POEMAS EM LIBRAS SOBRE NATAL UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE POESIA SURDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POEMAS EM LIBRAS SOBRE NATAL UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE POESIA SURDA"

Transcrição

1 POEMAS EM LIBRAS SOBRE NATAL UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE POESIA SURDA Carolina Hessel Silveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Discutindo literatura e cultura surda Os estudos sobre cultura surda são bastante recentes e também as pesquisas sobre a literatura surda, que é um elemento importante desta cultura. Estes estudos são realizados dentro dos Estudos Surdos, que se aproximam dos Estudos Culturais. Conforme Rosa e Klein (2011, p. 93), os Estudos Surdos surgiram a partir da necessidade de outros olhares sobre a surdez e os surdos. Os autores também mostram que é muito importante para o ser surdo compartilhar com outros surdos a língua de sinais, a história cultural surda, a arte surda, entre outros elementos. Os Estudos Culturais sempre se interessaram pelas culturas, sem fazer diferenças de valor entre elas, e os Estudos Surdos se interessam especialmente pela Cultura surda. Para definir cultura surda, podemos citar Wrigley (1996, p. 45), que diz que o traço significante que define a cultura dos surdos é o uso de uma língua de sinais, que é uma língua natural dentro dos corpos surdos. É importante entender que se trata de uma cultura que é construída pelos surdos, e não é uma cultura traduzida da cultura dos ouvintes. Os surdos usam suas línguas de sinais, utilizam predominantemente a percepção visual, têm seus costumes, hábitos, ideias, convivem entre si e comemoram suas datas como eventos importantes para eles. Strobel (2009), autora surda, estudou muitos aspectos da cultura surda e ela nos lembra que, dentro dessa cultura, existem artefatos culturais diferentes, que são específicos do povo surdo, como a língua de sinais; a literatura surda e artes visuais específicas da comunidade. Quando se fala em literatura e artes visuais, é importante compreender que, na cultura surda, as produções linguísticas, literárias, artísticas, científicas são todas visuais. Assim como a literatura é importante para muitos grupos, como é o caso da literatura indígena, literatura negra, a literatura surda é um dos elementos relevantes da cultura surda. Para defini-la, podemos utilizar a conceituação de Karnopp (2010, p. 161): A expressão literatura surda é utilizada no presente texto para histórias que têm a língua de sinais, a identidade e a cultura surda presentes na narrativa. Literatura

2 surda é a produção de textos literários em sinais, que traduz a experiência visual, que entende a surdez como presença de algo e não como falta, que possibilita outras representações de surdos e que considera as pessoas surdas como um grupo linguístico e cultural diferente. Também existe uma relação muito grande entre a literatura surda e a história do povo surdo. Strobel (2009, p. 61) afirma que a literatura surda traduz a memória das vivências surdas através das várias gerações dos povos surdos. Isso também acontece porque, muito antes de se fazer gravações de histórias surdas em vídeo, já aconteciam encontros de surdos nas associações, nas festas, nos eventos, etc. Nesses encontros, havia muitas trocas de histórias, de piadas e de outras produções. Mesmo não havendo registro filmado, essas produções já faziam parte da literatura surda, que, conforme Karnopp (2010, p. 171), abrange histórias produzidas em língua de sinais pelas pessoas surdas, pelas histórias de vida que são frequentemente relatadas, pelos contos, lendas, fábulas, piadas, poemas sinalizados, anedotas, jogos de linguagem e muito mais. Assim, percebe-se que a Literatura Surda é a literatura que os surdos produzem que não é registrada com a língua escrita, mas se expressa através da língua de sinais. De acordo com Rosa e Klein (2011, p. 95), A literatura surda, quando produzida por um surdo, torna-se diferente das produzidas por pessoas ouvintes. Isso se dá porque o surdo é aquele que vivencia as experiências surdas, sua cultura e a Libras. Os autores ainda afirmam que até mesmo ouvintes com fluência em Libras e que participem da comunidade surda têm experiências diferentes das experiências que os surdos têm. Então, a literatura surda não é uma tradução da Literatura Brasileira ou de qualquer outra literatura nacional. Mas também é claro que a literatura surda também pode incorporar alguns temas e assuntos que aparecem na literatura dos ouvintes. Como se registra a literatura surda? Este é um caso diferente da literatura escrita de ouvintes. Podemos citar a opinião de Wilcox (2005, p. 96), que escreve sobre esse assunto e, se referindo à ASL (American Sign Language, que é a língua de sinais americana) afirma que:... a maioria das línguas no mundo não são escritas. Isso certamente não significa que nessas línguas não exista trabalho literário. Muitos dos clássicos da literatura a Bíblia, os dramas gregos originalmente não eram escritos. Embora a ASL seja ainda uma língua não escrita, ela possui uma longa e rica história de literatura popular. Grande parte dessa literatura tem sido gravada em filme ou fitas de vídeo. Muitas criações da tecnologia nas últimas décadas facilitaram o registro, a divulgação e o conhecimento da literatura surda. Podemos lembrar como exemplo o surgimento e a

