Produção Audiovisual Renato Coutinho 2008 v.01

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Produção Audiovisual Renato Coutinho 2008 v.01 www.natur.sitesled.com"

Transcrição

1 1

2 2 Este Livro foi elaborado com um carácter eminentemente pedagógico e é dirigido fundamentalmente a estudantes e profissionais destas e outras áreas de actuação profissional, pelo que os exemplos e imagens utilizados servem apenas de suporte aos conteúdos teóricos, salvaguardando-se a propriedade autoral e intelectual das marcas e ilustrações referenciadas/apresentadas.

3 3 Índice Pag.04.Introdução As Três Fases da Produção Pag.07.Os primórdios do Cinema e da Televisão Pag.13.Linguagem Estética Enquadramento e composição Planificação Movimentos de câmara Regras Ângulos de câmara Tipos de Lentes Guiões Montagem Pag.32.Linguagem Técnica Percurso da luz no audiovisual Fenómeno da persistência retiniana Cores primárias e secundárias Blocos da câmara Diafragma Obturador ou Shutter Profundidade de campo Filtros e Temperaturas de Cor Bloco de Processamento Digital Bloco de Gravação Formatos de aquisição de imagem Equipamentos de digitalização VTR Tipos de fichas áudio e vídeo Ligações de equipamentos YUV Time Code Taxa de amostragem Vídeo entrelaçado e progressivo Resolução de imagem Sistemas televisivos Características do sistema televisivo em Portugal Tipos de ficheiros Compressão vídeo e áudio DVD BLU-Ray Microfones Pag.77.Produção Pag.82.Realização Pag.84.Pós-Produção Pag.86.Equipa Técnica Constituição Pag.100..Bibliografia e WebGrafia

4 4 Introdução Comecemos por definir três termos que serão abordados ao longo deste manual: Televisão (do grego tele - distante; e do latim vision - visão) é um sistema electrónico de transmissão de imagens e som de forma instantânea. Funciona a partir da análise e conversão da luz e do som em ondas electromagnéticas e da sua reconversão num aparelho receptor. O receptor capta as ondas electromagnéticas e através dos seus componentes internos converte-as novamente em imagem e som. Cinema ( Kinema em grego significa movimento e "grafos" escrever ou gravar), trata-se da abreviação de cinematógrafo. É a técnica de projectar fotogramas (quadros ou frames) de forma rápida e sucessiva para criar a impressão de movimento bem como a arte de produzir obras estéticas, narrativas ou não, com esta técnica. Vídeo (do latim eu vejo) é a tecnologia de processamento de sinais electrónicos e digitais para representar imagens em movimento. A aplicação principal da tecnologia de vídeo é a televisão, mas ela também é muito aplicada em artes plásticas. A vídeo arte é um meio que serve de veículo para o discurso poético do criador videasta.

5 5 As Três Fases da Produção Audiovisual Podemos dividir o processo de produção em 3 fases: Pré-produção Produção Pós-produção. A fase mais importante da produção é a Pré-Produção É durante a fase de pré-produção que todas as ideias e métodos de implementação das mesmas de modo à obtenção de um produto final são desenvolvidos. Todas as decisões importantes quanto à equipa, planeamento, intervenientes, orçamento, calendário, etc. são tomadas nesta altura. «Boa parte dos insucessos dum jovem realizador, em todos os aspectos da produção de um filme, decorre do facto de não concretizar aprofundadamente o processo da preparação antes do início das filmagens. Aqui como em qualquer processo criativo, há que saber distintamente o que se pretende e, como consequência, encontrar o caminho mais eficiente e positivo de o conseguir» (Rilla) Durante a pré-produção, é contratada a equipa técnica e o elenco. São elaborados os planos para a cenografia (concepção de cenários), tipo de iluminação e sonorização. São efectuadas réperages (visitas técnicas a locais onde se pretende filmar, de modo a avaliar as condições técnicas e estéticas do local) e também os castings (escolha de actores, actrizes, intervenientes, apresentadores, etc.). A selecção cuidadosa da equipa técnica é fundamental para o bom andamento dos trabalhos e para a boa colaboração entre todos. A produção é responsável pela constituição da equipa devendo no entanto trabalhar de perto com o realizador de modo a que o êxito do projecto seja alcançado. No caso do realizador ter a seu cargo a produção, deverá obviamente ter a seu cargo esta função. É importante que as funções da equipa de produção, sejam definidas logo de início, dado que serão necessários efectuar telefonemas, enviar faxes, cartas, s, organizar réperages e castings, elaborar orçamentos, mapas de rodagem, folhas de serviço e anotação, aquisição de adereços, enfim, começar a preparar o dossier de produção. Dado que qualquer produção audiovisual se baseia em trabalho de equipa, e todos os elementos estão interligados, torna-se necessário efectuar várias reuniões com as diferentes equipas (produção, realização, câmara, iluminação, som), de modo a acordar e coordenar todos os aspectos relativos ao bom andamento do trabalho durante a fase da produção. Uma vez que os objectivos a alcançar estejam determinados, a equipa formada, os locais definidos e o elenco escolhido, é altura de iniciar os ensaios. Muitas vezes os primeiros ensaios são efectuados longe dos locais de filmagem e em conjunto com membros da produção e realização, resumindo-se à leitura e explicação do guião. É natural que nesta fase se efectuem bastantes mudanças no guião. Em produções de maior envergadura, existem ensaios vestidos (dress rehearsal) em que os actores ou intervenientes ensaiam nos locais definitivos de filmagem, com o figurino apropriado e em que a equipa técnica aproveita para resolver problemas pendentes com a produção.

6 6 Produção Esta é a fase em que são efectuadas as filmagens. Seja um filme ou um programa televisivo, é nesta fase que todos os elementos se juntam e trabalham em prol da obtenção de um produto final de qualidade e segundo os objectivos traçados durante a pré-produção. Com excepção dos programas televisivos transmitidos em directo, todos os projectos audiovisuais são gravados para permitir a sua montagem/edição. É necessário que nesta fase todos os membros da equipa estejam perfeitamente conscientes do trabalho e posição que ocupam, respeitando-se mutuamente e trabalhando como uma máquina bem oleada, de modo a que os timings sejam cumpridos e fazendo tudo para não comprometer o êxito do projecto. O espírito de sacrifício e inter ajuda é com certeza uma mais valia durante qualquer produção. Pós Produção É nesta fase que todo o material filmado é montado e em que o editor dá início a que o conjunto de takes comece a ter um significado, um sentido, uma visão. Para isso, visiona todo o material, decide quais as partes que não interessam, corta-as, e volta a juntar as partes mais interessantes. É com certeza uma fase criativa em que a ultima versão da montagem se torna a ultima versão do guião. Nesta fase é necessário o acompanhamento faseado do produtor e realizador, que ajudarão o editor a manter-se fiel ao objectivo inicial do projecto. A produção deverá fornecer a ficha técnica e artística, logótipos de apoios e patrocínios, agradecimentos, etc., de modo a serem incluídos na finalização do trabalho.

7 7 Os primórdios do Cinema e da Televisão Introdução à história da invenção do cinema e da televisão Indícios históricos e arqueológicos comprovam que é antiga a preocupação do homem com o registro do movimento. O desenho e a pintura foram as primeiras formas de representar os aspectos dinâmicos da vida humana e da natureza, produzindo narrativas através de figuras. O jogo de sombras do teatro de marionetas oriental é considerado um dos mais remotos precursores do cinema. Experiências posteriores como a câmara escura e a lanterna mágica constituem os fundamentos da ciência óptica, que torna possível a realidade cinematográfica. Jogos de sombras Surgiram na China, por volta de a.c. É a projecção, sobre paredes ou telas de linho, de figuras humanas, animais ou objectos recortados e manipulados. O operador narra a acção, quase sempre envolvendo príncipes, guerreiros e dragões. Câmara escura O seu princípio é enunciado por Leonardo da Vinci, no século XV. O invento é desenvolvido pelo físico napolitano Giambattista Della Porta, no século XVI, que projecta uma caixa fechada, com um pequeno orifício coberto por uma lente. Através dele penetram e cruzam-se os raios reflectidos pelos objectos exteriores. A imagem, invertida, inscreve-se na face do fundo, no interior da caixa. Lanterna mágica Criada pelo alemão Athanasius Kirchner, na metade do século XVII. Baseia-se no processo inverso da câmara escura. É composta por uma caixa cilíndrica iluminada a vela, que projecta as imagens desenhadas numa lâmina de vidro. Primeiros aparelhos Para captar e reproduzir a imagem em movimento, são construídos vários aparelhos baseados no fenómeno da persistência retiniana (fracção de segundo em que a imagem permanece na retina), descoberto pelo inglês Peter Mark Roger, em Fig.1 - Interior de Kinetoscopio e Parlor em San Francisco A fotografia, desenvolvida simultaneamente por Louis-Jacques Daguerre e Joseph Nicéphore Niepce, e as pesquisas de captação e análise do movimento representam um avanço decisivo na direcção do cinematógrafo.

8 8 Os irmãos Lumière idealizam o cinematógrafo em O aparelho é movido a manivela e utiliza negativos perfurados, substituindo a acção de várias máquinas fotográficas para registrar o movimento. O cinematógrafo torna possível também, a projecção das imagens para o público. O nome do aparelho passou a identificar, em todas as línguas, a nova arte (cine, cinema, kino etc.) Fig.2 - Cinematógrafo A primeira exibição pública e paga foi efectuada no dia 28 de Dezembro de 1895 no Grand Café de Paris. No entanto, os Lumière já tinham feito uma primeira projecção privada, quando em Junho do mesmo ano tinham brindado os participantes de um congresso de fotografia, com as imagens da sua chegada ao cais de desembarque e com a comunicação de abertura do astrónomo Lagrande. Essa sessão memorável foi, em termos das potencialidades do cinema, mais importante do que a de Dezembro, uma vez que o astrónomo dobrou as suas palavras atrás do ecrã durante a projecção, antecipando o cinema sonoro. Fig.3 - Cinematógrafo (Projecção) Entretanto a televisão dava os seus primeiros passos: Irlanda. Joseph May Descobre o efeito fotoeléctrico: Barras de Selénio expostas à luz do sol apresentam variações de resistência. Variações da intensidade da luz poderão ser transformadas em sinais eléctricos, o que significa que essas transformações podem ser transmitidas. Fig.4 Exposição ao sol de barra de selénio Autor desconhecido

9 Boston, USA. George Carey Propõem um sistema baseado na reprodução simultânea de todos os pontos de uma imagem colocada frente a um painel formado por um grande número de células fotoeléctricas. Esse painel seria ligado por cabos a um segundo painel com exactamente com o mesmo número de células fotoeléctricas ligadas ao primeiro por fios. Fig.5 Reprodução de imagem através de células fotoeléctricas Autor desconhecido Alemanha. Paul Nipkow Desenvolve um revolucionário sistema de varrimento de imagem: um disco rotativo com uma série de buracos distribuídos em espiral e espaçados com a largura da imagem; O feixe de luz atravessando os referidos buracos analisa linha a linha a imagem. Este feixe de luz, cuja intensidade depende dos elementos da imagem é convertido em sinal eléctrico pela célula fotoeléctrica. No receptor um disco idêntico, rodando à mesma velocidade frente a uma lâmpada cujo brilho varia de acordo com o sinal eléctrico recebido, redesenha a imagem. Após uma rotação completa do disco a imagem será varrida totalmente. Se a velocidade de rotação for suficientemente rápida as imagens surgirão reconstituídas como uma unidade. Fig.6 Reprodução de imagem com o disco de Paul Nipkow Autor desconhecido

10 Escócia. A. A. Campbell Swinton Delineou um sistema utilizando tubos de raios catódicos na captura e na recepção. Esta é a primeira proposta completamente electrónica: a imagem é projectada num mosaico fotoeléctrico acoplado a um dos tubos; o feixe de electrões varrendo a placa fotoeléctrica produz o sinal eléctrico que vai controlar a intensidade do outro feixe de electrões que varre o ecrã fluorescente do receptor. Fig.7 Tubo de raios catódicos de Swinton Autor desconhecido Escócia. John Logie Baird Engenheiro electrónico escocês apresenta no seu laboratório em Londres um aparelho com o qual transmite uma cabeça humana: A imagem apresentava 30 linhas e 5 imagens por segundo. Ainda não era a televisão porque o dispositivo estava fisicamente ligado, mas o princípio do varrimento sequencial tinha aqui a aplicação prática. Fig.8 - Baird ao lado do seu transmissor televisivo

11 Rússia. Vladimir Zworykin Inventou o iconoscópio. Trata-se de um tubo de raios catódicos com um mosaico de células fotoeléctricas de partículas metálicas em ambos os lados duma película de mica. Esta primeira câmara electrónica é mais compacta que os sistemas de disco, mais fácil de operar e mais sensível. O feixe de electrões que visita cada elemento do mosaico fotoeléctrico a grande velocidade recolhe de cada célula, a carga acumulada desde a última passagem. Um sistema mecânico assegura que cada célula apenas recebe luz durante o curto período em que se dá o varrimento. Zworykin apresentou o primeiro protótipo num encontro de engenheiros em Nova York em O iconoscópio foi produzido em 1933 pela RCA. A imagem tinha 120 linhas e uma frequência de 1/24. Fig.9 Diagrama patenteado do Iconoscópio de Zworykin Março Começa o serviço de televisão em Berlim (180 linhas/25 imagens por segundo). As imagens foram produzidas em filme e transferidas para um disco rotativo (análise mecânica). Novembro Primeira emissão em Paris (180 linhas/25 imagens por segundo). Ainda por análise mecânica 1936 As primeiras câmaras electrónicas são construídas para os Jogos Olímpicos de Berlim

12 A BBC transmite a cerimónia da coroação de Jorge VI Inaugurado o primeiro serviço público nos EUA de televisão com um sistema de 340 linhas e 30 imagens por segundo Os Estados Unidos adaptam o sistema de 525 linhas e 60 imagens por segundo linhas em Inglaterra, 441 linhas na Alemanha e Itália, 455 linhas em França Um standard único é proposto e aceite para toda a Europa (625 linhas, 50 imagens/seg.) 1954 Televisão a cores nos EUA (NTSC) Televisão a cores na Europa (PAL/SECAM) Fig.10 Vários televisores anteriores a 1935 e capas de revista da época

13 13 Linguagem Estética Enquadramento e composição Todos os dias assistimos a documentos utilizando a linguagem audiovisual. Graças à televisão, existe já um compromisso entre o emissor e o receptor em que este entende a mensagem, conhece os códigos, mas não os identifica. A comunicação só é possível no sentido emissor receptor. Estamos habituados a assistir a óptimos documentos audiovisuais, produzidos numa linguagem clara e acessível à maioria dos receptores; estamos também aptos, em grande maioria, a criticar, e a avaliar; contudo, com uma câmara nas mãos, os resultados nem sempre são os idealizados Não nos podemos esquecer que o cinema é o meio de referência para o meio audiovisual. Enquadramento Trata-se de definir o que a câmara (objectiva) vai enquadrar. A composição (posição ou importância dos elementos no enquadramento) faz-se à posteriori. Após a escolha do enquadramento e da interpretação biunívoca do diálogo por ele proporcionado, apresenta-se-nos a velha questão; a diferença de ver e/ou observar. Perante esta questão, somos conduzidos a uma verdadeira análise do assunto a registar, para depois seleccionarmos aquilo que nos interessa, com a profundidade que nos convém. Corresponde na prática ao olhar generalista de uma montra, para depois nos determos em determinados artigos que nos interessam e a partir daí, à sua análise em profundidade. Os nossos olhos fazem naturalmente essa selecção, pelo visor da câmara de duas maneiras: - Aproximando ou afastando a câmara do assunto a registar. - Operando o comando do zoom, até obtermos a imagem pretendida. Assim, após o enquadramento e a selecção daquilo que nos interessa, obtemos uma imagem perfeitamente delimitada, o plano, que é o mais importante elemento da linguagem de expressão audiovisual.

14 14 Planificação A escala de planos é definida pela figura humana, e a forma como é apresentada. Muito Grande Plano MGP É o enquadramento que mostra parte do rosto, normalmente a mais expressiva, como é o caso dos olhos e da boca. Fig.11 Muito Grande Plano em The Incredible Hulk Destina-se a caracterizar o estado de espírito da personagem, ao circunscrever-se a determinada área muito restrita e ao ampliar essa imagem dá-se-lhe um peso muito grande. Pode-se definir como adjectivante. Grande Plano GP É o plano que se obtém quando o enquadramento é obtido um pouco abaixo do pescoço e um pouco acima do limite superior da cabeça. Fig.12 Grande Plano em Citizen Kane

15 15 Este plano é o retrato tipo passe do nosso protagonista. Serve para o identificar, e também para manter um diálogo de grande intensidade dramática. Será um plano do tipo substantivo próprio, de grande intensidade e preponderância relativamente a outros planos, com ângulos de abertura mais elevados. Num nível secundário assume ainda um papel adjectivante, tal como o Muito Grande Plano, dado que caracteriza bem a expressão e o rosto do modelo, embora com um peso muito inferior. Em termos de área, determina a preponderância da figura humana, relativamente ao fundo, acentuando também o carácter gramatical do sujeito. Plano Próximo ou Aproximado de Peito PP Obtém-se, enquadrando desde a cabeça até um pouco abaixo do peito. Fig.13 Plano Aproximado de Peito em Young Northern Cheyenne Man Assume ainda um papel de substantivo e de sujeito mas, com um peso muito menor. Utiliza-se para manter uma entrevista por exemplo, sendo também útil na montagem, permitindo facilmente transições para planos mais ou menos apertados. O papel dominante, em termos de área, é ainda assumido pela figura humana, pelo que continua a ser determinante como sujeito.

16 16 Plano Médio PM O plano médio é obtido pelo enquadramento desde a cabeça até à cintura. Fig.14 Plano Médio em Psycho Neste tipo de enquadramento, torna-se possível à personagem se estiver sentada, mostrar as mãos. Daí que possamos introduzir a noção gramatical de verbo ou predicado, pois com as mãos produzem-se a maior parte das acções. Convém salientar que a introdução desta ou outra valência gramatical em qualquer plano, não pode ser, nem nunca será abrupta; antes pelo contrário, o seu valor terá uma intensidade crescente, até atingir o máximo da expressão e, depois decrescerá até à sua expressão mínima. No Plano Médio verificamos que a sua principal valência é como plano verbal / predicado, e daí a sua vocação para a acção. Inversamente a vertente adjectivante é quase nula, o enquadramento já é bastante aberto, reduzindo substancialmente a personagem relativamente à escala real. As feições tornam-se imperceptíveis mas ainda o podemos considerar um plano substantivo/sujeito, que pode ser utilizado numa entrevista em que se mostram simultaneamente os dois interlocutores. Pela primeira vez deparamos com um plano onde é possível enquadrar duas personagens de forma a não saturar a área do ecrã disponível, tornando-se assim possível manter o mesmo plano para dois personagens.

17 17 Plano Americano PA É o resultado do enquadramento desde a cabeça até ao joelho exclusive. Fig.15 Plano Americano Este plano surgiu devido à necessidade de mostrar nas personagens dos westerns, as pistolas. A sua função no discurso vídeo é quase sempre um prolongamento do plano médio, pela necessidade de abrir um pouco mais, e a sua valência está na variável verbal/predicado, e na variável complemento, o que pressupõe uma utilização onde seja notória uma acção e a sua consequência, um acto produzido num determinado local, um enquadramento com várias pessoas, etc. Plano Geral PG) É o enquadramento da cabeça aos pés. Fig.16 Plano Geral em She Wore a Yellow Ribbon

18 18 É um tipo de enquadramento que reduz muito a nossa personagem, e apenas o identificamos pela cor do vestuário, tipo de penteado ou tom de pele. No entanto, as acções produzidas por ele, tem força e acima de tudo tem mais força o que ele faz, onde está e com quem está. Retrata as pessoas por inteiro. A figura humana aparece de cima a baixo no enquadramento. É o plano ideal para descrever acções físicas Plano Muito Geral PMG É o enquadramento que mostra o protagonista e o contexto em que está inserido. Fig.17 Plano Muito Geral em She Wore a Yellow Ribbon Praticamente, neste enquadramento a personagem já não se distingue, sabe-se que ela está lá mas, apenas porque há uma mancha com forma humana, o que verdadeiramente interessa é o contexto onde decorre a acção. Plano Pormenor Pp O plano de pormenor é o resultado e enquadramentos feitos a partes de objectos, coisas ou animais. Fig.18 Plano Pormenor Autor desconhecido Este tipo de plano pressupõe uma infinidade de enquadramentos, tal como existe uma infinidade de coisas, objectos, animais e ainda parte deles a destacar.

19 19 Para destacar um plano de pormenor, teremos que acrescentar sempre algo mais que o possa definir minimamente, de forma a contextualizar. Pode-se caracterizar uma sequência de planos graficamente, traduzindo a variação de intensidade das várias funções gramaticais por curvas: Intensidade máxima MGP GP PP PM PA PG PMG Curva substantivante/sujeito Curva adjectivante/atributo Curva verbal/predicado Curva complemento Fig.19 Caracterização gráfica dos planos vs. função gramatical Renato Coutinho

20 20 Movimentos de câmara Os movimentos de câmara permitem acompanhar um movimento com a câmara fixa, ou ainda acompanhar um movimento mantendo sempre o mesmo enquadramento, o que só será possível movendo a câmara. Panorâmicas As panorâmicas são movimentos da câmara em que esta se conserva fixa no tripé, ou no ombro do operador, deslocando-se segundo um eixo que pode ser vertical ou horizontal. Em qualquer destas situações o seu movimento deverá ser uniforme, e a uma velocidade tal que permita uma leitura do plano nesse movimento, caso contrário corre-se o risco de ter outra interpretação diferente. Este movimento é usado essencialmente em duas situações: - Panorâmica descritiva - Panorâmica de acompanhamento Travelling Enquanto as panorâmicas são movimentos de fácil execução, o travelling, para ser bem executado, implica o deslocamento do conjunto; câmara, tripé e operador. Normalmente é utilizado um carrinho que se desloca sobre carris (dolly), para poder manter uma velocidade uniforme e um movimento regular. Pode ser efectuado para a direita, esquerda, frente e trás. Nestes últimos casos, a aproximação ou afastamento da câmara, permite manter a distância focal da objectiva variando o enquadramento. O Travelling, à semelhança da Panorâmica também é descritivo ou de acompanhamento.

21 21 Regras Os planos devem ser vistos como fragmentos de uma única continuidade que facilite ao público a compreensão da solução fundamental de uma cena e lhe dê a possibilidade de relacioná-la com as estruturas significantes apresentadas noutras. É nesta continuidade que reside a força da estrutura geral do filme. Regra dos 180º ou da linha de ombros Trata-se de uma regra simples, que se não for cumprida, provocará confusão por parte do espectador. A câmara não poderá saltar o eixo dos 180º, isto é, se o fizer estaremos a mostrar a mesma situação mas invertida. Fig.20 Regra dos 180º "Grammar of the shot", Roy Thompson (Focal Press) Imaginemos um campo de futebol onde jogam duas equipas, uma de azul a outra de vermelho. Se subitamente, a câmara mostra um plano do lado contrário do campo, ficaremos com a sensação de que os jogadores inverteram o sentido em que jogam. Regra dos 30º Quando utilizamos uma sequencia de planos sobre o mesmo assunto, a passagem entre esses planos deve fazer-se tendo em conta que o ângulo entre esses enquadramentos deverá ser, de pelo menos 30º. Fig.21 Regra dos 30º "Grammar of the shot", Roy Thompson (Focal Press)

22 22 Regra dos terços Embora possa parecer descabido o recurso a regras numa matéria em que predominam a sensibilidade, criatividade, formação e técnica, torna-se necessário e difícil quantificar estes factores. Esta não tem nada de rigor matemático, sendo apenas o resultado médio de opiniões de várias pessoas ligadas a este tipo de questões, e como valor médio que se assume, será portanto flexível. Fig.22 Regra dos terços Renato Coutinho A regra dos terços é a utilização dos pontos e das linhas quando dividimos o nosso ecrã em 3 partes horizontais e verticais, definindo-os como pontos notáveis e linhas de força, e ainda como delimitação de áreas de influência. Os pontos definem o centro médio de elementos da imagem, as linhas verticais, os eixos médios de implantação de personagens, ou elementos de imagem mais destacados ou mais valorizados. As linhas horizontais funcionam como vectores definidores da acção produzida pelas personagens, e como delimitadoras de superfícies, valorizando assim numa imagem, determinada área. Ângulos de câmara Ponto de vista normal Sendo o menos dramático dos ângulos de câmara para enquadrar uma personagem, determina que o resultado obtido seja puramente estático. A distorção vertical é mínima e as linhas verticais do assunto apresentar-se-ão na imagem como tal. A altura da câmara corresponderá à direcção do olhar do actor, estando alinhada com o eixo da personagem ou fulcro da acção. Plano Picado Este plano enquadra uma personagem vista de cima e pretende diminuir a sua força ou importância fazendo-a parecer débil ou vulnerável. Plano Contra-picado Sendo a câmara colocada a um nível mais baixo que o que contém a direcção normal do olhar de uma personagem, de forma a captar o objecto que está a ser filmado de baixo para cima. Este efeito provocará, consequentemente, o aumento de estatura e importância da personagem, de forma a colocá-lo numa posição dominante.

23 23 Inclinação da câmara segundo o eixo horizontal O efeito que se consegue mediante a inclinação da câmara segundo o eixo horizontal é o de criar uma imagem em diagonal sobre o ecrã. Essa diagonal pode ser utilizada quer o plano seja em picado quer em contra-picado. Utiliza-se em cenas de violência ou de acção. Um plano inclinado da cabeça de um homem precedido de um plano normal poderá indicar uma súbita mudança no estado de espírito da personagem.

24 24 Guiões Guião é a forma escrita de qualquer espectáculo audiovisual. É esta forma escrita que nos vai guiar na produção de um espectáculo, seja ele de teatro, cinema, televisão, rádio, etc. O Logos, o Pathos e o Ethos. Logos: É a palavra, o discurso. É a organização verbal de um guião. Ou seja: a sua estrutura geral. Pathos: É a acção. O drama humano, a vida, os acontecimentos do dia a dia que, por sua vez, geram outros acontecimentos. Numa palavra: é a alma de um guião. Ethos: É a ética e a moral. É o significado da história que queremos contar com as suas implicações morais e políticas. É o conteúdo do trabalho e o que se quer dizer com ele. No guião, até chegarmos à sua forma final, temos de percorrer algumas etapas. São elas: A ideia; A story line; A sinopse (argumento); A estrutura; E o 1º tratamento. 1ª Etapa Ideia: A ideia é um processo mental oriundo da imaginação. Intimamente ligadas às ideias surgem a criatividade, que é o encadeamento lógico das ideias, e a originalidade, que é o que faz com que um texto seja diferente de outro. É o estilo pessoal de um indivíduo. Se repararmos bem, os dramas e as comédias contam sempre, basicamente, a mesma velha história do homem e dos seus conflitos. A diferença está em como determinado artista conta essa mesma velha história. Tudo parte sempre de uma ideia mas, as ideias não surgem do nada. Existem, pelo menos, seis campos onde, provavelmente, encontraremos uma ideia: Ideia seleccionada; Ideia verbalizada; Ideia lida; Ideia transformada; Ideia solicitada; Ideia pesquisada. Ideia Seleccionada: Este tipo de ideia surge da nossa memória ou vivência pessoal, como naqueles momentos em que sonhamos acordados. É de natureza absolutamente pessoal. Surge de dentro dos nossos pensamentos, do nosso passado recente ou remoto. Uma ideia seleccionada não depende de outra pessoa ou de factores externos. Ideia Verbalizada: É a que surge a partir do que alguém nos conta; um caso, um comentário, um bocado de uma história que ouvimos no autocarro, etc. É uma ideia que nasce de algo que ouvimos.

25 25 Ideia lida: É aquela ideia que surge quando estamos a ler um jornal, uma revista, um livro, etc. Ideia Transformada: É aquela que nasce de uma ficção, de um filme ou de uma peça de teatro que depois transformamos e adaptamos. É importante marcar a diferença entre ideia transformada e plágio. Plágio é a transcrição ipsis literis, isto é, à letra, de partes de uma obra, enquanto que ideia transformada é o usar a mesma ideia de uma outra forma. Ideia Solicitada: É aquela que nasce por encomenda. Um produtor encomenda-nos um Guião sobre os castelos de Sintra, ou sobre um problema educativo e, a partir daí, pensamos sobre o assunto. Ideia Pesquisada: Uma ideia pesquisada é aquela em que usamos a pesquisa para saber qual o tipo de filme que está a faltar no mercado. Podemos chegar à conclusão que, por exemplo, não existe em Portugal nenhum filme de época ou de aventuras, ou sobre as migrações para o Alentejo na época das culturas. A ideia pesquisada é aquela que ocupa um vazio de mercado. 2ª Etapa Story line: Traduzido à letra seria "a história numa linha". Como deve ter, no máximo, cinco linhas, deduz-se que é a síntese da história, logo, tem que abranger tudo o que a história normalmente conteria, isto é: A apresentação do conflito; O desenvolvimento do conflito; A solução do conflito. Estes três actos são chamados pelo dramaturgo Ben Brady "os três momentos de uma story line": Alguma coisa acontece; Alguma coisa precisa de ser feita; Alguma coisa é feita. 3ª Etapa Sinopse: A sinopse - do grego Synopsis, que quer dizer: vista de conjunto, ou o Argumento, do Latim Argumentu(m) e que quer dizer: justificativa, é o resumo de uma história ou uma narração breve. Logo, devem conter algumas informações que são: Temporalidade; Localização; Percurso da acção; Perfil da personagem. Temporalidade: Informar a data em que a história começa e também o seu desenrolar através dos dias / meses / anos / décadas / séculos, etc. Enfim, a quantidade de tempo que a história abrange.

26 26 Localização: Em que local ou locais se passa a história? Em Lisboa? Em Marte? Num quarto? Devemos também informar quais as características do local e o que acontece, fora do vulgar, nesse local. Percurso da Acção: É o conjunto de acontecimentos, ligados entre si por conflitos, que vão sendo solucionados através de uma história, até ao desfecho final, perfazendo assim o percurso da acção dramática. É, em essência, a história que queremos contar. A storyline desenvolvida. Perfil do personagem: O personagem (protagonista) é a base do núcleo dramático principal. É o "herói" da história. Pode ser uma pessoa, um grupo de pessoas ou qualquer coisa que tenha condições de acção ou expressão. A cadela Lassie é o exemplo de um protagonista não humano. Na construção de um drama básico há que percorrer três etapas e que desde a antiga Grécia são designados por Actos: 1º Acto - Apresentação do problema; 2º Acto - Escolha e desenvolvimento do caminho; 3º Acto - Solução do problema, desfecho. 4ª Etapa Estrutura: A quarta etapa na construção de um Guião é a Estrutura, isto é, a fragmentação da Sinopse em cenas e a sua subsequente montagem dentro de um percurso. A estrutura é a parte de engenharia de um guião. Para facilitar a compreensão, vamos pensar em termos de blocos de cenas e a sequência em que serão montados. Assim teremos: Sinopse (Argumento): um só corpo Estrutura: divisão deste corpo sólido em blocos (Cenas) e a sua montagem numa sequência escolhida pelo autor, de modo a obter o maior nível de tensão dramática, tal como acontece na banda desenhada. Um bom guionista revela-se na maneira como monta os seus blocos. Como já foi dito não existem histórias novas. Onde se inova é na forma de contar uma velha história. Ainda não se inventou uma fórmula que garanta uma estrutura perfeita mas, como a função de um guionista é a de emocionar o público e de manter a sua atenção durante todo o filme, torna-se necessário que ele invente novas maneiras de contar a mesma velha história. Neste fraccionamento da sinopse temos de ter em conta a macro estrutura e a micro estrutura. A macro estrutura refere-se à organização da estrutura na sua forma geral, isto é, à ordenação das cenas dentro da Estrutura.

27 27 Vejamos, uma estrutura clássica: O videograma começa com a apresentação de um problema; depois surge uma complicação; com o desenvolvimento dessa complicação o conflito começa a surgir; com a tensão dramática do conflito aparece a crise que se vai adensando até se atingir o climax da história e, no final, vem a resolução ou epílogo. Fig.24 Diagrama de estrutura clássica Renato Coutinho Se observarmos o diagrama desta estrutura clássica vemos que a história está construída por forma a mostrar um crescendo emocional mas este é apenas um exemplo porque outras estruturas podem ser construídas. Há, no entanto, um aspecto extremamente importante, que se chama curva de suspense, e que vai desde o ponto onde o conflito começa a aparecer, até ao ponto onde surge a crise. É aqui que os problemas e conflitos se concentram numa espécie de " beco sem saída", e que impulsionam a história e os personagens para o momento de crise. Chamo a atenção para o desenvolvimento desta curva porque a intensidade com que a crise eclodirá vai depender da tensão acumulada nesta curva. A microestrutura refere-se à ordenação e composição de cada cena. Mas, o que é uma cena? O conceito de cena tem variado ao longo dos tempos e de cultura para a cultura. Para os ingleses a cena é uma secção contínua da acção dentro de uma mesma localização. Os franceses dizem que cena é uma porção do drama, na qual a composição do personagem não se altera. De acordo com esta definição, quando o personagem principal sai de cena considera-se que a cena terminou, mesmo que outros personagens ainda estejam em cena, ou que entrem em cena. Actualmente, no cinema e na televisão usa-se o conceito de cena inglesa, isto é, uma cena é definida pela sua localização no espaço. No entanto, entre o cinema e a televisão ainda existem algumas diferenças. O cinema utiliza a sequência. Por exemplo: Local Escola em Lisboa Sequência Recreio Sala de aula Secretaria Refeitório

28 28 Para a televisão, uma cena é determinada pelo local exacto. Por exemplo: Local Escola em Lisboa Cena 1 Recreio Cena 2 Sala de aula Cena 3 Secretaria Cena 4 Refeitório Assim, podemos observar que sequência e cena são conceitos puramente geográficos. Quando se escreve um guião para televisão escreve-se em cenas. Mas, voltando à miscroestrutura e à composição e ordenação de cada cena: Onde é que começa a Cena? É na sala? É na porta de casa? Está algum personagem presente? O que é que ele faz? Sai de casa? Vai à bandeja e serve-se de um copo de Whisky? O Primeiro Tratamento é escrito a partir do conceito de que a cena é a unidade dramática de um guião. Portanto, quando falamos em primeiro tratamento estamos a falar, basicamente, de cena. Como o 1º tratamento é um instrumento de trabalho, isto é, um texto que coloca o autor em contacto com todos os profissionais da equipa, ele deve de ser o mais claro possível, e também o mais resumido. Só as informações consideradas essenciais é que devem ser indicadas no texto. Chegou à altura de falar na lauda padrão. O que é uma lauda padrão? É uma folha de papel dividida ao meio e na qual definimos dois campos. Na parte da esquerda definimos tudo o que diz respeito à imagem e na parte da direita definimos tudo o que diz respeito ao som. Assim, teremos à esquerda: 1º - O número da cena; 2º - A identificação da cena (interior/exterior, local, dia/ noite); 3º - Descrição sumária da acção (conduta do personagem, aparência); 4º - Indicação do ambiente geral da cena (por exemplo: cena de aula muito alegre - os alunos estão satisfeitos); 5º - Alguma indicação quanto ao tipo de planos (se for mesmo importante) que o guionista gostava que o realizador fizesse. Não compete ao guionista definir o tipo de enquadramentos e movimentos de câmara necessários para cada acção. Esse é um trabalho específico do guião técnico e que é da inteira responsabilidade do realizador. No entanto o guionista (que escreve o guião literário) deve dar instruções precisas ao realizador de como quer que a acção se desenvolva. Para isso deve dar algumas "achegas" quanto à forma e ambiência das cenas.

29 29 Normalmente nesta fase os diálogos ainda não estão completamente definidos. Nas escolas americanas, nomeadamente nas de Hollywood, é nesta altura que começa a trabalhar o dialoguista, isto é um especialista em diálogos que, de acordo com o guionista, (cujo trabalho se chama scren play), começa a definir o tipo de linguagem que os diversos intervenientes vão ter. À direita teremos: 1º - Música; 2º - Ruídos; 3º - Diálogos (Nome dos personagens e a indicação de atitude de interpretação durante a fala). Em televisão o comportamento geral dos personagens e a sua interpretação durante os diálogos são orientados pelo director geral de actores. No cinema este papel cabe, quase exclusivamente, ao realizador. Elaboração do Guião Sinopse (5 páginas) Trata-se de um breve resumo do assunto, o qual pode ser de grande utilidade quando se pretende vender a ideia a executivos ocupadíssimos. Alguns autores encontraram uma certa dificuldade em tentar resumir aquilo que não foi escrito na sua totalidade. Quando se trata de um guião adaptado de um romance ou de uma obra teatral, esta sinopse desempenha uma útil tarefa para o realizador cinematográfico, pois especifica uma linha selectiva da continuidade. Guião literário (50 páginas) Trata-se de uma exposição mais vasta do tema. Semelhante à forma de narrar um pequeno conto. Quando for necessário o dialogo para que progrida o entrecho ou para dar a conhecer facetas de uma determinada personagem, o texto é mencionado entre aspas, como na literatura e não se separa, como acontece na peça de teatro ou no guião cinematográfico. Sequência (30 páginas) Trata-se de fazer uma lista de cenas que hão-de compor o filme, acompanhada de uma descrição sumária da acção que se vai desenvolver, prescindindo do diálogo ou de qualquer forma de embelezamento, tendo como objectivo descobrir, criar ou obter uma ideia aproximada do que vão ser os efeitos visuais produzidos ao longo do trabalho, mais do que os literários. Sequência literária (100 páginas) Trata-se de uma exposição ainda mais completa do que a traçada no guião literário e que se desenvolve geralmente depois da sequencia. Algumas vezes estas duas fases estão amalgamadas. Como alternativa, é provável que faça simplesmente parte do processo pelo qual se passa da sequência à sequência dialogada. Sequência dialogada (180 páginas) Conterá excessivo diálogo, muita descrição e um grande número de repetições, a grande maioria das quais servirão apenas como indicações ou sugestões para o realizador, e nunca como partes do guião definitivo. O desenvolvimento posterior será extraído ou moldado a partir do material que venha a obter-se nesta etapa.

30 30 Guião por cenas ou por sequência (170 páginas) Consiste basicamente em converter a sequência dialogada em algo bastante semelhante à versão poli copiada. As cenas principais são unidades de acção que se bastam a si próprias, um pouco como nas cenas de Shakespeare, mas, quanto à duração, esta poderá abranger um par de segundos, 10 minutos, ou ainda mais. Planificação (150 páginas) A planificação dependerá exclusivamente do método de trabalho do Realizador. É provável que alguns comecem por dividir cada cena em todos os planos concebíveis e chegar desta forma à primeira tentativa do plano de montagem. Outros, simplesmente, dedicam-se a requintar e aperfeiçoar uma e outra vez o guião por cenas ou sequências, sem o dividir em planos. Esta planificação ou esboço é mais propriamente um processo do que uma fase definitiva da planificação. Não será mais que uma espécie de cópia de montagem em papel, comparável a um primeira montagem ou mesmo montagem final. Guião técnico ou planificação técnica (120 páginas) O ideal seria que este guião definitivo da filmagem fosse a versão poli copiada para a totalidade do filme e que fosse ampliado através de séries de desenhos de referência de forma contínua (storyboard) definindo a composição de cada plano. Montagem Basicamente existem três tipos de Edição: Edição continuada (Continuity cutting) Edição relacional (Relational cutting) Edição dinâmica (Dynamic cutting) Edição continuada: Na edição de um videograma de alguma complexidade, o editor pode dispor de tempo para pensar e seleccionar as melhores imagens, o seu ritmo, a sua ordem e os seus pontos de edição. Mas, numa produção televisiva, tempo é coisa que não existe. Na maior parte das produções televisivas a edição é simplista, servindo apenas propósitos práticos para inter-relacionar pontos de vista, criar uma sensação de continuidade e ordem e interligar o diálogo com a acção. Na melhor das hipóteses, esta técnica serve para criar uma narrativa directa, clara, fluida e sem transições bruscas. Na pior das hipóteses a Edição Continuada torna-se um trabalho puramente de rotina. Este tipo de edição utiliza-se sobretudo na montagem de peças de reportagem, nas quais não se exige ao espectador um esforço para relacionar directamente acções que tiveram lugar em tempos e lugar diferentes. Edição relacional: Neste tipo de edição, utilizando planos intercalados, que não têm na realidade nenhuma relação, estabelece-se, propositadamente, uma relação implícita entre eles. Por exemplo: Imagem de um avião em pleno voo. Corte para o piloto a comandá-lo. Na realidade o avião era uma maqueta e o cockpit um cenário montado em estúdio. Na montagem paralela (acções paralelas) podemos intercalar, repetida e rapidamente, planos feitos em localidades diferentes e com dois grupos de actores também diferentes, para provocar uma maior tensão dramática, como por exemplo, no caso das perseguições policiais aos fugitivos. Na montagem cruzada podemos intercalar diversos planos do mesmo assunto, feitos de ângulos muito diferentes,

31 31 correspondentes a outras tantas perspectivas, para criar uma maior variedade visual. Sempre que juntamos dois planos, por corte, estamos imediatamente a estabelecer uma relação entre eles. Esta relação é simultaneamente física e intelectual. Física, porque os olhos do espectador começam a habituar-se às mudanças e a ter um interesse crescente pelas imagens que se seguem. Intelectual, porque o espectador tem que interpretar a nova imagem (onde estamos agora? o que é isto? o que é que se está a passar?). Estas respostas estão, como é óbvio, interligadas. A Edição Relacional utiliza-se, sobretudo, em trabalhos de ficção. Edição dinâmica: Uma sofisticada utilização de planos intercalados pode criar ênfases dramáticos, transmitir estados de espírito ou ideias abstractas que não seriam facilmente possíveis de uma forma directa, porque as ideias, em si, podem não estar implícitas nos planos, sendo por vezes necessário interpretar as relações de causa/efeito. Exemplo: Plano de um vidro de uma janela partido. Corte para uma criança a chorar. Foi uma bola perdida? A criança foi castigada? Este tipo de edição é utilizado em publicidade, ou em clips musicais, onde se tem de contar uma história em poucos segundos.

32 32 Linguagem Técnica Cadeia audiovisual Captura Câmaras Microfones Gravação Magnética Digital Tratamento Edição linear Edição não linear Composição e efeitos Difusão Sistemas Televisivos Televisão digital Televisão interactiva Sala de Cinema Recepção Raios catódicos Ecrã plasma Ecrã em Cinema Percurso da luz no audiovisual Iniciamos aqui o estudo da luz no meio audiovisual, visto ser este o elemento técnico mais importante a ser considerado durante o percurso que efectua na cadeia audiovisual. O globo ocular é uma esfera com cerca de 2,5 cm de diâmetro. Quando olhamos na direcção de algum objecto, a imagem atravessa primeiramente a córnea, passa pela íris que regula a quantidade de luz recebida por meio de uma abertura chamada pupila. Passada a pupila, a imagem atravessa o cristalino e é focada sobre a retina de modo invertido sendo o cérebro o responsável de a converter para a posição original. Na retina, mais de cem milhões de células foto receptoras transformam as ondas luminosas em impulsos electroquímicos, que são descodificados na parte posterior do cérebro, onde está localizado o córtex visual primário. Fig.25 - O olho humano e a câmara fotográfica Essas células foto receptoras podem ser classificadas em dois grupos: os cones e os bastonetes. Os bastonetes são os mais exigidos à noite, pois requerem pouca luz para funcionar, mas não conseguem distinguir cores. As células responsáveis pela visão das cores são os cones: uns são sensíveis ao azul, outros ao vermelho e outros ao verde. O mais surpreendente é que a estimulação combinada desses três grupos de cones é capaz de produzir toda a extensa gama de cores visível pelo ser humano.

33 33 Fig.26 Representação gráfica do espectro electromagnético, temperaturas, e comprimentos de onda. Fenómeno da persistência retiniana Entende-se a persistência retiniana como a capacidade que o olho humano tem para reter uma imagem durante um determinado período de tempo após esta ter sido retirada do seu campo de visão. Fig.27 Globo ocular Por exemplo, quando olhamos para uma cadeira e de seguida olhamos para outro lado ou fechamos os olhos, continuamos, por momentos, a ser capazes de visualizar essa mesma cadeira, ou seja, mesmo depois de desaparecer o estímulo físico, neste caso a cadeira, permanece a sensação de o termos visualizado. O olho humano precisa de 15 imagens por segundo para se aperceber de uma imagem em movimento.

34 34 Taxa de Quadros Quando se mostra uma sequência de imagens ao olho humano se a velocidade da sequência for suficientemente rápida temos a sensação de movimento. Este princípio é a base do cinema e do vídeo. O número de imagens (quadros) mostradas por segundo é chamada taxa de quadros (frame rate) que é representada por fps frames por segundo. Princípios de Cor no Audiovisual Em 1669, Sir Isaac Newton foi o primeiro homem a observar o fenómeno da luz do Sol a passar através de um prisma. Esta e outras observações posteriores conduziram à noção de que a luz é uma das formas de radiação electromagnética. Fig.28 Luz branca refractada por um prisma A luz é uma fatia estreita no meio de uma vasta escala de frequências que possuem uma energia dupla chamada electromagnetismo ou energia electromagnética. Os campos de energia electromagnética são representados sob a forma de ondas, com o campo eléctrico e o campo magnético aumentando e diminuindo. A cor de um objecto é a percepção humana da cor da luz emitida ou reflectida pelo objecto. Iluminado por luz branca (luz do sol), um objecto amarelo absorve todas as cores e reflecte somente o amarelo. Objectos que reflectem todas as cores são brancos. Objectos que absorvem todas as cores são pretos. O conhecimento das características físicas das cores ajuda na prevenção de problemas com a produção. Este tipo de conhecimento é útil no cumprimento de diversas funções, desde o equilíbrio de cor da câmara, na pós-produção e até na selecção das cores do guarda-roupa. A televisão é baseada no princípio físico da adição de cores. Este princípio é essencialmente oposto ao processo de subtracção de cores, que é mais conhecido (e determina a mistura de tintas e pigmentos). As cores diferentes são apenas frequências diferentes! O vermelho é a frequência visível mais baixa, o violeta a mais elevada. Uma mistura igual de luz com todas as cores dá origem ao branco. A ausência de todas as cores é, naturalmente, preto.

35 35 Em gráficos de computador, na fotografia e na televisão, usamos um sistema diferente de cor. Somos confrontados com fontes de luz, e não objectos absorventes de luz. Quando trabalhamos com fontes de luz (projectores), adicionamos cores para obter outras cores. Por exemplo, podemos adicionar quantidades iguais de luz vermelha e de luz azul para obter magenta. A isto chamamos o sistema aditivo da cor. As cores primárias são vermelho, verde e azul. Cores primárias e secundárias Os nomes oficiais da cor no sistema aditivo de cor do RGB usado em vídeo e gráficos de computador são: Primárias ou aditivas: Vermelho, Verde, Azul Secundárias ou subtractivas: Azul ciano, Magenta, Amarelo Mistura Aditiva da Cor Vermelho + Verde= Amarelo Vermelho + Azul= Magenta Azul + Verde= Azul Ciano Vermelho+Azul+Verde = Branco RGB = Red Green Blue Fig.29 Cores primárias (RGB) Renato Coutinho Em resumo, o processo de cor em vídeo é baseado no processo de separação na câmara vídeo e combinação num receptor de TV das cores vermelho, azul e verde. Cores secundárias ou subtractivas A cor de um objecto é determinada pela cor da luz que ele absorve e da cor da luz que ele reflecte. Quando uma luz de cor branca atinge um objecto vermelho, o objecto aparece vermelho porque ele subtrai (absorve) todas as cores excepto a vermelha, que ele reflecte. Quando misturamos os pigmentos cores primárias subtractivas - magenta, azul ciano e amarelo, o resultado é preto. Toda a cor é essencialmente absorvida. Fig.30 Cores secundarias (CMY) Renato Coutinho Quando um filtro colorido é colocado à frente da lente da câmara ou duma lâmpada, o mesmo tipo de subtracção de cor acontece. Por exemplo, um filtro 100% vermelho colocado à frente da lente duma câmara absorve todas as cores de luz excepto o vermelho.

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL

WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL WORKSHOP DE EXPRESSÃO AUDIOVISUAL PROGRAMA Tronco Comum SESSÃO 1 Apresentação do Workshop e Introdução à Linguagem Audiovisual 3 horas Apresentação dos intervenientes (formador e formandos). Apresentação

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

Luz e Cor. Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Luz e Cor Sistemas Gráficos/ Computação Gráfica e Interfaces 1 Luz Cromática Em termos perceptivos avaliamos a luz cromática pelas seguintes quantidades: 1. Matiz (Hue): distingue entre as várias cores

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais:

MÓDULO 9. A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: A COR DE UM CORPO MÓDULO 9 A luz branca, que é a luz emitida pelo Sol, pode ser decomposta em sete cores principais: luz branca vermelho alaranjado amarelo verde azul anil violeta A cor que um corpo iluminado

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014. Curso Profissional de Técnico de Multimédia. Planificação ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO Ano lec.2013-2014 Curso Profissional Técnico Multimédia Planificação Disciplina: Design, Comunicação e Audiovisuais Ano: 11º Conteúdos Objetivos Estratégias/Atividas

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544

Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 Eclipse solar observado em Lovania através de uma câmara escura, 1544 2 A luz entrava na câmara através de uma pequena abertura (pinhole ou buraco de agulha) projectando a imagem na parede oposta. 3 No

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA Comunicação da informação a curta distância FQA Unidade 2 - FÍSICA Meios de comunicação É possível imaginar como seria o nosso mundo sem os meios de comunicação de que dispomos? Os * * * * Aparelhos de

Leia mais

ANIMAÇÃO DE IMAGENS. Como dar vida às ideias.

ANIMAÇÃO DE IMAGENS. Como dar vida às ideias. ANIMAÇÃO DE IMAGENS Como dar vida às ideias. O que se entende por Cinema Cinema, abreviação de cinematógrafo, é a técnica de projetar fotogramas de forma rápida e sucessiva (24 fotogramas por segundo)

Leia mais

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela.

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela. Introdução: Com este trabalho experimental pretende-se observar o comportamento de feixes ao atravessar lentes e, ao mesmo tempo, verificar o comportamento dos feixes ao incidir em espelhos. Os conceitos

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS

TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS Saída Profissional 03.01 TÉCNICO DE ARTES GRÁFICAS O Técnico de Artes Gráficas é um profissional qualificado, conhecedor do fluxo de produção gráfica, e apto para o exercício de profissões ligadas à composição,

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

Canal 2. Justificativa

Canal 2. Justificativa Índice Canal 1 - Justificativa do Livro...2 Canal 2 - Como Tudo Começou?...4 Canal 3 - De Onde Vem a Imagem?...6 Canal 4 - Como Aparece a Imagem?...8 Canal 5 - Como ocorre a transmissão?...10 Canal 6 -

Leia mais

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B

Prova Escrita de Aplicações Informáticas B EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Aplicações Informáticas B 12.º Ano de Escolaridade Prova 703/1.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos.

Leia mais

Elementos de linguagem: A cor

Elementos de linguagem: A cor Profa Ana Rezende Ago /set 2006 A todo o momento recebemos informações através dos sentidos, da visão, do olfacto,... em cada cem informações que recebemos oitenta são visuais dessas, quarenta são cromáticas,

Leia mais

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h

O que é LUZ? SENAI - Laranjeiras. Espectro Eletromagnético. Fontes de luz 14/01/2013. Luminotécnica 40h SENAI - Laranjeiras Luminotécnica 40h O que é LUZ? A luz, como conhecemos, faz parte de um comprimento de onda sensível ao olho humano, de uma radiação eletromagnética pulsante ou num sentido mais geral,

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA O trabalho se inicia com uma avaliação diagnóstica (aplicação de um questionário) a respeito dos conhecimentos que pretendemos introduzir nas aulas dos estudantes de física do ensino médio (público alvo)

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares

Figuras geométricas. Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos. Nossa aula. Figuras geométricas elementares A UU L AL A Figuras geométricas Se olhar ao seu redor, você verá que os objetos têm forma, tamanho e outras características próprias. As figuras geométricas foram criadas a partir da observação das formas

Leia mais

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity!

Audacity. Os primeiros passos com o Audacity! Audacity Os primeiros passos com o Audacity! João Torres joao.torres@dgidc.min-edu.pt Milena Jorge milena.jorge@dgidc.min-edu.pt Dezembro de 2009 Conteúdo 1 Sobre este documento 2 2 O que é o Audacity?

Leia mais

Eu não nasci de óculos!

Eu não nasci de óculos! A U A UL LA Eu não nasci de óculos! Enquanto Roberto conversa com Gaspar, Ernesto coloca os óculos de Roberto e exclama: - Puxa, estou enxergando tudo embaralhado. Tudo meio turvo! - É como você tivesse

Leia mais

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD

)tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD. ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD )tvlfd,, 0,(QJ4XtPLFD Óptica Geométrica ²ž6HPHVWUH ÐSWLFD Exercício 1: Um feixe de luz cujo comprimento de onda é 650 nm propaga-se no vazio. a) Qual é a velocidade da luz desse feixe ao propagar-se num

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Windows Live Movie Maker

Windows Live Movie Maker Windows Live Movie Maker Passo-a-passo para Professores Criar um filme com o Windows Live Movie Maker Descarregue o programa 1. Visite o site http://explore.live.com/windows-live-movie-maker e descarregue

Leia mais

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão

Teoria física sobre a luz, a cor e a visão Teoria física sobre a luz, a cor e a visão No século XVII, Newton aproveitou um feixe de luz do Sol, que atravessava uma sala escura, fazendo-o incidir sobre um prisma de vidro. Verificou que o feixe se

Leia mais

V - Correcção de perspectiva

V - Correcção de perspectiva V - Correcção de perspectiva E se o afastamento do ponto de tomada de vista e a utilização de uma altura média em relação ao elemento a fotografar reduzem a necessidade de movimentos de correcção da perspectiva,

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Interação Humana com Computador

Interação Humana com Computador Interação Humana com Computador Tecnologias de Computadores André Ferraz N.º24881 Jason Costa N.º25231 Ana Pereira N.º25709 IHC Estudo, planeamento e desenho de uma interação entre o utilizador e computadores.

Leia mais

Fotografia Digital. Aula 1

Fotografia Digital. Aula 1 Fotografia Digital Aula 1 FOTOGRAFIA DIGITAL Tema da aula: A Fotografia 2 A FOTOGRAFIA A palavra Fotografia vem do grego φως [fós] ("luz"), e γραφις [grafis] ("estilo", "pincel") ou γραφη grafê, e significa

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto

Fotos necessárias para a confecção da estatueta. Rosto Fotos necessárias para a confecção da estatueta Todo o trabalho é referenciado em fotos, ou seja, não nos responsabilizamos por material fotográfico que confecção, para isto criamos este guia, para atender

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE

LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES 2ª SÉRIE LISTA DE EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES FÍSICA - A - 2012 ALUNO: TURMA: CARTEIRA: MATRÍCULA: DATA: / / Unidade 01 - Introdução à Óptica Geométrica Unidade 02 - Reflexão da Luz REFAZER OS EXERCÍCIOS DO LIVRO:

Leia mais

dicas para fazer vídeos

dicas para fazer vídeos dicas para fazer vídeos idealista oferece a possibilidade de integrar vídeos num anúncio, utilizando as últimas tecnologias de streaming-vídeo, de um modo rápido e simples além do vídeo profissional, com

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 6 TRANSFORMADORES 1. RESUMO Verificação das relações entre tensões e correntes no circuito primário e secundário de um transformador ideal. Realização da experiência do

Leia mais

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores

Projecto de Programação MEEC - 2010/2011-1ºSemestre. Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Programação 2010/2011 Enunciado do projecto O projecto a desenvolver pelos alunos consistirá numa sistema de monitorização do estado de

Leia mais

Construindo a câmara escura

Construindo a câmara escura Construindo a câmara escura Shizue Introdução Captar e registrar imagens tornou-se possível com a câmara escura de orifício. Essa câmara nada mais é do que uma lata, preta por dentro para não refletir

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 11

Problemas de Mecânica e Ondas 11 Problemas de Mecânica e Ondas 11 P. 11.1 ( Exercícios de Física, A. Noronha, P. Brogueira) Dois carros com igual massa movem-se sem atrito sobre uma mesa horizontal (ver figura). Estão ligados por uma

Leia mais

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção

Fenómenos Ondulatórios. Reflexão, refracção, difracção Fenómenos Ondulatórios Reflexão, refracção, difracção Natureza dualística da radiação electromagnética A radiação electromagnética é um fenómeno ondulatório envolvendo a propagação de um campo magnético

Leia mais

Exercícios sobre Espelhos Esféricos

Exercícios sobre Espelhos Esféricos Exercícios sobre Espelhos Esféricos 1-Quando colocamos um pequeno objeto real entre o foco principal e o centro de curvatura de um espelho esférico côncavo de Gauss, sua respectiva imagem conjugada será:

Leia mais

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa

TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa Reflexão da luz TIPOS DE REFLEXÃO Regular Difusa LEIS DA REFLEXÃO RI = raio de luz incidente i normal r RR = raio de luz refletido i = ângulo de incidência (é formado entre RI e N) r = ângulo de reflexão

Leia mais

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares

Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Exercícios Resolvidos sobre: I - Conceitos Elementares Grupo II O Problema da Escassez e da Escolha Questão 1 Comecemos por explicitar o que se entende por bem económico: um bem económico é qualquer coisa

Leia mais

mais memoráveis com um filme Click to edit Master title style Torne as suas aulas Click to edit Master text styles Click to edit Master text styles

mais memoráveis com um filme Click to edit Master title style Torne as suas aulas Click to edit Master text styles Click to edit Master text styles Torne as suas aulas mais memoráveis com um filme Não é segredo que as crianças crescem a ver filmes, a apreciar programas televisivos e a aprender através deles. Os locais, sons e acção de um filme, dão

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 703/7 Págs. Duração da prova: 120 minutos 2007 1.ª FASE PROVA PRÁTICA DE APLICAÇÕES INFORMÁTICAS

Leia mais

Apostila Artes Audiovisuais

Apostila Artes Audiovisuais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CAMPUS SERTÃOZINHO Apostila Artes Audiovisuais ROTEIRO Cinema,Televisão e Vídeo 3a. Revisão 2010 Prof. MS. Ricardo Stefanelli 1 Projeto para Roteiro Audiovisual Vídeo Artes

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

energia que vai longe

energia que vai longe Como melhorar seus Clicks energia que vai longe CLICK 2014 Introdução A fotografia é uma das principais ferramentas de comunicação da atualidade. Com o avanço tecnológico das câmeras fotográficas e celulares,

Leia mais

Fotografia Digital no Brasil

Fotografia Digital no Brasil 1 Fotografia Digital no Brasil Hoje temos uma grande variedade de câmaras digitais, mas como elas captam a imagem e a transformam em informação digital é o que vamos ver a seguir. Um Pouco de História

Leia mais

Primeiras Informações

Primeiras Informações Primeiras Informações Para que um trabalho escolar fique com melhor qualidade é importante registrálo, não apenas para ser apresentado aos pais, mas principalmente como arquivo. Guardar o registro de trabalhos

Leia mais

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES 2010/2011 1 Equipamentos informáticos Hardware e Software Hardware refere-se aos dispositivos físicos (electrónicos, mecânicos e electromecânicos) que constituem

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

Características do vídeo. Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo. Características do vídeo analógico. Características do vídeo analógico

Características do vídeo. Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo. Características do vídeo analógico. Características do vídeo analógico Características do vídeo Aquisição, síntese, edição e reprodução de vídeo Vídeo media dinâmico Vídeo corresponde a um movimento sequencial de um conjunto de imagens, chamados fotogramas ou frames. Frame

Leia mais

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo

Apostila 2 Capítulo 8. Página 305. Reflexões. Gnomo Apostila 2 Capítulo 8 Página 305 Reflexões Fenômenos Ópticos Reflexão Refração Absorção Tipos de Reflexão Reflexão Especular Reflexão Difusa Na reflexão especular os raios de luz que entram paralelos são

Leia mais

Esta actividade demonstra que a luz branca que vemos habitualmente é na realidade uma mistura de luzes de várias cores.

Esta actividade demonstra que a luz branca que vemos habitualmente é na realidade uma mistura de luzes de várias cores. Disco de Newton As ondas de luz colorida misturam-se para produzir a luz branca. Cartolina Tesoura Régua Marcadores Motor de um brinquedo ou palito de espetadas Suporte universal Recorta um círculo de

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL 1 (Unirio) Durante a final da Copa do Mundo, um cinegrafista, desejando alguns efeitos especiais,

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof.

COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES. Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. COMPUTAÇÃO GRÁFICA CORES Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA CORES EM COMPUTAÇÃO GRÁFICA O uso de cores permite melhorar

Leia mais

GUIA BÁSICO PARA PRODUÇÃO DE UM FILME DIGITAL

GUIA BÁSICO PARA PRODUÇÃO DE UM FILME DIGITAL A Filmagem O roteiro foi preparado, a câmera está pronta e então chegou o grande dia de se começar a filmar. Ótimo, mas antes de ligar a câmera, temos que atentar para alguns detalhes básicos. Mas espere

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China

Óptica geométrica, óptica física e o olho humano. 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Óptica geométrica, óptica física e o olho humano 1 Foco na retina 2 Difração da luz na pupila 3 Sensibilidade do olho humano e a Muralha da China Otaviano Helene, IFUSP, 2010 1 1 Foco na retina Evolução

Leia mais

Curso de Óptica Aplicada

Curso de Óptica Aplicada Curso de Óptica Aplicada TE 2 - Reflexão e refracção. Espelhos, dioptros e lentes Documento de preparação do Trabalho Experimental TE 2 - Reflexão e refracção. Espelhos, dioptros e lentes Finalidade A

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Humana Sistema complexo Conceitos Básicos e Terminologia

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense ACÇÃO DE FORMAÇÃO EM FOTOGRAFIA Club Setubalense DESIGNAÇÃO OLHAR A FOTOGRAFIA,... DE OUTRO MODO LOCAL CLUB SETUBALENSE CARGA HORÁRIA - Nº de horas teóricas 28 h (4 módulos) - Nº de horas práticas (recolha

Leia mais

Vamos começar nossos estudos e descobertas????????

Vamos começar nossos estudos e descobertas???????? Aula 07 RESUMO E RESENHA Vamos iniciar nossos estudos???? Você já deve ter observado que pedimos que leia determinados textos e escreva o que entendeu, solicitamos que escreva o que o autor do texto quis

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DISCIPLINA: FÍSICA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE MODELO VASCO

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ

PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ PRÁTICA 1: MICROSCOPIA DE LUZ INTRODUÇÃO: O microscópio de luz é um aparelho que destina-se a observação de objetos muito pequenos, difíceis de serem examinados em detalhes a olho nu. O tipo de microscópio

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco Perguntas e Respostas sobre Telescópios A palavra telescópio é de origem grega e significa ver ao longe (Tele Skopen). Os telescópios têm dois tipos básicos: refratores, regidos pelo princípio físico da

Leia mais

MANUAL DE FOTOGRAFIA

MANUAL DE FOTOGRAFIA MANUAL DE FOTOGRAFIA 1. A máquina fotográfica. Breve história As primeiras fotografias tiradas, datam de 1826, mas só em 1870, é que foi possível obter um sistema que permitisse a comercialização de chapas

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época.

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época. IMAGEM E HISTÓRIA Os diferentes modos de registro imagético expressam o espírito de seu tempo utilizando materiais e meios que são produtos próprios da época. Pintura Rupestre mãos pincéis de penas e pêlos

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 3. princípios da animação. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 3 princípios da animação professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Animação - conceito É a técnica que cria a ilusão de movimento a partir de uma sequência de desenhos ou imagens.

Leia mais

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232

Professora Bruna FÍSICA B. Aula 17 Seus Óculos. Página 232 FÍSICA B Aula 17 Seus Óculos. Página 232 INTRODUÇÃO Na aula de hoje, estudaremos os defeitos da visão e os tipos de lentes indicadas para correção destes defeitos. Para isso, estudaremos primeiramente

Leia mais

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF

SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010. Marcus Ramos UNIVASF SESC Petrolina 09, 10 e 11 de agosto de 2010 Marcus Ramos UNIVASF Engenheiro elétrico (USP/82); Mestre em Sistemas Digitais (USP/91); Professor do curso de Engenharia de Computação da UNIVASF em Juazeiro-BA

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA. Luz 1º CEB. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online

GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA. Luz 1º CEB. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online GUIÃO DO PROFESSOR EXPLORA Luz 1º CEB Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor Caderno do aluno Recursos online Introdução O Explora é uma verdadeira floresta de fenómenos naturais.

Leia mais

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 2014_Física_2 ano FÍSICA Prof. Bruno ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 1. (Uftm 2012) Uma câmara escura de orifício reproduz uma imagem de 10 cm de altura de uma árvore observada. Se reduzirmos em 15 m a distância

Leia mais

Astronomia à luz do dia

Astronomia à luz do dia Astronomia à luz do dia (Expresso: 16-05-1998) O Sol revela-nos as suas manchas e a Lua mostra-nos as suas crateras. Vénus e Júpiter estão ao nosso alcance. QUEM nunca observou o Sol através de um telescópio

Leia mais

*Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br

*Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO. Manual de Instruções www.v8brasil.com.br *Imagens meramente ilustrativas COLORÍMETRO Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. INTRODUÇÃO O Colorímetro V8 Brasil é um equipamento desenvolvido com objetivo de proporcionar às oficinas de funilaria

Leia mais

Como fazer uma apresentação

Como fazer uma apresentação Como fazer uma apresentação Etapas para fazer uma apresentação Definição dos 1 objectivos da apresentação de acordo com as necessidades e o perfil da audiência Preparação de uma linha de trabalho de um

Leia mais

STC 5. Redes de Informação e Comunicação. Data: 18 de Agosto de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540

STC 5. Redes de Informação e Comunicação. Data: 18 de Agosto de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540 STC 5 Redes de Informação e Comunicação Data: 18 de Agosto de 2010 Morada: Rua de São Marcos, 7 C Tel: 266519410 Fax: 266519410 Tlm: 927051540 STC 5 Redes de Informação e comunicação STC 5 Redes de informação

Leia mais

Guia de Estudo Folha de Cálculo Microsoft Excel

Guia de Estudo Folha de Cálculo Microsoft Excel Tecnologias da Informação e Comunicação Guia de Estudo Folha de Cálculo Microsoft Excel Estrutura geral de uma folha de cálculo: colunas, linhas, células, endereços Uma folha de cálculo electrónica ( electronic

Leia mais

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA

ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA ATIVIDADE DE FÍSICA PARA AS FÉRIAS 9. OS A/B/C PROF. A GRAZIELA QUESTÃO 1) Atente para a ilustração e os fragmentos de texto abaixo. Utilize-os para responder aos itens da questão 1. [ 1 ] Em muitos parques

Leia mais

Foco e profundidade de campo

Foco e profundidade de campo Foco e profundidade de campo Foco Quando tiramos uma foto queremos que nosso destaque, no geral, esteja nítido e visível. O foco pode ser manual ou automático. Manualmente você gira o anel da sua lente.

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação INTRODUÇÃO Processamento Digital de Imagens refere-se ao processamento imagens por meio de um computador

Leia mais

Transitores de tempo em domínio de tempo

Transitores de tempo em domínio de tempo Em muitos processos, a regulação do caudal permite controlar reacções químicas ou propriedades físicas através de um controlo de variáveis como a pressão, a temperatura ou o nível. O caudal é uma variável

Leia mais

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea

2 A Derivada. 2.1 Velocidade Média e Velocidade Instantânea 2 O objetivo geral desse curso de Cálculo será o de estudar dois conceitos básicos: a Derivada e a Integral. No decorrer do curso esses dois conceitos, embora motivados de formas distintas, serão por mais

Leia mais

SIMULADO ABERTO ENEM 2015

SIMULADO ABERTO ENEM 2015 SIMULADO ABERTO ENEM 2015 1) A figura mostra a bela imagem de um gato ampliada pela água de um aquário esférico. Trata-se de uma imagem virtual direita e maior. A cerca do fenômeno óptico em questão, é

Leia mais

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte

Aula do Curso Noic de Física, feito pela parceria do Noic com o Além do Horizonte Espelhos esféricos são superfícies refletoras muito comuns e interessantes de se estudar. Eles são capazes de formar imagens maiores ou menores, inversas ou direitas, dependendo do tipo de espelho, suas

Leia mais

Porque as. cores mudam?

Porque as. cores mudam? Porque as cores mudam? O que são cores? As cores não existem materialmente. Não possuem corpo, peso e etc. As cores correspondem à interpretação que nosso cérebro dá a certo tipo de radiação eletro-magnética

Leia mais