Sarampo e Doenças Degenerativas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sarampo e Doenças Degenerativas"

Transcrição

1 Sarampo e Doenças Degenerativas Estudo Preliminar Maria Aparecida Melo Andrade Luciana Valentini Melo Cesarini Vania Lara Crelier Romeu Carillo Junior Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência em Homeopatia ABRAH Clínica de Homeopatia Hospital Servidor Público Municipal São Paulo - CH-HSPM-SP

2 Introdução Doença Função Doença Epidêmica

3 Objetivo Sarampo como fator protetor contra doenças degenerativas na fase adulta

4 Conceito de Doença / Epidemia Stedman Doença: - distúrbio orgânico - grupo sinais /sintomas - alterações anatômicas - agente causal identificável Epidemia: - difusão extensa - trazida de fora

5 Maffei Doença: - alterações funcionais e morfológicas - frente a fatores estranhos - falhas mecanismos adaptação e compensação Epidemia: - coletividade - influência fatores climáticos e locais que favorecem proliferação do agente causal e modificação da resistência da população

6 Hahnemann Doença: - sensações desagradáveis e manifestações irregulares - desvio da força vital - agente mórbido externo / interno Epidemia: - doença dinâmica aguda coletiva epidêmica - aparecimento súbito - curso relativamente rápido - coletividade - quadro clínico característico - uma mesma causa

7 Carillo (Teoria dos Sistemas Complexos) Doença: - instabilidade do processo vital - leva a adaptação, lesão ou morte - indica deficiências orgânicas - sistemas funcionais desativados

8 Epidemia: instabilidade de origem mista ao sistema afeta uma coletividade desencadeada por agente extrínseco específico depende de fator intrínseco comum : suscetibilidade sistemas funcionais desativados função: ativar/condicionar vias aperfeiçoar sistemas orgânicos/adaptação programas ação manutenção da estabilidade SAÚDE

9 Quadro 2: Classificação das Instabilidades quanto às suas origens (Carillo) Predominantemente Extrínsecas ao Sistema: - De caráter agudo: Mecânicas / Indisposições - De caráter crônico: Ambientais / Higienodietéticas Medicamentosas / Intoxicações Profissionais Mistas (Coletivas): - Imaturidade natural do sistema - Deficiências de relações entre diferentes níveis de padrões de organização Predominantemente Intrínsecas ao Sistema: - Agudas - Crônicas: Psora / Sicose / Sifilinismo / Tuberculinismo

10 Sarampo: Definição: universal, extremamente contagiosa infecciosa, viral, sistêmica, aguda Quadro Clínico: Período Prodrômico / Catarral: - após 10º dia de contágio / duração: 4 6 dias - manifestações catarrais oculares / vias aéreas - manchas de Koplik Período Exantemático: - lesões máculopapulosas avermelhadas - evolução crânio-caudal / duração: 3 6 dias - piora do estado geral / torpor Período de Descamação: - fenômenos inflamatórios diminuem - exantema desaparece - descamação furfurácea Sarampo Atípico: vias parcialmente ativadas

11 Complicações: 6,7% / maior incidência no 1º ano de vida causas: viral: - laringotraqueobronquite / miocardite - queratoconjuntivite/ adenite mesentérica - panencefalite esclerosante subaguda bacteriana: - otite média / sinusite / pneumonia - furunculose / úlcera de córnea desconhecida: - púrpura trombocitopênica - encefalomielite

12 Imunizaçao Ativa - Vacinas com vírus altamente atenuados - Reações: febre, exantema, otite, pneumonia hemiparesias, convulsões, infiltração gordurosa fígado - Aumento de casos em menores de 12 meses de idade - Lactentes de mães com imunidade adquirida pela vacina têm menor título de anticorpos ao nascer, que declinam rapidamente

13 Abordagem do Sarampo segundo Teoria dos Sistemas Complexos (Carillo) Definição: - instabilidade de origem mista - depende fator: extrínseco (vírus) / intrínseco (deficiências programas ação) Quadro Clínico: Período Prodrômico / Catarral: - falhas em aparelhos respiratório, digestório, ganglionar - condicionamento de programas de ação por semelhança com o Tuberculinismo e Sicose Período Exantemático / Descamação: - falhas em sistemas cutâneo e neurológico - condicionamento de programas de ação por semelhança com a Psora e Sifilinismo.

14 Material e Método - levantamento 124 prontuários - CH-HSPM-SP - janeiro / idade mínima 40 anos - não vacinados Grupo afetado - com sarampo - 80 pacientes; ± 51 anos diáteses pessoais Grupo controle - sem sarampo - 44 pacientes; ± 50 anos diáteses pessoais Teste X²

15 Tabela 1: Ocorrência das diáteses pessoais nos grupos com e sem sarampo Sarampo Tuberculinismo Sicose Psoro-artritismo Sifilismo Total Com 10 (6,0%) 52 (30,5%) 78 (46,0%) 30 (17,5%) 170 Sem 9 (8,5%) 34 (32,5%) 44 (42,0%) 18 (17,0%) 105

16 Figura 1 : Ocorrência das diáteses pessoais nos grupos com e sem sarampo

17 Comentários Doença Doença epidêmica Vacinação Vacinação+Homeopatia determinadas vias desativadas (diáteses) sistemas funcionais condicionados integralmente risco maior lesão / morte (adaptação) parcialmente risco posterior maior doenças degenerativas integralmente risco menor lesão / morte doenças degenerativas

18 - Conclusão - Em se tratando de uma análise preliminar, onde os dados amostrais ainda são quantitativamente insuficientes para um estudo estatístico, os resultados apresentam-se inconclusos.

DOENÇAS VIRAIS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA. Maria Cristina Fink

DOENÇAS VIRAIS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA. Maria Cristina Fink DOENÇAS VIRAIS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA Maria Cristina Fink O QUE É UM VÍRUS? A palavra vírus é originária do latim e significa toxina ou veneno É um microorganismo que pode infectar vários organismos

Leia mais

Doenças Exantemáticas em Pediatria. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria Faculdade de Medicina - UNESP

Doenças Exantemáticas em Pediatria. Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria Faculdade de Medicina - UNESP Doenças Exantemáticas em Pediatria Dra. Joelma Gonçalves Martin Departamento de Pediatria Faculdade de Medicina - UNESP Doenças Exantemáticas São moléstias infecciosas nas quais a erupção cutânea é a característica

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE EFICÁ- CIA E CUSTO ENTRE TRATAMENTO ALOPÁTICO E HOMEOPÁTICO DAS DOENÇAS AGUDAS DO TRATO RES- PIRATÓRIO EM PEDIATRIA

ESTUDO COMPARATIVO DE EFICÁ- CIA E CUSTO ENTRE TRATAMENTO ALOPÁTICO E HOMEOPÁTICO DAS DOENÇAS AGUDAS DO TRATO RES- PIRATÓRIO EM PEDIATRIA ESTUDO COMPARATIVO DE EFICÁ- CIA E CUSTO ENTRE TRATAMENTO ALOPÁTICO E HOMEOPÁTICO DAS DOENÇAS AGUDAS DO TRATO RES- PIRATÓRIO EM PEDIATRIA VERA REGINA LEVIEN Pediatra Clínica e Intensivista - Médica Homeopata

Leia mais

Clínica de Homeopatia do HSPM-SP

Clínica de Homeopatia do HSPM-SP Clínica de Homeopatia do HSPM-SP Transtornos Biopsicossociais da Mulher Tratamento Homeopático A Concepção Sistêmica vê o mundo em termos de relações e de integração Maísa Lemos Homem de Mello Crise e

Leia mais

Informe Técnico Sarampo e Rubéola

Informe Técnico Sarampo e Rubéola Informe Técnico Sarampo e Rubéola I. Introdução: O sarampo e a rubéola possuem vigilância integrada desde 1999, tornando oportuna a detecção de casos e surtos e a efetivação das medidas de controle. A

Leia mais

NOTA TÉCNICA AOS ENFERMEIROS DO ES RISCO DE REINTRODUÇÃO DO VIRUS DO SARAMPO

NOTA TÉCNICA AOS ENFERMEIROS DO ES RISCO DE REINTRODUÇÃO DO VIRUS DO SARAMPO PROGRAMA ESTADUAL DE IMUNIZAÇÕES E VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS IMUNOPREVENÍVEIS Referência Técnica de Doenças Exantemáticas NOTA TÉCNICA AOS ENFERMEIROS DO ES RISCO DE REINTRODUÇÃO DO VIRUS DO SARAMPO 20 de

Leia mais

ORIENTAÇÃO DO DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE INFECTOLOGIA DA SOCEP PARA OS PEDIATRAS PARA O ENFRENTAMENTO DO SURTO DE SARAMPO NO CEARÁ

ORIENTAÇÃO DO DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE INFECTOLOGIA DA SOCEP PARA OS PEDIATRAS PARA O ENFRENTAMENTO DO SURTO DE SARAMPO NO CEARÁ ORIENTAÇÃO DO DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE INFECTOLOGIA DA SOCEP PARA OS PEDIATRAS PARA O ENFRENTAMENTO DO SURTO DE SARAMPO NO CEARÁ Revisor: Robério Dias Leite Presidente do Departamento Científico de Infectologia

Leia mais

Doenças exantemáticas DIP II

Doenças exantemáticas DIP II Doenças exantemáticas DIP II Profª Christiane Rangel Doenças exantemáticas Em geral infecto-contagiosas Diagnóstico essencialmente clínico Exantema é variável, de acordo com tipo de afecção: Macular Papular

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 11 PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE VACINAS O que faz uma vacina? Estimula

Leia mais

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde

Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Prefeitura do Município de Bauru Secretaria Municipal de Saúde Bauru, SP - 2014 Série: Documentos Estatísticos Bauru, SP, agosto de 2014 EXPEDIENTE Departamento de Saúde Coletiva Divisão de Vigilância

Leia mais

RESULTADO TRABALHOS CIENTÍFICOS

RESULTADO TRABALHOS CIENTÍFICOS RESULTADO TRABALHOS CIENTÍFICOS Apresentação Titulo Modalidade Dia Horário INVESTIGAÇÃO DE SURTO DE ACINETOBACTER BAUMANNII EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL DE REFERÊNCIA EM DOENÇAS INFECCIOSAS

Leia mais

SARAMPO: Procedimentos em unidades de saúde - Programa Nacional Eliminação Sarampo

SARAMPO: Procedimentos em unidades de saúde - Programa Nacional Eliminação Sarampo NÚMERO: 004/2017 Francisco Henrique Moura George Digitally signed by Francisco Henrique Moura George DN: c=pt, o=direção-geral da Saúde, ou=direção-geral da Saúde, cn=francisco Henrique Moura George Date:

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 35/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

Influenza (gripe) 05/07/2013

Influenza (gripe) 05/07/2013 Influenza (gripe) 05/07/2013 O que é? Doença infecciosa aguda Vírus Influenza A e B Sazonal (outono e inverno) Incubação: 1 a 4 dias Transmissibilidade: Adultos: 24h antes dos sintomas e 24h após febre

Leia mais

Vacinação contra Febre Amarela em Santa Catarina. Arieli Schiessl Fialho

Vacinação contra Febre Amarela em Santa Catarina. Arieli Schiessl Fialho apresentam Vacinação contra Febre Amarela em Santa Catarina Arieli Schiessl Fialho A Doença A Febre Amarela (FA) é uma doença infecciosa febril aguda, imunoprevenível, endêmica e enzoótica nas florestas

Leia mais

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão.

Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. 1 Síndromes clínicas ou condições que requerem precauções empíricas, associadas às Precauções Padrão. SÍNDROMES OU CONDIÇÃO CLÍNICA PATÓGENOS POTENCIAIS PRECAUÇÕES EMPIRICAS Diarréia: Aguda, por provável

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 34/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório

Orientações gerais para as famílias. Ambulatório Orientações gerais para as famílias Ambulatório 2016 Orientações gerais para as famílias O Ambulatório do Colégio Albert Sabin dispõe de duas enfermeiras e duas auxiliares de enfermagem, para oferecer

Leia mais

Informe Técnico. Assunto: Informe sobre a situação do sarampo e ações desenvolvidas - Brasil, 2013.

Informe Técnico. Assunto: Informe sobre a situação do sarampo e ações desenvolvidas - Brasil, 2013. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS COORDENAÇÃO-GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS SCS, Quadra 04, Edifício Principal, 4º andar CEP:

Leia mais

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017

ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO EDITAL Nº. 17 DE 24 DE AGOSTO DE 2017 ÁREA DE CONHECIMENTO: CIRURGIA GERAL 4. Cuidados Pré, trans e pós operatório. 5. Resposta endócrina e metabólica ao trauma. 6. Infecção

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 33/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS

CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS CAPACITAÇÃO AGENTE COMUNITÁRIOS Prefeitura Municipal de Corumbá Paulo Roberto Duarte Secretária Municipal de Saúde Dinaci Vieira Ranzi Gerência de Vigilância em Saúde Viviane Campos Ametlla Coordenação

Leia mais

Gripes, Constipações e Vacinação. Com Setembro chega o frio e com este, a Gripe. Saiba como se proteger e qual a melhor maneira de lidar com ela.

Gripes, Constipações e Vacinação. Com Setembro chega o frio e com este, a Gripe. Saiba como se proteger e qual a melhor maneira de lidar com ela. Com Setembro chega o frio e com este, a Gripe. Saiba como se proteger e qual a melhor maneira de lidar com ela. Gripes, Constipações e Vacinação 1 / 13 Muitas vezes confundidas, as gripes e as constipações

Leia mais

Abrah Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência em Homeopatia

Abrah Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência em Homeopatia ROSÁRIA MARIA GIANNELLA ESTANISLAU Abrah Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência em Homeopatia Orientador Drª Maria Aparecida de Melo DESMAME PRECOCE x TUBERCULINISMO Introdução Até que ponto

Leia mais

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki)

Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia (Pneumonia Humana) (compilado por Luul Y. Beraki) Pneumonia A pneumonia é uma inflamação do pulmão. Comumente ocorre em todas as faixas etárias. É a principal causa de morte entre idosos e pessoas

Leia mais

ENXAQUECA E DISFUNÇÃO HEPÁTICA

ENXAQUECA E DISFUNÇÃO HEPÁTICA ENXAQUECA E DISFUNÇÃO HEPÁTICA Estudo Fisiopatológico e Diatésico preparatório para protocolo de pesquisa clínica HRISTOS STRATIS CONABRAH Congresso da Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência

Leia mais

Neonatologia para Concursos de Enfermagem

Neonatologia para Concursos de Enfermagem Oncologia Neonatologia para Concursos de Enfermagem Fernanda Coelho PNI 2017 ÚLTIMAS ATUALIZAÇÕES Prof. Enf. Hygor Elias 1 Meningocócica C (conjugada) Indicações: Meningite por Neisseria meningitidis dogrupoc

Leia mais

Inquérito epidemiológico *

Inquérito epidemiológico * ETAPA de MITIGAÇÃO Diagnóstico, vigilância e tratamento Inquérito epidemiológico * A preencher pelo Delegado de Saúde da área do hospital ou pelo Delegado de Saúde de residência do doente em colaboração

Leia mais

ticas Exantemáticas Varíola Sarampo Sarampo - Koplik Lucia Ferro Bricks

ticas Exantemáticas Varíola Sarampo Sarampo - Koplik Lucia Ferro Bricks Doenças Exantemáticas ticas Lucia Ferro Bricks Varíola DNA vírusv Doença a muito contagiosa Altas taxas de letalidade Complicações graves Cicatrizes Erradicada por vacina Último caso na Somália, em 1977

Leia mais

Região FC especifica Ligação com os leucócitos

Região FC especifica Ligação com os leucócitos Anticorpos Porção FAB se liga ao antígeno (variável) Cadeia Leve Região FC especifica Ligação com os leucócitos Cadeia Pesada Anticorpos apresentam 3 modos de ação: 1- Opsonização: marcação do antigeno.

Leia mais

COQUELUCHE AVALIAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ANO DE 2013

COQUELUCHE AVALIAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ANO DE 2013 CID-10: A37.9 Doença infecciosa aguda, transmissível, de distribuição universal, compromete especificamente o aparelho respiratório (traqueia e brônquios) e se caracteriza por paroxismos de tosse seca.

Leia mais

REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR?

REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR? REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR? CUIDADOS COM O PACIENTE, SEUS ACESSÓRIOS E PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS NO TRATAMENTO ALEXANDRE DE S. BARROS Enfermeiro - Radioterapia

Leia mais

A Epidemiologia Descritiva

A Epidemiologia Descritiva A Epidemiologia Descritiva A Epidemiologia no seu processo descritivo estuda a distribuição de frequências das doenças e dos agravos à saúde coletiva em função das variáveis ligadas ao tempo, ao espaço

Leia mais

Saúde é um completo estado de bem estar físico, mental e social, e não meramente ausência de doença.

Saúde é um completo estado de bem estar físico, mental e social, e não meramente ausência de doença. Saúde é um completo estado de bem estar físico, mental e social, e não meramente ausência de doença. Saúde é o estado do indivíduo cujas funções orgânicas, físicas e mentais se acham em situação normal.

Leia mais

A IMPORTANCIA DA VACINAÇÃO NA INFÂNCIA

A IMPORTANCIA DA VACINAÇÃO NA INFÂNCIA ANS - nº 312720 Unimed do Estado do Paraná Rua Antonio Camilo, 283 Tarumã 82530.450 Curitiba - PR Tel.: 41 3219.1500 SAC 0800 41 4554 Deficientes auditivos 0800 642 2009 www.unimed.coop.br/parana A IMPORTANCIA

Leia mais

Circulação do vírus da rubéola no Brasil será monitorada pela OMS até

Circulação do vírus da rubéola no Brasil será monitorada pela OMS até Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2010 (15). Edição 31 Aline Oliveira Araújo 1 Andréa Cunha Souza 1 Camila Manuela de Moura Sá Fortes¹ Clareanne A. Fortes Damasceno

Leia mais

XIV seminário de medicina interna e terapêutica da APH (Associação Paulista de Homeopatia)

XIV seminário de medicina interna e terapêutica da APH (Associação Paulista de Homeopatia) XIV seminário de medicina interna e terapêutica da APH (Associação Paulista de Homeopatia) Clínica de Homeopatia do HSPM Chefia do Prof.Dr. Romeu Carillo Jr. ABRAH 2007 Dra. Luciana Valentini de Melo DERMATOLOGIA

Leia mais

Compartilhe conhecimento: Por que motivo estamos vendo um número cada vez maior de casos de caxumba inclusive em pessoas já vacinadas?

Compartilhe conhecimento: Por que motivo estamos vendo um número cada vez maior de casos de caxumba inclusive em pessoas já vacinadas? Compartilhe conhecimento: Por que motivo estamos vendo um número cada vez maior de casos de caxumba inclusive em pessoas já vacinadas? A vacina contra caxumba com 2 doses gera produção de anticorpos na

Leia mais

Pneumonia Comunitária no Adulto Atualização Terapêutica

Pneumonia Comunitária no Adulto Atualização Terapêutica Pneumonia Comunitária no Adulto Carlos Alberto de Professor Titular de Pneumologia da Escola Médica de PósGraduação da PUC-Rio Membro Titular da Academia Nacional de Medicina Chefe do Serviço de Pneumologia,

Leia mais

DISCURSIVA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO PEDIATRIA MED. ADOLESCENTE NEONATOLOGIA CARDIOLOGIA PEDIÁTRICA

DISCURSIVA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO PEDIATRIA MED. ADOLESCENTE NEONATOLOGIA CARDIOLOGIA PEDIÁTRICA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO DISCURSIVA PEDIATRIA MED. ADOLESCENTE NEONATOLOGIA CARDIOLOGIA PEDIÁTRICA ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE COQUELUCHE NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE COQUELUCHE NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE COQUELUCHE NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY Sérgio Vital da Silva Junior Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: sergioenfe@hotmail.com Emmanuela Kethully Mota

Leia mais

Com a estação mais fria do ano chegam também muitas doenças oportunistas, que afetam principalmente o sistema respiratório.

Com a estação mais fria do ano chegam também muitas doenças oportunistas, que afetam principalmente o sistema respiratório. DE INVERNO Com a estação mais fria do ano chegam também muitas doenças oportunistas, que afetam principalmente o sistema respiratório. AS BAIXAS TEMPERATURAS TÊM EFEITO DANOSO PARA AS VIAS RESPIRATÓRIAS,

Leia mais

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES

MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES MANEJO DOS CASOS SUSPEITOS E CONFIRMADOS DE INFLUENZA NO HIAE E UNIDADES AVANÇADAS Maio de 2013 Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Conteúdo Definições atualmente utilizadas Diagnóstico Tratamento

Leia mais

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016

Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 Boletim semanal de Vigilância da Influenza/RS Semana epidemiológica 37/2016 A vigilância da Influenza é realizada por meio de notificação e investigação de casos de internações hospitalares por Síndrome

Leia mais

Vacina Influenza. Andrea Lucchesi de Carvalho Pediatra/Infectologista Pediátrica Presidente do Comitê de Infectologia Pediátrica da SMP

Vacina Influenza. Andrea Lucchesi de Carvalho Pediatra/Infectologista Pediátrica Presidente do Comitê de Infectologia Pediátrica da SMP Vacina Influenza Andrea Lucchesi de Carvalho Pediatra/Infectologista Pediátrica Presidente do Comitê de Infectologia Pediátrica da SMP Influenza Orthomyxoviridae Três tipos antigênicos: A.B e C Influenza

Leia mais

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde

Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Vigilância das Doenças Preveníveis por Imunização Vacinação do Profissional de Saúde Universidade Federal Fluminense Instituto de Saúde da Comunidade Departamento de Epidemiologia e Bioestatística Epidemiologia

Leia mais

Relação do Bloqueio Emunctorial Intestinal com o Desenvolvimento e Manutenção de Transtornos de Origem Tuberculínica

Relação do Bloqueio Emunctorial Intestinal com o Desenvolvimento e Manutenção de Transtornos de Origem Tuberculínica Homeopatia Brasileira, 4(1):461-468, 1998 Artigo original Relação do Bloqueio Emunctorial Intestinal com o Desenvolvimento e Manutenção de Transtornos de Origem Tuberculínica Relationship between constipation

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite Idiopática Juvenil Versão de 2016 2. DIFERENTES TIPOS DE AIJ 2.1 Existem tipos diferentes da doença? Existem várias formas de AIJ. Distinguem-se principalmente

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA:

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA. Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ALERGISTA QUESTÃO 21 Com relação à corticoterapia sistêmica na dermatite atópica grave, assinale a resposta CORRETA: a) não há estudos sistematizados que avaliem a

Leia mais

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h.

Carteira de VETPRADO. Hospital Veterinário 24h. Carteira de Carteira de VETPRADO Hospital Veterinário 24h www.vetprado.com.br Esquema de VacinaçãoGatos V5 Panleucopenia - Rinotraqueíte - Calicivirose Clamidiose - Leucemia Felina 90Dias 111Dias Raiva

Leia mais

Homeopatia Contemporânea

Homeopatia Contemporânea Homeopatia Contemporânea Terapêutica abrangente em evolução Prof. Romeu Carillo Junior Clínica de Homeopatia do Hospital do Servidor Público Municipal de São Paulo Associação Brasileira de Reciclagem e

Leia mais

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA

COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA COES Febre Amarela CENTRO DE OPERAÇÕES DE EMERGÊNCIAS EM SAÚDE PÚBLICA SOBRE FEBRE AMARELA INFORME Nº 39/2017 MONITORAMENTO DOS CASOS E ÓBITOS DE FEBRE AMARELA NO BRASIL INÍCIO DO EVENTO: Dezembro de 2016

Leia mais

Boletim Informativo INFLUENZA

Boletim Informativo INFLUENZA CRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Porto Alegre, 22 de Julho de 16. Boletim Informativo INFLUENZA Até a Semana Epidemiológica () 29 (3//16 a *23/7/16) foram investigados 1841 casos suspeitos de Síndrome Respiratória

Leia mais

NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017. Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo.

NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017. Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo. NOTA TÉCNICA FEBRE AMARELA SESA/ES 02/2017 Assunto: Informações e procedimentos para a vigilância de Febre Amarela no Espírito Santo. Considerando a ocorrência de casos e óbitos suspeitos de Febre Amarela

Leia mais

VÍRUS CAUSADORES DE INFECÇÕES EXANTEMÁTICAS

VÍRUS CAUSADORES DE INFECÇÕES EXANTEMÁTICAS VÍRUS CAUSADORES DE INFECÇÕES EXANTEMÁTICAS EXANTEMA Lesões cutâneas difusas, eritematosas, papulares, vesiculares, pustulares ou petequiais, consequência de infecção (usualmente por vírus) ou de exposição

Leia mais

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV

MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA. Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV MENINGITE E DOENÇA MENINGOCÓCICA Profa. Maria Lucia Penna Disciplina de Epidemiologia IV Quais são os principais agentes da meningite? Etiologia meningites Brasil 2007-2010 (fonte: SINAN) Etiologia

Leia mais

VA P CINAS ARA CRIANÇAS Dourados

VA P CINAS ARA CRIANÇAS Dourados Dourados VACINAS PARA CRIANÇAS O ato de vacinar é a forma mais fácil de proteger o organismo contra doenças infecciosas potencialmente graves e de prevenir que essas doenças sejam transmitidas a outras

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Vigilância da Influenza ALERTA PARA A OCORRÊNCIA DA INFLUENZA E ORIENTAÇÃO PARA INTENSIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE E PREVENÇÃO

NOTA TÉCNICA. Vigilância da Influenza ALERTA PARA A OCORRÊNCIA DA INFLUENZA E ORIENTAÇÃO PARA INTENSIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE E PREVENÇÃO 12 de abril de 2016 Página 1/5 VIGILÂNCIA DA INFLUENZA A vigilância da influenza no Ceará é composta pela vigilância sentinela da SG e vigilância universal da SRAG, além da vigilância de surtos de SG.

Leia mais

A ENFERMAGEM E A SAÚDE PÚBLICA

A ENFERMAGEM E A SAÚDE PÚBLICA A ENFERMAGEM E A SAÚDE PÚBLICA COLÉGIO SENES Disciplina: Saúde Pública Profº: Daniel Pires Turma: Dia: Horário: Aluno: Avaliação: / /. Trabalho: / /. Índice: Epidemiologia... 23 Endemia, Epidemia e Pandemia...

Leia mais

Epidemia de Sarampo numa Cidade Dividida*

Epidemia de Sarampo numa Cidade Dividida* F A C U L D A D E D E S A Ú D E P Ú B L I C A D E P A R T A M E N T O D E E P I D E M I O L O G I A U N I V E R S I D A D E D E S Ã O P A U L O Série Vigilância em Saúde Pública E X E R C Í C I O N º 8

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR

SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR SISTEMA RESPIRATÓRIO PROF. JAIR Fisiologia do Sistema Respiratório A respiração pode ser interpretada como um processo de trocas gasosas entre o organismo e o meio, ou como um conjunto de reações químicas

Leia mais

AIDS e DIÁTESES. Clínica de Homeopatia do Hospital do Servidor Público Municipal ABRAH-Associaçõa Brasileira de Reciclagem e Assistência em Homeopatia

AIDS e DIÁTESES. Clínica de Homeopatia do Hospital do Servidor Público Municipal ABRAH-Associaçõa Brasileira de Reciclagem e Assistência em Homeopatia AIDS e DIÁTESES Drª Bernadete de L. dos S. Peres Fernandes Drª Maria José de Souza Drª Rosangela Mendes Coelho Drª Sumiko Oura Wakabara Orientador: Dr Romeu Carillo Junior Clínica de Homeopatia do Hospital

Leia mais

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes

infectadas. O período de contagiosidade estimado estende-se do quinto dia antes Sarampo Introdução O sarampo é uma doença infecciosa aguda de alta transmissibilidade, causada por um vírus da família Paramixoviridae, gênero Morbillivirus A transmissão ocorre através de secreções e

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS DIFERENTES VACINAS PNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS

UTILIZAÇÃO DAS DIFERENTES VACINAS PNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS UTILIZAÇÃO DAS DIFERENTES VACINAS PNEUMOCÓCICAS CONJUGADAS NORMATIZAÇÃO CONJUNTA DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA (SBP) E ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMUNIZAÇÕES (SBIm) PARA USO PRÁTICO A vacina pneumocócica

Leia mais

ROTAVÍRUS Juliana Aquino

ROTAVÍRUS Juliana Aquino Juliana Aquino A infecção pelo rotavírus varia de um quadro leve, com diarréia aquosa e duração limitada à quadros graves com desidratação, febre e vômitos. Estima-se que essa doença seja responsável por

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA

EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Ciências Agrárias e Biológicas EPIDEMIOLOGIA DESCRITIVA Prof. Macks Wendhell Gonçalves Msc Epidemiologia Descritiva Devem tentar responder 5 questões

Leia mais

Púrpura Trombocitopênica Idiopática (PTI): relato de caso clínico em paciente jovem no município de Maringá-PR

Púrpura Trombocitopênica Idiopática (PTI): relato de caso clínico em paciente jovem no município de Maringá-PR Púrpura Trombocitopênica Idiopática (PTI): relato de caso clínico em paciente jovem no município de Maringá-PR RITA CRISTINA DA SILVA CARDOSO(UNINGÁ) 1 KELLER FRANCIELLI POSSO(G-UNINGÁ ) ² TATIANE MESQUITA

Leia mais

Conceito saúde-doença. História natural das doenças

Conceito saúde-doença. História natural das doenças Conceito saúde-doença História natural das doenças HEP0142_Aula2_2017 Conceitos de Saúde Saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não meramente a ausência de doença ou de fragilidade

Leia mais

Caracterizando as infecções

Caracterizando as infecções Semiologia e Semiotécnia em Enfermagem I Controle de Infecção Prof. Ricardo Mattos UNIG, 2009.1 Caracterizando as infecções Portaria MS 2.616 / 98, que regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar

Leia mais

Envelhecimento e Doenças Reumáticas

Envelhecimento e Doenças Reumáticas Envelhecimento e Doenças Reumáticas Armando Malcata CHUC XVII Forum de Apoio ao Doente Reumático Envelhecimento e Doenças Reumáticas Variações demográficas e sociais. Impacto crescente; multidimensional.

Leia mais

CONTRIBUTO PARA A SAÚDE PÚBLICA

CONTRIBUTO PARA A SAÚDE PÚBLICA CONTRIBUTO PARA A SAÚDE PÚBLICA REDUÇÃO DA MORBILIDADE E MORTALIDADE Os programas de vacinação têm tido um impacto significativo sobre a redução da mortalidade e morbilidade de inúmeras doenças infecciosas

Leia mais

Meningite: O que você PRECISA SABER

Meningite: O que você PRECISA SABER SUBS ECRE TARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS E IMONUPREVENÍVEIS GERÊNCIA DE

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HOMEOPATIA - APH

PROGRAMA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HOMEOPATIA - APH 1 PROGRAMA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HOMEOPATIA - APH DISCIPLINAS E TÓPICOS DE CONTEÚDOS: I - FILOSOFIA HOMEOPÁTICA: Histórico Similitude Experimentação no Homem São Doses Mínimas Medicamento Único

Leia mais

12/04/ /04/2017 SARAMPO: Procedimentos em unidades de saúde - Programa Nacional Eliminação Sarampo Sarampo; VASPR

12/04/ /04/2017 SARAMPO: Procedimentos em unidades de saúde - Programa Nacional Eliminação Sarampo Sarampo; VASPR NORMA NÚMERO: 004/2017 DATA: ATUALIZAÇÃO: ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: 12/04/2017 26/04/2017 SARAMPO: Procedimentos em unidades de saúde - Programa Nacional Eliminação Sarampo Sarampo; VASPR PARA: CONTACTOS:

Leia mais

Nome: 2º ANO A Nº Disciplina Biologia Professor: Marcelo Corte Real

Nome: 2º ANO A Nº Disciplina Biologia Professor: Marcelo Corte Real Data: Bimestre : 3º Nome: 2º ANO A Nº Disciplina Biologia Professor: Marcelo Corte Real : Valor da Prova / Atividade: 2,0 Nota: Objetivo / Instruções: Lista de Exercicios 3 Bimestre 1. Diferencie Soro

Leia mais

Síndrome de Insuficiência Respiratória Aguda Grave (SARS)

Síndrome de Insuficiência Respiratória Aguda Grave (SARS) Síndrome de Insuficiência Respiratória Aguda Grave (SARS) Dra. Patrizia Allegro Abril 2003 Definição Enfermidade recentemente descrita ( 1 caso confirmado em 2003) como doença respiratória aguda, com quadro

Leia mais

Importância do tema. Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas. Tipos básicos de exantema. Considerações sobre o diagnóstico

Importância do tema. Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas. Tipos básicos de exantema. Considerações sobre o diagnóstico Importância do tema Efeitos sobre o paciente Diagnóstico diferencial das Doenças exantemáticas Prof. Marco Antonio Efeitos sobre os contatos Efeitos sobre a comunidade Mudança recente de padrões Considerações

Leia mais

ICTERÍCIA FISIOLÓGICA NEONATAL E SUA RELAÇÃO COM O SIFILINISMO

ICTERÍCIA FISIOLÓGICA NEONATAL E SUA RELAÇÃO COM O SIFILINISMO ICTERÍCIA FISIOLÓGICA NEONATAL E SUA RELAÇÃO COM O SIFILINISMO Dra. Silvia Bardella Marano Orientador : Dr. Romeu Carillo Jr. Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência em Homeopatia ABRAH Unidade

Leia mais

INFLUENZA: PREPARAÇÃO PARA A TEMPORADA 2016

INFLUENZA: PREPARAÇÃO PARA A TEMPORADA 2016 1 INFLUENZA: PREPARAÇÃO PARA A TEMPORADA 216 2 SUMÁRIO Gripe (influenza) como problema de saúde pública Vigilância Alerta e Preparação dos serviços de saúde Vacinação contra a gripe Comunicação GRIPE (INFLUENZA)

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE UniRV NORMAS COMPLEMENTARES AO EDITAL Nº 03 DE 2016 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE 1 DA UNIRV O Reitor da UniRV, no uso de suas atribuições legais, na forma do que dispõe

Leia mais

FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA

FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA FUPAC Araguari Curso de medicina. Disciplina Saúde Coletiva II 7º período. Prof. Dr. Alex Miranda Rodrigues. A CRIANÇA COM DISPNÉIA Objetivos desta aula Discutir a abordagem da criança com dispneia na

Leia mais

Febre Amarela: O que você precisa saber sobre a doença

Febre Amarela: O que você precisa saber sobre a doença Febre Amarela: O que você precisa saber sobre a doença A febre amarela vem preocupando a sociedade brasileira. O número de casos no Brasil é o maior desde 1980. A OMS (Organização Mundial de Saúde) incluiu

Leia mais

GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO

GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO NOTA TÉCNICA 02/2016 Belo Horizonte, 26 de Janeiro de 2016 GRUPO BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE RISCO Diretor-Presidente Welfane Cordeiro Júnior Diretora Maria do Carmo Paixão Rausch Equipe técnica: Cíntia

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 16 1 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO Nobilis Gumboro 228E 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substância(s) ativa(s): Cada frasco contém por

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY. Convocação dos empregados EBSERH para apresentação do Cartão de Vacina

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY. Convocação dos empregados EBSERH para apresentação do Cartão de Vacina Convocação dos empregados EBSERH para apresentação do Cartão de Vacina Venho através desse memorando convocar os profissionais da EBSERH para apresentação ao SOST do CARTÃO DE VACINA e CÓPIA do mesmo.

Leia mais

O INVERNO ESTÁ CHEGANDO Temos que dobrar os cuidados

O INVERNO ESTÁ CHEGANDO Temos que dobrar os cuidados O INVERNO ESTÁ CHEGANDO Temos que dobrar os cuidados Com o inverno se aproximando o risco de transmissão de doenças respiratórias aumenta, por isso temos que dobrar os cuidados nessa época. Vejamos juntos

Leia mais

Infecções da pele. A pele integra saudável protege os tecidos subjacentes e proporciona uma excelente defesa contra os micróbios invasores

Infecções da pele. A pele integra saudável protege os tecidos subjacentes e proporciona uma excelente defesa contra os micróbios invasores Infecções da pele Infecções da pele A pele integra saudável protege os tecidos subjacentes e proporciona uma excelente defesa contra os micróbios invasores Os patógenos em geral penetram nas camadas inferiores

Leia mais

Chikungunya: o próximo desafio

Chikungunya: o próximo desafio Chikungunya: o próximo desafio Febre do Chikungunya É uma doença infecciosa febril, causada pelo vírus Chikungunya: CHIKV O nome chikungunya deriva de uma palavra em Makonde (língua do grupo Banto) que

Leia mais

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial

Toxoplasmose. Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii. Único agente causal da toxoplasmose. Distribuição geográfica: Mundial Toxoplasmose Zoonose causada por protozoário Toxoplasma gondii Único agente causal da toxoplasmose Distribuição geográfica: Mundial Hospedeiros: a) Hospedeiros finais ou definitivos: - felideos (gato doméstico

Leia mais

Leucogen. Aché Laboratórios Farmacêuticos. Xarope 20 mg/5 ml

Leucogen. Aché Laboratórios Farmacêuticos. Xarope 20 mg/5 ml Leucogen Aché Laboratórios Farmacêuticos Xarope 20 mg/5 ml Excipientes: ácido cítrico monoidratado, aroma de caramelo, benzoato de sódio, corante caramelo, sorbitol e água purificada. BULA PARA PACIENTE

Leia mais

Disciplina IMT 2005 Curso Bacharelado em Saúde Pública Agosto 2017

Disciplina IMT 2005 Curso Bacharelado em Saúde Pública Agosto 2017 Doenças Infecciosas de transmissão respiratória (Agudas): Influenza, Doenças exantemáticas (Sarampo e Rubéola), Meningites e Doença Meningocócica Disciplina IMT 2005 Curso Bacharelado em Saúde Pública

Leia mais

Sumário Detalhado. PARTE I Gerenciamento de riscos 21. PARTE II Patologia da lesão esportiva 177. Capítulo 4 Equipamento de proteção 116

Sumário Detalhado. PARTE I Gerenciamento de riscos 21. PARTE II Patologia da lesão esportiva 177. Capítulo 4 Equipamento de proteção 116 Sumário Detalhado PARTE I Gerenciamento de riscos 21 Capítulo 1 Técnicas de condicionamento 22 A relação entre os fisioterapeutas esportivos e os preparadores físicos 23 Princípios do condicionamento 23

Leia mais

Biologia. Transplantes e Doenças Autoimunes. Professor Enrico Blota.

Biologia. Transplantes e Doenças Autoimunes. Professor Enrico Blota. Biologia Transplantes e Doenças Autoimunes Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia HEREDITARIEDADE E DIVERSIDADE DA VIDA- TRANSPLANTES, IMUNIDADE E DOENÇAS AUTOIMUNES Os transplantes

Leia mais

Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD)

Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD) www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Deficiência de mevalonato quinase (MKD) (ou síndrome Hiper-IgD) Versão de 2016 1. O QUE É A MKD 1.1 O que é? A deficiência de mevalonato quinase é uma doença

Leia mais

GRIPE PERGUNTAS E RESPOSTAS

GRIPE PERGUNTAS E RESPOSTAS GRIPE PERGUNTAS E RESPOSTAS Este é um tema que ainda hoje merece muita atenção. Assim, com o objetivo de divulgar informações repassadas pelo Ministério da Saúde, organizamos este texto em forma de perguntas

Leia mais