3 popularização da internet, nos últimos vinte anos, com a criação de sites de fácil acesso para postagem e visualização de vídeos. Também ficou muito fácil a gravação de vídeos com celulares, smartfones e outros artefatos, por qualquer pessoa. Isto tudo tornou mais fácil o acesso à literatura surda, tanto para os surdos que querem conhecer estes artefatos quanto para os que querem estudar esta literatura, que é uma literatura visual. Dentro do campo dos Estudos Culturais e dos Estudos Surdos, que se interessam sobre as relações entre culturas, representações e identidades, vamos, neste artigo, fazer um breve estudo de um gênero da literatura surda no Brasil: poemas em Libras (Língua Brasileira de Sinais). Alguns poemas serão analisados como exemplos desse artefato cultural. Alguns aspectos dos Poemas em Libras Dentro da literatura surda, encontram-se os poemas em língua de sinais e, no caso brasileiro, os poemas em Libras, que utilizam os recursos expressivos de LIBRAS. Alguns autores dizem que poemas em línguas de sinais são uma forma de arte recente, que teria começado aproximadamente na década de 1970 nos Estados Unidos. Para Rachel Sutton- Spence (2008, p. 340), nos anos 70, surgiram algumas mudanças relacionadas à consideração da poesia em línguas de sinais não apenas como concebível, mas, também, como uma realidade e isso permitiu um espaço para as performances de poetas das línguas de sinais, inicialmente nos Estados Unidos e depois em outros países. Entretanto, encontrei um registro mais antigo de vídeo de poema no site Gallaudet, de uma performance em 1913, com a poetisa americana Mary Williamson Erd1, do poema "Death of Minnehaha" ( morte de Minnehaha ), que talvez seja inspirada no poema épico americano do autor Henry Wadsworth Longfellow, em ASL. O poema fala de uma lenda índia e a temática é muito popular nos Estados Unidos... 1

4 Vê-se, assim, um poema antigo, numa apresentação de 1913, que mostra que, com mais de 100 anos, a poesia surda não é recente. Só que atualmente existem pesquisas que mostram produções poéticas; também a facilidade de divulgação começou há pouco tempo, com as novas tecnologias, como já falamos. O acesso dos surdos a estes poemas faz com que eles se reconheçam e alguns procurem se expressar de forma poética. Fazer poemas em línguas de sinais e não em língua escrita (ou falada) é um avanço no conceito de literatura. A estudiosa Sutton-Spence (2008, p. 340) afirma que, antes de esta produção existir, Pessoas surdas e ouvintes achavam que a poesia deveria ser escrita apenas em inglês, devido ao status dessa língua. Isso pode ser transferido para o Brasil, onde a literatura era entendida somente como a arte da palavra. Sobre a poesia surda no Brasil, podemos fazer um resumo da situação da seguinte forma: nas décadas de 1980 e 1990, alguns poucos sujeitos surdos faziam alguns poemas escritos. Depois começou a haver modificações, com os surdos apresentando poemas em Libras, mas que eram traduções de poemas escritos. Apenas posteriormente surgiu a poesia em Libras- este fato era alguma coisa nova para a comunidade surda brasileira; hoje, entre os surdos, os poemas em Libras têm mais receptividade, mas há alguns surdos que continuam usando poesia escrita (em Língua Portuguesa) ou poesia traduzida (da Língua Portuguesa para Libras). O início da produção dos poemas no Brasil foi com o famoso ator surdo Nelson Pimenta, com registro em DVD em Língua de Sinais. Também aconteceram apresentações de poemas nos eventos, tanto de Nelson Pimenta como da poeta paranaense Rosani Suzin, no final da década 90. Mas, na verdade, conforme Morgado (2011b, p. 167), existem muitos poetas surdos no mundo. Os considerados profissionais são os que tiveram formação em

5 poesia da língua gestual, normalmente na Inglaterra ou nos Estados Unidos da América. Mesmo os poetas surdos que não tiveram formação (estudo) nestes dois paíes também têm importância no panorama da poesia surda. Para podermos fazer nossa análise dos poemas, neste trabalho, precisamos ver o que são as características das poesias em línguas de sinais. Assim como nos poemas em línguas verbais (escritas), é a linguagem que merece atenção nos poemas em línguas de sinais. De acordo com Quadros e Sutton-Spence (2006, p. 112), a poesia em língua de sinais, assim como a poesia em qualquer língua, usa uma forma intensificada de linguagem [ sinal arte ] para efeito estético. Morgado (2011a, p. 62) faz um paralelo entre recursos da linguagem verbal (rima, ritmo, verso, estrofes) e os recursos dos poemas em línguas gestuais. Morgado apresenta os recursos que são usados em poemas de línguas de sinais. São eles: - escolha e modificação de gestos. Os poetas surdos trabalham com os gestos, podendo escolher e modificar gestos como: pássaro ; - variação de gestos. Pode-se fazer rimas com diversos gestos que têm significado semelhante, como: dia, especial (em Língua Gestual Portuguesa); - utilização de componentes não-manuais. Nesse caso, pode se utilizar um aspecto nãomanual, usando apenas expressão corporal e facial; - classificadores. A autora considera que o recurso a um classificador é uma das principais riquezas da língua gestual; - metáforas. A autora afirma que, se um poeta surdo quer descrever a vida de uma flor, pode compará-la à sua vida, utilizando assim uma metáfora. Este aspecto se aproxima da poesia ouvinte; - interiorização de personagens. Outro recurso interessante vem da possibilidade de interiorizar uma personagem com suas características, como um bebê, um rapaz rebelde, uma senhora vaidosa; - mudança de papéis. A poesia surda pode usar a mudança de papéis, que é feita através da interação de duas ou mais personagens: pode ser um adulto falando com uma criança, por exemplo. Apenas um (1) poeta surdo pode representar mais de um personagem.

