PESQUISA EM EDUCAÇÃO NO PROJETO NEGROS DO NORTE DE MINAS: MAPEANDO A REALIDADE DA EDUCAÇÃO ESCOLAR EM UMA COMUNIDADE RURAL QUILOMBOLA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA EM EDUCAÇÃO NO PROJETO NEGROS DO NORTE DE MINAS: MAPEANDO A REALIDADE DA EDUCAÇÃO ESCOLAR EM UMA COMUNIDADE RURAL QUILOMBOLA."

Transcrição

1 PESQUISA EM EDUCAÇÃO NO PROJETO NEGROS DO NORTE DE MINAS: MAPEANDO A REALIDADE DA EDUCAÇÃO ESCOLAR EM UMA COMUNIDADE RURAL QUILOMBOLA. Andréa Cardoso Silva Maria Helena de Souza Mônica Maria Teixeira Resumo: O projeto Negros do Norte de Minas: Identidade, Cultura e Educação Étnica em uma Comunidade Quilombola estrutura-se como trabalho de pesquisa e extensão que objetiva produzir conhecimentos sobre comunidades negras rurais do Norte de Minas. Constitui-se de grupo interdisciplinar composto por professores e acadêmicos das áreas de antropologia, sociologia, política, arte e educação. Orientado por uma abordagem majoritariamente qualitativa, o grupo desenvolveu estudos na comunidade quilombola de Agreste localizada no município de São João da Ponte, Norte de Minas Gerais. Especificamente no campo da educação, as pesquisas direcionaram-se para a leitura da realidade da escola e adotaram como procedimentos técnicos a revisão teórica, a análise documental, a aplicação de questionários e entrevistas com a comunidade escolar. Tais estudos adentraram pela análise do projeto político pedagógico da escola, do currículo e da formação de professores para a educação das relações raciais. Os resultados revelam que o projeto pedagógico e o currículo não contemplam as especificidades étnicas e raciais da comunidade, e que os docentes enfrentam dificuldades para realizar um trabalho de valorização da cultura e identidade negra. Ressalta-se a necessidade de novos estudos que, como esse, destinem-se a mapear as práticas pedagógicas e as condições estruturais de escolas rurais quilombolas. Palavras Chaves: Educação Étnica, Comunidade Quilombola, Cultura, Identidade Agradecimentos ao apoio financeiro da FAPEMIG RECHERCHE EN ÉDUCATION DANS LE PROJET NÈGRES DU NORD DE MINAS: CARTOGRAPHIAIENT LA RÉALITÉ DE L'ÉDUCATION DANS UNE COMMUNAUTÉ RURALE QUILOMBOLA. Résumé: Le Projet Nègres du Nord de Minas: Identité, Culture et Éduction Ethnique dans une communautée Quilombola est structuré comme travail de recherche et d'extension qui vise à produire des connaissances sur les communautées nègres rurales du Nord de Minas. Il se constitue d'un groupe interdisciplinaire composé par des professeurs et des universitaires dans les domaines de l'anthropologie, la sociologie, la politique, l'art et l'éducation.conseillé par une approche principalement qualitative, le groupe a réalisé des études dans la communauté nègre d Agreste - située à São João da Ponte, au nord du Minas Gerais. Particulièrement dans l'éducation, les recherches sont dirigées à la lecture de la réalité de l'école et les procédures techniques adoptées comme révision théorique, l'analyse de documents, l'utilisation de questionnaires et d'interview avec la communauté scolaire. Ces études sont intensifiées par l'analyse du projet politique de l'école, du curriculum et de la formation des professeurs pour l'éducation des relations raciales. Les résultats montrent que le projet pédagogique et le curriculum ne comprennent pas la spécificitées ethniques et raciales dans la communautés, et que les enseignants ont dû mal à faire un travail de valorisation de la culture et de l'identité noire. Nous soulignons la nécessité de poursuivre des nouvelles études comme celle-ci, destiné à cartographier les pratiques pédagogiques et les conditions structurelles des écoles rurales quilombolas. Mots-clés: éducation ethnique, Communauté Quilombola, Culture, Identité Merci à l'appui financier de la FAPEMIG

2 2 Introdução O projeto Negros do Norte de Minas: Identidade, Cultura e Educação Étnica em uma Comunidade Quilombola estrutura-se como trabalho de pesquisa e extensão que objetiva produzir conhecimentos sobre comunidades negras rurais do Norte de Minas e contribuir com o processo de valorização da cultura e da identidade negra. Constitui-se de grupo interdisciplinar composto por professores e acadêmicos das áreas de antropologia, sociologia, política, arte e educação. Contemplando as diferentes áreas envolvidas, e orientado por uma abordagem majoritariamente qualitativa, o grupo desenvolveu estudos na comunidade quilombola de Agreste localizada no município de São João da Ponte, Norte de Minas Gerais. Especificamente no campo da educação, as pesquisas desenvolvidas direcionaram-se para a leitura da realidade da escola, e adotaram como procedimentos técnicos a revisão teórica, a análise documental, a aplicação de questionários e a realização de entrevistas com a equipe escolar. No Projeto Negros do Norte de Minas, a educação escolar foi tomada como objeto de estudos em função de ser o processo educacional um dos processos sociais cruciais para o entendimento da comunidade pesquisada 1. A partir de uma compreensão recontextualizada de quilombo 2, as pesquisas realizadas pelo grupo de educação fundamentaram-se no reconhecimento do importante papel imputado à escola na reafirmação da identidade de raça/cor dos alunos da escola da comunidade, e na premência de produzir conhecimentos que contribuam com a compreensão mais aprofundada da educação escolar em áreas remanescentes de quilombos. Deste modo, no contexto pesquisado, buscamos compreender como o projeto pedagógico, o currículo e as práticas educativas desenvolvidas pela escola 3 se articulavam para a valorização e/ou negação da identidade negra no universo escolar. Objetivamos, especificamente: 1 Trata-se de uma comunidade de remanescentes de quilombos cuja população constitui-se predominantemente de negros. Sendo assim, a educação escolar não pode desconsiderar a questão étnico- racial, aqui entendida como questão que remete à valorização da identidade, história e cultura dos afro- brasileiros, garantia de seus direitos de cidadãos, reconhecimento e igual valorização das raízes africanas da nação brasileira, ao lado das indígenas, européias, asiáticas. (Conselho Nacional de Educação, 2004). 2 Quilombo, segundo Guillen (2001) consiste em palavra de origem banto e designava as povoações construídas nas matas pelos negros fugidos. Reis (s.d) esclarece que o quilombo, hoje, não é isolado do restante da população e nem sempre sua população decorre de insurreições ou rebelados. São comunidades formadas a partir de doações, alforrias, heranças, compras de terras por escravos alforriados, entre outras situações; comunidades que hoje, no Brasil, passam por um processo de luta para a reafirmação da sua cultura. 3 A instituição estudada, única da localidade, oferece Educação Infantil (préescola) e Ensino Fundamental (séries iniciais e finais) e recentemente (em 2008) passou a oferecer o Ensino Médio.

3 3 - investigar a forma como a escola organiza e desenvolve o trabalho educativo com estudantes afrodescendentes; - verificar se os professores enfrentam dificuldades para a abordagem das relações étnicoraciais 4 ; - identificar se a cultura e a identidade negra são valorizadas e trabalhadas no cotidiano escolar. Dos objetivos determinados se desdobraram as ações de pesquisa organizadas em dois eixos temáticos, a saber: O Projeto Político Pedagógico da Escola: expressão da identidade da escola? e Educação das Relações Raciais e Formação de Professores. Considerando tais desdobramentos, optamos por organizar esse texto em dois tópicos. Inicialmente apresentamos as pesquisas voltadas para a análise do PPPE e do currículo escolar; a seguir abordamos as investigações que tratam das dificuldades dos professores e da formação docente. O Projeto Político Pedagógico da Escola: expressão da identidade da escola? Ao tomarmos o Projeto Político Pedagógico (PPP) como documento para análise, partimos da acepção que para além das exigências legais estabelecidas pela LDB 9394/96, o PPPE constitui-se, como afirma Veiga (2001), em instrumento importante para a construção da identidade da instituição. Contudo, o que se verifica muitas vezes é que este documento não tem sido compreendido sob esta perspectiva, o que nos levou a levantar a hipótese que os PPP das escolas localizadas em pequenas comunidades rurais podem se deparar com três problemas. Primeiro, sua construção fica muitas vezes a cargo de especialistas localizados nas Secretarias de Educação, ou órgão semelhante dos municípios. Segundo, seu conteúdo não aborda as peculiaridades da comunidade na qual a escola está inserida. Terceiro, não se constitui como documento de referências para as ações desenvolvidas pela escola. 4 Não consideramos raça em uma acepção biológica. Optamos pela utilização do termo racial por considerar que seu uso seja feito com maior freqüência pela população e por entender que são as características físicas, especialmente a cor da pele que, além de motivarem o preconceito e a discriminação com o povo negro, contribuem significativamente para a baixa auto-estima encontrada nesse segmento da população. Não desconsideramos com isso que o preconceito, a discriminação e a baixa auto-estima desse segmento também estejam relacionados à etnia aqui entendida como uma categoria relativa a aspectos culturais (MUNANGA, 2006), razão pelo qual optamos pela utilização da expressão étnico-racial.

4 4 Estas hipóteses foram confirmadas por meio de trabalhos de pesquisa realizados em uma escola localizada em uma comunidade quilombola rural. O projeto de investigação teve como objetivo analisar o processo de construção 5 e implementação 6 do Projeto Político Pedagógico da escola, verificando de que forma esse expressa e reflete as especificidades da comunidade. As pesquisas foram desenvolvidas entre o período de 2007 e 2008 e utilizaram como procedimentos o trabalho de campo. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados foram entrevistas semiestruturadas, para um universo de 12 (doze) sujeitos distribuídos entre professores e equipe pedagógica da escola, e análise documental do conteúdo de dois Projetos Políticos Pedagógicos, atas de reuniões e planos de aula. Os dados levantados permitiram verificar que a escola não contava com Projeto Político Pedagógico próprio utilizando-se de proposta elabora pela Secretaria Municipal de Educação como referência para as ações educativas, e, além disso, não possuía um currículo que contemplasse as especificidades culturais e raciais da comunidade (Amorim e Ide, et.al 2008). Entretanto, ao iniciarmos nossas indagações sobre o processo de construção e implementação do PPP, observamos um movimento voltado para a elaboração de um projeto específico da instituição. Em relação a este segundo PPP construído pela própria escola, foi possível perceber a preocupação em desenvolver um trabalho de valorização da cultura local e de estabelecimento de vínculos afetivo para o fortalecimento da auto-estima e imagem positiva de seus alunos. O novo documento faz referência aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) e às Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnicas Raciais e para o Ensino de Historia e Cultura Afro-Basileira, evidenciando conhecimento e concordância com a sua implementação. Porém, a proposta da escola apontou para um trabalho impreciso, generalizado e sem justificativas bem fundamentas e concretas para a execução do proposto, sinalizando um distanciamento entre o discurso e a prática. Situação similar pode ser observada em PPP analisados em pesquisa desenvolvida por Pereira (2008). De acordo com o autor, esta situação é resultado da ausência de discussões coletivas no interior das escolas sobre este documento, tornando 5 Pesquisa desenvolvida por SILVEIRA; IDE (2008) cujos resultados estão registrados em um artigo apresentado à Revista Intercâmbio, da Pró- Reitoria de Extensão da Universidade Estadual de Montes Claros. 6 Pesquisa desenvolvida por SILVA; IDE (2008), cujos resultados estão registrados em um artigo da Revista Educação, Escola e Sociedade da Universidade Estadual de Montes Claros.

5 5 o instituinte sem condições de efetivação, pois além da tentativa de elaborar um currículo interdisciplinar e fundamentado nas necessidades dos alunos, é necessário ainda que se tenha professores capacitados política e tecnicamente para a direção do processo. No caso da escola de Agreste, esta não possuía um quadro de profissionais que tivesse preparação e experiência no trato com o Projeto Político Pedagógico e com um currículo de natureza multicultural. Os entrevistados demonstraram dificuldade em definir o que é Projeto Político Pedagógico, relacionando-o a um planejamento anual ou, ainda, como um cronograma de atividades desenvolvidas pela escola. Outro ponto a ser enfatizado refere-se à compreensão da escola sobre formas de participação da família na escola. A participação dos pais se resume a formalismos, direcionada para uma presença eventual e esporádica com a intenção de discutir assuntos cotidianos da escola, tais como acompanhamento dos problemas de comportamento, notas e freqüência de alunos. Mesmo quando houve uma preocupação em envolver estes sujeitos nos assuntos referentes ao Projeto Político Pedagógico, foi somente para apresentar-lhes o documento. Tal situação nos remete para uma situação que se caracteriza como pseudo-participação, conforme salienta SÁ, (2001), onde os pais vão à escola mas não participam dos processos que envolvem tomada de decisão. Eles acatam propostas prontas, sem questioná-las, demonstrando passividades nas resoluções. Nessa direção, Abranches (2003) auxilia na análise ao enfatizar que essa situação ocorre com freqüências nas escolas, e que isso tem se constituído em um problema, pois a participação não tem o mesmo significado se a comunidade não tem consciência de sua importância. Esta abordagem nos leva a refletir sobre a implementação deste documento na escola de Agreste, que também ficou comprometida pela ausência de uma participação ativa da comunidade, conforme dados da pesquisa desenvolvida por Silva e Ide (2009). De acordo com a (Silva e Ide 2009) o inexpressivo envolvimento de toda a comunidade se constituiu em um dos entraves que interferem no desenvolvimento de um currículo de valorização e regaste da cultura local. Foi constatado, ainda, que a instituição aborda a pluralidade cultural como tema transversal. Trata-se de uma abordagem que carece de re-significação, uma vez que apóia-se num vago e benevolente apelo à tolerância e ao respeito com a diversidade e a diferença conforme adverte Silva (2005). Para o autor, trata-se de uma posição liberal que não pode servir

6 6 de base para uma pedagogia crítica e questionadora. Dessa forma, adverte sobre o risco de se desenvolver uma pedagogia voltada para problematizar a identidade e a diferença, em vez de uma pedagogia centrada na diversidade. Nessa perspectiva, Ataíde e Morais acrescentam que Uma proposta de educação apropriada para esse momento histórico em que vivemos deve considerar nossa diversidade cultural e enfocar a maioria índio e afro-descendente. As bases curriculares não devem transformar tão importante assunto simplesmente em Temas Transversais Eles devem ser oficialmente incluídos nos currículos [...]. Isso fará com que o aluno, enquanto sujeito, sinta orgulho da sua ancestralidade e das suas matrizes etno-culturais, percebendo, no cotidiano escolar e nos conteúdos pedagógicos, aspectos relevantes de povos que tomaram parte na nossa formação étnico-cultural. Esta abordagem transversal referida é realizada de forma folclorizada e é flagrante - e às vezes aberrante em muitas situações de sala de aula e eventos culturais nas escolas. Os currículos passam ao largo e ancoram longe da cultura africana, produtora de saberes próprios, de tecnologia, de relações sócias e políticas, conhecimentos científicos, uso da botânica, repertórios da historia oral, mitos e religiosidades (1992, p. 83) Para isso, a escola precisa ampliar seus espaços de reflexão, debate, estudos e diálogos, o que é difícil de realizar quando a participação é ignorada e a escola não possui autonomia para direcionar seu trabalho. Os dados levantados sinalizam que a escola tem ainda muito que trabalhar em busca da melhoria do seu PPP, mas esse fato não impossibilita de perceber os avanços já alcançados. A escola ao iniciar o processo de construção e implementação de seu projeto Político Pedagógico demonstra que caminha na direção de conquistar sua autonomia, de forma a guiar sua proposta de maneira reflexiva e coerente com a sua realidade. Educação das Relações Raciais e Formação de Professores Ao tomarmos a prática pedagógica e a formação de professores como objeto de estudo, atentamos para as dificuldades enfrentadas pelos docentes para operacionalizar uma pedagogia e um currículo fundados no propósito de oferecer aos estudantes possibilidades de desenvolver capacidades de crítica e questionamento dos sistemas e das formas dominantes de representação da identidade e da diferença na perspectiva proposta por Silva (2005, p.92). Segundo esse autor, uma política pedagógica e curricular da identidade e diferença tem a obrigação de ir além das benevolentes declarações de boa vontade para com a diferença (Silva, 2005, p.100), há

7 7 que se construir uma pedagogia voltada para a problematização da identidade e da diferença, em outras palavras, há que se problematizar como são produzidas as identidades e as diferenças. Em se tratando de uma comunidade majoritariamente negra, e em face da implementação da Lei Federal Nº 10639/03 7, atentamos para a análise da formação do professor da educação básica voltada para a operacionalização de um trabalho comprometido com valorização da cultura e da identidade negra, conforme proposto na referida lei e destacado pela Resolução No 1/04 do Conselho Nacional de Educação 8. Realizamos um trabalho de natureza etnográfica, em que permanecemos imersos no campo utilizando a observação participante como procedimento de coleta de dados. Para aprofundar a compreensão da realidade observada, aplicamos questionários e realizamos entrevistas com 10 professores, sendo uma professora da educação infantil (que atua em uma turma de crianças de 4 e 5 anos) e nove professores do ensino fundamental (sendo duas atuantes nas séries iniciais; duas que trabalham com as séries iniciais e com uma disciplina nas séries finais; e cinco professores que atuam nas séries finais do ensino fundamental em sua maioria com mais de uma disciplina). Na ocasião da coleta, entre abril de 2007 e junho de 2008, a escola não oferecia ainda o Ensino Médio. Constatamos que os docentes mostraram-se sensíveis quanto à necessidade de valorização da cultura e identidade negra pela escola. É preciso registrar que eles participaram de atividade de capacitação sobre o tema oferecida pela Secretaria Municipal de Educação em atendimento às exigências postas pela legislação. Verificamos, no entanto, que os docentes contavam com pouco material bibliográfico para aprofundamento de estudos e com poucos recursos didáticos para ações destinadas a problematizar a identidade e a diferença e contribuir com a valorização da cultura e identidade negra. Aliado a essas dificuldades, observamos que a comunidade, em geral, apresentava discurso e prática fundamentados em preconceitos que contribuem para a desvalorização da cultura e da identidade negra. Este é um problema sério a ser tratado, 7 A Lei Federal No 10639/2003, que resulta da luta de educadores e ativistas do Movimento Negro no Brasil, altera a Lei No 9394/96 tornando obrigatório o ensino da História e Cultura Afro-Brasileira nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares. Este ensino deve contemplar a Educação das Relações Étnico-Raciais e abranger todo o currículo escolar, especialmente as áreas de Educação Artística, Literatura e História. Em decorrência da inclusão da temática indígena, a Lei No 10639/2003 foi recentemente alterada pela Lei No 11645/ A Resolução 1/2004 do CNE institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, apresentadas no Parecer CNE/CP 003/2004.

8 8 pois conforme os próprios docentes alegam, se se pretende trabalhar a construção de uma auto-imagem positiva pelas crianças e adolescentes negros, há que se fazer um trabalho que envolva as famílias. Constatamos, ainda, que embora os docentes afirmem a importância de se trabalhar a valorização da história e cultura afro-brasileira, de se promover um educação racial orientada para o combate ao preconceito e às discriminações que atingem os negros, o conteúdo proposto pela Lei Federal Nº10639/03 não tem sido colocado como prioridade, já que a escola teria como problemas primordiais as dificuldades de leitura e escrita dos alunos e a falta de incentivo familiar para os estudos. Esta é uma questão que se torna evidente a partir de entrevista realizada com a supervisora escolar, para quem o trabalho de valorização da cultura negra já é feito pela escola através de projeto na semana da consciência negra, sendo que o grande problema vivido circunscreve-se às dificuldades de leitura e escrita dos alunos e à falta de incentivo familiar para os estudos. Notamos também uma dificuldade relacionada ao planejamento e inserção da questão racial no currículo da escola, por sua vez relacionada à formação dos profissionais, razão pelo qual procuramos aprofundar nossa compreensão sobre a realidade estudada e adentramos pela análise do processo de formação continuada 9 de professores para a abordagem das relações étnico-raciais na escola. Neste estudo intencionamos identificar os objetivos e a forma de desenvolvimento da formação continuada; levantar as impressões dos docentes da escola sobre a forma de desenvolvimento da formação continuada; verificar se os professores enfrentam dificuldades para introduzir, no seu trabalho cotidiano, as informações recebidas na formação continuada. A partir de entrevistas semi-estruturadas realizadas com os dez professores da instituição, foi possível constatar que, quanto aos objetivos, a formação continuada a que os professores tiveram acesso pretendia capacitá-los para a implementação da Lei Nº10639/2003. Quanto à forma de desenvolvimento dessa formação, a mesma estruturou-se como capacitação coletiva de professores da rede municipal de educação 9 Consideramos que a formação docente constitui-se, como quer Lima (1995), em um processo complexo que se dá ao longo da vida, e que ocorre em diferentes espaços sociais, envolvendo não apenas programas de formação inicial e continuada ofertados em espaços educativos formais como escolas e universidades. Consideramos como formação inicial a formação ofertada em Licenciatura ou Curso Normal Médio (VEIGA, 2001), e por formação continuada todas as formas de aperfeiçoamento profissional. (SANTOS,2001).

9 9 atuantes em comunidades negras e foi promovida pela Secretaria Municipal de Educação de São João da Ponte. As impressões dos docentes sobre a formação continuada ofertada revelam que a mesma se consistiu em formação básica de caráter teórico com contribuição no tocante à sensibilização dos professores e à compreensão da necessidade de abordagem do tema não apenas nas efemérides. Revelam ainda a Ausência de formação continuada em serviço, com acompanhamento da inserção do tema no currículo da escola e suporte metodológico para o trabalho sendo essa modalidade de formação entendida, segundo os docentes, como necessária, já que a formação ofertada teria sido de caráter mais teórico e realizar a transposição didática da teoria aprendida na capacitação para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental tem sido uma das principais dificuldades enfrentadas pelos professores. Essa constatação coaduna os achados de Santos (2001) quanto à relevância da formação continuada em serviço do tipo interativo-reflexiva para efetivação de melhorias na prática pedagógica escolar. Segundo a autora anteriormente citada, esse tipo de formação é centrado na solução de problemas da prática, cuja proposta é a formação de um profissional reflexivo, que tenha capacidade de refletir na ação e sobre a ação. Nesse modelo de formação os problemas reais são analisados em grupo, com a orientação de um coordenador, envolvendo o uso de teorias pedagógicas, sendo destacada pela literatura como uma modalidade capaz de melhor preparar o docente. (Santos, 2001, p.132). Ainda de acordo com a autora, a formação escolar caracterizada pela oferta de palestras, seminários e cursos, desenvolvidos em padrões escolares, não pode ser ignorada, já que este tipo de formação também é eficiente quando o objetivo é apenas a divulgação de novas teorias e propostas pedagógicas, por exemplo. (Santos, 2001, p.132). O sentimento que prevalece entre os professores é de que a formação ofertada deveria agregar momentos de discussão sobre os problemas da prática, de modo a contribuir com a transposição didática das teorias aprendidas no curso que fizeram. Os docentes citaram também as dificuldades enfrentadas devido à limitação de material bibliográfico para aprofundamento de estudos e para operacionalização do trabalho com os alunos. Esta situação assinala a necessidade de investimentos nas condições de trabalho dos professores, conforme evidencia o estudo realizado por Nunes e Oliveira (2008), ao ressaltar a incipiência de recursos pedagógicos, bibliografia

10 10 e material apropriado para que as instituições de ensino possam realizar a contento o que preconiza a Lei Federal Nº /03. A rotatividade e a instabilidade dos professores também figuram como dificuldades para estruturação do trabalho escolar, o que demarca um campo de reflexão para as políticas educacionais. No caso da escola investigada, na condição de contratados há casos de docentes que participaram da capacitação e já saíram da escola, e casos de professores que vieram para a escola em 2008 e não participaram da capacitação porque anteriormente não atuavam em comunidades quilombolas. Esse quadro de análise aponta perspectivas para a reflexão sobre a educação escolar em comunidades quilombolas, sugerindo que a escola estudada convive com problemas de leitura e escrita dos alunos e de falta de apoio da família. Estes problemas estão presentes também em escolas urbanas; porém, as especificidades raciais e culturais da comunidade merecem atenção nos processos formativos dos professores se se pretende garantir uma educação que respeite a história e a cultura daqueles que habitam estes territórios. Considerações Finais: No contexto estudado encontramos professoras e professores que afirmam a importância da valorização da identidade negra pela escola e parecem tentar fazê-lo em meio às dificuldades; professoras e professores que buscam aperfeiçoamento profissional, mas que carecem de formação continuada para desenvolver a percepção de que a educação das relações raciais é um imperativo em uma escola que se pretende democrática e humana. Nesse sentido, ressaltamos a relevância de instrumentalização dos docentes, uma instrumentalização que se inicie, conforme propõe Lima, provocando as professoras para que redefinam suas concepções acerca dos temas racismo, preconceito, ideologia, cultura, gênero, estereótipos e outros, numa perspectiva de repensar o currículo e recolocá-los a partir da aceitação da identidade e diversidade enquanto aspectos definidores das decisões requeridas por sua prática pedagógica. (LIMA, 2005, p.19). Lima (2005, p.26) acrescenta que é preciso dar voz à professora para dizer do racismo nela, contra ela, testemunhado por ela, isto sem culpa, mas com consciência e desejo de fazer diferente, de recolocar a cultura e a história do povo negro de modo a educar alunos e comunidade para valorização da identidade negra.

11 11 Reiteramos o entendimento de Reis (s.d., p.144) de que por força do preconceito racial e social, os milhares de descendentes de quilombolas têm vivenciado, ao longo dos séculos, todo tipo de conflito na sociedade brasileira, entre os quais incluem-se a posse de terra, a preservação dos valores e a reafirmação das identidades. Para o referido autor, a construção de uma identidade negra é tarefa complexa em uma sociedade onde o ideal do embranquecimento se faz presente, onde a identidade branca é vista como modelo. Partindo da compreensão de que é pelo contexto sociocultural que os processos de construção da identidade ocorrem, Reis (s.d., p.148) assinala que o papel da família e da escola devem ser destacados: a família, por ser o meio de contato mais próximo do indivíduo com o mundo, e a escola por ser um lugar formal de educar, de formar o cidadão e de construir os saberes. Nessa direção, Gomes e Silva (2006, p.20) acrescentam a necessidade de repensar o papel social e cultural do professor e ressaltam a importância de estudos que destinem-se a tomar a construção das identidades e as relações étnico-raciais como objeto de análises. Nesse sentido, há que se ampliar as pesquisas em comunidades quilombolas de modo a mapear a realidade, aprofundar a compreensão e apontar perspectivas para a educação escolar; há que se investir na construção de projetos pedagógicos que atendam à especificidades da comunidade em que a escola encontra-se inserida; há que se produzir material que atenda às especificidades educativas de comunidades quilombolas e que sirvam de suporte para o trabalho pedagógico; há que se investir na formação dos profissionais de modo a contribuir para inserção da questão étnico-racial no currículo escolar. Os dados originados das pesquisas realizadas pelo projeto Negros do Norte de Minas: cultura, identidade e educação étnica em uma comunidade quilombola serviram de base para o planejamento e desenvolvimento, por parte dos pesquisadores, das seguintes ações extensionistas: palestras e oficinas para a comunidade escolar objetivando trabalhar a valorização da cultura e identidade negra e melhorar a auto- estima da população; mini-cursos para professores visando refletir e re-planejar as ações pedagógicas relacionadas à Educação das Relações Raciais, a partir do planejamento conjunto e trabalho colaborativo com os pesquisadores da universidade; e assessoria aos gestores da escola para que os mesmos pudessem conduzir a elaboração de um Projeto Político Pedagógico voltado para a identidade da Escola. Ressaltamos que os resultados deste trabalho abrem margem para ampliar os estudos na comunidade de Agreste, bem como estender as ações de pesquisa para outras

12 12 comunidades negras rurais, além de evidenciar a necessidade de transformar os dados produzidos em materiais didáticos que possam servir de base para o trabalho escolar. Nesse sentido, importante papel tem a universidade. Além das ações de pesquisa, a extensão universitária representa uma possibilidade e uma condição necessária para a universidade aproximar-se da realidade e intervir no melhoramento do trabalho escolar e das condições de vida da população. Referência bibliográfica ABRANCHES, Mônica. Colegiado escolar: espaço de participação da comunidade. São Paulo: Cortez, AMORIM, M. M. T. ; IDE, Maria Helena de Souza ; SILVEIRA, A. C. ; SILVA, Ana Paula Araújo. Negros do Norte de Minas: Identidade, Cultura e Educação Escolar em uma Comunidade Quilombola. In: 4 Congresso Brasileiro de Extensão Universitária - CBEU, 2009, Dourados - MS. ATAÍDE, Yara Dulce B. de MORAIS Edmilson de Sena. A (re)construção da identidade étnica afro-descendentes a partir de uma proposta alternativa de educação pluricultural. Educação Contemporânea. Revista da FAEEBA. Salvador BA. v. 1, n. 1. jan/jun, p , 2003 BRASIL. Secretária de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Apresentação aos Temas Transversais. Brasília: MEC/SEF, BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Lei Federal Nº 10639/2003. Brasília, GOMES, Nilma Lino e SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves (orgs). Experiências étnico-culturais para a formação de professores. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, GUILLEN, Isabel C. M. ; COUCEIRO, Sylvia. 500 Anos. Um novo mundo na TV. Brasil Colônia. 01.ed. Brasília: Secretaria de Educação a Distância, v p. LIMA, Maria de Lourdes Rocha Lima. A memória educativa no projeto de formação de professores do Ensino Superior: o fazer é sobretudo criação. São Paulo, FaE/ Universidade de São Paulo, (Tese, Doutorado em Educação).

13 13 LIMA, Maria Nazaré Mota. Por que e como formar professores(as) em História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. In: LIMA, Maria Nazaré Mota. (org.). Escola Plural: A diversidade está na sala: formação de professores em história e cultura afrobrasileira e africana. São Paulo: Cortez; Brasília: UNICEF; Salvador, BA: CEAFRO, (Série fazer valer os direitos; v.3), p Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Raciais e para o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília, 2004 MUNANGA, Kabengele e GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global, NUNES, Antônia Elisabeth da Silva Souza e OLIVEIRA, Elias Vieira (orgs.) Implementação das Diretrizes curriculares Nacionais para a educação das relações raciais e o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana na educação profissional e tecnológica. Brasília: MEC, SETEC, PEREIRA, Sueli Menezes. Políticas de estado organização político-pedagógico da escola: entre o instituído e o instituinte. Revista Scielo. Vol.16 no. 60, Disponível em www://scielo.br/scielo.php?script=sci_arttexr&pid=s &ing..., Acesso em 19 de janeiro de REIS, Maria Clareth Gonçalves. Escola e Contexto Social: A identidade racial numa comunidade remanescente de quilombo. In: OLIVEIRA, Iolanda e Gonçalves e Silva, Petronilha Beatriz. (orgs.) Negro e Educação_ Identidade Negra: Pesquisas sobre o negro e a educação no Brasil. Associação Nacional de Pós- Graduação e Pesquisa em Educação_ANPED, Rio de Janeiro: [ca.2003], p SÁ, Virginio. A (Não) participação dos pais na escola: A eloqüência das ausências. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro, e FONSECA, Marília. (orgs). As dimensões do projeto político pedagógico. Campinas, SP: Papirus, p SANTOS, Lucíola, Licínio Castro Paixão. Dimensões pedagógicas e políticas da formação contínua. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.) Caminhos da profissionalização do magistério. Campinas: Papirus, 2001, p SILVA, Tomaz Tadeu. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 4.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, P SILVA, Ana P.A.; IDE, Maria Helena S. Estudo e análise do processo de implementação do projeto político pedagógico da escola localizada na Comunidade Quilombola de Agreste. Revista Educação, Escola e Sociedade Universidade Estadual de Montes Claros. Nº

14 14 SILVEIRA, Andréia Cardoso. O projeto político pedagógico escolar de uma comunidade negra no Norte de Minas. Revista Intercâmbio. Universidade Estadual de Montes Claros, VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.) Caminhos da profissionalização do magistério. Campinas: Papirus, VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Projeto político-pedagógico: novas trilhas para a escola. In: Veiga, Ilma Passos Alencastro; FONSECA, Marília (org.). As dimensões do projeto político pedagógico: novos desafios para a escola. Campinas SP: Papirus, p.45-66, 2001.

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais

A Interdisciplinaridade e a Transversalidade na abordagem da educação para as Relações Étnico-Raciais CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS LEILA MARIA DE OLIVEIRA Mestre em Educação: Currículo pelo Programa de Pós Graduação da PUC-SP; professora de educação física; e integrante do Grupo

Leia mais

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população

Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população Plano de Aula As Ações Afirmativas Objetivo Geral: O objetivo da aula é demonstrar que as políticas de ação afirmativas direcionadas à população negra brasileira são fundamentadas historicamente na luta

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE UNIPLAC PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, EXTENSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO E APOIO COMUNITÁRIO Projeto do Curso de Extensão ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03

RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI 10.639/03 RELAÇÕES ÉTNICO RACIAIS: DESAFIOS NA IMPLEMENTAÇÃO DA RESUMO LEI 10.639/03 Anne Caroline Silva Aires Universidade Estadual da Paraíba annec153@yahoo.com.br Teresa Cristina Silva Universidade Estadual da

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora)

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS I MÓDULO IV Discutir sobre a educação das relações étnico-raciais na escola,

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA

A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO UMA PROPOSTA EDUCACIONAL DEMOCRÁTICA Maria Cleonice Soares (Aluna da Graduação UERN) 1 Kátia Dayana de Avelino Azevedo (Aluna da Graduação UERN) 2 Silvia

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 119-COU/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. ALTERADA A NOMENCLATURA DESSE CURSO PARA LICENCIATURA EM PSICOLOGIA COMPLEMENTAÇÃO, CONFORME RESOLUÇÃO Nº 182/2014-GR/UNICENTRO. Aprova o Projeto

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008

AULA 05. Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 AULA 05 Profª Matilde Flório EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO ÉTNICO-RACIAL PMSP-DOT- 2008 FÁBRICA DE IDÉIAS PEDAGÓGICAS CONCURSO PMSP FUND II 2011 (em parceria com a APROFEM e o Jornal dos Concursos)

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE PROGRAMA Disciplina: Estágio Supervisionado II Obrigatória: Sim Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 90 Número de Créditos: 03 Eletiva: Não Pré-requisito: Profa:

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO?

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: REALIDADE OU ILUSÃO? Daniella Brito de Oliveira Cotrim¹, Luciana Maria Pereira Rocha², Viviane Silva Santos Malheiros³, Kalyanne Pereira de Oliveira 4 1 Discente do curso de

Leia mais

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE Kallenya Kelly Borborema do Nascimento 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) E-mail: kallenyakelly2@hotmail.com Patrícia Cristina

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA Moura (2001) nos traz um desafio preocupante, não só a partir do debate sobre a melhoria estrutural das escolas em comunidades quilombola, da qualificação continuada dos professores,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03.

TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. TÍTULO: AFRO-EDUCAÇÃO: DESAFIOS PARA A SUPERAÇÃO DO RACISMO NAS ESCOLAS A PARTIR DA IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/03. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: LETRAS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O ESTUDO ETNOGRÁFICO NA ESCOLA COMO INSTRUMENTO PARA A SUPERAÇÃO DA DESIGUALDADE RACIAL

A PRÁTICA PEDAGÓGICA E O ESTUDO ETNOGRÁFICO NA ESCOLA COMO INSTRUMENTO PARA A SUPERAÇÃO DA DESIGUALDADE RACIAL Universidade Federal de Santa Maria I Seminário Políticas Públicas e Ações Afirmativas Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 e 21 de outubro de 2015 A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social.

PÚBLICO-ALVO Assistentes sociais que trabalham na área da educação e estudantes do curso de Serviço Social. OBJETIVOS: Promover o debate sobre o Serviço Social na Educação; Subsidiar as discussões para o Seminário Nacional de Serviço Social na Educação, a ser realizado em junho de 2012 em Maceió-Alagoas; Contribuir

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UMA EXPERIÊNCIA ATRAVÉS DO PIBID Cristiane Rosa Lopes*

DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UMA EXPERIÊNCIA ATRAVÉS DO PIBID Cristiane Rosa Lopes* DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL NO ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: UMA EXPERIÊNCIA ATRAVÉS DO PIBID Cristiane Rosa Lopes* Resumo Este trabalho insere-se no campo da Linguística Aplicada, e tem como eixo central a

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINHA DE PESQUISA: TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINHA DE PESQUISA: TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA: TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DA SEED-PR PARA

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica

Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica Currículo em Movimento: o compromisso com a qualidade da educação básica Ministério da Educação Secretaria da Educação Básica Diretoria de Concepções e Orientações Curriculares para Educação Básica Qualidade

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF

EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF EDUCAÇÃO INFANTIL E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: A LEI NO PAPEL, A LEI NA ESCOLA Aline de Assis Augusto UFJF Resumo A presente pesquisa se debruça sobre as relações étnico-raciais no interior de uma escola

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA CATARINENSE

Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO BÁSICA CATARINENSE ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Superior - DIES Rua Antônio Luz, 111 Centro Fpolis/SC CEP 88010-410 Proposta de Projeto do Curso de Extensão: ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS

TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS TUTORIA DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES À FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES/AS Gabriella Pizzolante da Silva Universidade Federal de São Carlos gabriellapizzolante@gmail.com Maria José da Silva Rocha - Universidade

Leia mais

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES

MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES MATRIZES CURRICULARES MUNICIPAIS PARA A EDUCAÇÃO BÁSICA - MATEMÁTICA: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA EM MOGI DAS CRUZES Marcia Regiane Miranda Secretaria Municipal de Educação de Mogi das Cruzes marcia.sme@pmmc.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Ensinar e aprender História - JP0038 PROFESSORA: Dra. Hilda Jaqueline de Fraga I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária 75h II EMENTA Concepções e temas recorrentes no

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL AS REPRESENTAÇÕES DO NEGRO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Rosa Maria Cavalheiro Jefferson Olivatto da Silva UNICENTRO Resumo: No Brasil, a abordagem das questões relacionadas História e Cultura Afro-Brasileira e

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica.

ENSINO FUNDAMENTAL. De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. ENSINO FUNDAMENTAL De acordo a LDB 9394/96 o Ensino Fundamental, juntamente com a Educação Infantil e o Ensino Médio, compõe a Educação básica. Art. 32 "o Ensino Fundamental, com duração mínima de oito

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ppged@ce.ufrn.br. Pesquisa Práticas Pedagógicas e Currículo. E-mail: ivysandrade@hotmail.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ppged@ce.ufrn.br. Pesquisa Práticas Pedagógicas e Currículo. E-mail: ivysandrade@hotmail. A RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ESTADUAL PONTA DO TUBARÃO (RDSEPT) E O CURRÍCULO ESCOLAR: CAMINHOS E DESCAMINHOS NA CONSTRUÇÃO DE UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR PARA A EDUCAÇÃO DO CAMPO Iris

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG

O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG O PERFIL DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FURG Juliana Diniz Gutierres FURG Stephany Sieczka Ely FURG Maria Renata Alonso Mota FURG Suzane da Rocha Vieira FURG Resumo: Esse estudo apresenta parte dos

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES E ENSINO DE MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA EM GRUPO MONIKE CRISTINA SILVA BERTUCCI Universidade Federal de São Carlos mobertucci@yahoo.com.br RESUMO Este artigo relata uma

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica

Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Música nas escolas: uma análise do Projeto de Resolução das Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica Luis Ricardo Silva Queiroz Presidente da ABEM presidencia@abemeducacaomusical.com.br

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

RESULTADOS ALCANÇADOS

RESULTADOS ALCANÇADOS Política para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão 2.1. Coerência das políticas de ensino, pesquisa e extensão com os documentos oficiais. Objetivos Ações Realizadas RESULTADOS ALCANÇADOS

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DEPENDE DA OUSADIA DOS SEUS AGENTES, DA OUSADIA DE CADA INSTITUIÇÃO EM ASSUMIR-SE COMO TAL, PARTINDO DA CARA QUE TEM, COM O SEU COTIDIANO E O SEU

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA Disciplina: ESTÁGIO I Carga Horária: 90h Teórica: Prática: 80h Semestre: 2013.2 Professora: Claudia Mara Soares

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 416/2006

RESOLUÇÃO Nº 416/2006 RESOLUÇÃO Nº 416/2006 Regulamenta o Ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africanas e dá outras providências. O Conselho de Educação do Ceará CEC, no uso de suas atribuições legais no uso de suas

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

1 Para saber mais acesse: www.geppes.ucdb.br

1 Para saber mais acesse: www.geppes.ucdb.br A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O SISTEMA DE COTAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL (2004-2008) Daisy Ribas Emerich UCDB O objetivo da pesquisa consistiu em analisar

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Conselho de Graduação e Educação Profissional

Ministério da Educação. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Conselho de Graduação e Educação Profissional Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Reitoria Conselho de Graduação e Educação Profissional Conselho de Graduação e Educação Profissional COGEP PROCESSO Nº. 038/13-COGEP Câmara

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

DIVERSIDADE CULTURAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO

DIVERSIDADE CULTURAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO DIVERSIDADE CULTURAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO MESTRANDA: LIDIA KADLUBITSKI ORIENTADOR: PROF. DR. SÉRGIO S ROGÉRIO RIO DE AZEVEDO JUNQUEIRA OBJETO DE PESQUISA Como a diversidade cultural está presente em

Leia mais