É RELEVANTE O ESTUDO DA MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DO ADMINISTRADOR CONTEMPORÂNEO? ANDRÉIA KOHATSU SANTOS ROSANA CAPELARI DÉCIO SPERANDIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "É RELEVANTE O ESTUDO DA MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DO ADMINISTRADOR CONTEMPORÂNEO? ANDRÉIA KOHATSU SANTOS ROSANA CAPELARI DÉCIO SPERANDIO"

Transcrição

1 É RELEVANTE O ESTUDO DA MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DO ADMINISTRADOR CONTEMPORÂNEO? ANDRÉIA KOHATSU SANTOS ROSANA CAPELARI DÉCIO SPERANDIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Av. Colombo, Bloco C Fones/Fax: (044) e Maringá - Pr RESUMO O presente trabalho visa, primeiramente, estabelecer um rápido diagnóstico da universidade em um de seus traços específicos que é o ensino de graduação, para em seguida apresentar algumas sugestões que, segundo o nosso entendimento, podem contribuir com a melhoria do sistema educacional superior, na formação de Administradores, tendo como exemplo a Universidade Estadual de Maringá. Como fruto do sistema educacional que está aí posto, analisamos neste trabalho a formação do administrador que resulta do Curso de Administração Universitário, qual tem sido a contribuição deste administrador na solução de problemas que tem afligido a humanidade e como a formação do administrador contemporâneo pode atuar de maneira mais decisiva para a solução desses problemas. Por fim, neste trabalho fizemos uma análise e uma reflexão do ensino da Matemática na formação do administrador, concluindo que o pensamento matemático, quer intuitivo ou lógico-dedutivo, pode se constituir numa importante contribuição para a atuação profissional do administrador contemporâneo. Termos-chave Universidade - Administrador Contemporâneo - Matemática Área Temática:

2 1 Matérias Básicas, Profissionalizantes e Concentrações em Habilitações É RELEVANTE O ESTUDO DA MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DO ADMINISTRADOR CONTEMPORÂNEO? INTRODUÇÃO O trabalho está dividido em dois capítulos que tratam, respectivamente, de uma visão geral sobre a Universidade e Educação Superior, de uma análise a respeito do Curso de Administração, da formação do administrador contemporâneo e da importância que a disciplina Matemática pode ter na formação deste administrador. Para sua realização, foram utilizados, principalmente, textos a respeito do assunto discutido em cada capítulo e leitura de artigos mediante análise de idéias e teorias defendidas por vários autores. Embora de maneira bem abrangente, os temas foram tratados criticamente. O primeiro capítulo refere-se à questão da Universidade e Educação Superior. Nele, foram tratados assuntos que envolvem desde a época que compreende a origem das universidades em geral quanto aos assuntos referentes aos problemas com os quais elas confrontam-se atualmente, e a forma como esses problemas podem dar origem a necessidade de uma reforma universitária. Nesse capítulo foi analisada, de forma geral, a estrutura interna da Universidade Estadual de Maringá. Discute-se brevemente sobre a Administração da atualidade, onde a Universidade Estadual de Maringá é citada novamente através de um de seus Cursos de Graduação, que é o de Administração. Foram abordadas as principais características que os administradores devem possuir frente as exigências e necessidades do mundo em constantes transformações. O segundo capítulo objetiva fornecer indicativos sobre como a Matemática pode contribuir no projeto pedagógico do curso de Administração. A Matemática, nesse item, foi vista como um instrumento indispensável não só ao administrador, mas a todas as pessoas em geral, já que ela pode ser usada para despertar a capacidade de intuir e de promover o raciocínio lógicodedutivo, que é um caminho para a busca de soluções de problemas do cotidiano. Foi possível sublinhar como a Matemática está diretamente ligada aos problemas que nos cercam, e como muitas pessoas, que só conseguem vê-la como uma fonte de saber incompreensível, podem dificultar tal ligação, tornando-a apenas mais uma matéria ou disciplina que simplesmente faz parte da grade curricular, atendendo a legislação vigente, podendo não estar proporcionando nenhuma contribuição para a formação do administrador.

3 2 A observação e a análise crítica de todos os assuntos abordados no trabalho fez perceber que há muitos problemas referentes ao sistema educacional que precisam, urgentemente, de soluções que deixem de ser teóricas e passem a fazer parte do campo das ações reais, bem como há que se estabelecer uma nova geometria para a formação do administrador contemporâneo, capaz de influir na construção de uma sociedade mais justa. I. UNIVERSIDADE E EDUCAÇÃO SUPERIOR A origem e o desenvolvimento das Universidades Uma das definições que podemos encontrar na maioria dos dicionários que circulam diariamente nas mãos das pessoas, é que a Universidade se constitui em uma "instituição educacional que abrange um conjunto de escolas superiores, destinadas à especialização profissional e científica; centro de cultura superior; o edifício em que está situado o centro de cultura superior" 1 Elas começaram a surgir há, aproximadamente, 800 anos, embora, inicialmente, tenham sido caracterizadas apenas como grandes instituições escolares, no sentido que hoje conhecemos. Antigamente, as universidades eram muito conservadoras (em partes, devido ao estilo de vida social da época), teológicas e com determinações muito específicas: o saber estava voltado para si mesmo, uma vez que eram a base da formação da elite da época. Somente através da emergência cada vez mais forte do modo de produção capitalista, que passou a exigir técnicas especializadas que suprissem as necessidades da divisão do trabalho, é que as universidades foram ganhando características que mais as adaptassem ao mundo em transformação, tanto social quanto economicamente. O que diferencia as primeiras escolas de ensino superior das mais modernas que existem em nossos dias são os meios como os conhecimentos são passados aos alunos. Atualmente, os meios de comunicação, de transporte e demais "instrumentos" tecnológicos tornam-se elementos cada vez mais indispensáveis de auxílio ao ensino. * O surgimento da universidade no Brasil - A criação da primeira universidade no Brasil deu-se em 1920, sob influência da cultura espanhola. Entretanto, desde 1968, as universidades brasileiras estão em consenso com os "...objetivos, métodos e técnicas do sistema norte-americano que penetraram a América Latina." 2, ou seja, nota-se claramente que o "conteúdo da cultura brasileira" sempre dependeu, mesmo que indiretamente, da cultura estrangeira. E foi percebendo que essa dependência deveria ser solucionada que, há algumas décadas, começaram a surgir manifestos, críticas, debates e campanhas, cujos objetivos visavam direcionar as universidades nacionais ao seu foco mais importante: o de que os cursos de graduação deveriam ser meios reais que suprissem a necessidade de ligar nossa forma de ensino à nossa realidade social, política e econômica. Atualmente, podemos generalizar algumas características comuns à maioria das universidades latino-americanas, no que diz respeito ao seu papel perante a sociedade: a) a universidade é uma aglomeração de ensinos que visa a capacitação profissional futura do jovem; 1 BUENO, Francisco da Silveira. Minidicionário da Língua Portuguesa. 2 WANDERLEY, Luiz E. W. O que é Universidade.

4 3 b) a universidade é uma instituição social que difunde as ideologias de uma classe dominante. c) as universidades permitem maior integração cultural e unificação nacional; d) são centros de desenvolvimento autônomo de livres idéias; c) são órgãos cuja finalidade é difundir os conhecimentos científicos e tecnológicos à cultura da nação. Em resumo, quando se analisa mais genérica e diretamente o papel das universidades no contexto social, pelo menos uma característica pode ser considerada como finalidade comum a todas as escolas de ensino superior: elas possuem caráter básico de formação de profissionais, através do incentivo ao ensino, aos conhecimentos e às pesquisas. Educação Superior na Universidade Estadual de Maringá " A Universidade Estadual de Maringá (UEM) desponta como um pólo de cultura e ensino de uma macrorregião que abrange 109 municípios das microrregiões de Maringá, Paranavaí, Campo Mourão e Apucarana, com cerca de um milhão de habitantes" 3. A Lei n.º 6.034, de 06/11/69, autorizou a criação da Universidade Estadual de Maringá, agregando à mesma as faculdades existentes na época (Faculdade Estadual de Ciências Econômicas, Faculdade Estadual de Direito, Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras). Pelo Decreto Estadual n.º , de 28/01/70, foi criada sob a forma de fundação de direito público, a Fundação Universidade Estadual de Maringá (FUEM), sendo reconhecida em 11/05/76 pelo Governo Federal (Decreto n.º ) e autarquizada pela Lei Estadual n.º de 17/07/91, mantendo a mesma denominação. Atualmente, ela oferece aos seus alunos grandes oportunidades de enriquecer sua formação, através de debates, encontros, seminários, simpósios, conferências e workshops. O seu regime é seriado com 26 cursos de graduação, divididos em sete centros: CCA - Centro de Ciências Agrárias; CCB - Centro de Ciências Biológicas; CCE - Centro de Ciências Exatas; CCH - Centro de Ciências Humanas, Letras a Artes; CCS - Centro de Ciências da Saúde; CSE - Centro de Estudos Sócioeconômicos; CTC - Centro de Tecnologia. Enquadram-se, ainda, os cursos de pós-graduação, que totalizam trinta e nove cursos, sendo um de doutorado, nove de mestrado e vinte e nove de especialização. Analisando a estrutura da Universidade Estadual de Maringá, temos os Conselhos Superiores. O Conselho Universitário (COU), órgão máximo, constituído pelo reitor, vice-reitor, professores de cada departamento, representantes técnicos administrativos e representantes estudantis de cada centro. O COU exerce a supervisão geral e a política universitária, aprova os planos de expansão e desenvolvimento da UEM, modifica ou extingue cursos, enfim, elabora o Regimento Geral. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEP), órgão consultivo e deliberativo, formado pelo reitor e vice-reitor, coordenadores de colegiados e estudantes, propõe novos cursos, organiza e aprova currículos, regulamenta os cursos de especialização, aperfeiçoamentos e extensão universitária. Ele também indica e aprova normas de avaliação de ensino e promoção de alunos, até mesmo de candidatos nos cursos de graduação e pósgraduação. O Conselho de Administração (CAD), reúne o reitor, vice-reitor, diretores de centros, um funcionário e um representante estudantil. Ao CAD atribui-se a parte financeira da 3 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ., Assessoria de Comunicação Social/ Coordenadoria de Promoção e Relações Públicas, Maringá, 1996.

5 4 Universidade, o exercício da função administrativa, a aprovação de convênios entre a Universidade e outras instituições e as decisões sobre o orçamento geral. Considerando-se a administração geral da Universidade temos: o reitor que cumpre e faz cumprir as decisões vindas dos órgãos superiores e a legislação universitária, exercendo o poder disciplinar e administrando as finanças da Universidade; e o vice-reitor que é seu substituto legal. E existem os órgãos assistentes, como as pró-reitorias: Pró-Reitoria de Ensino (PEN), Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PPG), Pró-Reitoria de Extensão e Cultura (PEC), Pró- Reitoria de Administração (PAD), Pró-Reitoria de Recursos Humanos e Assuntos Comunitários (PRH) e por fim a Prefeitura do Câmpus Universitário (PCU), que executa e fiscaliza as obras, efetua o planejamento físico, como trabalhos de preservação e manutenção do câmpus universitário e de equipamentos e materiais. Partindo deste nível executivo, temos o nível de centros. Cada centro possui vários departamentos 4 e um Conselho Departamental (CD). Este Conselho elabora e altera o Regimento do Centro, avalia propostas orçamentarias, relatórios anuais do diretor, regimentos dos departamentos, institui comissões de inquérito administrativo, articula atividades departamentais, decide sobre utilização de equipamentos, instalações e aprova planos de trabalho dos departamentos. O Conselho é presidido por um diretor do Centro respectivo, vicediretor, chefes de departamento e um representante discente. O diretor é conduzido ao cargo por eleição direta e secreta da comunidade universitária, com mandato de quatro anos. Uma grande peculiaridade da UEM é a chamada Assembléia do Departamento (AD) junto à Câmara Departamental formada por professores da área respectiva mais um acadêmico. Assim, a Câmara Departamental só existirá em departamentos com mais de quinze docentes. Existem, ainda, os colegiados de curso, que oferecem a orientação didática para o estudante. Cada Colegiado tem um coordenador e um vice, com mandatos de dois anos, eleitos pelos professores e alunos do curso. Os Colegiados organizam o currículo do curso e mandam para o CEP, julgam requerimentos de transferência, aproveitamento dos estudos e atividades acadêmicas complementares, aprovando programas e critérios de avaliação de disciplinas. O Curso de Administração da Universidade Estadual de Maringá O curso de Administração da UEM foi reconhecido em 20/09/1976. É oferecido em turno matutino e noturno. Em dezembro de 1990, a UEM, por iniciativa do CEP, resolveu adotar como regime acadêmico único o Seriado Anual para atender às grandes mudanças ocorridas no campo da Administração, adotando nova grade curricular a partir de O COU aprovou as reformulações estatuárias e regimentais necessárias. O curso tem como objetivo formar Bacharéis em Administração com forte base de conhecimento, capacitados a intervirem no processo sócio-econômico atuando como administradores de alta gerência ou em níveis intermediários, além de propiciar a formação da capacidade analítica, ou seja, explicar e compreender a realidade, criando hábitos rigorosos de pensar. Dessa forma, capacita o aluno a criar novas técnicas ou utilizar métodos disponíveis inerentes ao seu campo de atuação profissional. O Curso de Administração da UEM procura formar profissionais generalistas, com competência para desenvolver atividades em organizações altamente mutáveis e complexas. 4 O departamento é a unidade representativa de uma área de conhecimento, onde um grupo docente presta serviços à comunidade universitária.

6 5 Assim, o Curso tem como referência a formação continuada do administrador, "que é a própria expressão da continuidade do real" 5. O seu currículo procura estabelecer dentro de uma estrutura formal um fluxo que articule internamente as matérias, as amplie ou restrinja, dando importância à interdisciplinariedade. Em sua estruturação curricular; as duas primeiras séries contém disciplinas de fundamentação básica e instrumental, onde os alunos podem absorver a teoria e a estrutura das séries seguintes. A terceira série é composta por disciplinas complementares que darão apoio para o desenvolvimento das disciplinas profissionalizantes. A quarta série tem disciplinas que, integradas às séries anteriores, habilitam o aluno ao exercício da profissão de Administrador. A quinta série e última é um processo de transição na vida do acadêmico onde ele passa da fase de estudante para profissional, isto ocorre através do Estágio Supervisionado e com disciplinas que têm o objetivo de o integrarem ao mercado de trabalho. As disciplinas de: Filosofia e Matemática dão formação básica e instrumental; Psicologia, Sociologia e Economia formação básica e complementar; Estatística, Contabilidade Geral e de Custos e Direito, instrumental e complementar; Introdução à Informática, instrumental; Pesquisa em Administração, Pensamento Administrativo, Política, Antropologia Cultural, Economia Brasileira e Regional, Análise Financeira e Orçamento Empresarial, Tópicos Especiais de Administração, Diretrizes e Práticas Administrativas, Estudos Recentes de Administração são disciplinas complementares, já as de formação profissional são: Fundamentos de Administração, Administração Mercadológica, Administração de Produção, Administração d Recursos Humanos, Administração Financeira, Administração de Materiais, Métodos e Medidas em Administração, Processos e Técnicas Administrativas, Diagnóstico Organizacional e Elaboração de Projetos. 6 O cumprimento de todas essas disciplinas mais o Estágio Supervisionado totalizam horas de curso. Por fim, o prazo médio para integralização curricular é cinco anos e máximo sete anos. As características do administrador do mundo moderno Genericamente, e independente do tipo de organização a que se refere, o papel do administrador pode ser resumido como sendo aquele responsável pela ajuda a todos os membros e unidades da organização. Sem uma administração eficaz, os rumos de uma organização (empresa, indústria,...) não são estáveis. O resultado: uma má administração pode levar uma empresa, por exemplo, a perder espaço no mercado ou mesmo acabar falindo. O administrador que realmente quer assumir seu papel e mostrar seu valor, garantindo seu espaço no campo profissional, deve ter sempre em mente a idéia de que a organização que tem mãos é, na maioria das vezes, reflexo da realidade social. Serve à ela na medida em que realiza seus anseios e representa esperanças de uma ordem social mais estruturada e civilizada. O administrador, nesse contexto, deve assumir algumas características básicas necessárias: * é importante que ele saiba controlar, liderar, planejar e organizar (visões neoclássicas); * o administrador tem que ter habilidade técnica, saber usar todos os procedimentos e técnicas que facilitem o trabalho; * é necessário ter habilidade humana, ou seja, capacidade de trabalhar com pessoas 5 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ, Pró-Reitoria de Ensino: Texto de Curso. 6 Ibidem.