6 Também é preciso abordar um tipo de composição especial da literatura surda, que são as Histórias ABC e Números. Elas apareceram na comunidade surda brasileira a partir de 2000 e, neste tipo de composição, uma história é apresentada em sequência de configurações2 de mãos, usando alfabeto manual, números, nomes próprios ou outras palavras.. Quando a pessoa começa a aprender a contar uma história em sinais, pode usar seu próprio nome como forma de produção. Outro aspecto importante sobre poemas surdos, é que a maioria deles são autorais, isto é: os poemas não são transmitidos para outros surdos, mesmo que alguns sinais sejam iguais. O que mais permanece são as configurações das mãos durante poesias. Por exemplo, uma configuração de mão MÃO ABERTA, que apresenta movimentos do mar, montanha, rena, árvore de natal, anjo, pássaro, sereia, Língua de Sinais etc. está presente em muitos poemas. Podemos citar a estudiosa Sutton-Spence (2000, s/p) que descreveu, no artigo Aspectos da poesia em BSL, o uso da configuração de mão numa poesia. Ela afirma: A estrofe [Manhã em Trio] contém 18 sinais, dos quais dez usam uma forma de mão em B ou em 5. O sinal final ÁRVORES-GEMÊAS usa duas mãos, cada uma com forma em 5. (...) A forma de mão em 5 é vista nos sinais LEÃO, JUBA-DO-LEÃO, e ATAQUE-COM-GARRAS. Temos visto que esta configuração é a mais usada durante poemas, como pode ser visualizado nas ilustrações abaixo, com momentos de poemas brasileiros. A Cor Bandeira Brasileira Nelson Pimenta B Onda Poesia das Rosas Rosani Suzin C Presente A Arvore de Natal Fernanda Machado Figura 1 Momentos de poemas em LIBRAS Fontes: (A) DVD LITERATURA EM LSB, 1999; (B) DVD LIBRAS 03, 2001; (C) DVD Poesia A Árvore de Natal em LSB, Usa-se o termo configurações para referir a Configuração da mão (CM): é a forma que a mão assume durante a realização de um sinal. Pelas pesquisas linguísticas, foi comprovado que na LIBRAS existem 46 configurações de mãos ( BRITO, 1995).

7 Análise comparativa ilustrativa Os poemas que trago para este artigo foram registrados em vídeo e estão disponíveis para acesso do público. Seu tema é o Natal, e são bastante conhecidos na comunidade surda. Escolhemos para análise três materiais. O primeiro é o DVD Poesia A Árvore de Natal em LSB, produzido por poeta Fernanda Machado (2005) (poema A). O segundo material é um vídeo postado no YouTube, com a poeta Rosani Suzin (2009), disponível em (poema B). O terceiro material é um vídeo postado no YouTube, com a poeta Rosana Grasse (2014), disponível em https://www.youtube.com/watch?v=y5e0q2dcxeq (poema C). O poema mais longo, com cerca de oito minutos, é da poeta Fernanda Machado (poema A), com mais elementos e detalhes, e referências sobre nascimento do Jesus e Papai Noel. Não usou nenhuma soletração e apresentou mais sinais poéticos e neologismos. Observo que neologismos, que existem nas línguas de ouvintes, também existem em línguas de sinais. Quadros e Sutton-Spence (2006, p.147) explicam que o neologismo pode ser usado para efeito poético de muitas maneiras, trazendo a língua ao primeiro plano porque o poeta produziu a forma que ainda não é parte da língua. A autora traz uma narrativa sobre uma pessoa pegando bolas coloridas, colocando-as na Árvore de Natal; cada bola se referia a um elemento do nascimento de Jesus: anjo, Maria, José, Rei Herodes, três Reis Magos, burro. Fernanda sinalizou a cor de cada bola relacionando-a a um personagem ou a objetos como estrela. No final, quebra-se a bola vermelha, que simbolizava Rei Herodes, e dela sai uma luz que voa para céu e se transforma em trenó com renas, Papai Noel e saco de presentes. A poeta Rosani Suzin (poema B) apresentou o poema com nome FELIZ NATAL como história ABC, relacionando com o nascimento de Jesus, mas não fala do personagem Papai Noel. Cada letra, por exemplo, se transforma numa ideia; o L se transforma em estrela e sorriso, o N se transforma na manjedoura em que nasceu Jesus etc. A poeta Rosana Grasse (poema C) apresentou um poema curto, com única configuração de mão F em Libras. Ela traz a história da Árvore de Natal, nascimento Jesus, família e amor, sem referência ao personagem Papai Noel. Por exemplo, no sinal Jesus, ela usa configuração de mão F, em substituição à configuração de mão original do sinal Jesus.

8 Para comparar os três poemas, em relação aos sinais utilizados e recursos expressivos, apresentamos o quadro abaixo. Depois, vamos ilustrar os achados com imagens que são exemplos. Sinais de Libras utilizados QUADRO I Poemas sobre NATAL síntese Poema A (Fernanda Machado) Poema B (Rosani Suzin) Poema C (Rosana Grasse) ÁRVORE Neologismo Sinal em Libras Neologismo (sinal produzido com efeito poético, com ênfase na forma visual.) (sinal conforme uso cotidiano, sinal dicionarizado) (configuração de mão F produzida com efeito poético, com ênfase na forma visual.) JESUS Imitação rosto de Jesus, usando configuração de mão S (refere Jesus, usando CM S, com ênfase no rosto do bebê) Imitação rosto de Jesus, usando configuração de mão A Neologismo (sinal Jesus, usando configuração de mão F.) SOLETRAÇÃO Nenhuma FELIZ NATAL Nenhuma BOLA DE NATAL Neologismo (sinal produzido com efeito poético, com ênfase na forma visual.) Não utilizado Neologismo (configuração de mão F produzida com efeito poético, com ênfase na forma visual.) CORAÇÃO Não utilizado Letra T, duas mãos T sacudindo lentamente como dor, outra mão segurando coração no peito. Letra F, duas mãos F fazendo forma de coração. MANJEDOURA Neologismo Sinal 4, duas mãos cruzando em baixo Neologismo Letra N, balançando como cesta Não utilizado OBJETO que se QUEBRA Bola caiu, saiu fumaça, voou para céu, se transformou Letra E, duas mãos E abrindo, das quais sai luz, voando rápido Não utilizado

9 em trenó. no céu, que se transforma em cometa, estrelas... O que podemos concluir deste quadro é, em primeiro lugar, que as três poetas apresentaram ÁRVORE e JESUS nos poemas (ver figura 2 e figura 3, abaixo). Mas só dois poemas (A e C) criaram neologismo para ÁRVORE, enquanto a poeta do poema (B) usou sinal dicionarizado ÁRVORE. Dois poemas (A e B) usaram sinal expressando nascimento do Jesus (ver figura 3). Vê-se que outro poema (C) usou sinal JESUS com letra F. No poema A, a poeta fez configuração de mão S como mãos de Jesus nenê se movendo. No poema B foi usada a configuração de mão A por causa da letra A - Natal como mãos de Jesus se movendo (ver figura 3). Nos poemas A e B, as poetas fizeram expressão facial semelhante ao rosto do Jesus como bebê (também ver figura 3). Poema Natal Árvore Poema A Poema C Figura 2: Poema Natal Árvore. Fontes: Poema A - DVD Poesia A Árvore de Natal em LSB. Poema C - https://www.youtube.com/watch?v=y5e0q2dcxeq Poema Natal Jesus

10 Poema A Poema B Figura ilustrativa Expressando história A até Z, sobre bebê. Ênfase cara do bebê, letra A. Figura 3: Poema Natal Jesus. Fontes: Poema A - DVD Poesia A Árvore de Natal em LSB. Poema B - Figura ilustrativa DVD A to Z: ABC Stories in ASL. Atriz Stefanie Ellis-Gonzales. Ano 2010 Observamos que as figuras mostram como as poetas mulheres dão importância ao rosto do bebê Jesus, e isso pode estar relacionado com o gênero das poetas, porque, culturalmente, se espera que as mulheres deem mais importância para os bebês. A autora Sutton-Spence (2011, p. 180) explica sobre expectativa da sociedade em relação a gêneros masculino e feminino, e diz que as expectativas podem relacionar-se à cultura geral, quando se considera o gênero, ou cultura surda, quando a situação auditiva é considerada. Poema Natal Bola de Natal

11 Poema A Poema C Figura 4: Poema Natal Bola de Natal. Fontes: Poema A - DVD Poesia A Árvore de Natal em LSB. Poema C - https://www.youtube.com/watch?v=y5e0q2dcxeq Em relação à bola de natal (figura 4), no poema A, a poeta utilizou sinal produzido com efeito poético, com ênfase na forma visual: uma mão segura fio da bola, outra mão estala círculos em volta dela. No poema C, a poeta usou letra F, com duas mãos F fazendo circular a bola, para significar bola de natal. As duas poetas apresentam movimento de círculo como bola de natal ou festão na árvore de Natal, como no poema C, que pode ser ambíguo: bola de natal ou festão. Poema Natal - Coração Poema B Poema C Figura 5: Poema Natal Coração. Fontes: Poema B - Poema C - https://www.youtube.com/watch?v=y5e0q2dcxeq Sobre coração (figura 5), no poema B, a poeta utilizou uma mão com letra T, sacudindo lentamente como sinal de dor, enquanto a outra mão segura coração no peito. No

12 poema C, a poeta usou letra F, duas mãos F fazem forma de coração, com ênfase na forma visual. Ambas apresentam coração como amor ou dor de coração como saudades. Em relação à soletração, que às vezes é uma estratégia rica para os poemas em línguas de sinais, dois poemas usaram: o poema B usou soletração para FELIZ NATAL, organizando o poema com cada letra da expressão, como história ABC. Em relação à estrela (ver figura 6), o poema A usou o sinal de estrela, segurando a estrela voando como cometa; o poema B expressou várias estrelas. Poema Natal Estrela Poema A Poema B Figura 6: Poema Natal Estrela. Fontes: Poema A - DVD Poesia A Árvore de Natal em LSB. Poema B - A referência à manjedoura (figura 7), foi usada por duas poetas. No poema A, a poeta utilizou mão aberta como iluminação que se transforma em manjedoura; usou duas mãos cruzadas para baixo como se fosse manjedoura. No poema B, a poeta usou letra N (Natal), com duas mãos N fazendo xis, balançando, para significar manjedoura. Poema Natal Manjedoura

13 Poema A Poema B Figura 7: Poema Natal Manjedoura. Fontes: Poema A - DVD Poesia A Árvore de Natal em LSB. Poema B - Sobre objeto que se quebra (Figura 8), no poema A, a poeta pegou a bola vermelha, lembrando o Rei Herodes, que perseguia as crianças para matá-las e é perverso; a poeta fechou os olhos, deixando cair a bola e quebrar (no chão). Então, expressou sinal de fumaça, um pedaço que voa para céu, que se transforma em trenó de Papai Noel. No Poema B, a letra E (segunda letra de Feliz), se faz com duas mãos E juntando, abrindo como se fosse ovo quebrando, de onde sai uma luz que voa para céu e se transforma em estrelas. Poema Natal - Objeto que se quebra Poema A Poema B Figura 8: Poema Natal Objeto que se quebra. Fontes: Poema A - DVD Poesia A Árvore de Natal em LSB. Poema B -

14 O destaque que fazemos, neste momento, é sobre semelhanças - os sinais JESUS e MANJEDOURA foram usados nas poesias A e B de forma bem próxima. Também a sinalização de OBJETO que se QUEBRA, ambas as poesias A e B apresentaram. Se comparamos resumidamente os três poemas sobre a temática Natal, vemos que o que permanece são as configurações das mãos, sinais simbólicos do Papai Noel, Pinheiro de Natal e renas, além do aproveitamento de elementos das histórias tradicionais de Natal, presentes em relatos e poemas da cultura cristã dos ouvintes. Considerações finais Fizemos uma pequena análise comparativa de três poemas de autoras surdas sobre um mesmo tema. Com ela, quisemos mostrar a relevância da literatura surda, e fazer alguma aproximação com teóricos que analisam poemas surdos, embora este estudo seja só exemplificativo. É importante observar que este estudo se enquadra nos Estudos Surdos, em sua interface com os Estudos Culturais, que procuram mostrar as conexões entre produtos culturais, representações e identidades, entre outros temas. Vimos que, assim como na literatura escrita em relação à palavra, a literatura surda também usa recursos que não são do uso cotidiano e simples de Libras e criam efeitos estéticos, que têm uma repercussão positiva entre a comunidade surda e contribuem para o desenvolvimento de sua identidade. Relembremos, com Machado (2013, p. 59), que A língua de sinais é carregada de elementos pertinentes somente a ela, tem estética e estilo próprios e cada usuário apropria-se da língua de maneira diferente. Nesse sentido, a língua de sinais não é somente uma vocação, mas sim uma construção que acontece por meio das experiências, por isso existem pessoas que sinalizam de modo mais brando e suave, enquanto outras, de modo mais firme e vibrante. Mesmo sendo toda a sinalização uma forma de inspiração, nunca será reproduzida no mesmo estilo, pois a língua é dinâmica. Com o estudo que fizemos sobre os poemas, pensamos que foi possível ilustrar como a língua de sinais é dinâmica e tem uma estética que é apropriada por cada surdo, no caso, as poetas, de forma original.

15 REFERÊNCIAS BRITO, Lucinda Ferreira. Por uma Gramática de Língua de Sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; UFRJ, Departamento de Linguística e Filologia, KARNOPP, Lodenir Becker. Produções culturais de surdos: análise da literatura surda. Cadernos de Educação (UFPel), v. Ano 19, p , Narrativas e diferenças em produções culturais de comunidades surdas. Relatório de Pesquisa. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ppgedu/UFRGS), MACHADO, Fernanda de Araujo. Simetria na poética visual na língua de sinais brasileira. Dissertação na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), MORGADO, Marta. Literatura das línguas gestuais. Lisboa: Universidade Católica Editora, 2011a. MORGADO, Marta. Literatura em língua gestual. In: KARNOPP, Lodenir; KLEIN, Madalena; LUNARDI-LAZZARIN, Márcia (Orgs.). Cultura Surda na Contemporaneidade: negociações, intercorrências e provocações. Canoas: Editora da ULBRA, 2011b. ROSA, Fabiano e KLEIN, Madalena. O que sinalizam os professores surdos sobre literatura surda em livros digitais In: KARNOPP, Lodenir; KLEIN, Madalena; LUNARDI- LAZZARIN, Márcia (Orgs.). Cultura Surda na Contemporaneidade: negociações, intercorrências e provocações. Canoas: Editora da ULBRA, STROBEL, Karin. As imagens do Outro sobre a cultura surda - 2ª ed. revisada. Florianópolis: Editora UFSC, SUTTON-SPENCE, Rachel; QUADROS, Ronice. Poesia em língua de sinais: traços da identidade surda. IN: QUADROS, Ronice (org.) Estudos Surdos I - série pesquisas. Rio de Janeiro: Arara Azul, SUTTON-SPENCE, Rachel. Aspectos of BSL Poetry a social and linguistic analysis of the poetry of Dorothy Miles. Sign Language & Linguistics 3:1 (2000), p (Tradução de Iuri Abreu). Imagens da Identidade e Cultura Surdas na Poesia em Língua de Sinais. In: QUADROS, Ronice; VASCONCELLOS, Maria Lucia (Orgs.). Questões Teóricas das Pesquisas em Língua de Sinais. Rio de Janeiro: Arara Azul, Identificação de situação auditiva e gênero na poesia sinalizada. In: KARNOPP, Lodenir; KLEIN, Madalena; LUNARDI-LAZZARIN, Márcia (Orgs.). Cultura Surda na Contemporaneidade: negociações, intercorrências e provocações. Canoas: Editora da ULBRA, WILCOX, Sherman. Aprender a ver. Rio de Janeiro: Editora Arara Azul, WRIGLEY, Owen. The Politics of Deafness. Gallaudet University Press.Washington, 1996.

16 SITES CONSULTADOS: Acesso em: maio de https://www.youtube.com/watch?v=y5e0q2dcxeq. Acesso em: janeiro de 2015.

LITERATURA SURDA: ANÁLISE INTRODUTÓRIA DE POEMAS EM LIBRAS DEAF LITERATURE: INTRODUCING ANALYSIS OF POEMS IN LIBRAS

LITERATURA SURDA: ANÁLISE INTRODUTÓRIA DE POEMAS EM LIBRAS DEAF LITERATURE: INTRODUCING ANALYSIS OF POEMS IN LIBRAS LITERATURA SURDA: ANÁLISE INTRODUTÓRIA DE POEMAS EM LIBRAS Carolina Hessel Silveira Lodenir Becker Karnopp RESUMO: Os estudos sobre literatura surda e cultura surda são recentes no panorama acadêmico e

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa.

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa. Apresentação da Professora Libras Teleaula 1 Profa. Elizanete Fávaro Pedagogia (Facinter) Pós-Graduação em Educação Bilíngue (IPM) Cursando Letras/Libras (UFSC) Credenciada como Instrutora de Libras (FENEIS/CTBA)

Leia mais

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB

CONTOS DE FADAS EM LIBRAS. Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTOS DE FADAS EM LIBRAS Profª Me Luciana Andrade Rodrigues UNISEB CONTEÚDO - Contos de Fadas; - Fábulas; - Vídeos de contação de histórias; - Entrevista OBJETIVOS -Apresentar aos professores como é o

Leia mais

PARÂMETROS DA LIBRAS

PARÂMETROS DA LIBRAS 1 PARÂMETROS DA LIBRAS Prof. Giselli Mara da Silva Introdução Há alguma característica das línguas humanas que as diferencia das outras linguagens? De que forma essas características aparecem nas línguas

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

FORMAS DE COMUNICAÇÃO

FORMAS DE COMUNICAÇÃO FORMAS DE COMUNICAÇÃO Surdocegos usam diferentes formas de comunicação. As formas utilizadas por cada pessoa vai depender do grau de perda sensorial (visão/audição) e da capacidade de utilizar a forma

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

OS IMPACTOS DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA PRODUÇÃO LITERÁRIA DA CULTURA SURDA BRASILEIRA

OS IMPACTOS DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA PRODUÇÃO LITERÁRIA DA CULTURA SURDA BRASILEIRA 26 OS IMPACTOS DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA PRODUÇÃO LITERÁRIA DA CULTURA SURDA BRASILEIRA Resumo Angela Nediane dos Santos UFPEL Violeta Porto Moraes - UFPEL Apresentamos aqui um recorte

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE BÓZOLI, Daniele Miki Fujikawa (UEM) SILVA, Tânia dos Santos Alvarez da (Orientadora/UEM) Introdução Com a Lei nº 10.436, de 24 de abril de

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Leia o texto a seguir e responda à questão 13. Apontar não é falta de educação A apontação na língua de sinais brasileira faz parte da língua. Ela serve para diferentes

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA.

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. Vanessa de Almeida Moura Maria Das Graças Barreto Da Silva André Luiz

Leia mais

ADAPTAÇÃO E TRADUÇÃO EM LITERATURA SURDA: A PRODUÇÃO CULTURAL SURDA EM LÍNGUA DE SINAIS

ADAPTAÇÃO E TRADUÇÃO EM LITERATURA SURDA: A PRODUÇÃO CULTURAL SURDA EM LÍNGUA DE SINAIS ADAPTAÇÃO E TRADUÇÃO EM LITERATURA SURDA: A PRODUÇÃO CULTURAL SURDA EM LÍNGUA DE SINAIS Claudio Henrique Nunes Mourão UniRitter/CESF CNPq Resumo: O presente trabalho recorte de pesquisa sobre a forma como

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

Áreas de conhecimento: Língua Portuguesa, História e Temas Transversais.

Áreas de conhecimento: Língua Portuguesa, História e Temas Transversais. Projeto Bolsa Escola pública e Universidade na Alfabetização Faculdade Morumbi Sul E.E. Prof.ª Maria JAnnuzzi Mascari Série: 4ª série H PIC Professor Responsável: Tiago Aquilano Aluna Pesquisadora: Milena

Leia mais

Plano de ensino. 2) Objetivos Desenvolver habilidades de comunicação com a língua brasileira de sinais.

Plano de ensino. 2) Objetivos Desenvolver habilidades de comunicação com a língua brasileira de sinais. Plano de ensino 1) Identificação Curso Direito Disciplina EDU328 Carga horária 34 horas Semestre letivo 2/2012 Professor Ms. Michele Quinhones Pereira 2) Objetivos Desenvolver habilidades de comunicação

Leia mais

Refletir sobre a data comemorativa do natal.

Refletir sobre a data comemorativa do natal. NATAL ducação Infantil Justificativa O ano está acabando e o natal está chegando. É fundamental ressaltar o verdadeiro significado desta data: o natal não é mera troca de presentes, é momento de confraternização,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO 1

PROJETO PEDAGÓGICO 1 PROJETO PEDAGÓGICO 1 Projeto Pedagógico Por Beatriz Tavares de Souza* Título: Maricota ri e chora Autor: Mariza Lima Gonçalves Ilustrações: Andréia Resende Formato: 20,5 cm x 22 cm Número de páginas: 32

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS.

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. Rosane Batista Miranda¹ Eliane Vasconcelos Soares² Introdução O presente artigo visa á

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOGO DE PAPÉIS NA INTERPRETAÇÃO DE DISCURSOS NARRATIVOS DA LÍNGUA PORTUGUESA ORAL/LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 1

A IMPORTÂNCIA DO JOGO DE PAPÉIS NA INTERPRETAÇÃO DE DISCURSOS NARRATIVOS DA LÍNGUA PORTUGUESA ORAL/LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 1 A IMPORTÂNCIA DO JOGO DE PAPÉIS NA INTERPRETAÇÃO DE DISCURSOS NARRATIVOS DA LÍNGUA PORTUGUESA ORAL/LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 1 Jaqueline Soares dos Santos 2 - IFAL Diogo Rodrigo do Nascimento 3 - IFAL

Leia mais

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA IMPACTOS DO PIBID/INGLÊS SUSTENTABILIDADE NOS ALUNOS André Henrique Gonçalves (UESC) henriqueios@live.com Laura de Almeida (UESC) prismaxe@gmail.com RESUMO

Leia mais

Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais.

Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais. LIBRAS Aula noite I a VI Fabíola Féo Período: Abril, Maio e Junho. NAPNE Núcleo de Atendimento as Pessoas com Necessidades Especiais. LIBRAS HISTÓRIA Gerolamo Cardomo (1501 a 1576), médico e matemático

Leia mais

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO

ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO ENSINAR E APRENDER GEOGRAFIA COM ALUNOS SURDOS: ALGUMAS ATIVIDADES NO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Dirlene A. Costa Gonçalves Professora Escola para Surdos Dulce de Oliveira, Uberaba-MG. dirlenecosta12@hotmail.com

Leia mais

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO Língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente por convenções sociais, que possibilita

Leia mais

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque?

LISTA DE ARTE. Quais são os elementos construídos no quadro, pelo artista em questão, que enfatizam os acontecimentos em destaque? Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Elias Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE ARTE 1) Após analisar a obra a seguir, responda o que se pede. Os fuzilamentos de 3 de Maio de 1808.

Leia mais

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico

Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Roteiro da Biblioteca das Faculdades Coc Como Fazer Uma Pesquisa Teórica e Elaborar um Trabalho Acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA.

IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. IMPLEMENTAÇÃO DE UMA METODOLOGIA PARA A TRADUÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A LÍNGUA DE SINAIS BRASILEIRA NOS CURSOS DO SENAI DA BAHIA. Vanessa de Almeida Moura Maria das Graças Barreto da Silva André Luiz

Leia mais

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro

DATAS COMEMORATIVAS. FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro FESTAS JUNINAS 12 de junho Santo Antônio 24 de junho São João 29 de junho São Pedro As festas juninas fazem parte da tradição católica, mas em muitos lugares essas festas perderam essa característica.

Leia mais

ACESSIBILIDADE SEM ESFORÇO PARA SURDOS: JANELA DE LIBRAS OU LEGENDA? UMA ANÁLISE DOS INSTRUMENTOS DE ACESSIBILIDADE PARA SURDOS USADOS NO FILME O GRÃO

ACESSIBILIDADE SEM ESFORÇO PARA SURDOS: JANELA DE LIBRAS OU LEGENDA? UMA ANÁLISE DOS INSTRUMENTOS DE ACESSIBILIDADE PARA SURDOS USADOS NO FILME O GRÃO ACESSIBILIDADE SEM ESFORÇO PARA SURDOS: JANELA DE LIBRAS OU LEGENDA? UMA ANÁLISE DOS INSTRUMENTOS DE ACESSIBILIDADE PARA SURDOS USADOS NO FILME O GRÃO Maria Izalete Inácio Vieira UFSC- Polo UFC Resumo

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Esses parâmetros diferenciarão os sinais da Libras apresentados nesta aula.

Esses parâmetros diferenciarão os sinais da Libras apresentados nesta aula. COMUNICAÇÃO VISUAL O tema da nossa primeira aula é a Comunicação Visual, que pode ser definida como todas as formas de expressão da linguagem que possam ter seus conteúdos apreendidos pela visão. A manifestação

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

Datilologia, tradução ou oralização sinalizada?

Datilologia, tradução ou oralização sinalizada? Datilologia, tradução ou oralização sinalizada? Anderson Tavares Correia - UFPE 1 Rosângela Aparecida Ferreira Lima - UFPE 2 Francisco José de Lima - UFPE 3 O presente artigo discute a utilização da datilologia,

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo

PIC. Componentes da PIC 2. o bimestre. Produção Integrada ao Conteúdo PIC VERSÃO PARA O PROFESSOR VERSÃO PARA O PROFESSOR 9. o ano Ensino Fundamental Produção Integrada ao Conteúdo Componentes da PIC 2. o bimestre Arte Ciências Geografia História A nota da PIC é a média

Leia mais

UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1

UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1 UFRN PS 2015.2 Letras Libras/Língua Portuguesa THE 1 QUESTÃO 1 Os classificadores são recursos da Libras representados por configurações de mãos usadas para expressar formas de objetos, pessoas e animais,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

CONSTRUÇÕES IDENTITÁRIAS E REPRESENTAÇÕES CULTURAIS ATRAVÉS DA LITERATURA SURDA

CONSTRUÇÕES IDENTITÁRIAS E REPRESENTAÇÕES CULTURAIS ATRAVÉS DA LITERATURA SURDA CONSTRUÇÕES IDENTITÁRIAS E REPRESENTAÇÕES CULTURAIS ATRAVÉS DA LITERATURA SURDA RESUMO Cassio Pereira Oliveira 1 As produções culturais dos sujeitos surdos refletem os atravessamentos e evidenciam as vivências

Leia mais

APRENDIZAGEM EMOCIONAL

APRENDIZAGEM EMOCIONAL APRENDIZAGEM EMOCIONAL Escrito por Mauricio Aguiar Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento do POINT. Nesta

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal

Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio. Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Educação Infantil - Ensino Fundamental - Ensino Médio Atividade: Reflexão sobre Amadurecimento e Relacionamento Interpessoal Público: Oitavos anos Data: 25/5/2012 181 Dentro deste tema, foi escolhida para

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução

PALAVRAS-CHAVE LiteraRádio. Rádio. Literatura. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico

Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Roteiro para se fazer uma boa pesquisa e elaborar um trabalho acadêmico Para realizar uma pesquisa que não se torne um grande sacrifício pelas dificuldades em encontrar as informações, antes é preciso

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR. Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Integrado em Comunicação Visual CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Introdução à Comunicação Visual 40 horas Não tem Desenho I 40 horas Não

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional

SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Secretaria de Estado da Educação Superintendência Regional de Ensino de Carangola Diretoria Educacional Sequencia Didática destinada aos Anos Finais do Ensino

Leia mais

Identidade visual corporativa e institucional

Identidade visual corporativa e institucional Identidade visual corporativa e institucional O ser humano pensa visualmente! Ao contrário das palavras, as imagens agem diretamente sobre a percepção do cérebro. O homem moderno está cada vez mais privilegiando

Leia mais

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA José Erildo Lopes Júnior 1 juniormat2003@yahoo.com.br RESUMO Neste trabalho, vamos apresentar o conteúdo de ângulos, através

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa

JONAS RIBEIRO. ilustrações de Suppa JONAS RIBEIRO ilustrações de Suppa Suplemento do professor Elaborado por Camila Tardelli da Silva Deu a louca no guarda-roupa Supl_prof_ Deu a louca no guarda roupa.indd 1 02/12/2015 12:19 Deu a louca

Leia mais

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA

CARTAS: REGISTRANDO A VIDA CARTAS: REGISTRANDO A VIDA A carta abaixo foi escrita na época da ditadura militar. Ela traduz a alegria de um pai por acreditar estar próxima sua liberdade e, assim, a possibilidade do reencontro com

Leia mais

A DISPERSÃO DOS SURDOS NO LITORAL NORTE

A DISPERSÃO DOS SURDOS NO LITORAL NORTE A DISPERSÃO DOS SURDOS NO LITORAL NORTE Denise Nunes de Campos Bühler Dr. Ricardo Vianna Martins Neste artigo trazemos dados preliminares de uma pesquisa 1, em execução no Litoral Norte/RS, que visa mapear

Leia mais

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ARTE DE CONTAR HISTÓRIAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL EVELISE RAQUEL DE PONTES (UNESP). Resumo O ato de contar histórias para crianças da educação infantil é a possibilidade de sorrir, criar, é se envolver com

Leia mais

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes

Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes Posicionamento Global da marca FSC e Ferramentas de Marketing - Perguntas e Respostas Frequentes 1. Perguntas e Respostas para Todos os Públicos: 1.1. O que é posicionamento de marca e por que está sendo

Leia mais

Semed 2013 Módulo. Curso de DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA WALLACE MIRANDA BARBOSA

Semed 2013 Módulo. Curso de DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA WALLACE MIRANDA BARBOSA ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAPARI SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Curso de Semed 2013 Módulo DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO. A importância da comunicação na negociação. Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE ITAPETININGA CURSO CBMAE ARTIGO DE NEGOCIAÇÃO A importância da comunicação na negociação Aluna: Bruna Graziela Alves Cleto TUTOR: EDUARDO VIEIRA 13/05/2013 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...

Leia mais

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL Erick Lino Pedro 1 NIPETI 2 - Instituto Federal de Mato Grosso

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I

PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE MATERNAL I SÉRIE: EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL

Leia mais

Roteiro sobre Projeto Final do curso Metodologia para Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem

Roteiro sobre Projeto Final do curso Metodologia para Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem Roteiro sobre Projeto Final do curso Metodologia para Desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem Este roteiro tem como objetivo apresentar o projeto final do curso. Você deverá elaborar um projeto para

Leia mais

Conteúdo Programático INFANTIL I

Conteúdo Programático INFANTIL I Conteúdo Programático INFANTIL I Composição oral Identificação Cor: vermelha Forma: círculo Posições: Dentro e fora Natureza e Sociedade Carnaval Páscoa Dia do Índio Estação do Ano: Outono Experiências

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund*

Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1 Estudos bíblicos sobre liderança Tearfund* 1. Suporte para lideranças Discuta que ajuda os líderes podem necessitar para efetuar o seu papel efetivamente. Os seguintes podem fornecer lhe algumas idéias:

Leia mais

PLANEJAMENTO (Cantiga de Roda /Trava-língua /Adivinhas)

PLANEJAMENTO (Cantiga de Roda /Trava-língua /Adivinhas) PLANEJAMENTO (Cantiga de Roda /Trava-língua /Adivinhas) Professora: Juceli Pola Competências Objetivo Geral Objetivos Específicos Leitura; oralidade; memória; raciocínio; ritmo; dramatização. * Proporcionar

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande

Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande Escutar com olhos Permita-se ouvir essas mãos, pois somente assim será possível mostrar

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena.

JUQUERIQUERÊ. Palavras-chave Rios, recursos hídricos, meio-ambiente, poluição, questão indígena. JUQUERIQUERÊ Resumo Neste breve documentário, um índio faz uma retrospectiva de como ele vivia na região do Rio Juqueriquerê, localizada no litoral norte do Estado de São Paulo. Em seu relato, compara

Leia mais

Curso Intermediário de LIBRAS

Curso Intermediário de LIBRAS Curso Intermediário de LIBRAS 1 Curso Intermediário de LIBRAS 2 Unidade 2 Fazer as compras Sábado foi dia de ir ao Tok Stok. Nós, casal, fomos passear e dar uma voltada para olhar os moveis e objetos.

Leia mais

Material de Kanji para brasileiros residentes no Japão

Material de Kanji para brasileiros residentes no Japão Material de Kanji para brasileiros residentes no Japão I ~Aprenda por si só~ Centro de Educação e Pesquisa Multilinguísticas e Multiculturais da Universidade de Estudos Estrangeiros de Tóquio Material

Leia mais

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO:

OBJETIVOS: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: ARTES VISUAIS EDUCAÇÃO INFANTIL PRÉ II DATA: PERÍODO: CONTEÚDO: Gênero: Retrato /Fotografia Técnica: Pintura óleo sobre tela Elementos formais: cor e luz Os recursos formais de representação: figuração

Leia mais

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses.

Era considerado povo os cidadãos de Atenas, que eram homens com mais de 18 anos, filhos de pais e mães atenienses. Trabalho de Filosofia Mito e Filosofia na Grécia Antiga Texto 1 1- (0,3) Democracia quer dizer poder do povo. De acordo com o texto, quem era considerado povo em Atenas Antiga? Explique com suas palavras.

Leia mais

Leya Leituras Projeto de Leitura

Leya Leituras Projeto de Leitura Leya Leituras Projeto de Leitura Nome do livro: JAPĨĨ E JAKÃMĨ Uma história de amizade Autor: Yaguarê Yamã Nacionalidade do autor: Brasileira Currículo do autor: Escritor, professor e artista plástico

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais