Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades"

Transcrição

1 Diagnóstico CCJE - Análise de outras Universidades Esta etapa do projeto contitue uma análise de algumas universidades do Brasil, em especial do Rio de Janeiro. Foi pesquisada a estrutura dessas universidades e de suas Unidades, observando de que forma elas se assemelham ou se diferenciam do CCJE. A etapa tem o objetivo de apresentar sugestões de melhoria para a estrutura do CCJE, com base nos exemplos de outras instituições. 1. UFF Universidade Federal Fluminense Assim como na UFRJ, existe na UFF um sistema de Pró-Reitorias, vinculadas à Reitoria, para tratar de Assuntos Acadêmicos, Pesquisa e Pós Graduação, Planejamento, e Extensão. Existem ainda Órgãos de Assessoramento e Complementares, como a Procuradoria Geral, a Comissão Permanente de Pessoal Docente e o Departamento de Desenvolvimento de Recursos Humanos. Há também Centros Universitários, que reúnem as Unidades de Ensino da UFF, da mesma forma que os Centros da UFRJ. Devese destacar, porém, que as funções desses Centros diferem daquelas dos Centros da UFRJ. Os Órgão de Administração Executiva são órgãos centrais dos respectivos sistemas administrativos no âmbito da Universidade, sob a responsabilidade direta de um Diretor. Eles são formados pelos Departamentos de Serviços Gerais, de Pessoal, de Contabilidade e Finanças, de Assuntos Comunitários, de Administração Escolar, e de Difusão Cultural. Com as informações coletadas nos sites, observa-se que muitas funções realizadas pelos Centros na UFRJ ficam sob responsabilidade dos Órgãos de Administração Executiva na UFF. O Centro de Estudos Sociais Aplicados da UFF é o que mais se assemelha ao CCJE. Congrega as áreas ou conjuntos de áreas afins de ensino, pesquisa e extensão, que constituem as Unidades Universitárias. Estas Unidades são formadas pelas Faculdades de Administração e Ciências Contábeis, de Direito, de Economia, de Educação, pelo Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional e pela Escola de Serviço Social de Niterói. Não há no site a descrição de seções ou estrutura parecida do CES. O único Centro com informações disponíveis é o CCM (Centro de Ciências Médicas), tendo sido utilizado na presente análise como exemplo para a estrutura dos Centras da UFF como um todo. A estrutura do CCM se define abaxo: Direção Assessoria de Extensão Assessoria de Infra-Estrutura, Administração e Finanças 1

2 Assessoria de Graduação Assessoria de Pesquisa e Pós-Graduação Protocolo Recursos Humanos Registro Escolar Pela estrutura apresentada, observa-se que o Centro possui algumas funções semelhantes ao CCJE, como Protocolo e Recursos Humanos, enquanto outros cargos de Assessoria estão presentes apenas na estrutura da UFF. É importante ressaltar que o estudo se baseia em informações divulgadas no site da Universidade ou do Centro, os quais não disponibilizam descrições das funções do Centro. 2. UERJ Universidade do Estado do Rio de Janeiro Assim como as Pró-Reitorias na UFRJ, existe na UERJ um sistema de Sub-Reitorias, vinculadas à Reitoria, para tratar de assuntos referentes à Graduação, Pós Graduação e Pesquisa, e Extensão e Cultura. Há também Centros Setoriais, que congregam as Instituições da UERJ, da mesma forma que os Centros da UFRJ. Deve-se destacar, porém, que as funções desses Centros diferem daquelas dos Centros da UFRJ. Existem ainda Diretorias responsáveis pela Auditoria Interna, a Administração Financeira, a Comunicação Social, a Informática, o Planejamento e Orçamento, e a parte Jurídica da UERJ. Os assuntos relativos à pessoal são tratados pela Superintendência de Recursos Humanos. Nota-se que muitas funções realizadas pelos Centros na UFRJ ficam sob responsabilidade das Diretorias na UERJ. O Centro de Ciências Sociais da UERJ congrega as Faculdades de Administração e Finanças, de Ciências Econômicas, de Direito, de Serviço Social, e o Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. É, portanto, o Centro que mais se assemelha ao CCJE. A estrutura acadêmico-administrativa do CCS constitui-se de: Direção Assessoria Acadêmica Gabinete da Direção Secretaria Seção de Comunicação 2

3 Pela estrutura apresentada, observa-se que o Centro não possui as mesmas funções do CCJE, sendo essas funções distribuídas entre as Diretorias, citadas anteriormente. É importante ressaltar que o estudo se baseia em informações divulgadas no site da Universidade ou do Centro. 3. PUC Rio Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro A estrutura geral da PUC se mostrou bastante semelhante à da UFRJ, possuindo Conselhos, Vice- Reitorias (semelhante às Pró-Reitorias da UFRJ) e Centros. A denominação das Vice-Reitorias, por outro lado, difere das da UFRJ, existindo as Vice-Reitorias de Assuntos Acadêmicos, Assuntos Administrativos, Assuntos Comunitários e Assuntos de Desenvolvimento. O Centro de Ciências Sociais da PUC-Rio congrega os Departamentos de Administração, de Comunicação Social, de Direito, de Economia, de Geografia, de História, de Sociologia e Política, e de Serviço Social, além do Instituto de Gestão de Riscos Financeiros e Atuariais, o Instituto de Relações Internacionais e dois Núcleos Interdisciplinares, o de Meio Ambiente, e o de Reflexão e Memória Afrodescendente. Sendo assim, pode-se dizer que o Centro é o que mais se assemelha ao CCJE. Diferentemente da UFRJ, as funções dos Centros da PUC-Rio se restringem à reunir e representar os cursos por eles abrangidos, não havendo seções ou estrutura parecida descrita no site. Os departamentos dos cursos possuem coordenações para tratar de assuntos relativos à graduação, pós-graduação, pesquisa, entre outros. 4. USP Universidade de São Paulo Foi observado que a USP, assim como a UFRJ, utiliza o sistema de Pró-Reitorias vinculadas à Reitoria para tratar de assuntos referentes à Graduação, Pós Graduação, Cultura e Extensão, e Pesquisa. Existem ainda órgãos ligados diretamente à Reitoria, como a Ouvidoria Geral da USP, a Coordenadoria de Administração Geral (Codage) e a Editora da Universidade de São Paulo (Edusp). A pesquisa mostrou também que, diferente da UFRJ, a USP não se organiza em Centros. Na USP as instituições, faculdades e escolas se organizam de forma independente. No caso do CCJE, foi estudada a estrutura da Faculdade de Administração, Economia e Contabilidade (FEA), da Faculdade de Direito e do Instituto de Relações Internacionais (IRI), sendo possível comparar seus métodos de organização com os do CCJE. 3

