RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 3º TRIMESTRE

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO INSTITUCIONAL GERENCIAMENTO DE RISCOS TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RESPONSABILIDADES RISCO DE CRÉDITO GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO CLASSIFICAÇÃO DE RISCO (RATING) MITIGAÇÃO DO RISCO DE CRÉDITO EXPOSIÇÃO AO RISCO DE CRÉDITO EXPOSIÇÃO POR FATOR DE RISCO EXPOSIÇÃO POR PAÍSES E REGIÕES EXPOSIÇÃO POR SETOR ECONÔMICO EXPOSIÇÃO POR FAIXA DE ATRASO CONCENTRAÇÃO DOS DEZ MAIORES DEVEDORES OPERAÇÕES BAIXADAS PARA PREJUÍZO MONTANTE DE PROVISÕES PARA PERDAS PARCELA DO PEPR POR FATOR DE PONDERAÇÃO DOCUMENTO REGULATÓRIO RISCO OPERACIONAL PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS DOCUMENTO REGULATÓRIO RISCO DE MERCADO VALIDAÇÃO DO MODELO BACKTESTING DOCUMENTO REGULATÓRIO DERIVATIVOS RISCO DE LIQUIDEZ DOCUMENTO REGULATÓRIO GESTÃO DE CAPITAL APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO (PRE) DOCUMENTO REGULATÓRIO ÍNDICE DE BASILÉIA

3 1. INTRODUÇÃO No decorrer dos anos o Comitê de Basiléia vem criando instrumentos para assegurar a estabilidade e solidez no setor bancário internacional. O advento do Novo Acordo de Basiléia, conhecido como Basiléia II, fez com que as Instituições Financeiras implementassem mecanismos para a adequação de suas estruturas de Gerenciamento de Riscos, para um controle mais rigoroso de seus riscos. Além das exigências determinadas pelos Órgãos Reguladores, o Basiléia II permite que as Instituições utilizem modelos próprios para mensuração e controle dos riscos inerentes as suas atividades. O Novo Acordo de Basiléia (Basiléia II) está fundamentado em três Pilares: Pilar I Requerimento Mínimo de Capital: As Instituições devem ter capital mínimo para fazer frente aos riscos assumidos (Riscos: Crédito, Mercado e Operacional); Pilar II Supervisão Bancária: A Supervisão avalia como as Instituições estão adequando seu capital em relação aos riscos assumidos; Pilar III Disciplina de Mercado: As Instituições passam a informar suas estruturas de gerenciamento de riscos aos agentes de mercado. Em continuidade ao processo de implementação das recomendações do Basiléia II e as exigências do BACEN, o Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. publica este relatório (Pilar 3 Disciplina de Mercado) com intuito de apresentar maior transparência na Gestão de Riscos aos seus clientes, concessionários, colaboradores, acionistas e agentes de mercado. 2. INSTITUCIONAL O Banco Yamaha Motor do Brasil S.A., foi criado em Outubro de 2008, com o objetivo de oferecer produtos e serviços sob medida para os clientes da Rede de Concessionárias Yamaha. Estamos ligados diretamente à Yamaha Motor do Brasil Ltda., que pertence ao Grupo Yamaha Motor Company, atuando em mais de 104 países. 3

4 A missão do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. é oferecer serviços financeiros competitivos e rentáveis, fortalecendo os negócios do Grupo Yamaha e satisfazendo as expectativas de nossos clientes, concessionários, colaboradores e acionistas. 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS O Gerenciamento de Riscos do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. tem por objetivo identificar, mensurar, controlar e mitigar os riscos associados à Instituição. Para o Gerenciamento de Riscos da Instituição são utilizadas as práticas mais aceitas pelo mercado, além de atender todos os requerimentos dos Órgãos Reguladores. 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS Em virtude da complexidade dos produtos e serviços oferecidos aos seus clientes, o Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. está exposto a diversos Riscos Financeiros. Dentre os principais riscos inerentes a atividade da Instituição, destacamos: RISCO DE CRÉDITO: É a possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas obrigações financeiras nos termos pactuados, à desvalorização de contrato de crédito decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador, à redução de ganhos ou remunerações, às vantagens concedidas na renegociação e aos custos de recuperação. RISCO DE MERCADO: É a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas por uma instituição financeira. RISCO DE LIQUIDEZ: É a possibilidade de a instituição não ser capaz de honrar eficientemente suas obrigações esperadas e inesperadas, correntes e futuras, inclusive as decorrentes de vinculação de garantias, sem afetar suas operações diárias e sem incorrer em perdas significativas, bem como de não conseguir negociar a preço de mercado uma posição, devido ao seu tamanho elevado em relação ao volume normalmente transacionado ou em razão de alguma descontinuidade no mercado. RISCO OPERACIONAL: É a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas ou de eventos 4

5 externos, incluindo o risco legal associado à inadequação ou deficiência em contratos firmados pela instituição, bem como a sanções em razão de descumprimento de dispositivos legais e a indenizações por danos a terceiros decorrentes das atividades desenvolvidas pela instituição. RISCO DE COMPLIANCE: É o risco de sanções legais ou regulatórias, de perda financeira e de imagem que a Instituição possa sofrer como resultado da falha no cumprimento da aplicação de leis, regulamentos, código de conduta e das boas práticas bancárias. 5. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS As Políticas de Gerenciamento de Riscos do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. visam obter o melhor dimensionamento e controle dos riscos inerentes ao nosso negócio de modo consolidado, bem como a apuração do capital necessário para suportar nossas atividades, buscando maximizar o retorno ao acionista. A Estrutura de Gerenciamentos de Riscos estabelecida pelo Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. foi desenvolvida buscando sempre ser compatível com a natureza das suas operações. ORGANOGRAMA FUNCIONAL GESTÃO DE RISCOS 5

6 5.1. RESPONSABILIDADES PRESIDÊNCIA Revisar e aprovar as Políticas de Gerenciamento de Riscos, e suas futuras revisões, com periodicidade mínima anual; Aprovar o business plan anualmente. DIRETORIA DE RISCOS Assessorar o Comitê quanto à necessidade de Alocação de Capital; Acompanhar os limites de exposição aos riscos; Determinar o escopo, relevância e fronteira entre os riscos; Apurar as concentrações e correlação entre os riscos; Padronizar as informações, metodologias e indicadores; Realizar simulações visando à otimização do resultado frente aos riscos; Validar os processos, modelos e gerenciamento de riscos. COMPLIANCE Identificar, avaliar e mitigar o impacto dos riscos de compliance, especialmente relacionados às mudanças de regulamentos e/ou atividades do negócio e prevenção à lavagem de dinheiro, resguardando a imagem da instituição; Fomentar o bom relacionamento com as áreas e auxiliar o negócio nas soluções de dilemas, princípios éticos e de conduta, bem como na correta segregação de funções para evitar conflito de interesses; Fortalecer a cultura de controles internos, conscientizando as áreas quanto à importância da adequação aos parâmetros, métodos e padrões, estabelecidos internamente, pelo mercado e pelas autoridades reguladoras, buscando minimizar os riscos nas atividades desenvolvidas na Instituição; AUDITORIA INTERNA Verificar a qualidade e consistência dos procedimentos adotados pela Instituição para o Gerenciamento de Riscos; Avaliar o cumprimento das políticas e os procedimentos de gerenciamento de riscos adotados pela Instituição. 6

7 AUDITORIA EXTERNA Verificar se há ineficiência nos processos que possam causar impactos nas Demonstrações Financeiras da Instituição. 6. RISCO DE CRÉDITO Risco de Crédito lida com a possibilidade de ocorrência de perdas associadas ao não cumprimento pelo tomador ou contraparte de suas respectivas obrigações financeiras nos termos pactuados, bem como à desvalorização de contrato de crédito decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador, à redução de ganhos ou remunerações, a vantagens concedidas na renegociação, aos custos de recuperação e a outros valores relacionados. A Área de Gerenciamento de Risco de Crédito atua de forma específica e independente, cabendo a esta controlar e estabelecer limites na concessão de crédito do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A, assim como evitar perdas financeiras. A Área atua no sentido de mitigar os potenciais riscos de crédito através do monitoramento das atividades de crédito, no aprimoramento, aferição e elaboração de inventários dos modelos de riscos de crédito anteriormente desconhecidos. O controle do risco de crédito é realizado corporativamente através de reuniões quinzenais do Comitê Executivo, e cabe a este: Avaliar e recomendar estratégias, políticas, normas e metodologias de mensuração de risco ao Comitê Executivo do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A., assim como casos de exceções; Realizar acompanhamento e avaliação do risco de crédito e das medidas tomadas para mitigação de riscos; Acompanhar e avaliar alternativas para mitigação de risco de concentrações de créditos; Acompanhar a implantação e implementação de metodologias, modelos e ferramentas de gestão de risco de crédito; Avaliar a suficiência de provisão para devedores duvidosos, para cobertura das perdas esperadas sobre operações de crédito; 7

8 Acompanhar as movimentações e desenvolvimentos do mercado de crédito, avaliando implicações, riscos e oportunidades para a Instituição; Posicionar regularmente o Diretor Presidente e fazer recomendações que julgar importante GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Em atendimento a Resolução do BACEN, o Banco Yamaha Motor do Brasil S.A estabelece a Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito, a qual tem como principais atividades: Backtesting e calibração dos modelos utilizados para mensuração de riscos da carteira de crédito; Participação ativa no processo de melhoria de modelos de classificação de riscos de clientes; Estimativa das perdas associadas ao risco de crédito e comparação das perdas observadas aos valores estimados; Auxílio na estratégia de recuperação de valores; Acompanhamento de grandes riscos: monitoramento periódico dos principais eventos de inadimplência; Acompanhamento do provisionamento frente às perdas esperadas e inesperadas; Revisão contínua de processos internos, inclusive papéis e responsabilidades, capacitação e demandas de tecnologia da informação; Participação na avaliação de riscos quando da criação ou revisão de produtos e serviços CLASSIFICAÇÃO DE RISCO (RATING) O Rating é um dos itens mais importantes contidos na análise de crédito. Essa classificação identifica qual é o nível de risco da contraparte de não cumprir com o seu compromisso assumido. 8

9 Para cada classificação de risco (Rating) haverá um percentual de provisionamento que deverá ser feito contabilmente de acordo com a especificação definida na Resolução de 21/12/1999 do BACEN, conforme segue: Classificação Provisão AA 0,0% A 0,5% B 1,0% C 3,0% D 10,0% E 30,0% F 50,0% G 70,0% H 100,0% Adicionalmente a provisão exigida regularmente pelo BACEN, o Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. poderá efetuar provisão adicional visando equalizar o resultado de acordo com as expectativas de rentabilidade/inadimplência das carteiras ativas contratadas MITIGAÇÃO DO RISCO DE CRÉDITO As operações referente ao produto de Floor Plan são garantidas através de CDB vinculado, fiança bancária e alienação fiduciária imobiliária. 9

10 No caso de parceiros comerciais que possuem filiais, as garantias deverão ser suficientes para cobrir todas as linhas de crédito liberadas para as filiais e matriz. A avaliação das garantias fiduciárias deve representar o valor real de mercado do bem. Para assegurar a confiabilidade, o Banco Yamaha Motor do Brasil S. A. credencia empresas de avaliação, através das quais, obrigatoriamente, devem ser realizadas as avaliações dos imóveis que constituirão garantias da linha de crédito. O quadro abaixo demonstra a evolução das garantias da carteira de crédito: 6.4. EXPOSIÇÃO AO RISCO DE CRÉDITO Apresentamos a evolução do total de exposições e a média de exposições dos trimestres, conforme quadro abaixo: 6.5. EXPOSIÇÃO POR FATOR DE RISCO Apresentamos o total de exposição ao risco de crédito por fator de ponderação de acordo com os art. 10 a 16 da Circular 3.360: 6.6. EXPOSIÇÃO POR PAISES E REGIÕES As operações do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. foram concedidas observando a seguinte distribuição geográfica: 10

11 Cabe ressaltar que o Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. possui apenas uma agência na região Sudeste EXPOSIÇÃO POR SETOR ECONÔMICO O quadro abaixo demonstra a evolução da exposição por setor econômico: 6.8. EXPOSIÇÃO POR FAIXA DE ATRASO Apresentamos a seguir a evolução da exposição por faixa de atraso: 6.9. CONCENTRAÇÃO DOS DEZ MAIORES DEVEDORES O quadro abaixo demonstra a concentração dos maiores devedores da carteira de crédito do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A: 11

12 6.10. OPERAÇÕES BAIXADAS PARA PREJUÍZO Apresentamos a evolução do fluxo de operações baixadas para prejuízo no trimestre: MONTANTE DE PROVISÕES PARA PERDAS O quadro abaixo demonstra a evolução do montante de provisões para perdas relativas às exposições ao risco de crédito: PARCELA DO PEPR POR FATOR DE PONDERAÇÃO O cálculo da parcela de Risco de Crédito (PEPR) é realizado mensalmente, conforme Circular do BACEN. Apresentamos os valores da parcela PEPR, segmentados pelos fatores de ponderação de risco de acordo com os artigos 11 a 16 da Circular 3.360: 12

13 6.13. DOCUMENTO REGULATÓRIO Em atendimento a Circular 3.360, que trata dos procedimentos para cálculo da parcela do Patrimônio de Referência Exigido (PRE) referente às exposições ponderadas por fator de risco (PEPR), de que trata a Resolução 3.490, o Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. apura e divulga mensalmente a parcela do PEPR. 7. RISCO OPERACIONAL O Risco Operacional está associado à deficiência nos controles internos e é oriundo, principalmente, de três fatores-chave pessoas, tecnologia e processos materializandose por erros humanos, fraudes praticadas por terceiros e por empregados, falhas nos sistemas informatizados e por procedimentos inadequados. Esse risco varia de acordo com as especificidades tamanho, volume de negócios, mercado de atuação, qualidade dos recursos. O Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. controla permanentemente seus riscos operacionais com medidas para identificar, mensurar e controlar seus riscos. O gerenciamento do risco operacional envolve: Disseminação da Cultura de Risco Operacional: Visa promover a disseminação da cultura de risco operacional a todos os níveis hierárquicos da instituição, ressaltando a importância dos seus papéis e responsabilidades na gestão do risco operacional, através de comunicados internos, palestras e treinamentos. Mapeamento de Riscos e Controles: Visa identificar e quantificar os níveis de exposição aos riscos operacionais nos processos do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A., incluindo os riscos ambientais e de segurança do trabalho; Base de Perdas: Visa monitorar, analisar e consolidar as informações referentes às perdas associadas ao risco operacional. A Base de Perdas é abastecida usando como fonte os reportes de perdas operacionais entregues mensalmente pelas áreas da instituição e levantamento contábil realizado pela área de Gerenciamento de Risco Operacional; Ações Corretivas: Visa a implementação de ações mitigantes para os riscos operacionais relevantes (avaliados como alto ou médio impacto). 13

14 7.1. PLANO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS A estruturação e a manutenção de um Plano de Continuidade de Negócio (PCN) visam assegurar a integridade e segurança de seus funcionários, clientes, parceiros comerciais, minimizando perdas operacionais causadas pela interrupção dos negócios, além de proteger a imagem da Instituição. O Banco Yamaha Motor do Brasil S.A, alinhado às diretrizes constantes na Resolução 3380/06, iniciou em 2009 o estudo da análise da criticidade dos processos de negócios. Em 2010 foi aprovado o orçamento do projeto. Em junho foi concluído o processo de elaboração do BIA (Business Impact Analysis), através da contratação da consultoria Marsh para identificar as atividades e sistemas vitais para o Banco Yamaha. Foi contratada uma solução tecnológica para espelhar os sistemas vitais, que está em fase de testes de sincronismo. Os Planos de Continuidade de Negócios, com suporte da consultoria Marsh e em conjunto com os gestores, serão concluídos no segundo semestre de DOCUMENTO REGULATÓRIO A estrutura da área de gerenciamento de risco operacional do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. foi constituída em atendimento a Resolução Em atendimento a Circular 3.383, inicialmente adotamos a Abordagem do Indicador Básico. Em busca da melhoria contínua na Gestão de Riscos, desde Julho de 2011 o Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. passou a utilizar a metodologia Padronizada Alternativa Simplificada, reduzindo significativamente a alocação de capital para a parcela de Risco Operacional (POPR). 8. RISCO DE MERCADO O Gerenciamento de Risco de Mercado do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. tem por objetivo identificar, medir, acompanhar e monitorar a possibilidade de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas pela instituição. As perdas estão associadas aos riscos de operações sujeitas à variação cambial, das taxas de juros, dos preços de ações e dos preços de mercadorias. A Área de Gerenciamento de Risco de Mercado e Liquidez do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. atua de forma independente das estruturas de operações de Tesouraria e Administração Recursos de Terceiros, e é subordinada a Diretoria Comercial. 14

15 Os limites de riscos aceitáveis são propostos pela Área de Risco de Mercado ao Comitê de Tesouraria e Risco de Mercado conforme os momentos de mercado e as características das operações, os quais são segregadas nas seguintes carteiras: Carteira de Negociação (Trading Book): Consiste em todas as operações com instrumentos financeiros e mercadorias (inclusive derivativos), detidas com a intenção de negociação ou destinadas a hedge de outros da carteira de negociação, e que não estejam sujeitas à limitação da sua negociabilidade. As operações detidas com intenção de negociação são aquelas destinadas à revenda, obtenção de benefícios dos movimentos de preços, efetivos ou esperados, ou realizados de arbitragem; Carteira de Não Negociação (Banking Book): Consiste em operações não classificadas na Carteira de Negociação. Consistem nas operações estruturais provenientes das diversas linhas de negociação da Instituição e seus respectivos hedges. O cumprimento desses limites é monitorado diariamente pela Área de Gerenciamento de Risco de Mercado. Adicionalmente são disponibilizados às áreas de negócio e à Alta Administração relatórios gerenciais para controle das posições. A mensuração e controle do risco de mercado são feitos por meio de metodologias de VaR Paramétrico, Teste de Estresse e Análise de Sensibilidade. Para apuração do risco gerencial da carteira usamos a metodologia de VaR Paramétrico para o horizonte de tempo de 1, 10 e 252 dias, com nível de confiança de 99%. Volatilidades e correlações são calculadas a partir de métodos estatísticos que atribuem maior peso aos retornos mais recentes. 15

16 8.1. VALIDAÇÃO DO MODELO - BACKTESTING Para garantir a qualidade das informações nos modelos utilizados para mensuração e controles de risco de mercado do Banco Yamaha do Brasil S.A, a Área de Gerenciamento de Risco de Mercado adotou o modelo de validação Backtesting. É uma ferramenta estatística no qual verifica a consistência entre as perdas observadas e as perdas estimadas DOCUMENTO REGULATÓRIO Carteira de Negociação (Trading Book): Em atendimento a Circular 3.361, diariamente o Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. mensura a parcela PJUR1, para cobertura do risco das operações sujeitas à variação de taxas de juros prefixadas denominadas em real que trata a Resolução Carteira de Não Negociação (Banking Book): Em atendimento a Circular 3.365, mensalmente o Banco Yamaha Motor do Brasil mensura a parcela RBAN, para cobertura do risco das operações sujeitas à variação de taxas de juros não classificadas na carteira de negociação. 8.3 DERIVATIVOS As operações em derivativos têm por finalidade mitigar os riscos das posições das carteiras nos respectivos fatores de risco. Com a finalidade de proteger o fluxo de caixa contra exposição à variação de taxas de juros, o Banco Yamaha Motor do Brasil S.A negociou contrato de Swap CDI x Pré. Segue abaixo total de exposição em derivativos do Banco Yamaha: 9. RISCO DE LIQUIDEZ O Risco de Liquidez é o risco resultante na impossibilidade do Banco Yamaha Motor do Brasil S.A quitar seus débitos e obrigações quando do vencimento de seus compromissos devido à incapacidade de converter seus ativos em recursos, ou de obter fundos 16

17 suficientes, ou, caso obtenha os fundos necessários, estes sejam contratados mediante um alto custo financeiro que possa afetar a receita financeira e o capital da Instituição, atual e / ou futuro. Para a mensuração e controle dos limites de Risco de Liquidez, O Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. utiliza metodologias determinadas pelo BACEN, para manter níveis de liquidez que possibilitam o cumprimento de todas as obrigações da Instituição: - Fluxo de Caixa - Caixa Mínimo - Análise de Descasamentos - Cenários de Estresse - Plano de Contingência de Liquidez O monitoramento e controle dos limites de Risco de Liquidez da Instituição são realizados pela área de Gerenciamento de Risco de Mercado e Liquidez. Diariamente são gerados relatórios dos limites operacionais e enviados à Alta Administração DOCUMENTO REGULATÓRIO Em conformidade com a Circular e Carta-Circular 3.374, mensalmente o Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. elabora o DRL Documento de Risco de Liquidez, o qual tem por objetivo apresentar os ativos negociáveis, os passivos exigíveis, as estimativas dos cenários de estresse para liquidez e os planos de contingências elaborados pelo Banco Yamaha, nos termo da Resolução GESTÃO DE CAPITAL O Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. gerencia a adequação de capital de acordo com as exigências do Basiléia II e os normativos expedidos pelo BACEN. O gerenciamento para a adequação de capital é realizado através da consolidação das informações do Patrimônio de Referência (PR) e do Patrimônio de Referência Exigido (PRE). A Resolução do BACEN determina que o valor do Patrimônio de Referência (PR) deve ser superior ao valor do Patrimônio de Referência Exigido (PRE). 17

18 O PRE é apurado pela soma do valor total das exigências de capital de cada uma das parcelas: PRE = PEPR + PCAM + PJUR + PCOM + PACS + POPR PEPR Parcela referente ás exposições ponderadas pelo fator de ponderação de risco a elas atribuído, conforme Circular PCAM Parcela referente ao risco das exposições em ouro, em moeda estrangeira e em operações sujeitas à variação cambial, conforme Circular PJUR Parcela referente ao risco das operações sujeitas à variação de taxa de juros e classificadas na carteira de negociação: PJUR1 Referente às exposições sujeitas às variações de taxas de juros prefixadas denominadas em real, conforme Circular 3.361; PJUR2 Referente às exposições sujeitas à variação das taxas dos cupons de moedas estrangeiras, conforme Circular 3.362; PJUR3 Referente às exposições sujeitas à variação das taxas de cupons de índices de preços, conforme Circular 3.363; PJUR4 Referente às exposições sujeitas à variação das taxas de cupons de taxa de juros, conforme Circular 3.364; PCOM Parcela referente ao risco das operações sujeitas à variação do preço de mercadorias (commodities); PACS Parcela referente ao risco das operações sujeitas à variação do preço de ações e classificadas na carteira de negociação; POPR Parcela referente ao risco operacional; RBAN Conforme determinação do BACEN, as Instituições devem manter também PR suficiente para cobertura do risco de taxa de juros das operações não incluídas na carteira de negociação (Banking Book), na forma da Circular 3.490, Resolução APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA (PR) O Banco Yamaha Motor do Brasil apura o Patrimônio de Referência (PR) de acordo com o Artigo 1º da Resolução do BACEN. O valor é apurado mediante a soma dos valores do Patrimônio Líquido, aos Saldos das Contas de Resultado Credoras deduzindo os Saldos das Contas de Resultados Devedoras. 18

19 Apresentamos o detalhamento da apuração do Patrimônio de Referencia: APURAÇÃO DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO (PRE) Em virtude das operações detidas no Banco Yamaha Motor do Brasil S.A, o PRE é apurado da seguinte forma: DOCUMENTO REGULATÓRIO Em consonância com a Circular e a Carta-Circular do BACEN, mensalmente é realizada a geração do DLO - Demonstrativo de Limites Operacionais, que tem por objetivo apresentar, de forma sintética, as informações referentes aos detalhamentos do cálculo dos limites monitorados pelo BACEN. 11. ÍNDICE DE BASILÉIA O Índice de Basiléia, conceito internacional definido pelo Comitê de Basiléia, é o indicador que mede a relação entre o Patrimônio de Referência (PR) e os riscos ponderados conforme regulamentação em vigor (Patrimônio de Referência Exigido PRE). 19

20 O Banco Yamaha Motor do Brasil S.A. encerrou Setembro de 2012 com o Índice de Basiléia em 20,47%, atingindo uma margem de R$ milhões, possibilitando um incremento de até R$ milhões em novas operações de crédito. 20

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR 3 DISCIPLINA DE MERCADO 1º TRIMESTRE - 2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTITUCIONAL... 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 4. TIPOS DE RISCOS FINANCEIROS...

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2012 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 5 RISCO DE MERCADO... 8 6

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 30 de dezembro 2011 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. PILAR III Disciplina de Mercado RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PILAR III Disciplina de Mercado 3º Trimestre - 2013 Sumário Introdução... 3 Perfil Corporativo... 3 Principais Tipos de Riscos (conceitos)... 4 Riscos Financeiros...

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 4 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477

DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 DIVULGAÇÃO DAS INFORMAÇÕES DE GESTÃO DE RISCO E PATRIMÔNIO EXIGIDO CIRCULAR 3.477 Banco John Deere S.A Data de Referência: Março/2012 1/14 Sumário 1. Gestão de Riscos Aspectos Qualitativos... 3 1.1. Estrutura

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 2º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 2º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Banco Rodobens. 1º Trimestre 2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Rodobens 1º Trimestre 2015 INTRODUÇÃO O presente Relatório tem por objetivo apresentar as informações do Banco Rodobens para atendimento aos requerimentos do

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL Pilar 3 Basileia DATA-BASE: 31/03/2015 (1T2015) Sumário Introdução... 3 Principais Categorias de Risco... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos e de Capital...

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos

Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12. Aspectos Qualitativos 1 Relatório de Gestão de Riscos - Circular 3477/2009 Dez/12 Aspectos Qualitativos I - Introdução O objetivo deste relatório é divulgar informações referentes à gestão de risco, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco

Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Banco Volvo (Brasil) S.A. Relatório de Gerenciamento de Risco Data-base: 30.06.2015 Relatório de Gerenciamento de Riscos 1 Objetivo... 3 2 Gerenciamento de Riscos... 3 2.1 Política de Riscos... 3 2.2 Processo

Leia mais

4º Trimestre 2013 1 / 15

4º Trimestre 2013 1 / 15 Divulgação das informações de Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido e Adequação do Patrimônio de Referência. (Circular BACEN nº 3.477/2009) 4º Trimestre 2013 Relatório aprovado na reunião

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital

Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital RISKS Gerenciamento de Riscos e Gestão do Capital 1º Trimestre 2014 Documento de uso interno RISKS Sumário Introdução... 3 1. Sobre o Gerenciamento de Riscos... 4 2. Patrimônio de Referência... 7 3. Ativos

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 2.1. RISCO DE MERCADO... 2 2.2. GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO... 2 2.3. TIPOS E CATEGORIAS DE RISCO AVALIADOS... 2 Risco de Taxas de Juros...2 Risco de

Leia mais

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB

RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ANO-BASE 2010 GERENCIAMENTO DE RISCO DO CONGLOMERADO BRB Fevereiro/2011 ÍNDICE 1) Objetivo...3 2) Institucional...3 2.1) Tipos de Riscos...3 2.2) Estrutura e Processo de Gestão...3

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA DENOMINAÇÃO Gestão de Riscos e de Patrimônio de Referência Circular 3.477/99 ÁREA EMITENTE Data Base Gestão de Riscos 30/09/01 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA 1. Introdução Em

Leia mais

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS

RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS RELATÓRIO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1 1. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 1.1 INTRODUÇÃO O gerenciamento de riscos do Banco Renner é acompanhado constantemente pela Diretoria que é responsável por

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013

Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 Gestão de Riscos Circular 3.678/2013 3 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2010 Conteúdo Introdução 2 Perfil do Banco 2 Princípios da Gestão de Riscos 2 Tipos de Riscos 3 Gerenciamento de Riscos 3 Risco de Crédito 4 Risco

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll)

Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Relatório de Gerenciamento de Riscos (Pilar lll) Índice Introdução... 3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 Informações Qualitativas... 4 Risco de Crédito... 4 Risco de Mercado... 5 Risco de Liquidez...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE Relatório de Gerenciamento de Riscos COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL DE PRIMAVERA DO LESTE 1ºTRI2015 1 Introdução... 4 2 Gestão de Riscos... 5 2.1 Principais

Leia mais

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III

RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III RELATÓRIO DE DIVULGAÇÃO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III 4º Trimestre findo em Dezembro 2013. ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 3 2. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 3 3. Políticas de Gerenciamento

Leia mais

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE

ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE ESTRUTURA E GERENCIAMENTO DE RISCOS NO BRDE JULHO/2014 1. Objetivos O gerenciamento de riscos no BRDE tem como objetivo mapear os eventos de riscos, sejam de natureza interna ou externa, que possam afetar

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos

Relatório de Gestão de Riscos Relatório de Gestão de Riscos 1º TRIMESTRE 2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Apresentação... 2 2. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 2 2.1. Gestão Integrada de Riscos... 2 2.1.1.

Leia mais

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez...

Índice. Introdução... 3. Filosofia... 4. Risco de Crédito... 5. Risco Operacional... 12. Risco de Mercado... 15. Risco de Liquidez... 1T 2013 Índice Introdução... 3 Filosofia... 4 Risco de Crédito... 5 Risco Operacional... 12 Risco de Mercado... 15 Risco de Liquidez... 20 Gestão de Capital... 23 2 Introdução Este relatório tem como objetivo

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO

RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO RELATÓRIO DE COMPLIANCE E GERENCIAMENTO DE RISCO DEZEMBRO/2011 Contexto Operacional A Agiplan Financeira S.A. Crédito, Financiamento e Investimento ( Agiplan ) é uma instituição financeira privada, com

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR

RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR 2014 RELATÓRIO DE RISCOS BANCO CATERPILLAR Dez / 2014 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO... 1 3. RISCO DE MERCADO... 3 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 4 5. GESTÃO DE CAPITAL... 5

Leia mais

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012

Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Gestão de Riscos e PRE Banco Mercedes-Benz do Brasil S.A. Base: Set/2011 a Dez/2012 Índice Introdução e Perfil 3 Crédito Política de Risco de Crédito 4 Exposição, exposição média e maiores clientes 6 Distribuição

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCO Circular 3.678/13 Dez/14 1. INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar informações relevantes sobre as estruturas e os processos de gerenciamento de riscos adotados

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado

Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado Gerenciamento de Riscos Risco de Mercado 2. Risco de Mercado A divulgação da Resolução 3.464 do CMN pelo BACEN em 26 de junho de 2007 foi o primeiro passo no processo de implementação de uma estrutura

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 3º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA. Setembro de 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCO, DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA EXIGIDO E DO PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Setembro de 2012 SUMÁRIO 1 Introdução 03 1.1 O Banco do Nordeste 03 2 Gestão de Risco do BNB 05 2.1 Risco

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 3º Trimestre 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E GERENCIAMENTO DE CAPITAL 1. INTRODUÇÃO 2. ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS 3. GERENCIAMENTO DE CAPITAL

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 30/09/2011 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477

Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 Gerenciamento de Riscos Circular 3.477 4º Trimestre de 2011 Conteúdo 1. OBJETIVO 3 2. INTRODUÇÃO 3 3. GERENCIAMENTO DE RISCOS 3 3.1. RISCO DE CRÉDITO 4 MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 4

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CONGLOMERADO FINANCEIRO PETRA 1º Tri 2014 gr 1. Introdução 2. Áreas de Atuação 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos 4. Apetite ao Risco 5. Informações Qualitativas 5.1 Risco de Crédito 5.2 Risco de Mercado 5.3 Risco de Liquidez 5.4 Risco Operacional

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ORGANOGRAMA DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 4 2.1. Responsabilidades... 4 3. RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A.

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS SCANIA BANCO S.A. Page 1 (13) 1. Introdução O Scania Banco iniciou suas operações em Novembro de 2009, com o objetivo de fornecer produtos e serviços financeiros exclusivamente

Leia mais

Índice. Relatório de Gerenciamento de Riscos

Índice. Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos 2014 Índice Introdução... 3 Tipos de Riscos... 3 Risco Operacional... 3 Risco de Mercado... 4 Risco de Liquidez... 4 Risco de Crédito... 4 Gerenciamento de Riscos...

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN

GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS FINANCEIRAS SCHAHIN 1. Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos no Banco Schahin S.A. é o processo onde: - São identificados os riscos existentes e potenciais de uma

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MAPA DE RISCOS... 4 3. PROCESSO E METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 5 Objetivo e Estratégias... 5 Políticas de Gerenciamento

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS E PATRIMÔNIO DE REFERÊNCIA Base normativa: Circular 3477, de 24.12.2009. Data base: 30.06.2013 1 I INTRODUÇÃO Visando atendimento as diversas resoluções que tratam sobre Riscos

Leia mais

Terceiro Trimestre de 2015

Terceiro Trimestre de 2015 Superintendência de Controles e Gerenciamento de Riscos - Sucor Gerência de Riscos Financeiros Gerif Banco do Estado do Pará S.A ÍNDICE APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DE RISCOS 03 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º Trimestre de 2012 Conteúdo Perfil Corporativo...3 Estrutura de Gerenciamento de Riscos...4 Atribuições...4 Risco Operacional...5 Limite de Tolerância ao Risco Operacional...6

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos. Circular 3.477. Junho de 2013

Relatório de Gestão de Riscos. Circular 3.477. Junho de 2013 Circular 3.477 Junho de 2013 Banco Original S.A. Rua Gen. Furtado do Nascimento, 66 Alto de Pinheiros, 05465-070 - São Paulo www.bancooriginal.com.br ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Gestão de Negócios...

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Pilar 3. Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Dezembro de 2014 Banco Cooperativo Sicredi Sumário 1. Objetivo... 3 2. Estrutura Organizacional... 3 3. Gerenciamento de Riscos... 5 4. Gerenciamento de Capital...

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de dezembro 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Vale do São Francisco

Vale do São Francisco Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Contábeis em 30 de junho de 2015 e 2014 Cooperativa de Crédito de Livre Admissão do Vale do São Francisco Ltda. C.N.P.J 04.237.413/0001-45 Vale do São

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos 31 de março 2013 Informações Referentes ao Gerenciamento de Riscos, Patrimônio de Referência e Patrimônio de Referência Exigido 1. Considerações Iniciais 1.1. Todas as condições

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MAPA DE RISCOS... 4 3. PROCESSO E METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS... 5 Objetivo e Estratégias... 5 Políticas de Gerenciamento

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital. 2015 2º Trimestre

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital. 2015 2º Trimestre Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital 2015 2º Trimestre Índice 1. Introdução... 4 2. Tipos de Riscos... 4 2.1. Risco de Crédito... 4 2.2. Risco Operacional... 4 2.3. Risco de Mercado... 4 2.4.

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016 POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO Vigência: 30/06/2016 Propriedade de Banco do Nordeste do Brasil S.A. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização. I. ESCOPO 1.

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013 DIRETORIA DE PLANEJAMENTO SUPERINTENDÊNCIA DE PLANEJAMENTO Departamento de Gestão de Riscos RELATÓRIO DE GESTÃO DE RISCOS 2 trimestre de 2013 Agosto de 2013. BANCO REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DO EXTREMO

Leia mais

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014

Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 Banco Mercedes-Benz RISCO DE MERCADO E LIQUIDEZ Base: Janeiro 2014 INTRODUÇÃO O Banco Mercedes-Benz do Brasil considera a gestão de riscos como um dos pilares de sustentação de seus objetivos estratégicos.

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito, Mercado e Operacional

Política de Gerenciamento de Risco de Crédito, Mercado e Operacional Crédito, Mercado e em: 30/12/2015 Política de Gerenciamento de Risco de Processos Página 2 de 9 SUMÁRIO 1- Definição... 3 2- Projeções de Perdas... 4 3- Classificação e Mitigação do Risco... 5 4- Estrutura...

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco De Crédito 1. DEFINIÇÃO E TIPOS DE RISCO DE CRÉDITO A Resolução nº 3.721/09, do Conselho Monetário Nacional, definiu Risco de Crédito como a possibilidade de ocorrência

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de riscos

Relatório de Gerenciamento de riscos Relatório de Gerenciamento de riscos SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1 GESTÃO DE RISCOS... 5 1.1 PRINCIPAIS RISCOS CORPORATIVOS... 5 2 RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1 GESTÃO DO RISCO DE CRÉDITO... 6 2.1.1 Identificação

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS

1.2 ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS Ano 2009 Índice APRESENTAÇÃO 03 1. GERENCIAMENTO DOS RISCOS CORPORATIVOS 04 1.1. CULTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 04 1.2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DOS RISCOS COPRPORATIVOS 04 1.3. REPORTES DA ÁREA

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Agosto/2013 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1. Comitê de Gestão do Capital

Leia mais

BANCO AZTECA DO BRASIL

BANCO AZTECA DO BRASIL Sumário BANCO AZTECA DO BRASIL Sumário... 2 I. Introdução... 2 II. Objetivo... 2 III. Escopo do... 3 IV. Mapa de Risco... 5 V. Risco de Mercado... 6 A. Ferramentas de Risco de Mercado... 6 VaR: 6 Testes

Leia mais

2º Trimestre de 2014 Basiléia III

2º Trimestre de 2014 Basiléia III Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2014 Basiléia III Conteúdo Introdução... 3 Perfil do Banco... 3 Comparativo entre Balanço Individual e Balanço Publicado... 4 Princípios da Gestão de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia

GERENCIAMENTO DE RISCOS. Pilar III Basiléia GERENCIAMENTO DE RISCOS Pilar III Basiléia 3º Trimestre 2015 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2014 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 POSIÇÃO NO TRIMESTRE... 3 4 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 5 RISCO DE CRÉDITO...

Leia mais

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução

Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos. Dezembro de 2011. Introdução Circular 3477/2009 Aspectos Qualitativos Dezembro de 2011 Introdução Este relatório foi elaborado com o objetivo de apresentar as atividades relacionadas à gestão de riscos, ao Patrimônio de Referência

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009

RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 RELATÓRIO DE RISCOS - 1º SEMESTRE/2009 I. INTRODUÇÃO As Assessorias de Riscos, da Coordenadoria de Riscos e Controles Internos - CORCI, em atendimento ao Art. 4º, da Resolução nº. 3.380, de 29 de junho

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Estrutura de Gerenciamento de Capital Informações Adicionais e Dados Quantitativos Banco Mizuho do Brasil SA. 29/05/2014 1 Estrutura de Gerenciamento de Capital 1.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatório de Gerenciamento de Riscos Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S/A Trimestre findo em 31/03/2015 ÍNDICE PÁGINA 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PERFIL CORPORATIVO... 4 3. GOVERNANÇA CORPORATIVA... 4 3.1. Comitê

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014

GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014 Relatório de Risco - 2011 GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014 Parte 2: Tabelas com as exposições a risco de crédito, mercado, liquidez e operacional em atendimento à circular n o 3477 do Banco Central do

Leia mais

Banco Western Union do Brasil S.A. Western Union Corretora de Câmbio SA

Banco Western Union do Brasil S.A. Western Union Corretora de Câmbio SA Banco Western Union do Brasil S.A. Western Union Corretora de Câmbio SA Relatório de Gerenciamento de Riscos para atender aos requisitos estabelecidos na Circular no. 3477/09 do Conselho Monetário Nacional.

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS 1º TRIMESTRE DE 2015 I INTRODUÇÃO / OBJETIVO O principal objetivo desse documento é apresentar as informações do Conglomerado Crédit Agricole requeridas pelo Banco

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Governança Corporativa Gestão de Riscos

Governança Corporativa Gestão de Riscos Governança Corporativa Gestão de Riscos Introdução As constantes mudanças no âmbito global têm fomentado a necessidade do aprimoramento dos controles executados pelas organizações e do ambiente de riscos,

Leia mais

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO

RELATÓRIO PÚBLICO ANUAL DA ESTRUTURA DO GERENCIAMENTO DE RISCOS DO SCANIA BANCO Documento tipo /Document type RELATÓRIO Título / Title Relatório Público Anual da Estrutura de Gerenciamento de Riscos do Scania Banco Nome do arquivo / File name Relatorio Publico Anual_Gerenciamento

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos 2014

Relatório de Gestão de Riscos 2014 Relatório de Gestão de Riscos 2014 2/16 Sumário 1. Introdução... 3 2. Perfil da Instituição... 3 3. Estrutura de Gerenciamento de Riscos... 4 3.1 Gestão de Risco de Mercado... 5 3.1.1 Instrumentos de monitoramento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO O Scotiabank Brasil (SBB), em atendimento à Resolução CMN 3.464 e alinhado a política global do grupo, implementou estrutura de Gerenciamento

Leia mais

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A.

Gestão de Riscos. Banco Rabobank International Brasil S.A. Gestão de Riscos Banco Rabobank International Brasil S.A. 2º Trimestre de 2012 Conteúdo Introdução 3 Perfil do Banco 3 Princípios da Gestão de Riscos 3 Tipos de Riscos 4 Gerenciamento de Riscos 4 Risco

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015

Relatório de Gestão de Riscos e Capital. 3ºTri2015 Relatório de Gestão de Riscos e Capital 3ºTri2015 Sumário A. Introdução...3 B. Escopo de Consolidação e Comparação dos Balanços...4 C. Governança Interna...7 1. Estrutura de Governança de Comitês...7 2.

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos -, Relatório de Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2T13 B R A D E S C O 1 Conteúdo Introdução... 5 Perfil Corporativo... 5 Escopo do Gerenciamento de Riscos... 6 Apetite a Riscos... 6 Mapa de Riscos... 7

Leia mais

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO POLÍTICA: ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO 1. INTRODUÇÃO A política de Risco de Mercado do Scotiabank Brasil ( Scotiabank ) é baseada na política do grupo de Risk Management Global do Scotiabank

Leia mais

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado

POLÍTICAS. Política de Risco de Mercado POLÍTICAS Versão: 1.3 Política Institucional de Risco de Mercado Vigência: 26.02.2009 Atualização: 21.12.2009 1- Introdução Definição: Risco de mercado é a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS E DE CAPITAL 2015 GERENCIAMENTO DE RISCOS Objetivo Este documento tem como objetivo definir políticas para o gerenciamento de riscos da Agoracred SA SCFI conforme Resoluções

Leia mais

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013

Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 1/9 Relatório da Estrutura de Gerenciamento Centralizado de Riscos e de Capital do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Ano 2013 I Apresentação 1. Aprimorando a harmonização, a integração

Leia mais

Basiléia II Ambiente normativo. Recife- PE

Basiléia II Ambiente normativo. Recife- PE Basiléia II Ambiente normativo Recife- PE Dezembro/2008 Diretoria de Fiscalização - Difis Deptº de Supervisão de Cooperativas e de Instituições Não-Bancárias -Desuc Agenda Gestão de Riscos Normas de requerimento

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO NORMATIVOS INTERNOS POLÍTICA GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO SET/2015 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO Abrangência: Haitong Banco de Investimento do Brasil S/A 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011

Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011 Relatório de Gerenciamento de Riscos 2 Trimestre de 2011 31 de agosto de 2011 DIRETORIA DE ECONOMIA E RISCOS Banco Cooperativo Sicredi Objetivo Este relatório busca atender ao disposto pela Circular BACEN

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos Objetivo As instituições financeiras estão expostas a riscos inerentes ao desenvolvimento de seus negócios e operações. A gestão e o controle de tais riscos constituem aspectos centrais da administração

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução

Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES. 1. Introdução 1 Estrutura de gestão do Risco de Mercado no BNDES 1. Introdução A Gestão de Riscos de Mercado é a atividade por meio da qual uma instituição financeira administra os riscos resultantes de variações nas

Leia mais