Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos"

Transcrição

1 Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos T.M.lmeida ST-DEEC- CElectrónica Teresa Mendes de lmeida DEEC Área Científica de Electrónica 1 Matéria Conceitos elementares Circuito eléctrico Topologia, nó, ramo, malha e grafo S Unidades unidades e prefixos Corrente eléctrica condução e corrente eléctrica sentido convencional Tensão eléctrica Gamas de Tensões e Correntes Grandezas eléctricas notação DC e C TCFE Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos Energia e Potência Convenção passiva sinal Geradores independentes tensão e corrente Geradores dependentes tensão e corrente esistência Lei de Ohm Potência Condutância Curto-circuito Circuito aberto Exemplos de aplicação 2 Circuito Eléctrico 3 Topologia, Nós, amos, Malhas e Grafo 4 Lanterna Bateria do carro Circuito eléctrico componentes eléctricos interligados representação simbólica componentes forma como estão ligados Circuito de parâmetros concentrados pode desprezar-se propagação e radiação ondas electromagnéticas parâmetros concentrados nos componentes fios condutores não são considerados na análise Descrição matemática do circuito resistivo - equações algébricas reactivo - equações diferenciais - números complexos Topologia forma como elementos estão interligados mas não identifica os diferentes componentes grafo Nó ponto de ligação entre dois ou mais elementos do circuito amo linha representativa do componente N.º ramos N.º componentes Malha caminho fechado através dos ramos nó inicial e final é o mesmo sem passar 2 vezes pelo mesmo nó sentido de circulação horário ou anti-horário malha elementar quando percorrida não abraça nenhum componente 5.6k a b Grafo 5 1.5k 2.2k c TCFE Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos

2 Circuitos, ramos, nós e malhas 5 Sistema nternacional de Unidades (S) 6 Quantos componentes? E quantos ramos? Quantos nós? Quantas malhas? E malhas elementares? Como é o grafo? Sistema métrico de unidades Conjunto de: unidades base prefixos unidades derivadas 0 MKS metro quilograma segundo ampére C 2 1µ s 6 30ms 3 20n , 45k 450 s s F 2 v G B D Sistema nternacional de Unidades (S) 7 Condução e corrente eléctrica 8 Material condutor electrões livres Carga do electrão C sujeitos a pequenas forças de atracção do núcleo ex: cobre e alumínio Sem influência externa comportamento aleatório Sob influência externa electrões livres podem ter movimento ordenado numa direcção Corrente eléctrica movimento orientado de electrões analogia fluído que se desloca; berlindes em movimento numa calha Carga quantidade mais elementar a considerar nos circuitos eléctricos

3 Corrente eléctrica 9 Sentido da corrente eléctrica Fluxo de carga eléctrica, que atravessa uma superfície, por unidade de tempo dq( t) [ C] [ Coulomb] i( t) [ ] [ mpere] dt s segundo [ ] [ ] Qual a corrente associada a um movimento de 18 electrões durante segundos? , 6 2 1, 6 16m Sentido convencional da corrente para além do valor numérico é sempre preciso indicar sentido convenção sentido do movimento de cargas positivas embora se saiba que é um movimento de electrões i(t) Como saber qual o sentido? se corrente é desconhecida não se sabe o sentido! então arbitra-se um sentido fazem-se os cálculos esultado positivo sentido é o que foi arbitrado??? 1 2 esultado negativo sentido é contrário ao que foi arbitrado 3 Tensão eléctrica 11 Tensão eléctrica 12 Movimento de cargas eléctricas o que permite transferência de energia Para existir corrente tem de existir uma fonte de energia pilha fornece energia lâmpada recebe energia dw v Tensão eléctrica dq [ olt] [ Joule] [ J ] [ ] [ Coulomb ] [ C ] medida da energia potencial eléctrica por unidade de carga trabalho necessário para mover uma carga eléctrica (electrão) do potencial mais elevado para o potencial mais baixo diferença do nível de energia entre uma carga unitária colocada em cada um dos dois pontos também chamada diferença de potencial (d.d.p.) força electromotriz (f.e.m.) medida entre dois pontos (nós) do circuito Medida entre dois pontos (dois nós) B B ( ) B B B B É sempre referenciada a um ponto B tensão medida relativamente à tensão B Como saber a polaridade (+ / -)? se tensão é desconhecida não se sabe polaridade! então arbitra-se uma polaridade fazem-se os cálculos esultado positivo polaridade (sentido) é a que foi arbitrada esultado negativo polaridade (sentido) é contrária à que foi arbitrada nterpretar o resultado! B -5 3 B 5

