FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II Professora: Alessandra Vieira Cunha Marques

2 1 AMBIENTE FINANCEIRO E CONCEITOS FINACEIROS Atividades Práticas Sistema Financeiro Nacional (SFN) 1 O Sistema Financeiro Nacional (SFN) tem importância social e econômica no processo de intermediação e distribuição de recursos no mercado. Ele é composto por instituições públicas e privadas que atuam nos diversos instrumentos financeiros. O governo possui órgãos normativos e executivos. Defina quais são e as funções do órgão normativo e do órgão executivo do mercado financeiro. 2 O sistema de intermediação é composto por agentes capazes de gerar poupança para investimentos e agentes carentes de capital. Estas transferências de recursos processam-se por meio das instituições financeiras. Assinale V, para verdadeiro, e F, para falso, nas alternativas relacionadas ao Sistema Financeiro Nacional. a) ( ) Uma característica do banco é a capacidade de interferir nos meios de pagamentos da economia com a criação da moeda escritural. Devido a essa característica, todo o recurso depositado no banco é devolvido ao mercado sob a forma de empréstimo. b) ( ) Os bancos comerciais e múltiplos são instituições financeiras que atendem a demanda por crédito de tomadores de recursos, sendo que os bancos comerciais e múltiplos têm o mesmo universo de atuação. c) ( ) O BNDES é um banco de investimento que atua em operações de repasses oficiais. Os recursos são oferecidos para suprir a necessidade de capital de giro e capital fixo. d) ( ) A sociedade de arrendamento mercantil e a sociedade de crédito, financiamento e investimento têm como principais fontes de recursos a colocação de debêntures de emissão própria e a colocação de letras de câmbio no mercado, respectivamente. e) ( ) Associação de Poupança e Empréstimo é constituída sob a forma de sociedades civis sem fins lucrativos que atuam no financiamento imobiliário, sendo voltadas à área habitacional. Ativos Financeiros 3 Os ativos financeiros negociados no mercado podem ser classificados com relação à renda, prazo e emissão. Defina ativos de renda fixa, renda variável, a natureza da emissão dos títulos e quais são os prazos. 4 As ações representam uma fração do capital social de uma sociedade. A ação é considerada um título de renda variável que está vinculado aos lucros auferidos pela empresa emissora. Assinale V, para verdadeiro, e F, para falso, nas alternativas relacionadas ao mercado de ações. a) ( )No exercício social, parte dos resultados líquidos é distribuída sob a forma de dividendos, ou seja, distribui dinheiro aos acionistas. b) ( )Dividendos: uma maneira de remunerar os acionistas. Outra forma de remuneração dos acionistas é o pagamento de juros calculados sobre o capital próprio; no entanto existem certas limitações e condições estabelecidas para essa forma de distribuição de resultados prevista pela legislação. O pagamento de juros calculados sobre o capital próprio não proporciona nenhuma vantagem fiscal à empresa. c) ( ) Os subscritores de capital podem beneficiar-se das valorizações de suas ações no mercado, sendo que este ganho dependerá da conjuntura do mercado e do desempenho econômico-financeiro da empresa e da quantidade de ações. d) ( )O direito de subscrição permite a todo acionista subscrever, na proporção das ações 2

3 possuídas, todo o aumento de capital; no entanto, esse direito de subscrição pode ser negociado no mercado pelo investidor quando o preço de mercado apresentar-se valorizado em relação ao preço subscrito. e) ( )Bonificação é a emissão e distribuição gratuita aos acionistas, quando uma sociedade decide elevar seu capital social, em quantidade proporcional à participação de capital. O capital social é elevado em função da incorporação de reservas patrimoniais. Mercados Financeiros 5 A intermediação financeira desenvolve-se de forma segmentada. Esses segmentos na prática permitem que várias operações financeiras interajam por meio de um amplo sistema de comunicações. Defina os segmentos de intermediação financeira. 6- Você comprou 100 opções de compra de ações da Bovespa Holding S/A pelo valor de R$ 2,00/opção e preço de exercício de R$ 33,00/ação. No dia do vencimento, o preço de mercado estava em R$ 37,00. Calcule o seu lucro ou prejuízo. 7 - Um investidor lançou 03 opções de venda de ações da Vale do Rio Doce com preço de exercício de R$ 73,00/ação e vencimento em 2 meses. Sabendo que o preço de mercado na data do vencimento era de R$ 70,00/ação e o premio de R$ 4,00/ação, calcule o lucro ou prejuízo do lançador. 3

4 1 Responda as questões: 2 FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Atividades Práticas 1. Comente sobre as fontes espontâneas de financiamento. 2. Conceitue capital próprio. Conceitue capital de terceiros. 3. Descreva as outras fontes de financiamento. 4

5 PRAZO MÉDIO 1. Teste de múltipla escolha 3 ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Atividades Práticas a. O prazo médio de recebimento de vendas é dado pela fórmula: a. Vendas Estoques. b. Vendas 360. c. 360 x (vendas Duplicatas a Receber). d. 360 x (Duplicatas a Receber Vendas). b. Se as vendas e/ou compras flutuarem, se tiverem picos e vales ou concentração em determinadas épocas do ano, os índices de prazo médio: a. Deverão representar adequadamente, uma vez que se trata de uma média. b. Poderão estar distorcidos. c. São ainda mais úteis. d. As afirmações anteriores são falsas. c. Dias, em média que a empresa terá de esperar para receber as suas duplicatas: a. PMRV. b. PMRE. c. PMPC. d. Nenhuma das alternativas anteriores. d. O tempo decorrido entre o momento em que a empresa coloca o dinheiro (pagamento ao fornecedor) e o momento em que recebe as vendas (recebimento do cliente) é o período em que a empresa precisa arrumar financiamento. Esse ciclo é também chamado de: a. Ciclo Financeiro. b. Ciclo Econômico. c. Ciclo Operacional. d. Nenhuma das alternativas anteriores. e. Encaixe e Desencaixe são expressões que significam: a. Entradas e Saídas de Caixa. b. Tomada de Empréstimos e Pagamentos de Empréstimos c. As duas alternativas anteriores. d. Nenhuma das alternativas anteriores. 2. Questões: 1. Quais os prazos que podemos calcular através das Demonstrações Financeiras? 2. O que é Prazo Médio de Recebimento de Vendas? Qual é a sua fórmula? 3. O que é Prazo Médio de Pagamento de Compras? Qual é a sua fórmula? 4. O que é Prazo Médio de Renovação de Estoque? Qual é a sua fórmula? 5. Qual a inter-relação dos índices de prazo médio? 6. O que é ciclo operacional? 7. O que é ciclo financeiro? 3. Complete: Ciclo Operacional Venda?? PM PM 5

6 4. A Cia Prado S/A apresentava os seguintes dados em suas Demonstrações Financeiras: Conta Estoques Fornecedores C.M.V Vendas Duplicadas a Receber Compras Pede-se : a) Calcular PMRE, PMRV e PMPC b) Calcular o Ciclo Operacional e o Ciclo Financeiro ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 5.Numere: 1 - NCG 1 - Ciclo Financeiro 2 - Cálculo aproximado de Vendas Diárias. 3 - Ciclo Operacional 4 - Ciclo Econômico ( ) Vendas Anuais 360 ( ) Reflete o montante de $ que a empresa necessita tomar para financiar o seu Ativo em decorrência das atividades de compra, produção e venda. ( ) PMRE + PMRV PMPC ( ) Prazo de investimento, ou seja, o intervalo que vai da Compra até o Recebimento de Vendas. ( ) Período que vai da compra até a venda. 6. Questões: 1) O que é NCG? 2) Quais as situações básicas que podem ocorrer numa empresa? 3) O que é tesouraria? 1) Como pode ser estudada a tesouraria? Explique. 7. A Empresa Estudo Ltda apresenta os seguintes relatórios. Pede-se: a) Calcule os prazos médios PMRE, PMRV e PMPC 6

7 b) Calcule o ciclo operacional e o ciclo financeiro c) Calcule a NCG d) Calcule a Tesouraria (T) e) Faça um comentário geral dessa empresa Balanço Patrimonial ATIVO Ativo Disponibilidade Aplicações Financeiras Duplicatas a Receber Estoques Total do Ativo Ativo Não TOTAL DO ATIVO PASSIVO Passivo Fornecedores Outras obrigações Empréstimos Total do Passivo Patrimônio Líquido TOTAL DO PASSIVO Dados Adicionais Compras CMV Vendas DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA 8. A Cia Geral Ltda. apresenta os seguintes relatórios. Pede-se: a) Calcule os prazos médios PMRE, PMRV e PMPC b) Calcule o ciclo operacional e o ciclo financeiro c) Calcule a NCG d) Calcule a Tesouraria (T) e) Faça a DFLC (Demonstração do Fluxo Líquido de Caixa) f) Faça um comentário geral dessa empresa 7

8 ATIVO CIRCULANTE Disponível Dupl. a Receber Estoques Total do Ativo NÃO CIRCULANTE Realizável a longo prazo Imobilizado Depreciação Total do não circulante TOTAL DO ATIVO CIA GERAL LTDA BALANÇO PATRIMONIAL B P (900) (1.800) PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores Empréstimos Bancários Total do Passivo NÃO CIRCULANTE Financiamentos PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Reservas de lucros Total Patrimônio Líquido TOTAL DO PASSIVO DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS DOAR ORIGENS Das operações Lucro do Exercício + Depreciação do Exercício Dos Acionistas Aumento do Capital De Terceiros Financiamento de Longo Prazo TOTAL DAS ORIGENS APLICAÇÕES Dividendos Aquisição de Imobilizado Aumento do Capital Líquido (140) (6.900) (7.040) CMV Vendas Compras DADOS ADICIONAIS

9 9. Elabore o Fluxo de Caixa da Empresa Cia Legal. ATIVO CIRCULANTE Disponível Dupl. a Receber Estoques Total do Ativo NÃO CIRCULANTE Imobilizado Depreciação Total do não circulante TOTAL DO ATIVO CIA LEGAL BALANÇO PATRIMONIAL B P X X (852) (1.704) PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores Empréstimos Bancários Total do Passivo NÃO CIRCULANTE Financiamentos PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Reservas de Lucros Total Patrimônio Líquido TOTAL DO PASSIVO DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS DOAR ORIGENS Das operações Lucro do Exercício + Depreciação do Exercício Dos Acionistas Aumento do Capital De Terceiros Financiamento de Longo Prazo TOTAL DAS ORIGENS APLICAÇÕES Dividendos Aquisição de Imobilizado Redução do Capital Líquido X (400) (2.113) (2.513) (233) 9

10 Atividades Práticas Índices Estrutura de Capitais 1) A empresa JR Comércio Ltda apresentou nos anos abaixo, os seguintes valores em suas Demonstrações Financeiras: ATIVO 19X2 19X3 PASSIVO 19X2 19X3 Disponível Salários a Pagar Clientes /Contas a Receber Fornecedores Estoques Impostos a recolher Total do Ativo Total do Passivo Não Não Duplicatas a receber- longo prazo Financiamentos Investimentos Patrimônio Líquido Imobilizado Capital Social Total do não circulante Reservas Reservas de Lucros Total do PL TOTAL DO ATIVO TOTAL PASSIVO Pede-se calcular os índices financeiros da Estrutura de Capitais, comentar sobre eles e avaliar o desempenho desta empresa, considerando apenas os índices de estrutura de capital. Índices 19X2 19X3 Participação Capital de Terceiros Composição Endividamento Imobilização do PL Imobilização do Recursos ñ Correntes Calcule e analise os índices financeiros da Estrutura de Capitais dos Balanços abaixo: 2) Cia Mineira ATIVO 2000 PASSIVO 2000 Disponível Fornecedor Duplicatas a Receber Contas a Pagar Estoques Empréstimos Bancários Total do Ativo Total do Passivo

11 Não Patrimônio Líquido Investimentos Capital Social Imobilizado Reservas Total do não circulante Reservas de lucros Total do PL TOTAL DO ATIVO TOTAL PASSIVO Índices 2000 Participação Capital de Terceiros Composição Endividamento Imobilização do PL Imobilização do Recursos ñ Correntes 3) Cia Paulista ATIVO 2002 PASSIVO 2002 Disponível Fornecedores Contas a Receber Salários a Pagar Estoques Emprestimos Total do Ativo Total do Passivo Não circulante Não Duplicatas a receber- longo prazo Financiamentos LP Investimentos Patrimônio Líquido Imobilizado Capital Social Intangível Reservas Total do Não Reservas de Lucros Total do PL TOTAL DO ATIVO TOTAL PASSIVO Índices 2002 Participação Capital de Terceiros Composição Endividamento Imobilização do PL Imobilização do Recursos ñ Correntes 11

12 12

13 Atividades Práticas Índices Liquidez 1) A empresa JR Comércio Ltda apresentou nos anos abaixo, os seguintes valores em suas Demonstrações Financeiras: ATIVO 19X2 19X3 PASSIVO 19X2 19X3 Disponível Salários a Pagar Clientes /Contas a Receber Fornecedores Estoques Impostos a recolher Total do Ativo Total do Passivo Não Não Duplicatas receber-longo prazo Financiamentos Investimentos Patrimônio Líquido Imobilizado Capital Social Total do não circulante Reservas Reservas de lucros Total do PL TOTAL DO ATIVO TOTAL PASSIVO Pede-se calcular os índices de liquidez, comentar sobre eles e avaliar o desempenho desta empresa analisando somente os índices de liquidez. Índices 19X2 19X3 Liquidez Geral Liquidez Corrente Liquidez Imediata Liquidez Seca Calcule e analise os índices financeiros da Liquidez dos Balanços abaixo: 2) Cia Mineira ATIVO 2000 PASSIVO 2000 Disponível Fornecedor Duplicatas a Receber Contas a Pagar Estoques Empréstimos Bancários Total do Ativo Total do Passivo Não Patrimônio Líquido 13

14 Investimentos Capital Social Imobilizado Reservas Total do não circulante Reservas de lucros Total do PL TOTAL DO ATIVO TOTAL PASSIVO Liquidez Geral Índices 2000 Liquidez Corrente Liquidez Imediata Liquidez Seca. 3) Cia Paulista ATIVO 2002 PASSIVO 2002 Disponível Fornecedores Contas a Receber Salários a Pagar Estoques Emprestimos Total do Ativo Total do Passivo Não circulante Não circulante Realizável a Longo Prazo Financiamentos LP Investimentos Patrimônio Líquido Imobilizado Capital Social Intangível Reservas Total do não circulante Reservas de lucros Total do PL TOTAL DO ATIVO TOTAL PASSIVO Liquidez Geral Índices 2002 Liquidez Corrente Liquidez Imediata Liquidez Seca 14

15 15

16 Atividade Prática - Rentabilidade 1) A empresa JR Comércio Ltda apresentou nos anos abaixo, os seguintes valores em suas Demonstrações Financeiras: ATIVO 19X2 19X3 PASSIVO 19X2 19X3 Disponível Salários a Pagar Clientes /Contas a Receber Fornecedores Estoques Impostos a recolher Total do Ativo Total do Passivo Não Não Realizável a Longo Prazo Financiamentos Investimentos Patrimônio Líquido Imobilizado Capital Social Total do Não Reservas Reservas de lucros Total do PL TOTAL DO ATIVO TOTAL PASSIVO Pede-se calcular os índices de rentabilidade comentar sobre eles e avaliar o desempenho desta empresa. Demonstração do Resultado do Exercício. 31/12/19X2 31/12/19X3 Vendas CMV (6.000) (16.080) Lucro Bruto Despesas operacionais ( ) ( ) Resultado Líquido Índices 19X2 19X3 Giro do Ativo Margem Líquida Rentabilidade do Ativo Rentabilidade do PL Calcule e analise os índices econômicos de Rentabilidade utilizando os Balanços e DREs abaixo: 2) Cia Mineira 16

17 ATIVO 2000 PASSIVO 2000 Disponível Fornecedor Duplicatas a Receber Contas a Pagar Estoques Empréstimos Bancários Total do Ativo Total do Passivo Não Patrimônio Líquido Investimentos Capital Social Imobilizado Reservas Total do Não Reservas de lucros Total do PL TOTAL DO ATIVO TOTAL PASSIVO DRE 2000 Vendas CMV (15.750) (52.537) Lucro Bruto Despesas Operacionais (3.490) (3.831) Resultado Líquido Giro do Ativo Índices 2000 Margem Líquida Rentabilidade do Ativo Rentabilidade do Patrimônio Líquido 3) Cia Paulista ATIVO 2002 PASSIVO 2002 Disponível Fornecedores Contas a Receber Salários a Pagar Estoques Emprestimos Total do Ativo Total do Passivo Não Não Financiamentos LP Realizável a Longo Prazo Patrimônio Líquido Investimentos Capital Social Imobilizado Reservas Intangível Reservas de Lucros

18 Total do Não Total do PL TOTAL DO ATIVO TOTAL PASSIVO DRE 2002 Vendas CMV ( ) ( ) Lucro Bruto Despesas Operacionais (39.725) (34.974) Resultado Líquido Giro do Ativo Índices 2002 Margem Líquida Rentabilidade do Ativo Rentabilidade do Patrimônio Líquido 18

19 Quadro resumo dos índices SÍMBOLO ÍNDICE FÓRMULA INDICA INTERPRETAÇÃO Estrutura de Capital Quanto a empresa tomou de capitais de terceiros Quanto menor, melhor. 1. CT/PL * Participação de Capital de Capital de Terceiros x 100 para cada $100 de capital próprio. Terceiros (Endividamento) Patrimônio Líquido 2. PC/CT 3. ANC-RLP/PL 4. ANC RLP PL + PNC 5. LG * Composição do Endividamento * Imobilização do Patrimônio Líquido * Imobilização de Recursos Não Correntes Liquidez * Liquidez Geral Passivo x 100 Capitais de Terceiros Ativo não circulante realizável a longo prazo x 100 Patrimônio Líquido Ativo não circulante- realizável longo prazo x 100 Patrimônio Líquido + Passivo não circulante Ativo + Realizável a Longo Prazo Passivo + passivo não circulante Qual o percentual de obrigações a curto prazo em relação às obrigações totais. Quantos $ a empresa aplicou no Ativo não circulante para cada $100 de Patrimônio Líquido. Que percentual dos Recursos não Correntes (Patrimônio Líquido e passivo não circulante) foi destinado ao Ativo não circulante. Quanto a empresa possui de Ativo + Realizável a Longo Prazo para cada $1 de dívida total. Quanto menor, melhor. Quanto menor, melhor. Quanto menor, melhor. Quanto maior, melhor. 6. LC * Liquidez Corrente Ativo Passivo Quanto a empresa possui de Ativo para cada $1 de Passivo. Quanto maior, melhor. 7. LI * Liquidez Imediata Disponível Passivo Quanto a empresa possui de Disponibilidades para cada $1 de Passivo. Quanto maior, melhor. 8. LS * Liquidez Seca Ativo Estoques Passivo Quanto a empresa possui de Ativo Líquido para cada $1 de Passivo. Quanto maior, melhor. Rentabilidade (ou Resultados) 9. V/AT * Giro do Ativo Vendas. Ativo Total Quanto a empresa vendeu para cada $1 de investimento total. Quanto maior, melhor. 10. LL/V * Margem Líquida Lucro Líquido x 100 Vendas Quanto a empresa obtém de lucro para cada $100 vendidos. Quanto maior, melhor. 11. LL/AT * Rentabilidade do Ativo Lucro Líquido x 100 Ativo Total Quanto a empresa obtém de lucro para cada $100 de investimento total Quanto maior, melhor. 12. LL/PL * Rentabilidade do Patrimônio Líquido Lucro Líquido x 100 Patrimônio Líquido Quanto a empresa obtém de lucro para cada $100 de capital próprio investido, em média, no exercício. Quanto maior, melhor. 19

20 4 TÉCNICAS DE ANÁLISE E PLANEJAMENTO FINANCEIRO Atividades Práticas ANÁLISE DOS ÍNDICES 1 Abaixo apresentamos as Demonstrações Financeiras da empresa Metalúrgica São Carlos S/A * Calcule os índices financeiros - Liquidez, Estrutura de Capital e Rentabilidade * Identifique os pontos fortes e fracos desta empresa. * Faça uma análise do desempenho desta empresa nos três anos apresentados. Balanço Patrimonial Empresa : Metalúrgica São Carlos S/A ATIVO 20X1 20X2 20X3 PASSIVO 20X1 20X2 20X3 Disponível Salários a Pagar Clientes /Contas a Receber Fornecedores Estoques Impostos a recolher Total do Ativo Total do Passivo Não Não Financiamentos Realizável a Longo Prazo Patrimônio Líquido Investimentos Capital Social Imobilizado Reservas de Lucros Total do não circulante Total do PL TOTAL DO ATIVO TOTAL PASSIVO Demonstração do Resultado do Exercício. 31/12/20X1 31/12/20X2 31/12/20X3 Vendas CMV (6.000) (17.900) (23.200) Lucro Bruto Despesas operacionais ( ) ( ) (23.390) Resultado Líquido Liquidez Geral Liquidez Imediata Liquidez Corrente Liquidez Seca Participação Capital de Terceiros Composição Endividamento Imobilização do PL Imobilização do Recursos Não Correntes Giro do Ativo Margem Líquida Rentabilidade do Ativo Rentabilidade do PL Índices 20X1 20X2 20X3 2 Numere: 1. Participação de Capitais de Terceiros ( ) AC / PC 2. Composição do Endividamento ( ) V /AT 3. Imobilização do Patrimônio Líquido ( ) CT / PL 4. Liquidez Geral ( ) ANC-RLP/ PL 5. Liquidez Corrente ( ) LL / PL 6. Giro do Ativo ( ) PC / CT 20

21 7. Margem Líquida ( ) AC + RLP / PC + PNC 8. Rentabilidade do Patrimônio Líquido ( ) LL / V 3. Complete o quadro abaixo: ÍNDICE Participação de Capital de Terceiros ASPECTO REVELADO Imobilização do Patrimônio Líquido Liquidez Corrente Rentabilidade do Patrimônio Liquido 4. Preencha os espaços em branco: a) O índice de Liquidez Geral mostra quanto a empresa b) O índice de Composição do Endividamento que mostra o percentual de dívidas de curto prazo em relação às dívidas totais é quanto menor... c) O índice de margem Líquida é calculado através da fórmula:... d) O índice de Giro do Ativo relaciona as vendas com o Com base nos dados das demonstrações financeiras seguintes, preencha os quadros A e B: Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO E PL Ativo Caixa e Bancos 300 Passivo Fornecedores Duplicatas a Receber Empréstimos Bancários Estoques Outras Contas 200 Total do Total do Ativo Não Investimento 400 Imobilizado Total do Não Não Financiamentos (6 anos) 800 Patrimônio Líquido Capital Reservas 700 Total do Patrimônio TOTAL TOTAL

22 Demonstração do Resultado do Exercício Vendas ( - ) CMV Lucro Bruto ( - ) Despesas Operacionais Lucro Operacional 600 ( - ) Resultado Não Operacional 200 Lucro Líquido 400 QUADRO A CT / PL % AP / PL % AC + RLP / PC + PNC AC Estoque / PC V / AT LL / V % LL / PL % QUADRO B Para cada $ 100,00 de capital próprio, a empresa tomou $ de terceiros. Para cada $ 1,00 de dívidas a curto prazo, a empresa possui $ investidos no Ativo. Para cada $ 1,00 investidos em seu Ativo Total, a empresa vendeu $. ANÁLISE VERTICAL / HORIZONTAL 6. Marque a Alternativa Correta 1. Na Análise Vertical, o percentual de uma conta mostra: a) O resultado de uma divisão que em princípio nada permite concluir. b) A comparação de uma conta em relação ao ano anterior. c) Sua real importância no conjunto. d) Nenhuma das alternativas anteriores. 2. Na Análise Horizontal, a evolução de cada conta mostra: a) Os caminhos trilhados pela empresa e as possíveis tendências. b) A participação de cada conta em relação a um todo. c) Uma divisão entre duas contas distintas. d) Nenhuma das alternativas anteriores. 7. Questões: a) Qual o objetivo da Análise Vertical? b) Qual o objetivo da Análise Horizontal? 22

23 8. Seguem as Demonstrações Financeiras levantadas em 31/12/2000 e 31//12/ da Empresa Indústria de Papel Celulose Gonzaga Ltda. Pede-se: a) Calcule os índices de Estrutura de Capital, Liquidez e Rentabilidade. Faça os comentários sobre eles b) Faça a Análise Vertical/Horizontal e comente sobre: a Imobilização, Capital de Giro, Capital de Terceiros e Capital Próprio desta empresa. c) Dê sua opinião se a imobilização feita será vantajosa para a empresa. d) A empresa terá condições de pagar seus compromissos (Capital de Terceiros)? Estrutura De Capitais Liquidez Rentabilidade Índices 2000 Participação Capital de Terceiros Composição Endividamento Imobilização do PL Imobilização de Recursos Não Correntes Liquidez Geral Liquidez Corrente Liquidez Imediata Liquidez Seca Giro do Ativo Margem Líquida Rentabilidade do Ativo Rentabilidade do PL BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO 2000 AV AH AV AH PASSIVO 2000 AV AH Disponível Salários a Pagar Clientes/Contas a Receber Fornecedores Estoques Impostos a recolher Total do Ativo Total do Passivo Não Não Realizável a Longo Prazo Financiamentos Investimentos Patrimônio Líquido Imobilizado Capital Social Total Ativo não circulante Reservas de lucros Total do Patrimônio Líq TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO AV AH DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DOS EXERCÍCIOS 31/12/2000 AV AH 31/12/ AV AH Vendas CMV (215) (422) Lucro Bruto Despesas operacionais (212) (209) Lucro Líquido

24 ORÇAMENTO DE CAIXA Elaborar Orçamento de caixa Previsão Vendas Ago R$ 50 Set R$ 100 Out R$ 200 Nov R$ 150 Dez R$ 100 À vista (30%) 30 dias (40%) 60 dias (30%) Total Previsão Compras Ago R$ 35 Set R$ 70 Out R$ 140 Nov R$ 105 Dez R$ 70 À vista (10%) 30 dias (70%) 60 dias (20%) Salários R$ 24 R$ 19 R$ 14 Empréstimos R$ 20 R$ 65 R$ 30 Total Saldo Inicial de caixa: R$ 25 Ago Set Out Nov Dez Recebimentos Pagamentos Fluxo Líquido de Caixa (+) Saldo Inicial de Caixa (=) Saldo Final de Caixa (+) Financiamento 24

25 BIBLIOGRAFIA BÁSICA: HOJI, MASAKAZU. Administração financeira: uma abordagem prática. 5ª ed. São Paulo: Atlas, SILVA, José Pereira das empresas. Análise financeira das empresas.7ª ed. São Paulo: Atlas ASSAF, Alexandre & Silvia, César Augusto Tibúrcio. Administração do capital de giro. 3ª ed. São Paulo. Atlas ASSAF, Alexandre. Estrutura e análise de balanços um enfoque econômico financeiro. 8ª ed. São Paulo: Atlas COMPLEMENTAR: ASSAF, Alexandre. Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico financeiro. 3º ed. São Paulo: Atlas GITMAN, Lawrence j. Princípios de administração financeira. 7ª ed. São Paulo: Harbra, SANVICENTE, Antonio Zoratto. Administração financeira, 3ª ed. São Paulo : Atlas SECURATO, J. R. Decisões financeiras em condições de risco. São Paulo, Atlas LEITE, Hélio de Paula. Introdução à administração financeira, 2ª ed. São Paulo Atlas MARTINS, Eliseu & ASSAF Neto, Alexandre. Administração financeira. São Paulo: Atlas, MELLAGI FILHO, Armando. Custo de finanças. São Paulo: Atlas, ROSS, Stephen a. WETERRFIELD, Randolph W, JAFFE Jeffery F. Princípios de administração financeira: corporate finance. São Paulo: Atlas (lei /07 e MP 449/08). 25

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração Análise Horizontal Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração será designado pelo número-índice 100. Será verificada a tendência do item a partir de sua variação,

Leia mais

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Balanço Patrimonial Relembrando da ultima aula!!!! Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Análise Financeira de Balanços O balanço Patrimonial de uma organização é uma peça contábil, em

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Análise Através de Índices ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Análise Através de Índices PRINCIPAIS ASPECTOS REVELADOS PELOS ÍNDICES FINANCEIROS Situação Financeira ESTRUTURA LIQUIDEZ Situação Econômica RENTABILIDADE QUADRO RESUMO

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR CONTABILIDADE (CUSTOS, GERAL E AVANÇADA) MÓDULO 4: DOAR A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei 11.638/07, a

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 15- A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS Prof. Herbert Kimura INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE BALANÇOS CONTEXTUALIZAÇÃO Prof. Herbert Kimura INFORMAÇÕES Interna Externa Armazenagem Contábil! Relatórios contábeis

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Profª Adriana Valente e-mail: adrianatvalente@hotmail.com Rio de Janeiro, 2º semestre de 2015. Rua 1º de Março, 33 Centro

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento.

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento. Logística Prof. Clóvis Luiz Galdino Administração Financeira Administração financeira (finanças corporativas) Administração: ato de reger, governar ou gerir negócios públicos ou particulares. Finanças:

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLIE DA DEMONTRAÇÕE FINANCEIRA Aula 7- Unidade II Análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis; 2.1. Análise vertical

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Fatos ou Eventos Econômico- Financeiros Processo ========> Contábil Demonstrações Financeiras = DADOS Técnicas de Análise ===========> de Balanço Informações Financeiras

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO. Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos

FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO. Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos FUNDAMENTOS DA GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO Isabele Cristine e Vivian Vasconcelos Objetivos Apresentar o conceito e em que contexto está inserido o capital de giro; Explicar a importância do capital de giro;

Leia mais

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan Fundamento da Contabilidade Prof. Adilson C. Bassan Conteúdo Análise das Demonstrações Financeiras Análise da Rentabilidade Análise por Indicadores Análise Vertical e Horizontal e Avaliação Geral 1 Análise

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

Guia Técnica Análise Financeira

Guia Técnica Análise Financeira Guia Técnica Análise Financeira Sertras Março 2015 Av. Paisagista José Silva de Azevedo Neto 200 bl. 4, sala 104, Barra da Tijuca, Rio de 1.- Índice 1.- Índice...2 2.- Introdução...3 3.- Procedimento Geral...4

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais Sumário 1. A Importância Dos Índices Nas Demonstrações Financeiras 1.1 - Preparação e Reclassificação Das Contas 2. Grupos de Índices 3. Capital

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão

FCPERJ UCAM Centro. Contabilidade Empresarial DFC. Prof. Mônica Brandão FCPERJ UCAM Centro Contabilidade Empresarial DFC Prof. Mônica Brandão DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA É uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M Aluna: Larissa de Souza Chaves

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Cátia R. F. Bartz (FAHOR) catia.fahor.com.br Glademir Jagnow (FAHOR) gb000937@fahor.com.br Mabel Bairros (FAHOR) mb000942@fahor.com.br Mariseia Schawinsky (FAHOR)

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas Alluno:: Karrllos Eduarrdo Souza Corrrrêa Mattrríículla:: 10657 Currso:: Engenharriia de Prrodução Prroffessorr:: Edson Pampllona Conttabiilliidade Gerrenciiall 1- Introdução 1.1- Objetivos Este trabalho

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA «21. O sistema de intermediação financeira é formado por agentes tomadores e doadores de capital. As transferências de recursos entre esses agentes são

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA www.editoraferreira.com.br CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena 6.1. Balanço Patrimonial Desde o início de nosso curso, vimos tratando sobre Balanço Patrimonial apenas

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas)

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Resumo Cátia Raquel Felden Bartz 1 Gisele Carolina Padoin 2 Juliana Horbach 3 Diego Antonio Saugo

Leia mais

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO I PASSIVO ATIVO I PASSIVO F ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO PASSIVO 3) ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO AC ativo circulante ANC ativo não circulante PC passivo

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova ISS-SJC/SP Disciplina: Contabilidade Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova ISS-SJC/SP ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE - ISS-SJC/SP Trago para vocês os comentários da prova do concurso de Auditor Tributário

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Contabilidade e Custos Análise Financeira de Balanços 09-04-2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Planejamento de caixa Índices de prazos médios Prazo Médio de Recebimento

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO

FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO FUNÇÃO FINANCEIRA DE UM EMPREENDIMENTO AGROPECUÁRIO Odilio Sepulcri 1 Conforme ROSE 1, pode-se representar a administração de uma empresa, de uma forma geral, dividindo em três níveis: operações, estratégia

Leia mais

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa

1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1 Exercícios de Fixação (Questões de concurso) 1.1 Demonstração dos Fluxos de Caixa 1.1.1 Concurso para AFRF 2000 prova de contabilidade avançada - Questão 15 ENUNCIADO 15- Aplicações em Investimentos

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

Índices econômico Financeiros

Índices econômico Financeiros Índices econômico Financeiros ADMNISTRAÇÃO Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Objetivos da aula Apresentar a importância de calcular os indicadores financeiros em uma empresa.

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1 Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv Parte I - Introdução, 1 1 Conceitos Introdutórios, 3 1.1 Conceitos, 3 1.2 Objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis, 5 1.3 Usuários da Análise das Demonstrações

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5

Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Gestão e Controle Financeiro Material de Apoio para as Unidades 4 e 5 Você e sua equipe são responsáveis por elaborar um relatório de Análise Financeira da Empresa GAMA. Abaixo estão dispostos o DRE e

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO ISSN 1807-6467 ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO O mercado muda a um ritmo acelerado. Com a globalização, tendências que antes eram

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.5. Índices

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA

MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA MINICURSO GESTÃO FINANCEIRA DE EMPRESA Prof. Alberto P. Trez JORNADA CIENTÍFICA DE 2014 CONTEÚDOS 1. Sócios da empresa: participação e ganhos 2. Capital Investido na empresa: fixo e de giro 3. Alocação

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO. 1.1 - Objetivo. 1.2 - Justificativa

1 - INTRODUÇÃO. 1.1 - Objetivo. 1.2 - Justificativa 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - Objetivo O objetivo desta atividade é constatar que através da demonstração financeira de uma empresa, dado que as empresas de capital aberto devem disponibilizar ao público, se possa

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional. Análise das Demonstrações Contábeis Armando Madureira Borely Armando.borely@globo.

Departamento de Desenvolvimento Profissional. Análise das Demonstrações Contábeis Armando Madureira Borely Armando.borely@globo. Departamento de Desenvolvimento Profissional Análise das Demonstrações Contábeis Armando Madureira Borely Armando.borely@globo.com Rio de Janeiro Janeiro de 2016 Rua 1º de Março, 33 Centro Rio de Janeiro/RJ

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Objetivo

1. Introdução. 1.1 Objetivo 1. Introdução 1.1 Objetivo A Análise Financeira de Balanços visa verificar as condições financeiras e econômicas das empresas, para, desta forma, permitir outras pessoas ou até mesmo outras empresas tomar

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

Balanço Patrimonial e DRE

Balanço Patrimonial e DRE Balanço Patrimonial e DRE Administração financeira e orçamentária Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com 2 Demonstrações Financeiras (Contábeis) Dados Dados Coletados Coletados

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FINANÇAS CORPORATIVAS

MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FINANÇAS CORPORATIVAS MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FINANÇAS CORPORATIVAS O QUE É A DISCIPLINA? OBJETIVO: 1. Fornecer ao aluno conhecimento de algumas estratégias financeiras utilizadas nas organizações para tomadas de decisões

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais