FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ELETRICIDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ELETRICIDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos"

Transcrição

1 FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ELETRICIDADE Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos

2 UNIDADE II Cargas elétricas em movimento Resistividade Potencial elétrico e corrente elétrica Circuitos elétricos Lei de Ohm Lei das Malhas de Kirchoff Lei dos Nós de Kirchoff

3 CORRENTE ELÉTRICA Um condutor (geralmente metálico) é o material que tem como característica a existência de elétrons livres em sua estrutura. Quando este condutor é conectado a um polo positivo de um lado e a um polo negativo do outro, esses elétrons inicialmente livres e com movimentos desordenados iniciam um movimento ordenado e em apenas um sentido - a corrente elétrica. Assim podemos definir corrente elétrica como um movimento ordenado de cargas elétricas quando um condutor é submetido à um campo elétrico (ou a uma ddp). Isso também pode acontecer em um condutor líquido (um sistema com íons positivos e negativos).

4 CORRENTE ELÉTRICA CONVENCIONAL [1] O sentido da corrente elétrica é sempre do polo positivo para o polo negativo. Isto parece uma contradição, e realmente é. Por esse motivo, na física, considera-se que uma carga elétrica negativa movendose em um certo sentido equivale a uma carga positiva de mesmo valor, movendo-se em sentido contrário. Assim, o sentido da corrente elétrica convencional é exatamente oposto ao sentido da corrente elétrica real. Em todos os livros de física, eletricidade e eletromagnetismo, qualquer referência à corrente elétrica significa a corrente elétrica convencional.

5 CORRENTE ELÉTRICA CONVENCIONAL [2]

6 INTENSIDADE DA CORRENTE [1] Se pudéssemos observar os elétrons que passam por uma seção transversal de um fio, e se conseguirmos medir a quantidade média de elétrons que passam por esta secção de fio em um determinado tempo, chegamos ao conceito de intensidade da corrente elétrica. Assim, a intensidade média da corrente elétrica i num condutor em um intervalo de tempo Δt, é definido como i = Q/Δt No sistema internacional de unidade, a corrente elétrica é medida em ampère* (A). Em outras palavras, 1A = 1C / 1s, ampère é definido como coulomb por segundo (1A = 1 C/s).

7 INTENSIDADE DA CORRENTE [2] No caso de condutores iônicos, participam da corrente elétrica tanto cargas positivas (os cátions) como cargas negativas (os ânions). Assim o valor absoluto de Q será o módulo da soma das cargas positivas e negativas. A unidade de medida de corrente elétrica é uma homenagem a André Marie Ampère ( ), físico francês, nascido em Lyon, e considerado como um dos fundadores do eletromagnetismo. Criança prodígio que dominava a matemática desde os 12 anos, tornou-se posteriormente professor de Matemática, Física e Química em instituições de ensino superior de seu país.

8 INTENSIDADE DA CORRENTE [3] Então já sabemos que a quantidade de elétrons que passa por uma determinada secção de um fio em um determinado intervalo de tempo chama-se corrente elétrica. Quanto maior for esta quantidade de elétrons e quanto menor for o intervalo de tempo, maior será a intensidade da corrente elétrica. É preciso lembrar que o movimento desses elétrons ao longo do fio tem um sentido, mas esse movimento não é retilíneo e nem uniforme. Por este motivo um fio esquenta quando passa uma corrente elétrica por ele. Nós vamos ver este conceito quando estudarmos o conceito de resistividade.

9 CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA [1] Corrente contínua (CC = Corrente Contínua ou DC = Direct Current no equivalente em inglês) e corrente alternada (CA = Corrente Alternada ou AC = Alternating Current no equivalente em inglês) são duas maneiras (ou dois sistemas) diferentes de coordenar o fluxo de elétrons dentro de um circuito elétrico. Uma corrente é considerada contínua quando o fluxo dos elétrons passa pelo fio do circuito sempre em um mesmo sentido, ou seja, é sempre positiva ou sempre negativa, circulando no sentido do polo positivo para o polo negativo (sentido convencional da corrente).

10 CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA [2] A maior parte dos circuitos eletrônicos (de baixa tensão) trabalha com corrente contínua, sendo as pilhas e as baterias os melhores exemplos de fontes deste tipo de corrente. A corrente alternada é caracterizada por um fluxo alternado no sentido dos elétrons. Neste contexto, eles estão mudando de direção a todo momento. A frequência de mudança depende da geração. Na grande maioria dos países, esta frequência é de 60 Hz (60 Hertz, que equivale a 60 ciclos por segundo). Para o Paraguai, por exemplo, a frequência de geração de energia elétrica é de 50 Hz.

11 CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA [3] É essa variação que permite a geração de campos magnéticos que permite o funcionamento dos transformadores de uma subestação, que são interligados a uma linha de transmissão. O problema com o sistema de corrente contínua é que nele não há alternância, não permitindo o funcionamento dos transformadores. Desse modo, a energia elétrica não pode seguir muito longe, porque seria necessário condutores de grosso calibre. Por essa razão, a corrente contínua é usada em pilhas e baterias ou para percorrer circuitos internos de aparelhos eletrônicos, como o de um computador.

12 CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA [4] A corrente contínua não é adequada para transportar energia a longas distâncias, como entre uma usina e uma cidade. Caso o ser humano tivesse insistido em transmitir energia a longas distâncias por meio da corrente contínua, seria necessário a construção de usinas produtoras de energia elétrica a cada dois ou três quilômetros. O final do século XIX presenciou um episódio curioso em meio à descoberta da energia elétrica e suas propriedades, que foi a chamada "Guerra das Correntes".

13 CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA [5] Os EUA começou a utilizar gradualmente a eletricidade para substituir a energia das máquinas a vapor nas fábricas e o gás na iluminação das casas. Nesse contexto surgiu a dúvida se o melhor sistema de geração e transmissão de energia elétrica era a corrente contínua, desenvolvida por Thomas Edison ou a corrente alternada de Nicola Tesla, bancada pelo empresário George Westinghouse. Em meio à disputa seguiram-se desdobramentos surpreendentes, em que Edison, para provar o "risco" da corrente alternada, chegava a eletrocutar animais com CA em exposições públicas.

14 CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA [6] Edison chegou ainda a criar a cadeira elétrica para execução de pena capital utilizando um gerador de Westinghouse, como modo de embaraçar o concorrente e mostrar os perigos da corrente alternada. No fim, o sistema de Tesla e Westinghouse prevaleceu para a transmissão de eletricidade a grandes distâncias, e a corrente contínua permaneceu eficaz no campo da eletro-eletrônica.

15 CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA [7]

16 CIRCUITOS ELÉTRICOS SIMPLES [1] Quando ligamos os polos de uma bateria por meio de um fio condutor, criamos o circuito elétrico mais simples de todos, porque uma corrente elétrica é estabelecida através do fio. Como aprenderemos em breve, não devemos ligar diretamente os polos de uma bateria por meio de um fio, porque a resistência de um fio condutor é muito pequena, e um circuito criado dessa maneira vai colocar esta bateria em uma situação conhecida como curto-circuito.

17 CIRCUITOS ELÉTRICOS SIMPLES [2]

18 CIRCUITOS ELÉTRICOS SIMPLES [3] Todo circuito elétrico tem uma fonte de tensão (necessária para empurrar os elétrons e criar um corrente elétrica) e uma resistência elétrica. Em nossos circuitos elétricos, esta fonte de tensão pode ser contínua (representada pelas baterias e pilhas) ou alternada. Na figura anterior vimos a representação de uma fonte contínua. O traço maior em cima do traço menor indica que há uma diferença de potencial maior, que estabelece uma corrente elétrica no sentido do traço menor. No slide seguinte veremos alguns exemplos.

19 SÍMBOLOS USADOS EM CIRCUITOS [1] Fontes de tensão contínuas Fonte de tensão alternada Resistência (ou resistor) Aterramento (ou terra)

20 SÍMBOLOS USADOS EM CIRCUITOS [2] Capacitores Indutores

21 RESISTÊNCIA ELÉTRICA [1] Todo condutor possui elétrons livres em sua estrutura. Quando esse condutor com extremidades A e B é submetido a uma diferença de potencial elétrico V AB (resultante de um campo elétrico), uma corrente elétrica passará através dele. Os elétrons acelerados por essa ddp em um certo sentido vão colidindo com a estrutura do condutor (átomos e moléculas), sofrendo assim uma certa oposição à passagem da corrente elétrica. Quanto maior for a oposição à passagem da corrente, maior é a resistência e menor é a corrente.

22 RESISTÊNCIA ELÉTRICA [2]

23 RESISTÊNCIA ELÉTRICA [3]

24 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES [1] Qualquer trecho de um circuito elétrico representado por uma linha cheia significa que este trecho possui um resistência elétrica muito pequena, a ponto de podermos considerá-la desprezível (R=0). Na figura ao lado, os trechos AB e CD possuem resistência nula, ou seja, R AB =0 e R CD =0.

25 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES [2] Qualquer trecho de um circuito elétrico que possua resistência elétrica é chamado de resistor, ou seja, o termo resistor é sinônimo de resistência elétrica. Na figura ao lado, o trecho BC possui uma resistência elétrica R 1, ou seja, R BC =R 1. Em outras palavras, R 1 é um resistor porque possui resistência elétrica.

26 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES [3] Qualquer trecho de um circuito elétrico que possua uma fonte de tensão contínua (polarizada + e -) vai produzir uma corrente elétrica i, cujo sentido convencional será de + para -. Na figura ao lado, o trecho AD representa uma fonte de tensão contínua cuja ddp cria uma corrente i.

27 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO [1] 1. Uma lâmpada de filamento é ligada na energia elétrica de uma casa, com uma tensão de 110 V. Por este filamento começa a passar uma corrente de 1,1A. Qual é a resistência desse filamento? 2. Se esta mesma lâmpada for ligada aos polos de uma bateria de carro (12 V), qual é o valor da corrente elétrica que vai passar através desta lâmpada? 3. Se esta mesma lâmpada for ligada a uma bateria de tensão desconhecida, e pelo filamento passar uma corrente de 0,11 A, qual é a tensão desta bateria?

28 FATORES QUE AFETAM A RESISTÊNCIA 1. A resistência de um condutor é diretamente proporcional ao seu comprimento. Isso significa que quanto maior for o condutor, maior será a sua resistência. Quanto menor o condutor, menor é a sua resistência. 2. A resistência de um condutor é inversamente proporcional à área de sua seção reta. Isso significa que quanto mais fino é o condutor, maior é a sua resistência. Quanto mais grosso é o condutor, menor é a sua resistência. 3. A resistência de um condutor depende do material do qual ele é feito.

29 RESISTIVIDADE DE UM MATERIAL [1]

30 RESISTIVIDADE DE UM MATERIAL [2] Da relação anterior, chegamos às seguintes conclusões: Uma substância conduzirá melhor a eletricidade se o valor da sua resistividade for menor, ou seja, existe uma relação direta de proporcionalidade entre resistência e resistividade. A resistência é diretamente proporcional ao comprimento do condutor. A resistência é inversamente proporcional à área da seção reta do condutor.

31 RESISTIVIDADE DE UM MATERIAL [3]

32 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO [2]

33 Lei de Ohm [1] O físico alemão Georg Ohm realizou diversas experiências com diversos materiais. Basicamente, ele montou um circuito como o mostrado abaixo:

34 Lei de Ohm [2]

35 Associação de Resistências em Série [1] Considere o circuito elétrico mostrado abaixo:

36 Associação de Resistências em Série [2] Na situação mostrada na figura anterior, sobre o resistor R 1 temos uma tensão V AB. De forma análoga, sobre o resistor R 2 temos uma tensão V BC e sobre o resistor R 3 temos uma tensão V CD. Logo, a tensão V AD = V AB + V BC + V CD. Uma vez que a corrente i que passa pelos três resistores é a mesma, pode-se escrever: V AB = R 1.i V BC = R 2.i V CD = R 3.i Podemos trocar as três resistências (R1, R2 e R3) por uma única resistência R, que chamaremos de resistência equivalente.

37 Associação de Resistências em Série [3] Assim, a tensão V AD = V AB + V BC + V CD é equivalente a escrever V AD = R 1.i + R 2.i + R 3.i Colocando em evidência, temos: V AD = (R 1 + R 2 + R 3 ).i Como vimos anteriormente, R = R 1 + R 2 + R 3 Logo V AD = R.i Assim, quando temos diversas resistências em série, a resistência equivalente é a soma das resistências individuais.

38 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO [3] 1. Dado o circuito abaixo, calcule a resistência equivalente desse circuito. 2. Considerando o mesmo circuito, calcule a tensão da fonte, sabendo que a corrente que passa por este circuito é i = 2,2 A. 3. Considerando o mesmo circuito, calcule o que aconteceria com a corrente do circuito se todos os resistores fossem trocados por outros com o dobro da resistência elétrica.

39 Associação de Resistências em Paralelo [1] Considere o circuito elétrico mostrado abaixo:

40 Associação de Resistências em Paralelo [2] Na situação mostrada na figura anterior, sobre o resistor R 1 temos uma tensão V AB. De forma análoga, sobre o resistor R 2 temos uma tensão V CD e sobre o resistor R 3 temos uma tensão V EF. Entretanto, a tensão é a mesma nos três casos, ou seja: V AB = V CD = V EF Podemos trocar as três resistências (R1, R2 e R3) por uma única resistência R, que chamaremos de resistência equivalente. Nesse caso, a resistência equivalente é calculada da seguinte maneira:

41 Associação de Resistências em Paralelo [3]

42 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO [4] 1. Dado o circuito abaixo, calcule a resistência equivalente desse circuito. 2. Considerando o mesmo circuito, calcule a corrente i total que passa pela resistência equivalente R, sabendo que a tensão V vale 2,4 V. 3. Considerando o mesmo circuito, calcule o valor das correntes i 1 e i 2 que passam por cada resistor, considerando R 1 = 4Ω e R 2 = 6 Ω.

43 Fontes de Tensão e Fontes de Corrente [1] Uma fonte de tensão é aquela que consegue manter a tensão constante em seus terminais. Assim, no circuito abaixo, a fonte de tensão irá manter uma tensão V constante em seus terminais. A corrente vai depender da carga (geralmente um resistor) ligada em seus terminais. V

44 Fontes de Tensão e Fontes de Corrente [2] Uma fonte de corrente é aquela que mantém uma corrente constante independente da carga ligada nela. Entretanto, a tensão em cima dessa fonte irá variar em função da carga que está ligada nela.

45 Fontes de Tensão e Fontes de Corrente [3] Em um circuito elétrico pode haver mais de uma fonte. A associação de fontes leva em conta as seguintes premissas: 1. Toda vez que tivermos mais de uma fonte de tensão em uma mesma malha de um circuito, elas estarão sempre em série, e a fonte de tensão resultante é a soma das fontes de tensão individuais. 2. Toda vez que tivermos mais de uma fonte de corrente em um circuito, elas estarão sempre em paralelo, e a fonte de corrente resultante é a soma das fontes de corrente individuais.

46 Potência dissipada em um circuito [1] A potência dissipada em um circuito ou em uma parte dele está relacionada à variação da energia em relação ao tempo. Em um circuito elétrico resistivo, a potência P dissipada em um resistor R será P = V.i onde: P Potência dissipada em um resistor R V Tensão nos terminais do resisitor R i Corrente que passa pelo resistor R A potência dissipada é medida em V.A (Volt.Àmpere). No caso de circuitos resistivos, 1 V.A é igual a 1 W (watt)

47 Potência dissipada em um circuito [2]

48 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO [5] 1. Uma lâmpada incandescente apresenta em seu rótulo as seguintes informações técnicas: 60 W e 120 V. A partir desses dados, calcule o valor da corrente elétrica i que passa por esta lâmpada quando ela está ligada e a resistência R dessa lâmpada. 2. Uma lâmpada incandescente está ligada em uma sala em uma tensão de 120V. Sabendo-se que esta lâmpada possui um resistência de 96Ω, calcule o valor da potência dissipada por esta lâmpada, e o valor da corrente que passa por esta lâmpada. 3. No exercício 2, suponha que eu trocasse a lâmpada incandescente por uma de LED com potência de iluminação equivalente (15W). Qual é a resistência dessa lâmpada? Qual é o valor da corrente que passa por esta lâmpada? Se eu gastasse R$40,00 para manter a lâmpada antiga ligada durante um mês, quanto eu gastaria se eu a trocasse por essa lâmpada de LED?

49 Lei dos Nós e Lei das Malhas de Kirchhoff [1] O físico alemão Gustav Kirchhoff descobriu no século XIX que o princípio da conservação da energia pode ser aplicado aos circuitos elétricos. Isso resultou em duas leis que levam o seu nome: 1. Primeira Lei de Kirchhoff - Lei dos Nós: A soma de todas as correntes que passam por um nó de um circuito elétrico é sempre zero. 2. Segunda Lei de Kirchhoff Lei das Malhas: A soma algébrica de todas as forças eletromotrizes (fem) de uma malha de um circuito elétrico é sempre igual a soma de todas as quedas de potencial ao longo dessa malha. Em outras palavras, a soma de todas as tensões ao longo de uma malha é sempre igual a zero.

50 Lei dos Nós e Lei das Malhas de Kirchhoff [2] Para entender a Lei dos Nós de Kirchhoff, temos antes que definir o que é um nó. Em um circuito elétrico, define-se nó como o encontro de, no mínimo, três fios condutores. Da mesma maneira, para se entender a Lei das Malhas de Kirchhoff, temos também que definir o que é uma malha. Em um circuito elétrico, malha é todo caminho fechado através do qual um corrente elétrica pode circular. Outra definição útil em circuitos elétricos é ramo. Define-se ramo de um circuito como parte de uma malha, geralmente (mas não necessariamente) entre dois nós. A característica fundamental de um ramo de circuito é que, ao longo de um ramo, a corrente elétrica é a mesma.

51 Lei dos Nós e Lei das Malhas de Kirchhoff [3] Voltando à Lei dos Nós de Kirchhoff, já sabemos que a soma de todas as correntes que passam por um nó é igual a zero. Por convenção, toda corrente que entra em um nó é positiva, e toda corrente que sai de um nó é negativa. Veja o trecho de circuito abaixo: O ponto A é um nó. Por esse nó passam 4 correntes: i1=1a; i2=?; i3=2a; e i4=4a. O único valor de resistor conhecido é o do resistor R2=6Ω. A partir deste trecho de circuito, pede-se a tensão no resistor R2. Sabemos que i1 + i2 + i3 + i4 = 0. Assim: (-1) + i2 + (2) + (-4) = 0 i2 3 = 0 Logo, i2 = 3A. Como V = R.i V = R2.i2 Logo, V(R2) = 6.3 V(R2) = 18V

52 Lei dos Nós e Lei das Malhas de Kirchhoff [4] Voltando à Lei das Malhas de Kirchhoff, já sabemos que a soma de todas as tensões que passam por uma malha é igual a zero. Por convenção, percorremos uma malha começando a partir do ponto de menor potencial até fechar todo o circuito. Veja a malha de circuito abaixo: Começando a partir do ponto D (ponto de menor potencial do circuito) e percorrendo toda a malha a partir do sentido da corrente, teremos: -V + R1.i + R2.i = 0 V = R1.i + R2.i

53 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO [6] 1. Dado o circuito abaixo, e sabendo que a tensão da fonte V vale 10V, o resistor R1 vale 2Ω, o resistor R2 vale 1Ω e que a fonte de corrente fornece uma corrente i = 4A, calcule as correntes i1 e i2 que circulam nas duas malhas.

54 EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO [7] 1. Dado o circuito abaixo, e sabendo que: a fonte de tensão E1 vale 20 V; a fonte de tensão E2 vale 5 V; a fonte de tensão E3 vale 10 V; R1 vale 3 Ω; R2 vale 2 Ω; R3 vale 3 Ω; R4 vale 3 Ω; R5 vale 2 Ω. Calcule a tensão entre os pontos A e B do circuito.

55 EXERCÍCIO PROPOSTO [1] (UFPA) No circuito abaixo, I = 2A, R = 2Ω, E1 = 10V, r1 = 0,5Ω, E2 = 3 V e r2 = 1 Ω. Sabendo que o potencial no ponto A é de 4V, podemos afirmar que os potenciais, em volts, nos pontos B, C e D são, respectivamente: a) 0, 9 e 4 b) 2, 6 e 4 c) 8, 1 e 2 d) 4, 0 e 4 e) 9, 5 e 2

56 EXERCÍCIO PROPOSTO [2] (UFSC) Considere o circuito da figura abaixo, onde estão associadas três resistências (R1, R2 e R3) e três baterias (E1, E2, E3) de resistência internas desprezíveis. A partir destes dados, qual é a tensão entre os pontos Q e P? a) 11 V b) 5 V c) 15 V d) 1 V e) Zero

57 EXERCÍCIO PROPOSTO [2] (UFSC) Considere o circuito da figura abaixo, onde estão associadas três resistências (R1, R2 e R3) e três baterias (E1, E2, E3) de resistência internas desprezíveis. A partir destes dados, qual é a tensão entre os pontos Q e P? a) 11 V b) 5 V c) 15 V d) 1 V e) Zero

ELETRODINÂMICA. Prof. Patricia Caldana

ELETRODINÂMICA. Prof. Patricia Caldana ELETRODINÂMICA Prof. Patricia Caldana Ao se estudarem situações onde as partículas eletricamente carregadas deixam de estar em equilíbrio eletrostático passamos à situação onde há deslocamento destas cargas

Leia mais

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA REVISÃO ENEM Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA Corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado de suas cargas livres devido a ação de um campo elétrico estabelecido no seu interior pela aplicação

Leia mais

ELETRÔNICA X ELETROTÉCNICA

ELETRÔNICA X ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA X ELETROTÉCNICA ELETRÔNICA É a ciência que estuda a forma de controlar a energia elétrica por meios elétricos nos quais os elétrons têm papel fundamental. Divide-se em analógica e em digital

Leia mais

AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C

AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C DIFERENÇA DE POTENCIAL (DDP) CRIAR UMA DIFERENÇA ENTRE DOIS PONTOS. NUM DOS PONTOS HÁ EXCESSO E NO OUTRO FALTA DE ELETRONS QUANTO MAIOR A DIFERENÇA, MAIOR VAI

Leia mais

Eletricidade básica. Aula 06: Circuitos em série

Eletricidade básica. Aula 06: Circuitos em série Eletricidade básica Aula 06: Circuitos em série Fonte elétrica As fontes elétricas são fundamentais na compreensão da eletrodinâmica, pois elas que mantém a diferença de potencial (ddp) necessária para

Leia mais

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é:

O símbolo usado em diagramas de circuito para fontes de tensão é: Circuitos Elétricos Para fazer passar cargas elétricas por um resistor, precisamos estabelecer uma diferença de potencial entre as extremidades do dispositivo. Para produzir uma corrente estável é preciso

Leia mais

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo ELETRICIDADE Eletrodinâmica Eletrostática Eletromagnetismo Átomo Núcleo Prótons carga positiva (+e). Nêutrons carga neutra. Eletrosfera Eletrons carga negativa (-e). Carga Elétrica Elementar e = 1,6 x

Leia mais

Corrente, Resistência e Lei de Ohm

Corrente, Resistência e Lei de Ohm Corrente, Resistência e Lei de Ohm Evandro Bastos dos Santos 21 de Maio de 2017 1 Corrente Elétrica Quando uma diferença de potencial é aplicada a um circuito elétrico ocorre, então, realização de trabalho

Leia mais

LISTA DE EXECÍCIOS AULA 3 FÍSICA ELETRICIDADE

LISTA DE EXECÍCIOS AULA 3 FÍSICA ELETRICIDADE LISTA DE EXECÍCIOS AULA 3 FÍSICA ELETRICIDADE DENSIDADE DE CORRENTE E VELOCIDADE DE ARRASTE 1) A American Wire Gauge (AWG) é uma escala americana normalizada usada para padronização de fios e cabos elétricos.

Leia mais

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica Num condutor metálico em equilíbrio eletrostático, o movimento dos elétrons livres é desordenado. Em destaque, a representação de

Leia mais

CAP. 9 CORRENTE ELÉTRICA (CIRCUITO ELÉTRICO SIMPLES)

CAP. 9 CORRENTE ELÉTRICA (CIRCUITO ELÉTRICO SIMPLES) CAP. 9 CORRENTE ELÉTRICA (CIRCUITO ELÉTRICO SIMPLES) Prof. Helton Luiz 2012 O QUE É NECESSÁRIO PARA QUE UM APARELHO ELÉTRICO FUNCIONE? Um brinquedo Um rádio Uma lanterna Uma lâmpada Estes aparelhos só

Leia mais

Corrente elétrica pode ser entendida como sendo a quantidade de elétrons que atravessa a secção de um condutor em um segundo.

Corrente elétrica pode ser entendida como sendo a quantidade de elétrons que atravessa a secção de um condutor em um segundo. Corrente, Tensão, Resistência, Potência e Freqüência. Conceitos Básicos Mesmo pensando somente em Informática, temos que conhecer algumas grandezas elétricas básicas. Essas grandezas são: Corrente, tensão,

Leia mais

Q t. A corrente elétrica corresponde ao fluxo de elétrons. Os elétrons vão para o polo positivo de um gerador (pilha ou bateria)

Q t. A corrente elétrica corresponde ao fluxo de elétrons. Os elétrons vão para o polo positivo de um gerador (pilha ou bateria) Eletrodinâmica A eletrodinâmica está presente em praticamente todos os lugares da vida moderna. As instalações elétricas e suas lâmpadas, aquecedores fazem parte do cotidiano do homem moderno. Para exames

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA

LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS 01 3º ANO PROF. FELIPE KELLER ELETROSTÁTICA 1 (UNIFESP) Um condutor é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade i = 800 ma. Conhecida a carga 19 elétrica elementar, e = 1,6

Leia mais

Exercícios 6 1. real 2. Resp: 3. o sentido convencional Resp: 4. Resp: 5. (a) (b) (c) Resp: (b) (c) Resp:

Exercícios 6 1. real 2. Resp: 3. o sentido convencional Resp: 4. Resp: 5. (a) (b) (c) Resp: (b) (c) Resp: Exercícios 6 1. A corrente elétrica real através de um fio metálico é constituída pelo movimento de: a) Cargas positivas do maior para o menor potencial. b) Cargas positivas. c) Elétrons livres no sentido

Leia mais

TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série

TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série Site 02 01 - (Mackenzie SP) No circuito desenhado abaixo, a intensidade de corrente elétrica contínua que passa pelo resistor de 50 é de 80 ma. A força eletromotriz

Leia mais

Resumo de Eletrodinâmica

Resumo de Eletrodinâmica Resumo de Eletrodinâmica i = Corrente Elétrica (A) Δq = quantidade de carga elétrica no fio em movimento (C = coulomb) milicoulomb: microcoulomb: nanocoulomb: n = número de elétrons e = carga elementar

Leia mais

AULA 08 CIRCUITOS E LEIS DE KIRCHHOFF. Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas

AULA 08 CIRCUITOS E LEIS DE KIRCHHOFF. Eletromagnetismo - Instituto de Pesquisas Científicas ELETROMAGNETISMO AULA 08 CIRCUITOS E LEIS DE KIRCHHOFF OS ELEMENTOS DO CIRCUITO Sabemos que o circuito é o caminho percorrido pela corrente elétrica. Nessa aula iremos analisar esses circuitos. Mas antes

Leia mais

Resumo de Eletrodinâmica

Resumo de Eletrodinâmica Resumo de Eletrodinâmica i = Corrente Elétrica (A) Δq = quantidade de carga elétrica no fio em movimento (C = coulomb) milicoulomb: microcoulomb: nanocoulomb: n = número de elétrons e = carga elementar

Leia mais

Instalações elétricas e telefônicas. Prof. M.Sc. Guilherme Schünemann

Instalações elétricas e telefônicas. Prof. M.Sc. Guilherme Schünemann Instalações elétricas e telefônicas Prof. M.Sc. Guilherme Schünemann Introdução sistema elétrico Carga elétrica (q) Conceito de carga é o principal elemento para explicar todo fenômeno elétrico A carga

Leia mais

Corrente elétrica e resistência

Corrente elétrica e resistência Corrente elétrica e resistência 1 Corrente elétrica Neste capítulo vamos discutir as correntes elétricas, isto é, cargas em movimento. Especificamente, discutiremos correntes em materiais condutores. Embora

Leia mais

Circuitos elétricos. Prof. Fábio de Oliveira Borges

Circuitos elétricos. Prof. Fábio de Oliveira Borges Circuitos elétricos Prof. Fábio de Oliveira Borges Curso de Física II Instituto de Física, Universidade Federal Fluminense Niterói, Rio de Janeiro, Brasil https://cursos.if.uff.br/!fisica2-0117/doku.php

Leia mais

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua).

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Como vimo anteriormente, para que haja fluxo de corrente pelo circuito,

Leia mais

Energia envolvida na passagem de corrente elétrica

Energia envolvida na passagem de corrente elétrica Eletricidade Supercondutividade Baixando-se a temperatura dos metais a sua resistividade vai diminuindo Em alguns a resistividade vai diminuindo com a temperatura, mas não se anula Noutros a resistividade

Leia mais

2 - Circuitos Basicos

2 - Circuitos Basicos 2 - Circuitos Basicos Carlos Marcelo Pedroso 18 de março de 2010 1 Introdução A matéria é constituída por átomos, que por sua vez são compostos por 3 partículas fundamentais. Estas partículas são os prótons,

Leia mais

Física Experimental III. Prof. MSc. LUCAS BARBOZA SARNO DA SILVA

Física Experimental III. Prof. MSc. LUCAS BARBOZA SARNO DA SILVA Física Experimental III Prof. MSc. LUCAS BARBOZA SARNO DA SILVA Uma introdução à Lei de Ohm Corrente elétrica Resistência e Lei de Ohm Resistores Circuitos Medição de corrente e tensão 22/2/3 2 Corrente

Leia mais

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º BIMESTRE

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º BIMESTRE 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2016 91 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO DATA: / / NOTA: NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º

Leia mais

EXERCÍCIOS DE TREINAMENTO

EXERCÍCIOS DE TREINAMENTO 1. (G1) O que é um farad (F)? EXERCÍCIOS DE TREINAMENTO RSE 2. (Unesp) São dados um capacitor de capacitância (ou capacidade) C, uma bateria de f.e.m. e dois resistores cujas resistências são, respectivamente,

Leia mais

Medida da resistência elétrica

Medida da resistência elétrica Medida da resistência elétrica 1 Fig.31.1 31.1. No circuito da Fig. 31.1 o amperímetro e o voltímetro são reais (isto é, R A 0 e R V ). Eles fornecem, respectivamente, as leituras i e U. Podemos afirmar

Leia mais

Eletricidade Aula 4. Leis de Kirchhoff

Eletricidade Aula 4. Leis de Kirchhoff Eletricidade Aula 4 Leis de Kirchhoff Fonte de Alimentação Vídeo 6 É um dispositivo capaz de fornecer energia elétrica para um circuito. A fonte de alimentação também pode ser chamada de gerador, e outras

Leia mais

CARGA ELÉTRICA E CORRENTE ELÉTRICA

CARGA ELÉTRICA E CORRENTE ELÉTRICA CARGA ELÉTRICA E CORRENTE ELÉTRICA 1- CARGA ELÉTRICA AULA 20 Como sabemos, os átomos são constituídos por várias partículas elementares e, para o nosso estudo, interessa o elétron o próton e o nêutron.

Leia mais

Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz

Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Física Física III 2014/2 Cap. 5 - Corrente, Resistência e Força Eletromotriz Prof. Elvis Soares Nesse capítulo, estudaremos a definição de corrente,

Leia mais

NOME: N O : TURMA: PROFESSOR: Glênon Dutra

NOME: N O : TURMA: PROFESSOR: Glênon Dutra Circuitos Elétricos DISCIPLINA: Física NOME: N O : TURMA: PROFESSOR: Glênon Dutra DATA: NOTA: ASS: - Circuito Simples: Esquema: Bateria: Corrente elétrica i Resistência: i = corrente elétrica V = d.d.p.

Leia mais

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V)

U = U 1 + U 2 + U 3. I = i 1 = i 2 = i 3. R eq = R 1 + R 2 + R 3. R eq = resistência equivalente (Ω) U = ddp da associação (V) Acesse. www.professorarnon.com Eletricidade Básica. Associação de Resistências em Série Vários resistores estão associados em série quando são ligados um em seguida do outro, de modo a serem percorridos

Leia mais

Prof. Renato M. Pugliese. EME Prof. Vicente Bastos SESI Vila Carrão - CE379. Física 3º ano Aula 1. Apresentação

Prof. Renato M. Pugliese. EME Prof. Vicente Bastos SESI Vila Carrão - CE379. Física 3º ano Aula 1. Apresentação Aula 1 Apresentação 1. Recepção à escola. 2. Pessoal Nome, Formação, Profissão, Residência... 3. Disciplina (Levantamento / Classificação) Física 1º ano 2º ano 3º ano Mecânica / Astronomia / Gravitação

Leia mais

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (Eletromagnetismo) Nos capítulos anteriores estudamos as propriedades de cargas em repouso, assunto da eletrostática. A partir deste capítulo

Leia mais

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR.

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR. Resistores A existência de uma estrutura cristalina nos condutores que a corrente elétrica percorre faz com que pelo menos uma parte da energia elétrica se transforme em energia na forma de calor, as partículas

Leia mais

EXERCÍCIOS - ELETRODINÂMICA

EXERCÍCIOS - ELETRODINÂMICA EXERCÍCIOS - ELETRODINÂMICA Prof. Patricia Caldana 1. Uma corrente elétrica de intensidade igual a 5 A percorre um fio condutor. Determine o valor da carga que passa através de uma secção transversal em

Leia mais

Professora Bruna CADERNO 3. Capítulo 11 Intensidade da Corrente Elétrica. Página - 228

Professora Bruna CADERNO 3. Capítulo 11 Intensidade da Corrente Elétrica. Página - 228 CADERNO 3 Capítulo 11 Intensidade da Corrente Elétrica Página - 228 INTENSIDADE DA CORRENTE ELÉTRICA Agora que aprendemos o que é uma corrente elétrica, aprenderemos como determinar a sua intensidade,

Leia mais

Aula 3 - Eletrodinâmica Prof. Marcio Kimpara

Aula 3 - Eletrodinâmica Prof. Marcio Kimpara ELETRICIDADE Aula 3 - Eletrodinâmica Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Prof. Marcio Kimpara 2 Eletrodinâmica Na eletrodinâmica, estudaremos o movimento das cargas elétricas

Leia mais

Centro Paula Souza ETEC Raposo Tavares Instalação e Manutenção de Computadores IMC Prof. Amaral

Centro Paula Souza ETEC Raposo Tavares Instalação e Manutenção de Computadores IMC Prof. Amaral Eletrônica Básica Conceitos de Tensão, Corrente e Resistência Elétrica Aulas de 04 a 25/08 Mesmo pensando somente em Informática, temos que conhecer algumas grandezas elétricas básicas. Essas grandezas

Leia mais

Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena.

Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena. Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena. Habilidades: Entender a corrente elétrica como fluxo de elétrons

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE

EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE EXERCÍCIOS DE ELETRICIDADE Revisão de Eletricidade (Física) do Ensino Médio A - Corrente e Tensão Elétrica 1. Numa seção reta de um condutor de eletricidade, passam 12 C a cada minuto. Nesse condutor,

Leia mais

3) Cite 2 exemplos de fontes de Alimentação em Corrente Continua e 2 exemplos em Corrente Alternada.

3) Cite 2 exemplos de fontes de Alimentação em Corrente Continua e 2 exemplos em Corrente Alternada. Lista de exercícios Disciplina: Eletricidade Aplicada Curso: Engenharia da Computação Turma: N30 1 -) Assinale a alternativa correta. Descreva o que é tensão elétrica. a - A diferença de potencial elétrico

Leia mais

Corrente elétrica. GRANDE revolução tecnológica. Definição de corrente Controle do movimento de cargas

Corrente elétrica. GRANDE revolução tecnológica. Definição de corrente Controle do movimento de cargas Definição de corrente Controle do movimento de cargas corrente elétrica{ GANDE revolução tecnológica fi eletrotécnica, eletrônica e microeletrônica (diversidade de aplicações!!) Ex. motores elétricos,

Leia mais

Médio. Física. Exercícios de Revisão I

Médio. Física. Exercícios de Revisão I Nome: n o : Médio E nsino: S érie: T urma: Data: 3 a Prof(a): Ivo Física Exercícios de Revisão I Exercícios referentes aos capítulos 5 e 6 (livro 3). As resoluções dos exercícios (1 a 7) devem ser fundamentadas

Leia mais

Respostas Finais Lista 6. Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua ( DC )

Respostas Finais Lista 6. Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua ( DC ) Respostas Finais Lista 6 Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua ( DC ) Q 26.3) Essa diferença esta mais associada à energia entregue à corrente de um circuito por algum tipo de bateria e à

Leia mais

Eletricidade Aula 2. Circuitos elétricos e suas propriedades

Eletricidade Aula 2. Circuitos elétricos e suas propriedades Eletricidade Aula 2 Circuitos elétricos e suas propriedades O Resistor Podemos construir um componente que possua um valor desejado de resistência o resistor. Os resistores podem ser construídos para ter

Leia mais

I = corrente elétrica medida em Ampères (A) t = tempo em segundos

I = corrente elétrica medida em Ampères (A) t = tempo em segundos Eletrodinâmica ELETRODINÂMICA: Carga Elétrica: Q = n.e Corrente Elétrica: I = Q / t Q = carga elétrica medida em Coulombs (C) n = número de elétrons ou prótons e = carga de um elétron = 1,6 10-19 Coulombs

Leia mais

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série.

Se no terminal b do circuito for conectado um terceiro componente, como na figura abaixo, os resistores R 1 e R 2 não estarão mais em série. Circuitos em Série Um circuito consiste em um número qualquer de elementos unidos por seus terminais, com pelo menos um caminho fechado através do qual a carga possa fluir. Dois elementos de circuitos

Leia mais

Eletrodinânica - Exercícios

Eletrodinânica - Exercícios Eletrodinânica - Exercícios Professor Walescko 13 de outubro de 2005 Sumário 1 Exercícios 1 2 Vestibulares UFRGS 7 3. O gráfico representa a corrente elétrica i em função da diferença de potencial V aplicada

Leia mais

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2)

Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) Corrente Alternada. Circuitos Monofásicos (Parte 2) SUMÁRIO Sinais Senoidais Circuitos CA Resistivos Circuitos CA Indutivos Circuitos CA Capacitivos Circuitos RLC GERADOR TRIFÁSICO Gerador Monofásico GRÁFICO

Leia mais

2 Eletrodinâmica. Corrente Elétrica. Lei de Ohm. Resistores Associação de Resistores Geradores Receptores. 4 Instrumento de Medidas Elétricas

2 Eletrodinâmica. Corrente Elétrica. Lei de Ohm. Resistores Associação de Resistores Geradores Receptores. 4 Instrumento de Medidas Elétricas 2. Eletrodinâmica Conteúdo da Seção 2 1 Conceitos Básicos de Metrologia 4 Instrumento de Medidas Elétricas 2 Eletrodinâmica Corrente Elétrica Resistência Elétrica Lei de Ohm Potência Elétrica Resistores

Leia mais

Me. Leandro B. Holanda,

Me. Leandro B. Holanda, 27-1 O que é física? Estamos cercados de circuitos elétricos. Todos os esses aparelhos e também a rede de distribuição de energia elétrica que os faz funcionar, dependem da engenharia elétrica moderna.

Leia mais

Corrente Elétrica. Caderno 1 Frente 3 Módulos 1 e 2 Páginas 258 e 259. Profº Almir Batista

Corrente Elétrica. Caderno 1 Frente 3 Módulos 1 e 2 Páginas 258 e 259. Profº Almir Batista Corrente Elétrica Caderno 1 Frente 3 Módulos 1 e 2 Páginas 258 e 259 Carga Elétrica A matéria é formada de pequenas partículas, os átomos. Cada átomo, por sua vez, é constituído de partículas ainda menores,

Leia mais

Potência e Energia Elétrica

Potência e Energia Elétrica Potência e Energia Elétrica Para qualquer máquina, em particular, para os aparelhos elétricos, definimos potência como a taxa de transformação ou conversão de energia na forma de calor outra forma de energia,

Leia mais

3 Médio Disciplinas Professores Natureza Trimestre/Ano Data da entrega Valor

3 Médio Disciplinas Professores Natureza Trimestre/Ano Data da entrega Valor Nome Nº Ano/Série Ensino Turma 3 Médio Disciplinas Professores Natureza Trimestre/Ano Data da entrega Valor Física Carlos A8/TI 2º/201]6 02/08/2016 5,0 Introdução: Querido(a) aluno(a), Este material foi

Leia mais

Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara

Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara ELETRICIDADE Aula 6 Circuitos em Corrente Alternada Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Tensão (e/ou corrente) contínua Corrente contínua CC (ou DC - do inglês direct current)

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 1

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 1 ESCOL POLITÉCNIC D UNIVERSIDDE DE SÃO PULO PE - Departamento de Engenharia de Energia e utomação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 1 1. Circuitos em corrente contínua 2. Circuitos monofásicos

Leia mais

Eletrodinâmica. CORRENTE ELÉTRICA é o movimento ordenado dos portadores de cargas elétricas, ou seja, um fluxo de cargas elétricas.

Eletrodinâmica. CORRENTE ELÉTRICA é o movimento ordenado dos portadores de cargas elétricas, ou seja, um fluxo de cargas elétricas. Corrente Elétrica Eletrodinâmica Nos condutores metálicos, existe, movimentando-se desordenadamente uma verdadeira nuvem de elétrons, os elétrons livres. Em certas condições, esses elétrons podem ser colocados

Leia mais

ELETRICIDADE APLICADA RESUMO DE AULAS PARA A 1ª PROVA

ELETRICIDADE APLICADA RESUMO DE AULAS PARA A 1ª PROVA ELETRICIDADE APLICADA RESUMO DE AULAS PARA A 1ª PROVA Eletricidade Aplicada I 1ª Aula Apresentação CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO P 1, P 2 = Prova de teoria (0 10) P lab = Prova de laboratório (0-10) Rel = Somatória

Leia mais

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Na figura abaixo, exemplificamos um circuito simples, onde aplicamos uma fonte de energia (V), ligada a um resistor (R) e que resultará em uma corrente

Leia mais

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Disciplina Eletrotécnica Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Conceitos básicos Eletricidade Eletrostática Eletrodinâmica Cargas elétricas em repouso

Leia mais

Física C Extensivo V. 5

Física C Extensivo V. 5 GABAITO Física C Extensivo V. 5 Exercícios 0) a) = 4 + = 6 Ω 06) = Ω b) V = 48 = 6 i = A c) = = 4. = V V = V =. = 6 V d) P = P = 4. = 6 w P = P =. = 08 w e) P total = P + P = 44 w f) gerador ideal P fornecida

Leia mais

INSTITUTO SÃO JOSÉ - RSE LISTA PREPARATÓRIA PARA PROVA DO TERCEIRO TRIMESTRE

INSTITUTO SÃO JOSÉ - RSE LISTA PREPARATÓRIA PARA PROVA DO TERCEIRO TRIMESTRE 1. (Unesp) Mediante estímulo, 2 10 íons de K atravessam a membrana de uma célula nervosa em 1,0 milisegundo. Calcule a intensidade dessa corrente elétrica, sabendo-se que a carga elementar é 1,6 10 ª C.

Leia mais

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2

QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÕES DA PROVA DE RÁDIO ELETRICIDADE - PARTE - 2 QUESTÃO 50 Se aumentarmos o valor da corrente através de um fio condutor, o que acontece com o campo magnético: a. Diminui a intensidade b. Aumenta a

Leia mais

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema

Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Elementos de circuito Circuito é a interligação de vários elementos. Estes, por sua vez, são os blocos básicos de qualquer sistema Um elemento pode ser ativo (capaz de gerar energia), passivo (apenas dissipam

Leia mais

Corrente e Resistência

Corrente e Resistência Cap. 26 Corrente e Resistência Prof. Oscar Rodrigues dos Santos oscarsantos@utfpr.edu.br Corrente e resistência 1 Corrente Elétrica Corrente Elétrica (i) é o movimento ordenado de elétrons provocados por

Leia mais

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica Num condutor metálico em equilíbrio eletrostático, o movimento dos elétrons livres é desordenado. Em destaque, a representação de

Leia mais

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura:

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica dos fios que fazem a ligação entre a bateria e as

Leia mais

CAPACITORES. Prof. Patricia Caldana

CAPACITORES. Prof. Patricia Caldana CAPACITORES Prof. Patricia Caldana Em vários aparelhos elétricos existem dispositivos cuja função é armazenar cargas elétricas. Um exemplo simples é o flash de uma máquina fotográfica. Na figura abaixo,

Leia mais

Circuitos com Amperímetro e Voltímetro

Circuitos com Amperímetro e Voltímetro Circuitos com Amperímetro e Voltímetro 1. (Pucrs 2014) Considere o texto e a figura para analisar as afirmativas apresentadas na sequência. No circuito elétrico mostrado na figura a seguir, um resistor

Leia mais

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara ELETICIDADE Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Circuito Elétrico Chamamos de circuito elétrico a um caminho fechado, constituído de condutores,

Leia mais

Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos

Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos T.M.lmeida ST-DEEC- CElectrónica Teresa Mendes de lmeida TeresaMlmeida@ist.utl.pt DEEC Área Científica de Electrónica

Leia mais

ELETRICIDADE (ELT1) 2º MÓDULO

ELETRICIDADE (ELT1) 2º MÓDULO 1 BACHARELADO EM ENGENHARIA ELETRICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JOINVILLE ELETRICIDADE (ELT1) 2º MÓDULO Prof.: Luís M. Nodari luis.nodari@ifsc.edu.br http://www.joinville.ifsc.edu.br/~luis.nodari/

Leia mais

Electromagnetismo. Campo Magnético:

Electromagnetismo. Campo Magnético: Campo Magnético: http://www.cartoonstock.com/lowres/hkh0154l.jpg Campo Magnético: Existência de ímans Corrente eléctrica A bússola é desviada http://bugman123.com/physics/oppositepoles large.jpg Observação

Leia mais

Unidades de medida. Tensão, corrente, potência, Medidores de potência. Corrente contínua

Unidades de medida. Tensão, corrente, potência, Medidores de potência. Corrente contínua Unidades de medida. Tensão, corrente, potência, Medidores de potência. Corrente contínua Força eletromotriz (f.e.m) e diferença de potencial (d.d.p) Força eletromotriz (FEM), geralmente denotada como E

Leia mais

Noções básicas de circuitos elétricos: Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff

Noções básicas de circuitos elétricos: Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff Noções básicas de circuitos elétricos: Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff Material 2 Resistores de 3.3kΩ; 2 Resistores de 10kΩ; Fonte de alimentação; Multímetro digital; Amperímetro; Introdução Existem duas

Leia mais

Física II - AV 1 (parte 2.2) 3º período de Eng. Civil Prof. Dr. Luciano Soares Pedroso Data: / /2014 valor: 10 pontos Aluno (a) Turma

Física II - AV 1 (parte 2.2) 3º período de Eng. Civil Prof. Dr. Luciano Soares Pedroso Data: / /2014 valor: 10 pontos Aluno (a) Turma Física II - AV (parte 2.2) 3º período de Eng. Civil Prof. Dr. Luciano Soares Pedroso Data: / /204 valor: 0 pontos Aluno (a)turma _. Considere que um determinado estudante, utilizando resistores disponíveis

Leia mais

Resistores e Associação de Resistores

Resistores e Associação de Resistores Resistores e Associação de Resistores Gabarito Parte I: O esquema a seguir ilustra a situação: Como mostrado, a resistência equivalente é Ω. Aplicando a lei de Ohm-Pouillet: = R eq i 60 = i i = 15 A. a)

Leia mais

H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1

H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1 H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Agosto o de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Eletrostática: CONTEÚDO Átomo-Lei

Leia mais

Listas de figuras. Listas de quadros. Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos. Condutor e Isolante. Tensão e Corrente Elétrica

Listas de figuras. Listas de quadros. Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos. Condutor e Isolante. Tensão e Corrente Elétrica Listas de figuras Listas de quadros Fundamentos de Elétrica - Conceitos Básicos Condutor e Isolante Tensão e Corrente Elétrica Resistência Elétrica Potência Elétrica Fator de Potência Potência dissipada

Leia mais

INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA

INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA 1 INTRODUÇÃO A ELETRICIADE BÁSICA Na eletricidade básica existem três grandezas fundamentais que são a tensão elétrica, a corrente elétrica, a resistência elétrica. Para estuda-las utilizaremos o conceito

Leia mais

Eletricidade CAP2. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Eletricidade CAP2. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Eletricidade CAP2 Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Grandezas elétricas fundamentais Tensão elétrica (DDP) O mesmo que voltagem ou d.d.p. (diferença

Leia mais

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica : engenharia / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 50 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Eletrotécnica.

Leia mais

Capítulo 27: Circuitos

Capítulo 27: Circuitos Capítulo 7: Circuitos Índice Força letromotriz Trabalho, nergia e Força letromotriz Calculo da Corrente de um Circuito de uma Malha Diferença de Potencial entre dois Pontos Circuitos com mais de uma Malha

Leia mais

Questão 04- A diferença de potencial entre as placas de um capacitor de placas paralelas de 40μF carregado é de 40V.

Questão 04- A diferença de potencial entre as placas de um capacitor de placas paralelas de 40μF carregado é de 40V. COLÉGIO SHALOM Trabalho de recuperação Ensino Médio 3º Ano Profº: Wesley da Silva Mota Física Entrega na data da prova Aluno (a) :. No. 01-(Ufrrj-RJ) A figura a seguir mostra um atleta de ginástica olímpica

Leia mais

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1 Diretoria Regional de Ensino de Araguaína Colégio Estadual Campos Brasil Tocantins - Brasil Um circuito elétrico pode ser definido como uma interligação de componentes básicos formando pelo menos um caminho

Leia mais

CONDUTORES E ISOLANTES

CONDUTORES E ISOLANTES ELETRICIDADE CONDUTORES E ISOLANTES O FÍSICO INGLÊS STEPHEN GRAY PERCEBEU QUE ALGUNS FIOS CONDUZIAM BEM A ELETRICIDADE E CHAMOU-OS DE CONDUTORES E, AOS QUE NÃO CONDUZIAM OU CONDUZIAM MAL A ELETRICIDADE,

Leia mais

Apostila de Física 25 Corrente Elétrica

Apostila de Física 25 Corrente Elétrica Apostila de Física 25 Corrente Elétrica 1.0 Definições Gerador elétrico: Mantém entre seus terminais (pólos) uma diferença de potencial elétrico. Pólo positivo Maior potencial. Pólo negativo Menor potencial.

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES:

GERADORES E RECEPTORES: COLÉGIO ESTADUAL JOSUÉ BRANDÃO 3º Ano de Formação Geral Física IV Unidade_2009. Professor Alfredo Coelho Resumo Teórico/Exercícios GERADORES E RECEPTORES: Anteriormente estudamos os circuitos sem considerar

Leia mais

Observe na figura mostrada acima que temos duas condições para um circuito em paralelo: fontes em paralelo ou cargas (resistores) em paralelo.

Observe na figura mostrada acima que temos duas condições para um circuito em paralelo: fontes em paralelo ou cargas (resistores) em paralelo. Ao contrário dos circuitos em série, em que a corrente é a mesma em qualquer um dos pontos do circuito, no circuito em paralelo a corrente se divide entre vários pontos de um circuito. Observe na figura

Leia mais

H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1

H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1 H1- Compreender as grandezas relacionadas com o campo de conhecimento em eletricidade. Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2010 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Eletrostática: CONTEÚDO Átomo-Lei

Leia mais

O circuito elétrico em série é um divisor de tensão.

O circuito elétrico em série é um divisor de tensão. 01 O circuito elétrico em série é um divisor de tensão. Como as lâmpadas são idênticas, tem-se: U 1 = U 2 = U 3 = U 4 = U = lâmpada i Assim: U 1 + U 2 + U 3 + U 4 = 220 4U = 220 U = 55 V esposta: A 1 02

Leia mais

Circuitos de uma malha (ou redutíveis a uma malha)

Circuitos de uma malha (ou redutíveis a uma malha) Circuitos de uma malha (ou redutíveis a uma malha) 1 Fig,24.1 24.1. Em certas ocasiões podemos ter circuitos elétricos muito complexos, com o aspecto de uma verdadeira rede. Qualquer circuito poligonal

Leia mais

Aula 04 -Potência Elétrica e Leis de Kirchhoff

Aula 04 -Potência Elétrica e Leis de Kirchhoff Introdução Aula 04 -Potência Elétrica e Leis de Kirchhoff Eletrotécnica Quando ligamos um aparelho em uma máquina elétrica a uma fonte de eletricidade, produz-se certa quantidade de trabalho, às custas

Leia mais

CAPÍTULO 2 PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS

CAPÍTULO 2 PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS CAPÍTULO 2 PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS Versião 2.0 Direitos Reservados PROCOBRE 2009 INTRODUÇÃO Para diagnosticar o comportamento de uma instalação elétrica é necessário medir os seus parâmetros elétricos,

Leia mais

Características da Tensão e da Corrente Alternada

Características da Tensão e da Corrente Alternada Características da Tensão e da Corrente Alternada Evandro Bastos dos Santos 9 de Abril de 2017 1 Introdução Até aqui vimos como funciona circuitos de corrente contínua. Hoje veremos que existem circuitos

Leia mais

Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff

Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff Lista de exercícios - Regra de Kirchhoff Circuitos Complexos Regra de Kirchhoff Existem alguns circuitos em que não é possível fazer a separação de partes em série e/ou em paralelo e além disto podem ter

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA

CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA CENTRO EDUCACIONAL SESC CIDADANIA Professor: Vilson Mendes Lista de exercícios de Física I Lista 6 Associação de resistores ENSINO MÉDIO NOTA: Aluno (: Data SÉRIE/TURMA 3ª 1. Em cada um dos esquemas abaixo,

Leia mais