Aprendendo a Exportar Formas de Comercialização e Modalidades de Pagamento MEDE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aprendendo a Exportar Formas de Comercialização e Modalidades de Pagamento MEDE"

Transcrição

1 Aprendendo a Exportar Formas de Comercialização e Modalidades de Pagamento MEDE

2 Grupo Renata Buscato, Ana Carolina Arantes, Thássio Rocha, João Paulo Teodoro, Rodrigo Fagundes César, Caio Mitidieiro e Edilberto da Costa

3 Nossa Empresa Missão: Indicar a nossos parceiros as melhores alternativas de inserção no comércio global de maneira inovadora e atenta às tendências. Visão: Ser a melhor empresa de trading do Brasil, pautandose em valores éticos e no desenvolvimento. Valores: Contribuir com o bem-estar global ao mediar com eficiência a circulação de produtos.

4 Formas de Comercialização DIRETA O exportador conduz todo o processo de exportação, desde os primeiros contatos até a conclusão da operação. INDIRETA A empresa utiliza recursos de uma empresa mercantil, cuja função é encontrar compradores, outros mercados.

5 Formas de Comercialização DIRETA Contato Direto do Exportador com o Importador Venda por Intermediário de Agente de Exportação ou Representante do Importador Filial de Vendas no Exterior Vendas Pelos Correios Comércio Eletrônico

6 Contato direto do exportador com o importador Identificar o comprador estrangeiro (câmaras de comércio, consulados, missões no exterior). Contato para a negociação das condições de venda: preço, forma de pagamento, prazo de entrega, responsabilidade de cada parte). Requer o mínimo de conhecimento dos processos de exportação.

7 Venda por intermédio de agente de exportação ou representante do importador Pessoa externa: Prospecção de mercado e contato comercial Comercializa seus produtos em troca de remuneração correspondente a um percentual sobre o valor da negociação

8 Venda por intermédio de agente de exportação ou representante do importador Agente é recomendado quando a empresa não tem conhecimento da cultura comercial do mercado-alvo, legislação comercial local, barreiras alfandegárias. Evitar gastos com pesquisa de mercado e com eventuais transtornos na concretização da exportação.

9 Filial de Vendas no Exterior É a extensão das atividades da empresa no mercado de destino, isto é, no país do importador.

10 Exportafácil - Modalidades de serviço Sedex Mundi garantido: 1, 2, 3 ou 4 dias úteis; Expressa (EMS) estimado: de 3 a 7 dias úteis; Mercadoria Econômica estimado: de 14 a 30 dias úteis; Leve Prioritária estimado: de 4 a 13 dias úteis; Leve Econômica estimado: de 14 a 30 dias úteis.

11 Dimensões Máximas dos Produtos Máxima: a soma do comprimento, da largura e da espessura não pode ultrapassar 150cm. Quaisquer dimensões da embalagem (largura, espessura, comprimento, etc.) não pode ter medida superior à 105cm. Mínima: o comprimento não pode ser menor que 14cm e a largura não pode ser menor que 9cm.

12 Dimensões Máximas dos Produtos Máxima: a soma do comprimento, da largura e da espessura não pode ultrapassar 90cm. Quaisquer dimensões da embalagem (largura, espessura, comprimento, etc.) não pode ter medida superior a 60cm. Mínima: a comprimento não pode ser menor que 14cm e a largura não pode ser menor que 9cm.

13 Seguros Seguro Automático Sedex mundi: R$ 450,00 Expressa (ems): R$ 200,00 Mercadoria econômica: R$ 100,00 Leve prioritária: R$ 100,00 Leve econômica: R$ 100,00

14 Seguros Seguro Opcional Assegurar a diferença do valor coberto pelo seguro automático gratuito e aquele indicado no Formulário de Postagem (AWB) O prêmio de seguro é de 0,5% (exceto no caso do EMS, cujo valor corresponte a 1%)

15 Calculando Preços Para calcular o preço do seguro opcional, devemos calcular um prêmio de 0,5% ou 1% do valor declarado do produto a ser transportado após subtraído o valor do seguro automático;

16 Vantagens Do Exportafácil Simplificação das atividades postais e alfandegários; Existe um formulário único de postagem do serviço (AWB); Dispensa do Registro de Exportador e Importador (REI) e do Registro de Exportação (RE).

17 Desembaraço Alfandegário Agilidade no processo alfandegário; Os correios assumem perante a alfândega tanto o perfil de exportador como o de depositário; Os Correios assumem unidades da alfândega em seu centros operacionais, tornando o processo mais rápido e seguro; Todo o processo é baseado na DSE eletrônica (Declaração Simplificada de Exportação) amostras não necessitam de registro de exportação;

18 Limitações do DSE Limite de US$ 50 mil aumentada pela Instrução Normativa nº 846/08; A pessoa física poderá exportar apenas mercadoria em quantidade que não revelem prática de comércio e desde de que não se configure habitualidade.

