Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 %

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Alergia. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos. Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 %"

Transcrição

1 Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Alergia Doenças alérgicas representam um problema de saúde pública, atingindo mais de 20% da população. As manifestações alérgicas geralmente se iniciam na infância, embora possam surgir em qualquer idade. Estão associadas a uma constituição alérgica, decorrente de fatores hereditários, ambientais e de saúde de cada indivíduo. O fator hereditário é considerado um dos mais importantes, pois dados da literatura demonstram que o risco é maior se existir alergia em membros da família. Risco de desenvolvimento de alergia em pacientes com parentes com antecedentes alérgicos Nenhum membro da família com alergia 5 a 15 % Irmão alérgico 25 a 35% Pai ou mãe alérgico 20 a 40 % Pai e mãe alérgicos 40 a 60 % Pais alérgicos apresentando os mesmos sintomas 50 a 70% Alguns indivíduos, quando expostos a determinados antígenos, acabam produzindo anticorpos da classe IgE, que se ligam a receptores específicos na superfície de mastócitos e basófilos. Quando expostos aos mesmos antígenos, ocorre uma rápida liberação na superfície de mediadores intracelulares que causam aumento de permeabilidade vascular, vasodilatação, contração de musculatura lisa visceral e dos brônquios e inflamação local. Essa reação é denominada hipersensibilidade imediata. Indivíduos propensos a desenvolver reações de hipersensibilidade imediata são chamados de atópicos ou alérgicos, podendo manifestar diferentes sintomas clínicos, entre eles rinites, conjuntivites, asma, eczema, urticária, cólicas abdominais ou diarréia e, em raros casos, o choque anafilático. Diagnóstico de alergia

2 O diagnóstico de alergia nem sempre é fácil, pois os sintomas alérgicos variam nas suas manifestações e gravidade, de acordo com o órgão ou aparelho envolvido. Para confirmar ou eliminar um quadro alérgico, algumas premissas devem ser seguidas, principalmente para que não sejam solicitados exames desnecessários. Premissas 1 Obter uma história minuciosa e exame físico do paciente com antecedentes dos pais e irmãos, para saber se apresentam predisposição a uma ou mais doenças causadas por alergia; 2 Dosagem de IgE que, quando negativa, afasta a hipótese de alergia; 3 Se a IgE for positiva, o passo seguinte é identificar o alérgeno a partir dos dados obtidos na história do paciente, de seus hábitos de vida e das manifestações clínicas, que podem variar dependendo da faixa etária, para poder orientar a pesquisa de anticorpos específicos (RAST), quer seja contra um painel de alérgenos ou contra um único alérgeno. Entre 0 a 1 ano: Predominam manifestações gastrointestinais decorrentes freqüentemente da introdução do leite de vaca (f2) e derivados (f76,f77,f78), clara de ovo (f1), soja(f14), trigo (f4), amendoim e derivados (f13). O painel do RAST Phadiatop Infant é o teste mais indicado como triagem pois, além dos alérgenos acima citados, estão incorporando os alérgenos respiratórios. As manifestações cutâneas (dermatite atópica ou eczema) podem ser decorrentes da introdução dos alimentos citados acima e da exposição a fungos (mxi, mi, m3, m5), ácaros (hx2) e epitélio de animais (exi, ei, e2 e 3). As manifestações respiratórias são raras podendo se tornar mais freqüentes ao final do primeiro ano de vida, sendo os alérgenos inalados os principais responsáveis pelos sintomas e pelas crises de asma. Porém, alimentos não podem ser totalmente excluídos. Phadiatop Infant é o RAST mais indicado. Entre 1 a 3 anos: Predominam as manifestações cutâneas (urticária ou eczema persistente). O detalhamento histórico da alimentação diária da criança torna-se muito importante para orientar, de forma mais precisa, a solicitação do RAST. O painel fx5 é recomendado por conter os alérgenos

3 alimentares mais comuns, e RAST específico é indicado quando existe forte suspeita de um alérgeno alimentar dentro da dieta. As manifestações gastrointestinais, entre elas dor de estômago, vômito ou diarréia, podem ser causadas pela ingestão de clara de ovo (f1), trigo (f4), soja (f14), amendoim (f13), castanha (f202), nozes (f256), avelã (f17), chocolate (f93), frutas cítricas (f208,f31) e, mais raramente, pelo leite de vaca (f2). Dentro das manifestações respiratórias em crianças com asma, a pesquisa de alergia do trato respiratório deve estar sempre presente. É sugerida como triagem para este fim a solicitação do RAST Phadiatop Infant, pois nele estão incluídos os alimentos do painel fx5 e os principais alérgenos respiratórios. Se o Phadiatop Infant for positivo, deve-se procurar dentro dos constituintes desse teste o alérgeno mais provável, obtido pelos antecedentes de cada paciente, e então solicitar o RAST específico. Entre 3 a 7 anos: As manifestações respiratórias predominam. Cerca de 80% das crianças começam a desenvolver sintomas de asma nesse período. Inalantes alergênicos são as principais causas que desencadeiam as crises de asma, embora alérgenos alimentares não possam ser descartados. Para triagem, é indicada a solicitação de painel para alérgenos respiratórios (Phadiatop) e se, positivo, procurar identificar o alérgeno pelo RAST específico. As manifestações gastrointestinais podem ser desencadeadas por diferentes alimentos, mais comumente por aquele que o paciente (ou familiar) já tem conhecimento de alergia no passado. As manifestações cutâneas que se iniciaram na infância podem ser responsáveis por lesões recorrentes. Os antecedentes históricos podem orientar a solicitação correta do RAST. Entre 7 e 15 anos: Rinite é a principal manifestação de fundo alérgico. Polens são considerados os principais alergênicos transportados pelo ar no ambiente externo. Poeira domiciliar (hx2), ácaros (hx2,di, d2, Rd201), fungos (mxi,mi,m3,m5), epitélio de cão e gato (e!,e2) e antígenos da

4 barata (i6) são os principais agentes inalados encontrados nas residências. Alérgenos alimentares devem ser investigados quando os alergêncios inalantes são eliminados da lista de agentes causadores. Crises de asma são freqüentes em pacientes nessa faixa etária e desencadeados principalmente pelos mesmos alérgenos responsáveis pelas formas clínicas de rinite alérgica. Manifestações Gastrointestinais são freqüentemente observadas em indivíduos nessa faixa etária, decorrentes da ingestão de determinados alimentos, sendo que clara de ovo (f1), proteínas de soja (f14), peixes e crustáceos (f80, f3, f24, f207) e amendoim (f13) são os mais comumente citados como agentes desencadeantes dos sintomas alérgicos. Adultos: As manifestações alérgicas podem ser gastrointestinais, respiratórias ou cutâneas, dependendo do estímulo alergênico. Alérgenos inalados são freqüentemente responsáveis pelos sintomas das vias respiratórias, enquanto alimentos são responsáveis pelos sintomas gastrointestinais e cutâneos. Nem sempre é fácil identificar a substância alergênica ou mesmo concluir que as manifestações e sintomas tenham outras causas e origens, não sendo mediadas imunologicamente. Por essa razão, existe a necessidade do paciente colaborar fazendo um diário de suas atividades, para que o clínico possa orientar seu raciocínio diagnóstico. Questões freqüentes sobre testes alérgicos 1 - O RAST é mais específico e sensível que o teste cutâneo (Prick Test), para o diagnóstico de alergia? O teste cutâneo ainda é considerado como padrão-ouro, mas dados da literatura mostram uma concordância excelente entre ambos os testes. A vantagem da técnica do RAST é que,com uma única amostra de sangue, pode ser feita, além da pesquisa da IgE total, a pesquisa de anticorpos específicos contra diferentes painéis de alérgenos ou isoladamente para diferentes alérgenos, além de não ser afetada pelo uso de anti-histamínica. O RAST é indicado em pacientes com eczema ou dermatite atópica, em razão das lesões cutâneas prejudicarem a leitura dos testes cutâneos. 2 - Existe a necessidade de ser solicitada a dosagem da IgE total?

5 Não. Se o clínico tem fortes suspeitas de qual é o aleérgeno responsável pela manifestação clínica, ele pode solicitar somente uma dosagem de IgE específica (RAST) para o alérgeno em questão. A dosagem de IgE total pode ser útil para triagem de doença alérgica, pois uma dosagem negativa elimina a possibilidade de alergia. Existe uma forte correlação entre IgE total positiva e alergia. As únicas exceções são algumas parasitoses que apresentam níveis elevados de IgE total, sem que o paciente apresente qualquer sintoma de alergia. 3 - Existe RAST falso-positivo? Sim. É muito raro e decorre da reatividade cruzada entre carboidratos existentes em alguma estruturas celulares e alguns alimentos que podem ocasionar RAST positivos ou entre glicoproteínas existentes também no pólen de grama, látex e frutas, mas as dosagens apresentam sempre baixa concentração. 4 - Existe reação cruzada entre os diferentes alérgenos? Sim. São mais freqüentes do que suspeitamos e a reatividade pode ser contra múltiplos alérgenos. Como por exemplo, podemos citar a reatividade cruzada que ocorre entre tropomiosina da barata e antígenos de ácaros, epitélio de cão, gato, caranguejo e camarão. Inúmeras outras reatividades cruzadas são descritas. 5 - Existe RAST para drogas ou medicamentos? Apesar da grande freqüência de reações de hipersensibilidade ou alergia a diferentes medicamentos, os únicos testes de RAST disponíveis no mercado são para penicilina e a amoxicilina. 6 - Qual a explicação para um RAST negativo para o painel hx2 quiando existem fortes evidências que as manifestações de alergia respiratória são causadas por ácaros? O reagente (painel hx2) que utilizamos é produzido na Suécia plea Pharmacia e lees não incluem, na sua formulação, antígeno de Blomia tropicalis, que é um ácaro só encontrado em países tropicais. É relatado com muita freqüência, em nosso meio, RAST negativo contra o painel hx2 ou contra os alérgenos isolados que fazem parte dele, e ao RAST positivo para Blomia.

Provas. Diagnóstico. em Alergia

Provas. Diagnóstico. em Alergia Provas Diagnósticas em Alergia Autor: Dr. Fabiano Brito Médico Reumatologista Assessoria Científica As doenças alérgicas se manifestam como um espectro de sintomas que podem envolver respostas respiratórias

Leia mais

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra

APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas. Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra APLV - O que é a Alergia à Proteína do Leite de Vaca: características, sinais e sintomas Dra. Juliana Praça Valente Gastropediatra Reações Adversas a Alimentos Imunomediadas: Alergia alimentar IgE mediada

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA QUESTÃO 21 Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: a) não há estudos sistematizados que avaliem a

Leia mais

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica

Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Imunologia Clínica e Esofagite Eosinofílica Qual o mecanismo fisiopatológico da doença? A esofagite eosinofílica ( EE) está relacionada ao aumento da sensibilidade alérgica? Qual a conexão entre alergia

Leia mais

[Título do documento]

[Título do documento] [Título do documento] [Escrever o subtítulo do documento] Franklim Fernandes [Escolher a data] ALERGIA ALIMENTAR, ALIMENTOS COM PERIGOS 2 Conteúdo ALERGIA ALIMENTAR, ALIMENTOS COM PERIGOS... 3 O que é

Leia mais

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL

DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL DESORDENS ALIMENTARES: PANORÂMA GERAL 1 de 5 O trato gastrintestinal (TGI) tem a função principal de absorver os nutrientes necessários ao organismo e eliminar os dejetos. O TGI é também uma parte fundamental

Leia mais

HIPERSENSIBILIDADE. Acadêmicos: Emanuelle de Moura Santos Érica Silva de Oliveira Mércio Rocha

HIPERSENSIBILIDADE. Acadêmicos: Emanuelle de Moura Santos Érica Silva de Oliveira Mércio Rocha HIPERSENSIBILIDADE Acadêmicos: Emanuelle de Moura Santos Érica Silva de Oliveira Mércio Rocha CONCEITO São desordens que tem origem em uma resposta imune que se torna exagerada ou inapropriada, e que ocasiona

Leia mais

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes

Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Hipersensibilidades e Alergias e doenças autoimunes Reações de hipersensibilidade são mediadas por mecanismos imunológicos que lesam os tecidos. Tipos de doenças mediadas por anticorpos Dano causado por

Leia mais

CASO CLÍNICO ASMA - PUC - PR - SPP

CASO CLÍNICO ASMA - PUC - PR - SPP CASO CLÍNICO ASMA Dra. Adriana Vidal Schmidt Serviço de Alergia e Imunologia Hospital Universitário Cajurú - PUC - PR Departamento Científico de Alergia - SPP CASO CLÍNICO J. S. M, fem., 3a, procedente

Leia mais

SABER MAIS SOBRE ALERGIA OCULAR

SABER MAIS SOBRE ALERGIA OCULAR SABER MAIS SOBRE ALERGIA OCULAR FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 ALERGIA OCULAR O que é a alergia ocular? A alergia

Leia mais

Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas

Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas Dra.Clarice Luz Imunologista CRBio 00478-03 PhD.Ms. Gerontologia Biomédica Responsável Técnica e Científica Labvitrus Analises e Pesquisas Clinicas Dr. Jose Irineu Golbspan Medico Nutrólogo CREMESP 80591

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Avaliação clínico-laboratorial do paciente alérgico RAST Silvia Daher Apoio: Phadia Diagnósticos Ltda HISTÓRIA TESTE CUTÂNEO RAST SD Diagnóstico de

Leia mais

conhecer e prevenir ASMA

conhecer e prevenir ASMA conhecer e prevenir ASMA 2013 Diretoria Executiva Diretor-Presidente: Cassimiro Pinheiro Borges Diretor Financeiro: Eduardo Inácio da Silva Diretor de Administração: André Luiz de Araújo Crespo Diretor

Leia mais

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico

Alergia à proteína do leite de vaca: abordagem bibliográfica de causas, fatores de risco e diagnóstico VII Simpósio de Tecnologia e Engenharia de Alimentos e VI Encontro Paranaense de Engenharia de Alimentos UTFPR, Campo Mourão, PR, Brasil 13 a 16 de setembro de 2016 Alergia à proteína do leite de vaca:

Leia mais

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES

DÚVIDAS E PERGUNTAS FREQUENTES 1. Qual idade mínima para fazer o teste? 2 2. O teste me ajuda a emagrecer? 2 3. Qual o prazo de validade do produto? 2 4. Quanto tempo leva para realizar o teste? 2 5. O teste identifica Intolerância

Leia mais

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE HISTÓRIA CLÍNICA PARA INVESTIGAÇÃO DE URTICÁRIA DATA / / NOME GÊNERO IDADE ESTADO CIVIL RAÇA ENDEREÇO TELEFONE PROFISSÃO 1. ANTECEDENTES A) história familiar: Urticária angioedema Doenças da tireóide Asma,

Leia mais

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016

ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ALERGÊNICOS Novas regras para rotulagem de alergênicos passam a vigorar no país a partir de 03/07/2016 ATENÇÃO: Durante a fase de transição, você poderá encontrar rótulos ainda sem a frase de alergênicos

Leia mais

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br

Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar: eles são preocupantes? Flavio Finardi Filho FCF USP ffinardi@usp.br Alérgenos de origem alimentar Características gerais glicoproteínas resistência térmica resistente à proteólise

Leia mais

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil.

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Aula 3 Base racional da portaria 29 de 17/12/2013 SVS/MS A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Ao se elaborar uma portaria para normatizar

Leia mais

Nomenclatura botânica oficial: Hedera helix - Hera Família: Araliaceae Parte da planta utilizada: Folha FORMA FARMACÊUTICA

Nomenclatura botânica oficial: Hedera helix - Hera Família: Araliaceae Parte da planta utilizada: Folha FORMA FARMACÊUTICA ARLIVRY Extrato seco de folhas de Hedera helix - Araliaceae - Hera MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Nomenclatura botânica oficial: Hedera helix - Hera Família: Araliaceae Parte da planta utilizada: Folha FORMA

Leia mais

VIII - Doenças alérgicas

VIII - Doenças alérgicas VIII - Doenças alérgicas Douglas A. Rodrigues Jane Tomimori Marcos C. Floriano Sofia Mendonça SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros RODRIGUES, DA., et al. Atlas de dermatologia em povos indígenas

Leia mais

[DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP]

[DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP] www.drapriscilaalves.com.br [DERMATITE ALÉRGICA A PICADA DE PULGAS - DAPP] 2 É considerada a doença alérgica mais comum na rotina dermatológica, podendo corresponder a até 90% dos casos nos pacientes felinos

Leia mais

TESTE DE INTOLERÂNCIA ALIMENTAR DIETA MEDITERRÂNICA

TESTE DE INTOLERÂNCIA ALIMENTAR DIETA MEDITERRÂNICA TESTE DE INTOLERÂNCIA ALIMENTAR DIETA MEDITERRÂNICA PONTOS-CHAVE Permite determinar a presença e os níveis de anticorpos IgG a mais de 200 alimentos. A análise é realizada em duplicado a cada um dos alimentos,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 26, DE 02 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

Respostas. Utilize o verso se necessário

Respostas. Utilize o verso se necessário 01 Um lactente apresentou lesões eritemato-pápulo-vesico-crostosas na face, acometendo, principalmente, as regiões malares, no terceiro mês de vida. Após corticoterapia tópica, houve involução dessas lesões.

Leia mais

SISTEMA IMUNITÁRIO ou IMUNOLÓGICO. O sangue e as defesas corporais

SISTEMA IMUNITÁRIO ou IMUNOLÓGICO. O sangue e as defesas corporais SISTEMA IMUNITÁRIO ou IMUNOLÓGICO O sangue e as defesas corporais INTRODUÇÃO Promove o combate a microrganismos invasores e a limpeza do organismo (retirada de células mortas e de células alteradas) Altamente

Leia mais

Região FC especifica Ligação com os leucócitos

Região FC especifica Ligação com os leucócitos Anticorpos Porção FAB se liga ao antígeno (variável) Cadeia Leve Região FC especifica Ligação com os leucócitos Cadeia Pesada Anticorpos apresentam 3 modos de ação: 1- Opsonização: marcação do antigeno.

Leia mais

CLORIDRATO DE BROMEXINA

CLORIDRATO DE BROMEXINA CLORIDRATO DE BROMEXINA Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope infantil 4mg/5mL Xarope adulto 8mg/5mL Você não deve usar o cloridrato de bromexina se tiver alergia a bromexina (substância ativa) ou

Leia mais

Asma Brônquica. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Especialização Urgência e Emergência

Asma Brônquica. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Especialização Urgência e Emergência Asma Brônquica Profº. Enfº Diógenes Trevizan Especialização Urgência e Emergência Conceito: Doença caracterizada por ataques agudos e recorrentes de dispnéia, tosse e expectoração tipo mucóide. A falta

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 06 - julho/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma

Leia mais

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales

GIARDÍASE. Profª Drª Iana Rafaela F. Sales GIARDÍASE Profª Drª Iana Rafaela F. Sales ianarafaela@gmail.com INTRODUÇÃO PRIMEIRO PROTOZOÁRIO INTESTINAL HUMANO A SER CONHECIDO Animalúnculos móveis em suas próprias fezes (1681) INTRODUÇÃO MORFOLOGIA

Leia mais

Nome do medicamento: LUFTAL MAX. Forma farmacêutica: cápsulas. Concentrações: 125 mg

Nome do medicamento: LUFTAL MAX. Forma farmacêutica: cápsulas. Concentrações: 125 mg Nome do medicamento: LUFTAL MAX Forma farmacêutica: cápsulas Concentrações: 125 mg APRESENTAÇÕES Cápsulas gelatinosas de 125 mg em embalagem com 10 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula

Leia mais

TECIDO SANGUÍNEO Livro 4 Frente A Pág 22

TECIDO SANGUÍNEO Livro 4 Frente A Pág 22 1) FUNÇÕES ØTransporte (gases, nutrientes, hormônios e excretas); ØDefesa do organismo; ØManutenção da temperatura corpórea; TECIDO SANGUÍNEO Livro 4 Frente A Pág 22 2) ORIGEM 2) ORIGEM Ø O processo de

Leia mais

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90

- Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 INTRODUÇÃO - Descrito na década de 70, mas com aumento constante na incidência desde os anos 90 - Caracterizada pela infiltração de eosinófilos na mucosa esofágica - Pode ser isolada ou como manifestação

Leia mais

LUVAS CATÁLOGO 2017 LINHA DESCARTÁVEIS SPUR LINE. spur-solutions.com -

LUVAS CATÁLOGO 2017 LINHA DESCARTÁVEIS SPUR LINE. spur-solutions.com - LINHA DESCARTÁVEIS SPUR LINE INDÚSTRIA ALIMENTAR, COSMÉTICA, DENTÁRIA, FARMACÊUTICA, HOSPITAIS, VETERINÁRIOS, LABORATÓRIOS LUVAS CATÁLOGO 2017 A EMPRESA SPUR SOLUTIONS é uma empresa jovem e dinâmica que

Leia mais

Quando você precisar, nós estaremos lá.

Quando você precisar, nós estaremos lá. DIA DO COMBATE AO COLESTEROL COLESTEROL, NOÇÕES IMPORTANTES. O controle do colesterol faz parte de um estilo de vida saudável, que inclui atividade física regular, controle do peso, do estresse e parar

Leia mais

As funções das proteínas no organismo :

As funções das proteínas no organismo : PROTEINAS As funções das proteínas no organismo : As principais funções das proteínas - Construção de novos tecidos do corpo humano. - Atuam no transporte de substâncias como, por exemplo, o oxigênio.

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g

PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g PROMERGAN (prometazina) BELFAR LTDA. Creme dermatológico 20 mg/g PROMERGAN Prometazina APRESENTAÇÃO Creme 20 mg/g, bisnaga de 30 g. USO TÓPICO. USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 2 ANOS. COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA

ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA ALERGIA ALIMENTAR: UMA VISÃO PANORÂMICA No dia-a-dia de um consultório de alergia é muito comum o cliente chegar achando que seu problema alérgico está relacionado à alergia alimentar, principalmente quando

Leia mais

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH

PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH PROTOCOLO DE NORMATIZAÇÃO DA DISPENSAÇÃO DE FÓRMULAS ESPECIAIS PARA CRIANÇAS COM ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA NA REDE SUS-BH Este protocolo tem o objetivo de estabelecer diretrizes para dispensação

Leia mais

Doenças da modernidade

Doenças da modernidade Agosto/2016 DESMITIFICANDO AS DIETAS DA MODA Pág. 6 Doenças da modernidade Pág. 3 Alergia x Intolerância Pág. 4 EDITORIAL Chegamos ao nosso terceiro número, e esperamos colaborar mais uma vez com a disseminação

Leia mais

TRATAMENTO ANTIALÉRGICO O tratamento antialérgico envolve várias fases que devem ser conhecidas para otimizar o tratamento:

TRATAMENTO ANTIALÉRGICO O tratamento antialérgico envolve várias fases que devem ser conhecidas para otimizar o tratamento: PLANEJAMENTO PARA TRATAMENTO DA RINITE ALÉRGICA As alergias do trato respiratório são cada vez mais freqüentes. Em média 10% dos brasileiros sofrem de alergias, número que chega a 15% entre crianças e

Leia mais

SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE

SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE SABER MAIS SOBRE DEGENERESCÊNCIA MACULAR RELACIONADA COM A IDADE FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 DEGENERESCÊNCIA

Leia mais

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity)

(Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TIPO IV (Reações de hipersensibilidade mediadas por células ou reações de hipersensibilidade tardia- DTH, Delayed-type hypersensitivity) REAÇÕES DE HIPERSENSIBILIDADE TARDIA

Leia mais

Urticaria 17/06/2013. São substâncias que atuam em. processos fisiológicos e patológicos. patológicos: processos alérgicos e processos inflamatórios

Urticaria 17/06/2013. São substâncias que atuam em. processos fisiológicos e patológicos. patológicos: processos alérgicos e processos inflamatórios Autacóides Auto: próprio Autacóides Akos: remédio São substâncias que atuam em Prof. Herval de Lacerda Bonfante processos fisiológicos e patológicos Autacóides Urticaria patológicos: processos alérgicos

Leia mais

ALERGIA ALIMENTAR. As alergias alimentares são designadas por reações de hipersensibilidade",

ALERGIA ALIMENTAR. As alergias alimentares são designadas por reações de hipersensibilidade, Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira ALERGIA ALIMENTAR Causará provavelmente surpresa saber que as verdadeiras alergias alimentares são

Leia mais

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain 67 4.2 Estudo II Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain Enquanto anticorpos anti-t. gondii são

Leia mais

Listagem de. Principais Alérgenos

Listagem de. Principais Alérgenos Listagem de Principais Alérgenos PRINCIPAIS ALÉRGENOS GRUPOS DE TRIAGEM ÁCAROS E PÓ DOMÉSTICO Poeira doméstica (Hollister-Stier Labs. - Dermatophagoides pteronyssinus -Dermatophagoides farinae - Blatella

Leia mais

Zika vírus. Confira todos os sintomas para saber se está com Zika vírus

Zika vírus. Confira todos os sintomas para saber se está com Zika vírus Zika vírus Os sintomas da Zika incluem febre baixa, dor nos músculos e articulações, além de vermelhidão nos olhos e manchas vermelhas na pele. A doença é transmitida pelo mesmo mosquito da dengue, e os

Leia mais

A Rinite Alérgica e suas problemáticas

A Rinite Alérgica e suas problemáticas PREFEITURA DE SÃO PAULO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO COORDENADORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO CS EMEF VARGEM GRANDE TCA - Trabalho Colaborativo de Autoria A Rinite Alérgica e suas problemáticas Orientadores:

Leia mais

Grãos de Pólen P alergógenos genos no mês de setembro, Canoas, RS. Sabrina Castelo Branco Fuchs Soraia Girardi Bauermann (orientadora)

Grãos de Pólen P alergógenos genos no mês de setembro, Canoas, RS. Sabrina Castelo Branco Fuchs Soraia Girardi Bauermann (orientadora) Grãos de Pólen P alergógenos genos no mês de setembro, Canoas, RS Sabrina Castelo Branco Fuchs Soraia Girardi Bauermann (orientadora) TCC I dezembro 27 Fonte: Inside Midia, 25 INTRODUÇÃO O termo alergia

Leia mais

Resposta cutânea a alérgenos ambientais em indivíduos atendidos em serviço de pneumologia, Maringá, Estado do Paraná, Brasil

Resposta cutânea a alérgenos ambientais em indivíduos atendidos em serviço de pneumologia, Maringá, Estado do Paraná, Brasil Acta Scientiarum http://www.uem.br/acta ISSN printed: 1679-9291 ISSN on-line: 1807-8648 Doi: 10.4025/actascihealthsci.v34i1.7920 Resposta cutânea a alérgenos ambientais em indivíduos atendidos em serviço

Leia mais

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus

Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Métodos de Pesquisa e Diagnóstico dos Vírus Estratégias Isolamento em sistemas vivos Pesquisa de antígeno viral Pesquisa de anticorpos Pesquisa do ácido nucléico viral (DNA ou RNA) Pré requisitos para

Leia mais

ALERGIA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR. Laíse Souza. Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO

ALERGIA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR. Laíse Souza. Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO ALERGIA X INTOLERÂNCIA ALIMENTAR Laíse Souza Mestranda Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição PPGAN / UNIRIO COMO DIFERENCIAR A ALERGIA ALIMENTAR DA INTOLERÂNCIA ALIMENTAR?! ALERGIA ALIMENTAR

Leia mais

O importante é ter saúde sempre!

O importante é ter saúde sempre! O importante é ter saúde sempre! MEDICAMENTOS GENÉRICOS Bromoprida está indicada para alívio dos distúrbios da motilidade gastrintestinal, situações de refluxo gastroesofágico, náuseas, vômitos e para

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite Idiopática Juvenil Versão de 2016 2. DIFERENTES TIPOS DE AIJ 2.1 Existem tipos diferentes da doença? Existem várias formas de AIJ. Distinguem-se principalmente

Leia mais

O que é e para que serve a Próstata

O que é e para que serve a Próstata O que é e para que serve a Próstata A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho genital masculino. Está localizada abaixo da bexiga, atravessada pela uretra. Seu tamanho e forma correspondem a

Leia mais

ZINCO. Papel no organismo

ZINCO. Papel no organismo ZINCO Ter uma alimentação rica em minerais é essencial para manter a saúde em dia. Mas, entre tantos nutrientes, um deles assume papel de destaque: o zinco. "Esse mineral é essencial para que nosso corpo

Leia mais

Fundamentos de Saúde. SISTEMAS DO CORPO HUMANO imunológico

Fundamentos de Saúde. SISTEMAS DO CORPO HUMANO imunológico Fundamentos de Saúde 1º bimestre/2012 SISTEMAS DO CORPO HUMANO imunológico Escola Técnica - MÚLTIPLA Os historiadores indicam Thucidides, em Atenas, durante o quinto século antes de Cristo, como o primeiro

Leia mais

Alimentos. O que é? Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia alimentar. IgE Específico

Alimentos. O que é? Papel da IgE sérica específica no diagnóstico da alergia alimentar. IgE Específico IgE Específico Alimentos O que é? IgEs específicos para alimentos são testes que avaliam a presença, na amostra testada, de anticorpos IgE contra alérgenos derivados de um alimento específico. Papel da

Leia mais

Anexo III. Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo

Anexo III. Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo Anexo III Alterações nas secções relevantes do resumo das caraterísticas do medicamento e do folheto informativo Nota: As alterações ao Resumo das Características do Medicamento e ao Folheto Informativo

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07. Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 223 DOE de 28/11/07 Saúde GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução

Leia mais

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3

TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 TRATAMENTO DE ALERGIA RESPIRATÓRIA 2/3 SISTEMA IMUNE E ALERGIA Por alergia, entendem-se as repostas imunes indesejadas contra substâncias que venceram as barreiras como, os epitélios, as mucosas e as enzimas.

Leia mais

Tipos de Asma - Fatores de Risco para o. Desenvolvimento ou Exacerbação da Asma

Tipos de Asma - Fatores de Risco para o. Desenvolvimento ou Exacerbação da Asma Tipos de Asma - Fatores de Risco para o Desenvolvimento ou Exacerbação da Asma O TIPOS DE ASMA CLASSIFICAÇÃO o ALÉRGENOS COMO CAUSA DE ASMA SAZONAL E PERENE. o ASMA POR SULFITOS. o POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA

Leia mais

Dermatite de Contato. Tipos de Dermatite de Contato: Causada por Irritantes

Dermatite de Contato. Tipos de Dermatite de Contato: Causada por Irritantes Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Dermatite de Contato O QUE É? A Dermatite de Contato é uma doença bastante comum, afetando a pele

Leia mais

Cartão de alerta do paciente em uso de tocilizumabe 1

Cartão de alerta do paciente em uso de tocilizumabe 1 Cartão de alerta do paciente em uso de tocilizumabe 1 Este cartão de alerta do paciente contém informações de segurança importantes das quais pacientes e seus cuidadores precisam estar cientes antes, durante

Leia mais

RUA H, N 0 02, GALPÃO III - SANTO ANTONIO DE JESUS - BA CEP CNPJ: / FONE: (0XX)

