Gerenciamento de Riscos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento de Riscos"

Transcrição

1 Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido

2 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições referentes a divulgação das operações e à sofisticação das estratégias e processos de gestão de riscos estão estabelecidas neste documento; 1.2. Os principais riscos serão classificados como operacional, de crédito, de liquidez e de mercado. Este último encontra-se associado a perdas que podem ser incorridas em decorrência de um movimento adverso nos preços, nas taxas de retorno dos ativos, nas taxas de juros ou em suas volatilidades. 2. Regras Gerais 2.1. A metodologia a ser utilizada para a avaliação do risco é o do Var (Value at Risk) que mede a pior expectativa de perda durante um período de tempo, sob condições normais de mercado e com um dado nível de confiança; 2.2. A mensuração do risco é uma importante ferramenta na decisão da alocação de recursos de capital, pois através de medidas fornecidas pelo VAR pode-se compor uma carteira de tal forma que as expectativas de retorno sejam maximizadas a um determinado nível de risco. 3. Gestão de Risco 3.1. Informações A gerência de risco deverá avaliar: a) O fluxo operacional existente das áreas como também assegurar que as informações e processos associados ao sistema sejam transparentes e acessíveis; b) A integridade do sistema de informação gerencial (dados institucionais, dados de mercado e cenários); c) Exatidão e totalidade dos dados das posições (para tal verificação poderá ser feita uma conciliação com a contabilidade); d) Consistência, a confiabilidade, e a independência das fontes de informação, referentes à base de dados de mercado (sistemas externos) e a base de dados institucionais (sistemas internos e externos), utilizadas nos cálculos do sistema de gestão de risco Cálculos Internos A gerência de risco deverá analisar os seguintes cálculos: a) De volatilidade e correlação, segundo os métodos disponíveis (desvio padrão, EWMA e Garch); b) Cálculos de marcação de mercado; c) Cálculos de risco; d) Fator de risco, portfólio e global; e) Diversificado e não diversificado; f) Elasticidade dos fatores de risco; g) Simulação de Monte Carlo; h) Modelos de precificação (Pré-fixados, Pós-fixados, Opções e outros) validados; i) Verificar o tratamento da base de dados de mercado, referente a ativos ilíquidos sem negociação no mercado (complemento da base de dados através de ferramentas matemáticas); j) Modelos de simulações disponíveis; k) Duration e Modify Duration; l) Analisar o modelo de Stress Testing; Relatório em atendimento a Circular 3.477, de 24 de dezembro de 2009, do Banco Central 2/10

3 m) Executar o Back Testing das carteiras Recursos Disponíveis A gerência de risco deverá verificar: a) As análises gráficas disponíveis; b) GAP s (fluxo de exposure por fator de risco); c) Fluxo de caixa; d) Comportamento de volatilidade e correlações históricas; e) Comportamento de preços e taxas históricas; f) Verificar os relatórios disponíveis; g) Relatórios de posições (por fator de risco e por portfólio); h) Relatório de risco (por fator de risco e por portfólio); i) Verificar a possibilidade de exportação de dados para a geração de relatórios customizados com Excel. 4. Política de Novos Produtos Todos os produtos deverão ser avaliados pela Área de Gestão de Risco conforme abaixo: a) Deverá assegurar que os riscos associados ao novo produto foram claramente identificados; b) Assegurar que os riscos podem ser medidos e monitorados pela infra-estrutura existente; c) Serão definidos limites e controles apropriados; d) Encaminhar o novo produto ao comitê de risco para aprovação. 5. Gerenciamento de Risco Estrutura Organizacional O controle integrado é o efeito obtido pela área de Risco, conseqüentemente agrega ganho, compartilhamento de informações e reforço da metodologia de gestão definidas para a proteção do capital do Banco Gerador. Sua estrutura é representada pela gerência de risco, sendo responsável pela gestão de risco de mercado, liquidez, crédito e risco operacional; A auditoria interna é responsável por exercer atividades objetivas definindo estratégias para a avaliação e melhora da eficácia dos processos de gerenciamento de risco, governança corporativa e segurança da informação. Relatório em atendimento a Circular 3.477, de 24 de dezembro de 2009, do Banco Central 3/10

4 5.1. Estrutura Organizacional da Gestão de Risco Conselho de Acionistas Auditoria Externa Diretor Presidente Auditoria Interna Analista (Crédito, Liquidez e Mercado) 5.2. Risco de Crédito a) Objetivos e políticas de gerenciamento de Risco de Crédito É o risco de que um parceiro numa transação falhe em agir de acordo com os termos e condições de contrato, ocasionando uma perda no fluxo de caixa ou no valor de mercado. Para o cumprimento da Resolução n do Banco Central do Brasil, as operações estão provisionadas de acordo com os parâmetros sugeridos, bem como estão sendo adotados critérios de pontuação/classificação de operações e clientes. b) Estratégia Toda a solicitação de crédito apresentada tem seus riscos avaliados de acordo com procedimentos internos estabelecidos para cada segmento; Estas avaliações envolvem uma análise técnica da capacidade do cliente em honrar os compromissos, das garantias apresentadas e verificação in loco como visitas às empresas. c) Gerenciamento dos Riscos de Crédito Todas as informações necessárias são levadas ao comitê de crédito envolvendo até a diretoria executiva dependendo da complexidade e do valor das operações. d) Mensuração e Controle de Risco Para essas operações são utilizados sistemas para avaliação dos pedidos de empréstimo baseado em informações estatísticas, políticas de crédito, ferramentas de pontuação e de prevenção a fraude e lavagem de dinheiro. e) Comunicação e Informações de Mensurações O processo de comunicação e mensuração do gerenciamento do risco de crédito é realizado por meio de elaboração e distribuição de relatórios à Diretoria Executiva responsável. Relatório em atendimento a Circular 3.477, de 24 de dezembro de 2009, do Banco Central 4/10

5 5.3. Risco de Liquidez a) Objetivos e políticas de gerenciamento de Risco de Liquidez Risco de liquidez é o risco que surge devido ao desequilíbrio entre ativos e passivos, descasamento entre pagamento e recebimento, causadas principalmente pelo descasamento de prazos entre as captações e aplicações, podendo afetar a capacidade de pagamento da instituição; O gerenciamento do risco de liquidez tem o objetivo de manter os sistemas de controle estruturados em igualdade com os processos operacionais que permitam o acompanhamento das informações de todas as operações praticadas no mercado de forma a mitigar os riscos das atividades. b) Estratégia A opção dos administradores pelo crédito consignado busca garantir os interesses da instituição com ativos de boa liquidez uma vez que é garantido pelo desconto em folha de pagamento dos seus clientes; O banco adota limites de caixa mínimo que dê suporte para manutenção de suas atividades normais com plano de contingência para eventuais ocorrências de desequilíbrio monetário. c) Gerenciamento dos Riscos de Liquidez O Banco Gerador conta com uma estrutura de gerencia de risco centralizada na diretoria executiva, com atribuições aprovadas pelo Conselho Administrativo, visando manter a liquidez em níveis aceitáveis de acordo com as práticas, processos e procedimentos da instituição; A estrutura de gerenciamento é compatível com a natureza das operações, complexidade e dimensão da exposição ao risco de liquidez, com gestão centralizada na Gerência de Riscos, subordinado a Diretoria Executiva. d) Mensuração e Controle de Risco A área de Risco é responsável pela preparação do fluxo de caixa e pela análise diária de todas as posições mantidas em conjunto com a Tesouraria, bem como da adequação em relação aos limites operacionais estabelecidos pela avaliação de liquidez dos ativos negociados e pelo impacto de cenários negativos de caixa; Para a mensuração do risco de liquidez leva-se em consideração os seguintes aspectos: acompanhamento diário dos limites de liquidez estabelecido pela Administração, Projeções de liquidez por meio de fluxo de caixa; Modelagem e construção de cenários; Comparativo e Análise de Variações e Plano de Contingência de Liquidez. e) Comunicação e Informações de Mensurações A comunicação do gerenciamento de risco de liquidez é feito através de distribuição de relatório às áreas envolvidas na gestão e no controle, bem como à Diretoria Executiva. Também são elaborados relatórios mensais sobre o gerenciamento de risco de liquidez, com as informações referentes ao período. Já está contratado o sistema, Duxus, que é utilizado para administração do risco de liquidez onde está aguardando a customização para implementação. f) Mitigação de Risco e processo de Monitoramento A política de mitigação de riscos de liquidez é a busca de recursos com prazos casados com os das operações efetuadas, sob a forma de cessões de crédito. O Banco busca captar a prazos compatíveis com os das aplicações e conta com o plano de contingência adequado para os casos excepcionais. Relatório em atendimento a Circular 3.477, de 24 de dezembro de 2009, do Banco Central 5/10

6 5.4. Risco de Mercado a) Objetivos e Políticas de gerenciamento de Risco de Mercado É o risco de que o valor de um instrumento financeiro ou de uma carteira de instrumentos financeiros se altere, em função de uma mudança das condições de mercado causada por fatores políticos ou outros; O gerenciamento deste risco está atrelado a um efetivo controle a partir das melhores práticas e ferramentas operacionais, garantindo que a instituição esteja adequadamente capitalizada e segura, sendo conhecedora de suas vantagens e desvantagens em termos de retorno e risco; O gerenciamento de risco de mercado é supervisionado e controlado de maneira eficaz identificando e quantificando as volatilidades e correlações que venham impactar a dinâmica do preço do ativo. b) Estratégia O gerenciamento de risco de mercado busca garantir que os critérios de classificação de carteira de negociação e carteira de não negociação sejam observados de maneira consistente, por meio do estabelecimento de controles que garantam a adequação da classificação e monitoramento da rotatividade das operações na carteira de negociação. c) Gerenciamento dos Riscos de Mercado São utilizadas práticas e tecnologias para a mensuração e acompanhamento dos limites definidos, das sensibilidades e estresses às oscilações a exposição cambial, taxa de juros, preços de ações e mercadorias, prevendo os riscos inerentes a novas atividades e produtos, adequando os controles e procedimentos necessários. d) Comunicação e Informações de Mensurações A área de gerenciamento de risco de mercado monitora o cumprimento dos limites e disponibiliza relatórios gerenciais de controle das posições, além de reporte e apresentações periódicas a alta administração. Já está contratado o sistema, Duxus, que é utilizado para administração do risco de mercado onde está aguardando a customização para implementação. e) Mitigação de Risco e processo de Monitoramento As operações de hedge executadas pela tesouraria do Banco devem, cancelar ou mitigar os riscos de descasamentos de quantidades, prazos, moedas ou indexadores das posições trading e Banking. Relativamente ao risco de taxa de juros prefixada, a estratégia é no sentido de manter descasada apenas até o limite do valor a carteira própria bancada Risco Operacional a) Objetivos e políticas de gerenciamento de Risco Operacional Esse tipo de risco comum ocorre quando há contabilização inadequada, falha de sistemas, digitação incorreta de informações, falta de energia, má interpretação de normas externas e internas, sendo de difícil mensuração e, pode provocar prejuízos financeiros e de imagem; O gerenciamento de risco como um instrumento essencial para a maximização da eficiência no uso de capital e para escolha de oportunidade de negócios, no sentido de obter a melhor relação entre o risco e o retorno aos acionistas. Neste sentido, a instituição acredita que a gestão de riscos deve ser parte integral das boas práticas de negócio, tanto nos níveis estratégicos, quanto operacionais; A estrutura de gerenciamento, em atendimento à política de risco operacional, é responsável pelo processo de identificação, avaliação, mensuração controle, mitigação, monitoramento, Relatório em atendimento a Circular 3.477, de 24 de dezembro de 2009, do Banco Central 6/10

7 prevenção e reporte de todas as situações que representem risco operacional para a administração da instituição. b) Estratégia Caracteriza-se pela manutenção de todos os riscos potenciais do banco sob adequado controle, com planos de mitigação que levem em consideração custo/benefício de cada item avaliado, de forma a não expor a instituição a possíveis perdas relevantes que possam afetar o fluxo normal de suas atividades e interromper a geração de resultados positivos adequados para a remuneração do capital dos acionistas. c) Estrutura do Gerenciamento dos Riscos Operacionais Mapeamento de Processos onde são realizados levantamento das atividades de todas as áreas demandantes do banco; Elaboração dos fluxogramas com todo o escopo dos processos; Elaboração dos manuais definindo todos os objetivos, processos, regras gerais, responsabilidades das áreas envolvidas e condições de cada produto ou procedimento; Utilização de controle do Risco Operacional através da Matriz de Risco, que possibilita identificar os riscos associados aos processos/atividades, classificando-os quanto à probabilidade e ao impacto, sua conseqüência e controles utilizados. A sua aplicação permite uma visão integral do fluxo do processo, suas independências e interações fatores que afetam a operacionalização do negócio; Análise da área de Compliance nos fluxogramas, manuais e matrizes de risco; Submete ao conhecimento da alta administração do Banco, divulgação através de e publicação em área de intranet; Este mapeamento resulta em identificar os eventos de risco operacional que representem alto risco nos processos, com levantamento detalhado dos dados coletados e das ações de mitigação tomadas pelas áreas envolvidas, realizando as alterações nos procedimentos necessários. d) Comunicação e Informações de Mensurações A comunicação tem o objetivo de disseminar a cultura de risco operacional, contemplando as principais ações para seu fortalecimento, consolidando as responsabilidades da estrutura de risco e procedimentos a serem adotados no âmbito da organização; Para divulgação dos riscos apurados e as devidas ações de mitigação, são emitidos relatórios de risco, após a conclusão do mapeamento de processo nas áreas, além do acompanhamento de risco operacional. Este acompanhamento de informações permite o acompanhamento das ações tomadas e a definição dos resultados obtidos. e) Mitigação de Risco e processo de Monitoramento A mitigação do risco operacional inicia-se através do mapeamento das atividades, que permite identificas os riscos associados aos procedimentos das atividades de cada área, classificandoos quanto a probabilidade de impacto, sua conseqüência e os controles que deverão ser utilizados. Para os riscos identificados são elaborados planos de ação que apontem a necessidade de melhoria, prevenção e correção dos controles praticados. Relatório em atendimento a Circular 3.477, de 24 de dezembro de 2009, do Banco Central 7/10

8 6. Informações de Patrimônio de Referência Em conformidade com a resolução 3.444/2007, e regulamentações complementares, o Banco Gerador mantém um Patrimônio de Referência (PR) compatível com os riscos de suas atividades. Patrimônio de Referência demonstrado abaixo: TABELA 1 - PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA* Descrição mar-11 jun-11 set-11 dez-11 PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA NÍVEL I (PR_I) Patrimônio Líquido Contas de Resultado Credoras (-)Contas de Resultado Devedoras PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA NÍVEL II (PR_II) Ajuste ao Valor de Mercado - TVM e Instrumentos Financeiros Derivativos DEDUÇÕES DO PR * conforme Demonstrativo de Liquidez Operacional - DLO 7. Informações relativas ao PRE e à adequação do PR A apuração do Patrimônio de Referência Exigido (PRE) é realizada em conformidade com a Resolução do Conselho Monetário Nacional 3.490/2007. Patrimônio de Referência Exigido demonstrado abaixo: TABELA 2 - ADEQUAÇÕES DO PR AO PRE* Descrição mar-11 jun-11 set-11 dez-11 PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO (PRE) PARCELA PEPR VALOR TOTAL DA PARCELA PCAM VALOR TOTAL DA PARCELA PJUR[1] VALOR TOTAL DA PARCELA PJUR[2] VALOR TOTAL DA PARCELA PJUR [3] VALOR TOTAL DA PARCELA PJUR [4] VALOR TOTAL DA PARCELA PCOM VALOR TOTAL DA PARCELA PACS VALOR TOTAL DA PARCELA POPR ADICIONAL DE PRE DETERMINADO PELO BACEN PARCELA RBAN VALOR DA MARGEM OU INSUFICIÊNCIA BASILÉIA 36% 25% 22% 21% * conforme Demonstrativo de Liquidez Operacional - DLO Relatório em atendimento a Circular 3.477, de 24 de dezembro de 2009, do Banco Central 8/10

9 8. Informações referentes as exposições a Risco de Crédito 8.1. Valor total das exposições e valor da exposição média do trimestre considerando o Fator de Ponderação de Risco FPR definidos nos arts. 10 a 16 da Circular nº 3.360/2007. a) Exposição Total TABELA 3 - EXPOSIÇÕES A RISCO DE CRÉDITO POR FATORES DE RISCO* FATORES DE RISCO MAR-11 JUN-11 SET-11 DEZ-11 PONDERAÇÃO 0% PONDERAÇÃO 20% PONDERAÇÃO 50% PONDERAÇÃO 75% PONDERAÇÃO 100% PONDERAÇÃO 300% TOTAL DA PARCELA PEPR (APLICADO FATOR F = 0,11) * conforme Demonstrativo de Liquidez Operacional - DLO b) Exposição Média do Trimestre TABELA 4 - MÉDIA TRIMESTRAL DAS EXPOSIÇÕES A RISCO DE CRÉDITO POR FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 1º TRIM º TRIM º TRIM º TRIM 2011 PONDERAÇÃO 0% PONDERAÇÃO 20% PONDERAÇÃO 50% PONDERAÇÃO 75% PONDERAÇÃO 100% PONDERAÇÃO 300% TOTAL DA PARCELA PEPR (APLICADO FATOR F = 0,11) c) Montante para operações em atraso TABELA 5 - EXPOSIÇÕES A RISCO DE CRÉDITO MAR-11 JUN-11 SET-11 DEZ-11 EXPOSIÇÕES A RISCO DE CRÉDITO MAIORES CLIENTES DE CRÉDITO (REPRESENTATIVIDADE) 32% 24% 19% 27% OPERAÇÕES EM ATRASO ATÉ 60 DIAS ENTRE 61 E 90 DIAS ENTRE 91 E 180 DIAS ACIMA DE 181 DIAS OPERAÇÕES BAIXADAS PARA PREJUÍZO PROVISÕES PARA PERDAS (PDD CONTÁBIL) Relatório em atendimento a Circular 3.477, de 24 de dezembro de 2009, do Banco Central 9/10

10 8.2. Informações relativas ao risco de crédito de contraparte Risco de Crédito de Contraparte demonstrado abaixo: TABELA 6 - RISCO DE CONTRAPARTE MAR-11 JUN-11 SET-11 DEZ-11 OPERAÇÕES COMPROMISSADAS* DEPÓSITOS INTERFINANCEIROS** DERIVATIVOS COM GARANTIAS VALOR ATUAL * operações compromissadas - papeis de terceiros ** conforme Informações Financeiras Trimestrais (IFT) 9. Informações relativas às operações de cessão de crédito Saldo das exposições cedidas abaixo: TABELA 7 - CESSÕES DE CRÉDITO MAR-11 JUN-11 SET-11 DEZ-11 POSIÇÕES CEDIDAS COM RETENÇÃO SUBSTANCIAL DOS RISCOS Risco de Mercado - Informações relativas às operações classificadas na carteira de negociação Posição de Risco de Mercado abaixo: TABELA 8 - CARTEIRA DE NEGOCIAÇÃO MAR-11 JUN-11 SET-11 DEZ-11 ATIVOS -PRÉ DERIVATIVOS - TAXA DE JUROS DERIVATIVOS - SWAP Relatório em atendimento a Circular 3.477, de 24 de dezembro de 2009, do Banco Central 10/10

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de março 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR III Disciplina de Mercado 3º Trimestre - 2013 Sumário Introdução... 3 Perfil Corporativo... 3 Principais Tipos de Riscos (conceitos)... 4 Riscos Financeiros...

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA DENOMINAÇÃO Gestão de Riscos e de Patrimônio de Referência Circular 3.477/99 ÁREA EMITENTE Data Base Gestão de Riscos 30/09/01 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA 1. Introdução Em

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2014 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO... 1 3. RISCO DE MERCADO... 3 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 5. GESTÃO DE CAPITAL... 5

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 2.1. RISCO DE MERCADO... 2 2.2. GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 2 2.3. TIPOS E CATEGORIAS DE RISCO AVALIADOS... 2 Risco de Taxas de Juros...2 Risco de

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Setembro de 2012 SUMÁRIO 1 Introdução 03 1.1 O Banco do Nordeste 03 2 Gestão de Risco do BNB 05 2.1 Risco

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB Fevereiro/2011 ÍNDICE 1) Objetivo...3 2) Institucional...3 2.1) Tipos de Riscos...3 2.2) Estrutura e Processo de Gestão...3

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez...

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez... 1T 2013 Índice Introdução... 3 Filosofia... 4 Risco de Crédito... 5 Risco Operacional... 12 Risco de Mercado... 15 Risco de Liquidez... 20 Gestão de Capital... 23 2 Introdução Este relatório tem como objetivo

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 4º Trimestre findo em Dezembro 2013. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital RISKS Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital 1º Trimestre 2014 Documento de uso interno RISKS Sumário Introdução... 3 1. Sobre o Gerenciamento de Riscos... 4 2. Patrimônio de Referência... 7 3. Ativos

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital. 2015 2º Trimestre

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital. 2015 2º Trimestre Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital 2015 2º Trimestre Índice 1. Introdução... 4 2. Tipos de Riscos... 4 2.1. Risco de Crédito... 4 2.2. Risco Operacional... 4 2.3. Risco de Mercado... 4 2.4.

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 3 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Agosto/2013 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. Comitê de Gestão do Capital

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Banco Mizuho do Brasil SA. 29/05/2014 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1.

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de riscos

Relatório de Gerenciamento de riscos Relatório de Gerenciamento de riscos SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1 GESTÃO DE RISCOS... 5 1.1 PRINCIPAIS RISCOS CORPORATIVOS... 5 2 RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1 GESTÃO DO RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1.1 Identificação

Leia mais

Índice. Relatório de Gerenciamento de Riscos

Índice. Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos 2014 Índice Introdução... 3 Tipos de Riscos... 3 Risco Operacional... 3 Risco de Mercado... 4 Risco de Liquidez... 4 Risco de Crédito... 4 Gerenciamento de Riscos...

Leia mais

GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014

GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014 Relatório de Risco - 2011 GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014 Parte 2: Tabelas com as exposições a risco de crédito, mercado, liquidez e operacional em atendimento à circular n o 3477 do Banco Central do

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015 Relatório de Gestão de Riscos e Capital 3ºTri2015 Sumário A. Introdução...3 B. Escopo de Consolidação e Comparação dos Balanços...4 C. Governança Interna...7 1. Estrutura de Governança de Comitês...7 2.

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO 1) Objetivo 2) Abrangência 3) Responsabilidades 4) Políticas e Definições 5) Plano de alçadas 6) Regulamentação externa ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 Dez/14 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar informações relevantes sobre as estruturas e os processos de gerenciamento de riscos adotados

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO DEZEMBRO/2011 Contexto Operacional A Agiplan Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Agiplan ) é uma instituição financeira privada, com

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr 1. Introdução 2. Áreas de Atuação 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos 4. Apetite ao Risco 5. Informações Qualitativas 5.1 Risco de Crédito 5.2 Risco de Mercado 5.3 Risco de Liquidez 5.4 Risco Operacional

Leia mais

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 30 de Junho de 2012

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 30 de Junho de 2012 Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 30 de Junho de 2012 1 Índice I. INTRODUÇÃO... 3 II. CONTEXTO OPERACIONAL... 3 III. GESTÃO DE CAPITAL...

Leia mais

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE JULHO/2014 1. Objetivos O gerenciamento de riscos no BRDE tem como objetivo mapear os eventos de riscos, sejam de natureza interna ou externa, que possam afetar

Leia mais

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS Ano 2009 Índice APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS 04 1.1. CULTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 04 1.2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS COPRPORATIVOS 04 1.3. REPORTES DA ÁREA

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL 2015 GERENCIAMENTO DE RISCOS Objetivo Este documento tem como objetivo definir políticas para o gerenciamento de riscos da Agoracred SA SCFI conforme Resoluções

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Sumário 1. Objetivo... 3 2. Estrutura Organizacional... 3 3. Gerenciamento de Riscos... 5 4. Gerenciamento de Capital...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MAPA DE RISCOS... 4 3. PROCESSO E METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 5 Objetivo e Estratégias... 5 Políticas de Gerenciamento

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2013 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. RISCO DE MERCADO... 1 3. RISCO DE LIQUIDEZ... 2 4. GESTÃO DE CAPITAL... 4 5. RISCO DE CRÉDITO... 6 6. RISCO OPERACIONAL...

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016 Propriedade de Banco do Nordeste do Brasil S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. I. ESCOPO 1.

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1 1. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1 INTRODUÇÃO O gerenciamento de riscos do Banco Renner é acompanhado constantemente pela Diretoria que é responsável por

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos. Circular 3.477. Junho de 2013

Relatório de Gestão de Riscos. Circular 3.477. Junho de 2013 Circular 3.477 Junho de 2013 Banco Original S.A. Rua Gen. Furtado do Nascimento, 66 Alto de Pinheiros, 05465-070 - São Paulo www.bancooriginal.com.br ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Gestão de Negócios...

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos

Relatório de Gestão de Riscos Relatório de Gestão de Riscos 1º TRIMESTRE 2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Apresentação... 2 2. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 2 2.1. Gestão Integrada de Riscos... 2 2.1.1.

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2º Trimestre de 2012 Conteúdo Introdução 3 Perfil do Banco 3 Princípios da Gestão de Riscos 3 Tipos de Riscos 4 Gerenciamento de Riscos 4 Risco

Leia mais

2º Trimestre de 2014 Basiléia III

2º Trimestre de 2014 Basiléia III Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2014 Basiléia III Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Comparativo entre Balanço Individual e Balanço Publicado... 4 Princípios da Gestão de

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance

Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance Março 2012 Page 2/18 Colophon Title Subtitle Version 2.0 Project Relatório BACEN 3678 Author Email Date Error! Reference source not

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Vale do São Francisco

Vale do São Francisco Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2015 e 2014 Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Vale do São Francisco Ltda. C.N.P.J 04.237.413/0001-45 Vale do São

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE 1ºTRI2015 1 Introdução... 4 2 Gestão de Riscos... 5 2.1 Principais

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO Departamento de Gestão de Riscos RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013 Agosto de 2013. BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 ) Introdução

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 ) Introdução 1 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 1 ) Introdução A Diretoria Executiva da Grazziotin Financeira, em atendimento à Resolução CMN 4.090 de maio/2012 implementou sua estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS (Março/ 2014)

GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS (Março/ 2014) GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS (Março/ 2014) O relatório de gerenciamento de risco foi produzido conforme a Circular nº 3.477 de 24/12/2009. O Grupo Ourinvest (Banco e DTVM) tem o gerenciamento de

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1. OBJETIVO A gestão de risco para a NexFuel é uma ferramenta pela qual são analisados e monitorados os riscos estratégicos, operacionais e financeiros bem como aqueles atrelados

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Banco BMG S/A Relatório para atender aos requisitos estabelecidos na Circular nº 3.477/09 Atendendo ao estabelecido na Circular nº 3.477/09, apresentamos o relatório da estrutura

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ORGANOGRAMA DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 2.1. Responsabilidades... 4 3. RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) 1. Introdução O Scania Banco iniciou suas operações em Novembro de 2009, com o objetivo de fornecer produtos e serviços financeiros exclusivamente

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S/A Trimestre findo em 31/03/2015 ÍNDICE PÁGINA 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PERFIL CORPORATIVO... 4 3. GOVERNANÇA CORPORATIVA... 4 3.1. Comitê

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º TRIMESTRE DE 2015 I INTRODUÇÃO / OBJETIVO O principal objetivo desse documento é apresentar as informações do Conglomerado Crédit Agricole requeridas pelo Banco

Leia mais

CONGLOMERADO PRUDENCIAL

CONGLOMERADO PRUDENCIAL CONGLOMERADO PRUDENCIAL Informações Relativas à Circular BACEN 3.678 1 TRIMESTRE 2015 DOCUMENTO DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos -, Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2T13 B R A D E S C O 1 Conteúdo Introdução... 5 Perfil Corporativo... 5 Escopo do Gerenciamento de Riscos... 6 Apetite a Riscos... 6 Mapa de Riscos... 7

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

Terceiro Trimestre de 2015

Terceiro Trimestre de 2015 Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MAPA DE RISCOS... 4 3. PROCESSO E METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 5 Objetivo e Estratégias... 5 Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos http://www.bcb.gov.br/?especialnor GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 4º Trimestre de 2011 Gerenciamento de Riscos Banco BMG S/A Relatório para atender aos requisitos estabelecidos na Circular nº 3.477/09

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos 2T2012 ING Bank N.V. São Paulo Relatório de Gerenciamento de Riscos Page 1 of 14 Estrutura de gerenciamento de riscos A estrutura organizacional das áreas responsáveis

Leia mais

BANCO AZTECA DO BRASIL

BANCO AZTECA DO BRASIL Sumário BANCO AZTECA DO BRASIL Sumário... 2 I. Introdução... 2 II. Objetivo... 2 III. Escopo do... 3 IV. Mapa de Risco... 5 V. Risco de Mercado... 6 A. Ferramentas de Risco de Mercado... 6 VaR: 6 Testes

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. 1º Trimestre de 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. 1º Trimestre de 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1º Trimestre de 2015 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Risco de Crédito... 5 4. Risco de Mercado... 7 5. Risco Operacional...

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos Financeiros GERIF Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Diretoria de Fiscalização

Diretoria de Fiscalização Diretoria de Fiscalização Departamento de Monitoramento do Sistema Financeiro e Gestão da Informação DESIG Seminário Febraban Basiléia II 3/7/2008 DESIG 1 Agenda: Apresentar os documentos: DRM - Documento

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais