Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga"

Transcrição

1 Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através de índices úteis a melhor forma de extrair conclusões sobre a situação da empresa. Essa etapa considerada a mais importante para os analistas, permite a tomada de decisões no presente e no futuro. O analista deve, primeiramente, fazer a análise individual de cada indíce e, posteriormente, em conjunto. Indicadores Econômico-Financeiros Liquidez: indicam a situação da empresa diante dos compromisos assumidos no passivo. Endividamento: indicam a dependência e a independência financeira da empresa. Rentabilidade: indicam a capacidade da empresa em gerar lucro ou seu sucesso em determinado período ou, ainda, o retorno oferecido ao capital investido. Operacionais (ou Rotatividade): indicam a capacidade de operacionalidade da empresa em transformar estoques em vendas e dessa forma gerar receitas. Análise de Ações: indicam o lucro oferecido ao investidor, sendo importante item da análise em caso de fusão, incorporação, etc. Imobilizações: indicam a imobilização dos recursos obtidos e também o quanto destes recursos foi aplicado em ativo permanente. Uma vez apurados todos os indicadores, deve o analista efetuar a interpretação. Não existem interpretação idênticas, pois cada empresa é uma empresa diferente. O que causa influência nesta interpretação são as características da própria empresa. O que seria razoável ou péssimo para uma empresa pode ser bom para outra. Para uma melhor interpretação, deve ser feita em primeiro lugar a análise individual (ou isolada) de cada indicador e posteriormente em conjunto. INDICADORES DE LIQUIDEZ LIQUIDEZ GERAL LIQUIDEZ CORRENTE LIQUIDEZ SECA LIQUIDEZ IMEDIATA LIQUIDEZ GERAL ATIVO CIRCULANTE + REALIZÁVEL A LP* FÓRMULA: PASSIVO CIRCULANTE + PASSIVO NÃO CIRCULANTE* ESSE QUOCIENTE EVIDENCIA SE OS RECURSOS FINANCEIROS APLICADOS NO ATIVO CIRCULANTE E NO ATIVO REALIZÁVEL A LP SÃO SUFICIENTES PARA COBRIR AS OBRIGAÇÕES TOTAIS, ISTO É, QUANTO A EMPRESA TEM DE ATIVO CIRCULANTE MAIS REALIZÁVEL A LP PARA CADA REAL DE OBRIGAÇÃO TOTAL. LIQUIDEZ CORRENTE ATIVO CIRCULANTE FÓRMULA: PASSIVO CIRCULANTE O QUOCIENTE REVELA A CAPACIDADE FINANCEIRA DA EMPRESA PARA CUMPRIR OS SEUS COMPROMISSOS DE CURTO PRAZO, ISTO É, QUANTO A EMPRESA TEM DE ATIVO CIRCULANTE PARA CADA REAL DE PASSIVO CIRCULANTE. LIQUIDEZ SECA ATIVO CIRCULANTE ESTOQUES FÓRMULA: PASSIVO CIRCULANTE O QUOCIENTE REVELA CAPACIDADE FINANCEIRA LÍQUIDA DA EMPRESA PARA CUMPRIR OS COMPROMISSOS DE CURTO PRAZO, ISTO É, QUANTO A EMPRESA TEM DE ATIVO CIRCULANTE LÍQUIDO PARA CADA REAL DO PASSIVO CIRCULANTE. LIQUIDEZ IMEDIATA DISPONIBILIDADES FÓRMULA: PASSIVO CIRCULANTE

2 O QUOCIENTE REVELA A CAPACIDADE DE LIQUIDEZ IMEDIATA DA EMPRESA PARA SALDAR SEUS COMPROMISSOS DE CURTO PRAZO, ISTO É, QUANTO A EMPRESA POSSUI DE DINHEIRO EM CAIXA, BANCOS E EM APLICAÇÕES FINANCEIRAS, PARA CADA REAL DO PASSIVO CIRCULANTE. O padrão mundial usa os seguintes números para os indicadores de liquidez: TIPO DE INDICADOR ÍNDICE PADRÃO MEDIANA Liquidez Corrente 1,50 Liquidez Seca 0,90 Liquidez Geral 1,00 Liquidez Imediata 0,70 Os conceitos são: Ruim, Razoável, Satisfatório, e Boa. EXERCÍCIOS Com as contas abaixo, apure o resultado do exercício, faça o Balanço Patrimonial e calcule o indicadores. Contas Valores Contas Valores Disponíveis Fornecedores Estoques Clientes Aplicações LP Ad. Fornecedores Empréstimos concedido LP Salários a pagar Despesas de salários Receitas de vendas CMV Salários a pagar Despesas de IR Lucros acumulados Capital Calcular Prejuízos acumul Imóveis para uso Imóveis aluguel Marcas e patentes Depreciação Imobilizado Depreciação Investimento Amortizações Intangível Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO Ativo Circulante Passivo Circulante Ativo não Circulante Realizável Longo Prazo Passivo não Circulante Investimentos Imobilizado Intangível TOTAL TOTAL Uma empresa entregou um relatório para que o Administrador efetuasse os cálculos do indicadores de liquidez, o relatório constavam as seguintes informações: Total do Ativo: R$ Total do Passivo: R$ Total do PL: Calcular Sabe-se que: estoques de mercadorías representam 20% do Ativo total; o ativo a longo prazo representa 15% do ativo total; a soma do caixa, banco e aplicações de curto prazo, representam 50% do total do ativo; que o total dos bens fixos (imobilizado e investimentos) são de 30% sobre o ativo total e que as depreciações são de 10% sobre ese total; as contas a pagar a longo prazo representam 50% do passivo total; do total do ativo, 70% representa curto prazo

3 INDICADORES DE ENDIVIDAMENTO INDEPENDENCIA FINANCEIRA ENDIVIDAMENTO (1) ENDIVIDAMENTO (2) GARANTIA OU SOLVÊNCIA INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA PATRIMÔNIO LÍQUIDO FÓRMULA: ATIVO TOTAL Participação dos recursos próprios no ativo total. Por exemplo, se o índice for igual a 0,08 significa que 80% do ativo é financiado pelo capital próprio. ENDIVIDAMENTO (1) PASSIVO CIRCULANTE + PASSIVO NÃO CIRCULANTE FÓRMULA: PATRIMÔNIO LÍQUIDO Relação entre capital de terceiros e capital próprio INTERPRETAÇÃO: QUANTO MAIOR FOR O ÍNDICE, MAIOR SERÁ O ENDIVIDAMENTO. ENDIVIDAMENTO (2) PASSIVO CIRCULANTE + PASSIVO NÃO CIRCULANTE FÓRMULA: ATIVO TOTAL Participação do capital de terceiros no ativo total. INTERPRETAÇÃO: QUANTO MAIOR FOR O ÍNDICE, MAIOR SERÁ O ENDIVIDAMENTO. QTD. END.: Muito alto, Satisfatório ou Muito baixo a média mundial é de 40% GARANTIA OU SOLVÊNCIA ATIVO TOTAL FÓRMULA: PASSIVO CIRCULANTE + PASSIVO NÃO CIRCULANTE Garantia de quitação dos compromissos com terceiros.

4 Temos ainda a fórmula para medir a qualidade do endividamento com a seguinte fórmula: FÓRMULA: PC : CT Onde é classificado como Ruim, Razoável, Satisfatório e Boa. Mundialmente, a porcentagem para o indicador é de 50%. EXERCÍCIOS PARTE 1 Com as contas abaixo, apure o resultado do exercício, faça o Balanço Patrimonial e calcule o indicadores. Contas Valores Contas Valores Disponíveis Títulos a pagar Estoques Ad. Clientes Aplicações LP Ad. Fornecedores Empréstimos LP Salários a pagar Provisões devedores duvid Receitas de vendas CMV Duplicatas a pagar LP Despesas salarios Lucros acumulados Capital Calcular Prejuízos acumul Imóveis para uso Imóveis aluguel Software Depreciação Imob Depreciação Inves Amortizações Intangível Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO Ativo Circulante Passivo Circulante Ativo não Circulante Realizável Longo Prazo Passivo não Circulante Investimentos Imobilizado Intangível TOTAL IF = PL : AT TOTAL END1 = (PC + PNC) : PL END2 = (PC + PNC) : AT > QTD. END.: Muito alto, Satisfatório ou Muito baixo a média mundial é de 40% - Quanto maior pior. G OU S = AT : (PC + PNC)

5 EXERCÍCIOS PARTE 2 Admita que a Cia. Teixeira apresente o seguinte Balanço Patrimonial em 31/12/00 Ativo 31/12/00 31/01/01 Passivo 31/12/00 31/01/01 Circulante Circulante Caixa Fornecedores Estoque Contas a Pagar Exigível a LP Imobilizado Instalações Capital Móveis e Utensílios Lucros Acumulados Máquinas Total Total No mês de janeiro de 2001 a empresa orçou os seguintes dados: 1) Comprar $ de Mercadoria a prazo. 2) Pagar todos os Fornecedores constante em ) Vender, a vista, metade do total do Estoque pelo dobro do preço. 4) As Despesas Operacionais previstas são: Comissão de Vendedores: 10% sobre as Vendas. Pagto. A vista. Honorários da Diretoria, também a vista, em ) Metade das Contas a Pagar serão liquidadas. 6) A empresa fará um financiamento de Longo Prazo em , recursos estes para a aquisição de Máquinas. A empresa optou em não fazer depreciação neste período. 7) Os proprietários concordaram em aumentar o capital em dinheiro para $ Calcule: Variações de CCP e CCL: Análise Vertical de 2001: Análise Horizontal: Os Indicadores de Liquidez: Independência Financeira = PL : AT > Endividamente1 = PT : PL Endividamento2 = PT : AT Garantia = AT : PT

6 INDICADORES DE RENTABILIDADE MARGEM BRUTA MARGEM OPERACIONAL MARGEM LÍQUIDA RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO RETORNO SOBRE O INVESTIMENTO (ROI) GIRO DO ATIVO MARGEM BRUTA LUCRO BRUTO FÓRMULA: VENDAS LÍQUIDAS Eficiência produtiva ou o quanto das vendas foi aplicado em custos. MARGEM OPERACIONAL LUCRO OPERACIONAL FÓRMULA: VENDAS LÍQUIDAS Eficiência operacional ou resultado operacional. MARGEM LÍQUIDA LUCRO LÍQUIDO FÓRMULA: VENDAS LÍQUIDAS Eficiência global da empresa ou retorno dado aos accionistas. RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO LUCRO LÍQUIDO FÓRMULA: PATRIMÔNIO LÍQUIDO Retorno sobre os recursos próprios investidos na empresa. RETORNO SOBRE O INVESTIMENTO (ROI) LUCRO LÍQUIDO FÓRMULA: ATIVO TOTAL Capacidade dos ativos (capital aplicado ou investido) em gerar lucros.

7 GIRO DO ATIVO RECEITA DE VENDAS FÓRMULA: ATIVO TOTAL Capacidade dos ativos em gerar vendas. EXERCÍCIOS Com os lançamentos abaixo, monte a DRE e calcule os indicadores acima. Venda de R$ de mercadorias com lucro de 80% em dinheiro; Venda de R$ de mercadorias por R$ a prazo; Pagamento de despesas gerais em dinheiro no total de R$ ; Pagamento de despesas financeiras no total de R$ debitados em conta; O Imposto de Renda foi de 10% sobre o lucro; As participações dos sócios foram de 30%; Outras informações necessárias para calcular os indicadores: Valor do Ativo Circulante R$ Valor do Ativo não Circulante R$ Soma do Passivo R$ Fórmulas: Receitas de vendas (-) CMV = Lucro Bruto (-) Despesas + Receitas = Lucro Operacional (-) Impostos = LAP (-) Participações = Lucro Líquido DRE MB = LB : VL MO = LO : VL ML = LL : VL RSPL = LL : PL RSI = LL : AT GA = RV : AT

8 INDICADORES OPERACIONAIS PRAZO MÉDIO DE ESTOCAGEM DA MATÉRIA-PRIMA PRAZO MÉDIO DE PRODUÇÃO PRAZO MÉDIO DE VENDAS PRAZO MÉDIO DE ESTOCAGEM DE MERCADORIAS PRAZO MÉDIO DE COBRANÇA PRAZO MÉDIO DE COBRANÇA PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO PRAZO MÉDIO DE ESTOCAGEM DA MATÉRIA-PRIMA ESTOQUE DE MATÉRIA-PRIMA (VALOR MÉDIO) x 360 DIAS FÓRMULA: MATÉRIA-PRIMA CONSUMIDA NO PERÍODO Tempo (médio) em que a empresa industrial mantém a matéria-prima em estoque até o seu consumo no processo industrial. PRAZO MÉDIO DE PRODUÇÃO EST. DE PROD. EM ELABORAÇÃO (VALOR MÉDIO) x 360 DIAS FÓRMULA: CUSTO DE PRODUÇÃO NO PERÍODO Tempo (médio) em que a empresa industrial gasta para produzir. PRAZO MÉDIO DE VENDAS EST. DE PROD. ACABADOS (VALOR MÉDIO) x 360 DIAS FÓRMULA: CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS NO PERÍODO Tempo (médio) em que a empresa industrial gasta para vender produtos de sua fabricação. PRAZO MÉDIO DE ESTOCAGEM DE MERCADORIAS (OU PRAZO MÉDIO DE VENDAS) ESTOQUE DE MERCADORIAS (VALOR MÉDIO) x 360 DIAS FÓRMULA: CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS NO PERÍODO Tempo (médio) em que a empresa comercial gasta para vender suas mercadorias. PRAZO MÉDIO DE COBRANÇA DUPLICATAS A RECEBER (VALOR MÉDIO) x 360 DIAS FÓRMULA: VENDAS A PRAZO NO PERÍODO Tempo (médio) gasto para receber as vendas realizadas a prazo.

9 PRAZO MÉDIO DE PAGAMENTO DUPLICATAS A PAGAR (VALOR MÉDIO) x 360 DIAS FÓRMULA: COMPRAS A PRAZO NO PERÍODO Tempo (médio) gasto para pagar as compras realizadas a prazo. EXEMPLO 1 Prazo médio de estocagem da matéria-prima. Estoque anterior de matéria-prima: Estoque atual de matéria-prima: Consumo de matéria-prima no período: Valor médio dos estoque: = Cálculo: x 360 = O prazo médio de estocagem da matéria-prima é de 144 dias. Rotatividade: 360 : 144 = 2,5 vezes EXEMPLO 2 Prazo médio de produção. Estoque anterior de produtos em elaboração: Estoque atual de produtos em elaboração: Custo de produção no período: Valor médio dos estoques: = Cálculo: x 360 = O prazo médio de produção é de 27 dias. Rotatividade: 360 : 27 = 13,3 vezes. EXEMPLO 3: Prazo médio de vendas. Estoque anterior de acabados: Estoque atual de acabados: Custo dos Produtos Vendidos no período: Valor médio dos estoques: = Cálculo: x 360 =

10 O prazo médio de vendas é de 90 dias. Rotatividade: 360 : 90 = 4 vezes. EXEMPLO 4: Prazo médio de cobranza. Saldo anterior de Duplicitas a Receber: Saldo atual de Duplicatas a Receber: Vendas a prazo no período: Valor médio dos saldos: = Cálculo: x 360 = O prazo médio de cobranza é de 90 dias. Rotatividade: 360 : 90 = 4 vezes. EXEMPLO 5: Prazo médio de pagamento. Saldo anterior de Duplicatas a Pagar: Saldo atual de Duplicatas a Pagar: Compras a prazo no período: Valor médio dos saldos: = Cálculo: x 360 = O prazo médio de pagamento é de 105 dias. Rotatividade: 360 : 105 = 3,4 vezes. EXEMPLO 6: Prazo médio de estocagem de mercadorias. Estoque anterior de mercadorias: Estoque atual de mercadorias: Custo das Mercadorias Vendidas no período: Valor médio dos Estoques: = Cálculo: x 360 = O prazo médio de estocagem de mercadorias é de 60 dias.

11 Rotatividade: 360 : 60 = 6 vezes. EXERCÍCIO 1 Com os dados abaixo, faça todos os indicadores operacionais conforme exemplos acima. Estoque anterior de Matéria-Prima Estoque atual de Matéria-Prima Matéria-prima consumida no período Estoque anterior de Produtos em Elaboração Estoque atual de Produtos em Elaboração Custo de Produção no período Estoque anterior de Produtos Acabados Estoque atual de Produtos Acabados Custo dos Produtos Vendidos no período Saldo anterior de Duplicatas a Receber Saldo atual de Duplicatas a Receber Vendas a prazo no período Saldo anterior de Duplicatas a Pagar Saldo atual de Duplicatas a Pagar Compras a prazo no período Estoque anterior de Mercadorias Estoque atual de Mercadorias Custo das Mercadorias Vendidas no período EXERCÍCIOS 2 Monte o Balanço Patrimonial com as contas abaixo: CONTAS R$ CONTAS R$ Disponível Estoques Máquinas Contas a pagar Fornecedores Ações outras empresas Duplicatas a receber Lucros acumulados Capital Financiamentos pagar LP

12 Ativo Circulante ATIVO Balanço Patrimonial PASSIVO Passivo Circulante Ativo não Circulante RLP Imobilizado Passivo não Circulante Investimento Intangível Total Com base do Balanço acima, responda: 1. A situação financeira da empresa é: a) Satisfatória a CP b) Péssima c) Excelente d) N.D.A. Total 2. Endividamente é: a) Alto b) Baixo c) Insuficiente d) N.D.A. 3. A Qualidade da dívida é: a) Ruim b) Excelente c) Elevada d) N.D.A 4. Comparando com os padrões internacionais, endividamento é: a) Satisfatório b) Elevado c) Baixo d) N.D.A. 5. A empresa é: a) Indústria b) Comércio c) Prestação de Serviços d) N.D.A. 6. A empresa vende: a) somente à vista b) prazo c) impossível responder d) N.D.A 7. O Capital de Giro da empresa é: a) b) c) d) N.D.A 8. O Capital de Giro Próprio é: a) b) c) d) N.D.A.

13 Os padrões utilizados para responder as questões acima são: TIPO DE INDICADOR Liquidez Corrente ÍNDICE PADRÃO MEDIANA 2008 TIPO DE INDICADOR 1,50 Rentabilidade TRI Liquidez Seca 0,90 Rentabilidade Margem Liquidez Geral 1,00 Rentabilidade Giro do Ativo Endividamente Quantidade Endividamente Qualidade Rentabilidade TRPL ÍNDICE PADRÃO MEDIANA % 15% 1,20 40% Atividade PMRV 60 dias 50% Atividade PMRE 120 dias 25% Atividade PMPC 180 dias Fórmulas: LC = AC/PC LS = AC EST/PC LG = AC + RLP/PC + PNC QTD END. = CT/RECURSOS TOTAIS QUAL. END. = PC/CT TRPL = LL/PL TRI = LL/VL MARGEM = LL/VL GIRO = REC. VENDAS/ATIVO TOTAL PMRV = 360Xm. D.REC./VENDAS PMRE = 360Xm. ESTOQUES/CUSTO PMPC = 360Xm. FORN./COMPRAS COMPRAS = CUSTOS + EF-EI Conceitos: LIQUIDEZ: Ruim, Razoável, Satisfatório e Boa QTD. END.: Muito alto, Satisfatório ou Muito baixo QUAL. END.: Ruim, Razoável, Satisfatório e Boa TRI E TRLP: idem LIQUIDEZ MARGEM E GIRO: Satisfatório ou Insatifatório ATIVIDADE: idem LIQUIDEZ Tendência: Aumentar, diminuir, melhorar, piorar ou estabilizar EXERCÍCIOS 3 Dados Balanço Patrimonial e DRE da Cia.Tempos Modernos, responda as questões abaixo: ATIVO Companhia Teixeira Balanço Patrimonial PASSIVO E PL

14 Circulante - Caixa e bancos - Aplicações financ. - Clientes - Estoques - Outros Ativos Circulante Empréstimos Fornecedores Obrigações sociais Impostos a pagar Ativo não Circulante Aplicações financeiras Outros ativos Passivo não Circul Empréstimos Outros passivos Permanente - Investimentos - Imobilizado - Intangível Capital Social Lucros acumulados Total do ativo Total do passivo/pl DRE Demonstração do Resultado do Exercício Ano de Receita Operacional Bruta (-)Deduções (81.727) (66.152) Receita Líquida (-)Custo dos produtos vendidos ( ) ( ) Lucro Bruto (-)Despesas operacionais (87.369) (72.732) Lucro Operac. (antes do result. financ.) Receitas financeiras (-)Despesas financeiras (24.394) (4.803) Lucro Operacional (-) Resultado não-operacional (1.158) (1.196) Lucro antes do IR e CS (-) Imposto de Renda e Contrib. Social (3.663) (5.203) = Lucro líquido A análise horizontal da conta de Aplicações Financeiras de liquidez imediata é de: (A) 15% (B) 226% (C) 29% (D) 100% (E) 110% 2. A análise vertical da conta de Despesas Financeiras para o ano de 2002 é de: (A) 1% (B) 5% (C) 4% (D) 274% (E) 15% 3. Com relação ao índice de Participação de Capitais de Terceiros, não se pode dizer que: CT : PL (A) melhorou de 2002 para 2003, permanecendo em níveis adequados (B) é de 259% em 2002 (C) é de 296% em 2003 (D) as duas alternativas anterior estão corretas. (E) quanto a empresa tem de capitais de terceiros para cada$ 100 de capital dos sócios.

15 4. Sobre os índices de liquidez, pode-se dizer: (A) a liquidez geral está boa, tanto para 2002 quanto para 2003 (B) o índice de liquidez seca em 2003 é de 0,87 (C) a liquidez corrente passou de níveis ruins para níveis adequados (D) a liquidez corrente representa o quanto a empresa possui de dívida (numerador) comparado aos seus ativos circulantes (denominador), por isso o ideal é que esse índice seja abaixo de 1,00 (E) o índice de liquidez imediata em 2003 é de 0,51 5. Sobre os prazos médios, pode-se dizer: (A) o Prazo Médio de Recebimento de Vendas de 2002 é de 120 dias (B) o Prazo Médio de Renovação dos Estoques de 2003 é de 224 dias (C) o Ciclo Operacional da empresa em 2002 é de 360 dias (D) todas as respostas anteriores estão corretas. (E) não há como se calcular exatamente o PMPC porque, estando do lado de fora da empresa não há como se obter dados de compras. Nos QUADROS IV, V e VI que se seguem, estão segmentados, por grupos, os índices a serem enfocados nesta pesquisa: QUADRO IV - ÍNDICES DE ESTRUTURA DE CAPITAL Índice Participação de Capital de Terceiros (Endividamento) Composição do Endividamento Imobilização do Imobilização dos Recursos não Correntes Fórmula Capital de Terceiros Passivo Circulante Capital Terceiros Ativo Permanente Ativo Permanente P.L. + E.L.P. Analisa Quanto a empresa tomou de capital de terceiros para cada $ 100 de capital próprio Qual o percentual de obrigações a curto prazo em relação às obrigações totais Quantos $ se aplicou no Ativo Permanente para cada $ 100 de Patrimônio Líquido Que % dos Recursos não Correntes foi destinado ao Ativo Permanente Interpretação Quanto menor, melhor Quanto menor, melhor Quanto menor, melhor Quanto menor, melhor Obs.: todos os resultados encontrados devem ser multiplicados por 100. Fonte: Adaptado de MATARAZZO (1995) QUADRO V - ÍNDICES DE RENTABILIDADE Índice Giro do Ativo Margem Líquida Rentabilidade do Ativo Rentabilidade do Fórmula Vendas Líquidas Ativo Lucro Líquido * Vendas Líquidas Lucro Líquido * Ativo Lucro Líquido * P.L. médio Analisa Quanto a empresa vendeu para cada $ 1 de investimento total Quanto a empresa obtém de lucro para cada $ 100 vendidos Quanto a empresa obtém de lucro para cada $ 100 de investimento total Quanto a empresa obtém de lucro para cada $ 100 de capital próprio investido, em média, no exercício Interpretação Quanto maior, melhor Quanto maior, melhor Quanto maior, melhor Quanto maior, melhor o resultado encontrado deve ser multiplicado por 100. Fonte: Adaptado de MATARAZZO (1995)

16 QUADRO VI - ÍNDICES DE LIQUIDEZ Índice Liquidez Geral Liquidez Corrente Liquidez Seca Fórmula Ativo Circulante + Realizável LP Passivo Circulante + Exigível LP Ativo Circulante Passivo Circulante Ativo Circulante - Estoques Passivo Circulante Analisa Quanto a empresa possui de Ativo Circulante + Realizável a LP para cada $ 1 de dívida total Quanto a empresa possui de Ativo Circulante para cada $ 1 de dívida de curto prazo Quanto a empresa possui de Ativo Circulante, para cada $ 1 de dívida de curto prazo, sem comprometer os estoques Interpretação Quanto maior, melhor Quanto maior, melhor Quanto maior, melhor Fonte: Adaptado de MATARAZZO (1995) QUADRO VII - LIQUIDEZ SECA X LIQUIDEZ CORRENTE ÍNDICES LIQUIDEZ CORRENTE LIQUIDEZ CORRENTE NÍVEIS ALTA BAIXA LIQUIDEZ SECA ALTA Situação Financeira Boa Situação financeira em princípio satisfatória, mas atenuada pela boa Liquidez Seca. Em certos casos pode até ser considerada razoável. LIQUIDEZ SECA BAIXA Situação financeira em princípio satisfatória. A baixa Liquidez Seca não indica necessariamente comprometimento da situação financeira. Em certos casos pode ser sintoma de excessivos estoques "encalhados" Situação Financeira Insatisfatória Fonte: MATARAZZO (1995, p.179)

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Balanço Patrimonial Relembrando da ultima aula!!!! Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Análise Financeira de Balanços O balanço Patrimonial de uma organização é uma peça contábil, em

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração Análise Horizontal Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração será designado pelo número-índice 100. Será verificada a tendência do item a partir de sua variação,

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLIE DA DEMONTRAÇÕE FINANCEIRA Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis; 2.1. Análise vertical

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.5. Índices

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Contabilidade e Custos Análise Financeira de Balanços 09-04-2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Planejamento de caixa Índices de prazos médios Prazo Médio de Recebimento

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 15- A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira

Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira Operadores definidos pela LMDQL para Análise Financeira A seguir é apresentada a especificação de alguns operadores financeiros criados pela LMDQL para a realização de análise financeira em documentos

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais Sumário 1. A Importância Dos Índices Nas Demonstrações Financeiras 1.1 - Preparação e Reclassificação Das Contas 2. Grupos de Índices 3. Capital

Leia mais

Análise Dinâmica do.capital de Giro

Análise Dinâmica do.capital de Giro Análise Dinâmica do.capital de Giro Questões 12.1 O que são contas cíclicas do giro? Dê exemplos de contas ativas e passivas. 12.2 Desenvolva uma análise comparativa entre as medidas do capital circulante

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS Prof. Herbert Kimura INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE BALANÇOS CONTEXTUALIZAÇÃO Prof. Herbert Kimura INFORMAÇÕES Interna Externa Armazenagem Contábil! Relatórios contábeis

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Leia mais

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO Patrimônio é o conjunto de posses, a riqueza de uma pessoa, quer seja ela física ou jurídica,

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura

Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA. Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL. Profª. Cristiane Yoshimura Centro de Ciências Empresariais e Sociais Aplicadas CCESA Bacharelado em Ciências Contábeis CONTABILIDADE GERAL Profª. Cristiane Yoshimura 2013 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTAS PATRIMONIAIS DÉBITO E CRÉDITO RAZONETE

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II Professora: Alessandra Vieira Cunha Marques 1 AMBIENTE FINANCEIRO E CONCEITOS FINACEIROS Atividades

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA

PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA PÓS GRADUAÇÃO DIRETO EMPRESARIAL FUNDAMENTOS DE CONTABILIDADE E LIVROS EMPRESARIAS PROF. SIMONE TAFFAREL FERREIRA DISTRIBUIÇÃO DA APRESENTAÇÃO - Aspectos Conceituais - Definições Teóricas e Acadêmicas

Leia mais

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas Alluno:: Karrllos Eduarrdo Souza Corrrrêa Mattrríículla:: 10657 Currso:: Engenharriia de Prrodução Prroffessorr:: Edson Pampllona Conttabiilliidade Gerrenciiall 1- Introdução 1.1- Objetivos Este trabalho

Leia mais

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan Fundamento da Contabilidade Prof. Adilson C. Bassan Conteúdo Análise das Demonstrações Financeiras Análise da Rentabilidade Análise por Indicadores Análise Vertical e Horizontal e Avaliação Geral 1 Análise

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Profª Adriana Valente e-mail: adrianatvalente@hotmail.com Rio de Janeiro, 2º semestre de 2015. Rua 1º de Março, 33 Centro

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

Análise demonstrações financeiras instrumento de grande utilidade; Previsão de insolvência; Análise de informação objetiva do desempenho.

Análise demonstrações financeiras instrumento de grande utilidade; Previsão de insolvência; Análise de informação objetiva do desempenho. 1. Histórico Análise de Balanço: ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Uérito Cruz Na década de 30, surgiu dentro da empresa Du Pont, de Nemours, um modelo de análise da rentabilidade de empresa que

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito Conta Nome dado aos componentes patrimoniais (bens, direitos, obrigações e Patrimônio Líquido) e aos elementos de resultado

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Estrutura Patrimonial Índices de Estrutura Índices de Estrutura Estrutura do Balanço Patrimonial Estrutura das Aplicações (Ativo) Estrutura das

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Análise Através de Índices PRINCIPAIS ASPECTOS REVELADOS PELOS ÍNDICES FINANCEIROS Situação Financeira ESTRUTURA LIQUIDEZ Situação Econômica RENTABILIDADE QUADRO RESUMO

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

Contabilidade Básica

Contabilidade Básica Contabilidade Básica 2. Por Humberto Lucena 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos bens, pelos direitos e pelas obrigações pertencentes a uma

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras. Análise de Índices

Análise das Demonstrações Financeiras. Análise de Índices Análise das Demonstrações Financeiras Análise de Índices Análise de Índices Relaciona itens e grupos de itens do Balanço Patrimonial e do Demonstrativo de Resultados. É útil para a análise de crédito e

Leia mais

ATIVIDADE ESTRUTURADA

ATIVIDADE ESTRUTURADA ATIVIDADE ESTRUTURADA Disciplina: Análise das Demonstrações Financeiras Curso: Administração Prof.: Marcelo Valverde Período: 5º Pontos: de 0 a 2,0p AV1 Pede-se: 1) A análise financeira se utiliza de dois

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

Análise das Demonstrações financeiras

Análise das Demonstrações financeiras Estrutura de Capitais A empresa pode contar com duas fontes de recursos: Capital Próprio; São recursos aplicados na empresa pelos sócios, ou gerados pelo resultado das operações ( lucros e reservas) CAPITAL

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

Guia Técnica Análise Financeira

Guia Técnica Análise Financeira Guia Técnica Análise Financeira Sertras Março 2015 Av. Paisagista José Silva de Azevedo Neto 200 bl. 4, sala 104, Barra da Tijuca, Rio de 1.- Índice 1.- Índice...2 2.- Introdução...3 3.- Procedimento Geral...4

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Universidade Federal do Pará. Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I. Professor: Héber Lavor Moreira. Aluna: Ivanete Silva Caldas

Universidade Federal do Pará. Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I. Professor: Héber Lavor Moreira. Aluna: Ivanete Silva Caldas Universidade Federal do Pará Disciplina: Análise das Demonstrações Contábeis I Professor: Héber Lavor Moreira Aluna: Ivanete Silva Caldas Turma: 010 Turno: Manhã Semestre/ Ano: 7º Sem/ 2007 Análise Econômico-Financeira

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO. 1.1 - Objetivo. 1.2 - Justificativa

1 - INTRODUÇÃO. 1.1 - Objetivo. 1.2 - Justificativa 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - Objetivo O objetivo desta atividade é constatar que através da demonstração financeira de uma empresa, dado que as empresas de capital aberto devem disponibilizar ao público, se possa

Leia mais

Balanço Patrimonial ( em R$ 000 )

Balanço Patrimonial ( em R$ 000 ) Demonstrações Financeiras Índice de Endividamento Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ( em R$ 000 ) Circulante X X-1 Caixa... 363 288 Títulos Negociáveis... 68 51 Duplicatas a Receber... 503

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Aula 5 Contextualização

Aula 5 Contextualização Gestão Financeira Aula 5 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Demonstrativos Contábeis e Análise Financeira Contabilidade é uma ciência aplicada que, por intermédio de uma metodologia específica,

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA

MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA Prof. Alberto P. Trez JORNADA CIENTÍFICA DE 2014 CONTEÚDOS 1. Sócios da empresa: participação e ganhos 2. Capital Investido na empresa: fixo e de giro 3. Alocação

Leia mais

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250

4. O balancete de verificação de uma certa empresa apresentava os seguintes saldos em 31.12.x1: $ 4.500 $ 2.750 $ 800 $ 4.250 MÚLTIPLA ESCOLHA 1 Não integra o Ativo: a contas representativas de origem dos recursos b contas com saldo devedor c contas representativas de bens d contas representativas de direitos e capital fixo e

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Relatórios de Análise

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Relatórios de Análise ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Relatórios de Análise Relatórios de análise Relatório de Análise é um documento, elaborado pelo analista de Balanços, que contém as conclusões resultantes do desenvolvimento

Leia mais

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO 18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais: Recebimentos de Clientes (+) Pagamento de Fornecedores (-) Pagamento

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL

RAZÃO DAS CONTAS CONTÁBEIS E NÃO FINACEIRAS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO, EXAUSTÃO, REC/DESP. EQUIV. PATRIMONIAL EXERCÍCIO DE DFC 03 RAZÃO DAS CONTAS DO CAIXA E EQUIVALENTES (DISPONÍVEL) CAIXA, BANCOS, APLICAÇÕES DE CURTÍSSIMO PRAZO (ATÉ 90 DIAS) CONTA BCO C/MOVIM Saldo Inicial: 2.270.700,00 10/01 Pela Aquisição

Leia mais

Índices econômico Financeiros

Índices econômico Financeiros Índices econômico Financeiros ADMNISTRAÇÃO Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Objetivos da aula Apresentar a importância de calcular os indicadores financeiros em uma empresa.

Leia mais