RUA H, N 0 02, GALPÃO III - SANTO ANTONIO DE JESUS - BA CEP CNPJ: / FONE: (0XX) VITER C ácido ascórbico APRESENTAÇÃO Linha Farma: Cartucho contendo frasco com 20 ml. FORMA FARMACÊUTICA Solução oral USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml da solução oral contém: Ácido Ascórbico...200

Leia mais

Imunologia. Células do Sistema Imune. Professora Melissa Kayser

Imunologia. Células do Sistema Imune. Professora Melissa Kayser Imunologia Células do Sistema Imune Professora Melissa Kayser Composição do sangue Origem Origem Células sanguíneas Hematoxilina: Corante básico. Eosina: Corante ácido. Células do sistema imune Leucograma

Leia mais

Expansão clonal de Linfócitos T Helper

Expansão clonal de Linfócitos T Helper Expansão clonal de Linfócitos T Helper Ativação dos linfócitos T Entrada do antígeno no organismo Captura do antígeno pelas células dendríticas Migração da célula dendrítica para gânglio linfático ou baço

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS ICB/USP Departamento de Imunologia Laboratório de Imunologia Humana

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS ICB/USP Departamento de Imunologia Laboratório de Imunologia Humana UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS ICB/USP Departamento de Imunologia Laboratório de Imunologia Humana ICB/USP Protocolo de investigação de defeitos no burst oxidativo método de

Leia mais

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor.

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor. Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor Componentes: Vasos sanguíneos, Coração, Sangue http://www.afh.bio.br/cardio/cardio3.asp

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 386/2013. Assunto: NUTRISON SOYA NATS GL. Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora SOLICITANTE

RESPOSTA RÁPIDA 386/2013. Assunto: NUTRISON SOYA NATS GL. Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora SOLICITANTE RESPOSTA RÁPIDA 386/2013 Assunto: NUTRISON SOYA SOLICITANTE Dra.Sabrina Cunha Peixoto Ladeira Juiza de Direito da comarca de Pirapora NÚMERO DO PROCESSO 13 008656-8 DATA 26/11/2013 SOLICITAÇÃO Para fins

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO - HCFMRP-USP

RESIDÊNCIA MÉDICA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO - HCFMRP-USP ALERGIA E IMUNOLOGIA 1 RESIDÊNCIA MÉDICA EM ALERGIA E IMUNOLOGIA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DE RIBEIRÃO PRETO - HCFMRP-USP Prof. Dra. L. Karla Arruda Dra. Janaina M. Lima Melo Dra.

Leia mais

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA

ALERGIA OU INTOLERÂNCIA ALIMENTAR NA ESCOLA É responsabilidade da família: Ensinar a criança a assumir progressivamente responsabilidades sobre o cuidado de si mesma. Informar ã escola sobre alergias e intolerâncias alimentares, o tipo de dieta

Leia mais

Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV

Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV Alergia alimentar: Desafios do diagnóstico e tratamento da APLV de Brasília Dra. Elisa de Carvalho Gastroenterologista Pediátrica Hospital de Base do Distrito Federal Hospital da Criança de Brasília Caso

Leia mais

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h.

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h. Carteira de Carteira de VETPRADO Hospital Veterinário 24h www.vetprado.com.br Esquema de VacinaçãoGatos V5 Panleucopenia - Rinotraqueíte - Calicivirose Clamidiose - Leucemia Felina 90Dias 111Dias Raiva

Leia mais

ÁCARO BICHINHO TENAZ! HÁBITOS ALIMENTARES. Pode chegar a mm de tamanho. É um aracnídeo com tempo de vida de 2 a 4 meses

ÁCARO BICHINHO TENAZ! HÁBITOS ALIMENTARES. Pode chegar a mm de tamanho. É um aracnídeo com tempo de vida de 2 a 4 meses ÁCARO CARACTERÍSTICAS DO ÁCARO Pode chegar a 0.2-0.33 0.33 mm de tamanho São visíveis veis a microscópio É um aracnídeo com tempo de vida de 2 a 4 meses 18 000 ácaros podem viver em um grama de poeira

Leia mais

Alergia e Emoções. Existem 4 tipos básicos de reações alérgicas ou mecanismos imunológicos causadores de hipersensibilidade e doença:

Alergia e Emoções. Existem 4 tipos básicos de reações alérgicas ou mecanismos imunológicos causadores de hipersensibilidade e doença: Alergia e Emoções Alergia é a intolerância do Sujeito ao Objeto, ou a algum Objeto, ou da pessoa para com determinados produtos físicos, químicos ou biológicos, aos quais ela reage de forma exagerada.

Leia mais

Diagnosis and treatment of asthma in childhood: a PRACTALL consensus report. Allergy Global Initiative for Asthma

Diagnosis and treatment of asthma in childhood: a PRACTALL consensus report. Allergy Global Initiative for Asthma Asma Diagnosis and treatment of asthma in childhood: a PRACTALL consensus report. Allergy 2008 Global Initiative for Asthma 2010. www.ginasthma.org Mónica Oliva 4 Novembro 2010 CS Norton Matos, 11 Maio

Leia mais

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b à hipertensão arterial Construindo Estratégias e Avaliando a Implementação de Diretrizes Clínicas no SUS Edital 37/2004 CNPq ENSP/FIOCRUZ

Leia mais

APRESENTAÇÃO - LUFTAL

APRESENTAÇÃO - LUFTAL LUFTAL BULA PARA O PACIENTE LUFTAL comprimidos e gotas LUFTAL simeticona ATENÇÃO: O NOME DA SUBSTÂNCIA ATIVA DE LUFTAL FOI MODIFICADO DE DIMETICONA PARA SIMETICONA. A QUALIDADE, SEGURANÇA E EFICÁCIA DO

Leia mais

ALERGIAS NA INFÂNCIA

ALERGIAS NA INFÂNCIA ALERGIAS NA INFÂNCIA Tema: Alergias na Infância Objetivos Conceituar alergia, classificar os principais tipos e indutores das doenças alérgicas. Identificar e relacionar os fatores de risco associados

Leia mais

PARECER Nº, DE Relator: Senador DALIRIO BEBER I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE Relator: Senador DALIRIO BEBER I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Substitutivo da Câmara dos Deputados nº 1, de 2016, ao Projeto de Lei do Senado nº 260, de 2013, que acrescenta art. 19-A ao Decreto-Lei nº

Leia mais

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE?

INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? INTOLERÂNCIA À LACTOSE OU ALERGIA A PROTEÍNA DO LEITE? É importante estabelecer a diferença entre intolerância, alergia e sensibilidade, pois suas consequências podem ir de um mal-estar ao risco de vida.

Leia mais

A fase inicial do câncer de próstata apresenta uma evolução silenciosa e não causa sintomas, mas alguns sinais merecem atenção:

A fase inicial do câncer de próstata apresenta uma evolução silenciosa e não causa sintomas, mas alguns sinais merecem atenção: Novembro Azul O movimento mundialmente conhecido como Novembro Azul ou Movember visa conscientizar os homens sobre a importância da prevenção do câncer de próstata e tem o bigode como símbolo adotado para

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. FEBRE TIFOIDE CID 10: A 01.0 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO É

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona

RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona RESPOSTA RÁPIDA 44/2014 Informações sobre carbamazepina, Gardenal,Rivotril e Risperidona SOLICITANTE Drª Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Juíza de Direito do Juizado Especial -Pirapora NÚMERO DO PROCESSO

Leia mais

Gene tica. O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as futuras gerações. Genética Clássica -> Mendel(1856)

Gene tica. O que é genética? É o estudo dos genes e de sua transmissão para as futuras gerações. Genética Clássica -> Mendel(1856) Gene tica Conceitos básicos Na semente estão contidas todas as partes do corpo do homem que serão formadas. A criança que se desenvolve no útero da mãe tem as raízes da barba e do cabelo que nascerão um

Leia mais

PROAC / COSEAC - Gabarito. 1 a Questão: (1,0 ponto) 2 a Questão: (1,0 ponto)

PROAC / COSEAC - Gabarito. 1 a Questão: (1,0 ponto) 2 a Questão: (1,0 ponto) 1 a Questão: (1,0 ponto) Através de uma associação natural entre bactérias e plantas leguminosas, os cientistas estão desenvolvendo mudas de plantas mais resistentes às condições adversas causadas pelo

Leia mais

Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD)

Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD) Versão de 2016 1. O QUE É A MKD 1.1 O que é? A deficiência de mevalonato quinase é uma doença

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO. Cada ml da solução contém 3,25mg de fluoreto de sódio (equivalente a 0,05mg de ião fluoreto/gota).

FOLHETO INFORMATIVO. Cada ml da solução contém 3,25mg de fluoreto de sódio (equivalente a 0,05mg de ião fluoreto/gota). FOLHETO INFORMATIVO FLÚOR LACER 3.25 mg/ml Gotas orais, solução (Fluoreto de Sódio) COMPOSIÇÃO Cada ml da solução contém 3,25mg de fluoreto de sódio (equivalente a 0,05mg de ião fluoreto/gota). 1 ml =

Leia mais

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016.

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016. RESSALVA Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP CÂMPUS DE JABOTICABAL CARACTERIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

Folheto sobre Stelara (ustecinumab) para o Doente

Folheto sobre Stelara (ustecinumab) para o Doente Folheto sobre Stelara (ustecinumab) para o Doente Informação de segurança importante Leia atentamente este folheto, pois contém informações importantes sobre Stelara, para minimizar os riscos de infeções

Leia mais

Forma farmacêutica. Dosagens. Clavulanic acid 10 mg. de 10 mg de amoxicilina / 2,5 mg de ácido clavulânico/kg de peso corporal República Checa

Forma farmacêutica. Dosagens. Clavulanic acid 10 mg. de 10 mg de amoxicilina / 2,5 mg de ácido clavulânico/kg de peso corporal República Checa Anexo I Lista dos nomes, forma farmacêutica, dosagem do medicamento veterinário, espécies-alvo, via de administração, requerente/titular da Autorização de Introdução no Mercado nos Estados-Membros 1/11

Leia mais

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense

Métodos para detecção de alérgenos em alimentos. Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Métodos para detecção de alérgenos em alimentos Gerlinde Teixeira Departamento de Imunobiologia Universidade Federal Fluminense Antigenos vs Alérgenos Antigeno Imunógeno Qualquer substância capaz de estimular

Leia mais

PATOGENICIDADE BACTERIANA

PATOGENICIDADE BACTERIANA PATOGENICIDADE BACTERIANA Fatores de de Virulência Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 04/CT/2016 Assunto: Penicilina Palavras-chave: Penicilina, Injetáveis, Benzilpenicilinas I Solicitação recebida pelo Coren/SC: Quais são os equipamentos e insumos obrigatórios

Leia mais