SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE. Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE. Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids"

Transcrição

1 SIMPÓSIO SATÉLITE O ACESSO AOS ARV E A COOPERAÇÃO SUL-SUL: DA UTOPIA À REALIDADE Rosa Alencar Coordenação Estadual DST/AIDS- SP CRT-DST/Aids Maio 2009, Rio de Janeiro

2 Início da Distribuição de Antirretrovirais 1991: AZT 1993: ddi 1996: ddc, 3TC, IP (RTV, SQV, IDV) : d4t, NFV, NVP, EFV 2001: APV, ABC 2002: LPV/r : TDF, ATV, T : ddi EC, FPV, DRV, Raltegravir

3 NÚMERO DE PACIENTES EM TRATAMENTO COM ANTI- RETROVIRAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO - S.P. ANO - (JANEIRO 1997 ATÉ ABRIL 2009) Fonte: Núcleo de Controle de Distribuição de Medicamentos Programa Estadual DST/AIDS - S.P.

4 F l u x o d e M e d i c a m e n t o s p a r a A I D S COORDENAÇÃO NACIONAL DST/AIDS MINISTÉRIO DA SAÚDE PROGRAMA ESTADUAL DST/AIDS S.E.S. SÃO PAULO COORDENAÇÃO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA COORDENADORIA DE CIÊNCIA, TECNOLOG. E INSUMOS ESTRATÉGICOS DE SAÚDE SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS COORD. S. GERAIS ALMOXARIFADO DA S.E.S. ( FURP) POLOS DISTRIBUIÇÃO?DRS?Hospitais?Sistema Penitenciário MEDICAMENTOS INFORMAÇÕES UNIDADES (pacientes)

5 DISTRIBUIÇÃO DE UNIDADES DISPENSADORAS DE ARVs BARRETOS FRANCA PRESIDENTE PRUDENTE 2 ARAÇATUBA 5 MARÍLIA S.J.RIO PRETO POLOS 167 UNIDADES 25 ALMOXARIFADOS 346 MATERNIDADES ASSIS 4 BAURU ARARAQUARA BOTUCATU 3 4 SOROCABA 7 RIB. PRETO REGISTRO 2 10 S.J.BOA VISTA PIRACICABA TAUBATÉ 8 6 CAMPINAS S.J.CAMPOS 19 CENTRO STO ANDRÉ SANTOS OSASCO

6 Total: 197 SAE 2008

7 Outras Estratégias: Rede de Imunofenotipagem - CD4 e CD8 Conta com 24 unidades laboratoriais, oferece exames/mês Rede de laboratório de carga viral para hiv Oferta testes em 19 unidades executoras. Rede de genotipagem para hiv Constituído por seis laboratórios:. Oferta 360 exames/ mês. Capacitação dos profissionais da equipe, médicos e gerentes /Supervisão dos serviços especializados Recomendações do Consenso de ARV Promoção da adesão Qualidade da assistência

8 Outras Estratégias: Comissão Técnica para avaliação de novas Drogas: Início:15/02/2008 Equipe de especialistas: CRT-DST/AIDS,Sociedade Brasileira de Infectologia, IIER, Casa da AIDS, UNICAMP, Programas Municipais (SP, Jundiaí, Campinas e Baixada Santista), UNIFESP, HC de R. Preto Ampliar o acesso a novos ARV ainda não incluídos no Consenso Orientar segundo diretrizes do Consenso: sugestão dos melhores esquemas, dose adequada, exames laboratoriais 600 solicitações avaliadas: 514 aprovados (85,6%)

9 Taxa de mortalidade por aids por hab. segundo sexo e ano do óbito, Estado de SP, 1988 a 2007* Homem Mulher Total Taxa de mortalidade ,9 5 8, Fonte : Fundação SEADE Ano

10 Casos de aids por transmissão vertical, segundo ano diagnóstico, São Paulo 1994 a 2006 (06/07) ZDV-EV 418 Obrigatoriedade da oferta do teste Inibidor de Protease 297 Teste Rápido Maternidades : Queda de 71% na notificação de casos por TV Fórmula Láctea/Supressão Aleitamento Materno PNDST/AIDS; ZDV-EV = zidovudina endovenosa

11 REDUÇÃO DO N DE INTERNAÇÕES NO ESTADO DE SP ano internações o Queda de 32% no n.o de internações de 1996 a o Queda de 33,3% na taxa de óbitos em pacientes internados de 1996 a Fonte: Relatório preliminar-análise das internações hospitalares de pessoas vivendo com HIV/Aids no Sistema Único de Saúde Grupo Análise das AIH PN-DST e Aids- Jan/2008

12 Limitações para o Acesso aos ARV Diagnóstico Tardio: São Paulo: somente 57,6% iniciam tratamento com CD4>200 ou assintomáticos (UNGASS, 2007) Ações: ampliação da rede de CTA, campanha anual de testagem e implantação de teste rápido diagnóstico Falha na logística da distribuição: Medicamentos não disponíveis nos serviços (Qualiaids, 2007) Ações: supervisões e capacitações Baixa especificidade das atividades para promoção da Adesão e Toxicidade: Em 121 serviços analisados: 97% realizam atividade individual (médico e enfermeiro), apenas 60% por outros profissionais da equipe (psicólogo e a. social), 47.5% por farmacêuticos.* Ações: supervisões e capacitações *FONTE:: AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS PARA MELHORIA DA ADESÃO DO PACIENTE AO TRATAMENTO ANTI- ARETROVIRAL DA AIDS - FAPESP Processo Nº 2006/ (Chamada PP-SUS 2006/2007)

13 Cooperação Sul Sul Projeto de Cooperação Internacional Brasil / Paraguai Paraguai: Dados clínico-epidemiológicos 1985: 1º caso notificado Atualmente: 6800 casos notificados de AIDS Estimativa: casos Em TARV: 2000 PVHA 80% acesso universal Atividades do Projeto: Disponibilização de ARV fabricados no Brasil Suporte técnico na estruturação do Programa Contrapartida: Aquisições de medicamentos para tratar I.O. e outros ARV Recursos Humanos / Rede laboratorial instalada (CD4, CV)

14 Cooperação Sul Sul Projeto de Cooperação Internacional Brasil / Paraguai Ações: Capacitações da equipe multiprofissional nos temas: Aconselhamento e testagem (25 profissionais) Assistência Integral das PVHA (60 profissionais) Transmissão Vertical (40 profissionais) Logística de Medicamentos PN Estágio prático-teórico no CRT-DST/AIDS C.E/SP (6 médicos, 4 pessoas da sociedade civil, 1 psicólogo)

15 Cooperação Sul Sul Projeto de Cooperação Internacional Brasil / Paraguai - ARV disponibilizados: AZT + 3TC, AZT (caps, sol. oral e injetável), 3TC (cp, sol. oral) d4t (caps., sol. oral) ddi 100, ddii 25, ddii 400, NVP (cp, sol. oral), IDV, RTV, Nº de PVHA que iniciaram TARV pelo projeto C Serie1 Nº de tratamentos enviado pelo PN nº tratam.

Prevenção, Diagnóstico e Tratamento para Todos

Prevenção, Diagnóstico e Tratamento para Todos Prevenção, Diagnóstico e Tratamento para Todos Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais FAÇA O TESTE DE AIDS, SÍFILIS E HEPATITE Linha do tempo

Leia mais

Constance Meiners. Análise preliminar das transações do PN DST/AIDS, MS (1998 2006) Programa ETAPSUD ANRS

Constance Meiners. Análise preliminar das transações do PN DST/AIDS, MS (1998 2006) Programa ETAPSUD ANRS Análise preliminar das transações do PN DST/AIDS, MS (1998 2006) Programa ETAPSUD ANRS Constance Meiners UMR 912 (Inserm/IRD/UAM) & IE/UFRJ Ano da França no Brasil (ANRS PN DST/AIDS) 12 Maio 2009 ETAPSUD

Leia mais

Logística e políticas de Saúde envolvidas no uso dos testes rápidos no Mato Grosso do Sul Danielle G. Martins Tebet

Logística e políticas de Saúde envolvidas no uso dos testes rápidos no Mato Grosso do Sul Danielle G. Martins Tebet Logística e políticas de Saúde envolvidas no uso dos testes rápidos no Mato Grosso do Sul Danielle G. Martins Tebet Gerente Técnica do Programa Estadual de DST/AIDS e Hepatites Virais de Mato Grosso do

Leia mais

Olavo Henrique Munhoz Leite. Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da USP Brasília, julho de 2004

Olavo Henrique Munhoz Leite. Hospital das Clínicas Faculdade de Medicina da USP Brasília, julho de 2004 Recomendações para a Terapia Anti- Retroviral em Adultos e Adolescentes Infectados pelo HIV II Diretrizes Brasileiras para Tuberculose 2004 I Encontro Nacional de TUBERCULOSE Olavo Henrique Munhoz Leite

Leia mais

Objetivo Principal Fique Sabendo Jovem!

Objetivo Principal Fique Sabendo Jovem! O Projeto Fique Sabendo Jovem surge através de uma parceria entre a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e UNICEF através do número crescente de casos HIV/AIDS em adolescentes e jovens adultos ( 15 a 24

Leia mais

PAM REVISADO/FECHADO PELO ESTADO

PAM REVISADO/FECHADO PELO ESTADO Atual condição de Gestão do SUS: Gestão Plena de Sistema IDENTIFICAÇÃO DO GESTOR PÚBLICO DO SUS Situação do estado quanto a elaboração de Plano Diretor de Regionalização conforme a NOAS 2002: micro regional

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE CONDUTAS PARA EXPOSIÇÃO SEXUAL

ORIENTAÇÕES DE CONDUTAS PARA EXPOSIÇÃO SEXUAL ORIENTAÇÕES DE CONDUTAS PARA EXPOSIÇÃO SEXUAL Setembro 2010 Prefeito Gilberto Kassab Secretário Municipal da Saúde Januario Montone Coordenadora do Programa Municipal de DST/Aids de São Paulo Maria Cristina

Leia mais

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Saúde Mental no Brasil

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Saúde Mental no Brasil Seminário PRISSMA-PESSOAS Rio de Janeiro, RJ 13 e 14 de março de 2008 Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/AIDS na Mental no Brasil Cristina de A. Possas Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids História da vigilância do HIV e Aids Pré 2004 Múltiplas definições de caso de AIDS (1984-98). A notificação de HIV não era uma recomendação

Leia mais

Seminário Nacional 20 anos do Tratamento Antirretroviral no Brasil Avanços e Desafios. O papel dos ARVs na Prevenção. PEP : Profilaxia pós Exposição

Seminário Nacional 20 anos do Tratamento Antirretroviral no Brasil Avanços e Desafios. O papel dos ARVs na Prevenção. PEP : Profilaxia pós Exposição Seminário Nacional 20 anos do Tratamento Antirretroviral no Brasil Avanços e Desafios O papel dos ARVs na Prevenção PEP : Profilaxia pós Exposição Cláudia Afonso Binelli cbinelli@crt.saude.sp.gov.br 13

Leia mais

Estatística de Candidatos Inscritos

Estatística de Candidatos Inscritos Cidade de Aplicação: ARACATUBA 012 Escrevente Técnico Judiciário - 2.ª Região - Andradina 667 935 1602 013 Escrevente Técnico Judiciário - 2.ª Região - Araçatuba 1750 2338 4088 014 Escrevente Técnico Judiciário

Leia mais

Estatística de Candidatos Inscritos

Estatística de Candidatos Inscritos Cidade de Aplicação: ARACATUBA 012 Escrevente Técnico Judiciário - 2.ª Região - Andradina 667 935 1602 013 Escrevente Técnico Judiciário - 2.ª Região - Araçatuba 1750 2338 4088 014 Escrevente Técnico Judiciário

Leia mais

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida

Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Programa Nacional de Doenças Sexualmente Transmissíveis/Síndrome da imunodeficiência adquirida Autora: Jacilene Geaquinto Leão Adriano Revisão da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais

Leia mais

LEGENDA LOCAL DE ACESSO

LEGENDA LOCAL DE ACESSO MEDICAMENTOS DO COMPONENTE ESTRATÉGICO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Componente destinado a atender os agravos e programas específicos da atenção básica à saúde LEGENDA LOCAL DE ACESSO UAF Unidade de Assistência

Leia mais

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV

TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV TRANSMISSÃO VERTICAL DO HIV VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROGRAMA ESTADUAL DE DST/AIDS DE SÃO PAULO MAIO 2014 SITUAÇÃO E METAS GLOBAIS - UNAIDS ELIMINAR INFECÇÕES PELO HIV EM CRIANÇAS E REDUZIR MORTE MATERNA

Leia mais

Políticas de Prevenção, Assistência e Tratamento das Hepatites Virais

Políticas de Prevenção, Assistência e Tratamento das Hepatites Virais Políticas de Prevenção, Assistência e Tratamento das Hepatites Virais Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Brasília, 07 de Agosto de 202 Dados Epidemiológicos

Leia mais

O SUS NA REGIÃOMETROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

O SUS NA REGIÃOMETROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA O SUS NA REGIÃOMETROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Salesópolis Santo André Mogi das Cruzes Biritiba Mirim BERTIOGA São Sebastião São Bernardo do Campo CUBATÃO SANTOS Jequitiba São Paulo SÃO VICENTE PRAIA

Leia mais

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da

Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Detecção Precoce do HIV/Aids nos Programas da Atenção BásicaB Características Atuais do Diagnóstico do HIV/AIDS Predomina o diagnóstico tardio da infecção pelo HIV e Aids (43,6% dos diagnósticos) ( sticos

Leia mais

Caso Clínico 1. HD: Síndrome Retroviral Recente

Caso Clínico 1. HD: Síndrome Retroviral Recente Caso Clínico 1 Mulher, 36 anos. Final Nov 2015- febre, adenomegalia cervical, cefaleia, náuseas. Relação sexual desprotegida nos últimos 30 dias. Anti HIV+ CD4+ 1.830 cel/mm³ (47%); CD8+ 904 cel/mm³ (23.2%);

Leia mais

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo

COGESPA 2016 PREVENÇÃO. Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo COGESPA 2016 PREVENÇÃO Eixo II - Enfrentamento da Epidemia das DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo DST/Aids entre mulheres no Estado de São Paulo Diminuir a incidência de HIV/Aids entre as mulheres

Leia mais

Horário de atendimento Segunda a Sexta-feira das 7h às 19h.

Horário de atendimento Segunda a Sexta-feira das 7h às 19h. CENTRO DE REFERÊNCIA DE DST/AIDS PENHA Endereço: Praça Nossa Senhora da Penha, 55 (subsolo) Penha CEP 03632-060 Telefones: 2092-4020 / 2295-0391 Supervisão Técnica de Saúde Penha Coordenadoria Regional

Leia mais

WANISE BARROSO. Brasília, 31 de julho de 2008. CASO TENOFOVIR

WANISE BARROSO. Brasília, 31 de julho de 2008. CASO TENOFOVIR WANISE BARROSO Brasília, 31 de julho de 2008. CASO TENOFOVIR PROPRIEDADE INDUSTRIAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INTELIGÊNCIA COMPETITIVA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PROPRIEDADE INDUSTRIAL O QUÊ PATENTEAR? EM QUE PAÍS

Leia mais

REDE CEGONHA NO ESTADO DE SÃO PAULO

REDE CEGONHA NO ESTADO DE SÃO PAULO Coordenadoria de Planejamento de Saúde REDE CEGONHA NO ESTADO DE SÃO PAULO Área Técnica da Saúde da Mulher SES/SP Karina Calife kcalife@saude.sp.gov.br Antonio Carlos Vazquez Vazquez acvazquez@saude.sp.gov.br

Leia mais

JADIR RODRIGUES FAGUNDES NETO Gerência DST-AIDS e Hepatites virais

JADIR RODRIGUES FAGUNDES NETO Gerência DST-AIDS e Hepatites virais JADIR RODRIGUES FAGUNDES NETO Gerência DST-AIDS e Hepatites virais Conflitos de Interesse Não tenho Meta 90/90/90 em 2020 Diagnóstico Tratamento (Adesão + Retenção+ Vinculação) Supressão viral 90% 90%

Leia mais

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita

Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e. O Descompasso no Controle da. Sífilis Congênita Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis: Os Avanços no Controle do HIV e O Descompasso no Controle da Sífilis Congênita Porquê é um Desafio para a Saúde Pública? Agente etiológico conhecido História natural

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO TESTE RÁPIDO PARA HIV COMO ESTRATÉGIA PARA VIABILIZAÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO PRECOCE EM SALA DE PARTO

IMPLANTAÇÃO DO TESTE RÁPIDO PARA HIV COMO ESTRATÉGIA PARA VIABILIZAÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO PRECOCE EM SALA DE PARTO IMPLANTAÇÃO DO TESTE RÁPIDO PARA HIV COMO ESTRATÉGIA PARA VIABILIZAÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO PRECOCE EM SALA DE PARTO Materno Infantil/Obstétrico Hospitalar PDCA Fase 01 Planejar Identificação do problema

Leia mais

Dra. Sandra Fagundes Moreira da Silva Coordenadora Estadual de DST, Aids e Hepatites Virais- SESA/ES

Dra. Sandra Fagundes Moreira da Silva Coordenadora Estadual de DST, Aids e Hepatites Virais- SESA/ES BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DST/AIDS/HV - Nº 30 Dados até Dezembro de 2014 - ANÁLISE DOS DADOS DO HIV/AIDS, SÍFILIS E DE HEPATITES VIRAIS NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Dra. Sandra Fagundes Moreira da Silva Coordenadora

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS BAHIA OBJETIVO GERAL Promover ações integradas para o enfrentamento da epidemia de HIV/AIDS e outras DST

Leia mais

Nível de Emprego Regional - CIESP

Nível de Emprego Regional - CIESP Diretorias Regionais do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Indústria de Transformação Setembro de 2005 Nota metodológica: Pesquisa mensal, realizada pelo CIESP/Sede entre suas Diretorias

Leia mais

A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE. Salvador 2017

A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE. Salvador 2017 A ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE Salvador 2017 Assistência Farmacêutica no SUS Lei nº. 8080/ 1990: Art. 6, 1, Al. d Reconhece a assistência terapêutica integral, inclusive farmacêutica,

Leia mais

24º Congresso FEHOSP 12 à 15 de Maio/2015 Royal Palm Plaza Campinas/SP. Circular 073/2015 São Paulo, 24 de Fevereiro de 2015.

24º Congresso FEHOSP 12 à 15 de Maio/2015 Royal Palm Plaza Campinas/SP. Circular 073/2015 São Paulo, 24 de Fevereiro de 2015. 24º Congresso FEHOSP 12 à 15 de Maio/2015 Royal Palm Plaza Campinas/SP Circular 073/2015 São Paulo, 24 de Fevereiro de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) INSTITUIÇÃO DA REDE DE CUIDADOS EM DST/HIV/AIDS

Leia mais

Boletim epidemiológico HIV/AIDS - 2015 30/11/2015

Boletim epidemiológico HIV/AIDS - 2015 30/11/2015 HIV/AIDS - 215 3/11/215 Página 1 de 6 1. Descrição da doença A AIDS é uma doença causada pelo vírus do HIV, que é um retrovírus adquirido principalmente por via sexual (sexo desprotegido) e sanguínea,

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1

A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 A INCIDÊNCIA DE CASOS NOVOS DE AIDS EM CRIANÇA NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA/RS/BRASIL 1 Brum. C. N. ; Zuge. S. S. ; Ribeiro, A. C. ; Tronco, C. S. ; Tolentino, L. C. ; Santos, É. É. P. ;Padoin, S. M. M.

Leia mais

A Atenção Básica em doenças hepáticas na Secretaria Estadual de Saúde (SES) de Pernambuco

A Atenção Básica em doenças hepáticas na Secretaria Estadual de Saúde (SES) de Pernambuco SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA GERAL DE CONTROLE DE DOENÇAS E AGRAVOS PROGRAMA ESTADUAL DE IST/AIDS/HV A Atenção Básica em doenças hepáticas na Secretaria

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA.

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO:

Leia mais

3ª CAPACITAÇÃO E ATUALIZAÇÃO EM TESTE RÁPIDO PARA DIAGNÓSTICO DO HIV, HEPATITES VIRAIS E SÍFILIS.

3ª CAPACITAÇÃO E ATUALIZAÇÃO EM TESTE RÁPIDO PARA DIAGNÓSTICO DO HIV, HEPATITES VIRAIS E SÍFILIS. 1º ENCONTRO ESTADUAL E REGIONAL DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE ENVOLVIDOS NA ASSISTÊNCIA E TRATAMENTO DAS PESSOAS VIVENDO COM HIV/AIDS, HEPATITES E SIFILIS. E 3ª CAPACITAÇÃO E ATUALIZAÇÃO EM TESTE RÁPIDO PARA

Leia mais

Agenda. 1) Projeto Viver com Qualidade: Aderência ao Tratamento. Tema 1: Fisioterapia na Fibrose Cística Palestrante: Dra Danielle Bernini Peres

Agenda. 1) Projeto Viver com Qualidade: Aderência ao Tratamento. Tema 1: Fisioterapia na Fibrose Cística Palestrante: Dra Danielle Bernini Peres 27 de Agosto de 2016 Agenda _ 1) Projeto Viver com Qualidade: Aderência ao Tratamento Tema 1: Fisioterapia na Fibrose Cística Palestrante: Dra Danielle Bernini Peres Tema 2: EXPECTOR Palestrante: Equipe

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Referência e Treinamento DST/Aids

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Referência e Treinamento DST/Aids SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Referência e Treinamento DST/Aids CONVITE ATUALIZAÇÃO - CROI 2017 A Coordenação Estadual DST/Aids-SP realizará no próximo dia

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011

Briefing. Boletim Epidemiológico 2011 Briefing Boletim Epidemiológico 2011 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo

GBECAM. O Câncer de Mama no Estado de São Paulo GBECAM O Câncer de Mama no Estado de São Paulo Dra. Maria Del Pilar Estevez Diz Coordenadora Médica -Oncologia Clínica Diretora Médica Instituto do Câncer do Estado de São Paulo -ICESP Epidemiologia Incidência

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e AIDS

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e AIDS Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e AIDS 2001. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. Série Manuais

Leia mais

Tratamento Antirretroviral na Falha

Tratamento Antirretroviral na Falha AIDS NO NORTE-NORDESTE DO BRASIL Tratamento Antirretroviral na Falha Mônica Jacques de Moraes Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP V Congresso Norte-Nordeste de Infectologia Fortaleza, 4 a 6 de dezembro

Leia mais

Política Estadual de Saúde da Pessoa Idosa do SUS/SP 2012

Política Estadual de Saúde da Pessoa Idosa do SUS/SP 2012 Política Estadual de Saúde da Pessoa Idosa do SUS/SP 2012 Base Legal Assembleia Mundial das Nações Unidas sobre Envelhecimento - 2002, Madri, Espanha Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa do SUS (Portaria

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da

REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE DIADEMA 20 Unidades Básicas de Saúde UBS: com 70 equipes de Saúde da Família com médico generalista; 20 equipes de Saúde da VI Seminário Internacional da Atenção Básica A construção de modelagens de AB em grandes centros urbanos Aparecida Linhares Pimenta SMS de Diadema Vice presidente do CONASEMS REDE DE ATENÇÃO A SAÚDE DE

Leia mais

Alocação de recursos e equidade em assistência farmacêutica

Alocação de recursos e equidade em assistência farmacêutica Alocação de recursos e equidade em assistência farmacêutica Augusto Guerra Superintendência de Assistência Farmacêutica SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS Constituição Federal Direito a saúde

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Secretaria de Vigilância em

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO À FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DA AIDS E OUTRAS DST DO ESTADO DO PARÁ

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO À FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DA AIDS E OUTRAS DST DO ESTADO DO PARÁ PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO À FEMINIZAÇÃO DA EPIDEMIA DA AIDS E OUTRAS DST DO ESTADO DO PARÁ 2010. Governo do Estado do Pará. Secretaria de Estado de Saúde Pública É permitida a reprodução parcial

Leia mais

Cuidados Pós-Exposição Profissional a Materiais Biológicos

Cuidados Pós-Exposição Profissional a Materiais Biológicos Cuidados Pós-Exposição Profissional a Materiais Biológicos ACADÊMICOS: Humberto Sauro V. Machado Pedro Dutra Barros Profa. Carmen Saramago PROFISSIONAIS DE SAÚDE E TIPOS DE EXPOSIÇÕES Exposições percutâneas

Leia mais

Programa Nacional de Controle da Tuberculose

Programa Nacional de Controle da Tuberculose Programa Nacional de Controle da Tuberculose FERNANDA DOCKHORN COSTA CGPNCT / DEVIT Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde tuberculose@saude.gov.br Julho/ 2016 Tuberculose no Brasil - 2015

Leia mais

HIV/Aids nos jovens de 15 a 24 anos HIV/Aids in youngsters aged 15 to 24 eyars

HIV/Aids nos jovens de 15 a 24 anos HIV/Aids in youngsters aged 15 to 24 eyars Informe epidemiológico HIV/Aids nos jovens de 15 a 24 anos HIV/Aids in youngsters aged 15 to 24 eyars Gerência de Vigilância Epidemiológica. Centro de Referencia e Treinamento DST/AIDS. Coordenação Estadual

Leia mais

Acidentes Ocupacionais com Material Biológico

Acidentes Ocupacionais com Material Biológico Acidentes Ocupacionais com Material Biológico Orientações para o atendimento no PS - 2016 Atualizado por CCIH/HU-USP Risco de transmissão Quadro 1 Agente Material Exposição Risco estimado HIV sangue percutânea

Leia mais

Estratégias intersetoriais de prevenção e controle da. obesidade e promoção de saúde desenvolvidas pela. Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo

Estratégias intersetoriais de prevenção e controle da. obesidade e promoção de saúde desenvolvidas pela. Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Controle de Doenças Centro de Vigilância Epidemiológica Prof.Alexandre Vranjac Divisão de Doenças Crônicas Não Transmissíveis Estratégias intersetoriais de

Leia mais

Programa de Hepatites Virais do Ministério da Saúde

Programa de Hepatites Virais do Ministério da Saúde Programa de Hepatites Virais do Ministério da Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids

Leia mais

REPUBLICA DE MO~AMBIQUE MINISTERIO DA SAUDE

REPUBLICA DE MO~AMBIQUE MINISTERIO DA SAUDE REPUBLICA DE MO~AMBIQUE DIREq:Ao NACIONAL DE ASSISTENCIA MEDICA De Nota n ~ /~DNAM/2013 Data: C) de eu -de 2013 Assunto: Introducao de Novas Normas para o seguimento do paciente HIV positivo De acordo

Leia mais

Contexto dos Pequenos Negócios Empresariais no Brasil

Contexto dos Pequenos Negócios Empresariais no Brasil Contexto dos Pequenos Negócios Empresariais no Brasil 2010 2011 2012 2013 2014 4,6milhões 5,6 milhões 6,8 milhões 7,9 milhões 9,5 milhões Fonte: DataSebrae, a partir de dados da Receita Federal do Brasil.

Leia mais

Rede Estadual de Assistência à Pessoa com Deficiência. maio 2013

Rede Estadual de Assistência à Pessoa com Deficiência. maio 2013 maio 2013 Tabela 3425 - População residente por tipo de deficiência, segundo a situação do domicílio, o sexo e os grupos de idade - Amostra - Características Gerais da População Tipo de deficiência permanente

Leia mais

Título: A ATUAÇÃO DO CTA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ/SP

Título: A ATUAÇÃO DO CTA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ/SP Título: A ATUAÇÃO DO CTA NO MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ/SP Autores: Milena Luckesi de Souza¹, Grace do Prado Dan¹, Heloísa de Oliveira¹, Maria de Lurdes Munhoz¹ Serviço de Saúde: 1 - CTA - Centro de Testagem

Leia mais

Prevenção da transmissão do HIV. Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids

Prevenção da transmissão do HIV. Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids Prevenção da transmissão do HIV Fórum científico de Infecção pelo HIV/Aids Transmissão sexual Fundamentos A avaliação de risco para Infecção pelo HIV deve ser um componente essencial das ações de atendimento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO A POLÍTICA ESTADUAL DE REGULAÇÃO E A CROSS

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO A POLÍTICA ESTADUAL DE REGULAÇÃO E A CROSS A POLÍTICA ESTADUAL DE REGULAÇÃO E A CROSS 13/08/2013 Portaria GM/MS 399/2006 diretrizes do pacto pela saúde. Portaria GM/MS 1.559/2008 institui a Política Nacional de Regulação do Sistema Único de Saúde.

Leia mais

Recomendações. Transmissão Vertical. para Profilaxia da. do HIV e Terapia. em Gestantes. Série Manuais nº 46

Recomendações. Transmissão Vertical. para Profilaxia da. do HIV e Terapia. em Gestantes. Série Manuais nº 46 Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Anti-Retroviral em Gestantes Série Manuais nº

Leia mais

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DA INFECÇÃO POR HIV/AIDS EM INDIVÍDUOS ACOMPANHADOS NO HOSPITAL DE REFERÊNCIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB

CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DA INFECÇÃO POR HIV/AIDS EM INDIVÍDUOS ACOMPANHADOS NO HOSPITAL DE REFERÊNCIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS DA INFECÇÃO POR HIV/AIDS EM INDIVÍDUOS ACOMPANHADOS NO HOSPITAL DE REFERÊNCIA DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA-PB Catarina Alves de Lima Serafim¹; Leônia Maria Batista²; Luciana Lucena

Leia mais

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde

PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde PEP SEXUAL Recomendações para abordagem da exposição sexual ao HIV Um guia para profissionais de saúde O que é a PEP sexual? O emprego de antirretrovirais vem sendo discutido em todo mundo como estratégia

Leia mais

MSc MARYSABEL PINTO TELIS SILVEIRA Farmacêutica, professora de Farmacologia da UCPEL e Doutoranda do PPGCM-UFRGS

MSc MARYSABEL PINTO TELIS SILVEIRA Farmacêutica, professora de Farmacologia da UCPEL e Doutoranda do PPGCM-UFRGS ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO NA PROMOÇÃO DA ADESÃO AOS ANTI-RETROVIRAIS EM UM SERVIÇO ESPECIALIZADO EM HIV/AIDS DO SUL DO BRASIL E FATORES DE RISCO PARA TROCA DE ESQUEMA ANTI-RETROVIRAL MSc MARYSABEL

Leia mais

os antirretrovirais. O que devemos saber? Thor Dantas Universidade Federal do Acre UFAC Secretaria de Estado de Saúde do Acre - SESACRE

os antirretrovirais. O que devemos saber? Thor Dantas Universidade Federal do Acre UFAC Secretaria de Estado de Saúde do Acre - SESACRE DAA e interações medicamentosas com os antirretrovirais. O que devemos saber? Thor Dantas Universidade Federal do Acre UFAC Secretaria de Estado de Saúde do Acre - SESACRE Conflito de interesses Pesquisa

Leia mais

LOCAIS DE VOTAÇÃO CAPITAL E GRANDE SÃO PAULO. POSTO DE VOTAÇÃO - SEDE DA APESP Rua Líbero Badaró, 377 9º andar conj. 906 Centro Tel.

LOCAIS DE VOTAÇÃO CAPITAL E GRANDE SÃO PAULO. POSTO DE VOTAÇÃO - SEDE DA APESP Rua Líbero Badaró, 377 9º andar conj. 906 Centro Tel. LOCAIS DE VOTAÇÃO CAPITAL E GRANDE SÃO PAULO POSTO DE VOTAÇÃO - SEDE DA APESP Rua Líbero Badaró, 377 9º andar conj. 906 Centro Tel.: (11) 3293-0800 Sede da PR 1 - Procuradoria Regional da Grande São Paulo

Leia mais

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade

Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Vigilância Epidemiológica da aids e mortalidade Seminário: Estudos e Pesquisas em DST/HIV/Aids determinantes epidemiológicos e sóciocomportamentais Porto Alegre 14-16/12/09 Ângela Tayra Divisão de Vigilância

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DA AIDS ENTRE HSH, HOMOSSEXUAIS E TRAVESTIS

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DA AIDS ENTRE HSH, HOMOSSEXUAIS E TRAVESTIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MATO GROSSO DO SUL DIRETORIA DE VIGILANCIA EM SAÚDE COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA TÉCNICA DO PROGRAMA ESTADUAL DE DST / AIDS PLANO DE ENFRENTAMENTO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE ORÇAMENTO ORÇAMENTO O orçamento é uma ferramenta de planejamento (aprovado por lei) contendo a previsão de receitas e estimativa de despesas

Leia mais

Coordenação Estadual de Hepatites Virais Gerência DST/AIDS e Sangue e Hemoderivados SVEA SVS-SES RJ

Coordenação Estadual de Hepatites Virais Gerência DST/AIDS e Sangue e Hemoderivados SVEA SVS-SES RJ Coordenação Estadual de Hepatites Virais Gerência DST/AIDS e Sangue e Hemoderivados SVEA SVS-SES RJ Competência do nível Municipal: Ações executivas baseadas na análise da situação da saúde local. Competência

Leia mais

Fatores determinantes para modificações da terapia antirretroviral inicial

Fatores determinantes para modificações da terapia antirretroviral inicial ARTIGO ORIGINAL Fatores determinantes para modificações da terapia antirretroviral inicial DENISE GIRÃO LIMAVERDE LIMA 1, ÉRICO ANTONIO GOMES DE ARRUDA 2, ANTONIO JORGE ALVES DE LIMA 3, BRUNA ESMERALDO

Leia mais

Documento final do VIII Encontro Regional Sudeste de ONG/AIDS

Documento final do VIII Encontro Regional Sudeste de ONG/AIDS Documento final do VIII Encontro Regional Sudeste de ONG/AIDS Os participantes do VIII Encontro Regional Sudeste de ONG/Aids reunidos entre os dias 10 e 12 de Agosto de 2017, em São Paulo, divulgam o documento

Leia mais

Lista de Verificação de Carga Viral para as Unidades Sanitarias

Lista de Verificação de Carga Viral para as Unidades Sanitarias Lista de Verificação de Carga Viral para as Unidades Sanitarias Unidade Sanitária Data: Nome do participante: 1. 2. Hora que a entrevista começou: Hora que a entrevista terminou: Instruções: o Por favor,

Leia mais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais

HIV-AIDS. Infecções Peri-natais Transmissão Relação sexual Transfusão de sangue Transmissão vertical Acidente de trabalho Retrato da epidemia de aids Nacionalmente estável e concentrada em populações-chave Casos acumulados de aids (até

Leia mais

Consenso 2002/2003: equilíbrio no fio da navalha

Consenso 2002/2003: equilíbrio no fio da navalha -1980- INFECTOLOGIA SOCIEDADE BRASILEIRA DE tratamentohoje Boletim Terapêutico de HIV/Aids, DST e Hepatites Virais Ano I Edição Especial maio 2003 EDIÇÃO ESPECIAL Mudanças principais A orientação para

Leia mais

Reunião Comitê Dengue. Situação Epidemiológica www.cve.saude.sp.gov.br. Situação Entomológica do Aedes aegypti. no Estado de São Paulo

Reunião Comitê Dengue. Situação Epidemiológica www.cve.saude.sp.gov.br. Situação Entomológica do Aedes aegypti. no Estado de São Paulo Reunião Comitê Dengue Situação Epidemiológica www.cve.saude.sp.gov.br Situação Entomológica do Aedes aegypti no Estado de São Paulo NÚMERO DE CASOS AUTÓCTONES DE DENGUE NO ÚLTIMOS ANOS, ESTADO DE SP 2007-2015*

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO DO SUL

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO DO SUL PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO DO SUL Introdução O desafio de um plano de enfrentamento da epidemia da aids em população específica,

Leia mais

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental, no Brasil

Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental, no Brasil Ministério da saúde Secretaria de Atenção à saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Coordenação de Saúde Mental Políticas Públicas de Prevenção e Atenção para DST/HIV/Aids em saúde mental,

Leia mais

O Desafio de Unificar o Atendimento ao Cidadão

O Desafio de Unificar o Atendimento ao Cidadão O Desafio de Unificar o Atendimento Julio Semeghini Subsecretaria de Tecnologia e Secretaria de Governo Governo do Estado de São Paulo 11 de agosto 2015 Governo do Estado de São Paulo - Secretaria de Governo

Leia mais

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora Escola Politécnica O que é o PEIEX? Convênio entre a Apex-Brasil e instituições de consultoria/pesquisa/ensino/tecnologia. Oferecimento de projetos gratuitos de capacitação/consultoria para empresas. O

Leia mais

Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil

Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil 2 15 2. Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial e ao Diabetes Mellitus no Brasil No ano de 2000

Leia mais

B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA. Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo.

B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA. Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo. B. PRIORIDADES E OBJETIVOS DO PACTO PELA VIDA Prioridades e objetivos a serem pactuados, mas que não demandam preenchimento do quadro o abaixo. Prioridades Federais Saúde do Idoso Disponibilizar a Caderneta

Leia mais

O uso dos testes rápidos como ferramenta efetiva para a saúde pública experiência brasileira

O uso dos testes rápidos como ferramenta efetiva para a saúde pública experiência brasileira O uso dos testes rápidos como ferramenta efetiva para a saúde pública experiência brasileira Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das DST,

Leia mais

A saúde do tamanho do Brasil

A saúde do tamanho do Brasil A saúde do tamanho do Brasil BREVE HISTÓRIA DE UMA LONGA CAMINHADA A saúde é um direito de todos e um dever do estado. Essa conquista social, incorporada à Constituição Federal de 1988 e construída a partir

Leia mais

Aids no Brasil. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Dezembro de 2009

Aids no Brasil. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Dezembro de 2009 Aids no Brasil 1980 2009 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Dezembro de 2009 Municípios com pelo menos um caso de aids notificado 1980-1994 1995-1999 2000-2004 2005-2009 HIV: informações gerais

Leia mais

SMAM 2011 SMAM 2011 SMAM 2011

SMAM 2011 SMAM 2011 SMAM 2011 SMAM 2011 SMAM 2011 SMAM 2011 INSCRITOS NO SEMINÁRIO Instituto de Saúde, 4 de maio de 2011 80 pessoas fizeram inscrição no seminário e enviaram informações sobre os desafios que enfrentam em seus locais

Leia mais

Atenção para a leitura muitas entidades constantes desta deliberação

Atenção para a leitura muitas entidades constantes desta deliberação Circular 637/2014 São Paulo, 11 de dezembro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS Diário Oficial do Estado Nº 234, Seção 1 quinta-feira, 11 de novembro de 2014 Atenção para

Leia mais

Panorama da Saúde Materna no Estado do Pará

Panorama da Saúde Materna no Estado do Pará Panorama da Saúde Materna no Estado do Pará Ana Cristina Álvares Guzzo Coordenação Estadual de Saúde da Criança/DASE/DPAIS/SESPA Grupo Condutor da Rede Cegonha do Pará Comitê Estadual de Mortalidade Materna,

Leia mais

Co-Infecção HIV-TB e Adesão. Desafios Atuais da Tuberculose

Co-Infecção HIV-TB e Adesão. Desafios Atuais da Tuberculose Co-Infecção HIV-TB e Adesão Desafios Atuais da Tuberculose Objetivo Apresentar os desafios locais quanto à adesão 8 de julho de 2016 GPPCS - Transmissíveis SMS PMPA Paulo Behar Porto Alegre Vilas Bom Jesus

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO

RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO RELATO DE EXPERIÊNCIA AVALIAÇÃO PARA MELHORIA DA QUALIDADE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TERESINA Ayla Maria Calixto de Carvalho Alba Alves Costa Marques Telma Maria Evangelista

Leia mais

que 67,5%(436/645) dos municípios do estado notificaram o agravo.

que 67,5%(436/645) dos municípios do estado notificaram o agravo. Informe Vigilância epidemiológica dos acidentes ocupacionais com exposição a fluidos biológicos no Estado de São Paulo 2007-2010 Epidemiologic surveillance of occupational accidents with exposition to

Leia mais

ACIDENTE DO TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E PÉRFURO CORTANTE

ACIDENTE DO TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E PÉRFURO CORTANTE 1 de 13 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 06/11/2012 1.00 Proposta inicial MFA, EAB, RCO, JSC 1 Objetivo: Agilizar o atendimento ao funcionário acidentado, substanciar

Leia mais

Sistema de Monitoramento de Indicadores do Programa Nacional de DST e Aids

Sistema de Monitoramento de Indicadores do Programa Nacional de DST e Aids Sistema de Monitoramento de Indicadores do Programa Nacional de DST e Aids Versão 1.0 Brasília, dezembro de 2004 2004. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desde que citada a fonte.

Leia mais

A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA

A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Área Técnica de Pneumologia Sanitária A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DA TUBERCULOSE E O PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Brasília, junho de 2004 Evolução da

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS SERGIPE METAS ATIVIDADES PARCERIAS EXECUSSÃO CRONOGRAMA - Articular, mediante a criação de uma rede via internet

Leia mais

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa Enfermeira, Doutora em Ciências Membro do GEOTB e do GEO-HIV/aids Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Quais imagens temos do HIV? O

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Agosto de 2014 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS EM REUNIÃO DE 15 DE ABRIL DE 2010

HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS EM REUNIÃO DE 15 DE ABRIL DE 2010 Circular 182/2010 São Paulo, 23 de abril de 2010. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) HOMOLOGAÇÃO DE DIVERSOS ITENS EM REUNIÃO DE 15 DE ABRIL DE 2010 Diário Oficial do Estado de São Paulo Nº 73 - Seção 1, 20

Leia mais

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP

Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP P E S Q U I S A Centro das Indústrias do Estado de São Paulo CIESP Nível de Emprego Regional da Indústria Diretorias do CIESP Resultados do mês de Setembro de 2013 FIESP/CIESP - Pesquisa NIVEL DE EMPREGO

Leia mais

RANCHOdo CRÉDITO RURAL. BALCÃOdoMICROCRÉDITO

RANCHOdo CRÉDITO RURAL. BALCÃOdoMICROCRÉDITO RANCHOdo CRÉDITO RURAL BALCÃOdoMICROCRÉDITO QUEM SOMOS O SEBRAE-SP é uma entidade privada e de interesse público, que apoia a abertura e expansão dos pequenos negócios e transforma a vida de milhões de

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS PARA HIV E SÍFILIS NA ASSISTÊNCIA AO PRE-NATAL NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICIPIO DE IGUATU

IMPLANTAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS PARA HIV E SÍFILIS NA ASSISTÊNCIA AO PRE-NATAL NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICIPIO DE IGUATU XV CONGRESSO DO COSEMS JUNHO/2016 MOSTRA ESTADUAL Município: Iguatu IMPLANTAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS PARA HIV E SÍFILIS NA ASSISTÊNCIA AO PRE-NATAL NA ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICIPIO DE IGUATU Autores: José

Leia mais