Doenças exantemáticas DIP II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Doenças exantemáticas DIP II"

Transcrição

1 Doenças exantemáticas DIP II Profª Christiane Rangel Doenças exantemáticas Em geral infecto-contagiosas Diagnóstico essencialmente clínico Exantema é variável, de acordo com tipo de afecção: Macular Papular Vesicular Pustuloso Purpúrico 1

2 Doenças exantemáticas Varicela Sarampo Rubéola Exantema súbito ou roséola infantum Eritema infeccioso Escarlatina Enterovirose Mononucleose Dengue Herpes simples Doença de Kawasaki Varicela Vírus Herpesvirus varicellae Faixa etária 2-8 anos Rara em <3 meses proteção materna? Período de incubação dias Maior incidência em primavera e inverno 2

3 Varicela Pródromos 1-2 dias Discretos febre, cefaléia, mialgia Exantema 1ª manifestação 8-10 dias Pápulas, vesículas, pústulas e crostas (últimas não contém vírus viáveis). Prurido. Varicela 3

4 Varicela Período de contágio 1-2 dias antes do exantema até última crosta Alta contagiosidade Transmissão contato direto (gotículas), vias indiretas (mãos e roupas). Varicela Características Lesões centrípetas, evolução em surtos Polimorfismo regional Atinge mucosas e couro cabeludo Imunidade geralmente permanente Lesões restritas à pele ou acometendo diferentes órgãos (esôfago, fígado, pâncreas, rins, ureteres, útero e suprarenais). Não deixa cicatrizes residuais. 4

5 Varicela Complicações Infecção bacteriana secundária Contaminação por Estafilococos ou Estreptococos Impetigo, erisipela, celulite, septicemia Pneumonia Manifestação clínica tosse, dispnéia, cianose, hemoptise 1ª semana da doença Ausculta pobre e quadro radiológico com infiltrado nodular difuso em ambos campos pulmonares. Mais freqüente em adultos. Varicela Complicações Encefalite dias após exantema Ataxia cerebelar benigna e freqüente, podendo ser a 1ª manifestação da doença (normalmente pós-infecciosa). Manifestações hemorrágicas Trombocitopenia 1-2 semanas após início do exantema CIVD Pacientes com deficiência imunológica Curso prolongado, com erupções hemorrágicas muito extensas. Complica-se com pneumonia Alta mortalidade. 5

6 Varicela Tratamento Sintomático na maioria dos casos. Isolamento respiratório Prurido anti-histamínicos via oral. Pacientes em uso de corticosteróide reduzir a dose a níveis fisiológicos (20-50 mg de cortisona/m 2 /dia). Tratar Imunocomprometidos Adolescentes > 13 anos e adultos Contactante infectado do caso índice, sendo este grave Neonato infectado (<1 mês) Varicela Crianças que tiveram varicela com menos de 01 ano de idade podem desenvolver herpes zoster, pois não houve memória. Se varicela quando > 01 ano de idade, procurar outras causas (imunocomprometimento) 6

7 Varicela Sarampo Faixa etária pré-escolar e escolar Período de incubação 7-14 dias Pródromos 3-5 dias Febre alta, rinorréia, conjuntivite Exantema 5-7 dias Maculopapular, generalizado, crânio-caudal Descamação leve, nunca em mãos e pés 7

8 Sarampo Período de contágio Do 6º dia da incubação ao 5º dia do exantema Alta contagiosidade. Características Manchas de Köplik Imunidade duradoura. Sarampo 8

9 Sarampo Sarampo 9

10 Rubéola Faixa etária 5-14 anos Período de incubação dias Pródromos geralmente não há Exantema Macular discreto Sem confluência Sem descamação Rubéola Período de contágio 7 dias antes a 7 dias depois do exantema. Pouco contagiosa. Características Conseqüências danosas para o feto. Linfadenopatia cervical posterior e retroauricular Petéquias no palato Imunidade duradoura 10

11 Rubéola Exantema súbito ou Roseola Infantum Faixa etária 06 meses a 03 anos Período de incubação dias Pródromos 3-4 dias Febre alta, irritabilidade Exantema 1-3 dias ou horas Macular, fugaz, início no tronco, sem descamação 11

12 Exantema súbito ou Roseola Infantum Período de contágio Desconhecido Baixa contagiosidade Características Erupção surge quando cai a febre, em crise. Pode ser recorrente. Exantema súbito ou Roseola Infantum 12

13 Eritema infeccioso Faixa etária 5-12 anos Período de incubação 6-14 dias Pródromos Geralmente ausentes Exantema 7-21 dias Macular recorrente, sem descamação Eritema infeccioso Período de contágio Desconhecido Intradomiciliar ou na escola Características Exantema facial em forma de borboleta Palidez perioral 13

14 Eritema infeccioso Escarlatina Faixa etária 3-12 anos Período de incubação 2-4 dias Pródromos 12 horas a 2 dias Febre, faringite, tosse, vômitos Exantema Eritematoso e punctiforme Início nas zonas de flexão Generalização Descamação tardia de mãos e pés 14

15 Escarlatina Período de contágio 1-2 dias após início do exantema Características Palidez perioral (Filatov) Lesões mais intensas em pregas cutâneas (Pastia) Língua em framboesa Escarlatina 15

16 Enteroviroses Faixa etária menos de 2 anos Período de incubação 4-7 dias Pródromos Geralmente ausentes Às vezes, febre e faringite Exantema Eritema maculopapular discreto, às vezes urticariforme ou petequial Enteroviroses Período de contágio Variável Características Isolamento de vírus em fezes, sangue, faringe e líquor Síndrome mão-pé-boca 16

17 Enteroviroses Mononucleose Faixa etária acima de 2 anos e adolescentes Período de incubação dias Pródromos 1-2 semanas Mal-estar, fadiga, cefaléia, dor abdominal Exantema 2-7 dias Maculopapuloso difuso 17

18 Mononucleose Período de contágio Indeterminado Baixa contagiosidade Características Tríade faringite exsudativa + adenomegalia + febre prolongada Linfocitose atípica Mononucleose 18

19 Dengue Faixa etária qualquer Período de incubação 2-7 dias Pródromos 1-5 dias Febre, rinite, dores articulares Exantema 3-5 dias, recrudescente Descamação fina ou furfurácea Purpúrico, com petéquias no 2º ataque Dengue Período de contágio Necessita de vetor Características Imunidade tipo-específica Atinge regiões palmares e plantares 19

20 Dengue Herpes simples Faixa etária qualquer Período de incubação 2-12 dias Pródromos 1-2 dias Febre, às vezes Exantema 8-10 dias Vesicular, localizado, às vezes disseminado 20

21 Herpes simples Período de contágio Dos pródromos ao desaparecimento das lesões Características Não confere imunidade É recorrente Fatores desencadeantes stress, menstruação, exposição ao sol Herpes simples 21

22 Doença de Kawasaki Faixa etária 6 meses a 5 anos Período de incubação Pródromos Febre alta, prolongada Exantema. Edema palmo-plantar Conjuntivite, linfadenopatia, artrite, alterações cardiovasculares, trombocitose VHS, MUCO e proteína C elevados Doença de Kawasaki Exantema Polimorfo generalizado morbiliforme, maculopapular ou escarlatiniforme Período de contágio Características Diagnóstico clínico possível comprometimento coronariano (aneurismas) Alterações multissistêmicas Leucocitose com DE, eosinofilia e plaquetose 22

23 Doença de Kawasaki Doença de Kawasaki 23

24 Obrigada! 24

Doenças Exantemáticas em Pediatria. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria Faculdade de Medicina - UNESP

Doenças Exantemáticas em Pediatria. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria Faculdade de Medicina - UNESP Doenças Exantemáticas em Pediatria Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria Faculdade de Medicina - UNESP Doenças Exantemáticas São moléstias infecciosas nas quais a erupção cutânea é a característica

Leia mais

Imagem da Semana: Fotografia

Imagem da Semana: Fotografia Imagem da Semana: Fotografia Imagem 01. Fotografia de rosto em visão frontal Imagem 02. Fotografia de rosto em perfil Paciente do sexo feminino, 9 meses, foi trazida pela mãe à Unidade Básica de Saúde

Leia mais

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão.

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. 1 Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. SÍNDROMES OU CONDIÇÃO CLÍNICA PATÓGENOS POTENCIAIS PRECAUÇÕES EMPIRICAS Diarréia: Aguda, por provável

Leia mais

ticas Exantemáticas Varíola Sarampo Sarampo - Koplik Lucia Ferro Bricks

ticas Exantemáticas Varíola Sarampo Sarampo - Koplik Lucia Ferro Bricks Doenças Exantemáticas ticas Lucia Ferro Bricks Varíola DNA vírusv Doença a muito contagiosa Altas taxas de letalidade Complicações graves Cicatrizes Erradicada por vacina Último caso na Somália, em 1977

Leia mais

Infecções da pele. A pele integra saudável protege os tecidos subjacentes e proporciona uma excelente defesa contra os micróbios invasores

Infecções da pele. A pele integra saudável protege os tecidos subjacentes e proporciona uma excelente defesa contra os micróbios invasores Infecções da pele Infecções da pele A pele integra saudável protege os tecidos subjacentes e proporciona uma excelente defesa contra os micróbios invasores Os patógenos em geral penetram nas camadas inferiores

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Orientações gerais para as famílias Ambulatório 2016 Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de duas enfermeiras e duas auxiliares de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Aspecto Epidemiológico

Aspecto Epidemiológico Aspecto Epidemiológico O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmissível e extremamente contagiosa, muito comum na infância. A viremia, causada pela infecção, provoca uma

Leia mais

Sarampo. Rubéola (sarampo alemão)

Sarampo. Rubéola (sarampo alemão) DOENÇAS EXANTEMÁTICAS Sarampo Paramyxovirus Período de incubação: 10-14d. Período de transmissão: desde o prodromo até o fim dos sintomas Febre, tosse coriza, conjuntivite piora em 1 semana 40ºC, fotofobia,

Leia mais

Disciplina IMT 2005 Curso Bacharelado em Saúde Pública agosto de 2017

Disciplina IMT 2005 Curso Bacharelado em Saúde Pública agosto de 2017 Doenças Infecciosas de transmissão respiratória (Agudas): Influenza, Doenças exantemáticas (Sarampo e Rubéola), Meningites e Doença Meningocócica Disciplina IMT 2005 Curso Bacharelado em Saúde Pública

Leia mais

Importância do tema. Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas. Tipos básicos de exantema. Considerações sobre o diagnóstico

Importância do tema. Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas. Tipos básicos de exantema. Considerações sobre o diagnóstico Importância do tema Efeitos sobre o paciente Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas Prof. Marco Antonio Efeitos sobre os contatos Efeitos sobre a comunidade Mudança recente de padrões Considerações

Leia mais

Abordagem Diagnóstica das Doenças Exantemáticas na Infância

Abordagem Diagnóstica das Doenças Exantemáticas na Infância Revista de Medicina e Saúde de Brasília ARTIGO DE REVISÃO Abordagem Diagnóstica das Doenças Exantemáticas na Infância Diagnostic Approach of the Exanthematic diseases in Childhood Josenilson Antônio da

Leia mais

Circulação do vírus da rubéola no Brasil será monitorada pela OMS até

Circulação do vírus da rubéola no Brasil será monitorada pela OMS até Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (15). Edição 31 Aline Oliveira Araújo 1 Andréa Cunha Souza 1 Camila Manuela de Moura Sá Fortes¹ Clareanne A. Fortes Damasceno

Leia mais

30º Imagem da Semana: Fotografia

30º Imagem da Semana: Fotografia 30º Imagem da Semana: Fotografia Enunciado Lactente de 12 meses, masculino, iniciou com febre alta há 11 dias com resposta parcial a antitérmicos. Foi levado, no quarto dia, ao serviço de prontoatendimento,

Leia mais

Informe Técnico Sarampo e Rubéola

Informe Técnico Sarampo e Rubéola Informe Técnico Sarampo e Rubéola I. Introdução: O sarampo e a rubéola possuem vigilância integrada desde 1999, tornando oportuna a detecção de casos e surtos e a efetivação das medidas de controle. A

Leia mais

CAPÍTULO. Atlas de Exantemas. mas Associados à Febre. bre. CAPÍTULO e7. Atlas de Exantemas Associados à Febre. Kenneth M. Kaye Elaine T.

CAPÍTULO. Atlas de Exantemas. mas Associados à Febre. bre. CAPÍTULO e7. Atlas de Exantemas Associados à Febre. Kenneth M. Kaye Elaine T. CAPÍTULO e7 Atlas de Exantemas mas Associados à Febre bre Kenneth M. Kaye Elaine T. Kaye CAPÍTULO e7 Dada a grande amplitude da diagnose diferencial, a apresentação de um paciente com febre e exantema

Leia mais

Afastamento de pacientes com Doenças Infecto-Contagiosas

Afastamento de pacientes com Doenças Infecto-Contagiosas . INTRODUÇÃO As orientações abaixo visam minimizar contágio das doenças e devem ser fornecidas aos pacientes avaliados. A orientação de permanência em domicílio para repouso fica a critério do médico que

Leia mais

ORIENTAÇÃO DO DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE INFECTOLOGIA DA SOCEP PARA OS PEDIATRAS PARA O ENFRENTAMENTO DO SURTO DE SARAMPO NO CEARÁ

ORIENTAÇÃO DO DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE INFECTOLOGIA DA SOCEP PARA OS PEDIATRAS PARA O ENFRENTAMENTO DO SURTO DE SARAMPO NO CEARÁ ORIENTAÇÃO DO DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE INFECTOLOGIA DA SOCEP PARA OS PEDIATRAS PARA O ENFRENTAMENTO DO SURTO DE SARAMPO NO CEARÁ Revisor: Robério Dias Leite Presidente do Departamento Científico de Infectologia

Leia mais

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP n.º 019/2015 Rio de Janeiro, 03 de novembro de 2015.

Ofício Circular S/SUBPAV/SAP n.º 019/2015 Rio de Janeiro, 03 de novembro de 2015. 1 Ofício Circular S/SUBPAV/SAP n.º 019/2015 Rio de Janeiro, 03 de novembro de 2015. Às Coordenadorias Gerais de Atenção Primária com vistas às Unidades de Saúde Assunto: Procedimentos para notificação

Leia mais

PRECAUÇÕES PADRÃO Contato Respiratório (Gotículas, aerossóis)

PRECAUÇÕES PADRÃO Contato Respiratório (Gotículas, aerossóis) PRECAUÇÕES PADRÃO Contato Respiratório (Gotículas, aerossóis) 1- Precauções Padrão As Precauções Padrão (PP) representam um conjunto de medidas que devem ser aplicadas no atendimento de todos os pacientes

Leia mais

16/4/2010 NOTIFICAÇÃO SARAMPO NOTIFICAÇÃO RUBÉOLA

16/4/2010 NOTIFICAÇÃO SARAMPO NOTIFICAÇÃO RUBÉOLA Agravos Epidemiológicos Parte - 02 PROFa. MSc. MARISE RAMOS SARAMPO A notificação do sarampo é obrigatória e imediata. Deve ser realizada por telefone à secretaria municipal de saúde, dentro das primeiras

Leia mais

Casos para aprender em Dermatopediatria

Casos para aprender em Dermatopediatria Casos para aprender em Dermatopediatria Kerstin Taniguchi Abagge Professora Serviço Dermatologia Pediátrica Universidade Federal do Paraná - UFPR AGRADECIMENTOS Dra. Ursula Raphaela Lourenço Dr. Marco

Leia mais

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE HISTÓRIA CLÍNICA PARA INVESTIGAÇÃO DE URTICÁRIA DATA / / NOME GÊNERO IDADE ESTADO CIVIL RAÇA ENDEREÇO TELEFONE PROFISSÃO 1. ANTECEDENTES A) história familiar: Urticária angioedema Doenças da tireóide Asma,

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório 2015 Orientações gerais para as famílias Ambulatório Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Neonatologia para Concursos de Enfermagem

Neonatologia para Concursos de Enfermagem Oncologia Neonatologia para Concursos de Enfermagem Fernanda Coelho PNI 2017 ÚLTIMAS ATUALIZAÇÕES Prof. Enf. Hygor Elias 1 Meningocócica C (conjugada) Indicações: Meningite por Neisseria meningitidis dogrupoc

Leia mais

Imagem da Semana: Fotografia

Imagem da Semana: Fotografia Imagem da Semana: Fotografia Imagem 01. Lesões nas palmas das mãos. Imagem 02. Lesões na superfície extensora do antebraço Imagem 03. Lesão em lábio inferior. Paciente do sexo feminino, 35 anos, casada,

Leia mais

VIII - Doenças alérgicas

VIII - Doenças alérgicas VIII - Doenças alérgicas Douglas A. Rodrigues Jane Tomimori Marcos C. Floriano Sofia Mendonça SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros RODRIGUES, DA., et al. Atlas de dermatologia em povos indígenas

Leia mais

Vírus. Lúcio Tovar - Biologia

Vírus. Lúcio Tovar - Biologia Vírus Lúcio Tovar - Biologia Características gerais Vírus Acelulares Ausência de metabolismo Parasitas intracelulares obrigatórios Dependem da célula para se reproduzir Possuem material genético (DNA ou

Leia mais

Sarampo e Doenças Degenerativas

Sarampo e Doenças Degenerativas Sarampo e Doenças Degenerativas Estudo Preliminar Maria Aparecida Melo Andrade Luciana Valentini Melo Cesarini Vania Lara Crelier Romeu Carillo Junior Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Ambulatório O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de uma médica, uma enfermeira e uma auxiliar de enfermagem para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e funcionários. O primeiro atendimento

Leia mais

Curso de Capacitação de Urgência e Emergências. Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil

Curso de Capacitação de Urgência e Emergências. Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil Curso de Capacitação de Urgência e Emergências Academia Nacional de Medicina Secretaria de Estado de Saúde e Defesa Civil MARCIO NEHAB DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA INSTITUTO FERNANDES FIGUEIRA FIOCRUZ DOENÇAS

Leia mais

Identificação K.G.R.A, feminino, 4 anos de idade, residente no Município A, Bairro Nova América.

Identificação K.G.R.A, feminino, 4 anos de idade, residente no Município A, Bairro Nova América. Caso clínico 1 Identificação K.G.R.A, feminino, 4 anos de idade, residente no Município A, Bairro Nova América. História da Doença Atual Foi atendida na unidade básica do Programa de Saúde da Família no

Leia mais

Profª Drª. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina de Botucatu- Unesp

Profª Drª. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina de Botucatu- Unesp Profª Drª. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina de Botucatu- Unesp jgm@fmb.unesp.br Doença infecciosa febril aguda apresentando-se sob a forma de infecção inaparente,

Leia mais

Virologia Doenças. Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016

Virologia Doenças. Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016 Virologia Doenças Prof.: Anderson Marques de Souza Juiz de Fora 2º ano EM- 2016 Existem vírus que infectam animais, plantas, protozoários, fungos e bactérias. Exigência viral - ligação específica à célula

Leia mais

Precauções em controlo de. Maria Teresa Neto

Precauções em controlo de. Maria Teresa Neto Precauções em controlo de infecção Maria Teresa Neto Tipos de precauções Precauções universais Precauções baseadas na via de transmissão Precauções universais Indicação para serem aplicadas a todos os

Leia mais

Caracterizando as infecções

Caracterizando as infecções Semiologia e Semiotécnia em Enfermagem I Controle de Infecção Prof. Ricardo Mattos UNIG, 2009.1 Caracterizando as infecções Portaria MS 2.616 / 98, que regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar

Leia mais

Influenza (gripe) 05/07/2013

Influenza (gripe) 05/07/2013 Influenza (gripe) 05/07/2013 O que é? Doença infecciosa aguda Vírus Influenza A e B Sazonal (outono e inverno) Incubação: 1 a 4 dias Transmissibilidade: Adultos: 24h antes dos sintomas e 24h após febre

Leia mais

página: 204 Capítulo 10: Psoríase causas lesiones básicas procura índice imprimir última página vista anterior seguinte

página: 204 Capítulo 10: Psoríase causas lesiones básicas procura índice imprimir última página vista anterior seguinte Capítulo 10: Psoríase página: 204 Psoríase Aspectos clínicos página: 205 10.1 Aspectos clínicos Psoríase vulgar Forma eritematosa Psoríase muito extensa. Grandes placas confluentes, essencialmente eritematosas,

Leia mais

70 ANOS ZICKA 1947 MACACO RHESUS UGANDA-AFRICA

70 ANOS ZICKA 1947 MACACO RHESUS UGANDA-AFRICA 70 ANOS MACACO RHESUS ZICKA 1947 UGANDA-AFRICA CONTAMINAÇÃO HUMANA EM 1954 FAMILIA FLAVIVIRIDAE-FEBRE AMARELA,DENGUE MUDOU SUA CARACTERISTICA AGRESSIVO PARECIDO COM O VIRUS DA DENGUE - ZICKA IGUAL AO SOROTIPO

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

VÍRUS CAUSADORES DE INFECÇÕES EXANTEMÁTICAS

VÍRUS CAUSADORES DE INFECÇÕES EXANTEMÁTICAS VÍRUS CAUSADORES DE INFECÇÕES EXANTEMÁTICAS EXANTEMA Lesões cutâneas difusas, eritematosas, papulares, vesiculares, pustulares ou petequiais, consequência de infecção (usualmente por vírus) ou de exposição

Leia mais

Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti: dengue, chikungunya e zika. Deborah Bunn Inácio

Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti: dengue, chikungunya e zika. Deborah Bunn Inácio Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti: dengue, chikungunya e zika Deborah Bunn Inácio Investigação epidemiológica de doenças transmitidas pela fêmea do Aedes aegypti:

Leia mais

Ambulatório Sentinela de Doenças Febris Agudas / Dengue (IPEC-Fiocruz) 4 Rogério 1 A 5 Edwiges 6 outro

Ambulatório Sentinela de Doenças Febris Agudas / Dengue (IPEC-Fiocruz) 4 Rogério 1 A 5 Edwiges 6 outro 2797030031 igo / BE Código/BE Nome Ambulatório Sentinela de Doenças Febris Agudas / Dengue (IPEC-Fiocruz) Observador 1 Patricia 2 Clarisse 3 Carolina 4 Rogério 1 A 5 Edwiges 6 outro 2 B Data de Atendimento

Leia mais

Evicção Escolar. 2 de fevereiro de 2007 Mealhada

Evicção Escolar. 2 de fevereiro de 2007 Mealhada Evicção Escolar 2 de fevereiro de 2007 Mealhada O corpo humano é um ecosistema activo Partilhamos o mundo com outros seres vivos O nosso corpo é habitado Bactérias, vírus, fungos e protozoários Evoluíram

Leia mais

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014

Faringoamigdalites na Criança. Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites na Criança Thaís Fontes de Magalhães Monitoria de Pediatria 17/03/2014 Faringoamigdalites Quadro Clínico Inflamação de estruturas faríngeas com: Eritema Edema Exsudato faríngeo Úlcera

Leia mais

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito!

9º ano em AÇÃO. Assunção contra o mosquito! Paz e Bem 9º ano em AÇÃO Assunção contra o mosquito! Informações sobre o mosquito Mosquito doméstico Hábitos Reprodução Transmissão vertical DENGUE Transmissão: principalmente pela picada do mosquito

Leia mais

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS Prefeitura Municipal de Corumbá Paulo Roberto Duarte Secretária Municipal de Saúde Dinaci Vieira Ranzi Gerência de Vigilância em Saúde Viviane Campos Ametlla Coordenação

Leia mais

Erradicação Varíola América Latina. Ana Freitas Ribeiro

Erradicação Varíola América Latina. Ana Freitas Ribeiro Erradicação Varíola América Latina Ana Freitas Ribeiro Introdução Doença infecciosa aguda causada por vírus da família orthopoxvirus Origem há 3.000 anos provavelmente Índia ou Egito Epidemias importantes

Leia mais

Infecções congênitas. Prof. Regia Lira

Infecções congênitas. Prof. Regia Lira Infecções congênitas Prof. Regia Lira 12 de maio de 2015 ADAPTAÇÃO IMUNOLÓGICA MATERNO-FETAL Interpretação de resultados dos imunoensaios: Feto ou necém-nascido: sistema imune em desenvolvimento (fora

Leia mais

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE PORTARIA Nº 1.922, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE PORTARIA Nº 1.922, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE PORTARIA Nº 1.922, DE 22 DE OUTUBRO DE 2002 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições legais, e Considerando o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

PÚRPURAS E VASCULITES

PÚRPURAS E VASCULITES Púrpuras e vasculites. 5º ano MIM, Ped II, FMUC, 2015. 1 PÚRPURAS E VASCULITES Guiomar Oliveira,MD,PhD Púrpuras e vasculites. 5º ano MIM, Ped II, FMUC, 2015. 2 Sumário Púrpura:petéquiase equimoses (definição,

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE SARAMPO 25 de março de 2014 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Contexto atual Objetivos Manifestações clínicas e definições utilizadas Diagnóstico diferencial

Leia mais

b) caso este paciente venha a ser submetido a uma biópsia renal, descreva como deve ser o aspecto encontrado na patologia.

b) caso este paciente venha a ser submetido a uma biópsia renal, descreva como deve ser o aspecto encontrado na patologia. 01 Um menino de quatro anos de idade é trazido ao pronto-socorro com edema, dor abdominal e dificuldades respiratórias. Não havia história significativa de doenças desde o nascimento. Nas últimas duas

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS FAMÍLIAS AMBULATÓRIO

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS FAMÍLIAS AMBULATÓRIO ORIENTAÇÕES GERAIS PARA AS FAMÍLIAS AMBULATÓRIO O Ambulatório do Colégio Vital Brazil dispõe de uma técnica de enfermagem, para oferecer o primeiro atendimento aos alunos e colaboradores. O primeiro atendimento

Leia mais

MANIFESTAÇÕES ORAIS DE DOENÇAS EXANTEMÁTICAS INFANTIS

MANIFESTAÇÕES ORAIS DE DOENÇAS EXANTEMÁTICAS INFANTIS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA ~ MANIFESTAÇÕES ORAIS DE DOENÇAS EXANTEMÁTICAS INFANTIS MARA PATRÍCIA CARREIRAS RAMOS Dissertação orientada por: Prof.ª Doutora Paula Marques Dissertação

Leia mais

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS)

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) Versão de 2016 1. O QUE É A CAPS 1.1 O que é? A Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) compreende

Leia mais

Informativo Epidemiológico Dengue, Chikungunya e Zika Vírus

Informativo Epidemiológico Dengue, Chikungunya e Zika Vírus Informativo Epidemiológico Dengue, Chikungunya e Zika Vírus Janeiro de 216 Semana Epidemiológica 2 (3/1 a 9/1)* A Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul (SES/RS) por meio do Centro Estadual

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS NA ÁREA DE PEDIATRIA 01 Fazem parte dos critérios clínicos mai ores da dermatite atópica, exceto: A) Prurido; B) Dermatite crônica e recidivante; C) Início precoce da doença;

Leia mais

cloridrato de clindamicina Cápsula 300mg

cloridrato de clindamicina Cápsula 300mg cloridrato de clindamicina Cápsula 300mg MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE cloridrato de clindamicina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES Cápsula 300mg Embalagem contendo

Leia mais

Diagnósticos de Rua D A N N I W A N D E R S O N N O B R E C H A G A S

Diagnósticos de Rua D A N N I W A N D E R S O N N O B R E C H A G A S Diagnósticos de Rua D A N N I W A N D E R S O N N O B R E C H A G A S Homem 50 anos Febre Cefaléia e astenia HPP: Pequena úlcera cicatrizada no pé Linfadenopatia inguinal maciça bactéria Francisella tularensis

Leia mais

Otimizar o manejo de pacientes com gengivoestomatite herpética..

Otimizar o manejo de pacientes com gengivoestomatite herpética.. TE-5e Suporte às Gengivoestomatite herpética em crianças INTRODUÇÃO A gengivoestomatite é a manifestação mais comum da primo infecção pelo vírus herpes simplex (HSV) na infância, ocorrendo em 1 a 0% das

Leia mais

Síndrome de Insuficiência Respiratória Aguda Grave (SARS)

Síndrome de Insuficiência Respiratória Aguda Grave (SARS) Síndrome de Insuficiência Respiratória Aguda Grave (SARS) Dra. Patrizia Allegro Abril 2003 Definição Enfermidade recentemente descrita ( 1 caso confirmado em 2003) como doença respiratória aguda, com quadro

Leia mais

Aspectos Clínicos da Infecção pelo Vírus da Dengue

Aspectos Clínicos da Infecção pelo Vírus da Dengue Aspectos Clínicos da Infecção pelo Vírus da Dengue Embora na maioria das vezes as pessoas infectadas não apresentem quaisquer manifestações clínicas ou apresentem um quadro clínico autolimitado, em uma

Leia mais

DOENÇAS REUMÁTICAS. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS REUMÁTICAS. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS REUMÁTICAS Claudia de Lima Witzel Doenças reumáticas São inflamações que afetam a articulação em ossos, cartilagens, ligamentos e tendões. Manifestações clínicas mais frequentes: dor, edema de

Leia mais

Otimizar o manejo de pacientes com gengivoestomatite herpética..

Otimizar o manejo de pacientes com gengivoestomatite herpética.. TE-5e Suporte às Gengivoestomatite herpética em crianças INTRODUÇÃO A gengivoestomatite é a manifestação mais comum da primo infecção pelo vírus herpes simplex (HSV) na infância, ocorrendo em 13 a 30%

Leia mais

PAXORAL. (lisado bacteriano)

PAXORAL. (lisado bacteriano) PAXORAL (lisado bacteriano) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Cápsula 3,5mg e 7,0mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: PAXORAL lisado bacteriano APRESENTAÇÕES PAXORAL pediátrico Cápsula:

Leia mais

Simulado. Afecções diversas com alto índice de cobranças em Concursos Públicos

Simulado. Afecções diversas com alto índice de cobranças em Concursos Públicos Simulado Afecções diversas com alto índice de cobranças em Concursos Públicos 01) O que é considerado dengue clássica, fora de período endêmico? a) Todo caso que apresente sinais e sintomas associado à

Leia mais

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki)

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia A pneumonia é uma inflamação do pulmão. Comumente ocorre em todas as faixas etárias. É a principal causa de morte entre idosos e pessoas

Leia mais

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Bauru, SP - 2014 Série: Documentos Estatísticos Bauru, SP, agosto de 2014 EXPEDIENTE Departamento de Saúde Coletiva Divisão de Vigilância

Leia mais

I MÓDULO Grandes Síndromes Clínicas: Sinais e Sintomas 6 Semanas: 1ª a 6ª semana SEMANA DIA HORÁRIO PROF. SALA CONTEÚDO

I MÓDULO Grandes Síndromes Clínicas: Sinais e Sintomas 6 Semanas: 1ª a 6ª semana SEMANA DIA HORÁRIO PROF. SALA CONTEÚDO Distribuição Esquemática das Atividades Didáticas do Curso de Medicina - UFSJ/SEDE 4º PERÍODO Semana Unidades Curriculares Turno Seg Ter Qua Qui Sex 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 Módulo

Leia mais

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h.

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h. Carteira de Carteira de VETPRADO Hospital Veterinário 24h www.vetprado.com.br Esquema de VacinaçãoGatos V5 Panleucopenia - Rinotraqueíte - Calicivirose Clamidiose - Leucemia Felina 90Dias 111Dias Raiva

Leia mais

Vacina meningocócica C (conjugada)

Vacina meningocócica C (conjugada) Vacina meningocócica C (conjugada) Baxter Hospitalar Ltda Suspensão injetável Dose única de 0,5mL IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Vacina meningocócica C (conjugada) polissacarídeo meningocócico do grupo

Leia mais

Vigilância sindrômica - II

Vigilância sindrômica - II Vigilância sindrômica - II Vigilância Sindrômica Síndrome Febril indeterminada com manifestações íctero-hemorrágicas (aguda ou crônica) Síndrome Respiratória aguda Síndrome Neurológica Febril Síndrome

Leia mais

cloridrato de clindamicina

cloridrato de clindamicina cloridrato de clindamicina União Química Farmacêutica Nacional S/A cápsula 300 mg cloridrato de clindamicina Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999. Cápsula IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS)

Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) Versão de 2016 1. O QUE É A CAPS 1.1 O que é? A Síndrome Periódica Associada à Criopirina (CAPS) compreende

Leia mais

Vacina Influenza. Andrea Lucchesi de Carvalho Pediatra/Infectologista Pediátrica Presidente do Comitê de Infectologia Pediátrica da SMP

Vacina Influenza. Andrea Lucchesi de Carvalho Pediatra/Infectologista Pediátrica Presidente do Comitê de Infectologia Pediátrica da SMP Vacina Influenza Andrea Lucchesi de Carvalho Pediatra/Infectologista Pediátrica Presidente do Comitê de Infectologia Pediátrica da SMP Influenza Orthomyxoviridae Três tipos antigênicos: A.B e C Influenza

Leia mais

A Criança com Febre Fascículo II Prof. Dr. JAYME MURAHOVSCHI Apoio

A Criança com Febre Fascículo II Prof. Dr. JAYME MURAHOVSCHI Apoio Fascículo II Prof. Dr. JAYME MURAHOVSCHI Apoio Caro(a) Dr.(a), O estudo da febre continua sendo um permanente desafio para a Medicina. Se a investigação da febre pode ser um quadro complexo de análise

Leia mais

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

INFECÇÕES. Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto INFECÇÕES Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Definição É a colonização de um organismo hospedeiro por uma espécie estranha. Numa infecção, o organismo infectante procura utilizar os recursos do hospedeiro para

Leia mais

Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS.

Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS. Caso clínico 6 Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS. História da doença atual Em 5/2/2005 procurou a UBS com quadro de febre não aferida, cefaléia,

Leia mais

QUANTIDADE DE CRIANÇAS ATENDIDAS NA BRINQUEDOTECA HOSPITALAR DO HNSA PELOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA EM 2013.

QUANTIDADE DE CRIANÇAS ATENDIDAS NA BRINQUEDOTECA HOSPITALAR DO HNSA PELOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA EM 2013. QUANTIDADE DE CRIANÇAS ATENDIDAS NA BRINQUEDOTECA HOSPITALAR DO HNSA PELOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA EM 203. Os estagiários do curso de Pedagogia do UNEC atendem a Brinquedoteca do HNSA de segunda a

Leia mais

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA. Enfermagem na Atenção Básica Profa. Maria De La Ó Ramallo Veríssimo

INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA. Enfermagem na Atenção Básica Profa. Maria De La Ó Ramallo Veríssimo INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS AGUDAS (IRAs) NA INFÂNCIA Enfermagem na Atenção Básica - 2015 Profa. Maria De La Ó Ramallo Veríssimo IRAS NA INFÂNCIA IRAs Principal motivo de consulta e de hospitalização (30

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Caso Clínico Uma semana depois de uma famosa festa a fantasia, um aluno do 2º ano de medicina da

Leia mais

Vigilância sindrômica: Síndromes febris ictero-hemorrágicas Síndromes respiratórias

Vigilância sindrômica: Síndromes febris ictero-hemorrágicas Síndromes respiratórias Vigilância sindrômica: Síndromes febris ictero-hemorrágicas Síndromes respiratórias Estratégias de Vigilância Perfil clínico-epidemiológico e vigilância Várias doenças com apresentações sindrômicas semelhantes

Leia mais

Febre hemorrágica de evolução fatal: possível associação com varicela maligna purpúrica

Febre hemorrágica de evolução fatal: possível associação com varicela maligna purpúrica ARTIGO ORIGINAL Febre hemorrágica de evolução fatal: possível associação com varicela maligna purpúrica Hemorrhagic Fever fatal outcome: possible association with malignant purpuric chickenpox Magda Regina

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ÁREA DE CONHECIMENTO: CIRURGIA GERAL 4. Cuidados Pré, trans e pós operatório. 5. Resposta endócrina e metabólica ao trauma. 6. Infecção

Leia mais

ORIENTAÇÕES NA PROFILAXIA DA VARICELA EM AMBIENTE HOSPITALAR

ORIENTAÇÕES NA PROFILAXIA DA VARICELA EM AMBIENTE HOSPITALAR ORIENTAÇÕES NA PROFILAXIA DA VARICELA EM AMBIENTE HOSPITALAR A varicela é uma doença altamente contagiosa e a sua prevenção é fundamental no ambiente hospitalar. O HUCFF possui uma crescente população

Leia mais

Patologias Pediátricas Infeciosas Comuns Tratamento Antimicrobiano nos Cuidados de Saúde Primários

Patologias Pediátricas Infeciosas Comuns Tratamento Antimicrobiano nos Cuidados de Saúde Primários Patologias Pediátricas Infeciosas Comuns Tratamento Antimicrobiano nos Cuidados de Saúde Primários Patologia Infeciosa Antimicrobiano Dose; Via Freq. Tomas Duração tratamento Medidas adicionais Rinossinusite

Leia mais

FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA

FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA Objetivos desta aula Discutir a abordagem da criança com dispneia na

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE FEBRE DO CHIKUNGUNYA. 9 de janeiro de 2015

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE FEBRE DO CHIKUNGUNYA. 9 de janeiro de 2015 MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS DE FEBRE DO CHIKUNGUNYA 9 de janeiro de 2015 Conteúdo A infecção Definição de caso Manifestações clínicas Diagnostico diferencial Diagnóstico Manejo dos casos suspeitos A infecção

Leia mais

Ciências DST: Doença Sexualmente Transmissível

Ciências DST: Doença Sexualmente Transmissível Arquivo do autor As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) são doenças causadas por vários tipos de agentes, sendo transmitidas, principalmente, por contato sexual sem o uso de preservativo (camisinhas),

Leia mais

Inquérito epidemiológico *

Inquérito epidemiológico * ETAPA de MITIGAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Inquérito epidemiológico * A preencher pelo Delegado de Saúde da área do hospital ou pelo Delegado de Saúde de residência do doente em colaboração

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

SARAMPO. Introdução. Agente etiológico

SARAMPO. Introdução. Agente etiológico SARAMPO Introdução O sarampo, uma das afecções clássicas da infância, é uma doença aguda e autolimitada, contagio-infecciosa, exantemática, endemo-epidêmica, de etiologia virótica e alta transmissibilidade.

Leia mais

A Educação Física Adaptada e a formação inicial dos alunos do curso de Educação Física da Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

A Educação Física Adaptada e a formação inicial dos alunos do curso de Educação Física da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) A Educação Física Adaptada e a formação inicial dos alunos do curso de Educação Física da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) LIMA, Bernardo Wanderley Barbosa. Graduando - Faculdade de Educação Física/UFU

Leia mais

Asma Brônquica. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Especialização Urgência e Emergência

Asma Brônquica. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Especialização Urgência e Emergência Asma Brônquica Profº. Enfº Diógenes Trevizan Especialização Urgência e Emergência Conceito: Doença caracterizada por ataques agudos e recorrentes de dispnéia, tosse e expectoração tipo mucóide. A falta

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

Vírus e Viroses. Professora: Me Gilcele

Vírus e Viroses. Professora: Me Gilcele Vírus e Viroses Professora: Me Gilcele Características dos vírus a) Possuem um envoltório protéico que protege o material genético denominado capsídeo. b) O capsídeo pode ou não ser revestido por um envelope

Leia mais

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL

FLUISOLVAN. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL FLUISOLVAN Geolab Indústria Farmacêutica S/A Xarope Adulto 6mg/mL Infantil 3mg/mL 3. QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO? Você não deve usar Fluisolvan se tiver alergia ao ambroxol (substância ativa)

Leia mais

Especificidade das lesões dos membros inferiores

Especificidade das lesões dos membros inferiores Curso Avançado de Feridas Crónicas Especificidade das lesões dos membros LURDES FERREIRA DERMATOLOGISTA Unidade de Dermatologia Médico-Cirúrgica de Lisboa Ulcus - Centro de Estudos e Investigação em Feridas

Leia mais