DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ALERGIA A PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA: UMA REVISÃO DA LITERATURA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ALERGIA A PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA: UMA REVISÃO DA LITERATURA"

Transcrição

1 DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA ALERGIA A PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA: UMA REVISÃO DA LITERATURA Tiago de Sousa Barros 12, Jéssika Nayara Sousa Barros 13, Rebeca Pires Gonçalves Moraes², Ticiana Maria Viterine de Nascimento², Natália Oliveira de Freitas², Edna Mori 14. Correspondência para: Palavras-chave: Proteínas. Leite materno. Hipersensibilidade. 1 INTRODUÇÃO O leite de vaca contém cerca de 20 proteínas sensibilizantes sendo principais as caseínas e as proteínas do soro (alfa-lactoalbumina, betalactoalbumina e albumina sérica bovina) (CHATCHATEE et al., 2001). Os principais responsáveis pela alergia a proteínas do leite de vaca - APLV, encontrados principalmente na beta-lactoglobulina. Acredita-se, também, que o uso de pequenas quantidades do alimento de forma processada possa levar ao desenvolvimento mais precoce da tolerância, o que abre novas perspectivas com relação ao manejo destes pacientes (NOWAK-WEGRZYN; SAMPSON, 2011). Frequentemente podemos encontrar na alimentação dos lactentes a substituição do leite materno pelo leite de vaca. Com isso, as proteínas do leite de vaca são os primeiros antígenos alimentares que os lactentes entram em contato, tornando assim o principal causador da formação da alergia alimentar nessa idade (ISOLAURI, 2011). 12 Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) 13 Discentes da Faculdade de Juazeiro do Norte (FJN) 14 Docente da Faculdade de Juazeiro do Norte (FJN)

2 Estudo no Brasil realizado por pediatra, traz como percentagem de uma prevalência de 5,4% de crianças com sintomas de alergia a proteínas do leite de vaca, sendo a incidência dessa patologia de 2,2% (VIEIRA et al., 2003). A alergia as proteínas do leite de vaca é a mais comum das alergias alimentares em crianças. O leite de vaca é rico em proteínas, sendo que 80% do conteúdo proteico do leite estão constituídos de caseínas, enquanto os outros 20% compõem as proteínas do soro (SAMPSON; METCALFE, 1992). Devido à essa importância da fonte proteica do leite de vaca, os pacientes com alergia a esse alimento devem ter a sua eliminação da dieta de forma adequada, para que através de outros alimentos possam ser supridos os nutrientes e não prejudique o crescimento e desenvolvimento normal (MEDEIROS et al., 2004). Diante do exposto, o estudo objetivou-se descrever os principais tipos de diagnósticos e tratamento para alergia a proteínas do leite de vaca a partir da identificação e discussão da produção científica acerca do tema. 2 MATERIAIS E MÉTODOS Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, onde se realizou uma revisão bibliográfica da literatura, promovendo discussão sobre os resultados de pesquisa por meio da síntese e conclusões gerais o estado do conhecimento. O estudo ocorreu nos meses de maio e junho de 2014 por meio de busca dos estudos que respondesse a seguinte pergunta: quais as informações disponíveis na literatura que tratam do diagnóstico e tratamento da alergia as proteínas do leite de vaca? A pesquisa foi realizada nas seguintes bases de dados: Literatura LatinoAmericana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS); Índice Bibliográfico Espanhol em Ciências da Saúde (IBECS); e na Biblioteca virtual Scientific Electronic Library Online (SciELO).

3 Para a busca dos artigos utilizou-se os seguintes descritores: proteínas do leite; substitutos do leite materno; hipersensibilidade ao leite; alergia a proteínas do leite. Os cruzamentos foram feitos pela combinação em dois pares e duas tríades entre todos os descritores. Definiu-se como critérios de inclusão artigos escritos em língua portuguesa, inglesa e espanhola; disponíveis em textos completos nas bases de dados escolhidas; e publicação nos últimos anos. Apenas estudos completos foram incluídos devido ao entendimento de que muitos resumos não expressam o conteúdo exato dos trabalhos. Os critérios de exclusão foram: artigos de reflexão; teses; dissertações; editoriais de jornais sem caráter científico; e artigos repetidos nas bases de dados. Ao final da análise dos artigos, utilizando os critérios de inclusão e exclusão, permaneceram 10 artigos, ao qual fizeram parte da amostragem final do estudo. 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Para categorização e discussão dos resultados foram divididos dois tópicos de acordo com a abordagem dos artigos selecionados, sendo eles: diagnóstico de alergia a proteína do leite de vaca APLV e tratamento de alergia a proteína do leite de vaca APLV. Tratamento de APLV: O diagnóstico correto e preciso da APLV evita gastos desnecessário com o tratamento e proporciona um bem estar maior tanto para o paciente como para os familiares. No estudo de Sacristan et al. (2011) é abordado o histórico familiar como um fator importante para o diagnóstico, pois crianças que não estavam em amamentação exclusiva têm maiores chances de adquirir a APLV, uma vez que a administração de pequenas quantidades de PLV oferecidas ocasionalmente nos primeiros meses de vida, aumenta as chances da criança ter intolerância. Carvalho (2001) mostra que o diagnóstico precoce evita complicações do aparelho respiratório, uma vez que 100% das crianças no presente estudo apresentaram complicações do aparelho respiratório devido a APLV.

4 Pode-se verificar o uso da dieta de exclusão com provocação oral, que consiste na administração de doses elevadas do alimento envolvido sob supervisão médica, onde verifica-se os sinais e sintomas, como um método de diagnóstico preciso, podendo estar associado a exames laboratoriais que inferem a doença, uma vez que não possuem exames que diagnostiquem propriamente a APLV. Vanderhoof (2010) aborda que o diagnóstico para APLV é ainda difícil, trazendo o teste de desafio com leite (provocação oral) como a forma ideal de diagnóstico para evitar o excesso de tratamento e o auto custo. AISBAI e SBAN (2012) mostra um estudo detalhado do diagnóstico, abordando a sua fundamentalidade em quatro pilares: anamnese e exame físico, dieta de restrição, testes para detecção de IgE e teste de provocação oral, que aborda segundo outros autores sendo esse último o mais importante. Segundo o estudo de Souza e Rosario (2012) a imunoterapia atualmente vem ganhando destaque na parte do diagnóstico, sendo uma forma eficaz para a confirmação da alergia.aborda também o uso de anti- IgE através de métodos que identificam a presença dessas imunoglobulinas nos pacientes. Ferrari e Filho (1999) em seu estudo, conclui que os testes cutâneos são as formas mais apropriadas para diagnosticar a APLV, pois são uteis mesmo em crianças com idade inferior a dois anos e podem ser realizados com o alimento natural, sendo recomendado outros testes diagnósticos como a provocação oral. Por fim, Correia et al. (2010) discute sobre o teste de desencadeamento nos diagnósticos de APLV, trazendo resultados de testes realizados no seu estudo como um eficiente teste de diagnostico para a manutenção de pacientes alérgicos, com a consequente suspensão da dieta de exclusão. Tratamento de APLV: Sacristan et al. (2011) indica a restrição dietética dos alimentos derivados do leite de vaca, assim como o seu consumo primário. Carvalho (2001) também aborda a restrição da dieta com PLV presentes com a substituição deste pelo leite de soja, que é recomendado no tratamento da patologia. Na prática o leite de soja é utilizado como substituto devido a boa aceitação, facilidade de adquiri-lo e baixo custo, afirma o autor.

5 Cortez et al. (2007) aborda a importância do leite de vaca e seus derivados para a dieta do indivíduo e aponta a sua exclusão na dieta como a forma mais adequada de tratamento da doença, associada a uma adequada substituição dos outros nutrientes presentes no leite, como o cálcio. Os autores pontuam também a exclusão dos alimentos industrializados e as preparações que podem conter PLV. As bebidas ou sucos a base de extrato de soja são recomendados para a substituição do leite de vaca. ASBAI & SBAN (2012) traz a dieta de exclusão como o tratamento disponível até o momento para APLV. Ele aborda que a exclusão ou restrição dos alimentos contendo as proteínas não é necessária, apenas deve-se evitar a introdução simultânea de dois ou mais alimentos que contenham a proteína, como o leite de vaca e seus derivados. O estudo de Souza e Rosario (2012) aborda que atualmente a forma de tratamento mais utilizada é a exclusão na dieta de alimentos que contenham PLV com a substituição apropriada de cada caso dos nutrientes presentes nesses alimentos e que são indispensáveis para o paciente. O estudo de Ferrari e Filho (1999) aborda que a exclusão total do alimento com PLV é a única terapêutica comprovada para o tratamento adequado, corroborando com Cruchet (2002), que aborda o tratamento através da retirada do leite e seus derivados da dieta com a substituição de alimentos à base de soja. Rossel et al. (2000) afirma que pacientes com APLV requerem uma mudança nos hábitos alimentares, o que muitas vezes pode ser complicado, mas seria a forma mais ideal para o tratamento da doença, até que o paciente reestabelecesse a sua tolerância. 4 CONCLUSÕES O presente estudo nos deu a possibilidade de verificar que para o diagnóstico preciso da APLV deve-se realizar a princípio uma anamnese e o exame físico (histórico do paciente), seguido da utilização do método de provocação oral, sendo esse o mais utilizado nos estudos abordados.

6 No que diz respeito ao tratamento, onde podemos ressaltar a influência do profissional Nutricionista, foi possível identificar que a literatura aborda a restrição dos alimentos com proteínas do leite de vaca na dieta dos pacientes como a forma mais utilizada e eficaz no do tratamento, chamando a atenção para a reposição de alimentos que possam suprir os demais nutrientes presentes no leite de vaca. REFERÊNCIAS CHATCHATEE P.; JÄRVINEN KM.; BARDINA L.; et al. Identification of IgE- and IgGbinding epitopes on ás1-casein: Differences in patients with persistent and transient cow s milk allergy. J Allergy Clin Immunol. Vol NOWAK-WEGRZYN A.; SAMPSON HA.; Future therapies for food allergies. J Allergy Clin Immunol ISOLAURI E. The treatment of cow s milk allergy. Eur J Clin Nutr VIEIRA MC.; MORAIS MB.; SPOLIDORO JVN.; TOPOROVSKI MS.; CARDOSO AL.; ARAULO GTB.; et al. A survey on clinical presentation and nutritional status of infants with suspected cow s Milk allergy. BMC Pediatrics SAMPSON HÁ.; METCALFE DD. Food allergies. JAMA MEDEIROS LC.; SPERIDIÃO PG.; SDEPANIAN VL.; FAGUNDES-NETO U.; MORAIS MB. Ingestão de nutrientes e estado nutricional de crianças em dieta isenta de leite de vaca e derivados. J Pediatria. Rio de Janeiro SACRISTAN AM.; LANZA E.; DOS SANTOS ATHAIDE. Epidemiologia de la historia de alergia a proteínas de la leche de vaca em ninos mayores de um ano de edad y su tolerância. Rev. Pediatria de Atencion Primaria. Vol. XIII. N 52. Oct./Dic

7 CARVALHO JR FF. Apresentação clínica da alergia ao leite de vaca com sintomatologia respiratória. J Pneumol. São Paulo SP CORTEZ APB.; MEDEIROS LCS.; SPERIDIÃO PGL.; MATTAR RHGM.; NETO UF.; MORAIS MB. Conhecimento de pediatras e nutricionistas sobre o tratamento da alergia ao leite de vaca no lactente. Rev Paul Pediatria. São Paulo SP VANDERHOOF JA. Diagnóstico de alergia intestinal ao leite de vaca, nunca uma tarefa fácil. Jornal de Pediatria - Vol. 86, Nº 4, ASBAI & SBAN. Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia, e Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. Conhecimento de pediatras e nutricionistas sobre o tratamento a alergia ao leite de vaca no lactente. Rev. bras. alerg. imunopatol SOUZA CT.; ROSÁRIO NA. Alergia às proteínas do leite de vaca - diagnóstico e tratamento. Revista Brasileira de Medicina. Curitiba PR FERRARI FP.; FILHO NAR. O papel do teste cutâneo na escolha do substituto do leite de vaca. Rev. bras. alerg. imunopatol. 1999; CRUCHET SM. Alergia a proteína de leche de vaca. Rev. chil. pediatr. v.73 n.4 Santiago jul ROSSEL MG.; CERESA SO.; HERAS JLB.; ARAYA MQ. Colitis eosinofílica por alergia a proteína de leche de vaca. Rev. méd. Chile v.128 n.2 Santiago feb CORREA FF.; VIEIRA MC.; YAMAMOTO DR.; SPERIDIÃO PGL.; MORAIS MB. Teste de desencadeamento na alergia ao leite de vaca. Jornal de Pediatria - Vol. 86, Nº 2, 2010.

PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS

PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS Marcos Abrantes Moreira. Acadêmico de Fisioterapia da Faculdade Santa Maria. E-mail:markim.abrantes@hotmail.com Luma Soares Lustosa. Acadêmica

Leia mais

Não existe uma única resposta!!

Não existe uma única resposta!! Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Supervisora do ambulatório ICr-HCFMUSP Nutricionista das Unidades de Alergia e Imunologia e Gastroenterologia ICr-HCFMUSP Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria

Leia mais

Alergia alimentar á proteína do leite de vaca: IgE mediada e não IgE mediada

Alergia alimentar á proteína do leite de vaca: IgE mediada e não IgE mediada Alergia alimentar á proteína do leite de vaca: IgE mediada e não IgE mediada Food allergies will cow's milk protein: IgE-mediated and non-ige mediated Alergia alimentar á proteína do leite de vaca: IgE

Leia mais

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico VII Simpósio de Tecnologia e Engenharia de Alimentos e VI Encontro Paranaense de Engenharia de Alimentos UTFPR, Campo Mourão, PR, Brasil 13 a 16 de setembro de 2016 Alergia à proteína do leite de vaca:

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 386/2013. Assunto: NUTRISON SOYA NATS GL. Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora SOLICITANTE

RESPOSTA RÁPIDA 386/2013. Assunto: NUTRISON SOYA NATS GL. Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora SOLICITANTE RESPOSTA RÁPIDA 386/2013 Assunto: NUTRISON SOYA SOLICITANTE Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora NÚMERO DO PROCESSO 13 008656-8 DATA 26/11/2013 SOLICITAÇÃO Para fins

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

TESTE DE DESENCADEAMENTO ORAL NO DIAGNÓSTICO DE ALERGIA OU TOLERÂNCIA ÀS PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA: UM PROTOCOLO ASSISTENCIAL

TESTE DE DESENCADEAMENTO ORAL NO DIAGNÓSTICO DE ALERGIA OU TOLERÂNCIA ÀS PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA: UM PROTOCOLO ASSISTENCIAL TESTE DE DESENCADEAMENTO ORAL NO DIAGNÓSTICO DE ALERGIA OU TOLERÂNCIA ÀS PROTEÍNAS DO LEITE DE VACA: UM PROTOCOLO ASSISTENCIAL Coordenador: Prof. Dr. Mauro Batista de Morais Pediatra Gastroenterologista:

Leia mais

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH Este protocolo tem o objetivo de estabelecer diretrizes para dispensação

Leia mais

Introdução à busca de artigos científicos

Introdução à busca de artigos científicos Introdução à busca de artigos científicos Núcleo de Apoio Interdisciplinar Pedagógico NAIPE Setembro 2009 Fontes de evidência Fontes primárias Bases de dados bibliográficas eletrônicas. Exemplos: Pubmed/MEDLINE,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA INTOLERÂNCIA A LACTOSE E NA ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE DE VACA

A IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA INTOLERÂNCIA A LACTOSE E NA ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE DE VACA A IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO NA INTOLERÂNCIA A LACTOSE E NA ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE DE VACA Jamile Batista Rocha Graduanda em Nutrição Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Rafaela Ribeiro de

Leia mais

TÍTULO: PARTICULARIDADES DA ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA: UM RELATO DE CASO.

TÍTULO: PARTICULARIDADES DA ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA: UM RELATO DE CASO. TÍTULO: PARTICULARIDADES DA ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA: UM RELATO DE CASO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE FRANCA AUTOR(ES):

Leia mais

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES 1. Qual idade mínima para fazer o teste? 2 2. O teste me ajuda a emagrecer? 2 3. Qual o prazo de validade do produto? 2 4. Quanto tempo leva para realizar o teste? 2 5. O teste identifica Intolerância

Leia mais

Alergia às proteínas do leite de vaca

Alergia às proteínas do leite de vaca Alergia às proteínas do leite de vaca Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 Alguns lactentes, quando ingerem leite de vaca, podem reagir contra

Leia mais

N u t r i ç ã o E N t E r a l Linha Pediátrica

N u t r i ç ã o E N t E r a l Linha Pediátrica Nutrição Enteral Linha Pediátrica De acordo com o comitê de nutrição do ESPGHAN: Os pacientes pediátricos representam uma população particularmente vulnerável que têm requerimentos nutricionais específicos.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL AVALIAÇÃO DA INTERPRETAÇÃO DE TABELAS NUTRICIONAIS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Natália G. T. MAGALHÃES ; Clécia de P. ALVES ; Miller M. SANCHES ; Valdirene P. COSTA RESUMO A escola tem um importante

Leia mais

OS FATORES DE RISCOS PARA NÃO REALIZAÇÃO DO PARTO NORMAL

OS FATORES DE RISCOS PARA NÃO REALIZAÇÃO DO PARTO NORMAL OS FATORES DE RISCOS PARA NÃO REALIZAÇÃO DO PARTO NORMAL Amanda Florêncio da Silva* Rosemeire do Carmo Martelo** JUSTIFICATIVA No Brasil vem aumentando o número de partos cesarianos, sem base científica

Leia mais

BIREME/OPAS/OMS Comitê Assessor Nacional do Convênio de Manutenção da BIREME I Reunião do ano 2004, BIREME, São Paulo, 06 de agosto de 2004

BIREME/OPAS/OMS Comitê Assessor Nacional do Convênio de Manutenção da BIREME I Reunião do ano 2004, BIREME, São Paulo, 06 de agosto de 2004 BIREME/OPAS/OMS Comitê Assessor Nacional do Convênio de Manutenção da BIREME I Reunião do ano 2004, BIREME, São Paulo, 06 de agosto de 2004 Anexo 2 Biblioteca Virtual em Saúde e o controle bibliográfico

Leia mais

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0

Sumário. Data: 23/05/2013 NOTA TÉCNICA 75/2013. Medicamento/ x dieta Material Procedimento Cobertura. Solicitante. Processo Número 0024 13 023060-0 NOTA TÉCNICA 75/2013 Solicitante Juiz de Direito Dr.Alexsander Antenor Penna Silva Comarca de João Monlevade Processo Número 0024 13 023060-0 Data: 23/05/2013 Medicamento/ x dieta Material Procedimento

Leia mais

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL 1 de 5 O trato gastrintestinal (TGI) tem a função principal de absorver os nutrientes necessários ao organismo e eliminar os dejetos. O TGI é também uma parte fundamental

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

Regulamentação da Lei nº , de 2016

Regulamentação da Lei nº , de 2016 PROPOSTAS DE RESOLUÇÕES-RDC PARA REGULAMENTAÇÃO DA LEI Nº 13.305, DE 4 DE JULHO DE 2016. GERÊNCIA-GERAL DE ALIMENTOS 20 DE SETEMBRO DE 2016 INFORMAÇÕES GERAIS: Regulamentação da Lei nº 13.305, de 2016

Leia mais

Alimentação complementar e risco para desenvolvimento de alergias alimentares: um olhar sobre a prática clínica de nutricionistas

Alimentação complementar e risco para desenvolvimento de alergias alimentares: um olhar sobre a prática clínica de nutricionistas Artigo Original Melo ANL et al. Alimentação e risco para desenvolvimento de alergias alimentares: um olhar sobre a prática clínica de nutricionistas Complementary feeding and risk of developing food allergies:

Leia mais

Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista

Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Glauce Hiromi Yonamine Nutricionista Supervisora do ambulatório ICr-HCFMUSP Nutricionista das Unidades de Alergia e Imunologia e Gastroenterologia ICr-HCFMUSP Mestre em Ciências pelo Departamento de Pediatria

Leia mais

Baixo ganho ponderal. em bebês em Aleitamento Materno Exclusivo ENAM Honorina de Almeida; Douglas Nóbrega Gomes

Baixo ganho ponderal. em bebês em Aleitamento Materno Exclusivo ENAM Honorina de Almeida; Douglas Nóbrega Gomes Baixo ganho ponderal em bebês em Aleitamento Materno Exclusivo ENAM 2010 Honorina de Almeida; Douglas Nóbrega Gomes Introdução Baixo ganho ponderal em bebês em AME causa grande angústia profissional e

Leia mais

PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG.

PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG. PERFIL DOS HOSPITAIS EM RELAÇÃO AO USO DE FÓRMULAS ENTERAIS NAS CIDADES DE UBERLÂNDIA, UBERABA E ARAGUARI- MG. RESUMO Introdução:Nutrição enteral (NE) é definida como alimento para fins especiais, com

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DIETAS ENTERAIS TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS 82026 82025 82021 MEDICAMENTOS NUTRICAO, NUTRICAO ENTERAL, HIPERCALORICA, OLIGOMERICA, COM PROTEINA DE ORIGEM ANIMAL HIDROLISADA. ISENTA DE SACAROSE, LACTOSE E GLUTEN. PRINCIPIO/CONCENTRACAO1:

Leia mais

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA

Secretaria de Estado da Educação do Paraná Superintendência de Desenvolvimento da Educação DEFINIÇÃO DA DOENÇA DEFINIÇÃO DA DOENÇA Doença celíaca é alergia ao glúten, proteína encontrada no trigo, aveia, centeio, cevada e derivados. Essa doença afeta a parede do intestino, fazendo com que a absorção de vários nutrientes

Leia mais

O diagnóstico preciso de alergia alimentar é necessário para proteger as crianças de dietas inadequadas ou desnecessárias.

O diagnóstico preciso de alergia alimentar é necessário para proteger as crianças de dietas inadequadas ou desnecessárias. Alergia Alimentar Alergia Alimentar é o termo utilizado para descrever reações adversas a alimentos dependentes de mecanismos imunológicos. O diagnóstico preciso de alergia alimentar é necessário para

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Alergia alimentar. Proteína do Leite de Vaca. Fórmulas infantis.

RESUMO. Palavras-chave: Alergia alimentar. Proteína do Leite de Vaca. Fórmulas infantis. ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA: CONHECIMENTO DOS PAIS E/OU RESPONSÁVEIS DE CRIANÇAS BENEFICIÁRIAS DO PROGRAMA DE LEITES ESPECIAIS DO MUNICÍPIO DE GRAVATAÍ, RS. Luana Dias Gracioli 1 RESUMO A alergia

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Qual o mecanismo fisiopatológico da doença? A esofagite eosinofílica ( EE) está relacionada ao aumento da sensibilidade alérgica? Qual a conexão entre alergia

Leia mais

Fontes de produção científica

Fontes de produção científica Fontes de produção científica Patrícia Ruiz Spyere PATRÍCIA RUIZ SPYERE Levantamento bibliográfico PATRÍCIA RUIZ SPYERE LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO Procedimentos para localização e busca metódica dos documentos

Leia mais

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN:

CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 ROTULAGEM DE ALIMENTOS A BASE DE SOJA QUE CAUSAM ALERGIAS ALIMENTARES Stephane Karen de Sousa Saboya, Bruna Alves

Leia mais

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV)

TEMA: NEOCATE NA ALERGIA A LEITE DE VACA (APLV) NOTA TÉCNICA 24/2014 Solicitante Regina Célia Silva Neves Juizado Fazenda Pública de Itaúna Processo Número 0338.13.012.595-2 Data: 07/02/2014 Medicamento/ dieta x Material Procedimento Cobertura TEMA:

Leia mais

Caso clinico- Alergia Alimentar. Autora: Dra. Cristina Jacob. EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo

Caso clinico- Alergia Alimentar. Autora: Dra. Cristina Jacob. EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo Caso clinico- Alergia Alimentar Autora: Dra. Cristina Jacob EK masculino, 1ano e 2m, branco, São Paulo Queixa e HPMA- Mãe refere que aos 5 meses de idade, apresentou edema de lábios e urticária após ter

Leia mais

Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS. 2ª. Versão 2012

Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS. 2ª. Versão 2012 B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E SD DA Universidade Federal do Paraná - UFPR Tutorial de Pesquisa Bibliográfica- BVS 2ª. Versão 2012 1 Pesquisa Bibliográfica É o levantamento de um

Leia mais

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica Terramicina com sulfato de polimixina B cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B Pomada Tópica PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Terramicina com sulfato de polimixina B - pomada tópica.

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

O papel do teste cutâneo na escolha do substituto do leite de vaca em quadros alérgicos

O papel do teste cutâneo na escolha do substituto do leite de vaca em quadros alérgicos O papel do teste cutâneo na escolha do substituto do leite de vaca em quadros alérgicos The role of skin tests in cow s milk allergy: choosing an alternative formula Flávio Pierette Ferrari 1, Nelson A.

Leia mais

Fórmulas nutricionais para crianças com alergia à proteína do leite de vaca

Fórmulas nutricionais para crianças com alergia à proteína do leite de vaca Ministério da Saúde Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde Fórmulas nutricionais para crianças com alergia à proteína do

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

INCIDÊNCIA DE ALERGIA ALIMENTAR EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICÍPIO DE CATAGUASES/MG

INCIDÊNCIA DE ALERGIA ALIMENTAR EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICÍPIO DE CATAGUASES/MG INCIDÊNCIA DE ALERGIA ALIMENTAR EM ESCOLA DA REDE PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICÍPIO DE CATAGUASES/MG INCIDENCE OF FOOD ALLERGIES IN SCHOOL OF PUBLIC AND PRIVATE NETWORK OF THE MUNICIPALITY OF CATAGUASES/MG

Leia mais

Consumo dietético e estado nutricional em crianças com alergia à proteína do leite de vaca

Consumo dietético e estado nutricional em crianças com alergia à proteína do leite de vaca ARTIGO DE REVISÃO Consumo dietético e estado nutricional em crianças com alergia à proteína do leite de vaca Dietary intake and nutritional status in children with cow s milk protein allergy Jordana Queiroz

Leia mais

Avaliação nutricional do paciente

Avaliação nutricional do paciente Avaliação nutricional do paciente Muito gordo ou muito magro? O que fazer com esta informação? Avaliação nutricional do paciente 1) Anamnese (inquérito alimentar) 2) Exame físico 3) Exames laboratoriais

Leia mais

Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas. Acadêmicas de Nutrição da Faculdades Integradas de Três Lagoas RESUMO

Docente das Faculdades Integradas de Três Lagoas. Acadêmicas de Nutrição da Faculdades Integradas de Três Lagoas RESUMO 1 AVALIAÇÃO SENSORIAL DE IOGURTE BATIDO COM A FRUTA DE GOIABA VERMELHA IN NATURA (Psidium guajava), COM O SUCO ARTIFICIAL DE GOIABA E A POLPA DA FRUTA DE GOIABA CAMILA ANDRÉA FAVARO DE FREITAS 1 CAROLINE

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Avaliação clínico-laboratorial do paciente alérgico RAST Silvia Daher Apoio: Phadia Diagnósticos Ltda HISTÓRIA TESTE CUTÂNEO RAST SD Diagnóstico de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ALEITAMENTO MARTERNO NAS ALERGIAS ALIMENTARES

A IMPORTÂNCIA DO ALEITAMENTO MARTERNO NAS ALERGIAS ALIMENTARES A IMPORTÂNCIA DO ALEITAMENTO MARTERNO NAS ALERGIAS ALIMENTARES Silva, Eudiane dos Santos (1); Maciel, Brenda Kelly Cunha (1); Wanderley, Hiarla Correia (2); Souza, Raissa Costa Freire de (3); Sandra Regina

Leia mais

Palavras-chave: Comunicação. Enfermagem. Revisão bibliográfica.

Palavras-chave: Comunicação. Enfermagem. Revisão bibliográfica. O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM ENFERMAGEM: PRODUÇÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA DE 1997 A 2006. Silvia Soares dos Santos Ricardo Ricardo Magali Telecio Tatiana Longo Borges Miguel tatiana@unisalesiano.edu.br Centro

Leia mais

Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV

Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV de Brasília Dra. Elisa de Carvalho Gastroenterologista Pediátrica Hospital de Base do Distrito Federal Hospital da Criança de Brasília Caso

Leia mais

Provas. Diagnóstico. em Alergia

Provas. Diagnóstico. em Alergia Provas Diagnósticas em Alergia Autor: Dr. Fabiano Brito Médico Reumatologista Assessoria Científica As doenças alérgicas se manifestam como um espectro de sintomas que podem envolver respostas respiratórias

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA sexta-feira, das 17h30 às 20h45 sábado, das 09h00 às 13h30 um módulo por mês Comissão Coordenadora Prof. Doutor Fernando Coelho Rosa, Pediatra, ICS-Católica

Leia mais

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ

METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ METODOLOGIA CIENTÍFICA PATRÍCIA ALVAREZ RUIZ Levantamento Bibliográfico LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO Procedimentos para localização e busca metódica dos documentos referentes ao tema Textos Livros Artigos

Leia mais

SINDNUT-PA Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Pará

SINDNUT-PA Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Pará ANEXO I APROVADO NA ATA DE ASSEMBLÉIA DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 TABELA DE HORONÁRIOS PARA O ANO DE 2015/2016 DEFINIDA E APROVADA EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 28/10/2014. Unidade de Serviço em Nutrição (USN)

Leia mais

FABA ALERGIA ALIMENTAR

FABA ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR Intolerância Alimentar Aversão Alimentar Reações Imediatas e Tardias ALERGIA ALIMENTAR FABA ALERGIA ALIMENTAR - Reação adversa ao componente protéico do alimento e envolve mecanismo

Leia mais

Oliveira RN & Haack A

Oliveira RN & Haack A Artigo Original Oliveira RN & Haack A Nutricionistas das Unidades Básicas de Saúde, dos Núcleos Regionais de Atendimento Domiciliar e da Área Clínica de uma instituição pública: conhecimentos de nutrição

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE?

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? É importante estabelecer a diferença entre intolerância, alergia e sensibilidade, pois suas consequências podem ir de um mal-estar ao risco de vida.

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA: ORIENTAÇÕES PARA CICATRIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE RECIDIVAS

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA: ORIENTAÇÕES PARA CICATRIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE RECIDIVAS TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE COM ÚLCERA VENOSA: ORIENTAÇÕES PARA CICATRIZAÇÃO E PREVENÇÃO DE RECIDIVAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Projeto de Lei nº, de 2006 (Do Sr. Leonardo Moura Vilela)

Projeto de Lei nº, de 2006 (Do Sr. Leonardo Moura Vilela) Projeto de Lei nº, de 2006 (Do Sr. Leonardo Moura Vilela) Altera a Lei nº 11.265, de 04 de janeiro de 2006, que Regulamenta a comercialização de alimentos para lactentes e crianças de primeira infância

Leia mais

Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 %

Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 % Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Alergia Doenças alérgicas representam um problema de saúde pública, atingindo mais de 20% da população.

Leia mais

MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão. 75 mg/ml

MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão. 75 mg/ml MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão 75 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Mylicon simeticona Gotas APRESENTAÇÕES Suspensão oral (75 mg/ml) em frascos gotejadores contendo 15

Leia mais

UCF - Criança e Adolescente

UCF - Criança e Adolescente 1. Objetivo O presente documento de consenso tem como objetivo a descrição da abordagem diagnóstica e terapêutica e orientação da alergia alimentar em população pediátrica, que compreende idade até aos

Leia mais

CASO CLÍNICO ASMA - PUC - PR - SPP

CASO CLÍNICO ASMA - PUC - PR - SPP CASO CLÍNICO ASMA Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú - PUC - PR Departamento Científico de Alergia - SPP CASO CLÍNICO J. S. M, fem., 3a, procedente

Leia mais

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto

HIPERÊMESE GRAVÍDICA. Msc. Roberpaulo Anacleto HIPERÊMESE GRAVÍDICA Msc. Roberpaulo Anacleto Introdução A ocorrência ocasional de náuseas e vômitos até 14 semanas de gestação, mais comum no período da manhã, é rotulada como êmese gravídica e pode ser

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Doença de Kawasaki Versão de 2016 2. DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO 2.1 Como é diagnosticada? A DK é uma doença de diagnóstico clínico ou de cabeceira. Isto significa

Leia mais

Delineamento de Estudos em Epidemiologia Nutricional

Delineamento de Estudos em Epidemiologia Nutricional Delineamento de Estudos em Epidemiologia Nutricional Profª. Drª Marly Augusto Cardoso Departamento de Nutrição, Faculdade de Saúde Pública, USP e-maile mail: marlyac@usp usp.br Nutrição Humana Visa o conhecimento

Leia mais

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas Dieta Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas particulares. Contudo, popularmente, o emprego da palavra

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A TEORIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL NA INTERVENÇÃO TELEFÔNICA PARA CESSAÇÃO DO TABAGISMO Profa. Dra. Eliane Corrêa Chaves (EEUSP)

Leia mais

Anamnese Nutricional Funcional

Anamnese Nutricional Funcional 1 Anamnese Nutricional Funcional Nutricionista Funcional e Farmacêutico Bioquímico Presidente de Honra do CBNF Diplomado pelo The Institute for Functional Medicine Introdutor da Nutrição Funcional no Brasil

Leia mais

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA. Módulo 1 Conceitos Gerais de Imunologia e Doença Alérgica

FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA PROGRAMA. Módulo 1 Conceitos Gerais de Imunologia e Doença Alérgica FORMAÇÃO AVANÇADA EM ALERGOLOGIA PEDIÁTRICA sexta-feira, das 17h30 às 20h45 sábado, das 09h00 às 13h30 um módulo por mês Comissão Coordenadora Prof. Doutor Fernando Coelho Rosa, Pediatra, ICS-Católica

Leia mais

Composição do leite cabra LEITE DE CABRA 31/03/2013. Leite de cabra - alimento funcional. Água 88,6 3,28. Gordura 4,29 3,20. Lactose Proteínas 11,4

Composição do leite cabra LEITE DE CABRA 31/03/2013. Leite de cabra - alimento funcional. Água 88,6 3,28. Gordura 4,29 3,20. Lactose Proteínas 11,4 Composição do leite cabra Água 88,6 LEITE DE CABRA ES Gordura ESNG Lactose Proteínas Cinzas Ca 0,11 P 0,08 Mg 0,01 Na 0,04 K 0,21 4,29 3,20 0,64 3,28 5,13 11,4 Composição do leite caprino, ovino, bovino

Leia mais

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo

Resolução da Questão 1 Texto Definitivo Questão Sabendo que a célula é a unidade morfofisiológica dos seres vivos e que ela pode ser classificada como procariótica ou eucariótica, redija um texto dissertativo acerca desse assunto, abordando,

Leia mais

Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016

Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016 Empresa: Endereço: Fundaçao Hospitalar Santa Terezinha de Erechim Memorial Descritivo Pregão eletrônico Nº 34/2016 Fone: Cidade: Bairro: Cep: Data Abertura: 08/11/2016 09:00:00 Data Emissão: 25/10/2016

Leia mais

APTAMIL PROEXPERT PEPTI

APTAMIL PROEXPERT PEPTI EXCLUSIVOS PREBIÓTICOS DANONE 0,8g/100mL de scgos/lcfos (9:1) 1 INDICAÇÃO: Alimentação de lactentes com Alergia ao Leite de Vaca (ALV) sem quadros diarreicos, desde o nascimento. DESCRIÇÃO: Fórmula infantil

Leia mais

B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA

B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA B I B L I O T E C A D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E O QUE SE DEVE SABER PARA MONTAR UMA ESTRATÉGIA DE BUSCA 1 1 PROBLEMA DE PESQUISA O risco de eclampsia em mulheres grávidas com pressão arterial alta.

Leia mais

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DOCENTE RESPONSÁVEL: CLÁUDIA RUCCO PENTEADO DETREGIACHI

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DOCENTE RESPONSÁVEL: CLÁUDIA RUCCO PENTEADO DETREGIACHI PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: NUTRIÇÃO MODALIDADE: DISCIPLINA: DIETOTERAPIA I ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO: EDUCAÇÃO DOCENTE RESPONSÁVEL: CLÁUDIA RUCCO PENTEADO DETREGIACHI Semestre

Leia mais

GOTAS BINELLI. Laboratório Daudt Oliveira Ltda Solução 30 mg/ml

GOTAS BINELLI. Laboratório Daudt Oliveira Ltda Solução 30 mg/ml GOTAS BINELLI Laboratório Daudt Oliveira Ltda Solução 30 mg/ml GOTAS BINELLI dropropizina 30mg/mL IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO GOTAS BINELLI dropropizina APRESENTAÇÃO Solução oral (30 mg/ml). Frasco contendo

Leia mais

Laíse Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição Programa de Pós -Graduação em Alimentos e Nutrição- PPGAN/ UNIRIO

Laíse Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição Programa de Pós -Graduação em Alimentos e Nutrição- PPGAN/ UNIRIO Laíse Souza Mestranda em Alimentos e Nutrição Programa de Pós -Graduação em Alimentos e Nutrição- PPGAN/ UNIRIO A Vitamina D é um nutriente produzido pelo corpo humano através da ação da radiação ultravioleta

Leia mais

15/09/2016. Renata Rodrigues Cocco Universidade Federal de São Paulo. PROAL 2004 J Pediatr (Rio J). 2004;80(3):203-10

15/09/2016. Renata Rodrigues Cocco Universidade Federal de São Paulo. PROAL 2004 J Pediatr (Rio J). 2004;80(3):203-10 Renata Rodrigues Cocco Universidade Federal de São Paulo PROAL 2004 J Pediatr (Rio J). 2004;80(3):203-10 1 PROAL 2004 Desenho do estudo: IgE total /específica para alérgenos inalatórios e alimentares (RAST,

Leia mais

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier

OBESIDADE MAPA DE REVISÕES PROTOCOLO CLINICO. Destinatários. Data Dr. Bilhota Xavier Palavras-Chave: Destinatários Médicos dos ACES da Unidade Coordenadora Funcional (UCF) de Leiria Elaboração Dr.ª Sandra Ferreira, Dr.ª Carla Loureiro, Dr. Pascoal Moleiro Aprovação Diretor do Serviço Dr.

Leia mais

Exercícios sobre Vitaminas

Exercícios sobre Vitaminas Exercícios sobre Vitaminas Exercícios sobre Vitaminas 1. Tomando uma grande dose de vitaminas A, uma pessoa pode suprir suas necessidades por vários dias; porém, se fizer o mesmo em relação à vitamina

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MENORES DE DOIS ANOS ATENDIDAS NA USF VIVER BEM DO MUNICIPIO DE JOÃO PESSOA-PB Tainá Gomes Diniz; Caroline Severo de Assis; Suzy Souto de Oliveira Faculdade de Ciências

Leia mais

c) Relacione as orientações a serem fornecidas à paciente, no momento de sua alta, considerando que sua contagem de neutrófilos era de células/m

c) Relacione as orientações a serem fornecidas à paciente, no momento de sua alta, considerando que sua contagem de neutrófilos era de células/m 01 Concurso Mulher de 38 anos, 1,73m de altura e peso de 73 kg, portadora de linfoma de Hodgkin, foi internada no setor de hematologia para o transplante autólogo de células tronco hematopoiéticas. No

Leia mais

O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS

O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ANVISA O CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS: a atuação da SNVS João Tavares Neto Superintendente de Correlatos e Alimentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. Cada ml da solução contém 3,25mg de fluoreto de sódio (equivalente a 0,05mg de ião fluoreto/gota).

FOLHETO INFORMATIVO. Cada ml da solução contém 3,25mg de fluoreto de sódio (equivalente a 0,05mg de ião fluoreto/gota). FOLHETO INFORMATIVO FLÚOR LACER 3.25 mg/ml Gotas orais, solução (Fluoreto de Sódio) COMPOSIÇÃO Cada ml da solução contém 3,25mg de fluoreto de sódio (equivalente a 0,05mg de ião fluoreto/gota). 1 ml =

Leia mais

Dieta para vegetarianos

Dieta para vegetarianos PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Dieta para vegetarianos Monique de Barros Elias Campos Nutricionista

Leia mais

Doenças da modernidade

Doenças da modernidade Agosto/2016 DESMITIFICANDO AS DIETAS DA MODA Pág. 6 Doenças da modernidade Pág. 3 Alergia x Intolerância Pág. 4 EDITORIAL Chegamos ao nosso terceiro número, e esperamos colaborar mais uma vez com a disseminação

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA VACINA CONTRA ROTAVÍRUS NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA

A IMPORTÂNCIA DA VACINA CONTRA ROTAVÍRUS NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA A IMPORTÂNCIA DA VACINA CONTRA ROTAVÍRUS NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA BARCELLOS, R. C. * PIRES, T. B. O. * PEREIRA, A. S. M. ** AGUIAR, M. B. ** NEVES, K. S. *** MOTTA, C. F. **** COUTINHO, J. S. **** RESUMO

Leia mais

ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR

ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR ANÁLISE SENSORIAL DE STROGONOFF VEGETARIANO ENTRE OS COMENSAIS DE UM RESTAURANTE UNIVERSITARIO DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Área Temática: Nutrição Renata Leia Demario Vieira (Coordenador da Ação de Extensão)

Leia mais

XII SEMANA ACADÊMICA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE ISSN: AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS

XII SEMANA ACADÊMICA CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE ISSN: AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 AVALIAÇÃO DA DESCRIÇÃO DE ALERGÊNICOS EM PRODUTOS LÁCTEOS Aline Bezerra Moura, Carlos Humberto da Silva Araujo,

Leia mais

TÍTULO: FATORES BIOPSICOSSOCIOCULTURAIS ASSOCIADOS AO DESMAME ANTES DOS 24 MESES DE IDADE

TÍTULO: FATORES BIOPSICOSSOCIOCULTURAIS ASSOCIADOS AO DESMAME ANTES DOS 24 MESES DE IDADE TÍTULO: FATORES BIOPSICOSSOCIOCULTURAIS ASSOCIADOS AO DESMAME ANTES DOS 24 MESES DE IDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB Lindemberg Medeiros de Araújo Evi Clayton de Lima Brasil TRANSIÇÃO NUTRICIONAL: CAUSAS, SIGNIFICADOS, EFEITOS

Leia mais

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA É responsabilidade da família: Ensinar a criança a assumir progressivamente responsabilidades sobre o cuidado de si mesma. Informar ã escola sobre alergias e intolerâncias alimentares, o tipo de dieta

Leia mais

O que é e para que serve a Próstata

O que é e para que serve a Próstata O que é e para que serve a Próstata A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho genital masculino. Está localizada abaixo da bexiga, atravessada pela uretra. Seu tamanho e forma correspondem a

Leia mais

O Glúten é realmente um vilão?

O Glúten é realmente um vilão? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO (PPGAN) Ciclo de Palestras O Glúten é realmente um vilão? Verônica Mayrinck Nov/2015 Veremos no Ciclo

Leia mais

ALIMENTAÇÃO Cl ara S k er S ampa o

ALIMENTAÇÃO Cl ara S k er S ampa o ALIMENTAÇÃO Clara Saker Sampaio CONCEITOS Substituto de leite materno: qualquer alimento comercializado ou de alguma forma apresentado como um substituto parcial ou total do leite materno e/ou humano,

Leia mais

Acadêmica do curso de Medicina Veterinária; 2

Acadêmica do curso de Medicina Veterinária;   2 CICLO DE PALESTRAS EM NUTRIÇÃO ANIMAL Daniela Costa Vilela 1, Juciene Silva Oliveira 2, Raquel Loren dos Reis Paludo 3 Daniel Côrtes Beretta 4 Resumo: O Ciclo de Palestras em Nutrição Animal foi um projeto

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO. Nutricionista Entrevistado(a) Nome CRN- RT / QT

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO. Nutricionista Entrevistado(a) Nome CRN- RT / QT CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS - ª REGIÃO UF ROTEIRO DE VISITA TÉCNICA DATA DA VISITA NUTRIÇÃO CLÍNICA HOSPITAL E INSTITUIÇÕES SIMILARES Nº DA VISITA VISITA AGENDADA

Leia mais

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Resumo Expandido Título da Pesquisa: Perfil do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar de Crianças de 0 a 2 Anos de Idade do Município de São João

Leia mais

XIII Encontro Mineiro de Homeopatia. 04 à 06 de Setembro de 2009

XIII Encontro Mineiro de Homeopatia. 04 à 06 de Setembro de 2009 XIII Encontro Mineiro de Homeopatia 04 à 06 de Setembro de 2009 Pesquisa em Bases de Dados sobre Homeopatia Acesso às Fontes Disponíveis na BVS Biblioteca Virtual em Saúde Rosângela Brambilla - Bibliotecária

Leia mais