UCF - Criança e Adolescente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UCF - Criança e Adolescente"

Transcrição

1 1. Objetivo O presente documento de consenso tem como objetivo a descrição da abordagem diagnóstica e terapêutica e orientação da alergia alimentar em população pediátrica, que compreende idade até aos 17 anos e 364 dias. 2. Siglas/Abreviaturas APLV alergia às proteínas do leite de vaca DEMI débito expiratório máximo instantâneo IgE Imunoglobulina E PEF peak expiratory flow PLV proteínas do leite de vaca 3. Âmbito de aplicação O presente documento de consenso aplica-se à abordagem em contexto de cuidados de saúde primários e à referenciação para cuidados hospitalares. 4. Conceitos / Definições Alergia alimentar Reação adversa por resposta imune específica que ocorre de forma reprodutível após exposição a determinado alimento, podendo ser IgE-mediada, mediada por células, mista (mediada por IgE e células) ou não classificada. Sensibilização alergénica Presença de IgE específica para determinado alergénio. Reatividade cruzada Causada por homologia na sequência de aminoácidos de certos alergénios, explicando sintomas a certos alimentos sem prévia exposição aos mesmos. Uma reação adversa fisiológica a um determinado alimento, sem mecanismo imune subjacente, é definida como intolerância alimentar. Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 1 de 21

2 Na Europa, a prevalência estimada de alergia alimentar é de 17% na população geral, tendo duplicado na última década. Afeta uma em cada 20 crianças e 6 a 8% das crianças até aos 3 anos de idade, constituindo a principal causa de anafilaxia até aos 14 anos. Alergia à proteína de leite de vaca afeta 2 a 3% da população pediátrica, sendo a principal causa de alergia alimentar até aos 3 anos com pico de incidência no primeiro ano de vida. Qualquer alimento pode causar uma resposta alérgica, mas 90% das alergias alimentares são causadas por 8 alergénios major: proteína de leite de vaca (APLV), ovo, trigo, soja, amendoim, frutos secos e peixe/marisco. A idade típica de início e a evolução é dependente do alergénio envolvido (Quadro 1): Alergéneo Idade de início Idade de resolução 6-12 meses 50% aos 12 meses, PLV 75% aos 3 anos, > 90% aos 6 anos Ovo 6 24 meses 75% aos 7 anos Trigo 6 24 meses 80% aos 5 anos Soja 6 24 meses 67% aos 2 anos Amendoim 6 24 meses Persistente (20% resolve até aos 5 anos) Frutos secos meses Persistente (20% resolve até aos 7 anos) Peixe, marisco Tardio Persistente Quadro 1 - Idade típica de início e de resolução da alergia alimentar aos 8 principais alergénios. Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 2 de 21

3 O risco de reação alérgica grave está aumentado em doentes com alergia a amendoim ou frutos secos, asma (principalmente se grave e mal controlada), distúrbio dos mastócitos ou doença cardiovascular, reações graves prévias e/ou sob terapêutica com betabloqueadores ou inibidores da enzima conversora da angiotensina. Os episódios de alergia poderão ser potencialmente mais graves se ocorreram na presença de determinados cofatores: exercício, febre, infeção, stress emocional e/ou fase pré-menstrual ou associado a consumo de anti-inflamatórios não esteroides ou álcool. 5. Diagnóstico e investigação O diagnóstico de alergia alimentar baseia-se na história clínica, complementada por testes cutâneos e/ou doseamento de IgE específicas séricas e, se necessários, prova de provocação positiva após dieta de evicção. As manifestações de alergia alimentar são variáveis e relacionam-se com o mecanismo imune subjacente (Quadro 2). Manifestações IgE-mediada Mediada por células Mista Cutânea Urticária, Angioedema Exantema, flushing Dermatite de contacto Dermatite atópica Hipersensibilidade Enterocolite, proctocolite e Esofagite e Gastrointestinal gastrointestinal imediata enteropatia induzida por gastroenterite Síndrome de alergia oral proteínas alimentares eosinofílica Hemossiderose pulmonar Respiratória Rinoconjuntivite Broncospasmo induzida por proteínas do leite de vaca (síndrome de Heiner). Generalizada Anafilaxia Quadro 2 - Manifestações de alergia alimentar, mediante mecanismo imune Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 3 de 21

4 As reações alérgicas IgE-mediadas manifestam-se nas primeiras 2 horas após a exposição, podendo manifestar-se a nível cutâneo (urticária, angioedema, exantema, flushing), gastrointestinal (vómitos e dor abdominal como manifestações de hipersensibilidade gastrointestinal imediata) ou respiratório (rinoconjuntivite, pieira/sibilância, estridor, dispneia). Sintomas localizados à cavidade oral (prurido, eritema e/ou edema) após ingestão de vegetais ou frutas não cozinhados em crianças com rinite alérgica a pólen são manifestações da síndrome de alergia oral, desencadeado por contacto oral com alergénios com reatividade cruzada com pólen. A anafilaxia é uma reação IgE-mediada sistémica e grave que deve ser considerada na presença dos critérios descritos no Quadro 3. Critérios clínicos de anafilaxia considerar diagnóstico se um dos seguintes critérios: 1. Urticária, eritema ou prurido generalizado e/ou edema dos lábios, língua ou úvula de inicio súbito (minutos a algumas horas) e pelo menos um dos seguintes: Compromisso respiratório: dispneia, sibilância/broncospasmo, estridor, diminuição do DEMI/PEF e/ou hipoxemia; Hipotensão ou sintomas associados a disfunção de órgão terminal hipotonia, síncope, incontinência. 2. Ocorrência de forma súbita (minutos a algumas horas) após exposição a um alergénio provável para o doente, de dois ou mais dos seguintes: Urticária, eritema ou prurido generalizado e/ou edema dos lábios, língua ou úvula; Compromisso respiratório: dispneia, sibilância/broncospasmo, estridor, diminuição do DEMI/PEF e/ou hipoxemia; Hipotensão ou sintomas associados a disfunção de órgão terminal: hipotonia, síncope, incontinência; Sintomas gastrointestinais súbitos: cólica abdominal, vómitos. 3. Hipotensão minutos a horas após exposição a alergénio conhecido para o doente: Pressão arterial sistólica reduzida para idade (< 70 mmhg em lactentes < 1 ano, < [ x idade] mmhg em crianças com 1 a 10 anos, < 90 mmhg em adolescentes acima dos 10 anos); ou Diminuição da pressão arterial sistólica superior a 30% em relação ao basal do doente Quadro 3 - Critérios clínicos para diagnóstico de anafilaxia Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 4 de 21

5 Em até 20% dos casos de anafilaxia existe uma reação bifásica, em que a segunda fase de sintomas ocorre 4 a 12 horas após as primeiras manifestações e podem ser potencialmente mais graves. A administração insuficiente ou tardia de adrenalina aumenta o risco de reação bifásica. As reações alérgicas não-ige mediadas manifestam-se mais tardiamente e são predominantemente gastrointestinais. A síndrome de enterocolite induzida por proteínas alimentares manifesta-se por vómitos e diarreia prolongada (por vezes com sangue) associada a dor e distensão abdominais, podendo resultar em má evolução ponderal e anemia. Em até 15% dos casos pode cursar com hipotensão relacionada com o contacto com o alergénio. A proctocolite induzida por proteínas alimentares apresenta diarreia sanguinolenta, habitualmente sem outros sintomas associados. Os sintomas da enteropatia induzida por proteínas alimentares incluem diarreia prolongada com ou sem muco, vómitos intermitentes até 65% dos doentes, dor e distensão abdominal e má evolução ponderal, podendo causar anemia e hipoalbuminemia. As reações alérgicas mistas apresentam-se na forma de dermatite atópica (30-40% dos casos de dermatite atópica moderada a grave) e esofagite/gastroenterite eosinofílica. Esta última ocorre em crianças e adolescentes e manifesta-se por refluxo gastro esofágico crónico com vómitos intermitentes, dor abdominal e recusa alimentar, disfagia e impactação alimentar, sem resposta a medicação anti refluxo. O diagnóstico de alergia alimentar requer elevada suspeição clínica, dada a reduzida especificidade dos sintomas, nomeadamente dos sintomas gastrointestinais. Avaliação clínica A avaliação clínica requer: caracterização dos antecedentes familiares, nomeadamente de atopia alimentar, respiratória ou cutânea; caracterização dos antecedentes pessoais: dermatite atópica, APLV, rinite, conjuntivite ou asma alérgicas e outras comorbilidades; Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 5 de 21

6 descrição da evolução estaturo-ponderal e da história alimentar, incluindo aleitamento materno, aleitamento artificial (primeira toma de fórmula para lactentes no período pós-natal imediato), idade de diversificação alimentar e alimentos introduzidos na dieta; caracterização do episódio de doença atual: caracterização dos sintomas, idade de início, tempo decorrido entre contacto com alergénio e sintomas, forma de contacto com alergénio alimentar (ingestão, inalação ou contacto cutâneo), quantidade e forma de preparação do alimento, cofatores associados (exercício, jejum, febre, stress emocional, fase pré-menstrual ou ingestão de bebidas alcoólicas ou anti-inflamatórios não-esteroides); pesquisa de antecedentes de episódios prévios semelhantes e sua caracterização; exame objetivo completo, com avaliação de somatometria, estado nutricional e estigmas de atopia. O diagnóstico de alergia alimentar IgE-mediada ou mista pode ser efetuado por testes cutâneos ou doseamento de IgE-específica sérica. Apenas devem ser testados os alergénios identificados como relevantes na anamnese, pelo risco de identificar sensibilização alergénica sem repercussão clínica. Testes cutâneos Os testes cutâneos constituem a primeira linha de investigação devido ao seu elevado valor preditivo positivo e rapidez de execução. Poderão ser necessários testes prick-to-prick com alergénio obtido do alimento fresco porque algumas proteínas são destruídas durante a preparação comercial dos extratos. Os testes intradérmicos estão contraindicados na investigação de alergia alimentar pelo risco elevado de anafilaxia. O menor valor preditivo positivo em crianças com menos de 2 anos deve influenciar a interpretação dos resultados mas não constitui contraindicação à sua realização. Os testes devem ser sempre feitos em meio hospitalar, com recurso a carro de emergência. As recomendações para a realização de testes cutâneos são: suspensão de anti-histamínicos H1 orais e corticóides tópicos 7 dias antes do exame; realização em local sem eczema e sem dermografismo; ausência de reação alérgica nas últimas 4 semanas; ausência de antecedentes de anafilaxia. Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 6 de 21

7 Doseamento de IgE específica O doseamento de IgE-específica do(s) alergénio(s) suspeito(s) deve ser realizado mediante indicações específicas (Quadro 4). Este meio de diagnóstico constitui uma segunda-linha de investigação pela sua maior taxa de falsos negativos (menor sensibilidade, exacerbada nas 4 a 6 semanas após reação alérgica) e de falsos positivos (sensibilização alergénica). Os resultados devem ser interpretados de acordo com os valores de referência específicos para a técnica laboratorial, alergénio testado e idade do doente. Indicações para doseamento de IgE-específica para mistura de alergénios alimentares Testes cutâneos contraindicados: impossibilidade de suspensão de anti-histamínicos H1 orais ou corticoides tópicos, dermografismo, eczema grave; Testes cutâneos negativos e forte suspeita clínica de alergia alimentar IgE-mediada; Suspeita de alergia às proteínas de leite de vaca e incapacidade de realizar testes cutâneos; Antes do início de imunoterapia específica e subsequente monitorização do tratamento; Após diagnóstico de alergia alimentar, para monitorização da tolerância natural. Quadro 4 - Indicações para doseamento de IgE-específica Na suspeita de alergia alimentar não-ige mediada ou doseamento de IgE-específica não conclusiva (doseamento de IgE-específica inferior ao valor de referência com forte suspeita clínica), o doente deve ser referenciado para consulta hospitalar de Pediatria para realização de prova de provocação oral após dieta de evicção, sob vigilância clínica. Em casos de suspeita de esofagite/gastroenterite eosinofílica está indicada a referenciação para a consulta de Pediatria, se manutenção dos sintomas após 4 a 6 semanas de toma de inibidor da bomba de protões. Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 7 de 21

8 6. Abordagem terapêutica Os sintomas agudos de alergia alimentar devem ser abordados com tratamento sintomático adequado. Os casos de ANAFILAXIA devem ser abordados de forma imediata, com remoção da exposição ao alergénio, administração de adrenalina 1:1000 intramuscular (0,01 mg/kg até máximo 0,5 mg, com repetição após 5 minutos se manutenção dos sintomas) aliada a abordagem de emergência assegurando a patência das vias aéreas, respiração e circulação e início de suporte de vida, se indicado. Após estabilização inicial, os doentes com anafilaxia devem ser transportados para serviço de urgência com acompanhamento médico para vigilância clínica pelo risco de reação bifásica. As indicações para auto-injector de adrenalina (dosagem descrita no Quadro 5) em doentes com alergia alimentar são: anafilaxia prévia, asma mal controlada concomitante e distúrbio dos mastócitos em doente com antecedentes de reação cutânea. Poderá também ser considerada em casos de reação alérgica moderada-grave a amendoim ou frutos secos ou casos de alergia ligeira a moderada em doente distante de local de prestação de cuidados de saúde. A sua prescrição deve ser sempre acompanhada de ensino sobre a administração e entrega de folheto sobre anafilaxia onde consta plano de emergência escrito (Anexo I). Peso Dose de adrenalina kg 0,15 mg (caneta amarela) > 25 kg 0,3 mg (caneta verde) Quadro 5 - Dosagem do auto-injector de adrenalina mediante o peso Logo após a suspeita de alergia alimentar deve ser iniciada a evicção do alergénio suspeito aliada ao ensino da leitura de rótulos e evicção de contaminação cruzada e à entrega do folheto sobre alergia alimentar (Anexo II). Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 8 de 21

9 As recomendações e ensino devem ser reforçados a cada consulta e alargadas à família, escola e conviventes habituais da criança. A necessidade de apoio em consulta de nutrição deverá ser avaliada de forma individualizada. No caso de suspeita de alergia às proteínas de leite de vaca, o aleitamento materno exclusivo deve ser incentivado, dado o seu valor biológico e a sua capacidade de induzir tolerância, sendo recomendada a sua manutenção pelo menos nos primeiros 4-6 meses de vida. A mãe lactante e o filho devem fazer evicção de todos os produtos lácteos da dieta. É importante fornecer aconselhamento nutricional à mãe, em particular no que concerne ao cálcio e realizar ensino para leitura de rótulos (Anexo III). Na sua impossibilidade ou se manutenção dos sintomas, deve ser iniciada fórmula extensamente hidrolisada. Em última linha, se manutenção dos sintomas, esta deverá ser substituída por fórmula de aminoácidos. As fórmulas à base de proteína de soja apenas deverão ser ponderadas em lactentes com idade superior a 6 meses e impossibilidade de realização das anteriores opções alimentares por recusa alimentar ou dificuldade económica, mediante avaliação individualizada já que apresentam risco de reação alérgica cruzada. As fórmulas extensamente hidrolisadas, de aminoácidos e à base de proteína de soja comercializadas atualmente em Portugal estão descritas no Quadro 5. Fórmula extensamente hidrolisada Fórmula à base de Fórmula de Com lactose Sem lactose proteína de soja aminoácidos Althéra Alfaré Visoy Neocate LCP Aptamil Pepti 1 Aptamil Pepti Junior Nutramigen AA Aptamil Pepti 2 Nutramigen 1 Blédina Nutrilon Alergia Nutramigen 2 Nutriben HIDROLISADO Pregestimil Quadro 5 - Fórmulas (extensamente hidrolisada, de aminoácidos e à base de proteína de soja) atualmente comercializadas em Portugal Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 9 de 21

10 Os doentes pediátricos com alergia alimentar deverão manter vigilância em consulta hospitalar para vigilância de sintomas de alergia alimentar e outras doenças atópicas, reforço da evicção alimentar e avaliação da evolução estaturo-ponderal e da necessidade de apoio nutricional e revisão da necessidade de prescrição de auto-injector de adrenalina e/ou renovação da sua prescrição. A monitorização da tolerância natural ao alergénio é realizada em consulta hospitalar, com periodicidade variável mediante a idade do doente, o alergénio sensibilizante e a evolução clínica. A tolerância a determinado alergénio apenas é confirmada após de realização de prova de provocação. 7. Referenciação à consulta hospitalar e serviço de urgência São indicações para referenciação para consulta hospitalar de Pediatria: alergia alimentar diagnosticada por testes cutâneos ou IgE-específica, com sintomas compatíveis; suspeita de alergia alimentar não-ige mediada; doseamento de IgE-específica não conclusiva (doseamento de IgE-específica inferior ao valor de referência com forte suspeita clínica); suspeita de alergia às proteínas de leite de vaca; sintomas compatíveis com esofagite e/ou gastroenterite eosinofílica sem melhoria sintomática após 4 a 6 semanas de inibidor da bomba de protões; Os casos de anafilaxia, na fase aguda, devem ser referenciados para serviço de urgência após estabilização inicial e adrenalina intramuscular, com acompanhamento médico pelo risco de reação bifásica. 8. Documentos relacionados Em anexo a este documento de consenso, encontram-se três folhetos sobre alergia às proteínas de leite de vaca, alergia alimentar e anafilaxia, para impressão e entrega aos cuidadores da criança ou adolescente com suspeita de alergia alimentar. Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 10 de 21

11 9. Fontes bibliográficas 1. Kliegman RM et al, eds. Nelson Textbook of Pediatrics. 20th ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier; 2015: 151: Boyce JA, Assa ad A et al. Guidelines for the diagnosis and management of food allergy in the United States: report of the NIAID sponsored expert panel. J Allergy Clin Immunol 2010;126:S1 58; 3. Koletzko S, Niggemann B et al; Diagnostic approach and management of cow's-milk protein allergy in infants and children: ESPGHAN GI Committee practical guidelines. J Pediatr Gastroenterol Nutr Aug; 55(2): 221-9; 4. Leung D, Sampson H, Geha R, Szefler A. Pediatric allergy: principles and practice. Saunders 2010 (2nd edition). 5. Direcção-Geral da Saúde. Prescrição de exames laboratoriais para avaliação de doença alérgica. Norma de orientação clínica 061/2011 (atualizada a 23/03/2015). 6. Direção-Geral da Saúde. Anafilaxia: Abordagem Clínica. Norma de orientação clínica 014/ Rêgo C, Teles A, Nazareth M, Guerra A. Leite e fórmulas infantis: a realidade portuguesa revisitada em Acta Pediatr Port 2013;44: S Burks AW, et al. ICON: Food allergy. J Allergy Clin Immunol 2012;129(4): Eigenmann P, et al. Testing children for allergies: why, how, who and when. Pediatr Allergy Immunol 2013;24: Bousquet J, Heinzerling L, et al. Practical guide to skin prick tests in allergy to aeroallergens. Allergy 2012; 67: Caira S, Pizzano R, Picariello G, Pinto G, Cuollo M, Chianese L, Addeo F. Allergenicity of Milk Proteins, Dr. Walter Hurley (Ed.) 2012, ISBN: , InTech, DOI: / Disponível em: Dupont C. Food Allergy: Recent advances in pathophysiology and diagnosis. Ann Nutr Metab 2011; 59 (suppl 1): 8-18; 13. Burks AW, Jones SM, Boyce JA, et al. NIAID sponsored 2010 guidelines for managing food allergy: applications in the pediatric population. Pediatrics 2011; Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 11 de 21

12 14. Santalha M, Correia F, Costa A, Macedo L, Alendouro P, Matos A. Alergia alimentar em idade pediátrica. Nascer e Crescer 2013; 22(2): 75-79; 15. Bento L. Alergia alimentar. Nascer e Crescer 2009; 18(3): ; 16. Jarvinen-Seppo KM. Milk allergy: Clinical features and diagnosis. Uptodate Available at Accessed May Jarvinen-Seppo KM. Milk allergy: management. Uptodate Available at Accessed February 2015 Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 12 de 21

13 Anexo I Anafilaxia Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 13 de 21

14 Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 14 de 21

15 Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 15 de 21

16 Anexo II Alergia alimentar Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 16 de 21

17 Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 17 de 21 Versão nº:2 Data 1ª versão: 21/09/2015 Tabelas adaptadas fonte: Direcção Geral de Saúde, 2012 Em caso de dúvida, aconselhe-se com o seu médico! Ana Cristina Freitas, Diogo Magalhães, Inês Falcão Fernanda Teixeira, Maria José Ribas UCF Criança e Adolescente Centro Hospitalar do Porto, ACeS Gondomar, ACeS Porto Ocidental O sistema imunitário reconhece um alimento como uma (alergéneo) mesmo indivíduo podem provocar no Um com o alimento que causa a alergia entre as várias etapas de manipulação de alimentos; para a preparação, confeção, empratamento e distribuição de refeições de cozedura para diferentes alimentos; Durante as refeições,

18 Versão nº:2 Data 1ª versão: 21/09/2015 Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 18 de 21 Tabelas adaptadas fonte: Direcção Geral de Saúde, 2012

19 Anexo III Alergia às proteínas do leite de vaca Versão nº:2 Data 1ª versão: 21/09/2015 Mod.ACeSPOc.002 ( ) Página 19 de 21

20

21

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

Página 1 de 5 GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 ITEM A

Página 1 de 5 GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 ITEM A GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 Lactente vem evoluindo bem, com sinais e sintomas comuns dessa faixa etária Ganho de peso limítrofe. Cólicas e hábito intestinal compatível com aleitamento misto. Pediatra

Leia mais

ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 004/2012 DATA: 15/11/2012

ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 004/2012 DATA: 15/11/2012 NÚMERO: 004/2012 DATA: 15/11/2012 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Anafilaxia: Registo e Encaminhamento Anafilaxia; Imuno-Alergologia Médicos do Sistema Nacional de Saúde Departamento da Qualidade

Leia mais

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL 1 de 5 O trato gastrintestinal (TGI) tem a função principal de absorver os nutrientes necessários ao organismo e eliminar os dejetos. O TGI é também uma parte fundamental

Leia mais

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares Artigo de Opinião N.º 5 10 de julho de 2017 Rubrica Nutricional A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares O que é uma alergia alimentar? A alergia alimentar é uma reação

Leia mais

Provas. Diagnóstico. em Alergia

Provas. Diagnóstico. em Alergia Provas Diagnósticas em Alergia Autor: Dr. Fabiano Brito Médico Reumatologista Assessoria Científica As doenças alérgicas se manifestam como um espectro de sintomas que podem envolver respostas respiratórias

Leia mais

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico VII Simpósio de Tecnologia e Engenharia de Alimentos e VI Encontro Paranaense de Engenharia de Alimentos UTFPR, Campo Mourão, PR, Brasil 13 a 16 de setembro de 2016 Alergia à proteína do leite de vaca:

Leia mais

Caso clinico- Alergia Alimentar. Autora: Dra. Cristina Jacob. EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo

Caso clinico- Alergia Alimentar. Autora: Dra. Cristina Jacob. EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo Caso clinico- Alergia Alimentar Autora: Dra. Cristina Jacob EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo Queixa e HPMA- Mãe refere que aos 5 meses de idade, apresentou edema de lábios e urticária após ter

Leia mais

Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 %

Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 % Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Alergia Doenças alérgicas representam um problema de saúde pública, atingindo mais de 20% da população.

Leia mais

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Qual o mecanismo fisiopatológico da doença? A esofagite eosinofílica ( EE) está relacionada ao aumento da sensibilidade alérgica? Qual a conexão entre alergia

Leia mais

CURSO DE GASTROENTEROLOGIA, HEPATOLOGIA E NUTRIÇÃO PEDIÁTRICA

CURSO DE GASTROENTEROLOGIA, HEPATOLOGIA E NUTRIÇÃO PEDIÁTRICA CURSO DE GASTROENTEROLOGIA, HEPATOLOGIA E NUTRIÇÃO PEDIÁTRICA Nilton C Machado. Professor Adjunto Mary A Carvalho. Professora Assistente Doutora Débora A Penatti. Médica Assistente Mestre Juliana T Dias.

Leia mais

Mediadores pré-formados. Mediadores pré-formados. Condição alérgica. Número estimado de afetados (milhões) Rinite alérgica Sinusite crônica 32.

Mediadores pré-formados. Mediadores pré-formados. Condição alérgica. Número estimado de afetados (milhões) Rinite alérgica Sinusite crônica 32. REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE HIPERSENSIBILIDADE : É uma resposta imunológica exagerada ou inapropriada a um estímulo produzido por um antígeno. REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE

Leia mais

[Título do documento]

[Título do documento] [Título do documento] [Escrever o subtítulo do documento] Franklim Fernandes [Escolher a data] ALERGIA ALIMENTAR, ALIMENTOS COM PERIGOS 2 Conteúdo ALERGIA ALIMENTAR, ALIMENTOS COM PERIGOS... 3 O que é

Leia mais

Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV

Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV de Brasília Dra. Elisa de Carvalho Gastroenterologista Pediátrica Hospital de Base do Distrito Federal Hospital da Criança de Brasília Caso

Leia mais

Amor sem medida CORREIO POPULAR

Amor sem medida CORREIO POPULAR _ESPAÇO GOURMET: rondelle com ricota e nozes é um convite e tanto a, com a inspiração das mammas, reunir a família e praticar os dotes culinários _MOTORPREMIUM: segundo modelo produzido na fábrica da Land

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA. Módulo 1 Conceitos Gerais de Imunologia e Doença Alérgica

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA. Módulo 1 Conceitos Gerais de Imunologia e Doença Alérgica FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA sexta-feira, das 17h30 às 20h45 sábado, das 09h00 às 13h30 um módulo por mês Comissão Coordenadora Prof. Doutor Fernando Coelho Rosa, Pediatra, ICS-Católica

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH Este protocolo tem o objetivo de estabelecer diretrizes para dispensação

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA. Módulo 1 Conceitos Gerais de Imunologia e Doença Alérgica

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA. Módulo 1 Conceitos Gerais de Imunologia e Doença Alérgica FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA sexta-feira, das 17h30 às 20h45 sábado, das 09h00 às 13h30 um módulo por mês Comissão Coordenadora Prof. Doutor Fernando Coelho Rosa, Pediatra, ICS-Católica

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA QUESTÃO 21 Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: a) não há estudos sistematizados que avaliem a

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA sexta-feira, das 17h30 às 20h45 sábado, das 09h00 às 13h30 um módulo por mês Comissão Coordenadora Prof. Doutor Fernando Coelho Rosa, Pediatra, ICS-Católica

Leia mais

ANEXO III SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E FOLHETO INFORMATIVO

ANEXO III SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E FOLHETO INFORMATIVO ANEXO III SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E FOLHETO INFORMATIVO Nota: Estas alterações ao Resumo das Características do Medicamento e ao Folheto Informativo são válidas

Leia mais

Alergia às Proteínas do Leite de Vaca e Intolerância à Lactose

Alergia às Proteínas do Leite de Vaca e Intolerância à Lactose ARTIGO DE REVISÃO / REVIEW ARTICLE Alergia às Proteínas do Leite de Vaca e Intolerância à Lactose Cow s Milk Protein Allergy and Lactose Intolerance Inês Falcão, Helena Ferreira Mansilha Serviço de Pediatria,

Leia mais

Anexo III. Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo

Anexo III. Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo Anexo III Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo Nota: As alterações ao Resumo das Características do Medicamento e ao Folheto Informativo

Leia mais

Diagnosis and treatment of asthma in childhood: a PRACTALL consensus report. Allergy Global Initiative for Asthma

Diagnosis and treatment of asthma in childhood: a PRACTALL consensus report. Allergy Global Initiative for Asthma Asma Diagnosis and treatment of asthma in childhood: a PRACTALL consensus report. Allergy 2008 Global Initiative for Asthma 2010. www.ginasthma.org Mónica Oliva 4 Novembro 2010 CS Norton Matos, 11 Maio

Leia mais

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Reações de hipersensibilidade são mediadas por mecanismos imunológicos que lesam os tecidos. Tipos de doenças mediadas por anticorpos Dano causado por

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA SARA GONÇALVES SOUSA DIAS A ALERGIA ALIMENTAR E O IMPACTO NA CRIANÇA E NA FAMÍLIA

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA SARA GONÇALVES SOUSA DIAS A ALERGIA ALIMENTAR E O IMPACTO NA CRIANÇA E NA FAMÍLIA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA TRABALHO FINAL DO 6º ANO MÉDICO COM VISTA À ATRIBUIÇÃO DO GRAU DE MESTRE NO ÂMBITO DO CICLO DE ESTUDOS DE MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA SARA GONÇALVES

Leia mais

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, por

Nos termos da alínea a) do nº 2 do artigo 2º do Decreto Regulamentar nº 14/2012, de 26 de janeiro, por NORMA Digitally signed by Francisco Henrique Moura George DN: c=pt, o=direção-geral da Saúde, ou=direção-geral da Saúde, cn=francisco Henrique Moura George Date: 2017.07.06 12:45:54 +01'00' NÚMERO: DATA:

Leia mais

Alergia às proteínas do leite de vaca: Quando a prevenção primária não foi possível

Alergia às proteínas do leite de vaca: Quando a prevenção primária não foi possível CASO CLÍNICO Alergia às proteínas do leite de vaca: Quando a prevenção primária não foi possível Cow s milk allergy: When primary prevention was not possible Data de recepção / Received in: 09/12/2010

Leia mais

Informação médica para suportar as decisões da CAUT ANAFILAXIA. Anafilaxia

Informação médica para suportar as decisões da CAUT ANAFILAXIA. Anafilaxia Anafilaxia 1. Condição Médica A anafi laxia é defi nida como uma reação alérgica grave de rápido início e potencialmente fatal. Geralmente ocorre em ambiente comunitário. A prevalência acumulada é de 0,05-2%.

Leia mais

Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve este folheto Informativo. Pode ter necessidade de o ler novamente.

Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve este folheto Informativo. Pode ter necessidade de o ler novamente. FOLHETO INFORMATIVO Nazonite 120 mg Comprimidos Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve este folheto Informativo. Pode ter necessidade de o ler novamente. Caso ainda tenha

Leia mais

Não existe uma única resposta!!

Não existe uma única resposta!! Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Supervisora do ambulatório ICr-HCFMUSP Nutricionista das Unidades de Alergia e Imunologia e Gastroenterologia ICr-HCFMUSP Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria

Leia mais

PEDIATRIA 1 AULAS TEÓRICAS. DOENÇAS ALÉRGICAS EM PEDIATRIA José António Pinheiro

PEDIATRIA 1 AULAS TEÓRICAS. DOENÇAS ALÉRGICAS EM PEDIATRIA José António Pinheiro PEDIATRIA 1 AULAS TEÓRICAS DOENÇAS ALÉRGICAS EM PEDIATRIA José António Pinheiro DOENÇAS ALÉRGICAS EM PEDIATRIA Asma alérgica Rinite alérgica Conjuntivite alérgica Eczema atópico Urticária e angioedema

Leia mais

FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA

FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA Objetivos desta aula Discutir a abordagem da criança com dispneia na

Leia mais

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial

A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial A Pessoa com alterações nos valores da Tensão Arterial Fisiologia da TA Tensão arterial é a força exercida pelo sangue, devido à pressão do coração, sobre as paredes de uma artéria. Tensão sistólica: pressão

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE HISTÓRIA CLÍNICA PARA INVESTIGAÇÃO DE URTICÁRIA DATA / / NOME GÊNERO IDADE ESTADO CIVIL RAÇA ENDEREÇO TELEFONE PROFISSÃO 1. ANTECEDENTES A) história familiar: Urticária angioedema Doenças da tireóide Asma,

Leia mais

CASO CLÍNICO ASMA - PUC - PR - SPP

CASO CLÍNICO ASMA - PUC - PR - SPP CASO CLÍNICO ASMA Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú - PUC - PR Departamento Científico de Alergia - SPP CASO CLÍNICO J. S. M, fem., 3a, procedente

Leia mais

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL FLUISOLVAN Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL 3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO? Você não deve usar Fluisolvan se tiver alergia ao ambroxol (substância ativa)

Leia mais

Respostas. Utilize o verso se necessário

Respostas. Utilize o verso se necessário 01 Um lactente apresentou lesões eritemato-pápulo-vesico-crostosas na face, acometendo, principalmente, as regiões malares, no terceiro mês de vida. Após corticoterapia tópica, houve involução dessas lesões.

Leia mais

HOSPITALIZAÇÕES E MORTALIDADE POR ASMA: É POSSÍVEL EVITAR? DR. GUILHERME FREIRE GARCIA ABRA MAIO DE DIA MUNDIAL DA ASMA

HOSPITALIZAÇÕES E MORTALIDADE POR ASMA: É POSSÍVEL EVITAR? DR. GUILHERME FREIRE GARCIA ABRA MAIO DE DIA MUNDIAL DA ASMA HOSPITALIZAÇÕES E MORTALIDADE POR ASMA: É POSSÍVEL EVITAR? DR. GUILHERME FREIRE GARCIA ABRA MAIO DE 2012- DIA MUNDIAL DA ASMA DIA MUNDIAL DA ASMA 1º DE MAIO DE 2012 EPIDEMIOLOGIA DA ASMA 300 milhões de

Leia mais

PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g

PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g PROMERGAN Prometazina APRESENTAÇÃO Creme 20 mg/g, bisnaga de 30 g. USO TÓPICO. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS. COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

IMPACTO DA RINITE SOBRE CONTROLE CLÍNICO E GRAVIDADE DA ASMA EM UM PROGRAMA DE REFERÊNCIA DO ESTADO DO MARANHÃO

IMPACTO DA RINITE SOBRE CONTROLE CLÍNICO E GRAVIDADE DA ASMA EM UM PROGRAMA DE REFERÊNCIA DO ESTADO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UFMA IMPACTO DA RINITE SOBRE CONTROLE CLÍNICO E GRAVIDADE DA ASMA EM UM PROGRAMA DE REFERÊNCIA DO ESTADO DO MARANHÃO J A N A I N A O L I V E I

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Donepezilo Dornipur 5 mg e 10 mg Comprimidos revestidos por película

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Donepezilo Dornipur 5 mg e 10 mg Comprimidos revestidos por película FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Donepezilo Dornipur 5 mg e 10 mg Comprimidos revestidos por película Cloridrato de donepezilo Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento

Leia mais

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ATENÇÃO: Durante a fase de transição, você poderá encontrar rótulos ainda sem a frase de alergênicos

Leia mais

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam

ANEXO I. Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam ANEXO I Perguntas e Respostas sobre a revisão benefício-risco do piroxicam A Agência Europeia de Medicamentos (EMEA) completou recentemente a avaliação da segurança do anti-inflamatório não esteróide (AINE)

Leia mais

É utilizado no tratamento dos sintomas da osteoartrose, isto é, dor e limitação da função.

É utilizado no tratamento dos sintomas da osteoartrose, isto é, dor e limitação da função. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Glucosamina Minitil 1500 mg pó para solução oral Sulfato de glucosamina Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. - Conserve este

Leia mais

MODELO DE TEXTO DE BULA DE NALDECON DIA Comprimidos

MODELO DE TEXTO DE BULA DE NALDECON DIA Comprimidos MODELO DE TEXTO DE BULA DE NALDECON DIA Comprimidos NALDECON DIA Paracetamol - Cloridrato de fenilefrina Sem anti-histamínico Não causa sonolência MÚLTIPLA AÇÃO Dores em geral Febre Congestão nasal FORMA

Leia mais

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ALERGIA A PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA: UMA REVISÃO DA LITERATURA

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ALERGIA A PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA: UMA REVISÃO DA LITERATURA DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ALERGIA A PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA: UMA REVISÃO DA LITERATURA Tiago de Sousa Barros 12, Jéssika Nayara Sousa Barros 13, Rebeca Pires Gonçalves Moraes², Ticiana Maria Viterine

Leia mais

TESTES ALÉRGICOS INTRADÉRMICOS COMO AUXÍLIO DO DIAGNÓSTICO DA DERMATITE ATÓPICA CANINA (DAC) Introdução

TESTES ALÉRGICOS INTRADÉRMICOS COMO AUXÍLIO DO DIAGNÓSTICO DA DERMATITE ATÓPICA CANINA (DAC) Introdução 301 TESTES ALÉRGICOS INTRADÉRMICOS COMO AUXÍLIO DO DIAGNÓSTICO DA DERMATITE ATÓPICA CANINA (DAC) Paula Gabriella Poerner Gonçalves 1, Sinésio Gross Ferreira Filho 1, Mariana Ferreira Franco 1, Patrícia

Leia mais

Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas

Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio 00478-03 PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas Dr. Jose Irineu Golbspan Medico Nutrólogo CREMESP 80591

Leia mais

c) Relacione as orientações a serem fornecidas à paciente, no momento de sua alta, considerando que sua contagem de neutrófilos era de células/m

c) Relacione as orientações a serem fornecidas à paciente, no momento de sua alta, considerando que sua contagem de neutrófilos era de células/m 01 Concurso Mulher de 38 anos, 1,73m de altura e peso de 73 kg, portadora de linfoma de Hodgkin, foi internada no setor de hematologia para o transplante autólogo de células tronco hematopoiéticas. No

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O DOENTE

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O DOENTE FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O DOENTE RELMUS 4 mg cápsulas RELMUS 8 mg cápsulas Tiocolquicosido Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação

Leia mais

É utilizado no tratamento dos sintomas da osteoartrose, isto é, dor e limitação da função.

É utilizado no tratamento dos sintomas da osteoartrose, isto é, dor e limitação da função. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Glucosamina Labesfal 1500 mg pó para solução oral Sulfato de glucosamina Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento. - Conserve este

Leia mais

Alergia alimentar á proteína do leite de vaca: IgE mediada e não IgE mediada

Alergia alimentar á proteína do leite de vaca: IgE mediada e não IgE mediada Alergia alimentar á proteína do leite de vaca: IgE mediada e não IgE mediada Food allergies will cow's milk protein: IgE-mediated and non-ige mediated Alergia alimentar á proteína do leite de vaca: IgE

Leia mais

APROVADO EM INFARMED. Folheto informativo: informação para o doente. Relmus 8 mg comprimidos orodispersíveis.

APROVADO EM INFARMED. Folheto informativo: informação para o doente. Relmus 8 mg comprimidos orodispersíveis. Folheto informativo: informação para o doente Relmus 8 mg comprimidos orodispersíveis Tiocolquicosido Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de

Leia mais

Os outros ingredientes são: álcool, propilenoglicol, água purificada, carbómero e diisopropanolamina.

Os outros ingredientes são: álcool, propilenoglicol, água purificada, carbómero e diisopropanolamina. MINOCALVE 2% Folheto Informativo Proposto FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. Caso tenha dúvidas, consulte

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

Alergia às proteínas do leite de vaca em adolescente com anafilaxia: uma opção terapêutica inovadora

Alergia às proteínas do leite de vaca em adolescente com anafilaxia: uma opção terapêutica inovadora GE J Port Gastrenterol. 2012;19(6):318-322 www.elsevier.pt/ge CASO CLÍNICO Alergia às proteínas do leite de vaca em adolescente com anafilaxia: uma opção terapêutica inovadora Mariana Couto,Graça Sampaio,

Leia mais

6. Metabolismo de Água e Eletrólitos na Saúde e na Doença. 7. Energia, necessidades nutricionais e métodos de avaliação

6. Metabolismo de Água e Eletrólitos na Saúde e na Doença. 7. Energia, necessidades nutricionais e métodos de avaliação MÓDULO I NUTRIÇÃO CLÍNICA 1. Nutrientes 2. Metabolismo dos Macronutrientes 3. Vitaminas 4. Função Fisiológica e Deficiência de Minerais 5. Biodisponibilidade de Minerais 6. Metabolismo de Água e Eletrólitos

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução oral. Embalagem contendo um frasco com 120 ml. Acompanhado do copo de medida.

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução oral. Embalagem contendo um frasco com 120 ml. Acompanhado do copo de medida. Hixilerg cloridrato de hidroxizina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução oral. Embalagem contendo um frasco com 120 ml. Acompanhado do copo de medida. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

Folheto Informativo: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

Folheto Informativo: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Folheto Informativo: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Mucosolvan 30 mg Comprimido cloridrato de ambroxol Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode ser adquirido

Leia mais

Folheto sobre Stelara para o Profissional de Saúde

Folheto sobre Stelara para o Profissional de Saúde Folheto sobre Stelara para o Profissional de Saúde Informação de segurança importante maio de 2017 (7ª versão) Por favor, leia este folheto com atenção, pois contém informações de segurança importantes

Leia mais

O diagnóstico preciso de alergia alimentar é necessário para proteger as crianças de dietas inadequadas ou desnecessárias.

O diagnóstico preciso de alergia alimentar é necessário para proteger as crianças de dietas inadequadas ou desnecessárias. Alergia Alimentar Alergia Alimentar é o termo utilizado para descrever reações adversas a alimentos dependentes de mecanismos imunológicos. O diagnóstico preciso de alergia alimentar é necessário para

Leia mais

CASO CLÍNICO : ESOFAGITE EOSINOFÍLICA

CASO CLÍNICO : ESOFAGITE EOSINOFÍLICA GUILHERME PIOVEZANI RAMOS LARISSA KRUGER GOMES CASO CLÍNICO : ESOFAGITE EOSINOFÍLICA SBAD Projeto Jovem Gastro LIAAD Liga Acadêmica do Aparelho Digestório UFPR/FEPAR CURITIBA 2010 1. CASO CLÍNICO Masculino,

Leia mais

Dolamin clonixinato de lisina 125 mg. Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 16 comprimidos USO ADULTO VIA ORAL

Dolamin clonixinato de lisina 125 mg. Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 16 comprimidos USO ADULTO VIA ORAL Dolamin clonixinato de lisina 125 mg Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 16 comprimidos USO ADULTO VIA ORAL Composição Cada comprimido revestido contém: clonixinato

Leia mais

Se não se sentir melhor ou se piorar, tem de consultar um médico.

Se não se sentir melhor ou se piorar, tem de consultar um médico. Folheto informativo: Informação para o doente Broncosil 6 mg/ml Xarope Ambroxol Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém informação importante para si. Tome

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Metibasol 5 mg Comprimidos Tiamazol APROVADO EM Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento -Conserve este folheto. Pode ter necessidade

Leia mais

Contra indicações de Pratiprazol Estemedicamentoécontraindicadoempacientescomhipersensibilidadeaoomeprazolouaqualquer componente da fórmula.

Contra indicações de Pratiprazol Estemedicamentoécontraindicadoempacientescomhipersensibilidadeaoomeprazolouaqualquer componente da fórmula. Laboratório Prati, Donaduzzi Apresentação de Pratiprazol 10 mg em embalagem com 14, 30, 60, 90 ou 300 cápsulas. 20 mg em embalagem com 7, 14, 28, 30, 60, 90, 280, 300, 320, 350 ou 1400 cápsulas. 40 mg

Leia mais

Reação adversa ao alimento (sensibilidade ao alimento) resposta clínica anormal associada à ingestão de um alimento

Reação adversa ao alimento (sensibilidade ao alimento) resposta clínica anormal associada à ingestão de um alimento Reação adversa ao alimento (sensibilidade ao alimento) resposta clínica anormal associada à ingestão de um alimento American Academy of Allergy and Immunology National Institute of Allergy and Infectious

Leia mais

TUDO O QUE DEVE SABER. - sobre - ASMA

TUDO O QUE DEVE SABER. - sobre - ASMA TUDO O QUE DEVE SABER - sobre - ASMA Tudo o que deve saber sobre ASMA Dificuldade em respirar, intolerância ao esforço, cansaço, respiração acelerada e sibilância são alguns dos sintomas mais frequentemente

Leia mais

Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol

Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol Apresentação de Tylenol Gotas (paracetamol) Solução oral 200 mg/ml em frasco plástico com 15 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO USO ORAL COMPOSIÇÃO

Leia mais

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições.

Posologia: A posologia habitual corresponde à ingestão de uma cápsula, três vezes por dia, no momento das principais refeições. RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Venosmil 200 mg cápsula 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Composição por cápsula: Substância ativa: Cada cápsula contém 200 mg de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA LUCIANA CARNEIRO PEREIRA GONÇALVES

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA LUCIANA CARNEIRO PEREIRA GONÇALVES UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA LUCIANA CARNEIRO PEREIRA GONÇALVES PREVALÊNCIA DE ALERGIA ALIMENTAR EM LACTENTES DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE UBERLÂNDIA, MG UBERLÂNDIA 2013 ! Dados

Leia mais

VIII - Doenças alérgicas

VIII - Doenças alérgicas VIII - Doenças alérgicas Douglas A. Rodrigues Jane Tomimori Marcos C. Floriano Sofia Mendonça SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros RODRIGUES, DA., et al. Atlas de dermatologia em povos indígenas

Leia mais

RESODERMIL CREME. COMPOSIÇÃO: O RESODERMIL possui na sua composição: Enxofre a 75 mg/g e Resorcina a 10 mg/g.

RESODERMIL CREME. COMPOSIÇÃO: O RESODERMIL possui na sua composição: Enxofre a 75 mg/g e Resorcina a 10 mg/g. RESODERMIL CREME Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento. - Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. - Caso tenha dúvidas, contacte o seu Médico ou Farmacêutico. -

Leia mais

Folheto informativo: Informação para o doente. Cobaxid Infantil 1 mg Pó oral. Cobamamida

Folheto informativo: Informação para o doente. Cobaxid Infantil 1 mg Pó oral. Cobamamida Folheto informativo: Informação para o doente Cobaxid Infantil 1 mg Pó oral Cobamamida Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém informação importante para

Leia mais

Terapia medicamentosa

Terapia medicamentosa www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Terapia medicamentosa Versão de 2016 13. Medicamentos biológicos Nos últimos anos, foram introduzidas novas perspectivas com substâncias conhecidas como agentes

Leia mais

1. O que é Paracetamol Bluepharma e para que é utilizado. 2. O que precisa de saber antes de tomar Paracetamol Bluepharma

1. O que é Paracetamol Bluepharma e para que é utilizado. 2. O que precisa de saber antes de tomar Paracetamol Bluepharma Folheto informativo: Informação para o utilizador Paracetamol Bluepharma 1000 mg comprimidos Paracetamol Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém informação

Leia mais

Vecasten. Melilotus officinalis MEDICAMENTO FITOTERÁPICO. Parte da planta utilizada: partes aéreas. APRESENTAÇÃO

Vecasten. Melilotus officinalis MEDICAMENTO FITOTERÁPICO. Parte da planta utilizada: partes aéreas. APRESENTAÇÃO Vecasten Melilotus officinalis MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Parte da planta utilizada: partes aéreas. APRESENTAÇÃO Comprimidos revestidos de 26,7mg em embalagens com 20 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO ACIMA

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Maltofer, 100 mg/ 5ml, solução oral Dose unitária Ferro (III) na forma de Complexo de hidróxido férrico-polimaltose Leia com atenção todo este folheto

Leia mais

Camomilina C extrato de camomila 25mg, extrato de alcaçuz 5mg, vitamina C 25 mg, vitamina D3 150UI USO PEDIÁTRICO ACIMA DE 4 MESES USO ORAL

Camomilina C extrato de camomila 25mg, extrato de alcaçuz 5mg, vitamina C 25 mg, vitamina D3 150UI USO PEDIÁTRICO ACIMA DE 4 MESES USO ORAL Camomilina C extrato de camomila 25mg, extrato de alcaçuz 5mg, vitamina C 25 mg, vitamina D3 150UI USO PEDIÁTRICO ACIMA DE 4 MESES USO ORAL APRESENTAÇÃO Caixa com 20 cápsulas. COMPOSIÇÃO Cada cápsula de

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES AVANÇADAS Maio de 2013 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Definições atualmente utilizadas Diagnóstico Tratamento

Leia mais

Acetilcisteína Azevedos 600 mg Comprimidos efervescentes Acetilcisteína

Acetilcisteína Azevedos 600 mg Comprimidos efervescentes Acetilcisteína Folheto Informativo Acetilcisteína Azevedos 600 mg Comprimidos efervescentes Acetilcisteína Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento: Conserve este folheto. Pode ter necessidade de

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÕES PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÕES PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÕES PARA O UTILIZADOR APROVADO EM Diclofenac Generis 10 mg/g Gel Diclofenac sódico Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. - Conserve este folheto.

Leia mais

Recomendações SAESP Anafilaxia

Recomendações SAESP Anafilaxia Recomendações SAESP Anafilaxia 1. RESUMO 1.1. Estas recomendações foram elaboradas por membros da Comissão Científica da SAESP e representantes da Associação Paulista de Alergologia. 1.2. A reação anafilática

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas:

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO. Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1. NOME DO MEDICAMENTO Molaxole pó para solução oral 2. COMPOSICÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Cada saqueta de contém as seguintes substâncias activas: Macrogol

Leia mais

Pergo cloridrato de hidroxizina. Eurofarma Laboratórios S.A. Solução oral 2 mg/ml

Pergo cloridrato de hidroxizina. Eurofarma Laboratórios S.A. Solução oral 2 mg/ml Pergo cloridrato de hidroxizina Eurofarma Laboratórios S.A. Solução oral 2 mg/ml Pergo cloridrato de hidroxizina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução oral 2mg/mL: Embalagem contendo 1 frasco com 120mL.

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Liderfen 50 mg/g Gel Ibuprofeno -Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. -Este medicamento pode ser adquirido sem receita

Leia mais

Pergo (dicloridrato de hidroxizina)

Pergo (dicloridrato de hidroxizina) Pergo (dicloridrato de hidroxizina) Bula para paciente Eurofarma Laboratórios S.A. Solução oral 2 mg/ml Página 1 Pergo dicloridrato de hidroxizina MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

Leia mais

TRIALGEX. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Pomada Dermatológica 0,0444 ml/g salicilato de metila + 0,0444 g/g cânfora + 0,0200 g/g mentol

TRIALGEX. Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Pomada Dermatológica 0,0444 ml/g salicilato de metila + 0,0444 g/g cânfora + 0,0200 g/g mentol TRIALGEX Kley Hertz S/A Indústria e Comércio Pomada Dermatológica 0,0444 ml/g salicilato de metila + 0,0444 g/g cânfora + 0,0200 g/g mentol TRIALGEX salicilato de metila cânfora mentol APRESENTAÇÃO Pomada

Leia mais

racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg

racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg racecadotrila Biosintética Farmacêutica Ltda. Cápsula Dura 100 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO racecadotrila Medicamento genérico Lei

Leia mais

MANSIL. Cápsula. 250 mg

MANSIL. Cápsula. 250 mg MANSIL Cápsula 250 mg Mansil oxamniquina I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Mansil Nome genérico: oxamniquina APRESENTAÇÕES: Mansil cápsulas de 250mg em embalagens contendo 6 cápsulas. USO

Leia mais

Alergia alimentar em idade pediátrica

Alergia alimentar em idade pediátrica Alergia alimentar em idade pediátrica Marta Santalha 1, Filipa Correia 1, Alberto Costa 1, Liliana Macedo 1, Paula Alendouro 2, Águeda Matos 1 RESUMO Introdução: A prevalência da alergia alimentar, em

Leia mais

CLORIDRATO DE BROMEXINA

CLORIDRATO DE BROMEXINA CLORIDRATO DE BROMEXINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope infantil 4mg/5mL Xarope adulto 8mg/5mL Você não deve usar o cloridrato de bromexina se tiver alergia a bromexina (substância ativa) ou

Leia mais

RECTAL PAROXYSTICAL PAIN

RECTAL PAROXYSTICAL PAIN RECTAL PAROXYSTICAL PAIN RUTE GONÇALVES SERVIÇO DE PEDIATRIA HOSPITAL DR. NÉLIO MENDONÇA DOR RECTAL Obstipação Fissuras e Abcessos perianais Causas Funcionais D. Hemorroidária Proctite Infecciosa Proctite

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO - Tylenol Bebê Suspensão Oral. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - Tylenol Bebê Suspensão Oral

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO - Tylenol Bebê Suspensão Oral. FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - Tylenol Bebê Suspensão Oral Tylenol Bebê Suspensão Oral IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO - Tylenol Bebê Suspensão Oral FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES - Tylenol Bebê Suspensão Oral TYLENOL Bebê Suspensão Oral Concentrada 100 mg/ml

Leia mais

APRESENTAÇÕES Linha Hospitalar: Caixa contendo 50 e 100 frascos PET âmbar com 100mL de xarope, acompanhados com 50 e 100 copos-medidas graduados.

APRESENTAÇÕES Linha Hospitalar: Caixa contendo 50 e 100 frascos PET âmbar com 100mL de xarope, acompanhados com 50 e 100 copos-medidas graduados. ARLIVRY Extrato seco de folhas de Hedera helix L. - Araliaceae - Hera MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Nomenclatura botânica oficial: Hedera helix L. - Hera Família: Araliaceae Parte da planta utilizada: Folha

Leia mais