Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico"

Transcrição

1 Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

2 Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26 capitais e DF Cerca de 53 mil entrevistas (por telefone) Metodologia: utilização dos parâmetros populacionais do Censo 2010 (IBGE) - população mais escolarizada e idosa Parceria: Ministério da Saúde e Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da USP

3 Excesso de peso e obesidade

4 Excesso de peso e obesidade por sexo % 50,8 54,7 47,4 Total Masculino Feminino ,5 17,5 17, Excesso de peso Obesidade *IMC > 25 IMC > 30 *Índice de Massa Corporal

5 % Frequência de excesso de peso ,4 53,4 54,5 54, ,8 47,5 48,8 49,8 50,2 48,2 48,8 48,1 47,4 44,9 46,0 42,6 43,4 44,6 44,9 42,4 40,7 38,5 38, Total Masculino Feminino Aumento significativo entre homens e mulheres ( ) p <0,01 * Imputação de dados faltantes sobre peso ou altura para todos os anos

6 % Frequência de obesidade ,5 18,2 17,4 17,5 17, ,5 16,5 15,1 15,5 15,6 14,3 14,7 13,3 13,7 13,6 13,4 13,9 14,4 13,9 13,1 11,8 12,1 11,4 Total Masculino Feminino Aumento significativo entre homens e mulheres ( ) p <0,01 * Imputação de dados faltantes sobre peso ou altura para todos os anos

7 % Excesso de peso por sexo e escolaridade a 8 9 a e mais 58,1 57,8 56,9 58,3 50,4 47,3 45,5 44,5 36,6 0 Total Masculino Feminino

8 % Obesidade por sexo e escolaridade 0 a 8 9 a e mais ,3 24,4 19,9 17,5 15,1 14,3 15,2 15,1 11, Total Masculino Feminino

9 Percentual de adultos com excesso de peso nas capitais

10 Percentual de adultos com obesidade nas capitais

11 Excesso de peso na comparação com outros países (BRICS) Brasil 50.8% Rússia 59.8% China 25.4% Índia 11% África do Sul 65.4%

12 Obesidade na comparação com outros países Brasil 17.5% Uruguai 19.9% Argentina 20.5% Paraguai 22.8% Chile 25.1%

13 Consumo alimentar

14 Frequência do consumo recomendado* de frutas e hortaliças por sexo Aumento significativo em homens, mulheres e ambos os sexos ( ) p <0,05 * Consumo de 5 ou mais porções por dia, em 5 ou mais dias da semana

15 Consumo recomendado* de frutas e % hortaliças nas capitais * Consumo de 5 ou mais porções por dia, em 5 ou mais dias da semana

16 Consumo alimentar por sexo * Consumo de 7 ou mais refeições das 14 possíveis *

17 Atividade física

18 Frequência de atividade física no tempo livre (lazer) por sexo Aumento significativo entre os homens, mulheres e ambos os sexos ( ) p <0,05

19 % Atividade física por sexo Total Masculino Feminino 57, , ,8 41,2 27,4 28,6 28,1 29,0 39, ,1 12,2 11,9 16,2 16,8 15,7 0 Ativos no tempo livre Ativos no Inatividade física³ Assistir televisão ¹ deslocamento 3h/dia ² Insuficientemente ativos ¹Ativo Tempo Livre: Pelo menos 150 minutos semanais de atividade física de intensidade leve ou moderada ou pelo menos 75 minutos semanais de atividade física de intensidade vigorosa ²Insuficiente ativo: 0 a 149 minutos /semana em 3 dominios: lazer, trabalho, deslocamento para trabalho) ³Inatividade física: 0 de AF em 4 dominios

20 Adultos que praticam o nível recomendado* de atividade física no tempo livre % *Pelo menos 150 minutos semanais de atividade física de intensidade leve ou moderada ou pelo menos 75 minutos semanais de atividade física de intensidade vigorosa

21 Ações do Ministério da Saúde Atualmente, 491 pólos de Academia da Saúde estão em funcionamento em todo o país e 155 projetos pré-existentes foram adaptados e custeados pelo Ministério da Saúde. Outros espaços gratuitos para incentivar prática de atividades físicas estão em construção. Até agora, já foram repassados R$ 241 milhões, de um total previsto de R$ 481 milhões; Programa Saúde na Escola (PSE), com objetivo de promover a orientação nutricional em alunos da rede pública de ensino. Em 2013, aderiram ao Programa municípios, beneficiando 18,7 milhões de alunos em todo o país. Para 2014, está previsto o financiamento de R$ 71 milhões; Revisão do Guia Alimentar da Populaçao Brasileira, que traz recomendações que visam a prevenção de doenças crônicas relacionadas à alimentação (em consulta pública até 7 de maio).