4 Uma especificidade da FEA USP é a existência de Assistências em sua estrutura, que possuem responsabilidades semelhantes às do CCJE, porém restritas aos departamentos da Faculdade. São ao todo quatro assistências, Acadêmica, Administrativa, de Comunicação e Desenvolvimento, e Financeira: Assistência Acadêmica: é responsável pelo serviço de suporte ao Ensino, Pesquisa e Extensão na FEA-USP. Assistência Administrativa: é responsável por executar os serviços de apoio administrativo aos diversos Setores da FEA, no que diz respeito a procedimentos de pessoal e infra-estrutura. Assistência de Comunicação e Desenvolvimento: tem como objetivo contribuir com o Desenvolvimento Organizacional, por meio de ações de comunicação e educação corporativa, captando, consolidando e explicitando informações, além de promover programas de formação e de melhoria da qualidade. Assistência Financeira: é responsável pelo planejamento, execução e controle dos gastos realizados pela faculdade. 5. UFMG Universidade Federal de Minas Gerais Assim como na UFRJ, existe na UFMG um sistema de Pró-Reitorias, vinculadas à Reitoria, para tratar de assuntos relacionados à Graduação, Pós Graduação, Pesquisa, Extensão, Planejamento e Desenvolvimento, Recursos Humanos, e Administração. Existem ainda Órgãos Administrativos, ligados diretamente à Reitoria, como as Diretorias de Deesenvolvimento Institucional, de Operações, de Tecnologia da Informação e a Procuradoria Geral, assim como outros órgãos, por exemplo, a Editora e a Imprensa Universitária. A análise mostrou que na UFMG não existem Centros, a principal diferença na estrutura da universidade para a estrutura da UFRJ. Diferentemente da UFRJ, a UFMG é composta por Unidades Acadêmicas e Unidades Especiais, que diferem entre si por oferecer ou não curso superior de graduação. Para o caso específico das unidades compreendidas pelo CCJE, foi estudada a estrutura da Faculdade de Ciencias Econômicas (FACE) e da Faculdade de Direito. Em ambas Unidades observou-se a existência de Seções Administrativas semelhantes ao CCJE, como Seção de Ensino, Almoxarifado, Pessoal e Contabilidade, além de outras seções inexistentes na estrutura do Centro da UFRJ, por exemplo a Seção de Patrimônio e de Auditório. 4

5 6. UnB Universidade de Brasília Semelhante ao sistema de Pró-Reitorias da UFRJ, vinculadas à Reitoria, na UnB existem Decanatos responsáveis por assuntos relacionados à Graduação, Pesquisa e Pós Graduação, Extensão, Administração e Finanças, e Assuntos Comunitários. Existem ainda Assesorias e Secretarias, como as Secretarias de Administração Acadêmica, de Comunicação, e de Recursos Humanos, assim como Órgãos Complementares, por exemplo, a Editora e o Centro de Informática. Há também Centros na estrutura da UnB, porém, suas funções diferem bastante dos Centros da UFRJ. Na UnB, as Unidades Acadêmicas (instituições, faculdades e escolas) se organizam de forma independente, não havendo Centros congregando-as como na UFRJ. Os Centros da UnB são responsáveis por atividades de caráter cultural, artístico, científico, tecnológico e de prestação de serviços à comunidade, com finalidades específicas ou multidisciplinares. Baseado nos objetivos da análise, foi estudada a estrutura da Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade, Ciência da Informação e Documentação (FACE), da Faculdade de Direito e do Instituto de Relações Internacionais (irel). Na UnB os Centros podem ter funções administrativas, de pesquisa ou de ensino e pesquisa. Eles são vinculados à Reitoria quando desenvolvem atividades de natureza geral ou multidisciplinar; e às Unidades Acadêmicas quando têm funções de ensino, pesquisa ou extensão nas áreas de atuação específicas destas unidades. Todas as Unidades pesquisadas apresentaram poucas informações em seus sites sobre seções ou organização parecida, embora o Regimento Geral da UnB defina que é atribuição das Unidades Acadêmicas planejar e administrar os recursos humanos, orçamentários, financeiros e materiais sob sua responsabilidade, sendo provável que existam estruturas responsáveis por cada uma dessas funções, porém não divulgadas. 5

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO P O R T A R I A N. º 5 0 8 D E 1 5 D E J U L H O D E 2 0 1 1. O Reitor do Instituto Federal do Paraná, no uso da competência que lhe confere o Decreto de 13 de junho de 2011, da Presidência da República,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 015/2008 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 015/2008 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 015/2008 CONSUNI Aprova a Estrutura Organizacional da Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. O Presidente do Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade do Estado de Mato Grosso

Leia mais

setores administrativos Barreiro

setores administrativos Barreiro setores administrativos Barreiro PUC Minas no atualização março de 2010 Pró-reitoria Adjunta Local: Prédio 4, sala 102 Telefone: 3328 9508 E-mail: proreitoriasec.bar@pucminas.br Diretoria Acadêmica Local:

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Art. 1º Convocar os servidores TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS ativos da Universidade Federal de Campina Grande para cadastramento biométrico.

