Renda Básica de Cidadania no Contexto Fiscal Brasileiro (Orçamento e tributação)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Renda Básica de Cidadania no Contexto Fiscal Brasileiro (Orçamento e tributação)"

Transcrição

1 Renda Básica de Cidadania no Contexto Fiscal Brasileiro (Orçamento e tributação) Prof. Evilasio Salvador Universidade de Brasília (UnB) Pós-Graduação em Política Social

2 Fundo Público estruturante do capitalismo contemporâneo 1)Como fonte importante para a realização do investimento capitalista. 2)Como fonte que viabiliza a reprodução da força de trabalho, por meio de salários indiretos, reduzindo o custo do capitalista na sua aquisição. 3 )Por meio das funções indiretas do Estado, que no capitalismo atual garante vultosos recursos do orçamento para investimentos em meios de transporte e infra-estrutura. 4)No capitalismo contemporâneo, o fundo público é responsável por uma transferência de recursos sob a forma de juros e amortização da dívida pública para o capital financeiro, em especial para as classes dos rentistas.

3

4

5 2000 a 2009 Fundo Público transferiu o equivalente a 45% do PIB produzido em 2009 para o Capital Portador de Juros Daria para custear o Bolsa Família durante 108 anos com o dinheiro pago de juros no período citado, caso fosse (mantido fixo o valor do benefício do programa). Ou, ainda, seria possível o governo federal custear a educação durante 40 anos, se mantido o mesmo valor gasto 2009.

6 Participação da DRU no Superávit Primário Valor em R$ Bilhões, Deflacionados pelo IGP-DI Ano DRU (a) Superávit Primário do Governo Central (b) Participação da DRU (a /b) ,20 44,31 72,66% ,08 41,90 76,56% ,48 55,13 58,92% ,89 58,96 57,49% ,90 64,92 53,76% ,28 63,14 57,47% ,83 54,89 65,27% ,69 62,46 65,15% Total 278,35 445,70 62,45% Fonte: STN. Elaboração própria. 6

7 O aumento da Selic previsto pelo mercado financeiro de atingir 11,75% neste ano, e aí permanecer até o final de 2011, irá causar uma elevação nas despesas do governo federal, no mínimo, de R$ 8,0 bilhões neste ano e R$ 12,1 bilhões em No final de abril a dívida atrelada à Selic correspondia a 36,0% da dívida em títulos do governo federal. Despesas com Juros no Setor Público (1995 a 2009) Ano J uros % P IB , , , , , , , , , , , , , , ,29 Média 7,51 F onte: B anco C entral E laboração Amir K hair

8 Quais são os gastos públicos que crescem no Brasil?

9 Despesas no PLOA 2010 (Projeto de Lei Orçamentária) Amortização da Dívida 43,55% Demais Despesas Financeiras 3,95% Transferências a Estados e Municípios 8,15% Pessoal e Encargos Sociais 9,74% 3 Benef. Previd. e Assist. 17,13% Juros e Encargos da Dívida 6,35% Reserva de Contingência Primária 0,27% Desp Discricionárias - Todos Poderes 9,97% Demais Despesas Obrigatórias 1,08%

10 Despesas discricionárias no PLOA 2010 Demais 35,9% Saúde 29,4% PAC 14,1% Bolsa Família 7,9% Educação 12,7%

11 Carga Tributária (1995 a 2008) 40,0 35,0 30,4 31,9 32,4 31,9 32,8 33,8 34,1 34,7 35,2 30,0 27,0 26,4 26,5 27,4 28,4 25,0 20,0 15,0 10,0 5,0 0,

12 Regressivo Sistema Tributário (fonte: Salvador, 2010) Sistema tributário a favor da concentração de renda CTB CTL (12%) Incidência sobre consumo = 55% arrecadação Consumo + Renda do Trabalho = 67% Trabalhadores pagam 6 vezes mais tributos sobre a renda que os bancos Tributação sobre patrimônio é insignificante

13 Tratamento diferenciado na tributação sobre a renda Lucros e dividendos são isentos de IR Remessas de lucros para exterior são isentas de IR Alíquotas da renda fundiária variam de 0,03% a 20% Os rendimentos de aplicações financeiras têm alíquotas que variam entre 0,01% e 22,5% Ganhos de capital na alienação de bens alíquota de 15%. Em apenas contribuintes apresentaram rendimentos tributáveis acima R$ 1 milhão (RFB, 2009). De acordo The Boston Consulting Group (BCG), o Brasil tinha, em 2008, 220 mil milionários com fortuna de aproximadamente US$ 1,2 trilhão (renda de aplicação financeira acima de US$ 1,5 milhão). 5 mil famílias tem patrimônio equivalente a 40% do PIB do Brasil (Pochmann, 2009)

14

15 Alíquotas do IR no Brasil

16 Quem financia a seguridade social brasileira? (Previdência Social, Saúde e Assistência Social) O financiamento traz pistas sobre caráter redistributivo da política social As contribuições sociais são exclusivas atender finalidade específica Características dos tributos: direto x indiretos, progressividade x regressividade Bases econômicas: consumo, renda e patrimônio

