Prof. Carlos Barreto. Unidade IV CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Carlos Barreto. Unidade IV CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA"

Transcrição

1 Prof. Carlos Barreto Unidade IV CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA

2 Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: Enfatizar a consciência ética e a responsabilidade social da contabilidade. Estruturar as demonstrações contábeis de acordo com a Lei das Sociedades por Ações. Preparar as demonstrações contábeis obrigatórias para fins de publicação.

3 Conteúdo Programático Módulo I 1.1 Conceito da Demonstração do Resultado do Exercício 1.2 Estrutura da Demonstração do resultado do Exercício conforme Lei Nº 6.404/76

4 Conteúdo Programático Módulo II 2.1 Alterações na Demonstração do Resultado do Exercício conforme Lei Nº /07 e Lei N º / Funções das Contas que compõem a Estrutura da Demonstração do Resultado do Exercício

5 Conteúdo Programático Módulo III 3.1 Receita líquida 3.2 Lucro bruto 3.3 Despesas de vendas, financeiras, administrativas Módulo IV 4.1 Exemplo e comentário sobre a demonstração do resultado do exercício

6 Módulo I 1.1 Conceito da Demonstração do Resultado do Exercício A demonstração do resultado do exercício, também conhecida por DRE, é um demonstrativo contábil que mostra como foi apurado o resultado do exercício de uma empresa Para a apuração do resultado do exercício, são comparadas as receitas,as despesas e os custos incorridos em determinado período, geralmente de um ano.

7 Módulo I 1.1 Conceito da Demonstração do Resultado do Exercício Na determinação do resultado, deve ser observado o princípio da competência. Por esse princípio, deverão ser consideradas as receitas efetivamente ganhas, e não as necessariamente recebidas. Ainda por esse princípio deverão ser consideradas as despesas e os custos incorridos, e não os necessariamente pagos

8 Módulo I 1.2 Estrutura da Demonstração do resultado do Exercício conforme Lei Nº 6.404/76 A demonstração do resultado do exercício possui uma estrutura legal, que deve ser observada. Devemos entender, como estrutura,a forma de apresentação da DRE para seus diversos usuários internos e externos A estrutura da DRE conforme as disposições contidas na seção V da Lei 6.404/76 é :

9 Módulo I A Demonstração do resultado do Exercício discriminará: I. A Receita bruta de vendas e serviços, as deduções das vendas, os abatimentos e os impostos II. A Receita líquida de vendas e serviços, o custo das mercadorias e serviços vendidos,e o lucro bruto III. As despesas com as vendas, as despesas financeiras, deduzidas das receitas, as despesas gerais e administrativas, e outras despesas operacionais

10 Módulo I A Demonstração do resultado do Exercício discriminará: IV.O Lucro ou Prejuízo operacional, as receitas e as despesas não operacionais e o saldo da conta de correção monetária V. O resultado do exercício antes do Imposto de Renda e a provisão para o imposto

11 Módulo I A Demonstração do resultado do Exercício discriminará: VI. As participações de debêntures, de empregados e administradores, mesmo na forma de instrumentos financeiros, e de instituições ou fundos de assistência ou previdência de empregados, que não se caracterizem como despesa ( Redação dada pela Lei /07) VII. O lucro ou prejuízo líquido do exercício e o seu montante por ação do capital social

12 Módulo I A Demonstração do resultado do Exercício conforme Lei nº 6.404/76 Receita de vendas menos devoluções, abatimentos, descontos comerciais igual Receita líquida menos custo dos produtos e serviços vendidos igual Lucro bruto

13 Módulo I A Demonstração do resultado do Exercício conforme Lei nº 6.404/76 Lucro bruto menos despesas de vendas, despesas financeiras, mais receitas financeiras menos despesas administrativas, outras despesas operacionais mais outras receitas operacionais igual Lucro operacional

14 Módulo I A Demonstração do resultado do Exercício conforme Lei nº 6.404/76 Lucro operacional igual Lucro antes do Imposto de renda menos provisão para imposto de renda, participações e contribuições igual Lucro líquido do exercício

15 Interatividade A Demonstração do Resultado do Exercício, também conhecida por DRE, é um demonstrativo contábil que mostra a apuração do resultado do exercício de uma empresa em determinado período. a) Na determinação do resultado deve ser observado o princípio da competência, onde deverão ser consideradas as receitas necessariamente recebidas. b) Na determinação do resultado deve ser observado o princípio da competência, onde deverão ser consideradas as despesas e os custos incorridos, e não os necessariamente pagos. c) Para a apuração do resultado do exercício não devem ser comparadas as receitas,despesas e custos incorridos em determinado período d) A demonstração do exercício possui uma estrutura aleatória, que é a forma de apresentação da DRE para os diferentes usuários e) A demonstração do resultado do exercício discriminará o lucro ou prejuízo não operacional, as receitas e despesas operacionais ( Lei nº 9.249/95)

16 Módulo II 2.1 Alterações na Demonstração do Resultado do Exercício conforme Lei Nº /07 e Lei N º /09 A Lei nº , publicada no Diário Oficial da União em 31 de dezembro de 2007 e que passou a vigorar a partir de 1º de janeiro de 2008, promovei algumas alterações na Lei nº 6.404/76, modificando alguns artigos objetivando atualizá-la ao novo mundo globalizado. Posteriormente a Lei nº /09 criou novas modificações :