7 6 (visão humanista); * ter habilidade conceitual, saber entender a complexidade da organização, integrar todos os interesses e atividades; * é preciso que o administrador tenha sempre uma visão bem ampla da organização, tentando prever as conseqüências antes da tomada de decisões; * a necessidade de ética, para o administrador, é um fundamento muito útil para a ação, talvez até mesmo indispensável; porém, deve ser usado criticamente, com atenção constante ao contexto pelo qual as decisões podem afetar os direitos, deveres, regras e normas de determinadas pessoas; * para ser bem sucedido, o administrador deve, constantemente, unir eficiência e eficácia, ou seja, deve "fazer certo a coisa certa", pondo em prática as reais necessidades da organização tentando, ao máximo, minimizar os recursos gastos. O processo de ampliação do trabalho precarizado e informal, a emergência de trabalhos cada vez mais valorizados, a conglomeração de empresas, as mudanças nas formas de concorrência e cooperação, a intensificação no uso de tecnologias e demais características resultantes do processo de globalização econômica mundial fizeram com que um novo perfil de administrador surgisse, que é aquele que pode ser enquadrado nas características de multiqualificação e polivalência. O administrador que a atualidade espera é aquele profissional generalista, que exerce cada vez mais funções simbólicas, abstratas e intelectuais, implicando cada vez menos trabalho manual. 7 Espera-se, ainda, que o administrador contemporâneo adquira "capacidade de diagnóstico, de solução de problemas, de intervir no processo de trabalho, de trabalhar em equipe, auto-organizar-se e enfrentar situações de constantes mudanças." 8 II. O PAPEL DA MATEMÁTICA NA FORMAÇÃO DO ADMINISTRADOR De acordo com o que foi abordado anteriormente, podemos dizer que é papel dos Cursos de Administração da atualidade fornecer meios que possibilitem essas multi-exigências que se fazem a respeito do administrador moderno. É de responsabilidade dos cursos oferecer, progressivamente, esse perfil generalista/polivalente, através do fornecimento de mais conhecimentos, da inclusão de questões de conteúdo inovativo acerca de trabalho e de outros métodos que abram espaço para a criatividade dos futuros administradores, possibilitando ainda mais facilmente sua capacitação frente às novas exigências da humanidade. Existe, de uma maneira geral, quase que uma unanimidade quanto ao fracasso do ensino da Matemática, tendo em vista a forma com que o processo ensino-aprendizagem tem se desenvolvido nas fases de estudo de Matemática fundamental, básico e superior, que é desgarrado das atividades do dia-a-dia, sem enfoque histórico, fazendo com que a Matemática nos cursos onde é ministrada assuma apenas um papel para cumprir o que dispõe a grade curricular dos cursos, sem nenhum proveito para a formação humana, cultural e técnica para os profissionais da área. Entretanto com base em experiências realizadas na UEM no ensino da matemática nos cursos de graduação, podemos sem dúvida afirmar que um dos meios que 7 De acordo com ANAIS do II Seminário Nacional sobre a qualidade e avaliação dos Cursos de Administração, 27 a 29 de agosto de 1997, p Ibid.

8 7 poderiam ser citados como forma de auxílio na formação desse administrador é a utilização do pensamento matemático para o encaminhamento de soluções dos problemas da área administrativa. O que é "matemática"? A palavra matemática tem origem grega e significa o que se pode aprender (mathema = aprendizagem). A matemática, de uma maneira geral, pode ser entendida como o conjunto de todas as disciplinas lógicas que tratam das relações e operações, reunindo métodos que tornem essas relações dedutíveis. Essas relações podem ser compreendidas pelos conceitos de grandeza, ordem, espaço e continuidade. O papel da matemática De uma forma bem abrangente, podemos perceber certos aspectos bem característicos e fundamentais no que diz respeito do papel da matemática no contexto da realidade: * O uso do pensamento matemático como instrumento na resolução de problemas - O conhecimento da história da matemática pode exemplificar e deixar esse ponto ainda mais claro. Muitos dos conceitos e teoremas (não só matemáticos) tão complexos que existem hoje surgiram através da necessidade que o homem da Antigüidade tinha para resolver problemas do cotidiano que, para a época, pareciam insolúveis. Podemos, dessa forma, ver que a matemática sempre teve um campo de atuação voltado para a resolução de problemas práticos do cotidiano, ou seja, sempre foi, e sempre será, uma espécie de instrumento para a busca de soluções de problemas que o homem necessitava e necessita resolver. * A matemática ensina a pensar - Quando afirmamos isso, parece que a matemática é o meio mais importante para a formação de um indivíduo. No entanto, devemos completar essa afirmação, dizendo que a matemática ensina a pensar de uma forma diferente, de uma forma lógica. O que diferencia o simples ato de pensar do pensamento matemático é que este tem um caráter mais relacional, enquanto que o outro é mais caracterizado pela discussão, observação, interpretação. A relação da matemática com a nossa realidade é que ela fundamenta-se numa completa interação entre os elementos que compõem um problema, ou entre os elementos que compõem a nossa realidade. Com base no pensamento matemático, podemos deixar mais claro certos problemas que enfrentamos e para os quais não conseguimos obter soluções imediatas. Quando, por exemplo, deparamo-nos com um problema aparentemente insolúvel, o primeiro passo que devemos usar é a intuição 9. A partir da intuição, podemos ir tecendo uma série de relações cada vez mais óbvias entre os elementos (pensamento matemático), até chegarmos a um ponto em que conseguimos entender tudo com uma lógica matemática que antes parecia inexistir. A intuição, que muitas vezes pode resultar numa certa lógica matemática, pode ser exemplificado por Albert Einstein ( ) e sua Teoria da Relatividade. Imaginação e intuição, dessa forma, podem, também, ser instrumentos auxiliares muito importantes para o pensamento e para as invenções 9 A Matemática é então primeiramente intuição, que é a faculdade mental mais poderosa que o próprio raciocínio.

9 8 matemáticas e outros campos da ciência. O ensino da matemática e seus desafios Uma das razões importantes usadas como meio de justificar o ensino da matemática é dizendo que essa disciplina possui papel relevante na formação do homem e na construção do edifício do seu conhecimento. Desde os primórdios da civilização o homem tenta compreender e explicar o mundo em que vive. Partindo da época em que a única matemática utilizada pelo homem baseava-se na contagem decimal, chegaremos até o século XVII, com as teorias de Newton, baseadas nas idéias de Copérnico, Galileu, Kepler, Tycho, Brahe, etc. As descobertas desses matemáticos, principalmente os do séc. XVII, podem ser considerados a base de toda a matemática atual que, aliada à tecnologia, permite ao homem calcular, por exemplo, distâncias astronômicas e formular teorias que indiquem a origem de muitas coisas, mesmo que essa origem chegue a ser de milhões de anos passados. Dessa forma, podemos concluir que a matemática é, direta ou indiretamente, instrumento do qual dependem, para sua organização, as demais ciências, como a Física, a Química, a Biologia, a Cosmologia, etc. Todavia, o complexo desenvolvimento matemático, fruto da intelectualização do homem, muitas vezes é limitado pela própria sua própria inteligência. Apesar de ser um bem cultural de interesse geral, ainda são impostas barreiras quanto ao aprendizado matemático, já que nem sempre é claro o papel da matemática aplicada à realidade. Muitas pessoas estudam-na como se ela fosse um estado de assuntos superiores ao entendimento humano. Em decorrência disso é que o estudo dessa ciência torna-se, às vezes, tão difícil, tanto para aquele que ensina quanto para aquele que aprende. Em função dessa idéia que muitos têm acerca da matemática, seu ensino ainda é muito limitado e dificultado, fato que também pode ser entendido como uma das diversas conseqüências dos problemas gerados por toda a complexidade do sistema educacional. Outro problema que também afeta o ensino matemático é o que diz respeito à relação professor-aluno e a forma como muitos professores transmitem os ensinamentos matemáticos. De uma maneira geral, esse quadro pode ser resumido como a má formação universitária de muitos grupos docentes, que na maioria das vezes não recebem preparação suficiente sobre como fazer com que o aluno interesse-se pela matemática e passe a ver como e quando ela pode ser aplicada, satisfatoriamente, na resolução de problemas que nos cercam. Frente a tais exposições, podemos citar alguns itens que talvez viessem a auxiliar um pouco mais na melhoria do ensino matemático: * o ensino da Matemática deve ser feito em paralelo com a sua história; a matemática deveria ser ensinada de forma com que ficassem mais claras suas relações com outras disciplinas; ou seja, deve-se buscar a interdisciplinariedade; * é necessário mais tempo de convivência entre educador e educando; * o ensino da matemática deve privilegiar as relações que possui com a realidade e com o cotidiano, afastando a idéia de que ela seja abstrata e platônica. "Sem a matemática, não poderia existir todo o desenvolvimento científico que se processa atualmente." 10 A importância da matemática na Administração Depois de uma visão geral sobre a disciplina, podemos tentar entender o papel da 10 Ciência e Cultura, maio de 1993, p. 580.

10 9 mesma no que se refere à formação do administrador. A matemática é uma disciplina importante no curso, porque faz parte de todo o patrimônio cognitivo da Humanidade. O ensino matemático pode contribuir até com uma formação humanística 11 ; enriquecedor do conhecimento intelectual; utiliza-se do pensamento lógico, demonstrativo, intuitivo, criativo, de imaginação e de raciocínio, características essenciais de um administrador, conforme analisamos anteriormente. É claro que um administrador pode ser formado, também, através de anos de trabalho, de experiências, ou seja, pela escola da vida, que muitos definem como sendo a faculdade daqueles que não conseguem terminar os estudos. Mas este administrador, por não ter cursado uma verdadeira universidade 12, ou curso superior, não teve oportunidade de contactar com aqueles que se utilizam do pensamento matemático, o que certamente resulta num horizonte cultural bem mais restrito. Já o administrador diplomado pode dispor desta prática, o que sem dúvida, completa sua formação. Pode, dessa forma, ser capaz de analisar um cenário e identificar os problemas que podem ser resolvidos pela teoria administrativa, aplicando modelos e técnicas administrativos. Nesse sentido é que a matemática tem influência decisiva no papel da realidade, e em especial na formação do administrador, já que pode ser usada como um importante instrumento para que este possa firmar seu papel perante a sociedade, através do bom desempenho de sua(s) função(ões). De uma maneira geral, o administrador pode equacionar e seguir os passos na solução de um problema por meio da Matemática que consiste nas seguintes fases: Problema Real => Modelagem => Modelo Matemático => Resolução => Solução Analisando, então, essa "fragmentação" do problema, podemos ver que estas fases podem ser utilizadas em técnicas administrativas adequadas, constituindo-se em algo fundamental para o sucesso do administrador, pois, como já foi dito antes, ela garante maior poder de raciocínio lógico, intuitivo, criativo, demonstrativo e de imaginação, que são indispensáveis em qualquer atividade profissional. Os objetivos da matemática relacionados à formação do administrador De uma maneira geral e de acordo, principalmente, com o que foi abordado no item anterior, pode-se dizer que os objetivos da disciplina matemática no contexto a que se refere à formação do administrador podem ser resumidos em alguns pontos principais: * a matemática insere o aluno, acadêmico de administração, a se utilizar do pensamento matemático (intuitivo e lógico-dedutivo), indispensável ao bom desempenho de sua função; * permite uma compreensão em atividades práticas que envolvem aspectos quantitativos da realidade; * possibilita ao aluno dominar os conceitos e técnicas de cálculo; * possibilita, ainda, que o administrador aplique tais conceitos e técnicas na resolução 11 Contrariamente ao pensamento de que a Matemática esteja associada a uma formação fisicalista. 12 Acessado a Educação Superior - instante em que o mesmo se aprofunda nas questões que lhe são associadas, através de momentos de elevada reflexão.

11 10 dos problemas pelos quais ele é responsável numa determinada empresa ou organização. A matemática, portanto, possibilita que o administrador seja preciso na definição das variáveis, estabeleça claramente as hipóteses que são utilizadas na demonstração da tese. Possibilita, também, que seja lógico no desenvolvimento de análises e adquira um contexto sistemático para dedução de conclusões empiricamente verificáveis. 13 CONSIDERAÇÕES FINAIS Analisando os objetivos propostos neste trabalho, pode-se concluir alguns pontos básicos referentes aos capítulos que o constituem. Esses pontos explicam a função das Universidades, a importância do administrador para a sociedade e a importância da disciplina Matemática na formação do administrador atual. Uma sociedade em constantes transformações está, também, em constante desenvolvimento. A noção de desenvolvimento por ser muito complexa, reflete-se nas Universidades, mesmo que indiretamente, já que são produtos gerados pelas necessidades humanas. São diversas as facetas que podem assumir os vários problemas com que confrontam as universidades modernas. Segundo Darcy Ribeiro em A Universidade Necessária, são questões políticas, estruturais, intelectuais, ideológicas e conjunturais: - a questão conjuntural diz respeito ao conjunto de revoluções e inovações a que não só as universidades, mas também toda a sociedade mundial está exposta, e que se refletem diretamente no sistema educacional como um todo, fazendo-nos viver em um processo de constantes transformações; - a questão política: é um ponto que deveria ser melhor estudado, já que a política, em qualquer lugar e época, sempre origina "políticas subjacentes" antagônicas. E a conseqüência maior desse fato é uma situação irremediavelmente caótica que, por atingir a unidade nacional, e também internacional de governo, atinge quase que diretamente as universidades, fazendo surgir conflitos, entre os quais destacam-se: o conservadorismo versus revolucionismo, tradiocional versus novo; - a questão estrutural merece cada vez mais destaque pelo fato de atingir diretamente aquilo que mais interessa para a universidade: o ensino para o aluno. A falta de recursos das 13 WEBER, J. E. Matemática para Economia e Administração, p. 2.

12 11 universidades em geral parece limitar a criação de bons ambientes e boas condições de estudo à comunidade universitária; - as questões intelectuais e ideológicas fundem-se na medida em que uma passa a completar a outra, estudando melhor os problemas que afligem as universidades e buscando condições necessárias às transformações reais. Um outro lado que também diz respeito às dificuldades enfrentadas pelas universidades em geral pode ser caracterizado por algumas das linhas básicas das universidades tradicionais da América Latina: * a organização de sua estrutura interna, que forma uma feixe de escolas sem nenhuma ação cooperativa; * a compartimentalização das carreiras profissionais; * a existência de uma hierarquia dentro da política universitária que, geralmente, tende a buscar objetivos de mera promoção pessoal; * caráter profisionalista do ensino superior, que tem por objetivo oferecer ao aluno somente as ciências básicas necessárias a uma profissão pré-determinada mediante concurso vestibular; * a estrutura de informação dos cursos aos candidatos vestibulandos, que muitas vezes possuem idéias erradas a respeito do curso escolhido. Para que tais desafios sejam solucionados, é imprescindível que as universidades busquem sua autonomia, transformando-se em instituições fortes, respeitadas e cada vez mais qualificadas. Seguem abaixo algumas sugestões de mudança: 14 * redefinição dos critérios de ingresso no curso superior, eliminando o elitismo e respeitando o compromisso de seleção dos candidatos com maior possibilidade de futuro trabalho profissional; * adaptação dos cursos de graduação com a realidade social brasileira; * previsão de carga horária de professores e alunos em atividades que levem à melhoria do ensino básico; * ampliação da função social da universidade, oferecendo mais possibilidades para as camadas menos favorecidas da sociedade; * articulação da universidade pública, aperfeiçoamento dos níveis educacionais, ensino por métodos à distância, avaliação educacional; * participação direta da comunidade universitária e também da sociedade em geral no que diz respeito ao sistema de avaliação nacional universitária. * ampliar a autonomia universitária; * instituir cursos superiores com enfoque interdisciplinar que formem indivíduos não só competentes tecnicamente mas que propicie uma formação polivalente com espírito aberto, com "largueza" de vistas, com boa capacidade de apreciação e compreensão dos problemas do país. * abrir condições para que surjam novas formas de organização do ensino superior, em resposta aos desafios do futuro; * definir um padrão de qualidade de ensino, aumentando os recursos para o mesmo. Mesmo não sendo uma tarefa fácil (elevar a qualidade de ensino), algumas universidades implantaram e tentam implantar projetos com tais objetivos, numa tentativa de fazer 14 Baseadas em Educação Urgente - proposta nacional de educação do Governo Paralelo. Luiz Inácio Lula da Silva / Cristovan Buarque, p. 13

13 12 valer todas as intenções de oferecer aos estudantes, e à sociedade, condições cada vez melhores de transmissão de todos os conhecimentos que podem ser acumulados em uma universidade. Porém, é necessário que se saiba que qualquer tipo de reconstrução educacional deve sempre levar em conta a liberdade e o respeito pelas condições da população como um todo. A necessidade de uma reorganização das Universidades nacionais faz-se mais urgente quando admitimos que são elas que nos permitem "...difundir ideais políticos, sociais, morais e estéticos, (...) obter intensivo espírito comum...", bem como obter "meios de combater a facilidade de tudo admitir, a falta de crítica, de espírito de síntese..." 15 ; ou seja, é imprescindível a necessidade de reforma universitária, já que os institutos de ensinos superiores são os meios mais tangíveis quando se deseja obter conhecimentos que nunca, ou muito dificilmente, seriam alcançados apenas com trabalhos individuais. Entretanto, e de acordo com Darcy Ribeiro, as universidades estarão condenadas a ser estabelecimentos de segunda categoria enquanto não forem capazes de colocar em prática projetos próprios de desenvolvimento. Sem dúvidas as Universidades necessitam de novas formas de servir a Nação. Elas não podem permanecer fechadas em torno de si mesma, preocupadas somente com suas questões internas. As Universidades devem estar envolvidas com problemas nacionais tais como: melhorar as escolas públicas; melhorar o sistema de saúde pública e no campo dos negócios, onde destacam-se como usar a tecnologia com mais eficiência, como melhorar a qualidade e a eficiência de produção, como trabalhar eficazmente em culturas e mercados externos, e como motivar uma força de trabalho em mutação que é menos leal às empresas mais diversificadas e menos dócil do que qualquer coisa conhecida uma geração ou duas atrás. Enfim, como usar a ciência e a tecnologia para melhora da qualidade de vida. Para que as universidades não sofram processos destrutivos decorrentes dessas constantes transformações sociais, é necessário que haja uma administração em seus setores que seja ao mesmo tempo eficaz e eficiente. Aí podemos perceber como a administração pode ser um meio importante, e talvez essencial, de manter a ordem, independente do campo em que ela passe a atuar. Colocando a sociedade como fonte de ligação entre a universidade e a necessidade de administração, resta um papel a esclarecer: a necessidade de utilizar o pensamento matemático como forma de despertar a intuição e desenvolver o raciocínio lógico-dedutivo, característica não só imprescindível ao administrador como a todo e qualquer cidadão que se submeta a essa maravilhosa e diabólica fábrica que é a sociedade, em especial a uma de suas mais importantes características atuais: o capitalismo. A forma como as pessoas estão organizadas em nossa sociedade leva-nos a perceber que tanto o papel da Universidade quanto o papel do administrador e da Matemática em está ficando cada vez mais importante em nossas vidas. A primeira porque só ela é capaz de oferecer-nos os conhecimentos mais atuais e necessários a uma boa formação intelectual; o segundo porque gera em nós a capacidade de organizar e controlar, eficaz e eficientemente, todos os passos que devem ou não ser tomados; já a terceira é importante porque faz com que passemos a encarar nossos problemas de uma forma intuitiva e lógica, levando-nos, conseqüentemente, a encontrar soluções dedutivas que estão fundamentadas numa série de relações que se integram. 15 Carta : falas, reflexões, memórias; informe de distribuição restrita do Senador Darcy Ribeiro, p

14 13 Tendo o indivíduo, portanto, a chance de poder desenvolver tais características (intelectual, organizacional, intuitiva e lógico-dedutiva), estará apto a sobreviver em nossa sociedade atual? A resposta é mais do que óbvia: o indivíduo que tem condições de ingressar numa Universidade e obter o máximo de conhecimentos possíveis que um curso pode oferecer começa, sem restrições e sem exceções, a delinear, individualmente, os rumos de sua própria vida, e começa, também, a utilizar-se de pensamentos racionalmente lógicos para alcançar seus objetivos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Anais do II Seminário Nacional sobre qualidade e avaliação dos Cursos de Administração Conselho Federal de Administração. Vitória, ES, 27 a 29/08/97. ARAÚJO, Antônio P. Educação matemática: importância, problemas e conseqüências. In: Ciência e Cultura, 35(5), maio, BERCHEM, Theodor, PRIGOGINE, Ilya. A missão da Universidade Hoje. Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Cadernos Plurais - Série Universidade 1), set CARTA': falas, reflexões, memórias; informe de distribuição restrita do Senador Darcy Ribeiro. Brasília, DARCY, Ribeiro. A Universidade Necessária. 4. ed. Rio de Janeiro : Paz e Terra, EDUCAÇÃO Urgente - proposta nacional de educação do Governo Paralelo. Luiz Inácio Lula da Silva/Cristovan Buarque. Setembro, GRAVE, Paulo Sérgio, GASPARETTO, Osmar. Buscando a qualidade no ensino de

15 Administração: Análise crítica de um Projeto de Curso de Graduação. Anais do IV ENANGRAD - Encontro da Associação Nacional dos Cursos de Graduação de Administração. Rio de Janeiro, 03 a 05/10/93. GRISI, Celso Claudio de H. e, Canton, Adolpho W. P.. O ensino profissional de executivos no Brasil. II Encontro Nacional dos Cursos de Explicação em Administração. São Paulo, 03 a 05/09/91. JESUS, Denílson Ferreira de, DIANIN, Marcilene de Fátima. O Sistema Educacional Brasileiro e o Ensino da Matemática: Novas Tendências (Caderno de Instrumentação do Ensino da Matemática), PR, MACHADO, Nelson J. A Matemática e a Realidade. São Paulo: Cortez, MATTOS, Pedro Lincoln C.L. de. Reformulação do currículo do curso de graduação em Administração. II Encontro Nacional dos Cursos de Explicação em Administração. São Paulo, 03 a 05/09/91. MONTANA, Patrick J., CHARNOV, Bruce H.. Administração. São Paulo : Saraiva, PRAZERES, Reinaldo Alves dos. Repensando a ação administrativa. IN: O Diário do Norte do Paraná, ano XXV, 11 de setembro de STONNER, James A. F., FREEMAN, R. Edward. Administração. São Paulo : Prentice Hall do Brasil, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Guia do Aluno/98. Maringá, Imprensa. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ. Pró-Reitoria de Ensino : Texto de Curso. Maringá, Imprensa Universitária, WANDERLEY, Luiz E. W. O que é Universidade. São Paulo: Brasiliense, WEBER, Jean E. Matemática para Economia e Administração. São Paulo: Harbra. 14

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG

Curso de Graduação. Dados do Curso. Administração. Contato. Modalidade a Distância. Ver QSL e Ementas. Universidade Federal do Rio Grande / FURG Curso de Graduação Administração Modalidade a Distância Dados do Curso Contato Ver QSL e Ementas Universidade Federal do Rio Grande / FURG 1) DADOS DO CURSO: COORDENAÇÃO: Profª MSc. Suzana Malta ENDEREÇO:

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí ESTRUTURA E CONTEÚDO CURRICULAR Organização Curricular do Curso A grade curricular do Curso de Bacharelado em Administração das Faculdades Integradas do Vale do Ivaí está fundamentada em dois grandes blocos.

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Processos Gerenciais CST em Gestão Financeira A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG SUMÁRIO 1. Introdução 4 2. Obrigatoriedade das atividades complementares 5 3. Modalidades de Atividades Complementares

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE CAPÍTULO II DOS CENTROS TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DA UNIVERSIDADE DOS CENTROS SEÇÃO II DOS DEPARTAMENTOS Art. 10. Os Departamentos que desenvolverão atividades de ensino, NAS MODALIDADES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA, em nível de graduação

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL 2012 ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DRA. MARIA AUGUSTA SARAIVA MANUAL DE ESTÁGIO PROFISSIONAL APRESENTAÇÃO Este Manual foi elaborado com o objetivo de normalizar o Estágio Profissional Supervisionado, para os

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Diretrizes Nacionais em Ligas

Diretrizes Nacionais em Ligas Diretrizes Nacionais em Ligas Acadêmicas de Medicina Introdução As Ligas Acadêmicas são entidades constituídas fundamentalmente por estudantes, em que se busca aprofundar temas em uma determinada área

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Toda reforma implica um processo de readaptação da estrutura acadêmica vigente, composta principalmente

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN)

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) Dispõe sobre a criação do Programa Arte na Escola. O Presidente do Conselho Universitário CONSUN da Universidade do Contestado - UnC, no uso de

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O ENSINO E A PESQUISA

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O ENSINO E A PESQUISA 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O ENSINO E A PESQUISA Larissa Rivera Cremonini 1 Lauro Iatskiu Júnior 2 Ângela de

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

Projeto Pedagógico do Curso

Projeto Pedagógico do Curso Projeto Pedagógico do Curso Fundamentação Diretrizes curriculares do MEC Diretrizes curriculares da SBC Carta de Princípios da UNICAP Projeto Pedagógico Institucional da UNICAP Diretrizes Curriculares

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

Bacharelado em Humanidades

Bacharelado em Humanidades UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado em Humanidades 1. Perfil do Egresso Em consonância

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008 Homologa o Parecer nº 013/2008-CEG que aprova o Projeto Político

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

CURSO: Matemática. Missão

CURSO: Matemática. Missão CURSO: Matemática Missão O Curso de Licenciatura em Matemática tem por missão a formação de docentes com um novo perfil fundamentado na conexão de dois eixos, pedagógico e matemático, permeado pelos recursos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1

ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ANEXO AO MODELO DO PLANO DE AULA DO PROCESSO SELETIVO DOCENTE GERAL (PSD-G) 2015.1 ARQUITETURA E URBANISMO Graduar arquitetos e urbanistas com uma sólida formação humana, técnico-científica e profissional,

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 18/2006 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Ciências Sociais, Bacharelado,

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE

AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE AS CONTRIBUIÇÕES DO CENTRO DE APOIO POPULAR ESTUDANTIL DO TOCANTINS PARA A SOCIEDADE PORTUENSE Cleudimar Pereira Dias Benvinda Barros Dourado (Orientadora) O Centro de Apoio Popular Estudantil do Tocantins

Leia mais

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO O CURSO DE ADMINISTRAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Missão Capacitar Administradores, propiciando uma base técnico-científica que lhes permita um aprendizado hábil a absorver, processar e adequar informações

Leia mais