Basiléia II Ambiente normativo. Recife- PE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Basiléia II Ambiente normativo. Recife- PE"

Transcrição

1 Basiléia II Ambiente normativo Recife- PE Dezembro/2008 Diretoria de Fiscalização - Difis Deptº de Supervisão de Cooperativas e de Instituições Não-Bancárias -Desuc

2 Agenda Gestão de Riscos Normas de requerimento de capital Pilar I Principais normas Pilar II Contexto de Supervisão Pilar III Reflexões preliminares Considerações Finais 2

3 Basiléia: seus princípios e o cooperativismo Formação do Comitê (anos 70) Preocupação: evolução das operações bancárias internacionais acarretaria riscos até então não fiscalizados Acordo de Basiléia (1988) requerimento de capital: capital mais compatível com riscos. Por quê? Basiléia II três pilares Cooperativas de crédito - Supervisão 3

4 Basiléia: seus princípios e o cooperativismo Os Três Pilares de Basiléia II Basiléia II 3 1 Capital 2 Disciplina de mercado Revisão pela Supervisão 4

5 Cooperativas de crédito - Supervisão Basiléia: seus princípios e o cooperativismo Acordo construído sobre princípios pouco aplicáveis ao cooperativismo Porém, o conteúdo de Basiléia, que pode ser sintetizado em conheça seus riscos, e esteja preparado para gerir e suportá-los é plenamente válido. 5

6 Acordo de Capitais Provisão o x Alocaçã ção o de Capital Provisões são critérios contábeis, reduzem o patrimônio líquido da instituição financeira e visam a cobrir uma perda esperada. Alocaçã ção o de capital é um conceito gerencial, não reduz patrimônio e visa a limitar a exposição ao risco e a cobrir principalmente as perdas inesperadas. 6

7 Acordo de Capitais Exigência de Capital Riscos de Mercado e Operacional PASSIVO ATIVO PL PRE Risco de crédito Exigência de Capital 7

8 Novo ambiente de regulação e supervisão Basiléia I 01/07/08 Basiléia II Baseado em dados contábeis BC define o limite Ação de Supervisão reativa Baseado em documento extra-contábil de caráter declaratório Depende da avaliação de Riscos pela IF Ação de Supervisão proativa 8

9 Agenda Introdução Gestão de Riscos Normas de requerimento de capital Pilar I Principais normas Pilar II Contexto de Supervisão Pilar III Reflexões preliminares Considerações Finais 9

10 Gestão de Riscos Adoção de boas práticas de gestão de riscos: Atuação da alta administração e da alta gerência: Políticas, procedimentos e limites; Sistemas de informação, monitoramento e mensuração; Controles internos, incluindo auditoria. Risco: Medida de incerteza nos retornos financeiros esperados de investimentos 10

11 Gestão de Riscos Risco de Crédito Risco de Mercado Risco Operacional 11

12 Regulamentação Basiléia II Normas Qualitativas Melhores práticas em gestão de riscos Resolução 2.554/98 Controles Internos Resolução 2.804/00 Gestão de Risco de Liquidez Resolução 3.380/06 Gestão de Risco Operacional Resolução 3.464/07 Gestão de Risco de Mercado Gestão de Risco de Crédito em estudo 12

13 Normas Qualitativas Capital e Gestão de Riscos Premissa fundamental É responsabilidade da IF desenvolver um processo interno de avaliação de capital e manter níveis de capital compatíveis com seu perfil de risco e ambiente de controles. Resolução o 3.490/07 Art. 4º Os processos e os controles relativos à apuração do PRE constituem responsabilidade de diretor responsável por gerenciamento de risco da instituição. 13

14 Normas Qualitativas Conceito da Proporcionalidade As estruturas de gestão de risco devem ser compatíveis com a natureza das operações, a complexidade dos produtos e a dimensão da exposição a risco [...] da IF Importante! Estruturas e processos de gestão de riscos existem para gerir a IF e não apenas para cumprir a norma! 14

15 Regulamentação Gestão de risco Estrutura mínima Mercado testes de avaliação dos sistemas (anual); políticas e estratégias de gerenciamento aprovadas e revisadas (anual). Operacional testes de avaliação dos sistemas (anual); política de gerenciamento aprovada e revisada (anual) e relatórios anuais que permitam a identificação e correção de falhas. 15

16 Regulamentação Gestão de risco Descrição da estrutura mínima Mercado Publicada anualmente e semestral com as demonstrações contábeis (resumo), indicando a localização do primeiro. Operacional Publicada anualmente e semestral com as demonstrações contábeis (resumo), indicando a localização do primeiro. 16

17 Regulamentação Gestão de risco Unidade responsável Mercado Segregada das unidades de negociação e auditoria interna. Operacional Segregada da auditoria interna. 17

18 Regulamentação Gestão de risco Diretor responsável Mercado Exceto responsável pela administração de recursos de terceiros e de operações de tesouraria. Operacional Exceto responsável pela administração de recursos de terceiros. 18

19 Agenda Introdução Gestão de Riscos Normas de requerimento de capital Pilar I Principais normas Pilar II Contexto de Supervisão Pilar III Reflexões preliminares Considerações Finais 19

20 Regulamentação sobre Basiléia II no Brasil Res Gestão de Risco Operacional Res Redefinição do PR Res Limite de Câmbio Res Definição do PRE Resolução Gestão de Risco de Crédito Res Gestão de Risco de Mercado Circ Risco de Crédito (P EPR ) Circulares Risco de Tx. de Juros (P JUR ) Cir Risco de Câmbio (P CAM ) Circ Risco de Commodities (P COM ) Circ Risco de Ações (P ACS ) Circ Risco Operacional (P OPR ) Circ Juros Pré (Pjur1) Circ Cupom Moedas (Pjur2) Circ Cupom Inflação (Pjur3) Circ Demais Cupons (Pjur4) Circ Políticas Classificação Carteira Negociação Circ Critério Avaliação Risco de Tx. Juros Banking Book Concluídas A Concluir 20

21 Normas Qualitativas Ação da Supervisão Papel da Supervisão: Avaliar e opinar sobre a efetividade do cumprimento da norma Avaliar a proporcionalidade em conjunto com os gestores da IF O Banco Central do Brasil poderá determinar: a adoção de controles adicionais; e limites operacionais mais restritivos. 21

22 Norma sobre a Base de Capital Resolução 3.444/07 Nova definição do capital regulatório (Patrimônio de Referência PR) Aprimora a conceituação dos instrumentos que integram os níveis I e II do PR Inclui IHCD no Nível I (até 15%) Deduz Diferido, ações de IFs, IHCD e IDS ativos Deduz excesso no limite de Imobilização Avanços Aperfeiçoa o tratamento da dupla alavancagem Torna o capital regulatório mais adequado ao conceito de colchão de recursos que protege contra a insolvência... 22

23 Normas sobre a Exigência de Capital Resolução 3.490/07 Define o Patrimônio de Referência Exigido PRE PR deve ser superior ao valor do PRE, que deve ser calculado considerando as seguintes parcelas: * Apenas trading book PRE = P EPR + P JUR * + P CAM + P COM + P ACS + P OPR Risco de Crédito Risco de Mercado Risco de Operacional 23

24 Risco de Crédito 24

25 Normas sobre a Exigência de Capital e Crédito = 1000 Reais Exigência R$110 e Repasse p/ Singular = 1000 Reais Exigência R$22 Σ Fc. ei.fpr.f Conversão em crédito Pondera ção fator 25

26 Circular 3.360/07 Regulamentação Mitigadores de risco de crédito Afeta o fator de ponderação pelo método de substituição Aplica-se à parcela do crédito protegida o FPR da contraparte fornecedora da proteção de risco Exemplo: Operação de crédito de R$ 100 mil, garantida por título público federal no valor de R$ 20 mil FPR de 0% sobre R$ 20 mil FPR de 100% sobre R$ 80 mil 26

27 Circular 3.360/07 Regulamentação Cotas de Fundos de Investimento FPR corresponde à média ponderada dos FPR das operações da carteira Caso não seja possível o detalhamento, o FPR a ser aplicado é de 100% 27

28 Risco de Mercado 28

29 Gestão de Riscos Definições: Risco de Mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas por uma instituição financeira. Exemplos: - Variação de taxa de juros que interfira no valor de mercado da carteira, no caso de cessão. - Descasamento entre taxas e prazos de captação e aplicação. 29

30 Normas sobre a Exigência de Capital Tratamento específico para cooperativas singulares que não possuam qualquer exposição cambial e apresentem ativo total até R$ 5 milhões é facultado o cálculo do PRE com base apenas nas parcelas P EPR e P OPR Fator F é aumentado em 2 pontos percentuais - 11% ou 13% - Cooperativas singulares filiadas - 15% ou 17% - Cooperativas singulares independentes Definição do limite de R$ 5 milhões alcançava: 83% das independentes, 47% filiadas e 53% do total; 30

31 Regulamentação Risco de Mercado Aspectos qualitativos Estrutura de risco de mercado Resolução (Gestão) Trading x Banking Book Circular Risco de taxas de juros no banking book Circular Exigência de capital (PRE) Modelo padrão 31

32 Regulamentação Resolução 3.464/07 Carteira de negociação (Trading Book) todas as posições em instrumentos financeiros e mercadorias, inclusive derivativos, detidas com intenção de negociação ou destinadas a hedge de outros elementos da carteira de negociação, as quais não podem estar sujeitas a limitação da sua negociabilidade. são aquelas destinadas a: I - revenda; ou II obtenção de benefício dos movimentos de preços, efetivos ou esperados; ou III realização de arbitragem. 32

33 Regulamentação Resolução 3.464/07 Carteira de negociação (Trading Book) A instituição deve dispor de política claramente definida para determinar quais operações serão incluídas na carteira de negociação; A política e os procedimentos devem ser devidamente documentada e objeto de verificação pela auditoria interna. 33

34 Regulamentação Risco de Mercado Exigência de capital Taxa pré é exigida desde 2000 Marcação a mercado Distribuição nos vértices: R$ em 180 dias = 200 R$, em 100 dias e R$ 800 em 200 dias Vértices = 1 ; 21 ; 42 ; 63 ;...;

35 Basiléia II Risco de Mercado Patrimônio de Referência Exigido (PRE) Resolução de PRE = PEPR + PCAM + PJUR + PCOM + PACS + POPR Risco de Mercado - Taxa de Juros (Carteira de Negociação trading book ) - PJUR(1) : variação de taxas de juros prefixadas PJUR - PJUR(2) : variação da taxa dos cupons de moedas - PJUR(3) : variação das taxas de cupons de índices de preços - PJUR(4) : variação da taxa de cupons de taxa de juros (IPCA, IGPM, etc) (TR, TJLP, etc) 35

36 Regulamentação Risco de Mercado VAR Pj VaR j,t = 2,33 σ.vmm j 10 j

37 Regulamentação Risco de Mercado PJUR1 pre 1 60 Padrão Padrão PJUR[1] = max M VaRt i,vart 1 60 i =1 PJUR[1] pre 1 60 Padrão VaR = max M ; t i 60 i =1 VaRi,tVaR j,t ri, j 37

38 Regulamentação Patrimônio de Referência Exigido (PRE) Resolução de PRE = PEPR + PCAM + PJUR + PCOM + PACS + POPR risco de crédito ativos risco de mercado de commodities risco de mercado de variação cambial e ouro RISCO DE MERCADO risco operacional risco de mercado de ações risco de mercado de taxa de juros 38

39 Basiléia II Risco de Mercado Patrimônio de Referência Exigido (PRE) Resolução de PRE = PEPR + PCAM + PJUR + PCOM + PACS + POPR Risco de Mercado - Taxa de Juros (Carteira de Negociação trading book ) - PJUR(1) : variação de taxas de juros prefixadas PJUR - PJUR(2) : variação da taxa dos cupons de moedas - PJUR(3) : variação das taxas de cupons de índices de preços - PJUR(4) : variação da taxa de cupons de taxa de juros (IPCA, IGPM, etc) (TR, TJLP, etc) 39

40 Regulamentação Novo corpo normativo - risco de mercado: Normas Quantitativas: Circular 3.361/07 - taxa pré - PJUR1 Circular 3.362/07 - cupons de moedas estrangeiras PJUR2 Circular 3.363/07 - cupons de índices de preço (IPCA, IGPM) - PJUR3 Circular 3.364/07 - cupons índices tax de juros (TR, TJLP,TBF) PJUR4 Circular 3.366/07 - Risco de ações - PACS Circular 3.389/07 - Risco cambial - PCAM Circular 3.368/07 - Risco de commodities - PCOM 40

41 Regulamentação PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO PARA COBERTURA DE RISCOS PRE = PEPR + PCAM + PJUR + PCOM + PACS + POPR VaR PJUR1 - risco de taxa pré PJUR2 - risco de taxas dos cupons de moedas estrangeiras Maturity Ladder PJUR3 - risco de taxas dos cupons de índices de preço PJUR4 - risco de taxas dos cupons de índices de taxa de juros 41

42 Regulamentação Tratamento de Fundos Posições detidas em cotas de fundos de investimento: Tratar com base na composição carteiras; na sua impossibilidade: proporcional de suas Como uma posição em cada parcela de risco de mercado (sete parcelas) alocado no último vértice. Ou ainda, Com base nos limites máximos e mínimos do regulamento do fundo Carta-Circular 3.309/08 e Carta-Circular 3.310/08 42

43 Regulamentação Tratamento de Fundos Exemplo: 43

44 Regulamentação Circular 3.365/07 Risco de Taxas de Juros no Banking Book A gestão e controle voltada para a proteção das receitas relacionadas à intermediação financeira. sua importância dependerá da relevância desta atividade na geração de resultados da instituição como um todo. Empregam-se outras ferramentas para monitoramento e controle do risco de taxa de juros da carteira banking, tais como: análises de descasamentos (gaps de prazos e taxas); de sensibilidade; e de estresse. 44

45 Circular 3.365/07 Regulamentação O risco de taxa de juros no banking book: é considerado potencialmente significativo, as instituições devem ter capital suficiente para a cobertura deste risco. não tem requerimento explícito de capital no Pilar 1. (Res ) Justificativa: diversidade de características operacionais inviabilizam a imposição de um modelo de requerimento padrão. A supervisão bancária deverá trabalhar em conjunto com as instituições no processo de avaliação da adequação da alocação de capital da carteira banking - Pilar 2. 45

46 Circular 3.365/07 Regulamentação Dispõe sobre a mensuração de risco de taxas de juros das operações não classificadas na carteira de negociação Critérios mínimos sistemas: incluir todas as operações sensíveis à variação nas taxas de juros; utilizar técnicas de mensuração de risco e conceitos financeiros amplamente aceitos; medir a sensibilidade a mudanças na estrutura temporal das taxas de juros; possibilite estimar o Patrimônio de Referência compatível com os riscos de taxas de juros. 46

47 Risco Operacional 47

48 Gestão de Riscos Definições: Risco Operacional é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas. (Res. 3380/2006) Exemplo: redação de contratos 48

49 Resolução 3.380/06 Regulamentação Risco Operacional A estrutura de risco operacional deve prever: Identificação, avaliação, monitoramento, controle e mitigação; Processo estruturado de comunicação e informação; Documentação e armazenamento das informações de perdas; Testes de avaliação dos sistemas periodicidade no mínimo anual; de controle, com Elaboração e disseminação da política de risco operacional; Plano de contingência. 49

50 Regulamentação Risco Operacional Aspectos qualitativos Estrutura de risco operacional Resolução 3.380/06 Exigência de capital (PRE) Abordagens padronizadas Circular 3.383/08 50

51 Regulamentação Risco Operacional Pilar I - Abordagens: Indicador Básico - BIA Padronizada Alternativa ASA Padronizada Alternativa Simplificada ASA2 51

52 Regulamentação Circular 3.383/08 Risco Operacional Abordagem do Indicador Básico BIA POPR 1 3 = Z t =1 max[0,15 IEt ;0] n Z = Multiplicador; IE = Indicador de Exposição ao Risco Operacional; N = Períodos em que o IE é maior que zero. 52

53 Circular 3.383/08 Regulamentação Risco Operacional Indicador de Exposição ao Risco operacional (IE) CC 3316/08 - para cada período anual: soma dos valores semestrais de receitas de intermediação financeira e das receitas de prestação de serviços, deduzidas das despesas de intermediação financeira. 53

54 Regulamentação Risco Operacional Abordagem Padronizada Alternativa ASA Segrega as operações em linhas de negócio; Linhas tem diferentes pesos para risco operacional; Linhas Varejo e Comercial utilizam 3,5% do saldo (IAE), no lugar do resultado de intermediação; Demais linhas utilizam resultado de intermediação (IE). 54

55 Circular 3.383/08 Regulamentação Risco Operacional - ASA Indicador de Exposição ao Risco operacional (IE) Indicador Alternativo de Exposição ao Risco Operacional (IAE) - para cada período anual: média aritmética dos saldos semestrais das operações de arrendamento, crédito e TVM não classificada na carteira de negociação (Banking), multiplicada pelo fator 0,

56 Circular 3.383/08 Regulamentação Risco Operacional - ASA Devem ser consideradas 8 linhas de negócio: Varejo; Comercial; Finanças Corporativas; Negociação e Vendas; Pagamentos e liquidações; Serviços de Agente Financeiro; Administração de Ativos; Corretagem de Varejo. 56

57 Regulamentação Circular 3.383/08 Risco Operacional - ASA Abordagem Padronizada Alternativa ASA [ 1 3 POPR = t =1 max 0; i βi IAEi, t + j βj IEj, t 3 57 ]

58 Regulamentação Risco Operacional Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada ASA 2 Segrega as linhas de negócio referentes a Varejo e Comercial, utilizando 3,5% do saldo da carteira (ao invés do resultado); Agrega linhas Varejo e Comercial em uma única linha, com ponderação de 15%; Agrega as demais linhas de negócio em uma única linha, com ponderação de 18%. 58

59 Regulamentação Risco Operacional Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada ASA POPR = t =1 max[0;15% IAEt + 18% IEt ] 3 59

60 Regulamentação Risco Operacional O multiplicador Z corresponde aos seguintes valores: I - de 1º de julho de 2008 até 31 de dezembro de 2008: 0,05; II - de 1º de janeiro de 2009 até 30 de junho de 2009: 0,20; III - de 1º de julho de 2009 até 31 de dezembro de 2009: 0,35; IV - de 1º de janeiro de 2010 até 30 de junho de 2010: 0,50; V - de 1º de julho de 2010 até 31 de dezembro de 2010: 0,80; VI - a partir de 1º de janeiro de 2011: 1,00. 60

61 Circular 3.381/08 Instrumentos de Supervisão Demonstrativo de Risco de Mercado - DRM Ferramenta de informação, que tem o objetivo de apurar de forma sintética as exposições aos diversos fatores de risco de mercado associados às operações realizadas e mantidas pelas instituições. Servira de complemento as informações obtidas das centrais de custódia; O DRM deverá ser encaminhado mensalmente para o Bacen, sendo que as seguintes instituições estão dispensadas da remessa: Cooperativas de crédito singulares filiadas a central; Cooperativas singulares que adotarem o art. 2º, parágrafo 4º da Res

62 Instrumentos de Supervisão Demonstrativo de Risco de Mercado - DRM (Circular 3.381) O DRM irá apresentar mensalmente as seguintes informações: Os fatores de risco; Os locais onde as operações foram realizadas, distinguindo entre aquelas registradas em câmaras de custódia e na SCR. A inclusão ou não da posição na carteira de negociação; Os onze vértices em que foram agrupadas os fluxos de caixa marcados a mercado, das posições sujeitas aos fatores de risco de mercado; e O valor, marcado a mercado, das posições. 62

63 Instrumentos de Supervisão Demonstrativo de Limites Operacionais - DLO O DLO será remetido mensalmente para o Bacen; Será o documento de recepção das informações declaradas pelas instituições de seus limites operacionais: Ex: Imobilizado e Basiléia; Será a nova PLIM200; 63

64 Instrumentos de Supervisão Conciliações elaboradas pelo Desig Pilar 2 Câmaras x Cosif Câmaras x DRM DLO x DRM DLO x Cosif DLO x SCR; 64

65 Pilar II Contexto de Supervisão 65

66 Supervisão no Contexto de Basiléia II Objetivos da ação supervisora (Pilar 2) Garantir que as IFs possuam capital adequado para suportar todos os riscos de seus negócios Encorajar as IFs a desenvolver e utilizar melhores técnicas de gerenciamento de riscos Premissa fundamental É responsabilidade da administração da IF desenvolver um processo interno de avaliação de capital e manter níveis de capital compatíveis com seu perfil de risco e ambiente de controles 66

67 Supervisão no Contexto de Basiléia II Resolução 3.490/07 Art. 5º O Banco Central do Brasil poderá, a seu critério, determinar à instituição: I- redução do grau de risco das exposições II- aumento do valor do PRE. Circular 3.360/07 Art. 24. Para fins do disposto no art. 6º da Resolução nº 3.490/2007, o Banco Central do Brasil pode determinar, a seu critério, valores superiores para F e para os FPR, compatíveis com o grau de risco das exposições da instituição. 67

68 Pilar III Reflexões preliminares 68

69 Reflexões sobre o Pilar 3 Questões sobre a transparência Que informações devem ser divulgadas? Como e onde divulgá-las? Especialmente para o segmento de cooperativas Importante aprofundar as ações que fomentam a governança corporativa 69

70 Agenda Introdução Normas de requerimento de capital aplicáveis às Cooperativas de Crédito Pilar I Principais normas Pilar II Contexto de Supervisão Pilar III Reflexões preliminares Considerações Finais 70

71 Considerações Finais Normas de Basiléia II estimulam o aperfeiçoamento das estruturas e processos de gestão de riscos Aplicação às cooperativas de crédito tem recebido questionamentos Complexidade das normas incompatível com o porte e complexidade de muitas cooperativas Elevação do custo de observância (carga regulatória) Supervisão disposta a estudar melhor adequação das exigências prudenciais para segmentos diferenciados, como o cooperativismo 71

72 Dúvidas sobre DLO Dúvidas sobre DRM Informações adicionais Documentos e Orientações de Preenchimento Página na Internet 72

73 Obrigado 73

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Demonstrativo Mensal de. Risco de Mercado

Demonstrativo Mensal de. Risco de Mercado Demonstrativo Mensal de Demonstrativo de Risco de Mercado - DRM Risco de Mercado DESIG/DIRIM 1 DESIG Departamento de Monitoramento do Sistema Financeiro 1 Objetivos Gerais - DRM Documento de acompanhamento

Leia mais

Diretoria de Fiscalização

Diretoria de Fiscalização Diretoria de Fiscalização Departamento de Monitoramento do Sistema Financeiro e Gestão da Informação DESIG Seminário Febraban Basiléia II 3/7/2008 DESIG 1 Agenda: Apresentar os documentos: DRM - Documento

Leia mais

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Dezembro/2008 Agenda 1. Histórico 2. Escopo de Aplicação 3. Estrutura da Norma 4. Detalhamento da Norma Normativos similares Histórico Resolução

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO As Assessorias de Riscos, da Coordenadoria de Riscos e Controles Internos - CORCI, em atendimento ao Art. 4º, da Resolução nº. 3.380, de 29 de junho

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Sumário 1. Gerenciamento de Riscos... 4 2. Risco de Mercado... 4 2.1 Estrutura para a gestão de risco... 5 2.2 Conceito... 5 2.3 Estrutura Organizacional... 5 2.4 Política Institucional...

Leia mais

O Conselho Monetário Nacional aprovou, em 25 de agosto de 2010, a Resolução nº 3.897, que estabelece para o segmento cooperativo a opção pelo Regime

O Conselho Monetário Nacional aprovou, em 25 de agosto de 2010, a Resolução nº 3.897, que estabelece para o segmento cooperativo a opção pelo Regime O Conselho Monetário Nacional aprovou, em 25 de agosto de 2010, a Resolução nº 3.897, que estabelece para o segmento cooperativo a opção pelo Regime Prudencial Simplificado (RPS). O principal objetivo

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 2.1. RISCO DE MERCADO... 2 2.2. GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 2 2.3. TIPOS E CATEGORIAS DE RISCO AVALIADOS... 2 Risco de Taxas de Juros...2 Risco de

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional

Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Encontro de Gestão de Riscos para IFDs Evolução da implantação de Basileia III e gestão de riscos no Sistema Financeiro Nacional Outubro de 2014 Agenda 1. Entendendo Basileia III 1.1 Nova composição do

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Risco de Mercado ESTRUTURA

Risco de Mercado ESTRUTURA Risco de Mercado Em atendimento a Resolução 3.464/2007 do Conselho Monetário Nacional, o Banco Fidis ponderou a natureza das operações e a complexidade dos produtos associados aos seus negócios e implementou

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014.

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre os procedimentos para a remessa das informações relativas às exposições ao risco de mercado e à apuração das respectivas parcelas no cálculo

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011

Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011 Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011 31 de agosto de 2011 DIRETORIA DE ECONOMIA E RISCOS Banco Cooperativo Sicredi Objetivo Este relatório busca atender ao disposto pela Circular BACEN

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Banco BMG S/A Relatório para atender aos requisitos estabelecidos na Circular nº 3.477/09 Atendendo ao estabelecido na Circular nº 3.477/09, apresentamos o relatório da estrutura

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA DENOMINAÇÃO Gestão de Riscos e de Patrimônio de Referência Circular 3.477/99 ÁREA EMITENTE Data Base Gestão de Riscos 30/09/01 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA 1. Introdução Em

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Banco Mizuho do Brasil SA. 29/05/2014 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1.

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS Superintendência de Controles e Gerenciamentos de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos GERIS Primeiro Trimestre de 2011 Índice APRESENTAÇÃO 3 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB Fevereiro/2011 ÍNDICE 1) Objetivo...3 2) Institucional...3 2.1) Tipos de Riscos...3 2.2) Estrutura e Processo de Gestão...3

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Principais Características Clique para editar o estilo do de BII e BIII título mestre

Principais Características Clique para editar o estilo do de BII e BIII título mestre A Evolução da Gestão do Risco de Crédito Principais Características Clique para editar o estilo do de BII e BIII título mestre Caio Fonseca Ferreira Consultor Departamento de Normas do Sistema Financeiro

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Dezembro 2011 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Março 2012 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de março 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência ia de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A APRESENTAÇÃO ÍNDICE Relatório de Gerenciamento de Riscos 03 1. GERENCIAMENTO

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos

Relatório de Gestão de Riscos Relatório de Gestão de Riscos 1º TRIMESTRE 2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Apresentação... 2 2. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 2 2.1. Gestão Integrada de Riscos... 2 2.1.1.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Agosto/2013 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. Comitê de Gestão do Capital

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos 2T2012 ING Bank N.V. São Paulo Relatório de Gerenciamento de Riscos Page 1 of 14 Estrutura de gerenciamento de riscos A estrutura organizacional das áreas responsáveis

Leia mais

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez...

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez... 1T 2013 Índice Introdução... 3 Filosofia... 4 Risco de Crédito... 5 Risco Operacional... 12 Risco de Mercado... 15 Risco de Liquidez... 20 Gestão de Capital... 23 2 Introdução Este relatório tem como objetivo

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos Financeiros GERIF Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Março de 2014 Banco Cooperativo Sicredi. Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Março de 2014 Banco Cooperativo Sicredi. Classificação da Informação: Uso Irrestrito Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Março de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Classificação da Informação: Uso Irrestrito Sumário 31 de agosto de 2011 Relatório de Gerenciamento de Riscos DIRETORIA

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ORGANOGRAMA DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 2.1. Responsabilidades... 4 3. RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos http://www.bcb.gov.br/?especialnor GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 4º Trimestre de 2011 Gerenciamento de Riscos Banco BMG S/A Relatório para atender aos requisitos estabelecidos na Circular nº 3.477/09

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO

MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO MANUAL DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DE MERCADO Introdução O Gerenciamento do Risco de Mercado no Grupo Didier Levy, considerando as empresas BEXS Banco de Câmbio S/A e BEXS Corretora de Câmbio S/A está fundamentado

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) 1. Introdução O Scania Banco iniciou suas operações em Novembro de 2009, com o objetivo de fornecer produtos e serviços financeiros exclusivamente

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 Dez/14 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar informações relevantes sobre as estruturas e os processos de gerenciamento de riscos adotados

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10 Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para as Cooperativas optantes pelo RPC Circular 3.398/08 e Circular 3.508/10 SUMÁRIO I Objetivo 1 II Orientações Gerais 2 III Orientações Gerais Sobre

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar III Junho de 2015 Banco Cooperativo Sicredi

Gerenciamento de Riscos Pilar III Junho de 2015 Banco Cooperativo Sicredi Junho de 2015 Banco Cooperativo Sicredi 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Principais Indicadores... 3 3. Estrutura Organizacional... 4 4. Gerenciamento de Riscos... 6 5. Gerenciamento de Capital... 7 5.1.

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Setembro de 2012 SUMÁRIO 1 Introdução 03 1.1 O Banco do Nordeste 03 2 Gestão de Risco do BNB 05 2.1 Risco

Leia mais

Regulamentação das cooperativas de crédito no Brasil. Departamento de Normas do Sistema Financeiro

Regulamentação das cooperativas de crédito no Brasil. Departamento de Normas do Sistema Financeiro Regulamentação das cooperativas de crédito no Brasil Departamento de Normas do Sistema Financeiro Agenda Evolução normativa resumo Lei Complementar nº 130, de 2009 Resolução nº 3.859, de 2010 Aprimoramentos

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 1º Trimestre findo em Março 2014. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Terceiro Trimestre de 2015

Terceiro Trimestre de 2015 Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Mercado - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Mercado - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Atribuições e Responsabilidades:... 4 Conselho de Administração:...

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

ADAPTAÇÃO DA METODOLOGIA DE ANÁLISE DE RISCO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ÀS NOVAS NORMAS E CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO BASILÉIA II

ADAPTAÇÃO DA METODOLOGIA DE ANÁLISE DE RISCO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ÀS NOVAS NORMAS E CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO BASILÉIA II ESTUDO ESPECIAL 01/julho/2008 ADAPTAÇÃO DA METODOLOGIA DE ANÁLISE DE RISCO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ÀS NOVAS NORMAS E CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO BASILÉIA II Novas normas e cronograma de implementação

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 4º Trimestre findo em Dezembro 2013. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR)

INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) NOVO BANCO CONTINENTAL S/A - BANCO MÚLTIPLO - CNPJ:

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2014 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO... 1 3. RISCO DE MERCADO... 3 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 5. GESTÃO DE CAPITAL... 5

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA Vigência: 08/09/2015 POLÍTICA DE Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A Haitong Securities do Brasil CCVM S/A Haitong do Brasil DTVM S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

RELATORIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Circular 3.477/09 - BACEN

RELATORIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Circular 3.477/09 - BACEN RELATORIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Circular 3.477/09 - BACEN 12/2011 O Banco PSA Finance Brasil S/A e PSA Finance Arrendamento Mercantil S/A, operam como Banco múltiplo e estão formalmente constituídas

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Mercado Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Mercado do CRÉDIT AGRICOLE BRASIL e descreve as suas principais responsabilidades

Leia mais

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS SUMÁRIO I Objetivo 02 II Orientações Gerais 02 III Orientações Gerais Sobre o Arquivo XML 04 IV Orientações

Leia mais

Vale do São Francisco

Vale do São Francisco Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2015 e 2014 Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Vale do São Francisco Ltda. C.N.P.J 04.237.413/0001-45 Vale do São

Leia mais

Conta informada em duplicidade. Conta: 200807. Cooperativa de crédito deve informá-lo.

Conta informada em duplicidade. Conta: <código conta> 200807. Cooperativa de crédito deve informá-lo. ELIM0001 Na validação com o XSD, o XML estava vazio ou não tinha formato Documento com formato inválido. válido conforme o layout pré-definido. ELIM0002 Não é esperado envio de documento XML para a instituição

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS O ICBC do Brasil Banco Múltiplo S/A considera de suma importância o processo de gerenciamento de riscos, pois utiliza-o para agregar valor aos seus negócios, proporcionar

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito.

RESOLUÇÃO Nº 3.721. Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. RESOLUÇÃO Nº 3.721 Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento do risco de crédito. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público

Leia mais