Corpos vertebrais. Disco intervertebral

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corpos vertebrais. Disco intervertebral"

Transcrição

1 AULA 6 COLUNA VERTEBRAL 33 VÉRTEBRAS 7 Vértebras cervicais (C1-C7) C7) 12 vértebras torácicas (T1-T12) T12) 5 vértebras lombares (L1-L5) L5) 5 vértebras sacrais (S1-S5) S5) 4-5 vértebras coccígeas

2 COLUNA VERTEBRAL DIVISÃO ANATÔMICA: Concavidade das curvas Cervical concavidade posterior Torácica concavidade anterior Lombar concavidade posterior Sacral concavidade anterior COLUNA VERTEBRAL DIVISÃO ANATÔMICA: Cervical e Lombar - LORDOSE Torácica e Sacral - CIFOSE ADULTOS Região sacral e coccígea se fundem para formar a região sacrococcígea

3 COLUNA VERTEBRAL COLUNA VERTEBRAL RÍGIDA Resistência às forças de tensão compressão e cisalhamento OCA Circulação e proteção do sistema circulatório e nervoso MÓVEL Importantes movimentos Elevada amplitude SIGNIFICATIVO APORTE ARTICULAR, LIGAMENTAR E MUSCULAR

4 COLUNA VERTEBRAL UNIDADE FUNCIONAL: Corpos de vértebras adjacentes Disco intervertebral Articulações entre as vértebras EXCEÇÃO: Primeira e segunda vértebras Atlas e Axis Articulação Atlantoccipital Articulação Atlantoaxial COLUNA VERTEBRAL UNIDADE FUNCIONAL UNIDADE FUNCIONAL: EXCEÇÃO:

5 COLUNA VERTEBRAL UNIDADE FUNCIONAL DIVISÃO: Parte anterior Parte posterior COLUNA VERTEBRAL PARTE ANTERIOR PAPEL ESTÁTICO Corpos vertebrais Disco intervertebral

6 COLUNA VERTEBRAL PARTE ANTERIOR Corpos vertebrais: Resistência às forças compressivas: Peso do corpo Contrações musculares Disco intervertebral: Proteção articulações Permissão e limitação dos movimentos das vértebras Cargas externas COLUNA VERTEBRAL DISCO INTERVERTEBRAL NÚCLEO PULPOSO 70-90% ÁGUA Restante colágeno ANEL FIBROSO % ÁGUA Restante colágeno

7 COLUNA VERTEBRAL ANEL FIBROSO ABSORÇÃO DE CARGAS IMPOSTAS AO NÚCLEO PULPOSO COLUNA VERTEBRAL DISCO INTERVERTEBRAL FUNÇÕES: Permite movimentos entre as duas vértebras Oposição a todas as forças: compressão, torção, cisalhamento Amortecimento das forças sem levar em consideração a orientação dos corpos vertebrais

8 COLUNA VERTEBRAL DISCO INTERVERTEBRAL MOVIMENTOS: ALONGAMENTO COMPRESSÃO AXIAL COLUNA VERTEBRAL DISCO INTERVERTEBRAL MOVIMENTOS: EXTENSÃO FLEXÃO

9 COLUNA VERTEBRAL DISCO INTERVERTEBRAL MOVIMENTOS: INCLINAÇÃO (FLEXÃO) LATERAL COLUNA VERTEBRAL DISCO INTERVERTEBRAL MOVIMENTOS: ROTAÇÃO AXIAL

10 COLUNA VERTEBRAL Ligamentos Longitudinais ANTERIOR Limita extensão coluna Limita a lordose cervical e lombar POSTERIOR Limita flexão coluna Reforça o anel fibroso posteriormente COLUNA VERTEBRAL PARTE POSTERIOR COMPONENTES (PAPEL DINÂMICO): PEDÍCULOS LÂMINAS ARTICULAÇÕES INTERVERTEBRAIS PROCESSOS TRANSVERSO LIGAMENTOS PROCESSOS ESPINHOSOS 2 Pedículos + 2 lâminas = ARCO NEURAL Arco neural + lado posterior do corpo vertebral = FORAME VERTEBRAL

11 COLUNA VERTEBRAL PARTE POSTERIOR Limita flexão lateral Limitam flexão FLAVUM = AMARELO COLUNA VERTEBRAL LIGAMENTOS

12 COLUNA VERTEBRAL MOVIMENTO ARTICULAR MOVIMENTOS ARTICULARES: Σ pequenos movimentos entre os processos articulares e o disco intervertebral de todas as vértebras Depende orientação das articulações (apofisárias): Orientação horizontal = Plano transverso Orientação vertical = Plano frontal e sagital Faces articulares horizontais = rotação axial Faces articulares verticais = flexão e flexão lateral Faces diagonais = movimentos combinados COLUNA VERTEBRAL MOVIMENTO ARTICULAR

13 MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS LIMITAÇÃO DOS MOVIMENTOS: Tensão dos ligamentos Forma e orientação das facetas articulares Justaposição dos processos espinhosos (extensão) Presença das costelas MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS FLEXÃO DA COLUNA VERTEBRAL: Amplitude entre 110º - 140º Movimento livre nas regiões cervical e lombar, mas limitado na região torácica Tendência de superestimar a amplitude total, devido à dificuldade de isolá-la la da flexão do quadril

14 MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS FLEXÃO LATERAL DA COLUNA VERTEBRAL: Principalmente nas regiões cervical e lombar. Aproximadamente 75º - 85º ROTAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL: Movimento livre na região cervical. Aproximadamente 50º Estes movimentos são livres apenas nos primeiros graus. Em seguida, passam a ser combinados REGIÃO CERVICAL Articulações Atlantoccipital e Atlantoaxial Movimentos da cabeça: 10-15º de flexão e extensão 8º de flexão lateral 45º de rotação axial (sem flexão lateral)

15 REGIÃO CERVICAL Movimentos gerais da região cervical: 25º de hiperextensão 90º de rotação axial 40º de flexão 45º de flexão lateral PROTRAÇÃO translação para frente RETRAÇÃO translação para trás REGIÃO TORÁCICA MENOR MOBILIDADE em função das articulações com as costelas e dos processos espinhosos mais proeminentes nesta região Flexão e flexão lateral Maior mobilidade nas vértebras mais inferiores. 20º de flexão e 10º de flexão lateral na região toracolombar Maior relação entre diâmetro e altura dos discos intervertebrais região com menor índice de lesão discal em toda a coluna

16 REGIÃO LOMBAR DISCOS INTERVERTEBRAIS mais espessos na parte anterior. Contribuição para aumento da lordose lombar. Componente de força maior para a protusão posterior do disco. MOVIMENTOS GERAIS (para cada articulação): Flexão: 8 10º Flexão lateral: 3 6º Rotação: 1 2º Articulação lombosacral com maior percentual de amplitude em todos os movimentos MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS Nordin, 1989

17 MÚSCULOS Formados aos pares (quase todos os músculos): Contração bilateral flexão e extensão Contração unilateral flexão lateral e rotação DIVISÃO posteriores ou anteriores à coluna Os músculos essencialmente laterais são denominados também de músculos anteriores (Oblíquo esterno e interno; Transverso do abdome) MÚSCULOS POSTERIORES DIVIDIDOS EM: SUPERFICIAIS TRAPÉZIO, LATÍSSIMO DO DORSO, LEVANTADOR ESCÁPULA, ROMBÓIDES, ETC Vistos na próxima aula INTERMEDIÁRIOS Serrátil posterior superior e inferior Finos e pequenos ação significativa na respiração PROFUNDOS Músculos importantes cinesiológicas em todas as questões

18 MÚSCULOS POSTERIORES PROFUNDOS ERETORES DA ESPINHA TRANSVERSO SEGMENTAR -ESPINHAL CURTO Espinhal Longuíssimo Iliocostal Semi-espinhalespinhal Multífidos Rotadores Interespinhais Intertransversários ersários PARAVERTEBRAIS MÚSCULOS POSTERIORES

19 MÚSCULOS POSTERIORES Camada dorsal intermediária MÚSCULOS POSTERIORES Camada dorsal profunda

20 MÚSCULOS ERETORES DA ESPINHA Grandes e pouco definidos Atravessam a maior parte da coluna vertebral Movimentos mais amplos do que precisos FIBRAS MUSCULARES: Movimentos rápidos e forçados Resistentes à fadiga. Manutenção da postura por longos períodos de tempo MÚSCULOS ERETORES DA ESPINHA MOVIMENTOS: Extensão cabeça, pescoço e tronco Região lombar anteriorização pélvica Estabilidade posterior para a coluna: Controle da flexão a favor da gravidade Manutenção da postura em pé ou ereta

21 MÚSCULOS ESPINHAIS Origem: Tórax: processos espinhosos das 2 primeiras i vértebras torácicas do pescoço: parte inferior do ligamento da nuca; processo espinhoso da 7a vértebra cervical Inserção: Tórax: processos espinhosos das vértebras torácicas superiores Do pescoço: processo espinhoso do áxis Ação: Acessórionaflexãolateral Contração bilateral = motores primários da extensão e hiperextensão da coluna MÚSCULOS LONGUÍSSIMOS do pescoço, da cabeça e do tronco Maiores e mais desenvolvidos Principais extensores nas suas regiões Longuíssimo da cabeça e do pescoço Inserções oblíquas: rotação ipsilateral Contração unilateral: flexão lateral

22 MÚSCULOS ILIOCOSTAIS pescoço, tórax e lombar Principais extensores nas suas regiões Principais flexores laterais dos eretores Contração bilateral = extensão e hiperextensão Contração unilateral = flexão lateral Iliocostal do pescoço = rotação ipsilateral MÚSCULOS TRANSVERSO-ESPINHAISESPINHAIS Extensão da cabeça, do pescoço e do tronco Região lombar anteriorização pélvica Localização abaixo dos eretores Cruzam menos articulações intervertebrais: Movimentos mais controlados Contração unilateral: flexão lateral Linha de ação de força reduzida menos eficiente

23 MÚSCULOS TRANSVERSO-ESPINHAISESPINHAIS MÚSCULOS SEMI-ESPINHAISESPINHAIS MÚSCULOS MULTÍFIDOS MÚSCULOS ROTADORES MÚSCULOS SEMI-ESPINHAISESPINHAIS Cabeça, pescoço e tórax Todos são extensores nas suas regiões Semi-espinhal espinhal da cabeça e do tronco = massa avantajada e direção das fibras praticamente vertical Torque extensivo na região crânio-cervical cervical significativo

24 MÚSCULOS MULTÍFIDOS Encontrados em toda coluna Mais espessos na região lombar Região lombar importante ação de extensão e estabilidade MOVIMENTOS: Contração bilateral: extensão Contração unilateral: rotação contra-lateral MÚSCULOS ROTADORES Os mais profundos correm toda a coluna vertebral Mais desenvolvidos na região torácica Menor ação na extensão Auxilia na rotação axial contra-lateral

25 MÚSCULOS SEGMENTARES CURTOS Altamente segmentados cada músculo cruza apenas uma unidade vertebral Mais desenvolvidos na região cervical coordenação da cabeça com os sistemas auditivo e visual Linhas de ação pequena e baixa massa muscular: Baixa capacidade de produção de força Alta capacidade de controle dos movimentos MÚSCULOS INTERTRANSVERSÁRIOS Os mais profundos correm toda a coluna vertebral Mais desenvolvidos na região torácica Menor ação na extensão Auxilia na rotação axial contra-lateral

26 MÚSCULOS INTERESPINHAIS Fixam-se entre os processos espinhosos em cada lado dos ligamentos interespinhosos Desenhados para os movimentos de extensão e flexão lateral MÚSCULOS ABDOMINAIS FUNÇÕES FISIOLÓGICAS: Suporte e proteção das vísceras abdominais Pressão intra-abdominalabdominal Pressão intra-torácicatorácica FUNÇÕES CINESIOLÓGICAS: Mobilidade e estabilização do tronco Suporte da coluna Estabilização das inserções proximais dos músculos do quadril e joelho

27 MÚSCULOS ABDOMINAIS Reto abdominal Oblíquo externo Oblíquo interno Transverso MÚSCULOS RETO ABDOMINAIS Contração bilateral Flexão do tronco e/ou inlinação posterior da região lombar (pelve) Contração unilateral Flexão lateral ipsilateral PRINCIPAL FLEXOR DO TRONCO

28 MÚSCULOS ABDOMINAIS OBLÍQUO EXTERNO Contração bilateral Flexão do tronco e/ou inlinação posterior da região lombar (pelve) Contração unilateral l Flexão lateral ipsilateral rotação contralateral MÚSCULOS ABDOMINAIS OBLÍQUO INTERNO Contração bilateral Flexão do tronco e/ou inlinação posterior da região lombar (pelve) Contração unilateral l Flexão lateral ipsilateral rotação axial ipsilateral

29 MÚSCULO TRANSVERSO DO ABDOME Músculo do espartilho Mais profundo dos músculos anteriores Aumenta a compressão abdominal = aumento da pressão intra-abdominalabdominal Estabilização da região lombar MÚSCULOS OBLÍQUOS EXTERNO E INTERNO Extremamente eficazes para a flexão lateral Rotadores axiais mais eficientes do corpo Braço de força bastante favorável Área de secção transversa relativamente grande

30 MÚSCULOS ABDOMINAIS Paralisia dos músculos abdominais hiperlordose lombar excessiva Posição ereta contração permanente Aumento da pressão intra-abdominal: abdominal: Diminui a força compressiva sobre a coluna Reduz atividade dos músculos posteriores da coluna MÚSCULOS ADICIONAIS Músculos não situados na região da coluna Fortemente associados aos movimentos da região ILIOPSOAS: Ilíaco Psoas Maior Psoas Menor QUADRADO LOMBAR

31 MÚSCULOS ILIOPSOAS Músculo longo, com importância significativa na coluna vertebral cinética potente Ilíaco origem na fossa ilíaca e lateral do sacro Psoas origem nos processos transversos de T12-L5 Fundem-se ao ligamento Ingnal e se fixam como um único tendão no trocânter menor do fêmur Flexor potente fêmur em direção à pelve ou vice-versa versa Inclinação anterior pelve aumenta a lordose lombar PSOAS MAIOR E MENOR Praticamente o mesmo músculo Mesmas ações, mas com maior capacidade do psoas maior Importante flexor lateral Trabalho eficaz de flexão somente na região L5-S1 Função importante de estabilizador

32 QUADRADO LOMBAR Contração bilateral Extensão da região lombar Contração unilateral Importante flexor lateral Importante papel na caminhada Paraplegia a nível neurológico Eleva o membro inferior para tirar o pé do solo, auxiliado por uma órtese

33 MÚSCULOS CERVICAIS ANTERIORES RETO ANTERIOR DA CABEÇA RETO LATERAL DA CABEÇA Ação: Contração bilateral = flexão da cabeça sobre oatlas Contração unilateral = flexão lateral da cabeça MÚSCULOS CERVICAIS ANTERIORES LONGO DA CABEÇA Ação: Contração bilateral = flexão da cabeça ecoluna cervical superior Contração unilateral = flexão lateral e rotação dessa região LONGO DO PESCOÇO Ação: Contração bilateral = flexão da coluna cervical

34 ESTERNOCLEIDOMASTÓIDEO Origem: face anterior do esterno e terço interno das superfícies anterior e lateral do pescoço Inserção: processo mastóideo do crânio Ação: Motor primário da flexão, flexão lateral e rotação para o lado oposto Cabeça estabilizada =pode atuar como músculo da respiração ESCALENOS Origem: processos transversos das vértebras cervicais Inserção: escalenos anterior e médio: superfície superior da primeira costela; escaleno posterior: segunda costela Ação: Motor primário da flexão lateral e acessório ói da coluna cervical. Cabeça estabilizada = pode atuar como músculo da respiração

35 MÚSCULOS CERVICAIS POSTERIORES Mais volume que o grupo anterior evidenciando que maior força é necessária ái para manter a extensão RETO POSTERIOR MAIOR DA CABEÇA RETO POSTERIOR MENOR DA CABEÇA OBLÍQUO INFERIOR OBLÍQUO SUPERIOR Ações: Contração bilateral: extensão da cabeça Contrações unilaterais: flexão lateral e rotação QUESTÕES CINESIOLÓGICAS

36 ESTABILIDADE CENTRAL DO TRONCO INTRÍNSECOS Músculos curtos que se fixam na coluna Envolvidos na sintonização precisa da estabilidade nos múltiplos segmentos da coluna EXTRÍNSECOS Músculos longos que se fixam parcial ou totalmente fora da coluna Estabilidade geral do tronco e um elo semi- rígido entre a coluna e os membros inferiores AÇÕES MUSCULARES EIXO DE ROTAÇÃO Potencial para flexão do tronco Potencial para flexão lateral esquerda Potencial para flexão lateral direita Potencial para extensão do tronco

37 PICO TORQUE INTERNO FLEXOR X EXTENSOR Flexores força de alavanca maior Extensores maior massa + maior orientação vertical das fibras. Torque de flexão de esforço máximo < Torque de extensão de esforço máximo Reflexo da função predominante na neutralização da gravidade para manutenção da postura ereta ou para carregar cargas na frente do tórax MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS QUESTÕES CINESIOLÓGICAS: FLEXÃO: Aumenta diâmetro forames intervertebrais Diminuição da pressão nas raízes nervosas FLEXÃO ELEVADA: Projeta o disco posteriormente Aumenta a pressão nas raízes nervosas

38 MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS QUESTÕES CINESIOLÓGICAS: EXTENSÃO: Diminui o diâmetro dos forames intervertebrais Aumento da pressão nas raízes nervosas Evitar movimentos de hiperextensão Projeta o disco anteriormente Aconselhável no tratamento de protrusões discais posteriores MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS RITMO LOMBOPÉLVICO Relações entre os movimentos de extensão e flexão na região lombar e a região do quadril RITMO LOMBOPÉLVICO NORMAL Flexão da região lombar e do quadril concomitantemente, com a flexão na lombar antes da flexão do quadril. Extensão com os movimentos opostos, na mesma ordem

39 MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS RITMO LOMBOPÉLVICO APROXIMADAMENTE 40 FLEXÃO LOMBAR APROXIMADAMENTE 70 FLEXÃO QUADRIL FLEXÃO QUADRIL FLEXÃO DA PELVE SOBRE O FÊMUIR MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS RITMO LOMBOPÉLVICO NORMAL Inclinação anterior Aumenta curva lombar Inclinação posterior Diminui curva lombar MÚSCULOS: Flexores do quadril Extensores do dorso Músculos abdominais Extensores do quadril

40 RITMO LOMBO-PÉLVICO Sincronização dos movimentos entre a pelve e o tronco RITMO LOMBOPÉLVICO ANORMAL LIMITAÇÃO NA REGIÃO LOMBAR: MAIOR FLEXÃO NO QUADRIL AUMENTO DA COMPRESSÃO DAS ARTICULAÇÕES DO QUADRIL DEGENERAÇÃO DAS CARTILAGENS DESCONFORTO NA REGIÃO DO QUADRIL

41 RITMO LOMBOPÉLVICO ANORMAL LIMITAÇÃO NO QUADRIL: MAIOR FLEXÃO EM OUTRAS REGIÕES REGIÃO TORÁCICA FLEXÃO EXCESSIVA Estiramento em excesso dos ligamentos posteriores (interespinhais, longitudinal posterior), cápsulas articulares, anel fibroso posterior Aumento do estresse sobre discos e articulações dos processos articulares MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS FLEXÃO normal e não normal

42 COLUNA VERTEBRAL INTERDEPENDÊNCIA DAS CURVATURAS Aumento da resistência aos esforços de compressão R = N POSTURA EM PÉ POSTURA ERETA: Músculos posteriores da coluna em constante contração Maior solicitação muscular POSTURA RELAXADA: Músculos posteriores da coluna mais relaxados Maior sobrecarga articular e ligamentar

43 MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS POSTURA SENTADA: CORRETA Posição ereta Todas as curvaturas Sem protração ou retração da cabeça INCORRETA Acentuada flexão coluna Ombros caídos Protração da cabeça MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS POSTURA SENTADA CORRETA: Maior solicitação dos músculos extensores Maior sensação de fadiga POSTURA SENTADA INCORRETA: Menor solicitação dos músculos extensores Musculatura mais relaxada

44 MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS POSTURA SENTADA INCORRETA: Encurtamento das estruturas responsáveis pela má postura: músculos posteriores da coxa, ligamento longitudinal anterior e as fibras anteriores do anel Aumento do braço de força do peso na região lombar Aumenta a compressão nas vértebras lombares Maior chance de protusão discal Hérnia de disco POSTURA SENTADA Influencia o posicionamento de todo o corpo

45 MOVIMENTOS LEVANTAMENTO POSIÇÃO SENTADA JOELHO ESTENDIDO/FLETIDO Sem apoio das mãos: acentuada estática de vários grupos musculares. contração 1. Tensão dos isquiotibiais = inclinação posterior da pelve 2. Inclinação anterior alongamento dos isquiotibiais 1. Flexão do joelho = supressão da tensão nos isquiotibiais 2. Flexão do quadril = relaxa o iliopsoas, tornando-o incapaz de encurtar-se o suficiente para tracionar a pelve

46 DECÚBITO DORSAL JOELHO ESTENDIDO/FLETIDO A. Estiramento do iliopsoas e ligamento iliolombar (TENSÃO) GRANDE DESVANTAGEM DA POSIÇÃO Curva lombar excessiva: INCLINAÇÃO PÉLVICA PARA FRENTE B. Evita extensão do Iliopsoas e lig. iliolombar RELAXADOS MINIMIZA A ATIVIDADE DO ILIOPSOAS Desde que as pernas não estejam fixadas CINEMÁTICA TÓRACO-LOMBAR Nordin, 1989

47 COLUNA VERTEBRAL DISCO INTERVERTEBRAL Degeneração do disco Pressão intradiscal PRESSÃO INTRADISCAL REGIÃO LOMBAR

48 PRESSÃO INTRADISCAL LOMBAR x TORÁCICA Polga, 2004 Estabilidade estática Estabilidade estática Kavicic, 2004

49 Estabilidade estática Kavicic, 2004 Estabilidade estática Estabilidade estática Kavicic, 2004

50 Estabilidade estática Kavicic, 2004 Estabilidade estática considerações finais Compromisso Estabilidade - Compressão Kavicic, 2004

51 ESTABILIDADE É SEMPRE DESEJÁVEL TER UMA COLUNA RÍGIDA PARA REDUZIR O RISCO DE LESÃO? NAS DEFINIÇÕES ESTÁTICAS SIM MAS QUANDO O CONTROLE MOTOR MAIS PRECISO É NECESSÁRIO, NÃO SERIA UMA COLUNA FLEXÍVEL MAIS DESEJÁVEL? ESTABILIDADE ESTÁTICA Robustez: Enfrentar incertezas (tolerância do sistema) e distúrbios (alterar parâmetros ex. rigidez) Core exercises: Aumentam a robustez do sistema Maior rigidez Coativação Assegura estabilidade Reduz a quantidade de deslocamento Minimiza risco de lesão

52 CORE STABILITY CORE TRAINING É o treinamento, que através de superfícies instáveis, preconiza os mecanismos fisiológicos no controle do equilíbrio (Anderson & Behn, 2005). ESTABILIDADE ESTÁTICA x DINÂMICA Algumas atividades que necessitam de precisão no controle do tronco, risco de lesão pode aumentar se o tronco está muito rígido Não confundir estabilidade da coluna com estabilidade do sistema Em alguns casos uma coluna mais rígida pode experimentar deslocamentos maiores para manter a estabilidade da tarefa o que pode aumentar o risco de lesão Encontrar o nível ótimo de rigidez (coativação) para assegurar a realização da tarefa com menor risco de lesão

53 Superfícies instáveis Superfícies instáveis Especificidade Treinamento deve mimetizar as demandas do esporte ou ocupação Estabilidade dinâmica? estática vai se transferir para a

54 Superfícies instáveis considerações gerais Behm, 2006 A maior contribuição tibiã do treinamento t em superfícies instáveis é aumentar a estabilidade do tronco enão a força muscular de membros Os benefícios parecem ser mais efetivos para indivíduos envolvidos lid em reabilitação ou saúde geral enão para atletas. Vibração

Coluna Vertebral. Coluna Vertebral Cinesiologia. Renato Almeida

Coluna Vertebral. Coluna Vertebral Cinesiologia. Renato Almeida Coluna Vertebral Questão de Concurso Treinando... (EBSERH) A escoliose é uma deformidade em curva da coluna vertebral, podendo ou não ser acompanhada de rotação das vértebras, a chamada giba. Em uma escoliose

Leia mais

Estrutura da Coluna Vertebral

Estrutura da Coluna Vertebral Fundamentos da Biomecânica CINESIOLOGIA E BIOMECÂNICA DA COLUNA VERTEBRAL Estrutura da Coluna Vertebral 33 Vértebras 7 cervicais 12 torácicas 5 lombares 5 sacrais (fundidas) 4-5 coccígeas (fundidas) 1

Leia mais

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr.

CINESIOLOGIA. Músculos vs Movimentos. Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA Músculos vs Movimentos Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR TRAPÉZIO: PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE) Na Cervical:

Leia mais

Biomecânica da Coluna Cervical

Biomecânica da Coluna Cervical Biomecânica da Coluna Cervical MFT 0833 Isabel de Camargo Neves Sacco Sacco ICN 2007 PROPEDÊUTICA E ANATOMIA DE SUPERFÍCIE Base da cabeça: C1 + occipital C3 - osso hióide C4 e C5 - cartilagem tireoidiana

Leia mais

Tronco. Funções. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) Coluna vertebral

Tronco. Funções. You created this PDF from an application that is not licensed to print to novapdf printer (http://www.novapdf.com) Coluna vertebral Tronco Coluna vertebral Caixa torácica Cintura escapular Cintura pélvica Funções Proteção da medula espinhal. Base de suporte e mobilidade para a cabeça. Base estável para fixação de ossos, mm., lig.e

Leia mais

COLUNA LOMBAR 24/03/15 ANATOMIA VERTEBRAL

COLUNA LOMBAR 24/03/15 ANATOMIA VERTEBRAL ANATOMIA VERTEBRAL - Corpo: maior e mais largo (distribuição de cargas) - Apófise Espinhosa: mais espessa, retangular e horizontal - Facetas articulares: mais perpendiculares e posteriores FNC 1 ORIENTAÇÃO

Leia mais

Cabeça. Ossos e Músculos 24/02/2016. Ossos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação ANATOMIA PALPATÓRIA

Cabeça. Ossos e Músculos 24/02/2016. Ossos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação. Músculos da Cabeça Palpação ANATOMIA PALPATÓRIA Ossos da Cabeça ANATOMIA PALPATÓRIA Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz Cabeça MÚSCULOS DA CABEÇA Músculos da Cabeça Ossos e Músculos MÚSCULOS DA CABEÇA Músculos da Cabeça 1 ATM

Leia mais

Fisioterapeuta Priscila Souza

Fisioterapeuta Priscila Souza Fisioterapeuta Priscila Souza * Passou de 7 bilhões o número de celulares no mundo. (União Internacional de Telecomunicações UIT, 2015) *Segundo a ONU em 2000 o número de aparelhos celulares era de 738

Leia mais

Coluna lombar. Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica

Coluna lombar. Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica COLUNA LOMBAR Coluna lombar Características gerais: 5 vértebras 1 curvatura lordose fisiológica 2 tipos de Articulações: Intervertebral cartilaginosa Proc. Articulares - sinovial Coluna lombar Coluna lombar

Leia mais

NERVOS ESPINHAIS. Relação das Raízes Nervosas com as Vértebras

NERVOS ESPINHAIS. Relação das Raízes Nervosas com as Vértebras Page 1 of 7 NERVOS ESPINHAIS São aqueles que fazem conexão com a medula espinhal e são responsáveis pela inervação do tronco, dos membros superiores e partes da cabeça. São ao todo 31 pares, 33 se contados

Leia mais

COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO

COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO COLUNA: SEGMENTO TORÁCICO Ft. Ms. Adriana de Sousa do Espírito Santo ANATOMIA 12 vértebras. 1a. e 2a. São de transição. O corpo possui o d ântero-posterior e transversal iguais e apresenta semifacetas

Leia mais

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA

MÚSCULO ORIGEM INSERÇÃO INERVAÇÃO 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO ÚMERO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA 6MOD205 LOCOMOÇÃO E PREENSÃO MÚSCULOS DO MEMBRO SUPERIOR OMBRO MANGUITO ROTADOR 1 SUPRA-ESPINHAL FOSSA SUPRA-ESPINHAL TUBÉRCULO > DO 2 INFRA-ESPINHAL SUPERFÍCIE INFERIOR DA ESPINHA TUBÉRCULO > DO 3 SUBESCAPULAR

Leia mais

Músculos da Cabeça e Pescoço

Músculos da Cabeça e Pescoço UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Biomédicas Departamento de Anatomia Músculos da Cabeça e Pescoço Profa. Elen H. Miyabara elenm@usp.br Músculos da Cabeça e do Pescoço - Movimentam a cabeça

Leia mais

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral

Crânio e ossos associados. Caixa torácica. Coluna vertebral Sistema Esquelético 213 Esqueleto Apendicular 126 Esqueleto Axial 87 Crânio e ossos associados 29 Caixa torácica 25 Coluna vertebral 33 Crânio Abrigar e proteger o encéfalo Apresenta aberturas para passagem

Leia mais

BIOMECÂNICA DA COLUNA VERTEBRAL COLUNA VERTEBRAL. Funções. Funções TRONCO E COLUNA VERTEBRAL. Linha de gravidade que passa através do tronco 1/10/2011

BIOMECÂNICA DA COLUNA VERTEBRAL COLUNA VERTEBRAL. Funções. Funções TRONCO E COLUNA VERTEBRAL. Linha de gravidade que passa através do tronco 1/10/2011 Carolina Carneiro Peixinho carolina@peb.ufrj.br BIOMECÂNICA DA COLUNA VERTEBRAL Breve anatomia funcional Vértebra, Disco intervertebral, Ligamentos, Ação muscular Especialização em Biomecânica- 2011 COLUNA

Leia mais

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR

COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR CINESIOLOGIA FASAR 2015 Prof. Msd. Ricardo L. Pace Jr. 1 COMPLEXO SUPERIOR CINTURA ESCAPULAR ELEVAÇÃO: TRAPÉZIO PORÇÃO SUPERIOR (PARTE DESCENDENTE), ELEVADOR (LEVANTADOR) DA ESCÁPULA, ROMBÓIDES. DEPRESSÃO:

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de prescrever o exercício... Ossos e músculos; Tipos de articulações;

Leia mais

TERMOS DE MOVIMENTO TERMOS DE MOVIMENTO POSIÇÃO ANATÔMICA POSIÇÃO ANATÔMICA TERMOS DE MOVIMENTO. Curso de. Marcelo Marques Soares Prof.

TERMOS DE MOVIMENTO TERMOS DE MOVIMENTO POSIÇÃO ANATÔMICA POSIÇÃO ANATÔMICA TERMOS DE MOVIMENTO. Curso de. Marcelo Marques Soares Prof. 2ª edição Marcelo Marques Soares Prof. Didi Jonas Wecker Douglas Lenz POSIÇÃO ANATÔMICA Linha Sagital Mediana POSIÇÃO ANATÔMICA 1 2 REGIÃO INFERIOR Reto Anterior Piramidal Oblíquo Externo Oblíquo Interno

Leia mais

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior CINESIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior COLUNA VERTEBRAL 7 vértebras cervicais 12 vértebras torácicas 5 vértebras lombares 5 vértebras sacrais 4 vértebras coccígeas anterior

Leia mais

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior MOVIMENTOS DA CINTURA ESCAPULAR Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O que é Cintura Escapular? Duas clavículas e duas escápulas. Trata-se de uma estrutura que sofreu adaptações à bipedia, onde as

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014 AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? A AVALIAÇÃO POSTURAL CONSISTE EM DETERMINAR E REGISTRAR SE POSSÍVEL ATRAVÉS DE FOTOS, OS DESVIOS OU ATITUDES POSTURAIS DOS INDIVÍDUOS, ONDE O MESMO É

Leia mais

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL *

DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * A. POSTURA DISTÚRBIOS DA COLUNA VERTEBRAL * 1 POSTURA LORDÓTICA Trabalho realizado por: Karina Mothé Bianor Orientador: Prof. Blair José Rosa Filho Caracterizada por um aumento no ângulo lombossacro (o

Leia mais

Dor Lombar. Controle Motor Coluna Lombar. O que é estabilidade segmentar? Sistema Global: Sistema Local:

Dor Lombar. Controle Motor Coluna Lombar. O que é estabilidade segmentar? Sistema Global: Sistema Local: Dor Lombar Causa de ausência no trabalho Alto custo econômico para serviços de saúde Quanto maior o afastamento, menor é a probabilidade de retorno ao serviço Controle Motor Coluna Lombar Curso de Especialização

Leia mais

Osteologia. Movimentos realizados Plano Sagital (Eixo Frontal) Plano Frontal (Eixo Sagital) Plano Transverso (Eixo Longitudinal)

Osteologia. Movimentos realizados Plano Sagital (Eixo Frontal) Plano Frontal (Eixo Sagital) Plano Transverso (Eixo Longitudinal) Posiçao anatómica: Osteologia Indivíduo de pé; Face virada para o observador; Palmas das mãos viradas para cima (supinação). Planos do movimento: Plano Sagital - Divide o corpo verticalmente (Esquerda/Direira);

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL

AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL AVALIAÇÃO DA COLUNA VERTEBRAL COLUNA CERVICAL FUNÇÕES: Suporte e estabilidade à cabeça Dar mobilidade à cabeça Abrigar, conduzir e proteger a medula espinhal e a artéria vertebral INSPEÇÃO Postura Global

Leia mais

MANOBRAS DE EXAME MUSCULOESQUELÉTICO CABEÇA, PESCOÇO E CINTURA ESCAPULAR

MANOBRAS DE EXAME MUSCULOESQUELÉTICO CABEÇA, PESCOÇO E CINTURA ESCAPULAR MANOBRAS DE EXAME MUSCULOESQUELÉTICO CABEÇA, PESCOÇO E CINTURA ESCAPULAR ESTÁTICO ANTERO-POSTERIOR Observar posicionamento da cabeça em relação ao tronco, que pode evidenciar deslocamentos laterais, posicionamento

Leia mais

Coluna Vertebral. Sacro - 5 vértebras - Cóccix - 4-5 vértebras. Junção Cervico-toracica. Junção Toraco-lombar. Junção Lombosacral

Coluna Vertebral. Sacro - 5 vértebras - Cóccix - 4-5 vértebras. Junção Cervico-toracica. Junção Toraco-lombar. Junção Lombosacral A Coluna Verterbral É o maior segmento corporal (40% Altura) É como uma haste elástica modificada Proporciona suporte, proteção e flexibilidade Formado por 33 vértebras, 24 móveis. 4 curvas, que dão equilíbrio

Leia mais

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano

Anatomia Geral. http://d-nb.info/1058614592. 1 Filogênese e Ontogênese Humanas. 5 Músculos. 6 Vasos. 2 Visão Geral do Corpo Humano Anatomia Geral 1 Filogênese e Ontogênese Humanas 1.1 Filogênese Humana 2 1.2 Ontogênese Humana: Visão Geral, Fecundação e Estágios Iniciais do Desenvolvimento 4 1.3 Gastrulação, Neurulação e Formação dos

Leia mais

ALTERAÇÕES DO SISTEMA MÚSCULO- ESQUELÉTICO E SUAS IMPLICAÇÕES APOSTILA 04

ALTERAÇÕES DO SISTEMA MÚSCULO- ESQUELÉTICO E SUAS IMPLICAÇÕES APOSTILA 04 ALTERAÇÕES DO SISTEMA MÚSCULO- ESQUELÉTICO E SUAS IMPLICAÇÕES APOSTILA 04 As novas adaptações expõem exigências suplementares aos complexos musculares dorsal e pélvico para refazer os equilíbrios compensatórios.

Leia mais

ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH

ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL. Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH ANATOMIA e SEMIOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL Prof. Dr. GABRIEL PAULO SKROCH - COMPOSIÇÃO: 24 Corpos Vertebrais 5 Fusionadas Sacro 4 Cóccix 23 Discos Intervertebrais - FUNÇÕES 1. Postura 2. Movimento e Locomoção

Leia mais

Coluna Vertebral e Crâneo

Coluna Vertebral e Crâneo Coluna Vertebral e Crâneo Nome: Turma: PL1/PL2 Aspectos gerais A. Legende a figura e refira o número de vértebras existentes em cada uma das regiões assinaladas: 1- Cervical 2- Toráxica 3- Lombar N.º de

Leia mais

28/08/2015 CINTURA PÉLVICA E QUADRIL INTRODUÇÃO. Transmissão do peso da cabeça, tronco e MMSS para os MMII INTRODUÇÃO ÍNDICE DE ASSUNTOS

28/08/2015 CINTURA PÉLVICA E QUADRIL INTRODUÇÃO. Transmissão do peso da cabeça, tronco e MMSS para os MMII INTRODUÇÃO ÍNDICE DE ASSUNTOS ÍNDICE DE ASSUNTOS CINTURA PÉLVICA E QUADRIL PROF. DR. Wouber Hérickson de B. Vieira DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA - UFRN hericksonfisio@yahoo.com.br INTRODUÇÃO ANATOMIA FUNCIONAL Estrutura óssea Estrutura

Leia mais

Graus de Liberdade. Complexo Articular do Ombro 08/08/ graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180 ) Extensão (45-50 )

Graus de Liberdade. Complexo Articular do Ombro 08/08/ graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180 ) Extensão (45-50 ) Complexo Articular do Ombro Articulação mais móvel do corpo humano, porém muito instável = estabilidade dinâmica. Posição de referência Graus de Liberdade 3 graus de liberdade: Plano sagital: Flexão (180

Leia mais

Quadril. Quadril Cinesiologia. Renato Almeida

Quadril. Quadril Cinesiologia. Renato Almeida Quadril Questão de Concurso Treinando... (QUEIMADAS - PB) A capacidade do corpo de transformar movimentos angulares estereotipados das articulações em movimentos curvilineares mais eficientes das partes

Leia mais

Músculo Origem Inserção Inervação Ação

Músculo Origem Inserção Inervação Ação Músculos Toracoapendiculares Anteriores Músculo Origem Inserção Inervação Ação Peitoral Maior Porção clavicular: Face anterior da metade anterior da clavícula; Porção esternocostal: face anterior do esterno

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Braço e Antebraço

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Braço e Antebraço CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Braço e Antebraço Músculos do Cotovelo Bicípite braquial Braquial Braquiorradial Tricípite braquial Ancôneo Bicípite Braquial Bicípite Braquial Origem: Cabeça

Leia mais

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR)

ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) ACAMPAMENTO REGIONAL EXERCÍCIOS PARA AQUECIMENTO E PREVENÇÃO DE LESÕES (ALONGAMENTO DINÂMICO ESTABILIZAÇÃO ATIVAÇÃO MUSCULAR) Puxar uma perna para o tronco 1 - Alongamento da região posterior da coxa:

Leia mais

Ano Letivo: 2015/2016

Ano Letivo: 2015/2016 Ano Letivo: 2015/2016 Ano de escolaridade: 3º TAGD Disciplina: Estudo do Movimento Período 1º Conteúdos Programados Módulo 1 Osteologia e Artrologia. Posição descritiva anatómica;. Planos descritivos:

Leia mais

OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO

OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO OSSOS ESCÁPULA CLAVÍCULA ÚMERO MOVIMENTOS DA ESCÁPULA PROTRAÇÃO RETRAÇÃO ELEVAÇÃO DEPRESSÃO ROTAÇÃO PARA CIMA (EXTERNA) ROTAÇÃO PARA BAIXO (INTERNA) MOVIMENTOS DOS OMBROS FLEXÃO E EXTENSÃO ADBUÇÃO E ADUÇÃO

Leia mais

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades

Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Músculos da face Não estão fixados pela parte óssea nas duas extremidades Uma fixação é no esqueleto e outra na parte mais profunda da Pele Podem movimentar a pele do couro cabeludo e da face modificando

Leia mais

ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA. Raul Oliveira 2º ano 2007-2008. músculos monoarticulares

ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA. Raul Oliveira 2º ano 2007-2008. músculos monoarticulares ANÁLISE FUNCIONAL DA MUSCULATURA HUMANA (Tronco) Aula 9 CINESIOLOGIA Raul Oliveira 2º ano 2007-2008 músculos monoarticulares músculos multiarticulares Músculos bi-articulares 1 LINHA DE TRACÇÃO DO MÚSCULO

Leia mais

DESVIOS POSTURAIS. 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço

DESVIOS POSTURAIS. 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna cervical. CAUSA: - Hipertrofia da musculatura posterior do pescoço CORREÇÃO: - Fortalecimento da musculatura anterior do pescoço

Leia mais

ERROS. + comuns. durante a execução de exercícios de Pilates

ERROS. + comuns. durante a execução de exercícios de Pilates 10 ERROS + comuns durante a execução de exercícios de Pilates Este e-book é uma produção do Grupo VOLL Pilates. O QUE É VOLL PILATES? A VOLL Pilates é um grupo de empresas focado na formação, na capacitação

Leia mais

ERGONOMIA AULA 2 RICARDO LUIZ PACE JUNIOR

ERGONOMIA AULA 2 RICARDO LUIZ PACE JUNIOR ERGONOMIA AULA 2 RICARDO LUIZ PACE JUNIOR Noções Básicas de Anatomia e Fisiologia Identificação das Limitações do Organismo Humano Sabendo-se que a Ergonomia tem por objetivo adequar o trabalho às características

Leia mais

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes

ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA. Professor Marcio Gomes ASPECTOS BIOMECÂNICOS APLICADOS AO TREINAMENTO DE FORÇA O homem que se esvazia do orgulho, dá espaço ao conhecimento. ANATOMIA HUMANA O conhecimento da Anatomia é de fundamental importância na hora de

Leia mais

DESVIOS POSTURAIS. Núcleo de Atividade Física Adaptada e Saúde-NAFAS Escola de Postura - CEPEUSP Luzimar Teixeira e Milena Dutra DESVIOS POSTURAIS

DESVIOS POSTURAIS. Núcleo de Atividade Física Adaptada e Saúde-NAFAS Escola de Postura - CEPEUSP Luzimar Teixeira e Milena Dutra DESVIOS POSTURAIS DESVIOS POSTURAIS Núcleo de Atividade Física Adaptada e Saúde-NAFAS Escola de Postura - CEPEUSP Luzimar Teixeira e Milena Dutra DESVIOS POSTURAIS 1. LORDOSE CERVICAL = Acentuação da concavidade da coluna

Leia mais

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento

Cinesiologia. Cinesio = movimento Logia = estudo. Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Cinesio = movimento Logia = estudo Cinesiologia = estudo do movimento Cinesiologia Movimento: mudança de local, posição ou postura com relação a algum ponto do ambiente. Estudo do movimento

Leia mais

Biomecânica e Cinesiologia do Ombro

Biomecânica e Cinesiologia do Ombro Biomecânica e Cinesiologia do Ombro Ombro articulação mais móvel do corpo. Mas também a mais instável. Composta por 4 ossos, 20 músculos e 5 articulações. Ossos: úmero, escápula, clavícula e costela. Articulações

Leia mais

Anatomia da Medula Vertebral

Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Vértebra Disco Intervertebral Anatomia da Coluna Vertebral Características Gerais: Corpo Vertebral Foramens Vertebrais: Forame Medular: Medula Vertebral Forames

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI. Sistema Muscular 1 FUNDAÇÃO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE BARUERI EEFMT Professora Maria Theodora Pedreira de Freitas Av. Andrômeda, 500 Alphaville Barueri SP CEP 06473-000 Disciplina: Educação Física 6ª Série Ensino Fundamental

Leia mais

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 1 O Ombro é uma articulação de bastante importância para todos nós, visto que para fazermos até as atividades mais simples, como escovar os dentes e dirigir, precisamos dele. Devido a esta característica,

Leia mais

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1

www.josegoe s.com.br Prof. Ms. José Góes Página 1 Página 1 01. Ossos da coluna vertebral A coluna vertebral é formada por um número de 33 ossos chamados vértebras. Estas se diferenciam pela sua forma e função. Vértebras semelhantes se agrupam em regiões

Leia mais

Osteologia e Artrologia. Tema F Descrição e caraterização funcional do sistema ósseo e articular do membro inferior.

Osteologia e Artrologia. Tema F Descrição e caraterização funcional do sistema ósseo e articular do membro inferior. Tema F Descrição e caraterização funcional do 1 Cintura pélvica; 2 Bacia 3 Articulação coxo-femural e seu funcionamento nos movimentos da coxa. 4 Complexo articular do joelho e seu funcionamento nos movimentos

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz

ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO. Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ROTEIRO DE ESTUDOS SISTEMA ÓSSEO Prof a. Ana Carolina Athayde R. Braz ESQUELETO AXIAL 1) CABEÇA: a) Identificar e localizar os ossos da cabeça: - Crânio (8): Ossos pares ou bilaterais: Parietais e Temporais

Leia mais

MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX. 1 Peitoral Maior. 1 Peitoral Maior. Região Ântero- Lateral

MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX MÚSCULOS DO TÓRAX. 1 Peitoral Maior. 1 Peitoral Maior. Região Ântero- Lateral Nervo Peitoral Lateral e Medial (C5 a T1) Marcelo Marques Soares Prof. Didi Rotação medial, adução, flexão e flexão horizontal do braço Região Ântero- Lateral 2 Peitoral Menor Subclávio Serrátil Anterior

Leia mais

Efeito das variações de técnicas no agachamento e no leg press na biomecânica do joelho Escamilla et al. (2000)

Efeito das variações de técnicas no agachamento e no leg press na biomecânica do joelho Escamilla et al. (2000) Efeito das variações de técnicas no agachamento e no leg press na biomecânica do joelho Escamilla et al. (2000) Este estudo buscou investigar o efeito das variações de posição dos pés no agachamento no

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro

Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Avaliação Fisioterapêutica do Ombro Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional-FMUSP Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Esternoclavicular: Artic.

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA História da Anatomia Terminologia Anatômica Osteologia HISTÓRIA DA ANATOMIA HUMANA HISTÓRIA DA ANATOMIA

Leia mais

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil),

1) PANTURRILHAS. b) Músculos envolvidos Gastrocnêmios medial e lateral, sóleo, tibial posterior, fibular longo e curto, plantar (débil), 1 1) PANTURRILHAS 1.1 GERAL De pé, tronco ereto, abdômen contraído, de frente para o espaldar, a uma distância de um passo. Pés na largura dos quadris, levar uma das pernas à frente inclinando o tronco

Leia mais

DIVISÃO DO CORPO HUMANO. Ilberlom Santana Otoni

DIVISÃO DO CORPO HUMANO. Ilberlom Santana Otoni DIVISÃO DO CORPO HUMANO Ilberlom Santana Otoni Divisão do Corpo Humano Esta aula foi montada de acordo com o livro de anatomia humana do professor e Doutor LÚCIO SLEUTJES Ilberlom Amarei a Luz Porque me

Leia mais

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc.

Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Músculo Origem Inserção Ação Psoas maior proc. MIOLOGIA DO ESQUELETO APENDICULAR MIOLOGIA DO MEMBRO INFERIOR Podemos didaticamente dividir a musculatura dos membros superiores em grupos principais: Iliopsoas MÚSCULOS QUE ACIONAM A COXA Psoas maior

Leia mais

Lombalgia Posição do problema Fernando Gonçalves Amaral

Lombalgia Posição do problema Fernando Gonçalves Amaral Lombalgia Posição do problema Fernando Gonçalves Amaral Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção - UFRGS Riscos associados à manutenção manual Músculo-esqueléticos Lombares Membro superior Riscos

Leia mais

Marcha Normal. José Eduardo Pompeu

Marcha Normal. José Eduardo Pompeu Marcha Normal José Eduardo Pompeu Marcha Humana Deslocamento de um local para outro Percorrer curtas distâncias. Versatilidade funcional dos MMII para se acomodar a: degraus, mudanças de superfícies e

Leia mais

CIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? OS EXERCÍCIOS POSTURA? Alterações da Estrutura Corporal. Os Exercícios Realmente Mudam a Postura?

CIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? OS EXERCÍCIOS POSTURA? Alterações da Estrutura Corporal. Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? Alterações da Estrutura Corporal Exercícios e Postura OS EXERCÍCIOS CIOS REALMENTE MODIFICAM A POSTURA? Ft. Msd. Milena Dutra - milenadutra@bol.com.br Os Exercícios Realmente Mudam a Postura? OS EXERCÍCIOS

Leia mais

Termo ergonomia. Ergonomia 25/04/2012. Palavra de origem grega. Ergo Trabalho. Nomos - Regra INTERFACE HOMEM AMBIENTE ERGONOMIA

Termo ergonomia. Ergonomia 25/04/2012. Palavra de origem grega. Ergo Trabalho. Nomos - Regra INTERFACE HOMEM AMBIENTE ERGONOMIA Termo ergonomia Ergonomia Palavra de origem grega Ergo Trabalho LILIANE GRAÇA SANTANA CEREST-ES Nomos - Regra INTERFACE HOMEM AMBIENTE ERGONOMIA É o estudo da adaptação do trabalho às características fisiológicas

Leia mais

A importância da postura

A importância da postura Postura A importância da postura Uma das recomendações mais ouvidas na infância é olha a postura!. A advertência serve para homens e mulheres e é muito mais séria do que apenas um cuidado com a boa aparência.

Leia mais

Músculos do Cíngulo Escapular e Braço

Músculos do Cíngulo Escapular e Braço Músculos do Cíngulo Escapular e Braço 1 Músculos do Tronco ou Crânio ao Cíngulo Escapular (8) Serrátil Anterior Trapézio Rombóides Maior e Menor Peitoral Menor Levantador da Escápula Subclávio Esternocleidomastóideo

Leia mais

Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS

Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS Educação Física 1ºs anos CAPACIDADES FÍSICAS Capacidades Físicas são definidas como todo atributo físico treinável num organismo humano. Em outras palavras, são todas as qualidades físicas motoras passíveis

Leia mais

EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS

EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS Prof. Drt. Mauro Guiselini Prof. Ft. Rafael Guiselini EME EXERCÍCIOS MULTIFUNCIONAIS EDUCATIVOS Exercícios Mul%Funcionais Educa%vos Básico Auxilio Reação NeuroMuscular EME - CONCEITO São Exercícios Mul0Funcionais

Leia mais

NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU

NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU NOÇÕES DO SISTEMA ESQUELÉTICO OU SISTEMA LOCOMOTOR OBJETIVOS Identificar as estruturas e funções dos ossos do sistema locomotor; Analisar a importância deste sistema para processo de movimentação e locomoção;

Leia mais

Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores

Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores Miologia e anatomia funcional do abdômen, quadril e membros inferiores Profª Esp.Flávia Medeiros M. Oblíquo Externo Origem: Margem inferior e face anterior da 5ª à 12ª costela Inserção: lábio externo da

Leia mais

Estudos Avançados da Ginástica Artística

Estudos Avançados da Ginástica Artística Estudos Avançados da Ginástica Artística 1 Estudos das Ações Motoras - Abertura - Fechamento - Antepulsão - Retropulsão - Repulsão 2 Análise do Movimento Ginástico - Identificação dos músculos e articulações

Leia mais

3/26/2009. ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII)

3/26/2009. ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII) ALTERAÇÕES DA ESTRUTURA CORPORAL -parte I (MMII) 1 SÓLEO GASTROCNÊMIO FIBULAR TIBIAL POSTERIOR FLEXORES CURTO DOS DEDOS L C (Marques, 2005) 2 CONSIDERAÇÕES SOBRE O PÉ BIPEDESTAÇÃO /MARCHA MECANISMO ANTIGRAVITACIONAL

Leia mais

Estão dispostos em 6 grupos:

Estão dispostos em 6 grupos: MÚSCULOS DO TRONCO Estão dispostos em 6 grupos: Músculos do dorso Abdome Músculos suboccipitais Pelve Tórax Períneo MÚSCULOS DO DORSO Há dois grupos principais: Músculos Extrínsecos do Dorso Superficiais

Leia mais

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP

Músculos do Quadril e Coxa. Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Músculos do Quadril e Coxa Profa. Dra. Cecília H A Gouveia Departamento de Anatomia, ICB, USP Movimentos da Articulação do Quadril (ou Coxa) -Flexão e Extensão -Adução e Abdução -Rotação Medial e Rotação

Leia mais

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular

Adutores da Coxa. Provas de função muscular MMII. Adutor Longo. Adutor Curto. Graduação de força muscular Provas de função muscular MMII Graduação de força muscular Grau 0:Consiste me palpar o músculo avaliado e encontrar como resposta ausência de contração muscular. Grau 1:Ao palpar o músculo a ser avaliado

Leia mais

escápula e clavícula. Peitoral maior Clavícula, úmero, Adução do úmero

escápula e clavícula. Peitoral maior Clavícula, úmero, Adução do úmero Músculo Ligações Movimentos Esternocleidomastóideo Esterno, clavícula, Flexão, flexão lateral e rotação da processo mastóide cabeça Trapézio Osso occipital, apófises Extensão e flexão lateral da espinhosas

Leia mais

SISTEMA ESQUELÉTICO. Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva

SISTEMA ESQUELÉTICO. Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva SISTEMA ESQUELÉTICO Curso Técnico em Estética Bruna Cristina Jaboinski Silva O ESQUELETO HUMANO Além de dar sustentação ao corpo, o esqueleto protege os órgãos internos e fornece pontos de apoio para a

Leia mais

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012

ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS. André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 AVALIAÇÃO POSTURAL ABORDAGEM DAS DISFUNÇÕES POSTURAIS André Barezani Fisioterapeuta esportivo/ Ortopédico e Acupunturista Belo Horizonte 15 julho 2012 POSTURA CONCEITOS: Postura é uma composição de todas

Leia mais

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata

CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata CINESIOLOGIA APLICADA À MUSCULAÇÃO: Músculos do Ombro e Omoplata ANATOMIA MUSCULAR Músculos que movimentam o Ombro Anteriomente: Posteriomente: Deltóide (porção anterior) Grande Dorsal Peitoral Maior

Leia mais

TIPOS DE LESÕES. Adaptado de CHAFFIN e ANDERSON (1991) TIPO DE TRAUMA

TIPOS DE LESÕES. Adaptado de CHAFFIN e ANDERSON (1991) TIPO DE TRAUMA LESÕES NO TRABALHO TIPOS DE LESÕES TIPO DE TRAUMA CAUSA EFEITO Trauma por impacto Uma força repentina de grande intensidade Contusões, lacerações, fraturas, amputações, subluxações articulares, concussões,

Leia mais

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular

BE066 Fisiologia do Exercício. Prof. Sergio Gregorio da Silva. É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular BE066 Fisiologia do Exercício Flexibilidade Prof. Sergio Gregorio da Silva Flexibilidade É a habilidade de uma articulação se mover através de sua amplitude articular É altamente adaptável e é! aumentada

Leia mais

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DA COLUNA VERTEBRAL

ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DA COLUNA VERTEBRAL ABORDAGEM MORFOFUNCIONAL DA COLUNA VERTEBRAL Djanira Aparecida da Luz Veronez 1 INTRODUÇÃO A coluna vertebral é uma haste óssea longitudinal, mediana, formada a partir da sobreposição das vértebras, estruturas

Leia mais

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes

Cinesiologia aplicada a EF e Esporte. Prof. Dr. Matheus Gomes Cinesiologia aplicada a EF e Esporte Prof. Dr. Matheus Gomes 1 Cinesiologia PARTE I Descrição dos movimentos e ações musculares 2 Planos e Eixos Plano Frontal ou Coronal (eixo sagital ou ânteroposterior)

Leia mais

Bem estar e produtividade no trabalho

Bem estar e produtividade no trabalho Bem estar e produtividade no trabalho Camila Greco Müller dos Santos Fisioterapeuta Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro Especialista em osteopatia, terapia manual e biomecânica clínica O bem-estar

Leia mais

Denominação dos músculos

Denominação dos músculos Características do tecido muscular e a sua importância para o movimento humano Cinesiologia e Biomecânica Prof. Mdo. Sandro de Souza Denominação dos músculos O músculo pode ser classificado atendendo a

Leia mais

Avaliação Integrada. Prof. Silvio Pecoraro

Avaliação Integrada. Prof. Silvio Pecoraro Avaliação Integrada slpecoraro@yahoo.com.br Prof. Silvio Pecoraro Corrente cinética: sistema muscular + sistema articular + sistema neural. Anatomia Funcional Biomecânica Funcional Educação Motora Definições

Leia mais

COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP)

COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO. Coluna Cervical (AP) Coluna Cervical (AP) COLUNA CERVICAL - POCISIONAMENTO RADIOLÓGICO Solicitar ao paciente que retire brincos, colar, presilhas do cabelo, aparelho móvel da boca e qualquer objeto radiopaco que venha comprometer

Leia mais

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro

INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA. Instituto Long Tao. Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA Instituto Long Tao Prof. Regiane Monteiro INTRODUÇÃO Á ANATOMIA HUMANA História da Anatomia Terminologia Anatômica Osteologia HISTÓRIA DA ANATOMIA HUMANA HISTÓRIA DA ANATOMIA

Leia mais

Exame Físico Ortopédico

Exame Físico Ortopédico TAKE HOME MESSAGES! Exame Físico Ortopédico ANAMNESE REALIZAR UMA HISTÓRIA CLÍNICA DETALHADA, LEMBRANDO QUE DETALHES DA IDENTIFICAÇÃO COMO SEXO, IDADE E PROFISSÃO SÃO FUNDAMENTAIS, POIS MUITAS DOENÇAS

Leia mais

3.2 A coluna vertebral

3.2 A coluna vertebral 73 3.2 A coluna vertebral De acordo com COUTO (1995), o corpo é dividido em cabeça, tronco e membros; unindo porção superior e a porção inferior do corpo temos o tronco, e no tronco, a única estrutura

Leia mais