19 Limitações do DSE Limite de US$ 50 mil aumentada pela Instrução Normativa nº 846/08; A pessoa física poderá exportar apenas mercadoria em quantidade que não revelem prática de comércio e desde de que não se configure habitualidade. Podem ser exportadas mercadorias, a titulo de ajuda humanitária, em casos de guerra ou calamidade pública por instituição de assistência social; órgão ou entidade da administração pública.

20 Dúvidas - AWB (formulário de postagem) Deve-se saber o NCM consulta disponível no site dos correios. A folha suplementar serve para descrever o conteúdo do campo Informações para a Alfândega. Tipos de remessa Documento, Presentes, Amostra de mercadoria, Mercadoria para vendas.

21 Comércio eletrônico E-commerce: a realização de negócios de compra e venda de bens e serviços com a utilização da Internet. Proporciona atendimento direto ao consumidor de modo mais rápido e simples, a um custo reduzido. A grande vantagem para a empresa é que a Internet funciona como uma vitrine mundial, podendo expor seus produtos para milhões de consumidores.

22 Desempenho anual do Brasil E-commerce - Comércio varejista virtual: 2001 = faturamento de R$ 0,54 bilhão 2002 = faturamento de R$ 0,85 bilhão (+ 55% ref. 2001) 2003 = faturamento de R$ 1,18 bilhão (+ 39% ref. 2002) 2004 = faturamento de R$ 1,75 bilhão (+ 48% ref. 2003) 2005 = faturamento de R$ 2,50 bilhões (+ 43% ref. 2004) 2006 = faturamento de R$ 4,40 bilhões (+ 76% ref. 2005) 2007 = faturamento de R$ 6,40 bilhões (+ 45% ref. 2006) 2008 = faturamento de R$ 8,20 bilhões (+ 28% ref. 2007) 2009 = faturamento de R$ 10,6 bilhões (+ 29% ref. 2008) Fonte:

23 Business to Business B2B É o nome dado ao comércio associado a operações de compra e venda, de informações, de produtos e de serviços através da Internet ou através da utilização de redes privadas partilhadas entre duas empresas, substituindo assim os processos físicos que envolvem as transações comerciais. O B2B pode proporcionar diversas vantagens para a empresa, dentre os quais: novas oportunidades de negócios, ampliação da carteira de clientes, redução de custos e aumento de receita.

24 Business to Consumer B2C É o comércio efetuado diretamente entre a empresa produtora, vendedora ou prestadora de serviços e o consumidor final, através da Internet. As empresas têm a possibilidade de vender diretamente para o consumidor final. A característica do B2C é que o consumidor pode visualizar os produtos, suas características, optar pela compra do bem e selecionar o meio de pagamento que lhe for mais conveniente.

25 Ferramentas de Apoio da Internet Vitrine do Exportador: tem como finalidade promover as empresas exportadoras, proporcionando maior visibilidade aos seus produtos no mercado internacional. Por meio de módulos de consulta, importadores potenciais poderão pesquisar informações pelo nome da empresa, por produto ou por mercado. Catálogo de Exportadores Brasileiros: traz informações atualizadas sobre empresas exportadoras, facilita a prospecção de negócios e possibilita o estabelecimento de canais de comunicação entre exportadores e importadores.

26 Formas de Comercialização INDIRETA SPE Sociedade de Propósito Específico Venda a empresas comerciais exportadoras e a "trading companies" Venda no mercado interno para outras empresas que,então, exportam por sua conta Representantes de compradores externos, localizados no mercado interno

27 SPE Sociedade de Propósito Específico Microempresas ou empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional poderão realizar negócios de compra e venda de bens, para o mercado nacional e internacional, por meio de Sociedade de Propósito Específico. Em outras palavras é a possibilidade de o consórcio revestir-se formalmente de personalidade jurídica. Central de vendas Possibilidade de armazenamento em conjunto e regularidade na logística de entrega. Participação em processos com volumes mínimos de aquisição. Possibilidade de vendas de kits ou produtos que trazem sinergia entre si. Barateamento das atividades de marketing e divulgação.

28 Venda a empresas comerciais exportadoras e a "trading companies" As empresas comerciais exportadoras podem facilitar o acesso a mercados já estabelecidos, em vista de seu know how e de seus contatos. Além disso a operação equipara-se, para fins de benefícios fiscais e de acesso a financiamentos na fase pré-embarque, a uma venda direta.

29 Venda no mercado interno para outras empresas que,então, exportam por sua conta Do ponto de vista do fabricante, estas vendas não diferem das normais. Não foi a própria empresa produtora - mas sim uma outra - que percebeu o potencial do produto para ser inserido no mercado internacional. Ela, então, corre todos os riscos envolvidos e se encarrega de todos os detalhes referentes à exportação, em muitos casos sem a ciência do próprio fabricante. (muitas empresas, na verdade, só se interessam pela possibilidade de exportar quando descobrem que os seus produtos já estão sendo vendidos no exterior).

30 Representantes de compradores externos, localizados no mercado interno Existem várias empresas que compram produtos no mercado nacional para enviar para o exterior. Estes exportadores constituem um amplo mercado para uma grande variedade de bens e serviços. Neste caso, a empresa sabe que o seu produto está sendo exportado, mas continua sem participar do processo de exportação.

31 Modalidades de pagamento Pagamento antecipado Remessa sem Saque Cobrança Documentária Carta de Crédito

32 Pagamento Antecipado O importador remete previamente o valor da transação, após o que, o exportador providencia a exportação da mercadoria e o envia da respectiva documentação. Do ponto de vista cambial, o exportador deve providenciar, obrigatoriamente, o contrato de câmbio, antes do embarque junto a um banco, pelo qual receberá reais em troca da moeda estrangeira. Cuja conversão é definida pela taxa de câmbio vigente no dia. Esta modalidade de pagamento não é muito freqüente pois coloca o importador na dependência do exportador.

33 Remessa sem Saque O importador recebe diretamente do exportador os documentos de embarque, sem o saque, promove o desembaraço da mercadoria na alfândega e, posteriormente, providencia a remessa da quantia respectiva diretamente para o exportador. Esta modalidade de pagamento é de alto risco para o exportador, uma vez que em caso de inadimplência, não há nenhum titulo de credito que lhe garante a possibilidade de protesto e inicio de ação judicial. Quando existe confiança entre o comprador e o vendedor, possui algumas vantagens entre as quais. - A agilidade na tramitação de documentos. - A isenção ou redução de despesas bancárias.

34 Cobrança Documentária Os bancos manuseiam documentos. O resultado da cobrança documentária não é de responsabilidade dos bancos.

35 Carta de Crédito Conhecida por crédito documentário Modalidade de pagamento mais difundida no comércio internacional É uma ordem de pagamento condicionada É um instrumento emitido por um banco (o banco emitente), a pedido de um cliente (o tomador do crédito). De conformidade com instruções deste, o banco compromete-se a efetuar um pagamento a um terceiro (o beneficiário), contra entrega de documentos estipulados, desde que os termos e condições do crédito sejam cumpridos. Por termos e condições do crédito, entende-se a concretização da operação de acordo com o combinado, especialmente no que diz respeito aos seguintes itens: valor do crédito, beneficiário e endereço, prazo de validade para embarque da mercadoria, prazo de validade para negociação do crédito, porto de embarque e de destino, discriminação da mercadoria, quantidades, embalagens, permissão ou não para embarques parciais e para transbordo, conhecimento de embarque, faturas, certificados, etc.

Relatório Aprendendo a Exportar

Relatório Aprendendo a Exportar Relatório Aprendendo a Exportar Encontro 3 Grupo 1: Correios Os Correios Os correios é a empresa responsável por 85% do fluxo postal da América Latina, e foi eleito o melhor correio do mundo pela revista

Leia mais

AGÊNCIA CENTRAL CORREIOS ARARAQUARA EXPORTA FÁCIL

AGÊNCIA CENTRAL CORREIOS ARARAQUARA EXPORTA FÁCIL AGÊNCIA CENTRAL CORREIOS ARARAQUARA EXPORTA FÁCIL Inove com os Correios 5561 municípios 45 Milhões de domicílios visitados por dia 47 mil empresas clientes 120 mil empregados 56 mil carteiros 24 mil atendentes

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Agência para a Promoção de Investimento e Exportações MANUAL DO EXPORTADOR Procedimentos Administrativos Luanda, 10 de Julho de 2015 INDICE I. INTRODUÇÃO 2 II. PREAMBULO...2 III.

Leia mais

MÓDULO 7 A política brasileira para exportar

MÓDULO 7 A política brasileira para exportar MÓDULO 7 A política brasileira para exportar Sob o ponto de vista da economia nacional, um dos principais motivos para um país exportar é a necessidade que ele tem para pagar suas importações. Já, analisando

Leia mais

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014

Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 Prof.Msc.Ricardo Lozano PUCGOIAS 2014 FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1 - PLANEJAMENTO Novos mercados Mais lucros Mais empregos Maior escala de produção e vendas Separar uma parte da produção para o mercado interno

Leia mais

Unidade III SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade III SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade III SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Profa. Lérida Malagueta Pontos de vista da exportação Exportação: é o ato de vender os produtos e serviços de sua empresa em um mercado fora do território

Leia mais

Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009

Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009 Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das

Leia mais

Métodos de Importação para Pesquisa Científica

Métodos de Importação para Pesquisa Científica Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul Métodos de Importação para Pesquisa Científica Setor de Importação FUNDECT Marcelo Alves Teixeira importacao@fundect.ms.gov.br

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA IMPORTAÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA IMPORTAÇÃO PROCEDIMENTOS PARA IMPORTAÇÃO INTRODUÇÃO GERAL A UFOP como instituição de pesquisa, está isenta pela Lei 8.010/90 do pagamento dos impostos na importação de bens destinados exclusivamente à pesquisa científica

Leia mais

CARTÃO BNDES. Cartão BNDES

CARTÃO BNDES. Cartão BNDES Cartão BNDES Objetivos do Cartão BNDES Estabelecer maior proximidade com as Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPME) Agilizar o acesso aos recursos financeiros do BNDES Disponibilizar financiamento automático

Leia mais

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente.

As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Capitulo 10: Tipos de exportação As exportações de bens podem ocorrer, basicamente, de duas formas: direta ou indiretamente. Diretamente: quando o exportador fatura e remete o produto ao importador, mesmo

Leia mais

PORTARIA No - 86, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015

PORTARIA No - 86, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015 PORTARIA No - 86, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2015 Altera a Portaria SECEX no 23, de 14 de julho de 2011, para dar nova redação aos arts. 110, 118, 132, 142, 152, 158, e 203, e aos Anexos VI, VII, IX, XI e XII.

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet São José do Rio Preto - SP 29.setembro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas

Leia mais

Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ

Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ O Consórcio Fiat tem satisfação em participar da realização do seu projeto. Agora que você foi contemplado, siga as instruções abaixo para concluir o processo de aquisição

Leia mais

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos

Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Apoio do BNDES Indústria de Equipamentos e Materiais Médicos, Hospitalares e Odontológicos Seminário Internacional sobre Diretivas RoHS e WEEE Brasília, 08 de fevereiro de 2011 Complexo Industrial da Saúde

Leia mais

GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio.

GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio. GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio. 2 Apresentação Milhões de brasileiros já estão aproveitando os benefícios de ser um Microempreendedor Individual.

Leia mais

Exporta Fácil. Comercialização para o exterior

Exporta Fácil. Comercialização para o exterior Comercialização para o exterior Comercialização para o exterior Comercialização para o exterior Preparar a Exportação e postar via Comercialização para o exterior Comercialização para o exterior Invoices

Leia mais

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios Correios Quem somos? Empresa de administração pública. Missão: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para conectar pessoas,

Leia mais

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista

Renda Variável Dólar a Vista. Renda Variável. Dólar a Vista Renda Variável O produto As operações no mercado de câmbio contemplam a negociação de moedas estrangeiras entre participantes com diferentes objetivos. Podem ser divididas, basicamente, em operações do

Leia mais

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan

PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA. Edmilson Milan PRÓS E CONTRAS NA TROCA DE MOEDA Edmilson Milan DÓLAR x REAL Eleições 2002 Crise 2008 Janeiro 1999 DÓLAR x YEN DÓLAR x EURO CENÁRIOS FINANCEIROS A construção de cenário pode contemplar, entre outros: Inflação;

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações A presente relação de códigos fiscais é baseada no Convênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

Procedimentos para exportação

Procedimentos para exportação Procedimentos para exportação Fundamentos de Comércio Exterior Prof. 1. Inscrição da empresa em dois cadastros: REI (MDIC/SECEX) e Radar (MF /SRF); 2. Análise mercadológica: avaliação do potencial do mercado

Leia mais

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações 1 PROEX Programa de Financiamento às Exportações 2 Banco do Brasil e o Exportador Garantias Crédito Serviços Mecanismos de Apoio às Exportações 3 ACC/ACE Banco do Brasil e o Exportador Linhas de Crédito

Leia mais

Importação: Regras básicas

Importação: Regras básicas Importação: Regras básicas Pagamentos de importação de mercadorias em Angola 1 Procure o Ministério do Comércio (MINCO) para proceder ao registo de Exportador e Importador (REI). 3 Negocie com seu Exportador/Fornecedor:

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES

HISTÓRICO DE REVISÕES PÁGINA: 1/13 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD ÁREAS SIEX/ QUALIDADE CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 010 TíTULO: IMPORTAR COM COBERTURA CAMBIAL ELABORADO EM: 11/02/2014 REVISADO EM: 12/02/2014 APROVADO

Leia mais

CARTÃO BNDES. Nome do Banco Emissor. Departamento de Operações de Internet - BNDES. 22 de agosto de 2007

CARTÃO BNDES. Nome do Banco Emissor. Departamento de Operações de Internet - BNDES. 22 de agosto de 2007 CARTÃO BNDES Departamento de Operações de Internet - BNDES Nome do Banco Emissor 22 de agosto de 2007 Agenda Um novo produto no mercado Conceito O Portal de Operações do Cartão BNDES Rede de Compradores

Leia mais

TERMO DE CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO IMPORTA FÁCIL

TERMO DE CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO IMPORTA FÁCIL TERMO DE CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO IMPORTA FÁCIL 1. OBJETO DO TERMO 1.1. Este TERMO apresenta as condições gerais de prestação dos serviços de entrega desembaraço aduaneiro, consignados

Leia mais

Produto ou Serviço Descrição da Tarifa Cobrança por Valor EXPORTAÇÃO. Prestação Transferência R$ 300,00

Produto ou Serviço Descrição da Tarifa Cobrança por Valor EXPORTAÇÃO. Prestação Transferência R$ 300,00 Tarifas máximas definidas pelo Santander * Valores vigentes a partir de 16/05/2011 Produto ou Serviço Descrição da Tarifa Cobrança por Valor EXPORTAÇÃO Prestação Transferência R$ 300,00 Aviso ou pré-aviso

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato de Cartão de Crédito

Sumário Executivo do Contrato de Cartão de Crédito Sumário Executivo do Contrato de Cartão de Crédito O Personnalité, sempre preocupado em manter a total transparência com você, preparou um resumo do contrato do seu cartão. Lembre que este é apenas um

Leia mais

acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 ACC E ACE Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

Competitividade global: métodos e experiências

Competitividade global: métodos e experiências Competitividade global: métodos e experiências Nicola Minervini Caxias do Sul, RS 02/10/2013 Competitividade Método Inovação Internacionalização Os desafios da empresa na globalização Custo Brasil X

Leia mais

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC.

Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do HSBC. Leia estas informações importantes para aproveitar todas as vantagens do seu novo cartão de crédito. Resumo do Contrato de seu Cartão de Crédito do

Leia mais

MANUAL CADASTRAMENTO SITE EXPORTA FÁCIL PRÉ-POSTAGEM DOCUMENTO

MANUAL CADASTRAMENTO SITE EXPORTA FÁCIL PRÉ-POSTAGEM DOCUMENTO MANUAL CADASTRAMENTO SITE EXPORTA FÁCIL PRÉ-POSTAGEM DOCUMENTO Brasília 2016 CADASTRO PRÉ-POSTAGEM O Exporta Fácil é uma linha de serviços destinada a pessoas jurídicas ou físicas que desejam expandir

Leia mais

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação PROSOFT Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Prosoft Exportação Florianópolis, 16 de novembro de 2009 1 Apresentação do BNDES Fundado

Leia mais

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO

ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO ROADMAP INTERNACIONALIZAÇÃO Castelo Branco 19 de Fevereiro de 2015 DO S AND DONT S DA INTERNACIONALIZAÇÃO DONT S Aventureiro Internacionalização para salvar a minha empresa Follow up 1 mês depois Mercados

Leia mais

Área exclusiva do Contador. Versão 2.3 (03/2016) Versão 2.3 (03/2016)

Área exclusiva do Contador. Versão 2.3 (03/2016) Versão 2.3 (03/2016) Área exclusiva do Contador Versão 2.3 (03/2016) Versão 2.3 (03/2016) SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 APRESENTAÇÃO... 4 O QUE É GISSONLINE?... 4 FILOSOFIA DA GISSONLINE... 4 BENEFÍCIOS QUE A GISSONLINE OFERECE...

Leia mais

DERRUBANDO AS FRONTEIRAS PARA OS PRODUTOS BRASILEIROS

DERRUBANDO AS FRONTEIRAS PARA OS PRODUTOS BRASILEIROS DERRUBANDO AS FRONTEIRAS PARA OS PRODUTOS BRASILEIROS OTIMIZANDO EXPORTAÇÕES FAZER O BRASIL CHEGAR CADA VEZ MAIS LONGE ESSA É A MISSÃO DO PROJETO BRASIL TRADE ESSA É A SUA GRANDE OPORTUNIDADE PROJETO BRASIL

Leia mais

Tomador Versão 2.3 (06/2016)

Tomador Versão 2.3 (06/2016) Tomador Versão 2.3 (06/2016) Sumário INTRODUÇÃO... 3 APRESENTAÇÃO... 3 O QUE É GISSONLINE?... 3 FILOSOFIA DA GISSONLINE... 3 BENEFÍCIOS QUE A GISSONLINE OFERECE... 3 1º ACESSO DE EMPRESAS ESTABELECIDAS

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material Usado Decreto nº 6.759/09

Leia mais

Comércio Eletrônico. Professores: Carla Plantier Message Marcelo Zorzan

Comércio Eletrônico. Professores: Carla Plantier Message Marcelo Zorzan Comércio Eletrônico Professores: Carla Plantier Message Marcelo Zorzan e-commerce A utilização de meios eletrônicos para a realização de transações comerciais recebe o nome de Comércio Eletrônico, e-commerce.

Leia mais

1ºRegistro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão importados.

1ºRegistro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão importados. 1 IMPORTAR FÁCIL IMPORTAÇÃO FÁCIL: SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1ºRegistro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão importados.

Leia mais

Selo Autêntico. Programa de Parcerias e. Micro Franquias

Selo Autêntico. Programa de Parcerias e. Micro Franquias Programa de Parcerias e Micro Franquias O Mercado Você conhece alguém que usa e-mail? Obviamente que sim. A pergunta deveria ser: Quem não usa? Segundo a ONU, em 2014 a população mundial com acesso à internet

Leia mais

PROJETO START EXPORT/PAIIPME. Florianópolis, 28/11/2008

PROJETO START EXPORT/PAIIPME. Florianópolis, 28/11/2008 PROJETO START EXPORT/PAIIPME Florianópolis, 28/11/2008 Estrutura da Apresentação ü Histórico ü Fundamentos ü Público-alvo ü Descrição do produto ü Etapas de desenvolvimento na empresa ü Principais benefícios

Leia mais

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016 Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016 Programa de Financiamento às Exportações - PROEX O PROEX foi instituído pelo Governo Federal para proporcionar às exportações brasileiras

Leia mais

Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de São Paulo Projeto Nota Fiscal Paulista

Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de São Paulo Projeto Nota Fiscal Paulista Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de São Paulo Projeto Nota Fiscal Paulista 14/08/07 OBJETIVO Incentivar os adquirentes de mercadorias, bens e serviços de transporte interestadual e intermunicipal

Leia mais

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09

Banco do Brasil. Divulgação do Resultado 1T09 Banco do Brasil Divulgação do Resultado 1 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados

Leia mais

BRITCHAM - CORPORATE DAY

BRITCHAM - CORPORATE DAY BRITCHAM - CORPORATE DAY PAINEL 4 - FINANCIAMENTO Antonio Giglio Neto 23 de março de 2016 SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO I O Papel do Mercado Financeiro e de Capitais na Atividade Econômica II Legislação Relevante

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 25/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 25/2016 ANO XXVII - 2016-3ª SEMANA DE JUNHO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 25/2016 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IRPF - COMUNICAÇÃO DE SAÍDA DEFINITIVA DO PAÍS - 2016 - NORMAS GERAIS... Pág. 360 IMPOSTO DE RENDA

Leia mais

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM E-COMMERCE?

VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM E-COMMERCE? VOCÊ JÁ OUVIU FALAR EM E-COMMERCE? E-COMMERCE, OU COMÉRCIO ELETRÔNICO, É A FORMA ON-LINE DE COMPRA E VENDA. É UM TIPO DE TRANSAÇÃO COMERCIAL FEITA ATRAVÉS DE UM EQUIPAMENTO ELETRÔNICO, COMO POR UM COMPUTADOR,

Leia mais

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS

OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÕES DE COMÉRCIO EXTERIOR LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO COTAS E INFORMAÇÕES GERAIS LEGISLAÇÃO Portaria SECEX Nº 23/11 - Tratamento Administrativo Portaria DECEX nº 08/91 - Material

Leia mais

12. CHEQUES (OUTROS CLIENTES)

12. CHEQUES (OUTROS CLIENTES) 12.1. Requisição e entrega de módulos de cheque REQUISIÇÃO Máquina de cheques Internet ATM Personalizado ENTREGA Self - Cheque 1. Cheque cruzado (2) 1.1 À ordem standard - Com data de validade Nº de cheques:

Leia mais

proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 PROEX PROGRAMA DE financiamento ÀS EXPORTAÇÕES Como as micro, pequenas e médias

Leia mais

Bem-vindo ao Cartão de Crédito Bradesco Compras Visa. Informações ao Associado

Bem-vindo ao Cartão de Crédito Bradesco Compras Visa. Informações ao Associado Bem-vindo ao Cartão de Crédito Bradesco Compras Visa. Informações ao Associado PREZADO(A) ASSOCIADO(A), Seja bem-vindo(a) ao grupo de clientes que utilizam as vantagens do Cartão de Crédito Bradesco Compras

Leia mais

PORTAL DO CARTÃO BNDES

PORTAL DO CARTÃO BNDES DO CARTÃO DO CARTÃO 3 6 O ADQUIRENTE PARA 8 9 PRODUTOS CONTRATADOS 10 11 12 13 14 2 DO CARTÃO A É A MAIS NOVA ADQUIRENTE DO CARTÃO. VOCÊ PODE ESCOLHER A ADQUIRENTE DAS VENDAS REALIZADAS PELA SUA EMPRESA

Leia mais

Políticas E-commerce

Políticas E-commerce Políticas E-commerce Entregas:... 2 Trocas / Devoluções e Reembolsos:... 3 Pedidos e Prazos:... 6 Pagamento, Preços e Promoções:... 7 Minha compra com cartão de crédito no Pagseguro foi cancelada o que

Leia mais

TRIBUTAÇÃO SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR Imposto de Importação Imposto de Exportação. Prof. Marcelo Alvares Vicente

TRIBUTAÇÃO SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR Imposto de Importação Imposto de Exportação. Prof. Marcelo Alvares Vicente TRIBUTAÇÃO SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR Imposto de Importação Imposto de Exportação Prof. Marcelo Alvares Vicente Tributação sobre o Comércio Exterior Necessidade de análise sistemática do Ordenamento jurídico

Leia mais

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES

HISTÓRICO DE REVISÕES PÁGINA: 1/10 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD ÁREAS SIEX/ QUALIDADE CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 010 TíTULO: ANALISAR PROCESSO PARA CONTRATAÇÃO CAMBIAL ELABORADO EM: 12/02/2014 REVISADO EM: 12/03/2014

Leia mais

PASSO-A-PASSO ENTREGA DA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2017 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

PASSO-A-PASSO ENTREGA DA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2017 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PASSO-A-PASSO ENTREGA DA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2017 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Atualização: Março/2017 Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física para o Microempreendedor Individual

Leia mais

Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna

Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna Recife Salvador Brasília Ribeirão Preto Campinas São Paulo (3) 105 Gerentes de Negócios Internacionais Belo Horizonte 80 Consultores Rio de Janeiro Curitiba

Leia mais

Prestador Versão 2.3 (03/2016)

Prestador Versão 2.3 (03/2016) Prestador Versão 2.3 (03/2016) Sumário INTRODUÇÃO... 4 APRESENTAÇÃO... 4 O QUE É GISSONLINE?... 4 FILOSOFIA DA GISSONLINE... 4 BENEFÍCIOS QUE A GISSONLINE OFERECE... 4 1º ACESSO DE EMPRESAS ESTABELECIDAS

Leia mais

Contrato de Câmbio na Exportação.

Contrato de Câmbio na Exportação. Contrato de Câmbio na Exportação. A Momento da Contratação B Liquidação do contrato de câmbio C Alteração D Cancelamento E Baixa do Contrato de Câmbio F Posição de Câmbio: nivelada, comprada e vendida.

Leia mais

ANO XXVII ª SEMANA DE AGOSTO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 33/2016

ANO XXVII ª SEMANA DE AGOSTO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 33/2016 ANO XXVII 2016 3ª SEMANA DE AGOSTO DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 33/2016 IMPORTAÇÃO/EXPORTAÇÃO REGIME ESPECIAL DE DRAWBACK... Pág. 213 ICMS - MG DIFERIMENTO DO ICMS EM OPERAÇÕES INTERESTADUAIS COM DESPERDÍCIOS

Leia mais

Painel I: Negócios não-financeiros no BB. Denilson Gonçalves Molina Diretor de Cartões

Painel I: Negócios não-financeiros no BB. Denilson Gonçalves Molina Diretor de Cartões Painel I: Negócios não-financeiros no BB Denilson Gonçalves Molina Diretor de Cartões Mercado Brasileiro de Cartões 312,7 R$ bilhões 265,1 18,0% 41,7 Private Label 37,1 12,5% 90,6 Débito 74,8 21,1% 153,2

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais Fiscal Configurar Impostos Fiscais Objetivo Configurar todos os impostos que refletirão na Nota Fiscal de Saída. Pré- Requisitos As Taxas Tributárias dos Produtos devem ser devidamente cadastradas ( Fiscal

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia.

Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais. Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais. cadeia e estratégia. Módulo 5 Fortalecimento de Vínculos Comerciais Criação de vínculos comerciais verticais e horizontais Módulos Delimitação do projeto Análise da cadeia e estratégia Implementação Monitoria 0 Decisão sobre

Leia mais

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 130/2016 22 de agosto de 2016 Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes Por meio deste Informe Técnico, a Aprosoja orienta o agricultor quanto às

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR ECRETO Nº 4.459, E 26 E JANEIRO E 2010. ALTERA O REGULAMENTO O ICMS, APROVAO PELO ECRETO Nº 35.245, E 26 E EZEMBRO E 1991, PARA IMPLEMENTAR AS ISPOSIÇÕES O CONVÊNIO ICMS Nº 84, E O AJUSTE SINIEF Nº 11,

Leia mais

GUIA DO UTILIZADOR CARTÕES - SÓCIO DA SELEÇÃO NACIONAL 01 VANTAGENS DO CARTÃO

GUIA DO UTILIZADOR CARTÕES - SÓCIO DA SELEÇÃO NACIONAL 01 VANTAGENS DO CARTÃO GUIA DO UTILIZADOR CARTÕES - SÓCIO DA SELEÇÃO NACIONAL BEM-VINDO À SELEÇÃO NACIONAL Agora que recebeu o seu cartão de sócio da Seleção Nacional é oficial: É só da equipa de todos nós. É este cartão de

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO UNIVERSIDAD DE SEVILLA EDITAL DRE n 045/16

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO UNIVERSIDAD DE SEVILLA EDITAL DRE n 045/16 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO ACADÊMICO UNIVERSIDAD DE SEVILLA EDITAL DRE n 045/16 A PONTIFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS, por intermédio do Departamento de Relações Externas, torna pública a abertura

Leia mais

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL

APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL APLICAÇÃO DO BPM PARA REESTRUTURAÇÃO DO PORTFÓLIO DE SERVIÇOS DA APEX-BRASIL BPM Congress Brasília, 27 de novembro de 2012. Carlos Padilla, CBPP, Assessor da Gerência de Negócios. PANORAMA DA APEX-BRASIL

Leia mais

LOGÍSTICA A Logística no Processo de Exportação

LOGÍSTICA A Logística no Processo de Exportação LOGÍSTICA A Logística no Processo de Exportação Associação dos Transitários de Portugal Joana Nunes Coelho ÍNDICE 1. A Apat Associação dos Transitários de Portugal 2. A Logística no processo de exportação

Leia mais

TERMO DE PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES DE ENCOMENDAS

TERMO DE PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES DE ENCOMENDAS TERMO DE PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES DE ENCOMENDAS 1 OBJETO DO TERMO Com o intuito de retribuir a preferência dos clientes de serviços de encomendas dos CORREIOS que possuem

Leia mais

Proposta de Admissão. Direção e Principais objetivos. Benefícios oferecidos aos associados. Estrutura de atendimento ao Associado.

Proposta de Admissão. Direção e Principais objetivos. Benefícios oferecidos aos associados. Estrutura de atendimento ao Associado. Proposta de Admissão A ABLA Fundada há 39 anos, a partir da união de empresas do setor, é hoje a única associação de abrangência nacional que representa o setor de locação no Brasil. Com duas sedes: uma

Leia mais

SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO

SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO SUSPENSÃO ISENÇÃO RESTITUIÇÃO DRAWBACK 1. CONCEITO Drawback é o regime especial que consiste na importação com suspensão, isenção ou restituição dos tributos, de insumos destinados a integrar produtos

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010. OPERAÇÃO BACK TO BACK - Aspectos Contábeis Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 16/11/2010. 1 - INTRODUÇÃO 2 - TRATAMENTO FISCAL 3 - TRATAMENTO CONTÁBIL 1 - INTRODUÇÃO As chamadas operações

Leia mais

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato.

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato. Projeto Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS Palestra de sensibilização Na Medida Compreender a relevância do papel dos micro e pequenos empresários na economia brasileira e a necessidade da adoção das melhores

Leia mais

CIRCULAR Nº Às instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes.

CIRCULAR Nº Às instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes. CIRCULAR Nº 1563 Às instituições credenciadas a operar no mercado de câmbio de taxas flutuantes. Altera o regulamento do mercado de câmbio de taxas flutuantes - atualização nº 6. A Diretoria do Banco Central

Leia mais

Metodologia Conglomerado

Metodologia Conglomerado Metodologia Conglomerado Analisa a influência do controlador e empresas controladas na empresa analisada: composição do grupo e análise do Balanço Consolidado Metodologia Capital Avalia os aspectos econômico-financeiros

Leia mais

Declaração Anual do Simples Nacional

Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Anual do Simples Nacional Declaração Original Exercício 2010 Ano-Calendário 2009 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2009 a 31/12/2009 1 Identificação do Contribuinte CNPJ Matriz: 00559582/0001-40

Leia mais

SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 15, DE 22 DE JANEIRO DE 2009

SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 15, DE 22 DE JANEIRO DE 2009 DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 8ª Região Fiscal SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 15, DE 22 DE JANEIRO DE 2009 Assunto: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social - Cofins TRIBUTAÇÃO CONCENTRADA. REGIME DE APURAÇÃO

Leia mais

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos

Hospital Unimed de Piracicaba. Investimentos + Fontes Financiamentos Hospital Unimed de Piracicaba Investimentos + Fontes Financiamentos Base: 06/2007 Fontes de Financiamentos: BIRD Banco Mundial BID Banco do Brasil BNDES FINEP Ex Im Bank Crédito Mobiliário Bancos Privados.

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS FIESP CIESP Ricardo Cunha da Costa Assessor da Área de Infraestrutura BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social 24 de Abril de 2009 1 Missão e Visão

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Aracaju-SE 14.março.2016 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada

Leia mais

TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES

TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES Fonte site BNA TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES 1. Posso efectuar pagamentos em moeda estrangeira para bens ou serviços adquiridos no país? Não. Os pagamentos devidos pela aquisição

Leia mais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais

POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais POL-006 Política de Investimentos Pessoais (versão 01/2016) Sumário 1. Objetivo... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. Considerações Gerais... 1 4. Vínculos... 1

Leia mais

Café da Manhã com Investidores. Paulo Caffarelli Presidente 23 de setembro de 2016

Café da Manhã com Investidores. Paulo Caffarelli Presidente 23 de setembro de 2016 Café da Manhã com Investidores Paulo Caffarelli Presidente 23 de setembro de 2016 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas

Leia mais

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições

Novas políticas OPERACIONAIS. Condições Novas políticas OPERACIONAIS Condições Destaques 02 Ampliação de ACESSO AO CRÉDITO Ampliação de ACESSO A GARANTIAS Ampliação de ACESSO A CAPITAL DE GIRO com operações diretas (sem intermediação de agente

Leia mais

DOU-LHE UMA, DOU-LHE DUAS, VENDIDO!

DOU-LHE UMA, DOU-LHE DUAS, VENDIDO! DOU-LHE UMA, DOU-LHE DUAS, VENDIDO! TRANSFORME SEU ESTOQUE EM DINHEIRO A Bolsa de Leilões é uma empresa especializada em leilões do varejo, que atua na assessoria, consultoria, planejamento, organização

Leia mais

TOTVS - Microsiga Protheus Comércio Exterior

TOTVS - Microsiga Protheus Comércio Exterior 30/06/2011 Sumário Sumário... 2 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 Novas funcionalidades... 3 1.2 Demurrage por Contêiner... 3 1.3 Importação por Conta e Ordem... 3 1.4 Workflor... 4 1.5 Custeio de Armazenagem...

Leia mais

Dados do fabricante x despacho aduaneiro: redobre a sua atenção

Dados do fabricante x despacho aduaneiro: redobre a sua atenção Dados do fabricante x despacho aduaneiro: redobre a sua atenção O conceito de fabricante é do conhecimento de todos porque de fácil assimilação: fabricante é todo aquele que fabrica um produto. Porém,

Leia mais

Ebury Gestão do risco cambial

Ebury Gestão do risco cambial Ebury Gestão do risco cambial Apresentado por Duarte Líbano Monteiro Diretor Geral para Península Ibérica ebury.pt 2 Agenda 01 Ebury: soluções de câmbios à medida da sua empresa 02 Gestão do risco cambial

Leia mais