PADRÃO KIT CAVALETE (PKC) DIÂMETRO NOMINAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PADRÃO KIT CAVALETE (PKC) DIÂMETRO NOMINAL"

Transcrição

1 Laboratório de Hidrometria Certificação ISO 9001 e PEA PCE82 TERMO DE REFERÊNCIA PADRÃO KIT CAVALETE (PKC) DIÂMETRO NOMINAL (dn) ¾, 1, 1 ½ e 2 Setembro / 2012

2 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PADRÃO KIT CAVALETE (PKC) DIÂMETRO NOMINAL (dn) ¾, 1, 1 ½ e 2 (polegadas) OBJETIVOS GERAL Estabelecer as exigências, mínimas, quanto às características técnicas e metrológicas, critérios de ensaio de qualificação, inspeção e recebimento do Padrão Kit Cavalete identificado pela sigla PKC seguida de um número ESPECÍFICOS Permitir a montagem de hidrômetros, de vazões máximas de 3, 5, 7, 10, 20 e 30 m 3 /h, em Padrões de Ligações de Água (PLA) de diâmetro nominal de ¾, 1, 1 ½ e 2 (polegadas) CONCEITOS BÁSICOS PADRÃO KIT CAVALETE (PKC) Componente do Padrão Ligação de Água (PLA), formado por tubos, registro e conexões, destinado a montagem do hidrômetro e acessórios DIÂMETRO NOMINAL ( dn ) Número, expresso em polegadas, que identifica a bitola ou diâmetro do Padrão Kit Cavalete (PKC). Os diâmetros, utilizados pela Cagece, são: dn ¾, dn 1, dn 1 ½ e dn HIDRÔMETRO Instrumento destinado a medir, indicar e totalizar, continuamente, o volume de água que o atravessa LACRE Dispositivo padronizado, de uso obrigatório, utilizado para impedir o manuseio do hidrômetro e acessórios, pelo cliente, no padrão ligação predial de água (PLA) PADRÂO LIGAÇÂO DE ÁGUA (PLA) Conjunto formado por tubos e conexões compreendidas entre a rede de distribuição de água (RDA) e as instalações prediais do imóvel ou conjunto formado por colar de tomada, canos e conexões, protetor de hidrômetro e/ou kit cavalete, hidrômetro e acessórios. 2

3 3.0 - CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS SEGURANÇA, INTEGRIDADE e QUALIDADE O padrão kit cavalete (PKC) deve ser projetado e fabricado de maneira a permitir identificar fraude, por qualquer que seja o fator, em inspeção visual; O padrão kit cavalete (PKC) deve resistir: pressão dinâmica de até 10 kgf/cm², intempéries naturais do ambiente, temperatura de até 60º e aos raios solares O padrão kit cavalete (PKC) deve manter, após a instalação, as características mecânicas, químicas, dimensionais e coloração original ao longo do tempo, em condições normais de serviço O Padrão Kit Cavalete (PKC) deve ser identificado por um dos números da Tabela I. Detalhes ver, em anexo, os desenhos de cada padrão de kit cavalete. Tabela I - Identificação do Padrão Kit Cavalete PKC - PADRÃO KIT CAVALETE HIDRÔMETRO Nº dn Material Montagem Vazão Máxima dn PKC002 ¾ PP Muro 3 e 5 m 3 /h ¾ PKC003 ¾ PP Recuo 3 e 5 m 3 /h ¾ PKC004 ¾ PP Recuo 3 e 5 m 3 /h ¾ PKC005 ¾ PP 1º Vão 3 e 5 m 3 /h ¾ PKC006 1 PVC-R Recuo 7 e 10 m 3 /h 1 PKC007 1 PVC-R Muro 7 e 10 m 3 /h 1 PKC008 1 ½ PVC-R Recuo 20 m 3 /h 1 ½ PKC009 1 ½ PVC-R Muro 20 m 3 /h 1 ½ PKC010 1 ½ PVC-R Recuo 30 m 3 /h 2 PKC011 2 PVC-R Recuo 20 m 3 /h 1 ½ PKC012 2 PVC-R Recuo 30 m 3 /h ou 300 m 3 /dia O Padrão Kit Cavalete (PKC) deve ser fabricado com matéria-prima capaz de resistir aos esforços mecânicos, às intempéries naturais do ambiente, ação de agentes corrosivos, temperatura de até 60º e exposição, diárias, a raios solares. Não será permitido em nenhuma hipótese o uso de materiais reciclados; 3

4 O Padrão Kit Cavalete (PKC) deve apresentar alta estabilidade estrutural bem como resistência mecânica capaz de suportar a montagem dos hidrômetros com seus acessórios; O Padrão Kit Cavalete (PKC) quando em contato físico com outros materiais, tais como: argamassa de cimento, chapisco, alvenaria ou outro material utilizado na sua instalação, não deve apresentar descoloração, degradação, amolecimento, fissuração ou fragilização; O Padrão Kit Cavalete (PKC) deve ter acabamento uniforme e homogêneo, isento de ondulações, porosidades e rugosidades para não comprometer o seu aspecto visual; O Padrão Kit Cavalete (PKC) deve conter a logomarca da Cagece em alto relevo, indeléveis e plenamente legíveis; MATERIAIS O Padrão Kit Cavalete (PKC) deve ser fabricado em materiais termoplásticos: Polipropileno (PP) ou PVC (Cloreto de Polivinila) conforme estabelece a tabela II. Detalhes ver desenhos, em anexo, Padrões Ligação de Água (PLA) e Padrões Kits Cavaletes (PKC) adotados pela Cagece. Tabela II Materiais PKC - PADRÃO KIT CAVALETE Nº dn Material Montagem Nº dn Material Montagem PKC002 ¾ PP Muro PKC007 1 PVC-R Muro PKC003 ¾ PP Recuo PKC008 1 ½ PVC-R Recuo PKC004 ¾ PP Recuo PKC009 1 ½ PVC-R Muro PKC005 ¾ PP 1º Vão PKC010 1 ½ PVC-R Recuo PKC006 1 PVC-R Recuo PKC011 2 PVC-R Recuo PKC007 1 PVC-R Muro PKC012 2 PVC-R Recuo ACABAMENTO: O Padrão Kit Cavalete (PKC) deve ter acabamento uniforme, sem reentrâncias, sem arestas cortantes ou rebarbas e isenta de bolhas, fraturas, rachaduras, rechupe ou outros defeitos como marcas, deformações e estrias, que indiquem descontinuidade do material e que possam comprometer suas propriedades, aparência, desempenho e durabilidade; 4

5 4.0 - ENSAIOS DE QUALIFICAÇÃO E DE RECEBIMENTO DIRETRIZES PARA VERIFICAÇÃO DA QUALIDADE TÉCNICA AMOSTRAGEM Tamanho da Amostra: Padrões PKC 002, 003, 004 e 005 A quantidade da amostra, para os padrões PKC 002, 003, 004 e 005, será de 05 (cinco) unidades por padrão, definida com base NBR Plano de Amostragem, Anexo A - Tabelas 1 e 2, tamanho do lote: 50 unidades, para nível especial de inspeção S4, NQA 2,5 e plano de amostragem simples normal. DESCRIÇÃO AMOSTRA (un) DESCRIÇÃO AMOSTRA (un) PKC PKC PKC PKC Tamanho da Amostra: Padrões PKC 006, 007, 008, 009, 010, 011 e 012 A quantidade da amostra, para os padrões PKC 006, 007, 008, 009, 010, 011 e 012, será de 01 (uma) unidade por padrão conforme quadro abaixo: DESCRIÇÃO AMOSTRA (un) DESCRIÇÃO AMOSTRA (un) DESCRIÇÃO AMOSTRA (un) PKC PKC PKC PKC PKC PKC PKC Apresentação da Amostra - O Licitante deve entregar a amostra do Padrão Kit Cavalete (PKC) a ser ofertado, no Laboratório de Hidrometria da Cagece, localizada na Avenida Jorge Vieira S/Nº - Lagoa do Opáia, Bairro Vila União, no mesmo prazo estabelecido para apresentação da proposta comercial à Comissão de Licitação. No ato da entrega o Licitante receberá um comprovante Ensaios da Amostra Os Padrões Kit s Cavaletes (PKC), a critério da Cagece, podem ser submetidos a qualquer tipo de ensaios estabelecidos nessas especificações. Os ensaios podem ser acompanhados pelo Licitante e serão realizados no Laboratório de Hidrometria da Cagece. 5

6 Despesa com a Coleta da Amostra As despesas referentes ao transporte das amostras da fábrica até o local dos ensaios e as despesas com os ensaios são de responsabilidade da Licitante. As demais despesas são de responsabilidade da Cagece REALIZAÇÕES DE ENSAIOS Será submetido aos ensaios apenas o Padrão kit Cavalete (PKC) do licitante classificado com a proposta de menor preço. A amostra pode ser submetida aos ensaios: visual, dimensional e estanqueidade. Após os ensaios será elaborado um laudo técnico e encaminhado à Comissão de Licitação. Esse procedimento será adotado até que seja definida a proposta que atenda a todas as exigências estabelecidas nesta especificação ENSAIOS E PROCEDIMENTOS ENSAIO DE INSPEÇÃO VISUAL PROCEDIMENTO - Avaliar o aspecto visual do Padrão kit Cavalete (PKC) para verificar se existem não conformidades; - Avaliar o desempenho e funcionalidade do Padrão kit Cavalete (PKC) em função do Padrão Ligação de Água (PLA); - Avaliar se o tipo de material utilizado na fabricação do Padrão kit Cavalete (PKC) está conforme as exigências desse termo de referência; - Verificar se as peças foram fabricadas com a logomarca Cagece conforme exigências contidas nos desenhos dos Padrões kit s Cavaletes (PKC); - Avaliar a composição do Padrão kit Cavalete (PKC) conforme desenhos em anexo; - Avaliar a embalagem e instruções de montagem do Padrão kit Cavalete (PKC) conforme as exigências desse termo de referência ENSAIO DIMENSIONAL PROCEDIMENTO: - Avaliar todas as dimensões do Padrão kit Cavalete (PKC), para verificar se atendem as dimensões definidas nos desenhos, em anexo, correspondentes ao PKC; - Verificar se os diâmetros de todos os componentes do Padrão kit Cavalete (PKC) estão em conformidade com as dimensões exigidas; - Verificar se todos os componentes se acoplam formando o Padrão kit Cavalete (PKC). 6

7 5.0 - AVALIAÇÃO TÉCNICA Será APROVADA a amostra, Padrão Kit Cavalete (PKC), que atenda a todas as exigências desta especificação. Para essa condição o resultado do Laudo Final será CONFORME; Será REPROVADA a amostra, Padrão Kit Cavalete (PKC), que não atenda pelo menos uma das exigências desta especificação. Para essa condição o resultado do Laudo Final será NÃO CONFORME GARANTIA TÉCNICA Os Padrões kit s Cavaletes (PKC) destinados a montagens de hidrômetros devem ser garantidos pelo fabricante, contra quaisquer defeitos de fabricação ou de material, durante 10 (dez) anos a partir da data da entrega do lote. Os termos de garantia devem ser fornecidos pôr lote, para que a Cagece exerça seus direitos. No caso de defeitos, após a instalação, a garantia deverá também abranger os custos com mão-de-obra dos serviços substituição de cada Padrão kit Cavalete (PKC). Esses materiais deverão ser substituídos pôr outros sem qualquer custo para a CAGECE, num prazo máximo previamente estabelecido EMBALAGEM Os Padrões kit s Cavaletes (PKC) devem ser adequadamente embalados, individualmente, em saco plástico. Deve constar escrito na parte externa: logomarca e o nome Cagece, nome do fabricante, nome e número do padrão kit cavalete INSPEÇÃO DE QUALIDADE A Cagece se reserva o direito de submeter todos os materiais e / ou equipamentos a serem fornecidos à inspeção de qualidade; A inspeção poderá ser feita por técnicos da Cagece ou por empresas indicadas para este fim, nas instalações do fornecedor ou no local de destino, a critério exclusivo da Cagece; As Despesas com inspeção (viagens, estadia, refeições) no local de fabricação será do fornecedor; A Contratada deverá solicitar o serviço de inspeção, comunicando expressamente à Cagece, 05 (cinco) dias antes da data prevista para a inspeção, a quantidade, os tipos de materiais e / ou equipamentos, bem como o local para inspeção; Reserva-se a Cagece o direito de recusar, no todo ou em parte, qualquer material e / ou equipamento considerado não conforme ou que depois de inspecionado, não venha acompanhado do laudo de aprovação pelo serviço de inspeção de qualidade, ou ainda, que tenha sido danificado no transporte ou na descarga, obrigando-se a Contratada a substituí-lo, sem qualquer ônus adicional; 7

8 8.6 - Ocorrendo rejeição, total ou parcial, dos materiais e / ou equipamentos pelos critérios de aceitação ou rejeição previstos, a Cagece sustará o pagamento da Nota Fiscal correspondente no todo ou em parte, bem como poderá exigir a substituição do fornecedor do material, no todo ou em parte; A recusa de material e / ou equipamento pelo serviço de inspeção de qualidade não será motivo para prorrogação dos prazos de fornecimento dos materiais, parciais ou totais, fixados no contrato; Os materiais colocados à disposição da Contratada por qualquer motivo (rejeição pela Inspeção de Qualidade, danificados ou quebrados durante o transporte, recebidos a mais do que contratado etc.) e que não forem apanhados dentro de 60 (sessenta) dias, a contar da data da comunicação da Cagece, serão devolvidos com frete a ser pago pela Contratada ou, então, serão considerados inservíveis pela Cagece, e assim, inutilizados sem qualquer reembolso à Contratada; A Contratada reembolsará a Cagece das despesas resultantes da não efetivação das inspeções de qualidade por não ter o fornecedor material e / ou equipamento disponível nas datas estabelecidas, ou quando da realização das inspeções em data diferente da acordada, quando do envio de funcionários da Cagece para acompanhamento ou realização das inspeções; As inspeções para certificação da qualidade e emissão dos laudos correrão à expensas da empresa Contratada; A Cagece se reserva do direito de liberar materiais de inspeção em fábrica para emissão do laudo conforme, sendo que a contratada reembolsará a Cagece através de desconto de 2% do valor da nota fiscal referente às expensas da inspeção; A aprovação do material dependerá do processo de homologação de marcas, não implicando, porém, na liberação de inspeção de materiais cujas marcas já estejam homologadas DISPOSIÇÕES GERAIS O fabricante deve informar através de ofício, ou fax, o período de fabricação de cada lote do Padrão kit Cavalete (PKC), com antecedência, e aceitar normalmente a inspeção da Cagece; O licitante deve especificar todos os materiais de fabricação do Padrão kit Cavalete (PKC) e indicar a composição química de todos os componentes; O licitante deve indicar e comprovar através de laudos todos os tipos de ensaios a que foram submetidos os Padrões kit s Cavaletes (PKC) por ocasião do processo de fabricação; O ofertante deve informar e comprovar a sua capacidade máxima mensal de produção do Padrão kit Cavalete (PKC) objeto do contrato; O ofertante deve apresentar uma descrição sucinta dos equipamentos disponíveis na fábrica para produção de todas as peças utilizadas na fabricação dos Padrões kit s Cavaletes (PKC), que poderá, caso necessário, ser comprovado in loco pela Cagece; 8

9 9.6 - O Padrão Kit Cavaletes (PKC), qualquer que seja o modelo ou número de identificação só será recebido, pela Cagece, se todos os seus componentes permitir a montagem de uma única peça denominada Padrão Kit Cavalete (PKC); O fabricante deverá fornecer, no início de execução do contrato, catálogos dos Padrões kits Cavaletes (PKC), em português, com instruções referente a transporte, armazenamento e montagem. Fortaleza, 15 de setembro de 2012 Engº José Hélio Aires Nunes Laboratório de Hidrometria ISO 9001/PEA PCE82 Responsável Técnico 9

10 ANEXOS: DESENHOS 10

11 ANEXO 1 - DESENHOS DOS PADRÕES KIT s CAVALETES DN ¾ 11

12 Desenho - Padrão Kit Cavalete 002 dn ¾ (Prancha Nº 02/05) 12

13 13

14 Desenho - Padrão Kit Cavalete 003 dn ¾ (Prancha Nº 02/02) 14

15 15

16 Desenho - Padrão Kit Cavalete 004 dn ¾ (Prancha Nº 02/02) 16

17 17

18 Desenho - Padrão Kit Cavalete 005 dn ¾ (Prancha Nº 02/02) 18

19 19

20 ANEXO 2 - DESENHOS DOS PADRÕES KIT s CAVALETES DN 1 20

21 Desenho - Padrão Kit Cavalete 006 dn 1 (Prancha Nº 02/02) 21

22 22

23 Desenho - Padrão Kit Cavalete 007 dn 1 (Prancha Nº 02/02) 23

24 24

25 ANEXO 3 - DESENHOS DOS PADRÕES KIT s CAVALETE DN 1 ½ 25

26 Desenho - Padrão Kit Cavalete 008 dn 1 ½ (Prancha Nº 02/02) 26

27 27

28 Desenho - Padrão Kit Cavalete 009 dn 1 ½ (Prancha Nº 02/02) 28

29 29

30 Desenho Padrão Kit Cavalete 010 dn 1 ½ (Prancha Nº 02/02) 30

31 31

32 ANEXO 4 - DESENHOS DOS PADRÕES KIT s CAVALETE DN 2 32

33 Desenho Padrão Kit Cavalete 011 dn 2 (Prancha Nº 02/02) 33

34 34

35 Desenho Padrão Kit Cavalete 012 dn 2 (Prancha Nº 02/02) 35

36 36 Termo de Refernecia - Padrão Kit Cavalete - PKC 2012.doc

Serviço Autônomo de Água e Esgotos de Itapira (ISO 9001 Em Processo de Implantação) ANEXO II TERMO DE REFERÊCIA E LAUDO DE INSPEÇÃO

Serviço Autônomo de Água e Esgotos de Itapira (ISO 9001 Em Processo de Implantação) ANEXO II TERMO DE REFERÊCIA E LAUDO DE INSPEÇÃO (ISO Em Processo de Implantação) ANEXO II TERMO DE REFERÊCIA E LAUDO DE INSPEÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA FORNECIMENTO DE CAIXAS DE ABRIGO PARA HIDRÔMETRO E KIT CAVALETE REFERÊNCIA NORMATIVA: NBR5688/

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6

Número: EEM Rev.: 0 Fl. 1/6 Número: EEM 80998 Rev.: 0 Fl. 1/6 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 00 06/10/2015 Emissão inicial em substituição a especificação EEM 80998 Rev07 Gerson Andreoti Coordenador CQ Mário Alonso

Leia mais

INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE HIDRÔMETROS DN ¾

INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE HIDRÔMETROS DN ¾ INSPEÇÃO E RECEBIMENTO DE HIDRÔMETROS ETM 009 VERSÃO 1 Jundiaí - 2014 2 de 10 1. OBJETIVO...3 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 3. INSPEÇÃO, TESTES E ENSAIOS...3 4. GARANTIA DOS MEDIDORES...8 5. PENALIDADES...9

Leia mais

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO

SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA PADRONIZAÇÃO APROVAÇÃO ELABORAÇÃO VISTO MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0071 FUSÍVEIS TIPO NH DE BAIXA TENSÃO

Leia mais

Número: EEM Rev.: 2 Fl. 1/14

Número: EEM Rev.: 2 Fl. 1/14 Número: EEM-80779 Rev.: 2 Fl. 1/14 REV DATA HISTÓRICO DAS REVISÕES EMITIDO APROVADO 0 06/06/2013 1 15/07/2013 Emissão Inicial, em substituição ao documento EEM80779 revisão 14. Alteração das CPC s 80767

Leia mais

RETIFICAÇÃO nº 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS TACHAS E TACHÕES

RETIFICAÇÃO nº 1 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS TACHAS E TACHÕES PROCESSO CPL N 761/2009 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 001/2010 DESTINADO À CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA O FORNECIMENTO DE TACHAS E TACHÕES, A SEREM UTILIZADOS NA SINALIZAÇÃO HORIZONTAL EM VIAS PÚBLICAS NO MUNICIPIO

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO DE MARCAS DE TUBOS E CONEXÕES DE PVC

HOMOLOGAÇÃO DE MARCAS DE TUBOS E CONEXÕES DE PVC PROCEDIMENTO GERÊNCIA DE LOGÍSTICA DIVISÃO DE SUPRIMENTOS Data de Aprovação: 11.10.2006 Doc. de Aprovação:Res. nº 4720/2006 HOMOLOGAÇÃO DE MARCAS DE TUBOS E CONEXÕES DE PVC SUMÁRIO 1- OBJETIVO...02 2-

Leia mais

LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO

LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO LUVAS DE CORRER DE PVC 12 DEFOFO ETM 002 VERSÃO 0 Jundiaí 2013 Aplicação: GAE e GME ETM-002 Sumário 1 Objetivo...3 2 Referências normativas...3 3 Definições...3 4 Requisitos gerais...4 4.1 Condições de

Leia mais

DIRETORIA SUPERINTENDENTE EIP GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 ESPECIFICAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO 02-18/03/96 PRODUTO CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA SUPERINTENDENTE EIP GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 ESPECIFICAÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO 02-18/03/96 PRODUTO CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA SIGLA DATA DISTRIBUIÇÃO Compras Suc GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 02 GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01/01 ÍNDICE DE REVISÕES REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 0

Leia mais

SUPORTE DE SUSTENTAÇÃO PARA CABOS ÓPTICOS AÉREOS TIPO FDS PRL - ACS Nº 0020 ILUSTRAÇÃO VISTA SUPERIOR SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS'

SUPORTE DE SUSTENTAÇÃO PARA CABOS ÓPTICOS AÉREOS TIPO FDS PRL - ACS Nº 0020 ILUSTRAÇÃO VISTA SUPERIOR SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS' SUPORTE DE SUSTENTAÇÃO PARA CABOS ÓPTICOS AÉREOS TIPO FDS PRL - ACS Nº 0020 ILUSTRAÇÃO VISTA SUPERIOR SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS' ILUSTRAÇÃO VISTA LATERAL SUPORTE FDS TIPO 2 PARAFUSOS' ILUSTRAÇÃO ILUSTRAÇÃO

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13

PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 PERGUNTAS E RESPOSTAS COMENTADAS SOBRE NR 13 O que são vasos e caldeiras para fins de aplicação da NR 13? Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor sob pressão superior

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 02-13/01/2010 13/01/2010 APROVADO POR Sebastião J. Santolin SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto N.º 007

Especificação Técnica de Projeto N.º 007 SERVIÇO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 007 Especificação Técnica de Projeto N.º 007 ETP007 conexões de PVC 6,3 com junta elástica e com diâmetros nominais DN 125 até DN 270 INDICE 1. Objetivo...1

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATAA DATA DA VIGÊNCIA 00-30/07/2012 30/07/2012 APROVADO POR Edson Hideki Takauti SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

Acessório acoplado às extremidades da mangueira para conexão desta.

Acessório acoplado às extremidades da mangueira para conexão desta. 1 ESPECIFICAÇÃO / SEMPLA/ COBES/ DGSS-3 CÓD.SUPRI: 51.105.001.001. 105.001.001.- ( ) CATMAT / BEC VER TABELA UN. MOVIMENTAÇÃO: UNIDADE MANGUEIRA DE INCÊNDIO ( 1 E 2) - ESPECIFICAÇÃO CONFORME NBR 11861/98

Leia mais

Ligação Predial 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS:

Ligação Predial 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Ligação Predial Localização no website Tigre: Obra de Infra-Estrutura Saneamento Água LIGAÇÃO PREDIAL Função: Condução de água potável em trecho de tubulação compreendido entre o ponto de derivação da

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO COBERTURA TIPO MANTA PARA REPARO DE CONDUTORES COBERTOS CLASSE TENSÃO 15 e 35 kv

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DA DISTRIBUIÇÃO COBERTURA TIPO MANTA PARA REPARO DE CONDUTORES COBERTOS CLASSE TENSÃO 15 e 35 kv EMD-.014 1/06 DESENHO MANTA COBERTURA- CLASSE 15 kv Código Tensão Dimensões (mm) CEB (kv) Largura Comprimento 92020176 13,8 140 200 92020174 13,8 200 400 DESENHO MANTA COBERTURA CLASSE 35 kv Código Tensão

Leia mais

Ligação Domiciliar de Água

Ligação Domiciliar de Água NORMA TÉCNICA NTC/Número/Produto/versão/ano NTC/003/ÁGUA/00/05 Data de aprovação Doc. de aprovação Ligação Domiciliar de Água Especificações Técnicas da Caixa de Proteção do Hidrômetro Construída em Material

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA. ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA. ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE PERNAMBUCO DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA ANEXO l TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE MATERIAIS ELETRICOS A SEREM UTILIZADOS NA CENTRAL DE AUDIÊNCIAS ALA NORTE DO 5 PAVIMENTO

Leia mais

DIRETORIA GERAL NÚMERO EEM TECNOLOGIA FOLHA 1/13 ESPECIFICAÇÃO DE EMBALAGEM ÍNDICE DE REVISÃO

DIRETORIA GERAL NÚMERO EEM TECNOLOGIA FOLHA 1/13 ESPECIFICAÇÃO DE EMBALAGEM ÍNDICE DE REVISÃO TECNOLOGIA FOLHA /3 ÍNDICE DE REVISÃO REVISÃO DATA MOTIVO/DESCRIÇÃO 00 4/03/94 EMISSÃO ORIGINAL. 0 0/07/94 ALT. NOS ITENS 2.6 E 2.7 E ANEXO 2; INC. DO FORN. HOMOL..3.; 02 08/08/05 ALT DO DOCUMENTO PARANOVAFORMATAÇÃO;

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Eletrobrás MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Anexo XIII do Pregão Eletrônico n 029/2009 Página 1 de 11 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRANSFORMADORES DE CORRENTE AUXILIARES 0,6 KV USO INTERIOR

Leia mais

DIRETORIA FINANCEIRA CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA FINANCEIRA CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 01 CARRETEL DE MADEIRA PARA EXPORTAÇÃO FICAP OPTEL CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA SIGLA DATA DISTRIBUIÇÃO Suprimentos Tecnologia Cabos Ópticos Fs Tto GERÊNCIA DE SUPRIMENTOS 1/18

Leia mais

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS TELEFONE SEM FIO Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS TELEFONE SEM FIO Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02 CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS TELEFONE SEM FIO Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES...02 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...02 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...02 4.

Leia mais

Especificação Técnica de Projeto Nº 008

Especificação Técnica de Projeto Nº 008 SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA ETP 008 Especificação Técnica de Projeto Nº 008 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS... 2 3. CARACTERÍSTICAS GERAIS... 2 4. CAMPO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO

DIRETORIA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS EEM.89236 TECNOLOGIA 01 CONTROLE DE DISTRIBUIÇÃO ÁREA SIGLA DATA DISTRIBUIÇÃO Suprimentos As Sandra Tostes - Ot Maria Célia Abreu - Ot TECNOLOGIA 1/7 ÍNDICE DE REVISÕES

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS BOLA DE FUTEBOL Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS BOLA DE FUTEBOL Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES...02 CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS BOLA DE FUTEBOL Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES...02 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...02 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...02 4.

Leia mais

Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Corpo...

Data Versão Descrição Autor 1. DEFINIÇÕES NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Corpo... CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS (CANETINHA HIDROGRÁFICA) Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 02 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...02 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...02

Leia mais

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino.

Ferragem de rede aérea que se fixa numa superfície, em geral a face superior de uma cruzeta, na qual, por sua vez, é fixado um isolador de pino. 26 / 07 / 2011 1 de 10 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do pino de isolador para utilização nas Redes de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

Anexo I - TERMO DE REFERÊNCIA

Anexo I - TERMO DE REFERÊNCIA Anexo I - TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE PNEUS PARA USO NA FROTA DE VEÍCULOS PERTENCENTES À DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO I - Objeto Registro de preço para eventual aquisição de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CAPACETE DE SEGURANÇA E.P.I. ACS Nº 0056 VISTA LATERAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA INTERNA DO CAPACETE DE SEGURANÇA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CAPACETE DE SEGURANÇA E.P.I. ACS Nº 0056 VISTA LATERAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA INTERNA DO CAPACETE DE SEGURANÇA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA CAPACETE DE SEGURANÇA E.P.I. ACS Nº 0056 VISTA LATERAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA INTERNA DO CAPACETE DE SEGURANÇA VISTA FRONTAL DO CAPACETE DE SEGURANÇA 1 - APLICAÇÃO: 1.1 -

Leia mais

Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares

Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares Processo de Certificação Eletrodomésticos e Similares Portaria nº 371, de 29 de dezembro de 2009 Objetivo: Avaliação de aparelhos eletrodomésticos e similares, com foco em requisitos de segurança, visando

Leia mais

e) ABNT NBR IEC Luminárias - Parte 1: Requisitos gerais e ensaios;

e) ABNT NBR IEC Luminárias - Parte 1: Requisitos gerais e ensaios; MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0084 REATOR ELETRÔNICO PARA LÂMPADA

Leia mais

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS

3 REFERÊNCIAS 4 DISPOSIÇÕES GERAIS Elaborador: Mário Sérgio de Medeiros Damascena ET - 05.117.01 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de pino de isolador para utilização

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A REATORES ELETRÔNICOS PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES TUBULARES

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A REATORES ELETRÔNICOS PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES TUBULARES CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A REATORES ELETRÔNICOS PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES TUBULARES (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM DESENVOLVER E HOMOLOGAR LIMITADOR HÍBRIDO DE BAIXA TENSÃO.

QUALIFICAÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM DESENVOLVER E HOMOLOGAR LIMITADOR HÍBRIDO DE BAIXA TENSÃO. PROJETO BÁSICO Nº 28/13 UO SEITEC SSituação Recebido pelo SECOM Objeto Data da Criação: 18/12/2013 Data da Autorização pela UO: 01/09/2015 QUALIFICAÇÃO DE EMPRESAS INTERESSADAS EM DESENVOLVER E HOMOLOGAR

Leia mais

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões

Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões REPRODUÇÃO LIVRE NBR 8964 JUL 1985 Arame de aço de baixo teor de carbono, zincado, para gabiões Origem: Projeto 01:022.05-004/1985 CB-01 - Comitê Brasileiro de Mineração e Metalurgia CE-01:022.05 - Comissão

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II 1 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LAGES ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS RERRATIFICAÇÃO II Lages, 26 de fevereiro de 2015. ASSUNTO: EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 01 / 04 / 2013 1 de 8 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para parafuso de cabeça quadrada utilizado nas Redes e Linhas de Distribuição da

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DISTRIBUIÇÃO ETD - 07 CRUZETA DE CONCRETO ARMADO PARA REDES DE DISTRIBUIÇÃO ESPECIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO EMISSÃO: julho/2003 REVISÃO: janeiro/2004 FOLHA : 1 / 7 OBS : 1 Dimensões

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTROLE DE REVISÕES. ELABORADO: Elíade Martins Pereira MATRÍCULA: RUBRICA:

TERMO DE REFERÊNCIA CONTROLE DE REVISÕES. ELABORADO: Elíade Martins Pereira MATRÍCULA: RUBRICA: TERMO DE REFERÊNCIA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE CAMISETAS A SEREM UTILIZADAS NOS CURSOS DE ATENDIMENTO À PESSOA COM MOBILIDADE REDUZIDA, PELO SISTEMA

Leia mais

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS

NORMA DA DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS NORMA DA DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-011 HOMOLOGAÇÃO DE FORNECEDORES DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS APROVAÇÃO Júlio Cesar Ragone Lopes Diretor Corporativo de Engenharia e Construção Grupo Energisa Gioreli

Leia mais

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS CASINHA DE BONECA. Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS CASINHA DE BONECA. Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS CASINHA DE BONECA Controle de Revisão Data Versão Descrição Autor SUMÁRIO 1. DAS DEFINIÇÕES 2 2. DAS NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 2 3. DAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

Termo de Referência 15/2016

Termo de Referência 15/2016 (ISO Em Processo de Implantação) Itapira, 23 de março de 2016. Termo de Referência 15/2016 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para a realização de serviços de manutenção eletromecânica preventiva

Leia mais

REGULAMENTO DE CONFORMIDADE TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS

REGULAMENTO DE CONFORMIDADE TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS REGULAMENTO DE CONFORMIDADE TÉCNICA DE (versão 03) MAIO / 2012 Página 1 DIRETORIA DE GESTÃO EMPRESARIAL DGE GERÊNCIA DE LOGÍSTICA GELOG SUPERVISÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE DE MATERIAIS SCQ Página 2 SUMÁRIO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 28/06/2005 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para manilhasapatilha utilizada nas Redes de Distribuição da Companhia Energética do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SINALIZAÇÃO VERTICAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO Esta especificação técnica fixa condições exigíveis para o fornecimento de placas de regulamentação, advertência ou indicativas para sinalização vertical

Leia mais

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea.

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea. 11 / 05 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis de engate concha garfo para utilização nas subestações de energia da CEMAR. 2 CAMPO

Leia mais

NBR Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos

NBR Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos NBR 6136 Blocos vazados de concreto simples para alvenaria Requisitos Objetivo Esta Norma estabelece os requisitos para o recebimento de blocos vazados de concreto simples, destinados à execução de alvenaria

Leia mais

Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR.

Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR. 12 / 11 / 2012 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para cabo de aço utilizado nas Redes de Distribuição da CEMAR. 2 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 24/09/2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para porcaolhal utilizada nas Redes de Distribuição da Companhia Energética do Maranhão

Leia mais

SAN.T.IN.NT 32. Especificações Técnicas de Hidrômetros Volumétricos

SAN.T.IN.NT 32. Especificações Técnicas de Hidrômetros Volumétricos 1 / 7 14..2007 Data da SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. TERMOS E DEFINIÇÕES 3. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 4. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS MÍNIMAS 5. CARACTERÍSTICAS METROLÓGICAS 6. ÍNDICE DE DESEMPENHO DA MEDIÇÃO - IDM

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 12 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do poste de aço, com seção transversal quadrada, para utilização em padrões de entrada

Leia mais

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea.

Dispositivo metálico que exerce função mecânica e/ou elétrica em uma linha aérea. 10 / 05 / 2011 1 de 5 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis do engate concha olhal 90º para utilização nas Subestações da CEMAR. 2 CAMPO DE

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 1 COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 2 1. OBJETIVO Comunicar os procedimentos que devem ser adotados para homologação de conjuntos blindados

Leia mais

NBR (1992) Aditivos para concreto de cimento Portland

NBR (1992) Aditivos para concreto de cimento Portland NBR 11768 (1992) Aditivos para concreto de cimento Portland Objetivo Esta Norma fixa as condições exigíveis dos materiais a serem utilizados como aditivos para concreto de cimento Portland, de acordo com

Leia mais

POLÍTICA DE TROCA. O desejo de cancelamento deve ser imediatamente comunicado à Hermitex Uniformes Executivos, seguindo as seguintes regras:

POLÍTICA DE TROCA. O desejo de cancelamento deve ser imediatamente comunicado à Hermitex Uniformes Executivos, seguindo as seguintes regras: POLÍTICA DE TROCA Com o objetivo de atender plenamente aos clientes da Hermitex Uniformes Executivos em nossa loja virtual, estabelecemos uma Política de Troca e Devolução de acordo com as necessidades

Leia mais

sistema PP-R tabela preços 2015

sistema PP-R tabela preços 2015 sistema PP-R tabela preços 2015 APLICAÇÕES: INSTALAÇÕES SANITÁRIAS AQUECIMENTOS CENTRAIS CLIMATIZAÇÃO AR COMPRIMIDO Os tubos e acessórios NOVATHERM são produzidos utilizando como matéria prima um Polipropileno

Leia mais

ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE AA-400

ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE AA-400 ADAPTADOR RJ-45 PARA BORNE Manual do usuário Adaptador RJ-45 para Borne MAN-PT-DE-AA400 Rev.: 1.00-11 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso. Para garantir o uso correto e eficiente, é imprescindível

Leia mais

INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO AT

INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO AT DATA DA REALIZAÇÃO DA VD: / / Profissional Avaliado: N O SEQUI: Modalidade Nível: Data da certificação: Empregador: Supervisor Responsável: Empreendimento/Obra: Fabricante / Fornecedor: Empresa de Inspeção:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Item Descrição Unid. BATERIA 12v 100 A/H RT 100 LE, para caminhão VOLKSWAGEM MODELO 13180, ano fabricação 2008.

TERMO DE REFERÊNCIA. Item Descrição Unid. BATERIA 12v 100 A/H RT 100 LE, para caminhão VOLKSWAGEM MODELO 13180, ano fabricação 2008. FUNDO NACION DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA. OBJETO. Aquisição de BATERIA 2v, 00 a/h RT 00 LE, para uso em veículo oficial pesado, de acordo com os critérios estabelecidos neste Termo

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 24/09/ 2013 1 de 6 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para o gancho olhal utilizadas nas Redes de Distribuição Aéreas da Companhia Energética

Leia mais

PP-5EN Rev.B ESTANQUEIDADE INSTRUÇÕES AO CANDIDATO EXAME PRÁTICO

PP-5EN Rev.B ESTANQUEIDADE INSTRUÇÕES AO CANDIDATO EXAME PRÁTICO 1. OBJETIVO Anexo A 1.1. Este procedimento tem como objetivo fornecer aos candidatos as instruções necessárias para a execução do exame prático no ensaio não destrutivo por meio de Estanqueidade, de acordo

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA SISTEMAS E EQUIPAMENTOS PARA AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA Revisão I 27/02/2007 ELETROBRÁS/PROCEL DTD DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DA

Leia mais

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CONJUNTO BLINDADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA

CÓDIGO TÍTULO VERSÃO CONJUNTO BLINDADO PARA SUBESTAÇÃO DE ENTRADA DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO ESPECIFICAÇÃO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO ES.DT.PDN.01.10.004 01 APROVADO POR PAULO JORGE TAVARES DE LIMA ENGENHARIA - SP SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3

Leia mais

Setor de Contratos e Licitações Pregão Eletrônico

Setor de Contratos e Licitações Pregão Eletrônico COMUNICADO DE ALTERAÇÃO NO EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO Nº 040/2016 REGISTRO DE S PARA AQUISIÇÃO DE REGISTRO DE GAVETA DE METAL/BRONZE, TUBO PEAD E PVC E TÊ DE SERVIÇO INTEGRADO. Comunicamos que o Edital em

Leia mais

Mangueiras de PVC Plastificado para Instalação Doméstica de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Mangueiras de PVC Plastificado para Instalação Doméstica de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Página: 1/1 Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 18 / 02 / 2014 1 de 8 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padronizam as dimensões e as características mínimas exigíveis para a haste de aterramento e acessórios utilizados nas Redes de Distribuição,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA QUE DEFINE OS NÍVEIS MÍNIMOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS CAPÍTULO I CARACTERIZAÇÃO DO PRODUTO Art. 1 o Os equipamentos objeto desta regulamentação

Leia mais

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 O PRESIDENTE

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO. Hidrômetros de diâmetro nominal 50 a 300 mm V1.0

MANUAL DE INSTALAÇÃO. Hidrômetros de diâmetro nominal 50 a 300 mm V1.0 MANUAL DE INSTALAÇÃO Hidrômetros de diâmetro nominal 50 a 300 mm V1.0 Instruções de Instalação Woltmann Vertical 1) Quando se colocam em funcionamento novas instalações ou após grandes reformas, deve-se

Leia mais

Prestação de serviço de manutenção e reparo em equipamentos de rede Roteadores.

Prestação de serviço de manutenção e reparo em equipamentos de rede Roteadores. TERMO DE REFERÊNCIA DADOS CADASTRAIS 1-IDENTIFICAÇÃO SOLICITANTE 1.1 Diretoria DR 1.2 Unidade SOR-PB 1.3 Endereço completo da unidade solicitante: AV. Presidente Carlos Luz, 1275 1.5 - Cidade: 1.6 - UF:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ANEXO II MEMORIAL DESCRITIVO Sistema de Ar-Condicionado Tipo Split. ÌNDICE 1. INTRODUÇÃO 1.1 NORMAS TÉCNICAS 1. 2 ORIENTAÇÕES INICIAIS 2. SERVIÇOS 3. EQUIPAMENTOS E MATERIAIS 4. REQUISITOS PARA FORNECEDORES

Leia mais

PROPOSTA DE TEXTO-BASE MEIA DE NYLON

PROPOSTA DE TEXTO-BASE MEIA DE NYLON MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO LOGÍSTICO DIRETORIA DE SUPRIMENTO (DS/2000) PROPOSTA DE TEXTO-BASE Seção de Suprimento Classe II 61/04 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

MEDIDORES DE VAZÃO TIPO TURBINA E ROTATIVO

MEDIDORES DE VAZÃO TIPO TURBINA E ROTATIVO GERE GERÊNCIA DE ENGENHARIA CLIENTE: TÍTUL O: COPERGAS - COMPANHIA PERNAMBUCANA DE GÁS 1 de 12 ÍNDICE DE REVISÕES REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS DATA 0 EMISSÃO INICIAL. 29/06/12 1 2 3 Alteração de

Leia mais

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA

SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÂO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0067 TAMPÃO PARA REDES SUBTERRÂNEAS

Leia mais

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I

TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TÉCNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br BLOCOS CERÂMICOS ABNT NBR 15270 / 2005 Componentes

Leia mais

Norma Técnica Sabesp NTS 225

Norma Técnica Sabesp NTS 225 Norma Técnica Sabesp CAIXA DE MATERIAL PLÁSTICO PARA UNIDADE DE MEDIÇÃO DE LIGAÇÃO DE ÁGUA Especificação São Paulo Revisão 02 Agosto 2007 : 2007 Rev. 02 Norma Técnica Sabesp S U M Á R I O 1 OBJETIVO...

Leia mais

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...

1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS ESCOPO MANUTENÇÃO REFERÊNCIAS DEFINIÇÕES QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... Página 1 de 15 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS... 2 2. ESCOPO... 3 3. MANUTENÇÃO... 3 4. REFERÊNCIAS... 3 5. DEFINIÇÕES... 4 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES... 5 7. CONDIÇÕES GERAIS... 6 8. PROCESSO

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON Coleta de Preç164/2015

FUNDAÇÃO DE APOIO AO HEMOSC/CEPON Coleta de Preç164/2015 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Contratação de empresa especializada em consultoria de engenharia para elaboração de laudo técnico de análise de patologias que geraram o desprendimento das pastilhas externas

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 187

Norma Técnica SABESP NTS 187 Norma Técnica SABESP NTS 187 Tubos e conexões de PVC Exigências de desempenho complementares à NBR 5647-1, NBR 5648, NBR 5685, NBR 7362-1 e NBR 7665 Especificação São Paulo Abril - 2014 - revisão 1 NTS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE APARELHOS TELEFÔNICOS DIGITAIS COM TECLADO ALFANUMÉRICO EMBUTIDO.

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE APARELHOS TELEFÔNICOS DIGITAIS COM TECLADO ALFANUMÉRICO EMBUTIDO. TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE APARELHOS TELEFÔNICOS DIGITAIS COM TECLADO ALFANUMÉRICO. 1 Maio/2013 TINO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CONTROLE DE REVISÕES ELABORADO:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. A aquisição dos materiais visa atender as necessidades para a manutenção de redes e ramais de água e esgoto da Autarquia.

TERMO DE REFERÊNCIA. A aquisição dos materiais visa atender as necessidades para a manutenção de redes e ramais de água e esgoto da Autarquia. TERMO DE REFERÊNCIA 1 OBJETO: Constitui objeto do presente termo, a aquisição de tubos e conexões em PVC destinados a reposição do estoque do almoxarifado da autarquia para o exercício de 2016. A avença

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 11 / 04 / 2013 1 de 1 1 FINALIDADE Esta Norma especifica e padroniza as dimensões e as características mínimas exigíveis para Arruela Presilha, utilizados nas Redes de Distribuição da Companhia Energética

Leia mais

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador de Potência UPC01. Rev. 3

Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais. Manual de Instruções Controlador de Potência UPC01. Rev. 3 Medição, Controle e Monitoramento de Processos Industriais Manual de Instruções Controlador de Potência UPC01 Rev. 3 Apresentação Os controladores de potência tiristorizados UPC-01A da Contemp foram projetados

Leia mais

Morgana Pizzolato, Dr a. Aula 13 e 14 Planos de inspeção DPS1037 SISTEMAS DA QUALIDADE II ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CT/UFSM

Morgana Pizzolato, Dr a. Aula 13 e 14 Planos de inspeção DPS1037 SISTEMAS DA QUALIDADE II ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CT/UFSM Morgana Pizzolato, Dr a. Aula 13 e 14 Planos de inspeção DPS1037 SISTEMAS DA QUALIDADE II ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CT/UFSM TÓPICOS DESTA AULA Inspeção 100% Inspeção por amostragem 2 ATIVIDADE Cinco caixas

Leia mais

Instruções Técnicas para Medição Individualizada de Água em Condomínios Verticais

Instruções Técnicas para Medição Individualizada de Água em Condomínios Verticais 1 / 25 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. MÃO-DE-OBRA EMPREGADA 5. EPI`S 6. PROCEDIMENTOS E MÉTODOS DE EXECUÇÃO 7. DISPOSIÇÕES GERAIS 8. LOCAIS PARA INSTALAÇÃO/CONSTRUÇÃO DAS

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp

companhia de saneamento básico do estado de são paulo - sabesp 1 07.0069.0011.0 ADESIVO TUBOS/CONEXOES PVC RIGIDO BISNAGA COM 90 CM3 (SOLDA RAPIDA) UTILIZACAO: INSTALACOES PREDIAIS DE AGUA FRIA NORMA: NBR 5648 APLICACAO: EXECUCAO DE JTA SOLDAVEL DE TUBOS/CONEXOES

Leia mais

PRODUTO: CADEIRA FIXA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. Para uso eventual de servidores públicos e visitantes nas repartições municipais.

PRODUTO: CADEIRA FIXA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. Para uso eventual de servidores públicos e visitantes nas repartições municipais. 1 PRODUTO: CADEIRA FIXA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para uso eventual de servidores públicos e visitantes nas repartições municipais. 2. REQUISITOS GERAIS (VIDE DESENHO Nº 7w1)

Leia mais

GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO

GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO GEOMEMBRANA PEAD MANUAL TÉCNICO NEOPLASTIC EMBALAGENS PLÁSTICAS LTDA. Av. Pacaembu, 485 Serra dos Abreus Franco da Rocha SP CEP: 07810-000 Telefone: (11) 4443-1000 Fax: (11) 4443-1025 site: www.neoplastic.com.br

Leia mais

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS

APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS APOLO TUBOS E EQUIPAMENTOS A Apolo Tubos e Equipamentos S.A, fundada em 1938 na cidade do Rio de janeiro, foi a primeira empresa industrial do Grupo Peixoto de Castro. Pioneira no Brasil na fabricação

Leia mais

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA

ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA ANEXO IV - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÕES HIDRÁULICA NOTA: 1 - Os fabricantes dos metais e louças sanitárias deverão ser participantes do Programa Brasileiro de Qualidade

Leia mais

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido:

Nas exigências de um determinado material deve prevalecer, respectivamente, o exigido: MANUAL ESPECIAL SISTEMA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO SUBSISTEMA NORMAS E ESTUDOS DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO CÓDIGO TÍTULO FOLHA E-313.0048 EQUIPAMENTOS 1/16 1. FINALIDADE

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro Portaria nº 50, de 28 de março de 2002 O PRESIDENTE DO

Leia mais

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA CONCORRÊNCIA Nº. 002/2010 CONCORRÊNCIA Nº. 002/2010

ANEXO VI PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA CONCORRÊNCIA Nº. 002/2010 CONCORRÊNCIA Nº. 002/2010 À DME Distribuição S/A - DMED A empresa..., inscrita no CNPJ/MF sob o n..., estabelecida à Av./Rua..., n..., bairro..., na cidade de..., CEP..., telefone..., fax..., e-mail..., vem pela presente apresentar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS020 LAVAGEM DE REDES DE ÁGUA Revisão: 02 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS020 LAVAGEM DE REDES DE ÁGUA Revisão: 02 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 4.1 Lavagem de redes existentes...3 4.2 Lavagem de redes novas...3 5. Materiais

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Página 1 de 6

TERMO DE REFERÊNCIA. Página 1 de 6 TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO 1.1 Aquisição de lâmpadas tubulares de LED tipo T8 na cor branca, conforme condições, quantidades e exigências estabelecidas neste instrumento 2. OBJETIVO 2.1 Este Termo de

Leia mais

2.1. DESCRIÇÃO (VER DESENHOS Nº 15w1 e15w2 e/ou 16w1 e 16w2)

2.1. DESCRIÇÃO (VER DESENHOS Nº 15w1 e15w2 e/ou 16w1 e 16w2) 1 PRODUTO: MESAS PARA SALA DE ESPERA - Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para uso em salas de espera. 2. REQUISITOS GERAIS 2.1. DESCRIÇÃO (VER DESENHOS Nº 15w1 e15w2 e/ou 16w1 e 16w2)

Leia mais