Art. 1º Convocar os servidores TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS ativos da Universidade Federal de Campina Grande para cadastramento biométrico. O Secretário de Recursos Humanos da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições e em cumprimento a determinação da Controladoria Geral da União no Estado da Paraíba, RESOLVE, Art.

Leia mais

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária

A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades de Extensão Universitária Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 A Construção de Categorias e Indicadores para Avaliação Institucional de Cursos, Projetos e Atividades

Leia mais

EDUNIOESTE CATÁLOGO DE PUBLICAÇÕES REVISTAS CIENTÍFICAS DA UNIOSTE

EDUNIOESTE CATÁLOGO DE PUBLICAÇÕES REVISTAS CIENTÍFICAS DA UNIOSTE UNIOESTE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CONSELHO EDITORIAL DA EDUNIOESTE EDUNIOESTE CATÁLOGO DE PUBLICAÇÕES ===================================== REVISTAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS SECRETARIA DOS CONSELHOS SUPERIORES CONSELHO COORDENADOR DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS SECRETARIA DOS CONSELHOS SUPERIORES CONSELHO COORDENADOR DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO REGIMENTO DA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA Art 1º A Pró-Reitoria de Extensão e Cultura e o órgão da Reitoria que supervisiona, coordena e apóia a execução das atividades extensionistas, no cumprimento

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Estrutura Acadêmica e Administrativa da PUC Goiás

Estrutura Acadêmica e Administrativa da PUC Goiás Estrutura Acadêmica e Administrativa da PUC Goiás Estruturas Organizacionais da Instituição: histórico 1950 1960 Universidade de Goiás Incorporadas: - Faculdade de Filosofia (1948) - Faculdade de Ciências

Leia mais

EDITAL ESPECIAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE PROJETOS TEMÁTICOS DE EXTENSÃO

EDITAL ESPECIAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE PROJETOS TEMÁTICOS DE EXTENSÃO EDITAL ESPECIAL DE APOIO À REALIZAÇÃO DE PROJETOS TEMÁTICOS DE EXTENSÃO JUSTIFICATIVA As atividades de extensão têm assumido no cenário universitário recente um papel fundamental para construção de novas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 033 DE 10 DE MARÇO DE 2015. O CONSELHO DE UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais, e considerando o Parecer nº. 01/2015 da Comissão Permanente

Leia mais

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro MBA Controller Ao cursar o MBA CONTROLLER FIPECAFI/ANEFAC, o aluno convive com pessoas de diferentes perfis entre os mais diversos segmentos de mercado e com a experiência profissional exigida para que

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

NÚCLEO INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NI-EAD) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

NÚCLEO INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NI-EAD) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Texto Aprovado CONSEPE Nº 2006-02 - Data: 19/04/2006 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO INSTITUCIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (NI-EAD) REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Núcleo Institucional

Leia mais

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ROLL DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINAS CARGA HORÁRIA Linguagem e Interpretação de Texto 80 Contabilidade I 80 Economia 80 Matemática 80 Teoria Geral da Administração

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6.660, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2005. DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE ALAGOAS GOVERNADOR LAMENHA FILHO - UNCISAL, COMO UNI- VERSIDADE ESTADUAL DE CIÊNCIAS

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 Instituto de Ciências Sociais Universidade do Minho 1. Missão Gerar, difundir e aplicar conhecimento no âmbito das Ciências Sociais e áreas afins, assente na liberdade de pensamento,

Leia mais

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE

Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE Governo do Estado do Ceará Secretaria do Planejamento e Gestão SEPLAG Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará - IPECE TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE ESPECIALISTA EM LICITAÇÕES PARA O

Leia mais

plano de metas gestão 2013-2017

plano de metas gestão 2013-2017 plano de metas gestão 2013-2017 Reitora Miriam da Costa Oliveira Vice-Reitor Luís Henrique Telles da Rosa Pró-Reitora de Graduação Maria Terezinha Antunes Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Rodrigo

Leia mais

Prezados Diretores Acadêmicos, Segue cronograma do RDR_AVA para a próxima oferta:

Prezados Diretores Acadêmicos, Segue cronograma do RDR_AVA para a próxima oferta: Prezados Diretores Acadêmicos, Segue cronograma do RDR_AVA para a próxima oferta: Período de Solicitação no Portal do Aluno: 07/07 a 25/07 Período de Acesso ao AVA: 04/08 a 22/09 Prazo de entrega das atividades

Leia mais

Lista de Quadros. Fundação Uniplac

Lista de Quadros. Fundação Uniplac Lista de Quadros Quadro 1 Dirigente dafundaçãouniplac... 22 Quadro 2 Matérias apreciadas no Conselho Curador... 23 Quadro 3 Nominata do Conselho Curador... 23 Quadro 4 Matérias apreciadas no Conselho de

Leia mais

Autoavaliação Institucional UFSM 2014

Autoavaliação Institucional UFSM 2014 Autoavaliação Institucional UFSM 2014 SERVIDOR TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO (PARTICIPAÇÕES) Forma de apresentação dos resultados Grupo: Servidor Técnico-Administrativo em Educação. Os resultados

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA CLASSE DESCENTRALIZADA DE ILHA SOLTEIRA E. E. DE URUBUPUNGÁ

ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL DE ILHA SOLTEIRA ILHA SOLTEIRA CLASSE DESCENTRALIZADA DE ILHA SOLTEIRA E. E. DE URUBUPUNGÁ REQUISITOS PARA INSCRIÇÕES AO PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, OBJETIVANDO A FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO, Nº 065/06/2015 de 19/10/2015. 1. Gestão da

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP Seleção de propostas de extensão universitária de Unidades Auxiliares no âmbito da PROEX/UNESP para

Leia mais

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso

9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso 9º Congresso de História do ABC A classe operária depois do paraíso Mesa de debate: O papel das instituições de ensino superior do ABC no desenvolvimento regional. Centro Universitário Fundação Santo André

Leia mais

PORTARIA Nº 057 REITOR/2006

PORTARIA Nº 057 REITOR/2006 PORTARIA Nº 057 REITOR/2006 APROVA INSTRUÇÃO NORMATIVA RELATIVA AOS PRAZOS E PROCEDIMENTOS A SEREM ADOTADOS REFERENTES AO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS E DE PLANEJAMENTO (SIGPLAN) E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI

BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI BIBLIOTECA VIRTUAL EM SAÚDE PSICOLOGIA BVS-PSI ANÁLISE DAS REFERÊNCIAS DAS DISSERTAÇÕES E TESES APRESENTADAS AOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Trabalho integrado da Rede Brasileira de Bibliotecas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Finanças

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Finanças Habilitação: Finanças Aviso: Este catálogo é constantemente atualizado pelo Centro Paula Souza para obter informações atualizadas consulte o site: www.cpscetec.com.br/crt Finanças Análise de Crédito, Financiamento

Leia mais

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Recursos Humanos

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Recursos Humanos Habilitação: Recursos Humanos Aviso: Este catálogo é constantemente atualizado pelo Centro Paula Souza para obter informações atualizadas consulte o site: www.cpscetec.com.br/crt Recursos Humanos Aplicativos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO

PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO A Faculdade de Direito da Universidade Federal de Juiz de Fora apresenta o curso de pós-graduação lato sensu em Direito Público. Professores das principais universidades

Leia mais

MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI)

MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI) MBA FINANÇAS, COMUNICAÇÃO E RELAÇÕES COM INVESTIDORES (PARCERIA IBRI) Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares da Faculdade de Ciências Sociais de Guarantã do Norte

Regulamento das Atividades Complementares da Faculdade de Ciências Sociais de Guarantã do Norte Regulamento das Atividades Complementares da Faculdade de Ciências Sociais de Guarantã do Norte 2010 Apresentação As Atividades de Extensão são ações desenvolvidas sob forma de programas, projetos, cursos,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA APLICADA SPA da Fafich/UFMG

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA APLICADA SPA da Fafich/UFMG REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA APLICADA SPA da Fafich/UFMG CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES Art. 1 o ) O Serviço de Psicologia Aplicada, órgão complementar vinculado à Faculdade de Filosofia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 16/2014 Cria o Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa e Extensão em Economia Solidária e Educação Popular NUPLAR,

Leia mais

Comitê Permanente de Gestão Documental - COPEGED. REUNIÃO 002/2012 Data: 24/10/2012 Horário: 13:30h-17:30h Local: Sala 008-ESAG

Comitê Permanente de Gestão Documental - COPEGED. REUNIÃO 002/2012 Data: 24/10/2012 Horário: 13:30h-17:30h Local: Sala 008-ESAG Comitê Permanente de Gestão Documental - COPEGED REUNIÃO 002/2012 Data: 24/10/2012 Horário: 13:30h-17:30h Local: Sala 008-ESAG Sistema de Gestão Documental - SIGEDOC CDOC COPEGED SEACEP SEPROT Setor de

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 83, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30/10/2014, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Artigo 19, Inciso XVII do

Leia mais

É um periódico eletrônico editado em língua inglesa para atender à necessidade de

É um periódico eletrônico editado em língua inglesa para atender à necessidade de BAR. Brazilian Administration Review http://anpad.org.br/periodicos/content/frame_base.php?revista=2 Circulação I Nível B É um periódico eletrônico editado em língua inglesa para atender à necessidade

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA - CCS. Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO

FACULDADE DE MEDICINA - CCS. Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO FACULDADE DE MEDICINA - CCS Critérios para a Avaliação Docente referente à Progressão para a Categoria de PROFESSOR ASSOCIADO PROF. Grupo I - Ensino de Graduação e Pós-Graduação (Até 50 pontos) Mínimo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS PLANO DE METAS 2013/2014

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS PLANO DE METAS 2013/2014 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS PLANO DE METAS 2013/2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 META 1: MELHORIA DOS SERVIÇOS E PRODUTOS... 4 META 2 : EDUCAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS NEABI TITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento disciplina a organização, o funcionamento e as atribuições do Núcleo

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

CONSU. Conselho Universitário CONSEPE UNEB UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA. Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão.

CONSU. Conselho Universitário CONSEPE UNEB UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA. Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão. CONSU Conselho Universitário CONSEPE Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão UNEB UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA Boletim Primeiras reuniões de 2014 #1 CONSU aprova criação de Pró-Reitoria, Secretarias

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA.

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA. EDITAL Nº 00/204 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA Módulo I Educação a Distância e Ambiente Virtual de Aprendizagem História e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU

RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU RESOLUÇÃO Nº 028/2004-COU Estabelece objetivos e dimensões da avaliação institucional, cria a Comissão Central Permanente de Avaliação Institucional da Unioeste e as Comissões Setoriais de Avaliação nos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.672 DE 06 DE MARÇO DE 2008 Homologa o Parecer nº 013/2008-CEG que aprova o Projeto Político

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DECRETO Nº 186, DE 10 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social SETAS, a redistribuição dos cargos

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Unidade Organizacional Denominação Quant. Nível

Unidade Organizacional Denominação Quant. Nível Quadro Demonstrativo de Funções de Confiança da CLDF Unidade Organizacional Denominação Quant. Nível Gabinete do Presidente Gabinete do Vice-Presidente Gabinete do 1º Secretário Gabinete do 2º Secretário

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

31956 Monografia II 31926

31956 Monografia II 31926 Currículo Novo 2006/01 Duração: 182 créditos 2.730h, acrescidas de 270h de atividades complementares, totalizando 3.000h 31544 Teoria das Organizações I - 31554 Matemática I - 31564 Teoria das Organizações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA LABORATÓRIO DE PSICOLOGIA E PROCESSOS CLÍNICOS JATAÍ 2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PSICOLOGIA

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: UNIME - União Metropolitana para o Desenvolvimento da UF: BA Educação e Cultura ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de março e abril /2013

Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC. nos meses de março e abril /2013 Relatório das atividades da Ouvidoria da UNISC nos meses de março e abril /2013 Considerações Em março e abril de 2013, a Ouvidoria da UNISC recebeu 184 solicitações. Das solicitações dos dois meses, 60,33%

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Marketing

Catálogo de Requisitos de Titulação. Habilitação: Marketing Habilitação: Aviso: Este catálogo é constantemente atualizado pelo Centro Paula Souza para obter informações atualizadas consulte o site: www.cpscetec.com.br/crt Financeira (EII) - Ênfase em Análise de

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR CARGA HORÁRIA DAS DISCIPLINAS POR CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARGA HORÁRIA SÉRIE DISCIPLINA SEMANAL ANUAL 2ª

FACULDADE MORAES JÚNIOR CARGA HORÁRIA DAS DISCIPLINAS POR CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CARGA HORÁRIA SÉRIE DISCIPLINA SEMANAL ANUAL 2ª FACULDADE MORAES JÚNIOR DAS DISCIPLINAS POR CURSO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Duração do Curso: 4 anos. Total de 3.200 horas-aula CIÊNCIAS CONTÁBEIS SÉRIE DISCIPLINA SEMANAL ANUAL 2ª Contabilidade e Análise

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado aprovou e que eu sanciono a seguinte Lei Complementar

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado aprovou e que eu sanciono a seguinte Lei Complementar Publicada no Diário Oficial do dia 07 de julho de 2011 Estabelece a Estrutura Administrativa do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe e do Ministério Público Especial; cria, modifica e extingue órgãos

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados

PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados ALESSANDRO LUIZ CHAHINI ESCUDERO PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO E QUALIDADE DO GASTO PÚBLICO: uma análise da continuidade dos investimentos na Câmara dos Deputados Projeto de pesquisa apresentado ao Programa

Leia mais

ANEXO I Edital 80/2014

ANEXO I Edital 80/2014 ANEXO I Edital 80/2014 UNIDADES DE ENSINO DE NITERÓI CLASSE A: ADJUNTO A - REGIME: 40H DE 1- Faculdade de Administração e Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Área de Conhecimento: CONTABILIDADE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº PROJETO DE LEI Nº Modifica a LC 30/93 e adota outras providências. Autoria: Poder Executivo A Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso aprova e o Governador do Estado sanciona a seguinte Lei Complementar:

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO, ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISCRIMINAÇÃO DAS ATIVIDADES DOCENTES

ANEXO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO, ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISCRIMINAÇÃO DAS ATIVIDADES DOCENTES ANEXO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO, ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISCRIMINAÇÃO DAS ATIVIDADES DOCENTES I. ENSINO 1. Aulas presenciais e semipresenciais em curso de graduação, pós-graduação

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

64 pontos não remunerada.

64 pontos não remunerada. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RESOLUÇÃO 001/2015 ESTABELECE PROCEDIMENTOS E PARÂMETROS AVALIATIVOS PARA PROGRESSÃO DE DOCENTES À CLASSE E PROFESSOR TITULAR ANEXO

Leia mais

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos.