22 Tabagismo

23 Prevalência de fumantes por sexo Redução significativa entre homens e mulheres ( ) p <0,01

24 % Prevalência de fumantes com consumo de 20 ou mais cigarros por dia , ,3 6,3 6,2 5,4 5,4 5,5 5,2 4,7 4,6 4,5 4,2 4, ,4 3,2 3,3 3,4 3,2 3,1 3 2,8 2,4 1 0 Total Masculino Feminino Redução significativa entre homens e mulheres ( ) p <0,01

25 % Prevalência de fumantes passivos no domicilio ,4 12,7 12,8 12,5 11,5 11,9 11,3 11,0 10,2 10,2 10,7 9,9 9,9 9,3 9,6 Total Masculino Feminino Redução significativa entre ambos os sexos e mulheres ( ) p <0,01

26 % Prevalência de fumantes passivos no trabalho ,1 15,3 15,5 14,1 7,9 6,5 7,1 6 6,1 12,1 11,2 10,5 10,4 9, Masculino Feminino Total Mudança não foi estatisticamente significante

27 Indicadores de tabagismo por sexo % 30 Total Masculino Feminino 25, , ,9 14, ,3 10,2 10,7 9,6 9,8 10 8,6 5 3,4 4,5 2,4 14,1 6,1 0 Fumante Ex-fumante 20 ou mais cigarros Passivos no domicílio Passivos no trabalho

28 18 % ,7 6 Percentual de adultos fumantes nas capitais 16,5 14,9 13,7 11,7 11,8 12,4 12,7 12,8 8,8 9,2 9,6 10,1 10,4 10,7 10,7 10,8 7 7,2 7,3 7,6 7,7 7,9 8,1 8,2 6,

29 Avaliação de saúde e doenças crônicas referidas

30 Adultos que autorreferem hipertensão arterial, diabetes e dislipidemia por sexo

31 Prevalência de hipertensão arterial, diabetes e dislipidemia por faixa etária Hipertensão arterial Dislipidemia Diabetes a a a a a e mais

32 Evolução da frequência de diabetes autorreferido ,1 7,4 7,4 7,2 6,8 6,8 6,7 6,8 6,2 6,3 6,3 6,5 6,5 6,3 6,6 6,2 5,5 5,8 5,4 5,7 5,8 6,1 5,9 4,6 Total Masculino Feminino Aumento significativo em todos os estratos ( ) p <0,05

33 Ações do Ministério da Saúde O Ministério da Saúde lançou, em 2011, o Plano de Ações para Enfrentamento às Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT), com objetivo de controlar doenças e prevenir fatores de risco: Doenças crônicas como: câncer (todos os tipos) diabetes, doenças do aparelho circulatório doenças respiratórias crônicas (asma, enfisema) E fatores de risco: Tabagismo; Álcool; Inatividade física; Alimentação inadequada, obesidade No Brasil, as doenças crônicas não transmissíveis correspondem a 72,4% das causas de mortes

34 Ações do Ministério da Saúde Em três anos de programa, mais de 19 milhões de brasileiros foram beneficiados com medicamentos gratuitos para asma, hipertensão e diabetes por meio do Saúde Não Tem Preço; Levantamento feito em municípios que receberam profissionais do Mais Médicos mostrou que, em novembro de 2013, houve um crescimento de 27,3% no atendimento a pessoas com hipertensão e de 14,4% na assistência a pessoas com diabetes em comparação com o mês de junho do mesmo ano, antes da chegada dos profissionais. O levantamento foi feito em 688 municípios onde atuavam médicos. Ampliação e atualização das diretrizes de cuidado ao tabagista com a inclusão de medicamentos no Sistema Único de Saúde (reposição de nicotina e cloridrato de bupropiona).

35 Detecção precoce e prevenção de câncer

36 Evolução das mulheres* que realizaram mamografia nos últimos dois anos , ,1 71,7 72,4 73,4 74, * Aumento significativo p <0,01 *50 a 69 anos

37 Mulheres* que nos últimos três anos % *25 a 64 anos realizaram papanicolau 82,0 83,3 82,2 82,2 81,8 82,3 82,

38 Ações para prevenção do câncer Crescimento de 18% no investimento em oncologia no SUS: R$ 2,4 bilhões em 2012 para R$ 2,8 bilhões em 2013; Incorporação do Trastuzumabe (medicamento para tratamento do câncer de mama). Serão investidos R$ 130 milhões por ano para disponibilizar o medicamento à população. Além da incorporação, o Brasil passou a produzir o primeiro medicamento para o câncer.

39 Vigitel 2013 Tendência de crescimento contínuo de excesso de peso e obesidade pela primeira vez estabiliza entre 2012 e 2013; Aumento no consumo recomendado ( 5 porções diárias) e regular ( 5 dias por semana) de frutas e hortaliças; Aumento da prática de atividade física no lazer; Aumento do percentual de mulheres que realizaram mamografia nos últimos 2 anos;

40 Vigitel 2013 Crescimento de homens e mulheres que se autorreferem com diabetes; Redução progressiva do tabagismo; Redução progressiva da prevalência de fumantes pesados (20 cigarros dia); Redução de fumantes passivos no domicílio