4 Gamas de Tensões e Correntes 13 Grandezas eléctricas 14 Tensão () Corrente () Tensão () e Corrente () equações do circuito são escritas em termos destas duas grandezas componentes eléctricos Notação descritos através das relações entre tensão e corrente Maiúsculas resistivos eq. algébricas reactivos eq. diferenciais grandeza constante no tempo grandeza contínua DC directcurrent Minúsculas grandeza variável no tempo C alternating current 3 i(t) ou i i(t)3sin(wt) Energia e Potência 15 Potência 16 Componente do circuito pode fornecer ou receber energia B 2 carga positiva de 2C move-se de para B B 3 através do componente em cada segundo movimento de carga positiva esultado dq( t) i( t) dt do potencial mais alto para o potencial mais baixo 1C perde 3J de energia ao atravessar o componente componente recebe (absorve) 6J de energia por segundo Potência dw dq dw v i p dq dt dt dw( t) p( t) dt [ W ] [ J ] [ s] dw v dq [ Watt] recebe energia [ Joule] [ segundo] P<0 Cálculo da potência P>0 P<0 P>0 que polaridade/sentido considerar para e no cálculo? p ( t ) v ( t ) i ( t ) P Convenção passiva do sinal no componente onde se quer calcular a potência considerar sentidos de tensão e corrente concordantes corrente entrano terminal +marcado para a tensão independentemente dos seus valores numéricos (positivos/negativos)! nterpretação do resultado do cálculo da potência P>0 componente recebe (absorve) energia P P<0 componente fornece energia

5 Geradores independentes 17 Geradores dependentes 18 Gerador de Tensão: B impõe valor da tensão aos seus terminais qual a corrente que passa no gerador? é preciso analisar o circuito para saber fonte de tensão DC Grandeza do gerador depende de tensão/corrente no circuito modelo que permite representar o funcionamento de determinados componentes (p. ex. amplificador operacional) Gerador de Tensão Controlado por tensão Controlado por corrente Gerador de Corrente: B impõe valor de corrente que o percorre qual a tensão aos seus terminais? é preciso analisar o circuito para saber Gerador de Corrente Controlado por tensão Controlado por corrente TCFE Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos Exemplos de plicação 19 esistência eléctrica 20 Que componentes fornecem energia? Qual a soma de todas as potências? Quanto vale 0? calcular potência em todos componentes excepto no 1 (não se sabe 0 ) num circuito há sempre conservação da energia, logo: a soma algébrica de todas as potências é sempre zero calcular potência no componente 1 calcular 0 Condutor cilíndrico homogéneo resistência [Ω] ρ resistividade [Ω m] l comprimento [m] secção transversal [m 2 ] esistência componente eléctrico l ρ 0 tensão é directamente proporcional à corrente a constante de proporcionalidade é a resistência Lei de Ohm sentidos e concordantes! [ ] [ Ω ] [ ] [ olt] [ Ohm] [ mpere] l

6 esistência 21 Exemplos de aplicação 22 Condutância inverso da resistência Potência resistência recebe energia eléctrica 1 G [ S ] [ Siemens] por efeito de Joule dissipa-a sob a forma de calor 2 2 P P G 0 Qual a corrente e a potência absorvida na? Qual a corrente e qual a potência fornecida pela fonte? Curto-circuito resistência nula tensão nula 0 v( t) 0 Quanto vale S e qual a potência fornecida pela fonte? Quanto vale S e qual a potência fornecida pela fonte? Circuito aberto resistência infinita corrente nula + i( t) 0 P

Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos

Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica 1 Conceitos Básicos de Teoria dos Circuitos Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@ist.utl.pt DEEC Área Científica de Electrónica T.M.Almeida IST-DEEC-

Leia mais

Matéria. Exemplo de simplificação de circuitos. Simplificação de circuitos. Teresa Mendes de Almeida

Matéria. Exemplo de simplificação de circuitos. Simplificação de circuitos. Teresa Mendes de Almeida Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica nálise de Circuitos Lineares T.M.lmeida STDEEC CElectrónica Teresa Mendes de lmeida TeresaMlmeida@ist.utl.pt DEEC Área Científica de Electrónica Março

Leia mais

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA

FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (ELETROMAGNETISMO) CORRENTE ELÉTRICA E RESISTÊNCIA FÍSICA (Eletromagnetismo) Nos capítulos anteriores estudamos as propriedades de cargas em repouso, assunto da eletrostática. A partir deste capítulo

Leia mais

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo

ELETRICIDADE. Eletrodinâmica. Eletrostática. Eletromagnetismo ELETRICIDADE Eletrodinâmica Eletrostática Eletromagnetismo Átomo Núcleo Prótons carga positiva (+e). Nêutrons carga neutra. Eletrosfera Eletrons carga negativa (-e). Carga Elétrica Elementar e = 1,6 x

Leia mais

Notas de Aula ELETRICIDADE BÁSICA

Notas de Aula ELETRICIDADE BÁSICA Notas de ula ELETICIDDE ÁSIC Salvador, gosto de 2005. . Conceitos ásicos Fundamentais Estrutura tômica figura.0 é a representação esquemática de um átomo de ohr. Elétron () Núcleo( ou 0) Este átomo é composto

Leia mais

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara ELETICIDADE Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Circuito Elétrico Chamamos de circuito elétrico a um caminho fechado, constituído de condutores,

Leia mais

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1 Diretoria Regional de Ensino de Araguaína Colégio Estadual Campos Brasil Tocantins - Brasil Um circuito elétrico pode ser definido como uma interligação de componentes básicos formando pelo menos um caminho

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora

Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Agrupamento de Escolas da Senhora da Hora Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Informação Prova da Disciplina de Física e Química - Módulo: 4 Circuitos elétricos. Modalidade

Leia mais

Princípios de Eletricidade Magnetismo

Princípios de Eletricidade Magnetismo Princípios de Eletricidade Magnetismo Corrente Elétrica e Circuitos de Corrente Contínua Professor: Cristiano Faria Corrente e Movimento de Cargas Elétricas Embora uma corrente seja um movimento de partícula

Leia mais

O que é um circuito eléctrico?

O que é um circuito eléctrico? SISTEMAS ELÉCTRICOS E ELECTRÓNICOS A produção em larga escala é recente e revolucionou por completo o nosso dia-a-dia A electricidade é tão antiga como o Universo! O que é um circuito eléctrico? Éum conjunto

Leia mais

Circuitos Elétricos Simples

Circuitos Elétricos Simples Circuitos Elétricos Simples Circuitos elétricos que contém apenas resistores e fontes. A corrente elétrica se move sempre no mesmo sentido, ou seja, são circuitos de corrente contínua. Circuitos com mais

Leia mais

AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C

AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C AULA 02 PRIMEIRA LEI DE OHM APOSTILA 1 FSC-C DIFERENÇA DE POTENCIAL (DDP) CRIAR UMA DIFERENÇA ENTRE DOIS PONTOS. NUM DOS PONTOS HÁ EXCESSO E NO OUTRO FALTA DE ELETRONS QUANTO MAIOR A DIFERENÇA, MAIOR VAI

Leia mais

12/04/2012 a 11/08/2012

12/04/2012 a 11/08/2012 ELETRICIDADE PARTE 1 1º SEMESTRE 2012 12/04/2012 a 11/08/2012 Professor: Júlio César Madureira Silva < jmadureira@ifes.edu.br > 1 EMENTA: 1. Revisão sobre unidades de medida no SI. múltiplos m e submúltiplos

Leia mais

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua).

Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Um circuito DC é aquele cuja alimentação parte de uma fonte DC (do inglês Direct Current), ou em português, CC (corrente contínua). Como vimo anteriormente, para que haja fluxo de corrente pelo circuito,

Leia mais

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR.

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR. Resistores A existência de uma estrutura cristalina nos condutores que a corrente elétrica percorre faz com que pelo menos uma parte da energia elétrica se transforme em energia na forma de calor, as partículas

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos DIPOLO ELÉCTRICO INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos DIPOLO ELÉCTRICO INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos DIPOLO ELÉCTRICO INTRODUÇÃO Nesta secção, introduz-se a noção de dipolo eléctrico, define-se corrente eléctrica i que o percorre e tensão u aos

Leia mais

TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série

TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série TAREFA DE FÍSICA Prof. Álvaro 3ª Série Site 02 01 - (Mackenzie SP) No circuito desenhado abaixo, a intensidade de corrente elétrica contínua que passa pelo resistor de 50 é de 80 ma. A força eletromotriz

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP FUNDAMENTOS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS INTRODUÇÃO CIRCUITOS SÉRIE DE CORRENTE CONTÍNUA Um circuito série é aquele que permite somente um percurso para a passagem da corrente. Nos

Leia mais

CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA

CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA CET ENERGIAS RENOVÁVEIS ELECTROTECNIA CADERNO DE EXERCÍCIOS 1. Duas cargas pontuais q1 = 30µ C e q2 = 100µ C encontram-se localizadas em P1 (2, 0) m e P2 (0, 2) m. Calcule a força eléctrica que age sobre

Leia mais

ANALOGIA ENTRE INTENSIDADE DE CORRENTE ELÉCRICA E CAUDAL DE UM LÍQUIDO

ANALOGIA ENTRE INTENSIDADE DE CORRENTE ELÉCRICA E CAUDAL DE UM LÍQUIDO ANALOGA ENTRE NTENSDADE DE CORRENTE ELÉCRCA E CADAL DE M LÍQDO Exemplo de revisão do conceito de caudal: Para medir o caudal de uma torneira, podemos encher um balde com água e medir o tempo que o balde

Leia mais

Ánalise de Circuitos. 1. Método Intuitivo

Ánalise de Circuitos. 1. Método Intuitivo Ánalise de Circuitos 1. Método Intuitivo Ramo de um circuito: é um componente isolado tal como um resistor ou uma fonte. Este termo também é usado para um grupo de componentes sujeito a mesma corrente.

Leia mais

Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica. Teresa Mendes de Almeida. DEEC Área Científica de Electrónica

Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica. Teresa Mendes de Almeida. DEEC Área Científica de Electrónica Teoria dos Circuitos e Fundamentos de Electrónica 1 Método dos Nós Teresa Mendes de Almeida TeresaMAlmeida@ist.utl.pt DEEC Área Científica de Electrónica T.M.Almeida IST-DEEC- ACElectrónica Matéria 2 Análise

Leia mais

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º BIMESTRE

NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º BIMESTRE 1925 *** COLÉGIO MALLET SOARES *** 2016 91 ANOS DE TRADIÇÃO, RENOVAÇÃO E QUALIDADE DEPARTAMENTO DE ENSINO DATA: / / NOTA: NOME: N CADERNO DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA I 3º ANO EM TURMA 232 PROFº FABIANO 1º

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF

ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E LEIS DE KIRCHHOFF Introdução Associação de Resistores Em muitas aplicações na engenharia elétrica e eletrônica é muito comum fazer associações de resistores com o objetivo de

Leia mais

MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade

MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos ESCOLA SECUNDÁRIA DE TOMAZ PELAYO SANTO TIRSO 402916 MÓDULO 1 Noções Básicas de Eletricidade Eletrónica Fundamental Prof.: Erika Costa Estrutura da Matéria

Leia mais

INF01 118 Técnicas Digitais para Computação. Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos. Aula 2

INF01 118 Técnicas Digitais para Computação. Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos. Aula 2 INF01 118 Técnicas Digitais para Computação Conceitos Básicos de Circuitos Elétricos Aula 2 1. Grandezas Elétricas 1.1 Carga A grandeza fundamental em circuitos elétricos é a carga elétrica Q. As cargas

Leia mais

A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas.

A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas. Grandezas Magnéticas Força e Campo Magnético A força magnética tem origem no movimento das cargas eléctricas. Considere os dois fios condutores paralelos e imersos no espaço vazio representados na Figura

Leia mais

Medida da resistência elétrica

Medida da resistência elétrica Medida da resistência elétrica 1 Fig.31.1 31.1. No circuito da Fig. 31.1 o amperímetro e o voltímetro são reais (isto é, R A 0 e R V ). Eles fornecem, respectivamente, as leituras i e U. Podemos afirmar

Leia mais

Resistores e CA. sen =. logo

Resistores e CA. sen =. logo Resistores e CA Quando aplicamos uma voltagem CA em um resistor, como mostrado na figura, uma corrente irá fluir através do resistor. Certo, mas quanta corrente irá atravessar o resistor. Pode a Lei de

Leia mais

Retificadores com tiristores

Retificadores com tiristores Retificadores com tiristores 5 O retificador controlado trifásico de meia onda Os retificadores trifásicos são alimentados pela rede de energia trifásica cujas tensões podem ser descritas pelas expressões

Leia mais

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO t RESOLÇÃO COMECE DO BÁSICO SOLÇÃO CB. 01 Para ser resistor ôhmico o gráfico deve ser linear. Neste caso, a linearidade se observa no trecho BC. SOLÇÃO CB. 0 ' r '. i ( Equação 10 7 r'.4 4r 48 do receptor)

Leia mais

Eletricidade e magnetismo

Eletricidade e magnetismo Eletricidade e magnetismo Circuitos elétricos Prof. Luís Perna 014/15 Corrente elétrica Qual a condição para que haja corrente elétrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente elétrica se verifica?

Leia mais

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm

Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica, potência, resistores e leis de Ohm Corrente elétrica Num condutor metálico em equilíbrio eletrostático, o movimento dos elétrons livres é desordenado. Em destaque, a representação de

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES:

GERADORES E RECEPTORES: COLÉGIO ESTADUAL JOSUÉ BRANDÃO 3º Ano de Formação Geral Física IV Unidade_2009. Professor Alfredo Coelho Resumo Teórico/Exercícios GERADORES E RECEPTORES: Anteriormente estudamos os circuitos sem considerar

Leia mais

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA

ELETROTÉCNICA ENGENHARIA Aquino, Josué Alexandre. A657e Eletrotécnica : engenharia / Josué Alexandre Aquino. Varginha, 2015. 50 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Eletrotécnica.

Leia mais

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Graduação em Engenharia Elétrica TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROF. FLÁVIO VANDERSON GOMES E-mail: flavio.gomes@ufjf.edu.br Aula Número: 06 2 - 3 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

Electromagnetismo. Campo Magnético:

Electromagnetismo. Campo Magnético: Campo Magnético: http://www.cartoonstock.com/lowres/hkh0154l.jpg Campo Magnético: Existência de ímans Corrente eléctrica A bússola é desviada http://bugman123.com/physics/oppositepoles large.jpg Observação

Leia mais

SISTEMA DE UNIDADES A ESTRUTURA DO SISTEMA INTERNACIONAL

SISTEMA DE UNIDADES A ESTRUTURA DO SISTEMA INTERNACIONAL SISTEMA DE UNIDADES INTRODUÇÃO: Um sistema de unidades é caracterizado por um conjunto de unidades e regras que as definam. O sistema internacional de unidades (S.I) possui sete unidades de base e, todas

Leia mais

Capítulo 7: Associação de Resistores

Capítulo 7: Associação de Resistores Capítulo 7: Associação de Resistores Os resistores podem ser associados basicamente de dois modos distintos: em série e em paralelo. Ambos os modos de associação podem estar presentes: temos um associação

Leia mais

Electricidade e Electrónica

Electricidade e Electrónica Electricidade e Electrónica Exercícios adicionais Exercícios de Aplicação e Avaliação 1- Um chuveiro eléctrico foi construído para operar sob a tensão de 110 V. Para liga-lo a uma tensão de 220 V, sem

Leia mais

Eletricidade Aplicada

Eletricidade Aplicada Carlos fsp.carlos@lucats.com.br AVALIAÇÃO: 70% Provas 30% APS (Atividades Práticas Supervisionadas) 1 Natureza da Eletricidade Lei de Ohm e potência Circuitos Série, Paralelo e mistos Leis de Kirchhof

Leia mais

Eletrodinâmica. CORRENTE ELÉTRICA é o movimento ordenado dos portadores de cargas elétricas, ou seja, um fluxo de cargas elétricas.

Eletrodinâmica. CORRENTE ELÉTRICA é o movimento ordenado dos portadores de cargas elétricas, ou seja, um fluxo de cargas elétricas. Corrente Elétrica Eletrodinâmica Nos condutores metálicos, existe, movimentando-se desordenadamente uma verdadeira nuvem de elétrons, os elétrons livres. Em certas condições, esses elétrons podem ser colocados

Leia mais

Circuitos com Amperímetro e Voltímetro

Circuitos com Amperímetro e Voltímetro Circuitos com Amperímetro e Voltímetro 1. (Pucrs 2014) Considere o texto e a figura para analisar as afirmativas apresentadas na sequência. No circuito elétrico mostrado na figura a seguir, um resistor

Leia mais

CAMPO ELÉTRICO. Uma carga elétrica Q produz ao seu redor uma região afetada por sua presença denominada campo elétrico. Criado por cargas elétricas.

CAMPO ELÉTRICO. Uma carga elétrica Q produz ao seu redor uma região afetada por sua presença denominada campo elétrico. Criado por cargas elétricas. CAMPO ELÉTRICO Uma carga elétrica Q produz ao seu redor uma região afetada por sua presença denominada campo elétrico. Campo Elétrico Criado por cargas elétricas. Representado por linhas de campo. Grandeza

Leia mais

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL

Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. INTERATIVIDADE FINAL Aula 8.2 Conteúdo: Associação de resistores em paralelo, potência elétrica de uma associação em paralelo de resistores. Habilidades: Diferenciar as formas de associação de resistores, bem como determinar

Leia mais

f = B. A. cos a Weber

f = B. A. cos a Weber FLUXO MAGNÉTICO (f) Tesla T f = B. A. cos a Weber Wb metros quadrados m onde a ângulo formado entre n e B UEPG 1 PERGUNTA gera Se vimos que i B, será que o contrário é gera verdadeiro? Isto é, B i? EXPERIÊNCIAS

Leia mais

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura:

1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: 1. Arthur monta um circuito com duas lâmpadas idênticas e conectadas à mesma bateria, como mostrado nesta figura: Considere nula a resistência elétrica dos fios que fazem a ligação entre a bateria e as

Leia mais

Aluno: Disciplina: FÍSICA. Data: ELETROSTÁTICA

Aluno: Disciplina: FÍSICA. Data: ELETROSTÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS ELETRICIDADE ENSINO MÉDIO Aluno: Série: 3 a Professor: EDUARDO Disciplina: FÍSICA Data: ELETROSTÁTICA 1) (Unicamp-SP) Duas cargas elétricas Q 1 e Q 2 atraem-se quando colocadas próximas

Leia mais

I = corrente elétrica medida em Ampères (A) t = tempo em segundos

I = corrente elétrica medida em Ampères (A) t = tempo em segundos Eletrodinâmica ELETRODINÂMICA: Carga Elétrica: Q = n.e Corrente Elétrica: I = Q / t Q = carga elétrica medida em Coulombs (C) n = número de elétrons ou prótons e = carga de um elétron = 1,6 10-19 Coulombs

Leia mais

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta 1 Sumário Capacitor Indutor 2 Capacitor Componente passivo de circuito. Consiste de duas superfícies condutoras separadas por um material não condutor

Leia mais

Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm. 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor.

Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm. 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor. Respostas Questões relativas ao resultado Etapa 1: Questões relativas aos resultados Lei de Ohm 1.1 A partir dos dados tabelados, calcule o valor médio da resistência do resistor. Resposta: O valor encontrado

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1º SEMESTRE 3º ANO

LISTA DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1º SEMESTRE 3º ANO Maceió - Alagoas FÍSICA TIO BUBA LISTA DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1º SEMESTRE 3º ANO Professor(a): JOÃO CARLO ( BUBA) 01) O campo elétrico gerado em P, por uma carga puntiforme positiva de valor +Q a uma

Leia mais

Apontamentos Práticos. Introdução a Circuitos Eléctricos e Electrónicos

Apontamentos Práticos. Introdução a Circuitos Eléctricos e Electrónicos Introdução a Circuitos Eléctricos e Electrónicos 1 Introdução Não é intenção directa desta cadeira formar engenheiros com uma profunda instrução em electrónica; nunca é demais, no entanto, reafirmar a

Leia mais

O circuito elétrico em série é um divisor de tensão.

O circuito elétrico em série é um divisor de tensão. 01 O circuito elétrico em série é um divisor de tensão. Como as lâmpadas são idênticas, tem-se: U 1 = U 2 = U 3 = U 4 = U = lâmpada i Assim: U 1 + U 2 + U 3 + U 4 = 220 4U = 220 U = 55 V esposta: A 1 02

Leia mais

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo

Unidade 8. Eletricidade e Magnetismo Unidade 8 Eletricidade e Magnetismo Eletrostática e Eletrodinâmica Os fenômenos elétricos estão associados aos elétrons. Cargas Elétricas As cargas elétricas podem ser positivas ou negativas Cargas opostas

Leia mais

CORRECÇÃO 1. Indica três regras de segurança e de prevenção de acidentes na utilização de equipamento eléctrico.

CORRECÇÃO 1. Indica três regras de segurança e de prevenção de acidentes na utilização de equipamento eléctrico. 4 DISCIPLINA C.F.Q. 9ºANO Março 2011 CORRECÇÃO 1. Indica três regras de segurança e de prevenção de acidentes na utilização de equipamento eléctrico. Não manusear equipamentos eléctricos com as mãos molhadas,

Leia mais

Física C Extensivo V. 5

Física C Extensivo V. 5 GABAITO Física C Extensivo V. 5 Exercícios 0) a) = 4 + = 6 Ω 06) = Ω b) V = 48 = 6 i = A c) = = 4. = V V = V =. = 6 V d) P = P = 4. = 6 w P = P =. = 08 w e) P total = P + P = 44 w f) gerador ideal P fornecida

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação 2014 Roteiro Revisão Matemática Função matemática, função

Leia mais

FÍSICA 12 Marília Peres. A corrente eléctrica é um movimento orientado. só ocorre se houver diferença de potencial.

FÍSICA 12 Marília Peres. A corrente eléctrica é um movimento orientado. só ocorre se houver diferença de potencial. CIRCUITOS ELÉCTRICOS FÍSICA 12 1 CORRENTE ELÉCTRICA A corrente eléctrica é um movimento orientado de cargas eléctricas através de um condutor e só ocorre se houver diferença de potencial. O sentido convencional

Leia mais

Circuitos eléctricos Profª Helena Lança Ciências Físico-Química 9ºano

Circuitos eléctricos Profª Helena Lança Ciências Físico-Química 9ºano Profª Helena Lança Ciências Físico-Química 9ºano Um circuito eléctrico é um caminho por onde passa a corrente eléctrica. É constituído obrigatoriamente por um gerador e um receptor, podendo-se também intercalar

Leia mais

U = R.I. Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA

U = R.I. Prof.: Geraldo Barbosa Filho AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA AULA 06 CORRENTE ELÉTRICA E RESISTORES 1- CORRENTE ELÉTRICA Movimento ordenado dos portadores de carga elétrica. 2- INTENSIDADE DE CORRENTE É a razão entre a quantidade de carga elétrica que atravessa

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Exper. 4 Objetivo Associação de esistores dentificar em um circuito resistivo as associações serie, paralela e mista. Determinar a resistência equivalente entre dois pontos de um circuito elétrico resistivo,

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Leis de Ôhm e Resistores 1. (Unicamp 2013) O carro elétrico é uma alternativa aos veículos com motor

Leia mais

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico

Eletrodinâmica. Circuito Elétrico Eletrodinâmica Circuito Elétrico Para entendermos o funcionamento dos aparelhos elétricos, é necessário investigar as cargas elétricas em movimento ordenado, que percorrem os circuitos elétricos. Eletrodinâmica

Leia mais

Observe na figura mostrada acima que temos duas condições para um circuito em paralelo: fontes em paralelo ou cargas (resistores) em paralelo.

Observe na figura mostrada acima que temos duas condições para um circuito em paralelo: fontes em paralelo ou cargas (resistores) em paralelo. Ao contrário dos circuitos em série, em que a corrente é a mesma em qualquer um dos pontos do circuito, no circuito em paralelo a corrente se divide entre vários pontos de um circuito. Observe na figura

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FILIPA DE VILHENA. Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares. Actividade Laboratorial Física 12º Ano

ESCOLA SECUNDÁRIA FILIPA DE VILHENA. Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares. Actividade Laboratorial Física 12º Ano ESCOLA SECUNDÁRIA FILIPA DE VILHENA Utilização e Organização dos Laboratórios Escolares Actividade Laboratorial Física 12º Ano Característica de um LED e determinação da constante de Planck (Actividade

Leia mais

Potência e Energia Elétrica

Potência e Energia Elétrica Potência e Energia Elétrica Para qualquer máquina, em particular, para os aparelhos elétricos, definimos potência como a taxa de transformação ou conversão de energia na forma de calor outra forma de energia,

Leia mais

em série e aplica à associação uma ddp de 220V. O que é 0,5A. Calcule a resistência elétrica R L da lâmpa- acontece com as lâmpadas? da.

em série e aplica à associação uma ddp de 220V. O que é 0,5A. Calcule a resistência elétrica R L da lâmpa- acontece com as lâmpadas? da. FÍSIC - ELETICIDDE - SSOCIÇÃO DE ESISTOES S ESPOSTS ESTÃO NO FINL DOS EXECÍCIOS.. Um resistor de e um resistor de são associados 9. Um resistor de resistência elétrica tem dissipação em série e à associação

Leia mais

EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA

EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA EFEITO MAGNÉTICO DA CORRENTE ELÉTRICA Em 1819, Oersted ao aproximar uma bússola de um fio percorrido por corrente, observou que a agulha se movia, até se posicionar num plano perpendicular ao fio. Esta

Leia mais

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica

Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica Sala de Estudos FÍSICA Lucas 3 trimestre Ensino Médio 2º ano classe: Prof.LUCAS Nome: nº Sala de Estudos Geradores, Receptores e Potência Elétrica 1. (Espcex (Aman) 2013) A pilha de uma lanterna possui

Leia mais

Comprimento metro m Massa quilograma kg Tempo segundo s. Temperatura termodinâmica Kelvin K

Comprimento metro m Massa quilograma kg Tempo segundo s. Temperatura termodinâmica Kelvin K INTRODUÇÃO O Sistema Internacional e s ( S.I.) O SI é dividido em três grupos, a seguir: Sete s de Base Duas s Suplementares s derivadas Tabela 1 - s de Base do SI Comprimento metro m Massa quilograma

Leia mais

Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos.

Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos. Eletromagnetismo: Bobinas, Eletroímanes e Motores Elétricos www.fator-f.com info@fator-f.com Campo Magnético criado por uma corrente elétrica Campo Magnético criado por um fio, percorrido por uma corrente

Leia mais

Corrente elétricas. i= Δ Q Δ t [ A ]

Corrente elétricas. i= Δ Q Δ t [ A ] Corrente elétricas A partir do modelo atômico de Bohr, que o define pela junção de prótons, nêutrons e elétrons, é possível explicar a alta condutividade dos metais, devida à presença dos elétrons livres.

Leia mais

1-Eletricidade básica

1-Eletricidade básica SENAI 1 1-Eletricidade básica 1.1 - Grandezas Elétricas: 1.1 - Carga Elétrica, Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistência Elétrica; 1.2 - Leis de Ohm: 1.2.1-1 a Lei de Ohm 1.2.2 múltiplos e submúltiplos

Leia mais

SIMULADO DE CORRENTE ELÉTRICA

SIMULADO DE CORRENTE ELÉTRICA SIMULADO DE CORRENTE ELÉTRICA 1 T.1 (MACK) Dois fios, A e B, constituídos por massas iguais do mesmo cobre, são submetidos à mesma diferença de potencial e mantidos à mesma temperatura. O fio A tem o dobro

Leia mais

Lista de exercícios 6 Circuitos

Lista de exercícios 6 Circuitos Lista de exercícios 6 Circuitos 1. Um fio com uma resistência de 5,0 Ω é ligado a uma bateria cuja força eletromotriz é 2,0 V e cuja resistência interna é 1,0 Ω. Em 2 minutos, qual é: a) a energia química

Leia mais

1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com

1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com 1. Conceito de capacidade 2. Tipos de condensadores. 3. Associação de condensadores. 4. Energia de um condensador. 5. Condensador plano paralelo com dieléctrico. Utilidade: Armazenamento de carga e energia

Leia mais

Física. Leo Gomes (Vitor Logullo) 20 e Magnetismo

Física. Leo Gomes (Vitor Logullo) 20 e Magnetismo Magnetismo Magnetismo 1. Para ser atraído por um ímã, um parafuso precisa ser: a) mais pesado que o ímã b) mais leve que o ímã c) de latão e cobre d) imantado pela aproximação do ímã e) formando por uma

Leia mais

Apostila de Física 25 Corrente Elétrica

Apostila de Física 25 Corrente Elétrica Apostila de Física 25 Corrente Elétrica 1.0 Definições Gerador elétrico: Mantém entre seus terminais (pólos) uma diferença de potencial elétrico. Pólo positivo Maior potencial. Pólo negativo Menor potencial.

Leia mais

LEIS DE KIRCHHOFF LKC e LKT I = 0

LEIS DE KIRCHHOFF LKC e LKT I = 0 LEIS DE KIRCHHOFF LKC e LKT 1. LKC Comprovação 2. LKT Comprovação 3. Análise das equações As Leis de Kirchhoff são assim denominadas em homenagem ao físico alemão Gustav Kirchhoff 1. Formuladas em 1845,

Leia mais

Me. Leandro B. Holanda,

Me. Leandro B. Holanda, 27-1 O que é física? Estamos cercados de circuitos elétricos. Todos os esses aparelhos e também a rede de distribuição de energia elétrica que os faz funcionar, dependem da engenharia elétrica moderna.

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

wlad 2. O gráfico abaixo apresenta a medida da variação de potencial em função da corrente que passa em um circuito elétrico.

wlad 2. O gráfico abaixo apresenta a medida da variação de potencial em função da corrente que passa em um circuito elétrico. 1. Suponha um fio cilíndrico de comprimento L, resistividade ρ 1 e raio da seção transversal circular R. Um engenheiro eletricista, na tentativa de criar um fio cilíndrico menor em dimensões físicas, mas

Leia mais

3º ANO Data: / / Professor: Clóvis Bianchini Júnior Trimestre: 2º Aluno (a): Assinatura do responsável: AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO EM FÍSICA

3º ANO Data: / / Professor: Clóvis Bianchini Júnior Trimestre: 2º Aluno (a): Assinatura do responsável: AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO EM FÍSICA 3º ANO Data: / / 2016. Professor: Clóvis Bianchini Júnior Trimestre: 2º Aluno (a): Assinatura do responsável: Valor: 35,0 AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO EM FÍSICA Antes de iniciar a avaliação, leia atentamente

Leia mais

3º Estágio NOTA FINALIZADA

3º Estágio NOTA FINALIZADA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE JOÃO PESSOA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PR-EG UBTech - CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Componente Curricular: Física Geral III Professores: Evandro Alves Torquato Filho, José

Leia mais

c) da aplicação correta destas equações nos diversos níveis de problemas de Física abrangendo aquilo que estudamos.

c) da aplicação correta destas equações nos diversos níveis de problemas de Física abrangendo aquilo que estudamos. ELETRÓSTATICA E ELETRODINÂMICA I) RESUMO DAS PPRICIPAIS EQUAÇÕES Como Ciências naturais que se apoia nas ciências exatas para estudar as leis que regem os fenômenos da natureza em nível macroscópico e

Leia mais

Nome do Aluno: Nº Ensino Médio 2º ano.

Nome do Aluno: Nº Ensino Médio 2º ano. Valor do trabalho: 10 pontos NOTA: Nome do Aluno: Nº Ensino Médio 2º ano. Trabalho de recuperação paralela de Física Setor A Prof. Douglas Rizzi Data: / / INSTRUÇÕES GERAIS: Responda os testes com atenção

Leia mais

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO

www.e-lee.net Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Temática Circuitos Eléctricos Capítulo Teoria dos Circuitos COMPONENTES INTRODUÇÃO Nesta secção, estuda-se o comportamento ideal de alguns dos dipolos que mais frequentemente se podem encontrar nos circuitos

Leia mais

Transmissão de Calor

Transmissão de Calor Transmissão de Calor Revisão de Conceitos da Termodinâmica 11/08/2006 Referência: capítulos 7, 8 e 10 do livro de H. Moysés Nussenzveig, Curso de Física Básica 2 Fluidos. Oscilações e Ondas. Calor. 4 ed.

Leia mais

Questão 04- A diferença de potencial entre as placas de um capacitor de placas paralelas de 40μF carregado é de 40V.

Questão 04- A diferença de potencial entre as placas de um capacitor de placas paralelas de 40μF carregado é de 40V. COLÉGIO SHALOM Trabalho de recuperação Ensino Médio 3º Ano Profº: Wesley da Silva Mota Física Entrega na data da prova Aluno (a) :. No. 01-(Ufrrj-RJ) A figura a seguir mostra um atleta de ginástica olímpica

Leia mais

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores

Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Lei de Ohm: associação de resistores e capacitores Na figura abaixo, exemplificamos um circuito simples, onde aplicamos uma fonte de energia (V), ligada a um resistor (R) e que resultará em uma corrente

Leia mais

Capítulo II. Elementos de Circuitos

Capítulo II. Elementos de Circuitos Capítulo II Elementos de Circuitos.1 Introdução O objetivo da engenharia é projetar e produzir dispositivos que atendam às necessidades humanas. Para tanto, é necessário que se conheçam os componentes

Leia mais

FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 17 ELETRODINÂMICA: CORRENTE ELÉTRICA, RESISTORES E LEI DE OHM

FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 17 ELETRODINÂMICA: CORRENTE ELÉTRICA, RESISTORES E LEI DE OHM FÍSICA - 2 o ANO MÓDULO 17 ELETRODINÂMICA: CORRENTE ELÉTRICA, RESISTORES E LEI DE OHM A B FALTA DE CARGAS NEGATIVAS EXCESSO DE CARGAS NEGATIVAS A V A + - B V B U = V A - V B E A B U = V A - V B A + - B

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares

ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares ÁLGEBRA LINEAR: aplicações de sistemas lineares SANTOS, Cleber de Oliveira dos RESUMO Este artigo apresenta algumas aplicações de sistemas lineares, conteúdo estudado na disciplina de Álgebra linear da

Leia mais

d) calcule o potencial elétrico em qualquer ponto da superfície e do interior da esfera.

d) calcule o potencial elétrico em qualquer ponto da superfície e do interior da esfera. Na solução da prova, use quando necessário: 8 Velocidade da luz no vácuo c = 3, 1 m/s 7 Permeabilidade magnética do vácuo µ =4π 1 T m / A 9 2 2 Constante eletrostática no vácuo K=9 1 N m / C Questão 1

Leia mais

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento

Circuitos Elétricos 1º parte. Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Circuitos Elétricos 1º parte Introdução Geradores elétricos Chaves e fusíveis Aprofundando Equação do gerador Potência e rendimento Introdução Um circuito elétrico é constituido de interconexão de vários

Leia mais

Halliday Fundamentos de Física Volume 1

Halliday Fundamentos de Física Volume 1 Halliday Fundamentos de Física Volume 1 www.grupogen.com.br http://gen-io.grupogen.com.br O GEN Grupo Editorial Nacional reúne as editoras Guanabara Koogan, Santos, Roca, AC Farmacêutica, LTC, Forense,

Leia mais

Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena.

Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena. Aula 6.1 Conteúdo: Eletrodinâmica corrente elétrica e seus efeitos, corrente contínua e alternada, relacionados a com a cultura indígena. Habilidades: Entender a corrente elétrica como fluxo de elétrons

Leia mais

Capítulo I Grandezas Elétricas

Capítulo I Grandezas Elétricas Capítulo I Grandezas Elétricas 1 Introdução 1.1 Sistema Internacional de Unidades (SI) É um conjunto de definições utilizado em quase todo o mundo moderno, que visa uniformizar e facilitar as medições.

Leia mais