Ligação Domiciliar de Água

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ligação Domiciliar de Água"

Transcrição

1 NORMA TÉCNICA NTC/Número/Produto/versão/ano NTC/003/ÁGUA/00/05 Data de aprovação Doc. de aprovação Ligação Domiciliar de Água Especificações Técnicas da Caixa de Proteção do Hidrômetro Construída em Material Termoplástico Projeto e Execução SUMÁRIO 1. OBJETIVO RESPONSABILIDADES REFERÊNCIAS NORMATIVAS CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS MÍNIMAS CAIXA MATERIAL DO CORPO DA CAIXA CARACTERISTICAS DA CAIXA TAMPA MATERIAL DA TAMPA CARACTERÍSTICAS DA TAMPA CARACTERISTICAS TÉCNICAS DO SUPORTE ACESSÓRIOS QUALIFICAÇÃO TÉCNICA ENSAIOS PARA INSPEÇÃO DE RECEBIMENTO AMOSTRAGEM ENSAIO VISUAL E DIMENSIONAL EXAME VISUAL EXAME DIMENSIONAL ENSAIOS DESTRUTIVOS RESISTÊNCIA AO IMPACTO RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO RESISTÊNCIA A TRAÇÃO (ARRANCAMENTO DA TAMPA) RESISTÊNCIA AO INTEMPERISMO (ENVELHECIMENTO) ACEITAÇÃO OU REJEIÇÃO EMBALAGEM PARA TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO DESCRIÇÃO DOS COMPONENTES ANEXOS VISTA FRONTAL CORTE A - A CORTE B B VISTA FRONTAL DA TAMPA VISTA INTERNA DA TAMPA Elaboração: gestores e/ou representantes de Projetos, Obras, Operação/Manutenção de Sistemas de Água e Comercial. Palavras chaves: caixa termoplástica, ligação ESTA NORMA POSSUI 18 PÁGINAS

2 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 2 1. OBJETIVO Esta norma fixa e define as condições exigíveis para o fornecimento de caixa de proteção para hidrômetro, com o corpo confeccionado em polipropileno e tampa em policarbonato, destinados às ligações individuais de água com estimativa de consumo de até 270 m3/mes, conforme NTC 001 : 2005 ÁGUA Ligação Domiciliar de Água Unidade de Medição Caixa de proteção do Tipo Termoplástica. A caixa será utilizada para a instalação e proteção de hidrômetros de diâmetro nominal DN ¾ e de vazão máxima Qmax 1,5 ou 3 m3/h. Estabelece, também, critérios mínimos aceitáveis das características gerais; especificações técnicas; do projeto estrutural necessário à fabricação; das matérias primas empregadas; processo de fabricação; do laboratório necessário para os ensaios qualidade durante e após fabricação, métodos de ensaios; dispositivos para testes, da embalagem, das instruções do fabricante; do recebimento do produto pela CESAN, dos laudos e certificados técnicos e da garantia do produto. Esta Especificação deve ser adotada como base preponderante das especificações relativas às diversas aplicações da caixa de polipropileno e tampa em policarbonato, acrescentando-se os aspectos de qualidade necessários à exigência da aplicação. 2. RESPONSABILIDADES A atualização ou cancelamento desta norma é de responsabilidade da Comissão Permanente, representada pelos gestores das áreas envolvidas na elaboração, com aval das Diretorias de Operação Metropolitana, Operação do Interior e Administração e Finanças. 3. REFERÊNCIAS NORMATIVAS A norma relacionada a seguir contém disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento da elaboração desta norma e esta sujeita a revisão; recomendamos que com base nesta verifiquem a conveniência de usarem as edições mais recentes das normas citadas abaixo: NORMA NBR 5426:1985 NBR 5688:1999 NBR 9798: NBR 9052: NBR 11306: NBR 8417:1997 NBR 8009:1997 NBR 8193:1997 DESCRIÇÃO Planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos Sistemas prediais de água pluvial, esgoto sanitário e ventilação Tubos e conexões de PVC, tipo DN Requisitos. Conexão de polipropileno para junta mecânica para tubos de polietileno PE-5 para ligações prediais de água. Conexão de PVC rígido para junta mecânica para tubos de polietileno PE-5 para ligações prediais água. Registro de PVC rígido para ramal predial NBR Tubo de Polietileno de alta densidade para ligação predial de água Hidrômetro taquimétrico para água fria até 15,0 m 3 /h de vazão nominal Terminologia Hidrômetro taquimétrico para água fria até 15,0 m 3 /h de vazão nominal Especificação NBR 8194:1997 Hidrômetro taquimétrico para água fria até 15,0 m 3 /h de vazão nominal Padronização Portaria Nº 246/2000 Hidrômetro taquimétrico para água fria até 15,0 m 3 /h de vazão nominal Regulamento NTC 001 : 2005 Ligação Domiciliar de Água Unidade de Medição Caixa de proteção do Tipo ÁGUA Termoplástica

3 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 3 4. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS MÍNIMAS 4.1. CAIXA MATERIAL DO CORPO DA CAIXA O material é fabricado com um composto de resina a base de polipropileno, contendo aditivos e carga de talco para obtenção da rigidez e resistência ao impacto, tração e compressão, exceto os pigmentos, necessários à fabricação da caixa. As caixas devem ser produzidas por processo de injeção com composto de polipropileno, contendo somente os aditivos necessários para atender as exigências desta Norma CARACTERISTICAS DA CAIXA a) As dimensões da caixa monobloco estrutural, devem atender o projeto (ver Anexos). b) A cor da caixa deve ter tonalidade cinza claro, com as devidas correções do pigmento e do sistema de aditivação. c) Deverá ser produzida por processo de injeção em uma única peça (tipo monobloco), não sendo aceitas montagens para confecção do corpo da caixa, nas faces laterais externas deve ter 03 nervuras em de igual espessura e nas faces superior e inferior deve ter 04 nervuras externas, estas nervuras externas tem a finalidade de auxiliar na fixação no local de instalação e também para evitar distorções. d) Deve ser prevista a proteção contra raios solares UV (ultravioleta), que garantirá uma durabilidade de utilização em seu local de instalação mínima de 15 (quinze) anos, exposta às intempéries naturais do ambiente de sua instalação. e) As luvas laterais deverão ser injetadas no corpo da caixa e possuir roscas, conforme ABNT NBR NM ISO 7-1, com inserto metálico de comprimento 34,4 mm para conexão do tubete do hidrômetro e/ou conexão equivalente. f) O inserto metálico deverá ser em liga de latão de alta resistência, DN-G- 3/4" e seu dimensionamento e projeto devem assegurar que após a moldagem por injeção com o polipropileno não ocorra nenhum deslocamento axial ou radial no alojamento e tampouco tenha fissuras entre os materiais, não permitindo a possibilidade da penetração de água ou outro fluido líquido.

4 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA TAMPA g) Deverá possuir um sistema com dois encaixes na parte inferior, dimensionados para garantir a resistência ao impacto e a compressão sem quebrar ou apresentar trincas quando forem realizados os ensaios de fabricação e de recebimento; na caixa o encaixe será fêmea e na tampa deve ser macho; nas laterais superiores deve apresentar um alojamento, em cada lateral tipo click e resistir ao ensaio de tração de arrancamento do conjunto caixa-tampa, conforme projeto (ver Anexos). h) Deverão possuir dois furos na face superior e inferior, com dimensões Ø 51,0 ±0,2 mm para passagem do tubo camisa e posteriormente o tubo PEAD, conforme projeto (ver Anexos). i) Deverão ser fornecidos 03 plugs Ø 51 ±1 mm em polipropileno para proteção dos furos que eventualmente não forem utilizados, facilitando a operação de instalação da caixa, conforme projeto (ver Anexos). j) Deverá possuir um suporte em polipropileno, dimensionado conforme projeto (ver Anexos) e possuir 02 rasgos para passagem de abraçadeira Nylon com fechamento auto travante, modelo T-80M, onde será apoiado e fixado o kit cavalete em PVC, conforme projeto (ver Anexos). k) Na parte superior da caixa, deverá possuir 02 furos de Ø 2,0 ±0,2 mm para instalação de lacre de segurança fabricado em aço inoxidável para a fixação tampa caixa, conforme projeto (ver Anexos). l) A espessura mínima de parede da caixa deve ser homogênea em toda a sua seção, com desvios mínimo de 0,2 mm em uma seção qualquer do corpo da caixa. No corpo da caixa deverá apresentar marcações indeléveis do lado interno, que permita a rastreabilidade de produção, contendo: Data de Fabricação (semana / mês / ano) MATERIAL DA TAMPA O material é fabricado com um composto de resina a base de policarbonato CARACTERÍSTICAS DA TAMPA a) As dimensões devem estar de acordo com o projeto (ver Anexos). b) Deve ser transparente, de tal forma, que permita a leitura do hidrômetro instalado no seu interior, bem como do seu número de série, gravado na cracaça, sem a necessidade de sua remoção. c) Deve ser produzida por processo de injeção em uma única peça (tipo monobloco), não sendo aceitas montagens para confecção da tampa. d) Deve ser prevista a proteção contra raios solares UV (ultravioleta), que garantirá uma durabilidade de utilização em seu local de instalação mínima de 15 (quinze) anos, exposta às intempéries naturais do ambiente de sua instalação. e) Deve apresentar um orifício na parte superior, conforme as dimensões do projeto (ver Anexos)..

5 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 5 f) Na face externa da tampa deve ser personalizada com o Logotipo da CESAN, de acordo com a Figura 1 e seguir as dimensões padronizadas, mantendo a proporcionalidade definidas em projeto, conforme o projeto (ver Anexos): Figura 1 Logomarca da Cesan g) Deve possuir um sistema com dois encaixes na parte inferior, dimensionados para garantir a resistência ao impacto e a compressão sem quebrar ou apresentar trincas quando forem realizados os ensaios de fabricação e de recebimento, o encaixe na tampa deve ser macho; e estar situado nas laterais superiores e ter o sistema tipo click para fixação na caixa e resistir ao ensaio de tração de arrancamento do conjunto caixatampa, conforme projeto (ver Anexos). h) Na parte superior da tampa, deve possuir 02 furos de Ø 2,0 ±0,2 mm para passagem do lacre de segurança fabricado em aço inoxidável para a fixação tampa caixa, conforme projeto (ver Anexos). i) Deve ter uma espessura mínima de parede de 4,0 mm e ser homogênea em toda a sua seção. j) Deve apresentar marcações indeléveis do lado externo, que permita a rastreabilidade de produção, contendo: Data de Fabricação (semana/mês/ano) Nome ou Marca do fabricante 4.3. CARACTERISTICAS TÉCNICAS DO SUPORTE a) O material do suporte do kit de conexões e do hidrômetro deve ter as mesmas propriedades que esta referenciada no item do Corpo da Caixa. b) Deve ter duas passagens, ou dois rasgos retangulares de tal forma que permita a passagem da abraçadeira flexível de nylon com fechamento auto travante, modelo T-80M, para obter a fixação de todo o sistema de medição (ver Anexos). c) Deve possuir resistência para suportar o peso de todo o sistema de medição e ao ensaio de tração de arrancamento ACESSÓRIOS a) Para a fixação do suporte de fixação do kit de conexões deve ser fornecidos 04 (quatro) parafusos auto atarrachantes fabricados em aço inox para fixação direta na caixa. b) Na montagem da caixa e tampa, deve ser fornecido dois calços de material plástico que serão montados na face folga superior entre a tampa e caixa, para acomodação estrutural deste dois componentes durante a cura da argamassa no alojamento de instalação da caixa-tampa no local de instalação.

6 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 6 c) Quando da montagem da caixa-tampa no fornecedor, para embalagem, deve ser previsto uma fita adesiva com os dizeres a seguir referenciado, que tem a principal finalidade de inibir a abertura da tampa pelo cliente e com isso propiciar ao Técnico da CESAN a inspeção e liberação para instalação do hidrômetro e da ligação predial de água potável. d) Deverá ser fornecido um guia de INSTRUÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA CAIXA DE PROTEÇÃO, para que o cliente possa atender as condições de INSTALAÇÃO E GARANTIA do produto a ser adquirido pelo mesmo. 5. QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O fabricante da caixa de proteção a ser fornecida a CESAN ou para o comércio local deve qualificar seu produto junto a GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS da CESAN e para tanto, deverá solicitar e realizar o Processo de Qualificação de Produto, que consiste dos seguintes procedimentos: a) Apresentação do produto a CESAN, para análise, do memorial descritivo com todos os detalhes de materiais e processo de fabricação da caixa e tampa e seus acessórios conforme desenho da mesma fornecido previamente. b) Visita as instalações do Fabricante para auditoria técnica pelo técnico da CESAN, onde será verificada, acompanhada a fabricação e escolhida 10 (dez) amostras de caixas e tampas. c) O Fabricante deve submeter, em laboratório aprovado pela CESAN, 03 (três) caixas tomadas aleatoriamente entre as 10 (dez) fabricadas, para a realização e analise dos seguintes ensaios: Exame visual e dimensional Teste de resistência ao impacto Teste de resistência à compressão Teste de resistência à tração de arrancamento Teste de resistência ao intemperismo d) Caso uma ou mais amostras coletadas para análise não satisfaçam a todas as condições prescritas no item 6.0 desta norma, o Fabricante não será qualificado, podendo novamente, entretanto se ajustar e fazer as devidas correções e adequar tecnicamente o produto a todas exigências aqui mencionadas e apresentar um novo lote para nova qualificação após um período mínimo de 30/45 dias. e) Os custos de produção das caixas e seus componentes, bem como de viagem do técnico da CESAN para efeito de qualificação (fabricação das caixas, ensaios, etc.) são de inteira responsabilidade do Fabricante. f) A CESAN poderá periodicamente e, sem aviso prévio, efetuar visitas de auditoria às instalações do Fabricante para verificação da fabricação, performance do produto e da qualidade do mesmo. g) Todos os testes e ensaios das amostras escolhidas devem ser realizados sempre com a presença do técnico da CESAN e com relatório técnico de qualificação.

7 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 7 6. ENSAIOS PARA INSPEÇÃO DE RECEBIMENTO Os ensaios para inspeção de recebimento serão os seguintes: Exame visual e dimensional Teste de resistência ao impacto Teste de resistência à compressão Teste de resistência à tração de arrancamento Teste de resistência ao intemperismo 6.1. AMOSTRAGEM a) Para a realização do exame visual e dimensional serão retiradas aleatoriamente de cada lote, 26 amostras de caixas, devidamente embaladas, que serão realizados conforme Tabela 1. Tabela 1 Amostra Tamanho Acumulado Aceitação (1) Rejeição (2) 1ª ª (1) ACEITAÇÃO: NÚMERO MÁXIMO DE PEÇAS COM DEFEITO QUE DETERMINA A APROVAÇÃO DO LOTE. (2) REJEIÇÃO: NÚMERO MÍNIMO DE DEFEITOS QUE DETERMINA A REJEIÇÃO DO LOTE. b) Não havendo reprovação na primeira amostragem, não será necessário fazer a segunda amostragem.para que uma unidade do produto seja considerada não defeituosa no exame visual e dimensional, esta deve atender a todos os requisitos contidos no item 6.2. c) Para os lotes com tamanho inferior a 26 unidades o exame visual e dimensional será na totalidade do lote. d) Para a realização dos testes de resistência ao impacto, à compressão, à tração e ao intemperismo, que são ensaios destrutivos, serão retiradas aleatoriamente de cada lote, 05 amostras de caixas. e) Para que uma unidade do produto seja considerada não defeituosa, nos ensaiois destrutivos, esta deve atender a todos os requisitos contidos no item 6.3 desta norma. f) Se houver reprovação em uma ou mais amostras, o lote será rejeitado. g) Para os lotes com tamanho inferior a 26 unidades não são necessários os ensaios destrutivos ENSAIO VISUAL E DIMENSIONAL EXAME VISUAL a) O local para inspeção deve ser adequado, seguro, desimpedido, com iluminação natural ou artificial de no mínimo 350 lux e no máximo 800 lux.

8 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 8 b) As peças devem estar separadas em lotes peças com mesma marcação de fabricação. c) A marcação na caixa com data de fabricação para a rastreabilidade e na tampa com nome do Fabricante e data de fabricação devem estar plenamente legíveis com marcação em alto-relevo. d) As peças devem estar limpas, sem arestas cortantes, aparência (bom estado geral), sem a presença de trincas, cantos vivos, pontas, rebarbas, deformação de qualquer origem, bolhas, etc. e) A coloração deverá estar homogênea e não apresentar empenamentos e outros defeitos prejudiciais ao desempenho do produto ou ao seu aspecto estético. f) O teste para verificar a transparência da tampa, consiste em colocar o hidrômetro na caixa e fecha-lá com a tampa. Com a caixa na posição normal de instalação, fazer a leitura do hidrômetro, bem como do seu número de série na carcaça, sem nenhum impedimento ou dúvida EXAME DIMENSIONAL a) A tolerância geral de medidas é a que esta indicada no desenho. b) A concavidade ou convexidade máxima admissível em qualquer ponto da caixa é de 2,0 mm. c) Os encaixes das tampas da caixa devem permitir total intercambiabilidade entre as tampas que são produzidas e ocasionalmente serem trocadas ou substituídas em manutenção ENSAIOS DESTRUTIVOS a) Os ensaios destrutivos serão realizados no laboratório do Fabricante e serão os seguintes: Teste de resistência ao impacto Teste de resistência à compressão Teste de resistência à tração de arrancamento Teste de resistência ao intemperismo b) A CESAN poderá a seu critério, deixar de executar um ou mais ensaios destrutivos RESISTÊNCIA AO IMPACTO b) A caixa e tampa montadas e devidamente lacradas, não poderão romper, sendo admissível uma deformação permanente máxima de 2,5 mm quando submetidas a uma carga de impacto aplicada no centro da tampa por um punção de aço com 50 mm de diâmetro e massa de 1 kg que cairá de uma altura de 2,0 metros. c) Deverá ser medida a deflexão no centro da caixa e tampa montadas antes e após o ensaio, sendo a diferença máxima admitida especificada acima; não sendo permitido o rompimento de qualquer parte do conjunto.

9 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA PROCEDIMENTO DO ENSAIO 1. Será instalada uma régua sobre a caixa e medida a deflexão inicial no centro da tampa da caixa, conforme o ponto indicado na Figura II; 2. A caixa será posicionada sob o punção padrão de forma que ao cair o mesmo atinja o ponto indicado na Figura II; 3. O punção será liberado em queda livre e colidirá com a caixa; 4. Será medida a deformação final causada na tampa e também verificada a existência de qualquer outro tipo de fissura ou rompimento que possa comprometer o produto. Caso não haja desconformidades o produto será aprovado; Figura II

10 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO b) Uma carga pontual de compressão de 80 Kg/cm² será aplicada por um cilindro de diâmetro 20 mm, de forma lenta e progressiva no centro da caixa e tampa montadas e devidamente lacradas, sendo admissível uma deformação máxima de 20 mm. c) A caixa e tampa deverão retornar a posição inicial, após a retirada da carga, admitindo-se uma deformação permanente de 2,0 mm no máximo, não sendo permitido o rompimento de qualquer parte do conjunto. d) O ensaio deve ser aplicado pelo equipamento que esta apresentado, somente como referência para realizar o ensaio conforme a Foto 1. Foto 1 Equipamento de Ensaio Indicador de Carga em kgf Célula de carga com punção cilíndrico de diâmetro 20 mm PROCEDIMENTO DO ENSAIO: 1. Será instalada uma régua sobre a caixa e medida a deflexão inicial no centro da tampa da caixa; conforme o ponto que esta indicado na Figura III; 2. A caixa será posicionada no equipamento de teste, sob o punção padrão de forma o mesmo comprima o ponto indicado na figura abaixo; 3. Será aplicada uma força de 251 kgf, correspondente a 80 kgf/cm²; 4. Será medida a deformação final causada na tampa e também verificada a existência de qualquer outro tipo de fissura ou rompimento que possa comprometer o produto. Caso não haja desconformidades o produto será aprovado;

11 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 11 Figura III RESISTÊNCIA A TRAÇÃO (ARRANCAMENTO DA TAMPA) a) Uma carga pontual de tração de 40 Kgf aplicada por um gancho padrão (vide Foto 2) de forma lenta e progressiva no pontos determinado conforme abaixo, com caixa e tampa montadas e devidamente lacrada. b) A caixa e tampa deverão retornar a posição inicial, após a retirada da carga, admitindo-se uma deformação permanente de 3,0 mm, não sendo permitido o rompimento de qualquer parte do conjunto. c) Deverá ser medida a deflexão inicial no centro da caixa e tampa montadas e após o ensaio, sendo a diferença máxima admitida à especificada acima. Foto 2 Gancho de Tração Modelo do Gancho

12 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA PROCEDIMENTO DO ENSAIO: 1. Será instalada uma régua sobre a caixa e medida a deflexão inicial no centro da tampa da caixa; conforme informado no ponto indicado na Figura IV; 2. A caixa será posicionada no equipamento de teste, sob o gancho padrão de forma o mesmo tracione os pontos indicados através de dispositivo que na figura abaixo; 3. Será aplicada uma força de 40 Kgf; 4. Será medida a deformação final causada na tampa e também verificada a existência de qualquer outro tipo de fissura ou rompimento que possa comprometer o produto, caso não haja desconformidades o produto será aprovado; Figura IV RESISTÊNCIA AO INTEMPERISMO (ENVELHECIMENTO) a) O ensaio de intemperismo deve ser realizado na Universidade Federal de São Carlos ou outra instituição que possa realizar o mesmo procedimento de acordo com a norma a seguir: Norma ASTM G-155 em corpos de prova extraídos da caixa e tampa, sendo que o tempo de envelhecimento acelerado deve ser de horas (mínimo) com avaliação do decaimento das propriedades mecânicas de tração e de impacto de cada componente testado. Deve ser apresentado laudo técnico do ensaio realizado e informar o tempo de durabilidade mínima de cada componente, não podendo ser inferior a de 15 (quinze) anos.

13 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA ACEITAÇÃO OU REJEIÇÃO O lote deverá ser APROVADO ou REJEITADO em conformidade com EMBALAGEM PARA TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO b) A caixa montada, com todos os seus acessórios, conforme item 9.0. Desdrição dos Componentes, deve ser embalada individualmente em caixa de papelão resistente. c) No interior de cada embalagem, o fornecedor deve incluir um folheto orientativo para instalação (conforme modelo anexo) as suas expensas. d) A caixa de papelão deve informar o nome do Fabricante, seu endereço, o CNPJ, o nome do produto e indicações para identificar as referencias do Cliente. e) Também deve constar um guia de instruções para instalação da caixa no consumidor, assim como informação de sua serventia para demarcação do corte na parede. 9. DESCRIÇÃO DOS COMPONENTES ITEM DENOMINAÇÃO QUANTIDADE 01 Caixa em polipropileno 01 peça 02 Tampa em polipropileno 01 peça 03 Suporte do kit cavalete 01 peça 04 Calços de espaçamento 02 peças 05 Adesivo informativo 01 peça 07 Plugs de vedação 03 peças 08 Embalagem 01 peça 10. ANEXOS Anexo A- Vista Frontal. Anexo B- Corte A - A. Anexo C- Corte B - B. Anexo D- Vista Frontal da Tampa. Anexo E- Vista Interna da Tampa.

14 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 14 ANEXO A VISTA FRONTAL

15 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 15 ANEXO B CORTE A A

16 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 16 ANEXO C CORTE B B

17 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 17 ANEXO D VISTA FRONTAL DA TAMPA

18 NORMA TÉCNICA - NTC/003/ÁGUA/00/05 LIGAÇÃO DOMICILIAR DE ÁGUA 18 ANEXO E VISTA INTERNA DA TAMPA

INSTRUÇÕES PARA CONFECÇÃO DA CAIXA TERMOPLÁSTICA

INSTRUÇÕES PARA CONFECÇÃO DA CAIXA TERMOPLÁSTICA O padrão tipo caixa termoplástica para assentamento na parede é utilizado para instalação de hidrômetro em ligações com expectativa de consumo de até 270 m3 por mês, e poderá ser empregado nas seguintes

Leia mais

COMPANHIA ESPÍRITO SANTENSE DE SANEAMENTO CESAN

COMPANHIA ESPÍRITO SANTENSE DE SANEAMENTO CESAN COMPANHIA ESPÍRITO SANTENSE DE SANEAMENTO CESAN UNIDADE DE MEDIÇÃO PADRÃO INSTALAÇÃO DO HIDRÔMETRO COM.008.03.2015 Revisão: 03 Proposta: R-DSC Processo: 119-2014-00126 Aprovação: Deliberação 4155/2015

Leia mais

CAIXA PADRÃO DAE PARA HIDRÔMETROS

CAIXA PADRÃO DAE PARA HIDRÔMETROS CAIXA PADRÃO DAE PARA HIDRÔMETROS ETM 007 VERSÃO 2 Jundiaí 2014 ETM-007 Sumário 1 Objetivo...2 2 Referências normativas...2 3 Definições...2 4 Requisitos gerais...2 Requisitos da caixa padrão DAE S/A para

Leia mais

Serviço Autônomo de Água e Esgotos de Itapira (ISO 9001 Em Processo de Implantação) ANEXO II TERMO DE REFERÊCIA E LAUDO DE INSPEÇÃO

Serviço Autônomo de Água e Esgotos de Itapira (ISO 9001 Em Processo de Implantação) ANEXO II TERMO DE REFERÊCIA E LAUDO DE INSPEÇÃO (ISO Em Processo de Implantação) ANEXO II TERMO DE REFERÊCIA E LAUDO DE INSPEÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FORNECIMENTO DE CAIXAS DE ABRIGO PARA HIDRÔMETRO E KIT CAVALETE REFERÊNCIA NORMATIVA: NBR5688/

Leia mais

PADRÃO KIT CAVALETE (PKC) DIÂMETRO NOMINAL

PADRÃO KIT CAVALETE (PKC) DIÂMETRO NOMINAL Laboratório de Hidrometria Certificação ISO 9001 e PEA PCE82 TERMO DE REFERÊNCIA PADRÃO KIT CAVALETE (PKC) DIÂMETRO NOMINAL (dn) ¾, 1, 1 ½ e 2 Setembro / 2012 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PADRÃO KIT CAVALETE

Leia mais

SAN.T.IN.NT 32. Especificações Técnicas de Hidrômetros Volumétricos

SAN.T.IN.NT 32. Especificações Técnicas de Hidrômetros Volumétricos 1 / 7 14..2007 Data da SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. TERMOS E DEFINIÇÕES 3. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 4. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS MÍNIMAS 5. CARACTERÍSTICAS METROLÓGICAS 6. ÍNDICE DE DESEMPENHO DA MEDIÇÃO - IDM

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 288

Norma Técnica Sabesp NTS 288 Norma Técnica Sabesp NTS 288 Cavalete múltiplo Manutenção - Ligação de Água (DN 20 - Hidrômetro de 1,5 m 3 /h ou 3,0 m 3 /h) Especificação São Paulo Junho 201: revisão 1 NTS 288:201 Norma Técnica Sabesp

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto N.º 007

Especificação Técnica de Projeto N.º 007 SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 007 Especificação Técnica de Projeto N.º 007 ETP007 conexões de PVC 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais DN 125 até DN 270 INDICE 1. Objetivo...1

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CAPACETE DE SEGURANÇA E.P.I. ACS Nº 0056 VISTA LATERAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA INTERNA DO CAPACETE DE SEGURANÇA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CAPACETE DE SEGURANÇA E.P.I. ACS Nº 0056 VISTA LATERAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA INTERNA DO CAPACETE DE SEGURANÇA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CAPACETE DE SEGURANÇA E.P.I. ACS Nº 0056 VISTA LATERAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA INTERNA DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA FRONTAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA 1 - APLICAÇÃO: 1.1 -

Leia mais

SUPORTE DE SUSTENTAÇÃO PARA CABOS ÓPTICOS AÉREOS TIPO FDS PRL - ACS Nº 0020 ILUSTRAÇÃO VISTA SUPERIOR SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS'

SUPORTE DE SUSTENTAÇÃO PARA CABOS ÓPTICOS AÉREOS TIPO FDS PRL - ACS Nº 0020 ILUSTRAÇÃO VISTA SUPERIOR SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS' SUPORTE DE SUSTENTAÇÃO PARA CABOS ÓPTICOS AÉREOS TIPO FDS PRL - ACS Nº 0020 ILUSTRAÇÃO VISTA SUPERIOR SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS' ILUSTRAÇÃO VISTA LATERAL SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS' ILUSTRAÇÃO ILUSTRAÇÃO

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br BLOCOS CERÂMICOS ABNT NBR 15270 / 2005 Componentes

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria

NBR 7170/1983. Tijolo maciço cerâmico para alvenaria NBR 7170/1983 Tijolo maciço cerâmico para alvenaria OBJETIVO: Fixar condições no recebimento de tijolos maciços cerâmicos destinados a obras de alvenaria, com ou sem revestimento; DEFINIÇÕES: 1. Tijolo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: janeiro/2004 FOLHA : 1 / 7 OBS : 1 Dimensões

Leia mais

LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO

LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO ETM 002 VERSÃO 0 Jundiaí 2013 Aplicação: GAE e GME ETM-002 Sumário 1 Objetivo...3 2 Referências normativas...3 3 Definições...3 4 Requisitos gerais...4 4.1 Condições de

Leia mais

Suporte de Suspensão de Cabo Óptico

Suporte de Suspensão de Cabo Óptico Suporte de Suspensão de Cabo Óptico 1 - APLICAÇÃO: 1.1 - Produto desenvolvido de forma a proporcionar aplicação e sustentação de até 2 cabos ópticos aéreos CFOA, em vãos máximos de 200,0 metros, para diâmetros

Leia mais

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino.

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino. 26 / 07 / 2011 1 de 10 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pino de isolador para utilização nas Redes de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.117.01 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de pino de isolador para utilização

Leia mais

DIRETORIA FINANCEIRA CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA FINANCEIRA CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 CARRETEL DE MADEIRA PARA EXPORTAÇÃO FICAP OPTEL CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA SIGLA DATA DISTRIBUIÇÃO Suprimentos Tecnologia Cabos Ópticos Fs Tto GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 1/18

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 225

Norma Técnica Sabesp NTS 225 Norma Técnica Sabesp CAIXA DE MATERIAL PLÁSTICO PARA UNIDADE DE MEDIÇÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA Especificação São Paulo Revisão 02 Agosto 2007 : 2007 Rev. 02 Norma Técnica Sabesp S U M Á R I O 1 OBJETIVO...

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0071 FUSÍVEIS TIPO NH DE BAIXA TENSÃO

Leia mais

COMPORTAS DE CANAL ( AWWA C513) - VCO-17

COMPORTAS DE CANAL ( AWWA C513) - VCO-17 FKB INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS LTDA. DESCRIÇÃO GERAL As Comportas de Canal Aberto FKB, são desenvolvidas conforme norma AWWA C513 e tem como função o controle e bloqueio na vazão de fluidos em canais. São

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SINALIZAÇÃO VERTICAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO Esta especificação técnica fixa condições exigíveis para o fornecimento de placas de orientação, simples e moduladas para sinalização vertical de trânsito,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE ACESSIBILIDADE- MAC- 01 ERG. Especificação Técnica revisada conforme FSET nº 175/2011 acordado com o DERAT.

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE ACESSIBILIDADE- MAC- 01 ERG. Especificação Técnica revisada conforme FSET nº 175/2011 acordado com o DERAT. EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE ACESSIBILIDADE- MAC- 01 ERG NÚMERO: 132008 DESENHO: DT- 494/7 EMISSÃO: MARÇO/2013 VALIDADE: MARÇO/2015 REVOGA: 082104 REVOGA

Leia mais

PROJETO INTERNO TELHA FRANCESA PICSL

PROJETO INTERNO TELHA FRANCESA PICSL Pág. 1 de 6 1 OBJETÍVO Este projeto fixa as condições exigíveis para a aceitação de telhas planas de encaixes, modelo Telhas Francesas, destinadas à execução de telhados de edificações. 2 APLICAÇÃO DE

Leia mais

trabalho a seguir trata-se de um modelo da parte técnica de um edital de licitação para uma concorrência, tomada de preços ou carta

trabalho a seguir trata-se de um modelo da parte técnica de um edital de licitação para uma concorrência, tomada de preços ou carta O trabalho a seguir trata-se de um modelo da parte técnica de um edital de licitação para uma concorrência, tomada de preços ou carta convite para fornecimento de aduelas (galerias celulares), de concreto

Leia mais

INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE HIDRÔMETROS DN ¾

INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE HIDRÔMETROS DN ¾ INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE HIDRÔMETROS ETM 009 VERSÃO 1 Jundiaí - 2014 2 de 10 1. OBJETIVO...3 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 3. INSPEÇÃO, TESTES E ENSAIOS...3 4. GARANTIA DOS MEDIDORES...8 5. PENALIDADES...9

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 191

Norma Técnica SABESP NTS 191 Norma Técnica SABESP NTS 191 Reparo de redes de distribuição, adutoras e linhas de esgoto em polietileno Procedimento São Paulo Dezembro - 2004 NTS 191 : 2004 Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 OBJETIVO...1

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS

MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 1. Objetivo: O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os métodos de execução e os materiais a serem utilizados nas instalações de

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II 1 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II Lages, 26 de fevereiro de 2015. ASSUNTO: EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL

Leia mais

Acessório acoplado às extremidades da mangueira para conexão desta.

Acessório acoplado às extremidades da mangueira para conexão desta. 1 ESPECIFICAÇÃO / SEMPLA/ COBES/ DGSS-3 CÓD.SUPRI: 51.105.001.001. 105.001.001.- ( ) CATMAT / BEC VER TABELA UN. MOVIMENTAÇÃO: UNIDADE MANGUEIRA DE INCÊNDIO ( 1 E 2) - ESPECIFICAÇÃO CONFORME NBR 11861/98

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO COBERTURA TIPO MANTA PARA REPARO DE CONDUTORES COBERTOS CLASSE TENSÃO 15 e 35 kv

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO COBERTURA TIPO MANTA PARA REPARO DE CONDUTORES COBERTOS CLASSE TENSÃO 15 e 35 kv EMD-.014 1/06 DESENHO MANTA COBERTURA- CLASSE 15 kv Código Tensão Dimensões (mm) CEB (kv) Largura Comprimento 92020176 13,8 140 200 92020174 13,8 200 400 DESENHO MANTA COBERTURA CLASSE 35 kv Código Tensão

Leia mais

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido:

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido: MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0048 EQUIPAMENTOS 1/16 1. FINALIDADE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 28/06/2005 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para manilhasapatilha utilizada nas Redes de Distribuição da Companhia Energética do

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0049 ISOLADORES 1/19 1. FINALIDADE

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SINALIZAÇÃO VERTICAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO Esta especificação técnica fixa condições exigíveis para o fornecimento de placas de regulamentação, advertência ou indicativas para sinalização vertical

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE ANEXO VIII - PROJETO DE TELHA COLONIAL

MANUAL DA QUALIDADE ANEXO VIII - PROJETO DE TELHA COLONIAL Página: 01/09 1. OBJETIVO Este documento visa estabelecer diretrizes para a sistemática dos requisitos dimensionais, físicos e mecânicos exigidos para as telhas cerâmicas da Lemos de Neves Ltda. (Cerâmica

Leia mais

Portaria n.º 341, de 22 de julho de 2014.

Portaria n.º 341, de 22 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 341, de 22 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3

SUMÁRIO. 1. Objetivo e campo de aplicação Referências Definições Procedimentos e Responsabilidades... 3 PREFETURA MUNCPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNCPAL DE ÁGUA E ESGOTOS T177 NCHO DE PROTEÇÃO PARA HDRÔMETRO DN20mm (¾ ) SUMÁRO 1. Objetivo e campo de aplicação... 2 2. Referências... 2 3. Definições...

Leia mais

Reservatórios: 01 reservatório de 1000 litros de capacidade em fibra de vidro.

Reservatórios: 01 reservatório de 1000 litros de capacidade em fibra de vidro. MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDROSSANITÁRIO Obra: CONSTRUÇÃO DO POSTO DE SAÚDE FENACHAMP End.: Rua Campo Experimental, 190 - Bairro São Miguel Garibaldi DESCRIMINAÇÕES: A construção desta unidade de saúde

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. PEBD Tubos em polietileno de baixa densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação Especificação Técnica Tubos

Leia mais

NBR Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos

NBR Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos NBR 6136 Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos Objetivo Esta Norma estabelece os requisitos para o recebimento de blocos vazados de concreto simples, destinados à execução de alvenaria

Leia mais

Linha de Quadros BELBOX. Apresentação

Linha de Quadros BELBOX. Apresentação Apresentação A Linha de Quadros Belbox possui ampla aplicação em projetos para os segmentos industrial, comercial e predial. Sua versatilidade possibilita a utilização como quadros para distribuição, comandos

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp 1 07.0069.0011.0 ADESIVO TUBOS/CONEXOES PVC RIGIDO BISNAGA COM 90 CM3 (SOLDA RAPIDA) UTILIZACAO: INSTALACOES PREDIAIS DE AGUA FRIA NORMA: NBR 5648 APLICACAO: EXECUCAO DE JTA SOLDAVEL DE TUBOS/CONEXOES

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-30/07/2012 30/07/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0021 RELÉ FOTOELÉTRICO E BASE PARA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 02-13/01/2010 13/01/2010 APROVADO POR Sebastião J. Santolin SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

uso externo Nº 2117 1

uso externo Nº 2117 1 Nº Data Revisões Aprov.: Vanderlei Robadey Página 1 de 12 DESENHO 2 - CORPO DA CAIXA DISPOSITIVO PARA LACRE DE SEGURANÇA A B ROSCA M6 x 1 TORRE DE FIXAÇÃO ROSCA M10 x 1,5 C TORRE DE FIXAÇÃO ROSCA M10 x

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01 / 04 / 2013 1 de 8 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso de cabeça quadrada utilizado nas Redes e Linhas de Distribuição da

Leia mais

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros.

Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Mar.13 PEBD / PEAD Tubos em polietileno de baixa densidade e alta densidade destinados a sistemas de rega, escoamento de águas, entre outros. Especificações técnicas do produto Documento Produto Aplicação

Leia mais

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões REPRODUÇÃO LIVRE NBR 8964 JUL 1985 Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões Origem: Projeto 01:022.05-004/1985 CB-01 - Comitê Brasileiro de Mineração e Metalurgia CE-01:022.05 - Comissão

Leia mais

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0015 MEDIDOR ELETRÔNICO DE ENERGIA ELÉTRICA COM SAÍDA RS485 1/8 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos a

Leia mais

REDE DE DISTRIBUIÇÃO ECO-PIPE MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO

REDE DE DISTRIBUIÇÃO ECO-PIPE MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO REDE DE DISTRIBUIÇÃO ECO-PIPE MANUAL DE ESPECIFICAÇÃO E INSTALAÇÃO Características técnicas Temperatura trabalho: -20 C a +70 C Pressão de trabalho: -0,13 a 13 bar Material: Tubo de alumínio estrudado

Leia mais

Instruções Técnicas para Medição Individualizada de Água em Condomínios Verticais

Instruções Técnicas para Medição Individualizada de Água em Condomínios Verticais 1 / 25 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. MÃO-DE-OBRA EMPREGADA 5. EPI`S 6. PROCEDIMENTOS E MÉTODOS DE EXECUÇÃO 7. DISPOSIÇÕES GERAIS 8. LOCAIS PARA INSTALAÇÃO/CONSTRUÇÃO DAS

Leia mais

CONEXÕES DE LATÃO COM ROSCA TIPO BSP

CONEXÕES DE LATÃO COM ROSCA TIPO BSP CONEXÕES DE LATÃO COM ROSCA TIPO BSP ETM 008 VERSÃO 0 Jundiaí - 2013 Sumário 1 Objetivo...2 2 Referências Normativas...2 3 Definições...3 4 Material e condições gerais...4 5 Requisitos específicos...8

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS EEM.89236 TECNOLOGIA 01 CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA SIGLA DATA DISTRIBUIÇÃO Suprimentos As Sandra Tostes - Ot Maria Célia Abreu - Ot TECNOLOGIA 1/7 ÍNDICE DE REVISÕES

Leia mais

A SUA SEGURANÇA É A NOSSA MAIOR PREOCUPAÇÃO

A SUA SEGURANÇA É A NOSSA MAIOR PREOCUPAÇÃO A SUA SEGURANÇA É A NOSSA MAIOR PREOCUPAÇÃO TRABALHAMOS COM AS MELHORES MARCAS E COM OS MELHORES EQUIPAMENTOS PARA OFERECER AO PROFISSIONAL, A MAIS COMPLETA LINHA DE SEGURANÇA AÉREA, SUBTERRÂNEA, TERRESTRE,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 12 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do poste de aço, com seção transversal quadrada, para utilização em padrões de entrada

Leia mais

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR /

Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR / Laboratório de Ensaios Tecnológicos de Argila - LETA RELATÓRIO DE IDENTIFICAÇÃO VISUAL DOS BLOCOS CERÂMICOS NBR 15270-1 / 15270-2 Página 1/1 Revisão: 01 Data: 05/05/2016 Código: FT - 076 FORNECEDOR: ENDEREÇO

Leia mais

2.1. DESCRIÇÃO (VER DESENHOS Nº 15w1 e15w2 e/ou 16w1 e 16w2)

2.1. DESCRIÇÃO (VER DESENHOS Nº 15w1 e15w2 e/ou 16w1 e 16w2) 1 PRODUTO: MESAS PARA SALA DE ESPERA - Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para uso em salas de espera. 2. REQUISITOS GERAIS 2.1. DESCRIÇÃO (VER DESENHOS Nº 15w1 e15w2 e/ou 16w1 e 16w2)

Leia mais

AVALIAÇÃO MECÂNICA DE TERMINAIS E BARRAS DE DIREÇÃO DE ACORDO COM

AVALIAÇÃO MECÂNICA DE TERMINAIS E BARRAS DE DIREÇÃO DE ACORDO COM Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 AVALIAÇÃO MECÂNICA DE TERMINAIS E BARRAS DE DIREÇÃO DE ACORDO COM A NORMA ABNT NBR 16130 Felipe Rollo 1, Celso R. Ribeiro 1 SGS Labmat

Leia mais

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO

CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO CONHEÇA AQUI O PADRÃO PARA NOVA LIGAÇÃO Para que a Celpa ligue a sua luz pela primeira vez, você precisa estar com o padrão de entrada de energia instalado corretamente. Chamamos de Padrão de Entrada Celpa

Leia mais

Mangueiras Perfis Técnicos

Mangueiras Perfis Técnicos Produtos de Qualidade Mangueiras Perfis Técnicos Mangueiras Apresentação NASHA, fundada em 1990, possui ex- tubos e perfis técnicos extrudados em PVC periência no mercado industrial e neste perío- (policloreto

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 O que são vasos e caldeiras para fins de aplicação da NR 13? Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior

Leia mais

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA NOTA: 1 - Os fabricantes dos metais e louças sanitárias deverão ser participantes do Programa Brasileiro de Qualidade

Leia mais

K-FLEX K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO

K-FLEX K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FLEX 32 UMA NOVA GERAÇÃO DE MATERIAIS DE ISOLAMENTO K-FLEX TWIN SOLAR SYSTEM K-FLEX SOLAR R Acoplamento rápido à compressão Sistema completo para instalações de painéis solares térmicos Fácil e rápido

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas. Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB ALMOXARIFADO CENTRAL - GEMAT Novas Instalações Código do Projeto: 1541-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial

Leia mais

Ligação Predial 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS:

Ligação Predial 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Ligação Predial Localização no website Tigre: Obra de Infra-Estrutura Saneamento Água LIGAÇÃO PREDIAL Função: Condução de água potável em trecho de tubulação compreendido entre o ponto de derivação da

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0194, de 22 de outubro de 2012.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0194, de 22 de outubro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0194, de 22 de outubro

Leia mais

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6 Número: EEM 80998 Rev.: 0 Fl. 1/6 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 00 06/10/2015 Emissão inicial em substituição a especificação EEM 80998 Rev07 Gerson Andreoti Coordenador CQ Mário Alonso

Leia mais

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea.

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea. 11 / 05 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de engate concha garfo para utilização nas subestações de energia da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea.

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea. 10 / 05 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do engate concha olhal 90º para utilização nas Subestações da CEMAR. 2 CAMPO DE

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01 / 04 / 2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de arruela quadrada para utilização nas redes e linhas de distribuição e subestações

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Audiência Pública Registro de Preços para eventual aquisição de bicicletas e capacetes escolares Brasília, 11 de abril de 2013 Mobilidade Urbana Veículos utilizados Regiões Metropolitanas Transporte Público

Leia mais

E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CORDOALHA DE AÇO

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CORDOALHA DE AÇO ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título CORDOALHA DE AÇO Código ETD-00.010 Data da emissão 24.11.1986 Data da última revisão 31.03.2008 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Normas Complementares 3 Definições 4 Condições

Leia mais

RELATÓRIO DE ENSAIO N.º 0826 / 2005

RELATÓRIO DE ENSAIO N.º 0826 / 2005 Pág.: 1 / 16 INTERESSADO: INOVATEC ENGENHARIA E TECNOLOGIA LTDA. NATUREZA DO TRABALHO: Verificação da resistência à impactos de corpo mole e impactos de corpo duro, Comportamento sob ação de cargas provenientes

Leia mais

O tritubo é aplicado nas condutas subterrâneas para proteção de fibras ópticas. O seu interior estriado melhora a passagem da fibra óptica.

O tritubo é aplicado nas condutas subterrâneas para proteção de fibras ópticas. O seu interior estriado melhora a passagem da fibra óptica. Mar.13 Tritubo O tritubo é aplicado nas condutas subterrâneas para proteção de fibras ópticas. O seu interior estriado melhora a passagem da fibra óptica. Especificações técnicas do produto Documento Produto

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE APOIO MA ERG-01 REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-492/2 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE APOIO MA ERG-01 REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-492/2 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MÓDULO DE APOIO MA ERG-01 NÚMERO: 122003 DESENHO: DT-492/3 EMISSÃO: JAN/2012 VALIDADE: JAN/2017 REVOGA: 082116 REVOGA DESENHO: DT-492/2

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 24/09/ 2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para o gancho olhal utilizadas nas Redes de Distribuição Aéreas da Companhia Energética

Leia mais

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED

ET-SE -030 TRAVESSIAS COM LUMINÁRIAS À LED Sumário 1 OBJETIVO 2 2 DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3 DEFINIÇÃO 3 4 REQUISITOS ESPECÍFICOS 5 5 DOCUMENTAÇÃO 9 6 GARANTIA 11 Superintendência de Engenharia de Sinalização - SSI Página 1 1 OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0067 TAMPÃO PARA REDES SUBTERRÂNEAS

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 24/09/2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para porcaolhal utilizada nas Redes de Distribuição da Companhia Energética do Maranhão

Leia mais

Número: EMP Rev.: 0 Fl. 1/5

Número: EMP Rev.: 0 Fl. 1/5 Número: EMP 82501 Rev.: 0 Fl. 1/5 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 00 26/07/2016 Emissão inicial. Robson Rodrigues Qualidade do Material Mário César Engenharia de Produto Número: EMP 82501

Leia mais

RETIFICAÇÃO nº 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS TACHAS E TACHÕES

RETIFICAÇÃO nº 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS TACHAS E TACHÕES PROCESSO CPL N 761/2009 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 001/2010 DESTINADO À CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA O FORNECIMENTO DE TACHAS E TACHÕES, A SEREM UTILIZADOS NA SINALIZAÇÃO HORIZONTAL EM VIAS PÚBLICAS NO MUNICIPIO

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp sabesp Área Resp.: Prioridade.: Natureza...: Data da RC.: Inspeção...: Valor da RC...: Data (IO)...: Unid. Req...: Duração...: Objeto: AQUISIÇÃO DE TUBOS E CONEXÕES DE MATERIAIS PLÁSTICOS PARA RESSUPRIMENTO

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência 504 Norte Novas Instalações Código do Projeto: 1566-12 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo

Leia mais

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica 30(200)A.

1. FINALIDADE. Estabelecer os requisitos a serem atendidos para o fornecimento de medidor eletrônico de energia elétrica 30(200)A. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE SERVIÇOS E CONSUMIDORES SUBSISTEMA MEDIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-321.0006 MEDIDOR ELETRÔNICO DE ENERGIA ELÉTRICA 30(200)A 1/8 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos a serem

Leia mais

Fone: Florianópolis - SC 1

Fone: Florianópolis - SC 1 . CISTERNA 2350 L DADOS TÉCNICOS: Volume útil - 2300 L Material fabricado - Polietileno de média densidade Resitência UV - Fator UV 4 Peso corpo - 55 kg Altura total - 1.670 m Diâmetro máximo - 1,420 m

Leia mais

Caixa de passagem e ligação

Caixa de passagem e ligação Caixa de passagem e ligação AR14 A prova de tempo e jatos potentes d água Características Construtivas Caixa de passagem e ligação fabricada em liga de alumínio fundido copper free de alta resistência

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA BALCÃO POLIVALENTE BP ERG-01 REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-486/6 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA BALCÃO POLIVALENTE BP ERG-01 REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-486/6 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA BALCÃO POLIVALENTE NÚMERO: 152001 DESENHO: EMISSÃO: JULHO/2015 VALIDADE: JULHO/2020 REVOGA: 112048 REVOGA DESENHO: DT-486/6 CÓDIGO ERP: 10050463-9 ORGÃO DEMANDANTE: DERAT APLICAÇÃO:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. A aquisição dos materiais visa atender as necessidades para a manutenção de redes e ramais de água e esgoto da Autarquia.

TERMO DE REFERÊNCIA. A aquisição dos materiais visa atender as necessidades para a manutenção de redes e ramais de água e esgoto da Autarquia. TERMO DE REFERÊNCIA 1 OBJETO: Constitui objeto do presente termo, a aquisição de tubos e conexões em PVC destinados a reposição do estoque do almoxarifado da autarquia para o exercício de 2016. A avença

Leia mais

PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL

PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL PROTEJA O HIDRÔMETRO DO SEU IMÓVEL A partir de agora, de acordo com o novo regulamento de serviços de água e esgoto, publicado em 04/07/08, todas as novas instalações de água deverão contar com proteção

Leia mais

DIRETORIA GERAL NÚMERO EEM TECNOLOGIA FOLHA 1/13 ESPECIFICAÇÃO DE EMBALAGEM ÍNDICE DE REVISÃO

DIRETORIA GERAL NÚMERO EEM TECNOLOGIA FOLHA 1/13 ESPECIFICAÇÃO DE EMBALAGEM ÍNDICE DE REVISÃO TECNOLOGIA FOLHA /3 ÍNDICE DE REVISÃO REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 00 4/03/94 EMISSÃO ORIGINAL. 0 0/07/94 ALT. NOS ITENS 2.6 E 2.7 E ANEXO 2; INC. DO FORN. HOMOL..3.; 02 08/08/05 ALT DO DOCUMENTO PARANOVAFORMATAÇÃO;

Leia mais

PLACA DE SUPORTE: PTZ / AMR

PLACA DE SUPORTE: PTZ / AMR ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 442 11 de maio de 2012 Página 2 de 8 ÍNDICE Registo das revisões... 3 1. Objectivo... 4 2. Âmbito... 4 3. Referências... 4 4. Definições / Siglas... 4 5. Características de fabrico...

Leia mais

Cabo não seccionado que é ligado ao BMI através de cabo derivação.

Cabo não seccionado que é ligado ao BMI através de cabo derivação. MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0061 BARRAMENTO MÚLTIPLO ISOLADO

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 189

Norma Técnica SABESP NTS 189 Norma Técnica SABESP NTS 189 Projeto de redes de distribuição em PE 80, adutoras e linhas de esgotos em polietileno PE 80 ou PE 100. Especificação São Paulo Junho 2013: Revisão 1 NTS 189: 2013 Norma Técnica

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MESA DE HALL PÚBLICO MHP 02 ERG REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-498/3 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MESA DE HALL PÚBLICO MHP 02 ERG REVOGA: REVOGA DESENHO: DT-498/3 CÓDIGO ERP: ORGÃO DEMANDANTE: DERAT EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MESA DE HALL PÚBLICO MHP 02 ERG NÚMERO: 122010 DESENHO: DT-498/4 EMISSÃO: FEV/2012 VALIDADE: FEV/2017 REVOGA: 082027 REVOGA DESENHO: DT-498/3

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 187

Norma Técnica SABESP NTS 187 Norma Técnica SABESP NTS 187 Tubos e conexões de PVC Exigências de desempenho complementares à NBR 5647-1, NBR 5648, NBR 5685, NBR 7362-1 e NBR 7665 Especificação São Paulo Abril - 2014 - revisão 1 NTS

Leia mais