Disciplina: DIREITO CIVIL VIII (SUCESSÕES) Professora: Juliana Oliveira 9º PERÍODO TURNO: NOITE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Disciplina: DIREITO CIVIL VIII (SUCESSÕES) Professora: Juliana Oliveira 9º PERÍODO TURNO: NOITE"

Transcrição

1 Disciplina: DIREITO CIVIL VIII (SUCESSÕES) Professora: Juliana Oliveira 9º PERÍODO TURNO: NOITE - BIBLIOGRAFIA BÁSICA (sugestões) CAHALI, Francisco José e HIRONAKA, Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka. Direito das sucessões. 3 ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro. 22ª edição. São Paulo: Saraiva. GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito Civil Brasileiro. 2 ed. São Paulo: Saraiva RODRIGUES, Silvio. Direito Civil. 26 ed., atualizada por Zeno Veloso. São Paulo: Saraiva MONTEIRO, Washington de Barros. Curso de Direito Civil. 35 ed., atualizada por Ana Cristina de Barros Monteiro França Pinto. São Paulo: Saraiva PEREIRA, Caio Mário da Silva. Instituições de Direito Civil. 16. ed., atualizada por Carlos Roberto Barbosa Moreira. Rio de Janeiro: Forense - BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR NADER, Paulo. Curso de Direito Civil. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense NOGUEIRA, Cláudia de Almeida. Direitos das sucessões Comentários à parte geral e à sucessão legítima. 3 ed., Rio de Janeiro: Lúmen Júris PACHECO, José da Silva. Inventários e Partilhas. 19 ed., Rio de Janeiro: Forense SUCESSÕES Unidade I Direito das sucessões. Noções introdutórias 1.1. Conceitos básicos do direito das sucessões a)sucessão sucessão significa, em sentido amplo, a transferência de um direito de uma pessoa para outra. A transferência de direitos pode verificar- se em vida (sucessão inter vivos) ou em razão da morte de um dos sujeitos da relação jurídica (sucessão causa mortis ). O direito das sucessões trata exclusivamente da sucessão decorrente do falecimento de uma pessoa, empregando o vocábulo sucessão em um sentido estrito, para identificar a transmissão de um patrimônio em razão da morte de seu titular. b)autor da herança: trata- se do de cujus (de cujus successione agitur ), ou seja, da pessoa falecida por cuja morte se abre a sucessão. c)sucessores: aqueles que recebem bens da herança do de cujus, ou seja, os que substituem o falecido nas relações jurídicas até então por ele exercidas. Como se verá adiante, o sucessor pode ser denominado herdeiro (quando recebedor da totalidade da herança ou de fração indeterminada) ou legatário (quando recebedor de coisa certa). d)herança: é a universalidade das relações jurídicas deixadas pelo falecido, enquanto não transferidas aos sucessores. É também denominada de acervo hereditário, monte- mor, monte partível, massa, patrimônio inventariado e, também, sob a ótica processual, espólio. A parcela da herança destinada ao sucessor designa- se quinhão hereditário ou quota hereditária. e)sucessão testamentária e sucessão legítima : quanto à fonte que deriva, classifica- se a sucessão em legítima e testamentária (art.1786 CC/02). A sucessão legítima, por vezes também designada sucessão legal, é a que se dá em virtude de lei. O legislador traz a ordem de vocação hereditária, através da qual designa aqueles que serão chamados para suceder. A sucessão testamentária deriva de ato de última vontade, representado por testamento promovido pelo autor da herança, na forma e condições estabelecidas em lei. Nesta hipótese, não é a lei, mas a pessoa que elege seus sucessores. f)sucessão a título universal e sucessão a título singular : quanto à forma de destinação dos bens da herança, a sucessão pode ser a título universal ou a título singular. A sucessão a título universal caracteriza- se pela transmissão do patrimônio de cujus pela atribuição, aos sucessores, de partes ideais (quotas hereditárias). Também será considerada sucessão a título universal quando houver um único herdeiro e este receber a integralidade da herança. A sucessão a título singular implica a transferência de bens determinados a pessoas determinadas. O bem deixado denomina- se legado, e o beneficiado, legatário.

2 A sucessão legítima ocorre sempre a título universal; já a sucessão testamentária pode se dar a título universal ou a título singular. g)inventário : é o processo judicial pelo qual se promove a transmissão da herança, podendo ter, em determinadas hipóteses, o procedimento mais simples de arrolamento ou ser extrajudicial Direito das sucessões conceito e divisões O direito das sucessões estuda o conjunto de regras que disciplinam a transmissão do patrimônio de uma pessoa depois de sua morte. Se divide em: - sucessão em geral: normas aplicáveis tanto à sucessão legítima quanto à sucessão testamentária. - sucessão legítima : regras referentes à sucessão que se opera por lei, na qual a herança é transmitida às pessoas constantes da ordem de vocação hereditária (seqüência legal de pessoas aptas a receber a herança). - sucessão testamentária : regras relativas à transmissão da herança por ato de última vontade do falecido, que, por testamento, elenca as pessoas aptas a receber a herança. - inventário e partilha : normas sobre o processo judicial por meio do qual se efetua a divisão dos bens entre os herdeiros Fundamento do direito das sucessões - Fundamento religioso : em certa passagem histórica, nas antigas civilizações, a sucessão teve seu fundamento exclusivamente na religião, como instrumento para subsistência do culto aos antepassados e para continuação da religião do falecidos. - Fundamento biológico ou antropológico : segundo a ótica bio- antropológica os pais transmitem à prole não só os caracteres orgânicos, mas também as qualidades psíquicas, resultando daí que a lei, ao garantir a propriedade pessoal, reconhece que a transmissão hereditária dos bens seja uma continuação biológica e psicológica dos progenitores. - Fundamento jurídico : A transmissão causa mortis é a decorrência lógica do direito de propriedade (art.5º XXII e XXX CF/88), caracterizado pela perpetuidade e estabilidade das relações jurídicas. Alguns doutrinadores sustentam o fundamento da transmissão hereditária não só na propriedade, mas também na proteção da família. Unidade II da sucessão em geral 2.1. Momento da abertura da sucessão A existência da pessoa natural termina com a morte. Este é o momento exato da abertura da sucessão, também chamado de delação ou devolução sucessória ou delação hereditária. A morte pode ser real (art.3º lei 9439/97) ou presumida. A morte real é comprovada pelo médico, na presença do cadáver. A morte presumida ocorre nos casos em que uma pessoa será considerada morta, todavia, não há corpo. Pode haver morte presumida sem decretação de ausência (art. 7º incisos I e II CC/02) ou com decretação de ausência (art.6º, 2ª parte CC/02). - morte presumida sem decretação de ausência (art. 7º CC/02): Pode ser declarada em caso de perigo de vida (se for extremamente provável a morte de quem estava em perigo de vida), ou em caso de guerra (quando alguém, desaparecido em campanha ou feito prisioneiro, não for encontrado até dois anos após o término da guerra). A declaração de morte presumida, nesses casos, só poderá ocorrer após esgotadas todas as buscas e averiguações, devendo a sentença fixar a data provável do falecimento (art.7º, único CC/02). - morte presumida com decretação de ausência (art.6º 2ª parte CC/02) : presume- se a morte, quanto ao ausente, nos casos em que a lei autoriza a abertura da sucessão definitiva. São requisitos desta morte presumida a sentença constitutiva que decreta a ausência e a abertura da sucessão definitiva (arts. 22, 37 e 38 CC/02).

3 A morte se prova com a certidão extraída do assento de óbito. A sentença que declara a morte presumida é levada ao RCPN, para que seja extraída a certidão de óbito (art.9º I e IV CC/02). O instituto da ausência é o meio de proteção dos interesses daquele que se afasta do seu domicílio, e possui também o propósito de defender do perecimento o patrimônio do ausente e, se necessário, promover a sua transmissão aos herdeiros. A declaração de ausência se divide em três momentos: - 1º momento: curadoria de ausentes - procura preservar os bens do ausente, tendo em vista um possível regresso. Decretada a ausência (decisão constitutiva) será nomeado curador para o patrimônio do ausente. - 2º momento: sucessão provisória - Um ano após a arrecadação dos bens do ausente (declaração de ausência), ou três anos, se houver procurador constituído, a lei autoriza a sucessão provisória, para que os interessados (cônjuge, companheiro, herdeiros, titulares de direitos condicionados à morte e credores em geral) passem a gerir o patrimônio. Nessa fase o legislador ainda encara como plausível o retorno do ausente, e prevê uma série de medidas caso este retorne: art.28 (a sentença que autoriza a abertura da sucessão provisória só produz efeitos após 180 dias), art.30 (garantia dos herdeiros imitidos na posse), art.31 (restrição à alienação), arts. 33 único e art º momento: sucessão definitiva 10 anos depois da sucessão provisória os interessados podem requerer a sucessão definitiva (levantamento das cauções prestadas e restrições). Outro caso de sucessão definitiva (art.38) é quando o ausente conta com mais de 80 anos de idade e de cinco datam as sua últimas notícias. Nesse caso, o juiz que declara a ausência pode, desde já, realizar a sucessão definitiva. - Comoriência (art.8º do CC/2002): quando várias pessoas vêm a falecer em conseqüência de um mesmo acontecimento (ex: naufrágio, queda de avião, acidente automobilístico, etc) poderá interessar ao direito qual delas faleceu primeiro, a fim de verificar se houve ou não transmissão de direitos. Se dos recursos técnicos não forem suficientes para apurar o momento da morte, considera- se que a morte foi simultânea. Comoriência é a presunção de simultaneidade da morte entre os comorientes não há transmissão de direitos, ou seja, não há sucessão. STJ - MEDIDA CAUTELAR Nº3.482-SE (2001/ ) - data da Publicação 14/02/2001 RELATOR : MINISTRO SÁLVIO DE FIGUEIREDO TEIXEIRA REQTE : EDÊNIA BARBOSA TELES SOBRAL REQDO : AUGUSTO HAGENBECK 1. Em conseqüência do falecimento de Corina Teles Sobral Hagenbeck e de seus dois filhos menores, Henrique e Bruna, em acidente de automóvel, foi providenciada pela ora requerente, mãe da primeira, a abertura do inventário da sua filha. Afirmou a requerente que teria havido comoriência, de sorte que os bens de Corina não teriam sido transmitidos aos filhos, ocasionando a sucessão na linha ascendente, em cuja ordem de vocação hereditária seria ela, Edênia Barbosa Teles Sobral, a única herdeira desse patrimônio. 2. O marido de Corina e pai de Bruna e Henrique, ora requerido, promoveu por seu lado a abertura do inventário tanto de Corina quanto da filha Bruna, afirmando que, segundo o laudo da polícia técnica elaborado no local do acidente, mas três horas após o evento, a filha Bruna teria sido retirada das ferragens do automóvel ainda com vida, vindo a falecer no trajeto até o hospital, pelo que a hipótese de comoriência estaria afastada e os bens de Corina teriam sido transmitidos a Bruna, sendo ele o único herdeiro da filha na linha ascendente. 3. O Juiz de Direito da 6ª Vara Cível de Aracaju houve por bem extinguir o inventário aberto pela requerente ao fundamento de não assistir à mãe a legitimidade ativa ad causam, uma vez que "a documentação acostada pelo marido e pai dos falecidos no trágico acidente, demonstra a possibilidade de averiguar-se o momento do falecimento de Bruna, portanto, em relação à mesma não houve comoriência", concluindo que, "tendo Bruna Sobral Hagenbeck tornado-se herdeira de Corina Teles Sobral Hagenbeck, ainda que por breve momento, com o

4 seu falecimento tornou-se o seu genitor o seu único sucessor, e por via de conseqüência, de todos os bens que a menor herdou de sua genitora" Lei que rege a sucessão A data do falecimento de cujus indica qual a legislação a ser aplicada (art.1787 CC/02). Assim, as normas do CC/02 se aplicam às sucessões decorrentes de óbitos posteriores a entrada em vigor do Código ( ). No entanto, quanto às sucessões oriundas de óbitos ocorridos antes da entrada em vigor do CC/02, se aplicam as disposições do CC/16. Observe- se que a data de ajuizamento do inventário não exerce qualquer influência sobre a fixação da lei que rege a sucessão esta depende tão somente da data em que a morte foi verificada Lugar da sucessão Conforme dispõe o art.1785, o local da abertura da sucessão será o último domicílio do falecido. A disciplina jurídica do domicílio se encontra do art.70 a 78. É de suma relevância conhecer o último endereço do de cujus, pois este indica o foro competente para ajuizamento do inventário (art.96 CPC) Transmissão da herança direito de saisine Com o falecimento ocorre, sem solução de continuidade, a transmissão da herança. A substituição do de cujus pelos herdeiros na titularidade das relações jurídicas daqueles se faz automaticamente, no plano jurídico, sem qualquer outra formalidade, ainda que, no plano fático, os sucessores ignorem o falecimento. A transmissão automática do acervo patrimonial do falecido inspira- se no princípio da saisina (direito de saisine ou droit de saisine le mort saisit le vif). Por esse princípio, logo que se abre a sucessão, instantaneamente, independentemente de qualquer formalidade, investese o herdeiro no domínio e posse dos bens constantes do acervo hereditário art.1784 CC/02. Em verdade, o direito de saisine é uma ficção jurídica: a transmissão da herança se faz ipso iure, para preservar a necessária continuidade das relações jurídicas deixadas pelo falecido, que não podem ficar acéfalas (ou seja, sem titular). Com a definitiva partilha ou adjudicação da herança, a titularidade do acervo se opera retroativamente, desde a data do falecimento. Unidade III HERANÇA 3.1. natureza jurídica da herança Por expressa disposição legal, o conjunto de bens e direitos objeto da sucessão é considerado bem imóvel (art.80 II CC/02). A herança é, por ficção jurídica, tratada como imóvel, obedecendo às peculiaridades relativas a esta espécie de bens. Apresentando- se como uma universalidade de direitos (universitas juris art.91 CC/02 ), considera- se um patrimônio único e indivisível, sobre o qual os herdeiros exercem um condomínio, até a partilha ou adjudicação dos bens, quando se desfaz a comunhão forçada (art.1791 CC/02). A massa patrimonial ora denominada herança é identificada processualmente como espólio, não tendo personalidade jurídica, entretanto, possui legitimidade ad causam, exercida em regra pelo inventariante (art. 12 V CPC) direitos e obrigações que compõem a herança

5 São transmitidos aos sucessores os bens imóveis, móveis e qualquer outra relação jurídica de direitos e obrigações, como linhas telefônicas, aplicações financeiras, ações ou quotas sociais, direitos possessórios (art.1203 e art.1206 CC/02), crédito perante terceiros, restituição de imposto de renda, e o direito de propor as respectivas ações (ação de cobrança, indenizatória ou de repetição de indébito) direitos e obrigações que não compõem a herança Excluem- se da herança as relações jurídicas não patrimoniais e as personalíssimas, das quais o falecido era titular. Exemplos: poder familiar, a tutela ou curatela eventualmente exercida pelo de cujus, o usufruto, o uso, o direito real de habitação, as rendas vitalícias, as pensões previdenciárias, o contrato de trabalho administração da herança Até a efetiva partilha ou adjudicação dos bens componentes da herança, faz- se necessário que a herança tenha um administrador, um responsável, um representante legal este pode ser o administrador provisório ou o inventariante. Da abertura da sucessão até que o inventariante nomeado preste compromisso, tal função caberá ao administrador provisório. O administrador provisório é aquele que está na posse da herança. Representa ativa e passivamente o espólio, é obrigado a trazer ao acervo os frutos que desde a abertura da sucessão percebeu, tem direito ao reembolso das despesas necessárias e úteis que fez e responde pelo dano que, por dolo ou culpa, der causa (art.985 e 986 CPC). Caberá ao juiz indicar o administrador provisório sempre que tal encargo tiver sido assumido por pessoa que não integra o rol estabelecido no art.1797 do CC/02. Civil e Processual Civil. Compromisso de compra e venda de imóvel. Rescisão da avença. Danos materiais e morais. Morte da promitente vendedora. Não abertura do inventário. Administrador provisório do espólio. Legitimidade passiva. Os arts. 985 e 986 do Código de Processo Civil contemplam a figura do administrador provisório, ou seja, aquele que administra os bens e direitos da herança até que o processo de inventário seja instaurado, com a consequente nomeação do inventariante. É ele, portanto, quem representará o espólio ativa e passivamente - durante esse interregno. (TJRJ AC DES. MALDONADO DE CARVALHO - Julgamento: 15/08/2006 1ª CC). Apelação Cível. Direitos Processual e Civil. Ação de cobrança de cotas condominiais em face de espólio. Inexistência de inventário. Nomeação e instituição em testamento público de inventariante e testamenteiro. Existência de procedimento de abertura e cumprimento de testamento público já extinto por sentença nomeando testamenteiro. Apelante que, nomeado testamenteiro, deve figurar como administrador provisório dos bens e direitos da herança até a instauração do processo de inventário, representando passiva e ativamente o espólio durante esse intervalo. A herança responde por eventuais dívidas do falecido, razão pela qual não cabe a inclusão obrigatória dos herdeiros no pólo passivo do presente processo, como pretende o apelante. Inteligência dos artigos 985 e 986 do Código de Processo Civil. (TJRJ AC DES. SERGIO SEABRA VARELLA - Julgamento: 12/02/ ª CC). PROCESSUAL CIVIL. ESPÓLIO. REPRESENTAÇÃO PROCESSUAL. O espólio tem capacidade de ser parte, sendo representado em juízo pelo inventariante ou, se ainda não prestado o compromisso, pelo administrador provisório, como resulta da interpretação conjugada dos arts. 12, V, e 986 do Código de Processo Civil, operandose, em caso de falecimento da parte no curso da demanda, substituição na forma do art. 43, do mesmo Código. Ofensa a esse dispositivo e ao art. 265, I, do CPC não caracterizada. (STJ Resp /GO, Terceira Turma, Rel. Min. Costa Leite, DJ de 02/09/1996); Unidade IV Aceitação da herança 4.1. Conceito, fundamento e efeitos da aceitação da herança Aceitação (ou adição) da herança é o ato jurídico unilateral pelo qual o herdeiro, manifestando a vontade de suceder o finado, confirma a transmissão do domínio e da posse

6 dos bens por ele deixados (art.1804 CC/02). Tem como fundamento o princípio de que ninguém é herdeiro contra a sua própria vontade. A aceitação tem como efeito tornar definitiva a transmissão dos bens do de cujus para os seus sucessores afinal, esta já se considera ocorrida desde a abertura da sucessão, por causa do direito de saisina. Diz- se, portanto, que a aceitação tem eficácia ex tunc, ou seja, os efeitos da aceitação retroagem à data do falecimento (art.1804 caput CC/02). Obs: no direito brasileiro atual, a regra é a sucessão a benefício de inventário (art.1792 CC/02), ou seja, o sucessor não responde com seu patrimônio pessoal pelos encargos superiores aos limites da herança Espécies de aceitação da herança Quanto à forma, a aceitação pode ser expressa, tácita ou presumida. -Aceitação expressa: se verifica quando o sucessor manifesta por escrito a sua vontade de suceder, em receber os bens do falecido (art ª parte CC/02). Essa manifestação pode se dar por termo nos autos, por escritura pública ou escrito particular. -Aceitação tácita: ocorre com a manifestação de atos compatíveis com a sua qualidade de sucessor (art ª parte CC/02). Ex: concordar com as primeiras declarações, pagar impostos, nomeação de advogado para intervir no inventário na defesa dos direitos de herdeiro, promessa de cessão de direitos hereditários a terceiros. Observe- se que a própria lei ressalva que alguns atos não implicam na aceitação presumida, por revelarem, na verdade, simples dever moral e familiar de quem os pratica (art º CC/02). Ex: pagar o funeral. -Aceitação presumida : dar- se- á quando o sucessor, no prazo de até trinta dias, não se manifesta aceitando ou repudiando a herança ou o legado escoado o prazo sem resposta, considera- se a herança como aceita (art.1807 CC/02). Quanto ao titular do direito de manifestação, a aceitação pode ser classificada em direta e indireta. -Na aceitação direta o direito de aceitar pertence ao próprio sucessor, e é exercido por ele ou por seu representante tutor (art. art.1748 II CC/02), curador (art.1781 CC/02), ou mandatário. -Na aceitação indireta outra pessoa terá o direito de aceitar no lugar do sucessor. A lei traz duas hipóteses de aceitação indireta: a sucessão hereditária do direito de aceitar (art.1809 CC/ 02) e a aceitação pelos credores do sucessor(art.1813 CC/02), quando o herdeiro repudiar a herança em prejuízo do pagamento de suas dívidas. Cabe ressaltar que neste último caso os credores se beneficiam apenas até o limite do seu crédito saldada a dívida com parte do quinhão, o remanescente devolve- se à massa, para ser partilhado entre os demais sucessores Características da aceitação -a aceitação é negócio jurídico puro e simples: ou seja, não pode ser subordinada a termo ou condição; -a aceitação é indivisível: não pode ser aceita apenas parte do quinhão ou do legado (art.1808) no entanto, sendo a mesma pessoa chamada a suceder, na mesma sucessão, em mais de um quinhão de títulos diferentes, pode deliberar sobre qual deles renuncia sem prejuízo da aceitação dos demais (art º CC/02). -É ato irrevogável (art.1812): aceita a herança, não se admite a retratação do herdeiro. Unidade V Renúncia à herança 5.1. Conceito de renúncia à herança (renúncia abdicativa) É ato unilateral do sucessor que declara expressamente, após a morte do autor da herança, não aceitá- la. Ao expressar sua recusa, o quinhão devido ao renunciante será devolvido ao monte e rateado entre os outros sucessores (art.1810 CC/02). Assim como a aceitação, a renúncia é ato jurídico puro e simples (não admite termo ou condição), e é sempre total (art.1808 CC/02).

7 5.2. Efeito de renúncia à herança Com a renúncia, o sucessor abdica de seu direito, e a transmissão da herança deixa de ocorrer (art.1804 único CC/02). A renúncia tem eficácia ex tunc, retroagindo ao momento da abertura da sucessão, entendendo- se que o renunciante nunca foi considerado herdeiro Restrições ao direito de renunciar - capacidade plena do renunciante - forma prescrita em lei: A renúncia deve necessariamente ser manifestada de forma expressa, por escrito em escritura pública ou termo nos autos (art.1806 CC/02). - ausência de prejuízo a credores do renunciante : caso o devedor insolvente renuncie prejudicando seus credores, estes poderão aceitar o quinhão hereditário em nome do renunciante, recebendo o equivalente ao seu crédito dentro dos limites do quinhão do renunciante (art.1813 CC/02). - consentimento do cônjuge do renunciante : Tendo em vista que o direito à sucessão aberta é considerado bem imóvel (art.80 II CC/02), e considerando a renúncia como espécie de ato alienativo, o consentimento do consorte do renunciante é indispensável nos regimes de comunhão universal, parcial, separação legal obrigatória, e participação final nos aquestros, se nada ficou disposto no pacto antenupcial sobre a dispensa de outorga. Não precisa de outorga do cônjuge o renunciante casado pelo regime da participação final dos aquestros, desde que acordada a inexigibilidade no pacto antenupcial, e os casados pelo regime da separação absoluta (art.1647 e 1655 CC/02). A ausência de outorga quando exigida e não suprida pelo juiz torna anulável o ato praticado art.1649 CC/02. Unidade VI Cessão de direitos hereditários 6.1. Conceito de cessão de direitos hereditários Cessão de direitos hereditários é o negócio jurídico pelo qual o sucessor, por ato inter vivos, transfere total ou parcialmente o seu quinhão hereditário a outro co- sucessor ou a pessoa estranha à sucessão. Com a abertura da sucessão, o quinhão hereditário, embora ainda não individualizado ou discriminado, passa a integrar o patrimônio do herdeiro, podendo, nessas condições, ser transmitido, em todo ou em parte, por ato inter vivos, através da cessão de direitos hereditários. Haja vista a impossibilidade de dispor sobre a herança de pessoa viva (art.426 CC/02), a cessão de direitos hereditários só é possível após a morte do autor da herança e antes da partilha Forma da cessão de direitos hereditários Obrigatoriamente a cessão de direitos hereditários tem que ser por escritura pública (art.1793 caput CC/02), sob pena de nulidade (art.166 IV CC/02). O consentimento do consorte do cedente é indispensável nos regimes de comunhão universal, parcial, separação legal obrigatória, e participação final nos aquestros, se nada ficou disposto no pacto antenupcial sobre a dispensa de outorga. A outorga é dispensável quando o cedente é casado pelo regime da participação final dos aquestros, desde que acordado a inexigibilidade no pacto antenupcial, ou pelo regime da separação absoluta (art.1647 e 1655 CC/02) Objeto da cessão O Objeto da cessão é o quinhão do herdeiro ou o legado do legatário.

8 Em respeito a indivisibilidade da herança, o herdeiro pode apenas ceder sua parte indivisa e abstrata, não lhe sendo permitida a transferência de bens certos e individualizados, pois estes a todos os herdeiros pertencem, em condomínio, até a efetivação da partilha (art.1791 e art º e 2º CC/02). No caso do legatário, a cessão dos seus direitos sucessórios implica na transferência de direitos sobre um bem determinado, pela própria natureza do legado (bem determinado disposto pelo autor da herança em testamento). - Cessão de bem singular que compõe a herança: É válida e eficaz a cessão de direitos hereditários de um bem específico do espólio, desde que realizada por todos os sucessores. No entanto, quando há mais de um sucessor e um deles cede seus direitos hereditários sobre um bem definido do espólio sem a participação dos demais, esta cessão é ineficaz: sendo a herança uma universalidade de direitos, antes da partilha não se sabe quais os bens que compõem o quinhão de cada um. A cessão pela qual um dos co- herdeiros cede bem específico da herança antes da partilha tem sua eficácia subordinada a uma condição: que o cedente seja, na partilha, contemplado com o bem objeto da cessão. Se não cumprida a condição o negócio jurídico restará ineficaz, nos termos da lei (art ª CC/02) Espécies de cessão de direitos hereditários A cessão pode ser total (totalidade da herança quanto ao herdeiro universal, do quinhão quanto ao co- herdeiro ou do legado, quanto ao legatário) ou parcial (parte da herança, quinhão ou do legado). Pode ser também gratuita ou onerosa. Na cessão gratuita o sucessor cede, pura e simplesmente, os seus direitos hereditários a outro co- herdeiro ou a terceiro. A cessão onerosa se faz mediante contra- prestação do cessionário Direito de preferência de co- herdeiro Na cessão onerosa de quinhão hereditário, a lei determina que se dê preferência, na aquisição, aos demais co- herdeiros (art.1794). Assim, o co- herdeiro que pretender ceder seu quinhão a terceiro (pessoa estranha à sucessão), terá que primeiramente oferecer seu quinhão para os outros co- herdeiros. Somente na ausência de interesse dos outros co- herdeiros é que o quinhão pode ser cedido a terceiro. Caso o direito de preferência dos co- herdeiros seja violado, estes podem adjudicar o quinhão, depositando o preço da alienação nas mesmas condições oferecidas ao terceiro. (art.1795 CC/02). Unidade VII Exclusão do sucessor por indignidade 7.1. Conceito de indignidade Indignidade é a pena civil imposta aos herdeiros e/ou legatários que praticam algumas das hipóteses de atos de indignidade previstos no art.1814 do CC/02. O sucessor declarado indigno fica privado do recebimento dos bens do autor da herança Causas de exclusão por indignidade Enumerou o legislador, em numerus clausus (taxativamente), nos incisos do art.1814 as causas de exclusão por indignidade: I)Afastamento do indigno pelo cometimento (autoria, co- autoria ou participação) de crime de homicídio doloso (consumado ou tentado) contra autor da herança, seu cônjuge, companheiro, ascendentes ou descendentes. O homicídio culposo não é causa de exclusão por indignidade. II)Calúnia em juízo (denunciação caluniosa art.339 CP) ou crime contra a honra (arts.138,139 e 140 CP) do autor da herança, de seu cônjuge, ou companheiro. Os descendentes e os ascendentes não são sujeitos passivos da conduta para a exclusão.

9 III)Prática de violência ou meios fraudulentos que inibem ou obstam o autor da herança de dispor livremente de seus bens por ato de última vontade. Prestigia- se a liberdade de testar, punindo o sucessor que, por fraude, simulação, coação, ocultação ou por qualquer ato objetive coibir a celebração de atos de última vontade. A conduta qualificada pela lei civil como ato de indignidade pode configurar um ilícito penal, estando o sucessor apontado como indigno sujeito às sanções civil e penal. Não há necessidade da condenação em ação penal para a exclusão por indignidade. As provas da indignidade podem ser produzidas nos autos da ação de declaração de indignidade. Não obstante a independência das esferas cível e penal (art.935 CC/02), a existência de sentença penal, em alguns casos, pode influenciar a decisão no juízo cível: - sentença penal condenatória : a decisão na esfera penal serve ao juízo cível como prova irrefutável do ato de indignidade; - sentença penal absolutória : se a absolvição decorreu da comprovação da inexistência do fato ou negativa de autoria o sucessor não será excluído, uma vez que já restou provado no juízo criminal a inexistência do ato de indignidade; no entanto, se a absolvição decorrer da prescrição da pretensão punitiva, ou da insuficiência de provas, o sucessor ainda poderá ser excluído por indignidade, mediante a comprovação do fato no juízo cível Procedimento para obtenção da exclusão O afastamento do sucessor indigno se dá por sentença (art.1815 caput CC/02) assim, é indispensável o ajuizamento de ação própria após o óbito visando a declaração de indignidade. - legitimidade ativa: podem promover a ação de exclusão por indignidade os interessados na exclusão demais herdeiros ou legatários beneficiados com a exclusão; - legitimidade passiva: o herdeiro ou o legatário que praticou o ato ofensivo previsto no art.1814 CC/02; - rito : comum ordinário, permitindo a maior dilação probatória possível; - prazo para a propositura da demanda : quatro anos a contar do óbito (art.1815 único CC/02). Trata- se de prazo decadencial, pois, uma vez transcorrido, os legitimados perdem o direito de requerer a exclusão do indigno Efeitos da exclusão por indignidade Os efeitos da exclusão por indignidade são pessoais (art.1816 caput CC/02), não prejudicando os descendentes do excluído. Nos termos do único do art.1816 o indigno perde o direito ao usufruto e à administração dos bens que a seus filhos menores couberem na herança. A lei busca desta forma o completo afastamento do indigno da sucessão do ofendido, mesmo que por via transversa, abrangendo, inclusive, o usufruto legal dos pais sobre os bens de seus filhos sob o poder familiar. O indigno também não poderá receber bens oriundos da herança do ofendido por força de posterior sucessão eventual. A sentença de declaração de indignidade tem eficácia ex tunc, pois retira a qualidade de sucessor do indigno, excluindo- o desde a abertura da sucessão. Mas a lei ressalva os direitos adquiridos por terceiro de boa- fé antes assim, as alienações onerosas realizadas pelo indigno são válidas, quando realizadas antes da sentença de indignidade (art.1817 CC/02), cabendo ao excluído restituir a quantia recebida aos demais herdeiros Reabilitação ou perdão do indigno É possível o autor da herança, ainda em vida, expressar o perdão ao sucessor que praticou o ato de indignidade. A lei exige que seja por escrito em testamento ou outro ato autêntico (art.1818 caput CC/02).

10 Não se admite reabilitação tácita a vontade de reabilitar o indigno deve ser expressa. Assim, se o autor da herança, em testamento, não reabilita o indigno, se limitando a beneficiálo com herança ou legado, o indigno será excluído da sucessão legítima e seu direito sucessório se limitará ao descrito no testamento (art.1818 único CC/02). Sentença que declarou a "exclusão da sucessão hereditária por indignidade" de Suzane Von Richthoven (6ª Vara Judicial da Comarca da Capital - SP. Processo nº ) Andréas Albert Von Richthofen, assistido pelo tutor Miguel Abdala, ajuizou Ação de Indignidade em face de Suzane Louise Von Richthofen, alegando, em síntese, que em 31 de outubro de 2002 a demandada, objetivando herdar os bens de seus genitores, planejou a mortes destes, que em companhia de seu namorado, Daniel Cravinhos de Paula e Silva, de 21 anos, e o irmão dele, Cristian, de 26, executaram o casal de forma brutal, vez que munidos de barras de ferro golpearam as vítimas na cabeça até a morte. A demandada foi citada e apresentou contestação (fls. 110/120), em sede preliminar argüiu inépcia da petição inicial, suscitando a impossibilidade jurídica do pedido. No mérito pediu a improcedência do pedido inicial e aduziu, que agindo sob influência e indução dos efetivos executores, Cristian e Daniel, apenas facilitou o ingresso destes na residência, sem estar ciente das conseqüências decorrentes. Sustenta por fim, a impossibilidade de sua exclusão da sucessão, buscando abrigo no artigo 5º, LVII da Constituição Federal de Em audiência de Instrução Debates e Julgamentos, foram ouvidas as partes e as testemunhas (fls. 147/152). É o relatório. Fundamento e decido. Os pedidos são procedentes. A indignidade é uma sanção civil que acarreta a perda do direito sucessório, privando dos benefícios o herdeiro ou o legatário que se tornou indigno, visando à punição cível. É imoral quem pratica atos de desdouro, como fez Suzane, contra quem lhe vai transmitir uma herança, Ação plenamente aplicável conforme art , do Código Civil. No conceito doutrinário, temos que a "Indignidade é a privação do direito hereditário, cominada por lei, ao herdeiro que cometeu atos ofensivos à pessoa ou à honra do de cujus. É uma pena civil imposta ao sucessor, legítimo ou testamentário, que houver praticado atos de ingratidão contra o hereditando". Não há necessidade da condenação em ação penal para a exclusão por indignidade. As provas da indignidade produzidas nestes autos comprovam a co-autoria da demandada no homicídio doloso praticados contra seus genitores. A Constituição Brasileira,enfatiza a vida como supremo bem, pressuposto exclusivo para função de qualquer direito. Tanto que todos os bens são chamados "bens da vida". Desta feita, plenamente aplicável o artigo 1.814, do Código Civil, que prevê: "São excluídos da sucessão os herdeiros ou legatários: I - que houverem sido autores, co-autores ou partícipes de homicídio doloso, ou tentativa deste, contra a pessoa de cuja sucessão se tratar, seu cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente; Diante do exposto, JULGO PROCEDENTE a Ação de Indignidade, não nos restando duvidas de que seu irmão, Andréas, de 16 anos, será o único herdeiro dos bens, excluindo assim, Suzane, da cadeia hereditária. P.R.I.C. São Paulo, 24 de Setembro de Unidade VIII Herança jacente e herança vacante 8.1. Conceito de herança jacente A herança jacente é aquela cujos herdeiros são desconhecidos. Observa- se a ocorrência de jacência quando desde a abertura da sucessão não há herdeiros conhecidos Herança jacente procedimento A herança jacente representa uma fase transitória do patrimônio do falecido: a jacência cessará tão logo seja encontrado um herdeiro ou, após esgotadas as buscas, houver a declaração de vacância (art.1819 CC/02). Enquanto a herança se encontrar jacente serão adotadas as seguintes providências: - Nomeação de curador, a quem competirá a guarda e administração dos bens do de cujus (art.1143 e 1144 CPC); - arrecadação dos bens do falecido (art.1142, 1145 a 1149 CPC);

11 - investigação para localização dos herdeiros (art.1150 e 1152 CPC); Os credores do falecido poderão se habilitar nos autos da própria arrecadação ou propor ação de cobrança em face da herança jacente (art.1821 CC/02 e art.1154 e 1017 CPC). Com o aparecimento de herdeiros, comprovada esta qualidade, cessa a jacência, prosseguindo- se a sucessão normal (art.1151 e 1153 CPC). Permanecendo ignorados os herdeiros após as diligências pertinentes, a herança, até então jacente, é declarada vacante, para o fim de transferir o patrimônio ao poder público, sucessor final na falta de outros Declaração de vacância A declaração de vacância representa o reconhecimento judicial de que a herança não tem dono conhecido. Ocorrerá após um ano da primeira publicação do edital de convocação dos herdeiros, desde que ainda não estejam pendentes decisões de eventuais habilitações (art.1820 CC/02 e art.1157 CPC). Se todos os herdeiros conhecidos renunciarem à herança, desde já a vacância poderá ser decretada (art.1823 CC/02). A herança declarada vacante é entregue ao Município ou ao Distrito Federal, quando localizada nas respectivas circunscrições ou à União, quando situada em território federal (art.1844 CC/02). O poder público não é propriamente herdeiro, pois não existe para com o falecido qualquer vínculo (consangüíneo, civil ou familiar), fundamento básico do direito sucessório. Mas, por expressa previsão legal, é o destinatário do acervo hereditário na falta de pessoas sucessíveis, evitando- se a herança acéfala, bem como o indesejável abandono dos bens, dando- se a indispensável continuidade às relações jurídicas deixadas pelo falecido Efeitos da declaração de vacância - transfere a titularidade da herança ao poder público (Município, Distrito Federal ou União, conforme o caso): No entanto, a incorporação definitiva da herança não ocorre imediatamente após a declaração de vacância durante cinco anos o poder público tem a propriedade resolúvel dos bens, ou seja, pende sobre o direito de propriedade da herança uma cláusula resolutiva o surgimento de cônjuge ou companheiro, descendentes ou ascendentes do falecido. Se passados cinco anos da abertura da sucessão não houver a habilitação de nenhum herdeiro (cônjuge ou companheiro, descendentes ou ascendentes), a herança incorpora- se definitivamente ao domínio público (art.1822 CC/02). Após esse prazo cessa, para qualquer herdeiro, o direito de pleitear a herança. É possível, no entanto, o aparecimento de herdeiros após a declaração de vacância nesse caso, cabe ressaltar: I) com a declaração de vacância, os colaterais ficam definitivamente excluídos da sucessão; II) se outros herdeiros (cônjuge, companheiro, descendentes ou ascendentes) se habilitam (por ação direta art.1158 CPC), após a declaração de vacância, respeitado o prazo de cinco anos após a abertura da sucessão, ocorrerá a adjudicação ou partilha em benefício dos herdeiros habilitados. - põe fim à atuação do curador : encerrada a herança jacente o curador é dispensado dos deveres de guarda, conservação e administração do acervo hereditário; - habilitação dos credores via ação direta: os credores do falecido, que antes poderiam se habilitar nos autos do inventário ou da arrecadação de herança jacente (art.1154 CPC), a partir da declaração de vacância, só poderão reclamar seu direito por ação direta (art.1158 CPC).

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva Direito das Sucessões Sucessão: alteração de titulares em uma dada relação jurídica Sucessão (sentido estrito): causa mortis A sucessão engloba

Leia mais

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04

Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8DIN-1 e 8DIN-2 Data: 08/08/2012 AULA 04 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 7. Aceitação e Renúncia da Herança (arts. 1.804 a 1.813,

Leia mais

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS:

DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: DIREITO CIVIL EXERCÍCIOS SUCESSÕES DISCURSIVAS: 1. Capacidade para suceder é a aptidão da pessoa para receber os bens deixados pelo de cujus no tempo da abertura da sucessão. Considerando tal afirmação

Leia mais

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br

O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade. http://patriciafontanella.adv.br O DIREITO DAS Sucessões na Contemporaneidade http://patriciafontanella.adv.br Viés Constitucional Assento constitucional (art. 5º XXX, CF/88). Mudança dos poderes individuais da propriedade, trazendo a

Leia mais

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte I. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte I Sucessão - Etimologia Sucessão Successio, de succedere. Relação de ordem, de continuidade. Uma sequência de fato e de coisas. O que vem em certa ordem ou em certo tempo. Sucessão

Leia mais

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83

6 Inventários e arrolamentos. Processo. Petição de herança, 83 1 Noções introdutórias, 1 1.1 Sucessão. Compreensão do vocábulo. O direito das sucessões, 1 1.2 Direito das sucessões no direito romano, 2 1.3 Ideia central do direito das sucessões, 4 1.4 Noção de herança,

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES Direito Civil Aula 3 Delegado Civil Sandro Gaspar Amaral DIREITO DAS SUCESSÕES PRINCÍPIO DE SAISINE (art. 1784, CC): transmissão da propriedade e da posse no exato momento da morte. NORMA VIGENTE (art.

Leia mais

1. Princípios Orientadores: - a herança é uma universalidade de direito - indivisível até a partilha;

1. Princípios Orientadores: - a herança é uma universalidade de direito - indivisível até a partilha; 1 PONTO 1: Princípios Orientadores PONTO 2: Sucessão Legítima e Testamentária PONTO 3: Morte PONTO 4: Cessão e Direitos Hereditários PONTO 5: Exclusão da Herança PONTO 6: Herança Jacente e Vacante 1. Princípios

Leia mais

Direito das Sucessões

Direito das Sucessões Direito das Sucessões Eduardo Domingues 12/02 A matéria é dividida em quatro partes. Primeiro temos a sucessão em geral traz uma série regras que permeiam todo o conteúdo que será tratado nesta disciplina.

Leia mais

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha

SUCESSÃO HEREDITÁRIA. fases práticas do inventário e partilha EDUARDO MACHADO ROCHA Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões da Comarca de Dourados (MS). Pós-graduado - Especialização em Direito Processual Civil. Professor de Direito Civil na Unigran - Universidade

Leia mais

Processos de Regularização de Imóveis

Processos de Regularização de Imóveis Processos de Regularização de Imóveis Prof. Weliton Martins Rodrigues ensinar@me.com www.vivadireito.net 5 5.1. Copyright 2013. Todos os direitos reservados. 1 2 A aquisição da propriedade é forma pela

Leia mais

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES

DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES DIREITO FAMÍLIA SUCESSÃO DE DIREITO FAMÍLIA PONTO 1: SUCESSÃO PONTO 2: PRINCÍPIOS ORIENTADORES; SUCESSÃO LEGÍTIMA E TESTAMENTÁRIA, EXCLUSÃO DOS HERDEIROS; PONTO 3: ESPÉCIES DE HERDEIROS, CESSÃO DE DIREITOS;

Leia mais

Direitos das Sucessões

Direitos das Sucessões Há 4 títulos do capítulo das sucessões: Sucessões em geral: aplicada a qualquer hipótese; Sucessão Legítima: prevista em lei; Sucessão testamentária: disposições de vontade; Inventário e partilha: regras

Leia mais

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO

INSTITUTO DA AUSÊNCIA RESUMO INSTITUTO DA AUSÊNCIA Fernanda Sacchetto Peluzo* Hugo Leonardo de Moura Bassoli* Loren Dutra Franco** Rachel Zacarias*** RESUMO O Instituto da Ausência está exposto na parte geral do Novo Código Civil

Leia mais

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC).

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC). 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8ºDIN-1 e 8º DIN-2 Data: 21/08/12 AULA 07 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 11. Herança Jacente e Vacante (arts. 1.819 a 1.823,

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva INVENTÁRIO Dois sentidos para o mesmo vocábulo: Liquidação do acervo hereditário (registro, descrição, catalogação dos bens). Procedimento especial

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões

Caderno Eletrônico de Exercícos Direito das Sucessões 1) Que é herança jacente: a) Herança que não existe herdeiros, salvo o estado b) Herança que tem que ser dividida entre os pais e cônjuge c) Herança que tem que ser dividida entre irmãos d) Herança deixada

Leia mais

Faculdade de Direito da Alta Paulista

Faculdade de Direito da Alta Paulista PLANO DE ENSINO DISCIPLINA SÉRIE PERÍODO LETIVO CARGA HORÁRIA DIREITO CIVIL V (Direitos de família e das sucessões) QUINTA 2015 136 I EMENTA Direito de Família. Casamento. Efeitos jurídicos do casamento.

Leia mais

~ ~ McTODO SÃO PAULO

~ ~ McTODO SÃO PAULO Flávio Tartuce :C I.. 'r1'i Direito das Sucessões B. a edição revista, atualizada e ampliada *** ~ ~ McTODO SÃO PAULO ~~::;'S 1: STJ00100365 A EDITORA Mt::TODO se responsabiliza pelos vlcios do produto

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS DIREITO CIVIL VIII DIREITO DAS SUCESSÕES QUADROS ESQUEMÁTICOS MARCOS ALVES DE ANDRADE BARBACENA JULHO DE 2007 Direito

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO

DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO DIREITO DAS SUCESSÕES CONCEITO Direito das sucessões é o conjunto de princípios e normas que regem a transferência da herança, ou do legado, ao herdeiro ou legatário, em razão da morte de alguém. O direito

Leia mais

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE

HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE HERDEIROS, LEGATÁRIOS E CÔNJUGE Luiz Alberto Rossi (*) SUMÁRIO DISTINÇÃO ENTRE HERDEIROS E LEGATÁRIOS. SAISINE. CÔNJUGE: HERDEIRO NECESSÁRIO. QUINHÃO DO CÔNJUGE. TIPOS DE CONCORRÊNCIA. BENS PARTICULARES.

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

Inventário e Partilha

Inventário e Partilha 108 Inventário e Partilha Flávia de Azevedo Faria Rezende Chagas 1 O palestrante, Dr. Sérgio Ricardo de Arruda Fernandes, iniciou sua explanação abordando a abertura da via extrajudicial, prevista na Resolução

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões

DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões DIREITO CIVIL VI Direito das Sucessões O conhecimento quando compartilhado é muito melhor, pois, todos são beneficiados com novas formas de enxergar o mundo Paulo Henrique 2015 1 DIREITO CIVIL 6 Conteúdo

Leia mais

EXCLUSÃO DA CAPACIDADE SUCESSÓRIA: INDIGNIDADE E DESERDAÇÃO

EXCLUSÃO DA CAPACIDADE SUCESSÓRIA: INDIGNIDADE E DESERDAÇÃO Sumário: 1 Introdução 2 Diferenças fundamentais entre indignidade e deserdação 3 Exclusão da capacidade sucessória por indignidade 4 Causas que acarretam a indignidade 4.1 Atentado contra a vida (inciso

Leia mais

Livro V Do Direito das Sucessões. Introdução: Mudança trazidas pelo CC/02 no direito civil nos campos: sucessões e família. Cônjuge Companheiro

Livro V Do Direito das Sucessões. Introdução: Mudança trazidas pelo CC/02 no direito civil nos campos: sucessões e família. Cônjuge Companheiro Livro V Do Direito das Sucessões Introdução: Mudança trazidas pelo CC/02 no direito civil nos campos: sucessões e família. Cônjuge Companheiro Sucessão substituição CAPÍTULO I Disposições Gerais Da Sucessão

Leia mais

1620874-40.2011.8.19.0004 RENATO LIMA DOS SANTOS

1620874-40.2011.8.19.0004 RENATO LIMA DOS SANTOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Apelação Cível nº: 1620874-40.2011.8.19.0004 Apelante: RENATO LIMA DOS SANTOS Apelado: ESPÓLIO DE CARLOS ALBERTO DUTRA MARQUES REP/P/S/INV MAGDA IDALINA LIMA DOS

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros

CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO DE RETA FINAL - MAGISTRATURA DE SÃO PAULO Prof. André Barros 3a AULA: DIREITO DAS SUCESSÕES: Do direito das Sucessões (artigos 1.784 a 1.828 do Código Civil). Sucessão

Leia mais

Inventário e Partilhas. Ozéias J. Santos 01.06.2015

Inventário e Partilhas. Ozéias J. Santos 01.06.2015 Inventário e Partilhas Ozéias J. Santos 01.06.2015 O Novo CPC disciplina o inventário e partilha nos artigos 610 a 673. A pessoa morrendo, deixando um patrimônio, este patrimônio deve ser destinado a alguém.

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

1959 Direito de Família e Sucessões Parte 1 Do Direito de Família 1. Família. Conceito. Família e sociedade. Suas diferentes formas. Constituição de 1946 a espeito. Direito de Família. 2. Esponsais. Breve

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.080.614 - SP (2008/0176494-3) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI EMENTA Direito de família e das sucessões. Ação de reconhecimento de sociedade de fato, proposta por ex-companheiro

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-44 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VI NOME DO CURSO: DIREITO 2.

1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-44 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VI NOME DO CURSO: DIREITO 2. 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-44 PERÍODO: 8 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO CIVIL VI NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Direito das

Leia mais

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal

Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Direito Civil Dr. Márcio André Lopes Cavalcante Juiz Federal Escola Brasileira de Ensino Jurídico na Internet (EBEJI). Todos os direitos reservados. 1 Principais julgados do 1 o Semestre de 2013 Julgados

Leia mais

Direito das Sucessões Parte II. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Direito das Sucessões Parte II. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Direito das Sucessões Parte II Abertura da Sucessão Momento da morte do de cujus, devidamente comprovada. Com a abertura da sucessão os herdeiros, legítimos ou testamentários, adquirem, de imediato, a

Leia mais

A peça cabível será uma petição inicial direcionada para o Juízo Cível.

A peça cabível será uma petição inicial direcionada para o Juízo Cível. OAB 2010.3 GABARITO COMENTADO SEGUNDA FASE CIVIL PEÇA PRÁTICO PROFISSIONAL A peça cabível será uma petição inicial direcionada para o Juízo Cível. Trata-se de uma ação indenizatória proposta por José,

Leia mais

4.5 Oposição das causas suspensivas. 5 Do processo de habilitação para o casamento. 5.1 Documentos exigidos. 5.2 Do processo de habilitação. 5.

4.5 Oposição das causas suspensivas. 5 Do processo de habilitação para o casamento. 5.1 Documentos exigidos. 5.2 Do processo de habilitação. 5. Disciplina: Direito Civil V Departamento: Direito Privado FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2014 Docente Responsável: William Bedone Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 5º ano Objetivos: Finalizar

Leia mais

A AÇÃO DE SONEGADOS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70030700223 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAÚCHO

A AÇÃO DE SONEGADOS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70030700223 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAÚCHO 2 A AÇÃO DE SONEGADOS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70030700223 DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAÚCHO Ariadne dos Santos Antunes 1 Maria Eduarda de Oliveira Rech 2 Talita Ayumi Koga 3 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa

Leia mais

Considerações sobre o Inventário Negativo Glauco Pereira Almeida

Considerações sobre o Inventário Negativo Glauco Pereira Almeida Considerações sobre o Inventário Negativo Glauco Pereira Almeida Palavras-chave: inventário negativo, partilha, sucessões, herdeiro, cônjuge. RESUMO O inventário exige a presença de bens. Não é possível

Leia mais

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

Leia mais

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período

Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Professora: Vera Linda Lemos Disciplina: Direito das Sucessões 7º Período Toda a sucessão legítima observará uma ordem de vocação hereditária que, no Código Civil, está prevista no artigo 1.829. Art. 1.829.

Leia mais

Aula 008 Da Sucessão Testamentária

Aula 008 Da Sucessão Testamentária Aula 008 Da Sucessão Testamentária 3.5 Disposições Testamentárias 3.5.1 Regras gerais 3.5.2 Espécies de disposições 3.5.2.1 Simples 3.5.2.2 Condicional 3.5.2.3 A Termo ou a prazo 3.5.2.4 Modal 3.5.2.5

Leia mais

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br

DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO. http://patriciafontanella.adv.br DOAÇÃO E SEUS IMPACTOS NO DIREITO DE FAMÍLIA E SUCESSÃO doação Conceito: é negócio jurídico unilateral inter vivos, em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para

Leia mais

Direito das Sucessões. Inventário e Partilha

Direito das Sucessões. Inventário e Partilha Direito das Sucessões Inventário e Partilha OBJETIVO Conhecer as disposições legais a respeito do inventário e da partilha. ROTEIRO Introdução O inventário formas simplificadas Colação Sonegados Partilha

Leia mais

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Ação Negatória de Paternidade. Legitimidade Ativa. Artigos 1.601 e 1.604, do Código

Leia mais

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO

A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR RESUMO A SUCESSÃO DO CÔNJUGE SOBREVIVENTE EM CONCORRÊNCIA COM OS DESCENDENTES OCORRENDO A HIBRIDEZ FAMILIAR Rodrigo Schenckel da Silva 1 Rachel Marques da Silva 2 RESUMO Com a entrada em vigor do Código Civil

Leia mais

Regime de bens e divisão da herança

Regime de bens e divisão da herança Regime de bens e divisão da herança Antes da celebração do casamento, os noivos têm a possibilidade de escolher o regime de bens a ser adotado, que determinará se haverá ou não a comunicação (compartilhamento)

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, Registro: 2012.0000257965 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE. Dayane Sanara de Matos Lustosa

NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE. Dayane Sanara de Matos Lustosa NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE Dayane Sanara de Matos Lustosa NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE Dayane Sanara de Matos Lustosa Bacharelanda em Direito pela UEFS (Universidade Estadual

Leia mais

Direito das sucessões e aspectos Constitucionais. Sucessão: legítima e testamentária. Herança. Formas de Testamento. Inventário e Partilha.

Direito das sucessões e aspectos Constitucionais. Sucessão: legítima e testamentária. Herança. Formas de Testamento. Inventário e Partilha. Detalhes da Disciplina Código JUR3107 Nome da Disciplina DIREITO CIVIL VII Carga Horária 60 Créditos 4 Ementa Objetivos Gerais Direito das sucessões e aspectos Constitucionais. Sucessão: legítima e testamentária.

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

IV. 1 DIREITO DE FAMÍLIA INTRODUÇÃO

IV. 1 DIREITO DE FAMÍLIA INTRODUÇÃO PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso: DIREITO Disciplina:

Leia mais

NOÇÃO GERAL DO DIREITO DE SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL: INTRODUÇÃO DO TEMA POR 10 (DEZ) "VERBETES"

NOÇÃO GERAL DO DIREITO DE SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL: INTRODUÇÃO DO TEMA POR 10 (DEZ) VERBETES NOÇÃO GERAL DO DIREITO DE SUCESSÕES NO CÓDIGO CIVIL: INTRODUÇÃO DO TEMA POR 10 (DEZ) "VERBETES" Rodrigo Mazzei Escopo do estudo: O presente texto é simples e tem o objetivo de trazer noções básicas sobre

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: LEI COMPLEMENTAR Nº 21, DE 29 DE DEZEMBRO DE 1988 Institui o Imposto sobre a Transmissão causa mortis e Doação de Bens ou Direitos. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE: seguinte Lei: FAÇO SABER que o Poder

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A cessão de direitos hereditários no novo Código Civil Ricardo Guimarães Kollet A cessão de direitos hereditários, contrato através do qual opera-se a transmissão de direitos provenientes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ ALINI APARECIDA DANIELSKI DA SILVA ALIENAÇÃO DE QUINHÃO HEREDITÁRIO: UM ESTUDO DE CASO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ ALINI APARECIDA DANIELSKI DA SILVA ALIENAÇÃO DE QUINHÃO HEREDITÁRIO: UM ESTUDO DE CASO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PANANÁ ALINI APARECIDA DANIELSKI DA SILVA ALIENAÇÃO DE QUINHÃO HEREDITÁRIO: UM ESTUDO DE CASO CURITIBA 2012 ALINI APARECIDA DANIELSKI DA SILVA ALIENAÇÃO DE QUINHÃO HEREDITÁRIO:

Leia mais

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394 1 Introdução ao Direito de Família, 1 1.1 Compreensão, 1 1.2 Lineamentos históricos, 3 1.3 Família moderna. Novos fenômenos sociais, 5 1.4 Natureza jurídica da família, 7 1.5 Direito de família, 9 1.5.1

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº Dados Básicos Fonte: 70039973367 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 08/06/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:14/06/2011 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Porto Alegre Relator:

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL IX EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Moema, brasileira, solteira, natural e residente em Fortaleza, no Ceará, maior e capaz, conheceu Tomás, brasileiro, solteiro, natural do Rio de Janeiro, também maior

Leia mais

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real.

A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. PRINCÍPIOS DA EXECUÇÃO - Princípio da Patrimonialidade A execução incide somente sobre o patrimônio do executado. É sempre real. Art. 591. O devedor responde, para o cumprimento de suas obrigações, com

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2013

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2013 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2013 Disciplina: Direito Civil V Departamento II Direito Privado Docente Responsável: Clineu Ferreira Carga Horária Anual: 100 h/a Tipo: Anual 5º ano Objetivos: Terminar

Leia mais

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Civil (Parte Geral) / Aula 05 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: II) Ausência: Sucessão Definitiva. III)Capacidade: Espécies de Capacidade

Leia mais

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO

Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Marcos Puglisi de Assumpção 4. A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO 2010 A SUCESSÃO NO CASAMENTO, NA UNIÃO ESTÁVEL E NO CONCUBINATO Para se obter um bom entendimento como se processa

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

Prof. Ms. Conrado Paulino da Rosa contato@conradopaulinoadv.com.br

Prof. Ms. Conrado Paulino da Rosa contato@conradopaulinoadv.com.br SUCESSÕES Prof. Ms. Conrado Paulino da Rosa contato@conradopaulinoadv.com.br Herança Universalidade(única massa de bens) Todo unitário, ainda que vários sejam os herdeiros. Herança Até a partilha, o direito

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 867, DE 2011

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 867, DE 2011 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 867, DE 2011 Alterar os Capítulo V do Título I e o Capítulo X do Título III, ambos do Livro V, da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO JURÍDICA Disciplina: Direito Comercial Tema: Contratos Mercantis Prof.: Alexandre Gialluca Data: 19/04/2007 RESUMO RESUMO 1) Alienação fiduciária 1.1) Alienação fiduciária de bens móveis (Dec-Lei 911/69) Na doutrina há quem diga que se trata de contrato acessório e a quem diga que se trata de contrato incidental. Na

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Fernando e Lara se conheceram em 31/12/2011 e, em 02/05/2014, celebraram seu casamento civil pelo regime de comunhão parcial de bens. Em 09/07/2014, Ronaldo e Luciano

Leia mais

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO CLIENT ALERT DEZEMBRO/2015 GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SANCIONA AS NOVAS REGRAS REFERENTES AO IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOAÇÃO

Leia mais

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC 2014) QUESTÃO 54 Analise as seguintes assertivas sobre as causas de exclusão de ilicitude no Direito Civil: I. A legítima defesa de terceiro não atua como

Leia mais

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO Enunciado: PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Sergio, domiciliado em Volta Redonda/RJ, foi comunicado pela empresa de telefonia ALFA, com sede em São Paulo/SP, que sua fatura, vencida no mês de julho

Leia mais

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO

SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO SUMÁRIO PREFÁCIO... 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 3 1.2 AS ATUAÇÕES DO MAGISTRADO (ESTADO-JUIZ) E DO TABELIÃO (PRESTADOR DE SERVIÇO PÚBLICO EM CARÁTER PRIVADO)... 5 1.3 NOVA LEI HOMENAGEIA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482 1 APELAÇÃO CÍVEL 2009.001.27482 APELANTE: LAUDEMIRA LEONCIA DA SILVA APELADO: LUIZ FELIPE WHYTE DYLONG PROCESSO CIVIL APELAÇÃO ADJUDICAÇÃO COMPULSÓRIA PROMESSA DE CESSÃO DE DIREITOS SOBRE IMÓVEL COM QUITAÇÃO

Leia mais

DIREITO DAS SUCESSÕES

DIREITO DAS SUCESSÕES 05/08/2014 DIREITO DAS SUCESSÕES BIBLIOGRAFIA: 1. Instituições de Direito Civil Direito das Sucessões; Caio Mario da Silva Pereira, Ed. Forense, Rio de Janeiro; 2. Direito Civil Direitos das Sucessões,

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

Em nossa visão a prova de Direito Civil para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (ESAF AFRFB/2012) não comporta qualquer possibilidade de anulação de questões. Foi bem objetiva, sendo que todas

Leia mais

Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra.

Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra. Lição 14. Doação Art. 538. Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens ou vantagens para o de outra. Na doação deve haver, como em qualquer outro

Leia mais

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório

Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Inovações e desacertos no novo Direito Sucessório Giselda Maria Fernandes Novaes Hironaka Doutora e Livre Docente em Direito pela Faculdade de Direito da USP Professora Associada ao Departamento de Direito

Leia mais

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS

A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS 23 A COLAÇÃO DOS BENS DOADOS A HERDEIROS: ANÁLISE DO ACÓRDÃO Nº 70050981836 JULGADO PELO TJRS Adrieli Aline Frias 1 Daniele Garcia 2 Niagara Sabrina 3 Ynaia Medina Long 4 Orientadora: Profª. Mª. Ana Cleusa

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva

Direito Civil VI - Sucessões. Prof. Marcos Alves da Silva Direito Civil VI - Sucessões Prof. Marcos Alves da Silva SUCESSÃO DO CÔNJUGE Herdeiro necessário e concorrente ( concorrente, conforme o regime de bens) Os regimes de matrimoniais de bens e suas implicações

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL Do seguro Seção I Disposições gerais Art. 757. Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do

Leia mais

Direito das Coisas II

Direito das Coisas II 2.8 DO DIREITO DO PROMITENTE COMPRADOR Ao cabo do que já era reconhecido pela doutrina, o Código Civil de 2002, elevou o direito do promitente comprador ao status de direito real. Dantes, tão somente constava

Leia mais

1. O que é procuração?

1. O que é procuração? Procuração Pública Plano de aula: 1. O que é procuração? 2. Forma Pública 3. Identidade e Capacidade 4. Pessoas Jurídicas 5. Poderes Gerais x Especiais 6. Ad judicia x Ad negotia 7. Substabelecimento 8.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO CONCURSO DE INGRESSO NA MAGISTRATURA PROVA ESCRITA RESOLUÇÃO SENTENÇA MATÉRIA CÍVEL 23.07.2006 SENTENÇA SOBRE MATÉRIA CÍVEL João e Maria, casados

Leia mais