Volume 2 GINECOLOGIA PRINCIPAIS TEMAS PARA PROVAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Volume 2 GINECOLOGIA PRINCIPAIS TEMAS PARA PROVAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA"

Transcrição

1 Volume 2 GINECOLOGIA PRINCIPAIS TEMAS PARA PROVAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA

2 AUTORIA E COLABORAÇÃO Flávia Fairbanks Lima de Oliveira Marino Graduada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Especialista e mestre em Ginecologia pelo HC-FMUSP, onde foi preceptora de Internos e Residentes de Ginecologia. Especialista em Endometriose e Sexualidade Humana pelo HC-FMUSP. Título de especialista em Obstetrícia e Ginecologia pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO). Membro da Sociedade Brasileira de Endometriose (SBE), da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH) e da World Endometriosis Society (WES). Tatiana Pfiffer Favero Graduada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP). Especialista em Ginecologia e Obstetrícia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP). Título de especialista em Ginecologia e Obstetrícia pelo Ministério da Educação (MEC). Médica preceptora do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia do HC-FMUSP. Especialista em Oncoginecologia e Laparoscopia pelo HC-FMUSP. Especialista em Laparoscopia e Uroginecologia pelo Hospital Charité, Berlim. Médica assistente da Divisão de Uroginecologia do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia do HC-FMUSP. Rodrigo da Rosa Filho Graduado em medicina e especialista em Ginecologia e Obstetrícia e em Reprodução Humana pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Título de especialista em Obstetrícia e Ginecologia pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO). Membro da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP). Médico atuante no corpo clínico das Maternidades Santa Joana e Pro Matre Paulista. Adriana Carneiro Mesquita Burlachini de Carvalho Ginecologista, Obstetra e Mastologista pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Ana Lúcia Beltrame de Melo Ginecologista, Obstetra e Especialista em Reprodução Humana pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Márcia Pereira de Araújo Ginecologista, Obstetra e Especialista em Oncologia Ginecológica pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Marcos de Lorenzo Messina Doutor em Ginecologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Médico colaborador do Setor de Mioma Uterino da Clínica Ginecológica da FMUSP e médico assistente do HU-USP. Rodrigo Rovai Bega Graduado em medicina e residente em Ginecologia pela Universidade Federal de São Paulo (UNI- FESP). Médico do Hospital São Paulo, do Hospital Geral de Pirajussara e do Hospital Estadual de Diadema. Tatiana Fortes Pedrozo Ginecologista e Obstetra pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

3 APRESENTAÇÃO Após anos de dedicação intensa, numa árdua rotina de aulas teóricas e plantões nos mais diversos blocos, o estudante de Medicina depara com mais um desafio, o qual determinará toda a sua carreira: a busca por uma especialização bem fundamentada e que lhe traga a garantia de uma preparação a mais abrangente possível. Talvez a maior dificuldade enfrentada pelo futuro médico nessa etapa seja o ingresso nos principais centros e programas de Residência Médica, devido ao número expressivo de formandos, a cada ano, superior ao de vagas disponíveis. Contudo, essa barreira pode ser vencida quando se conta com o apoio de um material didático direcionado e que transmita total confiança ao candidato. Considerando essa realidade, foi desenvolvida a Coleção SIC Principais Temas para Provas de Residência Médica 2013, com capítulos baseados nos temas cobrados nas provas dos principais concursos do Brasil, casos clínicos e questões, dessas mesmas instituições, selecionadas e comentadas de maneira a oferecer uma compreensão mais completa das respostas. São 31 volumes preparados para que o candidato obtenha êxito no processo seletivo e, consequentemente, em sua carreira. Bons estudos! Direção Medcel A medicina evoluiu, sua preparação para residência médica também.

4 ÍNDICE Capítulo 1 - Anatomia e fi siologia da mama Anatomia e histologia Embriologia Anomalias do desenvolvimento Fisiologia Exame das mamas Resumo Capítulo 2 - Doenças benignas da mama Doenças infecciosas da mama Lesões benignas da mama Dor mamária Alteração da fisiologia mamária: galactorreia Resumo Capítulo 3 - Doenças malignas da mama Introdução Histórico Epidemiologia História natural e fatores de risco Diagnóstico Tipos histológicos Fatores prognósticos Estadiamento Tratamento Resumo Capítulo 4 - Exames complementares em mastologia Métodos de imagem Métodos de biópsia Resumo Capítulo 5 - Distopias genitais Definição Epidemiologia Etiopatogenia Diagnóstico e classificação Diagnósticos diferenciais Tratamento Outras formas de distopias Resumo Capítulo 6 - Incontinência urinária Introdução Conceitos de neurofisiologia miccional Quadro clínico Exame físico Exames subsidiários Classificação Causas e diagnósticos diferenciais Diagnóstico e condutas Resumo Capítulo 7 - Vulvovaginites e cervicites Introdução Vulvovaginites Cervicites Resumo Capítulo 8 - Neoplasias da vulva Epidemiologia Quadro clínico Histologia Vias de disseminação Diagnóstico Estadiamento Tratamento Prognóstico e seguimento Resumo Capítulo 9 - Neoplasia intraepitelial cervical e lesões pré-invasivas do colo do útero Colo Neoplasias intraepiteliais cervicais Resumo... 82

5 Capítulo 10 - Neoplasia do colo uterino Introdução Fatores de risco Quadro clínico Diagnóstico Propagação Anatomia patológica Estadiamento Fatores prognósticos Tratamento Seguimento Resumo Capítulo 11 - Patologias pré-neoplásicas e câncer de corpo uterino Introdução Lesões pré-neoplásicas Câncer de endométrio Carcinomas de células claras (tipo II) Adenocarcinoma seroso papilífero (tipo II) Resumo Capítulo 12 - Doenças benignas e malignas do ovário Introdução Neoplasias ovarianas benignas Neoplasias ovarianas malignas Outros tipos de tumores ovarianos não epiteliais Resumo Casos clínicos Capítulo 9 - Neoplasia intraepitelial cervical e lesões pré-invasivas do colo do útero Capítulo 10 - Neoplasia do colo uterino Capítulo 11 - Patologias pré-neoplásicas e câncer de corpo uterino Capítulo 12 - Doenças benignas e malignas do ovário Outros temas COMENTÁRIOS Capítulo 1 - Anatomia e fisiologia da mama Capítulo 2 - Doenças benignas da mama Capítulo 3 - Doenças malignas da mama Capítulo 4 - Exames complementares em mastologia Capítulo 5 - Distopias genitais Capítulo 6 - Incontinência urinária Capítulo 7 - Vulvovaginites e cervicites Capítulo 8 - Neoplasias da vulva Capítulo 9 - Neoplasia intraepitelial cervical e lesões pré-invasivas do colo do útero Capítulo 10 - Neoplasia do colo uterino Capítulo 11 - Patologias pré-neoplásicas e câncer de corpo uterino Capítulo 12 - Doenças benignas e malignas do ovário Outros temas Referências bibliográfi cas Os capítulos que abordam doenças sexualmente transmissíveis encontram-se no livro de Infectologia vol. 1 QUESTÕES Capítulo 1 - Anatomia e fisiologia da mama Capítulo 2 - Doenças benignas da mama Capítulo 3 - Doenças malignas da mama Capítulo 4 - Exames complementares em mastologia Capítulo 5 - Distopias genitais Capítulo 6 - Incontinência urinária Capítulo 7 - Vulvovaginites e cervicites Capítulo 8 - Neoplasias da vulva

6 GINECOLOGIA CAPÍTULO 1 Anatomia e fisiologia da mama Flávia Fairbanks Lima de Oliveira Marino 1. Anatomia e histologia As mamas são órgãos pares, localizados sobre a parede torácica, que se estendem da 2ª a 3ª até a 6ª a 7ª costela. Medialmente, as mamas são limitadas pelas bordas laterais do esterno e, lateralmente, pelas linhas axilares médias de cada lado. Além disso, repousam sobre o músculo peitoral maior, e parte do tecido mamário estende-se em direção à axila, formando a cauda axilar de Spence. Para permitir a descrição da localização de lesões, a mama é dividida em área retroareolar e 4 quadrantes: superolateral (QSL), superomedial (QSM), inferolateral (QIL) e inferomedial (QIM) (Figura 1). Cada mama contém de 15 a 20 lobos mamários, revestidos por 1 a 2 camadas de epitélio cúbico. O estroma mamário consiste em tecido conjuntivo intralobular e interlobular, além de tecido adiposo. Os ligamentos de Cooper são estruturas conjuntivas responsáveis pela sustentação das mamas. São feixes fibrosos que partem do folheto anterior e se projetam em direção ao parênquima mamário, comunicando-se com a derme. Além das células epiteliais e conjuntivas, encontram-se ainda células musculares envolvendo os lóbulos mamários, que são responsáveis pela ejeção do leite. São as chamadas células mioepiteliais. Figura 1 - Mama esquerda: divisão em quadrantes e incidência de câncer de mama Cada mama é composta por um conjunto de glândulas exócrinas do tipo tubuloalveolar composto, que é a sua unidade funcional. Essas unidades tubuloalveolares estão dispostas em agrupamentos que formam os chamados lóbulos (ou alvéolos) mamários que, juntos, formam os lobos mamários. Estes se abrem na papila, por meio de um ducto que apresenta, abaixo da aréola, uma porção dilatada denominada seio lactífero. Figura 2 - Anatomia da mama As mamas apresentam uma porção pigmentada, aréola, na qual se eleva a papila mamária. Nas mamas adultas, não pendentes, o complexo areolopapilar encontra-se na projeção da 4ª costela. As aréolas contêm glândulas sebáceas, sudoríparas, folículos pilosos e os chamados tubérculos de Montgomery, que são glândulas intermediárias entre sebáceas e sudoríparas. As aréolas não contêm ductos mamários, e as papilas são o local em que se abrem os ductos 19

7 ANATOMIA E FISIOLOGIA DA MAMA mamários (15 a 20 orifícios). Na gravidez e na lactação, a aréola e a papila aumentam sua pigmentação, e esta última passa a ser chamada de mamilo. O suprimento sanguíneo das mamas se faz, principalmente, pelos ramos da artéria mamária interna (60%) e da artéria torácica lateral (30%). A drenagem linfática é feita em 95% para a cadeia linfática axilar homolateral e 5% para a cadeia mamária interna. Daí a importância do estudo dos gânglios linfáticos axilares nos casos de tumores malignos da mama. Existem diferentes classificações dos linfonodos axilares, sendo mais utilizada a classificação de Berg (I, II e III), conforme sua localização em relação ao músculo peitoral menor. Assim, o nível I encontra-se lateralmente ao músculo, o II posteriormente, e o III, medialmente. Existem ainda os chamados linfonodos de Rotter, que se encontram entre os 2 músculos peitorais (Figura 3). membros superiores (axilas) até a raiz dos membros inferiores, incluindo os grandes lábios da vulva. Somente os brotos mamários da região torácica evoluem, enquanto os outros tendem a regredir por completo por volta da 9ª semana. Entre a 7ª e a 8ª semanas, desenvolve-se o mesênquima e ocorre o crescimento tridimensional. Na 10ª semana, tem-se a chamada fase de cone, com surgimento papilar e areolar entre a 12ª e a 16ª semanas. No 3º trimestre, por influência dos hormônios placentários, ocorrem a canalização dos ductos e a formação de estruturas tubuloalveolares. Em recém-nascidos de ambos os sexos, pode haver saída de secreção láctea nos primeiros dias de vida, até que os hormônios advindos da placenta sejam metabolizados. A diferenciação total das células mamárias secretoras de leite somente ocorrerá por completo durante a gestação e a lactação. Figura 4 - Linha mamária 3. Anomalias do desenvolvimento Figura 3 - Drenagem linfática da mama A inervação da pele é feita pelos ramos cutâneos laterais e anteriores, do 2º ao 6º nervos intercostais e nervos supraclaviculares, ramos do plexo braquial. O tecido glandular é controlado por hormônios ováricos e hipofisários. Dois nervos merecem destaque quando da abordagem cirúrgica da mama, embora não sejam responsáveis por sua inervação, mas caso sejam lesados durante o ato cirúrgico podem causar grandes prejuízos para a paciente: o nervo torácico longo, ou nervo de Bell, responsável pela inervação do músculo serrátil anterior e que, quando lesado, leva à chamada escápula alada e o nervo intercostobraquial, responsável pela inervação sensitiva da porção medial do braço, que, quando lesado, pode causar parestesias e formigamentos na região. 2. Embriologia Por volta da 5ª semana de vida intrauterina, começa o desenvolvimento da linha mamária, a partir do ectoderma. Na fase embrionária, essa linha se estende desde a base dos A - Politelia Defeito congênito mais comum em ambos os sexos, consiste na presença de mais de 2 papilas. Pode ocorrer em qualquer ponto da linha mamária, sendo mais comum logo abaixo da mama normal e bilateral em 50% das vezes. Frequentemente, associa-se a anomalias renais e do trato geniturinário. Deve ser retirada cirurgicamente apenas se causa prejuízo estético. B - Polimastia É a presença de mais de 2 mamas, e, mais frequentemente, a mama acessória é axilar, podendo ser uni ou bilateral, com ou sem papila acessória associada. Se não incomodar a paciente, a conduta pode ser conservadora. As mamas acessórias podem secretar leite durante a lactação. C - Simastia É a confluência medial das mamas. D - Hipertrofia Em geral, é bilateral e pode ocorrer durante a adolescência ou a gravidez. O tratamento com melhores resultados é a mamoplastia redutora. 20

8 GINECOLOGIA CAPÍTULO 4 1. Métodos de imagem A - Mamografia Exames complementares em mastologia Flávia Fairbanks Lima de Oliveira Marino / Márcia Pereira de Araújo A mamografia de rastreamento deve ser realizada em 4 incidências (2 em cada mama): craniocaudal e oblíqua mediolateral. Quando necessário, podem ser utilizadas incidências adicionais, compressão localizada e/ou magnificação de determinada área. Figura 1 - Procedimento mamográfico Este é o único exame comprovadamente eficaz para o rastreamento de lesões da mama que apresenta sensibilidade de 85%, melhor para as mamas lipossubstituídas do que para as mamas densas. Com os programas de rastreamento, houve diminuição de até 30% da mortalidade por câncer de mama. Atualmente, a mamografia digital apresenta maior acurácia na identificação de microcalcificações, sobretudo em mamas densas. Figura 3 - Mamografia mostrando mamas densas (BI-RADS 0) Figura 2 - Mamografia normal (BI-RADS 1) Com o intuito de padronizar os laudos mamográficos, o Colégio Americano de Radiologia criou o BI-RADS (Breast Imaging-Report and Data System), que atualmente está na sua 4ª edição. Consiste na classificação dos achados radiológicos em categorias, conferindo risco de malignidade para cada uma. Preferencialmente, deve ser dada uma classificação de BI-RADS para o exame completo, incluindo mamografia e ultrassonografia, quando necessário. Assim, a classificação de BI-RADS pode ser: - 0: inconclusivo: necessita de avaliação adicional; - 1: exame normal: 0% de chance de malignidade; 41

9 EXAMES COMPLEMENTARES EM MASTOLOGIA - 2: achados mamográficos benignos: 0% de chance de malignidade; são os nódulos hialinizados, calcificações arredondadas, em pipoca, em leite de cálcio (dos cistos), em casca de ovo, linfonodos intramamários, assimetria global e microcalcificações puntiformes regulares de distribuição difusa ou dispersa. Conduta: mamografia anual; - 3: achados provavelmente benignos: menos de 2% de malignidade; são as microcalcificações agrupadas, puntiformes e regulares, redondas ou ovais, as assimetrias focais e os nódulos sólidos não palpáveis, circunscritos, não calcificados, com forma redonda, oval ou macrolobulada. A recomendação é que os achados BI-RADS 3 sejam reavaliados após 6 meses (somente no lado afetado). Se não houver modificação no período, repete-se o exame, agora bilateral, após 6 meses e, diante da estabilidade da lesão, um novo controle pode ser realizado depois de 12 meses (24 após o 1º exame). Após 2 anos de estabilidade, pode-se mudar a categoria para BI-RADS 2. A categoria 3, à ultrassonografia, inclui cistos complicados e aglomerado de microcistos; - 4: achados suspeitos: 2 a 90% de chance de malignidade; são os nódulos sólidos, regulares, porém palpáveis (4A - suspeita leve); os nódulos com margens indeterminadas (4B - suspeita moderada) e as microcalcificações irregulares (4C - suspeita forte). As microcalcificações são: Com distribuição regional, segmentar, linear ou focal (não as tipicamente benignas), mesmo que apresentem morfologia uniforme; Agrupadas, algumas com morfologia diferente das demais; Puntiformes, de tamanhos variados, agrupadas; Agrupadas, que não estavam presentes em exame anterior. - 5: achados altamente suspeitos: 90% ou mais de chance de malignidade; são os nódulos espiculados, as microcalcificações em letra chinesa e as de distribuição segmentar ou linear; - 6: achados já confirmados por biópsia como malignos: os nódulos espiculados do carcinoma ductal invasivo e as microcalcificações pleomórficas típicas do carcinoma ductal in situ são classificados como BI-RADS Achados mamográficos benignos Achados provavelmente benignos Achados suspeitos Achados altamente suspeitos Achados já confirmados por biópsia como malignos - Nódulos hialinizados; - Calcificações arredondadas, em pipoca, em leite de cálcio (dos cistos), em casca de ovo ; - Linfonodos intramamários; - Assimetria global; - Microcalcificações puntiformes regulares de distribuição difusa ou dispersa. - Microcalcificações agrupadas, puntiformes e regulares, redondas ou ovais; - Assimetrias focais; - Nódulos sólidos não palpáveis, circunscritos, não calcificados, com forma redonda, oval ou macrolobulada. - Nódulos sólidos, regulares, porém palpáveis (4A - suspeita leve); - Nódulos com margens indeterminadas (4B - suspeita moderada); - Microcalcificações irregulares (4C - suspeita forte); - Microcalcificações: Com distribuição regional, segmentar, linear ou focal (não as tipicamente benignas), mesmo que apresentem morfologia uniforme; Agrupadas e algumas apresentam morfologia diferente das demais; Puntiformes, de tamanhos variados, agrupadas; Agrupadas ausentes em exame anterior. - Nódulos espiculados; - Microcalcificações em letra chinesa ; - Microcalcificações de distribuição segmentar ou linear, desenhando trajetos dos ductos ou pleomórficas. Lesões biopsiadas, com diagnóstico de malignidade. Tabela 1 - Classificação das lesões mamográficas 0 Inconclusivo Lesões não avaliadas. 1 Exame normal Sem alterações detectáveis. Figura 4 - BI-RADS 1 42

10 GINECOLOGIA CASOS CLÍNICOS

11 UNIFESP 1. Uma mulher de 58 anos procura atendimento com queixa de sangramento vaginal há 1 semana. Refere ondas de calor e insônia intensas, que melhoram com chá de amora ou de camomila, ou com suplementos de soja. Teve menopausa aos 55 anos e nunca usou terapia hormonal. É nuligesta. Ao exame físico geral tem IMC = 32, está corada, PA = 130x80mmHg, FC = 80bpm. No exame ginecológico, as mamas são de médio volume, palpando-se nódulo duro, irregular, fixo aos tecidos adjacentes, de 2cm, no quadrante superolateral esquerdo. A palpação axilar é negativa. Vulva, vagina e colo uterino não têm alterações. Presença de sangue coletado no fundo vaginal, em pequena quantidade. O útero está discretamente aumentado, endurecido, móvel e os anexos não são palpáveis. Traz ultrassonografia endovaginal que mostra útero de volume de 100cm 3, miométrio homogêneo, eco endometrial medindo 7mm de espessura e ovários atróficos UNIFESP 2. Uma mulher com 52 anos queixa-se de perda de urina aos esforços há cerca de 10 anos. Isso a obriga a usar até 10 fraldas descartáveis por dia e prejudica sua vida sexual. Como antecedentes, refere ter sido submetida a colpoperineoplastia há 15 anos. Tem fluxo menstrual aumentado, com duração de 10 dias e intervalo de 20 dias há 5 anos. Tem hipertensão arterial em uso de hidroclorotiazida e captopril e amitriptilina, por ansiedade. É fumante de 1 maço ao dia há 15 anos. Teve a menarca aos 14 anos, DUM há 10 dias. É tercigesta, com 2 partos normais e 1 fórceps, e seu maior recém-nascido pesou 3.700g. Exame físico geral: sem alterações. PA = 140x90mmHg. Exame ginecológico: perda de urina em jato, sincrônica ao esforço, em posição ginecológica. Genitais internos: útero aumentado 2 vezes, endurecido e com superfície irregular. Estadiamento do prolapso de órgãos pélvicos: a) Cite 3 diagnósticos sindrômicos ginecológicos dessa paciente: CASOS CLÍNICOS Exame urodinâmico cistometria: resíduo pós-miccional: 40 ml; 1º desejo miccional: 100mL; capacidade cistométrica máxima: 400mL. Complacência vesical: normal. Pressão de perda (VLPP) = 40cmH 2 O. Perda de urina ao esforço a partir de 100mL. Ultrassonografia endovaginal: útero de 150cm 3 com nódulos hipoecogênicos intramurais, o maior de 11mm. Eco endometrial com 4mm. Ovários normais. b) Cite 3 prováveis diagnósticos etiológicos para o sangramento vaginal neste caso: a) Cite 4 diagnósticos relacionados a queixa e propedêutica desta paciente: b) Qual(is) o(s) tratamento(s) indicado(s)? c) Qual é o principal exame propedêutico necessário para orientar a conduta terapêutica da doença mamária? 105

12 e) No câncer de corpo uterino-endométrio, o estadiamento é cirúrgico, ou seja, só se pode obter o real estadio da paciente com a análise da peça cirúrgica, inclusive linfonodos. Cirurgia oncológica completa: coleta de citologia oncótica peritoneal + histerectomia total abdominal + anexectomia bilateral + linfadenectomia pélvica e para-aórtica (nos tumores grau 2 ou 3) + omentectomia. Caso 11 a) Biópsia da lesão. b) O tratamento é realizado com base no uso de cremes à base de corticoides e androgênios. c) A paciente apresenta carcinoma epidermoide invasivo com estadiamento clínico I a II. Para tal quadro, o tratamento preconizado é a cirurgia de Wertheim-Meigs (histerectomia total radical com linfadenectomia pélvica e parametrectomia). CASOS CLÍNICOS c) Neoplasia vulvar. d) Vulvectomia radical com linfadenectomia bilateral, associada à radioterapia complementar, se os linfonodos estiverem positivos na análise anatomopatológica. Caso 12 a) Exame de colposcopia para guiar a biópsia da área mais suspeita de lesão. b) Após uma biópsia mostrando lesão de alto grau, a conduta correta é prosseguir a investigação/o tratamento com uma cirurgia de amputação cônica do colo uterino ou conização, em que se extrai toda a junção escamocolunar com o epitélio glandular endocervical e estroma adjacente para avaliar a possibilidade de invasão, sendo que o câncer de colo uterino é uma doença multicêntrica. d) Quando o câncer de colo uterino acomete linfonodos, há a necessidade de tratamento complementar por radioterapia: braquiterapia + teleterapia, com o objetivo de controle locorregional e linfonodal da disseminação da doença. Caso 13 a) Hímen imperfurado, septo vaginal e síndrome de Rokitansky. b) Ultrassom pélvico: exame mais acessível como 1ª abordagem. Pode ajudar a diferenciar entre as 3 condições citadas, mas tem baixa especificidade. Ressonância nuclear magnética: método mais dispendioso e mais complexo, porém o que fornece imagens mais acuradas da morfologia pélvica. 115

13 GINECOLOGIA QUESTÕES

14 Anatomia e fisiologia da mama UNIFESP 1. A escápula alada é uma complicação da lesão acidental durante o tratamento cirúrgico do câncer de mama. As estruturas comprometidas são: a) nervo torácico longo e músculo serrátil anterior b) nervo torácico longo e músculo subescapular c) nervo torácico longo e músculo grande dorsal d) nervo toracodorsal e músculo subescapular e) nervo toracodorsal e músculo grande dorsal Tenho domínio do assunto Refazer essa questão Reler o comentário Encontrei dificuldade para responder TEGO 2. A mama axilar acessória se origina no folheto: a) mesodérmico b) ectodérmico c) mesenquimal d) endodérmico Tenho domínio do assunto Refazer essa questão Reler o comentário Encontrei dificuldade para responder Doenças benignas da mama UFPR 3. Sobre a relação entre a alteração fibrocística da mama e o risco de câncer mamário, é correto afirmar: a) não está associada ao aumento do risco de câncer, exceto se houver evidência histológica de alterações proliferativas epiteliais, com ou sem atipia b) não está associada ao aumento do risco de câncer, exceto se houver evidência histológica de alterações proliferativas epiteliais, sempre com atipia c) não está associada ao aumento do risco de câncer, exceto se houver evidência histológica de alterações proliferativas epiteliais, sempre sem atipia d) está associada ao aumento do risco de câncer, pois há evidência histológica de alterações proliferativas epiteliais benignas atípicas e) está associada ao aumento do risco de câncer, pois há evidência histológica de alterações proliferativas epiteliais, com ou sem atipia Tenho domínio do assunto Refazer essa questão Reler o comentário Encontrei dificuldade para responder SES-RJ/INCA/FIOCRUZ 4. Uma paciente de 20 anos procura atendimento com queixa de nódulo em mama esquerda de 3cm, indolor, elástico e móvel ao exame. Axilas sem adenomegalias. Solicitada ultrassonografia das mamas que revela: imagem anecoica de 2,8cm, arredondada, de paredes finas com reforço acústico posterior. Qual o melhor diagnóstico e conduta? a) fibroadenoma/core biopsy b) papiloma ductal/ressecção do ducto c) hamartoma/paaf d) cisto simples/acompanhamento ou punção Tenho domínio do assunto Refazer essa questão Reler o comentário Encontrei dificuldade para responder HC-ICC 5. Qual a causa mais comum de descarga papilar em mulheres não lactantes? a) carcinoma b) fibroadenoma c) tumor filoide d) ectasia ductal e) papiloma intraductal Tenho domínio do assunto Refazer essa questão Reler o comentário Encontrei dificuldade para responder HSPE-SP (BASEADA NA PROVA) 6. A ultrassonografia no diagnóstico de lesões iniciais das mamas diferencia: a) macro e microcalcificações b) lesões sólidas e císticas c) carcinoma ductal de lobular d) hiperplasia simples de hiperplasia complexa e) mastopatia crônica de carcinoma mamário Tenho domínio do assunto Refazer essa questão Reler o comentário Encontrei dificuldade para responder UFRJ 7. Diante de lesão cística da mama, a biópsia não é necessária quando se observa: a) líquido acastanhado na aspiração b) cisto complexo c) presença de massa intracística d) persistência do tumor após aspiração Tenho domínio do assunto Refazer essa questão Reler o comentário Encontrei dificuldade para responder UERJ 8. Uma mulher percebeu um nódulo na mama direita e demorou a procurar auxílio médico, pois não desejava buscar um mastologista. Ao chegar ao ambulatório, apresentava tumor de 2cm à palpação e 3 linfonodos palpáveis e fixos na axila direita. Foi realizada biópsia do tumor, que evidenciou carcinoma ductal infiltrante. O estadiamento dessa paciente é: a) T1N2aMx b) T1N2bMx c) T2N2aMx d) T2N2bMx Tenho domínio do assunto Refazer essa questão Reler o comentário Encontrei dificuldade para responder QUESTÕES 119

15 GINECOLOGIA COMENTÁRIOS

16 GINECOLOGIA - COMENTÁRIOS Questão 12. Questão bem simples trazendo as principais características do fibroadenoma. O carcinoma atinge mulheres mais idosas, o nódulo é endurecido e aderido. A mastopatia fibrocística ou AFBM não forma nódulo isolado, mas a mama fica toda nodular e a ectasia ductal apresenta descarga papilar esverdeada ou marrom, não nódulo. Gabarito = C Questão 13. O diagnóstico desta questão será feito tanto pelas características benignas das células obtidas na citologia quanto pelo achado clínico de descarga papilar sanguinolenta que sugere doença ductal. A alteração fibrocística não tem descarga papilar e nem alterações mitóticas celulares. O carcinoma teria malignidade no material. A doença de Paget apresenta alterações à biópsia e não há descarga papilar e a ectasia ductal não tem aspecto sanguinolento. Gabarito = D Questão 14. Os papilomas intraductais se associam ao carcinoma ductal in situ numa porcentagem considerável dos casos, então, dentre os itens listados, correspondem às lesões de maior risco para carcinoma. Gabarito = C Questão 15. A alteração funcional benigna da mama é a patologia benigna mais comum. Também conhecida como displasia mamária, sua etiopatogenia ainda é desconhecida, porém há evidências de que estão relacionadas a alteração da relação entre estradiol, progesterona e prolactina. É uma condição benigna, sem relação com aumento do risco de câncer de mama. Sabe-se que os sintomas (mastalgia cíclica e nodularidade) pioram com o uso de cafeína, metilxantinas e tabagismo. O tratamento inicial é orientar as pacientes quanto à benignidade do quadro, e somente essa conduta resolve 80% dos casos (por afastar a cancerofobia dessas pacientes). Os SERMS (tamoxifeno), as drogas antiprolactina (cabergolina e bromocriptina), drogas antigonadotropinas (danazol) e o ácido gamalinoleico (vitamina E) auxiliam no tratamento. O anatomopatológico mostra edema e presença de microcistos mamários, sem atipias celulares. Gabarito = B Questão 16. É muito difícil o manejo dos nódulos de mama na gestação, mas um nódulo de crescimento rápido tem que ser investigado, mesmo em gestante. Como o principal objetivo é excluir neoplasia, precisamos de uma amostra citopatológica ou histopatológica, no caso PAAF ou core biopsy. Gabarito = C Questão 17. A conduta em cistos mamários gigantes, ou macrocistos, cujo diâmetro médio está acima de 15mm ou que são clinicamente palpáveis, é a punção por agulha fina (PAAF) com citologia do líquido aspirado. Se houver mais de 2 recidivas, está indicada a remoção cirúrgica. Gabarito = A Questão 18. No caso descrito é fundamental o conhecimento da histologia do tumor, que terá implicações no seguimento, inclusive em relação à gestação. Entendemos, portanto, que será necessária uma amostra citológica ou histológica para confirmar a benignidade ou malignidade da neoplasia, logo as opções possíveis são punção citológica por agulha fina (PAAF) ou por agulha grossa (core biopsy) que teria a vantagem de obter uma amostra maior de tecido. Gabarito = C Questão 19. O papiloma intraductal é a lesão mais associada à descarga papilar sanguinolenta, porém é obrigatória a investigação, pois este sinal pode estar relacionado ao câncer de mama. Gabarito = B Questão 20. A mastalgia acíclica é aquela não relacionada aos ciclos ovulatórios, e que se caracteriza por dor em queimação unilateral, faixa etária entre 40 e 60 anos, dor intermitente, tratamento mais delicado e difícil. Gabarito = D Questão 21. Os fibroadenomas simples são os tumores de mama mais frequentes. O fibroadenoma juvenil ocorre na puberdade e cresce rapidamente, deformando a mama. Ele é menos frequente que o fibroadenoma simples. Gabarito = C Questão 22. Nesta idade, o mais comum é a ocorrência de fibroadenoma, que costuma apresentar-se como nódulo mamário único ou múltiplo, endurecido, móvel e indolor. Para ser confirmado, além do exame físico, é necessária ultrassonografia que mostrará nódulo bem delimitado, com sombra acústica posterior (à USG, as imagens benignas apresentam reforço acústico posterior, enquanto as malignas costumam apresentar sombra acústica posterior), limites nítidos, suas dimensões e a punção por agulha fina para citologia/estudo citológico. Gabarito = C Questão 23. O papiloma intraductal é a lesão mais frequente quando diante da secreção sanguinolenta. É comum mamografia e ultrassonografia virem normais. O tratamento é cirúrgico (exérese de ductos centrais) que, além de permitir a resolução do sintoma, confirma o caráter benigno, ou eventualmente maligno, da lesão. Gabarito = D Questão 24. Fibroadenoma e displasia mamária não cursam normalmente com derrame papilar. A ectasia ductal geralmente apresenta descarga papilar de coloração esverdeada e marrom, poliductal. Galactoforite cursa com derrame papilar lactífero. O papiloma intraductal é uma neoplasia benigna que apresenta descarga papilar espontânea, hemorrágica, unilateral. Gabarito = D 182

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

AUTORIA E COLABORAÇÃO

AUTORIA E COLABORAÇÃO AUTORIA E COLABORAÇÃO Flávia Fairbanks Lima de Oliveira Marino Graduada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Especialista e mestre em Ginecologia pelo Hospital das Clínicas

Leia mais

Anatomia da mama Função biológica

Anatomia da mama Função biológica Dr.Jader Burtet Ginecologia e Obstetrícia Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre Hospital Materno Infantil Presidente Vargas de Porto Alegre Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012)

CEPEM News. Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Revisitando o Sistema BI-RADS de Mamografia e Ultrassonografia: As novas considerações das próximas edições (2012) Prezados Colegas No final de 1992, voltávamos de curso de imagenologia mamária ministrado

Leia mais

PATOLOGIAS DA MAMA. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy

PATOLOGIAS DA MAMA. Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIAS DA MAMA Ranuce Ribeiro Aziz Ydy PATOLOGIAS DAS MAMAS - AFBM # Alterações Funcionais Benignas da Mama (AFBM), doença fibrocística, displasia da mama: condição clínica caracterizada por mastalgia

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014

I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria. 1st International Breast Imaging Pre-conference Course. 15 de maio de 2014 I Curso Internacional Pre -Congresso de Imaginologia Mama ria 1st International Breast Imaging Pre-conference Course 15 de maio de 2014 Declaração de conflitos de interesse Resolução RDC n.º 96/08 Nunca

Leia mais

ATUALIZAÇÃO 2014 AUTORIA E COLABORAÇÃO

ATUALIZAÇÃO 2014 AUTORIA E COLABORAÇÃO VOLUME 2 AUTORIA E COLABORAÇÃO Flávia Fairbanks Lima de Oliveira Marino Graduada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Especialista e mestre em Ginecologia pelo Hospital das

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA

TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA TEXTO 10 ACHADOS DE IMAGEM NO EXAME DE MAMOGRAFIA NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 Diferentes alterações no tecido mamário podem produzir achados de imagem semelhantes, porém, em alguns casos, esses

Leia mais

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina

Citopatologia mamária. Histologia da mama feminina Citopatologia mamária Puberdade: crescimento das mamas em função do desenvolvimento glandular e da deposição aumentada de tecido adiposo. Mulheres durante o ciclo menstrual: aumento do volume mamário em

Leia mais

1. ASPECTOS HISTOFISIOLÓGICOS DA GLÂNDULA MAMÁRIA

1. ASPECTOS HISTOFISIOLÓGICOS DA GLÂNDULA MAMÁRIA CITOLOGIA MAMÁRIA 2008 aula semi-presencial 2 profª Sandra 1. ASPECTOS HISTOFISIOLÓGICOS DA GLÂNDULA MAMÁRIA A estrutura histológica das glândulas mamárias varia de acordo com o sexo, idade e estado fisiológico.

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca dos possíveis achados ambulatoriais de doenças benignas e malignas da mama, julgue os itens a seguir. 41 A amastia é um processo de má formação caracterizado pela ausência de tecido glandular mamário,

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos Prof.ª Esp. Natália Ficagna ANATOMIA DA MAMA Tecido Glandular + Tecido Conjuntivo +Tecido Adiposo Alvéolo Lóbulo Lobo Ducto Lactífero Seio Lactífero - Mamilo As

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

CÂNCER DE COLO UTERINO

CÂNCER DE COLO UTERINO 16 CÂNCER DE COLO UTERINO INTRODUÇÃO As inflamações do colo uterino (cervicite) são muito freqüentes, mas sem maiores conseqüências. No colo uterino também são freqüentes os carcinomas. O câncer de colo

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

SINTOMAS E SINAIS: DOR, NÓDULOS E SECREÇÕES

SINTOMAS E SINAIS: DOR, NÓDULOS E SECREÇÕES SINTOMAS E SINAIS: DOR, NÓDULOS E SECREÇÕES 22 O sintoma da dor mamária é o mais freqüentemente referido pelas mulheres (mais de 60%), que a associam com uma irreal propensão ao aparecimento de tumor.

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: A TOMOSSÍNTESE NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal

10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal 10º Imagem da Semana: Ultrassonografia Transvaginal Enunciado Paciente de 28 anos, nuligesta, procura atendimento devido à infertilidade conjugal presente há 1 ano. Relata também dismenorreia, disúria

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

Material de Apoio ao aprendizado

Material de Apoio ao aprendizado Material de Apoio ao aprendizado 1 Anamnese pág. 4 - Identificação da paciente - Queixa e duração - História pregressa da moléstia atual - Interrogatório sobre os diversos aparelhos - Interrogatório ginecológico:

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I. OBJETIVOS Geral Capacitar o médico residente em Obstetrícia e Ginecologia a promover a saúde e prevenir, diagnosticar e tratar as

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules.

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules. Citologia Mamária Keratin plug Squamous epithelium Lactiferous sinus Interlobular ducts Lobule with acini Subsidiary duct Terminal (intralobular) ducts Lobules Main ducts 2ª Costela Músculo Grande Peitoral

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE. Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS ULTRASSONOGRAFIA MAMÁRIA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados

Leia mais

Hospital de Base do Distrito Federal - HBDF Unidade de Ginecologia Oncológica / UGON Estágio médico em Ginecologia Oncológica

Hospital de Base do Distrito Federal - HBDF Unidade de Ginecologia Oncológica / UGON Estágio médico em Ginecologia Oncológica 1. Observações gerais: Estágio de capacitação em Ginecologia Oncológica da Unidade de Ginecologia Oncológica (UGON) do Hospital de Base do Distrito Federal: O estágio em Ginecologia Oncológica da Unidade

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 06 - Mastologia Nome do Candidato Caderno de Prova 06, PROVA DISSERTATIVA

Leia mais

MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato

MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato MAMOGRAFIA Prof. Denis Honorato O exame de mamografia é um exame que utiliza raios-x e um aparelho próprio chamado mamógrafo, com ampola composta de Molibdênio, o que permite melhor avaliação de partes

Leia mais

Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Tratamento Conservador do Cancro da Mama Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Sessão Clínica Serviço de Ginecologia Diretora de Departamento: Dra. Antónia Nazaré Diretor de Serviço: Dr. Silva Pereira Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 QUESTÃO 26 As afirmativas abaixo estão corretas, a) Amastia é ausência congênita da mama. b) Amastiaéaausênciadetecidomamário,mascompreservaçãodocomplexo areolo-papilar. c)

Leia mais

HOSPITAL E MATERNIDADE THEREZINHA DE JESUS - HMTJ PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 MASTOLOGIA

HOSPITAL E MATERNIDADE THEREZINHA DE JESUS - HMTJ PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 MASTOLOGIA HOSPITAL E MATERNIDADE THEREZINHA DE JESUS - HMTJ PROVA DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 1) Você receberá do fiscal o seguinte material: MASTOLOGIA REGULAMENTO Leia atentamente as seguintes instruções:

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

TEXTO 4 ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DA MAMA

TEXTO 4 ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DA MAMA TEXTO 4 ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DA MAMA NEYSA APARECIDA TINOCO REGATTIERI 1 1 INTRODUÇÃO Mamas são glândulas sudoríparas apócrinas modificadas da pele cuja função é produzir leite, fonte de alimento para

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Auditoria. Câncer de mama Dr. Luiz Antonio Carvalho

Auditoria. Câncer de mama Dr. Luiz Antonio Carvalho Auditoria Câncer de mama Dr. Luiz Antonio Carvalho Coordenadoria de Regiões de Saúde Grupo Normativo de Auditoria e Controle de Saúde Auditoria de Assistência em Oncologia MAMA Agosto/2010 OLHAR DO AUDITOR

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

PRODUÇÃO ASSISTENCIAL ANO / 2015

PRODUÇÃO ASSISTENCIAL ANO / 2015 PRODUÇÃO ASSISTENCIAL ANO / 2015 ATENDIMENTOS CLÍNICOS / 2015 ATENDIMENTOS MÉDICOS E DE ENFERMAGEM TOTAL Serviço de Emergência Pronto Atendimento Obstétrico 2.011 2.011 Consultas Médicas Ambulatórios 3.103

Leia mais

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal;

CASO 1. Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; SESSÃO INTERATIVA CASO 1 Paciente 19 anos, estudante 2 ano de medicina, realizando exames de rotina solicitada pela ginecologista; Nega história familiar e pessoal; Exame físico: sem particularidades.

Leia mais

residência mastologia

residência mastologia residência RESIDÊNCIA Médica em mastologia CADERNO DO CURSO Reprodução autorizada pelo autor somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino, não sendo autorizada sua reprodução para quaisquer

Leia mais

Raniê Ralph Anatomia Patológica Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Fisiologia mamária Alterações não proliferativas:

Raniê Ralph Anatomia Patológica Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Fisiologia mamária Alterações não proliferativas: Doenças da mama Anomalias do desenvolvimento Amastia: ausência completa da mama. Pode ou não estar acompanhada de ausência/hipodesenvolvimento do músculo peitoral. Faz parte de síndromes como a de Turner.

Leia mais

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON

INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES EM MAMOGRAGIA PROFESSORA KAROLINE RIZZON INCIDÊNCIAS COMPLEMENTARES As incidência complementares são realizadas para esclarecer situações suspeitas detectadas nas incidências

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU Yara Furtado Professora Assistente da UNIRIO Chefe Ambulatório de Patologia Vulvar e Cervical do HUGG Comissão de Título de Qualificação ABPTGIC Descrito em 1952 (Hepler) Laudos citológicos Sistema Bethesda

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010

Clube da Revista. www.cepem.med.br. Ano I - Número I - Julho 2010 Ano I - Número I - Julho 2010 Avaliação ultrassonográfica da recorrência ganglionar em pacientes operadas por câncer de mama. Prezado colega, Acompanhando o ritmo acelerado da produção científica em medicina

Leia mais

Programa de controle de CA de Mama

Programa de controle de CA de Mama Programa de controle de CA de Mama Profª: Dayse Amarílio Estima-se incidência anual de mais de 1.000.000 de casos no séc XXI; CA mais incidente no sexo feminino nos países desenvolvidos e Brasil, o que

Leia mais

Neoplasias dos epitélios glandulares II

Neoplasias dos epitélios glandulares II Neoplasias dos epitélios glandulares II PATOLOGIA II Aula Prática nº4 MAMA: Correlação estrutura/lesão Cél. Basais/mioepiteliais Cél. Basais/mioepiteliais (actina) Cél. luminais Cél. luminais MAMA: Estrutura

Leia mais

PRODUÇÃO ASSISTENCIAL ANO / 2015

PRODUÇÃO ASSISTENCIAL ANO / 2015 PRODUÇÃO ASSISTENCIAL ANO / 2015 ATENDIMENTOS CLÍNICOS / 2015 ATENDIMENTOS MÉDICOS E DE ENFERMAGEM TOTAL Serviço de Emergência Pronto Atendimento Obstétrico Consultas Médicas Ambulatórios Acupuntura Clínica

Leia mais

Diagnóstico de endometriose

Diagnóstico de endometriose Diagnóstico de endometriose Endometriose se caracteriza pelo achado de glândulas e/ou estroma endometrial em locais anormais. Acomete aproximadamente 15% das mulheres em idade fértil tornando-se uma doença

Leia mais

UNIDADE DA MAMA DO HOSPITAL NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS EDITAL - CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MASTOLOGIA- 2016

UNIDADE DA MAMA DO HOSPITAL NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS EDITAL - CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MASTOLOGIA- 2016 UNIDADE DA MAMA DO HOSPITAL NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS EDITAL - CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MASTOLOGIA- 2016 O Serviço de Mastologia do Hospital Nossa Senhora das Graças, vem por meio deste edital, tornar

Leia mais

Células glandulares endometriais: típicas e atípicas. Profª Marcia P. Paim Bióloga/Citotecnologista DIPAT - INCa

Células glandulares endometriais: típicas e atípicas. Profª Marcia P. Paim Bióloga/Citotecnologista DIPAT - INCa Células glandulares endometriais: típicas e atípicas Profª Marcia P. Paim Bióloga/Citotecnologista DIPAT - INCa ANATOMIA DO APARELHO REPRODUTOR FEMININO Endométrio Parte mais interna do útero. Recoberta

Leia mais

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo.

Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 1 INSTRUÇÕES Identifique-se na parte inferior desta capa. Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno, você será excluído do Processo Seletivo. 2 Este Caderno contém 05 casos clínicos e respectivas

Leia mais

Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos. # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa

Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos. # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa 1 Anatomia e fisiologia dos Órgãos Reprodutores Femininos # Divididos em dois grupos: órgãos internos e genitália externa Órgãos Reprodutores Externos (fig.01) - Monte de Vênus (monte pubiano): Constituído

Leia mais

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio?

30/05/2016 DISTORÇÃO ARQUITETURAL DISTORÇÃO ARQUITETURAL. DÚVIDAS DO DIA-A-DIA DISTORÇÃO ARQUITETURAL e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? finas linhas ou espículas irradiando-se de um ponto DÚVIDAS DO DIA-A-DIA e ASSIMETRIAS Como vencer este desafio? retração focal, distorção ou retificação da porção anterior ou posterior do parênquima BI-RADS

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA MAMOGRAFIA PARA O DIAGNÓSTICO DO CÂNCER DE MAMA MASCULINO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA MINISTÉRIO DA SAÚDE INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (INCA) ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE LAUDO NO SISTEMA DE INFORMAÇÃO DO CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA Rio de Janeiro, RJ 2011 2011 Instituto Nacional de Câncer/

Leia mais

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado

Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir. Yara Furtado Lesões precursoras e câncer cervical no ciclo grávido puerperal: como conduzir Yara Furtado Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Lesões precursoras de câncer cervical na gravidez Durante a

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1)

Reunião de casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) Reunião de casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ LUCAS MERTEN Residente de RDI da DIGIMAX (R1) CASO 1 História Clínica Identificação: RN de E. B., 2º dia de vida História fisiológica: RNAT; AIG; cesareana

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARIAÍVA

CONCURSO PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARIAÍVA CADERNO DE PROVA MÉDICO GINECOLOGISTA / OBSTETRA N.º DE INSCRIÇÃO DO(A) CANDIDATO(A) Domingo, 1 de fevereiro de 2015. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 ANTES DE INICIAR

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23 QUESTÃO 17 Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: a) A difusão pagetóide nos ductos interlobulares está muitas vezes presente

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008)

Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) Diagnóstico do câncer de mama Resumo de diretriz NHG M07 (segunda revisão, novembro 2008) De Bock GH, Beusmans GHMI, Hinloopen RJ, Corsten MC, Salden NMA, Scheele ME, Wiersma Tj traduzido do original em

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA Práticas do Técnico de Enfermagem no Atendimento ao Paciente Oncológico Tratamento Cirúrgico - Ginecologia Téc. de Enfermagem Juliana

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Sumário Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Seção 1 Introdução 1 Epidemiologia 3 2 Diretrizes de rastreamento do câncer de mama na população geral e de alto risco 9 3 Mamografia 17 4 BI-RADS ACR (Breast

Leia mais