento de um plano de cuidados com estratégias de prevenção e detecção precoce de lesões para determinar a seleção do tratamento adequado. O enfermeiro deve propor uma conduta terapêutica ampla com métodos propícios para executá-la, proporcionando uma cicatrização eficaz, conforto e, consequentemente, uma assistência de qualidade aos pacientes. Na prática profissional, ainda são poucas as instituições de saúde que têm dados de prevalência ou adotam algum tipo de escala de avaliação de risco para prevenção de UPP. Para identificar uma situação inicial do serviço de saúde e implantar um plano de metas faz-se necessário pesquisas sobre a prevalência de UPP. Em estudo realizado de forma retrospectiva em um hospital público de Minas Gerais, com prontuários de pacientes críticos internados, encontrou-se uma prevalência de UPP de 25,6%, a maioria eram do sexo masculino (61,5 %), na faixa etária entre 21 e 49 anos (36,8%) (CARDOSO;CALIRI; HASS, 2004) Esse fato instigou a realização de estudos paralelos sobre a temática como orientadora de uma monografia no curso de graduação em enfermagem para avaliar o risco de UPP utilizando a escala de Braden em pacientes

24 22 internados em UTI de um hospital público de Caxias-MA, realizado por Sanches(2009), e, outro para Caracterizar as úlceras por pressão em pacientes críticos de um hospital público em Teresina-PI, desenvolvido por Sousa; Batista; Sá, (2009). Sanches (2009), verificou a aplicabilidade da escala de Braden na identificação do grau de risco, demonstrando sua eficácia preditiva e importância para determinação e orientação de medidas preventivas de UPP. O estudo de Medeiros, Lopes e Jorge (2009), demonstraram que a implantação de protocolos, utilizando escalas de avaliação de risco como a escala de Braden (adaptada para a língua portuguesa) e outras como as de Norton e Waterlow, tem sido uma alternativa eficaz na prevenção de lesões em pacientes com imobilização prolongada. SOUSA; BATISTA; SA, (2009), em estudo realizado com pacientes em UTI encontrou prevalência de 23,33 % de UPP,, com maioria do sexo feminino (57,14%), 100% declarados pardos e 53,3% internados por doenças neurológicas O cuidado de pacientes na prevenção, tratamento e controle da UPP está vinculada a uma especialidade na área de enfermagem, a Estomaterapia, que conta com apenas 20 anos de sua criação no Brasil por meio da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP), ainda com número restrito de profissionais, insuficientes para atender a demanda. Assim, enfermeiros generalistas e especialistas em outras áreas necessitam compartilhar a responsabilidade quanto à avaliação de risco e condução dos cuidados ao paciente com presença de UPP, pois se observa uma enorme lacuna na utilização de protocolos para avaliação de riscos e banco de dados com base estatística sobre a prevalência de UPP. A política de saúde vigente mediante a implementação do Sistema Único de Saúde (SUS) visa a reorganização do modelo de assistência à saúde e mudança no enfoque curativo hospitalocêntrico para promoção de saúde no domicílio, tendo a família como a principal referência de atuação da Estratégia Saúde da Família (ESF). A ampliação da cobertura a partir dos domicílios objetiva a aproximação e estabelecimento de vínculos entre os profissionais de saúde e a comunidade com

25 23 os demais níveis de atenção e uma atuação de forma resolutiva aos problemas de saúde. Portanto, desde a implantação da ESF vem sendo disponibilizada uma equipe multiprofissional para dar suporte em orientações e na intervenção do cuidar intradomiciliar aos pacientes cadastrados no programa, realizando visita aos acamados no domicílio (BRASIL, 2006 b). Verifica-se na prática, que o paciente acamado no domicílio ou com restrição de mobilidade no domicílio é susceptível a apresentar problemas complexos e muitas vezes têm seu estado de saúde agravado com a presença de UPP em que podem vivenciar dor, sofrimento, comprometimento sistêmico, quase sempre associado à infecção, secreções com odor fétido, alteração da imagem corporal, podendo ocorrer uma baixa auto-estima, desmotivação e insegurança; sobrecarga emocional e física dos cuidadores. Além disso, observa-se que o custo financeiro se torna elevado no tratamento desses pacientes e, quando mal conduzidos ou tratados, têm uma mortalidade elevada. Embasados nesses fatos pode-se perceber a importância de se ampliar o conhecimento nessa área, a fim de subsidiar novas reflexões dos profissionais de saúde no sentido de proporem ou definirem novas estratégias assistenciais dentro das políticas de saúde, favorecendo um planejamento do cuidar e ampliação de resultados positivos à saúde dos pacientes com úlceras por pressão no âmbito domiciliar. Considerando essa problemática definiu-se como objeto desse estudo a prevalência de úlceras por pressão em pacientes acamados e com restrição de movimentos cadastrados na ESF de Teresina-PI e os cuidados dispensados no domicílio.

26 Questões de investigação 1 - Qual a prevalência de pacientes com úlcera por pressão dentre os acamados no domicílio no município de Teresina-PI? 2 - Que fatores de risco para desenvolver úlcera por pressão esses pacientes apresentam? 3 - Qual a classificação e localização anatômica das úlceras por pressão nesses pacientes? 4 - Quais cuidados relacionados ao tratamento de úlceras por pressão são dispensados a esses pacientes? 1.3 Objetivos Geral Avaliar a prevalência de úlcera por pressão e cuidados dispensados em pacientes acamados e cadeirantes, no domicílio, cadastrados na Estratégia Saúde da Família em Teresina-PI Específicos Caracterizar o perfil sóciodemográfico e clínico da população do estudo; Identificar nos pacientes o escore de risco para UPP, utilizando a escala de Braden; Classificar a UPP quanto à localização anatômica, ao estágio de desenvolvimento e características da lesão;

27 25 Correlacionar as UPP com os escores de risco da Escala de Braden; Discutir as medidas terapêuticas, de suporte e apoio dispensadas pelo cuidador familiar ao paciente no domicílio. 1.4 Justificativa e relevância do estudo O interesse pela investigação sobre UPP surgiu pela experiência de 14 anos atuando como enfermeira em diversas áreas, como setor de internação, terapia intensiva e tratamento ambulatorial e domiciliar de feridas. No atendimento domiciliar, tem se observado um número elevado de casos de UPP, adquiridos por pacientes acamados submetidos a tratamento clínico ou cirúrgico procedentes de instituições hospitalares públicas ou privadas. Essa situação trouxe inquietação reforçada pelas freqüentes indagações de familiares, que internaram pacientes para tratamento de saúde e, no momento da alta hospitalar, depararam-se com UPP extensas, dolorosas e profundas, assim como a falta de preparo técnico e emocional desses cuidadores ou familiares para enfrentarem as dificuldades relacionados a continuidade aos cuidados em domicílio e ao alto custo no tratamento das lesões. Na atenção primária, reportando-se ao atendimento na Estratégia Saúde da Família (ESF), observa-se a dispensa rotineira de medicamentos e materiais de curativo ao cuidador familiar, para que ele mesmo realize o procedimento após orientação prévia da equipe. Entretanto, não são encontrados protocolos nem registros da avaliação das UPP, em pacientes acamados no domicílio. Para a família, é essencial uma orientação direcionada ao cuidado do paciente com imobilização prolongada com risco ou presença de UPP, visando proporcionar apoio, segurança, tratamento efetivo e melhor qualidade de vida ao paciente e aos seus cuidadores, cabendo ao profissional enfermeiro realizar um planejamento sistematizado para esses pacientes.

28 26 A relevância desse trabalho relaciona-se à ampliação de conhecimentos de um problema freqüente, que é a UPP, uma vez que os estudos dessa temática em pacientes em domicílio são ainda incipientes ou pouco efetivos, sem impacto na prática profissional. O trabalho pode contribuir para o aperfeiçoamento da atuação do enfermeiro como educador em saúde, uma vez que, poderão educar pacientes e cuidadores sobre prevenção de UPP. Espera-se poder contribuir para uma maior reflexão dos profissionais de saúde quanto à responsabilidade de buscar a atualização e aplicar medidas preventivas reduzindo conseqüentemente, os casos de UPP e visando a melhoria da qualidade assistencial ao cliente com fatores de risco ou a presença de úlcera por pressão. A partir do enfoque apresentado, este estudo será capaz de motivar e subsidiar novas pesquisas, contribuindo para que os profissionais de saúde possam refletir e agir de forma consciente, em ações conjuntas sobre a prevenção das UPP, no sentido de possibilitar a educação permanente e o desenvolvimento de protocolos, com a finalidade de evitar ou diminuir esse agravo. O estudo também poderá contribuir para a melhoria do ensino de graduação e pós-graduação da área de saúde, podendo proporcionar novas reflexões e estratégias assistencias dentro da política de saúde atual a pessoas com problemas de UPP e outros tipos de feridas agudas e crônicas.

29 27 2 REFERENCIAL TEMÁTICO

30 Aspectos conceituais e fisiopatológicos da pele e úlceras por pressão O corpo humano sempre teve importância entre todas as culturas, mas entre os gregos, romanos e egípcios mereceu destaque especial. A beleza externa era cultivada e cultuada onde cuidados especiais eram dispensados a pele para que se mantivesse saudável, conforme padrões da época, como banharem-se com leite de cabra, essências e óleos retirados de plantas e flores (BORGES, 2008). A pele, também chamada de sistema tegumentar, constitui o maior e um dos mais ativos órgãos do corpo, correspondendo aproximadamente a 10% do peso corporal e a uma área total de 2 m 2 no adulto médio. Constitui-se de três camadas distintas: epiderme, derme e hipoderme que se encontram firmemente unidas entre si e apresentam variações na sua espessura e elasticidade conforme sua localização (DEALEY, 2008) A Epiderme é camada mais externa da pele, tem uma espessura que varia de 0,1 mm nas pálpebras até 1 mm nas regiões palmares e plantares, compreendendo várias camadas de células. A derme ou córion (do latim corium ou couro), sustenta a epiderme, e envolve anexos cutâneos, vasos sanguíneos, vasos linfáticos, terminações nervosas, glândulas sebáceas e sudoríparas e músculos eretores do pêlo, protegendo-os. A hipoderme também chamada de tecido celular subcutâneo ou panículo adiposo, protege os vasos e nervos contra traumatismos, sendo também responsável pela termoregulação, reserva nutricional e papel cosmético (AZEVEDO; RODRIGUES; HENNEMANN, 2005; JORGE, DANTAS, 2005). A manutenção da integridade da pele é de extrema importância, uma vez que desempenha variadas funções, dentre as quais manter a integridade do corpo, protegê-lo contra agressões externas, absorver e excretar líquidos, regular a temperatura, absorver luz ultravioleta, metabolizar vitamina D, detectar estímulos sensoriais, servir de barreira contra microorganismos, exercendo papel estético além de, proteger tecidos subjacentes e as estruturas de traumatismos mecânicos (ABREU; MARQUES, 2005).

31 29 O termo ferida é utilizado como lesão tecidual ou deformidade, que pode atingir desde a epiderme, até estruturas profundas, como fáscias, músculos, aponeuroses, articulações, cartilagens, tendões, ossos, órgãos cavitários e qualquer outra estrutura do corpo (GEOVANINI, OLIVEIRA JÚNIOR; PALERMO, 2007). Provavelmente a preocupação com o cuidar de feridas venha ocorrendo desde que o primeiro homem tenha se machucado nos primórdios da história da humanidade. Há evidências de que na pré-história já eram utilizados plantas ou seus extratos como cataplasma e umidificante de feridas abertas, e muitos eram ingeridos para atuação sistêmica (JORGE; DANTAS 2005). O histórico de tratamento de feridas revela uma enorme preocupação dos povos da Antiguidade com as complicações infecciosas, no entanto, esses povos não conheciam o processo infeccioso, pois a Teoria dos Germes surgiu posteriormente, no século XIX, consequentemente, eles buscavam a salvação através de milagres junto aos deuses e santos (BORGES, 2008). No Brasil, as feridas acometem a população de forma geral, independente de gênero, idade ou etnia, determinando um elevado número de pessoas com alterações na integridade da pele, constituindo-se assim em um sério problema de saúde publica, onerando os gastos públicos e prejudicando a qualidade de vida da população (BRASIL, 2002). Ao se estudar UPP depara-se com uma terminologia variada e algumas equivocadas, entre as quais, escara, úlceras de decúbito, úlceras de acamado, úlceras isquêmicas e feridas de pressão. Por muito tempo e ainda hoje leigos e até profissionais de saúde denominam como escara. No entanto, escara é o termo utilizado para definir o tecido resultante de necrose seca da úlcera por pressão (JORGE; DANTAS, 2005; BORGES, 2008). Contudo, a expressão úlcera por pressão vem sendo consagrada internacionalmente, à medida que a pressão é o fator etiológico mais importante na gênese dessas lesões (SOUZA; SANTOS, 2006).

