INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR)"

Transcrição

1 INFORMAÇÕES RELATIVAS À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E À APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) NOVO BANCO CONTINENTAL S/A - BANCO MÚLTIPLO - CNPJ: /1-45 Informações relativas ao montante RWA, aos índices e aos limites R$ Mil 4T14 PR RWAcpad RWAmpad RWAcam RWAopad 11.9 RWA Índice Basiléia 2,1% Índice Nível 1 (IN1) 2,1% Índice de Capital (ICP) 2,1% Rban (1) 3.16 Prefixadas denominadas em real 482 Cupom de moeda - Dólar dos EUA 726 Cupom de taxa de juros - TR Cupom de índice de preço - IPCA 759 Excesso dos recursos aplicados no ativo permanente Exposições sujeitas ao risco de crédito de contraparte Valor Nocional Derivativos Operações compromissadas (2.152) 22.6 Exposição a Instrumentos Financeiros Derivativos - Brasil Liquidadas em Contraparte Central Taxas de Câmbio (2) Comprada Vendida (2.152) INFORMAÇÕES RELATIVAS AO RISCO DE CRÉDITO Exposições ao Risco de Crédito Valor médio do Trim Valor total R$ Mil Maiores Exposições de Crédito 1 maiores exposições de crédito 1 maiores exposições de crédito 2T14 17,89% 8,78%

2 Países* e Regiões geográficas Região Sul Região Sudeste Região Nordeste Região Centro-Oeste Região Norte * Países: apenas Brasil Setor econômico Indústria Agronegócio Serviços Pessoa Física 6.122

3 Prazo a decorrer das operações de crédito Até 6 meses meses até 1 ano ano até 5 anos Acima de 5 anos Operações em Atraso Países* e Regiões Geográficas 1.61 Região Sul Região Sudeste Região Nordeste 2 Região Centro-Oeste Região Norte * Países: apenas Brasil Setor Econômico 1.61 Indústria 891 Agronegócio 1 Serviços 588 Pessoa Física 121 Faixas de prazo de atraso dias até 6 dias dias até 9 dias dias até18 dias dias até 36 dias 573 Acima de 36 dias Fluxo de Operações Baixadas Setor Econômico 51 Indústria 25 1º mês no Trimestre 2º mês no Trimestre 3º mês no Trimestre 25

4 Agronegócio 1º mês no Trimestre 2º mês no Trimestre 3º mês no Trimestre Serviços 1º mês no Trimestre 2º mês no Trimestre 3º mês no Trimestre Provisões para Devedores Duvidosos Setor Econômico Indústria Agronegócio Serviços Valor inicial Valor adicionado no trimestre Valor subtraído no trimestre Total Total Ativos Ponderados de Risco de Crédito (RWAcpad) Depósitos Bancários - FPR 2% Operações sem FPR específico - FPR 1% Exposições rel. aos valores não deduzidos do PR - FPR 25% Créditos Tributários - FPR 3% Excesso de Créd. Tributários em relação ao PR nível 1 - FPR -3% RWAcpad Venda ou Transferência de Ativos Financeiros R$ Mil Fluxo das exposições cedidas no trimestre com transferência 4T14 3T14 2T14 1T14 substancial de riscos e benefícios Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) Securitizadoras Instituições Financeiras 4.5 Sociedades de Propósito Específico (SPE) A venda e transferência de ativos financeiros se realizam de forma excepcional, não sendo objetivo estabelecido nas políticas do Novo Banco Continental S.A. Banco Múltiplo. A cessão de crédito realizada em abril de 214 foi contabilizada de acordo com a regulamentação vigente com o reconhecimento do resultado no momento da realização da cessão, e foi cedida sem coobrigação. (1) Parcela Rban - metodologia utilizada para cálculo do montante do PR apurado para cobertura do risco da carteira Banking (operações pré-fixadas metodologia VaR e para as demais a metodologia Maturity Ladder). (2) Valores em milhares de Dólares Americano (US$)

5 Anexo I - Composição do Patrimônio de Referência (PR) e informações sobre a adequação do PR Linha 1 Instrumentos Elegíveis ao Capital Reservas de lucros (43.222) 7... (8...) ( ) 3 Outras receitas e outras reservas Instrumentos autorizados a compor o Capital compor o Capital 5 Participação antes de da não entrada controladores em vigor em da subsidiárias Resolução nº integrantes 4.192, de 213 do 6 Capital, não antes dedutível dos ajustes do Capital prudenciais Capital : ajustes prudenciais 8 Ágios pagos na aquisição de investimentos com fundamento em 9 Ativos expectativa intangíveis de rentabilidade futura Créditos tributários decorrentes de prejuízos fiscais e de base negativa de CSLL e os originados dessa contribuição relativos a períodos de apuração encerrados a Ajustes relativos ao valor de mercado dos instrumentos financeiros 12 derivativos Diferença a utilizados menor entre para o hedge valor provisionado de fluxo de caixa e a perda de itens esperada protegidos para que 13 Ganhos instituições resultantes que usam de IRB operações de securitização Valor agregado das participações inferiores a 1% do capital social de 19 empresas Participações assemelhadas superiores a instituições 1% do capital financeiras social de não empresas consolidadas, de 2 Mortgage assemelhadas servicing a instituições rights financeiras não consolidadas, de sociedades 21 Créditos tributários decorrentes de diferenças temporárias que dependam, 22 Valor de geração que excede de lucros a 15% ou receitas do Capital tributáveis futuras para sua realização, do qual: oriundo de créditos tributários decorrentes de diferenças 26 temporárias Ajustes regulatórios que dependam nacionais de geração de lucros ou receitas tributáveis, 26.a 26.b Investimento em dependências, instituições financeiras controladas no - 26.c exterior Instrumentos ou entidades de captação não financeiras elegíveis ao que Capital componham o emitidos, por - 26.d instituições Aumento de autorizadas capital social a funcionar não autorizado pelo Banco Central do Brasil ou por - 26.e Excedente ao valor ajustado de Capital, 26.f Depósito para suprir deficiência de capital 26.g Montante dos ativos intangíveis constituídos antes da entrada em vigor da 26.h Resolução Excesso de nº recursos 4.192, de aplicados 213 no Ativo Permanente 26.i Capital : instrumentos e reservas Ajustes prudenciais relativos a apreçamento de instrumentos financeiros Ganhos ou perdas advindos do impacto de mudanças no risco de crédito da instituição na avaliação a valor justo de itens do passivo Ativos atuariais relacionados a fundos de pensão de benefício definido Ações ou outros instrumentos de emissão própria autorizados a compor o Capital, adquiridos diretamente, indiretamente ou de forma Investimentos cruzados em instrumentos elegíveis ao Capital do qual: oriundo de participações no capital social de instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil de instituições do qual: oriundo de direitos por serviços de hipoteca Ativos permanentes diferidos Destaque do PR 26.j Outras diferenças residuais relativas à metodologia de apuração do Capital 27 Ajustes regulatórios para fins regulatórios aplicados ao Capital em função de 28 Total insuficiência de deduções do Capital regulatórias Complementar ao Capital e de Nível II para cobrir deduções Capital Capital Complementar: Instrumentos 3 Instrumentos elegíveis ao Capital Complementar 31 dos quais: classificados como capital social conforme as regras contábeis 32 dos quais: classificados como passivo conforme as regras contábeis 33 Instrumentos autorizados a compor o Capital Complementar antes da entrada em vigor da Resolução nº 4.192, de 213

6 34 Participação de não controladores em subsidiárias integrantes do 35, dos quais: instrumentos não dedutível emitidos Capital por subsidiárias Complementar antes da entrada em 36 Capital vigor da Complementar Resolução nº 4.192, antes de das 213 deduções regulatórias Capital Complementar: deduções regulatórias 37 Ações ou outros instrumentos de emissão própria, autorizados a compor o Capital Investimentos Complementar, cruzados adquiridos em instrumentos diretamente, elegíveis indiretamente ao capital ou de complementar Valor agregado dos investimentos inferiores a 1% do capital social de 4 instituições Investimentos autorizadas superiores a a funcionar 1% do capital pelo Banco social Central de instituições do Brasil ou de 41 autorizadas Ajustes regulatórios a funcionar nacionais pelo Banco Central do Brasil ou de instituições 41.a Instrumentos de captação elegíveis ao Capital Complementar emitidos por 41.b instituições Participação autorizadas de não controladores a funcionar no pelo Capital Banco Complementar Central do Brasil ou por 41.c Outras diferenças residuais relativas à metodologia de apuração do Capital 42 Complementar Ajustes regulatórios para aplicados fins regulatórios ao Capital Complementar em função de 43 Total insuficiência de deduções do Nível regulatórias II para cobrir ao Capital deduções Complementar 44 Capital Complementar 45 Nível I Nível II: instrumentos 46 Instrumentos elegíveis ao Nível II 47 Instrumentos autorizados a compor o Nível II antes da entrada em vigor da 48 Resolução Participação nº de 4.192, não controladores de 213 em subsidiárias integrantes do 49, dos quais: instrumentos não dedutível emitidos Nível por subsidiárias II antes da entrada em 5 vigor Excesso da de Resolução provisões nº em 4.192, relação de 213 à perda esperada no IRB 51 Nível II antes das deduções regulatórias Nível II: deduções regulatórias 52 Ações ou outros instrumentos de emissão própria, autorizados a compor o 53 Nível Investimentos II, adquiridos cruzados diretamente, em instrumentos indiretamente elegíveis ou de ao forma Nível IIsintética 54 Valor agregado dos investimentos inferiores a 1% do capital social de 55 instituições Investimentos autorizadas superiores a a funcionar 1% do capital pelo Banco social Central de instituições do Brasil ou de 56 autorizadas Ajustes regulatórios a funcionar nacionais pelo Banco Central do Brasil ou de instituições 56.a Instrumentos de captação elegíveis ao Nível II emitidos por instituições 56.b Participação autorizadas a de funcionar não controladores pelo Banco no Central Nível do II Brasil ou por instituições Outras diferenças residuais relativas à metodologia de apuração do Nível II 57 Total para fins de deduções regulatórios regulatórias ao Nível II 58 Nível II 59 Patrimônio de Referência (Nível I + Nível II) Total de ativos ponderados pelo risco Índices de Basileia e Adicional de Capital % 61 Índice de Capital (ICP) 2,1% 62 Índice de Nível I (IN1) 2,1% 63 Índice de Basileia (IB) 2,1% 64 Valor total de Capital demandado especificamente para a 4,5% 65 instituição (% dos RWA) do qual: adicional para conservação de capital % 66 do qual: adicional contracíclico % do qual: adicional para instituições sistemicamente importantes em nível global Montante (G-SIB) de Capital alocado para suprir os valores Mínimos demandados Nacionais de Adicional de Capital (% dos RWA) % 69 Índice de Capital (ICP), se diferente do estabelecido em Basileia 7 III Índice de Nível I (IN1), se diferente do estabelecido em Basileia III 2,1% 71 Índice de Basileia (IB), se diferente do estabelecido em Basileia III 2,1%

7 Valores abaixo do limite para dedução (não ponderados pelo risco) 72 Valor agregado das participações inferiores a 1% do capital social de 73 empresas Participações assemelhadas superiores a instituições 1% do capital financeiras social de não empresas consolidadas, de 74 Mortgage assemelhadas servicing a instituições rights financeiras não consolidadas,de sociedades 75 Créditos tributários decorrentes de diferenças temporárias, não deduzidos Limites do Capital à inclusão de provisões no Nível II Provisões genéricas elegíveis à inclusão no Nível II relativas a exposições sujeitas Limite para ao cálculo a inclusão do requerimento de provisões genéricas de capital no mediante Nível II para abordagem exposições sujeitas Provisões à abordagem elegíveis à inclusão padronizada no Nível II relativas a exposições sujeitas ao 79 cálculo Limite para do requerimento a inclusão de de provisões capital mediante no Nível II abordagem para exposições IRB (antes sujeitas da à abordagem IRB Instrumentos autorizados a compor o PR antes da entrada em vigor da Resolução 4.192, de 213 (aplicável entre 1º de outubro de 213 e 1º de janeiro de 222) 8 Limite atual para os instrumentos autorizados a compor o Capital 81 Valor antes excluído da entrada do em Capital vigor da Resolução devido nº ao 4.192, limite de Instrumentos autorizados a compor o Capital Complementar antes da 83 entrada Valor excluído em vigor do da Capital Resolução Complementar nº 4.192, devido 213ao limite 84 Instrumentos autorizados a compor o Nível II antes da entrada em vigor 85 Valor da Resolução excluído nº do 4.192, Nível II de devido 213 ao limite Responsável pelas informações: Eduardo Cespedes - Diretor Tel.: (51) Porto Alegre/RS, 3 de março de 214. NOVO BANCO CONTINENTAL S.A. - BANCO MÚLTIPLO - Rua Uruguai,155/ 13º andar - CEP: Porto Alegre/RS Fone/Fax: (51) Ouvidoria DDG:

8

Composição do Patrimônio de referência (PR) e informações sobre adequação do PR - 30/06/2015 R$Mil

Composição do Patrimônio de referência (PR) e informações sobre adequação do PR - 30/06/2015 R$Mil Composição do Patrimônio de referência (PR) e informações sobre adequação do PR 30/06/2015 R$Mil Capital Principal: instrumentos e reservas Valor R$M Valor sujeito a tratamento 1 Instrumentos Elegíveis

Leia mais

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01.

Circular nº 3477. Total de Créditos Tributários Decorrentes de Diferenças Temporárias Líquidos de Obrigações Fiscais 111.94.02.01. Detalhamento do patrimônio de referência (PR) : 100 110 111 111.01 111.02 111.03 111.04 111.05 111.06 111.07 111.08 111.90 111.90.01 111.91 111.91.01 111.91.02 111.91.03 111.91.04 111.91.05 111.91.06 111.91.07

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A.

RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A. Credit Risk True False Market Risk True False Operational Risk False True ALM&T False True Finance True False RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A. Junho de 2014

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 3 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A.

RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A. Credit Risk True False Market Risk True False Operational Risk True False ALM&T True False Finance True False RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A. Março de 2015

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A.

RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A. Credit Risk True False Market Risk True False Operational Risk True False ALM&T True False Finance True False RELATÓRIO SOBRE GESTÃO DE RISCOS, APURAÇÃO DO RWA E PR 3.678 BANCO ABN AMRO S.A. 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. APRESENTAÇÃO

Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A 1. APRESENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Banco de Tokyo-Mitsubishi UFJ Brasil S/A (BTMU B) entende que uma adequada gestão de riscos operacionais é fundamental para garantir a perenidade de seus negócios. O principal objetivo

Leia mais

Resumo Basileia III Brasil 2013

Resumo Basileia III Brasil 2013 Resumo Basileia III Brasil 2013 Basileia III - Introdução 1. Definição e Objetivos 2. Principais Medidas 3. Patrimônio de Referência (Nível I) 4. Deduções Regulamentares do Capital Principal 5. Nível II

Leia mais

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco

UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco UBS Brasil: Controle de riscos e capital Categoria: Controles de Risco Responsável: Controle de Riscos Aprovação: BRCC Propósito deste documento Promover transparência quanto à estrutura de gestão de riscos

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas;

CIRCULAR Nº 3.477. I - bancos múltiplos, bancos comerciais, bancos de investimento, bancos de câmbio e caixas econômicas; CIRCULAR Nº 3.477 Dispõe sobre a divulgação de informações referentes à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência Exigido (PRE), de que trata a Resolução nº 3.490, de 29 de agosto de 2007, e à adequação

Leia mais

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 31 de Dezembro de 2014

Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento. Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3. 31 de Dezembro de 2014 Standard Chartered Bank (Brasil) S/A Banco de Investimento Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 31 de Dezembro de 2014 1 Índice I. INTRODUÇÃO... 4 II. CONTEXTO OPERACIONAL... 4 III. GERENCIAMENTO

Leia mais

Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance

Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance Junho 2014 Page 2/38 Colophon Title Subtitle Version 1.0 Project Relatório BACEN 3678 Author Rafael Aguiar Email Rafael.aguiar@dllgroup.com

Leia mais

1 Instrumentos Elegíveis ao Capital Principal Reservas de lucros Outras receitas e outras reservas (97) - -

1 Instrumentos Elegíveis ao Capital Principal Reservas de lucros Outras receitas e outras reservas (97) - - Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Anexo 1 Composição do Patrimônio de Referência (PR) e informações sobre a adequação do PR Data base : 30/06/2015 Capital Principal: instrumentos e reservas

Leia mais

Basileia III: Principais características e potenciais impactos

Basileia III: Principais características e potenciais impactos www.pwc.com Basileia III: Principais características e potenciais impactos abril de 2013 Apresentando nos... Marcus Manduca Sócio, Enterprise Risk Management Marcelo Baldin Gerente Sênior, Enterprise Risk

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. 1º Trimestre de 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. 1º Trimestre de 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1º Trimestre de 2015 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Risco de Crédito... 5 4. Risco de Mercado... 7 5. Risco Operacional...

Leia mais

Referência do balanço Capital Principal: instrumentos e reservas

Referência do balanço Capital Principal: instrumentos e reservas Relatório de Gerenciamento de Riscos - Pilar 3 Anexo 1 -Composição do Patrimônio de Referência (PR) e informações sobre a adequação do PR Composição do Patrimônio de Referência (PR) e informações sobre

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance

Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance Relatório de Gerenciamen to de Riscos Controles Internos e Compliance Dezembro 214 Page 2/36 Colophon Title Subtitle Version 1. Project Relatório BACEN 3678 Author Rafael Aguiar Email Rafael.aguiar@dllgroup.com

Leia mais

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital RISKS Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital 1º Trimestre 2014 Documento de uso interno RISKS Sumário Introdução... 3 1. Sobre o Gerenciamento de Riscos... 4 2. Patrimônio de Referência... 7 3. Ativos

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Circular n.3.678/13

Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Circular n.3.678/13 Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Circular n.3.678/13 Gestão de Riscos, apuração do montante dos ativos ponderados pelo Risco (RWA), e à apuração do Patrimônio de Referência (PR). Banco Mercedes-Benz

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

I - créditos tributários decorrentes de diferenças temporárias;

I - créditos tributários decorrentes de diferenças temporárias; COMUNICADO 20.615 Divulga orientações preliminares e cronograma relativos à implementação, no Brasil, das recomendações do Comitê de Basileia para Supervisão Bancária acerca da estrutura de capital e de

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS SUMÁRIO I Objetivo 02 II Orientações Gerais 02 III Orientações Gerais Sobre o Arquivo XML 04 IV Orientações

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Banco Mizuho do Brasil SA. 29/05/2014 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1.

Leia mais

GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014

GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014 Relatório de Risco - 2011 GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014 Parte 2: Tabelas com as exposições a risco de crédito, mercado, liquidez e operacional em atendimento à circular n o 3477 do Banco Central do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Março de 2014 Banco Cooperativo Sicredi. Classificação da Informação: Uso Irrestrito

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Março de 2014 Banco Cooperativo Sicredi. Classificação da Informação: Uso Irrestrito Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Março de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Classificação da Informação: Uso Irrestrito Sumário 31 de agosto de 2011 Relatório de Gerenciamento de Riscos DIRETORIA

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS

Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS Instruções de Preenchimento do DLO - regra geral e para não optantes pela apuração do RWA RPS SUMÁRIO I Objetivo 02 II Orientações Gerais 02 III Orientações Gerais Sobre o Arquivo XML 04 IV Orientações

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Circular 3.678 Set/14

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Circular 3.678 Set/14 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS Circular 3.678 Set/14 Última atualização: 30/09/2014 Produzido pelas áreas de Risco Operacional e Compliance, Controladoria e Riscos. Aprovado e revisado pelo Comitê de Risco.

Leia mais

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL

INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL JANEO 2013 INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO BRASIL MEDIDA PROVISÓRIA 601/2012: BENEFÍCIOS FISCAIS DE FIDCS DE PROJETOS DE INVESTIMENTO (INCLUSIVE INFRAESTRUTURA) A. Introdução 1. A fim de aprimorar os

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 1º Trimestre findo em Março 2014. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Agosto/2013 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. Comitê de Gestão do Capital

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO Nº 998, DE 21 DE MAIO DE 2004 Aprova a NBC T 19.2 - Tributos sobre Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS (Março/ 2014)

GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS (Março/ 2014) GERENCIAMENTO DE RISCOS FINANCEIROS (Março/ 2014) O relatório de gerenciamento de risco foi produzido conforme a Circular nº 3.477 de 24/12/2009. O Grupo Ourinvest (Banco e DTVM) tem o gerenciamento de

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos

Relatório de Gestão de Riscos Relatório de Gestão de Riscos 1º TRIMESTRE 2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Apresentação... 2 2. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 2 2.1. Gestão Integrada de Riscos... 2 2.1.1.

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Banco BMG S/A Relatório para atender aos requisitos estabelecidos na Circular nº 3.477/09 Atendendo ao estabelecido na Circular nº 3.477/09, apresentamos o relatório da estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar III Junho de 2015 Banco Cooperativo Sicredi

Gerenciamento de Riscos Pilar III Junho de 2015 Banco Cooperativo Sicredi Junho de 2015 Banco Cooperativo Sicredi 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Principais Indicadores... 3 3. Estrutura Organizacional... 4 4. Gerenciamento de Riscos... 6 5. Gerenciamento de Capital... 7 5.1.

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

I. OBJETIVO II. ORIENTAÇÕES GERAIS

I. OBJETIVO II. ORIENTAÇÕES GERAIS Instruções de Preenchimento das Informações do Demonstrativo de Limites Operacionais (DLO) para Cooperativas de Crédito Optantes pelo Regime Prudencial Simplificado Carta-Circular 3.471/2010 I. OBJETIVO

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 SCANIA BANCO S.A. Page 1 (31) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 5 2.1. Organograma... 5 2.2. Responsabilidades na Gestão

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos http://www.bcb.gov.br/?especialnor GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 4º Trimestre de 2011 Gerenciamento de Riscos Banco BMG S/A Relatório para atender aos requisitos estabelecidos na Circular nº 3.477/09

Leia mais

PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL DOIS CONCEITOS IMPORTANTES Francisco da Silva Coelho, Diretor da ABBC

PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL DOIS CONCEITOS IMPORTANTES Francisco da Silva Coelho, Diretor da ABBC PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL DOIS CONCEITOS IMPORTANTES Francisco da Silva Coelho, Diretor da ABBC 1. A DIFERENÇA ENTRE PROVISÃO E ALOCAÇÃO DE CAPITAL A provisão para perdas com operações que geram exposição

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Sumário 1. Objetivo... 3 2. Estrutura Organizacional... 3 3. Gerenciamento de Riscos... 5 4. Gerenciamento de Capital...

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. Pilar 3 1º Trimestre de 2013 Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Princípios da Gestão de Riscos... 4 Tipos de Riscos...

Leia mais

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D

EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D EARNINGS RELEASE 2008 e 4T08 Cemig D (Em milhões de reais, exceto se indicado de outra forma) --------- Lucro do Período A Cemig Distribuição apresentou, no exercício de 2008, um lucro líquido de R$709

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Março 2012 1 ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3. Políticas de Gerenciamento de Riscos... 5 4. Identificação e Avaliação

Leia mais

Banco do Estado do Pará S.A

Banco do Estado do Pará S.A Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - SUCOR Gerência de Riscos Financeiros GERIF Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis IAS 12, SIC-21, SIC-25 SFAS 109, I27, muitas questões EITF NPC 25 do Ibracon, Deliberação CVM 273/98 e Instrução CVM 371/02 Pontos-chave para comparar diferenças D i f e r e n ç a s S i g n i f i c a t

Leia mais

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2014. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r

Relatório da Gestão de Riscos. 1º Trimestre 2014. w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r 1º Trimestre 2014 w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r Sumário I. Introdução...2 I.1 Apresentação...2 II. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos...2 II.1 Gestão Integrada de Riscos...

Leia mais

4º trimestre de 2014 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 (Circular 3678/13)

4º trimestre de 2014 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 (Circular 3678/13) 4º trimestre de 2014 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 (Circular 3678/13) Índice 1. Sumário... 4 Objetivo... 4 Resumo... 4 2. Balanço patrimonial... 5 2.1 Informações relevantes referentes às instituições

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Dez/2012 a Mar/2014 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros

2. Operações de Venda ou de Transferência de Ativos Financeiros TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 35. Instrumentos Financeiros 1. Conceitos 1 - Para fins de registro contábil, considera-se: (Res 3534 art 2º) a) instrumento

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp

http://www.receita.fazenda.gov.br/prepararimpressao/imprimepagina.asp Page 1 of 7 Instrução Normativa SRF nº 213, de 7 de outubro de 2002 DOU de 8.10.2002 Dispõe sobre a tributação de lucros, rendimentos e ganhos de capital auferidos no exterior pelas pessoas jurídicas domiciliadas

Leia mais

Conteúdo. Relatório sobre a revisão de informações contábeis intermediárias consolidadas 3. Balanço patrimonial consolidado 5

Conteúdo. Relatório sobre a revisão de informações contábeis intermediárias consolidadas 3. Balanço patrimonial consolidado 5 Conteúdo Relatório sobre a revisão de informações contábeis intermediárias consolidadas 3 Balanço patrimonial consolidado 5 Demonstração do resultado consolidado 6 Demonstração das mutações do patrimônio

Leia mais

Brazilian Securities Companhia de Securitização

Brazilian Securities Companhia de Securitização Brazilian Securities Companhia de Securitização Informações Trimestrais Setembro de 2014 03 de novembro de 2014 Relatório da Administração 3T14 Brazilian Securities Cia de Securitização Relatório da Administração

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Norma de NBC TE 11 para ITG 2001 e de outras normas citadas: de NBC T 19.27 para NBC TG 26; de NBC T 1 para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL.

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 4º Trimestre findo em Dezembro 2013. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

3º trimestre de 2014. Gerenciamento de Riscos Pilar 3

3º trimestre de 2014. Gerenciamento de Riscos Pilar 3 3º trimestre de 2014 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 ÍNDICE OBJETIVO 3 PRINCIPAIS INDICADORES 3 1 GERENCIAMENTO DE RISCOS E CAPITAL 4 1.1 Estrutura Organizacional 4 1.2 Governança de Riscos e Capital 5

Leia mais

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO

SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO SOCINAL S.A- CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CAPITAL - EXERCICIO 2014 SUMÁRIO 1. Introdução; 2. Política Institucional para Gestão do Risco de Capital; 3. Estrutura,

Leia mais

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação.

Vinculado ao Grupo Rodobens, que possui mais de 60 anos de tradição e experiência no mercado de veículos desde a sua fundação. 2013 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do Banco Central do Brasil, através da Circular 3.477, de 24/12/2009,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Setembro de 2012 SUMÁRIO 1 Introdução 03 1.1 O Banco do Nordeste 03 2 Gestão de Risco do BNB 05 2.1 Risco

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

Basiléia II Ambiente normativo. Recife- PE

Basiléia II Ambiente normativo. Recife- PE Basiléia II Ambiente normativo Recife- PE Dezembro/2008 Diretoria de Fiscalização - Difis Deptº de Supervisão de Cooperativas e de Instituições Não-Bancárias -Desuc Agenda Gestão de Riscos Normas de requerimento

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento TAX ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento Ativo diferido de imposto de renda da pessoa jurídica e de contribuição social sobre o lucro líquido aspectos fiscais e contábeis Outubro de 2014 1. Noções

Leia mais

Banco VR S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Banco VR S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Demonstrações Contábeis Consolidadas do Conglomerado Prudencial Referentes ao Semestre e Exercício Findos em 31 de Dezembro de 2014 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

Pilar 3. Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A. Para o trimestre findo em 30 de Setembro de 2014. Setembro 2014 Pilar 3 Disciplina de Mercado 1

Pilar 3. Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A. Para o trimestre findo em 30 de Setembro de 2014. Setembro 2014 Pilar 3 Disciplina de Mercado 1 Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A. Para o trimestre findo em 30 de Setembro de 2014 Setembro 2014 Disciplina de Mercado 1 ÍNDICE Página Índice de Tabelas 3 Introdução 4 Contexto Operacional 5

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20 (R1) Custos de Empréstimos

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20 (R1) Custos de Empréstimos COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 20 (R1) Custos de Empréstimos Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 23 (IASB BV 2011) Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE 2

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56

BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 BOLETIM Novembro/2013 Extraordinário nº 56 Medida Provisória nº 627/13 Imposto de Renda da Pessoa Jurídica - Tributação em Bases Universais Com o advento da Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, teve

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014.

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre os procedimentos para a remessa das informações relativas às exposições ao risco de mercado e à apuração das respectivas parcelas no cálculo

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

Basileia III: Novas Regras. Departamento de Normas do Sistema Financeiro - Denor

Basileia III: Novas Regras. Departamento de Normas do Sistema Financeiro - Denor Basileia III: Novas Regras Departamento de Normas do Sistema Financeiro - Denor Abril de 2013 Agenda Introdução Nova definição do Patrimônio de Referência (PR) Novos requerimentos mínimos Adicional de

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Quantitativos. Data-base: junho/12. 2.1. Exposição dos maiores clientes em relação ao total das operações

Circular 3477/2009 Aspectos Quantitativos. Data-base: junho/12. 2.1. Exposição dos maiores clientes em relação ao total das operações Circular 3477/2009 Aspectos Quantitativos Data-base: junho/12 1. Informações relativas ao Patrimônio de Referência (PR) e Patrimônio de Referência Exigido (PRE) em R$ mil 4º T/2010 1º T/2011 2º T/2011

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de riscos

Relatório de Gerenciamento de riscos Relatório de Gerenciamento de riscos SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1 GESTÃO DE RISCOS... 5 1.1 PRINCIPAIS RISCOS CORPORATIVOS... 5 2 RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1 GESTÃO DO RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1.1 Identificação

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 31 de Dezembro de 2014 ÍNDICE GERAL Página Demonstrativos Contábeis 02 Notas Explicativas da Administração 09 Resumo do Relatório do Comitê de Auditoria 112 Relatório dos Auditores

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES IOF SOBRE DERIVATIVOS Versão 1 13/jan/2012

PERGUNTAS FREQUENTES IOF SOBRE DERIVATIVOS Versão 1 13/jan/2012 PERGUNTAS FREQUENTES IOF SOBRE DERIVATIVOS Versão 1 13/jan/2012 I. NORMATIVOS 1. Quais os normativos que regulamentam a cobrança de IOF sobre derivativos cambiais? V&G: A Medida Provisória n o 539, de

Leia mais

Banco GMAC S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Banco GMAC S.A. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes Banco GMAC S.A. Demonstrações Financeiras Consolidadas do Conglomerado Prudencial, Referentes ao Semestre Findo em 30 de Junho de e Relatório dos Auditores Independentes. Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS IDENTIFICAÇÃO DO TRABALHO TÍTULO: A RELEVÂNCIA DA EVIDENCIAÇÃO DO CRÉDITO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE ADIÇÕES INTERTEMPORAIS E DE PREJUÍZO FISCAL NAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AUTOR: JOSÉ ANTONIO DE FRANÇA

Leia mais

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A.

BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. BANCO STANDARD DE INVESTIMENTOS S.A. RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES REFERENTES À GESTÃO DE RISCOS, À APURAÇÃO DO MONTANTE DOS ATIVOS PONDERADOS PELO RISCO (RWA) E A APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002

CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002 BANCO CENTRAL DO BRASIL Diretoria de Normas e Organização do Sistema Financeiro Departamento de Normas do Sistema Financeiro CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais