TÍTULO: Melhoria contínua continua? Conceitos, Vertentes e Tendências

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO: Melhoria contínua continua? Conceitos, Vertentes e Tendências"

Transcrição

1 TÍTULO: Melhoria contínua continua? Conceitos, Vertentes e Tendências RESUMO Autoria: Chen Yen-Tsang, João Mário Csillag, Orlando Cattini Junior O sucesso das empresas japonesas chamou a atenção dos gestores e acadêmicos no mundo inteiro com sua ideologia Kaizen, que traduzido para nossa linguagem significa melhoramento contínuo (Continuous Improvement CI). Neste trabalho, foi feita uma revisão teórica utilizando dados das bases ISI Web of Science e Scielo com vistas a analisar tal conceito e as varias correntes sobre o assunto na literatura internacional. Alem disso, foi feita uma comparação com o que se pratica no Brasil em termo de melhoramento contínuo. Os resultados deste trabalho mostram que o conceito do termo melhoria contínua, apesar de sutis diferenças entre autores internacionais, traz uma concordância de que se trata de um processo, incremental e contínuo, de baixo impacto individualmente, porém significativo quando acumulado. As atividades devem permear a organização inteira e não restringir-se apenas aos movimentos da qualidade Os estudos que tratam melhoria contínua iniciaram analisando o fenômeno em si sem considerar seu impacto na empresa na forma empírica quantitativa, em seguida foram acrescentados parâmetros que consideram o planejamento, organização, a estrutura, e aspectos culturais e humanos em relação à ideologia e implementação de melhoria contínua. Finalmente, foram incluídos aspectos estratégicos sob enfoque de Visão Baseada em Recursos (Resource Based View - RBV) Atualmente estão sendo conduzidas pesquisas empíricas quantitativas com resultados promissores na área. A revisão dos artigos internacionais consultados sobre o tema, espontaneamente, se classificaram conforme sugestão de Jha et al (1996): (a) Melhoria contínua e as condições competitivas e estratégias de negócio; (b) Melhoria contínua e as estratégias funcionais; (c) Melhoria contínua e as novas tecnologias; (d) Melhoria contínua e recursos humanos; (e) Implementação da melhoria contínua. É conclusão do trabalho, para grande maioria dos estudos no Brasil, a melhoria contínua é percebida como um fim e não como um processo permanente, abrangendo toda a empresa. Também ficou claro que não há nenhuma preferência por uma das várias vertentes estudadas no exterior. O estágio em que se encontra a pesquisa sobre o assunto no Brasil está ainda na fase inicial, analisando apenas estudos de casos, sem preocupação no resultado global da empresa. foram encontrados estudos quantitativos em nenhum dos 16 artigos pesquisados publicados no Brasil. 1

2 INTRODUÇÃO A melhoria contínua é apontada por diversos estudos como uma peça chave para manter a competitividade de uma empresa em um cenário dinâmico (Imai, 1997; Prado, 1997; Tanner & Roncarti, 1994). Assim como argumentado por Imai (1988), somente a inovação disruptiva não é suficiente para manter uma empresa competitiva ao longo do tempo, já que entre as sucessivas inovações disruptivas são necessárias as atividades de melhorias contínuas para combater a tendência natural da degradação do sistema. Na área da melhoria contínua as empresas japonesas despontaram no cenário mundial com a sua ideologia Kaizen e chamaram a atenção pelas suas metodologias da qualidade e produção como Total Quality Management e Lean Manufacturing. Essas técnicas passaram a ser exaustivamente estudadas e disseminadas no mundo, porém nem todas as empresas que as implementaram obtiveram resultados como as concorrentes orientais (Pay, 2008; Powell, 1995). O sucesso das empresas japonesas nas suas gestões de melhoria contínua é atribuído aos fatores culturais da população que não estão impregnadas no ocidente, porém isso é contestado por Schroeder e Robinson (1991). Tendo vista a relevância do tema para gestores de empresa assim como para os acadêmicos, este trabalho tem como objetivo estudar os conceitos da melhoria contínua, suas vertentes na pesquisa global e identificar as suas tendências. Paralelamente, verificar qual o status da pesquisa no Brasil em relação ao assunto abordado. Para estruturar este trabalho, o artigo está organizado em cinco partes, além desta introdução, a saber: histórico da melhoria contínua, conceitos e vertentes, pesquisa no Brasil, discussão e identificação de tendências e, seguidas das considerações finais HISTÓRICO DA MELHORIA CONTÍNUA Ao estudar os casos de sucesso e a competitividade das empresas japonesas, muito tem sido atribuído ao fator cultural que não está presente nas empresas ocidentais (Schroeder & Robinson, 1991). Tal como afirmado por Ishikawa (1986), o sistema de educação, as escritas e a disciplina foram alguns dos ingredientes fundamentais para a reestruturação e elevação da competitividade das empresas japonesas. Outro fator que se destaca é a ideologia Kaizen que de ser definida como um sistema de idéias e conjuntos de princípios mais ou menos estruturados sistemicamente, compreendendo crenças, atitudes e visões dentro de uma organização (Savolainen, 1999). O ideograma Kaizen envolve duas letras Kai ( 改 ) que significa mudança e Zen ( 善 ) melhoria. A junção destas duas letras significa mudar para melhor e incorpora no seu significado a elevação de status quo em relação ao estado anterior e uma conotação de dinamismo. Essa palavra traduzida para a língua ocidental equivale à Melhoria Contínua (Continuous Improvement CI) (Singh & Singh, 2009). O emprego da palavra Kaizen na grande parte da literatura como representação das atividades de melhoria contínua leva-nos a acreditar que essa ideologia é originária da cultura oriental. Essa crença a respeito do surgimento dos conceitos da melhoria contínua no oriente é contestada por Schroeder e Robinson (1991), quem defendem a origem do seu conceito 2

3 nos Estados Unidos muito antes da sua introdução no Japão durante as atividades de reestruturação do país pós Segunda Guerra Mundial. Segundo Schroeder e Robinson (1991), a história do surgimento da melhoria contínua data da Revolução Industrial quando Frederick Taylor e Frank Gilbreth advogaram o uso de método científico para chegar à melhor forma de produção (one best way). Os métodos científicos da administração exigem treinamento, sistematização, padronização, controle e determinação de uma metodologia para aumentar a eficiência e eficácia. Neste método há uma separação entre a mão de obra pensante e mão de obra executora. Ainda segundo esses autores, esta separação entre pensar e fazer era considerado, por Henry Gantt, um aluno do Taylor, como uma desvantagem da administração científica que pode ser superada pela re-introdução dos trabalhadores nos processos de melhoria e para isso, é necessário deixar a cargo dos executantes das tarefas que sugerissem as melhores formas de realizar a atividade, pagando, assim, uma recompensa para as melhorias introduzidas por este. Schroeder e Robinson (1991) também escreveram que o sistema de sugestões que conhecemos hoje não é tão recente, os primeiros datam do século I conforme demonstra a Tabela 1. Tabela 1 Primeiras Empresas a possuírem sistema de sugestão (fonte Schroeder e Robinson (1991)) Empresas Introdução de sistema de sugestão Origem Denny of Dumbarton 1871 Escócia National Cash Register 1894 Estados Unidos Lincoln Electric Company 1946 Estados Unidos Para reestruturar a indústria japonesa empregando relativamente pouco investimento e de forma eficiente, os japoneses foram treinados pelos acadêmicos americanos nas suas próprias empresas e sob a influência dos gurus da qualidade como Deming e Juran a melhoria contínua é incorporado no movimento da qualidade e sua ideologia assume o nome Kaizen (Imai, 1988). O sucesso deste modelo no Japão foi propulsionado pelo choque de petróleo na década de 70, enquanto que, os Estados Unidos tendo sido impulsionados após Segunda Guerra mundial como principal potencia mundial obteve sucessivos resultados positivos, assistiram ao desaparecimento da melhoria contínua na grande maioria de suas indústrias. E o seu ressurgimento se deve à invasão dos produtos japoneses e da competitividade das empresas japonesas no final da década de 70 e início da década de 80 (Jha, et al., 1996; Skinner, 1974) Segundo Jha et al (1996), a retomada do interesse dos Estados Unidos no assunto de melhoria contínua voltou no início da década de 80, trazendo neste período um aumento do volume de reportagens e estudos sobre este tema melhoria contínua (CI). CONCEITOS E VERTENTES Conceitos Numa primeira definição de melhoria contínua, intuitivamente pensa-se nos fins que essas atividades trazem além de estarem associadas com os conceitos da qualidade (Jha, et al., 1996), tais como Total Quality Management (TQM), Total Quality Control (TQC), Lean Manufacturing. Outra definição, Segundo Jah et al (1996) advoga o 3

4 conceito da melhoria contínua como mais abrangente, tanto que, segundo eles, a CI é uma coleção de atividades que constituem um processo visando atingir melhoria. Essa definição é sustentada por pesquisas anteriores, tal como conduzido por Gilmore (1990), segundo o qual onde a melhoria contínua é definida como integração das filosofias organizacionais, técnicas e estruturais para atingir melhoria de desempenho sustentável em todas as suas atividades, de forma ininterrupta. As duas definições acima abordam o conceito de melhoria contínua sob aspecto de processo, porém não transmitem a percepção de como é realizada a melhoria contínua. Para esta pesquisa foram consultados outros artigos trazendo uma nova definição para CI (Bessant et al (1994)) e segundo a qual, a melhoria contínua é um processo que abrange a companhia e focada na inovação incremental. Para complementar a definição, esses autores definem a inovação incremental como passos pequenos de alta freqüência e curto ciclo de mudança que isoladamente tem pouco impacto, porém na forma cumulativa contribuem significativamente para o desempenho. Este conceito proposto por Bessant et al (1994), foi citado em diversas ocasiões nos estudos posteriores tais como Savolaine (1999), Bessant e Fransis (1999), Bessant et al (2001), Bhuiyan e Baghel (2005), Wu e Chen (2006), Dabhilkar et al (2007), Peng et al (2008), Anand et al (2009). O emprego deste conceito, proposto inicialmente em 94, demonstrou ao longo do tempo a validade e a aceitação deste para embasamento dos estudos acadêmicos. Ainda tratando da definição de melhoria contínua, segundo Jorgensen et al (2006), a melhoria contínua pode ser definida como processo planejado, organizado e sistêmico de caráter contínuo, incremental e de abrangência da companhia visando melhorar o desempenho da firma. Percebe-se que esta definição, em relação às definições anteriores, mantém as idéias de processo, incremental e desempenho com o conceito de planejamento e organização. Diferentemente de Bessant et al (1994), para Jorgensen et al (2006) a CI é uma forma de inovação incremental, enquanto que os anteriores encaram inovação incremental como sendo o meio para atingir a CI. Analisando as definições, percebe-se que não há uma que pode ser considerada unanime para referências acadêmicas, já que dependendo da visão dos autores, a definição envolve mais ou menos conceitos que podem ser considerados imprescindíveis em suas respectivas ótica. Essas percepções a respeito da melhoria contínua pelos diversos autores podem ser representadas na Tabela 2 Tabela 2 - Definição da Melhoria Contínua e os Conceitos envolvidos (fonte: os autores) Autores Gilmore (1990) Bessant et al (1994) Jah et al (1996) Jorgensen et al (2006) Conceitos Envolvidos Processo; Abrangência organizacional, Técnicas, Contínua, Desempenho Processo; Abrangência organizacional; Inovação Incremental; Contínua; Desempenho; Freqüente; Cumulativa. Processo; Desempenho; Sistêmico Processo; Planejamento; Organizado; Contínuo; Abrangência organizacional; Desempenho; Incremental. Vertentes O tema melhoria contínua como mencionado por Jah et al (1996) recebeu mais interesse a partir da década de 80. Segundo esses autores, o volume de publicações relacionado a este tema tem crescido exponencialmente partindo de uma publicação em 1982, 306 4

5 publicações em 1993 e 166 em Neste trabalho foi efetuada uma pesquisa utilizando a base de dados Web of Science e com as palavras chave Continuous Improvement e Operation and management Science e filtrado apenas os artigos constatou-se um comportamento similar ao descrito por Jah et al (1996) entre os períodos de 1989 a 1997 e posteriormente uma estabilização das publicações relacionadas ao tema CI. Este comportamento está ilustrado na Figura 1 Figura 1 - Artigos publicados relacionado ao tema melhoria contínuos (Continuous Improvmente - CI) O grande salto no numero de publicações em 1997 se deve à edição especial sobre o tema da revista International Journal Of Technology Management A pesquisa sobre o tema melhoria contínua na área de operações, segundo levantamento de Jah et al (1996), até 1996 ainda estava muito relacionada à qualidade. Enquanto isso na grande área sobre estudos organizacionais o tema melhoria contínua assume a nomenclatura de Exploitative Innovation e o estudo é conduzido visando como uma empresa pode tornar-se ambidestra, isto é, conseguir criar inovações disruptivas e ao mesmo tempo manter a inovação incremental (Benner & Tushman, 2003; Jansen, Van den Bosch, & Volberda, 2006; March, 1991). Outros estudos abordam o tema com nome aprendizagem organizacional (Choi, 1995; Li & Rajagopalan, 1998; Locke & Jain, 1995; Ni & Sun, 2009). Ao comparar outras áreas de estudo, Jah et al (1996) detectaram a necessidade de aumentar o leque de pesquisa do tema melhoria contínua, e para isso sugeriram as cinco seguintes vertentes de pesquisa conforme demonstrado na Tabela 3: 5

6 Tabela 3 - Vertente de Pesquisa do tema melhoria contínua e os autores relacionados (Fonte das vertentes: Jah et al (1996), Fonte das pesquisas realizadas: os autores) Vertentes Perspectiva da Pesquisa Pesquisa realizada Melhoria contínua, Capacidades competitivas, Bessant e Francis (1999), condições Recursos, Dynamic Capabilities, Cole (2002), Peng et al competitivas e Relação entre melhoria contínua e (2008), Ncube (2008), estratégia de negócio inovação disruptivas Anand et al (2009), Melhoria contínua e Medidas de Desempenho e Bond (1999), Carpinetti e estratégias funcionais Melhoria contínua e novas tecnologias Melhoria contínua e recursos humanos Implementação de melhoria continua Melhoria contínua Adoção ou emprego de tecnologias e melhoria contínua Cultura, Aprendizagem organizacional e Melhoria contínua Fatores necessárias para implementação de sucesso da melhoria contínua, habilidades, e seqüência de maturidade Martins (2001), Lin (2009), Hopp (1998), Maropoulos (2003), Zangwill (1998), Ahmed et al (1999), Jorgensen et al (2007), Bruckner (2009) Bessant et al (2001), Caffyn (1999), Rijnders e Boer (2004), Jager et al (2004), Jorgensen et al (2006), Wu e Chen (2006), Dabhilkar et al (2007), PESQUISAS NO BRASIL Metodologia Para pesquisar as vertentes dos estudos brasileiros relacionadas ao tema melhoria contínua, este trabalhou utilizou a base de dados Scielo (Scientific Electronic Libriary Online) e adotou a palavra chave melhoria contínua para a pesquisa. Para acessar a base de dado Scielo empregou o site e Em ambos os casos não foi imposta nenhuma restrição no período de publicação. Os artigos resultantes da pesquisa foram lidos um a um para verificar como os autores brasileiros abordaram o tema melhoria contínua e, posteriormente, e quais foram relacionados a este assunto. Uma vez localizados os artigos citados, puderam ser reanalisados e separado por vertente. A metodologia pode ser ilustrada na Figura 2: Identificação dos artigos relacionados ao tema melhoria contínua na base de dados SCIELO Compor a base de dados dos autores relacionados à melhoria contínua citados nos artigos brasileiros Apresentar os resultados da análise da abordagem e discussões propostas na área de Gestão de Operações 2 4 Leitura dos artigos encontrados e identificar como é abordado o tema melhoria contínua Analisar os artigos brasileiros conforme a vertente identificada na pesquisa global Figura 2 - Metodologia para estudar as pesquisas sobre o tema melhoria contínua no Brasil 6

7 Resultado O resultado da busca na base de dados SCIELO disponível no retornou um total de 35 artigos entre os períodos de 1993 a Desses 35 artigos, foram removidos aqueles que não estavam relacionados à área Operation and management Science. Com isso resultaram em 15 artigos. Analogamente ao procedimento anterior, acessou-se a base de dados SCIELO disponível no e a procura retornou um total de nove artigos; como alguns aparecerem em ambas as buscas, a amostra a ser considerada totaliza 16 artigos, representada na Tabela Tabela 4 - Amostra de artigos da base de dado Scielo (Fonte: os autores) Autores Revista Área Lemos e Nascimento (1999) Attadia e Martins (2003) Mesquita e Alliprandini (2003) 4 Salomi et al (2005) 5 Gonzalez e Martins (2007) 6 Obadia et al (2007) 7 Silva Filho et al (2007) 8 Amaral et al (2008) Rev. adm. contemp. Ciências Sociais Aplicada org br Produção Engenharia Gestão & Produção Gestão & Produção Engenharia Engenharia Produção Engenharia Gestão & Produção Engenharia Produção Engenharia Ciência da Informação Ciências Sociais Aplicada Santos e Amato Neto 9 Produção Engenharia (2008) Mergulhão e Martins 10 Produção Engenharia (2008) Rev. Adm. Ciências Sociais 11 Bufoni et al (2009) Contemp. Aplicada Galdámez et al Gestão & 12 Engenharia (2009) Produção Godinho Filho e 13 Produção Engenharia Uzsoy (2009) Ciência da Ciências Sociais 14 Gonzalez et al (2009) Informação Aplicada 15 Satolo et al (2009) Produção Engenharia Rev. Adm. Ciências Sociais 16 Silveira (2009) Contemp. Aplicada Dentro desta amostra de artigos, existe uma parcela, que apesar de conter as palavras melhoria contínua no seu resumo, apenas tratam a melhoria contínua como sendo resultado de um processo, projeto ou atividade ou simplesmente não tratam da melhoria contínua. Tendo em vista esta parcela de artigos, pode-se classificar a amostra conforme a percepção que os autores brasileiros têm sobre o tema e a sua abordagem mostrada na Tabela 5 7

8 1 2 3 Autores Lemos e Nascimento (1999) Attadia e Martins (2003) Mesquita e Alliprandini (2003) Tabela 5 - Classificação dos artigos da amostra (Fonte: os autores) Percepção da Melhoria Contínua Fim Processo Processo 4 Salomi et al (2005) Fim 5 Gonzalez e Martins (2007) Processo 6 Obadia et al (2007) Fim 7 Silva Filho et al (2007) Fim 8 Amaral et al (2008) Fim 9 10 Santos e Amato Neto (2008) Mergulhão e Martins (2008) Fim 11 Bufoni et al (2009) Fim Galdámez et al (2009) Godinho Filho e Uzsoy (2009) Foco do artigo Programa de Produção mais limpa Medição de desempenho Competências essenciais Serviço e Medição de desempenho Estratégia Funcional (ISO9001:2000) Mudança Organizacional Programa Produção mais limpa Competências e Inteligência Competitiva Gestão de Conhecimento Adoção de Conceito da Melhoria Contínua? Sim Sim Sim Sim Fim Programa seis sigma Fim Processo 14 Gonzalez et al (2009) Fim Processos de certificação socioambiental Medição de Desempenho Estoque Intermediário Gestão de Conhecimento 15 Satolo et al (2009) Fim Programa seis sigma 16 Silveira (2009) Processo Maturidade da empresa e Recursos Humanos Sim Uma análise mostra na Tabela 6, quais autores internacionais dos respectivos artigos mais citados em periódicos brasileiros e número de vezes que isto acontece. Tabela 6 - Artigos mais citados sobre melhoria contínua por artigos brasileiros (fonte: os autores) Autores Título No. de vezes citados Bessant et al (1994) Rediscovering continuous improvement 3 Bessant et al (2001) An evolucionary model of continous improvement behaviour 3 Caffyn (1999) Development Of A Continuous Improvement Self- Assessment Tool 2 Savolainen (1999) Cycles of continuous improvement: Realizing competitive advantages through quality 2 Sim 8

9 DISCUSSÃO E IDENTIFICAÇÃO DE TENDÊNCIAS Como decorrência desta pesquisa foi identificada as seguintes tendências de tratamento do tema, conforme demonstrado pela análise Tabela 5 e Tabela 6: A melhoria contínua é percebida como o fim ou resultado de algum outro processo e não um processo permanente, abrangendo toda a empresa: A grande maioria dos artigos percebe a melhoria contínua como resultado de um projeto especial e não como um esforço contínuo e necessário, conforme o conceito original sugere. Isso demonstra que o tema melhoria contínua, sob a perspectiva discutida previamente, ainda está em seu estágio inicial nos estudos brasileiros. há, no Brasil, indicação de preferência por nenhuma das cinco correntes mencionadas previamente: Apesar de muitos daqueles que pesquisam o processo de melhoria contínua adotarem o conceito sugerido por Bessant et al (1994), no qual a melhoria contínua é um processo de abrangência organizacional impulsionada por inovações incrementais, percebe-se que, no Brasil, não há identificação clara por uma dessas vertentes. A vertente que estuda implementação de melhoria contínua de sucesso caminha para estudos empíricos mais quantitativos: Em relação às tendências de pesquisa internacional, a vertente que estuda implementação de melhoria contínua de sucesso caminha para estudos empíricos quantitativos, testando o modelo proposto por Bessant et al (2001), pois como sugerido por Jorgensen et al (2006), há falta de comprovações empíricas para o modelo assim também como faltam de estudos empíricos quantitativos relacionandos a melhoria contínua ao desempenho da firma. Essa sugestão do Jorgensen et al (2006) constitui crítica à visão linear adotada por Bessant et al (2001). Assim, alguns estudos têm sido publicados em função dessa sugestão, tais como Wu e Chen (2006), Dabhilkar e Bengtsson (2007), Dabhilkar et al (2007). se detectou preocupação em validar o modelo proposto levando em conta o cenário brasileiro: Nas pesquisas brasileiras, os estudos tratando da implementação ou dos conceitos de evolução das competências e habilidades relacionadas à melhoria contínua adotaram técnicas de estudo de caso e os modelos propostos por Bessant et al (2001). No entanto, a verificação da adequação e a validação deste modelo, levando em conta as condições e contornos específicos do cenário brasileiro, parece não ser assunto muito tratado (Attadia & Martins, 2003; Gonzalez & Martins, 2007; Mesquita & Alliprandini, 2003; Silveira, 2009). Nos artigos brasileiros ainda não há nenhuma pesquisa que enxergue a melhoria contínua como condições competitivas e estratégicas do negócio: Outra vertente que merece um destaque para a discussão é o envolvimento da melhoria contínua com as condições competitivas e estratégias de negócio. Nesta corrente as pesquisas focalizam a melhoria contínua sob óticas operacionais de competência e prioridades competitivas (Peng, et al., 2008), abordando o tema além daquela visão tradicional de melhoria contínua e qualidade. É importante ressaltar que, nos artigos brasileiros, ainda não há nenhuma pesquisa que esteja voltada para esta perspectiva. Como sugestão de ponto de partida de pesquisa futura e original, trabalhos do Anand et al (2009) e Chapman e Corso (2005) e Peng et al (2008) podem ser interessantes. No Brasil, a melhoria contínua e estratégia funcional está relacionada com a implementação de práticas bastante discutidas ou obtenção de certificações: Programas 9

10 e ideologias da qualidade, relacionando a melhoria contínua com as estratégias funcionais, tem sido o fundamento dos estudos (Bhuiyan & Baghel, 2005; Jha, et al., 1996). Com o aumento da abrangência do conceito de melhoria contínua (gestão, grupo, individual) (Bhuiyan & Baghel, 2005) é possível ampliar o foco de pesquisa, relacionando-a a outras filosofias ou ideologias de melhoria contínua tais como Teoria das Restrições e Análise do Valor. No Brasil, os trabalhos focam as práticas ou certificações como um meio para atingir a melhoria contínua e abordam essas práticas sob ótica de grupo (Gonzalez & Martins, 2007; Satolo, et al., 2009) CONSIDERAÇÕES FINAIS Há uma concordância, quanto à definição do termo melhoria contínua, apesar de haver sutis discrepâncias segundo diferentes autores internacionais, de que se trata de um processo, incremental e contínuo, de baixo impacto individual, porém significativo quando acumulado. As atividades devem permear a organização inteira e não restringirse apenas aos movimentos da qualidade. Os estudos internacionais em relação ao tema melhoria contínua na comunidade acadêmica têm recebido um aumento relativo de atenção, e isso pode ser visto pelas publicações sobre o tema que foram aumentando ao longo dos anos (Figura 1). Este interesse também vem acompanhado da ampliação do escopo do tema tem. Como constatado por Jha et al (1996) as literaturas até então tem focado melhoria contínua com os movimentos de qualidade, e eles advogaram a necessidade de introduzir outras lentes nos estudos sobre o tema e com isso sugerindo as cinco vertentes para pesquisas na área. A revisão dos artigos consultados sobre o tema, espontaneamente, se classificaram conforme sugestão de Jha et al (1996). Um cuidadoso estudo comparativo entre 16 artigos brasileiros sobre melhoria contínua mostra que a abordagem de melhoria contínua encontra-se nos estágios iniciais, em que são estudadas situações pontuais, não sistêmicas apenas qualitativas em geral consistindo estudo de caso e no máximo de dois casos. Nenhum dos artigos trouxe uma abordagem teórica em mostrando a situação conceitual constituindo isto uma contribuição inovadora da presente pesquisa. Nenhum trabalho feito em nosso país sobre o tema traz uma análise crítica de qualquer dos modelos e nem sequer propôs uma nova vertente, constituindo assim temas para futuras pesquisas. Caso os estudos brasileiros, até o presente momento, se enquadrassem numa das cinco correntes discutidas, poderiam trazer maior esclarecimento para a compreensão da realidade, encetando, assim, outras oportunidades de pesquisas futuras como: (a) estudo empírico quantitativo sobre o modelo proposto por Bessant et al (2001), bem como sua linearidade e particularidade do País; (b) Rotinas organizacionais, melhoria contínua e relação com inovação disruptiva (Peng, et al., 2008); (c) Melhoria contínua sob ótica da Resource Based View (Anand, et al., 2009); (d) melhoria contínua sob ótica da supplychain e colaboração (Chapman & Corso, 2005); (e) Abordagem mais ampla para as estratégias funcionais, relacionado-as com a melhoria contínua (Bhuiyan & Baghel, 2005). 10

11 Constitui limitação do presente trabalho a base de dado utilizada que possui apenar artigos publicados na Tabela 4 e não abrangendo, portanto outros trabalhos que não foram transformados em artigos em periódicos. Finalmente, este trabalho abordou a discussão sobre a origem da ideologia da melhoria contínua no Brasil e o seu histórico e contribui no Brasil para orientar aqueles que gostariam de avançar pesquisas sobre o tema tão importante para o nosso País REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Ahmed, P. K., Loh, A. Y. E., & Zairi, M. (1999). Cultures for continuous improvement and learning. Total Quality Management, 10(4/5), S426. Amaral, R. M., Garcia, L. G., Faria, L. I. L. d., & Aliprandini, D. H. (2008). Modelo para o mapeamento de competências em equipes de inteligência competitiva. Ciência da Informação, Vol. 37(n. 2). Anand, G., Ward, P. T., Tatikonda, M. V., & Schilling, D. A. (2009). Dynamic capabilities through continuous improvement infrastructure. Journal of Operations Management, 27(6), Attadia, L. C. d. L., & Martins, R. A. (2003). Medição de desempenho como base para evolução da melhoria contínua. Produção, Vol. 13(n. 2). Benner, M. J., & Tushman, M. L. (2003). Exploitation, Exploration and Process Management: The Productivity Dilemma Revisited. Academy of Management Review, Vol. 28(No. 2), 20. Bessant, J., Caffyn, S., & Gallagher, M. (2001). An evolutionary model of continuous improvement behaviour. Technovation, 21(2), Bessant, J., Caffyn, S., Gilbert, J., Harding, R., & Webb, S. (1994). Rediscovering Continuous Improvement. Technovation, 14(1), Bessant, J., & Francis, D. (1999). Developing strategic continuous improvement capability. International Journal of Operations & Production Management, 19(11), Bhuiyan, N., & Baghel, A. (2005). An overview of continuous improvement: from the past to the present. Management Decision, 43(5), Bond, T. C. (1999). The role of performance measurement in continuous improvement. International Journal of Operations & Production Management, 19(12), Bruckner, J. (2009). Building a Culture of Innovation. Baseline(98), Bufoni, A. L., Muniz, N. P., & Ferreira, A. C. d. S. (2009). O processo de certificação socioambiental das empresas: o estudo de caso do certificado 'empresa cidadã'. Revista de Administração Contemporânea, Vol. 13(Especial). Caffyn, S. (1999). Development of a continuous improvement self-assessment tool. International Journal of Operations & Production Management, 19(11), 16. Carpinetti, L. C. R., & Martins, R. A. (2001). Continuous improvement strategies and production competitive criteria: Some findings in Brazilian industries. Total Quality Management, 12(3), Chapman, R. L., & Corso, M. (2005). From continuous improvement to collaborative innovation: the next challenge in supply chain management. Production Planning & Control, 16(4), Choi, T. (1995). Conceptualizing continuous improvement: Implications for organizational change. Omega, 23(6),

12 Cole, R. E. (2002). From continuous improvement to continuous innovation. Total Quality Management, 13(8), Dabhilkar, M., & Bengtsson, L. (2007). Continuous improvement capability in the Swedish engineering industry. International Journal of Technology Management, 37(3/4), Dabhilkar, M., Bengtsson, L., & Bessant, J. (2007). Convergence or National Specificity? Testing the CI Maturity Model across Multiple Countries. Creativity & Innovation Management, 16(4), Galdámez, E. V. C., Carpinetti, L. C. R., & Gerolamo, M. C. (2009). Proposta de um sistema de avaliação do desempenho para arranjos produtivos locais. Gestão & Produção, Vol. 16(n. 1). Gilmore, H. L. (1990). Continuous Incremental Improvement: An Operations Strategy for Higher Quality, Lower Costs, and Global Competitiveness. SAM Advanced Management Journal ( ), 55(1), 21. Godinho Filho, M., & Uzsoy, R. (2009). Efeito da redução do tamanho de lote e de programas de Melhoria Contínua no Estoque em Processo (WIP) e na Utilização: estudo utilizando uma abordagem híbrida System Dynamics Produção, Vol. 19(n. 3). Gonzalez, R. V. D., & Martins, M. F. (2007). Melhoria contínua no ambiente ISO 9001:2000: estudo de caso em duas empresas do setor automobilístico. Produção, Vol. 17(n. 3). Gonzalez, R. V. D., Martins, M. F., & Toledo, J. C. d. (2009). Gestão do conhecimento em uma estrutura organizacional em rede. Ciência da Informação, Vol. 38(n. 1). Hopp, W. J., & Roof, M. L. (1998). Setting WIP levels with statistical throughput control (STC) in CONWIP production lines. International Journal of Production Research, 36(4), Imai, M. (1988). Kaizen : a estrategia para o sucesso competitivo. São Paulo: IMAM. Imai, M. (1997). Gembra Kaizen: a commonsense, low cost approach to management. New York: McGraw-Hill. Ishikawa, K. (1986). TQC, Total Quality Control: Estratégia e Administração da Qualidade (2. edição ed.). São Paulo: IMC International Sistem Educativos. Jager, B. d., Minnie, C., Jager, J. d., Welgemoed, M., Bessant, J., & Francis, D. (2004). Enabling continuous improvement: a case study of implementation. Journal of Manufacturing Technology Management, 15(4), Jansen, J. J. P., Van den Bosch, F. A. J., & Volberda, H. W. (2006). Exploratory innovation, exploitative innovation, and performance: Effects of organizational antecedents and environmental moderators. Management Science, 52(11), Jha, S., Michela, J. L., & Noori, H. (1996). The dynamics of continuous improvement. International Journal of Quality Science, vol. 1(1). Jørgensen, F., Boer, H., & Laugen, B. T. (2006). CI Implementation: An Empirical Test of the CI Maturity Model. Creativity & Innovation Management, 15(4), Jørgensen, F., Laugen, B. T., & Boer, H. (2007). Human Resource Management for Continuous Improvement. Creativity & Innovation Management, 16(4), Lemos, Â. D., & Nascimento, L. F. (1999). A produção mais limpa como geradora de inovação e competitividade Revista de Administração Contemporânea, Vol. 3(n. 1). Li, G., & Rajagopalan, S. (1998). Process improvement, quality, and learning effects. Management Science, 44(11),

13 Lin, L.-C., Li, T.-S., & Kiang, J. P. (2009). A continual improvement framework with integration of CMMI and six-sigma model for auto industry. Quality and Reliability Engineering International, 25(5), Locke, E. A., & Jain, V. K. (1995). ORGANIZATIONAL LEARNING AND CONTINUOUS IMPROVEMENT. International Journal of Organizational Analysis ( ), 3(1), 45. March, J. O. (1991). Exploration And Exploitation In Organizational Learning. Organization Science, Vol. 2(No. 1), 17. Maropoulos, P. G. (2003). Digital enterprise technology - defining perspectives and research priorities. International Journal of Computer Integrated Manufacturing, 16(7-8), Mergulhão, R. C., & Martins, R. A. (2008). Relação entre sistemas de medição de desempenho e projetos Seis Sigma: estudo de caso múltiplo. Produção, Vol. 18(n. 2). Mesquita, M., & Alliprandini, D. H. (2003). Competências essenciais para melhoria contínua da produção: estudo de caso em empresas da indústria de autopeças. Gestão & Produção, Vol. 10(n. 1). Ncube, L. B., & Wasburn, M. H. (2008). Strategic Analysis: Approaching Continuous Improvement Proactively. Review of Business, 29(1), Ni, W., & Sun, H. (2009). The relationship among organisational learning, continuous improvement and performance improvement: An evolutionary perspective. Total Quality Management & Business Excellence, 20(10), Obadia, I. J., Vidal, M. C. R., & Melo, P. F. F. e. (2007). Uma abordagem adaptativa de intervenção para mudança organizacional. Gestão & Produção, Vol. 14(n. 1). Pay, R. (2008). Everybody s jumping on the lean bandwagon, but many are being taken for a ride. Industrial Week(March 05). Peng, D.., Schroeder, R. G., & Shah, R. (2008). Linking routines to operations capabilities: A new perspective. Journal of Operations Management, 26(6), Powell, T. C. (1995). TQM As Competitive Advantage. Strategic Management Journal, Vol. 16(No.1), 24. Prado, J. C. (1997). Increasing competitiveness with continuous improvement. Industrial Management, 39(4), 25. Rijnders, S., & Boer, H. (2004). A typology of continuous improvement implementation processes. Knowledge & Process Management, 11(4), Salomi, G. G. E., Miguel, P. A. C., & Abackerli, A. J. (2005). SERVQUAL x SERVPERF: comparação entre instrumentos para avaliação da qualidade de serviços internos. Gestão & Produção, Vol. 12(n. 2). Santos, I. C. d., & Amato Neto, J. (2008). Gestão do conhecimento em indústria de alta tecnologia. Produção, Vol. 18(n. 3). Satolo, E. G., Andrietta, J. M., Miguel, P. A. C., & Calarge, F. A. (2009). Análise da utilização de técnicas e ferramentas no programa Seis Sigma a partir de um levantamento tipo survey. Produção, Vol. 19(n. 2). Savolainen, T. I. (1999). Cycles of continuous improvement. International Journal of Operations & Production Management, 19(11), Schroeder, D. M., & Robinson, A. G. (1991). America Most Successful Export to Japan - Continuous Improvement Programs. Sloan Management Review, 32(3), Silva Filho, J. C. G. d., Calábria, F. A., Silva, G. C. S. d., & Medeiros, D. D. d. (2007). Aplicação da Produção mais Limpa em uma empresa como ferramenta de melhoria contínua. Produção, Vol. 17(n. 1). 13

14 Silveira, V. N. S. (2009). Os modelos multiestágios de maturidade: um breve relato de sua história, sua difusão e sua aplicação na gestão de pessoas por meio do People Capability Maturity Model (P-CMM). Revista de Administração Contemporânea, Vol. 13(n. 2). Skinner, W. (1974). Focused Factory. Harvard Business Review, 52(3), Tanner, C., & Roncarti, R. (1994). Kaizen leads to breakthroughs in responsiveness-- and the Shingo Prize--at Critikon. National Productivity Review (Wiley), 13(4), Wu, C. W., & Chen, C. L. (2006). An integrated structural model toward successful continuous improvement activity. Technovation, 26(5-6), Zangwill, W. I., & Kantor, P. B. (1998). Toward a Theory of Continuous Improvement and the Learning Curve. Management Science, 44(7),

A MELHORIA CONTÍNUA NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS O Kaizen como fator de sucesso para a competitividade

A MELHORIA CONTÍNUA NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS O Kaizen como fator de sucesso para a competitividade A MELHORIA CONTÍNUA NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS O Kaizen como fator de sucesso para a competitividade Autor: Isaias Ricardo Carraro 1 Orientador: Prof. Esp. Marco Aurélio da Silva 2 RESUMO As empresas atuantes

Leia mais

ANAIS FATORES CRÍTICOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES DE MELHORIA CONTÍNUA: SURVEY EM EMPRESAS INDUSTRIAIS BRASILEIRAS

ANAIS FATORES CRÍTICOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES DE MELHORIA CONTÍNUA: SURVEY EM EMPRESAS INDUSTRIAIS BRASILEIRAS FATORES CRÍTICOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES DE MELHORIA CONTÍNUA: SURVEY EM EMPRESAS INDUSTRIAIS BRASILEIRAS PEDRO CARLOS OPRIME ( pedro@dep.ufscar.br ) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS GLAUCO

Leia mais

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO DO PROCESSO DE MELHORIA CONTÍNUA EM EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2000

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO DO PROCESSO DE MELHORIA CONTÍNUA EM EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2000 XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MEDIÇÃO DE DESEMPENHO DO PROCESSO DE MELHORIA CONTÍNUA EM EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2000 Patricia Lopes de Oliveira (UFSCar) patricia@ccdm.ufscar.br

Leia mais

Gestão da melhoria contínua: modelo de boas práticas e aplicação em uma empresa de médio porte

Gestão da melhoria contínua: modelo de boas práticas e aplicação em uma empresa de médio porte Gestão da melhoria contínua: modelo de boas práticas e aplicação em uma empresa de médio porte Rosicler Simões (UFSCar) rosicler.simoes@terra.com.br Dário Henrique Alliprandini (Faculdade Etapa e PPGEP/UFSCar)

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso na Implantação de Projetos Seis Sigma em Empresas de Manufatura no Brasil: um Estudo Comparado

Fatores Críticos de Sucesso na Implantação de Projetos Seis Sigma em Empresas de Manufatura no Brasil: um Estudo Comparado 1 Fatores Críticos de Sucesso na Implantação de Projetos Seis Sigma em Empresas de Manufatura no Brasil: um Estudo Comparado BRUNA DEL MONACO - monacobruna@hotmail.com EAESP/Fundação Getúlio Vargas - Brasil

Leia mais

Rodrigo Valio Dominguez Gonzalez (UFSCAR/FSA) valio@dep.ufscar.br. Manoel Fernando Martins (UFSCAR) manoel@power.ufscar.br

Rodrigo Valio Dominguez Gonzalez (UFSCAR/FSA) valio@dep.ufscar.br. Manoel Fernando Martins (UFSCAR) manoel@power.ufscar.br O desenvolvimento de programas de melhoria contínua em empresas certificadas pela norma ISO 9001:2000: Estudo de caso em duas empresas fornecedoras do setor automobilístico Rodrigo Valio Dominguez Gonzalez

Leia mais

EVENTO KAIZEN: ESTUDO DE CASO EM UMA METALÚRGICA BRASILEIRA

EVENTO KAIZEN: ESTUDO DE CASO EM UMA METALÚRGICA BRASILEIRA EVENTO KAIZEN: ESTUDO DE CASO EM UMA METALÚRGICA BRASILEIRA Mariana Rodrigues de Almeida (UFRN) almeidamariana@yahoo.com Jodibel Niklas de Andrade Belo (UFRN) jodibel_niklas@yahoo.com.br Bruna Carvalho

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Qualidade Total e Gestão das Operações MESTRADO Gestão Negócios ANO E

Leia mais

Dairton Lopes Martins Filho 1

Dairton Lopes Martins Filho 1 UTILIZAÇÃO DOS CONCEITOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOLICITAÇÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS DOS INTEGRANTES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MINAS GERAIS Dairton Lopes Martins Filho 1 RESUMO:

Leia mais

MELHORIA CONTÍNUA EM GESTÃO DE PROJETOS: ANÁLISE EM UMA INCUBADORA DE BASE TECNOLÓGICA

MELHORIA CONTÍNUA EM GESTÃO DE PROJETOS: ANÁLISE EM UMA INCUBADORA DE BASE TECNOLÓGICA XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. MELHORIA CONTÍNUA EM GESTÃO DE PROJETOS: ANÁLISE EM UMA INCUBADORA DE BASE TECNOLÓGICA Sandra Miranda Neves (UNIFEI) sanmirneves@hotmail.com Carlos Eduardo

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO E INOVAÇÃO EM EMPRESAS DO SETOR METAL MECÂNICO

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO E INOVAÇÃO EM EMPRESAS DO SETOR METAL MECÂNICO ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO E INOVAÇÃO EM EMPRESAS DO SETOR METAL MECÂNICO Felipe Ferreira de Lara (UFSCar) fflara@yahoo.com.br Marcia Regina Neves Guimaraes (UFSCar) mrng@ufscar.br Esse artigo parte do pressuposto

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MELHORIA CONTÍNUA EM EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA-EBT

IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE MELHORIA CONTÍNUA EM EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA-EBT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA NORMA ABNT NBR ISO 10014:2008

A IMPORTÂNCIA DA NORMA ABNT NBR ISO 10014:2008 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi

CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION. Prof. Késsia R. C. Marchi CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION Prof. Késsia R. C. Marchi Modelos de maturidade Um modelo de maturidade é um conjunto estruturado de elementos que descrevem características de processos efetivos.

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE EQUIPE COM FOCO DE MELHORIA CONTÍNUA EM EMPRESA DO SETOR MOVELEIRO

IMPLANTAÇÃO DE EQUIPE COM FOCO DE MELHORIA CONTÍNUA EM EMPRESA DO SETOR MOVELEIRO ISSN 1984-9354 IMPLANTAÇÃO DE EQUIPE COM FOCO DE MELHORIA CONTÍNUA EM EMPRESA DO SETOR MOVELEIRO Andrei Cardoso Vieira, Julio Cesar Ferro Guimarães, Eliana Andréa Severo, Laís Karla da Silva Barreto, Manoel

Leia mais

Estudo do CMM e do CMMI

Estudo do CMM e do CMMI Estudo do CMM e do CMMI Autores Félix Carvalho Rodrigues fcrodrigues@inf.ufrgs.br Georgina Reategui gg@inf.ufrgs.br Manuela Klanovicz Ferreira mkferreira@inf.ufrgs.br Motivação Grande quantidade de projetos

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 PROPOSTA UNIFICADORA DE NÍVEIS DE MATURIDADE EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS Debora Athayde Herkenhoff (Latec/UFF) Moacyr Amaral Domingues Figueiredo (Latec/UFF) Gilson Brito de Lima (UFF)

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

Definição de Critérios para Análise Comparativa de Modelos de Referência para Desenvolvimento Global de Software

Definição de Critérios para Análise Comparativa de Modelos de Referência para Desenvolvimento Global de Software Definição de Critérios para Análise Comparativa de Modelos de Referência para Desenvolvimento Global de Software Leonardo Pilatti, Jorge Luis Nicolas Audy Faculdade de Informática Programa de Pós Graduação

Leia mais

Melhoria contínua no ambiente ISO 9001:2000: estudo de caso em duas empresas do setor automobilístico

Melhoria contínua no ambiente ISO 9001:2000: estudo de caso em duas empresas do setor automobilístico Melhoria contínua no ambiente ISO 9001:2000: estudo de caso em duas empresas do setor automobilístico RODRIGO VALIO DOMINGUEZ GONZALEZ MANOEL FERNANDO MARTINS UFSCAR Resumo Este artigo avalia como duas

Leia mais

Marcos Paganini Mattiuzzo Janeiro - 2012

Marcos Paganini Mattiuzzo Janeiro - 2012 Marcos Paganini Mattiuzzo Janeiro - 2012 5 minutos de História e Teoria Percepção e Realidade Suporte de Tecnologia da Informação Kimberly Clark Brasil Iniciativas em gestão de processos Situação atual

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO

19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO Autor(es) THIAGO GUIMARAES AOQUI Orientador(es) IRIS BENTO

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

Mapeamento GRH. 1. Introdução

Mapeamento GRH. 1. Introdução Mapeamento GRH 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem duas finalidades principais: a) Averiguar semelhanças e diferenças entre modelos, normas e guias de boas práticas para gestão de recursos

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA O PSQ DAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO EM AÇO

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA O PSQ DAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO EM AÇO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA O PSQ DAS EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO EM AÇO Luís Henrique Piovezan / SENAI - Escola SENAI Orlando Laviero Ferraiuolo, Fábio Ikeda / SENAI - Escola SENAI Orlando Laviero

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação Gestão do Conhecimento evolução conceitual.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro Regional das Beiras Departamento de Economia, Gestão e Ciências Sociais UNIDADE CURRICULAR Competitividade, Planeamento e Controlo nos Serviços de Saúde MESTRADO

Leia mais

GESTÃO DO DESEMPENHO EMPRESARIAL: OS DESAFIOS ESTRATÉGICOS DA MANUFATURA

GESTÃO DO DESEMPENHO EMPRESARIAL: OS DESAFIOS ESTRATÉGICOS DA MANUFATURA 1 GESTÃO DO DESEMPENHO EMPRESARIAL: OS DESAFIOS ESTRATÉGICOS DA MANUFATURA Vagner Cavenaghi Doutorando em Engenharia de Produção - Escola Politécnica da USP Professor da Universidade Estadual Paulista

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA ANÁLISE DO DESEMPENHO GLOBAL COM A MELHORIA CONTÍNUA EM ORGANIZAÇÕES DE EXCELÊNCIA

INTEGRAÇÃO DA ANÁLISE DO DESEMPENHO GLOBAL COM A MELHORIA CONTÍNUA EM ORGANIZAÇÕES DE EXCELÊNCIA INTEGRAÇÃO DA ANÁLISE DO DESEMPENHO GLOBAL COM A MELHORIA CONTÍNUA EM ORGANIZAÇÕES DE EXCELÊNCIA Resumo Daniel Gueiber (COPEL UTFPR) E-mail: dgueiber@brturbo.com.br Cezar Augusto Romano (UTFPR) E-mail:

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

ANP. (2012). Agência Nacional de Petroleo. Acesso em 22 de 06 de 2012, disponível em http://www.anp.gov.br

ANP. (2012). Agência Nacional de Petroleo. Acesso em 22 de 06 de 2012, disponível em http://www.anp.gov.br 98 8. REFERÊNCIAS ANAC. (2012). Anuário do Transporte Aéreo. Acesso em 18 de agosto de 2012, disponível em Site da ANAC: http://www2.anac.gov.br/estatistica/anuarios.asp ANP. (2012). Agência Nacional de

Leia mais

Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas

Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas JOSÉ MARTINO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO/ UFPE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO/ DCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO/ PROPAD

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO/ UFPE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO/ DCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO/ PROPAD UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO/ UFPE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO/ DCA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO/ PROPAD PLANO DE ENSINO DO DOCENTE PARA O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTAL NAS ORGANIZAÇÕES DO SÉCULO XXI

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTAL NAS ORGANIZAÇÕES DO SÉCULO XXI A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTAL NAS ORGANIZAÇÕES DO SÉCULO XXI Adenilson Maciel maciel201222@gmail.com Daniel P. Silva silvadp@hotmail.com Universidade Federal de Sergipe - UFS / Engenharia

Leia mais

O papel da liderança no desenvolvimento de uma cultura de excelência operacional e melhoria contínua na empresa

O papel da liderança no desenvolvimento de uma cultura de excelência operacional e melhoria contínua na empresa O papel da liderança no desenvolvimento de uma cultura de excelência operacional e melhoria contínua na empresa Eng. Manoel Escobedo Fernandez Black Belt Responsável de Excelência Operacional Rhodia GBU

Leia mais

A GESTÃO DE RISCOS INSERIDA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A GESTÃO DE RISCOS INSERIDA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A GESTÃO DE RISCOS INSERIDA NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Fernanda Cagnin (UNIMEP) fernandacagnin@gmail.com Maria Celia de Oliveira (UNIMEP) mceliamat@yahoo.com.br Maria Rita Pontes Assumpcao (UNIMEP)

Leia mais

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins Marta Monteiro da Costa Cruz FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins

Leia mais

ANAIS OS PRINCIPAIS TRABALHOS NA TEORIA DO CONHECIMENTO TÁCITO: PESQUISA BIBLIOMÉTRICA 2000-2011

ANAIS OS PRINCIPAIS TRABALHOS NA TEORIA DO CONHECIMENTO TÁCITO: PESQUISA BIBLIOMÉTRICA 2000-2011 OS PRINCIPAIS TRABALHOS NA TEORIA DO CONHECIMENTO TÁCITO: PESQUISA BIBLIOMÉTRICA 2000-2011 JORGE MUNIZ JR ( jorge86056@gmail.com ) UNESP - CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FLÁVIA GABRIELE MANOEL MAIA ( flavia.gmmaia@gmail.com

Leia mais

As equipes de melhoria como suporte à estratégia organizacional

As equipes de melhoria como suporte à estratégia organizacional As equipes de melhoria como suporte à estratégia organizacional Ricardo Coser Mergulhão (GEPEQ/DEP/UFCar e IFM) mergulhao@dep.ufscar.br Eduard Prancic (GEPEQ/DEP/UFCar e IFM) prancic@dep.ufscar.br uís

Leia mais

O Processo De Melhoria Contínua

O Processo De Melhoria Contínua O Processo De Melhoria Contínua Não existe mais dúvida para ninguém que a abertura dos mercados e a consciência da importância da preservação do meio ambiente e a se transformaram em competitividade para

Leia mais

Gestão Estratégica da Melhoria e Mudança

Gestão Estratégica da Melhoria e Mudança Gestão Estratégica da Melhoria e Mudança Simone de Almeida (CEFET/PR) simonea@pg.cefetpr.br Rui Francisco Martins Marçal (CEFET/PR) marcal@pg.cefetpr.br Luis Maurício Resende (CEFET/PR) mauricioresende@pg.cefetpr.br

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS

MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS MESTRADO EM CONTABILIDADE E FINANÇAS PROGRAMA DA UNIDADE CURRICULAR Unidade Curricular: NOVAS TENDÊNCIAS EM CONTABLIDADE DE GESTÃO Semestre 1º ECT s 6 Área Científica: Docente: CONTABILIDADE HUMBERTO RIBEIRO

Leia mais

BPM, ISO 9000 e ISO 14000: uma abordagem teórica sobre sinergias entre iniciativas de gestão

BPM, ISO 9000 e ISO 14000: uma abordagem teórica sobre sinergias entre iniciativas de gestão BPM, ISO 9000 e ISO 14000: uma abordagem teórica sobre sinergias entre iniciativas de gestão Karen Vassoler Martins (IFES) karenvmartins@gmail.com Roquemar de Lima Baldam (IFES) roquemar.baldam@iconenet.com.br

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA

GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Objetivos da Aula: 1. Conceituar gestão de recursos humanos 2. Diferenciar gestão de RH em Educação Física e Esporte 3. Discutir gestão de RH na

Leia mais

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS

VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS VANTAGEM COMPETITIVA NA VISÃO BASEADA EM RECURSOS CARVALHO, L.F. (CESUR 1 ) - P 2 GRZEBIELUCKAS, C. (UNEMAT) - P 3 Resumo Este trabalho tem como pano de fundo abordar questões dentro de uma das linhas

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura

A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura A importância da tecnologia da informação nas estratégias das organizações contemporâneas: breve revisão de literatura Daniel Reis Armond de Melo armond@ufam.edu.br Universidade Federal do Amazonas Universidade

Leia mais

Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira

Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira Indicadores de Desempenho associados a Mapeamento de Processos: Estudo de Caso em Instituição Pública Brasileira Monica Rottmann de Biazzi (DEP/EPUSP) monica.rottmann@poli.usp.br Antonio Rafael Namur Muscat

Leia mais

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE. Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços de TI

PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE. Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços de TI Pólo de Competitividade das Tecnologias de Informação, Comunicação e Electrónica TICE.PT PROJECTO ÂNCORA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NO SECTOR DAS TICE Qualificação e Certificação em Gestão de Serviços

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO

ESTRUTURAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO ESTRUTURAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA UMA EMPRESA DO SETOR METAL MECÂNICO STRUCTURE OF A QUALITY MANAGEMENT SYSTEM FOR INDUSTRY OF MECHANICAL SECTOR Mariana Braga Lopes Edwin Vladimir

Leia mais

Euclides Coimbra Managing Director, Kaizen Institute Iberia

Euclides Coimbra Managing Director, Kaizen Institute Iberia KAIZEN COLLEGE A Melhoria Contínua (também designada de Excelência no Negócio) é hoje em dia parte da estratégia das melhores empresas mundiais e, quando corretamente aplicada, gera excelentes resultados

Leia mais

Utilização do Benchmarking por Empresas Brasileiras

Utilização do Benchmarking por Empresas Brasileiras Utilização do Benchmarking por Empresas Brasileiras Alexandre Meneses de Melo Luiz César Ribeiro Carpinetti Wendell Thales Silgueiro e Silva Escola de Engenharia de São Carlos - USP e-mail: meneses@sc.usp.br,

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

CRITÉRIOS PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INDICADORES DE DESEMPENHO VINCULADOS AOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DE EMPRESAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

CRITÉRIOS PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INDICADORES DE DESEMPENHO VINCULADOS AOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DE EMPRESAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL CRITÉRIOS PARA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE INDICADORES DE DESEMPENHO VINCULADOS AOS OBJETIVOS ESTRATÉGICOS DE EMPRESAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Dayana Bastos Costa Eng. Civil, Mestranda NORIE/UFRGS. Av.

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

Case Educação Corporativa Volvo

Case Educação Corporativa Volvo Case Educação Corporativa Volvo Rubens Cieslak Especialista em Educação Corporativa e Desenvolvimento de Lideranças da Volvo do Brasil. 26 anos de experiência em RH: Recrutamento, T&D e Educ. Corporativa;

Leia mais

QUALIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA ABORDAGEM A PARTIR DA QUALIDADE EM SERVIÇOS

QUALIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA ABORDAGEM A PARTIR DA QUALIDADE EM SERVIÇOS QUALIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA ABORDAGEM A PARTIR DA QUALIDADE EM SERVIÇOS André Coelho Donadel (PPEGC/UFSC) 1 adonadel@gmail.com Jane Lucia Silva Santos (PPEGC/UFSC) 1 janejlss@gmail.com

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DA CULTURA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS: UMA ANÁLISE EM ORGANIZAÇÕES DO SETOR DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS

DISSEMINAÇÃO DA CULTURA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS: UMA ANÁLISE EM ORGANIZAÇÕES DO SETOR DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

Oficina em Gestão e Mapeamento de Processos - BPM Office

Oficina em Gestão e Mapeamento de Processos - BPM Office Oficina em Gestão e Mapeamento de Processos - BPM Office Na nossa visão, a implantação da Gestão de Processos nas empresas, ou BPM, não se resume somente a uma atividade de mapeamento dos processos ou

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Gestão do Conhecimento em Projetos. Emir José Redaelli, Msc Fortaleza, CE - 11.11.2010

Gestão do Conhecimento em Projetos. Emir José Redaelli, Msc Fortaleza, CE - 11.11.2010 Gestão do Conhecimento em Projetos Emir José Redaelli, Msc Fortaleza, CE - 11.11.2010 Objetivo da palestra Compartilhar a experiência profissional prática da gestão do conhecimento organizacional via gestão

Leia mais

Estratégias Baseadas em Six Sigma para Obtenção do CMMi Nível 5

Estratégias Baseadas em Six Sigma para Obtenção do CMMi Nível 5 Estratégias Baseadas em Six Sigma para Obtenção do CMMi Nível 5 Paula Luciana F. da Cunha, Luciana Ferreira Trindade, Ciro Carneiro Coelho Instituto Atlântico, Rua Chico Lemos, 946, 60822780 Fortaleza

Leia mais

Principais referenciais apoiados:

Principais referenciais apoiados: Enquadramento A Inova-Ria - Associação de Empresas para uma Rede de Inovação em Aveiro, com o propósito de reforçar o reconhecimento nacional da promoção da qualidade do setor TICE e contribuir para o

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos em Gestão de Projetos DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho organizacional atingido pela DuPont não

Leia mais

Seis Sigma para Desenvolvimento de Fornecedores Case em um Operador Logístico

Seis Sigma para Desenvolvimento de Fornecedores Case em um Operador Logístico 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Seis Sigma para Desenvolvimento de Fornecedores Case em um Operador Logístico Eng. Fabiane Ely Rio Grande Energia - RGE fely@rge-rs.com.br Eng. Filipe Müller

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis - PPGCC FICHA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis - PPGCC FICHA DE DISCIPLINA FICHA DE DISCIPLINA Disciplina Contabilidade e Análise de Custos Código Carga Horária 6 Créditos 4 Tipo: PPGCC09 Eletiva OBJETIVOS Apresentar e discutir os conhecimentos fundamentais voltados para a identificação,

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO BASEADO EM UMA METODOLOGIA DE TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO BASEADO EM UMA METODOLOGIA DE TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO BASEADO EM UMA METODOLOGIA DE TRANSFORMAÇÃO ORGANIZACIONAL Antonio Freitas Rentes Escola de Engenharia de São Carlos - USP Av. Trabalhador

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR

CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR CERTIFICAÇÃO BRASILEIRA DE MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE: O MPS.BR Leonardo Galvão Daun Universidade Estadual de Maringá leonardo.daun@gmail.com Profª Drª Sandra Ferrari Universidade Estadual de Maringá

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações

ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 versão DIS Principais alterações Raquel Silva 02 Outubro 2014 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015 PUBLICAÇÃO DIS: - Draft International Standard

Leia mais

Análise de Modelos de Estágios de Gestão do Conhecimento: o Caso de Organizações em Portugal e no Brasil

Análise de Modelos de Estágios de Gestão do Conhecimento: o Caso de Organizações em Portugal e no Brasil Análise de Modelos de Estágios de Gestão do Conhecimento: o Caso de Organizações em Portugal e no Brasil Autoria: Mírian Oliveira Resumo A busca de vantagem competitiva sustentável motiva as organizações

Leia mais

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira

Autoria: Nestor de Oliveira Filho, Franciane Silveira APLICAÇÃO DO PROCESSO TOLL-GATE PARA SELEÇÃO DE OPORTUNIDADES E PROJETOS DE NOVOS PRODUTOS EM EUMA EMPRESA FORNECEDORA DE BENS E SERVIÇOS PARA O SETOR DE ENERGIA Resumo Autoria: Nestor de Oliveira Filho,

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração

Estratégia de Orientação para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Estratégia de para o Mercado (OPM): breve revisão de conceitos e escalas de mensuração Miguel Rivera PERES JÚNIOR 1 ; Jordan Assis REIS 2 1 Professor do IFMG Campus Formiga. Rua Padre Alberico, s/n. Formiga,MG

Leia mais

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1

Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Mensuração de desempenho logístico e o modelo World Class Logistics Parte 1 Maria Fernanda Hijjar Marina Helena Gervásio Kleber Fossatti Figueiredo O desenvolvimento de um bom sistema de monitoramento

Leia mais

Seminários Públicos Hay Group 2010

Seminários Públicos Hay Group 2010 Seminários Públicos Hay Group 2010 São Paulo, outubro de 2009 É com grande satisfação que estamos lhe apresentando nosso portfólio de seminários abertos Hay Group 2010. Esclarecemos que todos os seminários

Leia mais

Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia

Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia Teorias administrativas e o modelo de gestão empresarial: Um estudo de caso em uma empresa de engenharia Ezequiel Alves Lobo 1 Roger Augusto Luna 2 Alexandre Ramos de Moura 3 RESUMO Analisar as teorias

Leia mais

CTCV. seminário. A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas

CTCV. seminário. A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas A Norma ISO 9001:2015 Nova estrutura e alterações previstas Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Marta Ferreira Sistemas de Gestão e Melhoria 21

Leia mais

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Salvador, 2003 MARIA AMÁLIA SILVA COSTA A D M I N I S T R A Ç Ã O E S T R A T É G I C A E

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

CURRICULUM VITÆ. Licenciatura em Economia da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, concluída em Julho de 1996.

CURRICULUM VITÆ. Licenciatura em Economia da Faculdade de Economia da Universidade do Porto, concluída em Julho de 1996. CURRICULUM VITÆ DADOS PESSOAIS Nome: Nascimento: Nacionalidade: Morada: Manuel Emílio Mota de Almeida Delgado Castelo Branco 30 de Dezembro de 1971, Porto (Portugal) Portuguesa Faculdade de Economia do

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO USO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO LEAN MANUFACTURING E SEIS SIGMA: ESTUDO DE CASO

ANÁLISE COMPARATIVA DO USO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO LEAN MANUFACTURING E SEIS SIGMA: ESTUDO DE CASO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

QUALIDADE E GESTÃO OS DESAFIOS DAS EMPRESAS NA BUSCA PELA EXCELÊNCIA. Dr. Marcos A. F. Borges (marcosborges@auctus.com.br) Marcos A. F.

QUALIDADE E GESTÃO OS DESAFIOS DAS EMPRESAS NA BUSCA PELA EXCELÊNCIA. Dr. Marcos A. F. Borges (marcosborges@auctus.com.br) Marcos A. F. QUALIDADE E GESTÃO OS DESAFIOS DAS EMPRESAS NA BUSCA PELA EXCELÊNCIA Dr. Marcos A. F. Borges (marcosborges@auctus.com.br) 1 07/06/2010 Amparo Marcos A. F. Borges Engenheiro, Mestre e Doutor UNICAMP Jogos

Leia mais

Danielle R. D. da Silva drds@cin.ufpe.br. Tópicos Avançados em Engenharia de Software III Workshop de Processos Agosto-2003

Danielle R. D. da Silva drds@cin.ufpe.br. Tópicos Avançados em Engenharia de Software III Workshop de Processos Agosto-2003 Danielle R. D. da Silva drds@cin.ufpe.br Tópicos Avançados em Engenharia de Software III Workshop de Processos Agosto-2003 + If you do not deal with the people issues successfully, process improvement

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão da Produção Integrada e Logística Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Produção e Logística tem por objetivo fornecer

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Borland: Informatizando TI João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Software Diferentes Níveis Extrair o Máximo Valor para o Negócio Eficiência Vantagem Competitiva Copyright 2007 Borland Software Corporation.

Leia mais