32 30 A gravidade e profundidade variam de acordo com o grau, intensidade da pressão exercida, tração, fricção, maceração 2 e tempo de permanência do cliente na mesma posição (SANTOS, SOUZA 2007; GEOVANINI, OLIVEIRA JÚNIOR; PALERMO, 2007; PARANHOS, 2005). Em um estudo de Sarquis (2010), foi demonstrado que o fator tempo/duração da pressão é determinante para o início da ulceração nos tecidos e que baixas pressões aplicadas em determinas áreas, por período prolongado são mais prejudiciais no desenvolvimento de UPP que altas pressões em curto período de tempo. Com o objetivo de uniformizar as informações sobre UPP a Agency for Health Care Policy and Research (AHCPR) em 1992, adotou a classificação dos estágios de UPP para a identificação e classificação de acordo a profundidade de tecidos lesados (BERGSTRON, ALLMAN, CARLSON, 1992). A classificação mais utilizada da UPP é a proposta pela NPUAP (2007) (ANEXO A) e está relacionada a duas recomendações e ao nível de comprometimento dos tecidos envolvido definido em quatro estágios distintos e conforme apresentado abaixo: Suspeita de lesão tissular profunda: área localizada de pele intacta de coloração púrpura ou castanha ou bolha sanguinolenta devido a dano no tecido mole, decorrente de pressão e/ou cisalhamento. À área pode ser precedida por um tecido que se apresenta dolorido, endurecido, esponjoso e mais quente ou frio comparativamente ao tecido adjacente. Descrição adicional: lesão tissular profunda pode ser de difícil detecção em indivíduos com pele mais escuras. A sua evolução pode incluir uma pequena bolha sobre o leito escurecido da ferida. A lesão pode evoluir e ficar coberta por uma fina escara. A evolução pode ser rápida com exposição de camadas tissulares mesmo com tratamento adequado Estágio I - Pele intacta com hiperemia de área localizada que não embranquece a dígito pressão, geralmente sobre proeminência óssea. A pele de cor escura pode não apresentar esbranquecimento visível: sua cor pode diferir da 2 Maceração- Conjunto de alterações degenerativas, com alteração de cor e amolecimento de tecidos, por contato prolongado com água ou umidade (FERREIRA, 1999).

33 31 pele ao redor. A área pode apresentar-se dolorosa, endurecida, amolecida, quente ou fria. Estágio II - É uma perda parcial de espessura da pele, envolvendo epideme, derme ou ambas. Apresenta-se como úlcera superficial com leito de coloração vermelha pálida, sem esfacelo. Pode apresentar-se ainda como uma bolha preenchida com exsudato seroso, intacta ou aberta. Não deve ser usado para descrever skin tears, abrasões por adesivos, dermatite perineal, maceração ou escoriação. Estágio III - Há uma perda da pele na sua espessura total, envolvendo danos ou necrose da camada subcutânea. A gordura subcutânea pode estar visível, sem exposição de tendão, ossos ou músculo. Esfacelo pode estar presente sem prejudicar a identificação da profundidade da perda tissular, podendo incluir descolamentos e túneis. Estágio IV - Há perda total de tecido, com exposição óssea, de músculo ou tendão. Pode haver presença de esfacelo ou escara em algumas partes do leito da ferida. Freqüentemente incluí descolamentos e túneis. As úlceras estágio IV podem se estender até o músculo e/ou estruturas de suporte como fáscia, tendão ou cápsula articular, possibilitando ocorrência de osteomielite. A exposição do osso é visível ou diretamente palpável. Vale ressaltar que algumas UPP não podem ser classificadas pela impossibilidade de avaliar a profundidade. De acordo a NPUAP (2007) lesão com perda total de tecido, na qual a base da UPP esta coberta por esfacelo (amarelo, marrom, cinza, esverdeado ou castanho) e; ou escara (marrom, castanha, negra) no leito da lesão Recomenda-se que seja realizada avaliação do estado geral do paciente com UPP, abrangendo o exame físico e estado psicossocial. Devem incluir a descrição da lesão destacando sua localização, mensuração (largura, comprimento e profundidade), a identificação da presença de túneis, fístulas, deslocamentos e lojas, a presença de exsudato (cor, odor, quantidade), presença de tecido necrótico e evidência de infecção (BORGES, 2008). As UPP constituem uma problemática social e de saúde; representam um desafio da enfermagem, requerendo desses profissionais além de conhecimentos

34 32 técnico-científicos específicos, observação cuidadosa e sensibilidade com o cliente sob seus cuidados. A abordagem deve ser multiprofissional uma vez que o envolvimento da equipe interdisciplinar contribui para sua prevenção e tratamento. 2.2 Fases de cicatrização e fatores que interferem no processo de cicatrização de feridas. Os traumas e as agressões à pele produzem interrupções das conexões vasculares e nervosas, que quanto mais extensa maior é o número de elementos lesados. Podem ser encontrados nas feridas tecidos desvitalizados, sangue extravasado, microorganismos ou corpo estranho dependendo do agente que causou a lesão como estilhaços de vidro, madeira, ferro ou outros (BORGES, 2008). Na UPP a lesão ocorre por dificuldade circulatória ocasionando déficit da oferta de oxigênio e de aporte de nutrientes com progressiva morte tecidual que varia de acordo com o tempo de exposição e a pressão exercida entre o tecido que recobre uma proeminência óssea e uma superfície rígida. O processo de cicatrização consiste em uma série de etapas altamente complexas, correlacionadas e sobrepostas. Independente da etiologia da ferida, a cicatrização segue um curso previsível e contínuo, sendo dividida didaticamente em fases. Descreveremos as fases segundo Borges (2008), que são: fase inflamatória, fase proliferativa e fase de maturação. Fase inflamatória - Ocorre imediatamente após início do trauma e manifesta-se clinicamente pelo aparecimento dos sinais e sintomas inflamatórios como edema, hiperemia, calor moderado e dor. A inflamação visa minimizar os efeitos patogênicos ou do traumatismo, destruindo ou neutralizando os germes e limitando sua disseminação por todo o organismo. Nesta fase ocorre a formação do exsudato inflamatório, rico em fibrinogênio, que se transforma em fibrina. A inflamação dura de quatro a cinco dias e exige recursos energéticos e nutricionais. Em pacientes desnutridos e com feridas extensas pode haver retardamento da cicatrização.

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO

Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013. Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO Protocolo de prevenção de úlcera por pressão - 2013 Enfª Allessandra CEPCIRAS/GERISCO FINALIDADE: Promover a Prevenção da ocorrência de UPP e outras lesões da pele. JUSTIFICATIVAS: A- Longa permanência

Leia mais

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL RELAÇÃO DA ETNIA COM A HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RESGISTRADOS NO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE HIPERTENSOS E DIABÉTICOS

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS

ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS ANEXO NORMA TÉCNICA QUE REGULAMENTA A COMPETÊNCIA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO ÀS FERIDAS I. OBJETIVO Regulamentar a competência da equipe de enfermagem, visando o efetivo cuidado e segurança do

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

Estudo de prevalência de UPP Açores, Madeira e Canárias 2006

Estudo de prevalência de UPP Açores, Madeira e Canárias 2006 Estudo de prevalência de UPP Açores, Madeira e Canárias 2006 Estudo Publicado na Colectânea: Enfermagem e Úlceras por Pressão: Da reflexão da disciplina às evidências nos cuidados MUITO OBRIGADO! MUCHAS

Leia mais

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD

Úlceras de pressão. Profº. Jorge Bins-Ely - MD - PhD UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SERVIÇO DE CIRURGIA PLÁSTICA HU/UFSC DISCIPLINA DE TÉCNICA OPERATÓRIA E CIRURGIA EXPERIMENTAL - TOCE Úlceras de pressão Profº. Jorge Bins-Ely

Leia mais

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior

5.1 Nome da iniciativa ou Projeto. Academia Popular da Pessoa idosa. 5.2 Caracterização da Situação Anterior 5.1 Nome da iniciativa ou Projeto Academia Popular da Pessoa idosa 5.2 Caracterização da Situação Anterior O envelhecimento é uma realidade da maioria das sociedades. No Brasil, estima-se que exista, atualmente,

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM AMÁBILE MIRELLE PACHECO SILVA CLASSIFICAÇÃO DAS ÚLCERAS BOM DESPACHO 2010 ÚLCERA VENOSA Conceito Lesões provocadas pela insuficiência venosa

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ ENGENHARIA MECÂNICA COM ÊNFASE EM MECATRÔNICA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAMA HOSPITALAR AUTOMÁTICA PARA MUDANÇA DE DECÚBITO CAMA HOSPITALAR AUTOMÁTICA PARA

Leia mais

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE 1 Experiência: VIGILÂNCIA À SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Nome fantasia: Projeto de volta prá casa Instituições: Núcleo de Epidemiologia do Serviço de Saúde Comunitária da Gerência de saúde Comunitária

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR

BANCO DE QUESTÕES. CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR BANCO DE QUESTÕES CURSO: Terapia intravenosa: práticas de enfermagem para uma assistência de qualidade NÍVEL: SUPERIOR NT1: A importância do conhecimento de anatomia e fisiologia no UE1: Uma abordagem

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE 1º período Saúde, Trabalho e Meio- Ambiente I 150 10 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE Identificação da relação entre os modos de viver e o processo

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA

O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA O CUIDADO QUE FAZ A DIFERENÇA DAL BEN: SUA PARCEIRA EM CUIDADOS ASSISTENCIAIS A saúde no Brasil continua em constante transformação. As altas taxas de ocupação dos hospitais brasileiros demandam dos profissionais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DIRETORIA DE ENFERMAGEM SERVIÇO DE EDUCAÇÃO EM ENFERMAGEM MINICURSO: Assistência de enfermagem ao cliente com feridas Ferida cirúrgica 1º Semestre de 2013 Instrutora:

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

Atualização em Prevenção de Úlceras por Pressão: Conceitos, Consensos e Assistência. Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP

Atualização em Prevenção de Úlceras por Pressão: Conceitos, Consensos e Assistência. Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP Atualização em Prevenção de Úlceras por Pressão: Conceitos, Consensos e Assistência Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP Prof.ª Dr. ª Nádia A. A. Poletti- FAMERP

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO: transformando problemas potenciais em boas práticas

NOTIFICAÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO: transformando problemas potenciais em boas práticas NOTIFICAÇÃO DE ÚLCERA POR PRESSÃO: transformando problemas potenciais em boas práticas Ila Bahiense Juliana Corsini Marcia Viana Sara Mascarenhas Vanessa Dayube Vanessa Castilho Katiane Pedreira Cleide

Leia mais

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME Odete Aparecida de Moura Autores Odete Aparecida de Moura 1, Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes 2, José Nélio Januário

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

Programa de Controle de Peso Corporal

Programa de Controle de Peso Corporal 15 Programa de Controle de Peso Corporal Denis Marcelo Modeneze Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde na UNICAMP principal objetivo de desenvolver este tema com os alunos

Leia mais

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL

CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL CONCEPÇÕES DE IDOSOS ACERCA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM PARA UM ENVELHECER SAUDÁVEL Ocilma Barros de Quental. Faculdade de Medicina do ABC(ocilmaquental2011@hotmail.com) Sheylla Nadjane Batista Lacerda.

Leia mais

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br

especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br Psicologia Intensiva uma especialidade Psic. Raquel Pusch pusch11@terra.com.br www.psicosaude.com.br PSICOLOGIA INTENSIVA O intensivismo é uma especialidade que apresenta um caráter interdisciplinar voltado

Leia mais

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIA. Ernani Mendes Botelho

CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR UNIVERSITÁRIA. Ernani Mendes Botelho UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES ABC: UMA APLICAÇÃO

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 102 A PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE ENTRE CRIANÇAS POR MEIO DA RISOTERAPIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Profa. Esp. Andréa Savietto (UNIANCHIETA)

Leia mais

Úlceras de Pressão Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Úlceras de Pressão Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) NÚMERO: 017/2011 DATA: 19/05/2011 ASSUNTO: Escala de Braden: Versão Adulto e Pediátrica (Braden Q) PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Úlceras de Pressão Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012

AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE RETROSPECTIVA DE 2008 A 2012 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA-UnB FACULDADE DE CEILÂNDIA-FCE CURSO DE FISIOTERAPIA DEBORAH COSTA TEIXEIRA PELUCIO SILVA AVALIAÇÃO DE MORBIDADES E ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA: ANÁLISE

Leia mais

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA

O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA O CUIDAR HUMANIZADO AO IDOSO: REVISÃO SISTEMÁTICA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Kalina Coeli Costa de Oliveira Dias (NEPB/UFPB) kalinacoeli@gmail.com Ana

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 REVISÃO VACINAS 1. Conforme a Lei Federal n o 7.498/86, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, são atividades privativas do enfermeiro: a) administrar medicamentos e prestar consultoria de b) observar

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR PROTOCOLOS DE CONTROLE DE INFECÇÃO Úlcera de Pressão Também conhecida como escara ou úlcera de decúbito. É definida como qualquer lesão causada por pressão não aliviada que resulta em danos nos tecidos subjacentes (subcutâneo, músculo,

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS SENADO FEDERAL BRASÍLIA, 16 DE MAIO DE 2013 Criação de um novo departamento dentro da SAS: DAET- Departamento de Atenção

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Câncer de Colo de útero: a importância de diagnostico precoce. Área temática Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Boninal

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC

PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC PROTOCOLO DE PREVENÇÃO DE QUEDAS GHC Quedas são eventos adversos em que um indivíduo cai inadvertidamente ao chão ou em outro nível. Isto pode ser devido a um escorregão ou tropeço, perda do equilíbrio

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE

HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE HIDRO-OZONIOTERAPIA: UMA REVOLUÇÃO NO TRATAMENTO DE ÚLCERAS DIABETICAS, E UM POSSÍVEL AVANÇO NO COMPANHAMENTO AOS PORTADORES DE PSORÍASE Resumo Diabetes Melittus é uma doença crônica que poderá acometer

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Autores: Ilse Maria Tigre de Arruda Leitão, Sherida Kananini Paz de Oliveira, Roberta Meneses Oliveira, Nayane Silva Mendes, Renata

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência?

Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Porque a violência e o trauma tornaram-se um problema de Saúde Pública e o que fazer para diminuir sua incidência? Dados preliminares do sistema de informações de mortalidade do Ministério da Saúde de

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL, NA PERSPECTIVA DO ENFERMEIRO Enfa. Aryhadne Michelle Chimicoviacki Machado

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CARACTERIZAÇÃO DOS USUÁRIOS QUE FAZEM USO DE PSICOTRÓPICOS DE UMA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar, eliednanog@hotmail.com Rúbia Mara Maia Feitosa, Universidade

Leia mais

Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização

Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização Relação do Melhor em Casa com os hospitais: viabilizando a desospitalização A relação do Programa Melhor em Casa com a rede hospitalar é estratégica e fundamental para viabilizar a desospitalização, permitindo

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS

PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS PLANEJAMENTO E AVALIAÇAO DE SAÚDE PARA IDOSOS: O AVANÇO DAS POLITICAS PÚBLICAS Renata Lívia Silva F. M. de Medeiros (UFPB) Zirleide Carlos Felix (UFPB) Mariana de Medeiros Nóbrega (UFPB) E-mail: renaliviamoreira@hotmail.com

Leia mais

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1

VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 1 VIVENCIANDO ATIVIDADE DE EXTENSÃO NUMA COMUNIDADE CARENTE ATRAVÉS DA CONSULTA DE ENFERMAGEM À MULHERES 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 3 Ívis Emília de Oliveira

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA DIREITOS DOS IDOSOS: REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Carla Braz Evangelista (NEPB-UFPB/ Email: carlabrazevangelista@gmail.com) Indiara Carvalho dos Santos Platel (NEPB-UFPB/ Email: indiaracs@hotmail.com)

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

XX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 23.03.2015 a 23.03.2016

XX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 23.03.2015 a 23.03.2016 XX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 23.03.2015 a 23.03.2016 PÚBLICO ALVO: Enfermeiros com, no mínimo, 2 anos de formados e experiência clínica

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano.

Feridas e Curativos. Maior órgão do corpo humano. Feridas e Curativos Enfermeira: Milena Delfino Cabral Freitas Pele Maior órgão do corpo humano. Funções: proteção contra infecções, lesões ou traumas, raios solares e possui importante função no controle

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS.

O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. O PAPEL DO SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA NA REDE DE PROTEÇÃO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM SITUACAO DE RISCO PARA A VIOLENCIA NO HOSPITAL DE CLÍNICAS. AREA TEMÁTICA: Saúde. COORDENADORA: Prof.ª Dr.ª Denise

Leia mais

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007)

Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Orientações para tratamento de feridas (ultima atualização Novembro de 2007) Hospital Municipal Miguel Couto 1 Objetivos: Oferecer informações técnicas e científicas atualizadas para as equipes médicas

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO IDOSO NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA SOB A OTICA DO PROFISSIONAL Ruanna Gonçalves Holanda 1, Hellen Pollyanna

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações de Abordagem em Cuidados Continuados Integrados ÚLCERAS DE PRESSÃO PREVENÇÃO Outubro 2007 1 INDICE p. 0 Introdução 2 1 Definição de Úlceras

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 1 Mayara Muniz Dias Rodrigues 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Fabiana

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO

METODOLOGIA RESULTADOS E DISCUSSÃO ATENDIMENTO DE ENFERMAGEM A SAÚDE DO HOMEM NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA Ingrid Mikaela Moreira de Oliveira Enfermeira Mestranda em Bioprospecção Molecular da Universidade Regional do Cariri-URCA ingrid_lattes@hotmail.com

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria.

Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Omiderm é o produto mais próximo à pele humana que você pode utilizar enquanto não produzir a sua própria. Dr. Theodore Tromovich Burlingame CA. Mais que um curativo, Omiderm é o resultado de todo um trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS ALTERAÇÕES POSTURAIS EM IDOSOS ATENDIDOS NO SERVIÇO DE REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL FORTALEZA CEARÁ 2009 SUYANNE NUNES DE CASTRO PERFIL DAS

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO SERVIÇO DE SAÚDE COMUNITÁRIA APOIO TÉCNICO EM MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO EXPERIÊNCIAS DE ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE Abordagem integrada na atenção as pessoas com HAS, DM

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO

INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO INDICADORES SOCIAIS E CLÍNICOS DE IDOSOS EM TRATAMENTO HEMODIALÍTICO Rosângela Alves Almeida Bastos - Universidade Federal da Paraíba- email: rosalvesalmeida2008@hotmail.com Maria das Graças Melo Fernandes

Leia mais

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infeção

Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infeção Indicadores de Segurança do Paciente Prevenção e Controle de Infeção Percentual de pacientes que receberam avaliação diária do risco de úlcera por pressão (UPP) Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão

Leia mais

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015

Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz. Junho/ 2015 Juliana S. Amaral Rocha Enfermeira de Práticas Assistenciais Hospital Alemão Oswaldo Cruz Junho/ 2015 MODELO ASSISTENCIAL - DEFINIÇÃO Forma como atribuições de tarefas, responsabilidade e autoridade são

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais