RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB Fevereiro/2011

2 ÍNDICE 1) Objetivo...3 2) Institucional ) Tipos de Riscos ) Estrutura e Processo de Gestão...3 3) Regulamentação ) Acordo de Basileia no BRB ) Normativos...5 4) Gerenciamento ) Risco de Crédito...6 Política...6 Estrutura...6 Processo de Gestão ) Risco de Mercado e de Liquidez...7 Política...7 Estrutura...8 Balanço por fator de Risco...8 VaR - Valor em Risco...9 Backtesting ) Risco Operacional...11 Política...11 Estrutura...12 Processo de Gestão ) Capital Regulatório ) Patrimônio de Referência ) Alocação de Capital para Risco de Crédito ) Alocação de Capital para Risco de Mercado e Parcela Banking ) Alocação de Capital para Risco Operacional (POPR) ) Patrimônio de Referência Exigido ) Evolução Índice de Basileia...19 Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

3 1) OBJETIVO Este relatório apresenta o resumo da estrutura de gerenciamento do risco de crédito, de mercado e operacional do Banco de Brasília S.A Publicado com periodicidade anual, no endereço eletrônico visa atender: Art. 4º da resolução CMN nº 3.380/2006; Art. 6º da resolução CMN nº 3.464/2007; Art. 7º da resolução CMN nº 3.721/2009; A Diretoria Colegiada, em sua 2949ª Reunião, em 25/02/2011 e o Conselho de Administração, em sua 453ª Reunião, em 11/04/2011, fazem constar suas responsabilidades pelas informações divulgadas neste relatório. 2) INSTITUCIONAL 2.1) Tipos de Riscos Risco de Crédito: conforme a resolução CMN n 3.721/2009, define-se o risco de crédito como a possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas obrigações financeiras nos termos pactuados, à desvalorização de contrato de crédito decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador, à redução de ganhos ou remunerações, às vantagens concedidas na renegociação e aos custos de recuperação. Risco de Imagem: defini-se o risco de imagem como sendo a possibilidade de perdas decorrentes da instituição ter seu nome desgastado junto ao mercado ou às autoridades, em razão de publicidade negativa, verdadeira ou não. Risco de Liquidez: conforme a resolução CMN n 2.804/2000, define-se o risco de liquidez como a ocorrência de desequilíbrios entre ativos negociáveis e passivos exigíveis descasamentos entre pagamentos e recebimentos que possam afetar a capacidade de pagamento da instituição, levando-se em consideração as diferentes moedas e prazos de liquidação de seus direitos e obrigações. Risco de Mercado: conforme a resolução CMN n 3.464/2007, define-se o risco de mercado como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas por uma instituição financeira. Essa definição inclui os riscos das operações sujeitas à variação cambial, das taxas de juros, dos preços de ações e dos preços de mercadorias (commodities). Risco Operacional: conforme a resolução CMN n 3.380/2006, define-se o risco operacional como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, ou de eventos externos, incluindo o risco legal. 2.2) Estrutura e Processo de Gestão A Diretoria de Controle do Banco de Brasília atua de forma independente no gerenciamento dos riscos e visa adotar as melhores práticas de mercado, mantendo uma atuação direta, e contribuindo, dessa forma, para otimizar a relação risco/retorno dos riscos de crédito, de mercado, operacional e legal. A estrutura organizacional do gerenciamento do risco do Conglomerado BRB, segregada das unidades de negociação e de auditoria interna, é compatível com a exposição das suas operações. Essa estrutura pode ser observada no organograma abaixo: Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

4 Figura 1: Estrutura organizacional para gestão de riscos no BRB. Em complemento à estrutura de governança, a Diretoria Colegiada do BRB constituiu os seguintes comitês: Comitê de Gerenciamento do Risco de Crédito: são realizadas reuniões regulares coordenadas pela Diretoria de Crédito, com a participação da área de risco. Tem como objetivo estabelecer e acompanhar os limites e as ações estratégicas para a redução e mitigação do risco de crédito do Conglomerado BRB; Comitê de Gerenciamento do Risco de Mercado e Liquidez: são realizadas reuniões regulares coordenadas pelo Diretor Financeiro, com a participação de membros da Diretoria Financeira (Dirfi) e da Diretoria de Controle (Dicon). Propõe e acompanha os limites de VaR e a gestão de ativos e passivos (ALM) do Conglomerado BRB; Comitê de Gerenciamento do Risco Legal: são realizadas reuniões regulares coordenadas pela Diretoria de Controle (Dicon), com a participação da Diretoria de Administração (Dirad) e da área jurídica do BRB. Tem em suas principais atividades a análise dos fatos geradores de ações trabalhistas, cíveis e fiscais, a análise de perdas e provisões, além de determinar ações estratégicas para a mitigação do risco legal do Conglomerado BRB. Comitê de Gerenciamento do Risco Operacional: são realizadas reuniões regulares coordenadas pela Diretoria de Administração (Dirad), com a participação das áreas de risco, de crédito, de tecnologia e de segurança. Tem por objetivo estabelecer e acompanhar os limites e as ações estratégicas para a redução e mitigação do risco operacional do Conglomerado BRB; Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

5 Em 31/12/2010 o BRB satisfez as condições previstas na resolução CMN nº 3.198/2004 e suas alterações e constituirá, até 31/03/2011, órgão estatutário denominado Comitê de Auditoria, que, entre outras atribuições: avaliará a efetividade das auditorias independente e interna, inclusive quanto à verificação do cumprimento de dispositivos legais e normativos aplicáveis ao BRB, além de regulamentos e códigos internos; avaliará o cumprimento, pela administração do Banco de Brasília, das recomendações feitas pelos auditores independentes ou internos; recomendará à diretoria, correção ou aprimoramento de políticas, práticas e procedimentos identificados no âmbito de suas atribuições. 3) REGULAMENTAÇÃO 3.1) Acordo de Basileia no BRB O BRB, em conformidade com os três pilares definidos pelo Novo Acordo de Capitais - Basileia II alocação mínima de capital, supervisão bancária e governança e disciplina de mercado (transparência) -, mantém estrutura de gerenciamento de seus riscos compatível com a natureza das suas operações, a complexidade dos seus produtos e proporcional a dimensão aceitável da exposição a risco da instituição. 3.2) Normativos Para adequar sua estrutura de gerenciamento de riscos, o Banco de Brasília alinha os seus processos e procedimentos com a regulamentação estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional por meio dos normativos emitidos pelo Banco Central do Brasil. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

6 4) GERENCIAMENTO A crescente inovação de práticas e instrumentos financeiros, a volatilidade do mercado e a concorrência global contribuí cada vez mais para a preocupação dos bancos em relação à gestão de riscos. Atualmente os bancos intensificam seus esforços em gestão de risco, em função da necessidade de fortalecimento do sistema financeiro local e internacional e segue os padrões bancários mundiais adotados pelos órgãos reguladores. 4.1) Risco de Crédito Considerando que as operações de crédito são a principal fonte de risco das instituições financeiras, o BRB intensifica seus esforços no desenvolvimento da gestão do risco de crédito, mediante a implementação de conceitos e atitudes orientados pelos padrões bancários mundiais e locais Basileia II e normativos publicados pelo Banco Central. Política A política de gerenciamento do risco de crédito do BRB, aprovada pela Diretoria Colegiada e pelo Conselho de Administração, é o documento estratégico relativo à gestão de risco de crédito da instituição, que: estabelece a estrutura, os processos e procedimentos destinados a identificar, mensurar, controlar e mitigar a exposição ao risco de crédito, tanto em nível individual quanto em nível agregado de operações com características semelhantes do Conglomerado BRB; implementa a cultura e procedimentos para uma gestão eficaz do risco de crédito, possibilitando o gerenciamento contínuo e integrado, tanto das operações classificadas na carteira de negociação, quanto das operações não classificadas na carteira de negociação; determina o nível de exposição ao risco de crédito que a instituição deseja na execução do seu planejamento estratégico, e; orienta a adequada alocação de capital para cobertura do risco de crédito. Por meio da Política Geral de Crédito, são estabelecidos limites, parâmetros e diretrizes que balizam a instituição no controle e gestão de todas as suas operações não classificadas na carteira de negociação expostas ao risco de crédito. Estrutura A estrutura de gerenciamento do risco de crédito, compõe-se de unidade específica segregada das unidades de negociação e de auditoria interna, denominada Gerência de Controle do Risco de Crédito (Geric), subordinada ao Departamento de Risco Institucional (Deris). Essa unidade, através de sistema informatizado, apura mensalmente a parcela referente às exposições ponderadas por fator de risco PEPR, monitora e controla esse risco e informa o Comitê de Gerenciamento do Risco de Crédito, através de relatórios gerenciais, sobre a adequação de capital regulamentar, face ao Índice de Basileia e estratégias interna corporis e realizando análises acerca das carteiras de crédito do BRB. Processo de Gestão A gestão do risco de crédito do Conglomerado BRB é realizada de forma consolidada (identificação, mensuração, controle e mitigação dos riscos associados). Para as demais empresas integrantes do consolidado econômico-financeiro, definido pela resolução CMN nº 2.723/2000 e alterada pela resolução CMN nº 2.743/2000, o risco de crédito é identificado e acompanhado conforme resolução CMN n º 3.721/2009. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

7 O processo de gerenciamento de risco de crédito no Banco de Brasília é constituído pelas seguintes atividades: acompanhar a evolução do Patrimônio de Referência (PR), realizando a adequação dos seus níveis, de que trata a resolução CMN n o 3.444/2007, e do Patrimônio de Referência Exigido (PRE), especialmente as Exposições Ponderadas por Fator de Risco (EPR), de forma a manter o equilíbrio de solvabilidade do Conglomerado, conservando o IB acima do mínimo regulamentar de 11%. elaborar, propor, implementar, manter, disseminar e supervisionar a política e as estratégias para o gerenciamento do risco de crédito contemplando o estabelecimento de limites operacionais, mecanismos de mitigação de risco e procedimentos destinados a manter a exposição ao risco de crédito em níveis considerados aceitáveis; realizar, trimestralmente, simulações de condições extremas (testes de estresse), englobando ciclos econômicos, alteração das condições de mercado e de liquidez, inclusive da quebra de premissas, cujos resultados devem ser considerados quando do estabelecimento ou revisão das políticas e limites de crédito; realizar a avaliação prévia de novas modalidades de operação com respeito ao risco de crédito e o seu impacto na alocação de capital, assim como verificar a sua adequação aos procedimentos e controles do risco de crédito adotados pela instituição; monitorar permanentemente, por meio de relatórios gerenciais mensais e anuais, as carteiras de crédito do conglomerado BRB para identificar, mensurar, controlar e mitigar a exposição ao risco de crédito, tanto em nível individual quanto em nível agregado de operações com características semelhantes, que abrangem, no mínimo, as fontes relevantes de risco de crédito, a identificação do tomador ou contraparte, a concentração do risco e a forma de agregação das operações, acompanhar a evolução do estoque de crédito, a concentração, a inadimplência e provisão nas carteiras de crédito do conglomerado; proceder a avaliação adequada da retenção de riscos em operações de venda ou de transferência de ativos financeiros; realizar a mensuração adequada do risco de crédito de contraparte advindo de instrumentos financeiros derivativos e demais instrumentos financeiros complexos; e emitir relatórios gerenciais periódicos para a administração da instituição, acerca do desempenho do gerenciamento do risco em decorrência das políticas e estratégias adotadas; 4.2) Risco de Mercado e de Liquidez Política A política de gerenciamento do risco de mercado do BRB, aprovada pela Diretoria Colegiada e pelo Conselho de Administração, é o documento estratégico relativo à gestão de risco de mercado da instituição, que: divulga as práticas de gestão de risco adotadas no âmbito da empresa, de forma a adequar a alocação de capital para cobertura desse risco; estabelece a estrutura, os processos e os procedimentos destinados a identificar, mensurar, avaliar, monitorar e controlar as exposições das operações financeiras do Conglomerado BRB sujeitas ao risco de mercado. Os limites para o controle do risco de mercado - estabelecidos em função do Patrimônio de Referência (PR) e de valores de VaR (Value at Risk) - são determinados pelo Comitê de Gerenciamento do Risco de Mercado e Liquidez e aprovados pela Diretoria Colegiada, em conformidade com a Política de Alocação de Recursos do BRB. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

8 Estrutura A Gerência de Controle do Risco de Mercado e Liquidez (Gerim) é subordinada ao Departamento de Risco Institucional (Deris). Sua equipe é responsável pela identificação, mensuração, avaliação, monitoramento e controle do risco de mercado da instituição. Também são atribuições da Gerim o cálculo e o envio das informações exigidas pelo Banco Central, via normativos, bem como o reporte de informações à alta administração, de acordo com as premissas definidas pelo Comitê de Gerenciamento do Risco de Mercado e Liquidez - aprovadas pela Diretoria Colegiada (Dicol). Balanço por fator de Risco O Banco de Brasília gerencia suas exposições ao risco de mercado de forma consolidada, analisando os impactos de diversos cenários e realizando testes de estresse com periodicidade mínima trimestral. Abaixo observa-se a composição dos ativos e passivos do BRB, detalhada por fator de risco: Figura 2: Composição dos ativos e passivos do BRB. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

9 O gráfico a seguir evidencia os descasamentos líquidos por fator de risco do Banco de Brasília: Figura 3: Posição líquida do BRB. VaR - Valor em Risco O Valor em Risco é obtido por meio do cálculo das posições ativas e passivas do Conglomerado BRB, compostas por operações comerciais e de tesouraria, inclusive instrumentos financeiros derivativos. A figura a seguir apresenta uma análise do Valor em Risco (VaR) do Consolidado BRB para o ano de Figura 4: VaR Monetário do Consolidado BRB em Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

10 A tabela seguinte descreve o VaR mínimo, médio e máximo do BRB Consolidado, observado nos seguintes períodos: Backtesting A eficiência do modelo do Valor em Risco é comprovada por técnicas de backtesting, uma ferramenta estatística formal utilizada para verificar a consistência entre as perdas observadas e as perdas previstas, ou seja, comparar o histórico das perdas estimadas pelo VaR com os retornos observados da carteira. O número de exceções deve ser compatível, dentro de uma margem aceitável, com a hipótese de intervalo de confiança adotada para o modelo. Para ilustrar a confiabilidade das medidas de risco geradas pelo modelo, a figura abaixo apresenta o gráfico do backtesting da posição total do Conglomerado BRB, para o período de janeiro a dezembro de Figura 5: Backtesting da carteira do Conglomerado BRB. O gráfico demonstra a adequação do modelo de risco de mercado. As observações abaixo da linha diagonal indicam dias em que o valor do resultado diário excedeu o VaR. Para o intervalo em estudo ocorreram cinco violações ao valor em risco expresso pelos controles, ou seja, respeitou-se o intervalo de confiança adotado no modelo. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

11 4.3) Risco Operacional Entende-se como risco operacional o risco de perda advindo de processos internos falhos ou inadequados, pessoas e sistemas ou de eventos externos. Essa definição inclui risco legal associado à inadequação ou deficiência em contratos firmados pelo Conglomerado BRB, bem como as sanções em razão de descumprimento de dispositivos legais e a indenizações por danos a terceiros decorrentes das atividades desenvolvidas pelo Conglomerado. Os eventos de risco operacional incluem: Fraudes Externas: perdas em que elementos externos intencionalmente lesam o BRB ou seus clientes (subtração direta de ativos, falsificação, fraudes em canais eletrônicos, como Banknet e terminais de cartão de crédito); Fraudes Internas: perdas em que funcionários ou contratados intencionalmente lesam o BRB ou seus clientes (furtos, infrações a normas e procedimentos); Falhas em Processos: perdas decorrentes de problemas com a administração de processos (falhas de funcionários, multas, falhas com fornecedores); Falhas de Sistemas de Tecnologia da Informação: perdas diretas por negócios não realizados devido a indisponibilidade ou erros de sistemas. Danos ao Patrimônio Físico: perdas decorrentes de desastres naturais ou qualquer evento interno ou externo que afete negativamente o patrimônio do BRB; Falhas nos Negócios: perdas decorrentes de falha não-intencional na relação de negócios com clientes (infração de normas, erro na modelagem de um produto ou serviço, danos morais e materiais); Demandas Trabalhistas: perdas decorrentes de ações trabalhistas; Interrupção do Negócio: perdas referentes ó interrupção nos negócios causada pelo corpo funcional ou por falta de serviços públicos. Política Para proporcionar um adequado ambiente de identificação e avaliação dos riscos, o BRB dispõe de uma Política de Gerenciamento do Risco Operacional, aprovada pela Diretoria e pelo Conselho de Administração, que estabelece a estrutura e os procedimentos destinados a controlar e mitigar os riscos operacionais, cujo objetivo é disseminar a cultura e melhores práticas de gestão do risco operacional no âmbito da instituição, estabelecendo papéis e responsabilidades em seus diversos níveis hierárquicos, a fim de reduzir as perdas operacionais, diminuir a alocação de capital e garantir a solvência e competitividade do Conglomerado BRB. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

12 Estrutura O gerenciamento do risco operacional do conglomerado BRB é executado em âmbito institucional pelas seguintes unidades: Auditoria Interna vinculada ao CONSAD, possui a responsabilidade de verificar se os processos e sistemas de gestão do risco operacional estão aderentes ao arcabouço de normas internas e externas. Além disso, possui a responsabilidade de realização, com periodicidade mínima anual, assim como o de realizar testes de avaliação dos sistemas, processos e modelos de controle dos riscos operacionais. Gerência de Controle do Risco Operacional - vinculada ao Departamento de Risco Institucional (Deris) e à Diretoria de Controle, possui a responsabilidade de consolidar as informações sobre o gerenciamento do risco operacional do Conglomerado BRB, definir os instrumentos de gestão, prestar suporte aos gestores na identificação e mitigação de riscos, suprir o comitê com informações relevantes, e executar demais atividades específicas, em âmbito institucional, para gestão do risco operacional. O Deris é a unidade responsável pelo gerenciamento do risco operacional do Conglomerado BRB e empresas controladas. Comitê de Gerenciamento do Risco Operacional conforme definição em resolução interna, possui responsabilidades por tarefas que visam suprir o comitê e a alta administração de subsídios para tomada de decisões relacionadas à gestão do risco operacional. Processo de Gestão O processo para o gerenciamento do risco operacional do BRB prevê uma abordagem qualitativa, que identifica e analisa riscos e avalia controles, objetivando a redução das perdas operacionais e a melhoria operacional e uma abordagem quantitativa, que visa mensurar os riscos operacionais para efeito de gestão e, futuramente, para alocação de capital. Considerando a abordagem quantitativa, o Banco de Brasília consolida as perdas do Conglomerado em uma base de dados interna, classificada conforme a taxonomia adotada para os eventos de riscos/perdas e suas respectivas causas. Essa base de dados permite o monitoramento das perdas incorridas, possibilitando a utilização efetiva das informações para gestão. Entre as ações que compõem o ambiente da estrutura de gerenciamento de risco operacional do BRB, destacam-se: Identificação dos riscos operacionais Refere-se à primeira fase da gestão de riscos, que consiste em analisar os processos das áreas, visando identificar riscos operacionais e potenciais, internos e externos, os quais podem impactar nos objetivos do Banco. Refere-se à fase de análise qualitativa e quantitativa do risco operacional, da qual formam-se subsídios para tomada de decisão, estratégias de controle e mitigação, e planos de ação. Avaliação dos riscos operacionais identificados Refere-se à fase de análise qualitativa e quantitativa do risco operacional, da qual formam-se subsídios para tomada de decisão, estratégias de controle e mitigação e planos de ação. Mensuração dos riscos operacionais Trata-se do uso de métodos, abordagens, modelos e padrões matemáticos para o cálculo do risco operacional, do capital econômico e regulamentar exigidos, da parcela do risco operacional para compor o Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e de outras medidas necessárias para ações próativas e reativas de administração do risco operacional. Controle / Mitigação dos riscos operacionais Ações que tratam da execução de planos e medidas de correção e adequação, quando verificados desvios das práticas e processos em relação ao esboço normativo e organizacional que rege a gestão do risco operacional. É a fase de implementação das estratégias de melhoria dos processos visando diminuição dos riscos operacionais, com ênfase naqueles cujo impacto financeiro no Conglomerado BRB seja relevante. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

13 Monitoramento dos riscos operacionais Consiste na execução de um sistema ou processo de vigilância, com o objetivo de verificar se as práticas e processos existentes e mapeados estão aderentes ao regulamento interno e externo. É a fase que confirma se os riscos e perdas operacionais estão dentro dos limites aprovados pelas alçadas competentes e se a ação de controle e mitigação do risco operacional está implementada de acordo com a estratégia da gestão. Documentação e armazenamento É o processo de registro, comunicação e formação de banco de dados sobre perdas operacionais. Essas informações permitirão ao Conglomerado BRB adotar abordagens e métodos mais adequados para administração do risco e, consequentemente, proteção e garantia da solvabilidade. Monitoramento de Perdas Em conformidade com o disposto na resolução CMN nº 3.380/2006, emitida pelo Banco Central, o BRB contempla em sua estrutura a documentação e o armazenamento das informações de perdas associadas ao risco operacional, categorizadas por eventos. Mensalmente são produzidos relatórios de consolidação e análise das perdas registradas no sistema. Esse relatório objetiva acompanhar as perdas ocorridas na instituição, na busca de atuar tempestivamente em suas causas, para que a perda não se repitam. São abordados todos os registros de perdas impostados no mês de referência, analisados por tipo de evento de perda e respectivos níveis de classificação; análises causais específicas de perdas com valores superiores a R$ ,00 (cinquenta mil reais), evolução de perdas impostadas ao longo do último semestre, dentre outras informações relevantes que surgirem no mês. Comparativos mensais, trimestrais e anuais necessários para acompanhamento evolutivo das perdas. Esses relatórios são encaminhados ao Comitê de Gerenciamento do Risco Operacional e para as diretorias responsáveis pela gestão de processos relacionados às perdas registradas. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

14 5) CAPITAL REGULATÓRIO 5.1) Patrimônio de Referência Medida de capital regulamentar utilizada para verificar o cumprimento dos limites operacionais, em conformidade com a resolução CMN nº 3.444/2007, o PR é composto basicamente pelo somatório do capital de nível I e do capital de nível II, com as deduções previstas na citada norma, além das alterações implementadas pelas resoluções CMN nº 3.655/2008 e nº 3.674/2008. Figura 6: Informações relativas ao PR. O PR evoluiu aproximadamente 25,07% em 2010, face a Esse crescimento está sustentado pelo aumento de R$ mil do patrimônio líquido, significando um acréscimo de 34,21% na margem legal. Assim, em termos relativos, verifica-se que o Patrimônio de Referência cresceu aproximadamente 4,03 p.p. a mais que a exposição ao risco (Patrimônio de Referência Exigido PRE). Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

15 5.2) Alocação de Capital para Risco de Crédito A parcela relativa à exposição ponderada por fator de risco de crédito (P EPR) para o Conglomerado BRB fechou o ano de 2010 totalizando R$ 408,53. Influenciada pelo aumento de 20,13% no saldo das operações da carteira de crédito, a P EPR elevou-se 18,19%, sendo que, do montante calculado em dezembro de 2010, 77,36% está associada à participação do risco das operações de crédito, 3,68% à participação do risco de commitment (compromissos de crédito) e 18,36% à participação de riscos de outras exposições. Figura 7: Evolução PEPR. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

16 5.3) Alocação de Capital para Risco de Mercado e Parcela Banking As parcelas do risco de mercado são compostas por operações incluídas na carteira negociação ( trading) que sofrem variação com relação às taxas de juros, câmbio, preço de ações e de mercadorias (commodities) (P JUR[1], P JUR[2], P JUR[3], P JUR[4], P ACS, P COM e P CAM). Essas parcelas são alocadas e fazem parte do Patrimônio de Referência Exigido (PRE). A parcela Banking (P Banking) é composta por todas as operações sensíveis à variação nas taxas de juros e não classificadas na carteira negociação. Esta parcela é considerada para o cálculo do IB amplo visando estar em conformidade com a resolução CMN nº 3.490/2007, em seu art. 3º. O gráfico abaixo mostra os valores da alocação de capital para o risco de mercado e da parcela Banking no ano de Figura 8: Alocação de Capital para Risco de Mercado e parcela Banking. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

17 5.4) Alocação de Capital para Risco Operacional (P OPR) A parcela do PRE referente ao risco operacional (P OPR) é calculada por meio da Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada e, conforme a circular CMN n 3.383/2008, o BRB utilizou os multiplicadores 0,5 e 0,8 para o primeiro e o segundo semestres de 2009, respectivamente, e 1 para os dois semestres do ano de Fazendo uma análise gerencial para futuras projeções dessa parcela, caso 100% do valor calculado para a P OPR fossem utilizados na PRE desde o primeiro semestre de 2009, haveria uma evolução de 9,13% do primeiro para o segundo semestre de 2009, 10,66% do segundo semestre de 2009 para o primeiro semestre de 2010 e 6,04% do primeiro para o segundo semestre de Assim, verifica-se que esta parcela cresce uma média aproximada de 8,60% a cada semestre. Figura 9: Evolução da parcela do PRE referente ao Risco Operacional. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

18 5.5) Patrimônio de Referência Exigido O Patrimônio de Referência Exigido do Banco está adequado aos riscos a que está exposto, em função de suas atividades. Calculado de acordo com a resolução CMN nº 3.490/2007, e suas regulamentações complementares, o PRE avançou R$ 84 milhões no ano de Destes, R$ 63 milhões, em dezembro de 2010, referem-se à parcela de requerimento de capital para o risco de crédito (P EPR). Destacou-se ainda a elevação da parcela do PRE correspondente ao risco operacional (P OPR), que cresceu aproximadamente R$ 20 milhões. As principais causas desse aumento foram a alteração no fator multiplicador utilizado no seu cálculo, de 0,8 para 1, e, em menor grau, a elevação da base de cálculo. Como o multiplicador atingiu seu nível máximo em janeiro de 2010, espera-se que, não havendo alterações significativas na base de cálculo, a P OPR apresente variações menores nos próximos cálculos. As demais parcelas relativas ao risco de mercado não apresentaram impacto significativo sobre o valor de requerimento de capital. Figura 10: Informações relativas ao PRE e à adequação do PR. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

19 5.6) Evolução Índice de Basileia A dinâmica da estrutura de capital não apresentou alterações relevantes no período de dezembro de 2009 a dezembro de 2010, apesar da elevação no índice de Basileia de 15,85% para 16,38%. De fato, 0,53 p.p. desse acréscimo foi reflexo do crescimento de 25,07% do PR e de 21,04% do PRE, variação essa predominantemente justificada pelo maior requerimento de capital em razão do aumento de 20,13% no saldo das operações de crédito. Dessa forma, considerando o contexto regulatório vigente no final de dezembro de 2010, a capacidade de solvência do Banco de Brasília permanece sólida. O aumento da exposição ao risco de crédito foi acompanhado pela incorporação de lucros, o que manteve o IB em nível satisfatório. Figura 11: Evolução PR, PRE e Índice de Basileia. Aprovado 453ª Reunião CONSAD, 11/04/ /19

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional Atualização: FEV/2009 GESTÃO DE RISCOS Com as constantes mudanças no cenário financeiro mundial mercado globalizado, diversidade de produtos e serviços financeiros

Leia mais

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE JULHO/2014 1. Objetivos O gerenciamento de riscos no BRDE tem como objetivo mapear os eventos de riscos, sejam de natureza interna ou externa, que possam afetar

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr 1. Introdução 2. Áreas de Atuação 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos 4. Apetite ao Risco 5. Informações Qualitativas 5.1 Risco de Crédito 5.2 Risco de Mercado 5.3 Risco de Liquidez 5.4 Risco Operacional

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital RISKS Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital 1º Trimestre 2014 Documento de uso interno RISKS Sumário Introdução... 3 1. Sobre o Gerenciamento de Riscos... 4 2. Patrimônio de Referência... 7 3. Ativos

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR III Disciplina de Mercado 3º Trimestre - 2013 Sumário Introdução... 3 Perfil Corporativo... 3 Principais Tipos de Riscos (conceitos)... 4 Riscos Financeiros...

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN

GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN 1. Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos no Banco Schahin S.A. é o processo onde: - São identificados os riscos existentes e potenciais de uma

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos

Relatório de Gestão de Riscos Relatório de Gestão de Riscos 1º TRIMESTRE 2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Apresentação... 2 2. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 2 2.1. Gestão Integrada de Riscos... 2 2.1.1.

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 2.1. RISCO DE MERCADO... 2 2.2. GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 2 2.3. TIPOS E CATEGORIAS DE RISCO AVALIADOS... 2 Risco de Taxas de Juros...2 Risco de

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 3º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA DENOMINAÇÃO Gestão de Riscos e de Patrimônio de Referência Circular 3.477/99 ÁREA EMITENTE Data Base Gestão de Riscos 30/09/01 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA 1. Introdução Em

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2015 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE MERCADO 1) Objetivo 2) Abrangência 3) Responsabilidades 4) Políticas e Definições 5) Plano de alçadas 6) Regulamentação externa ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 3 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016 Propriedade de Banco do Nordeste do Brasil S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. I. ESCOPO 1.

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Mercado Outubro 2015

Política de Gerenciamento de Risco de Mercado Outubro 2015 Política de Gerenciamento de Risco de Mercado Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 Dez/14 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar informações relevantes sobre as estruturas e os processos de gerenciamento de riscos adotados

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito 1. DEFINIÇÃO E TIPOS DE RISCO DE CRÉDITO A Resolução nº 3.721/09, do Conselho Monetário Nacional, definiu Risco de Crédito como a possibilidade de ocorrência

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 4º Trimestre findo em Dezembro 2013. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito, Mercado e Operacional

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito, Mercado e Operacional Crédito, Mercado e em: 30/12/2015 Política de Gerenciamento de Risco de Processos Página 2 de 9 SUMÁRIO 1- Definição... 3 2- Projeções de Perdas... 4 3- Classificação e Mitigação do Risco... 5 4- Estrutura...

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO DEZEMBRO/2011 Contexto Operacional A Agiplan Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Agiplan ) é uma instituição financeira privada, com

Leia mais

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS Ano 2009 Índice APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS 04 1.1. CULTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 04 1.2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS COPRPORATIVOS 04 1.3. REPORTES DA ÁREA

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE 1ºTRI2015 1 Introdução... 4 2 Gestão de Riscos... 5 2.1 Principais

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Sumário 1. Objetivo... 3 2. Estrutura Organizacional... 3 3. Gerenciamento de Riscos... 5 4. Gerenciamento de Capital...

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Setembro de 2012 SUMÁRIO 1 Introdução 03 1.1 O Banco do Nordeste 03 2 Gestão de Risco do BNB 05 2.1 Risco

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1 1. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1 INTRODUÇÃO O gerenciamento de riscos do Banco Renner é acompanhado constantemente pela Diretoria que é responsável por

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2014 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO... 1 3. RISCO DE MERCADO... 3 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 5. GESTÃO DE CAPITAL... 5

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MAPA DE RISCOS... 4 3. PROCESSO E METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 5 Objetivo e Estratégias... 5 Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Índice. Relatório de Gerenciamento de Riscos

Índice. Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos 2014 Índice Introdução... 3 Tipos de Riscos... 3 Risco Operacional... 3 Risco de Mercado... 4 Risco de Liquidez... 4 Risco de Crédito... 4 Gerenciamento de Riscos...

Leia mais

Terceiro Trimestre de 2015

Terceiro Trimestre de 2015 Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Outubro 2015

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Outubro 2015 Política de Gerenciamento de Risco Operacional Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: Comex Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez...

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez... 1T 2013 Índice Introdução... 3 Filosofia... 4 Risco de Crédito... 5 Risco Operacional... 12 Risco de Mercado... 15 Risco de Liquidez... 20 Gestão de Capital... 23 2 Introdução Este relatório tem como objetivo

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO Departamento de Gestão de Riscos RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013 Agosto de 2013. BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de riscos

Relatório de Gerenciamento de riscos Relatório de Gerenciamento de riscos SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1 GESTÃO DE RISCOS... 5 1.1 PRINCIPAIS RISCOS CORPORATIVOS... 5 2 RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1 GESTÃO DO RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1.1 Identificação

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL 2015 GERENCIAMENTO DE RISCOS Objetivo Este documento tem como objetivo definir políticas para o gerenciamento de riscos da Agoracred SA SCFI conforme Resoluções

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL PAPÉIS E RESPONSABILIDADES

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL PAPÉIS E RESPONSABILIDADES ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL O Conglomerado Prudencial Safra SAFRA, de acordo com as melhores práticas de mercado e integral atendimento à regulamentação, implementou a sua Estrutura

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Banco Mizuho do Brasil SA. 29/05/2014 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1.

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 ) Introdução

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ. 1 ) Introdução 1 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 1 ) Introdução A Diretoria Executiva da Grazziotin Financeira, em atendimento à Resolução CMN 4.090 de maio/2012 implementou sua estrutura de Gerenciamento

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Agosto/2013 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. Comitê de Gestão do Capital

Leia mais

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1/8 1. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL O Conglomerado Prudencial Safra SAFRA, de acordo com as melhores práticas de mercado

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MAPA DE RISCOS... 4 3. PROCESSO E METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 5 Objetivo e Estratégias... 5 Políticas de Gerenciamento

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Última atualização em: 23/4/2014 Resolução Sicoob Confederação 080. 1ª edição em 14/6/2012 Resolução Sicoob Confederação 031 1/5

Última atualização em: 23/4/2014 Resolução Sicoob Confederação 080. 1ª edição em 14/6/2012 Resolução Sicoob Confederação 031 1/5 1. Esta Política Institucional de Gerenciamento de Capital: a) é elaborada por proposta da área de Controles Internos e Riscos da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob Confederação; b)

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ORGANOGRAMA DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 2.1. Responsabilidades... 4 3. RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Basileia III e Gestão de Capital

Basileia III e Gestão de Capital 39º ENACON Encontro Nacional de Contadores Basileia III e Gestão de Capital Novembro/2013 Agenda 1. Resolução 3.988, de 30/6/2011 2. Circular 3.547, de 7/7/2011: Icaap 3. Carta-Circular 3.565, modelo Icaap

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital. 2015 2º Trimestre

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital. 2015 2º Trimestre Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital 2015 2º Trimestre Índice 1. Introdução... 4 2. Tipos de Riscos... 4 2.1. Risco de Crédito... 4 2.2. Risco Operacional... 4 2.3. Risco de Mercado... 4 2.4.

Leia mais

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes

Comitês do Banco BMG. Comitês Existentes Comitês do Banco BMG Introdução Os Comitês representam coletivamente os interesses do Banco BMG, nos diversos segmentos de sua organização. É política do Banco BMG, manter o controle permanente de seus

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL...7

3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL...7 GERENCIAMENTO DE CAPITAL 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO...3 1.1. BANCO BM&F...3 1.2. BASILÉIA...4 2. ESTRUTURA DE...5 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE...7 3.1. ORGANOGRAMA...7 3.2. RESPONSABILIDADES...8 3.2.1....8

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015 Relatório de Gestão de Riscos e Capital 3ºTri2015 Sumário A. Introdução...3 B. Escopo de Consolidação e Comparação dos Balanços...4 C. Governança Interna...7 1. Estrutura de Governança de Comitês...7 2.

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO As Assessorias de Riscos, da Coordenadoria de Riscos e Controles Internos - CORCI, em atendimento ao Art. 4º, da Resolução nº. 3.380, de 29 de junho

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.681, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.681, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.681, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre o gerenciamento de riscos, os requerimentos mínimos de patrimônio, a governança de instituições de pagamento, a preservação do valor e da liquidez

Leia mais

3º trimestre de 2014. Gerenciamento de Riscos Pilar 3

3º trimestre de 2014. Gerenciamento de Riscos Pilar 3 3º trimestre de 2014 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 ÍNDICE OBJETIVO 3 PRINCIPAIS INDICADORES 3 1 GERENCIAMENTO DE RISCOS E CAPITAL 4 1.1 Estrutura Organizacional 4 1.2 Governança de Riscos e Capital 5

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL DO BANCO COOPERATIVO SICREDI E EMPRESAS CONTROLADAS Versão : 31 de dezembro de 2008 CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO...3 2. ORGANIZAÇÃO DA GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL...3

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito

Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Risco de Crédito Estrutura de gerenciamento do risco de crédito Dezembro/2008 Agenda 1. Histórico 2. Escopo de Aplicação 3. Estrutura da Norma 4. Detalhamento da Norma Normativos similares Histórico Resolução

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) 1. Introdução O Scania Banco iniciou suas operações em Novembro de 2009, com o objetivo de fornecer produtos e serviços financeiros exclusivamente

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos

Governança Corporativa Gestão de Riscos Governança Corporativa Gestão de Riscos Introdução As constantes mudanças no âmbito global têm fomentado a necessidade do aprimoramento dos controles executados pelas organizações e do ambiente de riscos,

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital

Política de Gerenciamento de Capital 1 / 6 Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. ABREVIATURAS E DEFINIÇÕES GERAIS... 2 4. DESCRIÇÃO... 2 4.1. Conceito... 2 4.2. Politica... 3 4.3. Estrutura... 3 4.4. Responsabilidades... 3 5. ANEXOS...

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Versão Fevereiro 2015 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL (Política e procedimentos relacionados ao gerenciamento de capital da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 3.988, de 30 de junho de 2011)

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL Setembro 2013 2 1 INTRODUÇÃO Este documento resume as informações relativas à estrutura de gerenciamento do risco operacional do BR Partners Banco de Investimentos

Leia mais

Risco de Mercado ESTRUTURA

Risco de Mercado ESTRUTURA Risco de Mercado Em atendimento a Resolução 3.464/2007 do Conselho Monetário Nacional, o Banco Fidis ponderou a natureza das operações e a complexidade dos produtos associados aos seus negócios e implementou

Leia mais

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO 1/6 1. INTRODUÇÃO O Conglomerado Prudencial Safra caracteriza-se por seu histórico de conservadorismo, agilidade na adaptação à conjuntura

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Crédito -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco de Crédito - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco de Crédito - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Abrangência:... 3 3. Sistemas, Rotinas e Procedimentos:... 4 4. Estrutura de Gerenciamento do Risco de

Leia mais