PLANO DE GESTÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE GESTÃO 2015-2017"

Transcrição

1 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora

2 Índice Apresentação... 3 Linhas específicas do plano de gestão... 5 Graduação... 5 Pesquisa... 6 Pós-Graduação... 7 Extensão... 8 Assuntos comunitários e estudantis... 9 Gestão Administrativa... 9 Considerações finais... 12

3 Apresentação O Plano de Gestão apresentado à Faculdade de Ciências Farmacêuticas da UNIFAL-MG, como requisito para a candidatura à Diretoria e Vice-Diretoria desta Unidade Acadêmica, para o mandato de 2015 a 2017, foi elaborado tendo como propósitos o respeito, a responsabilidade, a valorização da ética e do trabalho desenvolvidos pelos servidores desta Unidade Acadêmica, o que a torna uma das mais respeitadas no ensino, pesquisa e extensão, inclusive nacionalmente A FCF foi criada pela Resolução N º 005 de 09 de abril de 2010, a partir da união dos Departamentos de Farmácia e de Análises Clínicas e Toxicológicas e do Laboratório Central de Análises Clínicas, originados da Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas. A Faculdade de Ciências Farmacêuticas conta com 38 docentes, 31 servidores TAE e funcionários contratados por empresas terceirizadas, que ao longo do tempo vêm contribuindo não somente para a formação dos acadêmicos do Curso de Farmácia, como também acolhendo em seus laboratórios, alunos de diferentes cursos para o desenvolvimento de atividades de ensino, pesquisa e extensão. Compreendemos que a valorização dos trabalhos desenvolvidos pela Unidade Acadêmica, reconhecimento da importância da contribuição de todos os servidores e alunos, o diálogo, o incentivo e a busca contínua pelo atendimento das necessidades da comunidade são fundamentais para o desenvolvimento e a excelência Institucional.. Desta forma propomos as linhas básicas deste Plano de Gestão - Trabalho e Transparência:

4 -Buscar meios para a modernização administrativa da Unidade Acadêmica; -Buscar continuamente melhorias na infraestrutura da FCF de modo a atender às demandas atuais e futuras; -Buscar a melhoria contínua dos serviços prestados pelos órgãos complementares da FCF; -Incentivar e valorizar as atividades de pesquisa desenvolvidas no âmbito da FCF -Buscar o aprimoramento da avaliação do curso de Farmácia; -Estimular o fortalecimento e a ampliação da oferta de cursos de pósgraduação no âmbito da FCF; -Valorizar e apoiar o desenvolvimento de ações de extensão; -Promover maior integração entre a administração da FCF, docentes, servidores TAE e discentes do curso de Farmácia; -Valorizar e buscar formas de promover um ambiente de trabalho harmonioso; -Buscar continuamente a atualização e expansão do acervo bibliográfico; -Apoiar e estimular o desenvolvimento de projetos integrados de ensino, pesquisa e extensão visando a promoção da saúde.

5 Linhas específicas do plano de gestão A FCF, em consonância com os objetivos da UNIFAL-MG nas áreas do ensino, da pesquisa e da extensão tem, no campo de sua competência, as finalidades de ministrar o ensino das Ciências Farmacêuticas em nível de graduação e pós-graduação além de promover, incentivar e divulgar pesquisas e estudos relacionados às suas diversas áreas de conhecimento científico e tecnológico e estender à sociedade serviços indissociáveis às atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária. Assim, apresentamos neste Plano de Gestão, algumas sugestões de metas específicas para cada segmento, porém, ressaltamos que muitas destas dependerão também de decisões de órgãos administrativos superiores à Unidade Acadêmica. É ainda importante ressaltar que a administração de uma Unidade Acadêmica deve contemplar ampla discussão nos departamentos, contando com a participação de docentes, servidores TAE e discentes. Desta forma, de acordo com a concepção da chapa Trabalho e Transparência, o Plano de Gestão proposto deverá ser amplamente discutido e os aspectos relevantes aprimorados, se este for o desejo da comunidade. Graduação -Estimular continuamente a integração entre a diretoria da FCF, coordenação do curso de Farmácia, chefias dos órgãos complementares e representantes discentes, visando o acompanhamento das atividades oferecidas por estes