17 Seguridade Social em 2008

18 TRANSFERÊNCIA DE RENDA COM CONDICIONALIDADES - BOLSA FAMÍLIA Fonte (Cod/Desc) Ação (Cod/Desc) Liquidado % RECURSOS ORDINARIOS TRANSFERENCIA DE RENDA DIRETAMENTE AS FAMILIAS EM CONDICAO DE POBREZA E EXTREMA POBREZA (LEI Nº , DE 2004) ,00 3,33% CONTR.SOCIAL S/O LUCRO DAS PESSOAS JURIDICAS GESTAO E ADMINISTRACAO DO PROGRAMA ,00 0,02% CONTR.SOCIAL S/O LUCRO DAS PESSOAS JURIDICAS SISTEMA NACIONAL PARA IDENTIFICACAO E SELECAO DE PUBLICO- ALVO PARA OS PROGRAMAS SOCIAIS DO GOVERNO FEDERAL - CADASTRO UNICO ,23 0,06% CONTR.SOCIAL S/O LUCRO DAS PESSOAS JURIDICAS SERVICOS DE CONCESSAO, MANUTENCAO, PAGAMENTO E CESSACAO DOS BENEFICIOS DE TRANSFERENCIA DIRETA DE RENDA ,00 1,13% CONTR.SOCIAL S/O LUCRO DAS PESSOAS JURIDICAS SERVICO DE APOIO A GESTAO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA BOLSA FAMILIA ,41 1,88% CONTRIBUICAO P/FINANCIAM.DA SEGURIDADE SOCIAL TRANSFERENCIA DE RENDA DIRETAMENTE AS FAMILIAS EM CONDICAO DE POBREZA E EXTREMA POBREZA (LEI Nº , DE 2004) ,00 92,56% RECURSOS FINANCEIROS DIRETAMENTE ARRECADADOS SERVICOS DE CONCESSAO, MANUTENCAO, PAGAMENTO E CESSACAO DOS BENEFICIOS DE TRANSFERENCIA DIRETA DE RENDA ,00 0,24% FUNDO DE COMBATE A ERRADIC.DA POBREZA-FINANC TRANSFERENCIA DE RENDA DIRETAMENTE AS FAMILIAS EM CONDICAO DE POBREZA E EXTREMA POBREZA (LEI Nº , DE 2004) ,00 0,01% FUNDO DE COMBATE A ERRADICACAO DA POBREZA TRANSFERENCIA DE RENDA DIRETAMENTE AS FAMILIAS EM CONDICAO DE POBREZA E EXTREMA POBREZA (LEI Nº , DE 2004) ,00 0,36% RECURSOS FINANCEIROS DIRETAMENTE ARRECADADOS SERVICOS DE CONCESSAO, MANUTENCAO, PAGAMENTO E CESSACAO DOS BENEFICIOS DE TRANSFERENCIA DIRETA DE RENDA ,50 0,41% Total ,14 100,00% Fonte: SIAFI/SIGA Elaboração própria

19 Orçamento Seguridade Social TCU, em 2008

20 Financiamento Seguridade por base de incidência (2000 a 2007) Receitas da Seguridade Social (1) R$ milhões (média anual) Renda (Tributo direto) ,56 30,87% Recursos Ordinários (fontes 100 e 300) ,62 6,45% Contribuição dos Empregados para Seguridade Social (2) ,84 12,85% % CSLL ,95 6,88% Contribuição Pensão Militares 523,22 0,19% Contribuição previdenciária dos servidores (fontes 156 e 356) 5.001,10 1,81% CPMF (somente Pessoa Física) (3) 7.432,82 2,69% Consumo (Tributos Indiretos) ,04 62,16% COFINS ,32 26,28% Contribuição das Empresas para Seguridade Social (4) ,75 28,96% CPMF (somente Pessoa Jurídica) (3) ,97 6,92% Outros ,90 6,97% Outras Contribuições Previdenciárias (5) ,12 3,70% Outras Receitas (6) 9.009,78 3,26% Total ,50 100,00% Fonte: SIAFI/SIGA Brasil, STN e Aeps- Infologo. Elaboração própria

21

22 Transferência de renda pela Seguridade Social Fonte: MPAS (2009)

23 Considerações finais A renda básica da cidadania só é possível alterando a atual estrutura do orçamento público brasileiro Viabilização via redução das despesas com juros ou alteração da Carga Tributária Deve ser pensada no contexto da seguridade social brasileira: a)universalização dos direitos b)financiamento com tributos progressivos c)exclusividade de recursos, portanto, fim da DRU d)instituição do Conselho e Fundo Público da Seguridade Social

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério da Fazenda 28 de agosto de 2014 1 Parâmetros macroeconômi cos PIB real 3,0% para 2015 R$ 5.756,5 PIB nominal

Leia mais

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E

SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SEGURIDADE - DIEESE - REUNIÃO DA DSND Rosane Maia 17 de junho de 2009 SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL E SEGURIDADE APRESENTAÇÃO: I - A EXPERIÊNCIA DO OBSERVATÓRIO DE EQUIDADE

Leia mais

O Impacto da Reforma Tributária para a Seguridade Social

O Impacto da Reforma Tributária para a Seguridade Social COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA O Impacto da Reforma Tributária para a Seguridade Social Evilásio Salvador Principais Pontos da Reforma A criação do IVA com extinção de 4 tributos: Cofins, Pis,

Leia mais

Gastos Tributários no Brasil

Gastos Tributários no Brasil II Workshop de Gastos Tributários Brasília - DF Gastos Tributários no Brasil Raimundo Eloi de Carvalho Coordenador de Previsão e Análise da Receita Federal do Brasil Sumário 1. Estimativa dos Gastos Tributários

Leia mais

Reflexões Preliminares sobre o impacto da Reforma Tributária no financiamento da Seguridade Social e especificamente da Saúde (versão 2)

Reflexões Preliminares sobre o impacto da Reforma Tributária no financiamento da Seguridade Social e especificamente da Saúde (versão 2) 1 Reflexões Preliminares sobre o impacto da Reforma Tributária no financiamento da Seguridade Social e especificamente da Saúde (versão 2) XXIV Congresso do Conasems 8 a 11 de abril de 2008 Audiência Pública

Leia mais

FINANCIAMENTO ORÇAMENTÁRIO DE PROGRAMAS PARA A PESSOA IDOSA

FINANCIAMENTO ORÇAMENTÁRIO DE PROGRAMAS PARA A PESSOA IDOSA 1 FINANCIAMENTO ORÇAMENTÁRIO DE PROGRAMAS PARA A PESSOA IDOSA Evilásio Salvador No Orçamento da União de 2005 existem dois programas que contém ações (atividade, projeto ou operação especial) destinadas

Leia mais

Reforma da Previdência PEC 287

Reforma da Previdência PEC 287 Reforma da Previdência PEC 287 Abrangência Aposentadorias Pensões Benefícios de Prestação Continuada Servidores públicos e trabalhadores da iniciativa privada Trabalhadores urbanos e rurais Exclui apenas

Leia mais

JUSTIÇA FISCAL Estado para todos

JUSTIÇA FISCAL Estado para todos JUSTIÇA FISCAL Estado para todos Instituto Justiça Fiscal IJF Dão Real Pereira dos Santos Mitos são assim: Alguém cria, outros repetem e os demais acreditam e passam adiante. E quanto mais a narrativa

Leia mais

Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR. Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa

Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR. Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa Os números que traduzem as finanças públicas decorrem

Leia mais

PEC 241/16: Mitos e Verdades sobre o Ajuste Fiscal

PEC 241/16: Mitos e Verdades sobre o Ajuste Fiscal PEC 241: Ajuste Fiscal e os Impactos Negativos para a Sociedade PEC 241/16: Mitos e Verdades sobre o Ajuste Fiscal Marcelo Lettieri e-mail: marlettieri@mail.com A TESE DO AJUSTE FISCAL NO BRASIL Elaboração:

Leia mais

REFORMAS TRIBUTÁRIA PARA UM BRASIL MAIS JUSTO

REFORMAS TRIBUTÁRIA PARA UM BRASIL MAIS JUSTO REFORMAS TRIBUTÁRIA PARA UM BRASIL MAIS JUSTO Dão Real Pereira dos Santos Instituto Justiça Fiscal IJF www.ijf.org.br BRASIL UM ESTADO SOCIAL EM CONSTRUÇÃO Pilares do Estado Social: Seguridade Educação

Leia mais

Fundo Público e o financiamento das Políticas Sociais no Brasil 1

Fundo Público e o financiamento das Políticas Sociais no Brasil 1 1 Fundo Público e o financiamento das Políticas Sociais no Brasil 1 Evilasio Salvador 2 Introdução No capitalismo ocorre uma disputa na sociedade por recursos do fundo público no âmbito do orçamento estatal.

Leia mais

Os impactos da renúncia fiscal no financiamento das políticas sociais e o papel do controle social

Os impactos da renúncia fiscal no financiamento das políticas sociais e o papel do controle social Os impactos da renúncia fiscal no financiamento das políticas sociais e o papel do controle social Rodrigo Avila Economista da Auditoria Cidadã da Dívida www.auditoriacidada.org.br O Conceito de Renúncia

Leia mais

Financiamento Orçamentário

Financiamento Orçamentário Financiamento Orçamentário Glauber P. de Queiroz Ministério do Planejamento SEAFI/SOF/MP Etapa Brasília Março 2016 Oficina XX Financiamento Orçamentário Duração : 04 h Conteúdo: Conceito de Déficit Orçamentário,

Leia mais

CPMF Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

CPMF Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CPMF 2011 Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 IMPACTO DA CPMF NA ECONOMIA 2 Volta da CPMF é uma contribuição IMPOPULAR Tema é bastante impopular para ser tratado em início de Governo. Pesquisa

Leia mais

DESAFIOS PARA O SUS NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO E SUA CRISE

DESAFIOS PARA O SUS NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO E SUA CRISE DESAFIOS PARA O SUS NO CONTEXTO DO CAPITALISMO CONTEMPORÂNEO E SUA CRISE Áquilas Mendes Prof. Dr. Livre-Docente de Economia da Saúde da Faculdade de Saúde Pública da USP e do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

TRABALHADORES E A PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL

TRABALHADORES E A PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL TRABALHADORES E A PREVIDÊNCIA SOCIAL NO BRASIL ORIGENS Luta dos trabalhadores ferroviários e constituição de caixas de socorro mútuo Conquistas gradativas Lei Eloy Chaves obriga cada ferrovia a criar Caixas

Leia mais

A situação da Seguridade Social no Brasil

A situação da Seguridade Social no Brasil A situação da Seguridade Social no Brasil Audiência Pública Comissão de Seguridade Social e Família CSSF Câmara dos Deputados, 16/08/2011 Álvaro Sólon de França Presidente do Conselho Executivo da ANFIP

Leia mais

Programação Orçamentária 2012

Programação Orçamentária 2012 Programação Orçamentária 2012 Ministério da Fazenda Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Fevereiro de 2012 1 2 3 Bens 4 Serviços 5 6 Desenvolvimento Sustentável Ampliação dos investimentos Fortalecimento

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

Projeto de Lei. Anual Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Projeto de Lei. Anual Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Ministério da Fazenda 28 de d agosto d de 2014 1 Parâmetros macroeconômicos para 2015 PIB real 3,0% PIB nominal R$

Leia mais

A Reforma da Previdência

A Reforma da Previdência A Reforma da Previdência Eric Gil Dantas Economista do Instituto Brasileiro de Estudos Políticos e Sociais (IBEPS), é mestre e doutorando em Ciência Política pela UFPR Números da Previdência Segundo o

Leia mais

A DÍVIDA PÚBLICA E A PREVIDÊNCIA SOCIAL

A DÍVIDA PÚBLICA E A PREVIDÊNCIA SOCIAL A DÍVIDA PÚBLICA E A PREVIDÊNCIA SOCIAL Carmen Cecilia Bressane AFPESP ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO ESTADO DE SP SÃO PAULO, 29 de março de 2017 Orçamento Geral da União - Projetado para 2017-

Leia mais

Tributação sobre o Consumo é Recorde no 1º quadrimestre

Tributação sobre o Consumo é Recorde no 1º quadrimestre Tributação sobre o Consumo é Recorde no 1º quadrimestre O montante de tributos arrecadados pela Secretaria da Receita Federal (SRF) alcançou R$ 118,7 bilhões no período de janeiro a abril de 2006, significando

Leia mais

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Roteiro Distorções do Sistema Tributário 2 Carga Tributária

Leia mais

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017

Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Distorções do Sistema tributário Brasileiro. VII Congresso Internacional de Contabilidade, Custos e Qualidade do Gasto Natal, 18 de Outubro de 2017 Roteiro Distorções do Sistema Tributário 2 Carga Tributária

Leia mais

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES

Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES Funcia Associação Brasileira de Economia da Saúde - ABrES SEMINÁRIO POLÍTICA ECONÔMICA E FINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA PAINEL 2 O SUS FRENTE AO AJUSTE FISCAL: IMPACTO E PROPOSTAS Ajuste fiscal e os impactos

Leia mais

OBJETIVO. - Incentivar produção, investimento, emprego e renda. - Consolidação de uma classe média com distribuição de renda

OBJETIVO. - Incentivar produção, investimento, emprego e renda. - Consolidação de uma classe média com distribuição de renda OBJETIVO - Incentivar produção, investimento, emprego e renda - Consolidação de uma classe média com distribuição de renda - Promover justiça tributária CARGA TRIBUTÁRIA POR BASE DE INCIDÊNCIA EM % - 2014

Leia mais

Ministério da Economia Secretaria Especial de Fazenda. Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias PLDO

Ministério da Economia Secretaria Especial de Fazenda. Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias PLDO Ministério da Economia Secretaria Especial de Fazenda Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2020 - PLDO 2020-1 Premissas As estimativas apresentadas consideram o arcabouço legal vigente. Projeto elaborado

Leia mais

Teoria da Tributação Tributação da Renda e do Patrimônio

Teoria da Tributação Tributação da Renda e do Patrimônio Prof. Roberto Quiroga Mosquera 2016 Teoria da Tributação Tributação da Renda e do Patrimônio Aspectos econômicos da tributação do capital Tributação elevada Tributação irrisória Capital Eficiência Econômica

Leia mais

Sonia Fleury Cebes EBAPE/FGV

Sonia Fleury Cebes EBAPE/FGV REFORMA COM JUSTIÇA EM DEFESA DOS DIREITOS BÁSICOS DA SEGURIDADE SOCIAL Sonia Fleury Cebes EBAPE/FGV Princípios de Justiça Fiscal Equidade horizontal e vertical (PROGRESSIVIDADE) Simplicidade Equilíbrio

Leia mais

4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA

4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA 81 4. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA Jose Caio Racy INTRODUÇÃO A arrecadação no primeiro trimestre de 2007 comparado com o de 2006 apresenta um crescimento em função aumento de diversas rubricas das

Leia mais

Reforma Tributária e Seguridade Social

Reforma Tributária e Seguridade Social Reforma Tributária e Seguridade Social Audiência da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados Brasília 31 de março de 2009 1 Objetivos da Reforma Tributária ria Econômicos Sociais

Leia mais

Esquemas de financiamento utilizados na expansão de cobertura

Esquemas de financiamento utilizados na expansão de cobertura Esquemas de financiamento utilizados na expansão de cobertura Financiamento da Previdência e da Seguridade Social no Brasil Paulo Tafner e Fabio Giambiagi Buenos Aires, maio/2010 Estrutura da Seguridade

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL Comissão Mista de Planos, Orçamento Público e Fiscalização. Apresentação. RELATOR GERAL DO PLOA 2016: Deputado RICARDO BARROS

CONGRESSO NACIONAL Comissão Mista de Planos, Orçamento Público e Fiscalização. Apresentação. RELATOR GERAL DO PLOA 2016: Deputado RICARDO BARROS CONGRESSO NACIONAL Comissão Mista de Planos, Orçamento Público e Fiscalização Apresentação RELATOR GERAL DO PLOA : Deputado RICARDO BARROS (PP/PR) Parâmetros Macroeconômicos Parâmetros PLOA LOA 2015 Avaliação

Leia mais

Aquisição pelo site: No Rio de Janeiro: / (Débhora)

Aquisição pelo site:   No Rio de Janeiro: / (Débhora) Aquisição pelo site: www.gestaopublica.com.br No Rio de Janeiro: 21.98027.1040 / 61.9239.0699 (Débhora) Série Entendendo CASP www.gestaopublica.com.br 1 www.gestaopublica.com.br 2 www.gestaopublica.com.br

Leia mais

<ESFERA DE GOVERNO> RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL <PERÍODO DE REFERÊNCIA>

<ESFERA DE GOVERNO> RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL <PERÍODO DE REFERÊNCIA> Tabela 10 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º - Anexo I R$ 1,00 PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS REALIZADAS SALDO A RECEITAS INICIAL ATUALIZADA

Leia mais

EDUCAÇÃO FISCAL E CIDADANIA

EDUCAÇÃO FISCAL E CIDADANIA EDUCAÇÃO FISCAL E CIDADANIA JUSTIÇA FISCAL: ESTADO PARA TODOS Arrecadação Tributária e o Financiamento de Ações no Âmbito Social Arquidiocese de Porto Alegre-SAS-Cáritas Arquidiocesana Programa Nacional

Leia mais

SISTEMA TRIBUTARIO E EMPREENDEDORISMO

SISTEMA TRIBUTARIO E EMPREENDEDORISMO SISTEMA TRIBUTARIO E EMPREENDEDORISMO Sistema Tributário na Cons

Leia mais

Sobre a qualidade do superávit primário

Sobre a qualidade do superávit primário Sobre a qualidade do superávit primário Manoel Carlos de Castro Pires * Desde a derrocada do regime de câmbio fixo, em janeiro de 1999, a política macroeconômica brasileira tem se apoiado no tripé câmbio

Leia mais

Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS

Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS Os efeitos da PEC 55 na Saúde / SUS Grazielle David Mestre em Saúde Coletiva/Economia da Saúde Assessora Política do INESC - Instituto de Estudos Socioeconômicos Diretora do CEBES Centro Brasileiro de

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO I PREVISÃO DA RECEITA

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO I PREVISÃO DA RECEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO I PREVISÃO DA RECEITA 1 ESTIMATIVA DA RECEITA ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA 2013 2014 2015 I. RECEITA CORRENTE 602.587.104 657.307.266

Leia mais

Comparativo Orçamento da União de 2016 a 2018 LOA 2016 X PLOA GND

Comparativo Orçamento da União de 2016 a 2018 LOA 2016 X PLOA GND LOA 2016 X PLOA 2018 - GND COMPARATIVO LOA 2016, LOA 2017 E PLOA 2018 De 2016 a 2018 De 2017 a 2018 De 2016 a 2017 GND LOA 2016 LOA 2017 PLOA 2018 Diferença R$ Diferença % Diferença R$ Diferença % Diferença

Leia mais

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS INDICADORES CONTAS PÚBLICAS ARRECADAÇÃO (RECEITA FEDERAL) dez/04 mar/05 jun/05 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06 mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09

Leia mais

ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL!

ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL! ISONOMIA ENTRE AS RENDAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA FISCAL! Um dos princípios constitucionais basilares da tributação é o respeito à capacidade contributiva. Este princípio materializa-se na aplicação de

Leia mais

Finanças Públicas: Ajuste e Deterioração Fiscal

Finanças Públicas: Ajuste e Deterioração Fiscal 3 Finanças Públicas: Ajuste e Deterioração Fiscal Vera Martins da Silva (*) O resultado fiscal do governo central tem se deteriorado com o aprofundamento da recessão. No acumulado do ano encerrado em setembro

Leia mais

Orçamento e Execução Orçamentária de 2018

Orçamento e Execução Orçamentária de 2018 Orçamento e Execução Orçamentária de 2018 Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO Orçamento e Execução Orçamentária para 2018 2º Orçamento e Execução Orçamentária de 2018 Exercício: 2018 ( Segundo ) DEMONSTRATIVO

Leia mais

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA PATRIMÔNIO ESTATÍSTICAS FISCAIS

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA PATRIMÔNIO ESTATÍSTICAS FISCAIS enação-geral de Contabilidade da União/SUCON/STN EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA CONTABILIDADE PATRIMÔNIO ESTATÍSTICAS FISCAIS LRF GFSM (FMI) enação-geral de Contabilidade da União/SUCON/STN Plano de Implantação

Leia mais

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA.

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA. Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará (CRC-CE) SUMÁRIO Introdução Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento Marcelo Lettieri e-mail: marlettieri@gmail.com STN: princípios

Leia mais

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS INDICADORES CONTAS PÚBLICAS ARRECADAÇÃO (RECEITA FEDERAL) nov/04 fev/05 mai/05 ago/05 nov/05 fev/06 mai/06 ago/06 nov/06 fev/07 mai/07 ago/07 nov/07 fev/08 mai/08 ago/08 nov/08 fev/09 mai/09 ago/09 nov/09

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LC nº 101/2000 - Lei de Responsabilidade Fiscal Parte 5 Professor Sergio Barata 12) (FGV Analista Orçamento e Finanças IBGE 2016) Os dados do Quadro VII a seguir

Leia mais

Ano I Nº 5 Dezembro de 2004 Para pensar o Salário Minimo

Ano I Nº 5 Dezembro de 2004 Para pensar o Salário Minimo Ano I Nº 5 Dezembro de 2004 Para pensar o Salário Minimo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos Para pensar o salário mínimo Apresentação Este não é um Estudos e Pesquisas

Leia mais

ANÁLISE DA CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA E SUA GESTÃO

ANÁLISE DA CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA E SUA GESTÃO ANÁLISE DA CARGA TRIBUTÁRIA BRASILEIRA E SUA GESTÃO Marcelo Gantois Martinelli Braga* Tomaz Neto Loiola Souza* O trabalho de um homem perpetua quando atravessa os tempos. RESUMO O presente artigo visa

Leia mais

Reforma da Previdência no Brasil: privatização e favorecimento ao setor financeiro. Denise Lobato Gentil - Instituto de Economia - UFRJ

Reforma da Previdência no Brasil: privatização e favorecimento ao setor financeiro. Denise Lobato Gentil - Instituto de Economia - UFRJ Reforma da Previdência no Brasil: privatização e favorecimento ao setor financeiro Denise Lobato Gentil - Instituto de Economia - UFRJ TESE DO GOVERNO CENTRAL SOBRE O EFEITO DO AJUSTE FISCAL: O governo

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES E A DESTINAÇÃO DO PRODUTO DE SUA ARRECADAÇÃO - JULGAMENTO DA ADI 2925 DO STF

AS CONTRIBUIÇÕES E A DESTINAÇÃO DO PRODUTO DE SUA ARRECADAÇÃO - JULGAMENTO DA ADI 2925 DO STF AS CONTRIBUIÇÕES E A DESTINAÇÃO DO PRODUTO DE SUA ARRECADAÇÃO - JULGAMENTO DA ADI 2925 DO STF PROF. DRA. DENISE LUCENA CAVALCANTE Pós-Doutora pela Universidade de Lisboa; Doutora pela PUC/SP; Mestre pela

Leia mais

RECUPERAÇÃO ECONÔMICA E O DESAFIO FISCAL PLOA DYOGO HENRIQUE DE OLIVEIRA Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão

RECUPERAÇÃO ECONÔMICA E O DESAFIO FISCAL PLOA DYOGO HENRIQUE DE OLIVEIRA Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão RECUPERAÇÃO ECONÔMICA E O DESAFIO FISCAL PLOA 2018 DYOGO HENRIQUE DE OLIVEIRA Ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão PILARES PARA O CRESCIMENTO Reformas estruturantes Aperfeiçoamento do marco

Leia mais

Financiamento da seguridade social e do SUS: desafios e perspectivas

Financiamento da seguridade social e do SUS: desafios e perspectivas Financiamento da seguridade social e do SUS: desafios e perspectivas JOSÉ ROBERTO R. AFONSO IX Encontro Nacional de Economia da Saúde, ABRES Rio, Hotel Pestana, 8/12/2009 Carga e Gasto não reduzem desigualdade

Leia mais

Financiamento da seguridade social e do SUS: desafios e perspectivas

Financiamento da seguridade social e do SUS: desafios e perspectivas Financiamento da seguridade social e do SUS: desafios e perspectivas JOSÉ ROBERTO R. AFONSO IX Encontro Nacional de Economia da Saúde, ABRES Rio, Hotel Pestana, 8/12/2009 Uruguay b/ Costa Rica El Salvador

Leia mais

Parcelamentos Especiais com Anistias

Parcelamentos Especiais com Anistias Parcelamentos Especiais com Anistias 1 Discute-se o quê? Leis de regularização de débitos tributários LC 162/18: PERT SN e MEI L 13.606/18: PRR L 13.496/17: PERT (MP 783) L 12.688/12: PROIES L 11.941/09

Leia mais

ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS

ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS CONTAS PÚBLICAS ARRECADAÇÃO DE IMPOSTOS jun/05 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06 mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10

Leia mais

PEC 287: A minimização da Previdência Pública

PEC 287: A minimização da Previdência Pública PEC 287: A minimização da Previdência Pública Encontro Estadual dos Bancários do Maranhão 28/01/2017 Gustavo Machado Cavarzan - Técnico do Dieese na subseção SEEB-SP Introdução e Justificativas Introdução:

Leia mais

Brasil 2015 SETOR PÚBLICO

Brasil 2015 SETOR PÚBLICO Brasil 2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS PARA NEGOCIAÇÃO NO SETOR PÚBLICO Roteiro da Apresentação Conjuntura Econômica Geral Economia do Setor Público Orçamento 2015 Desafios 2015 Conjuntura Econômica Geral O QUE

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE GAROPABA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE GAROPABA LEI N.º 1.108/2006. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE GAROPABA PARA O EXERCÍCIO DE 2007. LUIZ CARLOS DA SILVA, Prefeito Municipal de Garopaba, faz saber a todos os habitantes do Município,

Leia mais

A desigualdade de renda no Brasil

A desigualdade de renda no Brasil A desigualdade de renda no Brasil Gráficos de Robert Iturriet Avila. Imposto de Renda em 2014. Gráfico 2, o 1% de maior renda. Sete em cada dez brasileiros ganham até dois salários mínimos por mês. Cerca

Leia mais

Especialistas apontam alternativas à reforma da previdência

Especialistas apontam alternativas à reforma da previdência Brasil 247, 12 de dezembro de 2016 Especialistas apontam alternativas à reforma da previdência Com o debate sobre a reforma da Previdência, uma corrente de economistas e especialistas rebate o argumento

Leia mais

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS INDICADORES CONTAS PÚBLICAS ARRECADAÇÃO (RECEITA FEDERAL) abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10 abr/10

Leia mais

ANÁLISE DO ORÇAMENTO E FINANCIAMENTO DO PROGRAMA BOLSA. FAMÍLIA (2004 A 2009) 1 Joseane Rotatori Couri 2

ANÁLISE DO ORÇAMENTO E FINANCIAMENTO DO PROGRAMA BOLSA. FAMÍLIA (2004 A 2009) 1 Joseane Rotatori Couri 2 FAMÍLIA (2004 A 2009) 1 Joseane Rotatori Couri 2 ANÁLISE DO ORÇAMENTO E FINANCIAMENTO DO PROGRAMA BOLSA Evilasio da Silva Salvador 3 1. Introdução Atualmente, os Programas de Transferências de Renda (PTR)

Leia mais

Receitas Tributaria Contribuições Melhorias 1.000, ,00. Despesas Empenhadas

Receitas Tributaria Contribuições Melhorias 1.000, ,00. Despesas Empenhadas BALANÇO ORÇAMENTÁRIO RREO - Anexo 1 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e 1º) Previsão Previsão Receitas Realizadas Receitas Inicial Atualizada (a) No Período (b) %(b/a) Até o Período

Leia mais

O MITO DO DÉFICIT DA PREVIDÊNCIA PROF. EMERSON COSTA LEMES

O MITO DO DÉFICIT DA PREVIDÊNCIA PROF. EMERSON COSTA LEMES O MITO DO DÉFICIT DA PREVIDÊNCIA PROF. EMERSON COSTA LEMES Quando um homem primitivo, nas brumas da pré-história, guardou um naco de carne para o dia seguinte depois de saciar a fome, aí estava nascendo

Leia mais

As mudanças na PREVIDÊNCIA SOCIAL. Vilson Antonio Romero

As mudanças na PREVIDÊNCIA SOCIAL. Vilson Antonio Romero As mudanças na PREVIDÊNCIA SOCIAL Vilson Antonio Romero PROPOSTAS DE MUDANÇAS PREVIDÊNCIA SOCIAL - PEC 287/2016 - CARTILHA OFICIAL De onde vêm os recursos da Previdência Social? (1) As fontes de recursos

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Ética e Legislação Profissional Assunto: Sistema Previdenciário/Construção Civil Prof.

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2019

PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2019 PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2019 ROTEIRO A Situação Atual do País: Atividade e Inflação O Desempenho do Comércio e Serviços em 2018 As Perspectivas para 2019 2017-2018: recuperação lenta

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE (do Sr. Nelson Proença) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE (do Sr. Nelson Proença) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2005 (do Sr. Nelson Proença) Estabelece limite ao pagamento de impostos e contribuições pelas Pessoas Físicas, regulamentando o inciso II do art. 146 da Constituição

Leia mais

Centro Brasileiro de Estudos da Saúde SEMINÁRIO CEBES. seguridade social e cidadania: desafios para uma sociedade inclusiva

Centro Brasileiro de Estudos da Saúde SEMINÁRIO CEBES. seguridade social e cidadania: desafios para uma sociedade inclusiva Centro Brasileiro de Estudos da Saúde SEMINÁRIO CEBES seguridade social e cidadania: desafios para uma sociedade inclusiva bases institucionais e financeiras da seguridade social no Brasil: o caso da assistência

Leia mais

Orçamento e Execução Orçamentária de 2018

Orçamento e Execução Orçamentária de 2018 Orçamento e Execução Orçamentária de 2018 Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO Orçamento e Execução Orçamentária para 2018 3º Orçamento e Execução Orçamentária de 2018 Exercício: 2018 ( Terceiro ) DEMONSTRATIVO

Leia mais

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA , ,01

Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA , ,01 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS 408.377.447,62 395.630.624,01 Receitas derivadas e originárias 5.555.252,62 5.259.708,60 Transferências correntes recebidas

Leia mais

ROTEIRO: COMO FINANCIAR A O SISTEMA DE SAÚDE NOVEMBRO/2011 1

ROTEIRO: COMO FINANCIAR A O SISTEMA DE SAÚDE NOVEMBRO/2011 1 ROTEIRO: COMO FINANCIAR A O SISTEMA DE SAÚDE NOVEMBRO/2011 1 CONTEXTO ATUAL Um rápido diagnóstico da situação da saúde pública do Brasil nos mostra a insuficiência crônica de recursos públicos. Em 2010,

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO FINANCEIRO - TODOS OS ORÇAMENTOS 1 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO 2014 ESPECIFICAÇÃO 2014 Receitas Orçamentárias - - Despesas Orçamentárias 7.033.170,46 - Ordinárias - - Ordinárias 1.966.674,50

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL BALANÇO FINANCEIRO - TODOS OS ORÇAMENTOS 1 INGRESSOS DISPÊNDIOS ESPECIFICAÇÃO 2014 ESPECIFICAÇÃO 2014 Receitas Orçamentárias - - Despesas Orçamentárias 7.474.743,22 - Ordinárias - - Ordinárias 2.012.138,82

Leia mais

Tributária Bruta

Tributária Bruta Evolução da Carga Tributária Bruta 1990 2009 Setembro de 2010 1 Os INFORMATIVOS ECONÔMICOS da (SPE) são elaborados a partir de dados de conhecimento público, cujas fontes primárias são instituições autônomas,

Leia mais

Desafios da Política Fiscal

Desafios da Política Fiscal Desafios da Política Fiscal II Fórum: A Mudança do Papel do Estado - Estratégias para o Crescimento Vilma da Conceição Pinto 07 de dezembro de 2017 Mensagens Alta dos gastos primários não é recente, porém

Leia mais

Esse problema previdenciário já começa no momento em que não rentabilizamos as nossas aplicações financeiras acima da inflação.

Esse problema previdenciário já começa no momento em que não rentabilizamos as nossas aplicações financeiras acima da inflação. 1 SEGUNDO O IBGE, um em cada três aposentados continua trabalhando após a aposentadoria. Isso se deve à perda do poder de compra ao longo do tempo, quando a renda mensal da pessoa não consegue acompanhar

Leia mais

Desafios das finanças públicas no Brasil: Perspectivas e propostas. Manoel Pires IBRE-FGV

Desafios das finanças públicas no Brasil: Perspectivas e propostas. Manoel Pires IBRE-FGV Desafios das finanças públicas no Brasil: Perspectivas e propostas Manoel Pires IBRE-FGV 1 Estrutura Principais fatos estilizados das finanças públicas no Brasil. Política fiscal e ciclos econômicos. O

Leia mais

Workshop da FEA/USP sobre a Proposta de Reforma do. Sistema Tributário Brasileiro. Reforma Tributária. Abril de São Paulo. Ministério da Fazenda

Workshop da FEA/USP sobre a Proposta de Reforma do. Sistema Tributário Brasileiro. Reforma Tributária. Abril de São Paulo. Ministério da Fazenda Reforma Tributária Workshop da FEA/USP sobre a Proposta de Reforma do Sistema Tributário Brasileiro São Paulo Abril de 2009 1 Objetivos da Reforma Tributária O objetivo do projeto de Reforma Tributária

Leia mais

Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos

Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos Aula 5 Teoria da Tributação e Gastos Públicos Curso: Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público - Módulo Básico Profª Drª Fernanda Graziella Cardoso email: fernanda.cardoso@ufabc.edu.br Março/2014

Leia mais

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas

Contabilizando para o Cidadão Entendendo as Finanças Públicas Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 498,465 370,460 139,406 111,902 109,570 50,164 25,8% Dívida Pública (Pagamentos de Financiamentos e Parcelamentos) 9,7% 35,902 33,882 31,716

Leia mais

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS

INDICADORES CONTAS PÚBLICAS INDICADORES CONTAS PÚBLICAS ARRECADAÇÃO (RECEITA FEDERAL) jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09 abr/09 jul/09 out/09 jan/10

Leia mais

Nº 165 Maio de 2010 Os limites do orçamento público para consolidar e expandir direitos

Nº 165 Maio de 2010 Os limites do orçamento público para consolidar e expandir direitos Nota Técnica Nº 165 Os limites do orçamento público para consolidar e expandir direitos Os limites do orçamento público para consolidar e expandir direitos 1. Introdução Um dos pontos cruciais na metodologia

Leia mais

RECEITA ORÇAMENTÁRIA

RECEITA ORÇAMENTÁRIA RECEITA ORÇAMENTÁRIA Receita Orçamentária Efetiva é aquela que, no momento do reconhecimento do crédito, aumenta a situação líquida patrimonial da entidade. Constitui fato contábil modificativo aumentativo.

Leia mais

Carga Tributária Bruta de 2017 e a Receita Disponível dos Entes Federados

Carga Tributária Bruta de 2017 e a Receita Disponível dos Entes Federados Estudos Técnicos/CNM maio de 2018 Carga Tributária Bruta de 2017 e a Receita Disponível dos Entes Federados I - Introdução A carga tributária é a parcela de recursos que os Governos retiram compulsoriamente

Leia mais

O mito do superávit da previdência

O mito do superávit da previdência O mito do superávit da previdência Darcy Francisco Carvalho dos Santos Economista, contemplado pelo Prêmio da STN, em três oportunidades. A Previdência Social apresentou em 2017 um déficit de R$ 268,8

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária 2008

Projeto de Lei Orçamentária 2008 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Projeto de Lei Orçamentária 2008 31 /Agosto/2007 Parâmetros do PLOA 2008 Parâmetros Reprog 2007 ( a ) PLOA 2008 ( b ) Diferença ( c = b - a ) IPCA acum (%)

Leia mais

Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL PREVISÃO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS RECEITAS CORRENTES 1.926.767,00 1.926.767,00 5.908.805,82 3.982.038,82 RECEITA TRIBUTÁRIA 0,00 RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES 0,00

Leia mais

Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL PREVISÃO ATUALIZADA RECEITAS REALIZADAS RECEITAS CORRENTES 40.524.768,00 40.524.768,00 56.438.714,53 15.913.946,53 RECEITA TRIBUTÁRIA 0,00 RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N DE 2017

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N DE 2017 REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N DE 2017 Do Sr. Roberto de Lucena Requer sejam prestadas informações completas por parte do Ministério do Planejamento acerca da Dívida da Previdência Social do Brasil. Senhor

Leia mais

LEI N o /2017. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Uberaba para o Exercício de 2018 e dá outras providências.

LEI N o /2017. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Uberaba para o Exercício de 2018 e dá outras providências. LEI N o 12.756/2017 Estima a receita e fixa a despesa do Município de Uberaba para o Exercício de 2018 e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta

Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Análise Conjuntural: Variáveis- Instrumentos e Variáveis- meta Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h;p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Variáveis- instrumentos:

Leia mais

Diário Oficial do Distrito Federal Nº 58, segunda-feira, 28 de março de 2016

Diário Oficial do Distrito Federal Nº 58, segunda-feira, 28 de março de 2016 PÁGINA 6 Diário Oficial do Distrito Federal Nº 58, segundafeira, 28 de março de 2016 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA PORTARIA Nº 50, DE 23 DE MARÇO DE 2016. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FAZENDA DO, no uso

Leia mais