17 Módulo II 2.1 Alterações na Demonstração do Resultado do Exercício conforme Lei Nº /07 e Lei N º /09 Lei Nº 6.404/76 Lei Nº /07 O lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais e o saldo da conta correção monetária O lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais Lei Nº /09 O lucro ou prejuízo operacional, as outras receitas e as outras despesas

18 Módulo II 2.1 Alterações na Demonstração do Resultado do Exercício conforme Lei Nº /07 e Lei N º /09 Lei Nº 6.404/76 Lei Nº /07 Lei Nº /09 As As participações As participações de participações de debêntures, empregados, administradores e partes beneficiárias e as contribuições de debêntures, empregados, administradores, mesmo na forma de instrumentos financeiros e de instituições ou debêntures, empregados, administradores e partes relacionadas, mesmo de instrumentos financeiros e para instituições i ou fundos de assistência ou previdência de empregados fundos de assistência ou previdência de empregados que não se caracterizem como despesa instituições i ou fundos de assistência ou previdência de empregados que não se caracterizem como despesa

19 Módulo II Conforme pode ser percebido, as alterações na estrutura da demonstração de resultado do exercício foram mínimas, embora a classificação entre receitas e despesas não operacionais seja recomendada para fins gerenciais, a legislação não mais determina tal situação. Sendo assim, manteremos o resumo da estrutura apresentada.

20 Módulo II Receita de vendas menos devoluções, abatimentos, descontos comerciais igual Receita líquida menos custo dos produtos e serviços vendidos igual Lucro bruto

21 Módulo II Lucro bruto menos despesas de vendas, despesas financeiras, mais receitas financeiras menos despesas administrativas, outras despesas operacionais mais outras receitas operacionais igual Lucro operacional

22 Módulo II 2.2 Funções das Contas que compõem a Estrutura da Demonstração do Resultado do Exercício Receita Operacional Bruta A palavra receita deve ser entendida como venda. Neste caso, estaremos tratando de vendas de mercadorias ou de serviços A receita bruta representa a soma de todas as vendas realizadas pela empresa num determinado período. A receita bruta é, portanto, o somatório das vendas feitas à vista e a prazo,de mercadorias ou serviços.

23 Módulo II 2.2 Funções das Contas que compõem a Estrutura da Demonstração do Resultado do Exercício As deduções de vendas As deduções de vendas correspondem às devoluções, abatimentos, descontos comerciais e impostos incidentes sobre vendas

24 Módulo II As deduções de vendas As deduções de vendas podem ser por : a) Devolução e abatimento Ocorre após a venda da mercadoria ou entrega do serviço, quando o cliente identifica que os bens não estão de acordo com o pedido

25 Módulo II As deduções de vendas b) Desconto comercial Ocorre quando o vendedor concede ao comprador uma redução de preço em função da grande quantidade comprada de mercadoria ou produto. A empresa vendedora pode utilizar para registrar o fato, contas como descontos comerciais concedidos

26 Módulo II As deduções de vendas c) Impostos sobre venda Ocorre quando incidem impostos que recaem proporcionalmente sobre a receita bruta. Alguns dos principais impostos que incidem sobre as vendas brutas e que portanto deveriam ser deduzidos destas, para se obter a receita liquida são: ICMS IPI ISS I E PIS/PASEP/COFINS

27 Interatividade Quanto as Alterações na DRE e as Funções das Contas que compõem a Estrutura da Demonstração do Resultado do Exercício temos que : a) A receita operacional bruta representa a somatória das vendas a vista feitas pela empresa b) A Lei Nº /07 que passou a vigorar a partir de 1º de janeiro de 2008, veio alterar a estrutura t da DRE caracterizada pela Lei nº /09 c) As deduções de vendas ocorrem em virtude das trocas de mercadorias ou serviços d) No que diz respeito a redação lucro ou prejuízo operacional, as receitas e despesas não operacionais (Lei nº /07), pela nova redação (Lei nº 11941/09) fica : O lucro ou prejuízo operacional, as outras receitas e as outras despesas e) O desconto comercial corresponde ao desconto da verba aplicada em publicidade ou incentivo comercial

28 Módulo III 3.2 Custo dos Produtos e serviços vendidos Partindo-se da receita liquida, subtraem-se os custos das mercadorias vendidas (CMV) se a empresa for comercial. Estes custos são representados pelo custo histórico de aquisição das mercadorias, acrescidos dos gastos como, por exemplo, frete, seguros, e impostos não recuperáveis.

29 Módulo III 3.2 Custo dos Produtos e serviços vendidos Se a empresa for industrial, será subtraído da receita liquida o custo dos produtos vendidos (CPV). Este custo representa o resultado obtido pela soma dos estoques iniciais de produtos acabados, com os custos de produção do produto (matéria prima, mão de obra direta e os custos indiretos de fabricação), diminuídos dos estoques finais.

30 Módulo III Se a empresa for prestadora de serviços, teremos o custo dos serviços prestados (CSP), obtidos pelos custos que são deduzidos da receita liquida. Normalmente as empresas prestadoras de serviços não apuram esses custos que são tratados como despesas do período.

31 Módulo III 3.3 Lucro Bruto O Lucro Bruto representa a diferença entre a receita líquida e o custo dos itens vendidos. Partindo-se de um lucro bruto, com o objetivo de chegar ao lucro operacional ou ao resultado operacional, subtraem-se dele as despesas operacionais e somam-se as receitas operacionais. Devemos entender como operacional, tudo que é principal ou acessório em relação às atividade que constituem o objeto social da empresa. São consideradas como receitas e despesas operacionais:

32 Módulo III 3.3 Lucro Bruto Despesas de vendas São consideradas nesta conta, as despesas relacionadas com a venda de mercadorias, produtos ou serviços da empresa, tais como o salário dos vendedores, comissões pagas aos vendedores, encargos sociais incidentes sobre salários e comissões dos vendedores, despesas de viagem de vendedores, frete sobre vendas, propaganda.

33 Modulo III 3.3 Despesas Operacionais Despesas Financeiras São consideradas despesas financeiras as que representam custos de empréstimo / financiamentos, comissões sobre empréstimos / financiamentos, taxas bancárias, correção monetária sobre empréstimos / financiamentos, variação cambial, impostos sobre operações financeiras (IOF), descontos financeiros concedidos.

34 Módulo III 3.3 Despesas Operacionais Receitas Financeiras Considera-se nessa conta, a representação dos ganhos auferidos com aplicações financeiras feitas pela empresa, tais como juros auferidos, correção monetária auferida, descontos financeiros obtidos.

35 Módulo III Despesas Gerais / Administrativas São consideradas Despesas Gerais / Administrativas, todas as despesas com a administração da empresa, tais como salários e encargos sociais, do pessoal administrativo, aluguéis administrativos, material de expediente, água, luz, telefone, segurança, alimentação transporte e assistência médica dos funcionários.

36 Módulo III 3.3 Despesas Operacionais Outras despesas operacionais Essa conta reúne despesas não classificadas em outras contas de despesas operacionais anteriormente citadas. São despesas consideradas relevantes e por isso é necessário indicar pelo título e a sua natureza, como por exemplo mercadorias danificadas, quebra de estoque.

37 Módulo III 3.3 Despesas Operacionais Outras Receitas operacionais Essa conta reúne receitas não classificadas em outras contas de receitas operacionais anteriormente citadas. Como por exemplo podemos citar a recuperação de créditos incobráveis. Enquadram-se ainda nessa classificação outras despesas e outras receitas operacionais, o resultado (ganho / perda) de participações societárias em outras empresas, mesmo que não se trate de participações significativas.

38 Módulo III 3.4 Lucro operacional Partindo-se do Lucro Bruto,, somando-se a ele as receitas operacionais e subtraindo-se as despesas operacionais obtemos o lucro ou prejuízo operacional. 3.5 Lucro líquido do exercício Partindo-se do Lucro operacional, se acrescentarmos a ele as receitas não operacionais e subtrairmos as despesas não operacionais chegamos ao lucro líquido do exercício.

39 Interatividade Quanto as Funções das Contas que compõem a Estrutura da Demonstração do Resultado do Exercício temos que : a) Se a empresa for industrial, o custo dos produtos e serviços vendidos é obtido partindo-se da receita bruta e subtraindo-se os custos das mercadorias vendidas b) O lucro bruto representa a diferença da recita bruta e o custo dos itens vendidos c) São consideradas despesas de vendas as representadas pelos custos de empréstimos /financiamentos, tais como juros, taxas bancárias, correção monetária d) São consideradas despesas gerais / administrativas todas as despesas com a administração da empresa tais como salários e encargos sociais do pessoal administrativo, aluguéis administrativos. e) O lucro líquido é obtido partindo-se do lucro bruto e a ele somando-se as receitas operacionais e subtraindose as despesas operacionais

40 Módulo IV 4.1 Exemplo e comentário sobre a demonstração do resultado do exercício. Vamos considerar a Demonstração de resultados da Empresa ABC Industrial S/A que é a controladora da EDF Industrial S/A, nos períodos de 2007 e 2006.

41 Módulo IV 4.1 Exemplo e comentário sobre a demonstração do resultado do exercício Apuração do Lucro Bruto Receita bruta, mais outras venda igual: Receita operacional bruta menos Impostos sobre vendas, devoluções e abatimentos: igual : receita operacional líquida; menos custo dos produtos vendidos; igual Lucro Bruto.

42 Módulo IV em milhares de reais Vendas merc interno Outras vendas 56 1 Receita oper. Bruta Impostos s / ( ) ( vendas,dev Receita oper liquida Custo dos prod ( ) (i ) vendidos Lucro Bruto

43 Módulo IV em milhares de reais Vendas merc interno 2007 contr 2006 contr Consolida do Outras vendas Receita oper. Bruta Impostos s / vendas,dev Receita oper liquida ( ) ( ( Custo dos ( ) (i ) ( ) prod vendidos Lucro Bruto

44 Módulo IV em milhares de reais Lucro Bruto Despesas com vendas ( ) ( ) Administrativas/gerais ( ) ( Participação colaboradores Remuneração dos administradores (10.541) (11.886) (6.414) (8.569) Res equiv parimonial (317) Outras despesas oper (13,128) (1.514) Lucro operacional antes do result financ

45 Módulo IV em milhares de reais 2007 Contr 2006 Contr 2007 consolidado Lucro Bruto Despesas com vendas Administrativas/gerai s Participação colaboradores Remuneração dos administradores ( ) ( ) ( ) ( ) ( ( ) (10.541) (11.886) (28.664) (6.414) (8.569) (9.539) Res equiv parimonial ( 317) Outras despesas oper (13,128) (1.514) (4.942) Lucro operacional antes do result financ

46 Módulo IV em milhares de reais Lucro antes do resultado financeiro Despesas Financeiras (31.876) (13.239) Receitas financeiras Lucro operacional Resultado não operacional líquido Lucro antes do Imposto de renda

47 Módulo IV em milhares de reais Lucro antes do resultado financeiro 2007 contr 2006 contr 2007 consolid Despesas (31.876) (13.239) (60/380) Financeiras Receitas financeiras Lucro operacional Resultado não operacional líquido Lucro antes do Imposto de renda

48 Módulo IV em milhares de reais Lucro antes do Imposto de renda Imposto de Renda ( ) ( ) Lucro líquido antes da particip dos minoritários Lucro líquido do exerc

49 Módulo IV em milhares de reais Lucro antes do Imposto de renda 2007 contr 2006 contr 2007 consolid Imposto de ( ) ( ) ( Renda Lucro líquido antes da particip dos minoritários Participação dos minoritários Lucro líquido do exerc

50 Interatividade Quanto a Demonstração do Resultado do Exercício temos que : a) a receita operacional bruta resulta da receita bruta menos outras vendas e menos impostos sobre vendas b) a receita operacional liquida resulta da receita operacional bruta menos impostos sobre vendas, devoluções e abatimentos c) o lucro bruto resulta das vendas brutas menos o custo dos produtos vendidos d) O lucro operacional resulta do lucro bruto menos despesas financeiras, i e mais receitas financeiras e) O lucro operacional antes do resultado financeiro resulta do lucro antes do imposto de renda menos despesas financeiras e mais receitas financeiras

51 ATÉ A PRÓXIMA!

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE)

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO (DRE) O artigo 187 da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976 (Lei das Sociedades por Ações) estipula a Demonstração do Resultado do Exercício.

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

Prof Flávio S. Ferreira

Prof Flávio S. Ferreira Prof Flávio S. Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com 1 Conceitos Introdutórios Receita produto da venda Gasto sacrifício financeiro Investimento gasto ativado em

Leia mais

Sumário. 1 Introdução. 2 Lei das S/A. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria

Sumário. 1 Introdução. 2 Lei das S/A. Demonstrações Contábeis Decifradas. Aprendendo Teoria Sumário 1 Introdução... 1 2 Lei das S/A... 1 3 Pronunciamento Técnico CPC n 26... 2 4 Análise comparativa... 2 5 O Método da Natureza x da Função da Despesa... 4 1 Introdução A Demonstração do Resultado

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto

Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto Unidade III CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Prof. Carlos Barretto Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: enfatizar a consciência ética

Leia mais

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial e Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) Balanço Patrimonial Conceito É a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente,

Leia mais

Aula 07 Análise TCU III

Aula 07 Análise TCU III Sumário 1 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 096 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 2 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 097 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 3 TCU Analista (CESPE/ 2008)

Leia mais

Demonstração do Resultado do Exercício Seção 3 Definições

Demonstração do Resultado do Exercício Seção 3 Definições Demonstração do Resultado do Exercício Seção 3 Definições Prof. Me. Hélio Esperidião Objetivos: Compreender os princípios elementares da contabilidade. Apuração do resultado A denominação Demonstração

Leia mais

CONTABILIDADE II: 01)

CONTABILIDADE II: 01) CONTABILIDADE II: 01) Uma Sociedade Empresária que possui um único estabelecimento apresentava, em 31.1.2017, após a apuração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias ICMS, um saldo de ICMS a Recuperar

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CONTABILIDADE AVANÇADA 1/2017 Exercício de Fixação 1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CONTABILIDADE AVANÇADA 1/2017 Exercício de Fixação 1 Exercício de Fixação 1 Questão 1: (Auditor Fiscal da Receita Estadual SEFAZ-RJ, 2014): Determinada empresa comercial apresentava as seguintes informações referentes ao primeiro semestre de 2013: Sabe-se

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

Apuração de Resultado e Regimes de Contabilidade.

Apuração de Resultado e Regimes de Contabilidade. Apuração do Resultado. Apuração de Resultado e Regimes de Contabilidade. A cada exercício social (normalmente, um ano) a empresa deve apurar o resultado dos seus negócios. Para saber se obteve lucro ou

Leia mais

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO

VARIAÇÕES PATRIMÔNIO LÍQUIDO FEA / USP Departamento de Contabilidade e Atuária EAC-106 Contabilidade Introdutória VARIAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO Prof. Fernando Dal-Ri Murcia 1 Variações no Patrimônio Líquido Receita: É a entrada

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto

Unidade I CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA. Prof. Carlos Barretto Unidade I CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA Prof. Carlos Barretto Objetivo Capacitar os estudantes a adquirir conhecimentos necessários para o desenvolvimento das seguintes competências: enfatizar a consciência

Leia mais

T E X T O 3 CONTABILIDADE. Demonstração do Resultado do Exercício

T E X T O 3 CONTABILIDADE. Demonstração do Resultado do Exercício CONTABILIDADE Demonstração do Resultado do Exercício T E X T O 3 O exercício social tem a duração de um ano e a cada exercício será apurado o resultado do período, isto é, se houve lucro ou prejuízo. Portanto,

Leia mais

LES0665 CONTABILIDADE E ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Lucilio Rogerio Aparecido Alves

LES0665 CONTABILIDADE E ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Prof. Lucilio Rogerio Aparecido Alves LES0665 CONTABILIDADE E ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Prof. Lucilio Rogerio Aparecido Alves Depto. de Economia, Administração e Sociologia DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo

Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo Tribunais - Exercícios AFO e Direito Financeiro Exercício - Contabilidade Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. MÓDULO DE QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017:

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017: CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA: QUESTÕES DE REVISÃO 01) Uma Sociedade Empresária que possui um único estabelecimento apresentava, em 31.1.2017, após a apuração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias ICMS,

Leia mais

Sumário. 1. Atos e fatos administrativos Fatos permutativos ou compensativos Fatos modificativos Fatos mistos...

Sumário. 1. Atos e fatos administrativos Fatos permutativos ou compensativos Fatos modificativos Fatos mistos... Sumário Capítulo 1 Conceito de contabilidade e patrimônio... 15 1. CONCEITO... 15 2. TÉCNICAS CONTÁBEIS... 15 2.1. Escrituração... 16 2.2. Demonstrações contábeis... 16 2.3. Análise de balanços... 16 2.4.

Leia mais

Geovane Camilo dos Santos

Geovane Camilo dos Santos Exercício de Fixação 1 Questão 1: (Auditor Fiscal da Receita Estadual SEFAZ-RJ, 2014): Determinada empresa comercial apresentava as seguintes informações referentes ao primeiro semestre de 2013: Sabe-se

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS- PARTE II

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS- PARTE II OPERAÇÕES COM MERCADORIAS- PARTE II Impostos nas operações com mercadorias Comércio Indústria Prestadora de serviços Contribuinte de ICMS Contribuinte de ICMS/ IPI Não é contribuinte do ICMS nem do IPI

Leia mais

Contabilidade Geral Módulo 5: Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

Contabilidade Geral Módulo 5: Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) 1 Contabilidade Geral Módulo 5: Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) 1. Introdução A Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) é a apresentação, de forma resumida, das operações realizadas pela

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO... 19 CAPÍTULO I ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE... 21 1. Conceito de contabilidade... 21 2. Objeto... 22 3. Campo de aplicação... 23 4. Objetivos... 23 5.

Leia mais

Capítulo Como é feita a análise da situação econômica? (fácil)

Capítulo Como é feita a análise da situação econômica? (fácil) Capítulo 1 1. O que é o processo contábil? (fácil) Resposta: O processo contábil se inicia com a ocorrência dos Fatos Administrativos na entidade. A partir desses fatos, apoiado em documentos idôneos,

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação:

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários administrativos. d) pagamento

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EAD MÓDULO VI DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS Nesse módulo abordaremos as duas demonstrações contábeis Balanço Patrimonial BP e Demonstração do Resultado do Exercício DRE,

Leia mais

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social.

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social. Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ATIVO Circulante Compreende contas que estão constantemente em giro - em movimento, sua conversão em dinheiro

Leia mais

TCU - Aula 03 C. Geral III

TCU - Aula 03 C. Geral III Sumário 1 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 051 Critérios de avaliação de ativos... 2 2 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão 052 Critérios de Avaliação de Ativos... 2 3 TC RO Contador CESPE 2013 - Questão

Leia mais

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL Profª. Camila Gomes Balanço Patrimonial Ativo Art. 179. As contas serão classificadas do seguinte modo: III - em investimentos: as participações permanentes em outras sociedades

Leia mais

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 1 Introdução A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção dos bens e serviços

Leia mais

CDD: 657 AC:

CDD: 657 AC: Fonseca, Alan Sales da. F676c Contabilidade : revisão balanço patrimonial e DRE / Alan Sales da Fonseca. Varginha, 2015. 17 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1 Conceito de contabilidade e patrimônio... 17

SUMÁRIO. Capítulo 1 Conceito de contabilidade e patrimônio... 17 SUMÁRIO Capítulo 1 Conceito de contabilidade e patrimônio... 17 1. CONCEITO... 17 2. TÉCNICAS CONTÁBEIS... 18 2.1. Escrituração... 18 2.2. Demonstrações contábeis... 18 2.3. Análise de balanços... 18 2.4.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA

Leia mais

DRE Demonstração do Resultado do Exercício

DRE Demonstração do Resultado do Exercício DRE Demonstração do Resultado do Exercício Unidade 5 Hebert Sá 76 Sumário UNIDADE 06 Introdução... 78 Objetivos... 79 Estrutura da Unidade... 79 UNIDADE 5: Tópico 1: Grupos que Formam o Relatório e suas

Leia mais

Contabilidade Geral Prova 2 Gabarito 1 Questão 01 A questão solicita que o candidato indique a afirmativa incorreta, que é encontrada na alternativa c : No ativo, as contas serão dispostas em ordem crescente

Leia mais

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Sumário Capítulo 1 A Elaboração das Demonstrações Contábeis...1 1.1. Considerações Iniciais...1 1.2. Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Capítulo 2 As Demonstrações Contábeis e a Legislação

Leia mais

De acordo com o histórico, classifique as atividades em Operacional, Investimentos ou Financiamentos:

De acordo com o histórico, classifique as atividades em Operacional, Investimentos ou Financiamentos: 3.5 EXERCÍCIO DE CLASSIFICAÇÃO DE ATIVIDADES: De acordo com o histórico, classifique as atividades em Operacional, Investimentos ou Financiamentos: HISTÓRICO Pela Aquisição de Mercadorias at. ch Pelo ICMS

Leia mais

Função e Funcionamento das principais contas

Função e Funcionamento das principais contas 2017/09/22 13:54 1/15 e das principais contas e das principais contas 1.1.1.1 CAIXA Registrar a movimentação de dinheiro, cheques e outros documentos compensáveis em poder da empresa. Debita-se pelo recebimento

Leia mais

Contabilidade Geral Módulo 5: Demonstração do Resultado do Exercício (DRE)

Contabilidade Geral Módulo 5: Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) 1 Contabilidade Geral Módulo 5: Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) 1. Introdução A Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) é a apresentação, de forma resumida, das operações realizadas pela

Leia mais

EAC Contabilidade Avançada Prof. Ariovaldo dos Santos. Balanço Patrimonial em X0 Ativo Passivo + PL Patrimônio Líquido

EAC Contabilidade Avançada Prof. Ariovaldo dos Santos. Balanço Patrimonial em X0 Ativo Passivo + PL Patrimônio Líquido UNIVERSIDADE SÃO PAULO - USP Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC - 0328 Contabilidade Avançada Prof. Ariovaldo dos Santos 4º Exemplo: Balanço

Leia mais

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por:

Palestra. Apresentação das Demonstrações Contábeis e Notas Explicativas (CPC 03 e 09) Outubro Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Contabilidade Avançada. Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU

Contabilidade Avançada. Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU Contabilidade Avançada Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Mestrando em Contabilidade e Controladoria UFU E-mail: geovane_camilo@yahoo.com.br OBRIGATORIEDADE Lei 11.638/2007 Empresas capital aberto Modelo

Leia mais

TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE

TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE TUTORIAL PARA DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO E ENCERRAMENTO DE CONTABILIDADE 2 SUMÁRIO. INTRODUÇÃO... 3 2. CRIANDO UMA NOVA DRE... 4 3. CONFIGURANDO UMA DRE... 5 4. VINCULANDO UMA CONTA DO BALANCETE/PLANO

Leia mais

Demonstrações Contábeis Revisão dos Conceitos Iniciais

Demonstrações Contábeis Revisão dos Conceitos Iniciais Demonstrações Contábeis Revisão dos Conceitos Iniciais Balanço Patrimonial Qual a Função do Balanço Patrimonial? O balanço patrimonial tem por finalidade apresentar a situação patrimonial da empresa em

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 13 EDITAL SISTEMATIZADO... 15 APRESENTAÇÃO... 21 CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 23 1. Noções de contabilidade...23 1.1. Conceitos,

Leia mais

Funções contábeis: Técnicas contábeis: Campo de aplicação: Classificação geral: Áreas de atuação da contabilidade:

Funções contábeis: Técnicas contábeis: Campo de aplicação: Classificação geral: Áreas de atuação da contabilidade: Síntese Contábil Contabilidade: Contabilidade é a ciência que se ocupa do registro, por meio de técnicas próprias, dos atos e fatos da administração das entidades econômicofinanceiras, que possam ser

Leia mais

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2 COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 2 1. Uma empresa apurou em determinado período trimestral de 2003 um Lucro Real de R$ 27.000,00. As adições eram de R$ 5.000,00 e as exclusões de R$ 3.000,00. No Patrimônio

Leia mais

RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR JUDICIAL

RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR JUDICIAL RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR JUDICIAL Parecer Técnico sobre Recuperação Judicial Período: janeiro a dezembro de 2016 GME GARÇA MOTORES ELÉTRICOS LTDA ME EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL ADV. ADRIANO DE OLIVEIRA MARTINS

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de Planejamento Tributário Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 A constituição de Fundos de Investimentos Mobiliário é uma alternativa interessante

Leia mais

Variações do Patrimônio Líqudio

Variações do Patrimônio Líqudio Variações do Patrimônio Líqudio Profa. Mara Jane Contrera Malacrida 1 Eventos que alteram o valor do Patrimônio Líquido Investimentos dos acionistas(inicial e posteriores) Distribuição de dividendos (transferência

Leia mais

LEI Nº /2014. Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade. Edson Pimentel

LEI Nº /2014. Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade. Edson Pimentel LEI Nº 12.973/2014 Convergência Tributária Às Normas Internacionais de Contabilidade Edson Pimentel 1 SUMÁRIO Contexto e Breve Histórico Distribuição de Dividendos e JCP Adoção Inicial Conceito de Receita

Leia mais

PARTE 1 ATIVO DIFERIDO

PARTE 1 ATIVO DIFERIDO PARTE 1 ATIVO DIFERIDO 1.1 Conceituação O Ativo Diferido caracteriza-se por evidenciar os recursos aplicados na realização de despesas que, por contribuírem para a formação do resultado de mais de um exercício

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

CAPÍTULO 3 INVENTÁRIO DEMERCADORIAS

CAPÍTULO 3 INVENTÁRIO DEMERCADORIAS CAPÍTULO 3 INVENTÁRIO DEMERCADORIAS EXEMPLOS: A Empresa Villa Ltda, comercializa Móveis, passou em seu estoque setor de camas unidades no valor de $cada. Em Abril/15, neste setor efetuou as seguintes operações

Leia mais

1.1.3 Outros Créditos

1.1.3 Outros Créditos 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 Disponível 1.1.1.01 Caixa 1.1.1.01.001 Caixa Geral 1.1.1.01.002 Fundo Fixo de Caixa 1.1.1.01.003... 1.1.1.02 Bancos Conta Movimento 1.1.1.02.001... 1.1.1.03 Aplicações

Leia mais

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque

Quais são os objetivos do tópico... TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS. 05. Estoque USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111 Noções de Contabilidade para Administração TEMA II. DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 05. Estoque Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade III CONTABILIDADE Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade III CONTABILIDADE Contabilidade A disciplina está dividida em quatro unidades: Unidade I 1. Contabilidade Unidade II 2. Balanços sucessivos com operações que envolvem

Leia mais

Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa ativo circulante dinheiro e cheques no estabelecimento da devedora

Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa ativo circulante dinheiro e cheques no estabelecimento da devedora 1 Conta Classificação Registra Natureza do saldo caixa dinheiro e cheques no estabelecimento da bancos conta saldos das contas bancárias que a movimento movimenta clientes valores a receber dos clientes

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Seção 7 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Ramo da contabilidade aplicada cujo objetivo é adequar as demonstrações financeiras contábeis e a

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6)

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) DEMONSTRAÇÃO DO VALOR - DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) VENDAS Vendas Operacionais Vendas não Operacionais PDD- Constituição/Reversão VALOR BRUTO VALOR LIQUIDO VALOR TOTAL A DISTRIBUIR 2 4 6 INSUMOS

Leia mais

1) INDICADORES PARA ANÁLISE DO DVA- DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO 1

1) INDICADORES PARA ANÁLISE DO DVA- DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO 1 1) INDICADORES PARA ANÁLISE DO DVA- DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO 1 De acordo com a NBC T 3.7 - do Conselho Federal de Contabilidade, a DVA Demonstração de valor Adicionado é conceituada como: A demonstração

Leia mais

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS

FÓMULAS DE LANÇAMENTOS LANÇAMENTO CONTÁBIL Denominação que se dá ao registro de um fato contábil. Para o lançamento utilizaremos o método das partidas dobradas. O princípio fundamental desse método é o de que não há devedor

Leia mais

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Com base nas Leis nºs /2007 e /2009

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Com base nas Leis nºs /2007 e /2009 Sumário PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Com base nas Leis nºs 11.638/2007 e 11.941/2009 1. Introdução 2. Codificação 3. Abertura de Contas Novas 4. Manual de Contas 5. Estrutura e Classificação

Leia mais

PARTE 3 INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS

PARTE 3 INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS PARTE 3 INVESTIMENTOS TEMPORÁRIOS 3.1 CONCEITUAÇÃO Basicamente, há dois tipos de investimentos: Temporário e Permanente. Investimentos Temporários: Adquiridos com a intenção de revenda e tendo geralmente

Leia mais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.431 27.730 Fornecedores

Leia mais

Exercícios - Soluções

Exercícios - Soluções Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 Exercícios - Soluções EAC 0481 Contabilidade Intermediária II 1 Exercício 1 - Resposta Ativo imobilizado até a conclusão da obra (manutenção da atividade O

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 3 Demonstração do Resultado Abrangente 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

Custos Industriais. Introdução à Contabilidade de Custos. Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera

Custos Industriais. Introdução à Contabilidade de Custos. Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles/ Juliana Schmidt Galera 1 Introdução Ø A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Práticas Contábeis Aulas 03 e 04

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Práticas Contábeis Aulas 03 e 04 Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Práticas Contábeis Aulas 03 e 04 Aula 03 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Dado em sala de Aula Aula 04 Exercícios A Associe os

Leia mais

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P)

ATIVO PASSIVO AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE COMPARAÇÃO ENTRE O ATIVO (A) E O PASSIVO (P) AULA 1 - DEFINIÇÃO DE CONTABILIDADE É A CIÊNCIA SOCIAL QUE ESTUDA O PATRIMÔNIO DAS ENTIDADES E SUAS VARIAÇÕES AO LONGO DO TEMPO ENTIDADE: TODA A PESSOA JURÍDICA QUE POSSUI UM PATRIMÔNIO. PODE SER UMA EMPRESA,

Leia mais

U F F M B A P G G N GESTÃO CONTÁBIL GERENCIAL Araújo

U F F M B A P G G N GESTÃO CONTÁBIL GERENCIAL Araújo 1 Técnicas e Registro de Operações Contábeis 2 a) A Companhia Belém foi constituída em primeiro de setembro de 20X1 com capital social de $ 20.000 para atuar na revenda de produtos. Os eventos, que a empresa

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA. 1. Considerar (V) verdadeiro ou (F) falso, quanto às vantagens do organograma linear em uma organização.

ADMINISTRAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA. 1. Considerar (V) verdadeiro ou (F) falso, quanto às vantagens do organograma linear em uma organização. ADM 1 ADMINISTRAÇÃO PROVA PARA TRANSFERÊNCIA 1. Considerar (V) verdadeiro ou (F) falso, quanto às vantagens do organograma linear em uma organização. (V) Permite a visualização das responsabilidades e

Leia mais

Conteúdo: Sistemas de inventário Critérios de avaliação de estoques Cálculo das compras líquidas CPC 16 - Estoques

Conteúdo: Sistemas de inventário Critérios de avaliação de estoques Cálculo das compras líquidas CPC 16 - Estoques Módulo 3 Egbert 1 Conteúdo: Sistemas de inventário Critérios de avaliação de estoques Cálculo das compras líquidas CPC 16 - Estoques 2 1. Operações com mercadorias O controle das mercadorias pode ser realizado

Leia mais

Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014

Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014 Plano de Contas Referencial Imunes e Isentas até 2014 CÓDIGO DESCRIÇÃO DT_INI DT_FIM TIPO CONTA SUPERIOR NÍVEL NATUREZA 1 ATIVO 01012014 S 1 01 1.01 ATIVO CIRCULANTE 01012014 S 1 2 01 1.01.01 DISPONIBILIDADES

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO Legislação Societária CIRCULANTE Numerário disponível 8.081 6.646 Consumidores e revendedores 83.995 67.906 Devedores

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente?

c) Pressupõe-se que a empresa esteja atrasando um tipo de obrigação. Qual seria, mais provavelmente? 1-Estruture o Balanço Patrimonial da Cia Alfa com os dados a seguir (em $ milhões - empresa comercial): (não há problema se sobrarem linhas...) Caixa 100; Ações de Outras Companhias 1.000; Fornecedores

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração do Fluxo de Caixa 7 Demonstração das Mutações

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - CONSOLIDADO BALANÇO PATRIMONIAL. Exercício : 2016 em R$ ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - CONSOLIDADO BALANÇO PATRIMONIAL. Exercício : 2016 em R$ ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO CONTA SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL - CONSOLIDADO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO ESPECIFICAÇÃO ESPECIFICAÇÃO Ativo Circulante 4.308.121.585,05 4.119.026.030,21 Passivo Circulante - 931.748.272,24-917.833.735,13

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS

CONTABILIDADE DE CUSTOS CONTABILIDADE DE CUSTOS AULA 5: COMPRAS E VENDAS Prof. Carol Camera Reflita Economia, frequentemente, não tem relação com o total de dinheiro gasto, mas com a sabedoria empregada ao gastá-lo. (Henry Ford)

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos PROFA. DRA. NATÁLIA DINIZ MAGANINI Agenda - Gestão de Custos e Tomada de Decisão - Custo x Volume x Lucro - Ponto de Equilíbrio (Contábil, Financeiro, Econômico) - Grau de Alavancagem

Leia mais

Conjunto das demonstrações contábeis

Conjunto das demonstrações contábeis Conjunto das demonstrações contábeis O conjunto completo das demonstrações contábeis está previsto no item 10 da NBC TG 26 R4: (a) Balanço Patrimonial (BP) O artigo 178 da Lei nº 6.404/1976 trata do Balanço

Leia mais

Aprendendo Exercício. Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Aprendendo Exercício. Fundamentos Decifrados de Contabilidade Para resolução da questão de uma maneira simples e rápida, basta lembrar o significado dos conceitos de débito e crédito, no âmbito do método das partidas dobradas. Por débito, entende-se a aplicação de

Leia mais

ATIVO

ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO CONTROLADORA CONSOLIDADO ATIVO CIRCULANTE Numerário disponível 5.803 1.361 17.311 8.292 Aplicações no mercado aberto 1.216.028 665.948 1.216.530

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Introdução

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Introdução CONTABILIDADE COMERCIAL Unidade III 7 FATOS QUE ALTERAM OS VALORES DE COMPRA E VENDA DE MERCADORIAS Introdução Após a apresentação dos sistemas de inventário de mercadorias (permanente e periódico), dos

Leia mais

Módulo Extra Egbert 1

Módulo Extra Egbert 1 Módulo Extra Egbert 1 Conteúdo: Critérios de classificação dos elementos patrimoniais. Noções de Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) 2 1. Balanço patrimonial CLASSIFICAÇÃO CRITÉRIOS AVALIAÇÃO

Leia mais

Exercícios - Prova TCU Auditor CESPE 2015

Exercícios - Prova TCU Auditor CESPE 2015 Questão 119 Notas Explicativas... 2 Questão 121 Remuneração por Ações *** RECURSO ***... 2 Questão 122 Provisões *** RECURSO ***... 2 Questão 123 Participações Societárias... 2 Questão 124 Lançamentos

Leia mais

CPC 26 Apresentações de Demonstrações Contábeis-Balanço

CPC 26 Apresentações de Demonstrações Contábeis-Balanço CPC CPC 26 Apresentações de Demonstrações Contábeis-Balanço Este Pronunciamento Técnico não prescreve a ordem ou o formato que deva ser utilizado na apresentação das contas do balanço patrimonial, mas

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO

FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO FUNDAMENTOS DE CUSTOS CÁLCULO DA MARGEM E PONTO DE EQUILÍBRIO Conceitos Lucratividade e Rentabilidade aplicações distintas Permite avaliar a empresa Para obter os índices de lucratividade e rentabilidade

Leia mais