6 órgãos, de modo a atender aos anseios dos discentes e docentes bem como as exigências dos órgãos reguladores; -Apoiar e acompanhar o Núcleo Docente Estruturante e Coordenação de Curso para uma constante evolução do projeto pedagógico do curso de Farmácia em consonância com as diretrizes curriculares; -Apoiar o núcleo docente estruturante e a coordenação de curso na busca do aprimoramento da avaliação do curso de Farmácia; -Propiciar e manter formas de diálogo e apoio aos integrantes de órgãos de representação estudantil do curso de Farmácia; -Intensificar o apoio ao grupo PET Farmácia; - Apoiar e incentivar a orientação discente em monitorias e trabalhos de conclusão de curso; -Promover a divulgação on line de material científico, didático e de eventos de interesse para a área farmacêutica; -Apoiar a participação dos discentes do curso de Farmácia em intercâmbio com instituições de ensino nacionais e internacionais; -Incentivar e buscar formas de ampliar as parcerias e convênio com órgãos públicos e empresas privadas para o fornecimento de estágios na área das Ciências Farmacêuticas. Pesquisa -Apoiar e buscar condições para a criação de laboratórios que agreguem os equipamentos de caráter multiusuário no âmbito da FCF;

7 -Incentivar o desenvolvimento de projetos de pesquisa interdisciplinares; -Dar continuidade à busca e apoio para parcerias e convênios com Instituições ou empresas nacionais e internacionais que visem o desenvolvimento de pesquisa e geração de tecnologia; -Contribuir para a implantação do biorrepositório de amostras biológicas, em conformidade com as recomendações da CONEP; -Incentivar a divulgação dos projetos de pesquisa desenvolvidos por docentes da FCF tanto em eventos científicos como na página da FCF no sítio da UNIFAL-MG; -Apoiar e incentivar a orientação discente no desenvolvimento de projetos de iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado; -Incentivar a participação de docentes em eventos científicos com apresentação de trabalhos; -Incentivar os grupos de pesquisa ligados a FCF a captar recursos públicos e privados para ampliação, manutenção e desenvolvimento da pesquisa; -Incentivar o desenvolvimento de ações que levem à obtenção de patentes relacionadas a produtos ou processos relacionados às atividades de pesquisa desenvolvidas na Unidade Acadêmica. Pós-Graduação -Apoiar a apresentação de propostas para criação de programas de pósgraduação Stricto sensu profissionalizantes (mestrado) na área de ciências farmacêuticas ou em áreas estratégicas;

8 -Apoiar as iniciativas do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas (PPGCF) na busca pelo aprimoramento do seu conceito junto a CAPES; -Estimular a participação dos docentes em programas de pós-graduação Lato sensu e Stricto sensu; -Apoiar parcerias entre o PPGCF e outros programas da UNIFAL-MG ou de outras universidades nacionais e internacionais; -Incentivar ações para o aprimoramento dos cursos de pós-graduação Lato sensu existentes e também para a ampliação da oferta de outros cursos da área de saúde ou correlatas; Extensão -Apoiar o desenvolvimento de ações de extensão como forma de integração com a sociedade, fortalecimento do ensino e inclusão social; -Motivar a participação de docentes e acadêmicos em campanhas e eventos de extensão nacionais e regionais; -Proporcionar maior divulgação das ações de extensão desenvolvidas no âmbito da FCF; -Estimular a captação de recursos para o desenvolvimento de projetos ou programas de extensão, através da participação em editais específicos, de parcerias com a comunidade externa; -Incentivar o registro e divulgação de produções advindas da extensão;universitária0

9 -Incentivar e apoiar a realização de atividades culturais, principalmente, aquelas que possam contribuir para harmonização e humanização do ambiente; -Estimular a interação com grupos de extensão de outras Unidades Acadêmicas. Assuntos comunitários e estudantis -Promover maior aproximação entre a diretoria e as representações estudantis da FCF; -Apoiar ações acadêmicas e culturais promovidas por discentes do curso de Farmácia; -Estimular a participação de discentes em comissões e representações estudantis; -Apoiar atividades desenvolvidas pela FarmAlfenas Júnior Gestão Administrativa -Atuar junto aos órgãos da Reitoria no sentido de pleitear e justificar as demandas apresentadas pela Unidade, principalmente em relação à infraestrutura física e aos recursos humanos necessários para o bom andamento das atividades de ensino, pesquisa, extensão e administrativas, desenvolvidas no âmbito da FCF;

10 -Buscar formas de viabilizar a ampliação, adequação e integração do espaço físico sob a gestão administrativa da FCF, definindo assim, a identidade desta Unidade Acadêmica; -Acompanhar a proposta orçamentária e a distribuição de recursos de custeio e capital propostos pela Pró-Reitoria de Planejamento, Orçamento e Desenvolvimento Institucional (PROPLAN) da UNIFAL-MG; - Apoiar as políticas institucionais para a gestão de recursos públicos; -Buscar condições para a reforma e adequação da infraestrutura física da Farmácia Universitária, em consonância com as recomendações dos órgãos reguladores; -Buscar junto à PROPLAN a concretização das obras previstas na planilha de demandas apresentadas pela FCF; -Reiterar junto à PROPLAN o pedido de disponibilização de espaço físico para agregar os setores administrativos da FCF bem como para a construção e reforma de laboratórios ensino e de órgãos complementares da FCF; -Intensificar as ações de manutenção preventiva e corretiva dos bens móveis, imóveis e equipamentos da FCF; -Realizar campanhas para conscientização e sensibilização da comunidade quanto ao consumo racional de água, energia elétrica e materiais em geral; -Intensificar as ações do controle de risco biológico e químico nos laboratórios sob a gestão administrativa da FCF; -Incentivar a prestação de serviços através do estabelecimento de convênios e parcerias com empresas públicas ou privadas;

11 -Estimular e viabilizar a participação dos servidores da FCF em programas de promoção da qualidade de vida e da saúde, de educação e sustentabilidade ambiental; -Promover reuniões para discussão sobre as propostas de alteração do regimento interno da FCF e dos órgãos complementares; -Reestruturar e promover atualizações constantes da página da FCF no sítio da UNIFAL-MG; -Dar continuidade à otimização do processo de compras de materiais de consumo no âmbito da FCF; -Revisar e padronizar as especificações dos itens da lista de materiais de consumo da FCF, visando facilitar o processo de cotação e de aquisição dos mesmos; -Adotar sistemática para informação sobre o andamento dos processos de compras, com enfoque especial aos itens não adquiridos e orientação sobre as medidas necessárias para a solução dos problemas; -Viabilizar a implementação nos almoxarifados dos laboratórios da FCF de um sistema de controle de estoque de materiais de consumo; -Envidar esforços para a implantação de um modelo de gestão acadêmicoadministrativo da Farmácia Universitária que atenda ao projeto Político Pedagógico do Curso de Farmácia e permita a melhoria contínua dos serviços prestados; -Buscar mecanismos para viabilizar a implantação e funcionamento do Horto de Plantas Medicinais na Unidade Educacional II; -Incentivar e apoiar a busca pela melhoria continua para os órgãos complementares e a ampliação de convênios e parcerias;

12 -Apoiar e incentivar a capacitação de docentes e de servidores TAE em cursos e programas da sua área de atuação; -Incentivar e apoiar o desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica e científica no âmbito da UNIFAL-MG. Considerações finais Esta é a nossa proposta de Plano de Gestão, que, como já foi mencionado poderá acatar outras sugestões advindas dos membros da FCF e também ser atualizada de acordo com as demandas emergenciais que poderão surgir no dia a dia. Temos a convicção que para o sucesso de uma gestão democrática é fundamental que toda a comunidade acompanhe o processo das atividades realizadas e tenham informações claras e transparentes sobre o que já foi realizado e o que falta para atingir as metas e objetivos propostos. Procuraremos fazer com que o nosso trabalho seja pautado no diálogo constante, fortalecendo a integração entre discentes, docentes e servidores TAE, obedecendo aos princípios da legalidade, da imparcialidade e da transparência.

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI

Anexo 1 - Resolução 016/2011 - CONSUN. Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PDI 13 I ENSINO DE GRADUAÇÃO Objetivo 1 - Buscar continuamente a excelência nos cursos de graduação 1. Avaliar continuamente o processo educativo, em consonância

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO

PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO PLANO DE GESTÃO 2009-2012 1 - APRESENTAÇÃO Os objetivos desse Plano de Gestão estão pautados na missão da Faculdade de Ciências Farmacêuticas como escola pública de excelência, que tem suas atividades

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR!

VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! Eleições 2014 Faculdade de Odontologia UFRJ VAMOS JUNTOS POR UMA ODONTOLOGIA MELHOR! PLANO DE TRABALHO EQUIPE - CHAPA 1: Diretor - Maria Cynésia Medeiros de Barros Substituto Eventual do Diretor - Ednilson

Leia mais

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017

PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 PLANO DE AÇÃO-DIREÇÃO DO CAMPUS TERESINA ZONA SUL GESTÃO 2013-2017 O ensino, como a justiça, como a administração, prospera e vive muito mais realmente da verdade e da moralidade, com que se pratica do

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO

DEMOCRACIA, ÉTICA E RENOVAÇÃO PLANO DE GESTÃO CANDIDATURA A DIREÇÃO GERAL DO IFSC CÂMPUS CHAPECÓ ROBERTA PASQUALLI DIRETORA GERAL LUIS FERNANDO POZAS DIRETOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO ELIANDRO LUIZ MINSKI DIRETOR DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2014-2018

PLANO DE GESTÃO 2014-2018 PLANO DE GESTÃO 2014-2018 INCONFIDENTES - 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 2. PROPOSTAS DE TRABALHO... 2 2.1 ENSINO... 2 2.2 PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO... 2 2.3 EXTENSÃO E INOVAÇÃO... 3 2.4 ATIVIDADES ESPORTIVAS

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Sumário TÍTULO I - DA ESCOLA DE ENGENHARIA E SEUS FINS TÍTULO II - DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA CAPÍTULO

Leia mais

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS

ANÁLISE DAS PROPOSTAS APRESENTADAS NO PLANO DE GESTÃO E AVANÇOS REALIZADOS RELATÓRIO DE GESTÃO DA DIRETORIA DA FANUT REFERENTE AO PERÍODO DE 2011-2012: Estruturando a Faculdade de Nutrição como Unidade Acadêmica no âmbito da UNIFAL-MG DIRETORIA: Profa. Cristina Garcia Lopes Diretora

Leia mais

PDI GERAL DO CEFET/RJ

PDI GERAL DO CEFET/RJ PDI GERAL DO CEFET/RJ Princípios que devem nortear o estabelecimento de políticas e ações no CEFET/RJ e que devem constar do PDI: Institucionalidade/identidade de UT (estabelecimento de um modelo diferenciado

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS PLANO DE TRABALHO 2012-2015 CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DO CAMPUS DE FOZ DO IGUAÇU PROF.

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília

Ciências Humanas. Relatoria. Grupo de Trabalho (GT1) I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília I Seminário de Avaliação da Pós- Graduação da Universidade Brasília Relatoria Grupo de Trabalho (GT1) Realização Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação (DPP) da Universidade de Brasília Brasília DF, 6 a

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROPOSTA DE TRABALHO PARA FINS DE INSCRIÇÃO NO PROCESSO DE CONSULTA PRÉVIA PARA DIRETOR E VICE-DIRETOR DA FACULDADE

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CADCAM/C/UNICENTRO, DE 04 DE MAIO DE 2015. Aprova o Regulamento da Farmácia Escola do Campus Cedeteg, UNICENTRO-PR. O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO CAMPUS CEDETEG, UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Osvaldo Casares Pinto Pró-Reitor Des. Institucional José Eli S. Santos Diretor Dep. Planej. Estratégico junho de 2015 Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

Projeto IAG2020. Não há como fazer uma administração ou um planejamento eficientes sem o estabelecimento de metas.

Projeto IAG2020. Não há como fazer uma administração ou um planejamento eficientes sem o estabelecimento de metas. Projeto IAG2020 O objetivo deste projeto é fazer um planejamento estratégico para o IAG, que identifique ações a serem tomadas e que tenha, além de um caráter norteador, um sentido prático, auxiliando

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília. Planejamento 2010 Diretrizes e metas

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília. Planejamento 2010 Diretrizes e metas Planejamento 2010 Diretrizes e metas Brasília (DF), março de 2010 Planejamento 2010 Diretrizes e metas Apresentação Este documento é fruto de um intenso e extenso processo de discussões envolvendo a Reitoria

Leia mais

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba

Plano de Gestão 2013-2016 IFSP Campus Caraguatatuba Visão Institucional O Campus Caraguatatuba do IFSP desenvolveu-se nos últimos anos, ampliando os cursos oferecidos, desde a Formação Inicial e Continuada, passando pelos Cursos Técnicos, de Tecnologia,

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

RELATÓRIO DE REALIZAÇÕES E ATIVIDADES DA EQUIPE DA DIREÇÃO-GERAL DO CAMPUS CEDETEG GESTÃO 2012-2016

RELATÓRIO DE REALIZAÇÕES E ATIVIDADES DA EQUIPE DA DIREÇÃO-GERAL DO CAMPUS CEDETEG GESTÃO 2012-2016 RELATÓRIO DE REALIZAÇÕES E ATIVIDADES DA EQUIPE DA DIREÇÃO-GERAL DO CAMPUS CEDETEG GESTÃO 2012-2016 Apresentamos neste relatório resumido as realizações e atividades da Equipe da Direção-Geral do Campus

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO. O presente anteprojeto de proposta está estruturado a partir de três níveis de organização.

FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO. O presente anteprojeto de proposta está estruturado a partir de três níveis de organização. FORMAS DE CONTRIBUIÇÃO O presente anteprojeto de proposta está estruturado a partir de três níveis de organização. O primeiro deles se refere aos eixos norteadores da política. Este nível compreende os

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES

NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES NORIEL VIANA PEREIRA Candidato a Diretor ESTES CHAPA: InterAÇÃO: Equidade e Responsabilidade Propostas para a Gestão Junho/2013 a Junho/2017 UBERLÂNDIA 2013 1.0 APRESENTAÇÃO DO CANDIDATO Bacharel e Licenciado

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI

PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PROF. DR. CLODIS BOSCARIOLI PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL QUADRIÊNIO 2012-2015 Cascavel set/2011. APRESENTAÇÃO Nasci em Umuarama/PR em 31/07/1973. Sou técnico em Contabilidade pelo

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO

INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO INSTITUTO FEDERAL BAIANO CAMPUS URUÇUCA PLANO DE TRABALHO QUADRIÊNIO 2014-2018 EURO OLIVEIRA DE ARAÚJO Euro Oliveira de Araújo, graduado em Licenciatura em Química pela Universidade Estadual da Bahia.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO I FÓRUM DE GRADUAÇÃO DA UEG CENÁRIOS DA GRADUAÇÃO: DESAFIOS PARA A UEG CARTA DA GRADUAÇÃO Diretores de Unidades Universitárias, coordenadores pedagógicos

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017

Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Escola Técnica de Saúde Profa. Dra. Sheila Rodrigues de Sousa Porta PLANO DE AÇÃO 2013-2017 Proposta de trabalho apresentada como pré-requisito para inscrição no processo

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Programação e Ações: Proposta para o período 2016-2020

Programação e Ações: Proposta para o período 2016-2020 Profa. Dra. Sissi Kawai Marcos Programação e Ações: Proposta para o período 2016-2020 Introdução Esta proposta de programação e ações para a Reitoria, mandato 2016-2020, procura respeitar o contexto atual

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

plano de metas gestão 2013-2017

plano de metas gestão 2013-2017 plano de metas gestão 2013-2017 Reitora Miriam da Costa Oliveira Vice-Reitor Luís Henrique Telles da Rosa Pró-Reitora de Graduação Maria Terezinha Antunes Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação Rodrigo

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PLANO DE GESTÃO (2014-2018)

PLANO DE GESTÃO (2014-2018) PLANO DE GESTÃO (2014-2018) Reitor: Prof. Dr. Fernando Guaragna Martins Vice-Reitor: Prof. Dr. Leonardo Beroldt Porto Alegre, junho de 2014. PLANO DE GESTÃO (2014-2018) AVANÇAR PARA CONSOLIDAR! A Uergs

Leia mais

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho

SOMOS TOD@S UFRB. Síntese da Proposta de Trabalho SOMOS TOD@S UFRB Síntese da Proposta de Trabalho Chapa SOMOS TOD@S UFRB Reitor: Silvio Soglia Vice-Reitora: Georgina Gonçalves "Aquele que quer aprender a voar um dia precisa primeiro aprender a ficar

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2014-2018 PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PROPOSTAS DE METAS, AÇÕES E INDICADORES CAMPUS CONGONHAS DEZEMBRO - 2013 INFRA-ESTRUTURA Objetivo

Leia mais

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP

EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP EDITAL N 003/2015 PROEX SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA DE UNIDADES AUXILIARES DA UNESP Seleção de propostas de extensão universitária de Unidades Auxiliares no âmbito da PROEX/UNESP para

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO IFPR CÂMPUS CAMPO LARGO DESDOBRAMENTO DAS DIRETRIZES E OBJETIVOS ESTRATÉGICOS PARA O CÂMPUS DOCUMENTO FINAL EIXO: ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E INOVAÇÃO Objetivos Específicos

Leia mais

64 pontos não remunerada.

64 pontos não remunerada. UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL RESOLUÇÃO 001/2015 ESTABELECE PROCEDIMENTOS E PARÂMETROS AVALIATIVOS PARA PROGRESSÃO DE DOCENTES À CLASSE E PROFESSOR TITULAR ANEXO

Leia mais

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação

Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação Plano de gestão 2016-2019 Chapa Consolidação 1. Apresentação Em novembro a comunidade do IFSC Câmpus Canoinhas elegerá seus novos dirigentes: Diretor Geral, Chefe de Departamento de Ensino, Pesquisa e

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Eleições UEFS 2011. Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015

Eleições UEFS 2011. Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015 Eleições UEFS 2011 Proposta de Gestão ReAGE UEFS 2011 2015 Francisco de Assis Ribeiro dos Santos Candidato a Reitor Maria do Socorro Costa São Mateus Candidata a Vice-Reitora Feira de Santana, fev/2011

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu.

As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. As nossas propostas de atuação para a Gestão 2013-2017 estão pautadas na Consolidação e expansão do Campus Centro-Oeste Dona Lindu. Nosso Compromisso é trabalhar, junto à Reitoria, Discentes, Docentes

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável.

Respeito ao meio ambiente, colocando o conhecimento científico adquirido a serviço da sociedade e permitindo o desenvolvimento sustentável. Coordenação do Curso de Engenharia Química da UFPR (CCEQ) Planejamento Estratégico 2012-2017 Apresentação: O curso de Engenharia Química da UFPR foi criado em 1954 pelo Decreto-Lei nº 6.489, assim completará

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Fortaleza, 2012 INDICE CAPÍTULO I... 3 DO OBJETIVO GERAL... 3 CAPÍTULO II... 3 DOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CAPÍTULO III... 4 DA ORGANIZAÇÃO DO PROGRAMA

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional PDI UFPA 2011-2015

Plano de Desenvolvimento Institucional PDI UFPA 2011-2015 Plano de Desenvolvimento Institucional PDI UFPA 2011-2015 Belém Pará - Brasil Dezembro/ 2012 UFPA em Números 01 Cidade Universitária 11 campi 48.554 alunos 16.545 no interior 2.154 professores efetivos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 07/2010, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010 Normatiza a oferta de cursos a distância, em nível de graduação, sequenciais, tecnólogos, pós-graduação e extensão universitária ofertados pela Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Chapa Campus para Todos

Chapa Campus para Todos 1 Carta Programa aos alunos, funcionários e professores do Campus Sorocaba da UFSCar para apresentação das candidaturas dos Professores Doutores André Cordeiro Alves dos Santos e Laércio José dos Santos

Leia mais

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados PDI 20111 / 201 15 Pós-Graduação 1. Formar pessoas competentes e éticas, com alta qualificação científica, tecnológica e artística, comprometidas com o bem-estar social, adaptáveis às mudanças, capazes

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 195- CEPEX/2007

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº 195- CEPEX/2007 RESOLUÇÃO Nº 195- CEPEX/2007 APROVA O REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES O Reitor e Presidente do CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2016-2019

PLANO DE GESTÃO 2016-2019 PLANO DE GESTÃO 2016-2019 CAIO Diretor APRESENTAÇÃO A seguir apresentamos as diretrizes construídas coletivamente para os próximos quatro anos de gestão do câmpus Florianópolis- Continente. Para cada proposição,

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História

A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História A. Critérios para Avaliação e Aprovação de Cursos Novos de História 1. Apoio institucional. Clara manifestação de apoio por parte da IES proponente, expressa tanto no provimento da infraestrutura necessária,

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos

Coordenação: João Henrique Lara do Amaral Cynthya Almeida Coradi Relatoria: Stela Maris Aguiar Lemos RELATÓRIO OFICINA FNEPAS ESTADUAL MINAS GERAIS INTEGRALIDADE E QUALIDADE NA FORMAÇÃO E NAS PRÁTICAS EM SAÚDE: Integrando Formação, Serviços, Gestores e Usuários Local: COBEM Uberlândia Data: 22 de outubro

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIREÇÃO CIENTÍFICA - CBCE (Em desenvolvimento Versão 1.0 Nov/2011) GESTÃO 2011-2013

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIREÇÃO CIENTÍFICA - CBCE (Em desenvolvimento Versão 1.0 Nov/2011) GESTÃO 2011-2013 I. IDENTIDADE INSTITUCIONAL DA DO CBCE / DIREÇÃO CIENTÍFICA - DC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DIREÇÃO CIENTÍFICA - CBCE (Em desenvolvimento Versão 1.0 Nov/2011) GESTÃO 2011-2013 1.1 Avaliar e divulgar a DC

Leia mais

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER (Anexo à Portaria nº 067, de 14 de setembro de 2005) CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER 1. Caracterização do Projeto Minter 1.1. Caracteriza-se como Projeto

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos

Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos Conforme apresentado no item Diagnóstico Institucional, a UFSM tem evoluído em praticamente todos os indicadores quantitativos de progresso (internos e externos) ligados a C,T&I e a formação de RH pós-graduados.

Leia mais

PARA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL Gestão 2012-2015. Prof. Dr. Luís Alberto FERREIRA Garcia

PARA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL Gestão 2012-2015. Prof. Dr. Luís Alberto FERREIRA Garcia 1 PARA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS DE CASCAVEL Gestão 2012-2015 AUTONOMIA, DIÁLOGO E CONSTRUÇÃO COLETIVA em um CAMPUS PARA TODOS Prof. Dr. Luís Alberto FERREIRA Garcia Prezada Comunidade Acadêmica Ao iniciarmos

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais