[Título do documento]

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "[Título do documento]"

Transcrição

1 [Título do documento] [Escrever o subtítulo do documento] Franklim Fernandes [Escolher a data]

2 ALERGIA ALIMENTAR, ALIMENTOS COM PERIGOS 2 Conteúdo ALERGIA ALIMENTAR, ALIMENTOS COM PERIGOS... 3 O que é uma alergia?... 3 O que é a atopia?... 3 Qual a incidência de alergia na população?... 4 Porque têm aumentado as alergias?... 4 Será que o nosso sistema imunitário está diferente?... 4 Quais as principais doenças alérgicas?... 5 Qual a incidência da alergia alimentar?... 5 A alergia alimentar tem influência genética?... 5 Quais os sintomas de alergia alimentar?... 6 Os sintomas alergia alimentar são geralmente os seguintes:... 6 Quais as reacções alérgicas imediatas e quais as retardadas?... 6 Quais as alergias mais frequentes nas crianças?... 7 Quais as alergias mais frequentes nos adultos?... 7 O que é a sindrome de alergia oral?... 7 Os exemplos mais comuns destas síndromes de reactividade cruzada são:... 8 As manifestações gastrointestinais na alergia alimentar mais frequentes são:... 8 As reacções anafiláticas caracterizam-se pela ocorrência de sintomas envolvendo simultaneamente:... 8 Como se faz o diagnóstico de alergia alimentar?... 9 O exercício físico após refeição pode provocar alergia alimentar?... 9 O que fazer se for alergico a aliemntos importantes para uma alimentação saudável? Um teste cutâneo positivo significa sempre alergia a esse alimento? Um teste cutâneo negativo exclui alergia a esse alimento? O que é o teste de provocação oral (TPO)? O que é a reactividade cruzada? Como evitar uma alergia alimentar? A alergia alimentar pode desaparecer com a idade? Qual o tratamento de uma alergia alimentar? alimentos que frequentemente podem causar alergia alimentar A lista de alimentos cuja presença deve ser discriminada abrange os alimentos que mais frequentemente causam alergia alimentar, nomeadamente:... 14

3 ALERGIA ALIMENTAR, ALIMENTOS COM PERIGOS 3 ALERGIA ALIMENTAR, ALIMENTOS COM PERIGOS Este livro pretende ser um instrumento de ajuda essencial para quem tem ou suspeita que pode ter uma alergia, nomeadamente a alguns alimentos. É essencial alertar para a necessidade de, havendo suspeita, o mais cedo possivel serem identificadas essas alergias sob pena de terem a sua qualidade de vida bastante degradada e em alguns casos até correr perigo de vida devido à possibilidade, embora rara, de choque anafilático. O que é uma alergia? Uma alergia é uma reação de hipersensibilidade, a estímulos externos, mediada pelo sistema imunitário, nomeadamente um tipo de anticorpo com uma importância central em todas as doenças alergicas, designado imunoglobulina E (IgE). O que é a atopia? A atopia pode ser entendida como uma tedência individual e/ou familiar para desencadear reações de hipersensibilidade mediadas pela IgE. Um dos exemplos mais frequentes é a pele atópica.

4 Qual a incidência de alergia na população? 4 Qual a incidência de alergia na população? De acordo com a World Allergy Organization (WAO), cerca de 40% da população mundial sofre de pelo menos uma doença alérgica sendo o 5º grupo de doenças crónicas mais frequentes nos países desenvolvidos. Estes números serão mais graves no futuro porque um dos segmentos da população mais afectados são as crianças e portanto haverá, um aumento das patologias alérgicas. Na altura da primavera maior parte das pessoas que sofre de rinaconjuntivite tem alergia ao pólenes. Segundo a Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica, cerca de: 30% da população sofre de rinite, 16% da população terá também conjuntivite, No entanto, muitos doentes nunca fizeram diagnóstico. Apenas um terço das pessoas foram vistas por causa da doença e ainda menos fizeram testes de alergia. Porque têm aumentado as alergias? As doenças alérgicas estão a aumentar, o que tem sido associado a diversos factores tais como: Mudanças no estilo de vida, Alterações climáticas, nomeadamente aumento da temperatura Aumento da poluição atmosférica, Será que o nosso sistema imunitário está diferente? Nas crianças do paises ocidentais o número de infecções por bactérias, vírus e parasitas tem vindo a diminuir graças à evolução das vacinas, antibióticos e melhoria das condições sanitárias. Estas circunstâncias no seu conjunto levaram a que o nosso sistema imunitário, pelo facto de não ter uma ameaça tão forte de parasitas e agentes microbianos patogénicos, se concentre agora mais nos alergenos ambientais que teoricamente deveriam ser inofensivos para as pessoas.

5 Quais as principais doenças alérgicas? 5 Quais as principais doenças alérgicas? As principais doenças alégicas são as seguintes: Rinite alérgica, Conjuntivite alégica, Asma, Dermatite atópica, Urticária, Sinusite, Otite média, Qual a incidência da alergia alimentar? A alergia alimentar atinge cerca de 1-2 % da população geral nos países industrializados e mais de 8% das crianças. O número de indivíduos com reacções graves de causa alérgica, após ingestão de alimentos, tem vindo a aumentar. As reacções a alimentos poderão não ter uma causa alérgica, designando-se então como reacções alimentares adversas. A alergia alimentar tem influência genética? A alergia alimentar tem uma forte componente genética e até 70% dos doentes apresentam história familiar positiva.

6 Quais os sintomas de alergia alimentar? 6 Quais os sintomas de alergia alimentar? A alergia a um determinado alimento origina, habitualmente, o aparecimento dos sintomas poucos minutos após a ingestão. Estas reacções denominadas imediatas podem atingir de uma forma isolada ou combinada: Pele e mucosas, Vias respiratórias, Sistema gastrointestinal, Sistema cardiovascular. Os sintomas alergia alimentar são geralmente os seguintes: Urticária, Angioedema, Rinoconjuntivite, Asma, Choque anafiláctico. Quais as reacções alérgicas imediatas e quais as retardadas? As manifestações clínicas de tipo imediato mais frequentes são a urticária, o angioedema, e a síndrome de alergia oral. As reacções anafilácticas são mais raras. Assumem, no entanto, uma importância primordial, já que se desencadeiam muito rapidamente, colocando em risco a vida do doente, quando não tratadas de forma imediata. Outras manifestações de alergia alimentar incluem reacções retardadas que ocorrem em doentes com eczema atópico e/ou enteropatia ao glúten, sendo mais difíceis de diagnosticar porque, frequentemente, decorre muito tempo entre a ingestão alimentar e a ocorrência dos sintomas.

7 Quais as alergias mais frequentes nas crianças? 7 Quais as alergias mais frequentes nas crianças? As manifestações clínicas de alergia alimentar variam com a idade. Na infância, a forma de apresentação alérgica mais comum é o eczema atópico. Os alimentos mais frequentemente envolvidos são: Leite, Ovo, Frutos secos, Soja, Trigo, Peixe, Marisco. Quais as alergias mais frequentes nos adultos? No adulto são habituais as reacções imediatas sendo os alimentos mais problemáticos os seguintes: Frutos secos, Peixe e marisco, Alimentos de origem vegetal. O que é a sindrome de alergia oral? A sindrome de alergia oral caracteriza-se pelo aparecimento de edema, comichão e/ou formigueiro dos lábios, boca e garganta quando o agente causal, habitualmente um fruto fresco ou vegetal, contacta com a mucosa oral do indivíduo alérgico. Na sua maioria, os doentes estão sensibilizados a pólens. Esta sensibilização simultânea (pólens e alimentos) deve-se à existência de reactividade cruzada a proteínas com estrutura semelhante que ocorrem, naturalmente, em plantas de diferentes origens.

8 O que é a sindrome de alergia oral? 8 Os exemplos mais comuns destas síndromes de reactividade cruzada são: Síndrome bétula-maça Síndrome artemisia-aipo-cenoura-especiarias Síndrome gramíneas-rosáceas Síndrome Plantago-Cucurbitaceae A urticária caracteriza-se, sobretudo, pelo aparecimento de comichão e erupções cutâneas de diversos tamanhos, em zonas de pele vermelha. As manifestações gastrointestinais na alergia alimentar mais frequentes são: Náuseas Vómitos Cólicas abdominais Diarreia As reacções anafiláticas caracterizam-se pela ocorrência de sintomas envolvendo simultaneamente: A pele e mucosas O aparelho respiratório O aparelho cardiovascular O aparelho gastrointestinal Em alguns países a ingestão de amendoim é a causa mais comum de reacções fatais. Quantidades mínimas deste alimento podem ser suficientes para induzir reacções anafiláticas em pessoas sensibilizadas. A ingestão acidental e sem intenção pode ocorrer, particularmente, por contaminação, durante o processamento industrial de outros alimentos.

9 Como se faz o diagnóstico de alergia alimentar? 9 Como se faz o diagnóstico de alergia alimentar? O diagnóstico de alergia a alimentos é fundamentado, em primeiro lugar, na história clínica. Contudo, se existem casos em que a relação causal com a ingestão de determinado alimento é evidente, noutras situações esta relação não é clara. O preenchimento pelo doente de um diário alimentar completo, bem como a descrição das actividades diárias, durante um período de tempo relativamente longo, pode ser essencial para evidenciar qual ou quais os alimentos suspeitos. Os testes de pele podem ajudar. Nestes, o médico alergologista inocula vários tipos de proteínas no antebraço do doente à procura de reações às mesmas. O resultado costuma demorar apenas 15 minutos. O principal valor do teste é quando este é negativo, servindo para descartar a proteína que não causou reação. O teste positivo não dá certeza de que o paciente seja alérgico àquela proteína. Em alguns casos por causa do alto risco de reação anafilática, o médico pode optar por não fazer este teste. Atualmente é possível realizar a dosagem de IgEs específicas no sangue para se identificar contra quais alimentos se desenvolve alergia. O exercício físico após refeição pode provocar alergia alimentar? Em certos casos, determinados alimentos só originam a ocorrência de sintomas de alergia alimentar quando o doente realiza esforço físico, após a ingestão dos mesmos (anafilaxia induzida pelo exercício). Este tipo de alergia alimentar que só se manisfesta se o paciente praticar alguma atividade física até 4 horas após a ingestão de determinados alimentos. O doente com este tipo de alergia pode comer camarão e nada sentir, mas se comê-lo e for praticar algum exercício pode até sofrer uma reação anafilática.

10 O que fazer se for alergico a aliemntos importantes para uma alimentação saudável? 10 O que fazer se for alergico a aliemntos importantes para uma alimentação saudável? Muitas vezes os doentes identificam os alimentos responsáveis pela ocorrência dos sintomas deixando definitivamente de os ingerir. Esta atitude habitualmente não acarreta consequências indesejáveis tratando-se de alimentos isolados. Contudo, e particularmente nas crianças, a adopção de dietas demasiadamente restritivas poderá acarretar défices nutricionais. É fundamental que o diagnóstico de alergia alimentar seja estabelecido por um imunoalergologista. Quando necessário, o aconselhamento para manter uma dieta nutritivamente equilibrada será também orientado por um nutricionista. Um teste cutâneo positivo significa sempre alergia a esse alimento? A interpretação dos resultados dos testes cutâneos de alergia e das determinações sanguíneas de IgE específica exige experiência e perícia. Um teste cutâneo positivo a um determinado alimento não implica, necessariamente, ocorrência de alergia. Crianças com história de alergia a um determinado alimento podem desenvolver tolerância, isto é, passar a poder ingeri-lo, mantendo reactividade cutânea a esse alimento. Um teste cutâneo negativo exclui alergia a esse alimento? Por outro lado, um teste cutâneo negativo não permite excluir, definitivamente, o diagnóstico de alergia alimentar. Alguns alergénios alimentares podem ser destruídos durante a preparação de extractos comerciais, conduzindo a testes cutâneos falsamente negativos. Torna-se, assim, necessária a realização de testes por picada, utilizando o alimento fresco. O teste de provocação oral (TPO) poderá ser necessário para estabelecer o diagnóstico definitivo de alergia alimentar.

11 O que é o teste de provocação oral (TPO)? 11 O que é o teste de provocação oral (TPO)? O TPO consiste na ingestão de quantidades crescentes do alimento suspeito. A execução deste teste não é isenta de riscos, devendo ser sempre efectuado por especialista experiente, iniciada em ambiente hospitalar e com vigilância ao longo de pelo menos 24 horas. O que é a reactividade cruzada? A reactividade cruzada significa que quando se é alérgico a um determinado alergénio ou alimento aumenta a probabilidade de se desenvolver alergia a outros alimentos que tenham na sua composição proteinas de estrutura semelhante ao primeiro alergénio. Por exemplo quem tem alergia respiratória a pólens, tem associada uma maior probabilidade de ter alergia alimentar a frutos e vegetais. Outras sensibilizações podem ocorrer para alergénios inalados e ingeridos. Os exemplos mais comuns destas síndromes de reactividade cruzada são: Síndrome ácaros-crustáceos-moluscos; Síndrome ave-ovo; Síndrome látex-frutos. Num mesmo grupo de alimentos pode verificar-se, também, a existência de reactividade cruzada. São exemplos a alergia simultânea a diversos crustáceos, ou a espécies distintas de peixe.

12 Como evitar uma alergia alimentar? 12 Como evitar uma alergia alimentar? Não é possivel evitar uma alergia alimentar sem se saber a que se é alérgico! No entanto se já for alérgico a determinados alergénios como por exemplo ácaros, pólens, aves e látex, devido à reactividade cruzada atrás referida deve evitar ou estar muito atento à ingestão dos alimentos geralmente associados a essas reactividades cruzadas. Uma vez estabelecido o diagnóstico de alergia alimentar, o doente é aconselhado a evitar o(s) alimento(s) responsável/responsáveis pela ocorrência dos sintomas.é importante salientar que para além de ingeridos na sua forma natural, determinados alimentos são utilizados como ingredientes. Assim o doente alérgico deve habituar-se a consultar os rótulos das embalagens de todos os produtos que consome. A identificação do ingrediente proveniente do alimento a que é alérgico evitará um consumo acidental e a ocorrência de uma reacção que poderá ser grave. A alergia alimentar pode desaparecer com a idade? Na criança a maioria das alergias alimentares resolve-se até à idade escolar. Exceptuam-se alguns grupos de alimentos tais como os frutos secos, peixes e mariscos. Se a alergia alimentar surge na idade adulta é menos provável o seu desaparecimento.

13 Qual o tratamento de uma alergia alimentar? 13 Qual o tratamento de uma alergia alimentar? O melhor tratamento da alergia a alimentos é a prevenção. Não há um tratamento que cure a alergia alimentar. O mais importante é identificar os alimentos que causam alergia e evitá-los permanentemente. Quando não se conhece os alimentos que lhe causam alergia ou quando há ingestão acidental de um alimento proibido, o tratamento visa o controle da reação alérgica. Os medicamentos mais usados são: Anti-histamínicos ( anti-alérgicos ), Corticoides Nos casos de choque anafilático o tratamento é feito com injeção de adrenalina. Doentes com histórico de reação anafilática a alimentos devem trazer consigo cartões ou pulseiras explicando a sua alergia para que possam ser rapidamente diagnosticados e tratados, em caso de acidente. Muitos pacientes andam com seringas automáticas de adrenalina caso seja necessário tratamento imediato. Aproximadamente 85% das crianças espontaneamente deixam de ser alérgicas à maioria dos alimentos (ovos, leite de vaca, trigo e soja) entre os 3-5 anos de idade. O teste cutâneo permanece positivo apesar de haver tolerância ao alimento. A alergia alimentar ao amendoim, nozes, peixe e camarão raramente desaparece.

14 14 alimentos que frequentemente podem causar alergia alimentar alimentos que frequentemente podem causar alergia alimentar A partir de dia 13 de dezembro de 2014 entram em vigor as novas regras de etiquetagem de alimentos na União Europeia. Estas exigem uma maior visibilidade da informação relativa à presença de alergénios alimentares nos rótulos dos alimentos, assim como nos produtos à venda em cafés e restaurantes. A lista de alimentos cuja presença deve ser discriminada abrange os alimentos que mais frequentemente causam alergia alimentar, nomeadamente: Cereais que contém glúten (p.ex. trigo, centeio, cevada, aveia, espelta, etc.) e produtos derivados Crustáceos (camarão, caranguejo, lagosta, etc.) e derivados Ovos e derivados (outras denominações: gema, clara, ovalbumina, ovomucoide) Peixe e derivados Amendoins e derivados Soja e derivados Leite, lactose e derivados (outras denominações: lactoalbumina, lactoglobulina, caseína, coalho) Frutos secos (nozes, amêndoas, avelãs, cajus, noz pecã, amêndoa do Pará, pistáchios, macadâmias) e produtos derivados Aipo e produtos derivados Mostarda e produtos derivados Sementes de sésamo e derivados Tremoço e derivados Moluscos (caracol, mexilhão, amêijoa, choco, lula, polvo, pota, etc.) Dióxido sulfuroso e sulfitos É importante enfatizar que existem outros alimentos que podem provocar reações alérgicas cuja presença em produtos alimentares não é de identificação obrigatória. A Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC) recomenda que se informe junto do seu imunoalergologista acerca de como pode ser feita uma correta evicção alimentar. Fique bem!

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares

A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares Artigo de Opinião N.º 5 10 de julho de 2017 Rubrica Nutricional A Dieta do Paleolítico Alergias Alimentares vs. Intolerâncias Alimentares O que é uma alergia alimentar? A alergia alimentar é uma reação

Leia mais

Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 %

Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 % Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Alergia Doenças alérgicas representam um problema de saúde pública, atingindo mais de 20% da população.

Leia mais

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL 1 de 5 O trato gastrintestinal (TGI) tem a função principal de absorver os nutrientes necessários ao organismo e eliminar os dejetos. O TGI é também uma parte fundamental

Leia mais

Carta Aberta. Estimada professora do meu filho:

Carta Aberta. Estimada professora do meu filho: Carta Aberta Estimada professora do meu filho: Eu não sou paranóica! Juro que não sou Realmente, eu gostava, quando ele tem manchas na pele, tem tosse ou borbulhas, de pensar que é apenas e apenas isso.

Leia mais

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ATENÇÃO: Durante a fase de transição, você poderá encontrar rótulos ainda sem a frase de alergênicos

Leia mais

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico VII Simpósio de Tecnologia e Engenharia de Alimentos e VI Encontro Paranaense de Engenharia de Alimentos UTFPR, Campo Mourão, PR, Brasil 13 a 16 de setembro de 2016 Alergia à proteína do leite de vaca:

Leia mais

Amor sem medida CORREIO POPULAR

Amor sem medida CORREIO POPULAR _ESPAÇO GOURMET: rondelle com ricota e nozes é um convite e tanto a, com a inspiração das mammas, reunir a família e praticar os dotes culinários _MOTORPREMIUM: segundo modelo produzido na fábrica da Land

Leia mais

Mediadores pré-formados. Mediadores pré-formados. Condição alérgica. Número estimado de afetados (milhões) Rinite alérgica Sinusite crônica 32.

Mediadores pré-formados. Mediadores pré-formados. Condição alérgica. Número estimado de afetados (milhões) Rinite alérgica Sinusite crônica 32. REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE HIPERSENSIBILIDADE : É uma resposta imunológica exagerada ou inapropriada a um estímulo produzido por um antígeno. REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE

Leia mais

Informação sobre ingredientes. que provoquem alergias ou intolerâncias

Informação sobre ingredientes. que provoquem alergias ou intolerâncias Informação sobre ingredientes que provoquem alergias ou intolerâncias O Regulamento (UE) N.º 1169/2011, relativo à prestação de informação aos consumidores sobre os géneros alimentícios, entrou em vigor

Leia mais

Se você tem qualquer dúvida sobre seu resultado ImuPro ou sobre alergias alimentares tipo III, favor entrar em contato conosco.

Se você tem qualquer dúvida sobre seu resultado ImuPro ou sobre alergias alimentares tipo III, favor entrar em contato conosco. Seu pessoal ImuPro Screen documentos Amostra de ID: 110085 Com esta carta, você receberá seu resultado ImuPro para seu próprio teste de alergia alimentar IgG. Esse relatório laboratorial contém seus resultados

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

Provas. Diagnóstico. em Alergia

Provas. Diagnóstico. em Alergia Provas Diagnósticas em Alergia Autor: Dr. Fabiano Brito Médico Reumatologista Assessoria Científica As doenças alérgicas se manifestam como um espectro de sintomas que podem envolver respostas respiratórias

Leia mais

Página 1 de 5 GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 ITEM A

Página 1 de 5 GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 ITEM A GABARITO - PRÁTICA QUESTÃO 1 Lactente vem evoluindo bem, com sinais e sintomas comuns dessa faixa etária Ganho de peso limítrofe. Cólicas e hábito intestinal compatível com aleitamento misto. Pediatra

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA sexta-feira, das 17h30 às 20h45 sábado, das 09h00 às 13h30 um módulo por mês Comissão Coordenadora Prof. Doutor Fernando Coelho Rosa, Pediatra, ICS-Católica

Leia mais

2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA 2.1. Se houver contato significativo com o olho lavar com água corrente por 15 minutos e/ou procurar atendimento médico.

2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA 2.1. Se houver contato significativo com o olho lavar com água corrente por 15 minutos e/ou procurar atendimento médico. Regulatório Página 1 de 5 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Nome Fantasia: Fazenda da Toca. 1.2. Aparência: Avermelhada. 1.3. Aplicação: Pronto para consumo. 1.4. Certificações: Orgânica. 2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA

Leia mais

Olá!! Meu nome é Carol Faria. Sou nutricionista Materno infantil, Esportiva e Coach. Trabalho com mudança de comportamento alimentar, qualidade de vid

Olá!! Meu nome é Carol Faria. Sou nutricionista Materno infantil, Esportiva e Coach. Trabalho com mudança de comportamento alimentar, qualidade de vid Olá!! Meu nome é Carol Faria. Sou nutricionista Materno infantil, Esportiva e Coach. Trabalho com mudança de comportamento alimentar, qualidade de vida, emagrecimento e estética. Meu papel é fazer a diferença

Leia mais

Não existe uma única resposta!!

Não existe uma única resposta!! Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Supervisora do ambulatório ICr-HCFMUSP Nutricionista das Unidades de Alergia e Imunologia e Gastroenterologia ICr-HCFMUSP Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA. Módulo 1 Conceitos Gerais de Imunologia e Doença Alérgica

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA. Módulo 1 Conceitos Gerais de Imunologia e Doença Alérgica FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA sexta-feira, das 17h30 às 20h45 sábado, das 09h00 às 13h30 um módulo por mês Comissão Coordenadora Prof. Doutor Fernando Coelho Rosa, Pediatra, ICS-Católica

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho.

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 O eczema atópico (ou dermatite atópica) é uma doença inflamatória da pele cada vez mais frequente nas

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA QUESTÃO 21 Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: a) não há estudos sistematizados que avaliem a

Leia mais

Caso clinico- Alergia Alimentar. Autora: Dra. Cristina Jacob. EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo

Caso clinico- Alergia Alimentar. Autora: Dra. Cristina Jacob. EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo Caso clinico- Alergia Alimentar Autora: Dra. Cristina Jacob EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo Queixa e HPMA- Mãe refere que aos 5 meses de idade, apresentou edema de lábios e urticária após ter

Leia mais

SABER MAIS SOBRE ALERGIA OCULAR

SABER MAIS SOBRE ALERGIA OCULAR SABER MAIS SOBRE ALERGIA OCULAR FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 ALERGIA OCULAR O que é a alergia ocular? A alergia

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA. Módulo 1 Conceitos Gerais de Imunologia e Doença Alérgica

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA. Módulo 1 Conceitos Gerais de Imunologia e Doença Alérgica FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA sexta-feira, das 17h30 às 20h45 sábado, das 09h00 às 13h30 um módulo por mês Comissão Coordenadora Prof. Doutor Fernando Coelho Rosa, Pediatra, ICS-Católica

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL DESCRIÇÃO: Produto preparado a partir das cultivares de Solanum tuberosum. Deverão apresentar-se frescas, limpas, sãs, no estado de maturação industrial conveniente, lavadas, peladas, cortadas, calibradas

Leia mais

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA No dia-a-dia de um consultório de alergia é muito comum o cliente chegar achando que seu problema alérgico está relacionado à alergia alimentar, principalmente quando

Leia mais

URTICÁRIA E ANGIOEDEMA

URTICÁRIA E ANGIOEDEMA URTICÁRIA E ANGIOEDEMA Quais são os objetivos deste folheto? Este folheto foi elaborado para o(a) ajudar a compreender melhor a urticária e o angioedema e informá-lo(a) sobre o que são, o que a provocam,

Leia mais

VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA IMUNOTERAPIA ANTIALÉRGICA

VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA IMUNOTERAPIA ANTIALÉRGICA VACINA ANTIALÉRGICA UM TRATAMENTO DE EXCELÊNCIA IMUNOTERAPIA ANTIALÉRGICA A imunoterapia é o tratamento preventivo para impedir as reações alérgicas provocadas por substâncias como ácaros da poeira caseira,

Leia mais

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Qual o mecanismo fisiopatológico da doença? A esofagite eosinofílica ( EE) está relacionada ao aumento da sensibilidade alérgica? Qual a conexão entre alergia

Leia mais

Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas

Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio 00478-03 PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas Dr. Jose Irineu Golbspan Medico Nutrólogo CREMESP 80591

Leia mais

I SIMPO SIO DE ROTULAGEM ALIMENTOS. Mesa Redonda Segurança de alimentos e rotulagem

I SIMPO SIO DE ROTULAGEM ALIMENTOS. Mesa Redonda Segurança de alimentos e rotulagem I SIMPO SIO DE ROTULAGEM ALIMENTOS Mesa Redonda Segurança de alimentos e rotulagem APOIO SISTEMAS DE GESTÃO INTEGRADOS AGREGANDO VALOR DA CADEIA DE ALIMENTOS À CADEIA DE ALIMENTOS AGRADECIMENTOS CRQ IV

Leia mais

Doenças da modernidade

Doenças da modernidade Agosto/2016 DESMITIFICANDO AS DIETAS DA MODA Pág. 6 Doenças da modernidade Pág. 3 Alergia x Intolerância Pág. 4 EDITORIAL Chegamos ao nosso terceiro número, e esperamos colaborar mais uma vez com a disseminação

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA DEFINIÇÃO DA DOENÇA Doença celíaca é alergia ao glúten, proteína encontrada no trigo, aveia, centeio, cevada e derivados. Essa doença afeta a parede do intestino, fazendo com que a absorção de vários nutrientes

Leia mais

ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO)

ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO) ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO) As abelhas do gênero Apis (abelha-europa ou abelha-africana), as vespas (marimbondos) e as formigas lava-pés são insetos do gênero dos himenópteros que

Leia mais

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL FLUISOLVAN Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL 3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO? Você não deve usar Fluisolvan se tiver alergia ao ambroxol (substância ativa)

Leia mais

REVISÃO: ROTULAGEM DE ALERGÊNICOS

REVISÃO: ROTULAGEM DE ALERGÊNICOS REVISÃO: ROTULAGEM DE ALERGÊNICOS AUTORES Paula Régio MARQUES Discente do curso de Engenharia de Alimentos UNILAGO Patricia de Carvalho DAMY-BENEDETTI Docente do curso de Engenharia de Alimentos UNILAGO

Leia mais

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH Este protocolo tem o objetivo de estabelecer diretrizes para dispensação

Leia mais

APRESENTAÇÃO Solução oral 600 mg/15 ml: cartucho contendo frasco de vidro com 150 ml

APRESENTAÇÃO Solução oral 600 mg/15 ml: cartucho contendo frasco de vidro com 150 ml GALENOGAL ELIXIR Salix alba Linné MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Nome científico: Salix alba Linné Nome da família botânica: Salicaceae Nomenclatura popular: salgueiro branco Parte da planta utilizada: cascas

Leia mais

Anexo II. Conclusões científicas

Anexo II. Conclusões científicas Anexo II Conclusões científicas 7 Conclusões científicas O pó e solvente Solu-Medrol 40 mg para solução para injeção (a seguir designado «Solu-Medrol») contém metilprednisolona e, tratando-se de um excipiente,

Leia mais

Segunda-Feira. Sopa Cenoura ,2 12,1 1,7 3,5 2,6

Segunda-Feira. Sopa Cenoura ,2 12,1 1,7 3,5 2,6 Segunda-Feira Semana 01/02/2016 a 05/02/2016 Sopa Cenoura 533 127 8 1,2 12,1 1,7 3,5 2,6 Arroz de peixe (pescada e ameijoa) malandrinho Alface, beterraba e milho de mistura 483 115 1 0 16 9 1 0,7 Pode

Leia mais

Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia a epitélio e proteínas de animais

Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia a epitélio e proteínas de animais IgE Específico Epitélios e Proteínas de Animais IgEs específicos para epitélios e proteínas de animais são testes que avaliam a presença, na amostra testada, de anticorpos IgE contra alérgenos derivados

Leia mais

ENTRADAS. SOPAS 1. Sopa cremosa de peixe do Fjellskål" ,- Servida com pão* e manteiga

ENTRADAS. SOPAS 1. Sopa cremosa de peixe do Fjellskål ,- Servida com pão* e manteiga CARDÁPIO ENTRADAS SOPAS 1. Sopa cremosa de peixe do Fjellskål" 1 2 4 7 109,- Servida com pão* e manteiga 2. Sopa de frutos do mar do Fjellskål 1 2 6 7 14 189,- Servida com pão* e manteiga (lactose) Valorizando

Leia mais

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA É responsabilidade da família: Ensinar a criança a assumir progressivamente responsabilidades sobre o cuidado de si mesma. Informar ã escola sobre alergias e intolerâncias alimentares, o tipo de dieta

Leia mais

Não utilize Aciclovir ratiopharm - Se tem alergia (hipersensibilidade) ao aciclovir ou a qualquer outro componente de Aciclovir ratiopharm.

Não utilize Aciclovir ratiopharm - Se tem alergia (hipersensibilidade) ao aciclovir ou a qualquer outro componente de Aciclovir ratiopharm. FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Aciclovir ratiopharm 50 mg/g creme Substância activa: aciclovir Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. - Conserve este folheto.

Leia mais

TRATAMENTO ANTIALÉRGICO O tratamento antialérgico envolve várias fases que devem ser conhecidas para otimizar o tratamento:

TRATAMENTO ANTIALÉRGICO O tratamento antialérgico envolve várias fases que devem ser conhecidas para otimizar o tratamento: PLANEJAMENTO PARA TRATAMENTO DA RINITE ALÉRGICA As alergias do trato respiratório são cada vez mais freqüentes. Em média 10% dos brasileiros sofrem de alergias, número que chega a 15% entre crianças e

Leia mais

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Adágio Momentos Frutíssimos Iogurte Líquido Meio Gordo com Polpa de Fruta

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Adágio Momentos Frutíssimos Iogurte Líquido Meio Gordo com Polpa de Fruta Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte liquido meio-gordo com polpa de (variedade) Variedades: Morango Morango e Banana Marca: Adágio Quantidade líquida (de acordo com a Portaria

Leia mais

Adágio Iogurte Líquido Magro com fruta

Adágio Iogurte Líquido Magro com fruta Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte Liquido magro com fibra (variedade) Contém edulcorantes. Variedades: Morango Laranja e limão Pêssego e sabor a maracujá Marca: Quantidade

Leia mais

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de especificação. Mimosa Iogurte Líquido Magro com polpa de fruta sem lactose

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de especificação. Mimosa Iogurte Líquido Magro com polpa de fruta sem lactose Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte líquido magro com "variedade" Variedades: polpa de morango e sem polpa de papaia e sumo de limão, sem Marca: Quantidade líquida: (de acordo

Leia mais

Relatórios do Comité Científico da Alimentação Humana (Trigésima sétima série)

Relatórios do Comité Científico da Alimentação Humana (Trigésima sétima série) CIENCIA E TÉCNICAS O HUMANA Relatórios do Comité Científico da Alimentação Humana (Trigésima sétima série) COMISSÃO EUROPEIA Comissão Europeia Ciência e Técnicas da Alimentação Humana Relatórios do Comité

Leia mais

Florinhas do Vouga - Creche Semana de a Almoço

Florinhas do Vouga - Creche Semana de a Almoço Semana de 21-08-2015 a 25-09-2015 Segunda 21-09-2015 Sopa Sopa de abóbora com peru* Prato Peru assado com esparguete e salada 1,3,5,6,12 Sobremesa Pera Terça 22-09-2015 Sopa Juliana de legumes pescada*

Leia mais

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Mimosa Iogurte batido meio gordo com polpa de fruta

Direcção da Qualidade e Ambiente Ficha de Especificação. Mimosa Iogurte batido meio gordo com polpa de fruta Pág. 1/ 5 1 - DESCRIÇÃO DO PRODUTO Denominação de venda: Iogurte batido meio gordo com (variedade) Variedades: Polpa de Morango Polpa de Manga Polpa de Banana e Morango Polpa de Pêra Polpa de Banana, sumo

Leia mais

Município de Valongo Semana de 29 de Junho a 3 de Julho de 2015 Almoço

Município de Valongo Semana de 29 de Junho a 3 de Julho de 2015 Almoço Semana de 29 de Junho a 3 de Julho de 2015 Sopa Creme de espinafres e cenoura 1,3,5,6,7,8,9,12 Prato Hambúrguer de aves com esparguete e salada de cenoura raspada 1,2,3,4,6,7,9,10,12 Sobremesa Frutas da

Leia mais

CLORIDRATO DE BROMEXINA

CLORIDRATO DE BROMEXINA CLORIDRATO DE BROMEXINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope infantil 4mg/5mL Xarope adulto 8mg/5mL Você não deve usar o cloridrato de bromexina se tiver alergia a bromexina (substância ativa) ou

Leia mais

Reações Alérgicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA

Reações Alérgicas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA DISCIPLINA DE IMUNOLOGIA Reações Alérgicas Dra. Cleonice Alves de Melo Bento Profa. Adjunta de Imunologia

Leia mais

PHYNUS Quitosana, fibras de laranja e psyllium

PHYNUS Quitosana, fibras de laranja e psyllium Ficha técnica PHYNUS Quitosana, fibras de laranja e psyllium REGISTRO: Registro no M.S. nº 6.5204.0035.001-6 CÓDIGO DE BARRAS N : 7898171287855 EMBALAGEM: Plástica. APRESENTAÇÃO COMERCIALIZADA: Nova apresentação,

Leia mais

APROVADO EM INFARMED

APROVADO EM INFARMED FOLHETO INFORMATIVO CETIRIZINA CETRYZ 10 mg Comprimidos Dicloridrato de Cetirizina Leia atentamente este folheto antes de utilizar o medicamento. Este medicamento foi receitado para si. Não deve dá-lo

Leia mais

Transfusão de sangue. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion Portuguese Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode ajudar

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

AGASTEN XAROPE. Novartis Biociências S.A. Xarope 0,05 mg de clemastina

AGASTEN XAROPE. Novartis Biociências S.A. Xarope 0,05 mg de clemastina AGASTEN XAROPE Novartis Biociências S.A. Xarope 0,05 mg de clemastina AGASTEN xarope clemastina Frasco com 120 ml. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 3 ANOS DE IDADE Composição Cada ml do xarope

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 63 Dezembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 63 Dezembro de 2014 EU-OSHA LANÇA GUIA ELETRÓNICO SOBRE GESTÃO DE STRESSE E RISCOS PSICOSSOCIAIS O stresse e os problemas de saúde mental constituem o problema de saúde mais grave no local de trabalho para cerca de um quinto

Leia mais

ANEXO III SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E FOLHETO INFORMATIVO

ANEXO III SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E FOLHETO INFORMATIVO ANEXO III SECÇÕES RELEVANTES DO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO E FOLHETO INFORMATIVO Nota: Estas alterações ao Resumo das Características do Medicamento e ao Folheto Informativo são válidas

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Vinozym Vintage FCE REVISÃO: 08/07/2016 VERSÃO: 2012/02/14

FICHA TÉCNICA. Vinozym Vintage FCE REVISÃO: 08/07/2016 VERSÃO: 2012/02/14 REVISÃO: 08/07/2016 VERSÃO: 2012/02/14 Preparação enzimática única e económica que permite obter o melhor da uva tinta e produzir vinhos de qualidade, mais corposos e com maior redondez em boca. VANTAGENS

Leia mais

Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA)

Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Febre periódica, estomatite aftosa, faringite e adenite (PFAPA) Versão de 2016 1. O QUE É A PFAPA 1.1 O que é? PFAPA significa Febre Periódica, Estomatite

Leia mais

APROVADO EM INFARMED

APROVADO EM INFARMED DENOMINAÇÃO DO MEDICAMENTO GASTROLAV 75 mg comprimidos revestidos Ranitidina FOLHETO INFORMATIVO COMPOSIÇÃO EM SUBSTÂNCIA ACTIVA Cada comprimido de GASTROLAV contém 75 mg de ranitidina, sob a forma de

Leia mais

Os outros ingredientes são: álcool, propilenoglicol, água purificada, carbómero e diisopropanolamina.

Os outros ingredientes são: álcool, propilenoglicol, água purificada, carbómero e diisopropanolamina. MINOCALVE 2% Folheto Informativo Proposto FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. Caso tenha dúvidas, consulte

Leia mais

2017 ASBAI TL007 Alergia alimentar

2017 ASBAI TL007 Alergia alimentar TL007 Atualização do perfil clínico e laboratorial de pacientes com alergia à proteína do leite de vaca mediada por IgE Comparação entre as formas transitória e persistente Patrícia Coelho Duarte, Amannda

Leia mais

FLORINHAS DO VOUGA Creche Semana de 1 a 5 de Maio de 2017 Almoço

FLORINHAS DO VOUGA Creche Semana de 1 a 5 de Maio de 2017 Almoço Semana de 1 a 5 de Maio de 2017 FERIADO Juliana de legumes com pescada* 4 Arroz de bacalhau com salada 4,5,6 Arroz simples de peixe com salada 4 de couve-flor com pescada* 4 Saladinha de peixe com salada

Leia mais

Colégio Nossa Senhora de Lourdes Pré-escolar Semana de 14 a 18 de dezembro de 2015 Almoço

Colégio Nossa Senhora de Lourdes Pré-escolar Semana de 14 a 18 de dezembro de 2015 Almoço Semana de 14 a 18 de dezembro de 2015 Sopa Sopa de alface e alho-francês 9,12 196 47 1,3 0,2 7,5 0,6 1,2 0,1 Esparguete à Bolonhesa com salada de alface, beterraba e cenoura 1,3,5,6 923 221 9,7 3,1 19,8

Leia mais

PAXORAL. (lisado bacteriano)

PAXORAL. (lisado bacteriano) PAXORAL (lisado bacteriano) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Cápsula 3,5 mg e 7,0 mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PAXORAL lisado bacteriano APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura

Leia mais

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes,

Lei8080,19set.1990-Art.3º(BRASIL,1990) A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, Superintendência de Políticas de Atenção Integral a Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Coordenação de Doenças Não-Transmissíveis Área de Alimentação e Nutrição HÁBITOS SAUDÁVEIS Marília A. Rezio

Leia mais

ALERGIA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR. Laíse Souza. Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO

ALERGIA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR. Laíse Souza. Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO ALERGIA X INTOLERÂNCIA ALIMENTAR Laíse Souza Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO COMO DIFERENCIAR A ALERGIA ALIMENTAR DA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR?! ALERGIA ALIMENTAR

Leia mais

Município de Valongo Semana de 26 a 30 de junho de 2017 Almoço

Município de Valongo Semana de 26 a 30 de junho de 2017 Almoço Semana de 26 a 30 de junho de 2017 Sopa Sopa de nabos 1,3,5,6,7,8,12 209 50 2,2 0,3 6,6 0,8 0,9 0,3 Esparguete à Bolonhesa com soja 1,3,6,12 1126 266 4,5 1,1 40,9 1,4 14,6 0,8 ada ada de tomate 12 428

Leia mais

Não utilize o NEOXIDIL 2% solução: - se tem alergia (hipersensibilidade) ao minoxidil ou a qualquer outro componente de Neoxidil 2% solução.

Não utilize o NEOXIDIL 2% solução: - se tem alergia (hipersensibilidade) ao minoxidil ou a qualquer outro componente de Neoxidil 2% solução. Folheto informativo: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Neoxidil 2% solução, 20 mg/ml, solução cutânea Minoxidil Este folheto contém informações importantes para si. Leia-o atentamente. Este medicamento pode

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE NISA RESTAURANTE Semana de 16 a 20 de maio de 2016 Almoço

CENTRO ESCOLAR DE NISA RESTAURANTE Semana de 16 a 20 de maio de 2016 Almoço Semana de 16 a 20 de maio de 2016 Sopa Creme cenoura 1,6,7,8,12 870 199 7,2 1,0 30,4 3,2 3,8 1,7 Eeparguete á bolonhesa c/salada 1,3,12 1057 253 9,9 3,1 26,6 13,6 1,9 1,4 Sopa Juliana 1,6,7,8,12 776 178

Leia mais

FLORINHAS DO VOUGA - CRECHE Semana de 16 a 20 de outubro de 2017 Almoço

FLORINHAS DO VOUGA - CRECHE Semana de 16 a 20 de outubro de 2017 Almoço Semana de 16 a 20 de outubro de 2017 Sopa Sopa de abóbora com peru 4 Peru assado com esparguete e salada 1,3,12 Dieta Peru assado ao natural com esparguete e salada 1,3,5,6,12 Sopa Juliana de legumes com

Leia mais

Não tome Doxi-Om - Se tem alergia ao dobesilato de cálcio ou a qualquer outro componente deste medicamento (indicados na secção 6).

Não tome Doxi-Om - Se tem alergia ao dobesilato de cálcio ou a qualquer outro componente deste medicamento (indicados na secção 6). FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Doxi-Om 500 mg cápsula Dobesilato de cálcio Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento, pois contém informação importante

Leia mais

COMO LER RÓTULOS? DICAS E ORIENTAÇÕES SOBRE QUAIS CUIDADOS TOMAR COM ALIMENTOS E OUTROS PRODUTOS

COMO LER RÓTULOS? DICAS E ORIENTAÇÕES SOBRE QUAIS CUIDADOS TOMAR COM ALIMENTOS E OUTROS PRODUTOS COMO LER RÓTULOS? DICAS E ORIENTAÇÕES SOBRE QUAIS CUIDADOS TOMAR COM ALIMENTOS E OUTROS PRODUTOS LIANA MACEDO ALMEIDA Nutricionista CRN7-1770 Mestre em Ciências da Saúde 1. Aprendendo a ler rótulos. 2.

Leia mais

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito!

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito! Paz e Bem 9º ano em AÇÃO Assunção contra o mosquito! Informações sobre o mosquito Mosquito doméstico Hábitos Reprodução Transmissão vertical DENGUE Transmissão: principalmente pela picada do mosquito

Leia mais

Se não se sentir melhor ou se piorar, tem de consultar um médico.

Se não se sentir melhor ou se piorar, tem de consultar um médico. Folheto Informativo: Informação para o doente Aciclovir Axone 50 mg/g Creme Aciclovir Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois contém informação importante para

Leia mais

Grãos de Pólen P alergógenos genos no mês de setembro, Canoas, RS. Sabrina Castelo Branco Fuchs Soraia Girardi Bauermann (orientadora)

Grãos de Pólen P alergógenos genos no mês de setembro, Canoas, RS. Sabrina Castelo Branco Fuchs Soraia Girardi Bauermann (orientadora) Grãos de Pólen P alergógenos genos no mês de setembro, Canoas, RS Sabrina Castelo Branco Fuchs Soraia Girardi Bauermann (orientadora) TCC I dezembro 27 Fonte: Inside Midia, 25 INTRODUÇÃO O termo alergia

Leia mais

ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 004/2012 DATA: 15/11/2012

ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 004/2012 DATA: 15/11/2012 NÚMERO: 004/2012 DATA: 15/11/2012 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Anafilaxia: Registo e Encaminhamento Anafilaxia; Imuno-Alergologia Médicos do Sistema Nacional de Saúde Departamento da Qualidade

Leia mais

Quando você precisar, nós estaremos lá.

Quando você precisar, nós estaremos lá. DIA DO COMBATE AO COLESTEROL COLESTEROL, NOÇÕES IMPORTANTES. O controle do colesterol faz parte de um estilo de vida saudável, que inclui atividade física regular, controle do peso, do estresse e parar

Leia mais

Adjuvante mucolítico do tratamento antibacteriano das infeções respiratórias, em presença de hipersecreção brônquica.

Adjuvante mucolítico do tratamento antibacteriano das infeções respiratórias, em presença de hipersecreção brônquica. Folheto informativo: Informação para o utilizador Mucotosse 6 mg/ml xarope Ambroxol Leia com atenção todo este folheto antes de começar a tomar este medicamento pois contém informação importante para si.

Leia mais

ESCOLA C/ PE 1º CICLO REFEITÓRIO Semana de 3 a 6 de janeiro de 2017 Lanche

ESCOLA C/ PE 1º CICLO REFEITÓRIO Semana de 3 a 6 de janeiro de 2017 Lanche Semana de 3 a 6 de janeiro de 2017 2 Pão com banana 1 659 157 0,8 0,2 33,2 4,2 0,5 12,6 1 Cereais com leite 1,7,8 375 89 1,5 0,8 15,2 3,7 0,4 4,3 2 Pão com queijo e leite 1,3,7 448 107 3,7 0,7 12,5 5,9

Leia mais

OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL!

OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL! OSTEOPOROSE: PREVENIR É POSSÍVEL! 17 de Outubro a 2 de Novembro Exposição promovida pelo Serviço de Ginecologia do HNSR EPE OSTEOPOROSE: O QUE É? Osteoporose significa "osso poroso". É uma doença que se

Leia mais

Município de Valongo Semana de 2 a 6 de janeiro de 2017 Almoço

Município de Valongo Semana de 2 a 6 de janeiro de 2017 Almoço Semana de 2 a 6 de janeiro de 2017 Sopa Sopa de macedónia 1,3,5,6,7,8,12 169 40 1,7 0,3 5,2 0,3 0,9 0,2 Empadão de arroz com atum 4,5,6 981 234 6,5 0,6 31,1 0,3 12,0 0,6 ada ada de tomate 80 19 0,3 0,0

Leia mais

Queijo Branco Pasteurizado e Manteiga: Família: Fresquinho Queijo Burgo de Arias. - Alho e ervas - 0%MG

Queijo Branco Pasteurizado e Manteiga: Família: Fresquinho Queijo Burgo de Arias. - Alho e ervas - 0%MG Queijo Branco Pasteurizado e Manteiga: Família: Fresquinho Queijo Burgo de Arias Variedade: - Natural - Alho e ervas - 0%MG - Original - Sem sal - Cálcio - 0%MG Leite ou produtos lácteos (incluindo Sim

Leia mais

Município de Viseu Semana de 11 a 15 de dezembro de 2017 Almoço

Município de Viseu Semana de 11 a 15 de dezembro de 2017 Almoço Semana de 11 a 15 de dezembro de 2017 Sopa Creme de cenoura 1,3,5,6,7,8,12 Prato Hambúrguer com massa esparguete 1,3,6 Salada Alface e couve roxa Soja estufada com cenoura, milho e massa espiral 1,3,6

Leia mais

PROTEÍNAS. São compostos que fazem parte de nosso corpo e também nos alimentamos delas. Representam cerca de 50 a 80% do peso seco.

PROTEÍNAS. São compostos que fazem parte de nosso corpo e também nos alimentamos delas. Representam cerca de 50 a 80% do peso seco. PROTEÍNAS São compostos que fazem parte de nosso corpo e também nos alimentamos delas. Representam cerca de 50 a 80% do peso seco. Classificação: Proteínas simples e Proteínas conjugadas. - Proteínas simples

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: Informação para o utilizador

FOLHETO INFORMATIVO: Informação para o utilizador FOLHETO INFORMATIVO: Informação para o utilizador Aciclovir Sandoz 50mg/g creme Aciclovir Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento, pois contém informação importante

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL

FICHA TÉCNICA DE PRODUTO FINAL AHPA (embalagem de 400 gr) DESCRIÇÃO: Produto preparado a partir das cultivares de Zea mays L. var. saccharata Koern, proveniente de sementes não trangénicas. Os grãos deverão apresentar-se frescos, limpos,

Leia mais

PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g

PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g PROMERGAN Prometazina APRESENTAÇÃO Creme 20 mg/g, bisnaga de 30 g. USO TÓPICO. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS. COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Levocetirizina Mer 5 mg Comprimidos revestidos por película

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Levocetirizina Mer 5 mg Comprimidos revestidos por película FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Levocetirizina Mer 5 mg Comprimidos revestidos por película Dicloridrato de levocetirizina Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento.

Leia mais

vacina febre tifóide (polissacarídica)

vacina febre tifóide (polissacarídica) Página 1 de 7 vacina febre tifóide (polissacarídica) Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda. Solução Injetável 0,025mg de polissacarídeo capsular Vi purificado de Salmonella typhi (cepa Ty2)/dose Página 2 de

Leia mais

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES 1. Qual idade mínima para fazer o teste? 2 2. O teste me ajuda a emagrecer? 2 3. Qual o prazo de validade do produto? 2 4. Quanto tempo leva para realizar o teste? 2 5. O teste identifica Intolerância

Leia mais

UCF - Criança e Adolescente

UCF - Criança e Adolescente 1. Objetivo O presente documento de consenso tem como objetivo a descrição da abordagem diagnóstica e terapêutica e orientação da alergia alimentar em população pediátrica, que compreende idade até aos

Leia mais

PARECER Nº, DE Relator: Senador DALIRIO BEBER I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE Relator: Senador DALIRIO BEBER I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados nº 1, de 2016, ao Projeto de Lei do Senado nº 260, de 2013, que acrescenta art. 19-A ao Decreto-Lei nº

Leia mais

Dolamin clonixinato de lisina 125 mg. Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 16 comprimidos USO ADULTO VIA ORAL

Dolamin clonixinato de lisina 125 mg. Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 16 comprimidos USO ADULTO VIA ORAL Dolamin clonixinato de lisina 125 mg Forma farmacêutica e apresentação Comprimidos revestidos - Embalagem com 16 comprimidos USO ADULTO VIA ORAL Composição Cada comprimido revestido contém: clonixinato

Leia mais