41 Melhorar sua vida, nosso compromisso

Vigilância de Fatores de Risco: Obesidade e inatividade física

Vigilância de Fatores de Risco: Obesidade e inatividade física Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade MEB Epidemiologia IV Vigilância de Fatores de Risco: Obesidade e inatividade física Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012

Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil. São Paulo, novembro de 2012 Seminário Internacional: Projeções do custo do envelhecimento no Brasil São Paulo, novembro de 2012 Plano de enfrentamento DCNT 2012-2022 Eixo I Eixo II Eixo III Vigilância, monitoramento e avaliação

Leia mais

IV Fórum do Plano de Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis DCNT no Brasil

IV Fórum do Plano de Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis DCNT no Brasil IV Fórum do Plano de Enfrentamento das Doenças Crônicas não Transmissíveis DCNT no Brasil Brasília, DF. Agosto 2014 Dr. Jarbas Barbosa da Silva Júnior Secretaria de Vigilância em Saúde Contexto mundial

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MARABÁ GABINETE DO VEREADOR GILSON FERREIRA DA SILVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MARABÁ GABINETE DO VEREADOR GILSON FERREIRA DA SILVA 1 Requerimento nº 006/2013 Autor: Vereador Gilson Ferreira da Silva Assunto: Solicitar a implantação de academias ao ar livre, em logradouros públicos compatível com o projeto nos bairros do Município

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Janaína V. dos S. Motta EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL Relatório Mundial de Saúde 1) Água contaminada e falta de saneamento; 2) Uso de combustíveis

Leia mais

CUIDADOS COM A SAÚDE

CUIDADOS COM A SAÚDE CUIDADOS COM A SAÚDE Andressa Malagutti Assis Realizar exames periodicamente, fazer exercícios e cuidar da alimentação são medidas básicas para cuidar da saúde. Além de prevenir e ajudar na cura de doenças

Leia mais

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011

Tópicos. Cenário Atual. Estratégias e custo efetividade. Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Tópicos Cenário Atual Metas para redução de Doenças Crônicas Não- Transmissíveis (DCNT) 2011 Estratégias e custo efetividade Envelhecimento Populacional Mais Idade Mais DCNT Mortalidade DCNT = 63% dos

Leia mais

VIGITEL Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

VIGITEL Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico VIGITEL Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Rafael Moreira Claro rclaro@usp.br Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde NUPENS/USP Ministério

Leia mais

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção

Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Comitê de Gestão de Indicadores de Fatores de Risco e Proteção Coordenação: Deborah Carvalho Malta Coordenação de Doenças e Agravos Não Transmissíveis

Leia mais

No Brasil, o tabagismo é responsável por:

No Brasil, o tabagismo é responsável por: No Brasil, o tabagismo é responsável por: 200 mil mortes por ano 25% das mortes por angina e infarto do miocárdio 45% das mortes por infarto agudo do miocárdio (abaixo de 65 anos) 85% das mortes por bronquite

Leia mais

Ind Taxa de prevalência de fumantes atuais, por ano, segundo região e escolaridade

Ind Taxa de prevalência de fumantes atuais, por ano, segundo região e escolaridade Ind010402 Taxa de prevalência de fumantes atuais, por ano, segundo região e escolaridade Indicador Taxa de prevalência de fumantes atuais Descrição Proporção (%) do número de indivíduos fumantes sobre

Leia mais

Mobilização Global e Nacional para a Prevenção e Controle de DCNTs

Mobilização Global e Nacional para a Prevenção e Controle de DCNTs Mobilização Global e Nacional para a Prevenção e Controle de DCNTs O que são as DCNTs? Câncer, doenças cardiovasculares, diabetes e doenças respiratorias Fatores de risco em commum: Tabaco Atividade física

Leia mais

Plano de Ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil, 2011 2022

Plano de Ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil, 2011 2022 Plano de Ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil, 2011 2022 Cristiane Penaforte Secretaria de Vigilância em Saúde DCNT no Brasil Tendência de Mortalidade,

Leia mais

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA

PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA PREVALENCIA DAS DOENÇAS CRONICAS NÃO-TRANSMISSIVEIS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAIBA Rita de Cássia Sousa Silva (1); Daniele Fidelis de Araújo (1); Ítalo de Lima Farias (2); Socorro Malaquias dos Santos

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

VIGITEL BRASIL 2007 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO

VIGITEL BRASIL 2007 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO MINISTÉRIO DA SAÚDE VIGITEL BRASIL 2007 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO ESTIMATIVAS SOBRE FREQÜÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO SÓCIO-DEMOGRÁFICA DE FATORES

Leia mais

VIGITEL BRASIL 2014 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO

VIGITEL BRASIL 2014 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO MINISTÉRIO DA SAÚDE VIGITEL BRASIL 2014 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO ESTIMATIVAS SOBRE FREQUÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA DE FATORES

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE

Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estudos e Pesquisas Sociais Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar PeNSE Data 26/08/2016 Introdução Adolescência Transição

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

VIGITEL BRASIL 2009 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO

VIGITEL BRASIL 2009 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO MINISTÉRIO DA SAÚDE VIGITEL BRASIL 2009 VIGILÂNCIA DE FATORES DE RISCO E PROTEÇÃO PARA DOENÇAS CRÔNICAS POR INQUÉRITO TELEFÔNICO ESTIMATIVAS SOBRE FREQUÊNCIA E DISTRIBUIÇÃO SOCIODEMOGRÁFICA DE FATORES

Leia mais

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas

VIGITEL 2014 Periodicidade Parceria: População monitorada 40.853 entrevistas Ministério da Saúde Abril de 2014 VIGITEL 2014 Medir a prevalência de fatores de risco e proteção para doenças não transmissíveis na população brasileira Subsidiar ações de promoção da saúde e prevenção

Leia mais

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES

PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES PREVENÇÃO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES Dra Fabrícia de Oliveira Assis Cantadori Cardiologista do HUJM Cuiabá, maio de 2015 UFMT PREVENÇÃO É procurar e utilizar métodos para prevenir doenças e/ou suas complicações,

Leia mais

Mulher e Tabagismo. Ana Luiza Curi Hallal

Mulher e Tabagismo. Ana Luiza Curi Hallal Mulher e Tabagismo Ana Luiza Curi Hallal Objetivos Descrever os principais indicadores epidemiológicos do tabagismo segundo sexo no Brasil Prevalência em adultos Prevalência em escolares Apresentar os

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN PERFIL ANTROPOMÉTRICO DOS USUÁRIOS DE CENTROS DE CONVIVÊNCIA PARA IDOSOS NO MUNICÍPIO DE NATAL- RN Ana Paula Araujo de Souza 1 ; Luciana Karla Miranda Lins 2 1 Secretaria Municipal do Trabalho e Assistência

Leia mais

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS

PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS PERFIL LIPÍDICO E FATORES BIOLÓGICOS E AMBIENTAIS hjhjh O papel da atividade física Margarida Amorim Fernandes Rodrigues Siopa Orientador: Professor Pedro Manuel Vargues Aguiar Coorientadora: Doutora Mafalda

Leia mais

PREOCUPAÇÃO COM A SAÚDE

PREOCUPAÇÃO COM A SAÚDE PREOCUPAÇÃO COM A SAÚDE Tâmara Barros Cuidar da alimentação, fazer exercícios regularmente e ter uma boa noite de sono são medidas básicas para manter a saúde. Além de prevenir e ajudar na cura de doenças,

Leia mais

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO CONTROLE DA OBESIDADE E PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO Introdução Obesidade Brasil EPIDEMIA 40% em sobrepeso 12,7% adultos obesos

Leia mais

Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS

Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS Estruturação dos Serviços de Medicina Preventiva de acordo com diretrizes da ANS A região da Serra Gaúcha está localizada no nordeste do estado do Rio Grande do Sul, região sul do Brasil. Área de abrangência

Leia mais

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE

ANEXO 3 CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE ANEXO 3 PROGRAMA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE 1. Conhecimentos sobre o SUS - Legislação da Saúde: Constituição Federal de 1988 (Título VIII - capítulo II - Seção II); Lei 8.080/90 e Lei 8.142/90; Norma

Leia mais

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti.

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. Obesidade Infantil Nutrição & Atenção à Saúde Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. A Obesidade Infantil O Problema da Obesidade Infantil É uma doença

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil

Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016 Incentivo à Alimentação Saudável Julho de 2016 Como é o hábito alimentar do brasileiro PERFIL ALIMENTAR DO ADULTO Apesar de incluir mais frutas e hortaliças na rotina, os brasileiros consomem doces e refrigerantes

Leia mais

Tamanho da Amostra Parâmetros de interesse:

Tamanho da Amostra Parâmetros de interesse: Tamanho da Amostra Para calcular o tamanho de amostra da PNS necessário para a estimação de parâmetros de interesse em níveis diferentes de desagregação geográfica, deverão ser considerados os seguintes

Leia mais

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009

RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 2009 RELATÓRIO DE DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DAS DOENÇAS E AGRAVOS NÃO TRANSMISSÍVEIS E FATORES DE RISCO, PORTO ALEGRE, 1996 A 29 Doenças e Agravos Não Transmissíveis DANT/SMS Porto Alegre Vigilância Epidemiológica

Leia mais

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando

, Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando Considerando RESOLUÇÃO CNS Nº O Plenário do Conselho Nacional de Saúde, em sua 192ª Reunião Ordinária, realizada nos dias 10 e 11 de dezembro de 2008, no uso de suas competências regimentais e atribuições conferidas

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

Homem que se cuida curte todas as fases da vida de seus filhos. Pré-Natal também é coisa de homem!

Homem que se cuida curte todas as fases da vida de seus filhos. Pré-Natal também é coisa de homem! Homem que se cuida curte todas as fases da vida de seus filhos Pré-Natal também é coisa de homem! Agosto, 2016 DIAGNÓSTICO: homens morrem mais que mulheres e doenças que mais matam podem ser prevenidas

Leia mais

Plano de Ações Estratégicas para o enfrentamento das DCNT no Brasil

Plano de Ações Estratégicas para o enfrentamento das DCNT no Brasil Plano de Ações Estratégicas para o enfrentamento das DCNT no Brasil Deborah Carvalho Malta Coordenadora de Vigilância de doenças e agravos não transmissíveis Secretaria de Vigilância em Saúde cgdant@saude.gov.br

Leia mais

Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros

Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros Comida de verdade vs. ultraprocessados: potenciais impactos na saúde e no bem-estar dos adolescentes brasileiros Maria Laura da Costa Louzada Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde Efeito

Leia mais

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados

Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Índice de massa corporal e prevalência de doenças crônicas não transmissíveis em idosos institucionalizados Cadimiel Gomes¹; Raíla Dornelas Toledo²; Rosimar Regina da Silva Araujo³ ¹ Acadêmico do Curso

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM. Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM Brasília, 18 de Novembro de 2013 Michelle Leite da Silva DAET- Departamento de Atenção Especializada e Temática Secretaria de Atenção à Saúde - SAS

Leia mais

Vigilância das Doenças Crônicas Não

Vigilância das Doenças Crônicas Não Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde Coletiva MEB Epidemiologia IV Vigilância das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no Brasil Maria Isabel do Nascimento MEB/ Departamento de Epidemiologia

Leia mais

FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANSMISSIVEIS E SUA RELAÇÃO COM O ESTILO DE VIDA DE PESSOAS DA CIDADE DE PELOTAS-RS

FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANSMISSIVEIS E SUA RELAÇÃO COM O ESTILO DE VIDA DE PESSOAS DA CIDADE DE PELOTAS-RS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CRONICAS NÃO TRANSMISSIVEIS E SUA RELAÇÃO COM O ESTILO DE VIDA DE PESSOAS DA CIDADE DE PELOTAS-RS NATAN FETER¹ ALLISON CAVALCANTE MULLER¹ CHAIANE CALONEGO¹ ALLANA CAVANHI¹

Leia mais

Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS

Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS Análise da situação alimentar e nutricional no Brasil. Eduardo Nilson CGAN/DAB/MS Grande redução da desnutrição em crianças menores de 5 anos de idade nas últimas décadas: alcance antecipado de meta do

Leia mais

GESTÃO DAS DOENÇAS RELACIONADAS AO ENVELHECIMENTO. Julizar Dantas

GESTÃO DAS DOENÇAS RELACIONADAS AO ENVELHECIMENTO. Julizar Dantas GESTÃO DAS DOENÇAS RELACIONADAS AO ENVELHECIMENTO Julizar Dantas ENVELHECIMENTO A organização Mundial de Saúde define como idoso, pessoas após os 60 anos, em países em desenvolvimento, e acima de 65 anos

Leia mais

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007

Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 Ações prioritárias da CGPAN/Ministério da Saúde para o ano de 2007 ESTRATÉGIAS SOCIAIS EM NUTRIÇÃO, EDUCAÇÃO E COMBATE À POBREZA Data: 17-18 de maio de 2007 Instituto de Estudos Avançados Universidade

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS

QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES HIPERTENSOS E HIPERTENSO/DIABÉTICOS Autores: Ana Raquel de Figueiredo Rego 1, Mônica Oliveira da Silva Simões 2, Rômulo Lustosa Pimenteira de Melo 3, Paulo Cesar Dantas da

Leia mais

Perfil de Hábitos Alimentares e IMC dos Alunos dos Cursos de Educação Física e Tecnologia da Informação

Perfil de Hábitos Alimentares e IMC dos Alunos dos Cursos de Educação Física e Tecnologia da Informação BALBINO, Jhonatan Sousa [1] SOUZA, Vanessa Batista [2] BALBINO, jhonatan Sousa e SOUZA, Vanessa Batista Perfil de hábitos alimentares e IMC dos alunos do curso de educação física e tecnologia da informação.

Leia mais

CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1

CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 CONSUMO DE LEITE POR INDIVÍDUOS ADULTOS E IDOSOS DE UM MUNICÍPIO DA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 Débora Adriana Knoll Wagner 2, Maria Cristina Roppa Garcia 3, Franciéli Aline Conte

Leia mais

VIGITEL - Belo Horizonte Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

VIGITEL - Belo Horizonte Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico VIGITEL - Belo Horizonte 2011 Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico VIGITEL - Belo Horizonte 2011 Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças

Leia mais

DESAFIOS NA GESTÃO DA SAÚDE

DESAFIOS NA GESTÃO DA SAÚDE Economia e Gestão da Saúde DESAFIOS NA GESTÃO DA SAÚDE Rafaela Landim Dutra Administradora UFJF Residente de Gestão Hospitalar HU/UFJF E-mail: residecoadm.hu@ufjf.edu.br Telefone: (32) 4009-5172 Ementa

Leia mais

Programa Anti-tabagismo

Programa Anti-tabagismo São Paulo, 4 a 6 de março de 2009 Programa Anti-tabagismo Dra. Nathércia Abrão Diretora de Provimento de Saúde Unimed Juiz de Fora Membro da CTPPS Federação Minas Unimed Juiz de Fora em números Receita:180

Leia mais

MULHERES E TABAGISMO NO BRASIL, O QUE AS PESQUISAS REVELAM MICHELINE GOMES CAMPOS DA LUZ SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE

MULHERES E TABAGISMO NO BRASIL, O QUE AS PESQUISAS REVELAM MICHELINE GOMES CAMPOS DA LUZ SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE MULHERES E TABAGISMO NO BRASIL, O QUE AS PESQUISAS REVELAM MICHELINE GOMES CAMPOS DA LUZ SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Como podemos monitorar o tabagismo nas mulheres no Brasil

Leia mais

2 - Agravos à saúde e epidemiologia da obesidade

2 - Agravos à saúde e epidemiologia da obesidade 2 - Agravos à saúde e epidemiologia da obesidade Luiz Antonio dos Anjos SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ANJOS, LA. Agravos à saúde e epidemiologia da obesidade. In: Obesidade e saúde pública

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA

ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE COLABORADORES DE REDE HOTELEIRA Larissa Paula da Silva de Souza 1, Jordana Lara de Miranda Camargo 2, Isabelle Zanquetta Carvalho

Leia mais

Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade

Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade Estratégias e Ações do Governo Federal para a Prevenção e Controle da Obesidade Encontro com as referências estaduais de Alimentação e Nutrição 16 e 17/06/2015 - Brasília/DF Ministério do Desenvolvimento

Leia mais

Saúde Brasil Uma análise da situação de. e internacional de. Brasília, 14 de dezembro de 2010

Saúde Brasil Uma análise da situação de. e internacional de. Brasília, 14 de dezembro de 2010 Saúde Brasil 2009 Uma análise da situação de saúde e da agenda nacional e internacional de prioridades em saúde Brasília, 14 de dezembro de 2010 INTRODUÇÃO O Saúde Brasil 2009, em sua sexta edição, foi

Leia mais

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB Lindemberg Medeiros de Araújo Evi Clayton de Lima Brasil TRANSIÇÃO NUTRICIONAL: CAUSAS, SIGNIFICADOS, EFEITOS

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais

Processos para o andamento do Inquérito Nacional de Saúde. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS

Processos para o andamento do Inquérito Nacional de Saúde. Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS Processos para o andamento do Inquérito Nacional de Saúde Deborah Carvalho Malta CGDANT/DASIS/SVS/MS Brasília, 03 de setembro, 2009 Introdução Informações em saúde são essenciais para o planejamento, monitoramento

Leia mais

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental

Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental Impacte da Lei de Prevenção do Tabagismo* na população de Portugal Continental * Lei n.º 37/2007, de 14 de Agosto Direcção-Geral da Saúde com a colaboração do INSA Acompanhamento estatístico e epidemiológico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PAPEL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NO PROGRAMA BOLSA FAMILIA A Secretaria Municipal de Saúde deverá conforme Art. 14 do Decreto n.º 5.209,

Leia mais

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial Maio, 2014 Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Hipertensão Arterial Sumário: O que é a Hipertensão Arterial (HTA)?; Causas da HTA; Fatores de Risco; Como prevenir a HTA; Sintomas; Problemas

Leia mais

Avaliação antropométrica de crianças

Avaliação antropométrica de crianças Avaliação antropométrica de crianças Sylvia do Carmo Castro Franceschini Taís Cristina Araújo Magalhães Fabiana de Cássia Carvalho de Oliveira Viçosa Agosto, 2010 Peso: início da vida perda de peso fisiológica

Leia mais

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Brasil tem interface com Saúde Bucal?

Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Brasil tem interface com Saúde Bucal? Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Brasil tem interface com Saúde Bucal? Lenildo de Moura Coordenação de Vigilância de Doenças Crônicas Não Transmissíveis Secretaria de Vigilância em

Leia mais

VIVER BEM RENATO MAURÍCIO EM HERÓI TAMBÉM É GENTE SAÚDE DO HOMEM

VIVER BEM RENATO MAURÍCIO EM HERÓI TAMBÉM É GENTE SAÚDE DO HOMEM VIVER BEM RENATO MAURÍCIO EM HERÓI TAMBÉM É GENTE SAÚDE DO HOMEM Renato Maurício vive achando que é um super-herói. Trabalha muito e resolve tudo. Todo dia se reúne no bar com os amigos, que fazem até

Leia mais

PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE

PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA SAÚDE FAÇA SUA VIDA VALER A PENA COM A AJUDA DA UNIMED CURITIBA. PENSANDO NA SUA SAÚDE, A UNIMED CURITIBA CRIOU UMA SÉRIE DE PROGRAMAS QUE VISAM À PREVENÇÃO, À INFORMAÇÃO, AO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016.

Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Avaliação do Índice de Massa Corporal em crianças de escola municipal de Barbacena MG, 2016. Cristiane Aparecida Rosa 1, Tissiane Narai de Oliveira Ferreira 1, Nayane Aparecida Araújo Dias 2, Renata de

Leia mais

Lançamento da campanha ambientes livres do fumo e regulamentação das áreas exclusivas para consumo de produtos fumígenos para proteção dos

Lançamento da campanha ambientes livres do fumo e regulamentação das áreas exclusivas para consumo de produtos fumígenos para proteção dos Lançamento da campanha ambientes livres do fumo e regulamentação das áreas exclusivas para consumo de produtos fumígenos para proteção dos trabalhadores Tabagismo é responsável por: 200 mil mortes por

Leia mais

Suplemento Saúde da PNAD

Suplemento Saúde da PNAD Suplemento Saúde da PNAD Francisco Viacava Laboratório de Informações em Saúde Centro de Informação Científica e Tecnológica FIOCRUZ Suplemento acesso e utilização de serviços de saúde: 1998,2003 e 2008

Leia mais

Código QUESTIONÁRIO GERAL SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE

Código QUESTIONÁRIO GERAL SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE Código QUESTIONÁRIO GERAL SOBRE CONDIÇÕES DE SAÚDE Instruções: Assinale com um X a resposta que considera mais correta em relação a cada uma das perguntas. Em alguns casos a questão é de resposta múltipla.

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

Minha Saúde Análise Detalhada

Minha Saúde Análise Detalhada MODELO DE RELATÓRIO / Identificação de cliente: 1980M32 Data: 07/03/2016 Seu Peso = 79,0 kg Minha Saúde Análise Detalhada Seu peso está na categoria: Saudável sua altura é 180 cm, você tem 35 anos de idade

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira. José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE

Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira. José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE Transição Demográfica: o perfil demográfico da futura sociedade brasileira José Eustáquio Diniz Alves ENCE/IBGE 8 de junho de 2011 Sumário Panorama econômico e demográfico mundial; Transição Demográfica;

Leia mais

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS AUTORREFERIDAS EM PARTICIPANTES DE UMA CAMPANHA EM PONTA GROSSA-PR

PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS AUTORREFERIDAS EM PARTICIPANTES DE UMA CAMPANHA EM PONTA GROSSA-PR 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO. Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa

PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO. Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa PROPOSTA DA LINHA DE CUIDADO DA SAÚDE DO IDOSO Área Técnica Saúde da Pessoa Idosa OBJETIVOS GERAIS Orientar e potencializar a atenção primária para detecção precoce de situações de vulnerabilidade social

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB Tainá Gomes Diniz; Caroline Severo de Assis; Suzy Souto de Oliveira Faculdade de Ciências

Leia mais

FINANCIAMENTO EM SAÚDE: A QUESTÃO DOS MEDICAMENTOS

FINANCIAMENTO EM SAÚDE: A QUESTÃO DOS MEDICAMENTOS IV Jornada de Economia da Saúde da Associação Brasileira de Economia da Saúde (ABRES) Salvador /BA 20 a 22 agosto de 2008 Profª Iola Gurgel Grupo de Pesquisa em Economia da Saúde Faculdade de Medicina

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia: Corpo, Movimento e Linguagem na Era da Informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra 1 Índice 2 1. Metodologia e objetivo 2. Praticantes de skate: penetração nos lares 3. Perfil da amostra Objetivo 3 A pesquisa tem como objetivo medir a penetração e conhecer o perfil de praticantes de

Leia mais

Prevalência de sedentarismo e fatores associados em adolescentes. Juliano Peixoto Bastos Cora Luiza Araújo Pedro Curi Hallal

Prevalência de sedentarismo e fatores associados em adolescentes. Juliano Peixoto Bastos Cora Luiza Araújo Pedro Curi Hallal Prevalência de sedentarismo e fatores associados em adolescentes Juliano Peixoto Bastos Cora Luiza Araújo Pedro Curi Hallal Introdução O sedentarismo está associado com um risco aumentado de várias doenças

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHANGUERA DE SÃO PAULO TÍTULO: AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE GORDURA SATURADA E DA SUA ASSOCIAÇÃO COM OS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DE MULHERES ATENDIDAS NA CLÍNICA DE NUTRIÇÃO DA UNIBAN CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Avaliação Nutricional

Avaliação Nutricional Avaliação Nutricional Prof a Renato Marques 5 o período de Enfermagem Importância e conceitos da Avaliação Nutricional ESTADO NUTRICIONAL Definição Condição de saúde de um indivíduo, influenciada pelo

Leia mais

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde.

1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses. Estado de Saúde. 1ª Conferência do Inquérito Nacional de Saúde com Exame Físico: um olhar atento à saúde dos portugueses Estado de Saúde Ana Clara Silva 1 M Barreto 2, V Gaio 2, AP Rodrigues 2, I Kislaya 2, L Antunes 2,

Leia mais

PROGRAMA DE ATENÇÃO A PACIENTES CRÔNICOS UNIMED NATAL. Ass. Social ROSSANA CHACON Gerência de Prevenção e Saúde

PROGRAMA DE ATENÇÃO A PACIENTES CRÔNICOS UNIMED NATAL. Ass. Social ROSSANA CHACON Gerência de Prevenção e Saúde PROGRAMA DE ATENÇÃO A PACIENTES CRÔNICOS UNIMED NATAL Ass. Social ROSSANA CHACON Gerência de Prevenção e Saúde rossanachacon@unimednatal.com.br Programa de Atenção a Pacientes Crônicos Elaborado pela Gerência

Leia mais

DIAS E HORÁRIOS DAS APRESENTAÇÕES DOS TRABALHOS ENFERMAGEM TODOS OS AUTORES DEVERÃO CHEGAR IMPRETERIVELMENTE NO HORÁRIO MARCADO.

DIAS E HORÁRIOS DAS APRESENTAÇÕES DOS TRABALHOS ENFERMAGEM TODOS OS AUTORES DEVERÃO CHEGAR IMPRETERIVELMENTE NO HORÁRIO MARCADO. TÍTULO ORIENTADOR SALA DATA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS COMUNIDADES INDÍGENAS INFECÇÕES HOSPITALARES: REPENSANDO A IMPORTÂNCIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM HANSENÍASE:

Leia mais

Doenças respiratórias e fatores associados: Inquérito de Saúde no Município de São Paulo ISA-CAPITAL 2008

Doenças respiratórias e fatores associados: Inquérito de Saúde no Município de São Paulo ISA-CAPITAL 2008 Doenças respiratórias e fatores associados: Inquérito de Saúde no Município de São Paulo ISA-CAPITAL 2008 CLÓVIS ARLINDO DE SOUSA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA DA USP DEPARTAMENTO DE EPIDEMIOLOGIA DEZEMBRO/2011

Leia mais

DCNT no Brasil. Tendência de mortalidade, Brasil

DCNT no Brasil. Tendência de mortalidade, Brasil DCNT no Brasil Tendência de mortalidade, Brasil 1996-2007 DCNT 72% dos óbitos 20% redução DCNT 31% redução DCV Fonte: Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes

Leia mais

Lazer Ativo: Promoção de estilos de vida mais ativos e saudáveis. Semana da Vida Saudável

Lazer Ativo: Promoção de estilos de vida mais ativos e saudáveis. Semana da Vida Saudável Semana da Vida Saudável - 2008 Lazer Ativo: Promoção de estilos de vida mais ativos e saudáveis Apresentação preparada por Markus Vinicius Nahas NuPAF / UFSC Por que o estilo de vida - e o lazer - são

Leia mais

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail:

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: andrea@salesiano-ata.br 1 A Obesidade Definida como doença crônica caracterizada pelo excesso de peso corporal Decorre na maior parte dos casos de um desequilíbrio

Leia mais

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP Erly Catarina de Moura NUPENS - USP erlycm@usp.br Evolução do estado nutricional de homens, 1974-1975, 1989, 2002-2003, Brasil déficit de peso sobrepeso obesidade eutrofia 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1974-75

Leia mais

Programa Cessação do Tabagismo

Programa Cessação do Tabagismo Programa Cessação do Tabagismo Vallourec do Brasil Ramo de atividade: Siderurgia Produto: Tubos de aço sem costura Presença no Brasil: desde 1952 Localização: Belo Horizonte/MG Empregos diretos: 4.000

Leia mais

Encontro com as Referências Estaduais de Alimentação e Nutrição. Prevenção e Controle da Obesidade

Encontro com as Referências Estaduais de Alimentação e Nutrição. Prevenção e Controle da Obesidade Encontro com as Referências Estaduais de Alimentação e Nutrição Prevenção e Controle da Obesidade Brasília Junho 2015 Caminhos da apresentação Contexto atual do país SUS: avanços e desafios Redes de Atenção

Leia mais

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução É a identificação atempada de uma determinada doença mesmo

Leia mais

SAÚDE CORPORATIVA: ASSOCIAÇÃO ENTRE A MEDICINA ASSISTENCIAL A MEDICINA PREVENTIVA E A SAÚDE OCUPACIONAL

SAÚDE CORPORATIVA: ASSOCIAÇÃO ENTRE A MEDICINA ASSISTENCIAL A MEDICINA PREVENTIVA E A SAÚDE OCUPACIONAL SAÚDE CORPORATIVA: ASSOCIAÇÃO ENTRE A MEDICINA ASSISTENCIAL A MEDICINA PREVENTIVA E A SAÚDE OCUPACIONAL A expansão do mercado de equipamentos hospitalares quase triplicou seu faturamento nos últimos cinco

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE FATORES DE RISCO PARA O ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E FAIXA ETÁRIA EM NATAL-RN

INVESTIGAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE FATORES DE RISCO PARA O ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E FAIXA ETÁRIA EM NATAL-RN INVESTIGAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO ENTRE FATORES DE RISCO PARA O ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL E FAIXA ETÁRIA EM NATAL-RN SOUZA, R. F. L. 1 ; COSTA, H. J. B. 1 ; CAVALCANTE, E. S. S. 2 ; PANTOJA, A. L. H. 1,2 ; PEREIRA,

Leia mais