INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS REABSORÇÃO RADICULAR E ALTERAÇÕES PERIODONTAIS: SUA RELAÇÃO COM O TRATAMENTO ORTODÔNTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS REABSORÇÃO RADICULAR E ALTERAÇÕES PERIODONTAIS: SUA RELAÇÃO COM O TRATAMENTO ORTODÔNTICO"

Transcrição

1 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS REABSORÇÃO RADICULAR E ALTERAÇÕES PERIODONTAIS: SUA RELAÇÃO COM O TRATAMENTO ORTODÔNTICO FERNANDA NEVES BRINCA MOTA Monografia apresentada ao programa Especialização em Ortodontia do ICS - FUNORTE/SOEBRÁS Núcleo Alfenas, como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista. ALFENAS, 2011

2 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRÁS REABSORÇÃO RADICULAR E ALTERAÇÕES PERIODONTAIS: SUA RELAÇÃO COM O TRATAMENTO ORTODÔNTICO FERNANDA NEVES BRINCA MOTA Monografia apresentada ao programa Especialização em Ortodontia do ICS - FUNORTE/SOEBRÁS Núcleo Alfenas, como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista. ORIENTADOR: Prof. Dr. João Carlos Martins ALFENAS, 2011

3 LISTA DE ABREVIATURAS AEB Aparelho extrabucal LPD Ligamento periodontal MTA - Trióxido mineral agregado OFC - Ortodontia Facilitada pela Corticotomia PVP-I - Iodo-povidine

4 AGRADECIMENTOS

5 Dedico este trabalho

6 RESUMO Objetivou-se com este trabalho, verificar as causas da reabsorção radicular e sua influência no tratamento ortodôntico e se os dentes com tratamento endodôntico são mais susceptíveis a reabsorção radicular, quando movimentados ortodonticamente; assim como demonstrar que a reabsorção óssea interfere decisivamente no sucesso do tratamento endodôntico/ortodôntico. A literatura apresentada mostra que as reabsorções radiculares e ósseas estão, na maioria das vezes, relacionadas aos tratamentos ortodônticos e as formas de precauções para futuras complicações, são de extrema importância para os profissionais de Ortodontia, pois não deve ser considerada normal ou fisiológica e, sim, aceitável a nível clinico. A movimentação só deve ser iniciada após a eliminação da inflamação e após o paciente estar ciente das técnicas de higienização, pois o periodonto só responde favoravelmente quando se encontra saudável. Ou seja, a movimentação ortodôntica irá alcançar resultados satisfatórios quando em presença de saúde periodontal; para isso, controle de biofilme é de suma importância, devendo o paciente ser sempre orientado e motivado com vistas a estes procedimentos. Concluiu-se, ainda que um planejamento multidisciplinar, atentando para os fatores subjetivos do paciente, dentro das limitações biológicas da cada caso, é passível de ser realizado com sucesso. Palavras-chave: Reabsorção radicular. Tratamento ortodôntico. Movimentos ortodônticos.

7 ABSTRACT The objective of this study to investigate the causes of root resorption and its influence on orthodontic treatment and teeth with root canal therapy are more susceptible to root resorption, when orthodontically moved, so as to demonstrate that bone resorption intervenes decisively to the success of treatment endodontic/orthodontics. The literature presented shows that the root resorption and bone are most often related to orthodontic treatment and ways to care for future complications are of paramount importance for practitioners of Orthodontics, as should not be considered normal or physiologic and yes, acceptable clinical level. Changes should only be started after eliminating inflammation and after the patient is aware of the techniques of cleaning, since only the periodontium respond favorably when you are healthy. That is, the orthodontic movement will achieve satisfactory results in the presence of periodontal health; for this, control of biofilm is of great importance, and the patient must always be focused and motivated with the aim of these procedures. It was, though a multidisciplinary planning, paying attention to the subjective factors of the patient, within the limitations of biological each case is likely to be successful. Keywords: root resorption. Orthodontic treatment. Orthodontic movements.

8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROPOSIÇÃO REVISÃO DE LITERATURA REABSORÇÃO RADICULAR: DEFINIÇÕES, ETIOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO REABSORÇÃO RADICULAR E TRATAMENTO ORTODÔNTICO TRATAMENTO E PREVENÇÃO DA REABSORÇÃO RADICULAR DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 47

9 5 1 INTRODUÇÃO O tratamento ortodôntico tem como finalidade a criação de relações oclusais, mantendo ou melhorando a estética facial, estabelecendo a função e a estabilidade, com tecidos periodontais saudáveis, como resultado ideal. O deslocamento dentário durante um tratamento ortodôntico, requer certos cuidados para que se consiga minimizar os efeitos colaterais causados pela terapia. Dentre eles, a reabsorção radicular, tida como conseqüência de uma complexa interação de atividades biológicas, próprias de cada individuo, associadas às forças mecânicas planejadas pelo ortodontista. Quanto maior for a magnitude da força aplicada sobre os dentes, maior será a incidência e o grau de reabsorção. A aplicação de forças pesadas resultaria em formação de áreas de hialinização extensas, presença de cementoplasia, retardo no inicio do movimento dentário, possibilidade de danos irreversíveis às estruturas dentárias e periodonto de sustentação, e, principalmente, reabsorção óssea. A reabsorção óssea é um processo de múltiplas etapas, altamente coordenado, iniciando-se com a proliferação de precursores dos osteoclastos imaturos, seguindo com a diferenciação e maturação desse tipo celular, e finalmente a degradação das matrizes orgânicas e inorgânicas do tecido ósseo. O osteoclasto é uma célula multinucleada, derivada de células precursoras hematopoiéticas pertencentes à família monócito/macrófago, sendo a principal, senão exclusiva, célula responsável pela reabsorção óssea (TAY, 2004). Em indivíduos submetidos a tratamento ortodôntico, a reabsorção óssea resultante de um moderado movimento de inclinação é geralmente seguida de formação óssea compensatória. As variações individuais podem interferir no processo de reabsorção radicular decorrente do movimento de inclinação, e uma vez iniciada a reabsorção apical, a inclinação constante pode aumentar os índices reabsortivos. Na inclinação controlada, o centro de rotação está localizado na região apical ou incisal e pode-se direcionar a coroa do dente com um movimento suficientemente capaz de impedir que a raiz se mova em direção oposta. O principal fator na previsibilidade de reabsorções radiculares decorrentes

10 6 da mecânica ortodôntica é a forma da raiz e da crista óssea alveolar, mensuráveis, apenas, em radiografias periapicais. Raízes triangulares e ou com ápices afilados em forma de pipeta ou com dilaceração tendem a apresentar reabsorções maiores e mais precoces, bem como dentes com raízes curtas. Estes dados indicam que se deve valorizar muito a anamnese criteriosa para recuperar-se o máximo de informações sobre os tecidos dentários. A avaliação inicial do paciente por meio da utilização de radiografias periapicais é importante na identificação de reabsorções prévias ao tratamento e na determinação da morfologia radicular e da crista óssea alveolar. Considerando-se tais premissas e que a reabsorção radicular no tratamento ortodôntico não pode ser evitada evidencia-se a importância do tema a ser estudado.

11 7 2 PROPOSIÇÃO Este trabalho se propôs, por meio de uma revisão de literatura, a: 1) Verificar as causas da reabsorção radicular e sua influência no tratamento ortodôntico e se os dentes com tratamento endodôntico são mais susceptíveis a reabsorção radicular, quando movimentados ortodonticamente. 2) Demonstrar que a reabsorção óssea interfere decisivamente no sucesso do tratamento endodôntico/ortodôntico.

12 8 3 REVISÃO DE LITERATURA 3.1 REABSORÇÃO RADICULAR: DEFINIÇÕES, ETIOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO As reabsorções radiculares são freqüentemente encontradas nos ápices, seguido pelas superfícies mesial, vestibular, distal e lingual. Como características, a reabsorção radicular mostra-se assintomática e preserva a vitalidade pulpar, sem alteração na coloração dos dentes. Do ponto de vista histológico, a atividade osteoblástica compensa a redução tecidual à medida que se processa a perda radicular, conferindo à imagem radiográfica integridade do espaço periodontal. Em conseqüência, os dentes mantêm-se estáveis e sem mobilidade. Via de regra, não retratam importância clínica maior e o prognóstico geralmente é favorável, uma vez que, removida a força ortodôntica, cessa o processo de reabsorção radicular (SILVA FILHO et al., 1993). Feiglin, em 1936 (apud Almeida et al., 1999) classificou a reabsorção radicular em interna, externa e inflamatória. Sendo a reabsorção interna desencadeada por um sinal inflamatório na polpa. A externa fisiológica, que ocorre nos dentes decíduos e, a externa patológica que ocorre nos casos decorrentes da movimentação dentária induzida. Já a reabsorção inflamatória pode ser apical, ocorrendo em dentes desvitalizados, ou cervical que ocorre em dentes vitalizados ou não. Em 1988, Andreasen (apud Almeida et al. 1999), definiu a reabsorção radicular externa em 3 diferentes tipos: de superfície, inflamatória e por substituição. Capelozza Filho e Silva Filho (1998), relataram que a reabsorção radicular acomete a maioria (90,5%) dos dentes permanentes tratados ortodonticamente, com lesões microscópicas (0,73 mm de largura e 0, 10 mm de profundidade) que são sempre reparadas. Nestas circunstâncias, este seria um processo fisiológico chamado de reabsorção de superfície. Se esta reabsorção evolui devido um agente etiológico, é chamada de reabsorção inflamatória, podendo ser transitória, quando a

13 9 agressão é pouco significativa e o tempo de ação pequeno. O resultado é uma reabsorção restrita ao cemento e reparável por cemento celular. A presença do agente etiológico por um período longo cria a reabsorção radicular inflamatória progressiva, obviamente mais extensa e invasiva e, portanto, mais grave. Segundo estes autores, a magnitude da força desenvolvida está na dependência da área radicular, da quantidade do osso de suporte, do tipo de movimento dentário, das características do periodonto e do tipo de aparelho utilizado. O outro tipo de reabsorção, chamado de reabsorção por substituição, é a causadora da anquilose. Raramente presente durante o tratamento ortodôntico, ela acontece devido a formação de osso sobre uma área radicular exposta pela reabsorção, substituindo a porção radicular reabsorvida. Assim, a reabsorção que geralmente ocorre durante o tratamento ortodôntico é a de superfície ou a inflamatória. Almeida et al., (1999), identificaram quatro fatores que contribuem para o desenvolvimento da reabsorção externa inflamatória: 1. Lesão ao ligamento periodontal, que ocorre mais frequentemente quando a viabilidade das células do ligamento é rompida, tal como em avulsões e luxações; 2. Início da reabsorção superficial; 3. Comunicação com o tecido pulpar necrótico ou com uma zona inflamada contendo microrganismos. Se o evento traumático resultou numa redução significativa ou destruição completa do suprimento sanguíneo pulpar pelo rompimento dos vasos sanguíneos apicais, o ambiente está agora pronto para a infecção do tecido pulpar; 4. Permeabilidade dos túbulos dentinários. Quanto maior o diâmetro dos túbulos mais rápida é a reabsorção. Em termos clínicos, isto explica porque os dentes jovens imaturos tendem a reabsorver mais rapidamente do que dentes mais maduros. Em suma, a reabsorção radicular pode ocorrer por vários motivos. Os mais freqüentes são: por traumatismo, por lesão endodôntica, por pulpotomia, por movimentação ortodôntica, por enxertos ósseos. Segundo Busato et al., (2000), a reabsorção radicular por substituição é uma das sequelas que pode ocorrer num dente que sofre avulsão dentária e é reimplantado. Este processo representa a fusão do osso alveolar com a superfície radicular e pode ser do tipo transitório ou do tipo progressivo. O prognóstico geralmente é desfavorável e a terapêutica indicada é quase sempre radical. O avanço tecnológico na área dos materiais odontológicos permitiu que os novos produtos se comportem como biocompatíveis em relação aos tecidos periodontais,

14 10 quando em contato direto com eles. O ionômero de vidro tem sido caracterizado como material odontológico biocompatível por excelência, em relação aos tecidos periodontais. Esta propriedade permite que as novas técnicas restauradoras sejam criadas, processos destrutivos de origem periodontal sejam interceptados e os dentes continuem a se manter estética e funcionalmente viáveis. Para Fernandes e Leite (2002), a reabsorção radicular é o processo fisiológico ou patológico que atinge a raiz dos dentes, causando destruição, podendo ou não levar a um encurtamento da mesma. Segundo estes autores, os mecanismos pelos quais a reabsorção radicular ocorre, são semelhantes tanto para a dentição decídua quanto para a dentição permanente, embora os processos que levam a esta reabsorção possam ser distintos. Martins e Martins et al., (2003) relataram que a reabsorção apical externa é mais freqüente em pacientes tratados com extração de primeiros pré-molares. E, no estudo realizado pelos autores, este grupo apresentou número maior de dentes acometidos pelo grau 3 (absorção severa) que o grupo sem extração. Os incisivos superiores foram mais freqüentemente acometidos pelo grau 2 (absorção moderada), nas duas modalidades de tratamento. Segundo Odebrecht, Canto e Bortoloni (2004), dentre os fatores relacionados ao surgimento e progressão das reabsorções radiculares destacam-se os processos inflamatórios periapicais, as compressões císticas e as de dentes impactados, as deficiências metabólicas, os distúrbios hormonais e as forças impostas pela movimentação ortodôntica. A susceptibilidade individual é considerada o fator principal no potencial à reabsorção radicular. Segundo os autores, é um enigma que em alguns pacientes os dentes podem ser movidos 20 mm sem evidenciar radiograficamente reabsorção radicular, enquanto em outros pacientes uma mera extrusão de 2 a 3 mm pode resultar em extensa reabsorção radicular apical. Dessa forma, o processo de reabsorção radicular varia entre as pessoas e na mesma pessoa em momentos diferentes. Segundo Itikawa, Silva e Imura (2004), a reabsorção radicular externa cervical é um tipo de reabsorção progressiva inflamatória, com localização na superficie lateral da raiz, tendo seu início no periodonto devido à continua ação de um estimulo (movimentação ortodôntico; cirurgia ortognática, dento-alveolar e periodontal; clareamento dental interno e traumatismo) desencadeante de um