A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. Q A letra Q, símbolo do programa de qualidade no serviço público Gespública, pelo qual a Seplan é certificada, figura em todos os seus documentos. É uma alusão à essência e ao compromisso da Secretaria

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA UFMG

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA UFMG IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA UFMG Ilka Soares Cintra (1) Eng a Civil pela Escola de Engenharia da UFMG-1979; Prof a Assistente do Dept o de Cartografia

Leia mais

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu. Mestrado em. Serviço Social

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu. Mestrado em. Serviço Social Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado em Serviço Social APRESENTAÇÃO O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu Mestrado em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica de Goiás PPSS, reconhecido

Leia mais

O Arquivo de Ciência e Tecnologia

O Arquivo de Ciência e Tecnologia Encontro Arquivos Científicos 3 e 4 de julho de 2014 FCSH, Lisboa O Arquivo de Ciência e Tecnologia Paula Meireles Madalena Ribeiro O Arquivo de Ciência e Tecnologia 1. Projeto de tratamento e divulgação

Leia mais

LOGOMARCA DO PROADES E DA UFJF

LOGOMARCA DO PROADES E DA UFJF LOGOMARCA DO PROADES E DA UFJF Pró-Reitoria de Recursos Humanos Coordenação de Avaliação e Movimentação de Pessoas Relatório do Desempenho das Unidades de Avaliação da Universidade Federal de Juiz de Fora

Leia mais

REGULAMENTO SEMANA UEMG

REGULAMENTO SEMANA UEMG REGULAMENTO SEMANA UEMG Belo Horizonte, abril de 2015 0 SUMÁRIO CAPÍTULO I DA SEDE, DATA E DA INSTITUIÇÃO PROMOTORA... 2 CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA DA SEMANA UEMG... 2 CAPÍTULO III DOS OBJETIVOS... 2 CAPÍTULO

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

APRESENTAÇÃO(bis) EFOCOS ATUAIS 2º ENCONTRO DE FACILITADORES DE CAPACITAÇÃO DA USP

APRESENTAÇÃO(bis) EFOCOS ATUAIS 2º ENCONTRO DE FACILITADORES DE CAPACITAÇÃO DA USP APRESENTAÇÃO(bis) EFOCOS ATUAIS 2º ENCONTRO DE FACILITADORES DE CAPACITAÇÃO DA USP PROF. GUILHERME ARY PLONSKI- AGOSTO/2013 ROTEIRO 1. PROPOSIÇÃO A UNIVERSIDADE EM TRANSFORMAÇÃO ESCOLAUSP: MISSÃO E VISÃO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA 1 DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS JUSTIFICATIVA Dois grandes órgãos de deliberação superior foram propostos: O Conselho Universitário e o Conselho de Administração e Finanças. Este último, com a missão de deliberar

Leia mais

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5627/2015

CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5627/2015 CATÁLOGO DE REQUISITOS DE TITULAÇÃO PROCESSO SELETIVO 5627/2015 1. Aplicativos Informatizados () (EII) - Ênfase em Análise de Sistemas - Habilitação em de Empresas - Habilitação em Hoteleira - Habilitação

Leia mais

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu.

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. Nosso Compromisso é trabalhar, junto à Reitoria, Discentes, Docentes

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Curitiba DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º 1. O Departamento de Educação, adiante

Leia mais

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade

PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade PROPOSTA DE PAINEL TEMÁTICO: Proprietas: Políticas públicas e historicidade Proponente: Leandro José Luz Riodades de Mendonça (PPED/UFRJ - Pós- Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Desafios na Implantação da Contabilidade de Custos no Setor Público: Uma Visão da Experiência Internacional. Mario Pessoa

Desafios na Implantação da Contabilidade de Custos no Setor Público: Uma Visão da Experiência Internacional. Mario Pessoa Desafios na Implantação da Contabilidade de Custos no Setor Público: Uma Visão da Experiência Internacional Mario Pessoa Características do Serviço Público 2 Universalidade e obrigação do estado fornecer

Leia mais