Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS"

Transcrição

1 Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS

2 Grande redução da desnutrição em crianças menores de 5 anos de idade nas últimas décadas: alcance antecipado de meta do 1 Objetivo de Desenvolvimento do Milênio (redução da pobreza extrema). 19,6% 13,4% 8,3% 6,7% 73% 7,3% 7,2% 5,4% 4,2% 1,8% Baixo peso Baixa estatura Excesso de peso Fontes: PNSN 1989, PNDS 1996 e 2006.

3 Nas prevalências de déficit de peso para idade em crianças menores de 5 anos de idade, maiores reduções no Nordeste e Norte. 10,0 9,1 9,6 6,3 5,0 5,4 4,2 2,9 1,8 5,4 5,3 3,3 3,5 2,2 36 3,6 3,1 2,3 1,4 1,6 1,8 1,9 1,4 3,0 2,3 1,7 1,6 0,0 BRASIL Região Norte Região Nordeste Região Sudeste Região Sul Região Centro Oeste

4 No déficit i de estatura em crianças, maior reduçãono Nordeste. 35,0 32,9 30,0 28,9 25,0 20,0 19,6 20,7 22,0 15,0 10,00 5,0 13,4 6,7 14,7 11,4 11,9 85 8,5 7,2 7,0 5,8 5,6 10,910,7 5,5 0,0 BRASIL Região Norte Região Região Região Sul Região Nordeste Sudeste Centro Oeste

5 Principais causas do declínio da desnutrição infantil no Brasil nasúltimastrês décadas : Grande expansão da cobertura de serviços públicos (educação, saneamento e saúde). Aumento moderado d na renda familiar : Melhoria gradual da educação materna: universalização da educação primária. Mi Maior acesso à atenção básica à saúde (criação do Sistema Único de Saúde): universalização da atenção à saúde. Expansão do suprimento público de água : Combinação de políticas, com forte contribuição tib iã do aumento do poder aquisitivo e da expansão de serviços públicos essenciais.

6 Desigualdades ainda precisam ser combatidas: apesar da forte redução da desnutrição infantil em nível nacional, persistem it diferenças nas prevalências de desnutrição (déficit de estatura para idade) em crianças menores de 5 anos de idade em regiões e grupos mais vulneráveis Brasil, 2006 Norte, 2006 Indígenas, Quilombolas, 2006 Bolsa Familia, 2009 Fontes: PNDS 2006, I Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição de Populações Indígenas , Camada Nutricional de Populações Quilombolas 2006, Sisvan/CGPAN/DAB/SAS/MS.

7 100 Aleitamento materno 30 dias 120 dias dias 365 dias

8 Tendências de consumo alimentar: redução no consumo de alimentos básicos e maior participação de alimentos e bebidas. Participação relativa de alimentos e grupos de alimentos no total de calorias da aquisição alimentar domiciliar em Regiões Metropolitanas Fontes: Pesquisas de Orçamentos Familiares (POFs)/IBGE

9 Tendências de consumo alimentar: também se manifestam nas crianças menores de 2 anos (Sisvan Web 2009) Legumes e Frutas Refrigerantes Bebidas Feijão verduras adoçadas 6 a 12m 12 a 18m 18 a 24m (consumo no dia anterior)

10 Tendências de consumo alimentar: também nas crianças maiores de 2 anos e adolescentes (Sisvan Web 2009) Frutas Refrigerantes Salgadinhos de Biscoitos Feijão pacote recheados 2 a 5 anos 5 a 10 anos Adolescentes (consumo 5x ou mais na semana)

11 Fatores de risco e proteção na população adulta. Capitais do Brasil, FONTE: VIGITEL 2009

12 Consumo de 5 ou mais porções diárias de FLV na população adulta. Capitais do Brasil, Homens Mulheres FONTE: VIGITEL 2009

13 Consumo diário de refrigerantes na população adulta. Capitais do Brasil, Homens Mulheres FONTE: VIGITEL 2009

14 No cenário internacional, o Brasil já apresenta mais adultos com excesso de peso do que França e Itália e percentuais próximos ao Canadá e Austrália ,1 50,4 53,9 59,7 59,9 63, ,9 39, França Itália Brasil Canadá Austrália Chile Inglaterra Estados Unidos

15 E, no tocante à obesidade, também cresce entre seus vizinhos. 40,0 35,0 30,0 33,2 31,11 34,5 25,0 23,2 25,0 22,9 24,2 20,0 15,0 10,0 12,5 11,5 8,0 15,4 10,4 16,2 16,9 12,5 19,4 19,0 5,0 0,0 Peru Cuba Colômbia Brasil Argentina Canadá Chile Estados México Unidos Homens Mulheres

16 Como esse aumento do excesso de peso e da obesidade se mostra nas diferentes faixas etárias e recortes geográficos?

17 Em nível nacional, nos inquéritos ainda não há aparente aumento no excesso de peso em crianças menores de 5 anos de idade... 14,0 12,0 12,1 10,0 8,0 6,0 83 8,3 8,1 7,3 7,2 6,8 6,2 9,0 7,9 7,5 7,0 7,0 6,5 6,6 9,4 7,5 6,1 5,4 4,0 2,0 0,0 BRASIL Região Norte Região Nordeste Região Sudeste Região Sul Região Centro Oeste

18 Porém, a evolução do excesso de peso e a obesidade entre crianças menores de 5 anos com acompanhamento registrado no SISVAN já é motivo de atenção. Excesso de peso até Obesidade até

19 Nos inquéritos, o excesso de peso vem aumentando a partir dos 5 a 9 anos... MENINOS 9,4 10,6 12,2 9,7 26,6 30,3 11,0 10,7 13,8 17,8 37,9 39,7 12,2 21,6 36, ,2 71 7,1 9,4 24,7 7,5 26,0 7,2 9,6 11,7 15,0 32,4 37,9 9,7 14,5 35,5 MENINAS

20 O que também aparece nosisvan para essa faixa etária (2009) Excesso de peso 5 a 9 anos Obesidade 5 a 9 anos excesso de peso até

21 Nos inquéritos também aumenta o excesso de peso em adolescentes... MASCULINO 3,2 2,2 7,2 3,8 14,0 10,8 18,5 16,1 41 4,1 4,3 83 8,3 9,3 19,2 20,3 24,22 24,6 4,7 11,2 21,0 27, ,4 55 5,5 12,4 90 9,0 13,9 11,6 16,4 17,11 9,4 9,2 13,8 16,2 15,2 17,7 20,1 21,0 9,7 18,8 16,6 22,0 FEMININO

22 O que também aparece nosisvan para essa faixa etária (2009) Excesso de peso adolescentes Obesidade Adolescentes excesso de peso até Obesidade até

23 E, nos adultos, o aumento do excesso de peso segundo os inquéritos é ainda maior. MASCULINO 21,5 11,1 33,1 20,4 36,2 33,3 47,7 42,9 17,9 21,3 30,1 32,2 43,9 44,9 51,0 52,4 23,0 37,0 43,9 56, ,8 19,5 38,9 31,6 35,6 39,0 46,7 46,0 25,6 32,4 38,7 45,9 38,4 41,9 45,6 48,5 36,6 47,3 44,8 51,6 FEMININO

24 E, nos adultos, o aumento da obesidade segundo os inquéritos é ainda maior. MASCULINO , FEMININO

25 Estadonutricionaldeadultosdascapitais de adultos das capitais Vigitel, Excesso depeso Obesidade Total = 46.6% Total = 13.9%

26 Beneficiários do PBF: dupla vulnerabilidade... Sisvan Web Mulheres PBF Sisvan Web Mulheres PBF excesso de peso até Total = 43,8% Total = 13.9% obesidade até

27 Obrigado!

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde

Coordenação-Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério da Saúde Situação Alimentar e Nutricional no Brasil e no Mundo - O rápido declínio da desnutrição infantil no Brasil e o papel das políticas públicas na redução das desigualdades Coordenação-Geral da Política de

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Janaína V. dos S. Motta EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL Relatório Mundial de Saúde 1) Água contaminada e falta de saneamento; 2) Uso de combustíveis

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DO MONITORAMENTO E DO CUIDADO DA CRIANÇA COM EXCESSO DE PESO Excesso de peso infantil no Brasil A prevalência de excesso de peso triplicou no Brasil nos últimos 20 anos (IBGE,

Leia mais

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL

AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AGENDA PARA INTENSIFICAÇÃO DA ATENÇÃO NUTRICIONAL À DESNUTRIÇÃO INFANTIL Cenário

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:775.543

Leia mais

Evolução da desnutrição infantil no Brasil e o alcance da meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Evolução da desnutrição infantil no Brasil e o alcance da meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 4 Evolução da desnutrição infantil no Brasil e o alcance da meta dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Eduardo Augusto Fernandes Nilson, Ana Carolina Feldenheimer da Silva Sumário 14 Evolução da

Leia mais

Avaliação do estado nutricional das crianças beneficiárias do Bolsa Família. - Projeto CadSISVAN -

Avaliação do estado nutricional das crianças beneficiárias do Bolsa Família. - Projeto CadSISVAN - Avaliação do estado nutricional das crianças beneficiárias do Bolsa Família - Projeto CadSISVAN - Bolsa Família e Atenção Básica à Saúde Condicionalidades de Saúde PBF REDUÇÃO DE INIQUIDADES Garantia do

Leia mais

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016 Incentivo à Alimentação Saudável Julho de 2016 Como é o hábito alimentar do brasileiro PERFIL ALIMENTAR DO ADULTO Apesar de incluir mais frutas e hortaliças na rotina, os brasileiros consomem doces e refrigerantes

Leia mais

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013

BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza. V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 BOLSA FAMÍLIA Tecnologia e inovação a serviço do fim da pobreza V Seminário de Gestão de Tecnologias e Inovação em Saúde Salvador 11/10/2013 CRESCIMENTO DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA POR QUINTIL (2002

Leia mais

Cantinas Escolares Saudáveis

Cantinas Escolares Saudáveis PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO AMBIENTE ESCOLAR: Cantinas Escolares Saudáveis Patrícia Constante Jaime Coordenadora-Geral de Alimentação e Nutrição/DAB/SAS/MS Fortaleza, 25 de outubro de 2012 TÓPICOS

Leia mais

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde

Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN WEB Vilma Ramos de Cerqueira Gestão em Sistemas de Saúde OBJETIVOS DO SISVAN I -Fornecer informação contínua e atualizada sobre a situação alimentar

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira. José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE

Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira. José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE 8 de junho de 2011 Sumário Panorama econômico e demográfico mundial; Transição Demográfica;

Leia mais

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti.

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. Obesidade Infantil Nutrição & Atenção à Saúde Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. A Obesidade Infantil O Problema da Obesidade Infantil É uma doença

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA 20/05/2015 Perfil da Extrema Pobreza Núcleo duro da pobreza 71% de negros e negras 60% na região Nordeste 40% de crianças e adolescentes (0 a 14 anos) Eixos do Plano

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE SECRETARIA ESPECIAL DE SAÚDE INDÍGENA ORIENTAÇÕES PARA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DE FAMÍLIAS INDÍGENAS

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

Política Nacional de Alimentação e Nutrição no Plano Brasil sem Miséria

Política Nacional de Alimentação e Nutrição no Plano Brasil sem Miséria Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Política Nacional de Alimentação e Nutrição no Plano Brasil sem Miséria PATRICIA CONSTANTE JAIME

Leia mais

QUANTO CUSTA PARA AS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA OBTEREM UMA DIETA SAUDÁVEL NO BRASIL?

QUANTO CUSTA PARA AS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA OBTEREM UMA DIETA SAUDÁVEL NO BRASIL? XIV Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Reunião do Programa Bolsa Família na Saúde QUANTO CUSTA PARA AS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA OBTEREM UMA DIETA SAUDÁVEL NO BRASIL? Camila Borges

Leia mais

ABRANGÊNCIA METODOLOGIA

ABRANGÊNCIA METODOLOGIA CADSISVAN Cadernos de Estudos nº 17 Desenvolvimento Social em Debate, Resultados, Avanços e Desafios das Condicionalidades de Saúde do Bolsa - Família (2014) O Bolsa-Família (PBF) é um programa de transferência

Leia mais

MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL: TENDÊNCIAS E DESIGUALDADES

MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL: TENDÊNCIAS E DESIGUALDADES Elsa Giugliani MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL: TENDÊNCIAS E DESIGUALDADES VIII Congresso Mundial de Epidemiologia VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, RS 20-24 de setembro de 2008 EVOLUÇÃO

Leia mais

Atenção Integral à Desnutrição Infantil

Atenção Integral à Desnutrição Infantil Atenção Integral à Desnutrição Infantil PROTOCOLOS DE ATENÇÃO À CRIANÇA COM DESNUTRIÇÃO GRAVE Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Geral da Política

Leia mais

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços.

Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Apresentação Vigilância Socioassistencial Estruturada em dois eixos: Vigilância de Riscos e Vulnerabilidades e a Vigilância de Padrões e Serviços. Diagnóstico Socioterritorial Os indicadores e informações

Leia mais

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS?

O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? O QUE REPRESENTA O ACOMPANHAMENTO DAS CONDICIONALIDADES DE SAÚDE DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PARA O SUS? Coordenação-Geral de Saúde das Mulheres CONDICIONALIDADES DE SAÚDE Mulheres entre 14 e 44 anos: Pré-natal

Leia mais

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS COMPILAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS PNAD Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Última atualização: 2014 1 DOMICÍLIOS ACESSO A SERVIÇOS PÚBLICOS 2 Água EVOLUÇÃO DO PERCENTUAL DE DOMICÍLIOS COM ACESSO

Leia mais

TIC DOMICÍLIOS 2015 Apresentação dos principais resultados TIC Domicílios 2015

TIC DOMICÍLIOS 2015 Apresentação dos principais resultados TIC Domicílios 2015 TIC DOMICÍLIOS 15 Apresentação dos principais resultados TIC Domicílios 15 São Paulo 13 de Setembro de 16 SOBRE O CETIC.br PRODUÇÃO DE ESTATÍSTICAS TIC PARA POLÍTICAS PÚBLICAS Modelo Multissetorial de

Leia mais

Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos. Brasília, 2 de abril de 2014

Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos. Brasília, 2 de abril de 2014 Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos Brasília, 2 de abril de 2014 O que é? A quem se destina? Qual sua dimensão? Qual o desenho básico do programa? Que desafios

Leia mais

O Brasil possui uma população de , com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²;

O Brasil possui uma população de , com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²; A POPULAÇÃO BRASILEIRA Características Gerais O Brasil possui uma população de 191.715.083, com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²; A população brasileira ocupa o território de modo bastante irregular.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarujá, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 143,71 km² IDHM 2010 0,751 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 290752 hab. Densidade

Leia mais

A introdução da alimentação infantil

A introdução da alimentação infantil A introdução da alimentação infantil Turma do Giz de Cera O leite materno deve alimentar exclusivamente a criança até o 6 mês de vida, depois disso as necessidades nutricionais são outras e devemos introduzir

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rondonópolis, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4181,58 km² IDHM 2010 0,755 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 195476 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Félix do Araguaia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 16915,81 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10625

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vila Rica, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7468,7 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 21382 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Xingu, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7493,63 km² IDHM 2010 0,657 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5240 hab. Densidade

Leia mais

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE)

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) ENTENDENDO O CARDÁPIO Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) O que é um cardápio? CARDÁPIO DO PNAE É a relação das preparações de alimentos a serem oferecidas em uma refeição.

Leia mais

Os Números da Obesidade no Brasil: VIGITEL 2009 e POF 2008-2009

Os Números da Obesidade no Brasil: VIGITEL 2009 e POF 2008-2009 Os Números da Obesidade no Brasil: VIGITEL 2009 e POF 2008-2009 Maria Edna de Melo A Organização Mundial da Saúde (OMS) projetou que em 2005 o mundo teria 1,6 bilhões de pessoas acima de 15 anos de idade

Leia mais

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas.

Características Em 2013, foram visitados 149 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Rio de Janeiro, 18/09/2014 1 Abrangência nacional Temas investigados: Características Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil Fecundidade Características

Leia mais

SDH/PR apresenta dados sobre alimentação adequada de crianças e adolescentes no Brasil

SDH/PR apresenta dados sobre alimentação adequada de crianças e adolescentes no Brasil PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS SDH/PR apresenta dados sobre alimentação adequada de crianças e adolescentes no Brasil A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República

Leia mais

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PACTO FEDERATIVO PELA PROMOÇÃO DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ações do Ministério da Saúde Eduardo Augusto Fernandes Nilson Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição CGAN/ DAB / SAS Ministério da Saúde 10º

Leia mais

A pesquisa foi realizada em 65 países. Foram entrevistas, representando mais de 75% da população adulta global.

A pesquisa foi realizada em 65 países. Foram entrevistas, representando mais de 75% da população adulta global. A WIN é uma associação que reúne as maiores empresas independentes de Pesquisa de Mercado do mundo. É uma plataforma global para intercâmbio de negócios internacionais entre mais de 70 países, presentes

Leia mais

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Tópicos Cenário Atual Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Estratégias e custo efetividade Envelhecimento Populacional Mais Idade Mais DCNT Mortalidade DCNT = 63% dos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PAPEL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NO PROGRAMA BOLSA FAMILIA A Secretaria Municipal de Saúde deverá conforme Art. 14 do Decreto n.º 5.209,

Leia mais

QUEM SOMOS? 1.2. Aproximadamente, quantas pessoas vivem na comunidade?

QUEM SOMOS? 1.2. Aproximadamente, quantas pessoas vivem na comunidade? 1 2 QUEM SOMOS? Parte 1: Perfil da comunidade. Nome da comunidade: Estado onde se localiza: Município onde se localiza: 1.1. A que distância a sua comunidade fica da cidade? 1.2. Aproximadamente, quantas

Leia mais

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs -PNAN - Portaria 1.010 - Estatuto da criança e do adolescente -PCNs Alimentação Escolar Aline Guimarães Nutricionista - CECANE UnB PNAN Política Nacional de Alimentação e Nutrição Alimentação escolar PNAN

Leia mais

IV Jornada de Alimentação Escolar 21/10/2010 Ana Carolina Feldenheimer

IV Jornada de Alimentação Escolar 21/10/2010 Ana Carolina Feldenheimer Perfil nutricional da população brasileira segundo inquéritos populacionais (POF, PNDS e outros) e o SISVAN (Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional) quanto a transição nutricional e excesso de peso

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Esperança, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,54 km² IDHM 2010 0,623 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 31095 hab. Densidade

Leia mais

Políticas Pública de Redução da Pobreza

Políticas Pública de Redução da Pobreza Políticas Pública de Redução da Pobreza Ministério da Planificação e Desenvolvimento Direcção Nacional de Planificação Por: Cristina Matusse (Técnica de Planificação) Maputo, 16 de Abril de 2009 Estrutura

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR AUDIÊNCIA PÚBLICA Lorena Chaves Nutricionista PNAE/FNDE Obesidade: problema de saúde pública 40% da população brasileira (POF) ESCESSO DE PESO Obesidade infanto-juvenil

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Patos, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 515,74 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 100674 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sinop, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3204,92 km² IDHM 2010 0,754 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 113099 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Novo do Parecis, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9480,98 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 27577

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarabira, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 166,77 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 55326 hab. Densidade

Leia mais

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade.

Para realizar a Avaliação Nutricional de Crianças de 5 a 10 anos, usa-se 3 parâmetros: estaturapara- idade, peso- para- idade e IMC para idade. Angela Teodósio da Silva Graduanda de Nutrição Universidade Federal de Santa Catarina Bolsista PET- Saúde Nutrição Orientação de Avaliação Nutricional para crianças e adolescentes: Orientação Nutricional

Leia mais

Ministério da Saúde, Junho de 2016

Ministério da Saúde, Junho de 2016 PROMOÇÃO DA SAÚDE Redução Clique para de adicionar sódio nos alimentos um processados título Clique para adicionar um subtítulo Ministério da Saúde, Junho de 2016 Consumo Clique para de sódio adicionar

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cáceres, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 24478,87 km² IDHM 2010 0,708 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 87942 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Juara, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 21474,36 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 32791 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Taperoá, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 664,9 km² IDHM 2010 0,578 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 14936 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira

Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira Perfil socioeconômico e nutricional das crianças inscritas no programa de suplementação alimentar do Centro Municipal de Saúde Manoel José Ferreira Juliana Mayo Helena Recht Pombo 1 Sandra M. M. Rodrigues

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Real do Colégio, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 240,46 km² IDHM 2010 0,551 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Mãe D'Água, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 243,65 km² IDHM 2010 0,542 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4019 hab. Densidade

Leia mais

Características. Em 2014, foram visitados 151 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Abrangência nacional

Características. Em 2014, foram visitados 151 mil domicílios e entrevistadas 363 mil pessoas. Abrangência nacional Rio de Janeiro, 13/11/2015 Abrangência nacional Características Temas investigados no questionário básico Características gerais dos moradores Educação Migração Trabalho e rendimento Trabalho infantil

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pirpirituba, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 79,64 km² IDHM 2010 0,595 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 10326 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Lucas do Rio Verde, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3674,76 km² IDHM 2010 0,768 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 45556 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Matupá, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5172,94 km² IDHM 2010 0,716 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14174 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Palmeira dos Índios, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 462,76 km² IDHM 2010 0,638 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Boca da Mata, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 187,11 km² IDHM 2010 0,604 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Belém, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 48,36 km² IDHM 2010 0,593 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4551 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Casserengue, PB 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 202,67 km² IDHM 2010 0,514 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 7058 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Major Isidoro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 455,14 km² IDHM 2010 0,566 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Olho D'Água das Flores, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 183,96 km² IDHM 2010 0,565 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA. Maputo, Dezembro de 2015

A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA. Maputo, Dezembro de 2015 MINISTÉRIO DO GÉNERO, CRIANÇA E ACÇÃO SOCIAL A SITUAÇÃO SOBRE OS CASAMENTOS PREMATUROS EM MOÇAMBIQUE E A LEGISLAÇÃO RELACIONADA Maputo, Dezembro de 2015 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. Introdução; 2. Situação

Leia mais

UM PAÍS CHAMADO CLASSE MÉDIA A NOVA CLASSE MÉDIA E O MERCADO DE SEGUROS RENATO MEIRELLES

UM PAÍS CHAMADO CLASSE MÉDIA A NOVA CLASSE MÉDIA E O MERCADO DE SEGUROS RENATO MEIRELLES UM PAÍS CHAMADO CLASSE MÉDIA A NOVA CLASSE MÉDIA E O MERCADO DE SEGUROS RENATO MEIRELLES r e n a t o @ d a t a p o p u l a r. c o m. b r MAS ANTES DE TUDO, NÃO CUSTA LEMBRAR... 2 O QUE TODOS JÁ SABEM (OU

Leia mais

Esteróides Anabolizantes

Esteróides Anabolizantes Anabolizantes Brasil faixa etária e sexo. (Brasil) Tabela 1 - Anabolizantes distribuído segundo o sexo e a faixa etária. Observado % Intervalo de confiança 95% 12-17 0,4 (*) Masculino 1,0 (*) Feminino

Leia mais

Obesidade: panorama brasileiro

Obesidade: panorama brasileiro Mesa Redonda Publicidade de alimentos dirigida ao público infantil IDEC e Instituto Alana São Paulo, 10 de março de 2009 Obesidade: panorama brasileiro Carlos A. Monteiro carlosam@usp.br Departamento de

Leia mais

Desigualdade socioeconômica na utilização de métodos anticoncepcionais no Brasil:

Desigualdade socioeconômica na utilização de métodos anticoncepcionais no Brasil: Desigualdade socioeconômica na utilização de métodos anticoncepcionais no Brasil: uma análise comparativa com base nas PNDS`s 1996 e 2006 Ignez Helena Oliva Perpétuo Laura Rodríguez Wong UFMG/CEDEPLAR

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

Alimentos e bebidas ultraprocessados na América Latina: tendências, efeito sobre a obesidade e implicações para as políticas públicas.

Alimentos e bebidas ultraprocessados na América Latina: tendências, efeito sobre a obesidade e implicações para as políticas públicas. Alimentos e bebidas ultraprocessados na América Latina: tendências, efeito sobre a obesidade e implicações para as políticas públicas. ABRANGÊNCIA Descrição de tendências de vendas dos alimentos ultraprocessados

Leia mais

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º)

Meninas casadas até os 18 anos na América Latina (%) Meninas casadas até os 15 anos (%) Bolivia (Plurinational State Costa Rica (17º) Brazil (3º) Nicaragua (1º) Dominican Republic (2º) Brazil (3º) Honduras (4º) Guatemala (5º) Equatorial Guinea (6º) Panama (7º) Cuba (8º) El Salvador (9º) Uruguay (10º) Colombia (11º) Guyana (12º) Mexico (13º) Ecuador

Leia mais

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Eduardo Nilson

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Eduardo Nilson Redução do Consumo de Açúcar no Brasil Perspectivas de Governo Eduardo Nilson Coordenador Substituto de Alimentação e Nutrição/DAB/SAS/MS Brasília, 04 de junho de 2013 Cenário Alimentar e Nutricional do

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL

ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL ESTUDO SOBRE O CADASTRO ÚNICO E O PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA DOS MUNICÍPIOS QUE COMPÕEM A MESORREGIÃO DA GRANDE FRONTEIRA DO MERCOSUL Grupo de pesquisa: Gestão e Organização Angélica Caetane Pelizza - Acadêmica

Leia mais

Programa Mais Médicos

Programa Mais Médicos II ENCONTRO NACIONAL DE MUNICÍPIOS Programa Mais Médicos Brasília- 02/03/16 Lançado em julho de 2013 para atender demanda histórica da insuficiência de médicos no Brasil, em especial, no SUS e na Atenção

Leia mais

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil

Diretoria de Pesquisas. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. crianças, adolescentes e adultos no Brasil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Gerência da Pesquisa de Orçamentos Familiares Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

POBREZA, FOME E DESNUTRIÇÃO NO BRASIL

POBREZA, FOME E DESNUTRIÇÃO NO BRASIL POBREZA, FOME E DESNUTRIÇÃO NO BRASIL Consultas Monteiro CA A dimensão da pobreza, da fome e da desnutrição no Brasil. Revista do Instituto de Estudos Avançados da USP 9: 195-207, 1995. Monteiro CA (org.)

Leia mais

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Brasília, junho de 2015

Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição. Brasília, junho de 2015 Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Brasília, junho de 2015 Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A Mapa da cobertura de suplementação de vitamina A para crianças de 6 a 11 meses, em

Leia mais

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra 1 Índice 2 1. Metodologia e objetivo 2. Praticantes de skate: penetração nos lares 3. Perfil da amostra Objetivo 3 A pesquisa tem como objetivo medir a penetração e conhecer o perfil de praticantes de

Leia mais

CARTA DE PORTO ALEGRE

CARTA DE PORTO ALEGRE CARTA DE PORTO ALEGRE No período de 26 a 29 de outubro de 2016 a cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, sediou o CONBRAN 2016 - XXIV Congresso Brasileiro de Nutrição, IV Simpósio Iberoamericano

Leia mais

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio MINISTÉRIO DA SAÚDE Nutrição na Atenção Básica B : compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio 11ªCongresso Mundial de Saúde Pública Rio de Janeiro, 25/08/06, COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES

ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS/ COGEMASES REGIÃO SUDESTE VENDA NOVA DO IMIGRANTE- ES O plano decenal :diagnóstico,perspectivas e as diversidades estaduais e regional. 17/3 /2016 Aldaiza Sposati apoio: Jose

Leia mais

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade Roseli Oselka Saccardo Sarni Sal e risco de doenças Consumo excessivo de sal (> 5g/dia, 1 g de sal=0.4 g sódio) relaciona-se com o

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-PNAE

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-PNAE PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-PNAE PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PNAE 10 ELEMENTOS CHAVE Objetivo Apresentar o componente nutricional inserido na alimentação escolar Metodologia

Leia mais

Fecundidade, Cidadania e Políticas de Proteção Social e Saúde Reprodutiva no Brasil

Fecundidade, Cidadania e Políticas de Proteção Social e Saúde Reprodutiva no Brasil Seminário Saúde, Adolescência e Juventude: promovendo a equidade e construindo habilidades para a vida Fecundidade, Cidadania e Políticas de Proteção Social e Saúde Reprodutiva no Brasil José Eustáquio

Leia mais

NUTRIÇÃO, OBESIDADE E A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA RESUMO

NUTRIÇÃO, OBESIDADE E A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA RESUMO NUTRIÇÃO, OBESIDADE E A BOA ALIMENTAÇÃO NAS FASES INICIAIS DA VIDA Ana Paula Scherer de Brum* Mauro Souza** Sabrina Roberta Wagner*** RESUMO A alimentação adequada é imprescindível em qualquer idade, no

Leia mais