15 11 processo inflamatório. A condição pode ser transitória (2-3 semanas) ou não e o paciente não exprimenta desconforto, a não ser que o canal seja atingido ou haja infecção periodontal. Esta reabsorção pode ser classificada como intra ou supra óssea sendo que esta última deve ser distinguida da lesão de cárie. Braga e Platcheck (2005) citam como fatores intrínsecos a hereditariedade, o sexo, a idade, ao tipo de maloclusão e estrutura facial e dentoalveolar, a morfologia radicular e óssea, a rizogênese incompleta, ao traumatismo e dentes tratados endodonticamente, as doenças endocrinopatas. Já os fatores extrínsecos são a magnitude da força, a natureza da força, o intervalo da força, os tipos de movimentos, o tempo de tratamento, as formas de tratamento. Segundo Selow et al., (2006), alguns fatores podem agravar o problema da reabsorção, dentre eles, pode-se citar: a magnitude das forças ortodônticas aplicadas, a posição e a influência das estruturas adjacentes. Pode haver influência de hormônios no mecanismo de reabsorção radicular durante o tratamento ortodôntico. Em pacientes com baixo metabolismo de tireóide e com reabsorção radicular é indicada a reposição hormonal. Camargo et al., (2008) relataram que clinicamente, na grande maioria das vezes, o dente envolvido apresenta-se assintomático, podendo ocasionalmente apresentar ligeira mobilidade, assim como sensibilidade à percussão. Assim, o diagnóstico de reabsorção dentária geralmente é detectado por achado radiográfico ocasional, verificando-se uma área radiolúcida de bordas irregulares, e em diferentes alturas da raiz. Dentes com reabsorção avançada podem apresentar mobilidade, fratura ou uma lesão de coloração rósea na coroa. Lopes e Siqueira (2010) relataram que a reabsorção cervical externa poderia estar ocorrendo após anos do acidente traumático, o qual o paciente geralmente não se recordaria. Sua exata patogenia não ficou totalmente esclarecida. De um modo geral, ocorreria em dentes reimplantados e anquilosados, em infraoclusão, mas poderia ocorrer em dentes luxados. Poderia ser conseqüência, também, de movimentos ortodônticos, cirurgia ortognática e cirurgia dentoalveolar.

16 REABSORÇÃO RADICULAR E TRATAMENTO ORTODÔNTICO Owman-Moll, Kurol e Lundgren (1996), realizaram um estudo com o objetivo de realizar a comparação intra-indivíduos do efeito de forças contínuas controladas de 50 cn e 200 cn sobre a magnitude dos movimentos do dente e a freqüência e severidade da reabsorção radicular. Após a aplicação de uma força contínua de 50 cn por 7 semanas, a movimentação dos dentes variou entre 1,5 e 5,9 mm (média de 3,5 +/- 1,2 mm). Quando uma força contínua de 200 cn foi aplicada, os movimentos variaram entre 1,9 e 7,9mm (média de 5,1 +/- 1,9 mm). A diferença no movimento horizontal do dente foi significante (P=0,0201) com um intervalo de confiança de 95% de 1,8 +/- 1,4mm. As reabsorções estavam localizadas principalmente nos terços vestíbulo-cervical e palato-apical dos dentes e não havia diferenças expressivas quando os dois grupos de força foram comparados. As cavidades no terço médio da raiz foram registradas com freqüências na área de bifurcação da raiz palatina. As reabsorções radiculares foram registradas em todos os dentes de teste e não houve diferença significativa no número ou severidade das mesmas, isto é, na extensão da superfície, profundidade ou contorno e área de reabsorção após a aplicação de uma força de 50 cn comparada com a de 200 cn. A freqüência e severidade das reabsorções radiculares apresentaram grandes variações individuais 50 cn ou 200 cn eram aplicadas e as mesmas não foram reveladas nas radiografias periapicais. Os resultados da presente investigação intra-indivíduos indicam que um aumento na magnitude da força de quatro vezes causou um aumento significativo na movimentação do dente sem qualquer diferença significativa na freqüência ou severidade da reabsorção radicular. Um dos principais resultados nesta investigação foi que as variações individuais no movimento do dente bem como a freqüência e severidade da reabsorção da raiz foram grandes. Esses resultados indicam que a maior causa da variação provavelmente seja pela resposta metabólica e não pela magnitude da força. Os autores recomendam aos ortodontistas a terem uma certa cautela no estágio inicial onde a aplicação generalizada de forças maiores pode aumentar as reabsorções radiculares nestes pacientes. Concluiu-se, portanto, que os presentes resultados podem ser de valor para a avaliação do custo-benefício bem

17 13 como para decidir as estratégias clínicas a respeito do tratamento ortodôntico. Em suma, os autores demonstraram que na utilização de forças controlada e rigorosamente mensuradas (50 a 100 cn), a variação nas respostas de movimentação de pré-molares para vestibular não foram significativas quanto à quantidade de movimento e extensão da reabsorção radicular apical. Posteriormente, os mesmos autores, em outro trabalho, aumentaram a magnitude de força para 200cN nas mesmas condições das pesquisas anteriores, tendo como resultado um aumento significativo na amplitude do movimento obtido, sem entretanto, comprometer a higidez radicular. Segundo os pesquisadores, esses dados revelaram que a predisponibilidade individual é um fator sempre decisivo. Pacientes pouco predispostos são capazes de suportar magnitude de força normalmente não recomendada, enquanto outros, com maior predisponibilidade estarão propensos à reabsorção radicular, mesmo quando forças consideradas adequadas forem aplicadas. Segundo Tavares e Sampaio (1997), dependendo das diferentes formas de transmissão da força aplicada, determina-se o grau das reabsorções radiculares. Para alguns autores não existe associação entre reabsorção radicular apical e os movimentos ortodônticos sagitais (antero-posteriores) dos incisivos centrais superiores, sejam estes de translação ou de inclinação. O movimento de intrusão é o mais propenso à reabsorção radicular. Valdrighi et al. (1998), abordaram em um estudo a movimentação ortodôntica de dentes endodonticamente tratados, chegando à conclusão que o exame clínico dos elementos dentários é de muita importância antes do tratamento ortodôntico para avaliar a condição ou estado pulpar e se for verificada a necessidade de tratamento endodôntico, este deve preceder o tratamento ortodôntico; há necessidade de um intervalo entre o final do tratamento endodôntico e início da movimentação ortodôntica desses elementos dentários, para que possa ocorrer a reparação dos tecidos do ligamento periodontal e, nos casos em que os dentes sofreram trauma leve ou moderado um período, de pelo menos 4 a 5 meses, deve ser respeitado antes da movimentação ortodôntica; dentes tratados endodonticamente são passíveis de movimentação ortodôntica tanto quanto os dentes vitais, desde que o canal radicular esteja adequadamente obturado; não há, portanto, problemas na movimentação ortodôntica de dentes tratados

18 14 endodonticamente, porém, é indicado especial atenção para os casos associados a trauma, ou seja, injúria prévia ao ligamento periodontal. Souza et al. (1999), realizaram um estudo com o objetivo de verificar possíveis fatores determinantes da reabsorção radicular, durante a mecânica ortodôntica. Verificaram que fatores como o tempo de tratamento, a utilização de arcos retangulares e a realização de movimentos intrusivos foram determinantes de lesões de reabsorção radicular. Já a idade do paciente, o dimorfismo sexual e o tipo de maloclusão de Angle não foram considerados significantes na instalação do processo de reabsorção. Foi relatado haver relação positiva entre magnitude de força aplicada e mordida aberta com as reabsorções radiculares. Ainda foi verificado que a aparatologia fixa induz maior reabsorção radicular quando comparada com a removível, porém, as diferentes técnicas que utilizam dispositivos fixos comportaram-se similarmente quanto à reabsorção radicular. Não houve evidências de diferenças entre tratamentos com e sem extração. Os autores foram divergentes em seus resultados sobre a relação do uso de elásticos de Classe II com o processo de reabsorção radicular. Os dentes mais atingidos foram os incisivos superiores, e há uma maior suscetibilidade de ocorrerem reabsorções em raízes dilaceradas e com forma de pipeta. Foi verificado que a maioria dos pacientes ortodônticos são atingidos pelas reabsorções radiculares, porém quase sempre são leves, e após a remoção das forças cessa o processo de reabsorção radicular. Segundo Campos et al. (1999), a reabsorção da superfície óssea alveolar ocorre no lado submetido à pressão e está na dependência do tipo e intensidade da força aplicada, podendo ser classificada em frontal ou direta e solapante ou indireta. Forças ortodônticas leves induzem uma reabsorção frontal, na qual ocorre a formação de osteoclastos, originados dos monócitos da corrente circulatória, diretamente ao longo da superfície óssea na zona correspondente às fibras comprimidas. Para que se obtenha este tipo de reação, é necessário que as fibras periodontais sejam comprimidas de forma suave, não havendo a formação de zonas hialinas. Como regra, este mecanismo dificilmente acontece durante o estágio inicial do movimento dentário. A reabsorção frontal inicial é observada, particularmente, sob condições experimentais cuidadosamente controladas. Quando uma força de maior intensidade é utilizada, ocorre um comprometimento do suprimento sanguineo do ligamento periodontal, devido à compressão exagerada dos vasos, levando à

19 15 formação de zonas hialinizadas carentes de células. Neste caso, a reabsorção óssea somente ocorrerá após o tecido hialino haver desaparecido, sendo portanto chamada de solapante ou indireta. Existe uma compressão gradual das fibras periodontais, ocasionando a perda dos núcleos celulares e, consequentemente, a perda das trocas metabólicas na região. Todo este quadro retarda o movimento dentário. Os osteoclastos se formam nos espaços medulares e nas zonas adjacentes à superfície interna do osso em um período de 20 a 30 horas, produzindo reabsorção óssea solapante que retira o osso da cortical em torno da zona de compressão, originando zonas de descalcificação e espessamento do ligamento periodontal. Esta alteração é muito marcada na membrana periodontal do adulto, na qual há, comparativamente, poucas células em condições fisiológicas. Além da intensidade da força aplicada, a hialinização também está na dependência de fatores anatômicos. Um deles é a forma e o contorno do osso alveolar onde, havendo fissuras e espaços abertos, tem-se um período bastante curto de hialinização, com uma reabsorção solapante relativamente rápida das espículas e prevalecendo a reabsorção frontal no momento seguinte. Outro elemento é a densidade óssea. Se o osso é muito denso, os osteoclastos ficam impossibilitados de se formarem nos pequenos espaços medulares subjacentes à zona hialinizada. Neste caso, prevalecerá a reabsorção frontal ao longo da membrana periodontal, embora somente após o desaparecimento do tecido hialino. Por outro lado, para a manutenção da histofuncionalidade do periodonto de inserção, é fundamental assegurar as características da lâmina dura. Desta forma, em sua face interna, área correspondente ao osso de sustentação, predomina a atividade osteoblástica compensatória. Goldner et al. (2002), definiram a reabsorção radicular como uma condição indesejada associada a um processo patológico ou fisiológico que resulta na perda de substâncias de tecidos mineralizados como a dentina, o cemento e o osso alveolar. Na movimentação dentária induzida, os cementoblastos podem morrer quando a força aplicada sobre o dente comprimiu de tal forma os vasos do ligamento periodontal naquela região que as células entraram em necrose ou migraram. A superfície radicular, desprotegida pela ausência dos cementoblastos, pode ser ocupada por osteoblastos oriundos do osso vizinho e estes se organizam em unidades osteoremodeladoras, iniciando a reabsorção radicular associada à

20 16 movimentação ortodôntica. A reabsorção inflamatória está relacionada ao movimento ortodôntico. Furquim (2002), realizou um estudo onde mostrou que a freqüência das reabsorções dentárias foi observada em 3 grupos de 70 pacientes cada. O 1º grupo sem tratamento ortodôntico; o 2º grupo com tratamento ortodôntico sem reabsorção dentária e o 3º grupo com reabsorção dentária. Foram analisadas as características morfológicas dentárias e maxilares, bem como determinado o perfil hormonal, cônico, enzimático e glicêmico de todos os pacientes. Os resultados revelaram que: 1. pacientes com tratamento ortodôntico com e sem reabsorção dentária apresentaram o mesmo perfil sistêmico e endocrinológico, tal como os pacientes sem tratamento ortodôntico: 2. no grupo de pacientes submetidos ao tratamento ortodôntico que apresentaram reabsorção dentária, a morfologia radicular triangular foi significantemente mais freqüente em relação ao grupo de pacientes submetidos a tratamento ortodôntico sem reabsorção dentária e do grupo de pacientes sem tratamento ortodôntico: 3. no grupo de pacientes submetidos ao tratamento ortodôntico que apresentaram reabsorção dentária, a morfologia da crista óssea alveolar retangular foi significantemente mais freqüente em relação ao grupo de pacientes submetidos a tratamento ortodôntico sem reabsorção dentária e do grupo de pacientes sem tratamento ortodôntico. Assim concluiu-se que: 1. as reabsorções dentárias durante o tratamento ortodôntico não são resultantes da ação de fatores sistêmicos, inclusive de endocrinopatias: 2. as reabsorções dentárias durante o tratamento ortodôntico são fortemente influenciadas pela morfologia da raiz dentária e da crista óssea alveolar. Chaves e Vilella (2002), relataram que as reabsorções radiculares ocorrem com certa freqüência em pacientes submetidos a tratamento ortodôntico. Porém, a etiologia desse problema parece estar relacionada a inúmeros fatores, além das forças provenientes dos aparelhos ortodônticos. A biologia do movimento dentário envolve uma série de reações teciduais decorrentes da aplicação das forças. Inúmeras variáveis, incluindo fatores biológicos e mecânicos, parecem influenciar o grau e a ocorrência das alterações radiculares durante o movimento dentário. Alguns procedimentos ortodônticos parecem influenciar o grau de reabsorção: o uso de aparelhos extra-orais, associado aos elásticos com orientação de Classe II, a expansão rápida da maxila, extrações dentárias, a utilização de

21 17 elásticos com orientação de Classe II por tempos prolongados e cirurgia maxilar. A biologia do movimento dentário envolve uma série de reações teciduais, após a aplicação de forças ortodônticas, que de uma maneira ainda não totalmente esclarecida, podem resultar em reabsorção radicular. Inúmeras variáveis, incluindo fatores biológicos e mecânicos, parecem influenciar o grau e a ocorrência das alterações radiculares durante o movimento dentário. Um amplo conhecimento sobre a biologia dos tecidos envolvidos durante o movimento dentário, bem como dos princípios biomecânicos e os demais aspectos relacionados às reabsorções parecem auxiliar o ortodontista durante o controle deste indesejado efeito durante o tratamento ortodôntico. Cambi et al. (2002), abordaram em seu estudo a reabsorção radicular decorrente da movimentação ortodôntica, com ênfase nos movimentos de intrusão e torque. Enfatizaram o correto direcionamento, magnitude e intervalo da força aplicada, com o intuito de prevenir a ocorrência da reabsorção radicular, durante e após o tratamento ortodôntico. Embora todos os tipos de movimento ortodôntico possam provocar reabsorção da raiz dentária, a intrusão e o torque, quando aplicados simultaneamente propiciam maiores níveis de rabsorção radicular, que se não forem diagnosticados precocemente podem causar danos irreversíveis, levando até mesmo a perda dentária. Teixeira e Zöllner (2003), realizaram um trabalho cujo objetivo foi avaliar a ocorrência de reabsorção radicular externa em dentes com e sem tratamento endodôntico, que foram submetidos ao tratamento ortodôntico. Foram realizados a avaliação e o levantamento radiográfico de 19 pacientes, em 151 elementos dentários por um período de avaliação de, no máximo, 45 meses. A avaliação foi feita em dentes anteriores superiores e inferiores com radiografias periapicais e panorâmicas. Os autores observaram que dentre os 151 dentes, 10 já tinham o tratamento endodôntico e em 3 casos foi realizada a endodontia durante a movimentação ortodôntica e que não apareceu reabsorção radicular externa em nenhum dos casos analisados, quando submetidos à força. Os autores verificaram que dentro dos 151 dentes que estavam sob pressão ortodôntica, foram analisados que em 26 dentes surgiu reabsorção radicular externa após a movimentação ortodôntica. Dos 151 dentes que os autores analisaram, 135 dispunham de aparelho ortodôntico fixo e 16 de aparelho ortodôntico móvel, sendo que os 26 dentes que

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS

RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS RELAÇÃO ENTRE TRAUMA OCLUSAL E DOENÇAS PERIODONTAIS Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com www.periodontiamedica.com Introdução A associação do trauma oclusal (TO)

Leia mais

ORTODONTIA FRENTE ÀS REABSORÇÕES APICAIS E PERIAPICAIS PRÉVIAS OU POSTERIORES AO TRATAMENTO.

ORTODONTIA FRENTE ÀS REABSORÇÕES APICAIS E PERIAPICAIS PRÉVIAS OU POSTERIORES AO TRATAMENTO. ORTODONTIA FRENTE ÀS REABSORÇÕES APICAIS E PERIAPICAIS PRÉVIAS OU POSTERIORES AO TRATAMENTO. ORTHODONTIC TREATMENT S POSSIBILITY IN PRESENCE OF PREVIOUS OR POSTERIOR APICAL AND PERIAPICAL ROOT RESORPTION

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC FERREIRA, Jean Carlos Barbosa.*¹; MARQUES, Aline Silva¹; SILVA, Julio. Almeida² DECURCIO, Daniel Almeida²; ALENCAR, Ana Helena Gonçalves³;

Leia mais

REABSORÇÃO RADICULAR EXTERNA EM DENTES MOVIMENTADOS ORTODONTICAMENTE

REABSORÇÃO RADICULAR EXTERNA EM DENTES MOVIMENTADOS ORTODONTICAMENTE FACULDADE DE PINDAMONHANGABA Cícero Cruvinel REABSORÇÃO RADICULAR EXTERNA EM DENTES MOVIMENTADOS ORTODONTICAMENTE Pindamonhangaba SP 2012 Cícero Cruvinel REABSORÇÃO RADICULAR EXTERNA EM DENTES MOVIMENTADOS

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Jean de Faria Lopes REABSORÇÃO RADICULAR NA ORTODONTIA

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Jean de Faria Lopes REABSORÇÃO RADICULAR NA ORTODONTIA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Jean de Faria Lopes REABSORÇÃO RADICULAR NA ORTODONTIA CURITIBA 2011 REABSORÇÃO RADICULAR NA ORTODONTIA CURITIBA 2011 Jean de Faria Lopes REABSORÇÃO RADICULAR NA ORTODONTIA

Leia mais

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS

PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS DISCIPLINA DE PATOLOGIA ORAL E MAXILOFACIAL Graduação em Odontologia - 5º Período PROCESSOS PROLIFERATIVOS NÃO NEOPLÁSICOS http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 GRANULOMA

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Neste tópico vamos descrever as principais alterações das imagens radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

químicos empregados em atos operatórios. Segundo Furquin (2003), uma vez esgotados todos os recursos para que se determine a causa local da

químicos empregados em atos operatórios. Segundo Furquin (2003), uma vez esgotados todos os recursos para que se determine a causa local da 6 1 INTRODUÇÃO As reabsorções de tecidos mineralizados em dentes decíduos representam processos fisiológicos decorrentes da esfoliação e da erupção dentária permanente. Por outro lado, processos reabsortivos

Leia mais

Alguns fatores que podem estar relacionados à reabsorção radicular têm sido estudados e descritos na literatura e incluem predisposição individual,

Alguns fatores que podem estar relacionados à reabsorção radicular têm sido estudados e descritos na literatura e incluem predisposição individual, 11 1. Introdução Todo o tratamento ortodôntico, seja qual for a mecânica utilizada, está sujeito a intercorrências que podem levar danos aos dentes e a suas estruturas de suporte. As reabsorções radiculares

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014 11 3894 3030 papaizassociados.com.br 11 3894 3030 papaizassociados.com.br IMPORTÂNCIA DOS EXAMES RADIOGRÁFICOS

Leia mais

Aspectos de interesse à endodontia

Aspectos de interesse à endodontia SISTEMA DE CANAIS RADICULARES Anatomia das cavidades pulpares Aspectos de interesse à endodontia CAVIDADE PULPAR CAVIDADE PULPAR CAVIDADE ANATÔMICA CONTIDA NO INTERIOR DO DENTE, CIRCUNDADA POR DENTINA,

Leia mais

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA

RADIOLOGIA EM ORTODONTIA RADIOLOGIA EM ORTODONTIA Sem dúvida alguma, o descobrimento do RX em 1.895, veio revolucionar o diagnóstico de diversas anomalias no campo da Medicina. A Odontologia, sendo área da saúde, como não poderia

Leia mais

Palavras chaves: Traumatismos dentários ; Dentes decíduos ; Dentes permanentes

Palavras chaves: Traumatismos dentários ; Dentes decíduos ; Dentes permanentes TRAUMATISMO EM DENTES DECÍDUOS E SUA REPERCUSSÃO EM DENTES PERMANENTES JOVENS: RELATO DE CASO Márcia Cançado FIGUEIREDO 1 ;Sérgio Estelita Cavalcante BARROS 1 ;Deise PONZONI 1 Raissa Nsensele NYARWAYA

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto

Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Disciplina: Patologia Oral Alterações da polpa, do periápice e do periodonto Parte 2 Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2º Semestre - 2012 ALTERAÇÕES DA POLPA, DO PERIÁPICE E DO PERIODONTO PATOLOGIA

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS REABSORÇÃO RADICULAR COMO EFEITO DELETÉRIO DO MOVIMENTO ORTODÔNTICO WATSON DE OLIVEIRA PAIVA FEIRA DE SANTANA 2010 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOEBRAS

Leia mais

ANATOMIA DENTAL INTERNA

ANATOMIA DENTAL INTERNA ANATOMIA DENTAL INTERNA VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna Características Gerais Grupo dos incisivos Grupo dos caninos Grupo dos pré-molares Grupo dos molares VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna

Leia mais

Reginaldo César Zanelato

Reginaldo César Zanelato Reginaldo César Zanelato Nos pacientes portadores da má oclusão de Classe II dentária, além das opções tradicionais de tratamento, como as extrações de pré-molares superiores e a distalização dos primeiros

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

WWW.INSTITUTOWERNECK.COM. REABSORÇÃO RADICULAR EXTERNA De quem é a culpa?

WWW.INSTITUTOWERNECK.COM. REABSORÇÃO RADICULAR EXTERNA De quem é a culpa? WWW.INSTITUTOWERNECK.COM REABSORÇÃO RADICULAR EXTERNA De quem é a culpa? Gera estresse celular (forma das células) + Alteração de PH Processo Inflamatório Prostaglandina - Leucotrieno Lesões na membrana

Leia mais

ANATOMIA INTERNA DENTAL

ANATOMIA INTERNA DENTAL ANATOMIA INTERNA DENTAL Cavidade Pulpar: Espaço no interior dos dentes onde se aloja a polpa. Esta cavidade reproduz a morfologia externa do dente,podendo se distinguir duas porções: uma coronária e outra

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Ana Paula Voigt Grando

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Ana Paula Voigt Grando Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Ana Paula Voigt Grando Movimentação ortodôntica em dentes traumatizados CURITIBA 2010 Ana Paula Voigt Grando Movimentação ortodôntica em dentes

Leia mais

Anquilose e Reabsorção Dentária por Substituição não atrapalham a osseointegração dos implantes

Anquilose e Reabsorção Dentária por Substituição não atrapalham a osseointegração dos implantes Explicações e Aplicações Anquilose e Reabsorção entária por Substituição não atrapalham a osseointegração dos implantes Alberto Consolaro, Alexandre Vieira Fernandes, Renata Bianco Consolaro Existem duas

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral PARTE. Curso: Odontologia 4º e 5º Períodos

Disciplina: Patologia Oral PARTE. Curso: Odontologia 4º e 5º Períodos Graduação em Odontologia Disciplina: Patologia Oral PATOLOGIA ÓSSEA { 4 a PARTE Curso: Odontologia 4º e 5º Períodos h t t p : / / l u c i n e i. w i k i s p a c e s. c o m Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares

Doenças Periodontais. Tratamento e Prevenção. 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Doenças Periodontais Tratamento e Prevenção 1º e-book - COS - Clínica Odontológica Soares Gengivite e Periodontite Guia para o paciente Aprenda mais sobre as Doenças Periodontais (de gengiva) As doenças

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL Montagem das Pastas As pastas devem estar organizadas na seguinte ordem: I- Externo Página Título: colocar na capa frontal da pasta (a capa tem um envelope plástico para esta finalidade). BOARD BRASILEIRO

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. João Paulo Lavagnoli Manfrinato

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. João Paulo Lavagnoli Manfrinato Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico João Paulo Lavagnoli Manfrinato A importância da extrusão ortodôntica lenta na reabilitação oral revisão de literatura CURITIBA 2013 João Paulo

Leia mais

Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin

Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin Traumatismo Alvéolo-Dentário em Dentes Permanentes: Elementos para Diagnóstico e Tratamento por Cristina Braga Xavier e Eduardo Luiz Barbin Espera-se que a leitura deste documento forneça, de maneira rápida

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS 31) Sobre a reabsorção localizada severa, é correto afirmar que a) os dentes com dilaceração são fatores de risco. b) o tratamento ortodôntico não é o principal fator etiológico.

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

MOVIMENTO DENTÁRIO INDUZIDO: alterações e diagnóstico por meio de imagens digitais

MOVIMENTO DENTÁRIO INDUZIDO: alterações e diagnóstico por meio de imagens digitais Faculdade de Odontologia LUCIANO GONÇALVES BURRINI MOVIMENTO DENTÁRIO INDUZIDO: alterações e diagnóstico por meio de imagens digitais Belo Horizonte 2012 LUCIANO GONÇALVES BURRINI MOVIMENTO DENTÁRIO INDUZIDO:

Leia mais

OCTÁVIO HENRIQUE CARMONA OCAÑA DOS SANTOS RELAÇÃO ENTRE A MAGNITUDE DA FORÇA ORTODÔNTICA APLICADA E A TAXA DE MOVIMENTAÇÃO DENTÁRIA

OCTÁVIO HENRIQUE CARMONA OCAÑA DOS SANTOS RELAÇÃO ENTRE A MAGNITUDE DA FORÇA ORTODÔNTICA APLICADA E A TAXA DE MOVIMENTAÇÃO DENTÁRIA OCTÁVIO HENRIQUE CARMONA OCAÑA DOS SANTOS RELAÇÃO ENTRE A MAGNITUDE DA FORÇA ORTODÔNTICA APLICADA E A TAXA DE MOVIMENTAÇÃO DENTÁRIA Londrina 2013 OCTÁVIO HENRIQUE CARMONA OCAÑA DOS SANTOS RELAÇÃO ENTRE

Leia mais

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO.

TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO. TIP-EDGE e a TÉCNICA DIFERENCIAL DO ARCO RETO....Tip-Edge é um braquete com um slot edgewise modificado, pré-ajustado, que permite inclinação da coroa em uma direção e ainda cria ancoragem através de movimento

Leia mais

Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO

Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO Centro Universitário Cesmac CAMILA MARIA BEDER RIBEIRO TUMORES ODONTOGÊNICOS Tumores odontogênicos - grupo de doenças heterogêneas que vão desde hamartomas ou proliferação de tecido não neoplásico a neoplasias

Leia mais

Premissa. Códigos e rios

Premissa. Códigos e rios Índices epidemiológicos em saúde bucal 3/10/2011 Prof. Samuel Jorge Moysés, Ph.D. 1 Premissa A epidemiologia pode ser definida como o estudo da distribuição e dos determinantes de eventos ou estados relacionados

Leia mais

Apresentação na Jornada Internacional do 45º Aniversário da Faculdade de Odontologia de Rosário.

Apresentação na Jornada Internacional do 45º Aniversário da Faculdade de Odontologia de Rosário. 1 45º Aniversario FOR UNR Jornada Internacional Resumen trabajos expuestos. 2 Pilares Protéticos Personalizados. Paulo Odair Tessare Junior *; Maria Leticia Britto Machado**; Antônio Sérgio Fava*** 1 Nos

Leia mais

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada?

Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? Cirurgia Ortognática e Estética Facial: Qual sua importância na Odontologia Integrada? A avaliação da estética facial, bem como sua relação com a comunicação e expressão da emoção, é parte importante no

Leia mais

LINK CATÁLOGO DE EXAMES

LINK CATÁLOGO DE EXAMES Porque pedir um exame radiográfico? LINK CATÁLOGO DE EXAMES O exame radiográfico é solicitado para a visualização clinica das estruturas ósseas da cavidade bucal. Para isso, existem as mais diversas técnicas

Leia mais

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO

CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA. APROVADO: MEC e CFO CRONOGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA APROVADO: MEC e CFO 1º. MÓDULO: 1º. DIA: Apresentação da Especialização / Aula teórica de Classificação das Más-oclusões 2º. DIA: Aula teórica de Etiologia

Leia mais

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS

Borracha Natural - conservação amônia. vulcanizado. Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais TIPOS DE ELÁSTICOS Curso de Aperfeiçoamento em Ortodontia Elásticos TIPOS DE ELÁSTICOS Borracha Natural - conservação amônia sensível ao ozônio vulcanizado Sintéticos carvão,petróleo e álcoois vegetais Elasticidade é a propriedade

Leia mais

Tracionamento ortodôntico: possíveis consequências nos caninos superiores e dentes adjacentes

Tracionamento ortodôntico: possíveis consequências nos caninos superiores e dentes adjacentes I n s i g h t O r t o d ô n t i c o Tracionamento ortodôntico: possíveis consequências nos caninos superiores e dentes adjacentes Parte 3: anquilose alveolodentária, reabsorção dentária por substituição,

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal

MÁ-OCLUSÃO. Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal MÁ-OCLUSÃO Ortodontista: Qualquer desvio de posição do dente em relação ao normal Sanitarista: Inconveniente estético ou funcional de grande magnitude que possa interferir no relacionamento do indivíduo

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

Ortho In Lab. Resumo PROSTHESIS

Ortho In Lab. Resumo PROSTHESIS Planejamento e individualização da aparatologia ortodôntica conjugada aos mini-implantes ( DATs) Parte I Sítios de instalação uma área de risco controlado. Individualization of planning and orthodontic

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

Palavras-chave: Reabsorção radicular, Radiologia, Ortodontia.

Palavras-chave: Reabsorção radicular, Radiologia, Ortodontia. 90 REABSORÇÃO RADICULAR: REVISÃO DE LITERATURA Edgar Arturo Dipas Torres 1. Ludimilla Ronqui 2. Liliane Silvia Valente Villar 3 RESUMO: A reabsorção radicular constitui uma lesão interna ou externa que

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2013-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Odontologia 2013-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Odontologia 2013-1 INCIDÊNCIA DE HIPERTROFIA DE CORNETOS NASAIS INFERIORES NUMA POPULAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes.

ELEMENTOS ESSENCIAIS DIAGNÓSTICO. Prof. Hélio Almeida de Moraes. ELEMENTOS ESSENCIAIS DE DIAGNÓSTICO Prof. Hélio Almeida de Moraes. ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 Documentação do Paciente: 2 1- Ficha Clínica:- 2 A- Identificação: 2 B- Anamnese: 3 História da Família 3 História

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Tratamento endodôntico em Gato Doméstico (Felis Catus): Relato de caso Jaime Sardá Aramburú Junior 1, Cristiano Gomes 2, Ney Luis Pippi 3, Paulo

Leia mais

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações

Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa. subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações 1 INTRODUÇÃO Uma vez estando estabelecidos os conceitos de oclusão normal, a etapa subseqüente do processo de aprendizado passa a ser o estudo das variações desse padrão. Vale a pena relembrarmos a definição

Leia mais

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Aplicação do t Manual INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Classificação Geral Identificação dos instrumentos t SONDAS PERIODONTAIS EXPLORADORES CURETAS ENXADAS FOICES LIMAS Instrumentos Exploradores

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

Mini Implante parte VII

Mini Implante parte VII Mini Implante parte VII Correção da Mordida Cruzada Dentária com Mini-implantes Mordida cruzada posterior Mordida cruzada vestibular (Brodie) Expansão Lenta da Maxila e Expansão Rápida da Maxila Paciente

Leia mais

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical

Mordida Profunda Definição. Trespasse vertical Mordida Profunda Definição Trespasse vertical Mordida Profunda Diagnóstico Os fatores que contribuem variam de acordo com a oclusão: u Em boas oclusões é determinda por fatores dentários: t Comprimento

Leia mais

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) GUIA DE SAÚDE BUCAL E TRAUMATISMO DENTAL PARA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) AUTORES Ingryd Coutinho de Oliveira Priscila Cunha Nascimento Discentes da Graduação em Odontologia e Bolsistas de Ensino

Leia mais

Adriana Pinheiro Chaves C. D. Reabsorções Radiculares Externas. e o Tratamento Ortodôntico

Adriana Pinheiro Chaves C. D. Reabsorções Radiculares Externas. e o Tratamento Ortodôntico Adriana Pinheiro Chaves C. D. Reabsorções Radiculares Externas e o Tratamento Ortodôntico Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Ortodontia da Faculdade de Odontologia da UFF, como parte

Leia mais

DISFUNÇÃO PERIODONTAL

DISFUNÇÃO PERIODONTAL DISFUNÇÃO PERIODONTAL Fernandes Neto, A.J., et al. Univ. Fed. Uberlândia - 2007 Na presença de distúrbios oclusais, os pacientes suscetíveis à desordem periodontal apresentam alterações do periodonto de

Leia mais

ANDREA KANASHIRO TSUBONO. Estudo da reabsorção radicular apical externa associada ao tratamento ortodôntico

ANDREA KANASHIRO TSUBONO. Estudo da reabsorção radicular apical externa associada ao tratamento ortodôntico ANDREA KANASHIRO TSUBONO Estudo da reabsorção radicular apical externa associada ao tratamento ortodôntico Marília 2006 ANDREA KANASHIRO TSUBONO Estudo da reabsorção radicular apical externa associada

Leia mais

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10

Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde Bucal CID 10 K00 - Distúrbios do Desenvolvimento e da Erupção Dos Dentes K00.0 - Anodontia K00.1 - Dentes Supranumerários

Leia mais

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral

A Importância da Saúde Bucal. na Saúde Geral PALESTRA A Importância da Saúde Bucal na Saúde Geral A saúde começa pela boca Os dentes são importantes na mastigação dos alimentos, fala, e estética, influenciando diretamente na auto-estima do indivíduo

Leia mais

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS

TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS TRATAMENTO ORTODÔNTICO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR EM PACIENTES ADULTOS Jorge Ferreira Rodrigues 1 Marcella Maria Ribeiro do Amaral Andrade 2 Ernesto Dutra Rodrigues 3 Resumo O tratamento ortodôntico da

Leia mais

MANTENEDORES DE ESPAÇO

MANTENEDORES DE ESPAÇO MANTENEDORES DE ESPAÇO Conceito São aparelhos ortodônticos usados para manter o espaço nas arcadas dentárias, por perda precoce de dentes decíduos. Classificação Quanto ao uso: fixos semifixos removíveis

Leia mais

PREPARO DO CANAL. - Indicação. 1. Material necessário Instrumentos Manuais tipo K. - Pulpectomias e Desobturações. Flexofile ou Flex-R.

PREPARO DO CANAL. - Indicação. 1. Material necessário Instrumentos Manuais tipo K. - Pulpectomias e Desobturações. Flexofile ou Flex-R. PREPARO DO CANAL 1. Material necessário Instrumentos Manuais tipo K - Pulpectomias e Desobturações Flexofile ou Flex-R (FIG.1) (FIG.5) (FIG.2) - núcleo quadrangular (FIG.2) - pouco flexível - bom corte

Leia mais

Título: ALEXANDER DISCIPLINE, NOVO CONCEITO EM ORTODONTIA

Título: ALEXANDER DISCIPLINE, NOVO CONCEITO EM ORTODONTIA Título: ALEXANDER DISCIPLINE, NOVO CONCEITO EM ORTODONTIA Resumo: Sistema elaborado para se obter excelentes resultados de maneira simples e organizada, simplificando a mecânica ortodôntica reduzindo o

Leia mais

Abertura. Abertura ria. ria. Abertura. Abertura. Requisitos Principais. abertura coronária. Abertura ria. Requisitos Principais. ria.

Abertura. Abertura ria. ria. Abertura. Abertura. Requisitos Principais. abertura coronária. Abertura ria. Requisitos Principais. ria. coroná www.endodontia.com.br abertura coroná princípios pios e técnica t simplificada Coroná Requisitos Principais Coroná Requisitos Principais Ponto de eleição inicial pré- determinado Remoção do tecido

Leia mais

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias

BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL. http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias BOARD BRASILEIRO DE ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL http://www.bbo.org.br [acesso em 15/02/2009, 07h30] Especificação dos Casos quanto às Categorias A escolha dos casos a serem apresentados deverá seguir

Leia mais

ANEXO I. Rol de Procedimentos Odontológicos

ANEXO I. Rol de Procedimentos Odontológicos ANEXO I Rol de Procedimentos Odontológicos Classificam-se como procedimentos de DIAGNÓSTICO: I Consulta inicial II Exame histopatológico Consiste em anamnese, preenchimento de ficha clínica odontolegal,

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. A dentina do manto e a dentina circum pulpar constituem a dentina:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. A dentina do manto e a dentina circum pulpar constituem a dentina: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ENDODONTIA 21. A dentina do manto e a dentina circum pulpar constituem a dentina: a) Terciária. b) Secundária. c) Primária. d) Reacional. 22. O revestimento dos túbulos

Leia mais

Programa Laboratorial (hands on em Manequim)

Programa Laboratorial (hands on em Manequim) PROGRAMA DE CURSO DE EXCELÊNCIA EM ORTODONTIA COM 8 MÓDULOS DE 2 DIAS MENSAIS Prof. ROQUE JOSÉ MUELLER - Tratamento Ortodôntico de alta complexidade em adultos : diagnóstico, planejamento e plano de tratamento.

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

Extração Seriada, uma Alternativa

Extração Seriada, uma Alternativa Artigo de Divulgação Extração Seriada, uma Alternativa Serial Extraction, an Alternative Procedure Evandro Bronzi Resumo A extração seriada é um procedimento ortodôntico que visa harmonizar

Leia mais

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA

ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA ESPECIALIDADE MEDICINA DENTÁRIA Cirurgia Oral A Cirurgia Oral é uma especialidade da Medicina Dentária que inclui o diagnóstico e o tratamento cirúrgico de patologias dos tecidos moles e tecidos duros

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Doenças periodontais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 7 Samuel. Fundamentação Teórica: Doenças periodontais CASO COMPLEXO 7 Samuel : Ilíria Salomão Feist Dividiremos nosso conteúdo referencial em duas partes: na primeira definiremos, segundo a Academia Americana de Periodontia (AAP), os itens que devem ser seguidos

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES

ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES Classificam-se como procedimentos de DIAGNÓSTICOS: I Consulta Inicial Consiste em anamnese, preenchimento de ficha clínica Odontolegal, diagnósticos das doenças

Leia mais

IGC - Índice do Grau de Complexidade

IGC - Índice do Grau de Complexidade IGC - Índice do Grau de Complexidade Uma medida da complexidade do caso DI -American Board of Orthodontics Autorização American Board of Orthodon1cs- ABO Atualização: 13.05.2013 12. Outros Itens pontuados

Leia mais

Doença de Paget. Definição:

Doença de Paget. Definição: Definição: É uma doença sistêmica de origem desconhecida que determina alteração no Processo de Remodelação Óssea. Apresenta um forte componente genético. Se caracteriza por um aumento focal no remodelamento

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli LIMA, Richard Presley 1 ; DOS SANTOS, Mateus Veppo 2 ; DE MOURA, Cariacy Silva 3 ; GUILLEN, Gabriel Albuquerque 4 ; MELLO, Thais Samarina Sousa

Leia mais

Sobre trauma dentário em crianças e adolescentes

Sobre trauma dentário em crianças e adolescentes PERGUNTAS E RESPOSTAS Sobre trauma dentário em crianças e adolescentes Vânia Portela Ditzel WESTPHALEN Everdan CARNEIRO Luiz Fernando FARINIUK Ulisses Xavier da SILVA NETO Liliane ROSKAMP Fernando Henrique

Leia mais

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA PERIODONTIA I 5º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Biossegurança e Orientação Profissional Odontológica; Diagnóstico por Imagem I; Patologia Buço Denta. 2. EMENTA: O aluno

Leia mais

COBERTURA DA APÓLICE BRADESCO DENTAL SPG 5 A 49 VIDAS

COBERTURA DA APÓLICE BRADESCO DENTAL SPG 5 A 49 VIDAS ANS BRADESCO DENTAL DIAGNÓSTICO CONSULTA INICIAL EXAME HISTOPATOLÓGICO URGÊNCIA/EMERGÊNCIA COLAGEM DE FRAGMENTOS CURATIVO E/OU SUTURA EM CASO DE HEMORRAGIA BUCAL/LABIAL CURATIVO EM CASO DE ODONTALGIA AGUDA

Leia mais

Aula 9: Laudo Radiográfico

Aula 9: Laudo Radiográfico Aula 9: Laudo Radiográfico Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Definição: É a interpretação das imagens radiográficas, reconhecendo as estruturas e reparos anatômicos

Leia mais