VERSÃO PÚBLICA REQUERENTES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VERSÃO PÚBLICA REQUERENTES"

Transcrição

1 Ministério da Justiça MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP Telefone: (61) e Fax: (61) PARECER Nº 99/2015/CGAA5/SGA1/SG PROCESSO Nº / INTERESSADO: VALMET CORPORATION E METSO CORPORATION. VERSÃO PÚBLICA EMENTA: Ato de Concentração. Lei nº /2011. Valmet Corporation e Metso Corporation. Aquisição de ativos. Sistemas de automação de processos e gestão de informação. Procedimento Sumário. Art. 8º, IV, da Resolução CADE nº 2, de 29 de maio de Aprovação sem restrições I. Da Descrição da Operação 1. Aquisição, pela Valmet Corporation ( Valmet ), da divisão de sistemas de automação de processos ( PAS ou Negócio Objeto) da Metso Corporation ( Metso ). II. Aspectos Formais da Operação Ato de Concentração de notificação obrigatória? Sim Os grupos envolvidos na operação possuem faturamentos superiores ao patamar estabelecido no art. 88 da Lei /11, alterado pela Portaria Interministerial MJ/MF nº 994, de 30 de maio de Taxa processual foi recolhida? Sim Data da notificação ou emenda? 05/02/2015 Data da publicação do edital? 27/02/2015 III. Enquadramento legal (art. 8º, Resolução CADE nº 2, de 29 de maio de 2012): 2. IV Baixa participação de mercado com integração vertical. IV. Principais Informações sobre a Operação REQUERENTES A Valmet é a controladora do seu grupo 38uSff0w6rlBdBW1VVbWwwvmOW7xmF6zCMe31m0tYZfKuZ6w 1/7

2 Valmet econômico. Não possui atividades diretas no Brasil. As atividades desenvolvidas pelo Grupo Valmet incluem a manutenção, terceirização e aperfeiçoamento de moinhos e plantas, bem como o fornecimento de peças avulsas. No Brasil, o grupo atua no segmento de tecnologia para moinhos de celulose e para linhas de produção de papel, papel cartão e papel absorvente. Metso A Metso é a controladora do seu grupo econômico. Não possui atividades diretas no Brasil. O seu grupo econômico oferta produtos e serviços para performance de processos, principalmente para os setores de mineração, construção, óleo e gás, papel e celulose. O Negócio Objeto a ser adquirido pela Valmet desenvolve e oferta sistemas de automação de processos e gestão de informação, bem como serviços e aplicativos correlatos, principalmente para as indústrias de papel, celulose e energia, bem como para outras indústrias de processos. EFEITOS DA OPERAÇÃO Sobreposição horizontal Não Integração Vertical Sim Setor em que há sobreposição horizontal ou integração vertical Indústria de papel e celulose e sistema de automação de processos Participação de Mercado Reduzidas V. Considerações sobre a Operação 3. O Negócio Objeto oferta soluções avançadas de automação para indústrias de processos, principalmente para os segmentos de papel e celulose. Os produtos e serviços ofertados abrangem sistemas de automação e controle de qualidade, analisadores, sistemas de medição e serviços relacionados[1]. 4. As atividades desenvolvidas pelo Grupo Valmet incluem a manutenção, terceirização e aperfeiçoamento de moinhos e plantas, bem como o fornecimento de peças avulsas. No Brasil, o grupo atua no segmento de tecnologia para moinhos de celulose e para linhas de produção de papel, papel cartão e papel absorvente[2]. 5. Verifica se relação vertical, portanto, entre as atividades das Partes, tendo em vista que o negócio de automação (objeto da operação) pode ser utilizado no negócio de papel e celulose da Valmet. 6. Quanto ao segmento de automação de processos, as Partes mencionam o precedente do CADE, AC / , envolvendo Schneider Eletric S.A. e Invensys Plc., que sugere a seguinte segmentação do mercado, mas deixando a conclusão em aberto: Softwares e solução SCADA (Supervisory Control and Data Acquisition ou sistemas de supervisão de controle e aquisição de dados), ou seja, as empresas vendem softwares/hardwares que permitem a criação de centros de controles dos processos produtivos, em que vários setores de uma mesma empresa são controlados por meio deste centro; Softwares e solução HMI (Human Machine Interface ou software e soluções para interface entre recursos 38uSff0w6rlBdBW1VVbWwwvmOW7xmF6zCMe31m0tYZfKuZ6w 2/7

3 humanos e maquinário). Trata se de um subsistema do Sistema SCADA. Ou seja, dentro da sala de controle da empresa, há monitores de computador que permitem a visualização do processo produtivo de um determinado setor. Assim, o HMI é responsável pela interface gráfica que apresenta dados de diagnóstico e informações de gerenciamento do processo para o operador, tais como procedimentos de manutenção programada, informações logísticas, esquemas detalhados para um sensor ou uma máquina específica e guias de solução para problemas do sistema. MES (Manufacturing Execution System ou Sistema de Gestão de Execução da Manufatura). Segundo as Partes, soluções em MES são sistemas computadorizados usados na indústria, que podem fornecer informações sobre as atuais condições da fábrica, visando a aperfeiçoar e melhorar o volume de produção. O MES trabalha em tempo real, de modo a permitir o controle de múltiplos elementos do processo de produção (e.g. insumos, pessoas, máquinas e serviços de apoio) por meio da rápida resposta às mudanças de condições de produção, somadas ao foco na redução de atividades de baixo valor agregado; o MES dirige as operações e transforma os processos na fábrica mais eficientes. 7. Não há precedente do CADE conclusivo quanto ao mercado. 8. Precedentes da Comissão Europeia seguem no sentido de segmentar o mercado em níveis hierárquicos[3]: (i) unidades e sensores localizados em toda a instalação de manufatura (nível 1 ou nível de campo), (ii) computadores controlando o processo de produção e sistemas, permitindo ao pessoal operacional interagir com o chão de fábrica automatizada (nível 2 ou nível de controle de automação), (iii) soluções integradas para controlar e monitorar o processo de produção, qualidade e logística de uma planta (nível 3 ou nível de gestão) e (iv) produtos que facilitam o fluxo de informações entre todas as funções de negócio dentro da empresa e a gestão dos recursos envolvidos no processo de produção (nível 4 ou nível empresarial)[4]. 9. As Partes da presente operação segmentaram o mercado de forma ainda mais restrita do que os precedentes da Comissão e mesmo o mencionado precedente do CADE: Categorias de Produtos Sistemas Digitais de Controle Distribuído Distributed Control Systems ( DCS ) Descrição DCS é uma categoria de sistemas de controle usualmente empregados nos sistemas de automação de produção, em que os elementos de controle não são centralizados (como nos SCADA), mas distribuídos por todo o sistema de produção, com cada subsistema componente controlado por um ou mais sistemas de controle. O sistema inteiro é conectado por redes de comunicação e monitoramento. Sistemas DCS são usados em diversas indústrias, para fins de monitoramento e controle dos diferentes equipamentos de uma planta. Sistemas de Visão para Qualidade dos Processos Process and Quality Vision ( PQV ) Trata se de sistemas integrados de detectores de qualidade da produção. São constituídos por câmeras e computadores instalados no maquinário para analisar a qualidade do processo de produção e aperfeiçoar a execução da linha de produção. Sistemas de Controle de Qualidade Quality Control Systems ( QCS ) Instrumentos de Campo QCS são sistemas de automação projetados para assegurar a qualidade dos produtos durante seu processo de fabricação. Consistem em um software que mensura os parâmetros de qualidade de um produto durante o seu ciclo de desenvolvimento, de modo a atender às necessidades do cliente ou a exigências regulatórias. Instrumentos de campo, ou transmissores inteligentes, monitoram diversas variáveis de controle do processo produtivo, como níveis de temperatura, pressão e fluidos. 38uSff0w6rlBdBW1VVbWwwvmOW7xmF6zCMe31m0tYZfKuZ6w 3/7

4 Analisadores de Processos Analisadores automatizados de processos são sistemas desenvolvidos para monitorar todos os parâmetros químicos envolvidos no processo produtivo, fornecendo informações analíticas que permitem controlar, mensurar e monitorar a dosagem de reagentes, desvios de correntes elétricas, dentre outros. Controles de Processos Avançados Advanced Process Controls ( APC ) APC são sistemas (softwares e hardwares) baseados em algoritmos que são adicionados aos controles de processos básicos após a instalação destes em uma planta. Sua implementação usualmente ocorre após um longo período de tempo, para atender a oportunidades específicas de aprimoramento de desempenho ou econômico do processo de produção. 10. Atendendo à solicitação desta Coordenação, as Partes apresentaram relação entre as categorias de produto fornecidas pela Metso no Brasil e a categorização estabelecida pelo CADE no contexto da análise do referido Ato de Concentração n.º / : SCADA (Supervisoy Control and Data Acquisition), MES (Manufacturing Execution System) e HMI (Human Machine Interface)[5]. 11. O detalhamento e as relações apresentadas sugerem que a segmentação proposta está ainda mais restrita do que o antecedente do CADE, tendo em vista que as Partes excluiram uma série de substitutos das categorias de produtos da Metso (como SCADA, PLCs e RTUs os dois últimos desempenham a mesma função de QCS, conforme detalhado em rodapé). 12. As Partes sustentam que a definição de mercado relevante adequada para os sistemas de PAS é aquela que considera a totalidade de PAS para indústrias de processos como um único mercado relevante, uma vez que as diferentes soluções de PAS são interligadas e interdependentes para o monitoramento do processo produtivo como um todo, fazendo parte de uma solução integrada. Acrescentam que, "não por outra razão, as autoridades concorrenciais da Alemanha e da Finlândia aceitaram essa definição na análise da Operação em suas respectivas jurisdições". 13. Quanto ao mercado de soluções e equipamentos para as indústrias de papel e celulose, há precedentes da Comissão Europeia segundo os quais o maquinário de papel e celulose pode ser divido em duas categorias: (i) novas linhas de produção de papel e (ii) reconstruções e modernizações. Adicionalmente, a Comissão observou que diferentes máquinas de papel e celulose (e.g., prensa, secadora, calandra) poderiam constituir mercados relevantes separados. 14. Os precedentes do CADE também separam os mercados relevantes de produto de acordo com o tipo do equipamento. Nos Atos de Concentração n.º / e n.º / , o CADE definiu os mercados relevantes de acordo com os tipos de equipamento afetados por aquelas operações[6]. 15. Não obstante isso, em razão de não haver sobreposição entre as atividades das Partes e pelo fato de as soluções de automação não serem direcionadas para equipamentos específicos, mas para toda a planta e até mesmo para outros processos, além da fabricação de papel e celulose, este parecer acolherá a proposta de definições amplas de mercado relevante, apresentadas pelas Partes, quais sejam, (i) novas soluções e equipamentos; e (ii) reconstruções e modernizações, tanto para a indústria de papel como para a de celulose. 16. O mercado geográfico, seguindo precedentes do CADE, será o nacional[7]. 17. O total do mercado brasileiro de PAS para indústrias de processos foi estimado em ACESSO RESTRITO[8] (ou ACESSO RESTRITO[9]), enquanto o mercado global foi de ACESSO RESTRITO, em Em 2014, as vendas mundiais de PAS da Metso movimentaram aproximadamente ACESSO RESTRITO (ou ACESSO RESTRITO) e, no Brasil, atingiram ACESSO RESTRITO (ou ACESSO RESTRITO). Portanto, suas participações nos mercados de PAS para indústrias de processos foram irrelevantes nos dois cenários, ambas da ordem de ACESSO RESTRITO. 19. As estimativas para cada categoria de produto e respectivas participações da Metso estão na tabela abaixo: 38uSff0w6rlBdBW1VVbWwwvmOW7xmF6zCMe31m0tYZfKuZ6w 4/7

5 Tabela 1 Categorias de Produtos PAS Participações da Metso Brasil 2014 ACESSO RESTRITO Categoria de produtos Faturamento Total Faturamento da Metso Participação da Metso DCS 0 10% PQV 10 20% QCS 20 30% Instrumentos de campo 0 10% Analisadores de processo 0 10% APC 0 10% Fonte: ARC e Metso 20. Quanto ao mercado de soluções e equipamentos para papel, temos a estimativa na tabela abaixo. Produtos Categorias Mercado mundial Mercado Brasil Participação da Valmet mundial Participação da Valmet Brasil Soluções e equipamentos para celulose Soluções e equipamentos para papel Novas linhas de produção 20 30% 20 30% Reconstruções 20 30% 10 20% Novas linhas de produção 20 30% 0 10% Reconstruções 20 30% 0 10% Fonte: Velmet[10] 21. Pelo exposto, tendo em vista as reduzidas participações da Metso no mercado upstream, bem como o patamar de participações da Velmet no mercado downstream, que não excede o patamar definido no art. 8º, IV da Resolução CADE 2/2011, de 30%, conclui se pela ausência de efeitos anticompetitivos decorrentes da presente operação. VI. Cláusula de Não Concorrência 22. O Contrato apresenta cláusula de não concorrência em conformidade com a jurisprudência do CADE Não Concorrência 24. [ACESSO RESTRITO]. 38uSff0w6rlBdBW1VVbWwwvmOW7xmF6zCMe31m0tYZfKuZ6w 5/7

6 VII. Recomendação 25. Aprovação sem restrições. Estas as conclusões. Encaminhe se ao Sr. Superintendente Geral. [1] As Partes salientam que antes da Operação, essas empresas (Metso Automation Oy e suas subsidiárias) continham o Negócio Objeto e as atividades da Metso relacionadas ao controle de fluidos. Contudo, o Negócio Objeto e as atividades de controle de fluidos serão separadas como condição precedente ao fechamento da operação, sendo certo que o negócio de controle de fluidos permanecerá com a Metso. [2] As atividades do Grupo Valmet no Brasil estão organizadas em três divisões de negócios: (i) Celulose: oferta tecnologia e soluções para a produção de celulose. Os projetos no segmento de celulose variam desde entregas de equipamentos de processos até a reconstrução ou instalação de moinhos inteiros. (ii) Papel: oferta equipamentos para linhas de produção de papel, papel cartão e papel absorvente, bem como para a reconstrução de máquinas destinadas à fabricação desses produtos. Papel, papel cartão e papel absorvente são utilizados em diversos produtos acabados, como embalagens, lenços, papel toalha, toalhas de mão e papeis para impressão e escrita. (iii) Serviços: oferta a clientes melhorias de maquinário, manutenção de rolos de moinhos, serviços de oficina, peças avulsas, tecidos e serviços de manutenção em geral para equipamentos do segmento de papel e celulose. [3] O precedente do CADE supramencionado refere se a esse entendimento, sem, todavia, fazer qualquer consideração ou aprofundamento, deixando deslocado da discussão principal, em nota de rodapé. [4] COMP/M.7005, COMP/M.4608 e COMP/M [5] Com base na tabela acima, é possível concluir que existem semelhanças entre DCS e SCADA. De fato, o escopo do Metso DNA, a plataforma de DCS da Metso, é o mesmo do SCADA: controle e monitoramento de processos produtivos por meio de uma plataforma central alimentada por uma série de dispositivos instalados em diferentes setores de uma planta. Além disso, a plataforma de DCS da Metso não só é adaptável à arquitetura de software SCADA, como também o é para MES, uma vez que esse sistema também fornece informações em tempo real para o operador e permite o controle de múltiplos elementos do processo produtivo. Finalmente, considerando que as soluções de DCS também compreendem elementos de interface gráfica que viabilizam a interferência humana, características próprias do HMI também estão contempladas por esse sistema. Ademais, deve se notar que PQV, QCS, instrumentos de campo e analisadores de processos são diferentes categorias de produtos que podem ser fornecidas como sistemas autônomos para desempenhar funções específicas, conforme descrição apresentada na Tabela 1 acima (relacionadas, por exemplo, a condições químicas, físicas e parâmetros de qualidade do processo produtivo). Tais produtos não fazem parte das soluções SCADA ou DCS (e, portanto, não se enquadram em nenhuma das categorias indicadas no Ato de Concentração n.º / ), mas interagem com tais sistemas, alimentando os com informações e sendo utilizados como parte do controle geral dos processos produtivos por meio dos PAS. APC, por sua vez, conforme descrito acima, compreende sistemas baseados em algoritmos e usados para dirigir operações no processo de produção, os quais exigem representações precisas da dinâmica dos processos da planta em que são instalados. O APC é constituído principalmente, dentre outros dispositivos, por um software utilizado para coletar informações históricas da planta a partir de seus sistemas de controle, um software de monitoramento e análise de desempenho de processos produtivos, ferramentas projetadas para automatizar variáveis dos processos por meio da programação futura de variáveis manipuláveis e temporizadores programados para adaptar sistemas de controle já instalados a mudanças futuras na dinâmica dos processos. Assim, dada a complexidade desse sistema, que possui funcionalidades de controle, supervisão e administração, não é possível classificá lo de acordo com a categorização sugerida na análise do Ato de Concentração n.º / [6] As Partes trazem à lume ainda o Ato de Concentração n.º / , em que o CADE fez referência a uma definição de mercado relevante supostamente mais ampla, de equipamentos para a produção 38uSff0w6rlBdBW1VVbWwwvmOW7xmF6zCMe31m0tYZfKuZ6w 6/7

7 de papel, mas que a autoridade acabou por concluir que não haveria sobreposição entre as atividades das requerentes porque, embora ambos fossem fornecedores de máquinas para a fabricação de papel, suas atividades seriam complementares na medida em que os equipamentos por elas produzidos teriam aplicações distintas (o que levaria a uma definição de mercado relevante ainda mais restritiva). [7] O Ato de Concentração n.º / chegou a definir o mercado como global, assim como a Comissão Europeia, no COMP/ M.4092 e COMP/M.4187 (ou, no mínimo, toda a Área Econômica Europeia). [8] Fonte: relatório de mercado da consultoria ARC para a América Latina, ano de 2012; estimativas de crescimentos até 2014 da ABINEE; Revista O Setor Elétrico; Electro Electronic Brasil e estimativa das Partes que sustentam que o Brasil representa ACESSO RESTRITO do mercado da América Latina. [9] Informa se que todas as conversões aplicadas ao longo desta Seção VI utilizaram os seguintes valores: US$ 1,00 = R$ 2,6556; 1,00 = R$ 3,2258, conforme cotação de [10] Estimativas baseadas nas informações referentes aos projetos dos quais a Valmet tomou conhecimento, por meio de cartas convite que recebeu de seus clientes ao longo do ano. Documento assinado eletronicamente por Paulo Vinicius Ribeiro de Oliveira, Coordenador(a), em 04/03/2015, às 14:24, conforme horário oficial de Brasília e Resolução Cade nº 11, de 02 de dezembro de Documento assinado eletronicamente por Mário Sérgio Rocha Gordilho Júnior, Coordenador(a) Geral, em 04/03/2015, às 15:32, conforme horário oficial de Brasília e Resolução Cade nº 11, de 02 de dezembro de A autenticidade deste documento pode ser conferida no site acao=documento_conferir&id_orgao_acesso_externo=0, informando o código verificador e o código CRC C362EAC7. Referência: Processo nº / SEI nº uSff0w6rlBdBW1VVbWwwvmOW7xmF6zCMe31m0tYZfKuZ6w 7/7

I. Da Descrição da Operação

I. Da Descrição da Operação Ministério da Justiça MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770 504 Telefone: (61) 3221 8438

Leia mais

VERSÃO PÚBLICA. I. Da Descrição da Operação

VERSÃO PÚBLICA. I. Da Descrição da Operação Ministério da Justiça MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770 504 Telefone: (61) 3221 8438

Leia mais

PARECER Nº 81/2015/CGAA5/SGA1/SG PROCESSO Nº 08700.000580/2015 44 REQUERENTES: ONE DI JV EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. E ZABO ENGENHARIA S.A.

PARECER Nº 81/2015/CGAA5/SGA1/SG PROCESSO Nº 08700.000580/2015 44 REQUERENTES: ONE DI JV EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES S.A. E ZABO ENGENHARIA S.A. Ministério da Justiça MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770 504 Telefone: (61) 3221 8438

Leia mais

Página 1 de 5 Ministério da Justiça - MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar - Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770-504 Telefone:

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

: SEI / CADE - 0079678 - Parecer :: http://sei.cade.gov.br/sei/institucional/pesquisa/documento_consulta_ex...

: SEI / CADE - 0079678 - Parecer :: http://sei.cade.gov.br/sei/institucional/pesquisa/documento_consulta_ex... Ministério da Justiça - MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar - Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770-504 Telefone: (61) 3221-8438

Leia mais

VERSÃO DE ACESSO PÚBLICO

VERSÃO DE ACESSO PÚBLICO 1 de 5 02/07/2015 09:54 Ministério da Justiça - MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar - Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770-504

Leia mais

a) DLM Brasil TI - Fundo de Investimento em Participações ("DLM Brasil TI FIP")

a) DLM Brasil TI - Fundo de Investimento em Participações (DLM Brasil TI FIP) Parecer Técnico n.º 088 Superintendência-Geral Em 21 de março de 2014. EMENTA: Ato de Concentração. Lei nº 12.529/2011. DLM Brasil TI - Fundo de Investimento em Participações e Clic Holding Participações

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE RELATÓRIO

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE RELATÓRIO Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE ATO DE CONCENTRAÇÃO nº 08012.000098/2006-71 Requerentes: Gedas Aktiengesellschaft e T-Systems International GmbH Advogados: Carlos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06501/2005/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06501/2005/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06501/2005/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 29 de dezembro de 2005 Referência: Ofício SDE/GAB nº 6014, de 21 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06416/2005/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06416/2005/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06416/2005/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 24 de outubro de 2005 Referência: Ofício n 4959/2005/SDE/GAB de 11 de outubro

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06076/2004/DF COGSE/SEAE/MF 06 de maio de 2004 Referência: Ofício n.º 2237/2004/SDE/GAB, de 13 de abril de 2004. Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06187/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 17 de maio de 2006 Referência: Ofício nº 2052/2006/SDE/GAB, de 04 de maio de

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente

MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente MI02 - Manufatura Inteligente, trazendo resultados para o cliente Core Business Soluções para controle e gestão de processos. Mercados Alvo Alimentos; Nutrição animal; Polímeros; Química Auto peças. Unidade

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br

Corporativo. Transformar dados em informações claras e objetivas que. Star Soft. www.starsoft.com.br Corporativo Transformar dados em informações claras e objetivas que possibilitem às empresas tomarem decisões em direção ao sucesso. Com essa filosofia a Star Soft Indústria de Software e Soluções vem

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente em sistemas ERP (Enterprise Resource

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06037/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 22 de janeiro de 2007. Referência: Ofício nº 193/2006/SDE/GAB, de 11 de janeiro

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História

A automação em nossas vidas 25/10/2015. Módulo IV Tecnologia. TECNOLOGIA Conceito e História Módulo IV Tecnologia Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. TECNOLOGIA Conceito e História A automação em nossas vidas Objetivo: Facilitar nossas vidas no dia-a-dia Em casa: Lavando roupa Esquentando leite

Leia mais

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior

Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Unidade IV SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Daniel Arthur Gennari Junior Sobre esta aula Sistema de informação nos negócios Sistemas de informação no apoio ao processo de tomada de decisão Sistemas colaborativos

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício Nº 566/2005/SDE/GAB, 10 de fevereiro de 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício Nº 566/2005/SDE/GAB, 10 de fevereiro de 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06087/2005/RJ COPCO/COGPI/SEAE/MF 21 de fevereiro de 2005 Referência: Ofício Nº 566/2005/SDE/GAB, 10 de fevereiro de 2005.

Leia mais

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SEGURANÇA NR12 AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL SOLUÇÕES INDUSTRIAIS. A EMPRESA Para a SAFE, a tecnologia é somente um dos elementos de qualquer solução industrial. Suporte e serviços técnicos de alto nível são ingredientes

Leia mais

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com

Aula 02 Conceitos básicos elipse. INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com Aula 02 Conceitos básicos elipse INFORMÁTICA INDUSTRIAL II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Fonseca leticia.chavesfonseca@gmail.com 1. Introdução O Elipse E3 trabalha totalmente orientado para a operação

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

1. Funcionalidades TMN

1. Funcionalidades TMN 1. Funcionalidades TMN Uma TMN pretende suportar uma ampla variedade de áreas gerenciais que abrange o planejamento, instalação, operação, administração, manutenção e provisionamento de serviços de telecomunicações.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06038/2007/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06038/2007/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06038/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 2007 Referência: Ofício n 269/2007/SDE/GAB de 15 de janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 43/2005/SDE/GAB, de 06 de janeiro de 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 43/2005/SDE/GAB, de 06 de janeiro de 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06024/2005/RJ COPCO/COGPI/SEAE/MF Rio de janeiro, 14 de janeiro de 2005 Referência: Ofício nº 43/2005/SDE/GAB, de 06 de

Leia mais

:: SEI / CADE - 0073555 - Parecer ::

:: SEI / CADE - 0073555 - Parecer :: Página 1 de 5 Ministério da Justiça - MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar - Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770-504 Telefone:

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Conceito Antigo de Organização da Manutenção: Planejamento e Administração de recursos ( pessoal, sobressalentes e equipamentos)

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06358/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Referência: Ofício n 2401/2006/SDE/GAB de 24 de maio de 2006. Em 13 de setembro de 2006. Assunto: ATO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS

CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS Computador Duas características básicas de todo sistema Uma coleção de componentes Um conjunto de relações entre seus componentes Um exemplo Nível de Sistemas Nível de Sub-Sistemas

Leia mais

Energy Efficiency & Industrial Automation. Apresentação Institucional. São Paulo-SP (11) 2372-2112 contato@projexa.com.br www.projexa.com.

Energy Efficiency & Industrial Automation. Apresentação Institucional. São Paulo-SP (11) 2372-2112 contato@projexa.com.br www.projexa.com. 2015 Apresentação Institucional Apresentação Formada por profissionais qualificados que atuam no mercado desde 2007, a Projexa oferece soluções em Automação de Processos Industriais e Eficiência Energética.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06119/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 02 de março de 2007 Referência: Ofício nº 888/2007/SDE/GAB, de 15 de fevereiro

Leia mais

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com COBIT Um kit de ferramentas para a excelência na gestão de TI Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução Atualmente, é impossível imaginar uma empresa sem uma forte área de sistemas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06183/2005/RJ COGPI/SEAE/MF Rio de Janeiro, 02 de maio de 2005 Referência: Ofício n o 1888/2005/SDE/GAB de 19 de abril de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06049/2009/RJ COGCE/SEAE/MF 13 de fevereiro de 2009 Referência: Ofício nº 358/2009/SDE/GAB de 23 de janeiro de 2009. Assunto:

Leia mais

Conselho Administrativo DE DEFESA ECONÔMICA

Conselho Administrativo DE DEFESA ECONÔMICA Conselho Administrativo DE DEFESA ECONÔMICA 135 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Conselho Administrativo DE DEFESA ECONÔMICA Horário de funcionamento: de segunda a

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Sistemas Supervisórios são sistemas digitais de monitoração e operação da planta que gerenciam as

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, celulose e água 1 Disponível para Locação, Leasing e Cartão Amboretto Skids Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

:: SEI / CADE - 0056816 - Parecer ::

:: SEI / CADE - 0056816 - Parecer :: Página 1 de 9 Ministério da Justiça - MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica - CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 2º andar - Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770-504 Telefone:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06221/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 05 de junho de 2006 Referência: Ofício n 2356/2006/SDE/GAB de 22 de maio de 2006. Assunto: ATO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 4575/2005/SDE/GAB, de 16 de setembro de 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício n 4575/2005/SDE/GAB, de 16 de setembro de 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06022/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de janeiro, 12 de janeiro de 2006. Referência: Ofício n 4575/2005/SDE/GAB, de 16 de setembro de

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

1) QUANTIDADE E DETALHAMENTO DE ESPECIFICAÇÕES DE EQUIPAMENTOS. O item 1.1.1.2 das Condições Gerais do Objeto dispõe o seguinte:

1) QUANTIDADE E DETALHAMENTO DE ESPECIFICAÇÕES DE EQUIPAMENTOS. O item 1.1.1.2 das Condições Gerais do Objeto dispõe o seguinte: 1) QUANTIDADE E DETALHAMENTO DE ESPECIFICAÇÕES DE EQUIPAMENTOS. O item 1.1.1.2 das Condições Gerais do Objeto dispõe o seguinte: 1.1.1.2 Nos CSR, os quais executarão ações comandadas pelo CM e supervisionarão

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja

Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja Gerenciamento Inteligente do Sensor na Fabricação de Cerveja Gerenciamento Inteligente do Sensor O Gerenciamento Inteligente do Sensor, ou simplesmente ISM, é uma tecnologia digital para sistemas analíticos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO. Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO 9º PERÍODO Profª Danielle Casillo Utilizar os mesmos processos do trabalho anterior (Ladder já existente). Implementar este sistema

Leia mais

PORTARIA CADE Nº 88, DE 12 DE ABRIL DE 2016.

PORTARIA CADE Nº 88, DE 12 DE ABRIL DE 2016. Boletim de Serviço Eletrônico em 13/04/2016 Ministério da Justiça MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 1º andar Bairro Asa Norte, Brasília/DF,

Leia mais

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012

Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Guia Rápido de Licenciamento do SQL Server 2012 Data de publicação: 1 de Dezembro de 2011 Visão Geral do Produto SQL Server 2012 é uma versão significativa do produto, provendo Tranquilidade em ambientes

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 7564/2004/SDE/GAB, de 28 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 7564/2004/SDE/GAB, de 28 de dezembro de 2004. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06014/2005/RJ COPCO/COGPI/SEAE/MF Rio de janeiro, 07 de janeiro de 2005 Referência: Ofício nº 7564/2004/SDE/GAB, de 28 de

Leia mais

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS"

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de de Água ABINEE TEC - Minas Gerais 2006 PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS" COPASA DIRETORIA METROPOLITANA AGOSTO / 2006

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

Sumário. TI Industrial Mercado Empresas Perfil do profissional Disciplinas Conclusão

Sumário. TI Industrial Mercado Empresas Perfil do profissional Disciplinas Conclusão Prof. Ricardo Lüders (DAINF/CPGEI) Prof. Flávio Neves Jr (DAELN/CPGEI) Sumário TI Industrial Mercado Empresas Perfil do profissional Disciplinas Conclusão Vídeo: STUXNET http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=dbmlkomu3au

Leia mais

Fundamentos de Automação

Fundamentos de Automação Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Conceito,

Leia mais

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é 70 NORMAS ABNT APLICÁVEIS AOS MEDIDORES ELETRÔNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA DISCUTIDAS EM CONSULTA NACIONAL Por Jeferson Marcondes e Marcos Aurélio Ribeiro AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

EcoEMOS. produção com inteligência. www.durr.com

EcoEMOS. produção com inteligência. www.durr.com EcoEMOS produção com inteligência www.durr.com EcoEMOS facilidade no controle da controle da producão produção Na Dürr, nós trabalhamos de forma contínua para aperfeiçoar nossos produtos, sistemas e conceitos

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha. Moacyr Franco Neto

Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha. Moacyr Franco Neto Os principais sistemas de automação de data centers DCIM: uma visão técnica e metodologias de escolha Moacyr Franco Neto Agenda 1 Definição de DCIM. 2 Modelos de DCIM. 3 Benefícios e funcionalidades. 4-

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Comunicado à Imprensa

Comunicado à Imprensa Industry 4.0 Página 1 de 6 Beckhoff na Hanover Messe: Hall 9 Stand F06 Indústria 4.0 Fórum: Controle baseado em PC como base tecnológica para aplicações em fabricas inteligentes Com o Indústria Integrada

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06080/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício nº 3628/2006/SDE/GAB, de 24 de julho de 2006. Em 06 de fevereiro de 2007. Assunto:

Leia mais

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo

O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo O Oficina Integrada é um sistema completo para o controle e gerenciamento de oficinas mecânicas. É o primeiro e único software que controla o fluxo em sua oficina. O sistema foi desenvolvido para ser utilizado

Leia mais

PIMS Process Information Management System

PIMS Process Information Management System INTRODUÇÃO O setor industrial vem sofrendo constantes pressões para alcançar a excelência operacional, objetivando garantir sua competitividade. Algumas das principais pressões observadas são: redução

Leia mais

Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna

Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna Papel e importância dos sistemas LIMS na indústria moderna Georgio Raphaelli Labsoft Tecnologia E-mail: georgior@gmail.com Resumo: Um bom sistema de uso diário, produzido especificamente para laboratórios

Leia mais

GERENCIAMENTO DE OBRAS

GERENCIAMENTO DE OBRAS GERENCIAMENTO DE OBRAS APRESENTAÇÃO A CGRADIN é uma empresa de consultoria em engenharia especializada em gerenciamento e planejamento de obras, sediada em Salvador e com atuação em todo território nacional.

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE E3 PARA O CONTROLE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO ENZIMÁTICA NA NOVOZYMES

APLICAÇÃO DO SOFTWARE E3 PARA O CONTROLE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO ENZIMÁTICA NA NOVOZYMES APLICAÇÃO DO SOFTWARE E3 PARA O CONTROLE DO PROCESSO DE PRODUÇÃO ENZIMÁTICA NA NOVOZYMES Este case apresenta a aplicação da solução Elipse E3 para automatizar e coletar mais informações sobre as etapas

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de 2012.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de

Leia mais

Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro.

Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro. Alta performance: a base para os nossos clientes, a base para o seu futuro. www.accenture.com.br/carreiras www.facebook.com/accenturecarreiras www.twitter.com/accenture_vagas Quem somos A Accenture é uma

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA CADE TERMO DE REFERÊNCIA BRA/11/008

CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA CADE TERMO DE REFERÊNCIA BRA/11/008 Ministério da Justiça MJ Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE SEPN 515 Conjunto D, Lote 4 Ed. Carlos Taurisano, 4º andar Bairro Asa Norte, Brasília/DF, CEP 70770 504 Telefone: (61) 3221 8409

Leia mais

Relatório. Elevação de Produção em Escalabilidade. Conteúdo:

Relatório. Elevação de Produção em Escalabilidade. Conteúdo: Relatório Elevação de Produção em Escalabilidade Autor: Phil Couling, Diretor de Marketing de Produto, Supervisory HMI, Invensys Operations Management Conteúdo: 1. Introdução 2. O Desafio 3. Escalabilidade

Leia mais